MENU

Pessoas de uma Forma Diferente

Alienígenas na Ficção-Científica

20 de julho de 2009 Comments (1) Views: 1025 Ciência, Ufologia

Um diálogo sobre Vênus

Rodolpho Gautier, original em
OPUS – Organização de Pesquisas Ufológicas

O planeta Vênus é freqüentemente confundido com Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs). A seguir narraremos um desses enganos que acorrem diariamente no mundo todo. O planeta também é chamado popularmente de estrela da manhã ou estrela d´alva.

Antenor acordou mais cedo naquela dia. Tomou café e foi buscar o jornal que o entregador havia jogado no quintal. O ar lá fora estava fresco e ele se espreguiçou antes de agachar para pegar as notícias. Quando esticava os braços, viu uma algo diferente: no céu havia uma luz branca, intensa e que não cintilava. Eram 6h40min. Todas as estrelas já haviam desaparecido e o Sol tinha acabado de nascer. Apenas uma permanecia. Majestosa e solitária no lado leste, o lado do nascente do Sol. Vinte minutos se passaram e a luz foi perdendo seu brilho até desaparecer. "Era uma nave alienígena estacionada?" Provavelmente não, seu Antenor.

" – Mas eu tenho certeza de que estrela não era"

Não era mesmo. O brilho das estrelas é diferente do brilho de planetas como Vênus. Elas cintilam. Ou seja, sofrem permanentes e bruscas alterações de cor e brilho causadas pela atmosfera. Os planetas, pelo contrário, não apresentam o cintilar com mesma intensidade devido a sua proximidade. Somente observado-os com telescópios, poderemos perceber essas alterações, que ocorrem numa escala muito menor do que a nossa atmosfera faz com as estrelas. Mas as coisas não são tão simples. Quando a atmosfera está muito agitada ou o planeta muito baixo no horizonte, sua luz pode apresentar bastante cintilação.

O fato de Vênus permanecer depois que todas as estrelas, ou quase todas, já desapareceram é perfeitamente explicável. Ele está mais próximo do Sol do que a Terra e sempre aparece no céu quando está anoitecendo ou amanhecendo. Pode ficar visível no máximo quatro horas depois que o Sol se pôs ou quatro antes dele nascer. Portanto, seu Antenor, o senhor poderia ter tido o mesmo tipo de avistamento no começo da noite. Às 18h você veria Vênus no lado oposto, ou seja, no oeste. O planeta sempre está próximo ao ponto cardeal em que o Sol aparece (manhã – leste) e desaparece (fim de tarde – oeste).

Jamais poderemos avistar Vênus no meio da noite. Porém seu brilho pode suplantar a luz solar e ser captada por um observador atento em plena luz do dia. E isso também costuma gerar casos de OVNIs. Às vezes com um pouco de treino é possível encontrar o planeta de dia. O observador só precisa relaxar a visão, já que o fundo azul do céu não permite definir uma referência de focalização para o nosso olho.

" – A luz parecia se mover de lado. É impossível!"

A percepção de pequenos movimentos é causada por mudanças nas altas camadas da atmosfera. É por isso que o astro pode parecer se mexer um pouquinho. Obviamente, essa explicação não é válida para "manobras radicais". No caso de Vênus, a percepção de movimentos pode ser realçada se o observador estiver em um carro em movimento. Uma pessoa dirigindo em uma estrada sinuosa pode, com um pouco de imaginação, pensar que está sendo perseguida pelo brilhante planeta. Até experientes pilotos de avião já confundiram o astro com outras aeronaves.

" – Rodolpho, era um brilho muito intenso. Nunca vi estrela ou planeta assim"

Vênus é o astro com maior brilho depois do Sol e da Lua. Ele tem, ou melhor, ele reflete uma luz 12 vezes mais intensa do que Sirius, a estrela que mais se destaca do céu. Além disso, seu brilho pode ser realçado pela mesma ilusão de ótica que faz com que o Sol do pôr do sol fique imenso. Esse fenômeno proporciona imagens belíssimas, mas pode confundir quando multiplica o brilho de Vênus.

" – Ah, então era a Vênus mesmo?"

Talvez não. Procure observar o céu diariamente no horário do avistamento. Se todo dia o ponto estiver lá, em uma posição parecida com a do dia anterior, diga oi ao planeta. Quem quer ter certeza absoluta pode consultar um especialista ou sites como http://www.tecepe.com.br/cgi-win/cgiasvis.exe/t_blank , http://www2.uol.com.br/super/index_mapa.html e http://www.heavens-above.com/.

Esses endereços dão a posição do Vênus. É que ele é temperamental e não aparece em algumas poucas épocas. Se nesses raros dias, uma luz enorme, branca e estática aparecer no céu, cuidado. Pode ser realmente um alienígena com sua nave estacionada em local proibido, seu Antenor.

Revisão Técnica: Jorge Honel – Físico do Centro de Divulgação Científica e Cultural – USP/São Carlos. Fotos © www.solarviews.com

– – –

Bibliografia:

· AVENI, Anthony, Conversando com os planetas – Como a ciência e o mito inventaram o Cosmo, Editora Mercuryo, São Paulo, 1993
· VERDET, Jean-Pierre, O Céu, mistério, magia e mito, Editora Objetiva, 2000
· NICOLINI, Jean, Manual do Astrônomo Amador, Editora Papirus, Campinas, 1991.

Tags: , , , , , ,

One Response to Um diálogo sobre Vênus

  1. carlos disse:

    gosto de fotografar os astros ;lua e exo q planeta venus,tenho fotos dos dois, o planeta tem cores lindas, azul,amarelo ,vermelho e branco. gostaria q um expert as olhassem p confirmar ou nao,se e venus, como faço isto? grato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *