MENU

Alienígenas na Ficção-Científica

Passado e Futuro – Ciência e Ufologia

20 de julho de 2009 Comments (1) Views: 959 Ceticismo, Destaques, Ufologia

Discos Movidos a Hélice

por Martin Kottmeyer, original em Magonia, junho/2000

Na manhã de 25 de agosto de 1952, um cavalheiro chamado William Squyres saiu de seu trabalho em uma estação de rádio em Pittsburgh, Kansas. Ele estava dirigindo sua nova station wagon Jeep. Quando estava a um quarto de milha da rodovia principal, ele viu à sua direita, pairando a dez pés sobre um campo de grama de dois acres usado para pasto de gado, uma nave incomum. Tinha a forma de prato, com aproximadamente 70 pés de comprimento, 40 pés de largura e aproximadamente 15 pés pela seção mediana. Parecia ser feita de alumínio e tinha várias janelas grandes organizadas do topo à traseira. Havia uma luz média contínua e azul no interior e ele podia ver na janela dianteira a cabeça e os ombros de um homem sentado e imóvel. 
Este parece ser o primeiro Contato Imediato de Terceiro Grau na América a entrar para os arquivos do Projeto Blue Book. Alcançou alguns pontos adicionais ao entrar para o estudo do Instituto de Battelle como um caso com informação e credibilidade suficientes para ser considerado útil. O contato imediato de terceiro grau mais famoso do Monstro de Flatwoods aconteceria mais ou menos duas semanas depois. Seis dias antes, Sonny Desvergers, um chefe de escoteiros da Flórida, foi atingido e ficou inconsciente por uma bola de fogo vermelha saída de um disco voador. O caso de Desvergers seria julgado uma fraude, mas a grama carbonizada na cena permaneceria um fio solto com o qual os ufologistas brincariam. Isto era tudo que acontecia no meio da onda de 1952 que culminou com os famosos UFOs no radar em Washington no meio de julho. 
Squyres disse que parecia haver muita atividade ou movimento na seção mediana da nave. Ele não podia estar seguro de que era humana, mas não tinha um padrão regular. Ele pôde ver o objeto por aproximadamente meio minuto antes que ele começasse uma ascensão vertical rápida alcançando uma tremenda taxa de aceleração enquanto desaparecia no céu. 
Deixado para trás no campo havia um círculo de grama de sessenta pés que havia sido comprimido. Um pouco de grama solta caiu em cima como se tirada por sucção devido à ascensão vertical. Várias testemunhas confirmaram a presença de grama emaranhada. Amostras não mostraram nenhum rastro de carbonização, radioatividade ou outros efeitos. Investigadores da Força aérea obtiveram elogio uniforme em sua procura por referências de caráter. Os homens de negócios locais tinham conhecido Squyres por mais de dez anos e o consideravam completamente confiável. Para aqueles ainda considerando uma fraude, é bom contar que o terreno circunvizinho era bastante hostil – fosso, cerca, ervas daninhas altas – e que Squyres tinha uma perna artificial. 
Escrevendo uns 25 anos depois, J. Allen Hynek observou: "Eu me lembro de pensar longa e profundamente sobre este caso, um dos primeiros recebidos pelo Blue Book”.Sua avaliação inicial era de que se tratava de uma alucinação, mas ele sentia que não a podia aceitar mais. Independente do "nível de realidade" do evento, ele não mantinha mais nenhuma dúvida de que Squyres teve "uma experiência verdadeira, tangível" (The Hynek UFO Report, pp. 200-203). Isto pareceria bem impressionante. Nós temos aqui um contato imediato de terceiro grau com evidência física extensa provavelmente além da habilidade do envolvido de forjar. Em quantos outros casos de entidade você pode dizer isto? Mesmo assim você não o achará em qualquer lista de melhores casos, no passado ou no futuro. O problema reside em um detalhe desgraçadamente diabólico: "Outra característica identificável era que ao longo das extremidades do objeto … havia uma série de hélices com aproximadamente seis a sete polegadas em diâmetro dispostas bem próximas; estas hélices estavam montadas em um apêndice assim elas giravam em um plano horizontal na extremidade do objeto. As hélices estavam girando a uma alta velocidade." 
Isto não soa muito extraterrestre e o próprio Squyres não estava pensando nessas condições. "Quando pressionado, ele declarou que pensava que provavelmente era um dispositivo novo do governo”.Esta obviamente era a idéia favorita nos anos 50 entre aqueles que acreditavam que discos eram reais. Aqueles que escreveram livros podem ter sentido que discos eram extraterrestres, mas pesquisas mostraram que o público ainda não estava aceitando a idéia muito bem. Artigos por jornalistas em grandes revistas também favoreciam a idéia de que discos faziam parte de algum projeto de armas secretas – possivelmente soviético, mas mais provavelmente americano. 
Declaremos o óbvio. Nenhuma aeronave assim estava voando em 1952. A Força aérea financiou algo vagamente semelhante chamado Avrocar que foi eventualmente construído e completado em 1959. Foi desenvolvido em segredo, mas o design foi liberado em 1971. Consistia em uma única hélice no centro, era muito menor – 18 pés de diâmetro por três pés de largura, foi testado em vôo apenas na Califórnia e era completamente instável a uma altitude superior a 3 pés. Foi julgado inadequado para vôo de alta velocidade. (1) É completamente impossível que Squyres tenha estado assistindo a um disco voador feito por americanos. 
Hoje em dia nenhum disco apresenta tal conjunto de hélices. O historiador OVNI Loren Gross definiu o paradoxo mais universalmente: "Hélices simplesmente não são relatadas em OVNIs". (2) Enfaticamente, nenhuma nave pilotada por Greys ou outras espécies de alienígenas já relatou esta característica. Nem parece provável que vá relatar. De um ponto de vista aeronáutico, é um pesadelo de design. A turbulência de tal conjunto de hélices prometeria problemas de estabilidade e controle. Falhas de motores de qualquer tipo – por exemplo um pássaro que bate em uma lâmina da hélice – causaria desastre imediato com pouco tempo para diagnóstico e solução. Carinhosamente, pode-se dizer que mostra para uma sensibilidade visual caprichosamente inventiva, mas uma desinteressada em segurança. 
O caso de Squyres é o exemplo mais impressionante de um OVNI com hélices. Não é o único. Um mês depois, no dia 26 de setembro de 1952, um cavalheiro chamado Carlo Rossi, na Itália, teve um semelhante encontro imediato do terceiro grau. O desenho na imprensa mostra um homem que usa o boné de um aviador com óculos de proteção usados sobre ele olhando para fora por um buraco circular em uma bolha sobre o disco voador. Uma janela redonda de vidro está aberta ao lado da abertura. A forma da nave é basicamente chata como um disco de hóquei. Sobre ela está uma árvore de Natal de lâminas de hélices. A lâmina da parte inferior é mais ou menos do mesmo diâmetro que o disco, a lâmina imediatamente superior tem dois-terços do tamanho e sobre ela está uma terceira menor na mesma proporção. Recorda bem distantemente o Aeróstato Avariado de Landell de 1863 (Bullard, T.E. The Airship File – Supplement Two, 1990, p. 98). Em baixo do disco está um compartimento parecido com um gaiola e um sistema de hélices de três lâminas que giram paralelas ao plano do disco. Parece ainda mais caprichoso e improvável que o relato de Squyres. Com as lâminas de topo todas menores que o disco, a corrente de ar seria toda dirigida para baixo em direção ao disco e então fluiria horizontalmente para fora. Tal uma coisa poderia mesmo voar? O que dizer sobre as tensões envolvidas em lâminas que criam corrente de ar turbulenta pela qual lâminas inferiores maiores têm que girar? Você nunca conseguiria me fazer entrar em tal aparelho (Boncompagni, Conti, Lamperi, Ricci, Sani. UFO in Italia, Corrado Tedeschi Editore (France), pp. 138-43). 
Há menos exemplos se escondendo em catálogos OVNI. No estudo de Bloec
her da Onda de 1947, você pode encontrar o caso do sr e sra Gordon Nielson de Waukesha, Wisconsin. Voltando para casa na noite de 6 de julho de 1947, ambos viram um objeto com forma de disco "com uma hélice em frente, maior que o próprio disco". Eles viram um avião menor aparentemente tentando persegui-lo, mas que foi facilmente distanciado pelo disco em velocidade. Na mesma noite, sa senhorita Clarence Lesseson perto de Mineápolis, Minnesota viu um objeto em forma de disco do tamanho de um prato de dez polegadas voando sobre sua casa no nível da ponta das árvores. Tinha uma hélice, mas em vez de ser na frente como o objeto dos Nielsen estava na extremidade traseira. (3) Um argumento comum da ETH (Hipótese Extraterrestre) mantém que se casos partilham detalhes obscuros, isto demonstra a realidade de ambos os casos. Dois casos na mesma noite compartilham esta raridade de um disco com uma hélice. A mídia parece uma explicação improvável. Não havia nenhuma hélice nos relatos de nóticas de Arnold. Isto pareceria ainda outro argumento em favor da realidade destes absurdos, se pudermos considerar como irrelevante a torca de hélices da frente para a traseira, o que poderia ser concebivelmente feito. 
O relatório de Bloecher inclui exemplos mais ambíguos como um caso de testemunhas múltiplas no qual o sr Harry Hoertz de Akron, Ohio viu "uma luz com um dispositivo propulsor". (4) Também há um par de casos onde a nave é toda hélice e nenhum disco. (5) É necessário enfatizar que isto não era em qualquer senso uma característica principal de discos voadores da época. Propulsão a jato e foguetes está muito mais à mostra em 1947 com mais de três dúzias de casos incluindo detalhes como chamas azuis, rastros ígneos e rastros de vapor. Isto faz mais sentido para uma aviação de ponta no período de pós-guerra que discos movidos a hélice. 
Mesmo assim, hélices eram plausíveis. Algumas armas secretas terrestres tinham as utilizado em experiências então recentes, i.e. Segunda Guerra Mundial. (6) A coincidência de Nielson-Lesseson pode derivar de um raciocínio paralelo que segue premissas compartilhadas e o fato de que havia ainda outros 157 casos diversos naquela mesma data. (7) 
O Projeto Blue Book não ofereceu nenhuma explicação para o caso de Squyres. (8) E nem eu devo oferecer, e com prazer ofereço meu voto de que é um dos dez casos mais inexplicáveis em minha biblioteca. Dizendo isto, estou dizendo apenas que todas as soluções falham de alguma forma frente à evidência disponível para nós. Eu concordo com Gross, a época parece suspeita, mas não posso criar uma solução com a qual ficaria confortável. (9) É uma evidência completamente inútil para a ETH ou qualquer outra teoria. Tem algumas boas lições, porém. A aparência de OVNIs mudou o bastante para podermos dizer que o caso de Squyres está atrelado a sua era. É difícil imaginar tal disco movido a hélices aparecendo hoje. É também uma lição salutar em como os argumentos padrão usados para apoiar a realidade de discos leva a conclusões estranhas quando aplicados de forma consistente sem papel para cenários mais amplos de interpretação. O que quer que uma pessoa possa dizer sobre a experiência de Squyres, o, como disse Hynek, "nível de realidade" na qual ela parece estar baseada é mais um nível de irrealidade. 

***

Referências

1. Blake, William. "The Avro VZ-9 Flying Saucer", Skeptical Inquirer, 16, 3, Spring 1992, 287-291 
2. Gross, Loren. UFOs: A History: 1952: August, 66 
3. Bloecher, Ted. Report of the UFO Wave of 1947, II-16 
4. Ibid., III-1 
5. Ibid., II-17/18 
6. Ford, Brian. German Secret Weapons: Blueprint for Mars, Ballantine, 1969 
7. Bloecher, I-10 8. Gross, op. cit., 72 9. Gross, op. cit., 66, 68, 72

Tags: , , , , ,

One Response to Discos Movidos a Hélice

  1. Fulino disse:

    Eu já vi um desses passar em cima da minha casa. Era composto por uma hélice grande em cima de uma fuselagem oval, uma prolongação da fuselagem para trás e uma hélice de pé na extremidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *