MENU

O Pesadelo Médico de Betty Hill

Stendec! O sumiço e o encontro do Stardust

6 de julho de 2009 Comments (3) Views: 1877 Ceticismo, Destaques, Ufologia

O Abominável ET de Ponta Grossa

Boneco de ET confunde ufólogos

Maurício José Kaczmarech, Vice-Presidente da Sociedade Pontagrossense de Ciências Astronômicas
e Kentaro Mori, editor CeticismoAberto

"Alienígenas entre nós”, anunciava na capa, em grandes letras amarelas, a revista UFO de novembro de 2002. E muito apropriadamente, os leitores que abrissem a revista na página 42, na seção "Encontros Cósmicos", veriam uma figura semelhante à ilustração da capa, na nota intitulada “Criatura Assusta Casal”. O destaque era que tinha sido fotografado um estranho ser em Ponta Grossa… quem sabe poderia ser o “terrível” ET de Ponta Grossa, (um congênere do famoso mineiro, ET de Varginha), do qual já existiam relatos de ter sido avistado próximo à represa de Alagados. A história publicada diz que uma senhora ouviu um som estranho e quando olhou por uma janela chocou-se a ponto de desmaiar ao ver uma criatura horrenda entre a vegetação próxima da casa. O marido da desfalecida sacou de uma câmara fotográfica e impressionou a película fotossensível com a grotesca imagem daquele ente, parado entre os arbustos, a contemplar a casa com os humanos!!! A fotografia obtida registrava o histórico incidente, mostrando uma criatura com não mais de 1 metro de altura, entremeada na vegetação, dotada de uma volumosa cabeça. Era algo revelador, que não era de nosso mundo… afinal, não estamos mais sós no Universo!

A farsa
Bem, a solidão para a Humanidade voltou, quando da chegada às bancas da revista UFO de fevereiro do ano seguinte, onde aparece a nota “Esclarecida Fotografia de ET produzida em Ponta Grossa”. Neste artigo é afirmado que aquela história e a fotografia não tinham sido analisadas com profundidade, e que após a grande polêmica que fez surgir entre os leitores daquela revista, que desconfiavam que aquilo era uma montagem, a revista teria solicitado a um consultor que fizesse uma análise da fotografia suspeita.

Na análise publicada chegava-se à conclusão de que “a foto é uma fraude muito mal feita. Usando ferramentas gráficas podemos realçar algumas áreas da imagem e constatar que não passa de uma farsa” (Revista UFO, nº 84, p.42). Após um imponente palavreado técnico, diz-se que aquela fotografia foi feita a partir de um desenho que já tinha sido publicado naquela mesma revista, várias vezes, e que é possível dizer que aquele desenho foi aplicado, via computador, na fotografia de uma mata. Por fim, desprezou-se a fotografia afirmando que tal tipo de imagem pode ser conseguida facilmente, com o uso de programas comuns de editoração de imagens. Finaliza a nota a admiração de que foi publicada naquele periódico uma fotografia fraudulenta de ET, com o uso de um desenho publicado anteriormente nessa mesma revista. Esse desenho, aliás, é um dos mais vulgares em publicações especializadas em discos voadores, tendo aparecido primeiro em livros e revistas estrangeiras. Era praticamente impossível que alguém não notasse a semelhança, até demoraram, para isto!

Maurício José Kaczmarech ao lado do boneco de isoporConclusões ufológicas
O episódio até aí é interessante, entretanto, quando outras informações são adicionadas, o fato torna-se divertido. O vice-presidente da Sociedade Pontagrossense de Ciências Astronômicas (SPCA) produziu uma série de materiais didáticos da área da Astronomia, e entre painéis com trajes espaciais, modelos de foguetes, asteróides e planetas, consta um ET feito em isopor e cartolina, com a aparência popularmente aceita como padrão para o ser extraterrestre: baixinho, com um corpo magrelo, enfiado dentro de um traje espacial prateado e uma cachola calva dotada de olhos grandes e saltados. Esse material didático servia para ilustrar o assunto “Folclore da era espacial” (quando o lobisomem e o boitatá foram substituídos pelo ET e pelo disco voador). E por ser um material bem chamativo, várias vezes foi emprestado para compor exposições e outras atividades. Ao comparar a fotografia publicada na revista e o ET feito em isopor, podemos ver que alguém de posse de tal “alienígena”, fez alguns “ensaios fotográficos” desse ET, montando um “book” do mesmo. Tal fotógrafo também parece ter sido o empresário do ET de isopor (mais conhecido no meio ufológico agora, como o ET de Ponta Grossa!), pois pelas imagens da revista, esse ET foi lançado no meio ufológico com uma imagem provinda daquela seção ecológica de fotografias.

É difícil realmente analisar uma fotografia e dizer se o que aparece nela é uma coisa ou outra. Repetimos contudo que o que aparece nela já havia sido publicado pela mesma revista, que desde seu início é liderada pelo mesmo editor, Ademar Gevaerd. Foram necessários meses para que se dessem conta de tal, e apenas duas edições depois se identificava a ilustração. E isto de uma publicação que até pouco tempo se declarava “dedicada ao estudo do extraterrestres” – recentemente teve seu mote alterado para o “estudo dos discos voadores”.

Na análise publicada afirma-se que a imagem foi provavelmente feita com programas de computador. Possivelmente, sim. Entretanto, agora a probabilidade aponta com um mínimo de erro para o uso daquele boneco pouco eletrônico. E quando observamos aquela “fraude muito mal feita”, notamos que diante do corpo do ET aparecem o que devem ser galhos com folhas em frente de parte da ‘criatura”.  Esses galhos aparecem desfocados, não tendo limites nítidos com a imagem do ET, pelo contrário estão opticamente concordantes com uma fotografia que fosse tirada de algo entre as plantas, com objetos mais próximos da câmara e outros mais afastados. A afirmação de que essa fotografia poderia ser conseguida facilmente com programas comuns de editoração de imagens não é verdade exceto para profissionais de computação gráfica. Basta qualquer um tentar montar uma imagem onde se coloque uma imagem desfocada (que tem bordas pouco definidas), perfeitamente unidas à imagem de outro objeto, com a devida variação de tons e mesmo alguma transparência.

Ignorou-se o mais simples: que fosse um boneco fotografado em meio à vegetação. A possibilidade, que agora se confirma como a explicação ao caso, nem mesmo foi mencionada na análise.

Crédito Devido
Talvez o grave no episódio sejam seus bastidores. O leitor deve ter notado que até o momento não mencionamos o nome do consultor da revista a quem é atribuída a análise da imagem. Pois bem, ele foi o consultor de arte Philipe David. Entramos em contato com Philipe para a publicação deste artigo, apresentando-lhe um rascunho, e ele gentilmente nos respondeu:

“[O artigo] tem razão em um determinado ponto que é o fato de eu nem ter levantado a possibilidade do boneco de papelão ou um boneco de isopor. Foi mesmo um lapso não ter citado esta possibilidade que como você sabe não compromete o resultado dessa história, que é mostrar que [o caso] era um embuste fajutíssimo, mas dou a mão à palmatória”, admitiu.

Philipe também nos confirmou qual ufólogo finalmente lembrou-se da conhecida imagem. E essa é uma outra pessoa não mencionada até agora: Josef Prado, ufólogo integrante do grupo “BURN”. Revista UFO, n. 21, pág. 6 (abril de 1993)Foi Josef Prado o pesquisador de
OVNIs que notou que o “ET de Ponta Grossa” era uma reprodução de uma ilustração já publicada pela própria revista UFO anos antes. Vasculhando suas revistas antigas, Prado reencontrou o desenho em uma edição de abril de 1993, comentando logo depois sua descoberta com Philipe David. O que aconteceu depois explica os desencontros ufológicos deste caso.

Não foi solicitada uma análise da fotografia ao consultor de arte. “O meu objetivo era mais um alerta para algo que no meu entender e do Josef era uma imagem fraudulenta sendo publicada de forma sem critério ou avaliação pela revista do que uma análise da foto mesmo. Era uma coisa meio informal e eu nem imaginava que ela seria publicada em pedaços pela revista como sendo uma perícia”, escreveu-nos Philipe. Isso responde ao lapso de se ter ignorado uma possibilidade elementar. Philipe havia feito comparações, através de um computador, entre a fotografia e a ilustração. Não era uma análise, foi a editoria da publicação que, para surpresa do próprio autor, a converteu em tal.

Ainda mais grave é que, se apenas nesta última parte mencionamos Josef Prado como o ufólogo que tardiamente reconheceu o “ET de Ponta Grossa” de sua aparição anterior na revista UFO, os que lerem a “análise” publicada na mesma revista esclarecendo a imagem não irão encontrar seu nome em qualquer parte. E este não foi um lapso. Outra vez, por decisão da editoria da revista, omitiu-se o nome de Prado.

A atitude da revista UFO foi vergonhosa de não dar o crédito ao Josef pela idéia. Isso tem base em desavenças pessoais do editor [Ademar Gevaerd] com ele. Levei isso ao conhecimento dele e do Gevaerd.  Só lamento”, disse de forma franca Philipe David.

Isopor e cartolina
Relatos de assustadores criaturas de isopor divulgados sem qualquer análise, “análises” tardias que surpreendem ao próprio autor e decisões editoriais como a de não publicar o nome de um investigador. É um episódio da ufologia “dedicada ao estudo dos discos voadores”.

– – –

Agradecimentos
Devidos a Philipe Kling David e também a Josef David S. Prado. O co-autor Kentaro Mori deseja expressar também seu agradecimento a Maurício José Kaczmarech, autor da quase totalidade deste trabalho.

Nota: Antes da publicação deste artigo, contatamos Ademar Gevaerd, editor da revista "UFO", solicitando comentários sobre a publicação da imagem, mas sem fornecer detalhes a respeito do conteúdo deste artigo. "Como editor da publicação, você teria comentários a fazer sobre o tema? Por que se decidiu publicar a imagem, como e quando se constatou sua falsidade, e quaisquer informações adicionais?", perguntamos. Reproduzimos a seguir na íntegra as respostas do editor ao questionamento:
"A foto foi recebida para publicação como tantas outras. Chegam dezenas de imagens à nossa Redação por semana, a maioria delas digitais. Dessas, escolhemos apenas algumas para as seções respectivas, por absoluta falta de espaço. Todas essas seções têm o objetivo de pemitir ao leitor sua manifestação, que é publicada com o mínimo de intervenção editorial (revisão e copidesque). Não fazemos juízo de valor nem atestamos a legitimidade ou não dessa forma de manifestação, que vem em forma de relato de experiência pessoal, opiniões ou defesa de posição, crítica ou sugestão. Essa foto, quando foi recebida, me soou estranha, mas como havia sido enviada por um grupo de pesquisa, achei por bem publicar, novamente sem opinião expressa por parte do editor. O fato do grupo de pesquisa ser de Ponta Grossa (PR) pesou na decisão, porque buscamos sempre prestigiar com a publicação a manifestação de pessoas das mais diversas localidades, especialmente de grupos. E raramente tivemos manifestações de Ponta Grossa (PR) publicadas. A foto foi uma das que mais provocou reações na história da revista, todas negativas, fazendo com que muitos leitores buscassem esclarecê-la. Isso foi feito numa edição consecutiva, quando se publicou o mais consistente dos relatos contrários à sua legitimidade".
Contestando a informação de que não seria feito juízo de valor na referida seção, informamos que na edição de outubro de 2003 (n.92), à página 42, na mesma seção "Encontros Cósmicos", a revista "UFO" publicou a imagem de um suposto objeto luminoso, já acompanhada de um comentário adequado afirmando ser um reflexo, baseado em uma análise da mesma.

Tags: , , , , ,

3 Responses to O Abominável ET de Ponta Grossa

  1. daniel disse:

    o que voces acham do projeto portal ? e sobre o que eles relatam para mim parece tudo muito real!!!!!!!

  2. Eu estive la em MS e em outros locais para fazer uma cobertura jornalistica do caso. Posso afirmar (o que nem é preciso), tudo é uma farça, mas de tão grotecos que seja a dar pena. Só quem lucra algo é o proprio Urandir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *