Ceticismo no image

Published on julho 22nd, 2009 | by Kentaro Mori

23

No Limite de Realidade

de Susan Blackmore, original em inglês

Você já teve uma experiência na qual não conseguia saber com certeza se as coisas eram reais ou não? Não estou falando de sonhos comuns. Eles parecem reais quando acontecem mas você acorda e percebe que não são. Estou falando de experiências que são mais profundamente desconcertantes do que esta.

Talvez, em algum ponto de sua vida, você tenha se divertido ao brincar com seus próprios sonhos, como este homem que aprendeu como controlar seus sonhos quando era criança:

Eu tinha 10 anos e minha mãe tinha me tirado de meu pai (enquanto não acontecia o divórcio). Eu estava morando na casa dos meus avós e toda noite sonhava que caía de um penhasco. Eu sempre acordava no meio (acho que não preciso de um psicanalista para saber o significado disso!). Eu me decidi a terminar o sonho e encontrar o que aconteceria se eu chegasse ao chão. E acabei conseguindo. Seguiu-se uma ‘sensação’ de vazio – eu sei que isso parece uma contradição mas não consigo pensar em outra maneira de descrever. Eu parei de ter aquele sonho específico mas desde então consigo controlar meus sonhos. Por exemplo, freqüentemente eu acordo no meio de um sonho agradável de manhã e deliberadamente volto a dormir para terminá-lo da maneira que desejo.

Se você aprendeu a controlar seus sonhos, também pode ter tido a experiência de perceber durante o sonho que está sonhando. É como se você fosse ficando consciente durante o sonho e isso pode dar uma sensação extasiante de estar no comando do sonho. Isso se chama "sonho lúcido", e experiências mostram que as pessoas estão realmente dormindo e sonhando quando isso acontece. Algo em torno de 40% das pessoas alegam ter tido essa experiência (embora as pesquisas variem consideravelmente), que é ligada a sonhos de vôo e de queda.

Ou você pode ser uma das aproximadamente 15% das pessoas que tiveram uma experiência de ‘projeção astral’. Você sente que deixou o próprio corpo e pode viajar por aí, voando pelo campo ou visitando um amigo perdido há muito tempo. Mas você sempre se pergunta: isso é real? A grama e os campos lá embaixo parecem absolutamente reais – ainda mais que na vida comum, mas não tem algo errado com isso tudo? Você provavelmente percebe que não consegue ler ou ver claramente objetos pequenos, e certamente não consegue abrir a porta ou acender a luz. Ou você pode ter tido um acidente ou um choque terrível, ou mesmo se aproximado da morte, e se sentiu arrastado ou propelido por um túnel escuro em direção a uma luz maravilhosa e um outro mundo.

Muita pesquisa foi feita para compreender como tais experiências podem acontecer e o que se passa no cérebro para explicá-las. Entretanto, há algumas experiências mais simples e mais sutis que estão disponíveis a quase todos nós mas que praticamente não foram pesquisadas. Por muitos anos eu tenho coletado os relatos que me mandam. Os resultados me surpreenderam. Longe de serem as coisas estranhas que você pode imaginar, esses estados curiosos são extremamente comuns. A maioria de nós fala como se estivéssemos absolutamente certos de saber diferenciar a realidade da imaginação – não estamos ficando loucos – nós temos os pés plantados firmemente no chão. Mas investigue um pouquinho mais e a maioria das pessoas admitirá que, às vezes, não tinha tanta certeza assim.

Hoje vou falar sobre apenas duas dessas estranhas experiências. Muitos de vocês podem tê-las experimentado. Se não é o caso, você provavelmente achará que eu sou tão estranha como as pessoas de que estou falando, mas se você já experimentou alguma delas então as reconhecerá e imediatamente pensará "ah é, é bem isso o que me aconteceu ".

Falso Despertar

Falso despertar é quando você sonha que acordou – embora na verdade ainda esteja dormindo. Pode ser realmente desconcertante, e até estressante. Você pode se convencer de que fez várias coisas quando na verdade não fez, como uma aluna minha que sonhou que tinha levantado, escovado os dentes, tomado o café da manhã, ido de bicicleta subindo uma ladeira íngreme até a universidade, e depois percebeu que estava ainda na cama e tinha que fazer tudo de novo – de verdade.

Isso pode ser divertido, mas alguns falsos despertares não são tão engraçados – como este:

Eu tive um em que senti uma presença em meu quarto. Eu pensei que estava acordado na hora e me deu um medo enorme. Eu podia sentir alguma coisa tentando me fazer virar na cama. Eu abri os olhos e estava muito escuro mas notei que minha cama estava no lado oposto do quarto e de repente eu percebi que eu já conseguia acordar.

Em uma recente análise de experiências das crianças, eu perguntei a 126 crianças de 8 a 13 anos "você já pensou que tinha acordado e percebeu que estava sonhando que tinha acordado?" Para minha surpresa, 57% responderam que sim. Naturalmente que é difícil saber quão bem elas entenderam a pergunta e quão boa era sua memória para essas experiências; entretanto, esse é um número enorme, e diversas crianças forneceram descrições que cabem perfeitamente na definição.

Às vezes as pessoas acordam espontaneamente deste tipo de sonho. Às vezes notam algo estranho no quarto, como um interruptor de luz que não funciona bem, um objeto familiar da cor errada, ou um tipo meio assustador de luz ou brilho nas coisas. Isso pode levá-las a se perguntar "isso é um sonho?" e esse é o caminho, ou para um sonho lúcido (saber que se está sonhando ao invés de achar que é real), ou para acordar.

Em uma pesquisa paralela de 224 estudantes universitários de primeiro ano, eu descobri que 83% afirmaram terem tido falso despertar. Tanto em crianças como em adultos, as pessoas que relataram falso despertar também tinham maior probabilidade de ter tido paralisia do sono. Os adultos relataram mais freqüentemente ambas essas experiências enquanto as crianças relataram mais freqüentemente ver fantasmas, luzes estranhas em seus quartos ou em outro lugar, e ver UFOs.

Às vezes recebo relatos do que as pessoas acham ser experiências mediúnicas ou paranormais mas que mais se parecem com um falso despertar. Eis um exemplo.

Em 1983 o vigário tocou a campainha de casa e me perguntou se eu iria à comunhão às 8 da manhã do dia seguinte por causa do dia de Santa Teresa de Ávila. Eu aceitei com satisfação porque ela é uma das minhas santas favoritas.

Eu ajustei o alarme para as sete e meia, mas como tinha ido tarde para a cama, ainda estava com muito sono quando o alarme tocou e decidi dormir mais alguns minutos… isso foi fatal porque entrei em um sono profundo.

Durante esse tempo eu tive um sonho em duas partes (é claro que eu não sabia que era um sonho). Na segunda parte eu ouvi o telefone tocar no parapeito da janela do andar de baixo. Eu saí da cama para atender e fiquei irritada quando escutei o telefone sendo tirado do gancho (quem estava casa tão cedo?). Eu olhei por cima do corrimão e vi uma senhora de meia-idade vestida de cinza, com cabelo grisalho preso atrás. Ela estava falando no telefone… ‘Ah, é você pai! Sim! Mmm!’ – então ainda segurando o telefone e virando ao máximo o pescoço para olhar para mim, disse em uma voz muito contundente e doce, ‘você vai à igreja de manhã?’

Meus olhos se abriram de repente – meu relógio mostrava 7:52 (felizmente estava 2 minutos adiantado) então pulei da cama, me lavei, me vesti e corri para a igreja (a 3 minutos dali) bem na hora para a missa… de qualquer maneira isso demorou alguns minutos já que um empreiteiro entrou comigo na igreja pois queria a chave do salão da paróquia porque ele estava fazendo algumas reformas que começariam às oito da manhã (isso confirmou parte do meu sonho).

Contando isso a um amiga entendida em coisas espirituais, ela disse ter certeza de que a senhora era a própria Santa Teresa. Foi quando eu lembrei que enquanto ela falava comigo eu notei uma área preta por causa da deterioração em um dos dentes da frente. Biógrafos afirmam que em seus últimos dias, os dentes da santa estavam deterioradas até as raízes mas que seu hálito nunca era desagradável – uma deliciosa fragrância encantadora exalava de sua boca.

Mas quem estaria falando no outro lado da linha? Enquanto pensava sobre isso eu me lembrei de um vigário (Frei Totterdell) que ficou conosco por 2 anos antes de morrer e que costumava me ligar todos os dias às 7:15 para que eu chegasse às 7:30 para a comunhão (eu tinha faltado uma manhã porque o alarme não tinha tocado). Eu costumava deixar o telefone tocar três vezes e não atender, claro. Portanto tenho certeza de que era ele.

Esta senhora claramente queria encontrar uma explicação para sua estranha experiência. Concluiu que foi visitada pelos espíritos de uma santa e de um vigário. À medida que aprendemos mais sobre estados do limite da consciência, penso que outras explicações se tornam mais prováveis.

Paralisia do Sono

No sono normal durante o qual que se sonha, o cérebro está muito ativo, os olhos se movem rapidamente (este estágio é chamado REM, Rapid Eye Movement, ou MRO, Movimento Rápido dos Olhos) e todos os principais músculos corporais estão paralisados. Não estão rígidos e contraídos, mas muito relaxados. Estão paralisados porque os sinais que vêm do cérebro são incapazes de estimulá-los a se contrair. Essa paralisia é necessária porque se não fosse assim você atuaria fisicamente nos seus sonhos.

Normalmente as pessoas nem percebem conscientemente a paralisia. Entretanto, ocasionalmente algo dá errado com o mecanismo, por exemplo se você está muito cansado, se trabalhou demais, se está excitado ou preocupado. Aí você pode ficar paralisado antes de estar realmente adormecido, ou acordar e ainda encontrar-se paralisado por estar sonhando. Isto é chamado de "paralisia do sono".

Eis aqui um relato simples mas típico de alguém que experimenta freqüentemente essa sensação estranha.

De repente eu noto que estou parcialmente acordado, posso ouvir ruídos, posso até tentar falar, mas não consigo mover absolutamente nenhuma parte do meu corpo. Infelizmente, eu sei que se conseguir entrar em sono profundo de novo, tudo fica bem, mas há um sentimento de pânico completo de que se eu fizer isso eu morro e é por puro esforço mental que eu me faço acordar – me sentindo quase exausto pelo esforço.

Embora a paralisia do sono seja conhecida há muitos anos, existe muito pouca pesquisa sobre ela. Por exemplo, há evidências de que pessoas que sofrem de paralisia do sono são bem ajustadas psicologicamente, e não há nenhuma evidência de patologia ou doença associadas a ela. Um estudo japonês descobriu que 40% das pessoas alegavam tê-la experimentado e os investigadores desenvolveram uma maneira de induzir a paralisia no laboratório. Em meus experimentos, descobri que 34% das crianças e 46% dos adultos relatavam tê-la experimentado, e a proximidade com os números deles nos dá maior segurança. Entretanto, há muito poucos estudos e não sabemos ao certo quantas pessoas têm essa experiência, quem a tem, sob que circunstâncias ou o que pode ser feito para estimulá-la ou impedi-la.

Muitas culturas têm o que se chamada de mitos da paralisia do sono. Por exemplo, as pessoas de Newfoundland, no Canadá, descrevem uma "bruxa velha" que aparece de noite e se senta sobre o peito das pessoas, impedindo-as de se mover, e os vietnamitas têm um "fantasma cinza". Os íncubus e súcubus medievais eram os demônios que vinham à noite e seduziam pessoas inocentes. Imagina-se que sejam casos de paralisia do sono, como as histórias de abduções por fadas e changelings1. Hoje em dia mais provavelmente as pessoas vão relatar que apareceu um ET de um metro e vinte de altura com grandes olhos amendoados, pretos e enviesados que as tirou do quarto à noite e levou a uma espaçonave onde foram operadas ou sexualmente manipuladas e devolvidas na cama tendo misteriosamente sumido uma hora ou duas de tempo. Poderiam as abduções por ETs ser nosso equivalente moderno do mito da paralisia do sono?

Foi o que eu sugeri em uma recente revista de ufologia e tenho sido desde então inundada por cartas fascinantes de pessoas que experimentaram a paralisia do sono e não sabiam. Muitas parecem estar extremamente aliviados porque enfim descobriram o que lhes aconteceu. Diversas chegaram até a pedir ajuda a médicos mas não encontraram ninguém que soubesse o que era paralisia do sono.

Até agora coletamos aproximadamente cem descrições dessa experiência e alguns achados notáveis estão começando a emergir. Há determinadas características que surgem repetidas vezes. Por exemplo, existem os estranhos ruídos de pessoas se lamentando, ou sons que parecem provir e máquinas ou murmúrios. Um descreveu "gritos altos e gargalhadas agudas" e outro disse "escutei um ruído retumbante em minha cabeça: como se fosse devido a alta pressão sangüínea".

E existem as vibrações. As pessoas as descrevem de muitas maneiras diferentes mas estão obviamente tentando descrever a mesma idéia quando falam de sacudir ou vibrar. Um indivíduo diz que "era como se meu corpo inteiro vibrasse em alta freqüência e eu sentia até os meus dentes vibrarem junto". Outro diz que "uma estranha vibração profunda tomou o meu ser e literalmente me virou do avesso".

Outras características comuns incluem luzes estranhas vistas no quarto. Elas podem estar piscando, ser estrelas pequenas, ou objetos brilhantes. Em nossa pesquisa perguntamos "você já viu luzes ou bolas de luz incomuns em um quarto sem saber o que as causava, ou de onde vinham?". Essa pergunta se baseou em uma famosa pesquisa de opinião da Roper em 1992, que concluiu que quase 4 milhões de americanos tinham sido seqüestrados por ETs. 8% dos adultos entrevistados tinham visto as luzes e isso foi interpretado como sugerindo que eles tinham sido seqüestrados. Em minha pesquisa, ainda mais pessoas relataram essas luzes; 17% dos adultos e 28% das crianças. Entretanto, isso não parece tão surpreendente agora que sabemos as luzes estranhas são comuns durante a paralisia do sono.

A paralisia do sono também é freqüentemente acompanhada pela forte sensação de que existe mais alguém com você – apesar de você não vê-lo, vê-la ou ver aquilo. Uma dessas pessoas explicou que "depois de alguns minutos parecia que eu acordava de novo… e percebia que algo ou alguém estava em meu peito, me prendendo, enquanto uma segunda entidade corria pelo meu quarto, fazendo gozações sobre mim". Uma mulher de 28 anos explicou que sofreu com a paralisia do sono desde a infância e a que ela ainda a assusta. Uma vez ela sentiu como se fosse agarrada por trás pela cintura e jogada 15 metros acima. Ela sentiu até mesmo os dedos a apertando. Em uma outra ocasião algo a agarrou pelo peito e empurrou suas costas contra a cama. Recebemos muitas descrições de pessoas que se sentem pressionadas, esmagadas ou puxadas, sentem uma pessoa invisível se sentar na cama, ou até vêem a roupa de cama ser movida ou pressionada.

Uma outra mulher descreveu assim a pior de suas muitas experiências de paralisia do sono:

Eu acordei e vi um vulto alto e preto no pé de minha cama puxando meus pés pelas cobertas. Eu o sentia me puxando da cama e consegui gritar por entre os dentes cerrados, soando mais como o relinchar de um cavalo aterrorizado do que como um ser humano. Desta vez meu marido ouviu, se inclinou e bateu no meu ombro dizendo "cala a boca". Aí eu acordei de fato.

Sabe-se que a sensação de presença pode ser criada estimulando os lobos temporais do cérebro. Eles estão acima das orelhas em ambos os lados do cérebro e lidam com a integração entre memória e experiência, com a imagem do corpo e muitas outras funções. Epilépticos freqüentemente têm o foco dos seus ataques nesta área do cérebro. Estimular o lobo temporal (por exemplo, com eletrodos ou com campos magnéticos) pode causar experiências de projeção astral, experiências místicas, sensações de flutuar e voar e também a sensação de que há alguém com você – mesmo que você não possa ver nada. O lobo temporal é especialmente ativo durante certas fases do sono e assim pode haver uma conexão aqui com a paralisia do sono.

Algumas pessoas também têm lobos temporais muito mais instáveis do que outras. O que é chamado de "instabilidade do lobo temporal" pode ser medido, e as pessoas com altos graus nessa escala (com os lobos temporais instáveis ou altamente ativos) tendem a ser mais artísticas. Relatam mais freqüentemente experiências de déjà vu, místicas, mediúnicas e de projeção astral, e têm mais freqüentemente amigos imaginários na infância. Ainda não está claro qual a conexão com paralisia do sono ou se os fenômenos do lobo temporal podem ser responsáveis pela sensação de presença e pelas criaturas estranhas.

Uma pergunta fascinante surge aqui. A pessoa está realmente acordada, com os olhos abertos, olhando de fato para o quarto e tendo uma alucinação a respeito da criatura? Ou é tudo sonho? O fato de que as pessoas parecem ver seus quartos normalmente e podem ouvir ruídos na rua ou no rádio sugerem que estão acordados, mas elas ainda pode estar com olhos fechados e tendo uma alucinação da cena inteira – o quarto incluído.

Está aqui um caso para ilustrar o problema. Uma mulher de Middlesex contou sua primeira experiência de 53 anos atrás quando tinha 17 anos e era uma enfermeira em período de experiência na primeira jornada do turno da noite.

Naquela noite em especial eu fui para o banheiro da equipe de funcionários às duas da manhã e me aconcheguei em uma cadeira confortável pelas duas horas a que tinha direito. Para mim sempre foi difícil relaxar o suficiente para dormir mas eu conseguia tirar umas sonequinhas. Entretanto, nesta ocasião eu dormi. Eu acordei com a luz sendo ligada e pela Irmã da noite chegando com a consultora sênior. Para meu horror eu era incapaz de mover-me ou falar enquanto elas cruzavam o quarto para discutir sobre um paciente. Naquela época as enfermeiras que estivessem sentadas sempre se levantavam quando um médico ou funcionário mais velho entrava no recinto. Por isso fiquei realmente tomada de pânico mas elas aparentemente não me notaram e logo saíram do quarto. Quando eu dei por mim, estava acordando sacudida por um colega que disse que era hora de voltar ao serviço. Quando eu cheguei na sala de trabalho eu estava tremendo e me desculpei com a Irmã e expliquei sobre a paralisia. Houve um silêncio de espanto e de repente ela sorriu e disse que ninguém tinha ido ao quarto enquanto eu estava dormindo e que o que eu tinha experimentado era provavelmente a Paralisia das Enfermeiras da Noite.

Esta enfermeira claramente teve uma alucinação com a Irmã e a consultora mas ela estava lá sentada e paralisada com os olhos fixamente abertos, como lhe pareceu, ou a cena toda foi sonhada? A única maneira de descobrir deveria ser observando a paralisia do sono no laboratório ou acoplando instrumentos de gravação nas pessoas que os têm freqüentemente em casa. Esta deve ser a etapa seguinte em nossa pesquisa.

Nós também estamos interessados em ajudar pessoas atemorizadas por suas experiências. De todas as pessoas que nos contaram como pararam de ter medo, a maioria disse que ajuda relaxar, esquecer tudo e esperar até acabar. Lutar contra a paralisia parece apenas piorá-la, e tentar respirar mais fundo faz você sentir-se como se estivesse sendo sufocado (é melhor deixar em paz seu controle respiratório automático nesse estado!) e tentar gritar no máximo lhe causará uma garganta doendo. Se você conseguir relaxar, a paralisia se dissolverá por si só em alguns segundos ou minutos.

Entretanto, para muitas pessoas esse conselho é totalmente irrealista. Elas estão com tanto medo que relaxar está completamente fora de cogitação. E de fato para algumas pessoas parece que simplesmente não funciona. Para elas, parece que a melhor maneira é tentar, com muito cuidado, mover apenas uma coisa. Algumas crianças dizem que aprenderam a dobrar o dedo mínimo, ou um dedo do pé. Outros tentaram mover o nariz ou piscar com força. Por isso, se você não conseguir relaxar, tente deixar todo o resto parado e se concentrar em um pequeno movimento.

Finalmente, algumas pessoas definitivamente adoram a experiência e tentam induzi-la de propósito. Isto pode levar a sensações de projeção astral, de flutuar, voar e outras experiências agradáveis. Por isso, se você quiser explorar seu próprio mundo interior, esta é uma maneira sem drogas, sem dor e fascinante de fazê-lo – enquanto os ogros e os duendes não te pegarem!

***

Ensaio apresentado no Festival Anual de Ciência da British Association em Birmingham, 10 de Setembro 1996. Tema: A Psicologia da Experiência Anômala

Notas

1 – Segundo a lenda, fadas às vezes raptam adultos e os levam para o seu reino. Elas também roubariam bebês, deixando no lugar os filhos deformados ou imbecis que tivessem, que seriam os changelings.

Tags: , ,


About the Author

+



23 Responses to No Limite de Realidade

  1. Jesa Nideck says:

    Todas essas explicações são imcompletas, vejo que nada sabem sobre os sonhos, a visão que colocam aqui é puramente materialista.
    A complexidade dos sonhos é tão grande, que somente mergulhando no infinitamente pequeno e dominando e entendendo o infinitamente pequeno, serão capazes de chegar perto de alguma conclusão provada.
    Nada sabem só especulam em favor do materialismo e do ceticismo.
    Bizarro.

  2. Jesa Nideck says:

    digo incompletas e especulativas.

  3. Jesa Nideck says:

    Dizem que o sonho é um efeito da imaginação, mas não explicam o que é imaginação, nem como produz essas imagens tão claras e as vezes tão reais; é explicar uma coisa que não é conhecida por uma outra também desconhecida e a questão permanece toda inteira. É, diz-se, uma lembrança das preocupações da vigilia; mas adimitindo mesmo esta solução, restaria ainda saber qual é esse espelho mágico que assim conserve a impresão das coisas; como explicar sobretudo, essas visões de coisas reais que jamais se virão em estado de vigília, e aqueles mesmo que jamais se pensou?
    Os sábios desdenharam de ocuparem-se com a alucinação; seja ela real ou não, não deixa de ser um fenômeno que a fisiologia deve poder explicar, sob pena de reconhecer sua insuficiência. Se um dia um sábio empreender dar-lhe, não uma definição, entendemo-nos bem, mas uma explicação conclusiva fisiológica, veremos se sua teoria resolve todos os casos; que não omita, sobretudo, os fatos tão comuns de aparições de pessoas no momento de sua morte; que diga de onde vem a coincidência da aparição com a morte da pessoa; se fosse um fato isolado, poder-se-ia atribuí-lo ao acaso; mas, como é muito frequente, o acaso não tem essas reincidências.Se aquele que vê a aparição ainda tivesse a imaginação imprecionada pela ideia de que a pessoa deve morrer, seja; mas, frequentemente, a que aparece é aquela com quem ele menos sonha: portanto, a imaginação nada tem com isso.Pode-se explicar ainda menos pela imaginação as circunstâncias da morte da qual não se tem nenhuma idéia.Os alucinacionistas dirão que a alma ( se é que admitem uma alma) tem momentos de super exitação em que suas faculdades estão exaltadas, estamos de acordo; mas quando aquilo que ela vê é real, não é, pois, uma ilusão. Se, na sua exaltação, a alma vê uma coisa que não está presente, é, portanto, que ela se transporta; mas se nossa alma pode se transportar até uma pessoa ausente, por que a alma dessa pessoa não se transporta até nós? Que, em sua teoria da alucinação, queiram ter em conta estes fatos, e não se esqueçam de que uma teoria à qual se pode opor fatos contrários é, necessariamente, falsa ou imcompleta.
    À espera de suas explicações, vamos tentar emitir algumas ideias a esse respeito.
    Os fatos mostram que há verdadeiras aparições, as quais a teoria espírita explica perfeitamente, e que só podem ser negadas por aqueles que nada admitem fora do organismo; mas, ao lado das visões reais, há alucinações no sentido ligado a essa palavra? Isso não é duvidoso. Qual é sua origem? São os espíritos que vão nos colocar na pista, porque a explicação nos parece inteiramente contidas nas respostas dadas às questões seguintes:

    As visões são sempre reais ou, algumas vezes são o efeito da imaginação? Quando se vê em sonho, uma criatura horrível, por exemplo, ou outras coisas fantásticas que não existem, isso não é um produto da imaginação?

    SIM, algumas vezes,quando se está impressionado por certas leituras, ou filmes,se se as recorda, pode-se crer ver o que não existe. Mas dissemos tambem que o espírito, sob seu envoltório semimaterial, pode tomar todas as espécies de formas para se manifestar. Um espírito zombeteiro pode pois, aparecer com chifres e garras se isso lhe apraz, para se divertir com a credulidade, como um Bom Espírito pode se mostrar com asas e uma figura radiosa.

    Podem-se considerar como sendo aparições as figuras e outras imagens que se apresentam, frequentemente, no semi-sono, ou simplesmente quando se fecham os olhos?

    desde que os sentidos se entorpecem, o Espírito se desliga e pode ver ao longe ou perto aquilo que não podia ver com os olhos. Amiúde essas imagens são visões, mas podem ser tambem um efeito de impressão que a visão de certos objetos ou imagens dexou no cérebro que lhes conservou os traços como conserva os sons. O Espírito liberto vê,então, em seu próprio cérebro, as impressões que nele se fixaram como um filme. Sua variedade e sua mistura formam os conjuntos bizarros e fugidios que se apagam quase que imediatamente, malgrado os esforços que se façam para retêlos. A uma causa semelhante é preciso atribuir certas aparições fantásticas que nada tem de real e que frequentemente, se produzem no estado de enfermidade.

  4. Jesa Nideck says:

    Tenho 45 anos e tenho essa “” paralizia do sono “” AS vezes boas e as vezes ruins. Quando é algo malígno, pode até parecer ridículo mas funciona.
    pense com firmesa O SANGUE DE JESUS TEM PODER!!!

  5. Jesa Nideck says:

    PARALISIA DO SONO OU TRANSE? OU UMA PORTA PARA UMA OUTRA DIMENSÃO?

    NOSSA CONSCIÊNCIA É UMA COISA, NOSSO CORPO É OUTRA.

    ESQUEÇA SEU CORPO E MEGULHE COM SUA ALMA, SEJA CORAJOSO, NÃO LUTE CONTRA ESSA FORÇA E VOCÊ ENTRARÁ NO MUNDO DOS ESPÍRITOS.
    ESPERO QUE VOCÊ SEJA BOM E JUSTO, CASO CONTRÁRIO VOCÊ SE ARREPENDERÁ TERRÍVELMENTE.

  6. Martini says:

    eu tenho este problema! logo conforme passa o tempo vou conseguindo lidar com a coisa movendo sim o calcanhar por exemplo com muita força eu consigo voltar a consciência também não é fácil manter a calma quando você percebe q está consciente mas sem poder mexer o corpo isso me acontece pelo menos comigo por que eu não durmo direito! as vezes quando me acontece eu tenho alucinações e finalmente acordo e consigo mexer o corpo me dá um a fadiga intensa! fora a sensação de meu corpo estar ficando muito quente rapidamente… e também o medo de dormir depois e acontecer a mesma coisa.

    OBS: Seu artigo tem comentários estranhos, rsrs…

  7. Renato says:

    Interessante como tem tanta gente falando merda espiritual no ceticismoaberto.com
    Podiam dar uma limpada nisso tudo aqui.

    Queria perguntar se essa experiencia pode acontece em menor escala, exemplo, so com um braço ou com outra parte do corpo…

    É sim um jeito de se conhecer, mas envolve muito panico e dor, melhor usar as drogas galera, é mais tranquilo.

    • Jesa Nideck says:

      Acontece comigo
      exemplo:
      Estou com sono, olho no relógio são 12:30 hs
      Um zumbido muito forte, não é no meu ouvido, esse som é muito forte , entro em transe, não consigo me mexer, saio do corpo, agora estou com muito medo, vejo coisas, pessoas lugares, depende do dia, as vezes vejo coisas boas , as vezes ruins, luto com todas minhas forças para voltar e penso bem forte ” o sangue de Jesus tem poder, então eu volto olho no relógio … São 12:30 hs não entendo! Por que?
      As vezes demora muito tempo pra acontecer de novo, até anos, as vezes acontece várias vezes em uma semana!
      Só sei que pra isso acontecer, eu tenho que apagar a luz, no claro não acontecem Tenho medo de dormir no escuro desde então.
      OBS: TUDO É REAL !

  8. ALiiEN says:

    nessa, ultima semana em meu serviço depois do almoço eu resolvi tira um cochilo.. n sei se era por estar cansado ma, em alguns momentos eu tentava acordar e n conseguia,eu ouvia tudo que acontecia ao redor mas n conseguia abris os olhos quanto mais tentava mas parecia que n ia acordar a o esforço mental foi tanta que eu consegui acordar, parecia tudo normal sentia tudo ouvia tudo como se estivesse acordado mesmo mas percebi que as coisas estavam diferentes o lugar que estava n era igual, quanto mais percebia as diferenças do ambiente minha visao começava a ficar distorcia ate que percebi que ainda n tinha acordado..mas o mais estranho e que isso acontecia diversas vezes.era como se eu tive-se entrado em outra realidade.

  9. lucia says:

    Eu tenho um sonho ou pesadelo, que se repete a alguns anos, sempre que estou quase a dormir as vezes dormindo tenho a sensação que algo me aperta e não consigo me mover ou gritar, é uma sensação horrivel, mesmo desesperador, as vezes quando estou muito cansada e aquele cochilo dorme/acorda tenho a sensação que irá acontecer e as vezes me desperto e tenho medo de dormir e me levando para passar o sono.

  10. Alessandra says:

    comecei a ter a paralisia do sono com uns 15 anos, agora estou cm 18. denho varias vezes, as vezes umas 4 antes de dormi e algumas qdo acordo no meio da madruga, mais no dia 14/09/2011 foi mt diferente: acordei e fui ao banheiro ao voltar e deitar na cama tive medo( tenho medo de escuro ate hj) ai tive a sensação de nao conseguir dormi e comecei a chamar a minha mae( durmo no msm quarto que ela) ela me respondia e me dava sermão – a vai dormi, para d enche meu saco, vc tb fica o tempo td no celular……- ai eu comecei a cantar um hino pra ver se dava sono, qdo derrepende eu chamei a minha mae e ela disse: oie – ai eu flei mae vc tava conversando cmg ela disse nao qdo é assim vc tava sonhando – mais pra mim nao tava sonhando eu tava acordada pq foi mt real mesmo, ai eu fqei cm mt medo e fui deita cm ela, mais isso continuo acontecendo – parecia qe eu sai do meu corpo fui ´pra fora de casa e comecei a voar. teve mt coisa que aconteceu, esse episodio vc novo pra mim e eu estou cm medo, mais eu nao sei o que que deve ser, é diferente de paralisia!

  11. LEIDIANY says:

    EU TIVE UMA EXPERIÊNCIA QUE ATÉ HOJE ME ASSUSTA, cheguei do trabalho com muita dor de cabeça,tomei um remédio e fui deitar, quando percebi dois homens vestidos de branco no meu quarto (como médicos), um estava na minha frente serrando minha testa como se estivesse fazendo um cirurgia,enquanto o outro estava do meu lado direito pedindo para eu ficar tranquila, tive tanto medo que comecei a orar e pedir a deus para me proteger, pois durante toda a cirurgia tive a sensação que está acordada, quando eu realmente acordei não senti nenhuma dor, mas tão somente uma paz profunda misturada com medo. Entretanto, essa cirurgia não curou a dores de cabeça que sinto constantemente.
    Ademais,vale ressaltar, que já passei por todas as experiências do sono supracitadas.

  12. Daniela says:

    Experimento estas sensações desde muito moça! Em minha família que é grande, quase todos já passaram e passam pela paralisia do sono, com histórias incríveis! Sempre comentamos entre nós, e percebemos que com o tempo aprendemos lidar melhor com o medo e tensão que a paralisia nos levava. Hoje, ainda tenho medo, mas procuro enfrentar a situação e buscar mais consciência no que acontece,tento perceber as perturbações e sei que vai passar,embora em minhas fantasias pense que vai haver um dia que não conseguirei mais sair da letargia. Penso também que isto possa ser uma prévia do cérebro ou do espírito para nos preparar para “a viagem”.Por não haver explicações é que também especulo.Já vi filmes que descreveram exatamente o que já senti. Por exemplo em ” Ghost”, quando o personagem é baleado, e vê tudo que acontece,sem sucesso de voltar e reanimar seu corpo que vê caído.Enfim, é bom saber que tem outras pessoas que sentem tudo isto também, porque assim pensamos que estamos mais perto da “normalidade” .Quanto a”viagem astral”,relaxem e ” deixem se ir “…é bem diferente,é muito prazeroso.

  13. Juliana says:

    Eu sempre tenho essas experiências de Paralisia do sono,mas uma que sonhei há uns 4 anos me assusta até hoje…No meu sonho eu acordava e ficava deitada,porém eu via tudo como na realidade:os objetos,a claridade vindo da porta.Então eu via minha porta abrir e fechar,mas não conseguia ver ninguém.Foi quando algo,me segurou na cama e não deixava me mexer.E eu tinha sensação de estar sendo presa e pressionada contra a cama.Eu começava rezar no sonho,até que consegui acordar…Foi horrível!!

  14. silvania says:

    Eu tambem tenho essa paralisia do sono, e os meus cinco irmaos tambem, e horrivel, e um tipo de transe, consigo escutar e ver tudo, mais nao consigo me mexer, meu corpo todo fica arrepiado e eu sinto uma presenca horrivel , como se tivesse alguma coisa querendo muito entrar no meu corpo, ai eu oro a Deus, e faco um esfosso muito grande para despertar. e uma experiencia assustadora, e bom saber que outras pessoa tambem tem isso.

  15. micael de Oliveira vilas says:

    Eu tenho passado e passo até hoje está esperiencia, Mas graças a Deus que sigo a cristo. Muitas vezes eu sinto sair do corpo e voltar novamente. Muitas vezes eu sinto como se tivesse alguem presente. Na hora eu tento disernir se e do bem ou do mal e fica dificil. E la mesmo e real demais e muito interesante vc está quociente vc sabe que seu corpo está dormecido. Quando o Homem teme ao SENHOR DEUS. Os anjos acampa ao redor protejendo Jesus está vivo ele nos obeseva 24 horas tudo está diante dele. Eu ja senti a presença do espirito santo ja apertou a minha mao por muitas vezes. Estou dizendo a verdade. Se vc pedir alguma coisa o senhor Jesus ouve tudo e te atende. Eu ja vim esta noite passada um ser vestido de branco eu vi as maos dele pegando a minha mao e me ajundando e muito imprecionante. Eu ja senti um ser mal me enforcando querendo me matar. Mas eu clamei por jesus ele sumiu. Quando vcs tiverem paralizia do sono quando vc se sentirse prezo usa a cociencia na hora e clama por Jesus. pode clamar JESUS! JESUS. Ele te alivia na hora. O Senhor está com vc todos os dias. Muito obrigado!

  16. micael de Oliveira vilas says:

    Eu tenho passado e passo até hoje está esperiencia, Mas graças a Deus que sigo a cristo. Muitas vezes eu sinto sair do corpo e voltar novamente. Muitas vezes eu sinto como se tivesse alguem presente. Na hora eu tento disernir se e do bem ou do mal e fica dificil. E la mesmo e real demais e muito interesante vc está quociente vc sabe que seu corpo está dormecido. Quando o Homem teme ao SENHOR DEUS. Os anjos acampa ao redor protejendo Jesus está vivo ele nos obeseva 24 horas tudo está diante dele. Eu ja senti a presença do espirito santo ja apertou a minha mao por muitas vezes. Estou dizendo a verdade. Se vc pedir alguma coisa o senhor Jesus ouve tudo e te atende. Eu ja vim esta noite passada um ser vestido de branco eu vi as maos dele pegando a minha mao e me ajundando e muito imprecionante.

  17. Jesa Nideck says:

    Acontece comigo
    exemplo:
    Estou com sono, olho no relógio são 12:30 hs
    Um zumbido muito forte, não é no meu ouvido, esse som é muito forte , entro em transe, não consigo me mexer, saio do corpo, agora estou com muito medo, vejo coisas, pessoas lugares, depende do dia, as vezes vejo coisas boas , as vezes ruins, luto com todas minhas forças para voltar e penso bem forte ” o sangue de Jesus tem poder, então eu volto olho no relógio … São 12:30 hs não entendo! Por que?
    As vezes demora muito tempo pra acontecer de novo, até anos, as vezes acontece várias vezes em uma semana!
    Só sei que pra isso acontecer, eu tenho que apagar a luz, no claro não acontecem Tenho medo de dormir no escuro desde então.
    OBS: TUDO É REAL !

  18. jesa nideck says:

    O sonho, o irmão do sono, é um estado psicofisiológico que nos agita enquanto temos os olhos fechados.

    Aleméon, de Crotona, chamou-lhe “o receptáculo do pensamento”.
    Marguerite Yourcenar declarou que, “o espírito de quem nunca sonhou seria puramente igual a um quarto a que faltasse a abertura mágica de um espelho”.
    Erick Fromm afirma que “o inconsciente só o é em relação ao estado normal de actividade” e que “são simplesmente estados mentais diversos, que se referem às modalidades existenciais diferentes.”
    Para Freud, o sonho relaciona-se com o passado e o presente de quem sonha e origina-se a partir de regiões desconhecidas no interior. Para ele, os sonhos seriam a realização de um desejo inconsciente que o indivíduo não conseguiria realizar durante a vigília.
    A escritura Sagrada refere-se frequentemente a visões nocturnas, existindo a oniromância – a explicação dos sonhos – desde a antiguidade. Lá vem escrito no livro de Job: «Durante os sonhos, nas visões da noite, quando os homens estão cheios de sono e dormem nos seus leitos, é então que Deus lhes abre os ouvidos e os adverte e instrui do que devem saber, para assim os afastar do mal que fazem e livrá-los do orgulho – para afastar a corrupção da sua alma e salvar-lhes a vida da espada que a ameaça».
    Toda a gente conhece o sonho tido pelo Faraó do Egipto – as sete vacas gordas e as sete vacas magras pastando nas margens do Nilo – a definição que dele deu José, salvando assim, a sua vida.
    Entre os egípcios existia um explicador oficial, a que por isso, chamaram Jannés.
    Transmitida a sua ciência aos gregos, também eles a acataram e seguiram.
    Aquilles de Tasso, no seu romance dos amores de Clitophon e de Leucippe, declara que os sonhos descem do céu.
    Plutarco citou-os frequentemente nas biografias que escreveu.
    Nas crónicas do Béarn lê-se que Henrique IV, sendo ainda criança, adormeceu numa igreja, ao pé do altar de S. Nicolau; sonhou que este santo lhe prometeu a coroa de França.
    Hipócrates diz que, enquanto o indivíduo está adormecido, o espírito vela. É ele que se transporta aonde o corpo não poderia ir, vendo tudo que ele veria se estivesse acordado.
    O Marquês d’Hervey de Saint-Denis afirmou que os sonhos, por mais excêntricos que sejam, têm sempre uma explicação, das mais lógicas, quando sabemos analisá-los.
    Foi a essa análise que Freud dedicou inúmeras horas de estudo interpretativo. O criador da Psicanálise afirmou ser todo o sonho a satisfação de um desejo «a maior parte das vezes escondido nos escaninhos da nossa consciência».
    E além de desejo: inquietação, receio, glória, ansiedade, interrogação…
    Palavras de Jean Lhermitte: «Há muito a dizer sobre o exagero na interpretação dos sonhos executada pelos psicanalistas. Mas será injusto não reconhecer que o simbolismo não pertence exclusivamente ao domínio onírico, que o encontramos na poesia, nos mitos e na linguagem. A origem arcaica dá conta da universalidade de um grande número de símbolos.
    Mas, admitido este ponto, não deixa de ser verdade que Freud e a sua escola deram uma extensão infinitamente larga á explicação simbólica dos sonhos».

  19. jesa nideck says:

    Sonho [do latim somniu] – Efeito da emancipação_da_alma durante o sono. Quando os sentidos ficam entorpecidos, os laços que unem o corpo e a alma se afrouxam. Esta, tornando-se mais livre, recupera em parte suas faculdades de Espírito e entra mais facilmente em comunicação com os seres do mundo incorpóreo. A recordação que ela conserva ao despertar, do que viu em outros lugares e em outros mundos, ou em suas existências passadas, constitui o sonho propriamente dito. Sendo esta recordação apenas parcial, quase sempre incompleta e entremeada com recordações da vigília (acordado), resultam daí, na seqüência dos fatos, soluções de continuidade que lhes rompem a concatenação e produzem esses conjuntos estranhos que parecem sem sentido, pouco mais ou menos, como seria a narração à qual se houvessem truncado, aqui e ali, fragmentos de linhas ou de frases.

  20. jesa nideck says:

    “O sonho é a lembrança do que o Espírito viu durante o sono, mas observai que nem sempre sonhais porque nem sempre vos lembrais daquilo que vistes ou de tudo o que vistes; isto porque não tendes a vossa alma em todo o seu desenvolvimento; freqüentemente não vos resta mais que a lembrança da perturbação da vossa partida ou da vossa volta (…); sem isto, como explicaríeis estes sonhos absurdos a que estão sujeitos os sábios como os ignorantes? Os maus_Espíritos se servem dos sonhos para perseguir, atormentar, as almas fracas e pusilânimes.” (Ver: Obsessão)

    A ciência oficial, analisando tão somente os aspectos fisiológicos das atividades oníricas, ainda não conseguiu conceituar com clareza e objetividade o sono e o sonho. Sem considerar a emancipação da alma, sem conhecer as propriedades e funções do perispírito, fica, realmente, difícil explicar a variedade das manifestações que ocorrem durante o repouso do corpo físico. Alguns psiquiatras e psicólogos já analisam os sonhos como atividades do psiquismo mais profundo.

    Assim temos em Freud, o precursor dos estudos mais avançados nesta área. Ele julgava que os instintos, quando reprimidos, tendem a se manifestar e uma destas manifestações seria através dos sonhos. Isto numa linguagem simbólica representativa do desejo.

    Adler introduziu em Psicologia o “instinto do poder”. Nossa personalidade gravitaria em torno da auto-afirmação, do desejo do domínio.

    Jung considerou válidas as duas proposições. Descobriu que nos recessos do inconsciente, existe uma infra-estrutura feita de imagens ou símbolos que integram a mitologia de todos os povos. São os arquétipos, reminiscências de caráter genérico que remontam a fases muito primitivas da evolução.

    Mas foi Allan Kardec, através da Codificação Espírita, quem, realmente, analisou amplamente os sonhos em seus aspectos fisiológicos e espirituais.

  21. jesa nideck says:

    Na maioria das vezes, o sonho constitui atividade reflexa das situações psicológicas do homem no mecanismo das lutas de cada dia, quando as forças orgânicas dormitam em repouso indispensável.

    Em determinadas circunstâncias, contudo, como nos fenômenos_premonitórios, ou nos de sonambulismo, em que a alma_encarnada alcança elevada porcentagem de desprendimento parcial, o sonho representa a liberdade relativa do espírito prisioneiro da Terra, quando, então, se poderá verificar a comunicação inter vivos, e, quanto possível, as visões proféticas, fatos esses sempre organizados pelos mentores_espirituais de elevada hierarquia, obedecendo a fins superiores, e quando o encarnado em temporária liberdade pode receber a palavra e a influência diretas de seus amigos e orientadores do plano invisível.

    [41a - página 43] – Emmanuel – 1940

  22. jesa nideck says:

    Os Espíritos que vemos em sonho, que nos testemunham afeto e que se nos apresentam com desconhecidos semblantes, são alguma vez os Espíritos amigos que nos seguem os passos na vida. Muito freqüentemente são eles que vos vêm visitar, como ides visitar um encarcerado.

    [9a - página 198 - questão 343]

    Os sonhos não são verdadeiros como o entendem os ledores de buena-dicha, pois fora absurdo crer-se que sonhar com tal coisa anuncia tal outra. São verdadeiros no sentido de que apresentam imagens que para o Espírito têm realidade, porém que, freqüentemente, nenhuma relação guardam com o que se passa na vida corporal. São também, como atrás dissemos, um pressentimento_do_futuro, permitido por Deus, ou a visão do que no momento ocorre em outro lugar a que a alma se transporta. Não se contam por muitos os casos de pessoas que em sonho aparecem a seus parentes e amigos, a fim de avisá-los do que a elas está acontecendo? Que são essas aparições senão as almas ou Espíritos de tais pessoas a se comunicarem com entes caros? Quando tendes certeza de que o que vistes realmente se deu, não fica provado que a imaginação nenhuma parte tomou na ocorrência, sobretudo se o que observastes não vos passava pela mente quando em vigília?

    [9a -página 224 - questão 404]

    Pelos sonhos, Quando o corpo repousa, acredita-o, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de vigília (acordado). Lembra-se do passado e algumas vezes prevê_o_futuro. Adquire maior potencialidade e pode por-se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer do outro. Dizes freqüentemente: Tive um sonho extravagante, um sonho horrível, mas absolutamente inverossímil. Enganas-te. É amiúde uma recordação dos lugares e das coisas que viste ou que verás_em_outra_existência ou em outra ocasião. Estando entorpecido o corpo, o Espírito trata de quebrar seus grilhões e de investigar no passado ou no futuro.

    O sonho é a lembrança do que o Espírito viu durante o sono. Notai, porém, que nem sempre sonhais. Que quer isso dizer? Que nem sempre vos lembrais do que vistes, ou de tudo o que haveis visto, enquanto dormíeis. É que não tendes então a alma no pleno desenvolvimento de suas faculdades. Muitas vezes, apenas vos fica a lembrança da perturbação que o vosso Espírito experimenta à sua partida ou no seu regresso, acrescida da que resulta do que fizestes ou do que vos preocupa quando despertos. A não ser assim, como explicaríeis os sonhos absurdos, que tanto os sábios, quanto as mais humildes e simples criaturas têm? Acontece também que os maus_Espíritos se aproveitam dos sonhos para atormentar as almas fracas e pusilânimes.

    Em suma, dentro em pouco vereis vulgarizar-se outra espécie de sonhos. Conquanto tão antiga como a de que vimos falando, vós a desconheceis. Refiro-me aos sonhos de Joana, ao de Jacob, aos dos profetas judeus e aos de alguns adivinhos indianos. São recordações guardadas por almas que se desprendem quase inteiramente do corpo, recordações dessa segunda vida a que ainda há pouco aludíamos.

    Tratai de distinguir essas duas espécies de sonhos nos de que vos lembrais, do contrário cairíeis em contradições e em erros funestos à vossa fé. Os sonhos são efeito da emancipação_da_alma, que mais independente se torna pela suspensão da vida ativa e de relação. Daí uma espécie de clarividência indefinida que se alonga até aos mais afastados lugares e até mesmo a outros_mundos. Daí também a lembrança que traz à memória acontecimentos da precedente existência ou das existências anteriores. As singulares imagens do que se passa ou se passou em mundos desconhecidos, entremeados de coisas do mundo atual, é que formam esses conjuntos estranhos e confusos, que nenhum sentido ou ligação parecem ter.

    A incoerência dos sonhos ainda se explica pelas lacunas que apresenta a recordação incompleta que conservamos do que nos apareceu quando sonhávamos. É como se a uma narração se truncassem frases ou trechos ao acaso. Reunidos depois, os fragmentos restantes nenhuma significação racional teriam.

    [9a - página 222 - questão 402]

    Acontece com freqüência verem-se em sonho coisas que parecem um pressentimento, que, afinal, não se confirma. Pode suceder que tais pressentimentos venham a confirmar-se apenas para o Espírito. Quer dizer que este viu aquilo que desejava, foi ao seu encontro. É preciso não esquecer que, durante o sono, a alma está mais ou menos sob a influência da matéria e que, por conseguinte, nunca se liberta completamente de suas ideias terrenas, donde resulta que as preocupações do estado de vigília (acordado) podem dar ao que se vê a aparência do que se deseja, ou do que se teme. A isto é que, em verdade, cabe chamar-se efeito da imaginação. Sempre que uma ideia nos preocupa fortemente, tudo o que vemos se nos mostra ligado a essa ideia.

    [9a - página 225 - questão 405]

    Quando em sonho vemos pessoas vivas, muito nossas conhecidas, a praticarem atos de que absolutamente não cogitam, é que os Espíritos dessas pessoas vêm visitar o teu como o teu os vai visitar, sem que saibas sempre o em que eles pensam. Demais, não é raro atribuirdes, de acordo com o que desejais, a pessoas que conheceis, o que se deu ou se está dando em outras existências.

    [9a - página 225 - questão 406]

    Fenômeno inerente a todo espírito encarnado, independentemente de sua patente espiritual. Durante o sono natural, o espírito_se_liberta_do_corpo_físico e, portanto, retomando suas percepções espirituais, trava contato com outros espíritos e interage no mundo espiritual.

    O sonho se caracteriza por dois tipos específicos e distintos:

    o decorrente de lembranças, angústias, alegrias e emoções da memória do encarnado, geradas no inconsciente e mais propriamente no subconsciente do encarnado;

    e os decorrentes das lembranças do contato do espírito com o mundo espiritual durante o sono.

    No caso dos pesadelos ou sonhos ruins e angustiosos, deve-se presumir que, em se tratando do primeiro tipo, caracteriza uma perturbação qualquer de caráter emocional; e, em se tratando do segundo, decorre de lembranças não agradáveis no transcorrer da breve passagem do espírito pelo mundo espiritual, decorrentes, muito freqüentemente, do contato do espírito com entidades atormentadas e infelizes que povoam as regiões punitivas do chamado astral inferior. Na verdade, nós sonhamos todos os dias, mas muitas vezes não nos recordamos, seja por esquecimento benéfico para o próprio encarnado no que toca à sua própria integridade psicológica — e que é propositalmente apagado da memória no estado de vigília –, seja por mera deficiência das capacidades físicas que temporariamente encrudescem a memória_vital do espírito. A propósito, a memória vital de um espírito nunca se apaga e nunca demonstra deficiências, posto que é perene e inalterável. O que se sucede é que o corpo físico, cópia exata do perispírito, noticia as deficiências naturais da matéria e, assim, é passível de esquecimentos temporários, que o espírito retoma na forma livre do pensamento no mundo espiritual, dependendo da sua evolução como espírito.

    http://www.plenus.net/arquivos/glossario.html

    Não se impressione com seus sonhos! Isto poderia levá-lo a extravagâncias ridículas. Viva acordado no bem, e os sonhos serão belos e bons. Se alguma característica de verdade lhe for revelada num sonho, aceite-a com simplicidade. Mas não se deixe levar a interpretações supersticiosas. Procure sempre o lado bom das coisas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to Top ↑