MENU

De Volta ao Gênesis

“Onde estão todos?” Um relato sobre a Questão de...

8 de agosto de 2009 Comments (0) Views: 1202 Ceticismo, Ciência, Fortianismo

A Keely Engine Company

Donald E. Simanek, traduzido com sua gentil permissão

John Worrell Keely (1837-1898) da Filadélfia era um carpinteiro e mecânico que anunciou em 1872 que havia descoberto um princípio novo para produção de energia. As vibrações de um simples diapasão tinham lhe dado a idéia e os meios para extrair energia etérica.

Nessa época a maioria dos físicos acreditava que todo o espaço estava preenchido por um fluido elusivo chamado "éter luminífero". Experimentos eram conduzidos para medir as propriedades deste éter, dando resultados negativos ou confusos. Nas primeiras décadas do século 20 a idéia do éter se tornou ultrapassada. Os físicos finalmente perceberam que a razão pela qual não podiam detectar o éter ou medir suas properidades era que ele simplesmente não existia. Mas mais importante, as antigas razões que haviam dado para pensar que existia puderam ser resolvidas pela teoria da relatividade. Hoje o éter luminífero quase nem é mesmo mencionado em livros de ensino.

Keely persuadiu vários engenheiros e capitalistas a investir na idéia, formando a Keely Motor Company em Nova Iorque em 1872. Logo ele tinha um capital de um milhão de dólares, principalmente de ricos homens de negócio de Nova Iorque e Filadélfia. Ele usou o dinheiro para comprar materiais necessários para construir um motor baseado em suas teorias.

Logo ele tinha construído um gerador etérico, que ele demonstrou a audiências maravilhadas em 1874 na Filadélfia. Keely soprou em um bocal por meio minuto, então verteu cinco galões de água de torneira no mesmo bocal. Depois que alguns finos ajustes o medidor de pressão indicou pressões de 10,000 libras por polegada quadrada. Isto, disse Keely, era evidência de que a água tinha sido desintegrada e um vapor misterioso tinha sido liberado no gerador, capaz de mover maquinaria.

Um espectador a uma demonstração de Keely descreveu o poder da máquina. "Grandes cordas eram rompidas, barras de ferro quebradas ou dobradas, rebites lançados através de pranchas de doze polegadas, por uma força que não pôde ser determinada".

Keely predisse que sua descoberta tornaria outras formas de energia obsoletas. Um quarto de água seria bastante para enviar um trem da Filadélfia para São Francisco e de volta. Um galão impeliria um navio a vapor ida e volta de N. Y. para Liverpool. "Um balde de água tem bastante deste vapor para produzir uma força suficiente para deslocar o mundo de seu curso."


Keely e o grupo de diretores da Keely Motor Company.

Keely viveu em alto estilo, como o chefe de qualquer grande companhia. Para seu crédito, dedicou a maioria do dinheiro investido em equipamento de pesquisa. Ele fez a maior parte da experimentação, construindo seu próprio aparelho. Ele não estava disposto a confiar o segredo a aqueles que não podiam ou não iriam entender — especialmente físicos e engenheiros. Céticos notaram que o equipamento nunca conseguia funcionar como deveria a menos que Keely estivesse presente.


John Worrell Keely fotografado em seu laboratório em 1889 – The Bettmann Archive.


Motor hidro-vácuo de Keely

O trabalho seguiu lentamente. Para manter os ânimos dos acionistas Keely organizou demonstrações públicas. Estas eram obras-primas de atuação. Ele demonstrou uma máquina maravilhosa, uma "máquina vibratória" ou Vacuo-motor pulsante hidro-pneumático". Era um trabalho de arte do maquinista, feito de metal e cobre brilhantes. A máquina era ligada a outra máquina chamada um "libertador", uma gama complicada de fios de metal, tubos e diapasões. 
Keely explicou que ele estava extraindo uma "força latente" da natureza — a energia vibratória do éter. [Nós podemos culpar por essa idéia os físicos.] Keely freqüentemente usou gaita, violino, flauta, cítara ou tubo de lance para ativar as máquinas dele. Alguns disseram que valia o preço de ser enganado para ouvir a linguagem eloqüente que Keller usava para explicar sua teoria. [Dizia-se que Keely tinha talento e conhecimento musical consideráveis.]

Uma idéia central da teoria de Keely da natureza era a noção de que tons musicais poderiam ressonar com átomos, ou com o próprio éter. Ele até desenhou este diagrama musical para ajudar as pessoas a entender os detalhes desta teoria. [Há aqueles hoje que usam isto como indício de que Keely estava à frente de seu tempo, se antecipando à teoria da mecânica quântica.]

Biógrafos descreveram Keely como um "experimentador mecânico", "inventor e impostor", "professor de perfídia", "caloteiro" e "moleque escandaloso". A falta de educação científica formal de Kelley não aborreceu seus partidários, e não intimidou o próprio Keely de proclamar grandemente suas teorias como "científicas".

Com nosso conhecimento presente nenhuma definição pode ser dada à energia latente, que, possuindo todas as condições de atração e repulsão associadas com o magnetismo, está livre dele. Se é uma condição da eletricidade, mas sem qualquer fenômeno elétrico, ou uma força magnética, reblede aos fenômenos associados com o desenvolvimento magnética, a única conclusão filosófica a que posso chegar é que este elemento indefinível é a alma da matéria [J. W. Keely]

Keely expôs suas idéias usando uma teoria elaborada da "força etérica", temperada com termos eloqüentemente profundos como: "equilíbrio simpático, harmônica negativa quadrupolo, desintegração etérica". Seus financiadores foram impressionados propriamente. Ele olhou com piedade condescendente para aqueles que pareciam não entender.

Alguns acionistas desiludidos retiraram seu apoio uma vez que as experiências de Keely sofreram atrasos repetidos. Keely declarou que já tinha provado que sua teoria poderia ser implementada para propósitos úteis, e fez promessas vastas de benefícios econômicos da energia etérica sobre o carvão e outras fontes de energia. Mas ele resistiu às demandas de investidores para que produzisse algum produto comerciável. Acionistas não estavam contentes com a insistência de Keely de que mais experimentação era necessária para "aperfeiçoar" as máquinas. Felizmente, próxima da falência, Keely adquiriu uma financiadora rica, a Sra. Clara S. J. Bloomfield-Moore, viúva de um fabricante de papel da Filadélfia.

Frasco de vidro contendo pesos que Keely alegou, poderiam subir e descer ao tocar as cordas de cítara

Ela lhe concedeu mais de $100,000 para despesas e lhe prometeu um salário de $2,500 por mês. Ela se tornou ativa promovendo Keely em jornais e livros e buscando cientistas que poderiam validar as reivindicações dele. Ela sugeriu que ele compartilhasse seu segredo com Edison ou Tesla para acelerar seu desenvolvimento, mas Keely recusou. Ele pelo menos concordo
u que os cientistas pudessem observar as demonstrações.

E. Alexander Scott, um engenheiro elétrico, testemunhou tal demonstração. Quando Keely mostrou para ele a força etérica fazendo um peso subir e descer em um frasco fechado de água, Scott não se impressionou. Keely usou o som de uma cítara para ativar o libertador de globo que então transmitiu a força etérica por um arame ao recipiente de água. Scott suspeitou que peso era oco, de forma que uma mudança mínima da pressão da água poderia fazê-lo subir ou descer, da mesma maneira que um mergulhador Cartesiano. O arame, ele sugeriu, era um tubo oco transmitindo a pressão de ar para a câmara de água. Para refutar a idéia, Keely cortou o arame para provar que era sólido. Mas Moore discretamente pegou um pedaço de arame similar na oficina e depois descobriu que de fato tinha um centro oco, bem fino.


Teste da força simpática de discos vitalizados.

Outras demonstrações mostraram que a força etérica era grande o bastante para erguer pesos enormes. Também poderia disparar sua "arma vapórica", demonstrada em Sandy Hook, Long Island.

Keely Perto do Fim

Foi anunciado da Filadélfia em 17 de março que a Keely motor estava praticamente terminada. Todos trabalhadores foram dispensados, e o Sr. Keely devia imediatamente começas a se "focalizar e ajustar os vibradores" — uma operação delicada mas fácil para ele — e assim que ele obtivesse "uma revolução perfeita, ainda que tão lenta", a grande invenção estaria completa. As notícias atraíram parágrafos engraçados nos jornais e um considerável desapontamente entre acionistas e diretores, que têm investido dinheiro há vários anos para apoiar o discobridor do século dezenove do "moto perpétuo" É difícil, realmente, considerar seriamente a alegada invenção, ou caracterizara justamente o inventor, quem, nesta idade, não apenas assume que pode tirar algo de nada, mas esconde todos seus métodos e processos e afeta mais que os mistérios dos antigos alquimistas. Contudo é um assunto sério àqueles que têm jogado dinheiro fora aí. Agora, entretanto, nós parecemos ter finalmente alcançado o "começo do fim", e a atenção dos investidores pode, a tempo, ser "focalizada em seus relatos de lucro e prejuízo. [Scientific American, 25 de março de 1884, p. 196.]

A revista Scientific American acompanhou a carreira de Keely com algum fascínio e diversão. Eles não estavam impressionados, informando que todas demonstrações que testemunharam poderiam ter sido produzidas facilmente com fontes escondidas de ar comprimido.

Keely continuou esta pesquisa durante quatorze anos, organizando demonstrações ocasionalmente para aplacar os acionistas impacientes. A Sra. Moore estava preocupada com o relatório negativo de Alexander Scott, e por artigos contrários indelicados em jornais e revistas. Assim ela buscou uma segunda opinião do físico Prof. W. Lascelles-Scott, da Inglaterra. Ele passou um mês na Filadélfia realizando sua investigação , informando finalmente ao Franklin Institute que "Keely demonstrou a mim, de um modo que é absolutamente inquestionável, a existência de uma força até então desconhecida".

Já que o físico Lascelles-Scott e o engenheiro Alexander Scott obviamente discordavam, foram reunidos para testemunhar mais demonstrações de Keely. A Sra. Moore sugeriu que o teste definitivo seria cortar aquele arame que Scott alegou que era na verdade uma linha de ar. Desta vez Keely recusou veementemente. Lascelles-Scott voltou para a Inglaterra, e a Sra. Moore, com a fé abalada, reduziu o salário de Keely para $250 por mês.


Esfera de três toneladas encontrada no porão do prédio do laboratório de Keely

Depois que Keely morreu em 18 de novembro de 1898, céticos suspeitos e repórteres de jornal fizeram um exame cuidadoso do laboratório dele. Alguma da maquinaria de Keely já tinha sido levada por "crentes" que esperaram que poderiam fazê-la funcionar. um eletricista de Boston, T. Burton Kinraide, levou o motor para a casa dele em Jamaica Plains. Parte do aparelho terminou na Inglaterra. Ninguém poderia fazê-lo funcionar como fazia no laboratório de Keely. O segredo não estava nas máquinas; o segredo estava no próprio laboratório. O engenheiro Alexander Scott e o filho da Sra. Moore, Clarence, examinaram o edifício, acompanhados pela imprensa e fotógrafos. Falsos tetos e chãos foram abertos revelandos cintas mecânicas e ligações a um motor de água silencioso no porão (dois andares debaixo do laboratório). Um sistema de interruptores pneumáticos debaixo das tábuas de chão poderia ser usado para ligar e desligar a maquinaria. Uma esfera de três-toneladas foi achada no porão, aparentemente um reservatório para ar comprimido. As paredes, tetos e até mesmo vigas aparentemente sólidas revelaram ter canos escondidos. A evidência de fraude em grande escala era óbvia e inegável.

O que é realmente notável é que a Sra. Moore tinha persuadido vários cientistas aparentemente respeitáveis a observar as demonstrações de Keely, e alguns deles afirmaram que ficaram impressionados, e até mesmo convencidos de que Keely tinha feito descobertas científicas revolucionárias. Por que alguns foram enganados tão facilmente pelas fraudes óbvias de Keely (ainda que muito elaboradas), que foram adivinhadas corretamente por observadores mais perceptivos e céticos? É claro, deve ser declarado que Keely nunca permitiu que qualquer examinasse suas máquinas, que as testassem independentemente ou até mesmo olhassem dentro delas. Até hoje, artistas de fraude promovendo máquinas de energia podem encontrar alguns engenheiros ou físicos formados dispostos a declarar publicamente que não encontraram nenhuma fraude ou enganação nas máquinas e estão convencidos de que princípios científicos novos estão em funcionamento. É, são as "testemunhas qualificadas" em ação.

Keely em seu escritório. (Rótulo adicionado)

Keely tinha mantido sua companhia em funcionamento por 26 anos sem nunca colocar um produto no mercado, pagar um dividendo ou revelar seus segredos. Esse é seu único feito indubitável. Ele nunca divulgou os segredos dele a qualquer um, até onde sabemos. Um amigo íntimo informou que tinha perguntado uma vez para a Keely: "John, o que você quer para um epitáfio? " A resposta dele: "Keely, o maior humbug [fraude de entretenimento] do século dezenove".

O termo "humbug" está associado com o showman americano Phineas Taylor Barnum (1810-91), que escreveu um livro "Humbugs of the World" e era renomado por enganar o público com "maravilhas" fraudulentas e exageradas. Barnum e Keely nunca se encontraram, mas poderiam ter sido almas gêmeas. 

A Keely Motor Parada Novamente.

A primeira semana de confinamento solitário de Keely com seu motor com o objetivo de "focalizar e ajustar os vibradores" resultou não na revolução única que devia demonstrar seu triunfo final, mas em outro adiamento. Nós descobrimos de um de nossos contemporâneos que os acionistas se encontraram na Filadélfia no dia 26, e esperaram com grande excitação por um relatório de Keely. Ele mandou dizer que a "focalização" estava fazendo progresso rápido, que ele estava muito ocupado para sair mesmo por um momento, e que ele fixaria uma data para exibição em ou antes do dia 10 de abril. Então so acionistas se separaram, alegres e esperançosos como de costume. [Scie
ntific American
, 5 de abril de 1884, p. 213.]

Ainda que quando novas invenções apareçam seja necessário cunhar termos apropriados, não devemos achar essencial recorrer a promessas heterogêneas de absurdos. [Scientific American, 11 de outubro de 1884.]

O caso Keely é geralmente reconhecido como uma das fraudes científicas de maior sucesso. Ainda hoje há pessoas que sentem que ele foi "incriminado", e que seus "segredos" ainda estão para ser descobertos. Um site na internet, Keelynet, é dedicado a continuar e estender o trabalho dele, seguindo suas teorias ocultas da física e matéria. 
As teorias de Keely foram atualizadas por pessoas para harmonizá-las com sua filosofia nova era, e com seu entendimento precário de ciência popularizada. Eles traduziram "éter" como "energia do ponto zero" ou "energia livre", que eles reivindicam preenche todo o espaço e pode ser extraída por qualquer um inteligente o bastante para redescobrir os segredos de Keely.

Alguns anos atrás eu tive a oportunidade ver e examinar o modelo motor hidro-vácuo de Keely que está na coleção do Franklin Institute na Filadélfia. Naquele momento estava emprestado a um indivíduo privado (em troca de uma doação generosa ao museu). Infelizmente as condições na casa desta pessoa não eram ideais para fotografia, e esta fotografia foi o melhor que eu obtive (embora a fotografia original estivesse em 3d.) Confie em mim, esta máquina nunca poderia ter funcionado sozinha, sem a ajuda de fontes de energia escondidas (ar comprimido). 

    …há pouca dúvida sobre a fraude. Muitos investigadores viram a evidência e fizeram declarações sóbrias sobre ela. Nenhum dos membros da Keely Motor Company tinha algo a ganhar de uma exposição p’bulica dela — muito pelo contrário. Clarence Bloomfield-Moore era um distinto arqueologista e explorador, que havia passado vinte anos explorando as planícies indígenas pela América. Suas escavações no laboratório de Keely, acompanhadas por repórteres da imprensa de Filadélfia e um membro da equipe de Scientific American eram ilustradas com fotografias que não dão lugar a dúvida…
    Keely era claramente um charlatão a maior parte do tempo, mas houveram grandes médiuns espiritualisras que produziram fenômenos genuínos assim como fraudes deliberadas… Keely pode ter sido mais um enganador em grande escala. Mas pode ele ter gasto a maior parte da vida com uma sério de fraudes obsessivas?
    [Leslie Shepard, 1972. O comentário sobre "fenômenos genuínos" de médiuns espiritualistas é revelador da "vontade de acreditar" de Shepard.]

Nota final.

Embora a imprensa classificasse as alegações de Keely com "movimento perpétuo", o próprio Keely nunca reivindicou que quaisquer de suas invenções violassem leis físicas. Ele expressou suas alegações muito habilmente para que fossem consoantes com a ciência especulativa de sua época. Ele exercitou embelezamento eloqüente destas idéias, e cunhou palavras maravilhosas que soavam científicas, mas sem nunca defini-las cuidadosamente. Ele era tão bom nisto que seus seguidores hoje podem apontar para coisas obscurecer que Keely disse e engenhosamente interpretá-las como se antecipando à teoria atômica moderna. 

O homem com uma idéia nova é um excêntrico, até que ela tenha sucesso. —Mark Twain.

"Investigadores" contemporâneos igualmente evitam o termo "movimento perpétuo". Para explicar a energia que eles esperam produzir, inventam formas misteriosas de energia "ao redor de nós", que nunca foram descobertas, não têm nenhum efeito na maior parte da matéria e não têm nenhuma fundação sólida dentro da ciência bem estabelecida e testada.

O fato de que uma nova idéia seja ridicularizada não aumenta a probabilidade de descobrir-se eventualmente que tem mérito. A maioria das novas idéias, mesmo na ciência, falha, e são silenciosamente jogadas para debaixo do tapete da história. — D. E. S.

Eles consideram a "ciência como nós a conhecemos" com desprezo, e vêem a ciência de hoje como uma camisa-de-força que contém aqueles que buscam descobrir "princípios científicos novos." Estas pessoas dedicam muito mais esforço para racionalizar seus métodos, justificar suas alegações sem provas, e inventar paradigmas novos que produzindo resultados testáveis.

Os segredos do laboratório de Keely publicados no The New York Journal

Não é patológico admitir que a ciência nunca está completa, e que descobertas novas serão feitas e modificarão pelo menos parte de nossa compreensão presente. Porém, é um pouco perverso justificar o pensamento científico de uma pessoa e funamentá-lo em teorias inventadas vagas e incompreensíveis e enganações experimentais de um charlatão do século 19 século como Keely. Keely pode ter sido um vigarista inteligente, ou ele pode ter sido um investigador diligente mas mal dirigido da verdade científica que só fabricou fraudes para ganhar apoio. Ele pode ter sido ambos. Qualquer que tenha sido o caso, eu predigo confiantemente que se forem descobertas fontes novas de energia, não terão qualquer conexão com qualquer coisa que Keely fez ou imaginou. Seus seguidores e admiradores atuais estão desperdiçando seu tempo, e simplesmente não chegarão a nenhum lugar enquanto tentam implementar as idéias de Keely para produzir um gerador de energia.

    —Donald E. Simanek

Materiais relacionados.

Um website, historical Document on John. W. Keely, tem uma miscelânea rica de artigos de jornal, folhetos de Keely e Moore, folhetos sobre Keely e algumas imagens. Estes foram aparentemente coletados por um crente, mas inclui muitas fontes céticas,

A história da fraude de moto perpétuo de Redheffer está no Museum of Hoaxes de Alexander Boese.

– – –

Não deixe de visitar a seção de fraudes das páginas de Donald Simanek (em inglês).

Tags: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *