MENU

Lobisomem

Se você construir, eles virão

26 de agosto de 2004 Comments (0) Views: 988 Geral, Ufologia

OVNIS e Marilyn Monroe

OVNIS e Marilyn Monroe



Recebi por e-mail um spam anunciando o livro (em verdade, mais um livreto, de 44 páginas) intitulado “OVNIS e o assassinato de Marilyn Monroe”. Suas “três teorias principais”:

* Marilyn Monroe não cometeu suicídio, mas foi assassinada;

* Que foi assassinada por determinados oficiais do governo que estavam nervosos sobre a informação que ela pretendia revelar;

* E que estas revelações concerniam a informação que tinha obtido durante seus relacionamentos com John F. Kennedy e Robert Kennedy que arriscavam a segurança nacional (para não mencionar carreiras políticas), principalmente informações sobre OVNIs.”

Sobre toda essa mirabolante história, Reinaldo Stabolito fez alguns comentários sóbrios em seu blog, vale a pena dar uma olhada. Mas Marilyn Monroe teve sim um grande papel na história dos discos voadores. Um bom decote.

A lendária revista LIFE de 7 de abril de 1952 tinha a deslumbrante loira em sua capa, e logo acima, à direita, a chamada “There is a case for interplanetary saucers”, algo como “Há um caso a favor de discos [voadores] de outros planetas”. “Não era a primeira apresentação na mídia de OVNIs, mas foi a primeira vez que uma grande revista com credibilidade deu apoio à teoria de que OVNIs pudessem ser espaçonaves extraterrestres. A história na LIFE virou notícia, coberta em mais de 350 jornais nos EUA. O número de avistamentos de OVNI relatados à Força Aérea disparou: de 23 em março antes do artigo aparecer, a 148 em junho. Este aumento foi devido aos discos invadirem a América? Ou a história da revista LIFE tornou os americanos mais propensos a relatar as coisas estranhas que teriam visto?” — questiona o artigo “It took a Marilyn to get America talking UFOs” (“Foi preciso uma Marilyn para fazer a América falar sobre OVNIs”.

Ao ler o (“ufologicamentee”) histórico artigo da revista LIFE de 1952 (aqui), pode-se notar uma curiosidade: em nenhum momento se menciona a sigla UFO, ou mesmo a expressão “unidentified flying object”. São usados diversos termos, mas a familiar expressão não aparece. Isto porque mal havia sido criada, por Edward Ruppelt, chefe do projeto Blue Book da Força Aérea.

O artigo da revista LIFE, que contou com o impulso do decote de Marilyn, não é tão importante à história dos discos voadores quanto o artigo publicado dois anos antes, escrito por Donald Keyhoe, na revista menos conhecida TRUE, que se tornaria um livro. O ano de 1952 Um ano antes também foi “O Dia em que a Terra Parou“. Mas agora você já sabe que homens preferem as loiras. A discos voadores, pelo menos.

Tags: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *