MENU

Consequências Práticas do Ceticismo Filosófico

Houdini contra a Bruxa Loira da Rua Lime

7 de setembro de 2009 Comments (75) Views: 6639 Ciência, Destaques

A Ilusão de Design

por Richard Dawkins

O mundo está dividido em coisas que parecem como se alguém lhes tivesse projetado (asas e rodas de carros, corações e televisores), e coisas que só aconteceram através do funcionamento involuntário da física (montanhas e rios, dunas de areia, e sistemas solares). O Monte Rushmore pertencia firmemente à segunda categoria até que o escultor Gutzon Borglum o trabalhasse, caindo na primeira. Charles Darwin foi em outra direção. Ele descobriu uma maneira na qual as desamparadas leis da física – as leis segundo as quais as coisas "simplesmente acontecem" – poderiam, na totalidade do tempo geológico, imitar um design proposital. A ilusão de design é tão bem sucedida que a maior parte dos americanos hoje (incluindo, significativamente, muitos americanos ricos e influentes) teimosamente se recusa a acreditar que é uma ilusão. Para essas pessoas, se um coração (ou um olho ou um flagelo bacteriano) parece arquitetado, isso é prova suficiente de que é projetado.

Não admira que Thomas Henry Huxley, "o buldogue de Darwin", ao ler A Origem das Espécies, disse sobre si mesmo: "Como fui estúpido em não ter pensado nisso antes." E Huxley era o menos estúpido dos homens. O fôlego e alcance da idéia de Darwin – amplamente documentado no campo, como Jonathan Weiner descreve em "Evolução em Ação" – aliam-se com sua audaz simplicidade. Pode-se escrevê-la em uma frase: sobrevivência não-aleatória de instruções hereditárias variando aleatoriamente para a formação de embriões. No entanto, dadas as possibilidades oferecidas pela grande quantidade de tempo, esse simples e pequeno algoritmo gera prodígios de complexidade, elegância, e diversidade de design aparente. O verdadeiro design, do tipo que vemos numa escultura, num avião a jato, ou num computador pessoal, acaba por ser uma manifestação de uma entidade – o cérebro humano – em que ela própria nunca foi projetada, mas é um produto desenvolvido pelo moinho de Darwin.

Paradoxalmente, a extrema simplicidade do que o filósofo Daniel C. Dennett chamou de a perigosa idéia de Darwin pode ser sua maior barreira a aceitação. As pessoas têm dificuldade em acreditar que um mecanismo tão simples possa chegar a resultados tão poderosos.

Os argumentos de criacionistas, incluindo aqueles criacionistas que camuflam as suas pretensões sob a frase politicamente desonesta "teoria do design inteligente", repetidamente regressam à mesma grande falácia. Algo parece projetado. Logo, foi projetado. Continuando meu paradoxo, há a idéia de que o ceticismo de quem muitas vezes recebe a idéia de Darwin idéia é uma medida da sua grandeza.

Parafraseando o geneticista do século 20 Ronald A. Fisher, a seleção natural é um mecanismo de geração de improbabilidade em uma enorme escala. Improvável é quase um sinônimo para inacreditável. Qualquer teoria que explica o que é altamente improvável está pedindo para ser negada por aqueles que não a compreendem.

No entanto, o altamente improvável existe no mundo real, e precisa ser explicado. Improbabilidade adaptativa – complexidade – é precisamente o problema da vida que qualquer teoria tem de resolver e que a seleção natural, a única que até então a ciência reconhece, resolve. Na verdade, é o design inteligente a maior vítima do argumento da improbabilidade. Qualquer entidade capaz de projetar deliberadamente uma criatura viva, para já não falar de um universo, teria de ser extremamente complexa por si própria.

Se, como o astrônomo dissidente Fred Hoyle acreditava erroneamente, a espontânea origem da vida é tão improvável quanto um furacão soprando um ferro velho tivesse a sorte de montar um Boeing 747, então um designer divino é o Boeing 747 final. A origem espontânea do designer, ex nihilo, teria de ser ainda mais improvável do que a mais complexa de sua alegada criações. A menos, claro, que ele tenha se baseado na seleção natural para fazer o seu trabalho! E, nesse caso, se poderia perguntar, ele precisa existir absolutamente?

design747

A realização não-aleatória da seleção natural é a de domar o acaso. Minimizando a sorte, quebrando assim a improbabilidade em um grande número de pequenos passos – cada passo um tanto improvável, mas não tão ridiculamente improvável – a seleção natural aumenta paulatinamente a improbabilidade.

À medida que as gerações passam, o aumento leva a improbabilidade a se acumular a níveis que – na ausência do paulatino acréscimo – seria superior à credibilidade de todos os sensatos.

Muitas pessoas não percebem tais acréscimos cumulativos não-aleatórios. Elas acham que a seleção natural é uma teoria de azar, por isso não me admira que elas não acreditem nela! A batalha que nós biólogos enfrentamos, na nossa luta para convencer o público e os seus representantes eleitos, é que a evolução é um fato, soma-se à batalha para transmitir-lhes o poder da engrenagem de Darwin – o Relojoeiro Cego – impulsionando-lhes a escalada dos declives suaves do Monte Improvável.

O argumento mal empregado da improbabilidade não é o único usado pelos criacionistas. Eles são muito apreciadores de lacunas, tanto lacunas literais no registro fóssil quanto nas lacunas de sua compreensão daquilo que o darwinismo advoga. Em ambos os casos, a (falta de) lógica do argumento é a mesma. Alegam uma lacuna ou deficiência no cômputo Darwiniano. Em seguida, sem sequer averiguar se o design inteligente sofre da mesma deficiência, eles proclamarão vitória para a "teoria" rival. Este raciocínio não é o modo de se fazer ciência. Mas a ciência é precisamente aquilo que os "cientistas" criacionistas, apesar das ambições dos seus fanfarrões do design inteligente, não estão fazendo.

No caso de fósseis, como Donald R. Prothero documenta em "The Fossils Say Yes" [ver a versão impressa da Natural History, em que este artigo apareceu pela primeira vez], os biólogos de hoje são mais felizes do que Darwin foi por ter acesso à linda série da fase de transição: registros quase cinematográficos de mudanças evolutivas em ação. Nem todas as transições são tão comprovadas, é claro – daí as lacunas. Alguns pequenos animais simplesmente não fossilizam; seus filos são conhecidos somente a partir de espécimes modernos: a sua história é uma grande lacuna. As lacunas equivalentes para qualquer criacionista ou teoria do design inteligente seria a ausência de um registro cinematográfico de cada movimento de Deus na manhã que ele criou, por exemplo, as bactérias motoras flageladas. Não só faltam tais videoteipes divinos: há uma total ausência de provas de qualquer tipo de design inteligente.

Ausência de provas a favor não é prova contrária, claro. Provas positivas contra a evolução poderiam ser encontradas facilmente – se é que elas existem. O contemporâneo e rival de Fisher, J. B. S., Haldane, foi perguntado por um fanático popperiano o que falsificaria a evolução. Haldane respondeu, "Fósseis de coelhos no Pré-Cambriano." Nenhum fóssil do tipo foi encontrado, é claro, apesar de inúmeras pesquisas para espécies anacrônicas.

Existem outros entraves para a aceitação do darwinismo. Muitas pessoas não conseguem suportar a idéia que elas são primas não apenas dos chimpanzés e macacos, mas de céstodos, aranhas e de bactérias. A intragabilidade de uma proposição, no entanto, não tem qualquer influência sobre a sua veracidade. Eu, pessoalmente, acho a idéia de familiaridade com todas as espécies vivas bem agradável, mas nem a minha simpatia para com ela, nem o pavor de um criacionista, tem a menor influência sobre a sua veracidade.

O mesmo pode ser dito sobre objeções políticas ou morais ao Darwinismo. "Diga às crianças que elas não são nada mais que animais e elas se comportarão como animais". Eu não aceito por um momento sequer que a conclusão decorra da premissa. Mas mesmo que eu o fizesse, uma vez mais, uma conseqüência desagradável não pode comprometer a verdade de uma premissa. Alguns disseram que Hitler fundou sua filosofia política no darwinismo. Isso é um disparate: doutrinas de superioridade racial em nada decorrem da seleção natural, devidamente compreendida. No entanto, um bom caso poderia ser feito de que uma sociedade que corresse em linhas darwinistas seria uma sociedade muito desagradável para se viver. Mas, mais uma vez, o dissabor de uma proposição não tem qualquer influência sobre a sua veracidade.

Huxley, George C. Williams, e outros evolucionistas se opuseram ao darwinismo como uma doutrina política e moral tão apaixonadamente quanto defenderam a sua verdade científica. Considero-me entre eles. A Ciência precisa compreender a seleção natural como uma força na natureza, opondo-se a ela como uma força normativa na política. O próprio Darwin manifestou consternação perante a indiferença da seleção natural: "O que um livro como Devil’s Chaplain poderia escrever sobre as obras rudes, devastadoras, descuidadas e horrivelmente cruéis da natureza!".

Apesar do sucesso e da admiração que ele ganhou, e apesar da sua grande e amável família, a vida de Darwin não foi feliz. Preocupado com a deterioração genética em geral e os possíveis efeitos da endogamia mais perto de casa, como James Moore documenta em "Good Breeding" [ver edição de novembro da revista Natural History], e atormentado pela doença e luto, como a entrevista de Richard Milner com o psiquiatra Ralph Colp Jr. mostra em "Darwin’s Shrink", as façanhas de Darwin parecem mais impressionantes. Ele ainda encontrou tempo para distinguir-se como experimentador, especialmente com plantas. Os artigos de David Kohn e de Sheila Ann Dean ("The Miraculous Season" e "Bee Lines and Worm Burrows" [ver a edição de novembro da revista Natural History]) levam-me a pensar que, mesmo sem suas principais realizações teóricas, Darwin ganharia reconhecimento permanente como experimentador, embora um experimentador com o estilo de um amador cavalheiresco, que poderia não cair nas boas graças dos referees dos periódicos modernos.

Quanto às suas principais realizações teóricas, naturalmente, a nossa compreensão dos detalhes mudaram desde a época de Darwin. Esse foi o caso, especialmente, durante a síntese de Darwinismo com a genética digital Mendeliana. E, além da síntese, como Douglas J. Futuyma explica, em On Darwin‘s Shoulders, [ver a edição de novembro da Natural History Magazine] e Sean B. Carroll detalha ainda mais para o excitante novo campo de "evo-devo", em "The Origins of Form", o Darwinismo revela-se uma florescente população de teorias, ele próprio em rápida mudança evolutiva.

Em todo o desenvolvimento da ciência há divergências. Mas cientistas – e aqui está o que separa os verdadeiros cientistas dos pseudocientistas da escola do design inteligente – sabem qual prova seria necessária para mudar de idéia. Uma coisa de que todos os verdadeiros cientistas estão de acordo é o fato da própria evolução. É um fato que somos primos de gorilas, cangurus, estrelas-do-mar e bactérias. Evolução é um fato tanto quanto o calor do sol. Não é uma teoria, e, por piedade, vamos parar de confundir os filosoficamente ingênuos chamando-a dessa forma. Evolução é um fato.

– – –

Artigo publicado originalmente na edição de novembro de 2005 da revista Natural History. Reproduzido em eSkeptic, traduzido por Vitor Moura Visoni através da Iniciativa Lúmen

Tags: , , , , , , ,

75 Responses to A Ilusão de Design

  1. Agulha3al disse:

    Maravilhosamente “divino” srrsrsr

  2. Pablo Moreno disse:

    Hehe engraçado alguem que tem um amigo imaginário acusar outras pessoas de idiotas.

    • Nietsch Saramago disse:

      Então você têm que provar que é imaginário.

      Ou você é um desses ateus que endossam pontos absurdos de sua “descrença” sem apresentar provas ?

      • edson disse:

        vejam só! um crente perdido que “nem cusco em tiroteio”. Nietzsche, se você não sabia, era ateu. E quem tem que apresentar provas é o crente, não o ateu.

  3. Alessandro C. Cruz disse:

    “Deus é o autor das leis físico-químicas que cria tudo”. hmm. Você leu na bíblia isso, Marcelo? Pois tenho certeza absoluta de que em livros de ciência não foi.
    E bem legal a iniciativa de traduzir o artigo, embora eu tenha notado um ou outro problema: “o que falsificaria a evolução”, por exemplo. Creio que o correto seria ‘falsearia a evolução’, não? Mas valeu. Abs.

  4. Homero disse:

    Pois é, não sei o que é pior, o cara ter um “amigo imaginario” ou rir desse jeito bobo “hi hi hi”..:-)

    E depois de acreditar que “deus criou regras fisico-químicas”, só falta acreditar que duendes tem potes de ouro no fim do arco-iris e que chifres de unicórnios são mágicos.

    Cai na real, Marcelo, quem criou as leis fisico-químicas foi o Monstro Espaguete Voador..:-)

  5. Rodrigo Ribeiro disse:

    É realmente triste o que há nos comentários acima. Pessoas que, independentemente de sua crença num criador ou não, mostram-se de mente fechada.

    Ambas as atitudes tomadas aqui em relação ao fato do Design na natureza ser gerado pela seleção natural, seja a atéia ou a teísta, ignoram a possibilidade de haver algo, ou alguém por trás desse processo. Duas atitudes errôneas em relação ao método científico: um o subestima e investe em suas lacunas; outros tentam considerá-lo como onipotente, forma última de obter conhecimento.

    É necessário saber qual o escopo da ciência: o mundo natural. Questões subjetivas, como religião, não lhe dizem respeito. Levá-la para além desse escopo é um erro, e colocá-la aquém também. Tanto um quanto outro tratamento está motivado tão somente por razões sentimentais, as MESMAS que geram todo tipo de crença, especialmente a religiosa (seja ela teísta, atéia, panteísta ou deísta). E a existência de um ente metafísico que coordena os processos do mundo natural (seja ele pessoal ou não) é uma das coisas fora do domínio da ciência, e que só é decidido por uma iniciativa pessoal, grosso modo, fé.

    E esclarecendo uma coisa, não sou adepto da NOMA de Stephen Jay Gould. Estou dizendo que a metodologia científica não é válida para todas as áreas da vida, não os conceitos resultantes dessa metodologia. Estes, como qualquer outra experiência, modifica as concepções pessoais que vão se modificando.

    • carlos disse:

      se a ciencia não é valida então a religião que não é pois esta não tem evidencias factíveis de nada.
      alias falta pouco pra algum cientista criar uma bactéria totalmente artificial, ai sim veremos o que estes energúmenos vão dar como desculpa. pois até agora, não vi ninguém explicar porque religião nenhuma teve capacidade de citar a existência dos dinossauros, isso pois a descoberta destes fósseis foi muito recente e as religiões caquéticas já estavam mais que estabelecidas.
      é a ciência que explica o mundo! não a superstição.

  6. Rodrigo Miguel disse:

    Rodrigo Ribeiro, parabéns pelo comentário!

  7. Alessandro C. Cruz disse:

    Bom, Rodrigo Ribeiro, fui um dos que comentaram acima em resposta ao marcelo, que disse: “Deus é o autor das leis físico-químicas que cria tudo”. Acho que ao falar de “físico-químicas” estamos dentro do escopo da ciência, não? Ou devemos aí também respeitar a subjetividade das pessoas? Acho que se assim fosse o homem dificilmente teria chegado a lua.
    E você, me permita repetir, também diz: “todo tipo de crença, especialmente a religiosa (seja ela teísta, atéia, panteísta ou deísta)”. Atéia? O ateísmo é uma religião? Isso é uma novidade tão grande pra mim que sou capaz de apostar um braço como você está completamente errado! É pra mim tão exótico como você dizer que pelo fato de não acreditar em fadas (por simples falta de evidências, deixo claro), eu pertenço a religião dos afeéricos! Nem sei se este termo já foi cunhado e sei também que o número de ateus é muito maior e mais incômodo, mas isso apenas pelo fato de que o número de pessoas que saem por aí dizendo que foram as fadas que criaram isso ou aquilo, é muito menor. E se alguém o fizesse, ainda falando de fadas, tal idéia não poderia ser atacada ou questionada? Por que não? As opiniões e tendências políticas de qualquer pessoa diariamente o são, as opções sexuais das pessoas o são (não é o que a grande maioria das religiões fazem?). Por que o privilégio das religiões? Até concordo que a ciência não explica tudo (ainda), mas então a solução é a fé? No quê, em deus, no saci pererê, na Batata suprema, no Monstro do Espaguete voador (será que o comentário do Homero também é triste?)? Ou alguém não pode ter uma fé sincera em todas essas coisas? Se admitir que não, lembre-se, você poderá estar desrespeitando a subjetividade das pessoas.
    Permita-me, por favor: “seja a atéia ou a teísta, ignoram a possibilidade de haver algo, ou alguém por trás desse processo.” Concordo! Por isso mesmo é sempre bom questionar e pedir evidências de quem diz que sabe.

  8. Rodrigo Ribeiro disse:

    Alessandro C. Cruz:

    “Bom, Rodrigo Ribeiro, fui um dos que comentaram acima em resposta ao marcelo, que disse: “Deus é o autor das leis físico-químicas que cria tudo”. Acho que ao falar de “físico-químicas” estamos dentro do escopo da ciência, não? Ou devemos aí também respeitar a subjetividade das pessoas? Acho que se assim fosse o homem dificilmente teria chegado a lua.”
    Não sei se percebeu, mas eu estive criticando ambas as posições que foram tomadas antes do meu comentário, que são duas faces de uma mesma moeda: colocar opiniões subjetivas num falso sustentáculo científico.

    “E você, me permita repetir, também diz: “todo tipo de crença, especialmente a religiosa (seja ela teísta, atéia, panteísta ou deísta)”. Atéia? O ateísmo é uma religião? Isso é uma novidade tão grande pra mim que sou capaz de apostar um braço como você está completamente errado!”
    Quero enquadrar o ateísmo como crença, não como religião. Igualmente ao deísmo, que também não é religião, mas é uma crença. As quatro posições que citei não estão sustentadas por nenhuma evidência científica, razões para alguém seguir uma delas são subjetivas, e isso é crença.

    “E se alguém o fizesse, ainda falando de fadas, tal idéia não poderia ser atacada ou questionada? Por que não? As opiniões e tendências políticas de qualquer pessoa diariamente o são, as opções sexuais das pessoas o são (não é o que a grande maioria das religiões fazem?).”
    A diferença está que para estas questões podemos apresentar evidências e pelo menos esboçar conclusões. No debate metafísico, não. Todas as discussões que se podem fazer nesse campo, tendem para a indecisão, e , no fim cada qual continua com sua crença, sustentada apenas por decisão pessoal.

    “Por que o privilégio das religiões?”
    E eu te pergunto: por que o privilégio do ateísmo? Por que ateus podem zombar de crenças alheias, chamando o teísmo de “ter um amigo imaginário”, se ele tem a mesma quantidade de evidência que outras crenças (zero)?

    “Até concordo que a ciência não explica tudo (ainda), mas então a solução é a fé?”
    Eu não estou dizendo que a ciência “ainda” não explica tudo. Estou dizendo que ela nunca explicará tudo, pois seu objetivo não é esse. O método científico diz respeito ao mundo natural, e não mete o bedelho além disso. Mesmo outros métodos de conhecimento, como a filosofia, nunca provarão tudo. Teremos sempre a dúvida ao nosso lado. É incômodo isso, mas devemos nos acostumar e admitir que algumas de nossas posições são somente sentimentais, ao invés de buscar dar ar científico à elas.

    “Até concordo que a ciência não explica tudo (ainda), mas então a solução é a fé? No quê, em deus, no saci pererê, na Batata suprema, no Monstro do Espaguete voador (será que o comentário do Homero também é triste?)? Ou alguém não pode ter uma fé sincera em todas essas coisas? Se admitir que não, lembre-se, você poderá estar desrespeitando a subjetividade das pessoas.”
    Todas elas tem todo o direito de crer nisso. Direito igual ao do seu ateísmo, pois nenhuma delas pode ser provada falsa ou verdadeira (talvez no caso do saci-pererê seja difernete, pois não estamos falando de um criador ou um ser metafísico, idem para as fadas que você cita acima. Aliás, nunca vi ninguém as responsabilizando pela criação de nada, ao inverso do que você diz).

  9. Alessandro C. Cruz disse:

    Rodrigo Ribeiro:
    “são duas faces de uma mesma moeda: colocar opiniões subjetivas num falso sustentáculo científico.” Bem, Rodrigo Ribeiro, pra começo penso que qualquer enunciado, argumento, tese por mais lógica e racional que seja estará sempre eivada de subjetividade. E não me recordo de ter me apoiado em nenhum sustentáculo científico. Não posso falar por todos os ateus, óbvio, mas minha ausência de crença em um deus é simplesmente por uma questão de evidências (ou falta delas). Creio (nisso sim!) que isso se aplica a tudo na vida. Claro que ninguém pode falar em certezas. A ciência mesmo não funciona com base em certezas; as teorias baseiam-se em evidências.

    “Quero enquadrar o ateísmo como crença”. No que, por favor? Meu ateísmo, e suponho que o de qualquer pessoa, é justamente a falta de. Usei o argumento das fadas pra dizer isso, e desculpa se não me fiz entender. Também não creio em lobisomens, unicórnios, duendes etc, o quê, segundo seu argumento de que não havendo “nenhuma evidência científica”, as “razões para alguém seguir uma delas [ou não, já que você havia incluido os ateus] são subjetivas, e isso é uma crença.”, faz de mim um crente em muitas coisas, o que acho absurdo!

    “A diferença esta que para estas questões podemos apresentar evidências e pelo menos esboçar conclusões.” Para questões políticas e sexuais??? Duvido muito!

    “Eu te pergunto: por que o privilégio do ateísmo? Por que ateus podem zombar de crenças alheias”. Privilégio? Sinceramente não enxergo nenhum! E pra mim as pessoas, atéias ou não, podem, se assim o quiserem, debochar de qualquer coisa, inclusive das religiões! Foi por isso que te perguntei sobre o privilégio das religões, já que qualquer opinião contrária a elas é tida como um desrespeito.

    “O metódo científico diz respeito ao mundo natural”. Qual o outro, o sobrenatural? Há várias seções nesse maravilhoso site que dão conta de que também não há nenhuma evidência (olha a palavrinha bonita novamente) dele!

    “Mesmo outros métodos de conhecimento, como a filosofia”. Penso, como Bertrand Russel, grande matemático, que a filosofia não pode de modo algum andar apartada das ciências naturais, por risco de virar rabiscos herméticos de solitários.

    “Todas elas tem o direito de crer nisso.” Jamais diria que não.
    “pois nenhuma delas pode ser provada falsa(…)”. Claro, assim como não posso provar que não há um dragão invisível na minha garagem, recordando uma metáfora famosa de Carl Sagan. E depois não posso nem questionar ou fazer troça de quem vier a acreditar nele?
    Abs.

  10. Rodrigo Ribeiro disse:

    “No que, por favor? Meu ateísmo, e suponho que o de qualquer pessoa, é justamente a falta de.”
    Volte a ler a definição de crença que eu havia dado antes:
    ‘As quatro posições que citei não estão sustentadas por nenhuma evidência científica, razões para alguém seguir uma delas são subjetivas, e isso é crença.’
    Ao definir o ateísmo como “ausência de crença”, geralmente o objetivo é dar-lhe uma maquiagem racional, para mostrá-lo como superior a outras opções. Porém, isso não muda que ele ainda é uma posição completamente subjetiva, e não tem nenhum motivo objetivo para que alguém lhe escolha ao invés de outra. Não quero me estender muito nisso, pois provavelmente você moverá céus e terra para demonstrar que seu ateísmo é uma “falta de fé”. Só quero comentar uma declaração sua:
    “faz de mim um crente em muitas coisas, o que acho absurdo!”
    Você, eu e todos os outros somos crentes em muitas coisas, a maioria das vezes sem perceber. É impraticável não ter crença em algo.

    “Qual o outro, o sobrenatural?”
    Esse “sobrenatural”, que você usou de forma meio jocosa, é na realidade a área metafísica, que não necessariamente lida com milagres. Mas existem muitas outras coisas além do domínio da ciência, pois não são do mundo natural.
    Primeiramente, eu posso citar a própria ciência. Consegues imaginar uma forma de provar o método científico cientificamente? E mesmo se alguém conseguir, isto será uma petição de princípio.
    Depois, vamos para princípios lógicos, que não dependem do método científico, mas são indubitáveis.
    Terceiro, enunciados matemáticos. Não há como provar cientificamente que 1+1=2, mas não há dúvidas que isso está correto.
    Por fim, existem várias coisas de nosso cotidiano, que não podem ser submetidas ao método científico. Não se pode provar científicamente que algo é bom, belo, cheiroso, ruim ao paladar etc. Também não se pode provar cientificamente que uma pessoa ama ou odeia de fato outra.

    “Penso, como Bertrand Russel, grande matemático, que a filosofia não pode de modo algum andar apartada das ciências naturais, por risco de virar rabiscos herméticos de solitários.”
    Idem. Nenhum campo do conhecimento pode ser considerado isoladamente.

    “Claro, assim como não posso provar que não há um dragão invisível na minha garagem, recordando uma metáfora famosa de Carl Sagan. E depois não posso nem questionar ou fazer troça de quem vier a acreditar nele?”
    Você é tão livre para questionar quanto os outros estão livres para crer. Porém, ridicularizar, já é outra história. Todos merecem respeito.

  11. Alessandro C. Cruz disse:

    Rodrigo Ribeiro:
    “Ao definir o ateísmo como “ausência de crença”, geralmente o objetivo é dar-lhe uma maquiagem racional, para mostrá-lo como superior a outras opções. Porém, isso não muda que ele é uma posição completamente subjetiva, e não tem nenhum motivo objetivo para que alguém lhe escolha ao invés de outra.”
    “provavelmente você moverá céus e terra para demonstrar que seu ateísmo é uma “falta de fé.'”
    Não, Rodrigo Ribeiro, vou praticamente me limitar a dizer que não aceito o que você diz. Tentando ser o mais claro possível, não aceito que não enxergar o que dizem ser a roupa invisível do rei faz de mim um crente, vejam só, de que o rei está nu. E acho sim que é ser bem objetivo e racional dizer apenas isso: nuzinho, peladão. Ao invés de sair por aí dizendo que crê, por algum tipo de revelação que não se prova, que a tal roupa de fato existe e é azul ou verde ou cor de abóbora.

    “é na realidade a aréa metafísica, que não necessariamente lida com milagres.”
    Aceito e admito o valor da contemplação filosófica como um exame crítico de nossos conhecimentos, convicções, preconceitos, embora eu prefira valores práticos, com resultados, entender os mecanismos de um problema e propor ou apreciar soluções factíveis. E Bertrand Russel, voltando a ele, disse em algum lugar, acho que n’O valor da filosofia’, que assim que a filosofia adquire um conhecimento definido, vira ciência; e lembra que a obra principal de Newton se chama ‘Princípios matemáticos da filosofia natural’, o que também prova a sua importância!

    “Por fim, existem várias coisas de nosso cotidiano, que não podem ser submetidas ao método científico.”
    Concordo com isso. Mas repito o que disse Carl Sagan, e espero que de modo algum você entenda isso como algum tipo de ‘apelo à autoridade’, só o faço porque ele foi capaz de dizer melhor algo no qual eu acredito profundamente: “O método cietífico não é perfeito, é apenas o melhor que temos. Abandoná-lo, junto com seus protocolos céticos, é o caminho para uma idade das trevas.” E é muito fácil enxergarmos os benefícios da ciência em nossa vida cotidiana, não?

    “Todos merecem respeito.”
    Eu até concordo, embora saiba que polemistas de qualquer época ririam disso. Mas todas as idéias também merecem respeito? Nesse ponto eu fico com H. L. Mencken: “Até respeitaria essas opiniões, se eu não respeitasse muito mais as minhas.”

  12. Rodrigo Ribeiro disse:

    “Não, Rodrigo Ribeiro, vou praticamente me limitar a dizer que não aceito o que você diz. Tentando ser o mais claro possível, não aceito que não enxergar o que dizem ser a roupa invisível do rei faz de mim um crente, vejam só, de que o rei está nu. E acho sim que é ser bem objetivo e racional dizer apenas isso: nuzinho, peladão. Ao invés de sair por aí dizendo que crê, por algum tipo de revelação que não se prova, que a tal roupa de fato existe e é azul ou verde ou cor de abóbora.”
    Alessandro, estamos numa situação diferente da fábula infantil: aqui o rei está dentro de uma carruagem e não podemos verificar se ele tem roupa ou não. Você, ao dizer que o rei está nu, está sim exercendo uma crença, pois não pode verificá-la por meios objetivos.

    “Concordo com isso. Mas repito o que disse Carl Sagan, e espero que de modo algum você entenda isso como algum tipo de ‘apelo à autoridade’, só o faço porque ele foi capaz de dizer melhor algo no qual eu acredito profundamente: “O método cietífico não é perfeito, é apenas o melhor que temos. Abandoná-lo, junto com seus protocolos céticos, é o caminho para uma idade das trevas.” E é muito fácil enxergarmos os benefícios da ciência em nossa vida cotidiana, não?”
    É exatamente o que quero dizer com “(n)enhum campo do conhecimento pode ser considerado isoladamente.” A filosofia depende da ciência, ambas da matemática, e por aí vai. E nós necessitamos de todas.

    “Eu até concordo, embora saiba que polemistas de qualquer época ririam disso.”
    O que exatamente queres dizer com “polemista”?

    “Mas todas as idéias também merecem respeito? Nesse ponto eu fico com H. L. Mencken: “Até respeitaria essas opiniões, se eu não respeitasse muito mais as minhas.””
    Como eu já disse anteriormente, o respeito não envolve fim do questionamento, mas sim da ridicularização e atitudes afins.

  13. Alessandro C. Cruz disse:

    “aqui o rei está dentro de uma carruagem e não podemos verificar se ele tem roupa ou não.”
    Uma carruagem invisível? E eu me rendo, Rodrigo. Você está falando de algo que eu definitivamente não alcanço.

    “O que exatamente queres dizer com “polemista”?”
    Bem, acho que o correto seria eu ter dito ‘polemistas famosos’. Figuras como o próprio Mencken, que eu citei, Voltaire, Samuel Johnson, Paulo Francis que não hesitavam em RIDICULARIZAR idéias e até mesmo, na maioria das vezes, os autores delas.

    E foi um prazer conversar com você, Rodrigo. Um abraço.

  14. Marcelo disse:

    Não adianta ficar chorando Deus é o autor de todas a Leis físico-químicas e dirigiu o processo de evolução ( se existe de fato essa bobagem ).

    Resumindo mesmo que os panacas provassem que existe evolução Deus não teria como ser excluído de tal coisa e seria o autor da evolução usando sua onipotência e onisciência e onipresença.

    Se isso os irrita eu só lamento por vocês serem tão ignorantes a ponto de imaginar que podem excluir Deus por pura birra.

    Ou será que alguém pode OU QUER provar que a evolução exclui Deus ?

    ri ri ri

  15. Icaro disse:

    Eu acho demais o “Design Inteligente”. Tem algo mais inteligente que um algoritmo genético (evolucionário). Eu mesmo só projeto assim. È bem mais inteligente.
    Huhahaha.
    Adorava conversar com meus amigos céticos, mas eles estão ficando cada vez mais “religiosos”. Por favor, céticos não “fiquem religiosos” se não com quem eu vou conversar?

  16. Herberti disse:

    Para sermos completamente honestos, podemos também dizer que os processos universais nos dão a ilusão de serem aleatórios, caóticos.

  17. Tiago disse:

    Se Deus existe, ele apenas digitou o algoritmo, teclou e foi jogar HALO na Lan House mais próxima!

  18. João Marcus disse:

    “Adorava conversar com meus amigos céticos, mas eles estão ficando cada vez mais “religiosos”. Por favor, céticos não “fiquem religiosos” se não com quem eu vou conversar?” –> Eles amadureceram colega…

    …Ser inteligente não é provocar, ridicularizr, alfinetar ou ofender um ponto de vista. Se tu não concorda colega, mostre ao menos RESPEITO, afinal é o mínimo que uma pessoa educada e ponderada pode oferecer para alguém que tem um argumento fraco. Bancar ponpa de “superior” é coisa de moleque que estuda filosofia só pra dar um “up” no seu currículo social.

    Nota 10 para o artigo e para as palavras de Rodrigo Ribeiro.

  19. Paulo Santos disse:

    A proposta das religiões é uma existencia melhor em outra vida. Enquanto isso os religiosos esquecem de tornar essa vida o melhor possível pra todo mundo. Nas tres grandes religiões monoteístas temos como embasamento da existencia de um deus criador um mesmo livro. E esse deus misericordioso é o ser mais sanguinário que poderia ter existido. Ou vocês que acreditam nele aceitam isto como um fato, ainda que tentem criar todas as justificativas possíveis, e dizem estar de acordo com os genocídios praticados ao mando dele ou então vocês não tem sequer noção de em que deus acreditam.
    Nota 10 para o artigo, nota 10 para as palavras de Rodrigo Ribeiro (um grande debatedor, lúcido, convicto e que sabe respeitar opiniões contrárias. Mas, nota 1000 (mil) para Alessandro C. Cruz. Inteligente, com uma sabedoria acima de todos que aqui postaram (inclusive, eu) e de uma racionalidade cientifica e filosófica dignas dos mais valorosos elogios. Parabéns Alessandro!!

  20. 2pi disse:

    Caro Marcelo ri ri ri, estou sem palavras, vou fazer a seu respeito o q vc deveria fazer sempre, ficar quieto.
    Caro Alessandro, nota 1000 (mil) como bem disse o Paulo Santos, quanto ao Rodrigo Ribeiro apesar de sabias palavras está confundindo crença com a ausencia da mesma, bem q vc tentou mostrar que falta de crença não é o mesmo q crença em q não existe, esse foi o ponto em minha opinião, e por mais q fosse tentado não se conseguiu demove-lo de sua posição, veja como um pequeno detalhe como esse pode destruir uma argumentação extremamente bem elaborada e inteligente, mesmo assim o debate foi 10.

  21. 0 Q.I disse:

    não adianta este assunto de criação é uma cobra que morde o rabo, mesmo que o que gerou a vida fosse um fator involuntario, quem criou esse fator?
    Na Ciência moderna o X da Questão é dado como mistério, já o resto da sociedade atribui o fator deste X à Deus, Deus só deixará de existir depois que todos os mistérios da ciência desaparecer, pode haver várias teorias de criação até a do Matrix (XD) mas sempre haverá um X, nessas teorias que pela sociedade será atribuído à DEus

  22. Leonardo Lepesqueur disse:

    Só para lembrar Rodrigo Ribeiro:
    Nos primórdios do século XX Whitehead e Russell em sua obra Principia Mathematica obtém a prova de que 1+1=2 .

  23. Jesa Nideck disse:

    O começo absoluto das coisas remonta, pois, a Deus. As sucessivas aparições delas no domínio da existência constituem a ordem da criação perpétua. Que mortal poderia dizer das magnificiências desconhecidas e soberbamente veladas sob a noite das idades que se desdobraram nesses tempos antigos, em que nenhuma das maravilhas do universo atual existia; nessa época primitiva em que, tendo-se feito ouvir a voz do Senhor, os materiais que no futuro haviam de agregar-se por si mesmos e simetricamente, para formar o templo da Natureza, se encontraram de súbito no seio dos vácuos infinitos; quando aquela voz misteriosa, que toda criatura venera e estima como a de uma Mãe, produziu NOTAS HARMONIOSAMENTE VARIADAS, para irem vibrar juntas e modular o concerto dos céus imensos.
    O mundo, no nascedouro, não se apresentou na sua virilidade e na plenitude de sua vida, não. O poder criador nunca se contradiz e, como todas as coisas, o universo nasce criança. Revestido das leis mencionadas acima e da impulsão inicial inerente à sua própria formação, a matéria cósmica primitiva fez que sucessivamente nascessem tubilhões, aglomerarações desse fluido difuso, amontoados de matéria nebulosa que se cindiram por si próprios e se modificaram ao infinito para gerar, nas regiões incomensuraveis da amplidão, diversos centros de criações simultâneas ou sucessivas.
    Em virtude das forças que predominaram sobre um ou sobre outro deles, e das circunstâncias ulteriores que presidiram aos seus desenvolvimentos, esses centros primitivos se tornaram focos de uma vida especial: uns, menos disseminadas no espaço e nais ricos em princípios e em forças atuantes, começaram desde logo a sua particular vida astral; os outros, ocupando ilimitada extensão, cresceram com extrema lentidão, ou de novo se dividiram em outros centros secundários.

  24. Jesa Nideck disse:

    Transportando-nos a alguns milhões de séculos somente, verificamos que a nossa terra ainda não existe, que mesmo o nosso sistema solar ainda não começou as evoluções da vida planetária. Entretanto, já esplêndidos sóis iluminam o éter: já planetas habitados dão vida e existência a uma imensidade de seres que nos precederam na carreira humana, que as produções opulentas de uma natureza desconhecida e os maravilhosos fenômenos dos céus desdobram, sob outros olhares, os quadros imensos da criação. Que digo! já deixaram de existir esplendores que muito antes fizeram palpitar o coração de outros ( mortais ), sob o pensamento da potência infinita! E nós, pobres seres pequeninos, que viemos após uma eternidade de vida, nós nos cremos contemporâneos da Criação !
    Ainda uma vez, compreendamos melhor a Natureza. Saibamos que atrás de nás, como a nossa frente, está a eternidade, que o espaço é teatro de inimaginávelsucessão e simultaneidade de criações. Tais nebulosas, que mal percebemos nos mais longinquos pontos do céu, são aglomerações de sois em vias de formação; outras são Vias Lacteas de mundos habitados; outras, ainda são sedes de catástrofes e de perecimento. Saibamos que, asim como estamos colocados no meio de uma infinidade de mundos, tambem estamos no meio de uma dupla infinidade de durações, anteriores e ulteriores; que a criação universal não se acha restrita a nós, e que, portanto, não podemos aplicar essa expressão à formação isolada do nosso pequenino globo>

    Deus cria para evoluir!

  25. Phd Ziriguidum disse:

    BláBláBláBláBláBláBláBláBláBlá…

    Quanta baboseira proveniente daqueles que deveriam ser racionais.

    E daí que eu creio em D’us? Serei menos humano que um ateu? Pelo fato de ser crente não posso entrar pra facurdádi?

    Se eu quiser me formar engenhero ou adevogado, quem sabe ainda um médico, terei que abandonar a fé?

    Se o mundo evolui desde zilhões de anos atrás ou foi criado esses dias mesmo, que diferença isso vai fazer quando eu for carculejá sobrecarga nas minha telha? E se um médico for operá o coração dum infartado, que diferença faiz o mundo tê arguns milênio ou trilhões de anos?

    Deixem de sê besta, se priocupano cum migalhas, afinar: Aquila non capiut muscas…

  26. claudinei disse:

    A “ilusão de design” é tão convincente que eu acredito…

  27. Guilherme disse:

    Interessante mais Richard Dawkins admite Design Inteligente desde que o Designer não seja Deus, mas segundo ele pode ter sido um alienigena.

    é preciso ter muinta fé para ser um ateu.

    confira.

    http://www.youtube.com/watch?v=2nD4wZ1vYVU

  28. Josue Silva disse:

    Um fato!? tá de brincadeira, se a evolução for um fato então papai noel existe.
    você so escolheu em que acreditar, tavez por preconceito achando que quem acredita na criação seja menos inteligente, mas sera mesmo. você sabe oque é uma “teoria”?
    Quando uma coisa deixa de ser uma simples teoria? Você ja viu um foton? eu acho que esse cara é mais inteligente do que ele pensa. Um fato!?

  29. Gabriel disse:

    Que fique claro que não acredito no DI. Sou evolucionista até o talo (ou quase, pois não sou biólogo, então tenho que absorver o máximo que consigo, principalmente através de artigos como este).

    O que venho discutir aqui, e o faço por gostar dessa discussão, e para tentar evoluir minha mente também, é que há comumente uma confusão (tanto dos adeptos, quanto dos opositores) no que é Religião, Fé, Deus.

    Provavelmente, a maioria das pessoas que creem em Deus o fazem por precisar de dar um sentido às coisas, e acabam criando pensamentos e entidades mágicas que estrapolem seu campo de visão e de compreenssão.

    Mas a religião, de fato, daquelas praticadas por homens como Gandhi, é algo superior a isto. Ela não se preocupa em tentar provar que a terra tem 6 mil anos, ou quê algo aqui só possa ser explicada por ela, para que subsista.

    Ela é, na verdade, um modo de enxergar a vida. Para um religioso, um acontecimento do acaso assume uma aura de ação divina. Ele interpreta aquilo como sendo algo direcionado, projetado.

    Ora, para todos os efeitos, considerando-se todas as dimensões e variáveis observáveis por nós, aquilo só pode ser interpretado como o acaso mesmo.

    Mas uma mente religiosa não verá desta forma. E quem pode discordar dela?

    Religião, no sentido etimológico, é Religar, é o que nos liga à Deus, a algo superior, transcedental, longe. Para muitos é uma tentativa de fuga da realidade, mas para tantos outros é o que lhes liga ainda mais ao próximo (como para Gandhi o foi).

    Eu, por exemplo, amo a ciência. Fico facinado pela Evolução, e me pego tentando imaginar os processos pelos quais vários seres e mecanismos hoje existem. E acredito em Deus. É como uma “licença poética” que temo em ter, é minha maneira de dizer para mim mesmo: “Você não sabe tudo, seu cérebro não pode compreender todos os mistérios do universo, e o mundo não gira em torno de seu umbigo. A vida não se resume à isto aqui, não se deixe levar pela sedução de achar que pode controlar tudo.”

    Mas é isso. Estou disposto a discutir, e espero não ter sido demasiado chato, nem frequentado lugares-comuns nesse tipo de discussão rsrs.

    • Jesa Nideck disse:

      Temos o LIVRE ARBÍTRIO Temos liberdade para escolher, o Pré conceito é dos céticos e não dos religiosos.

    • jesa nideck disse:

      Você se esquece que a profunda certeza de que somos seres Espirituais e imortais habitando temporariamente a matéria, vem do inconsciente, de um sentimento que nos persegue desde o começo, em todos os tempos e em todos os lugares do mumdo.
      Os céticos não acreditam nas experiencias Espirituais, nos médiuns, o próprio Amor que é um grande instrumento Espiritual para a cura de todos os males, principalmente o que vem do Espírito.
      A teoria da evolução seria convincente, se não tivesse ninguem o observando. Quem observa?
      Quem tem consciência que observa? A materia?
      Todo efeito inteligente, tem que haver uma causa inteligente!

  30. afonso disse:

    Eu não tenho a eloqüência de tantos quando o assunto é ciência de ponta. Seja ela física clássica , quantica, genética, cosmologia… .Mas em uma coisa eu acredito, sem que seja necessário acrescentar um “ismo” no final desta minha crença. Seja uma crença no religioso ou científico; acompanhado a vida de alguns homens proeminentes ao longo de nossa história (cientistas/humanista/religiosos/céticos/…); descobri que os poucos que realmente aproximaram-se da “verdade”, foram aqueles que descobriram o quão subjetiva é toda a interpretação humana do que nós convencionamos como realidade.
    Só pra lembrar: é consenso ( por não dizer o calcanhar de Aquiles) entre os ” quânticos”; os que mais próximos já chegaram da realidade última ( aos menos deste universo..ai! Lá vem os tal Multiverso, as supercordas, flutuação quantica e suas partículas virtuais que do “nada” geram esta ordinária “realidade”)…é necessário um observador para as “interações insanamente microscópicas” culminarem no que conhecemos como leis físicas/químicas.
    Desta forma de exclusivismo de pontos de vista ( Ai mamae o meu é melhor de que o de Pedrinho). A história já mostrou o quanto são perigos, ao verdadeiro senso crítico.
    Vejam: 95% por cento do universo é composto de duendes e potes de ouros (a tal matéria/energia escura…); os céticos nao aceitam “absurdos” em suas teorias; mas aceitam idéia de uma singularidade tal (uma droga de lugar onde tudo pode acontecer – até mesmo o todo caber no nada) e bummmm! The Big bang! Ah! Nao esqueçamos a tal historia que o universo se apresenta como tal,simplesmente porque o observamos ( Eis aqui a extrapolaçao das esquisitices quanticas em escalas macroscópicas – o tal universo antrópico, ou seja lá o que for… Eu nao poderia sair desse papo besta sem esquecer o fato de que a “criaçao” da teoria do multiverso agrada a tantos céticos e simpatisantes é que se existem um números infinito de universos, nao é necessário o paepel de um criador ou algo parecido, pois a própria probabilidade matemática se encarrega de criar bestas como nós, e bla´,blá,blá….
    Quem eta´com a verdade!?

  31. diego ungarelli disse:

    Amigo Kentaro Mori a idéia é justamente essa:
    Existe sim uma seleção natural porem existe também as idéias de Lamarck, pois imagino que exista sim uma inteligência que conduz o desenvolvimento das espécies, pois existem exemplos fantásticos de adaptação e mimetismo entre outras coisas.
    Mas o caso de Deus existir é o seguinte:
    Cientificamente, e em termos de probabilidade existe 0,000000….. % de possibilidade de Deus existir, porem Deus existe de forma impossível, Deus existe onde não há possibilidade de Deus existir, um fenômeno que evidencia a existência de Deus é a para-normalidade. Qual a possibilidade de algum ser humano realizar algum ato paranormal? Nenhum, porem, ao ocorrer algo paranormal o individuo realiza o impossível. Portanto esse é um indicio de que Deus existe.
    Na natureza uma coisa não precisa ser possível para existir, logo Deus não precisa ser possível para existir.

  32. Marcelo Luiz disse:

    Os criacionistas alegam a existência de Deus pois admiram uma plantinha nascer, crescer e morrer, pois eu os digo que se Deus existisse o processo seria perfeito, as pessoas não ficariam doentes e morreriam, as plantas não precisariam de água e luz do sol pra se desenvolverem e todos teriam ESCOLHA de como seriam sua aparência física, classe social ao invés de isso lhes ser DETERMINADO, logo devido a todas essas falhas e imperfeições da Matrix é certeza absotuta que ele não existe.

    • jesa nideck disse:

      Vivemos em um planeta de PROVA E EXPIAÇÕES, somos espiritos imortais habitando temporariamente a matéria, reencarnamos em vários mundos, mais atrasados ou mais adiantados, dependendo do mal ou do BEM que fazemos. Poderemos habitar em mundos quase perfeitos se praticarmos o BEM.
      Mas o lugar onde tudo é perfeito, não pertence a esse universo material, e sim ao “universo” ESPIRITUAL que é a nossa verdadeira casa.

  33. Rudolf A. Hondiare disse:

    TODO CONHECIMENTO HUMANO TALVEZ NÃO CHEGUE A 1% DA REALIDADE
    Se Tudo tem uma Causa. Porque o TODO (Universo) Que é o Conjunto de Tudo o Que Existe é (segundo muitos cientistas) Resultado do Acaso ?!?
    Até mesmo um fóton em consonância com a totalidade,
    encerra uma grande complexidade.
    E por esta própria consonância, pelo motivo da exigência de pré-requisitos para que o todo seja expresso, fica bem evidente que as partes componentes deste, estejam predeterminadas para tal.
    Ou seja, se não houvesse uma combinação exata dos seus componentes (campos, dimensões, partículas elementares, etc.), e toda um gama de causas e efeitos, mais estruturas e eventos de complexidade crescente, o Universo simplesmente não existiria.
    Porque então os pretensos donos da verdade,
    não declaram a quase total ignorância a respeito da essência da realidade última da existência?
    Ao invés de afirmarem estultamente que o acaso coordenou tudo. Desde quando todo o conhecimento humano nem de longe é suficiente para sequer esboçar um modelo para explicar a própria consciência, que é o que determina o ‘entender’.
    Ora, esta seria uma atitude extremamente honesta,
    desde quando a nossa ignorância é abissal.

  34. Capin disse:

    se deus existe…

    ele é tão sacana.. mas tão sacana, que merece morrer

    • Nietsch Saramago disse:

      Só se foi sacana com você, porque para os quase 5.8 bilhões de pessoas que acreditam em um criador, ele é bom até a segunda ordem.
      Ordem que nunca vai ser comandada pelo pessimismo ateista.

  35. Joana disse:

    É muito simples: religião é para os covardes, aqueles que não têm a coragem para enfrentar a (cruel) realidade, a de que vamos desaparecer. Pode-se discutir de todas as formas possíveis com os crentes, sejam de que religião estes forem, mas o motivo pelo qual isso é uma tarefa mais que inútil é que este tipo de pessoa simplesmente se recusa a analisar a realidade do ponto de vista racional.
    Sim, os ateus possuem QIs mais elevados e senso crítico mais apurado, isto é óbvio. Na minha opinião, isso sim é evolução; temos simplesmente que olhar para aqueles pobres coitados com pena.

    • Nietsch Saramago disse:

      Desculpa, que racionalidade você está falando ?
      Se Deus não existe, o que existe ?
      Se não existe nada, então mostre que não existe nada.
      O ateísmo é igualmente baseado numa “crença” tão grande quanto à que os ateus acusam os crentes disso.
      Longe de ser convardia acreditar em Deus, a crença nele é uma tentativa de entender a realidade e explicar a existência.
      Quem não gosta da idéia sim está fugindo, pois a existência de Deus implicaria em se ter uma moral definida e regras a seguir.
      Quem é covarde e foge das responsabilidades são os ateus amiga, não os crédulos.

      • TALLICK disse:

         
        À Nietsch Saramago
         
        Desculpe a minha intromissão caro colega. Mas, é o seguinte:
         
        Se Deus não existe, o que existe? Existem todas as coisas possíveis, visíveis, palpáveis ou não (como a luz, átomos e moléculas). Dentro ou fora do nosso planeta.
        Provavelmente não existia nada ou coisa alguma, quando o próprio Universo também não.
        Ateísmo jamais foi crença, tanto que não tentamos nos respaldar por dogmas e crenças, e sim nos embasamos por evidências consistentes. Apenas isso. E trata-se de uma grande característica que nos diferencia dos religiosos. Apenas temos idéias, que podem ser refutas ou não, mediante comprovação científica (cuidado, não ponha esta sua idéia numa redação; vai que você se atropele na coerência textual).
        Nem a não existência e menos ainda a inexistência de Deus podem ser provadas. O que existe de fato são probabilidades da existência de Deus (cristãos) e probabilidades da inexistência de Deus (descrentes). Se bem que, a partir da ótica lógica e racional, e de acordo com os acontecimentos naturais e também sociais, temos cada vez mais evidências que vão contra Deus (estúpida e pateticamente negada pelos religiosos).
        E pra terminar, lhe faço duas perguntas: Já que nós descrentes somos irresponsáveis; você como temente ao seu Deus é responsável pelo seu próximo apenas por almejar um paraíso eterno como recompensa e gratificação? E se você descobrisse que o paraíso eterno – como recompensa divina e para sempre – não existe mesmo assim você continuaria a fazer boas obras como ato de caridade, mesmo sabendo que quando morrer vai dormir profundamente profundo numa completa escuridão sem nenhuma sensação e mais nada?  

    • jesa nideck disse:

      Talvez depois do seu “FIM” ,sua consciencia demore para encontras o caminho, poderá cair em terríveis pesadelos, ficar preso dentro do caixão vendo o seu próprio corpo sendo devorado pelos germes, ficará preso dentro da matéria (UMBRAL), porque ainda pensa que nãoconhece o Espiritual.
      Ainda bem que DEUS é JUSTO e sabe que seus filhos ainda são ignorantes, e com certeza receberá ajuda de luz dependendo do BEM que voce fez!
      ACORDA AGORA !!! PORQUE DEPOIS , DIFÍCIL VAI SER TE ACORDAR !!!

  36. Nietsch Saramago disse:

    Pensei que este site fosse mais sério.
    Ler um artigo de Dawkins é como ler uma redação escrita por um adolescente com birra dos pais.

  37. William 1972 disse:

    Ateísmo é ausência de crença. Os crentes costumam usar a falácia de que o ateísmo é uma crença para tentar reduzir aqueles que não concordam com as suas ideias (ou falta de) ao esgoto intelectual em que se encontram.

    Ser ateu significa afirmar que personagens de ficção como o Javé dos hebreus só existe nas mentes dos que acreditam nele. Ou seja, possui existência subjetiva e não objetiva.

    E não se trata de “gostar” ou “não gostar” da ideia. Trata-se apenas de não cair no papel ridículo de considerar seriamente a existência objetiva de um personagem de ficção.

    Aí vem o crente: “Então prove que é de ficção!”. Não preciso, a própria Bíblia já faz isso. É muita inverossimilhança e muitas contradições para um só livro. E parem de empurrar o ônus da prova para cima de quem não aceita entrar nesse joguinho esquizofrênico.

    Então a existência de um deus implicaria em uma determinada moral e regras a seguir? Você está querendo dizer que ateus são imorais? Bem, chega de alimentar delírios. Que os fanáticos falem sozinhos.

  38. Vitor disse:

    Darwkins é só uma leitura da moda, esse idiota não devia ser levado a sério

  39. Ricco Lima disse:

    O que Dawkins diz não é necessariamente bom nem ruim, nem certo nem errado. É o pensamento de um ser humano sobre as impressões que os seus sentidos e sua razão lhe permitem.
    É um raciocínio extremamente curto “acreditar”, ou seja, ter FÉ de que explicações racionais possam ter força totalizante. Pois, mesmo que haja controvérsias, podemos CRER na validade da evolução das espécies, ou do que seja. Mas e antes das espécies? E antes de tudo, e antes da primeira partícula material… o que existia? Que milagre físico tornou tudo possível?
    E antes de o ser humanos existir, e antes de poder se expressar por meio de palavras, como faz Dawkins?
    Em outras palavras, é positivo que nos livremos de dogmas religiosos redutores, mas é ridicularmente pretencioso e igualmente redutor CRER que isso explica algo.
    O ser humano só pode divisar uma pequena parcela do que é Deus, que é aquilo que os seus sentidos, razão e intuição permitem.
    Todo o resto está além do seu domínio.
    Pelo Esoterismo, Deus é a própria energia que torna possível dizer “Eu Sou”. É o recipiente e o conteúdo, é o imaginado, a imaginação e o imaginador, assim como aquilo impossível de ser imaginado. Como abarcar o inabarcável?
    Além disso, crer em Dawkins ou crer em Deus é somente questão de escolha. Quando você investiga por si mesmo, se ausculta, duvida dos seus próprios pressupostos e chega a alguma conclusão, continuando esse processo infinitamente, está mais próximo de crer em Deus (já que o Reino dos Céus não está em outro lugar, mas dentro de nós).
    Quando você crê em Dawkins, simplesmente crê em Dawkins.

  40. Ricco Lima disse:

    William 1972:
    Errado: ateísmo é a CRENÇA no fato de que Deus não existe.
    Não acreditar na verdade dos chamados livros sagrados é uma condição necessária, mas não suficiente, para alguém ser chamado de ateu.
    O ateu acredita – TEM FÉ – na inexistência de Deus, o que é totalmente diferente.
    Ele acredita que a sua razão, a sua forma de raciocinar, o seu sentimento, são razões suficientes para afirmar a não-existência de Deus.
    O ateísmo, portanto, é uma fé, com frequência, muito mais incrível que as outras, pois, quando é sincero, mostra que a fé nas moléculas, nos átomos, nas células, nos órgãos que compõem o nosso sistema nervoso, nossos sentidos e nosso cérebro, bem como a fé na cultura e nas ideologias que o tornaram possível, são bastante fortes e muitas vezes inabaláveis.
    Diante de algum sinal de que Deus talvez exista, o ateu tem uma atitude de fé, ao buscar apagar o sinal, ou tentar explicá-lo segundo a sua própria fé, com frequência a razão científica e materialista.
    Se um ateu convicto, de fé inabalável, vê um espírito, ele busca um psiquiatra. Se tem uma intuição repentina, ou a elimina, ou a utiliza como um sinal de sua perspicácia. Se a intuição vem através de sonho, ou mais uma vez a ignora, ou julga que é um lance da sorte.
    Se pensa em alguém, e a pessoa aparece, simplesmente diz: pensei em vc. agora, veja só!
    O verdadeiro ateu não aceita que podemos ser espíritos usando temporariamente corpos materiais, mas cre que deixará de existir após a morte.
    Para ele, a consciência está incrivelmente (misticamente) atrelada ao corpo físico, e não transcende a ele.
    Quando é uma fé sincera, considero-a absolutamente admirável.

  41. Ricco Lima disse:

    Joana:
    Deus se expressa de diferentes maneiras, e as palavras que vc. escreve são simplesmente uma revelação daquilo que você mesma deve observar, da mesma forma que um sintoma de uma enfermidade é um sinal para que procuremos a cura.
    Agradeça a revelação e entre em ação.

  42. Paulo André disse:

    Trata-se de um rasgo de honestidade intelectual que obrigaria qualquer ateu, que não cegado pela paixão dogmática, a conceder à crença em Deus pelo menos o benefício da dúvida.

    Não é essa a conduta de Dawkins, que no livro citado busca precisamente comprovar “cientificamente” a inexistência do “Designer” da natureza. É uma tentativa canhestra. Numa de suas linhas de argumentação vale-se de um programa de computador, apto a formar uma sentença de Shakespeare a partir da combinação “casual” das letras do alfabeto.

    Esqueceu-se o ilustre sábio de que, sem um experimentador inteligente, capaz de conceber o computador e o programa, e determinado a alcançar um objetivo preciso (a “demonstração” em causa), não haveria experimento possível. Isto para não mencionar a necessária preexistência do idioma inglês e da obra do dramaturgo de Stratford, presumivelmente, também, produtos da inteligência e da intenção.

    Para efetivamente comprovar a possibilidade de produzir-se um “design” sem “designer”, o sagaz cientista deveria realizar um experimento sem experimentador, pois este, forçosamente, assume a função de Criador do seu micro-sistema, demonstrando assim o oposto do que pretendia.

    http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=religiao&artigo=brilhantes_ateus&lang=bra

    Mas Richard Dawkins esta se afundando.Ele nega de forma veemente a Deus como sendo um Criador mas já anda considerando que talvez uma grandiosa potência alien tenha sido o “designer” da Terra.

  43. Paulo André disse:

    As vezes vc pode ser tão fanático e ignorante mesmo acusando o fanatismo e a ignorância.

    Richard Dawkins faz do ateismo um misticismo só para acusar a religião de ignorânia.Ai ele limpa a cara do ateísmo livrando-o de condutas fundamentalistas,e existiram ateus fundamentalistas…URSS quem o diga…e toda hora de erros religiosos ele coloca como representantes máximos da religião…os atentados ao World Trade Center por exemplo…que tem fins seculares bem definidos…é logo colocado no rol da religião…isto é ceticismo?Hahahaha!Este pessoal nem parece ateu de verdade…

  44. Leandro disse:

    Dawkins = Datena

  45. o que nada sabe disse:

    “Ao inverso do que procuram fazer crer alguns ateus, o ateísmo nunca é conseqüência de madura reflexão, ou resultante inelutável do conhecimento científico ou filosófico; é freqüentemente uma escolha pré-racional de ordem metafísica, fruto de orgulho e rebeldia, uma manifestação da puberdade intelectual, como a acne o é da biológica.”

    • Tallick_itz disse:

      Resposta ao “O que nada sabe”.

      Não é ato e posição intelectual madura de uma pessoa que se diz ser atéia ou cética, apenas pelo fato de não seguir dogmas e não levar nenhum deus a sério, ou é pelo fato exclusivamente e apenas de ser atéia?
      Ateus e céticos, não se encontram na posição de descrença atoa; sucedeu-se anteriormente uma profunda e demorada reflexão a respeito de todas as coisas e fatos existentes e ocorridos no planeta e no Universo. E isso dá-se de forma totalmente imparcial, com a mente limpa e livre de tabús ou de qualquer inclinação religiosa.
      Desde quando ser descrente é ser e agir altomaticamente de maneira orgulhosa com o peito estufado, rebelde nas relações familiares e sociais e numa condição de puberdade intelectual?
      E para finalizar, onde “como a acne o é da biológica”, – metafotica e esteriotipamente é claro – se sustenta para validar a idéia patética e preconceituosa a respeito da puberdade intelectual se aglutinar com a descrença?
      É melhor fazer críticas mais saudáveis e realmente honestas, não acha?
      O fato de sermos descrentes, nao significa que somos os piores seres humanos, e os menos dignos de estar sobre a crosta do planeta Terra. Apenas nos poupamos de passar o resto de nossas vidas ajoelhados à uma divindade irresponsável, bárbara e que só pensa em si. Prova disso, é ter supostamente inventado a espécie humana, apenas no objetivo de angariar mais e mais votos. Que belo próposito para nós humanos. 

  46. David disse:

    Se vcs encontrassem uma casa perfeitamente construida num deserto, com uma reserva de comida e agua bem supridas no estoque…com grande quantidade de animais em seu quintal…ampla…bonita..única…num deserto….vcs diriam que ela surgiu por acaso?? Será que não houve um projeto? Aonde há um projeto…há um projetista…Desde um buraco negro até um simples atomo – há um projeto rígido regido por leis e não há dúvidas quanto a isso…a Biblia, se fosse lida e ESTUDADA..não seria um livro “inverossimil”, mas sim um livro único que dá a origem da vida, da fauna e da própria raça humana….sou cientista e conheço muito dos mecanismos das células como funcionam…cada detalhe…e é impossível dizer que o acaso ou que qualquer outra coisa predenominada como “toeria” tenha qualquer relevancia…”Teoria” não é um fato e os que se dizem cientistas não devem defender uma teoria…mesmo que tenha uma ou duas “provas” como é o caso da evolução…Dawnkins.>Darwin…todos tentaram se especializar em suas area da melhort forma possível..e não alcançaram nada… só teoria…com isso se chamaria na “seleção natural”? Não crer em Deus é um direito, assim como o crer…mas afirmar que não existe – sem provar – é igual dizer que ele existe – e sem provar. Eu provo que Deus – uma pessoa…um ser superior(não um et…) existe…tenho provas…mas a Evolução têem provas??? E sobre o fóssil do Homem de Piltdown?? não seria ele só mais uma “prova” de quão falsa é TEORIA da evolução???

  47. Jorge disse:

    Ter tempo disponível me permitiu ler todos os comentários postados aqui.Todos, independentemente de seu conteúdo, refletem a mesma coisa : A busca humana por suas origens e objetivos.
    Recentemente a CIÊNCIA nos permite observar o microscópico e também o macroscópico.
    No macroscópico nossas perspectivas são estimadas em bilhões de anos luz de extensão, já no microscópico acreditamos que é logo alí. Seria mesmo? Através dessa demonstração em forma de indagação e cientificamente falando, é possível se comprovar que estamos muito mais próximos do micro do que do macro. Os instrumentos de medição para isso, foram baseados em nossos sentidos. Cientificamente sabemos que em nosso próprio planeta encontramos seres com sentidos mais sofisticados que os nossos. Com nossos sentidos desenvolvemos o que chamamos de CIÊNCIA e modelamos tudo ao nosso redor aos padrões que vamos encontrando. Se somos MICRO isso não é pura ignorância?

    Uns defendem que existe um DEUS e que este já nasceu pronto. Outros que nossa origem é um ponto de alta concentração de energia a partir do qual tudo o mais se fez e se dotou de inteligência.

    Todos os exemplos de criação já observados, atestam que algo mais complexo cria algo menos complexo, ou coisas maiores criam coisas menores. Um exemplo disso é a união de um espermatozóide com o óvulo. Dois gigantes em termos de complexidade, carregando toda uma codificação genética e criando um novo ponto para se desenvolver, ou um ser humano criando um hiper computador.

    Partindo desse princípio, DEUS não poderia existir, ou algo muito mais complexo que ele o fez para,assim como todo o resto; EVOLUIR.

    Por outro lado, admitindo que apenas em nosso planeta exista vida, a quantidade de formas de vidas nele é tão grande que apenas a mera observação já é capaz de determinar a impossibilidade de uma mera evolução. O homem não se reproduz através do cruzamento com outras espécies. Quantas outras espécies se reproduzem por miscigenação sem a interferência humana? Quando o homem começou a interferir nesse processo?

    Antecipando que sou um ATEU BÍBLICO e radicalmente contra qualquer tipo de religião ou seita, acredito na existência de uma CAPACIDADE CRIATIVA, sem origem definida (nem ela mesma sabe explicar sua origem )desprovida dos conceitos humanos de bondade ou maldade, que surgiu primitivamente e vem evoluindo e criando coisas para evoluir.

    O universo parece um caldeirão ou um campo de batalhas. Em 94 um cometa de chocou contra Jupiter e nele abriu uma cratera do tamanho de 10 planetas Terra. Com certeza existem diversas outras ocorrências como ou maiores que essa e que poderiam ser citadas aqui, mas sendo essa uma das mais recentes e seguramente a mais próxima de que se tem notícias, sito-a para fazer uma pergunta :

    Esse choque descomunal, simplesmente extinguiria nosso planeta se tivéssemos sido o alvo. Astronomicamente falando, esse cometa passou raspando em nós.
    Se o Deus da bíblia existisse ele não poderia ser rotulado de completo idiota por promover uma absurda demonstração de força e desperdício de matéria e energia?

    Nosso planeta, dito lindo e maravilhoso, não passa de uma carcaça efervescente, cheia de vulcões, terremotos e intempéries que nada tem a ver com a ação do homem. Estamos aqui da mesmíssima forma que atacamos uma bactéria que invadiu nosso organismo, de um inseto a ser engolido por um pequeno pássaro, de um corpo celeste sendo aprisionado ou destruído por outro, de sistemas maiores subjulgando os menores.

    A FORÇA CRIADORA em que acredito pode não ter conciência de nossa evolução. Podemos ser frutos de uma experiência abandonada por algo mais interessante, ou podemos ser as criaturas que podem descobrir aquilo que ele quer que descrubamos. Esse algo não passa por crendices e submissões. Quem fica de joelhos e se transforma em um ser submisso e pedinte PAROU NO TEMPO.

    Se eu estiver correto quanto a acreditar nessa inteligência, espero que seus motivos possam um dia justificar e reparar as limitações que nos impôs. Não gosto de viver nessa gaiola chamada Terra, que está dentro da gaiola do sistema solar, que se encontra na gaiola da via lactea e que pode estar no sub solo do universo.

  48. Marroni disse:

    Quatro aspectos:
    1. Os que costumam criticar a seleção natural obviamente não entendem como ela opera;
    2. Se entendessem jamais a expressariam como fruto do “acaso”. O acaso é equivalente a deus. Em todas as afirmações, troquem acaso por deus e verão que a identidade é imediata;
    3. Que os críticos da seleção natural apliquem o mesmo rigor analítico nas alegações criacionistas.
    4. E, finalmente, não confundam hipótese com teoria. Teoria é a hipótese que já foi confirmada pela experiência.

  49. carlos disse:

    DESIGN INTELIGENTE é ilusão. as pessoas esquecem-se da idade do planeta e o do universo e não tem a capacidade de raciocinar sobre um periodo tão longo de tempo quanto 4 bilhões de anos. suponha que se fosse possível alguém ficar atirando um dado de 6 faces durante todo este tempo e começassemos a anotar estes resultados. O que hoje pela probabilidade é considerado como quase impossível, eventos que tendem ao zero como o dado nos dar o número 6 por mais de 50 vezes seguidas ‘aumentariam’ muito as chances de acontecer pois o periodo de tempo é muito grande. E ninguém é imbecil o bastante a ponto de dizer que há um deus guiando este dado. Substitua o dado agora por DNA e as mutações provaveis, a interação com o meio ambiente e tudo mais. Com isto, seu criador está facilmente morto pois não é necessária sua existência.
    abs

  50. Jesa Nideck disse:

    Tô começando acreditar q os iluminatis existem mesmo, será q vcs fazem parte deles?
    Será q a ciência tambem foi infectada?

  51. Jesa Nideck disse:

    Tudo foi criado para evoluir, até mesmo voces, bem mais lento é claro!

  52. Jesa Nideck disse:

    O
    campo  de energia, ou simplesmente campo, é constituído pelos diversos
    tipos de partículas elementares e suas antipartículas, positivas e negativas,
    embora com densidades locais diferentes. O éter nada mais é que o 
    conjunto de partículas elementares h+ e h­. Quando em pares orientados
    ou dipolos formam os campos eletromagnético e anti­eletromagnéticos, que
    diferem apenas pelo  excesso  de uma das partículas elementares. Os
    campos gravitacional e antigravitacional são  o  conjunto de partículas

  53. Jesa Nideck disse:

    eletromagnético e gravitacional, formando uma camada dentro do núcleo,
    como  um fluido, de grande densidade ou  alta energia, que passou  a ser
    chamado de glúon.

  54. Jesa Nideck disse:

    Outro absurdo! Que homem de bom senso pode considerar o acaso um ser inteligente? E, demais, que é o acaso? Nada.” A harmonia existente no mecanismo do Universo patenteia combinações e desígnios determinados e, por isso mesmo, revela um poder inteligente. Atribuir a formação primária ao acaso é insensatez, pois que o acaso é cego e não pode produzir os efeitos que a inteligência produz. Um acaso inteligente já não seria acaso.

  55. Jesa Nideck disse:

    Se o espírito fosse criado junto com o corpo, a este seria subordinada a existência daquele, mas o que aconteceu é justamente o contrário, pois jamais o espírito é subordinado ao corpo. Este é vivificado pelo espírito, sem o qual não vive; todavia o espírito vive sem o corpo: “O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita” (São João 6:63).
    Como o espírito é criado por Deus, enquanto que o corpo é criado diretamente pelo homem, subordinar a criação do espírito à criação do corpo – e isso querem os anti-reencarnacionistas – seria querer colocar a criação das obras do homem acima da criação das obras de Deus. Além disso, submeter a criação do espírito à criação do corpo implicaria sujeitar o livre-arbítrio de Deus ao livre-arbítrio do homem. Em outros termos, Deus, para criar um espírito, dependeria da vontade de um casal de ir para a cama para realizar uma cópula.

  56. Jesa Nideck disse:

    Antigamente o Homem com conhecimentos limitados,achavam que a TERRA era o centro do universo.
    Hoje na era da tecnologia, e o Homem com conhecimentos adiantados, parece que ainda pensa assim. BIZARRO !
    Acham que podem desvendar todos os MISTÉRIOS baseados neste pontinho azul no universo infinito!

  57. Wallace Barbosa disse:

    Então rs
    Dawkins e CIA conseguem provar e corroborar a evolução, sem quaisquer evidências palpáveis, qualquer método empírico observável, nada além de bilhões de anos como desculpa, quero ver ele, com esse mesmo “método”, conseguir descobrir quem construiu a Stonehedge, Baalbek, comoc exatamente construiram as pirâmides, Pumapunko, pq existem pirâmides construídas na América, Europa, África, China e Austrália, quem é o assassino do Zodiáco, quem inventou a música, como surgiu exatamente a fala, linguagens, como povos chegaram a América, Groelândia, e assim vai rs

  58. jesa nideck disse:

    Todo conhecimento contido nesse universo e fora dele, não pode ser limitado a Dawkins ou a Einsten, eles até podem saber um pouco, mas não sabem tudo!
    Quando digo que tem que ter muita fé para ser cético,é porque os ” deuses ” dos céticos, são simplesmente TEÓRICOS !
    Os cientistas teóricos são os deuses dos céticos, bizarro!

  59. Nietsch Saramago disse:

    Dawkins é um adolescente que ficou velho – só por fora. :D

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *