MENU

Hiperatividade esotérica na blogosfera

Vídeo: Drone – Strange craft

27 de setembro de 2007 Comments (6) Views: 2127 Ceticismo, Geral

Acupuntura falsa tira dor como a real

A falsa acupuntura -uma estratégia que usa agulhas sem realmente perfurar a pele- tem o mesmo efeito para dor nas costas que a acupuntura real, segundo levantamento de uma equipe de pesquisadores alemães.
O estudo, publicado na revista “Archives of Internal Medicine”, reforça a tese de que os bons resultados observados no uso da acupuntura podem ser apenas fruto de efeito placebo -a pessoa confia tanto no tratamento que acaba se curando sozinha.
Na pesquisa, que envolveu 1.100 voluntários divididos aleatoriamente em três grupos (os que receberam acupuntura real, os que receberam a falsa e os que passaram por terapia convencional), as agulhadas de mentira e de verdade ofereceram um alívio da dor mais duradouro que as drogas tradicionais.
A avaliação do efeito sobre a dor foi feita por meio de questionários seis meses após o tratamento. O índice de melhora foi de 47% no primeiro grupo, 44% no segundo e apenas 27% no terceiro.
Na falsa técnica, as agulhas não são inseridas tão profundamente, e as picadas não são feitas nos mesmos pontos do corpo considerados como cruciais pelos acupunturistas. [Folha]

O resumo do estudo pode ser lido em inglês: German Acupuncture Trials (GERAC) for Chronic Low Back Pain. Mais sobre a acupuntura no Quackwatch e no Dicionário do Cético.
[via Medeiros na SBCR]

Tags: , , ,

6 Responses to Acupuntura falsa tira dor como a real

  1. MoonChild disse:

    Mori,

    Não significa muito. Já leu bula de antidepressivo ? É muito comum na lista de efeitos colaterais feitos em estudos duplo-cegos (um grupo recebe placebo e outro o medicamento, sem saber) as pessoas sentirem efeitos colaterais muito fortes e muito expressivos tomando os placebos (pois pensam estar tomando o remédio em questão).

    Por isso é que os estudos são “duplo cegos”, justamente na pequena diferença entre os efeitos colaterais do placebo contra os do medicamento é que se encontram a verdadeira proporção de efeitos colaterais verdadeiros.

    Assim, que tal inverter a sua colocação neste artigo por um instante ? Quem sabe não é a mente que cura o corpo por achar ser realmente acupuntura ? Não esqueça: o mesmo ocorre com medicamentos cientificamentes testados…

    Em tempo: nas faculdades de saúde, se aprende sobre as doenças psico-somáticas e somato-psíquicas formalmente, são situações aceitas pelas ciências de saúde.

    Ou seja: a mente age sim sobre o corpo (já ouviu falar de gastrite nervosa?) :-) ou vice-versa. Uma mente estimulada pela falsa acupuntura pode muito bem vir a ser apenas mais uma prova dessa já conhecida verdade.

    Mais sobre placebos e estudos duplos-cegos:

    http://www.pdamed.com.br/bulanv/pdamed_0001_00215_01100.php

    http://virtualpsy.locaweb.com.br/index.php?art=221&sec=39
    (neste até 5% de quem tomou placebo teve melhora no transtorno obssessivo compulsivo. Isso é que é placebo.),

    Abraços,

  2. Cesar disse:

    Faz a gente pensar se realmente é interessante tentar desfazer a ilusão que as pessoas tem sobre a homeopatia…

  3. O estudo é interessante e considero-o muito importante.
    Conheci a acupuntura através de uma fisioterapeuta aqui em Piracicaba, que há mais de 20 anos encomendou-me uma máquina que pudesse detectar os pontos da tradicional técnica chinesa. Eu mesmo era totalmente cético quanto à validade da acupuntura; mesmo assim resolvi pesquisar.
    Alguns livros adiante já tinha o esquema de um dispositivo eletrônico que, pela teoria, detectava os pontos comparando a resistência elétrica da pele. Uma vez montado o equipamento o liguei e testei em mim mesmo. Os locais que ele indicava coincidiam com os apontamentos da cópia de um desenho chinês que me fora emprestado, onde uma figura humana estilizada era percorrida por diversos pontos e linhas. Até hoje não li nada conclusivo sobre as razões da diferente resistividade nestes locais.
    Pelo que li (não sou especialista no assunto), as agulhas funcionam como antenas captando uma energia sutil, talvez até a eletromagnética, que inclusive poderia portar informações, e transferem diretamente ao corpo em pontos naturais de captação. Estas “antenas” aumentariam a eficiência destes pontos, tanto para ativar como neutralizar certos aspectos.
    Não há necessidade de que estas antenas, ou agulhas, estejam diretamente “fincadas” no cidadão; mesmo a uma certa distância seria possível, teoricamente, as energias presentes no ambiente se transferirem para o corpo, por indução por exemplo. Não se deve esquecer também que as correntes de pensamento orientais citam diversos corpos mais sutis, como o duplo etérico, astral, mental etc, cujos limites ficariam além dos limites do corpo físico (ver kirliangrafia) e assim, as agulhas estariam neles interpenetradas.
    Certamente isso tudo não conclui o assunto, mas são mais peças para o enigmático quebra-cabeças da “verdade”.

    Saudações fraternas

  4. Hong disse:

    o autor que fez a análise está totalmente equivocado! .
    1- este trabalho mostrou que os estimulos das duas modalidades de acupuntura funcionam:
    2-ou a acupuntura verdadeira foi mal feita, e que é comum na prática;
    3- e/ou a acupuntura falsa , na verdade , deve ser chamada de acupuntura mínima, atualmente aceita esta denominação que é mais correta;

    4-enquanto o uso de terapias convencionais , não teve a eficácia de 30% entre os pacientes tratados, isso sim, pode ser chamada de terapica dePLACEBO. E não sei porque não foi avaliada .
    5- Em geral, os trabalhos sobre a acupuntura feitos na Europa e nos E.U. são de qualidade duvidosa, provavelmente por causa de falta de estudo bem planejado, enquanto lá um curso para médicos tem duração de 120 a 150horas ,, aqui no BRasil é de 600horas.
    6- Acho engraçado, ainda existem comentarios desse genero, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

  5. Dr. Sávio Maia disse:

    Acabo de ler o relato do trabalho realizado na Alemanha sobre a “Falsa Acupuntura”.
    Fico pensando que uma técnica que sobrevive desde o ano 3 mil ante s de cristo pode ser falsa. Na verdade fomos criados em ambientes onde a dor se “cura” com remédio e isso nos afastou da essência da cura. Uma medicação sim faz o nosso corpo reagir com a produção de inúmeras substancias que ajudam a recuperar o processo prejudicial, mas um corpo não precisa nem deveria precisar de medicação para seu equilíbrio e sim de organizar o seu próprio equilíbrio.
    Hoje faço apenas uma pergunta: Como temos centenas de cães que se recuperam com ACUPUNTURA?
    Senhor especialista Alemão, me diga como? Será que falamos para o cachorro que ele vai ficar bom?
    Precisamos entender que a Medicina Chinesa é composta por:
    – Acupuntura – Agulhamento /Moxabustão – Ervas que são queimadas em forma de charuto / Tui-Ná – Massagem Terapêutica / Gua Sha / Ventosa e centenas de técnicas ainda não citadas aqui.
    Posso provar que acupuntura não é PLACEBO e acredito que esse estudo não levou em consideração outros quesitos fundamentais como: Alimentação do paciente, Atividades de vida diária, Utilização de chás e exercícios como Qi Gong e Qi Kun.
    Aqui vai uma dica de pesquisa para os Alemães:
    Procurem entender o mecanismo, pois ele existe, logo que não se pode convencer um cão que ele vai voltar a andar.
    Dr. Sávio Maia – Médico Doutor em Medicina Chinesa

  6. Ana Cristina disse:

    Meu marido sofre com bursite nos dois braços a mais de dois meses. A dor estava tão intensa que ele chegou a pensar em até se matar. O ortopedista que o atende o aconselhou a tentar a acupuntura. Foi ao medico depois de muita insistência minha, pois não acreditava na acupuntura. Na primeira sessão conseguiu levantar um braço em um ângulo de 40 graus, o que nos deixou maravilhados. Hoje, levanta um braço normalmente e o outro a cada tratamento consegue mexer um pouco mais. Ontem, pela primeira vez depois de tanto tempo, conseguiu dormir um pouco e ele só fez quatro sessões. Se o efeito placebo sobre ele resolvesse alguma coisa, teria sido curado nas inúmeras fisioterapias que fez e não na acupuntura que não dava crédito nenhum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *