MENU

O cérebro do doutor Ramachandran

Seleção natural, amém!

8 de agosto de 2009 Comments (7) Views: 3537 Ciência, Destaques

Existe Vida em Outros Pontos do Universo?

Renato Sabbatini, neurocientista e
presidente da Sociedade Brasileira de Céticos e Racionalistas

Em um polêmico livro publicado em 2000 (Rare Earth, Springer), dois autores americanos, o paleontólogo Peter Ward e o astrônomo Donald Brownlee, autores da frase acima, propuseram a idéia de que seria praticamente zero a possibilidade de existir vida inteligente semelhante a do ser humano. Em outras palavras, podemos estar sozinhos no Universo.

Veja bem, caro leitor, a polêmica não é se existiria qualquer tipo de vida em outros pontos do universo além da Terra. A maioria dos cientistas concorda que há uma possibilidade extremamente alta de que ela exista, e veremos abaixo a argumentação a favor disso. A polêmica mais violenta, e que se arrasta desde a época de Giordano Bruno, é se poderiam existir seres vivos dotados de inteligência, ou seja, alguém parecido conosco, humanos.

O argumento de Ward e Brownlee parece reforçar o que muitos religiosos afirmam desde a Idade Média, ou seja, que o ser humano seria uma criação única de Deus, feito à sua imagem e semelhança, e que não existiria em nenhum outro lugar do Universo. Devido a este dogma, a Terra foi colocada no seu centro, e as esferas celestes foram consideradas desabitadas, com exceção dos anjos e das almas boas que tinham merecido a redenção do Céu.

Por ter afirmado (entre outras heresias religiosas para a época), que existiria um número infinito de mundos, e, portanto, de outras raças inteligentes à imagem de Deus, o frade italiano Giordano Bruno foi queimado vivo pela Inquisição, por ter desafiado as imposições do "conhecimento" oficial da Igreja Católica. Antes de morrer, o rebelde Bruno declarou aos juízes: "Talvez o seu medo em me passar esse julgamento seja maior do que o meu de recebê-lo", Uma ótima frase de despedida, e até hoje ela resume bem o que existe por trás da intolerância e do dogma: simplesmente o medo.

Posteriormente, com o desenvolvimento e popularização da astronomia, ficamos sabendo que os planetas são outros mundos como o nosso, e que eles poderiam teoricamente ter vida (embora até hoje nada tenha sido achado). Nos séculos seguintes a Humanidade tomou conhecimento, chocada, que o Sol é apenas uma estrela dentre as mais de 100 bilhões da Via Láctea, e que esta, por sua vez, é uma galáxia de tamanho médio entre possivelmente alguns trilhões de outras galáxias dispersas em um espaço inimaginavelmente grande.

Mais recentemente, usando novas técnicas, os astrônomos foram capazes de detectar a existência de centenas de novos planetas em outros sistemas estelares. Quase todos, por serem gigantes, são semelhantes a Júpiter e outros planetas gasosos, incapazes de abrigar qualquer tipo de vida. Entretanto, em abril de 2007 foi descoberto pela primeira vez um planeta, a cerca de 20 anos-luz da Terra, que parece ter água em estado líquido e uma temperatura entre 0 e 40 graus Celsius, sendo capaz, portanto, de abrigar formas de vida semelhantes às encontradas por aqui.

Fazendo algumas contas simples, cientistas como Frank Drake e Carl Sagan (autores de uma famosa equação desenvolvida em 1961 que procurou calcular objetivamente essa probabilidade) logo chegaram à conclusão que, entre os trilhões de trilhões de planetas possíveis, seria uma impossibilidade matemática que em alguns deles, não se tivesse desenvolvido vida, e, especialmente, vida inteligente. Os parâmetros da tal equação podem ser chutados à vontade, então ela é bem pouco confiável, mas uma estimativa bastante pessimista deu, mesmo assim, um resultado de pelo menos 10 civilizações extraterrestres na nossa galáxia.
As espécies vivas evoluíram, em alguns bilhões de anos, a partir de organismos extremamente simples, como bactérias, algas ou protozoários unicelulares, adaptados às condições físicas da Terra. As células, por sua vez, parecem ter tido sua origem em aglomerados moleculares orgânicos, mas não vivos, compostos de carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e outros átomos, que existem em grande quantidade por toda parte no Universo, inclusive na poeira inter-estelar. Esses átomos mais pesados foram gerados na fornalha nuclear dentro das estrelas, a partir do hidrogênio, e se espalharam pelo espaço sideral quando essas estrelas explodiram ao final de sua vida (novas e super-novas).

O Sol também terá esse destino um dia, e as moléculas que fazem partes dos nossos corpos, que são restos dessas explosões, serão novamente misturadas e dispersadas, para, talvez, daqui algumas centenas de bilhões de anos, formarem outros seres vivos!

Com a exceção de teorias já ultrapassadas, como a do vitalismo, a ciência moderna não parece colocar obstáculos intransponíveis à possibilidade de repetição desta cadeia de eventos em outros planetas, como o que foi descoberto em outra estrela. Portanto não existiria nada de único ou peculiar à Terra. Isso, sem falar em muitíssimas outras formas diferentes de vida, utilizando outros átomos e outros níveis de energia totalmente distintos da vida típica de nosso planeta ou sistema solar. A abundância relativa de carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio, água, e outros elementos, pode variar conforme o sistema estelar. Então isso aumenta mais ainda a probabilidade de vida(s).

Afirmar que a vida fora da Terra (e também a vida inteligente) é impossível, é uma clara violação de um princípio fundamental do método científico, que é o seguinte: não podemos nunca fazer ou deixar de fazer uma suposição ou hipótese científica, se não existirem meios de comprovar que ela é falsa. Esse princípio foi proposto pelo grande filósofo Karl Popper, e se denomina "falsificabilidade". Ora, como existem galáxias, estrelas e planetas que estão uma distância tão grande de nós, que nunca será possível saber o que elas contém, não podemos afirmar que a vida não existe no Universo.

Não podemos sequer fazer afirmações de natureza probabilística, ou seja, que a vida seria extremamente rara, pois mal temos acesso visual aos planetas que nos cercam, quanto mais a estrelas próximas ao Sol, que têm aproximadamente a mesma idade, tamanho e localização relativa no ambiente galáctico.

Embora estrelas como o Sol sejam realmente relativamente raras (menos de 5% em nossa galáxia), e que planetas na exata posição da Terra e com o mesmo tamanho sejam mais raros ainda (pouco menos de 10% na mesma posição, e 30% com o mesmo tamanho aproximado), ainda sobrariam trilhões de planetas muito semelhantes à Terra, com a mesma idade, etc. Seria bizarro imaginar que nenhum deles conta com vida…

Se o leitor quiser ler um livro que apresenta argumentos exatamente contrários ao de Ward e Brownlee, recomendo "Probability 1, Why There Must Be Intelligent Life in the Universe", por Amir D. Aczel (Harcourt Brace, 1998).

Carl Sagan, entre outros, acreditava fortemente que existe uma possibilidade muito grande de existir vida inteligente em outros pontos do Universo, a tal ponto que foi o inspirador do programa SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), que dá origem ao tema do livro. Este programa (ainda em andamento, com uma verba relativamente pequena) consiste em usar as poderosas antenas parabólicas utilizadas na pesquisa radioastronômica (detecção, localização e estudo de fontes de radiação eletromagnética não luminosa emitida naturalmente pelas estrelas) para "ouvir" o cosmos e tentar detectar padrões de emissão que pudessem ser atribuídos a alguma fonte artificial e inteligente.

Sagan argumentou muito bem
que as emissões de rádio oriundas de nosso planeta, que começaram por volta de 1910, e cresceram muito nas décadas sucessivas, poderiam estar sendo captadas por civilizações extraterrestres, que deduziriam, então, a sua natureza tecnológica. Considerando que as estrelas mais próximas onde poderia haver vida inteligente estão a cerca de 20 anos-luz da Terra, "eles" (se existem) já estariam sabendo da nossa existência. Aliás, esse é um dos argumentos freqüentemente usados pelos ufólogos para justificar o súbito aparecimento de casos de discos-voadores na década dos 40s.

Na realidade, até agora, o SETI não foi capaz de detectar nada que possibilitasse uma interpretação nesse sentido. Sagan, entretanto, sempre afirmou que isso poderia levar um século ou mais, antes que ocorresse algum resultado positivo, e que não deveríamos desistir depois de poucos anos. O seu livro de ficção, "Contatos", parte justamente do ponto em que o SETI detecta, de forma indubitável, um padrão de emissão artificial que somente poderia ser gerado por uma tecnologia avançada. E ele soluciona de forma brilhante e altamente verossímil as circunstâncias sociais, políticas e científicas que poderiam ocorrer.

Isso não quer dizer, entretanto, que Sagan (e a grande maioria dos cientistas que conheço) acredite que os discos-voadores existem e que têm visitado a Terra regularmente. "Contatos" mostra uma realidade muito diferente dessa visão folhetinesca/hollywoodiana dos contatos entre terráqueos e extraterrestres. Tem uma abordagem bem diferente de outro filme famoso, "Contatos de Terceiro Grau", por exemplo. O desfecho também é muito menos predizivel e revela a inteligência criativa, quase poética, desse grande autor.

E aqui reside justamente o ponto em que a falta de bom senso costuma assolar tanto a imprensa quanto os leigos apaixonados pelo assunto. Embora seja muito provável que exista vida fora da Terra (praticamente 100%, eu diria), a probabilidade de que algum dia sejamos capazes de comprovar diretamente esse fato é ainda remota. Evidentemente o fator limitante aqui é a velocidade da luz (300 mil quilômetros por segundo, no vácuo). Mesmo se formos capazes de viajar a uma velocidade de um décimo a da luz, uma nave terrestre demoraria entre 110 a 250 anos para chegar nas estrelas mais próximas e começar a explorar seus planetas. Não vou dizer que é impossível, essas viagens poderão ser realidade em um dia. Mas elas são apenas um sonho bem distante da realidade, e até agora assunto apenas de livros e contos de ficção científica.

Tags: , , , , , ,

7 Responses to Existe Vida em Outros Pontos do Universo?

  1. Yuti disse:

    Muito ótima sua matéria no começo achei que como todas as outras você iria duvidar de algo, ou iria colocar somente explicações que vão contra a crença………………..muito boa a matéria bem explicada, mas não diferente de todas as outras existentes. finaliza ainda assim com uma pergunta: De fato existe? não sabemos por que não provamos, mas as probabilidades estão ai.

    Parabens

  2. diego disse:

    Eu achei a materia um pouco confusa, mas gostei.
    eu tambem acredito que exista vida em algum lugar do universo,
    mais simples ou mais inteligentes doque a dos seres humanos.

  3. Sidney disse:

    O argumento mais desalentador sobre a possibilidade da existência de vida inteligente extraterrestre, me parece ser, aquele da antiguidade da Via Láctea.
    Se a galáxia tem mais de 7 bilhões de anos, seria razoável que civilizações que levariam, segundo cálculos atuais, apenas cerca de 50 milhões de anos para explorá-la, já teriam nos achado. Assim, desde que não existem quaisquer evidências de sua presença, é pouco provável que elas existam.

  4. Luiz Silva disse:

    Se eu acredito em Deus, eu tenho que logicamente acreditar na existencia de vida em todo o universo.Penso até que, as almas que são enviadas por Deus para os novos seres, podem vir de qualquer parte do universo.Aliás, na minha visão, isto explicaria esta evolução cientifica ocorrida em nosso planeta.A nossa herança hereditaria humana não nos leva a crer
    em evolução mas acho que devemos crer na vinda de almas de galaxias distantes para vir a dar a evolução que estamos tendo hoje.

  5. isaac disse:

    Se eu acredito em Deus, eu tenho que logicamente acreditar na existencia de vida em todo o universo.Penso até que, as almas que são enviadas por Deus para os novos seres, podem vir de qualquer parte do universo.Aliás, na minha visão, isto explicaria esta evolução cientifica ocorrida em nosso planeta.A nossa herança hereditaria humana não nos leva a crer
    em evolução mas acho que devemos crer na vinda de almas de galaxias distantes para vir a dar a evolução que estamos tendo hoje.

  6. Wall disse:

    Discordo em parte com Isaac. Se eu acredito em Deus, tenho que acreditar primeiro que não há evolução como a descrita pela “teoria” da evolução de Darwin. Se eu acredito em Deus, e logicamente isso inclui sua palavra as Escrituras, que é o princípio da crença em um Deus Criador, tenho que crer que a humanidade e o planeta terra são unicos, pelo menso por enquanto. Segundo calculos cientificos, o universo tem por volta de 13,5 bilhões de anos, a terra tem 4,5 bilhoes de anos por ai. O universo está em expansão, logo há bilhões de estrelas, e logo planetas. Podemos crer que o propósito de Deus é fazer do universo o que fez com a terra, povoar. Lógico que pra entender isso envolve conhecer mais a fundo o propósito de Deus e as questãos envolvendo a humanidade hoje.
    Mas entendo que hoje somente a terra é habitável, e que a sequencia do propósito de Deus é fazer o mesmo em outros planetas.

  7. ulisses cangani disse:

    existimos para popularizar outros planetas,essa é a nossa missão,contudo precisamos conhecer a nos mesmos , se intuirmos veremos somos deuses e capazes de fazer um mundo que hoje não tem capacidade de vida humana vir a fazer existir atraves do poder da criação não é utopia isso ja aconteceu a milhoes de anos luz daqui…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *