MENU

Insetos espiões (de outros planetas)?

Construindo Stonehenge — sozinho

15 de outubro de 2007 Comments (0) Views: 804 Ciência, Fortianismo

Meteorito peruano: um condrito de 10 toneladas?


O Cosmic Log de Alan Boyle tem um item bem informativo sobre a cratera no Peru, “Sparks fly over meteorite“, descrevendo as aventuras de Michael Farmer, o “cara dos meteoritos“.

Farmer aparentemente foi ao Peru dias depois do evento e conseguiu comprar amostras do meteorito dos locais. Mas as coisas rapidamente ficaram tensas e ele teve que fugir do país em um “pequeno incidente internacional”. Os peruanos não estão nada felizes com o que chamam de roubo de seu patrimônio.

Enquanto isso, Farmer revela alguns detalhes de análises preliminares feitas em suas amostras, que supostamente confirmam que foi mesmo um meteoro que provocou a cratera. Não só isso:

“É provavelmente o maior meteorito condritico“, ele diz. A massa poderia ser tão grande quanto 10 toneladas — o que seria como uma caminhonete em queda livre do espaço. “Será assunto para muito anos no mundo dos meteoritos”, Farmer prediz.

Isto explicaria a estranheza do aspecto da cratera, e uma lição àqueles que descartaram a cratera de início como causada por um meteoro baseados apenas em sua aparência. Coisas fora do comum acontecem, ainda que incomumente.

E não é só isso. Outro item interessante, ainda que também pendente de maior confirmação, é uma imagem partilhada por Farmer do que seria a trilha de fumaça deixada pelo meteoro:

Ela lembra a trilha deixada na reentrada de um satélite chinês no Brasil, capturada há alguns anos.

Farmer diz não ter sido o único estrangeiro a ter comprado amostras do meteorito e levá-las para o exterior. E enquanto análises estão sendo conduzidas em tais amostras clandestinas, a cratera no Peru — e o que deve ter restado do meteorito — ainda parecem intactas, aguardando maior análise, e o que pode arruinar evidências se simplesmente chover.

Tags: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *