MENU

Fantástico entrevista o criador dos OVNIs do Haiti

bodyguard-for-the-golden-helmeted-honeyeater.jpg

Os Pequenos Ajudantes da Natureza

6 de janeiro de 2009 Comments (31) Views: 5652 Ceticismo, Fortianismo, Ufologia

Esclarecida a “múmia ET” de Uberaba

alienmummujapan

Ela veia à tona em 2004, em circunstâncias dignas de uma história de mistério. O patriarca Wilson Estevanovic seria zelador de inúmeros artefatos, e à beira da morte teria encarregado o filho Wellington com “a missão de recolher as peças” espalhadas em caixas lacradas pelo país. “A caixa número 7 deveria ser aberta apenas sete após a morte de Wilson”, teria ordenado o pai “momentos antes de morrer”.

Quando a data chegou e a tranca foi aberta, “a surpresa. Dentro havia o esqueleto mumificado de um ser com características inusitadas. A cabeça mede 97 centímetros. Da traquéia à bacia, 12 centímetros. Os olhos são desproporcionais, não há ouvido, a arcada dentária está completa e há seis dedos nos pés. Ao lado do esqueleto, na mesma caixa, uma pedra. ‘É um fragmento de meteorito com 14 quilos’, explica [Wellington], citando características da suposta ‘pedra do espaço’”. [fonte]

Novas informações lançam dúvida sobre todo este mistério com a sugestão nada sutil de que o esqueleto seria uma criatura extraterrestre. Esta idéia chegou ao cúmulo quando um questionável programa de TV japonês chegou mesmo a afirmá-lo e “reconstruir” o esqueleto nas imagens vistas acima, incluindo a cor azul (!) para o suposto alienígena.

Mostramos aqui que o esqueleto é em verdade original de um Museu de Antropologia em Salvador, consistindo de um caso de hidrocefalia e outras malformações. Apesar delas, é muito humano. Foi descartado por volta de 1998, ao redor da mesma época em que Wilson Estevanovic faleceu e alguns anos antes que a “múmia ET” fosse supostamente descoberta pelos seus filhos.

Continue lendo para as novas fotografias e esclarecimentos. Alerta: AS IMAGENS SÃO FORTES. São exibidas aqui com o intuito de elucidar de forma conclusiva este não-mistério.

ESPÉCIME DE MUSEU

hidrocefaliaestaciolima

Acima, à esquerda, a ossada exibida no Museu Estevanovic em 2004. E à direita, fotografias tomadas por Alexandre Araújo em 1995 de uma peça que fazia parte do acervo do Museu Antropológico Estácio de Lima, no prédio do Instituto de Medicina Legal Nina Rodrigues na Bahia.

“Era uma criança com hidrocefalia, fissura palatina e pés retorcidos. O interessante é que a peça começou a se desgastar, porque o método com o qual foi embalsamada não era tão eficiente. Ela já apresentava sinais de decomposição e foi retirada do acervo. Foi nessa época [1995] que eu a fotografei. E então, em uma visita ao museu em 1998, foi-me dito que a criança com hidrocefalia havia sido ‘descartada’ do acervo porque se estragou bastante”, conta Araújo.

“Após ver a ‘múmia dos Estevanovic’, descobri que uma integrante da família estudava biologia na UFBA. Assim, creio que foi dessa forma que o circo [Estevanovic] adquiriu sua múmia, e que a ossada já bastante decomposta é a mesma do Museu Estácio de Lima. Apenas um caso de hidrocefalia com outras teratologias”.

Araújo complementa que “as fotos que possuo também apresentam os dois dentes incisivos num apêndice na fissura palatina e a ausência de nariz. É impressionante a semelhança, apenas, na foto, a criança ainda possui pele, cabelos e está mais conservada do que na ossada. Não posso afirmar, mas é muita coincidência que uma neta de Wilson Estevanovic, Veruska Estevanovic, estude biologia em Salvador, na UFBA, e que o Museu Estácio de Lima, na mesma cidade, tenha descartado a peça do acervo por volta de 1998, justamente quando os Estevanovic alegam terem ‘descoberto’ a múmia entre os pertences de Wilson Estevanovic”.

De fato, embora os Estevanovic contem que o esqueleto teria sido descoberto dentro da caixa em 2004, a caixa em si teria sido coletada por volta de 1997. Artigos sobre o caso na imprensa também confirmam que Veruska Estevanovic seria na época “estudante de ciências biológicas da Universidade da Bahia”. São várias coincidências.

CriancaHIDROCEFALIA

IDENTIFICADA 
E falando em coincidências, vale notar que não há apenas a coincidência de todas as anomalias anatômicas entre o esqueleto exibido pelos Estevanovic como misterioso e o espécime no museu em Salvador exibido anos antes, indo desde a fissura palatina aos pés varos congênitos.

Como destacado na imagem mais acima, mesmo uma mancha na parte esquerda da cabeça – decorrente talvez de uma falha nas fissuras cranianas – bem como as próprias falhas na caixa craniana encontram uma combinação aparentemente perfeita.

É muito pouco plausível que duas crianças partilhassem não apenas as mesmas síndromes, já raras, como estas resultassem em falhas de forma e posição idênticas. De alguma forma, esta peça saiu de um museu de medicina legal em Salvador e foi parar nas mãos dos Estevanovic em Uberaba, que alegam desconhecer sua origem e mesmo se o esqueleto seria humano.

Identificada a origem do esqueleto, estas novas evidências refutam de forma definitiva as declarações de “especialistas” citados por muitos veículos ao abordar o caso, embasando os pareceres que citamos na época de que “tudo indica serem os restos mortais de uma pobre criança afligida por hidrocefalia, lábio leporino e outras deformidades congênitas”.

“Pelo tamanho, a criança deve ter no máximo dois anos de idade e era portadora de uma série de malformações, a saber: hidrocefalia, lábios leporinos e raquitismo (pela deformação das tíbias). Há síndromes que podem responder por isso como sífilis congênita”, declarou-nos o médico Carlos Pompilio.

A explicação se soma às informações fornecidas na época pelo doutor Paulo Bandarra, que chegou mesmo a indicar outro caso extremo de hidrocefalia, e agora complementa que “se trata do mesmíssimo caso de uma criança morta há pouco tempo, desrespeitosamente tratada como ET”.

O “SUPOSTO POSSÍVEL SER EXTRATERRESTRE”
Tanto alguns ufólogos quanto veículos de mídia e os Estevanovic chegaram a mencionar a possibilidade de que fosse uma combinação de malformações, mas insistiram na mesma medida que se deveria considerar que talvez fosse um extraterrestre. Nossas negativas veementes de tal tipo de especulação irresponsável chegaram mesmo a ser classificadas de “comodistas”. Teríamos a mente fechada, seríamos “muito céticos”.

Advertimos que “o prudente e ético a fazer seria sim analisar a ossada, mas declarações públicas conscientes devem contrariar qualquer tipo de especulação. As chances e conseqüências morais de que o caso aqui envolva a exploração vil do sofrimento humano superam e muito as ínfimas chances de que se confirme ser algo contrário”.

Exemplares de teratologias humanas são conservados e exibidos em museus de medicina para fins educacionais. No entanto os fins educacionais de exibir a peça em um museu itinerante para crianças, com sugestões insistentes de que seria misteriosa e a especulação livre de que poderia ser mesmo extraterrestre são muito questionáveis.

Contatamos Wellington Estevanovic a respeito destas novas informações. Estevanovic foi enfático ao negar que tenha afirmado alguma vez que o esqueleto fosse extraterrestre, disse ignorar a origem do material, e culpou aos ufólogos por explorar o caso.

Fato é que todos que defendem que os restos mortais seriam de um alienígena incorrem no que pode ser mesmo vilipêndio ao cadáver.

A imagem da criança em decomposição, com orelhas, cabelos e as pálpebras entreabertas deve assombrar aqueles que prefeririam que fosse um alienígena azul sem orelhas. Não bastasse a morte prematura da criança, alguns teimam em desumanizá-la. É nossa esperança que seu rosto nada azul encerre as especulações inconseqüentes a seu respeito.

[Com enormes agradecimentos a Alexandre Araújo, que efetivamente identificou o esqueleto, e a consultoria de Carlos Pompilio e Paulo Bandarra]

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

31 Responses to Esclarecida a “múmia ET” de Uberaba

  1. lordtux disse:

    Mori, realmente fantástico, muito bom esse serviço de elucidação que o seu site presta, já faz anos que queria saber a origem desse esqueleto e me perguntava por que ninguém analisava, agora sim, caso encerrado.

  2. Juliana disse:

    Pobre criança.

  3. Claudio disse:

    Parabéns pela divulgação tão importante sobre a elucidação desse caso que serve como exemplo de como não se deve tirar conclusões antes de muita pesquisa e paciência, pois muitas vezes a verdade surge depois de muito tempo. E com certeza muitos ansiosos se apressam em apresentar explicações fantásticas para um fenômeno interessante mas meramente humano, nada extraterrestre. O teste do tempo é importante na elucidação desses ” enigmas “.

  4. Rafael disse:

    Ótima matéria!

    É impressionante como querem atribuir tudo aos alienígenas.

  5. Esta ossada não saiu da Museu de Antropologia sozinha. Alguém a retirou de lá e desde então a tem explorado nos meios de comunicação do Brasil e do mundo.

    É degradante o comportamento de certas pessoas que são capazes de explorar a terrível condição de uma criança morta para montar um circo e incentivar as mais fantásticas especulações, com o intuito de ganhar fama e inflar o próprio ego.

    Este “museu” da família Estevanovic não tem nada de científico e educacional. É um circo de horrores pseudocientifico e vulgar. Com peças de origem duvidosa e explicações fantasiosas com o único objetivo disseminar a ignorânica entre as pessoas e as crianças.

    Meus parabéns aos amigos Mori, Araujo, Pompilio e Bandarra pelo trabalho sério e o desmascaramento desse grupo de charlatães.

  6. Elton disse:

    Ainda tem muita gente que se aproveita dessa situação ninguem sabe com qual intento. Quem paga no fim é a pobre da criança, que além de morrer com todas essas símdromes, tem a imagem veiculada como a de um ET.

  7. Aécio Melo disse:

    É Mori, as coisas estão claras demais… como eu mesmo já tinha dito isso antes…

    Só tome cuidado com essa parte do seu discurso:

    (“… mas é muita coincidência que uma neta de Wilson Estevanovic, Veruska Estevanovic, estude biologia em Salvador, na UFBA, e que o Museu Estácio de Lima, na mesma cidade, tenha descartado a peça do acervo por volta de 1998, justamente quando os Estevanovic alegam terem ‘descoberto’ a múmia entre os pertences de Wilson Estevanovic”…”)

    Pois se não ficar ligada, qualquer comprovação que a Veruska esta envolvida com receptação de cadáver… vc pode ser processado, e não vai ser brincadeira não…
    È por isso que eu falo tanto das tendências… isso é um tiro no pé, mesmo depois de uma conjectura, brilhante como essa.

    • Alex disse:

      Seria possível cassação do titulo de graduação da estudante, se é que ela se formou?

    • Luciana Zacarias disse:

      Com toda razão, Aécio, eles estão equivocados. E mesmo eu, prima da Veruska, tenho como comprovar. Resta saber se ela vai querer processar esse veículo ou não.

      • Uberlan disse:

        Será? Que tal deixar cientistas sérios examinarem o suposto et?

      • Uberlan disse:

        Rapaz, depois que algum extraterrestre removeu a mandíbula da múmia de Ashtar Sheran ela ficou mais parecida com uma Starchild. Agora eu acredito em et. Inclusive depois que fui ao museu, descobri que a múmia ainda se comunica com as pessoas através de telepatia.
        Foi então que bati um papo com a múmia e descobri que ela tá afim de sair um pouco daquela caixa de vidro e tomar uma BOA geladinha. Então estou começando o movimento “SAI DA CAIXA E TOMA UMA BOA”. Inclusive o et-morcego também já quer aderir ao movimento.

      • Uberlan disse:

        Acabei de receber uma mensagem do et BILÚ que diz o seguinte:
        – Libertem o et cabeção. Busquem conhecimento. Tragam a cerveja.

  8. […] escrúpulos do sofrimento, incluindo de seres humanos, também pode ser constatada no caso da “múmia ET de Uberaba”. Uma criança com hidrocefalia e outras […]

  9. […] surpresos ou chocados com isto, uma vez que já abordamos como pequenos macacos despelados e mesmo crianças muito humanas, mas com malformações congênitas, já foram apresentados como “extraterrestres”.Como é o caso aqui, por uma variedade de […]

  10. Midedaska disse:

    Belo trabalho. Continue assim :)

  11. Matheus disse:

    Esse site eh show
    Otimo trabalho

  12. Ótimo trabalho!!!!

    P A R A B É N S!!!!

  13. edlenefelix disse:

    quem paga oparto é acrianca que morre o povo ainda pensa que é um et

  14. Gustavo C. Fortes disse:

    Infeliz materia da RMTV filiada da globo(MT) sobre o asunto, em pleno seculo 21 ainda tem show de horrores…

    …os verdadeiros mosntros n são os explorados, são os exploradores

  15. Netunob disse:

    Peraí. O cara tem UM CADÁVER exposto e ainda não foi preso? Trata-se do CADÀVER de uma pobre criança que deve ter sofrido muito até falecer, com diversas malformações! Isso não seria CRIME? Ter um CADAVER HUMANO em acervo PARTICULAR?

  16. Sherlock Holmes disse:

    Esse negócio de confundirem pessoas com hidrocefalia com alienígenas estão na moda, deveria ser processado a pessoa que faz isso, porque algumas crianças com hidrocefalia sobrevive e apelidos de mau gosto para elas não faltam. No programa do The History Channel “Caçadores de OVNIs” pegaram o crânio de um “ser humano” achado no México em um caverna e que datava de 900 anos, bem fizeram uma reconstituição do crânio e realmente parecia ser um caso de hidrocefalia, acontece que segundo um estudioso o cranio tinha algumas fibras que não eram comum no crânio de ser humanos e nem dos que possuiam hidrocefalia, na verdade achavam que fosse um híbrido. fora a mandíbula que era menor, alguns detalhes que contradiziam um ser humano com hidrocefalia, mas ficou nesse impasse.

  17. Paulo C. Nogueira disse:

    DESVENDADO O MISTÉRIO DE ESQUELETO EXPOSTO EM MUSEU

    No mês de outubro de 2004,fomos procurados por diretores de um museu em Uberaba, dizendo-nos de um estranho esqueleto, que estava sendo confundido com a ossada de um extraterreno. A matéria publicada na imprensa dizia o seguinte: A população da cidade de Uberaba, cidade mineira de 350 mil habitantes, esta apreensiva pelo fato de um museu local expor entre milhares de outras peças, o esqueleto de um suposto extraterrestre. Trata-se do Museu de História Natural, Wilson Estevanovic, uma instituição particular que abriga também a Sociedade Astronômica de Uberaba, e tem em seu acervo, animais, múmias de pedras de todos os tipos. As duas entidades juntas, tem como objetivo levar a cultura e a ciência aos alunos da escolas da cidade. O museu pertence a família Estevanovic, de descendência russa, e seus ancestrais percorreram o mundo com o circo no fim do século 19, que continha também um museu e um teatro. Por onde passavam, ganhavam ou arrematavam peças, como múmias e pedras, esqueletos de animais, fósseis etc. Após sete anos de pesquisas,desvendamos o ministério do referido esqueleto.

    TUDO ESCLARECIDO POR UM EXPERIENTE PROFESSOR
    O prof. João Monteiro de Pina Neto, foi o profissional que contatamos sobre o esqueleto, que nos atendeu prontamente. Ele possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Pará (1972), mestrado em Genética pela Universidade de São Paulo (1975) e doutorado em Genética pela Universidade de São Paulo (1979). Atualmente é Professor Titular da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética Humana e Médica, atuando principalmente nos seguintes temas: genética médica, citogenética humana, aconselhamento genético e anomalias congênitas. Após examinar as fotos do esqueleto, ele escreveu.” Prezado Paulo com estas fotos fico mais certo de te afirmar que se trata de um feto de um ser humano terreno que apresenta uma doença genética dos ossos por mutação de um gene chamado FGFR3 que é um receptor do fator de crescimento de fibroblastos que é essencial para o crescimento do esqueleto. Com a mutação o gene pára de funcionar e origina esta doença que chama NANISNO TANATOFÓRICO associado com CRANIOSINOSTOSE grave forma de TREVO DE 3 FOLHAS. É produto provável de Mutação Nova. Tanatofórico vem de Thanatos = MORTE, pois é uma doença letal. Abraços do João M Pina Neto.
    Esta ai, o final de uma polêmica que durou 7 anos, o esqueleto de um suposto extraterreno, é na verdade o esqueleto de um ser humano.

    Paulo C. Nogueira- Jornalista – Uberaba-MG

  18. fabio disse:

    essa doença nao podia ser muito comum porque a maioria das doenças geneticas nao podem ter poder suficientes para expandir e retorcer ossos, entao esses(as) virus (bacterias) devem ter ido a açao em uma quantidade muito grande para mecher com ossos, mas de onde pode ter vido esses seres contaminadores? porque nunca se tinha um caso assim nao? entao sera que foi de proposito? sera que outro ser implantou todas aquelas donças na crianças? pense nisso vou TENTAR ver alguma coisa e resolver o caso dessas doenças. ah voces lembram do caso da preguiça desidratadra e com secreçoes? sera que tam alguma coisa relacionada? DESCROBIREI.

  19. Luciana Zacarias disse:

    Existe uma suposição muito equivocada nesse texto, ao qual me sinto na obrigação de esclarecer por ser parente da tal integrante da família, Veruska Estevanovic. O período em que ela iniciou os estudos de Biologia na UFBA foi por volta de 2004, portanto muitos anos após a múmia ser adquirida. Esse Alexandre Araújo deveria apurar melhor as datas e fatos, antes de sugerir uma informação caluniosa como essa. Em 1998 ela tinha 14 anos, ou seja, sequer idade para fazer uma graduação. Peço atualizem a matéria com essa observação e disponho-me para maiores esclarecimentos (sou jornalista também).

    • Alexandre Araújo disse:

      Luciana, minha afirmação é que a Múmia de Uberaba é a mesma criança com hidrocefalia que estava no Museu Estácio de Lima. Porém, como ela foi de um museu a outro, não sei. As peças do Museu Estácio de Lima, quando este foi fechado, passaram para outras instituições. Talvez tenha sido esse o caso. Ao comentar sobre uma possível conexão entre os museus na pessoa de Veruska Estevanovic, não pretendia acusá-la de ter adquirido ilegalmente um cadáver, ou ainda, que a posse da peça fosse ilegal. Minha suposição, e era mera suposição, se referia à doação legal de acervo entre um museu e outro, já que a peça estava danificada. Peço perdão se minha sugestão trouxe qualquer desconforto à Versuska. Não a conheço, e nem sabia sua idade. PORÉM, continuo afirmando que a suposta múmia de ET é na verdade a criança com hidrocefalia que esteve exposta no Museu Estácio de Lima, como minhas fotos comprovam. E não somente ela, mas encontrei outra peça no acervo do Museu Estevanovic, “a criança-gato”, que também pertenceu ao acervo do Museu Estácio de Lima. Também possuo fotografia dela. Sendo assim, se há ilicitude em todo esse caso é a divulgação de que essas peças tenham origem extraterrestre, quando na verdade são oriundas de um museu antropológico. E isso, eu tenho como provar através de fotografias.

  20. Luciana Zacarias disse:

    PS: E, como bem observou o Aécio Melo, esse tipo de observação pode ser motivo para um processo, porque vocês estão questionando a conduta moral de uma pessoa e sem provas.

  21. miguel costa disse:

    GENTE NÃO SEI O PQ DE TANTA MALDADE. ESTE SITE PERTENCE A ALGUEM QUE NASCEU PRA DAR O CONTRA TANTO QUE SE INTITULA CETICISMO ABERTO O PQ DE ALGUEM SE DEDICAR TANTO A DAR O CONTRA ESTRANHO ISTO, CONHEÇO A FAMILIA ESTEVANOVIC E AFIRMO QUE SÃO PESSOAS DE EXTREMA CONFIANÇA, HONESTA EM TODOS OS SENTIDOS E QUANDO EU SOUBE DA TAL CAIXA DEIXADA PELO PATRIACA DA FAMILIA NATASHA ERA APENAS UM CRIANÇA ESTE SITE ESTA TOTALMENTE EQUIVOOCADO ISTO NA VERDADE SE CHAMA INVEJA..
    POR OUTRO LADO PODE ATE SER QUE A OSSADA NÃO SEJA MESMO DE UM ET POREM GARANTO A VOCES QUE MUITO MENOS FOI DESVIADA DO TAL MUSEU NA BAHIA…….. O MUSEU DE HISTORIA NATURAL WILSON ESTEVANOVIC POSSUI UM ACERVO INCRIVEL E NÃO SE TRATA DE CIRCO E MESMO UM MUSEU QUE LUTA PARA SOBREVIVER DE FORMAS ARDUAS SEM APOIO BEM DIFERENTE DESTE SITE BARATO QUE VIVE DE PROPAGANDA VISITEM OS ESTEVANOVICS EM UBERABA VOCES VÃO SE SURPREENDER E SERAM RECEBIDOS COMO SE FOSSEM DA FAMILIA PQ ALEM DO MAIS SÃO UMA AUTENTICA FAMILIA MINEIRA……………………

  22. mineiro disse:

    é como a menina Veruska Estevanovic de 14 anos, estudava biologia em salvador? leviandade.
    e outra, estou encontrando varias fotos de sites ceticos ADULTERADAS. será este mais um caso? nao sou ufologo, nao pertenço a maluquice extra terrestre nenhuma, somente acho o assunto “interessante” e mais ainda quando tem briga. mas infelizmente os céticos tambem estão fazendo das suas. alguns “forjam” alterações para impor tambem sua “verdade”, assim como alguns “ufologos”.
    portanto se essas suas fotos forem verdadeiras, meus parabens, conseguiu chegar pelo menos em algum ponto de lucidez na tentativa de elucidar esse misterio. claro que não está completo.
    agora, se as fotos forem verdadeiras claro.

  23. Alexandre Araújo disse:

    As fotos não foram adulteradas, posso enviar a quem solicitar para análise. Quanto à aquisição da múmia pelo Museu Estevanovic, já me desculpei se a suposição de que Veruska Estevanovic tivesse sido o ponto de contato entre as duas instituições. Não pretendia acusá-la criminalmente, pois a suposição seria doação de acervo. Porém, não posso chamar de boa ética o Museu Estevanovic divulgar que a peça seja de origem extraterrestre. De certo, embora eu não possa provar, não sendo Veruska, alguém do Museu Estevanovic foi responsável pela aquisição da criança com hidrocefalia do Museu Estácio de Lima, e sabe sua verdadeira origem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *