Destaques

Published on julho 22nd, 2009 | by Kentaro Mori

1

Percepção Extra-Sensorial (PES)

splash43 paranormal destaques

original em REALL (Rational Examination Association of Lincoln Land)
Preparado pelos North Texas Skeptics

Muitos acreditam que há algumas pessoas ("sensitivas" ou "psíquicas") que podem captar os pensamentos de outros e até mesmo transmitir seus próprios pensamentos para outros. Esta comunicação mente-a-mente direta é freqüentemente descrita como instantânea e independente da distância. Proponentes às vezes alegam que todas as pessoas têm esta habilidade até certo ponto, e que isto explica muitos eventos curiosos na vida diária, como sonhos aparentemente pré-cognitivos. O termo genérico para esta alegada habilidade é percepção extra-sensorial, ou PES (às vezes chamada "psi", como a letra grega). Parapsicologia é o termo usado para o estudo sério de tais alegações. Até agora, a parapsicologia parece ser uma ciência que nem mesmo pode demonstrar que seu objeto de estudo existe, muito menos oferecer explicações para ele. 
As alegações para a PES entram em quatro categorias gerais:

  • Telepatia — a consciência de uma pessoa de pensamentos de outrem, sem qualquer comunicação por canais sensoriais normais.

  • Clarividência — conhecimento adquirido de um objeto ou evento sem o uso dos sentidos.

  • Precognição — conhecimento que uma pessoa pode ter dos pensamentos futuros de outra pessoa, ou de eventos futuros.

  • Psicocinese — a habilidade de uma pessoa de influenciar um objeto físico ou um evento, somente pensando sobre ele. (Alguns investigadores consideram a psicocinese como uma parte do psi, mas não estritamente "percepção" extra-sensorial). 

A evidência citada para a PES é normalmente anedótica. Porém, às vezes é alegado que testes científicos em instituições de pesquisa respeitadas têm demonstrado de forma conclusiva que a PES existe; ou testes do governo têm provado ela; ou que os russos estão "trabalhando duro" nisto, etc. Às vezes os proponentes citam experiências específicas como tendo confirmado a existência da PES. Na realidade, é a opinião essencialmente unânime de psicólogos que a existência da PES não foi demonstrada. Todas as experiências proceduralmente válidas e reproduzíveis não têm demonstrado a existência da PES. 
(Ver Hansel, Alcock, Marks e Kammann, e Druckman e Swets para revisões detalhadas das experiências mais conhecidas.) Nós consideraremos primeiro por que a existência da PES é uma alegação tão extraordinária, dado o estado atual de nosso conhecimento sobre o mundo, e então revisaremos as experiências principais que se alega apoiarem a existência da PES.
A inconsistência entre as alegações de PES e o conhecimento científico

Podem ser levantadas perguntas sobre todo aspecto da PES. A existência da habilidade de PES em humanos (ou animais, se for assim) não seria consistente com qualquer coisa que nós sabemos sobre a natureza– seja do ponto de vista da física ou da fisiologia humana. Consideremos os aspectos fisiológicos primeiro. 
Todos os animais superiores mostram a mesma organização fundamental de seus sistemas sensoriais. As células especializadas (neurônios) que formam o sistema nervoso central (SNC) do homem e de outros animais superiores são em si mesmas insensíveis a estímulos sensoriais. Para cada tipo de estímulo importante no ambiente, animais evoluíram órgãos sensoriais altamente especializados. Cada tal órgão do sentido contém células únicas, altamente adaptadas que às vezes são chamadas "transdutoras". Cada estímulo no ambiente envolve um tipo especial de atividade celular. Visão envolve detecção direta de partículas de luz (fótons). Audição envolve detecção direta de movimento de onda organizado de moléculas de ar. Olfato e paladar envolvem detecção direta de formas moleculares. Órgãos sensoriais (olhos, orelhas, nariz) apoiam as células especializadas para detectar fótons, movimento molecular, e formas moleculares diretamente. Estas células geram impulsos que viajam ao longo de fibras nervosas e que são processados então em áreas de troca e codificação intermediárias, alcançando o cérebro finalmente em uma forma que ele pode interpretar. 
O próprio cérebro é insensível a informação sensorial. Se uma pessoa abrisse um crânio e expusesse o cérebro vivo à luz, som, calor, cheiros, etc., o cérebro estaria totalmente desavisado da aplicação destes estímulos em seus tecidos. Por razões óbvias, os órgãos sensoriais que contêm as células transdutoras ficam situados na ou perto da superfície do corpo em todos os animais, inclusive humanos. Quando nós aplicamos esta regra universal de natureza sobre entrada de informação no cérebro para alegações de telepatia, nós nos vemos em maus panos de todas as formas. Assuma que o cérebro de uma pessoa irradia algum tipo de "algo" enquanto ela pensa. Como o cérebro de outra pessoa saberia sobre isto? Em nenhuma parte na superfície do corpo há um órgão especializado que parece faltar uma função, e que contém celas transdutoras sensíveis a "forças desconhecidas." Nem, ao contrário do mito popular, há qualquer área grande do cérebro cuja função é desconhecida, e que poderia ser responsável por recepção e interpretação de sinais do órgão de PES hipotético. 
Além disso, no curso da evolução muitos tipos de animais desenvolveram sentidos extremamente aguçados de um tipo ou outro (i.e., comparados aos dos seres humanos). Cachorros têm um olfato muito mais altamente desenvolvido que os humanos; falcões e águias, visão mais aguçada; morcegos, uma faixa de audição muito maior, etc. Onde está o animal que tem um sentido PES muito mais altamente desenvolvido que os humanos? A habilidade de sentir a presença de animais predatórios que não podem ser vistos, ouvidos, ou cheirados conferiria vantagens enormes a seus possuidores que a evolução deveria ter feito a PES tão comum quanto pêlos, garras, e narizes úmidos. Isso não aconteceu. Poderia ser que nenhum órgão de sentido assim existe porque não há nenhum estímulo para o órgão detectar? 
Algumas pessoas argumentam que só os seres humanos são capazes de comunicação PES; ou que só certas pessoas, especiais, têm tal dote. Anatomia comparativa não mostra qualquer evidência para a primeira afirmação. Não há nenhuma informação relativa à segunda noção. 
Um proponente da PES poderia dizer que a telepatia difere de todos os outros sentidos de forma que o próprio cérebro é o órgão do sentido telepático. Neste caso o estímulo detectado requereria o poder penetrante de radiografias ou radioatividade nuclear para poder passar pelo crânio e alcançar o cérebro! Isto nos leva ao reino da física, onde a PES se sai tão mal quanto no reino da fisiologia. 
Físicos descobriram, em 400 anos de procura, apenas quatro forças fundamentais na natureza: gravidade, força eletromagnética, e as forças nucleares fortes e fracas. Todas as interações entre um pedaço de matéria e outro podem ser entendidas e precisamente descritas em termos destas quatro forças apenas. Porque elas são agora entendidas bem, nós sabemos que nenhuma delas poderia ser responsável pelos estímulos hipotéticos da PES. O que dizer então de uma força nova, desconhecida para a ciência? Uma força suficiente para responder pela PES quase certamente não existe pela mesma razão que você pode ter bastante certeza que não há nenhum elefante no quarto com você enquanto você lê isto. Não há espaço para ele! Se tal força existisse, tudo seria d
iferente de como nós vemos agora, porque a força afetaria tudo de algum modo. (Reivindicar que não teria nenhum efeito observável é equivalente a reivindicar que não existe). Além disso, todas as interações na física diminuem com o quadrado inverso da distância entre os objetos interagindo (ou até mais rápido). Todas estas interações se propagam na ou abaixo da velocidade de luz. Proponentes, em efeito, dizem que a PES viola estas leis universais. 
Isto nos traz a outro ponto que raramente é compreendido por proponentes da PES. Nós sabemos que a radiação eletromagnética existe em uma gama vasta de freqüências e comprimentos de onda que nós não enxergamos porque não temos nenhum órgão sensorial que detecte tal radiação. Nosso conhecimento da existência de tal radiação não depende do nascimento acidental de "sensitivos" que podem de alguma maneira descobrir ondas de rádio diretamente. Ninguém pode descobrir estas ondas diretamente; não há nenhum órgão sensorial para elas dentro de qualquer animal. Nós construímos transmissores mecânicos e detectores para ondas de rádio; nós podemos construí-los para ser tão sensíveis e flexíveis quanto desejarmos. 
Se a radiação PES existisse, as perguntas de se os humanos poderiam ou não detectá-la seriam irrelevantes. Ela poderia ser estudada muito mais precisamente e cuidadosamente com instrumentos científicos sensíveis que poderia por seres humanos que são facilmente cansados ou estão freqüentemente mal-humorados. Mesmo assim crentes em PES nunca tentam usar tal instrumentação. Poderia ser que os sinais buscados não existem exceto nas mentes de certas pessoas que foram condicionadas a acreditar que algo deveria passar por tais canais? É uma característica de toda pseudociência, não só em estudos de PES, que nunca nenhum processo físico real é descoberto ou estudado. O que é normalmente estudado são alegações não-verificadas, anedóticas da Senhora Whiffle, o médium, ou Uri Geller, o ilusionista israelita, ou a Tia Tillie que se lembra desta coisa engraçada que uma vez aconteceu a ela. 
Em vez de procurar pela PES no universo de fenômenos reais, crentes de PES tendem a olhar nos mesmos lugares antigos: em histórias sobre como a Tia Maude "simplesmente sabia" que o Tio Bruce estava em dificuldade, e certamente, ele estava na prisão; ou em jogos de adivinhar cartas nos quais qualquer mágico amador pode se sair bem usando nada mais que percepção sensorial sutilmente disfarçada. Mas anedotas e jogos de sala de estar não são experiências. Quais foram os resultados quando pessoas que supostamente mostram habilidade de PES são testadas dentro de protocolos científicos apropriados? 
A evidência experimental para a PES
O problema experimental para pesquisa de PES é que mesmo seus proponentes concedem que não há nenhuma evidência clara e afirmativa para sua existência. Ao invés, a existência de PES chegou a ser definida negativamente, como a ausência de qualquer explicação alternativa para um desvio estatístico de uma linha base de chances. Sujeitos testados para habilidade de PES tipicamente são pedidos para adivinhar o resultado de eventos fortuitos sob condições onde eles não deveriam ter nenhum conhecimento sensorial do evento de fato. Coleção de dados precisa, eliminação de preconceito de experimentador, randomização adequada, controles apropriados e análise estatística correta tornam-se assim críticos. Os estudos de PES principais ainda não alcançaram estes critérios mínimos:
As Experiências de Rhine: Joseph Banks Rhine, botânico na Universidade Duke, conduziu experiências de PES nos anos 30. Rhine fez os "cartões de PES" famosos por seu uso em experiências de adivinhação. Rhine alegou em seu livro de 1934, Percepção Extra-sensorial, ter achado evidência esmagadora da PES. Porém, outros psicólogos não puderam reproduzir os resultados dele, e é agora amplamente concedido que as experiências de Rhine foram mal projetadas e permitiam vazamento de informação entre os sujeitos e o experimentador. 
As experiências de visão-remota SRI: Nos anos 70, os físicos Harold Puthoff e Russell Targ conduziram experiências na SRI International que eles reivindicaram mostravam sujeitos que podiam essencialmente "ver" um lugar remoto através dos olhos de outra pessoa. O grupo designado visitaria locais fortuitamente como um shopping ou um aeroporto, enquanto o experimentador pedia ao sujeito para descrever suas impressões. 
Obviamente, decidir se as impressões do sujeito combinavam com a cena designada envolvia algumas decisões subjetivas. 
Falhas metodológicas também infestaram a pesquisa, e outro experimentadores não puderam reproduzir os resultados. Como o relatório do Conselho de Pesquisa Nacional coloca: "Tanto por padrões científicos quanto por parapsicológicos, então, o caso a favor da visão-remota não só é muito fraco, mas virtualmente inexistente". (Druckman e Swets, pág. 184). 
Pesquisa em geradores de números aleatórios: Geradores de números aleatórios (RNGs) foram usados em pesquisa PES tanto para testar clarividência ou precognição, quanto, mais comumente, para testar a habilidade psicocinética de um sujeito para influenciar mentalmente o resultado de um RNG de forma que ela produza uma seqüência não-fortuita. O último realmente seria notável, dado o que nós sabemos sobre as leis da física. 
Porém, muitos destes experimentos produzem resultados além da expectativa de probabilidades, assim algum efeito está operando. Do ponto de vista dos céticos, todas as experiências são questionáveis por causa da imperfeição da randomização dos resultados de RNGs. Isto é, o próprio gerador de números aleatórios não é idealmente aleatório, e sua predisposição também deve ser medida e deve ser levada em conta. O Relatório do Conselho de Pesquisa Nacional conclui que depois de 15 anos de pesquisa, apenas uma entre centenas de experiências apresentava os critérios mínimos de aceitabilidade científica, e essa experiência rendeu resultados de significação apenas marginal. 
As experiências Ganzfeld: Estas experiências são nomeadas pelo termo usado por psicólogos Gestalt para designar o campo visual inteiro. Sujeitos de teste usam metades de bolas de pingue-pongue sobre os olhos enquanto ruído branco toca em fones de ouvido. Neste estado de privação sensorial, um remetente tenta comunicar psiquicamente um objetivo fortuitamente selecionado ao sujeito. O sujeito é posteriormente pedido para combinar suas percepções aos objetivos. Experiências de Ganzfeld provavelmente foram as mais cuidadosamente conduzidas — e cuidadosamente examinadas — de todas as experiências PES. Mesmo assim, a pesquisa falhou em produzir resultados que convencem os psicólogos de que a PES existe. 
Em resumo, não foi demonstrada a existência da PES seja na vida cotidiana ou no laboratório. Além disso, as alegações para a PES vão contra as leis bem estabelecidas, bem-testadas da natureza. Para ser consistente com as regras pelas quais realidade é regulada, a PES requereria órgãos altamente especializados e elaborados para enviar e receber radiação PES –órgãos que não são evidentes. A radiação PES deveria ser diretamente detectável e capaz de estudo através de instrumentos sensíveis. Tais instrumentos não existem porque tal radiação não existe em qualquer forma reconhecível. Quanto mais minuciosamente a PES é estudada no laboratório, menor seus efeitos se tornam. A PES, se existir, é claramente muito fraca. Está ficando mais difícil para seus proponentes distinguir entre não-existência e um efeito que é tão escassamente pequeno que não poderia ter nenhuma conseqüência prática.

***

[Este texto foi escrito por John A. Thomas ([email protected]). Está originalmente basead
o em material escrito pelo Prof. Rory Coker da Universidade do Texas em Austin e a Sociedade Austin para Deter a Pseudociência.]

Leitura sugerida:

  • Alcock, James. 1981. Parapsychology: Science or Magic? . Pergamon, NY.
  • Blackmore, Susan.The Adventures of a Parapsychologist. New York: Prometheus Books.
  • Druckman, Daniel and John A. Swets, editors. National Research Council. 1988. "Parapsychological Techniques" inEnhancing Human Performance, Part III. National Academy Press.
  • Hansel, C.E.M. 1989. The Search for Psychic Power: ESP and Parapsychology Revisited. New York: Prometheus Books.
  • Marks, David and Richard Kammann. 1980.The Psychology of the Psychic. New York: Prometheus Books.
  • Price, George R. 1955. "Science and the Supernatural" inScience 122: 359-67.
  • Randi, James. 1982.Flim-Flam!, New York: Prometheus Books.
  • Taylor, John. 1980.Science and the Supernatural. New York: Dutton.

Tags: ,


About the Author

+



One Response to Percepção Extra-Sensorial (PES)

  1. mrod says:

    Desculpem, não consegui chegar até o final do artigo, mas até onde li, me pareceu hilárias algumas alegações e omissões de informações, colocando subliminarmente a parapsicologia como uma pseudociência, assim como seus aspectos estudados.
    Omitiram ainda a passagem do grande físico John Wheeler que tentou fazer o mesmo e depois teve que se retratar.
    Não fosse o que é a parapsicologia não seria aceita como ciência pela AAAS.
    É ótimo que tenhamos, no mundo, os que concordam e/ou discordam de A ou B, porém tudo deve ser balizado de forma honesta e bem centrada, estudada, para que não se caia no simples preconceito – algo tão antigo e menor no ser humano – desde tempos imemoriais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to Top ↑