A bizarra história envolvendo a inexplicável morte de nove exploradores russos em 1959 circulou pela rede ao redor de um ano atrás, quando abordamos o tema mas lamentamos a falta de referências confiáveis. “Se for apenas ficção, contudo, é uma bem elaborada. Fotos e documentos do incidente podem ser vistos aqui, ou aqui“, comentamos.

Em outubro retornamos ao assunto de passagem em nossa nota sobre “mistérios explicados“, notando que “bem podem ter sido eventos reais” embora, apesar de tudo, “talvez jamais saibamos com certeza o que aconteceu”. Era um mistério ainda inexplicado. Nove exploradores mortos em condições absurdas, incluindo fraturas cranianas, línguas faltando e sinais de exposição à radiação.

Avance para este mês, fevereiro de 2009, quando o incidente completa meio século, e a revista britânica Fortean Times finalmente publica uma boa referência sobre o tema. Em um artigo de Svetlana Osadchuck e Kevin O”™Flynn, The Dyatlov Pass Incident, disponível online em inglês, os autores fornecem mais detalhes e referências a documentos e investigações sóbrias a respeito do tema.

Várias teorias para explicar as mortes dos jovens são indicadas ““ indo desde as mais fantasiosas, como monstros das neves, às mais prosaicas, como a de que eles teriam sido vítimas de uma avalanche. Seus ferimentos internos seriam causados pelo impacto da neve, bem como uma das jovens teria mordido a própria língua. De forma balanceada, notam que mesmo esta hipótese tem seus problemas ““ por que eles correriam mais um quilômetro sem roupas, e a ordem em que faleceram, não parecem fazer sentido. E a radiação”¦

dyatlovpass

O que fica claro é que há algo muito estranho no envolvimento das autoridades soviéticas na investigação do incidente. Arquivos sobre o caso estariam faltando, e há indicações de que o inquérito sobre as mortes teria sido iniciado duas semanas antes que os corpos fossem oficialmente encontrados (!). O avistamento de luzes, as mortes inexplicadas, tudo sugere o envolvimento sinistro das autoridades, que não eram conhecidas por sua grande lisura.

De fato, em uma conferência organizada pela Fundação Dyatlov no ano passado, os diversos especialistas independentes concluíram justamente que os militares deviam estar conduzindo testes na área e teriam causado as mortes. Mas, de forma salutar, admitiram que ainda faltam documentos para embasar a tese, e solicitaram em uma declaração pública que ninguém menos que as autoridades os auxiliem a esclarecer o caso.

Em algum lugar alguém pode saber o que realmente aconteceu às nove vítimas daquela noite entre 1 e 2 de fevereiro de 1959. Elas tiveram mortes terríveis e permanecem até hoje inexplicadas. Embora sejam motivo de todo tipo de especulação, a história real que se prenuncia já é de fato mais do que aterrorizante.

Comments

  1. Houve uma tempestade, eles se abrigaram na barraca, esta desabou devido ao peso da neve e precisaram sair de dentro dela. Temendo avalanches e para se proteger do frio, rumaram para a floresta.
    Todos estavam com agasalhos, luvas e botas.
    Devido à tempestade e por estarem expostos, dois morreram de hipotermia e os sobreviventes usaram seus agasalhos, dando a falsa impressao de que alguns fugiam do acampamento sem agasalhos.
    Outros tres preferiram voltar para a barraca (ou se perderam) e tambem morreram de hipotermia.
    Os quatro que conseguiram encontrar um lugar longe da neve foram surpreendidos por uma avalanche (a floresta fica morro abaixo)- o que reforça essa hipotese é que só foram encontrados meses depois e debaixo de 4m de neve. Por serem soterrados pela avalanche em solo firme, foram expostos a toneladas de neve que provocaram o esmagamento nos corpos desses quatro que foram encontrados posteriormente.
    Como o inquerito sovietico não foi conclusivo, com o tempo foram se criando explicações fantasiosas e foram adicionados dados falsos como “luzes alaranjadas” e “niveis radioativos altos” – que muitas fontes dizem nao constar nos primeiros documentos (fato que alguns partidarios da teroria da conspiração creditam à sonegação de informações do regime sovietico).
    Tambem se explorou do fato de os sobreviventes pegarem as roupas dos mortos dando a impressão de que eles corriam na neve fugindo de alguma ameaça sem sequer poder se vestir – ninguem dormiria sem agasalhos e botas nessas condições, portanto, mesmo que surpreendidos no meio da noite, correriam todos com agasalhos e botas. (Acredito que o acidente tenha ocorrido durante o dia e que caminharam na neve devagar)
    Não encontrariam o outro acampamento pois como consta no diario, esse segundo acampamento eles montaram por terem se enganado no caminho (estavam perdidos).
    Se alguem duvida dessa explicação, então o que acham que aconteceria a um grupo de exploradores (mesmo experiente) que fosse surpreendido numa tempestade, tivesse a barraca soterrada, estivesse perdido e ficasse isolado durante 3 semanas naquela região em pleno inverno?

    Ok, seriam abduzidos…

  2. /\
    Tem Muita Logica o Comentario assima.
    Se levar em conta que uma lingua pode facilmente ser arrancada pela propria mordida em um momento de desespero.Pode-se especular tambem que o “alto nivel de radiação” pode se ter adquirido depois da morte.Que os Sovieticos faziam testes nucleares não é segredo a ninguem.Uma mistura da teoria supra-citada pelo Kendy ai de cima e a possibilidade dos corpos ficarem espostos a zonas radiotivas caracterizariam muito do que o possivel fato descreve.

    Ou foram os Greys.

  3. //\\
    Muita lógica mesmo… e o lance da língua faltando e dos ossos quebrados pode ter sido feito por algum animal que encontrou os cadáveres.
    Lobo, urso… sei lá!

  4. Um dos viajantes foi encontrado sem a língua, pode ter sido o frio. a avalanche que pode ter ocorrido também explica o fato de outros viajantes terem tido as costelas e o cranio fraturados…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *