Destaques baalbek (7)

Published on agosto 10th, 2009 | by Kentaro Mori

86

O Mistério de Baalbek

por Javier Garrido B., original em Paraciencias al Día

Ao norte de Damasco se estende o terraço de Baalbek: uma plataforma construída com enormes pedras, algumas das quais medem 20 metros de lado e pesam quase 2000 toneladas. Por que e como se construiu o terraço de Baalbek? Quem foram seus construtores? Até agora a arqueologia não pôde oferecer nenhuma explicação convincente. Contudo, o professor russo Agrest acredita ser possível que o terraço represente os restos de uma gigantesca pista de aterrissagem.
Erich von Däniken – Lembranças do Futuro

splash38 fortianismo destaques

O famoso terraço de Baalbek no vale de Beqa’a, Líbano, é uma das cartas fortes dos divulgadores da hipótese de “antigos astronautas”, segundo a qual em um passado longínquo, habitantes de outros mundos visitaram a Terra. Esses navegantes dos espaços interestelares teriam deixado como prova de sua passagem mitos dispersos e construções inexplicáveis.

A Lenda

Supostamente, o Grande Terraço de Baalbek é uma dessas construções que a arqueologia moderna, com todos os recursos de que dispõe, é incapaz de explicar. Ninguém sabe quem o edificou, nem quando, nem como. Um conjunto de templos da época romana foi construído entre os séculos I e III d.C. sobre ruínas gregas previas, e os edifícios gregos sobre outras ainda anteriores. O Grande Terraço é uma plataforma construída com as maiores pedras talhadas conhecidas, blocos megalíticos que foram cortados com grande precisão e colocados para formar fundamentos de 460.000 metros quadrados de superfície. Nesta plataforma se encontram os três colossais blocos conhecidos como o Trilithon, cada um dos quais mede quase 20 metros de comprimento, com uma altura de aproximadamente 4 metros e uma largura de 3. O peso de cada um desses monolitos monstruosos foi estimado entre mil e duas mil toneladas; são de granito vermelho, e foram extraídos da pedreira a mais de um quilômetro de distância, vale abaixo em relação à construção. Não existe nenhum mecanismo na atualidade nem nenhuma tecnologia moderna capaz de mover seu grande peso e colocá-o precisamente nesse lugar. É ainda mais extraordinário o fato de que na pedreira exista um bloco ainda maior, conhecido pelos árabes como Hajar el Gouble, ou Pedra do Sul.

Naturalmente, com respeito a tudo isto, a ciência oficial permanece em um silêncio embaraçoso.

Balbek2 fortianismo destaques
Vista da “Pedra do Sul” ou “Hajar o Gouble”. Este monstruoso megalito de mais de mil toneladas de peso não chegou a sair da pedreira em que foi talhado.

Em 1851, o estudioso francês Louis Felicien de Saulce, que mais tarde realizaria uma das primeiras escavações sistemáticas de Jerusalém, permaneceu em Baalbek dois dias, de 16 a 18 de maio, e se convenceu de que a fundação do Grande Terraço eram os restos de um templo pré-romano; e registrou esta opinião em seu livro “Voyage autour de la Mer Morte” (“Viagem ao redor do Mar Morto”) que data de 1864.

Contudo, a hipótese de origem extraterrestre do terraço de Baalbek não tardaria em chegar. O primeiro a expô-la foi o físico bielorrusso Matest M. Agrest, em 1959. Agrest é considerado como o primeiro cientista a avançar a hipótese de que a Terra foi visitada em tempos pré-históricos por inteligências vindas do espaço exterior; seu famoso artigo “Astronautas da Antigüidade” (Kosmonaute Drevnoste) foi publicado em 1961. Em sua hipótese, Agrest dá uma grande importância à história bíblica de Enoque, e à obscura referência do Gênesis que fala dos Nefilin. Ele propôs que as pedras são prova dessas visitas extraterrestres e que o que realmente ocorreu em Sodoma e Gomorra foi uma explosão nuclear. Para Agrest, o Grande Terraço teria sido uma pista de aterrissagem para os cosmonautas da antiguidade. Curiosamente, a única fonte de informação de Agrest com respeito a Baalbek parece ter sido um indefinido livro publicado em Paris em 1898.

Agrest fortianismo destaques
Matest M. Agrest

A hipótese de Agrest em relação a Baalbek em particular, e aos “Antigos Astronautas” em geral, fez escola. Já vimos no início uma citação tomada de um dos livros de Erich von Daniken; Zacharia Sitchin também segue esta mesma linha. As inumeráveis toneladas dos blocos de Baalbek parecem ser tão fascinantes que existem autores que não resistem mencioná-as, mesmo que não tenham nada a ver com o tema de que estão tratando; por exemplo, Charles Berlitz, que no meio de um catálogo de maravilhas que aparece em sua magna obra “O Triângulo das Bermudas” menciona “as enormes pedras das fundações do templo de Júpiter, em Baalbek, Síria, colocadas ali muito antes da construção do templo e uma das quais pesa 2000 toneladas”. Nós sabemos que na verdade Baalbek não se situa na Síria, mas no Líbano, mas deixemos de lado este pequeno lapso.

É possível notar que as especulações que atribuem o Terraço de Baalbek à ação dos “Antigos Astronautas” partem de dois pressupostos básicos: que a plataforma foi construída em um passado muito remoto, muito antes dos templos que o coroam, e que o peso dos grandes blocos supera a capacidade de transporte da tecnologia humana da época em que se levantou a plataforma (e mesmo dos dias de hoje!). Mas até que ponto estas suposições são corretas? Se seguirmos ao pé da letra a lenda, tal e como se repete tantas vezes, só podemos concluir que as ruínas de Baalbek são simplesmente impossíveis e inexplicáveis, um mistério sem solução humana. No entanto existem alguns fatos que não estão incluídos na lenda; e é nestas curiosas omissões que reside a chave do “mistério”. Vejamos quais são esses fatos.

O local

Baalbek (ou Balbek) se encontra no leste do Líbano, no famoso vale de Beqa’a, entre os rios Litani e Asi (o antigo Orontes), sobre a vertente ocidental do Antilíbano. Localiza-se no cruzamento de duas rotas comerciais de importância histórica, uma entre o Mediterrâneo e a Síria Interior, e a outra entre o norte da Síria e o Norte da palestina. Está aproximadamente a 86 quilômetros de Beirute, e 56 de Damasco. Todavia hoje é um importante centro administrativo e econômico do vale de Beqa’a. Encontra-se conectado por via férrea com Beirute, Damasco e Alepo.

As origens de Baalbek são obscuras. Foram realizadas tentativas tanto conjeturais como inconclusivas de identificá-la com Baal Gad (Josué 11–17; 13–5) ou Biqueat–Aven (Amos, 1–5). Por sua parte, Velikovski tentou identificá-la com a Dan bíblica. Foi sugerido também que em sua origem foi uma cidade fenícia, centro do culto ao deus babilônico Baal–Hadad, e seu nome significaria “Cidade de Baal”; posteriormente, os gregos assimilariam esta deidade a Helios, daí que passara a chamar-se Heliópolis. Contudo, não existe nenhuma evidência arqueológica desse suposto assentamento fenício inicial, e dada a ausência de referências nas fontes históricas de um assentamento semelhante, o mais provável é que este tenha sido um de muita pouca importância ou, muito mais provavelmente, inexistente. O nome “Baalbek”, contra o que poderia parecer, não denota uma incomensurável antiguidade. Nem foi usado durante a época romana, nem existe evidencia de que tenha sido utilizado alguma vez anteriormente a ela. Não parece muito provável que o local tenha começado a ser chamado “Baalbek” em honra a um Baal qualquer em tempos posteriores, pois então a região já havia sido cristianizada, para ser mais tarde submetida ao Islamismo
. É quase certo que Baal não teve nada a ver com o nome da cidade; posteriormente à época romana o nome do lugar foi “Bal Bekaa”, que significa simplesmente “vale de Bekaa” (ou vale de Beqa’a), nome que conservou até o século XIX.

A região caiu em poder dos gregos com as conquistas de Alexandre, no ano 332 A.C. Depois da morte dele, em 323, ficou sob controle dos Lágidas do Egito, e se supõe que é nesta época que a cidade passaria a chamar-se Heliópolis, possivelmente em honra a sua homônima egípcia. No entanto, é curioso que desta Heliópolis helenística no vale de Beqa’a tampouco existem restos seguros. Mais tarde, no ano 200 A.C., o lugar foi conquistado pelos Seleucidas, em cujas mãos permaneceu até a queda da dinastia em 64 A.C., quando passou ao controle romano.

As primeiras referências certas acerca da cidade datam precisamente do período posterior à conquista romana. Se converteu em colônia sob o reinado de Augusto, e teve especial importância na época dos Antoninos (século II D.C.). Baalbek caiu em poder dos árabes no ano 637 D.C. A cidade foi saqueada em diversas oportunidades, e em 1759 devastada por um terremoto. Depois da I Guerra Mundial as autoridades francesas a incluíram em seu mandato do Líbano. O interesse europeu pelas ruínas de Baalbek remonta ao século XVI, mas não foi antes de 1898 – 1905 que as expedições alemãs escavaram os monumentais templos romanos.

Balbek3 fortianismo destaques Os partidários da hipótese dos “antigos astronautas” insinuam que as ruínas romanas de Baalbek são insignificantes em comparação com a massiva plataforma que as suporta. Não é verdade. A acrópoles de Baalbek é o maior e melhor conservado exemplo de arquitetura romana que chegou até nós, e seu Templo de Júpiter o maior de todos os conhecidos. Em outras palavras, uma obra autenticamente monumental. Este era um edifício de estilo Corintio, com 10 colunas em cada frente e 19 em cada lado, cada uma de 18,9 metros de altura e 2,3 de diâmetro (destas estão de pé atualmente apenas seis). As 84 colunas do pórtico estavam talhadas em granito rosa procedente nada menos que de Assuan (no Alto Egito). Ao que parece, este templo era dedicado a três deidades: o deus do trono sírio Hadad, assimilado como Júpiter, a deusa síria da natureza Atagartis, assimilada como Vênus, e um jovem deus, Aliean, provavelmente um espírito da vegetação, igualado pelos romanos a Mercúrio.

Acredita-se que o Templo de Júpiter foi concluído no ano 60 D.C. Dentro do mesmo complexo se encontram também o Templo de Baco, construído no ano 150 D.C. e que se acha muito bem preservado, com 8 colunas em cada frente e 15 em cada flanco, o Templo circular de Vênus, e os restos de um Templo dedicado a Hermes. De qualquer ponto de vista, foi um projeto grandioso, no qual que se trabalhou durante vários séculos, e que ao final não foi concluído.

Inexplicáveis?

Nos anos 1904 – 1905 uma expedição alemã realizou a primeira escavação sistemática nas ruínas de Baalbek. Esta investigação é meio século posterior a Louis Felicien de Saulce, e posterior também à fonte original de Matest Agrest, mas muito anterior à aparição da hipótese dos “Antigos Astronautas”. E, contudo, os proponentes desta a ignoram. Os resultados foram publicados em três volumes entre 1921 e 1925, com Theodor Wiegand como editor (Wiegand, Th. (ed.) Baalbek. Ergebnisse der Ausgrabungen und Untersuchungen in den Jahren 1898 bis 1905 vols I-III, Berlin and Leipzig: Walter de Grueter, 1921-1925).

Os arqueólogos alemães escavaram através da plataforma e realizaram descobertas muito interessantes. O aparentemente sólido terraço está construído de sólidos megalitos apenas em seus muros externos. No interior, sob o fórum, encontraram um labirinto de câmaras cheias de escombros compactados, com paredes de tijolo na típica forma romana de panal; debaixo de tudo isto, um leito de rocha sólida. Em resumo, só alvenaria e restos romanos. Os alicerces dos templos estão fundamentados no leito de rochas para poder suportar seu peso, já que a plataforma simplesmente afundaria se se apoiassem sobre ela. As paredes megalíticas são em realidade um muro de contenção em declive.

Do suposto assentamento fenício prévio não se encontraram resquícios, tampouco de nenhum outro de uma incomensurável Antigüidade. Muito menos restos de equipamentos laser, reatores de fusão nuclear ou motores de plasma.

Um dos recursos mais efetivos e impressionantes de que se serviram os engenheiros e arquitetos romanos foi a criação de massivas plataformas em terraços para suportar grandes edifícios ou grupos deles. Esta idéia veio da Grécia, mas foram os romanos que chegaram a desenvolver todas as vantagens estruturais de construir massivas subestruturas para explorar o potencial funcional de lugares geograficamente acidentados. Exemplos destes terraços são encontrados em Tiddis (África do Norte), Terracina (Itália), Praeneste (Palestina), e muitos outros lugares.

A conclusão, por estranho que pareça, é que, de acordo a os dados disponíveis, o local é de origem romana. Nem fenícia, nem extraterrestre. E em qualquer caso, como pista de aterrissagem teria resultado francamente deficiente, pois qualquer nave espacial de peso regular teria afundado o pavimento.

E os blocos do famoso Trilithon? Como é possível que tenham sido movidos desde a pedreira até sua posição final na plataforma, pelos romanos ou por quem quer que fosse?

Aqui são necessárias algumas correções. A primeira: os blocos não são tão pesados como afirmam os divulgadores da hipótese dos “Antigos Astronautas”. Já vimos que von Daeniken lhes atribui “quase 2000 toneladas” e “20 metros de lado”; este último faz pensar de imediato em um monstruoso cubo, mas em realidade se trata de “aproximadamente 20 metros de comprimento”, já que cada megalito tem a forma de paralelogramo. Berlitz segue von Daeniken no disparate, e fala também de “2000 toneladas”. Dispostos a fantasiar, não falta quem lhes atribua “milhões de toneladas” (!!!!!!!). Tudo isto faz suspeitar que existe muita gente que fala do tema sem se preocupar em fazer algumas comprovações elementares, para as quais não é necessário viajar a Baalbek nem escavar na plataforma. Tudo o que se requere é conhecer a densidade do granito, as dimensões dos blocos e uma modesta calculadora de mão.

A densidade do granito, dependendo de seu tipo, varia entre 2.63 e 2.75 g/cm3. Com respeito às dimensões dos blocos, não há duas fontes que dêem as mesmas medidas; contudo todas coincidem em que nenhuma chega aos 20 metros de comprimento. Ao que parece, o maior dos megalitos do Trilithon mede 19,80 por 4 por 3,6 metros. Isto daria um volume de 285,12 m3. Assumindo que a densidade da pedra é de 2,75 g/cm3, o peso do bloco seria de 784,08 toneladas. Menos de 800 toneladas e muito longe das 2000 que Daeniken e Berlitz citam tão alegremente. Por suposto, neste cálculo caseiro podem ter se filtrado vários erros: as pedras podem ter dimensões reais um pouco maiores (ou menores!) que as mencionadas; a densidade do granito pode ser menor que 2,75 g/cm3 (usei intencionalmente o maior valor que encontrei e não o menor); na conversão de pés a metros sempre se perdem alguns decimais. De fato, existem estimativas ainda mais moderadas e provavelmente mais precisas, em torno de 600 toneladas, e em todo caso, sempre abaixo de 800.

E quanto à pedra mais pesada, a chamada “Pedra do Sul” (outras fontes lhe dão o nome de “Pedra da Mulher Grávida”), esta sim pesa mais de 1000 toneladas. Mede nada menos que 21,31 metros de comprimento, por 4,08 por 4,72, para um volume de pouco mais de 410 m3. Diversas estimativas lhe atribuem um peso entre 1050 e 1200 toneladas (meu cá
lculo caseiro dá aproximadamente 1127 toneladas). Embora estejamos ainda estejamos muito longe das “2000 toneladas”, de todas formas resulta impressionante. Salvo por um detalhe, que sempre se menciona de passagem e sem lhe dar maior importância: esta fenomenal pedra não chegou a sair da pedreira, e portanto de nenhum modo se pode fazer um mistério de seu transporte, já que simplesmente não foi transportada a nenhum lugar. Por que os engenheiros romanos deixaram este monstro na pedreira? A este respeito, e à falta de documentos, só se pode especular: quem sabe cometerem um erro de cálculo e se encontraram com a situação de haver talhado um bloco demasiado grande e que logo lhes foi impossível de mover, ou talvez modificaram o projeto da obra, ou… Em todo caso, a mesma pergunta teria que ser feita aos que atribuem o bloco à tecnologia alienígena.

Sigamos com as correções. A pedreira de onde se extraíram os famosos blocos não se encontra “vale abaixo” em relação à construção; se encontra entre 10 e 15 metros acima dela. A pedreira está a 1160 metros de altura e o templo a 1145. Sem dúvida, sempre resultará mais fácil transportar uma grande massa ladeira abaixo que acima. Por outro lado, a pedreira se encontra a apenas 600 metros da plataforma, embora seja preciso desviar de uma valeta, a distância a percorrer aumenta até em torno de 1100 metros.

Mesmo assim, poderia parecer que embora um tanto minimizado, o mistério ainda persiste. Teriam os romanos a capacidade técnica para movimentar blocos de semelhante peso, mesmo que em uma distancia relativamente curta?

Balbek fortianismo destaques Os engenheiros romanos foram peritos na movimentação de blocos pétreos de grande tamanho, inclusive em condições muito mais difíceis que as que poderiam haver em Baalbek, onde a pedreira se encontrava relativamente próxima. Durante a época imperial, muitos obeliscos egípcios foram transportados desde seus locais de origem até a península itálica; pelo menos uma dúzia deles foram reerigidos na própria Roma. Entre eles está o que atualmente se encontra na praça de São João de Letrán, erigido inicialmente por Tutmosis III em Karnak, no século XV A.C. Sua altura é de 32 metros, os lados da base medem 2,70 e os da cúspide 1,88.

Durante o reinado de Teodosio I (379–395), outro obelisco procedente de Karnak foi colocado na “spina” do hipódromo de Constantinopla. Os detalhes a respeito se conhecem através da obra do historiador bizantino Marcelino Comes (século VI D.C.) e pelas inscrições na base de mármore de seis metros de altura sobre a qual foi erigido. Este obelisco mede 19,59 metros de altura. Os relevos da face norte da base mostram cenas da elevação do monumento, sob a vigilância atenta do Imperador. Estes relevos são um valioso registro das técnicas da época.

A base contém duas inscrições, uma grega e outra latina. Esta é a tradução aproximada da inscrição grega “Foi o destino que apenas o Imperador Teodósio tivera o valor de erigir esta pedra de quatro lados cujo peso a havia mantido na terra por muitos anos. Para realizar esta tarefa ele buscou a ajuda de Proclo e a pedra tardou 32 dias para levantar-se ao lugar”.

No texto latino palavras são colocadas na boca do mesmo obelisco: “A principio me opus. Mas me ordenaram submeter-me a meu amo supremo e levar a grinalda da vitória que ele havia ganhado sobre os tiranos. Todos obedecem a Teodósio e sua descendência, que perdurará no futuro. Desta maneira ele triunfou sobre mim também, e sob a direção de Proclo me obrigaram a levantar-me em três vezes dez dias.”

À margem das adulações a Teodosio, existem outros dados curiosos. O obelisco teve que ser trasladado uma distancia de ao redor de três quilômetros em subida desde o nível do mar até seu local final no hipódromo, enquanto que em Baalbek a distancia foi bastante menor e vale abaixo. Para realizar o trabalho, os romanos não dependiam da pura força bruta de um exército de escravos puxando em uníssono a uma ordem do capataz, e sim empregavam máquinas projetadas. Uma das novidades tecnológicas introduzidas pelos engenheiros romanos foi o amplo uso do movimento rotatório; por exemplo, o uso de gruas potenciadas por norias. Para o traslado de blocos de grande peso, utilizavam malacates, nos quais o movimento rotatório se transformava em tração.

O transporte do obelisco de Teodosio se completou ao que parece com doze malacates, manejados cada um por vinte e quatro homens.

Os malacates eram colocados em postes enterrados no solo aos lados da via de transporte, em duas fileiras paralelas, a ambos lados do bloco a movimentar; cada malacate se situava a cinco metros do seguinte. Cada um dos pares de malacates de cada lado tinham um ângulo diferente para halar o peso. Quando o ângulo de dois dos malacates era impraticável, os malacates eram desmontados e se colocavam mais adiante. Por suposto, o transporte era lento (foi estimado em uns 30 metros diários), pela necessidade de desmontar e voltar a montar as máquinas a cada poucos metros para aproveitar melhor a força. Entretanto, em vista de que em Baalbek se moveram vários blocos, é possível que os malacates se tenham armado em forma de becos sem chegar a desmontá-los, para utilizá-los com os blocos sucessivos. O traslado de cada bloco teria sido assim um pouco mais rápido.

Conclusão

Sem a menor dúvida, a construção de Baalbek foi uma verdadeira façanha. Mas uma façanha humana, não o produto de alguma privilegiada mente extraterrestre. Embora ainda não tenha alcançado, e quem sabe nunca alcance, a fama da Grande Pirâmide, Baalbek continua sendo uma referência na hora de especular sobre viajantes procedentes do espaço exterior. A rigor, seu mistério sequer deveria ter nascido, já que em 1905 não era mais um mistério. E contudo, a mesma historia prossegue repetida uma e outra vez…

***

A informação básica utilizada na redação deste texto foi tomada do artigo de Frank Doernenburg “BAALBEK: The Romans really did build it!”, que pode ser consultado em http://www.ramtops.demon.co.uk/baalbek.html.
A história do assentamento fenício original que teria dado origem a Baalbek e seu nome se repete quase invariavelmente em todas as fontes que consultei. No entanto, da mesma maneira admitem a ausência de evidência desse suposto assentamento.
Para a informação general, em especial a descrição dos templos, utilizei principalmente o artigo “Baalbek” da Enceclopædia Britannica Online. (http://www.eb.co.uk:195/bol/topic?eu=11716&sctn=1)
Também extraí alguns dados de “The Catholic Enceclopedia”. A entrada específica sobre Baalbek pode ser encontrada em http://www.newadvent.org/cathen/02177a.htm
Sobre o obelisco de Teodosio, pode ser consultado: http://www.turkishair.com/skelife/0798/s4.htm

Tags: , , ,


About the Author

+



86 Responses to O Mistério de Baalbek

  1. André says:

    A pior parte em se defender abertamente uma teoria alheia, é que quando ela vem à tona, para que se evitem a vergonha e o descrédito popular, a pessoa continua a sustentar o que antes considerava verdade absoluta. Mesmo que para isso tenham que manipular as informações disponíveis.
    Eu vi isso claramente no su post sobre O Mistério de Baalbek
    PUBLICADO EM 10 AGO 2009.comparando as fotos publicadas no ceticismo aberto com as originais das mesmas constata-se claramente as divergencias de informação. E fica evidenciado a manipulação das imagens para que se de sustentamento ao que se afirma como verdadeiro. Infelismente ainda existem muitas pessoas que não querem ver a verdade… e sim comprovar suas teorias q qualquer custo.

    Para os mistérios que ainda não se tem uma explicação totalmente plausível, dar-se-á uma explicação provável, e não absoluta.

  2. leandro says:

    eu acessei o google earth para e descobri que a pedreira esta num sitio mais baixo que o templo.Observei duas pedreiras com dois megalitos inacabados sendo que o mais perto fica a uns 700 metros em linha reta e 10 metros mais baixo em relação a construção e o mais longe situa se ceraca de 15 metros mais baixo… nao sei se posso confiar nos dados do GE mas é so pra constar

  3. Mano says:

    Vamos pensar:
    Considerando que seus cálculos estejam corretos, ainda assim, temos blocos de granito de peso brutal, que precisam ser extraídos, trabalhados e transportados.

    As experiências romanas com obeliscos não foram uma prática comum, como o era no Antigo Egito, mas apenas exercícios trabalhosos, dispendiosos e demorados, de caráter esporádico.

    A pergunta é a seguinte: Se sob a plataforma do templo existe uma base de rocha – como em todas as construções do gênero, incluindo as pirâmides – por que alguém se disporia a extrair blocos de granito imensos, cujos tamanhos e pesos dificultariam enormemente o trabalho – levando em consideração que foram extraídos pelos romanos – se poderiam, com muito maior economia de tempo e trabalho, extrair blocos menores, de fácil manejo e transporte, sem comprometer o resultado final da obra?

    Somente alguém com facilidades técnicas para executar tais obras, as fariam.

    Não acredito que os romanos não pensassem nessas coisas, nem mesmo para impressionar os eleitores…

    E o que dizer sobre os megálitos de Jerusalém – que, provavelmente, deram origem à lenda do Templo de Salomão – e que estão lá, desde antes dos romanos chegarem?

    • Diogo says:

      A experiencia de construção de um templo também não!, afinal era um templo pra Júpiter, o todo-fodão do panteão romano.

      Se hoje em dia, a IURD gasta milhões pra se erguer enorme templos… porque naqule tempo, onde não se havia ciencia e as pessoas acreditavam cegamente em deuses, eles não fariam esse enorme esforço pra agrada-los???

      Os templos estão entre as construções mais magnificas, porque os povos antigos tinham fé nas suas religiões e deixava sempre o melhor pra agradar os deuses.

  4. Dickvigarist says:

    Mas peraí pô, você não respondeu como eles talharam “bonitinho” como que a laser esses megalitos? Por acaso foi com talhadeira, marreta e lixa 20?!!! HEhehehe!!

    • Mario says:

      Foi sim! Com tempo, dinheiro e mão de obra se faz até pirâmides!

      • Wallace Barbosa says:

        Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk céticos… Assassinos da lógica!
        A maneira que o autor se esforça para tentar “suavizar” o impacto monumental do tal sítio arqueológico é patético, dizer que “só” pesavam 800 toneladas muda tanta coisa….

  5. Sebaastiao Alves Ribeiro says:

    Há pessoas que pensam sobre o que se vê e outras que só veem o que se está vendo.

  6. Ademir says:

    Pera aeeee
    vc não explicou como eles cortaram
    esses blocos perfeitamente….

    responde essa agora hehehe!

  7. Rafael says:

    A Luciana Gimenez que escreveu esse post?
    Absolutamente ridículo, se quer desacreditar algo pelo menos o faça de forma plausível… Uma dica para você, já ouviu falar em um jogo chamado Guia dos Curiosos?
    Bom divertimento

  8. José says:

    Há também pessoas que adoram falar que essas pedras são ruínas do templo de Salomão.

  9. Sforzim says:

    Ah sim, 780 toneladas seriam MUITO mais fáceis de se trabalhar do que 2000…

    • Marcel Rico says:

      Parece que não existe um compromisso desse site com a verdade, mas apenas em desbancar teorias que fogem da normalidade. É estranho isso, né? Talvez seja simplesmente para ser polêmico e com isso ganhar notoriedade, não sei. Pelo menos abre espaço para o debate.

      • Carlos Filho says:

        kkkkkk com se uma pedrinha de 780 toneladas fosse mais fácil de delocar que
        uma de 2000 , eu gosto de ver as sujestões , mais perai nem os megalomaniacos pederatas egipcios ,se dariam a este trabalho, contruir uma base , mesmo que só apenas sircundo com pedras deste tamanho, é no minimo amostra de imbecilidade.

      • Diogo says:

        E tão pouco pra construir pistas de decolagem… afinal, você não vê pedras desse tamanho em aeroportos, heliportos e bases de lançamentos de foguetes né?

        Se foram os ET’s, porque não construiram com asfalto e cimento, seria muito mais econômico e nem precisaria trazer máquinas lá de seus planetas pra levantar os blocões.

  10. Marcel Rico says:

    “Assumindo que a densidade da pedra é de 2,75 g/cm3, o peso do bloco seria de 784,08 toneladas. Menos de 800 toneladas e muito longe das 2000 que Daeniken e Berlitz citam tão alegremente.” Ok, mas e 784 toneladas, é possível carregar? Não é questão de defender essa ou aquela teoria, mas 784 toneladas, acredito que , salvo engano, nem hoje em dia seria possível, imagina então naquela época.

  11. Luíz Gustavo says:

    Incrível como algumas pessoas simplesmente relutam em aceitar o óbvio!

    Quando falaram que eram 2.000 toneladas, bradavam alegremente pelos aliens nos Céus. Agora depois de descobrir que são menos de 800 toneladas, ao invés de desconfiarem ao máximo das fontes originais enganosas que os iludiram a primeira vez(o que era de se esperar de pessoas normais), simplesmente continuam insistindo na mesma crença(por mais absurda que pareça)! Os aliens, se realmente tivessem vindo pra este planetinha, podiam ter implantado tecnologias a laser, ar condicionados, carros flex, mas não! Carregar pedras de um lado pro outro seria o máximo que aliens que atravessaram a galáxia poderiam fazer!? Por favor, tenham respeito a sanidade alheia…

    Agora não vão acreditar só porque o Mori não demonstrou como seres humanos poderiam talhar as pedras. Haja paciência, vão dizer o que? Que os aliens vieram aqui pra talhar pedras e depois foram embora pra casa? É o cúmulo…

    • Carlos Filho says:

      Mais nem foi tocado na questão ALIEN , só acho tambem furada a teoria do colega assima , tb não posso fornecer uma , mais tb não posso descartar
      qualquer outra , até que me apresentem provas cabais de como foram contruidas e por quem , e porque ,não posso dar crédito apenas a uma das teorias possiveis .

      • Adriano says:

        Começar a aprender a escrever ACIMA ao invés de “assima”… Assassinar o português é uma forma concreta de sustentar teorias alienígenas. Vão estudar português e depois vão ler sobre aliens!

    • Daniels says:

      Luiz Gustavo,
      “Os aliens, se realmente tivessem vindo pra este planetinha, podiam ter implantado tecnologias a laser, ar condicionados, carros flex, mas não! Carregar pedras de um lado pro outro seria o máximo que aliens que atravessaram a galáxia poderiam fazer!?”
      Essa foi boa e verdadeira!!!!!!!!
      Ri muito aqui!!!

      • Bean says:

        Você viajaria a galáxia para deixar um celular em uma gaiola de piriquitos ou preferiria esculpir um puleiro pra eles se divertirem?

      • francisco xico says:

        verdade,cada pateta,pensando se os aliens viriam ate uma pedreira cortar pedras pra que|?alias existem aliens? kkkkkk

    • Adriano says:

      Não defendo as teorias de Aliens, mas se eu fosse um alien e chegasse a um planeta primitivo cheio de ignorantes, com certeza eu não tentaria ensinar uma tecnologia como um CARRO FLEX ou Laser, como voce citou. Deixar monumentos talhados em enormes blocos de pedras que vão durar uma ETERNIDADE seria uma forma melhor de demonstrar um poder extremo para as pessoas da época e para encher de pulga atrás das orelhas das gerações futuras do “planetinha”

  12. Pessoal, todas as construções ditas criadas por aliens foram pensadas, planejadas, executadas e admiradas por humanos iguais a nós. Tiveram um pouco mais de trabalho porem compensaram a falta de televisão, jornais, revistas de fofoca, e etc com ciatividade e disposição. O luiz Gustavo esta correto ao argumentar que somente aliens burros viajariam de tão longe para executar corte de pedra. Isto o homem de NEANDERTAL fez tão bem e de tão belo e simples que foi que ainda hoje admiramos este feito.

    • Adriano says:

      Concordo. Muita gente trabalhando, com muito tempo disponível conseguem fazer coisas que nós achamos impossíveis mesmo com as nossas modernas maquinas. Mas os humanos trabalhando em conjunto são muito mais poderosos do que máquinas. Não fomos nós que criamos as máquinas?

      • Wallace Barbosa says:

        Lol!
        É verdade! Primitivos fizeram isso com sua disposição e trabalho… E uns 2, 3 mil anos depois, nós, como energia nuclear, máquinas, guindastes, Einstein num conseguimos repetir, nem ao menos conseguir explicar como esses “ignorantes” fizeram isso rs

  13. Derley Wythor says:

    Será que o distinto escritor dest post sabe o que é um ‘malacate’, ou mesmo como se trabalha ou funciona um?
    Será que ele sabe o peso suportado por uma dessas maquinas?
    Outra pergunta: Os malacates usados para transportarem as pedras de Baalbek eram feitos de que material? Tiveram que suportar muito peso e o desgastes de se montar e desmontar não é mesmo?
    Não prego a teoria de construtores ets, mas que existe misterios em como foram realizadas essas antigas construções, isso tem. No minimo os construtores eram eximios arquitetos, e especialistas em costruirem maquinas que transportavam peso, coisa ainda dificil pra nós hoje.
    E o porque terem usado esses enormes blocos em Baalbek?
    só inventando uma maquina do tempo para irmos la ver pessoalmente, ou então descobrindo um método para ressussitar alguns dos antigos construtores! Impossivel? Talvez nem tanto quanto entalhar e transportar gigantescos blocos de pedras morro acima, a milhares de anos no passado!
    rsrsrs

  14. Joana says:

    Olá para todos.Convido a todos os que não acreditam em aliens,a ir até lá e deslocarem estas pedrinhas do lugar onde estão,e assim ficará provado que aliens não existem,e que vida só existe aqui na terra,já que para estas pessoas o universo deve ser pequeno e leve como tais pedrinhas.

  15. Antero Queiros says:

    na minha opinião os hipotéticos aliens seriam rôbôs e foram contaminados por um vírus terráqueo,logo foram aproveitados pelos humanos e desviados do seu primeiro propósito«é òbvio que os puseram a alombar com as pedras!!!!»

  16. Rubim says:

    Bom dia a todos. Passando á pratica eu gostaria de saber se aliens estiveram neste planeta com tecnologia lazer, carros flex etc, que mais poderiam fazer para alem destas grandes contruções impossiveis de imitar nos dias de hoje? Já agora o que aconteceu no Libano, precisamente em Baalbek, que fez com que vitrificasse a pedra? Pedra vitrificada hoje em dia só é possivel ser encontrada em sitios bomboardeados por bombas atomicas, ou sujeitas a temperaturas semelhantes. Descolagem de foguetões? A unica certeza que tenho é que ninguem consegue provar que foram humanos a contruir tais edificações como as do Libano,Egipto e Jerusalem pois apesar de varias tentativas, não foi possivel copia-las.

    Será que os humanos tinham 10 vezes mais força que os humanos de hoje em dia? Que data apresentam estas construções por testes de radio-carbono?
    Porque não é feita uma analise oficial levada POR VÁRIOS CIENTISTAS A FIM DE SE DESCOBRIR ALGO?

    Porque é que hoje em dia a Hesbolah tem precisamente em baalbek o seu quartel general?

    Agradeço a opinião de todos.

    Melhores cumprimentos

  17. Rubim says:

    Porque é sempre a mesma foto do mesmo local? Mais ninguém tirou fotos destes monolitos? Quantas fotos destes monolitos ( Baalbek ) estão disponiveis na net? Estranho!

  18. Pedro de Souza Silva says:

    Senhores,

    Fui algumas vezes ao Líbano(Beirute), há algumas décadas atrás, transportando sacas de café em navios para o entreposto do antigo IBC, em Beirute.
    Isto deu-me a oportunidade de conhecer, entre outros locais históricos deste belíssimo país, a cidade-ruína de Baalbeck e arredores, onde se encontra este monolito de quase mil toneladas. Senhores, devemos dar uma trégua nesta discussão, e pensarmos numa coisa muito importante: atentem para a física, matemática, suas fómulas e deduções que herdamos de um passado bem distante. O que eu quero dizer é o seguinte – humanos com inteligência e idéias incríveis sempre existiram, e por consequencia, mentes capazes de utilizarem as leis da física de modo prático e, conseguirem o seu objetivo. Lembrem-se de uma coisa – esta parafernália eletrônica que possuimos hoje, e que tanto nos auxilia, NÂO EXISTIRIA, se aqueles nossos antepassados não tivessem descoberto os seus princípios. Ou seja, estamos supervalorizando o homem atual, esquecendo-nos das mentes brilhantes que existiram no passado distante. Perguntem a um cientista sério, se houve algum aumento do desenvolvimento cerebral do homem de hoje em relação ao nosso ancestral de 10, 15 ou 20 mil anos atrás. Ele lhe responderá – NUNHUM. Portanto, o mínimo que faremos como reconhecimento sincero aos nossos antepassados é dar-lhes o crédito por tais eventos. E, por fim, lembrem-se todos – caso fosse possível cortarmos o elo do conhecimento herdado entre nós e o passado remoto ao qual me referí, hoje ainda estaríamos vivendo nas cavernas, e colhendo frutos na floresta para se alimentar!

  19. ghostph says:

    Pera ae como metalurgico sei o que e movimentar 300 toneladas, se vc naum tiver motores de 500 kvw, cabos de aço, roldanas de ferro, impossivel, tente colocar 100 toneladas sobre madeira e puxar, vsc se deram conta que 700 toneladas e simplismente o peso de 700 carros, 20 carretas carregadas, 10 vagoes carregados de minerio por exemplo. Que nao foram estraterrestres tudo bem, mas um povo primitivo fazer isso sem ferramentas……ah o maior guindaste do mundo levanta 5 mil toneladas, mas pesa mais de mil……………………………

  20. Rubim says:

    Caro Pedro Silva

    Realmente faz sentido o que comentas-te.
    Se hoje em dia houvesse uma catastrofe natural de grande escala que destruisse tudo o que existe no planeta, certamente que os sobreviventes iriam guardar o conhecimento que existia antes da catastrofe e passalo-iam aos seus descendentes e tudo iria começar do zero em tecnologia mas não em conhecimento cientifico. Também existem edificações á prova de catastrofes naturais( Diluvios, terramotos, alteração dos polos magnéticos etc) tais como as piramides que no fundo funcionam como um marco ou fonte de conhecimento que ensinam as técnicas da agricultura, pecuaria, engenharia, astronomia etc. No fundo ensinam como contruir uma civilização.
    Esses marcos certamente foram deixados por uma civilização ao nivel da nossa ou ainda mais evoluida que por algum motivo tiveram necessidade de as contruir para ensinar as gerações futuras.

    Não deveriamos fazer o mesmo?

    Agradeço comentarios.

    Aquele abraço
    Paulo Rubim

  21. Rubim says:

    Bom dia
    Porque o museu de Londres , a pedido de Zacaria Shitchin, não autoriza a realizar amostras de ADN a uma mumia que eles têm na sua posse de uma rainha da Babilonia?

    Qual será o problema deles?

    Agradeço comentarios
    Paulo Rubim

  22. Rubim says:

    Quem não deve não teme.

    Existem organizações que temem qua a bolha rebente e deixem de ter argumentos para continuar a ditar as regras. O planeta é de todos e todos têm o direito de ser conhecedores da verdade seja ela qual for.

  23. Rubim says:

    Caro ghostph

    Como sabes é logisticamente impossivel realizar tal obra.
    Para alem de terem de elevar 1000T como nivelaram a obra?
    Se existe uma base de rocha ela teria de ser aplanada e o monolito tambem, isto é , as superficies de contacto têm de estar perfeitamente aplanadas para não haver inclinações.
    O mais intrigante e que ninguém explica, nem os historiadores nem o iluminado autor deste site, é o porquê de monolitos tão grandes. Qual a necessidade de pedras tão grandes?
    As fortificações dos maiores imperios do mundo( Romano, Macedonio, Francês, Ingles e até ao actual Hitler) não eram assim tão grandes. Então mais uma vez eu pergunto: Qual a necessidade de um povo erguer uma obra com pedras de 1000T.

    Porque os céticos não fazem uma igual para acabar de uma vezpor todas com estas duvidas?

    A resposta meus senhores é que ainda hoje com a actual supertécnologia
    é humanamente impossivel contruir algo PARECIDO.
    E não é o unico!!

    Paulo Rubim

  24. Rubim says:

    Caro Autor.

    Para maior respeito e credibilidade deveria participar nestes comentarios a responder às questôes que lhe são feitas.

    Cumprimentos

  25. Rubim says:

    Pessoal. Qual é o vosso problema?

    Qual a vossa necessidade de defenderem a pés juntos que não existe vida inteligente noutros mundos?
    Que falta de humildade!!
    Penso que é arrogancia pensarmos que numa infinidade de tempo e espaço ( Universo) apenas o planeta terra abrigue vida inteligente, quando há uma infinidade de planetas com as mesmas condições atmosfericas .

    Pela logica, até ser provado o contrario, a coisa mais natural é que o universo esteja cheio de diferentes formas de vida.

    Qual o vosso problema em aceitar isso como logico?

  26. Rubim says:

    Caros.
    Atenção…

    Será que os humanos conseguiam se adaptar a este planeta sem a capacidade de raciucinio?

    Todos os animais terrestres não necessitam de raciucinio para sobreviver neste planeta pois seus corpos estão adaptados ao planeta e apenas por instinto conseguem garantir a sua propria sobrevivencia.

    E nós? Será que sem abrigo, roupas, armas de defesa, transporte e outras coisas que fazem de nós humanos conseguiriamos sobreviver apenas por instinto?

    Acho que não. Biologicamente nossos corpos não estão preparados a viver neste mundo sem roupas e sem abrigo ao contrario dos outros animais.

    Sem a nossa capacidade mental, os nossos frageis corpos humanos não iriam aguentar meia duzia de gerações neste planeta.

  27. Rubim says:

    Porque será que só existem fotos da lua de fraca qualidade e a preto e branco?
    Será que a NASA não tem câmeras HD e a cores?

    Estranho!

  28. Rubim says:

    Muito bem. Visto que o autor não assume a responsabilidade de provar o que diz, vou abandonar este site.
    Recomendo a todos os leitores que procurem outro site para esclarecerem as suas duvidas pois aqui não há ninguem que as esclareça. Dizem e pronto. Tem sido assim desde sempre e pelos vistos é para continuar.

    Futuramente direi um site para o efeito.

    Dedico a minha vitoria deste debate ao iluminado autor deste site.
    É como os professores. ( É assim e pronto. Não valea pena questionar)

  29. ARAPI,MC says:

    EIIIIIIII,PESSOAL,alguem já parou pra pensar que a força do pensamento e a fé movem montanhas?a velocidade do pensamento é maior que a da luz,e sua força maior que de um reator ,só que só usamos 1% dela e mesmo assim só em bobeiras?

  30. Vinícius says:

    Olá,
    Penso que, estatisticamente falando não estamos sozinhos no universo, mas procurar evidências alielígenas simplesmente por não entender completamente um fato não é lógico.
    Não vou aceitar que foram alielígenas só porque não compreendo como transportaram e talharam uma pedra. Ainda mais conhecendo a soberba humana a que alguns da nossa raça podem alcançar e sabendo que naquelas épocas construir palácios e obeliscos dava mais status que dá hoje possuir uma lamborghini ou um jatinho.
    O argumento é sempre, prove que não foi.
    Isso é semelhante a observar um evento cósmico e, sabendo que a ciência ainda não tem bases para o compreender, inventar uma explicação qualquer.
    Acho bem mais plausível que tenham sido humanos normais que transportaram essas pedras do que alielígenas, embora eu não compreenda exatamente como fizeram isso. Enquanto eu não entender exatamente como o fizeram, não posso descartar a participação dos alielígenas, mas considero essa explicação bem mais improvável.
    Se tenho duas explicações e ambas são plausíveis, escolho a que me parece mais simples. Navalha de Occam.

  31. Paulo says:

    Olá , pergunta. Se hoje em dia, em pleno século XXI não há nenhuma grua, que consiga MOVER e Transportar blocos com mais de 500 toneladas, e esperam, que se acredtie, que recorrendo a técnicas rudimentares, ferramentas bastante primitivas, não so cortaram granito com alta precisão, mas conseguiram mover, elevar e precisamente dispo-las nas base? Estranho, conheço uma série de engenheiros civis, especializados em estruturas que coçam a cabeça sempre que lhes pergunto como fizeram, mas neste texto, dizem, que recorrendo a cordas? e enormes massas humanas ? Conseguiram mover tais blocos? E como explicam então, que essa cidade, ou melhor, esse local já vinha descrito nas placas sumerias escritas entre (3000 e 1500 A.C. )? Muitos séculos antes de qualquer civilizãção grega ou romana? Não esta em causa se foram extra terrestres ou não, se foram serer humanos aonde estão as ferramentas usadas ? E aonde está o conhecimento, matemático, geometrico, fisico, claramente aplicado, descrito? Acho que descreditar uma teoria por acharem ridicula, inventando algo que não é possivel, mesmo HOJE em dia, ainda é mais ridiculo. Porque em 150 mil anos de ser humano, não pode ter surgido uma civilização que evoluiu para além da nossa? Mas também aonde esta a prova disso? Mas como se diz, ” Factos por serem ignorados, não quer dizer que não existam”. Só uma opinião de um modesto leitor, pensador. E realmente o templo de jupiter é fenomenal, não só na sua construção e no seu tamanho, mas os blocos usados para a base, fazem o templo parecer trabalho de simples “amadores”, que não se esqueçam, surgiram MILHARES de anos depois da base já estar feita.

    • BENTO DA SILVA says:

      O MAIS NOVO NAVIO DO GREENPEACE (RAINBOW WARRIOR) PESA 800 TONELADAS, TIRA DO MAR SEM DESMONTAR E ARRASTA 20 METROS PRA DENTRO DA TERRA COM GRUAS.
      TAREFA SIMPLES

  32. Ramon says:

    Creio em alienigenas, mais atribuir tudo que nao sabemos como foi feito à eles eh demais.
    E pra esses que acham que nao existem gruas hoje em dia, que levantem 500t, vejam isto, LTM 11200 http://www.youtube.com/watch?v=PD_rMYZFWHQ ,levanta 1200t e isso pq eh um guindaste, se fosse uma estatica levantaria muito mais.

  33. Ramon says:

    Ha algum tempo vi no youtube um egpcio trabalhando em uma pedreira, e somente com uma ferramenta manual e um esquadro fez em questao de horas um cubo perfeito de granito de uns 50cm de lado. Imaginem milhares de homens trabalhando de sol a sol durante anos e anos.

  34. Rubim says:

    Uma das perguntas mais importantes a fazer é o porquê de uma estrutura com pedras tão grandes? Não ha duvida que o templo de jupiter e os outros dois que la estão são bem mais recentes que a base que os segura e é essa base que nos interessa. Qualquer construtor está de acordo que para essa base ser tão grande e forte, o unico proposito dele era aguentar com enormes pesos de proporções megapesadas. Ora de certeza que não era para suportar aqueles templos que la estão. Isso era como ter uma mesa de pedra para segurar tês folhas de papel. Há qualquer coisa no meio da história que ainda nos escapa. Algo teve de acontecer para que certas importantes informações fossem esquecidas. Por exemplo, como uma sociedade tão antiga e importante como o egipto foi esquecida? At´a sua lingua e escrita foram esquecidas e so reedescobertas recentemente. Como isso aconteceu? Como a esfinge passou para o esquecimento? Napoleão desenterrou-a. Realmente há algo que não bate certo. Há certos periudos da história que carecem de informação como se um desastre de proporções globais tivesse acontecido e não sobrasse ninguem para contar como foi. Enfim, resta-nos pesquisar sempre mais para pbter pistas para uma consciente resposta. De certeza que não é como os arqueologos convencionais dizem.

  35. Kirinus says:

    A resposta a tantas questões é simples. Está aki, diante de nossos olhos, basta ler os comentários: a humanidade involuiu.

  36. Rubim says:

    Caro ramon:
    Existem em baalbek três grandes pedras que pesam no minimo 800T.
    Elas são chamadas de trilhitões. Acredito que já haja guindastres que elevem tal peso. O prblema é que a pedreira que esses monolitos foram extraidos fica a 1000km de baalbek. Para alem de terem de os elevar também tinham de os transportar essa distancia pelo meio do monte . Para alem disso a geometria aplicada nessa obra é surpreendente. Transportar a carga, Elevar a carga, nivelar a carga, para alem de partir e alisar a pedra é um feito irrepetivel na historia da humanidade. Os trilhitões são mesmo muito grandes e pesados. São as maiores pedras talhadas no planeta.
    Então caro ramon, porquê pedras tão grandes em vez de pedras mais pequenas para toda a obra ser mais facil e mais rapida de concluir?

  37. Rubim says:

    Se os humanos no passado conseguissem realizar tal obra porque razão não a conseguiam realizar agora?

    Pensem bem nisto

  38. Ramon says:

    Conseguiram e hoje em dia conseguiriamos fazer algo muitas vezes mais surpreendente. O pensamento seria: fazer isso pra que?
    Vejam coisas construidas agora que nos impressiona: Hoteis, tuneis, hidroeletricas, igrejas, …etc)

  39. Rubim says:

    Nenhuma obra actual é tão grandiosa como baalbek ou as piramides do egipto. Quer em arquitetura quer em engenharia. Para terem uma ideia basta imaginarem que se houvesse uma catastrofe natural que afecta-se todo o planeta as edificações que aguantariam eram as antigas e não as actuais. Não existe uma idade certa para as piramides nem para o terraço de baalbek. As obras actuais ao fim de 200 ou 300 anos precisam de restauro ou em alguns casos nem aguentam esse tempo. Baalbek e as piramides têm no minimo 4000 anos. As condições atmosféricas nos locais onde se encontram são das mais adversas do planeta, mas mesmo assim aguentaram e estão á vista de todos.
    Caro Ramon pesquise mais um pouco e verifique por si mesmo.
    Leia os comentários .

  40. Dalmir says:

    A verdade é o que muitos, não todos, procuram. Para tanto observar e avaliar na neutralidade é necessário. Vejamos da seguinte forma: Temos evidências para todas as teorias. Desenhos, escritas, pedras, estruturas. O que nos falta: ferramentas e a engenharia e motivos. Quem pode afirmar que eram Aliens? Para tanto tem que pensar como eles, do porque das formas rudimentares. E se foram homens inteligentes, engenheiros magníficos, porque fazer da forma mais difícil? Os Aliens podem ter em seu planeta matéria prima para desenvolver espaçonaves e propulsores, é possível. Mas também tudo é possível. Quero dizer que uma teoria não pode apenas se basear em um item. Veja como diz na bíblia que os anjos surgiam diante de fumaça, fogo, trovadas e a terra tremia. Se pensar em foguetes, isso significa que os Aliens do passado não são como descrevem os do presente, que nem barulho fazem…kkkk Ou seja. A verdade é que podemos em nossas mentes investigar todo o planeta e seus mistérios. Eu pesquiso todas as possibilidade, não descarto as possibilidades, mas evidências são necessárias. E quem está ganhando são as placas dos Sumérios.

  41. Ramon says:

    O Luxor Hotel é um hotel e cassino aberto em 1993 na Las Vegas Boulevard da cidade de Las Vegas, Nevada, EUA. Seu tema é o antigo Egito, tendo seu prédio principal a forma de uma pirâmide. O custo total da obra foi de 229 milhões de libras. Com 107 metros de altura, 4 400 quartos, uma arena com 1 100 lugares sentados, além e claro de uma imitação do rio Nilo, incluindo barcos de passeio e “camelos falantes”. Até os elevadores são notáveis, subindo numa diagonal de 39 graus junto à borda da pirâmide. A luz do alto do edifício é tão brilhante que algumas pessoas alegam que ela pode ser vista até do espaço. Um dos detalhes mais estranhos é a esfinge que guarda a entrada e dispara raios laser dos olhos.
    Agora a grande pirâmide de Gizé: sua altura original era de 146,60 metros, mas atualmente é de 137,16 m.
    Voce diz que ela nao cairá com intempérie alguma, de fato nao cairá, visto que eh quase solida (assim como uma montanha), nao serve para nada alem de contemplacao.

  42. Rubim says:

    Caro Ramon:
    Com todo o respeito aconselho-o a informar-se melhor antes de fazer qualquer comentário acerca da grande Piramide. Pelos seus comentários percebo que está mal informado.
    Nem esse casino nem nenhuma obra actual se compara com a grande Piramide. Nem em quantidade nem em qualidade.
    Não quero aprofundar, mas a grande Piramide está ali para tudo menos para contemplação.
    É obvio que quem a vê fica impressionado e fica a contemplar a sua beleza e grandiosidade mas o objectivo dela não é esse. E o conteudo dela é bem grande! Muito maior do que pensa.
    Se este assunto é do seu interesse então pesquise mais porque há muita informação sobre isso . Não se arrependerá pelo tempo (aproveitado) perdido.
    Quanto a baalbek , está para além da nossa compreensão. E a grande Piramide também.

    Ps: Por momentos pensei que ia comparar uma esfinge á outra.

  43. Rubim says:

    Caro vinicios:

    Li o artigo e os comentários e ninguem afirmou que aliens ergueram estas construções.
    Não confunda possibilidades com factos.
    Mas se quer saber existem mais hipoteses que foram aliens do que humanos.
    Mas como hipoteses não são provas, o debate continua aberto.

  44. César says:

    Caros,
    Contra fatos não há argumentos…
    Fato 1 – Os blocos são pesados e dificilmente hoje seriam carregados por meios manuais.
    Fato 2 – Existe vida no planeta terra. (estatisticamente e muito provavelmente exista vida em outro planeta com igual ou superior inteligencia). Nós somos prova deste fato.
    Possibilidade 3 – Entre no meio de uma floresta virgem com toda tecnologia que vc tiver e tente construir algo. Só conseguira construir com os materiais disponíveis como por exemplo madeira e pedra, por mais recursos que vc tenha para manipular estas materias primas são destes materiais que primordialmente vc começará algo. ( e não carros flex e microondas).
    Fato 4 – Só porque vc não vê algo não significa que não exista ou que não está ali na sua frente.
    Possibilidade 5 – Futuramente o tempo dirá a todos vcs que existe vida sim, alem deste terceiro pequeno planeta, independentemente de serem eles ou não a carregar pedras…
    Fato 6 e mais importante – o ser humano é orgulhoso demais para admitir que existam seres mais inteligentes que ele e que um dia ele irá acordar e perceber que o universo não gira em função da sua mísera vida.

    • Adriano says:

      Não confunda as coisas. Ninguém aqui esta dizendo que NÃO existe vida alienígena. O que está em discussão é se foram alienigenas ou humanos que fizeram esses monolitos. Eu aposto que foram humanos, mesmo acreditando muito em vida extraterrestre. E se colocaram cordas grossas em torno das pedras puxadas por milhares de homens coordenados e troncos de arvores por baixo para rolar as pedras?? Perfeitamente possível. Veja Macchu Picchu onde talharam pedras com precisão no cume de uma montanha. Foram HUMANOS que fizeram isso, sabia?

  45. Adriano says:

    Porque ninguém hoje em dia constrói um templo usando monolitos de MIL toneladas? Simplesmente porque não há interesse nisso. Gastamos tempo e recurso construindo prédios modernos de 50 andares, com ar-condicionado central e sistema de aproveiamento de energia solar, como alguns feitos em DUBAI recentemente. Se realmente quiséssemos construir um tempo no meio do deserto com pedras enormes, nós certamente conseguiríamos. Não existem máquinas pra isso? Constrói-se tais máquinas. Já vi máquinas sendo construídas sob medida para fazer enormes pontes de centenas de quilometros de comprimento. Gente, não foram ETs que fizeram isso, foram humanos com MUITO tempo e disposição e certa genialidade também (projetistas da época).

  46. Rubim says:

    Adriano:
    O vosso problema é que palpitam sem conhecer nada do assunto.

    1º Naquele tempo o local onde essas construções foram feitas não era um deserto como é agora.

    2º Já foram feitas muitas simulações com pedras de 500T em cima de troncos puchadas por cordas e não funcionou. Os troncos enterravam ou partiam-se.

    3º A genialidade de baalbek e a grande piramide não está só na sua dimensão. A matemática e a geometria usada superam as actuais.

    4º O nivel de perfeição atingido por esses monumentos não é encontrado em nenhuma obra actual.

    Informe-se mais um pouco e conheça a opinião dos melhores contrutores do mundo acerca do assunto e verificará que todos concordam que nos dias actuais é tecnologicamente, logisticamente e humanamente impossivel de realizar uma obra igual.

    Peritos em ferramentas electricas garantem que com as ferramentas actuais é impossivel fazer um sarcófego igual ao que está dentro da grande piramide.

    Tudo o que digo pode ser pesquisado por qualquer um na internet.

    As opiniões variam mas no que diz a construção a opinião nada vale.
    Ou se consegue contruir ou não.
    As maiores empresas construtoras financiadas por vários governos recusaram-se a construir uma copia desses monumentos simplesmente por não os conseguirem fazer.

    Fazem obescuos e por partes. Não maciços.

    Cumprimentos

    • Diogo says:

      Elas se recusam, porque é dinheiro pertdido, no caso dos romanos, eles não tinham dinheiro a perder, provavelmente devem ter ganho uma guerra ou algo muito bom ocorreu e quizeram agradecer à Jupiter… daí pénsaram: “Vamos fazer um templo com a grandiosidade de nosso deus”… e o fizeram…

      Os obeliscos egípcios são maciços, e foram transportado do Egito pra Roma… e seu transporte é documentado, não está nada oculto, se dizem que levou um mês pra conseguirem tirar a pedra do lugar…

      hoje em dia, é tudo feito de maneira que saia mais rapido e gaste menos… naquele tempo, isso, pouco importava.

  47. Rubim says:

    Obeliscuos e não obescuos

  48. Rubim says:

    Adriano: Consegue provar que foram humanos que construiram Manchu picu?

  49. Weberty says:

    Pessoal, não precisamos entrar em conflito. Pesquisem por Edward Leedskalnin. Ele fez algo que poderia ser considerado obra de extraterrestre. As especulações sobre os métodos por ele empregados são inúmeras, porém, ninguém até hoje descobriu como um homem de pouco mais de 1,50m e 45kg levantava sozinho pedras de toneladas!

  50. Reinaldo Cesar says:

    E qual era a capacidade de força dos malacates de antigamente?? Nâo venha falar que ilimitada pois até os guindastes de hoje tem limite.

  51. paulo says:

    Os obeliscuos que foram transportados do Egito para roma, foram divididos em partes e recontruidos em roma. Sim esta documentado Diogo, por isso não há maneira de dizer o contrario.

  52. Giorgio says:

    Não tenho muita convicção para afirmar se os idelizadores e pedreiros eram terráqueos ou não, só acho que se a biblioteca de alexandria estivesse intacta poderiamos ler quem construiu e pq, entretanto os malditos manipuladores fizeram o favor de destruir a biblioteca para ficarmos na ignorância… Temos que concordar o seguinte: Maldito aquele que mente para ter razão, se os pesquisadores tivessem errado no cáculo em dez por cento chegariamos no máximo a 1 T em alguns blocos, porra o Matest M. Agrest errou assim tão grande? Daí um blogeiro do Brasil que provavelmente nunca foi lá corrigiu o cálculo… foda heim…

    Sabe por que não existe uma pesquisa com uma credibilidade maior? Estão alimentando o mistério para ficarmos como babacas procurando a verdade…

  53. Giorgio says:

    Não tenho muita convicção para afirmar se os idelizadores e pedreiros eram terráqueos ou não, só acho que se a biblioteca de alexandria estivesse intacta poderiamos ler quem construiu e pq, entretanto os malditos manipuladores fizeram o favor de destruir a biblioteca para ficarmos na ignorância… Temos que concordar o seguinte: Maldito aquele que mente para ter razão, se os pesquisadores tivessem errado no cáculo em dez por cento chegariamos no máximo a 1 T em alguns blocos, porra o Matest M. Agrest errou assim tão grande? Daí um blogeiro do Brasil que provavelmente nunca foi lá corrigiu o cálculo… foda heim…

    Sabe por que não existe uma pesquisa com uma credibilidade maior? Estão alimentando o mistério para ficarmos como babacas procurando a verdade…

  54. Saturnino says:

    Tente erguer um bloco de cem toneladas com a tecnologia conhecida… O peso dos monólitos da base do templo de Júpiter… Imagine 100 carros empilhados…

  55. Wallace Barbosa says:

    Ainda tento imaginar homens da caverna ou nômades, agricultores e outros, povos da época, cortando essas pedras, talhando, movendo, transportando, concebendo a arquitetura e engenharia necessária, de uma maneira tão fascinante que até hoje nossos “gênios” não conseguem responder, ou reproduzir…
    Postar isso foi um tiro no pé do nosso caro amigo cético rs

  56. jaim ventura says:

    pois bem cá me parece que há muita coisa por explicar mas só vê quem tem olhos e só ouve quem tem ouvidos.não basta ter uma calculadora e saber os metros cúbicos de uma pedra também temos que fazer contas,com as divindades sumérias que são a chave para o mistério ,pois se for assim torna tudo mais fácil entender porque essas divindades eram gigantes o que para nós é muito grande em comparação com o tamanho normal do ser humano, para gigantes essas pedras não são assim tão grandes .mas para ter mais alguma noção de quem poderia ter feito os grandes monumentos era bom que todos os interessados em saber porque estamos na terra como seres humanos não se deixassem enganar por desinformação que tenta ocultar a verdadeira razão do ser humano na terra.

  57. Carlos Luis says:

    Temos de botar todas as cartas na mesa: o que sabemos ser impossível, o que não sabemos e os fatos. FATO: existem blocos de pedras gigantes longe de suas pedreiras em estruturas feitas na idade da pedra, estruturas estas que requerem muit conhecimentos de arquitetura e engenharia. NÃO SABEMOS: se foram alienígenas, se teriam condições de fazer isso. IMPOSSIVEL: humanos da idade da pedra cortar, talhar, transportar, elevar pedras que pesam centenas de toneladas e construirem estruturas que duram milhares de anos sem sabedoria, ferramentas nem máquinas.

  58. spencer says:

    Durante muitos anos leio atentamente sobre a construção das piramides do egito, quando da primeira vez que li algo sobre os mistérios de baalbek, notei que o que mais chama a atenção são os tres gigantescos blocos de pedra colocados lado a lado naquela muralha.
    Na época que Daeniken lançou seus livros sobre a visita alienigena a terra, todos nós ficamos maravilhados com aqueles relatos, no seu livro semeadura e cosmo, nossa imaginação viajava pelas galaxias e sem enciclopedias virtuais como temos hoje, iamos apenas acreditando.
    Visitando as piramides do egito, sabemos que estão lá os restos das cordas, trenós e instrumentos diversos usados como ferramentas para a lapidação e transportes das enormes pedras que compoem a piramide.
    Em Baalbek, os tres blocos gigantescos, foram também obra humana, tanto que um desses blocos foi deixado na pedreira, sobre as técnicas usadas para o transporte ainda não podemos pormenorizar com exatidão, mas com um pouco de imaginação, sabemos que a sabedoria humana já conseguiu realizar grandes feitos. Arrastar pedras exige o emprego de técnicas que fomos perdendo pelo proprio desuso. Mas não é de maneira alguma obra extraterrestre.

    • Carlos Luis says:

      “… sabemos que a sabedoria humana já conseguiu realizar grandes feitos.”
      Barbaridade esse pensamento. Essas obras foram feitas em “a. c.” e tu quer comparar a inteligencia humana daquela época com a de hoje. Ta na cara que era necessário tecnologia pra fazer uma obra desse porte, nunca poderia ser feita apenas com cordas, trenós e alguns instrumentos. E haja fé nos “recém chegados homo-sapiens” pra acredita que eles conseguiriam erguer e transportar pedras como essas de baalbek, são 1000 toneladas, sem máquinas é impossivel mesmo com toda força e inteligência humana

  59. danihell says:

    ah, eu quero ver é hj em dia, reunir pessoas de bom porte fisico e levarem essa pedra
    de volta ao lugar de origem. eu duvido!!!! se quiserem pode usar qlq maquinario humano
    q existir. lembrando q uma equipe de japoneses tentaram erguer um bloco de pedra
    gigantesco–vide piramide de gizé— com todos os meios possiveis, e desisitiram. imagine entao
    a de balbeck….

  60. Sandro says:

    Oii…Só mais uma ressalva aqui:Fica bem claro que não existe ”Mistério” nenhum em Baalbek,diferente do que ALGUNS dizem e como o próprio post desmistifica não eram 2000 toneladas na estrutura e sim 784,04.A pedreira não fica abaixo do vale da plataforma (o que seria necessário içá-la ) mas fica sim acima do vale sendo necessário apenas descê-la como por uma ladeira por cerca de 1 km e não 1000 km,os mecanismos usados para transportá-la existiam sim na época a exemplo do transporte dos obeliscos egípcios que pesavam muitas toneladas tendo mesmo registros pictóricos no templo egípcio de Deir El Bahri documentando claramente o transporte deles pelo Rio nilo em grandes barcaças o que dirá então por terra?!Os dados são BEM claros,talhar pedras enormes já era feito e muito bem já antes do Império Romano no Egito Antigo com o granito vermelho de Assuã usado na pirâmide de Khufu no platô de Gizé,talhados em cubos e até mesmo o templo de Abu Simbel(Também no Egito) e a cidade de Petra na Jordânia ambos talhados diretamente na montanha(E no caso de Petra ,as marcas das ferramentas usadas no processo estão espalhadas de modo inequívoco pela rocha ao redor dela).E nós não estávamos recém saídos da Idade da Pedra era a antiguidade ou seja era o nascimento dos primeiros grandes impérios(Mesopotâmia,Egito,Roma,Grécia,Persas e outros) e os primeiros gênios da Humanidade(Imhotep,Euclides,Ptolomeu e diversos outros)que sim construíram essas grandes estruturas(como Baalbek,as pirâmides do Egito,Maias,moais da Ilha de Páscoa e todos os outros)para honrar seus deuses,seus reis e suas vitórias há farta documentação histórica e arqueológica mais do que comprovada disso!!!Bom post esse,abraços ae..

  61. Sandro says:

    Pequeniníssima correção,QUASE,imperceptível que não vai mudar em nada mas me proponho a esclarecer:Não é 784,04 como está acima mas 784,08.Arredondando,em termos matemáticos,continua sendo 784 toneladas por fim!!!

    • Carlos Luis says:

      Matou a charada meu querido! Agora ta tudo esclarecido. 784 toneladas os primeiros gênios da humanidade carregavam com uma mão só!!!!
      “..talhar pedras enormes já era feito e muito bem já antes do Império Romano no Egito Antigo…” isso explica como talhavam e cortavam as pedras (todas com arestas medidas com precisão e ângulo 90°). Transporte marítimo??? Como não pensei nisso antes? Imagina a barbada… ainda mais com os portos avançados comprovadamente existentes.
      “…há farta documentação histórica e arqueológica mais do que comprovada disso!!!” Tu só pode ta de pegadinha, é telegrama legal, Ivo Holanda & Gibi ou algo do João kléber. O fato é exatamente ao contrário, existem muito mais questões “sem resposta” do que provas, a documentação histórica e arqueológica que se tem conhecimento coloca ainda mais em dúvida de como humanos do período a.c. poderiam contruir essas estruturas fantásticas, esbanjando conhecimentos de arquitetura, engenharia e “coincidências” com geografia e astronomia, como se tivessem até debochando do homem moderno que um dia ía se dar conta e reconhecer tais sabedorias.
      Bom post esse hahahahaha só pode ser pegadinha do Faustão

      • Sandro says:

        Boa tarde Carlos Luis,vi esse seu ‘comentário’ e preciso respondê-lo.

        ”isso explica como talhavam e cortavam as pedras (todas com arestas medidas com precisão e ângulo 90°).”

        Já no Antigo Egito durante a construção das pirâmides de Gizé,como a do faraó Khufu há cerca de 4500 anos atrás,existia sim Carlos essa precisão matemática no corte das pedras inclusive EXISTE ainda hoje na pedreira de Assuã,no Sul do Vale do Nilo,as marcas das ferramentas de cobre que os operários egípcios usavam durante a escavação e a modelagem dos blocos que eram feitos a mão e duravam dias para serem concluídos.Apesar das ferramentas serem ‘rudimentares’ para se medirem a exatidão dos ângulos,elas também existiam e consistiam de varetas com uma corda em cada ponta que quando esticadas aferiam o ângulo de 90° tão desejado.Os egípcios tinham uma forma de transportar relativamente simples,apesar também da existência de outras especuláveis,e não tem nada a ver com levitação ou anti-gravidade(sic!) consistindo apenas de rolos que eram colocados debaixo dos pesos ‘mudados’ de posição a medida que o peso vai sendo arrastado.Os próprios ilhéus da Ilha de Páscoa também usavam esse método ”primitivo” para transportar os seus moais para a praias,alguns deles chegando a pesar mais de 70 toneladas e acredite,há IGUALMENTE provas arqueológicas disso espalhadas nas pedreiras da ilha que se situavam dentro de um vulcão.Estrias e as próprias ferramentas abandonadas no interior dessas pedreiras inclusive com moais ainda inacabados mostrando todo o processo criativo e bem HUMANO da conclusão dessas estátuas.

        ”Transporte marítimo??? Como não pensei nisso antes? Imagina a barbada… ainda mais com os portos avançados comprovadamente existentes.”

        Sobre o transporte marítimo que tu não se convenceu muito bem,no Egito apesar deles não terem um comércio em mar aberto muito difundido,existe PROVAS arqueológicas como as que citei no primeiro comentário de que eles transportavam grandes pesos pelo Rio Nilo inclusive obeliscos como o citado exemplo no Templo de Deir- El-Bahary onde o transporte desses 2 obeliscos está documentado nas paredes do templo,e está lá.Até mesmo barcos cerimoniais como o do faraó Khufu(que construiu a Grande Pirâmide,a maior delas)foram feitos usando cordas para prender o casco da embarcação,muitos arqueólogos ainda tem uma pequena dúvida se esse barco foi feito somente como presente pós-morte do faraó ou era usado em navegações,seja como for ele comprova a engenharia técnica e eficiente que os egípcios tinham para construí-los!Os portos da época não eram muitos mas eram fundamentais pro comércio já que tudo passava por eles e só pra citar um exemplo a cidade de Cartago ali bem do ladinho do Egito tinha um dos portos mais dinâmicos construídos capaz de ancorar vários navios,os romanos que eram seus rivais eram exímios construtores de navios também tanto isso que transportaram obeliscos egípcios para dentro da Europa,sem precisar de nenhuma máquina de anti-gravidade pra isso(sic).

        ”“…há farta documentação histórica e arqueológica mais do que comprovada disso!!!” Tu só pode ta de pegadinha, é telegrama legal, Ivo Holanda & Gibi ou algo do João kléber. O fato é exatamente ao contrário, existem muito mais questões “sem resposta” do que provas, a documentação histórica e arqueológica que se tem conhecimento coloca ainda mais em dúvida de como humanos do período a.c. poderiam contruir essas estruturas fantásticas”

        Realmente com essa colocação sua,se fica desarmado,pois tu nega o que a ciência e a arqueologia já PROVOU.Sobre o homem pré-histórico ou a.C. como tu colocaste,fica difícil concluir se tu quis dizer que eles eram incapazes demais para construir uma pirâmide usando rolos ou ferramentas de bronze ou se tu esperava que eles construíssem um arranha-céu de 100 andares em pleno deserto do Saara ou uma estação espacial em volta da lua com ”tecnologia de ponta do século XX a.C.”(sic).

        Grande abraço e desculpa qualquer coisa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to Top ↑