MENU
pileus-1-900.jpg

Novo Fenômeno Natural tem Nome: Crown Flash

arrebatamentocrop.jpg

Foto captura o Arrebatamento?

25 de setembro de 2011 Comments (28) Views: 9112 Fortianismo, Paranormal

Explicando o Fantasma da “Luz de Paulding”

“A Luz de Paulding tem sido um mistério na parte norte de Michigan, nos EUA, por mais de 40 anos. Até os dias de hoje ela pode ser vista quase todas as noites! Pessoalmente eu a testemunhei pela primeira vez em fevereiro de 1999, e para minha surpresa a luz fantasma se moveu em nossa direção flutuando no ar, parecendo-se exatamente com alguém carregando uma lamparina. Enquanto começou a se aproximar, ela desaparecia e iniciava o movimento novamente, cada vez mais rapidamente!”.

E a Luz de Paulding não é uma fraude.

Seu primeiro registro data de 1966, quando um grupo de jovens relatou a luz para o xerife local. Desde então, a misteriosa luz de fato surge toda a noite no local.

Embora as histórias variem bastante, a lenda mais popular envolve a morte de um maquinista. Diz a lenda que uma linha de trem passava pelo vale, e a luz é a da lanterna do maquinista que morreu tentando impedir que um trem colidisse com vagões parados na linha.

O fato de que nunca houve uma linha férrea no vale é apenas um pequeno detalhe, é claro. Poderiam ser ferrovias fantasmas, quem sabe.

Fato é que o Mistério da Luz de Paulding pode ser rapidamente desvendado simplesmente observando-a através de um telescópio. Como estes estudantes da Universidade Tecnológica de Michigan, liderados por Jeremy Bos, mostram:

As luzes enigmáticas são faróis e lanternas dos carros trafegando na rodovia US-45, que possui um trecho em linha reta naquela exata posição a quase 10 km de distância.

Se você observar o vídeo original mais uma vez, tendo esta solução em mente, pode enxergar como as luzes mais brilhantes são os faróis altos de carros do lado esquerdo, vindo em nossa direção. Quando há carros na direção oposta, do lado direito, os motoristas abaixam os faróis, diminuindo a intensidade da luz branca, e permitindo que vejamos as lanternas vermelhas traseiras dos carros do lado direito da pista.

Como algo tão prosaico pode ter permanecido um mistério por 40 anos? A verdade é que o mistério foi solucionado há muito – como Bos comenta, outra equipe de investigadores na década de 1980 já havia chegado e divulgado a mesma conclusão. Antes disto, outras pessoas que visitassem o local munidas mesmo de um bom binóculo, ou as que simplesmente caminhassem até o final da trilha também já haviam percebido a origem nada fantasmagórica das luzes.

É realmente incomum enxergar luzes de carros a quase 10 km de distância, e a equipe de estudantes sugere que camadas de inversão térmica podem favorecer a observação. Outros fatores também contribuem para o efeito: no ponto de observação, à noite, não há nenhuma outra fonte de iluminação. À medida que as luzes dos carros distantes sobem o pequeno trecho do vale, também alteram seu ângulo bem como, ao alternar entre faróis altos e baixos, podem dar a impressão de se afastar e aproximar subitamente. A distância é superior à capacidade da visão humana de perceber profundidade, de forma que confiando apenas em outros sinais, como a intensidade luminosa, observadores realmente têm a impressão de que as luzes estão se aproximando com grande rapidez.

marfa lights

Exatamente o mesmo efeito, e a mesma explicação – luzes de automóveis a grande distância – também explica o fenômeno mais conhecido das Luzes de Marfa. Assim como a Luz de Paulding, estas foram repetidamente investigadas e demonstradas como luzes de carros, mas a lenda e o mistério se espalham mais rápido, e de forma mais duradoura, que uma explicação prosaica.

Tags: , , , ,

28 Responses to Explicando o Fantasma da “Luz de Paulding”

  1. APODman disse:

    Então as Luzes de Paulding são “parentes” das Luzes Min Min do deserto australiano, apesar destas serem luzes de carros abaixo da linha do horizonte do observador que se tornam visíveis apenas devido a Fata Morganas.

    [ ]´s

  2. Marcio disse:

    Não sei como isso pode explicar as Luzes de Marfa…

  3. Magno disse:

    As Luzes de Paulding, a meu ver, estão muito bem explica, devido a localização e altura abaixo da linha do horizonte, tempo do primeiro aparecemento aparecimento e etc.

    Agora, as luzes de Marfa não se encaixam nessa explicação. Poderiam ser algum tipo de gás como os fogos fátuos ou outra coisa qualquer, menos luzes de automóvel.

  4. Felipe disse:

    Ano passado eu tinha visto uma luz meio que se explodindo no céu como gás ai no outro dia veio a explicação na tv mesmo… deve ser bem por ai…

  5. MARCELOOO disse:

    Nada a ver. Luzes de Marfa são totalmente diferente.

    Aliás, ontem passou sobre essas luzes, de Marfa, no National Geographic, mas eu dormi porque passei a noite fazendo uma viagemastralmuito cansativa.

  6. Adriano disse:

    SObre as luzes de Marfa, tem na wiki o relato do “The 2004 Society of Physics Students investigation”…vocês acham furada? vejam que colocarm até um carro lá e o observaram…e fica na reta da US67….porquê nada a ver? Qual outra boa explicação?

  7. Macc disse:

    Se não me engano o programa de tv a cabo “Fact or Fake” do Syfy foi investigar este fenômeno.

    Bem, eles até bloquearam temporariamente kms da estrada (rodovia Us-45) durante o fenômeno para testar a teoria dos faróis de carros e assim mesmo as luzes apareceram, também tentaram reproduzir as luzes com os faróis de carros controlados da rodovia e nada foi visto no local de observação! Entre outros testes.

    Vale a pena conferir o episódio.

    Afinal, tendo senso crítico, ver e fotografar os faróis dos carros da rodovia com um telescópio é facil, mas serão estas fotos iguais a do fenomeno verdadeiro?
    Como o proprio artigo afirma, em condições normais não “seria” possivel ver os farois nessa tal distância, e como isso é possivel então? Ora, tudo depende de uma explicação ainda não testada (inversão termica)? Hum…

    É bom lembrar que se construirmos especulações em cima de especulações como nessa notícia dos estudantes da Universidade Tecnológica de Michigan, podemos “desbancar” qualquer coisa misteriosa.

    Assim, como não gosto de ser manipulado nem acredito em argumentos que abusam de uma enorme ingenuidade por parte de centenas de testemunhas de um fenômeno que tem acontecido há décadas, deixo uma dúvida sobre a indagação de “Como algo tão prosaico pode ter permanecido um mistério por 40 anos?”:
    Resposta: Talvés o misterio continue exatamente pois essa explicação dos faróis de carros já foi testada e afastada há muito tempo, por muita gente, quem sabe desde os anos 80´s? Eu pelo menos vi uma dessas refutações no “Fact or Fake”, e muito bem testada.

    E por fim, se a questão dos carros é realmente descartável, podemos perguntar:
    Como algo tão prosaico pode ter permanecido como uma explicação consistente nos sites céticos por tanto tempo?

    • Mori disse:

      Eu soube da Luz de Paulding assistindo ao episódio de Fact or Faked. Pensei em comentar sobre o programa no texto, mas isso o deixaria desnecessariamente longo e confundiria os leitores.

      Em resumo, o experimento do programa foi falho, e provavelmente não bloquearam a seção correta da rodovia.

      Assista ao vídeo, não são especulações: exatamente do mesmo ponto de observação, apontando exatamente ao mesmo ponto, o que se vê — com um telescópio — é o trecho da rodovia US-45. Se o programa não conseguiu observar os faróis de seu carro de teste — e se ao invés viu as luzes de uma outra fonte — isso apenas significa que não bloquearam nem percorreram o trecho correto.

      Simplesmente usar um telescópio do mesmo ponto de observação é um experimento ao mesmo tempo mais definitivo, elegante e simples do que todos os outros que a equipe de Hollywood conduziu — o que incluiu tentar falar com fantasmas inexistentes.

      No caso das Luzes de Marfa, além do uso de telescópios, foram tomadas mesmo espectrografias das luzes, comprovando sua compatibilidade com faróis de carros. O Carlos APOD que comentou aqui das Luzes Min Min (bem lembrado!) é outro que vem aplicando a espectrografia para coletar dados muito mais confiáveis a respeito de supostas anomalias luminosas.

      Infelizmente o programa Fact or Faked tem um histórico de conduzir experimentos mal projetados, e há pelo menos uma denúncia de que os produtores do programa teriam oferecido dinheiro para que os criadores de um vídeo “paranormal” o pudessem criar de forma mais “emocionante” (vide a nota de Karen Stollznow na JREF). É uma pena, mas é apenas um simulacro de investigação.

  8. Macc disse:

    A investigação do fact or faked pode ser vista aqui: video.syfy.com/…/fact_or_faked…1…/paulding-light…/v1245183

  9. Marcio disse:

    Cientista bom é aquele que refuta ou prova que algo “anormal” é “normal”???

  10. Adriano disse:

    Macc, você se baseando em um programa dos anos 80 e não dá nenhum valor as análises feitas agora mais recentemente com melhores equipamentos e muito bem documentadas? Estranho, pois você sempre parece estar em sintonia com as mais recentes análises e descobertas….

  11. Macc disse:

    Adriano, o programa Fact or Faked não é dos anos 80, mas de 2010. O que comentei dos anos 80 são as tentativas de afirmar que a luz vem dos carros da estrada (como afirma o texto), me pergunto se tal resposta era tão óbvia, porque tanto mistério até hoje.

    Mori, também acho mais plausível que a luz seja de origem mundana, apenas não sei porque confiar em alguns caras que postaram um video na internet e não num programa de televisão, qual a diferença? Se temos que ser céticos é bom exercitar sem conclusões a priori.

    O que me intrigou no programa Fact or Faked foi que mesmo com a estrada bloqueada, a luz ainda apareceu. Você devia ter postado essas informações e contradições também, elas estão até no wikipedia!
    ASsumir que bloquearam a parte errada da estrada não é meio forçado, já que os testes envolveram uma enorme logística e planejamento como pode ser visto no video so prgrama, envolvendo até um teste com um avião. Planejamento bem superior ao dos carinhas com um telescópio e um laptop.

    Outra coisa que chamou minha atenção foi o fato do narrador principal do video dos universitarios ter dito que quando mostrou a evidencia para pessoas que conheciam a luz, elaas terem dito que eles não analizaram o fenômeno “original”, a luz verdadeira. Será? Se fizer uma busca na net por fotos dessa luz, verá que ela parece bem mais intensa e maior do que a mostrada aqui.

    De qualquer maneira, não podemos assumir que o programa do fact or faked errou e os “universitários” (se é que são mesmo) acertaram só porque queremos muito acreditar na desmistificação. Precisamos de mais evidencias.

    • Mori disse:

      O pessoal da Univ Tec de Michigan não é o primeiro nem o único grupo de pesqusiadores a demonstrar que a Luz é dos carros da rodovia. No próprio fórum de discussão do programa, bem como em fóruns sobre o paranormal anteriores ao programa, você encontra várias pessoas dizendo que ou puderam ver com binóculos e telescópios o que as luzes eram, ou simplesmente caminharam pela trilha até o ponto (10km) e descobriram o que era.

      A luz parece mais intensa e maior porque o vídeo original (que está no início da matéria, e foi o exibido pelo programa) está desfocado. A visão humana, por comumente sair de foco, também irá perceber a luz como “maior” do que realmente é.

      Quando assisti ao programa, imediatamente me lembrei das Luzes de Marfa e de sua explicação (no caso das Luzes de Marfa, o espectro das luzes é algo ainda mais conclusivo e definitivo que a filmagem por telescópios). Estranhei que o experimento deles de bloquear a rodovia não tivesse dado certo, pesquisei e logo vi que o experimento deles deve ter sido falho. A rodovia tem muito quilômetros de extensão, se eles não souberam que trecho deviam bloquear e percorrer, todo o teste se torna inútil.

      Isso, claro, presumindo que o programa não tenha deliberadamente manipulado seus resultados. Como indiquei, há pelo menos uma denúncia de que produtores do programa *pediram* para pessoas criarem um vídeo falso.

  12. Magno disse:

    Ainda não entendi o “por que” de toda essa polêmica. Se essas luzes aparecem com uma certa freqüência, por que não sobrevoam o local com um helicóptero na hora da aparição e desmistificam isso logo de vêz?

    Acredito que seria bem mais fácil (e talvêz mais barato) do que ficarem com todo esse aparato e o pior, bloqueando estradas.

    Tá parecendo a polêmica sobre as pirâmides da Bósnia: “É natural”. “Não! É artificial”. Quando uma simples analise (e um pouquinho de esforço braçal) resolveria esse dilema.

    Talvês a necessidade de manter esses locais como pontos turísticos, seja o fator principal para não desmistificarem.

    Ps. Adriano, mandei o meu ponto de vista na outra página como voce pediu.

    Abs.

  13. ddragoonss disse:

    Quer dizer que um bloqueio de toda uma rodovia é mais útil/mais fácil de fazer/mais a prova de falhas(sendo que podem existir entroncamentos, fazendas, casas ou locais a beira da estrada que podem guardar carros) que o uso de um prosaico binóculos/luneta/telescópio?
    Ou se a distancia for tão grande assim, que se use um espectrômetro, como fazem com as estrelas, a luz não mente.

    Não assisti essa Fact ou Faked, mas isso é extremamente estranho, até mesmo pra um programa de TV “mithbuster-like”. Pirotecnia pouca é bobagem.

  14. Yuri disse:

    Segundo me recordo, nesse programa do Netgeo, um pesquisador argumentou uma coisa bem legal, dizendo que quando da ocorrência de um choque ou pequeno tremor na terra essas luzes podem aparecer, mas o que deixou eles confusos foi o fato da luz aparecer com uma tonalidade diferênciada nos aparelhos de visão noturna, e isso eles não conseguiram explicar.

  15. Hugo HwH disse:

    Puxa vida,
    voces sempre tem uma explicaçao pra tudo!
    eu vi esse video na tv, e vi mais,uma equipe passou a noite la, filmando com luz noturna,
    onde fica tudo verde e preto, essa luzes apareceram em azul e vermelho, o que nao era possivel, apareceu uma luz que pela escala feita pela distancia tinha uns 300 metros, e surgiram 2 luzes azuis e uma delas foi confirmado que se distanciou em ultra velocidade para o horizonte, por que voces nao colocam o video desta reportagem com os especialistas?
    NÃO EXISTE EXPLICAÇÃO ( AINDA ) PRA ESTE FENÔMENO.

    ACEITEM E NÃO VENHAM COM ESSAS REPORTAGENS TREMELEQUE DANDO EXPLICAÇOES PRA TUDO.

    podem explicar o que aparece neste video?
    ja pedi aqui e ninguem fala nada..:::::
    http://www.youtube.com/watch?v=8n64XoyQ15Y

    obrigado.

    • Bruno L. Rocha disse:

      A câmera do celular filma em 10 frames por segundo. Os garotos aparecem numa boa, pois não fazem movimentos bruscos, mas se alguém passasse correndo na frente de uma câmera que filmasse a 10fps, o resultado é o mesmo.
      Eu brincava na escola com isso com meu sony ericson em 2006.
      HAHAHAHAHAHAHAHAH

  16. Luiz disse:

    Gosto muito do site e respeito demais as pesquisas aqui realizadas e apesar de nunca ter ouvido falar sobre este fenômeno e não ter qualquer julgamento prévio disso tudo percebi uma preguiça na hora de apurar os fatos e apontar supostas “provas” e estou escrevendo dessa vez para dizer que estou ficando decepcionando com essas “investigações” que o site vem fazendo há algum tempo. Estou notando textos se direcionando apenas para as verdades que o site acredita e aqui, particularmente, tive que engolir um “pensei em comentar sobre o programa no texto, mas isso o deixaria desnecessariamente longo e confundiria os leitores.” nos comentários. Francamente, já vi o que vocês do site podem fazer e é melhor do que o que está acontecendo ultimamente…

  17. Anderson disse:

    Desculpem. Não sei se devemos confiar neste texto. A equipe do Programa Fato ou Farsa da Emissora de TV Syfy pesquisou o local e comprovou que não teria como ser os faróis de carros, não tem como. Eles foram até esta suposta rodovia com carros e ligaram faróis, fizeram vários textes e mau dá para ver, ou melhor, nem dá para ver faróis de carros.

  18. MARCO disse:

    NADA VE ESSA EXPLICAÇÃO DE QUE A LUZ DE PAULDING SÃO LUZES DE CARROS PASSANDO NA RODOVIA. O PROGRAMA FACT OR FAKED DO SYFY INVESTIGOU ESSE CASO FAZENDO VARIOS TESTES E ELES CHEGARAM A CONCLUSÃO DE QUE CONTINUA INEXPLICAVEL

  19. Ary del Riego disse:

    Na minha opinião de leigo é que se é possível ver a rodovia e automóveis passando com o uso de um telescópio montado no “ponto de observação”, temos aí uma “linha de visada”, totalmente reta e desobstruída.
    Nesse contexto as luzes dos automóveis à noite seriam, OBRIGATORIAMENTE, visíveis sim.
    E neste ponto tenho que discordar de Ceticismo Aberto: não é um fenômeno “realmente incomum enxergar luzes de carros a quase 10 km de distância”: pela nossa experiência quotidiana, numa noite sem nuvens podemos ver as luzes de um avião de carreira passando. E digo apenas as luzes de posição, aquelas azuis e vermelhas piscantes, quase da mesma intensidade das luzes de freio de um carro, pois em voo não se usam luzes como as dos faróis de automóveis (luzes de pouso e taxiamento) já que nada tem o piloto para ver à frente.
    Da mesma forma, quando viajamos em um voo noturno vemos as luzes de algum carro passando por alguma estrada deserta (e isso que o mesmo não aponta suas luzes diretamente para nós) ou as luzes de alguma embarcação no mar…
    E, note-se, os aviões de carreira mantém altitudes de cruzeiro normalmente entre 9.000 e 12.000 metros! A mesma distância que estaria a rodovia do “ponto de observação” do fenômeno.
    Quanto mais escuro for o local em que nos encontramos para ver o avião, mais nítido e “próximo” parecer este estar…
    Agora, imagine-se as relativamente fortes luzes alta e baixa de um automóvel, diretamente apontadas para a nossa cara, num local que parece ser totalmente ermo e escuro, passando diretamente pelas camadas mais densas da atmosfera, que causam distorções, que belo espetáculo não nos ofereceriam? Aqui cabe salientar que incomum, sim, é a situação geográfica que coloca o “ponto de observação” em linha reta e quase no mesmo nível, com visada frontal (ou quase) dos veículos.
    Não assisti e não conheço o programa “Fact or Faked” da “SyFy TV” mas, sinceramente, que a produção tenha interrompido o tráfego por vários quilômetros de uma rodovia federal, que parece ter um tráfego algo intenso, durante várias horas, suponho, para fazer os seus “takes”, convenhamos…
    Nisso realmente não acredito – e agora estamos na minha praia, jurídica e de administração pública – pois não imagino que xerife iria ser tão ingênuo a ponto de permitir uma perturbação tão grave apenas para uma emissora de TV fazer uma matéria. Ninguém iria expor a risco sua carreira, especialmente sabendo que sua visível prevaricação seria exibida em rede mundial! Isto supondo que a emissora tenha solicitado o apoio policial para o bloqueio ou que, se não o solicitou, tenha o policial recebido denúncias de que algum vândalo estaria impedindo o tráfego na estrada… Não dá para acreditar: prefiro acreditar, me parece mais sensato, que o fenômeno seja uma conspiração de ovnis comunistas ateo-maçônicos para derrubar o Papai Noel!
    É uma solução espalhafatosa demais e me parece mais bem saída da mente de um diretor de cinema que de um consultor científico. E certamente um programa desses deve ter excelentes e inteligentíssimos consultores que poderiam ter indicado diversos outros meios de fazer a prova que pretendiam, sem tanto espalhafato.
    Minha modesta sugestão seria colocar no “ponto de observação” duas câmeras no mesmo nível e absolutamente paralelas, uma com objetiva normal, de mesma visão que a visão humana a olho nu (que chamaremos câmera 1) e outra com uma supertele, bem focada e capaz de registrar as imagens dos automóveis (câmera 2), ambas produzindo imagens exatamente coordenadas segundo a segundo; sempre que a câmera 1 registre o “fenômeno”, confirmar pelas imagens geradas pela câmera 2 se não há um automóvel com luzes acesas naquele momento. Se houver um só registro do “fenômeno” sem a correspondente passagem de um automóvel (descontados efeitos óticos, como “flare” na lente, p.ex.) aí sim teríamos algo inexplicado. E muitas outras variações poderiam ser feitas, inclusive com observadores usando rádio comunicadores etc… mas interromper o tráfego numa rodovia? Essa é demais!
    Repararam que sempre escrevi acima “ponto de observação” entre aspas? Bem, pelo que se pode ver nas imagens há uma estrada cascalhada com um guard-rail colocado bem no meio da estrada (!), como se dissesse: “fique aqui, não passe deste ponto que você vai perder o espetáculo!” É apenas naquele ponto que se pode ver o fenômeno? Um pouco mais à direita ou um pouco mais à esquerda, mais para cima, mais para baixo, mais para frente, mais para trás, noutro ponto de observação, o fenômeno poderia ser visto? Note que os dois vídeos mostram, pela posição das árvores e dos postes da linha de transmissão, que é apenas nesse ponto que podemos ver o fenômeno, justamente no ponto em que há visada direta para a estrada… coincidência estranha? Claro que não!

  20. Uberlan Guimarães Soares disse:

    Gostaria de ver alguém do site explicar os fenômenos produzidos pelo japonês Masuaki Kiyota que produzia fotografias mentais.

    http://www.youtube.com/watch?v=T2qWXyDUA-M

    Será que vão conseguir?

  21. EU disse:

    Isso é mentira… Uma equipa já mandou parar todo o trânsito e a luz apareceu na mesma! Como explicam isto?

  22. Ramon disse:

    Cara, pq nao ir onde esta a luz, pq ver elas de longe? Pq uma equipe nao vai onde as luzes estao e outra fica de longe observando, as duas equipes se comunicando por radio, eh simples provar essas coisas, nao fazem o correto pq nao querem. Essa luz nao deve ter nada de espetacular, de estranho. Eh soh ir a fonte jah que as luzes sempre aparecem, e nao tentar provar estupidamente.

  23. Thyago disse:

    Isso não explica nada, colocaram carros para provar que dá para ver as luzes mas não tiraram os carros para provar que as luzes quando aparecem pode não ser eles, 100% fail.

  24. marco abdalla disse:

    Nada a ver essa explicação. o programa fact or faked testou essa teoria dos carros e nao funcionou

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *