MENU

Monstro do Lago Ness Capturado?

Os 223 Genes (de Sitchin)

15 de agosto de 2009 Comments (1) Views: 3038 Ceticismo, Fortianismo

A Pegada Meister

William J. Meister estava procurando por fósseis de trilobites em Utah em 1968 quando encontrou um, mas dentro do que parecia a pegada de alguém usando uma sandália. Isso causou muita surpresa porque trilobites se extinguiram muito tempo antes do homem moderno surgir. A rocha estava na formação Wheeler do meio Cambriano — geologicamente datada de mais de 500 milhões de anos atrás.

Tal descoberta relatada pelo Dr. Melvin Cook em 1970 animou muitos que se opõem à evolução, como criacionistas, e mesmo por aqueles que defendem a idéia de ‘deuses astronautas’, como Däniken. A imagem é realmente impactante: parece ser prova de que um ser humano calçado pisou sobre um trilobite há milhões de anos atrás.

 

Porém, como não poderia deixar de ser, apenas parece. Os trilobites são reais mas o que parece uma pegada não suporta um exame mais detalhado. Não há evidência de que a suposta pegada faça parte de uma trilha nem há deformações esperadas por diferenças de pressão que ocorrem ao se caminhar. O que parece uma pegada é resultado de processos geológicos naturais, o que é comprovado porque há diversas outras ‘pseudo-pegadas’ na área.

Algumas dessas outras pseudo-pegadas também foram divulgadas mas seriam ainda menos convincentes que a pegada Meister. O criacionista Ernest Booth expressou desapontamento com seus colegas que deixaram de explicar que tais pseudo-pegadas são de fato abundantes na área e claramente resultado de processos geológicos.

Refutações detalhadas sobre a pegada Meister foram publicadas ao longo dos anos 80, e criacionistas e mesmo Däniken deixaram de divulgá-la com tanto entusiasmo.  

***

Referência

The "Meister Print": An Alleged Human Sandal Print from Utah – por Glen Kuban, parte de sua página sobre o rio Paluxy.

Tags: , , , ,

One Response to A Pegada Meister

  1. David disse:

    Tradução: não é pegada porque não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *