MENU

A Caixa de Skinner

Sagan sobre a viagem no tempo

26 de julho de 2009 Comments (6) Views: 2016 Ciência

A Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI)

por Carl Sagan, publicado na Smithsonian Magazine de maio/1978

Ao longo de toda nossa história observamos as estrelas e imaginamos se a humanidade está sozinha ou se, em algum lugar lá fora na escuridão de céu noturno, há outros seres que contemplam e imaginam como nós – companheiros pensadores no cosmo. Tais seres podem ver a si mesmos e ao universo de forma diferente. Em algum outro lugar podem existir biologias, tecnologias e sociedades exóticas. Que esplêndida perspectiva o contato com uma civilização profundamente diferente poderia prover! Em um cenário cósmico vasto e antigo além da compreensão humana ordinária nós estamos um pouco sós, e ponderamos a última significação, se qualquer, de nosso planeta azul minúsculo mas primoroso, a Terra. A Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) é a procura por um contexto cósmico geralmente aceitável para a espécie humana. Em seu sentido mais profundo a busca por inteligência extraterrestre é uma busca por nós mesmos.

Até recentemente não poderia haver tal procura. Não importa quão profunda a preocupação ou quão dedicado o esforço, os seres humanos não puderam arranhar a superfície do problema. Mas nos últimos anos – em um milionésimo da vida de nossa espécie neste planeta – nós alcançamos uma capacidade tecnológica extraordinária que nos permite procurar civilizações inimaginavelmente distantes, até mesmo se elas não forem mais avançadas que nós. Essa capacidade é chamada radioastronomia e envolve radiotelescópios únicos, coleções ou cadeias de radiotelescópios, detectores de rádio sensíveis, computadores avançados para processar dados recebidos e a imaginação e habilidade de cientistas dedicados. A Radioastronomia tem, na última década, aberto uma janela nova no universo físico. Também pode, se nós formos sábios o bastante para fazer o esforço, lançar uma luz brilhante no universo biológico.

Alguns cientistas que trabalham na questão de inteligência extraterrestre, e eu estou entre eles, tentaram calcular o número de civilizações técnicas avançadas na galáxia Via Láctea – isto é, sociedades capazes de radioastronomia. Tais estimativas são um pouco melhor que chutes. Elas requerem atribuir valores numéricos a quantidades como os números e idades de estrelas, o que nós sabemos bem; a abundância de sistemas planetários e a probabilidade da origem de vida dentro deles, a qual nós sabemos menos bem; e a probabilidade da evolução de vida inteligente e o tempo de vida de civilizações técnicas sobre as quais nós sabemos muito pouco realmente. Quando nós fazemos a aritmética, o número que meus colegas e eu propomos é ao redor de um milhão de civilizações técnicas apenas em nossa Galáxia. Este é um número de tirar o fôlego, e é divertido imaginar a diversidade, estilos de vida e comércio desses milhões de mundos. Mas pode haver tanto quanto 250 bilhões de estrelas na Galáxia Via Láctea. Até mesmo com um milhão de civilizações, menos que uma estrela em 250.000 teria um planeta habitado por uma civilização avançada. Considerando que nós temos pouca idéia de quais estrelas são as candidatas prováveis, nós teremos que examinar um número enorme delas. Assim a busca por inteligência extraterrestre pode requerer um esforço significante.

Apesar de alegações sobre astronautas antigos e objetos voadores não identificados, não há nenhuma evidência firme de visitações passadas à Terra por outras civilizações, e assim nós somos restringidos a olhar para sinais de longe. Das técnicas de longa distância disponíveis a nossa tecnologia, o rádio é sem dúvida a melhor. Radiotelescópios são relativamente baratos; sinais de rádio viajam a velocidade de luz, a qual nada pode viajar mais rápido; e o uso de rádio para comunicação não é uma atividade antropocêntrica: rádio representa uma parte grande do espectro eletromagnético, e qualquer civilização técnica terá descoberto o rádio em qualquer lugar na Galáxia, da mesma maneira que nós fizemos. Civilizações avançadas podem muito bem usar algum outro meio de comunicação com seus pares – “raios zeta”, digamos, o qual nós poderíamos não descobrir durante séculos. Mas se eles desejarem comunicar-se com civilizações menos avançadas, há apenas alguns métodos óbvios, o líder dos quais é o rádio.

A primeira tentativa séria de escutar possíveis sinais de rádio de outras civilizações foi montada no Observatório Nacional de Radioastronomia em Green Bank, West Virginia, em 1959. Este programa, organizado por Frank Drake que está agora na Universidade Cornell, foi chamado Projeto Ozma*, devido à princesa da Terra de Oz de L. Frank Baum, um lugar exótico, distante e difícil de alcançar. Drake examinou duas estrelas próximas, Epsilo Eridani e Tau Ceti, durante alguns semanas com resultados negativos. Resultados positivos teriam sido surpreendentes, porque, como nós vimos, mesmo estimativas bastante otimistas do número de civilizações técnicas na Galáxia indicam que várias centenas de milhares de estrelas devem ser examinadas para alcançar sucesso através de seleção estelar fortuita.

Desde o Projeto Ozma, houve seis ou oito outros programas similares, todos a um nível bastante modesto, nos Estados Unidos, Canadá e União Soviética. Nenhum deles alcançou resultados positivos. O número total de estrelas individuais examinado até agora é menor que 1.000. Nós executamos algo como um décimo de um por cento do esforço exigido.
Porém, há sinais de que esforços bem mais sérios podem ser montados no futuro razoavelmente próximo. Todos os programas de observação até hoje envolveram seja quantidades minúsculas de tempo em radiotelescópios grandes ou quantidades grandes de tempo em telescópios menores. Em um grande estudo científico para a NASA, dirigido por Philip Morrison do Instituto de Tecnologia de Massachusetts [MIT], a viabilidade e desejo de investigações mais sistemáticas foi sublinhado fortemente. O estudo teve quatro conclusões principais:

“(1) é tanto oportuno quanto possível começar uma procura séria por inteligência extraterrestre;
“(2) um significante. . . programa com benefícios secundários potenciais significativos pode ser empreendido apenas com recursos modestos;
“(3) podem ser construídos sistemas grandes com grande capacidade quando necessário; e
“(4) tal procura é intrinsecamente um empenho internacional no qual os Estados Unidos podem assumir a liderança.”

O estudo carrega um prefácio tranqüilizador pelo Reverendo Theodore Hesburgh, Presidente da Universidade de Notre Dame, de que tal procura é consistente com valores religiosos e espirituais, e inclui o seguinte sentimento tocante:

“A pergunta merece….. a atenção séria e prolongada de muitos profissionais de uma gama extensa de disciplinas – antropólogos, artistas, advogados, políticos, filósofos, teólogos – até mesmo mais que isso, a atenção de todas as pessoas pensativas, sejam especialistas ou não. Nós devemos, todos nós, considerar o resultado de tal procura. Essa busca, nós acreditamos, é possível; seu resultado é de qualquer modo verdadeiramente importante. Ousaremos começar? Para nós que escrevemos aqui, essa pergunta se transformou ao invés, passo a passo em: Ousaremos adiar o começo?”

Uma gama extensa de opções é identificada no relatório Morrison, incluindo novos (e caros) radiotelescópios gigantescos baseados em terra ou levados ao espaço. Mas o estudo também mostra que progresso significativo pode ser feito a custo modesto pelo desenvolvimento de receptores de rádio mais sensíveis e de sistemas de processamento de dados computadorizados engenhosos.

Na União Soviética há uma comissão estatal dedicada a organizar uma procura por inteligência extraterrestre, e o grande radiotelescópio de 600 metros de diâmetro “RATAN-600” no Cáucaso, há pouco completado, será dedicado em parte a este esforço. E junto com avanços espetaculares em tecnologia de rádio, houve um aumento dramático na respeitabilidade científica e pública de teorias sobre vida extraterrestre. De fato, as missões Viking a Marte foram, a uma extensão significante, dedicadas à procura por vida em outro planeta. É claro, nem todos os cientistas aceitam a noção de que outras civilizações avançadas existem. Alguns que especularam ultimamente neste assunto estão perguntando: se inteligência extraterrestre é abundante, por que nós já não vimos suas manifestações? Pense nos avanços de nossa própria civilização técnica nos últimos 10.000 anos, e imagine tais avanços continuados por milhões ou bilhões de anos. Se qualquer civilização está tão mais avançada que nós, por que eles não produziram artefatos, dispositivos e até mesmo casos de poluição industrial de tal magnitude que nós os teríamos descoberto? Por que estes seres não reestruturaram a Galáxia inteira para sua conveniência?

E por que não houve nenhuma evidência clara de visitas extraterrestres para a Terra? Nós já lançamos astronaves interestelares lentas e modestas chamadas Pioneer 10 e 11 e Voyager 1 e 2 – as quais, incidentalmente, levam pequenos cartões dourados de apresentação comemorativos da Terra para qualquer civilização espacial interestelar que pode interceptá-las. Uma sociedade mais avançada que nós deveria poder lidar com os espaços entre as estrelas convenientemente, se não sem esforço. Ao longo de milhões de anos tais sociedades deveriam ter estabelecido colônias as quais elas mesmas poderiam lançar expedições interestelares. Por que eles não estão aqui? A tentação é deduzir que há no máximo apenas algumas civilizações extraterrestres – seja porque nós somos uma das primeiras civilizações técnicas a ter emergido, ou porque é o destino de todas tais civilizações se destruir antes que elas vão para muito longe.

Parece a mim que tal desespero é bastante prematuro. Todos tais argumentos dependem que nós imaginemos corretamente as intenções de seres muito mais avançados que nós mesmos, e quando examinados de perto eu penso que estes argumentos revelam uma gama de vaidades humanas interessantes. Por exemplo, por que nós esperamos que será fácil reconhecer as manifestações de civilizações muito avançadas? Nossa situação não é mais próxima a de sociedades isoladas na bacia amazônica, digamos, a quem faltam as ferramentas para descobrir o poderoso tráfego de rádio e televisão internacional que está ao redor delas? Também, há uma gama extensa de fenômenos compreendidos de forma incompleta na astronomia. Poderia a modulação de pulsares ou a fonte de energia de quasares ter uma origem tecnológica? Ou talvez haja uma ética galáctica de não-interferência com civilizações atrasadas ou emergentes.

Talvez haja um tempo de espera antes que o contato seja considerado apropriado, para nos dar uma oportunidade justa de nos destruirmos primeiro, se estivermos inclinados a tal. Talvez todas as sociedades significativamente mais avançadas que nós mesmos alcançaram uma imortalidade pessoal efetiva, e perderam a motivação por perambulos interestelares – o que pode, por tudo que nós sabemos, ser apenas um desejo típico de civilizações adolescentes. Talvez civilizações maduras não desejem poluir o cosmo. Há uma lista muito longa de tais “talvezes”, poucos dos quais nós estamos em uma posição para avaliar com qualquer grau de garantia.

A questão de civilizações extraterrestres parece a mim completamente aberta. Pessoalmente, eu penso que é muito mais difícil entender um universo no qual nós somos a única civilização tecnológica, ou uma de apenas algumas, que imaginar um cosmo transbordando de vida inteligente. Muitos aspectos do problema, felizmente, podem ser verificados experimentalmente. Nós podemos procurar planetas de outras estrelas; buscar por formas simples de vida em mundos próximos como Marte, Júpiter e a lua de Saturno Titã; e executar estudos de laboratório mais extensos sobre a química da origem da vida. Nós podemos investigar a evolução de organismos e sociedades mais profundamente. O problema clama por uma busca a longo prazo, de mente aberta e sistemática, com a natureza como o único árbitro do que é ou não é provável.

Se houver um milhão de civilizações técnicas na galáxia Via Láctea, a separação média entre civilizações será aproximadamente de 300 anos-luz. Já que um ano luz é a distância que a luz viaja em um ano (um pouco abaixo de seis trilhões de milhas), isto insinua que o tempo de trânsito de mão única para uma comunicação interestelar da mais próxima civilização será de uns 300 anos. O tempo para uma questão e uma resposta seria 600 anos. Esta é a razão porque diálogos interestelares são muito menos prováveis – particularmente ao redor do tempo do primeiro contato – que monólogos interestelares. Poderia parecer notavelmente abnegado para uma civilização radiodifundir mensagens de rádio sem esperança de saber, pelo menos no futuro imediato, se elas foram recebidas e qual resposta para elas poderia vir.

Mas os seres humanos executam freqüentemente ações bem parecidas como, por exemplo, enterrar cápsulas de tempo para ser recuperadas por gerações futuras, ou até mesmo escrever livros, compor música e criar arte dedicados à posteridade. Uma civilização que tenha sido ajudada pelo recebimento de tal mensagem em seu passado poderia desejar beneficiar outras sociedades técnicas emergindo semelhantemente. A quantidade de energia que precisa ser gasta na comunicação de rádio interestelar deve ser uma fração minúscula do que está disponível para uma civilização ligeiramente mais avançada que nós, e tais serviços de transmissão de rádio poderiam ser uma atividade seja de um governo planetário inteiro ou de grupos relativamente pequenos de hobbistas, operadores de rádio amadores e afins.

Embora provavelmente nenhum contato prévio terá sido alcançado entre civilizações transmissoras e receptoras, comunicação na ausência de contato anterior é possível.
É fácil criar uma mensagem de rádio interestelar que possa ser reconhecida como emanando claramente de seres inteligentes. Um sinal modulado (“bip”, “bip-bip”,) incluindo os números 1, 2, 3, 5, 7, 11, 13, 1 7, 19, 23, 29, 31, por exemplo, consiste exclusivamente dos 12 primeiros números primos – isto é, números que só podem ser divididos por 1, ou por eles mesmos. Um sinal deste tipo, baseado em um conceito matemático simples, só poderia ter uma origem biológica. Nenhum acordo anterior entre civilizações transmissoras e receptoras, e nenhuma precaução contra chauvinismo terrestre são exigidos para tornar isto claro.

Tal mensagem seria um anúncio ou sinal de farol, indicando a presença de uma civilização avançada, mas comunicando muito pouco sobre sua natureza. O sinal de farol também poderia notar uma freqüência particular onde a mensagem principal será achada, ou poderia indicar que a mensagem principal pode ser achada a uma resolução de tempo mais alta à freqüência do sinal de farol. A comunicação de informação bastante complexa não é muito difícil, até mesmo para civilizações com biologias e convenções sociais extremamente diferentes. Por exemplo, podem ser transmitidas declarações aritméticas, algumas corretas e algumas falsas, e de tal modo fica possível transmitir as idéias de verdadeiro e falso, conceitos que poderiam parecer extremamente difíceis de comunicar de outra forma.

Mas sem dúvida o método mais promissor é enviar figuras. A mensagem poderia consistir em uma série de zeros e uns transmitida como bipes longos e curtos, ou tons em duas freqüências adjacentes, ou tons a amplitudes diferentes, ou até mesmo sinais com polarizações de rádio diferentes. Corretamente organizada em filas e colunas, os zeros e uns formam um padrão visual – um quadro semelhante ao que um datilógrafo imaginativo pode criar usando as letras do alfabeto como meio. Tal mensagem foi transmitida para o espaço pelo Observatório de Arecibo, que a Universidade Cornell mantém para a Fundação Nacional de Ciência, em novembro de 1974 em uma cerimônia que marcou o recapeamento do disco de Arecibo, o maior radiotelescópio da Terra. O sinal foi enviado a uma coleção de estrelas chamada M13, um agrupamento globular que inclui aproximadamente um milhão de sóis separados, porque ele estava em cima na hora da cerimônia. Considerando que M13 está distante 24.000 anos luz, a mensagem levará 24.000 anos para chegar lá. Se qualquer um estiver escutando, serão 48.000 anos antes de nós recebermos uma resposta. A mensagem de Arecibo não foi pretendida claramente como uma tentativa séria de comunicação interestelar, mas mais como uma indicação dos avanços notáveis em tecnologia de rádio terrestre.

A mensagem decodificada forma um tipo de pictograma que diz algo assim: “Aqui é como nós contamos de um a dez. Aqui estão cinco átomos que nós pensamos ser interessantes ou importantes: hidrogênio, carbono, nitrogênio, oxigênio e fósforo. Aqui estão alguns modos de reunir estes átomos que nós pensamos interessantes ou importantes – as moléculas timina, adenina, guanina e citosina, e uma cadeia composta de açúcares e fosfatos alternados. Estes blocos de construção moleculares são reunidos para formar uma molécula longa de ADN que inclui aproximadamente quatro bilhões de ligações na cadeia. A molécula é uma hélice dupla. De algum modo esta molécula é importante para a criatura que parece desajeitada ao centro da mensagem. A criatura tem altura de 14 comprimentos de onda de rádio ou 5 pés e 9,5 polegadas. Há aproximadamente quatro bilhões destas criaturas no terceiro planeta de nossa estrela. Há nove planetas no total, quatro grandes no exterior e um pequeno à extremidade. Esta mensagem é trazida a você por cortesia de um telescópio de rádio com 2,430 comprimentos de onda ou 1,004 pés em diâmetro. Atenciosamente.” Especialmente com muitas mensagens pictóricas semelhantes, cada uma consistente com e confirmando as outras, é muito provável que comunicação de rádio interestelar quase sem ambigüidade poderia ser alcançada até mesmo entre duas civilizações que nunca se encontraram. É claro que nosso objetivo imediato não é enviar tais mensagens porque nós somos muito jovens e atrasados; nós desejamos escutar.

A descoberta de sinais de rádio do espaço iluminaria muitas perguntas que interessaram os cientistas e filósofos desde tempos pré-históricos. Tal sinal indicaria que a origem de vida não é um evento extraordinariamente improvável. Implicaria que dados bilhões de anos para a seleção natural operar, formas simples de vida geralmente evoluem em formas complexas e inteligentes, como na Terra, e que tais formas inteligentes geralmente produzem uma tecnologia avançada. Mas não é provável que a transmissão que nós recebamos será de uma sociedade a nosso mesmo nível de avanço tecnológico. Uma sociedade só um pouco mais atrasada que nós não terá nenhuma radioastronomia. O caso mais provável é que a mensagem será de uma civilização com uma tecnologia altamente superior. Assim, até mesmo antes de nós decodificarmos tal mensagem, nós teremos ganhado um pedaço inestimável de conhecimento: que é possível evitar os perigos do período de adolescência tecnológica que nós estamos atravessando agora.

Há alguns que olham aos nossos problemas globais aqui na Terra – a nossos vastos antagonismos nacionais, nossos arsenais nucleares, nossas populações crescentes, a disparidade entre o pobre e o abundante, escassezes de comida e recursos, e nossas alterações inadvertidas do ambiente natural de nosso planeta – e concluem que nós vivemos em um sistema que ficou instável de repente, um sistema que está destinado a desmoronar logo. Há outros que acreditam que nossos problemas são solúveis, que a humanidade ainda está em sua infância, que logo nós cresceremos. A existência de uma única mensagem do espaço mostrará que é possível viver além da adolescência tecnológica: afinal de contas, a civilização que transmite a mensagem sobreviveu. Tal conhecimento, parece a mim, poderia valer um grande preço.

Outra conseqüência provável do recebimento de uma mensagem interestelar é um fortalecimento dos laços que unem todos os seres humanos e outros seres em nosso planeta. A lição segura da evolução é que os organismos lá fora devem ter tido caminhos evolutivos separados; que a química e biologia deles, e muito provavelmente suas organizações sociais serão profundamente dissimilares a qualquer coisa com que estamos familiarizados aqui na Terra. Nós poderemos nos comunicar com eles porque compartilhamos um universo comum; porque as leis de física e química e as regularidades da astronomia são compartilhadas por eles e por nós. Mas eles sempre devem ser, no senso mais profundo, diferentes. E quando nós reconhecermos estas diferenças as animosidades que dividem os povos da Terra podem enfraquecer. É provável que as diferenças entre seres humanos de raças e nacionalidades, religiões e sexos diferentes sejam insignificantes comparadas às diferenças entre todos os humanos e todos seres inteligentes extraterrestres.

Se a mensagem vier por rádio, ambas civilizações transmissora e receptora terão em comum pelo menos os detalhes de radiofísica. A ordinariedade das ciências físicas é a razão pela qual muitos cientistas esperam que as mensagens de civilizações extraterrestres sejam decodificáveis. Ninguém é sábio o bastante para predizer quais conseqüências de tal decodificação serão em detalhes, porque ninguém é sábio o bastante para entender de antemão qual será a natureza da mensagem. Uma vez que é provável que a transmissão seja de uma civilização bem mais avançada que nós, tantalizantes insights são possíveis dentro das ciências físicas, biológicas e sociais, insights alcançados da perspectiva de um tipo bastante diferente de inteligência.

Decodificar tal mensagem provavelmente será uma tarefa de anos e décadas, e o processo de decodificação pode ser tão lento e cuidadoso quanto nós escolhermos. Alguns se preocupam que tal mensagem de uma sociedade avançada poderia nos fazer perder a fé em nossa própria, poderia nos privar da iniciativa de fazer descobertas novas se parecer que há outros que já fizeram tais descobertas, ou poderia ter outras conseqüências negativas. Mas eu dou ênfase a que nós estamos livres para ignorar uma mensagem interestelar se nós a acharmos ofensiva. Poucos de nós rejeitamos escolas porque os professores e livros de ensino exibem aprendizagem da qual nós éramos até então ignorantes. Se nós recebermos uma mensagem, nós não estamos sob nenhuma obrigação de responder. Se nós não escolhermos responder, não há nenhum modo para a civilização transmissora de determinar que sua mensagem foi recebida e entendida no planeta distante e minúsculo chamado Terra. O recebimento e tradução de uma mensagem de rádio das profundezas do espaço parecem posar poucos perigos ao gênero humano; ao invés, carregam uma maior promessa de benefícios práticos e filosóficos para toda humanidade.

É possível que uma mensagem inicial possa conter prescrições detalhadas para evitar um desastre tecnológico, para uma passagem da adolescência para a maturidade. Talvez as transmissões de civilizações avançadas descreverão quais caminhos de evolução cultural são mais prováveis de conduzir à estabilidade e longevidade de uma espécie inteligente, e quais outros caminhos conduzem a estagnação ou degeneração ou desastre. Talvez haja soluções simples, ainda não descobertas na Terra para problemas de escassez de comida, crescimento de população, fornecimento de energia, recursos em diminuição, poluição e guerra. Não há, obviamente, nenhuma garantia de que tal seria o conteúdo de uma mensagem interestelar; mas seria precipitado negligenciar a possibilidade.

Haverá seguramente diferenças entre civilizações que não podem ser imaginadas até que informação esteja disponível sobre a evolução de muitas civilizações. Por causa de nosso isolamento do resto do cosmo, nós temos informação sobre a evolução de apenas uma civilização – nossa própria civilização. E o aspecto mais importante desta informação, o futuro, permanece inacessível a nós. Talvez não seja provável, mas é certamente possível que o futuro da civilização humana dependa do recebimento e decodificação de mensagens interestelares.

E o que faremos se uma procura em longo prazo e dedicada por inteligência extraterrestre falhar? Até mesmo então nós certamente não teremos desperdiçado nosso tempo. Nós teremos desenvolvido uma tecnologia importante, com aplicações para muitos outros aspectos de nossa própria civilização. Nós teremos acrescentado muito ao nosso conhecimento do universo físico. E nós teremos calibrado a importância e singularidade de nossa espécie, nossa civilização e outros planetas. Porque se a vida inteligente for rara ou ausente em outros lugares, nós teremos aprendido algo sobre a raridade e valor de nossa cultura e nosso patrimônio biológico que foram a muito custo extraídos de mais de quatro bilhões anos de história evolutiva tortuosa.

Tal achado dará ênfase a como talvez nada mais dará sobre nossas responsabilidades às gerações futuras: porque a explicação mais provável de resultados negativos, depois de uma procura inclusiva e diligente, é que sociedades se destroem antes de serem avançadas o bastante para estabelecer um serviço de transmissão de rádio de alta potência. Assim, organizar uma procura por mensagens de rádio interestelares, totalmente independente do resultado, é provável de ter uma influência coesiva e construtiva em geral da condição humana.

Mas nós não saberemos o resultado de tal procura, muito menos os conteúdos de mensagens de civilizações interestelares, se nós não fizermos um esforço sério para escutar por sinais. Pode ser que civilizações estejam divididas em duas grandes classes, aquelas que fazem tal esforço, alcançam contato e se tornam os novos sócios de uma federação livremente agrupada de comunidades galácticas, e aqueles que não podem ou escolhem não fazer tal esforço, ou aos quais falta a imaginação para tentar, e que por conseguinte se deterioram logo e desaparecem.

É difícil pensar em outro empreendimento dentro de nossa capacidade e a custo relativamente modesto que carregue tanta promessa para o futuro da humanidade.

* Ver “A Reminiscence of Project Ozma” por Frank D. Drake, 1979 de janeiro, COSMIC SEARCH.

Tags: , , ,

6 Responses to A Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI)

  1. ana disse:

    nos não estamos sozinhos,

  2. […] textos sobre a Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) em CeticismoAberto incluem artigos de Carl Sagan, Renato Sabbatini e Fernando […]

  3. […] A Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) – por Carl Sagan […]

  4. […] de textos publicados em CeticismoAberto por e sobre esta figura que acendeu uma vela no escuro. A Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) – por Carl Sagan Carl Sagan sobre visitas extraterrestres – excerto de Carl Sagan Seqüestrados […]

  5. vitor disse:

    Vamos temos que salvar nossa raça se existe outra é por que se preocupou em salvar a deles se existem so vão ter contacto quando nos se preocuparmos com nossa sobrevivencia praque eriam se preocupar com um ser que nao da valor a si mesmo.

  6. Everaldo B. Cunha disse:

    Sempre sonhei em presenciar um primeiro contato, um contato oficial entre uma nação não terrena e a humanidade mas, enquanto uns se pregam a vasculhar os céus, nossa Terra vai sendo destruída ardilosamente por uma espécie que se diz “racional”. Uma espécie que beira a loucura com seu arsenal atômico, com indústrias que poluem o ar, a terra e a água que bebemos. Também gera conflitos armados como se não tivesse desenvolvido nada desde a idade da pedra … não sou contra procurar Inteligência Extraterrestre, mas usar a tecnologia em prol de toda a humanidade, apaziguar as guerras, não poluir mais e, definitivamente, aceitar que fazemos parte da natureza. Enquanto o ser humano não aprender isso tudo, continuará com sua “loucura” desenfreada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *