Ceticismo jesusimberbe.jpg

Published on dezembro 27th, 2009 | by Kentaro Mori

42

Fraudes no espiritualismo e a aparência física de Jesus

jesusimberbe ceticismo

O blog Obras Psicografadas foi atualizado com duas séries de textos:

As Fraudes em nome do Espiritualismo (parte 2), tradução de reportagens publicadas no New York Times em 1909 revelando os truques de diversos médiuns espiritualistas. Um século depois, a leitura continua infelizmente bem atualizada, enquanto os mesmo truques continuam sendo usados, com pouca variação.

Já em “Estudo da aparência física de Jesus”, José Carlos Ferreira Fernandes aborda como a face do homem adulto, caucasiano, de barba e cabelos longos é uma imagem moderna e explora representações mais próximas da época em que esta figura teria vivido. Em quatro partes, (1,2,3 e 4), disponíveis também no formato Word e PDF.

Tags: , , ,


About the Author

+



42 Responses to Fraudes no espiritualismo e a aparência física de Jesus

  1. Gilson says:

    Carlos Magno Diz:
    December 2nd, 2009 às 10:11 pm

    Quando não se tem o que dizer o melhor é recolher-se na sua própria insignificância.

    Hahaha, fazia meses que não lia as peripécias de trollismo ideológico desse cara.
    Não importa que esfreguem na cara desses Kardecistas as evidências de médiuns praticando mágica e ilusionismo, eles vão sempre apelar pros 0,00000001% dos médiuns que ainda não foram alvo de crítica e dizer que estes são reais.
    Ou divagar.

    Não alimentem os trolls!

  2. Carlos Magno says:

    Ao contrário do troglodita acima que nada tem a apresentar a não ser o escabroso riso dos desequilibrados mentais, apresento argumentos sobre o assunto em tela:

    Para a história oficial somente valem pesquisas e depoimentos de historiadores céticos, porque a história é atéia e não se deixa seduzir pelos conceitos religiosos e documentos por ela considerados apócrifos.

    Pena que há 2.010 ou 2007 anos não houvessem ainda inventado o celular fotográfico, as mini-câmeras e as canetas-espiãs, porque se dirimiriam todas as dúvidas quanto à imagem física do mestre da Galiléia, e certamente isso pouparia dispendiosos esforços de tantos professores no afã de provar que pela pluralidade de descrições física Jesus não pode ter existido historicamente: foi uma ilusão, e só existe nas cabeças e corações religiosos e místicos.
    O Jesus histórico e o Jesus religioso são os mesmos, ou melhor, é o mesmo. O Jesus religioso é permeado pela fé e testemunhos; o histórico é tripudiado pela dúvida, deboche e ceticismo que também nada esclarecem, vindo unicamente alimentar a conhecida insensibilidade e intolerância dos teóricos redundantes. Buda é representado alto, baixo, gordo, barrigudo, príncipe encantado, orelhas grandes, bonachão etc., e isso não tem a menor importância para a sabedoria budista a não ser nos simbolismos nele demonstrados.

    Gostaria de somar, ou dividir, seja lá o que for, com extratos de duas outras fontes, sobre a aparência de Jesus. A primeira – espiritual – logo, dispensável e inexistente para historiadores céticos e inimigos do espiritismo e ciências esotéricas, bem como aos pseudo da negação. A credibilidade, claro, fica nas mentes e corações de quem verdadeiramente “crê por que sabe”. Trata-se de um trecho do livro O Sublime Peregrino, ditado por Ramatís:

    “Em carta enviada a Tibério, o senador Publius Lentulus, quando presidente da Judéia, narrando a existência de “um homem de grandes virtudes chamado Jesus, pelo povo inculcado do profeta da Verdade e pelos seus discípulos do filho de Deus. É um homem de justa estatura, muito belo no aspecto; e há tanta majestade em seu rosto, obrigando os que o veem a amá-lo ou a temê-lo. Tem os cabelos cor de amêndoa madura, são distendidos até as orelhas; e das orelhas até as espáduas; são da cor da terra, porém reluzentes. Ao meio de sua fronte, uma linha separando os cabelos, na forma em uso pelos nazarenos. Seu rosto é cheio; de aspecto muito sereno; nenhuma ruga ou mancha se vê em sua face; o nariz e a boca são irrepreensíveis. A barba é espessa, semelhante aos cabelos, não muito longa e separada pelo meio, seu olhar é muito afetuoso e grave, terá os olhos expressivos e claros, resplandecendo no seu rosto como os raios do Sol; porém ninguém pode olhar fixo o seu semblante, pois se resplandece, subjuga; e quando ameniza, comove até as lágrimas. Faz-se amar e é alegre; porém com gravidade. Nunca alguém o viu rir, porém chorar”.

    O segundo subsídio, retirado de fonte histórico-religiosa, trata-se de uma carta de Pilatos para Tibério Cesar, preservada na Biblioteca do Vaticano, de onde só é possível obter cópias do original, através da Biblioteca do Congresso em Washington. Diz o seguinte:
    “Um homem apareceu na Galiléia e pregou uma nova lei; humildade. No começo pensei que tinha por intenção estimular a revolta das pessoas contra os romanos. Minhas suspeitas logo foram afastadas. Jesus falava mais como um amigo dos romanos do que como amigo dos judeus.
    Um dia observei o jovem homem no meio de um grupo de pessoas, recostado no tronco de uma árvore e falando calmamente com a multidão que estava ao seu redor. Disseram-me que aquele era Jesus, o que era óbvio devido a diferença existente entre ele e os que o cercavam. Seus cabelos e barba de cor clara conferiam-lhe uma aparência divina. Ele tinha cerca de trinta anos e eu nunca tinha visto antes um rosto tão simpático e bondoso. Havia uma grande diferença entre ele e aqueles outros de barbas negras que o ouviam. Eu não quis interrompê-lo e segui meu caminho, pedindo para meu secretário juntar-se ao grupo e ouvi-lo.
    Meu secretário contou-me que nunca tinha lido antes nenhum trabalho de filósofos que pudesse comparar-se aos ensinamentos de Jesus e que ele não era agitador nem estava desencaminhando pessoas. Foi por isso que decidimos protegê-lo. Ele era livre para agir, falar e para reunir as pessoas. Esta liberdade sem limites provocou os judeus, que ficaram indignados, ou seja, a atitude não perturbava os pobres, mas irritava os ricos e poderosos.
    Quando solicitei seu comparecimento à minha presença no Fórum, ele veio. Ao olhar para ele, fiquei trespassado. Meus pés pareciam estar acorrentados com correntes de ferro no chão de mármore. Eu tremia como uma pessoa culpada, embora ele estivesse calmo. Sem me mover, avaliei este homem por algum tempo. Não havia nada desagradável em sua aparência ou caráter. Estando em sua presença, senti imenso respeito.
    Disse-lhe que sua aura e sua personalidade tinham uma simplicidade contagiante que o elevava acima dos mestres e filósofos atuais. Ele “nos causou profunda impressão devido às suas maneiras agradáveis, simplicidade, humildade e amor.”

    Bem, se o Jesus histórico não teria existido e muito menos o Jesus religioso, o problema está em provar que ele não existiu. E até hoje ninguém conseguiu provar que ele não existiu, malgrados os esforços e argumentos históricos céticos e ateus.

    Então não adianta ficar irados e nem argumentar taxativamente ou com subterfúgios contra a corrente milenar da sabedoria religiosa, pois queiram ou não nada muda do que existe, e quanto a Jesus a inexistente elite de céticos e teóricos da negação têm mesmo que admitir a análoga verdade do técnico Zagalo: “Vão ter de me engolir!”

  3. Carlos Magno says:

    As fraudes de médiuns desonestos equivalem-se às de materialistas, cético-ateus e homens sem Deus ou fé. Botem todos num saco, pois são de mesma farinha. Ah, também grandes nomes da ciência: muitos!

    Mas quem de fato provou alguma coisa fraudulenta e desonesta nas obras clássicas do espiritismo, que a mediunidade é uma farsa ou o espiritismo não existe? Ninguém provou rigorosamente nada – meras teorias – exatamente porque certos céticos e ateus desejam que as coisas do espírito se mostrem como eles entendem. O espiritismo e as ciências esotéricas devem a eles explicações e respostas concretas! E não é assim que a banda toca, queridinhos.

    Odiar espíritas e esotéricos à distância ou teoricamente é uma coisa – aliás, irracional e fanática. Conviver com eles e aquilatar o que sejam verdades e mentiras é outra completamente diferente! E o que difere o verdadeiro pesquisador do fanático, do teórico mal intencionado e do fraldinha vibrador que ainda esquenta os bancos escolares, sem nada saber do mundo, é exatamente o equilíbrio dos opostos que o primeiro sabe realizar, porque é intelectualmente honesto. Abismal diferença!

  4. gomes says:

    Alto lá, Carlos! Os as experiencias dos CIENTISTAS nazistas são por demais comprovadas (não há fraudes); das armas nucleares nem se fala. Evidencias de negação do amor e da vida de um “mentiroso”, “hipotetico” chamado Jesus existem aos montes.

    Desculpa a ironia (a gente vai aprendendo com os santos da ciencia!)

  5. Cibi says:

    eca, coisa nojenta comparar um cara que pregava pelo bem aos nazistas…
    Foi asqueroso cara, bah.
    Sabe o que chama interpretação? Ele não esta chingando cientistas, apenas dizendo que tem muitos que “esquecem” partes históricas para apoiar as suas verdades científicas.
    Isso foi irritante. Comenta mas lê, a raiva comummente leva ao erro, pelo simples ato de fechar a mente e abrir as garras. Não importa como e nem pra que.

  6. RICARDO RJ says:

    Se não se consegue prova cabal que O mestre Jesus existiu,muito menos se prova que ele não existiu.Como de 2 mil e poucos anos para cá tanto se fala e escreve sobre ele?Como um mito teria tanta força até os dias de hoje?Como é que o cerne de suas idéias está em todas as religiôes do planeta(a regra de ouro-não façais ao próximo aquilo que não queres que ele te faça)?São questões para nossos ilustrados amigos céticos explicarem e justificarem.Enquanto isso nós os cristãos espíritas,através da fé raciocionada temos a certeza que ele existe e já andou sobre a terra,sentimos isso antes de sabermos.

  7. Emerson says:

    Carta de Pilatos para Tibério ?
    Com esse teor tendencioso ?
    Preservada até hoje no Museu do Vaticano ?
    E só se pode obter cópia via Biblioteca do Congresso dos USA ? (pouco prático, não ?)
    Isso soa para mim como uma grande “lenda urbana”. Duvido, e muito, da existência de tal documento.
    Gostaria de saber as fontes de onde vieram o texto e respectiva tradução dessa “carta”.
    O ônus de provar que Jesus não existiu cai no mesmo equívoco do bule celeste do Bertrand Russel: a impossibilidade em contraprovar a existência um bule orbitando o Sol entre a Terra e Marte não é presunção de sua materialidade.

  8. LucianoGuimaraes says:

    É preciso tomar muito cuidado com a veracidade de certas informações largadas ao léu. Obviamente, a tal Carta de Pilatos a Tibério não existe. Ao menos como documento real do Império Romano. Existe, isso sim, o “Atos de Pilatos”, conjunto apócrifo de textos, escrito no século 4 da nossa era e dividido em três partes, claramente escritas em estilos diferentes por autores diferentes e que, de forma alguma, podem representar fatos e atos praticados pelo Pilatos histórico. É claro que os textos foram adotados por teólogos da Idade Média, e fizeram muito sucesso à época. Philo de Alexandria, O Judeu, filósofo e historiador, contemporâneo à época de Jesus, entre outras coisas, escreveu sobre Pilatos e as insurreições judaicas nas províncias romanas, mas em nenhum momento cita o movimento de Jesus em seus textos. Sem entrar no mérito da existência, ou não, histórica de Jesus, devemos lembrar que a impossibilidade de provar a existência de algo não significa automaticamente em assumir a sua materialidade (vide B. Russel).

  9. Gabriela says:

    Devemos lembrar que a evolução é individual, dentro dela cabe saber aceitar e respeitar as opnioes diversas, independente de quem tenha criticado ou apoiado, saberemos a verdade tão mais cedo quanto se imagina.
    Aos que não acreditam, o expanto. Aos que sempre defenderam, o alivio.
    Cabe a nós orarmos pela humanidade em geral, crente ou não no espiritismo e nas comunicações da Fraternidade Branca, para que muitos de nós possam chegar a 4ªbio dimensão.
    Que Deus esteja com todos nós.

  10. Eu tenho postado mais do que de costume, saí de um site católico,com conteudo muito bom,porém as agressividades são imcompreensíveis, agora estou aqui e vejo o que? a mesma coisa do outro, não sou nenhum santo,mais peder tempo em agressões é demais. Se o cara é católico,espírita,umbandista,muçulmano ou ateu, qual é o problema? Deus , Jesus em quem acredito não se importará com religião alguma e sim com as ações que o ser humano praticar. Reparem que cada religião tem a sua força, o espírita(kardecista) tem a que eu acho melhor, a caridade, mas não sou espírita, estou mais para católico, embora ande meio enjoado com o fanatismo que é a coisa mais ignorante´, confundem fé com fanatismo. Agora porque perseguem tanto Jesus? não existiu, é uma farsa, entre outras, o que existe por trás disso? eu particularmente acho que é o medo, vejam , eu disse que acho, mas com certeza Jesus é o Homem-Deus mais perseguido da história. Se você meu caro, é ateu, então porque se preocupar com Jesus, deixe-o em paz, porque Ele sempre te desejará a paz.

  11. Sonia N. says:

    Olá Carlos Magno, considero seus comentários bastante interessantes. Em muitos aspectos, concordo consigo, principalmente quanto à defesa ao médium Chico Xavier e ao Espiritismo. Mas, é preciso acautelar-se quanto a algumas informações que provêem do meio religioso. Por exemplo, a carta de Pilatos a Tibério, se existiu, com certeza não teria este texto. Nem o Vaticano se atreveria a tanto. A linguagem denuncia a fraude. É típica de romances espíritas. Pilatos jamais se expressaria daquela forma. E a carta de Publio Lentulus a Tibério, que você afirma estar no romance ditado por Ramatis ao médium Hercilio Maes, “O Sublime peregrino”, seria plagio, porque ela se encontra no romance “Há dois mil anos”, ditado por Emmanuel a Chico Xavier, muitos anos antes do livro de Ramatis. Talvez você tenha se enganado quanto ao nome do livro, ao fazer a citação… isso acontece, quando se lê muito.
    Grande abraço e meus respeitos…

  12. rosangela de noronha says:

    nossa! todos querem ser dono da verdade… infelizmente somos mesmo ignorantes” querendo saber da vida de jesus cristo , quem foi jesus? claro que ele existiu, se não nem estariamos falando dele aqui, certo?. quanto a dúvida da carta de Pilatos para Tibério ser verdadeira ou não eu tambem não sei, mas sei de uma grande coisa, que só existe 25, vinte e cinco biblias que são as unicas verdadeiras, e que estão de posse da elite governamentais,Vaticano,EUA,Roma,Russia, Tibet,…etc, o resto das biblias no ou do mundo são cópias MODIFICADAS para os pobres mortais.A explicação por isso dada é que nÓs , ou a maioria do POVO não estaria preparada para saber da verdade da vida,de DEUS,do porque viemos viver nesse mundo, lá nessas vinte e cinco biblia fala-se a grande verdade para a humanidade, e são proibidas para nós o povo ter acesso ao SABER. o que sera essa verdade? sera o que,ou quem somos? ou de onde viemos? e para onde iremos?ou quem é realmente nosso CRIADOR? Se existe um SER que nos ama, JESUS OU DEUS eu não sei, mas se olhar o mundo como esta… acho que que o amor virou ódio porque o mundo esta um caos, terremotos mortes dor doenças fome miséria crianças comendo barro para matar a fome, olho as pessoas e vejo tristeza em seus olhos , seja elas religiosas , fanáticas ou descrentes,vejo a insatisfação nos adolescentes, perdidos com tanta tecnologias , mas nada sabe ou quer saber, ( a maioria) sobre a finalidade de se estar vivendo agora, aqui nesse planeta nessa vida de tantas provas e dor,… Só mesmo se misturando , se camuflando junto com nossos “irmãos terrenos e seguir, ver até onde nossa matéria pode aguentar e nosso espirito evoluir…

  13. Que ótimo os comentários agora subiram de nível, tudo o que queria escrever a Rosângela de Noronha, já disse, que lucidez, somos mesmo em matéria de vida e morte, passando por catástrofes e consequentemente sofrimentos inesplicáveis, ignorantes. Nada sabemos. Cada religião prega diferente e defende a sua tese, muitos tem a fé cega, sei lá, vái ver é melhor, porque a minha é caolha, desconfio de tudo e realmente acho que não sei nada, acho não, tenho certeza e isso me maltrata muito porque não consigo ver sentido na vida, as vezes tenho depressão, as vezes fico alegre, e vou, não vivendo, mas existindo enquanto alguém, que acho ser Deus, que não entendo,deixar.Parabéns Rosângela, comentário elucidativo ,educado e respeitoso.

  14. Carlos Magno says:

    Prezada Sonia N.

    Agradeço as palavras, mas não deixo de me surpreender sobre sua autoridade no assunto e afirmações taxativas contrariamente ao que postei. Gostaria de dizer que Ramatís não é literatura espírita, mas de abordagem além da conhecida literatura cardecista, portanto de uma cultura milenar anterior a Kardec e mais rica em conhecimentos gerais.

    Também gostaria de esclarecer que o Sublime Peregrino não é romance e sim um livro-questionário ao estilo próprio de Ramatís, consistindo de perguntas e respostas, e nesse caso de abrangências sobre o tema Jesus.

    Da mesma forma, indico a página 18 de o Sublime Peregrino, edição Freitas Bastos (WWW. scribd.com) de onde extrai o relato da carta.

    Lamento também contrariá-la sobre a Carta de Pilatos para Tibério Cesar, extraída da obra “Jesus, a Verdade e a Vida” de Fida Hassnain, editora Madras, páginas 109/110. Se a carta não é exatamente como o autor informa é válida a dúvida, mas a questão ficará mais fácil para quem duvide se dispuser a montar uma tese e defende-la com argumentos válidos e concretos. Isso, porém, jamais acontecerá porque negar é o máximo que alcançam os sábios teóricos redundantes. E pesquisar fora do Google dá um trabalho danado!

    Na verdade, vejo grande número de comentaristas sem a menor bagagem em assuntos espíritas, sobre óvnis ou espiritualismo em geral, estando esses pitaqueiros desejosos de somente a tudo negar porque seus privilegiados cérebros de “grandes conhecimentos” acadêmicos assim impõem. Aqueles são a nata dos teóricos que nada em verdade sabem e pensam que sabem muito.

    Grande abraço prezada.

  15. Sonia N. says:

    Prezado Carlos, a imagem de Jesus que trago comigo é incomparável a qualquer uma que tenham tentado criar, seja através da descrição de Pilatos, ou de Emmanuel, ou do Ramatis ou da Fida Hassnain, ou de qualquer pintor que o retratou de acordo com a sua imaginação. Para mim ELE É LUZ! É como o sol, irradiando luz, amor, compaixão, ternura, bondade e sabedoria em todas as direções, com a intenção nítida de nos alcançar. Nós é que nos distanciamos Dele, espavoridos com a intensidade de sua luz e do seu amor, incompreensíveis ainda para nós, habituados à escuridão de nossas mentes consumidas pelo egoísmo, pelo remorso, pelos ressentimentos e pelo desejo constante do prazer, em detrimento da satisfação e da alegria.
    O que me incomoda, meu amigo, é que nos dias que correm, o nome e a figura de Jesus viraram MARCA. Por mais que se escreva sobre ele, o interesse que há por trás é sempre financeiro, porque é assunto que VENDE.
    Exceção feita, claro, àqueles que nunca auferiram LUCROS com isso, cujo objetivo único foi divulgar o Cristianismo, como forma de união e respeito entre as pessoas~e as nações.
    Quanto às cartas, elas dizem o que nós cristãos gostaríamos que estivesse escrito, mas é impossível que Pilatos e/ou Publio Lentulus tenham usado tal linguagem ao descrevê-lo, sob pena de passarem por tolos, diante de Tibério. A última frase da carta, que fala “disse-lhe que sua AURA e a sua personalidade tinham uma simplicidade contagiante…” e o restante não são próprios dos homens daquela epoca, conquistadores acostumados a manter a ordem a qualquer preço, dos povos subjugados e revoltados.
    Abraços

  16. Sonia N. says:

    Prezado Carlos, só pra completar. Filosofias mais antigas que o Kardecismo ou o Cristianismo não são avais de coerência ou de legitimidade do melhor ou razoável. Os hindus praticam a religião mais antiga do mundo. Acreditam em vários deuses, representados por figuras de animais, seres humanóides (com vários braços e pernas e olhos) e seres representados por figuras meio homem e meio animal. Acreditam na reencarnação mas não sabem como isso acontece e nem procuraram saber, porque acreditam, inclusive, que o ser humano pode reencarnar como um animal. Preservam ratos porque acreditam que são seus ancestrais e convivem com elefantes e vacas, que provocam uma infinidade de doenças, acidentes e mortes todos os dias. As castas são o que há de pior. Acreditam na reencarnação, mas ela não serve de nada, porque todo acontecimento é uma fatalidade. Se você renascer numa casta inferior, não lhe adianta tentar se melhorar, progredir, estudar. Nada vai tirá-lo da condição humilhante de pária, pois esta é a sua sina. Bem, essas são algumas das infinidades de injustiças e contradições havidas numa religião milenar, exótica e cheia de ENCANTOS, VÉUS E INCENSOS!
    Abraços.

  17. Carlos, a equanimidade o objetivo dos budistas e krysnas e das pessoas que aham ser o equilibrio emocional a melhor ponte para se chegar a Deus, você acaba perdendo se der atenção aos comentários de quem não acredita em Jesus ou daqueles que parecem fazer com um propósito, não divino,só mesmo para nos afastar, eu estou tentando a muitos anos esse feito, que requer prática e no meu caso não vivo numa montanha gélida ou num mosteiro afastado do trabalho e da vida barulhenta e violenta que resido. Não sou espírita, mas toda a minha família é, e hoje mesmo levei minha filha de 15 anos para o retiro espírita, promovida pela comerj,quando cheguei, era perceptível a paz, uma paz diferente, daquelas que não vejo em lugar algum, algumas pessoas , uns trinta, estavam afastados, rezando e pedindo naturalmente a Deus, Jesus, alguma proteção para as pessoas do retiro, que estava começando, fui embora e uma sensação de paz invadiu todo o meu ser.
    Eu sempre tive dó dos ateus e daqueles que não acreditam em paz, porque apesar de respeitar a crenças ou não, das pessoas, sempre tive a certeza de que a paz de Cristo é infinitamente melhor dos que não a possuem. Portanto meu caro Carlos, não perca seu tempo respondendo a insultos, deixe-os em paz, ainda que não seja a de Cristo, porque você poderá perder a sua.

  18. J.R.Pereira says:

    Eu sou um homem simples: comprova aí que Jesus existiu.
    Mostraí um ossinho, uma caveira, um papiro, um reconhecimento da ONU ou do Smithsonian.
    Comprovou?
    Beleza.
    Mas dizer que houve um “jesus histórico”, ou que tem aí “imagens” do camarada…?
    Você pode ser trouxa de acreditar nesse marketing religioso, mas eu passei da idade de levar a sério a fé dos outros.
    Comigo é na CIÊNCIA, negão!
    Não rolou Ciência?
    Enfia!

    • Luiza Franck says:

      É surpreendente o comentário desse J.R Pereira. Quanta inteligência aliada á cultura! Rsrss… para não dizermos o contrário! E a educação então? Só pela forma em que se despede já verificamos o quanto é educado …
      É realmente triste sabermos que em pleno século XXI ainda existam pessoas que pensam desta forma.
      Bom, não estou aqui para criticar as crenças, e/ou religiões das outras pessoas, mesmo porque ninguém é obrigado acreditar na religião do outro.
      Para mim é incontestável a existência de Jesus Cristo e a passagem Dele pela nossa casa terrena. Não é necessário provas ou cientistas afirmando tal fato.
      Quem acredita Nele, e O vê como espiríto perfeito, sublime, que emana luz e paz, como Ele mesmo disse: O caminho, a verdade e a vida, não tenho dúvidas disso. É como o ar: nós não o vemos, nem tocamos, e mesmo assim sabemos que ele existe! Mesmo porque é o que nos mantém vivos… ou seja, somente o sentimos…
      Para as criaturas que são como São Tomé, só acreditam vendo, ou que precisam de cientistas para provarem tudo, digo que elas ainda tem muito o que trilharem e evoluírem para um dia atingir a perfeição.

      “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim nunca morrerá. Você acredita nisso.” João 11:25-26.

  19. Tallick - Cético says:

    O senhor Carlos Magno, parece-me um homem bastante entendido em vários assuntos, até naqueles em que ele tenta saber mais do que os profissionais nas mais diversas áreas, nas respectivas ciencias. Porém, um homem crédulo, que usa sua credulidade e deboche, em defesa daquilo que nao possue o mínimo de evidência lógica possível. Caso o senhor, seja uma pessoa que sempre busca o saber e conhecimento, lhe sugiro ler os seguintes livros: Deus um Delírio – Richard Dawkins(biólogo inglês), A Invenção das Tradições – Eric Robsbawm(historiador inglês), todos de grandes estudiosos e intelectuais respeitados no mundo inteiro. Agora caso você se disponibilize em ler algum deles, ou os dois, leia-os com a vontade de aprender com verdadeiros mestres da ciência e não com espertalhões religiosos, que usam a fé, inocência e vulnerabilidade das pessoas em proveito próprio. Obrigado!

  20. Miguel says:

    Simples…
    Eu também sou um homem simples. Mas não entendo porque conceder tanta autoridade sobre história à ONU ou ao Smithsonian.
    Júlio Cézar existiu antes de Cristo e ninguém duvida de sua existência. Nem a de todos os imperadores romanos. Aliás, apesar de poderosos e influentes nenhum equiparou-se ao Homem de Nazaré em termos de influência sobre o mundo.
    A partir deste Homem e de Seus seguidores foi que veio a surgir o que você hoje chama de ciência e sobre a qual deposita toda a sua confiança. Método científico, egiptologia, sismologia, aperfeiçoamentos na ótica (criação dos óculos) que depois levariam à invenção do telescópio, astronomia, biogenética, tudo isto só floresceu no solo fértil da religião Cristã (enquanto seus detratores insistem que ela é inimiga da ciência).
    Causa cognoscitur ab effectu: Conhece-se a causa pelo efeito.
    Dentro da mesma simplicidade: porque conferir tanta autoridade e contabilidade a uma ciência que chama de átomo – indivisível – à menor partícula da matéria para depois descobrir que ela se divide e até hoje continua descobrindo partes menores? Como confiar nela se suas verdades são mutáveis ao ponto de o mesmo cientista explicar a gravidade por uma “constante cosmológica” e depois nega-la por uma “Teoria da Relatividade”?
    Como posso confiar em uma fonte de verdades mutáveis e mutantes?
    Especialmente quando as afirmações de Cristo continuam a se confirmar ao longo de vinte séculos, como por exemplo: “Pois sempre tereis convosco os pobres, mas a mim nem sempre me tereis.(São João 12,8)”, a pobreza persiste apesar de vários sistemas de governos – ateus e teístas – haverem prometido erradica-la.

    humildemente creio que nada é tão simples…

    • Armando says:

      Meu primo

      Gostaria de reafirmar o que voce disse com uma frase do livro de bioquimica do Lheninger sobre a força vital: “…a força vital é inerente da célula viva e o homem não poderá criá-la em laboratório..”
      O que seria a força vital?
      Quala diferença entre a critura viva e uma morta? O que é essa linha tenue de inanimado para animado?

    • Ronilson Muniz says:

      O que tenho visto é um grande desperdício. De nada vale dar atenção aos comentaristas que só pelo formato expressivo se denunciam ‘ignóbeis’.
      São de fato irritantes, mas dá-los o silêncio é o melhor a fazer.
      Não se pode ensinar equações do 2º grau a crianças ainda no jardim de infância, compreenda.
      Continuem, os sensatos e capazes de raciocinar, a debaterem respeitosametnte as suas idéias e conclusões, deixando de lado estes ‘gafanhotos’ e teremos conteúdo relevante para ler. Passaremos os olhos por sobre os comentários de algumas ‘figuras’ como se faz ao enxergar as manchas de sujeira no papel.

  21. Miguel says:

    “Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará” diz o Evangelho em São João 8,32.
    Mas vem nos questionar Pilatos: O que é a verdade? (São João 18,38)
    Difícil para mim definir com precisão perfeita o que é a Verdade. Posso apenas adjetiva-la, e o primeiro adjetivo já vem com a própria necessidade da precisão: a Verdade é perfeita. Se não for perfeita não é Verdade. Outro adjetivo: é absoluta. Perfeitamente absoluta. A Verdade é algo tão absoluto, tão absoluto que não pode ser um mero conceito ou um simples objeto seja ele de que natureza for e que exista em relação a outro objeto. A Verdade simplesmente é. Eis tudo. E por simplesmente ser Ela só pode ser um ente, uma pessoa, a plenitude do ser. Tudo se relativisa a Ela, tudo é o que é em relação a Ela. A Verdade Suprema é o parâmetro final para tudo.
    A ciência não contém a inteireza da verdade e os cientistas honestos sabem que nem lhes é possível empregar o termo no seu ofício. O cientista não trabalha com a verdade, trabalha com teorias e experimentos. As teorias vão sobrevivendo à medida em que resistem aos sucessivos experimentos que lhes confirmam a validade. Quando as observações dos novos experimentos deixam de confirma-las morrem ou se transmutam em uma nova teoria. A ciência não trabalha com verdades, mas com larvas sujeitas a metamorfose. E mesmo que transformem-se e belas borboletas não está muito distante a sua morte para a sucessão de outras larvas.
    A Verdade é perene. Imutável e eterna. Não houvesse a Verdade não haveria Universo. A ciência não cria nada, o que faz em síntese é ir descobrindo às apalpadelas as leis que compõem os desígnios da Verdade. E vai surpreendendo-se no caminho pela a inefável harmonia com que se conjugam. Basta observar o Universo para constatar que existe uma Verdade por trás de toda a realidade visível.
    “Veritas evidens non probanda”: A verdade evidente não precisa de prova.
    A Verdade se não nos é compreensível em toda a sua abrangência não é porque não exista, apenas assim é porque não possuímos a capacidade intelectual para abarca-la. Daí a necessidade da fé, que não substitui a intelectualidade – a razão – mas a complementa.
    “A fé e a razão (fides et ratio) constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade..” João Paulo II Encíclica Fides e Ratio 1998

    Apenas pensamentos…
    Gostei do site e da seriedade com que os assuntos são tratados.

  22. Armando says:

    Por acaso alguem ja viu algum fenomeno paranormal?
    Eu tive algumas experiencias.

  23. MAM says:

    Tem muita gente dizendo que não se pode “provar que Jesus não existiu”. A filosofia da ciência não funciona assim, e isso mostra o quão desinformados estão sobre “provar” as coisas. Quem afirma a existência de algo é que deve prová-la, e não contrário. Há alguns indícios de que Jesus pode ter existido, mas não provas irrefutáveis, e praticamente nenhum indício (racional) que prove que ele era divino ou algo parecido. O desafio aos crédulos então é: provem que não existem ou existiram papai-noel, coelhinho da páscoa, minotauro, unicórnios, duendes, fadas, gnomos, zeus, etc. Depois informem a metodologia aplicada para testar a inexistências dessas entidades, para que outros possam utilizá-la…

  24. Miguel says:

    É bastante engraçada esta sugestão de que a existência de Jesus somente possa ser admitida mediante provas do tipo arqueológico. Caso contrário Ele é colocado lado a lado com figuras notoriamente mitológicas e folclóricas.
    Neste raciocínio é deixado de lado todo o caudal de testemunhos dos cristãos primevos, seus relatos consignados em cartas e livros e toda a construção da civilização cristã (que já anda por completar dois milênios). Ou seja, não importam os efeitos amplos e evidentes, tudo é ignorado para simplesmente se exigir um osso ou um dente. Neste caso o número de faraós fica reduzido ao número de múmias encontradas?
    E como fico eu? Se a ciência me exigir consigo provar a existência de meu tataravô. Com alguma sorte, talvez, a do tataravô dele. Mas além disto fica quase que impraticável. E aí? Se não consigo provar a existência de um ancestral longínquo significa que ele não existiu? E se esta for a resposta, eu, que sou produto da existência dele devo ter minha existência negada? Eu não existo, então? Como é que fica?
    “Causa cognoscitur ab effectu”
    Também gostaria de dizer que não é obrigação de quem crê em Jesus provar coisa alguma. A história está aí e o cristianismo também, com todo o seu legado.
    Quem não crê é que deveria contestar toda esta história e nega-la com alguma evidência cabal. Caso obtivesse êxito colocaria em cheque toda uma civilização. Abalaria seus alicerces e se tornaria o maior historiador de todos os tempos, famoso e respeitado. Tenho certeza de que muita gente boa se empenhou e tem se empenhado nisto. Mas até agora o Homem de Nazaré continua bem sólido.
    Resumindo, o status quaestionis é este e não o oposto: Jesus existiu até que se prove o contrário.
    Abraço

  25. Claudio Cunha says:

    Se Jesus Cristo existiu ou não é uma questão um pouco mais ampla do que a sua aparência. E aí entram vários aspectos como a fé, a forma como entendemos a história, etc., bem como o bom argumento de o ônus da prova caber a quem acusa, ou seja, quem diz que Ele não existe. Já, em relação à aparência acredito existir um eurocentrismo exagerado. Ao dizer que Ele se destacava dos outros por ser loiro, alto, de olhos azuis etc. negamos o legado Palestino ou semita de suas origens. E porque Ele não poderia ser negro? Ou com aspectos orientais? Ou aborígene? Estes são inferiores e não merecem? Não somos todos filhos de Deus? Creio que Jesus Cristo, ao nascer entre uma população semita iria, no mínimo estrategicamente, se parecer com aquele grupo, evitando perseguições desnecessárias. Tanto que por passar despercebido só começou a pregar aos 30 anos e aos 33 foi morto, deixando um legado de mais de dois mil anos de fé e história (com alguns momentos bem ao contrário do amai-vos uns aos outros). Portanto, creio que Jesus possuía a fisionomia de um semita, até para dizer que a igualdade que ele pregava estava “estampada” em suas características físicas.

  26. Tallick - Cético says:

    Carta á Miguel

    Ninguém está dizendo que todos os imperadores, e Cristo nao existiram, pois há certas evidências histórias, fazendo referências as suas respectivas passagens na terra. E para seu engano, a ciência existia sim, antes mesmo de Cristo nascer e começar a sujar as primeiras “fraldas”. Existia na grécia antiga, com o surgimento da filosofia e da matemática, e também no egito antigo, com o surgimento do processo de mumificação, física, química e outros processos mais… e consequêntemente veio á fazer báse para o surgimento dos vários outros campos da ação humana, e que muito séculos depois, essa forma de ver o mundo, nascida na grécia, foi batizada de ciência pelos cientístas. Ou seja, a ciência é sim, mais antiga, quê Cristo vários séculos, vc querendo ou nao. Basta apenas lêr os documentos históricos comprobatórios, que são inegáveis. Isso é, se vc gostar de ler as evidências é claro. E pra terminar, um átomo só, nao se divide, o que se divide sao o conjunto de átomos, que assim Fazem para dar aval á outra coisa ou processo físico, e tambem acho que vc estava se referindo ao núcleo do átomo (partes menores), Que tambem nao é divisível, senao, o nome de tal coisa, deveria ser outro e nao “átomo”. “Á”tomo – aquilo que nao se divide,imutável. Mas sei que tudo isso, lhe soará uma bobagem, já que trata-se de uma pessoa religiosa, e tomando isso como verdade, fico por aqui.

  27. Miguel says:

    Qual o problema de ser uma pessoa religiosa? Isto significa que as pessoas religiosas são blindadas contra a ciência ou a verdade? Creio que não pois de todas as civilizações que nos precederam, que enveredaram pelos campos do conhecimento (que mais tarde se chamaria ciência) e que contribuíram para o progresso humano nenhuma foi atéia. Todas possuíam valores religiosos.
    Aliás, com todo o respeito às pessoas céticas (o ceticismo é muito bom quando associado à virtude da prudência) as tentativas socialistas assumidamente atéias além de não construírem a utópica “Babel sem Deus” nas palavras de Dostoiévski ainda deixaram um rasto horrível.

    Veja, nunca neguei a existência de uma ciência pré-cristã. Ciência como acúmulo do conhecimento humano e novas descobertas existe desde as primeiras combinações de pigmentos para as pinturas das cavernas.

    O que me refiro e contesto é tomar a ciência como instância última e definitiva para a verdade. Isto é espúrio e qualquer cientista honesto sabe disto.

    Mas falando-se em ciência moderna, apesar de ainda ser tratada como Filosofia Natural nos tempos de Newton, nasceu com o método científico e teve seu precursor na idade média no meio franciscano, ou seja, ambiente bem religioso.
    Confira esta afirmação do monge Roger Bacon na sua obra “Opus Maius”:
    “Sem experimentos, nada pode ser adequadamente conhecido. Um argumento prova teoricamente mas não dá a certeza necessária para remover a dúvida; nem a mente repousará na visão clara da verdade se não a encontrar pela via do experimento.”
    E no Opus Tertium: “O argumento mais forte não prova nada enquanto as conclusões não forem verificadas pela experiência”.
    Muito atual para um monge – religioso – do século XIII, não?
    Finalizando, sou sim uma pessoa religiosa, e como tal procuro usar a razão no lugar de argumentos ad hominem.
    Lembre-se religiosidade verdadeira não é fanatismo.

    Grato

  28. Tallick - Cético says:

    Carta á Miguel

    Sua explicações foram mais esclarecedoras, porém ainda colocando a ciência em um lugar um tanto impróprio. As civilizações realmente, em tempos remotos, como por exemplo, nos tempos da idade do bronze, ou seja, na pré-história, na fabricação de utensílios e ferramentas de bronze, obviamente usavam já uma tecnologia avançada, que os povos anteriores, nao haviam dominado. Só que, tais povos da antiguidade, usavam digamos métodos nao científicos – talvez nao seja essa a palavra correta, e sim, tecnológicos, mas nao como se fosse uma ciência, e sim, viam tais métodos como uma atividade religiosa, ou seja, mística. Por exemplo, os incas, construiram grandes pirâmides e tipos de templos específicos, para venerarem e agradecerem aos seus deuses por vários motivos, e também para expôr suas respectivas superioridades ás tribos e póvos que tentavam se opor a eles, e provavelmente nao faziam idéia de que haviam acabado de inventar enormes monumentos e torres de pedra, usando para aquela época, uma engenharia bastante avançada e que causa adimiração ainda nos dias de hoje no campo da física e engenharia. Portanto, usavam-se sim tecnologia já avançada, mas nao como ciencia, e sim, como artifícios, produtos, e consequencias de ações dos espíritos ou para agradecer á algum espírito ou deus. Os indios brasileiros, tambem entram numa espécie de nirvana para se comunicarem com os espíritos e seres do passado, mas para isso, usam uma espécie de alucinógeno específico para tal fim, ou seja, nada metafísico ou que tenha de fato algum espírito por trás disso tudo, e sim naturalmente reações químicas no cérebro.

  29. Paranhos says:

    Caro Miguel,

    Não se esqueça de que a ICAR monopolizava o conhecimento naquela época, e todo e qualquer um que desejasse estudar deveria se dirigir à um mosteiro…
    O que não impõe uma predileção daquela pelos assuntos científicos, senão para exercer controle e manipulação destes.

  30. Miguel says:

    Oi,
    grato pelas respostas.

    Seguindo o tema principal:

    Com certeza o biotipo loiro com olhos azuis está muito mais calcado em objetivos de catequese do que em elementos históricos. O mesmo serve no lado oposto para a imagem do demônio com chifres e cor vermelha.
    Contudo, se tomarmos os ícones da igreja oriental veremos que a aparência e a beleza física dos personagens são muito menos importantes que a carga teológica. Este tipo de imagem é feita não com intuito de retratar as pessoas como eram mas de sedimentar a mensagem que transmitiram.
    Não obstante a mensagem seja mais importante que a aparência, a do Mestre é um dado de muita relevância quando pensamos em situa-lo histórica, étnica e geograficamente.
    Eu pessoalmente me norteio bastante pela relíquia chamada Santo Sudário, pois fornece informações bem interessantes.

    Aqui vão alguns links do trabalho recente em 3D realizado pelo artista Ray Downing com base nas “informações 3D” contidas na peça de linho.

    http://padom.com.br/especialistas-recriam-rosto-de-jesus-em-3d-a-partir-do-santo-sudario

    http://www.youtube.com/watch?v=xdmNd8LsYPY&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=i2Ggxvgcx88&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=4lMI0CzmHRw

    Por favor não tomem como minhas as opiniões prós e contras nem as manifestações de fé ou da ausência dela. Interessam os fatos e as conclusões que podemos extrair deles.
    Como retrato de Jesus já me satisfaria bastante o volume bruto obtido pelo 3D, sem o trabalho artístico posterior, apesar de acha-lo muito bom.

    Abraço

    Ps.: curioso como apesar de esta notícia ser potencialmente interessante para cerca de dois bilhões de pessoas pouco ou nada se divulgou na grande mídia…

  31. Miguel says:

    Oi Paranhos

    Eu me pergunto o que seria monopolizar conhecimentos? Especialmente quando o suposto monopolizador atuou alargando as fronteiras do saber e espalhando pólos de formação intelectual por toda a Europa – e depois pelo novo mundo.
    Ademais, porque não surgiu outra instituição melhor? Reis como Carlos Magno desejavam a cultura para seu povo. O que fez foi reforçar a ação dos religiosos. Porque simplesmente não criou um ministério laico para isto?
    Creio que posso responder: a Igreja Católica sempre fomentou a cultura e o progresso científico onde esteve presente. Isto não é apologia, é história. Veja as universidades de Paris, Cambridge, Bolonha, Oxford. Todas são de origem católica e não surgiram do nada, mas sim como o ápice da evolução de um processo.
    Honestamente se o resultado da manipulação católica foi a civilização ocidental (e o foi) que suplantou em muito a oriental, então bendita seja!
    Resumindo, penso que para dominar ou monopolizar o conhecimento é preciso ser bom. Roma antiga conquistou a Grécia mas se viu conquistada pelo pensamento grego, que era superior.
    Os americanos dominam o cinema como ninguém porque são bons nisto. Não quer dizer que ninguém possa fazer filmes fora dos EUA, mas eles são os mestres.
    Outro mito é o de que todos eram obrigados a ser cristãos na idade média. Basta ler uma obra da época, como o Decamerão por exemplo, para constatar o contrário. Ou então conferir as letras de caráter acentuadamente profano de Carmina Burana que data do século XIII (foi musicada por Carl Orff).
    Outro mito: que ninguém podia se opor à autoridade de Roma. Basta ler a Divina Comédia de Dante Alighieri para ver seu declarado desafeto ao Papa Bonifácio. Aliás havia correntes políticas pró e contra à autoridade papal.
    Eu penso que para nós sermos realmente justos para com o passado e podermos compreender a realidade atual com um saudável ceticismo devemos antes purgar toda a coletânea de mitos inculcada em nossas mentes por esta mídia tendenciosa.
    Creio também que fazer justiça à Igreja Católica pelo muito que beneficiou a civilização ocidental não obriga ninguém a ingressar nela nem e concordar com tudo o quanto prega. Apenas significa abandonar aquelas respostas automáticas que colocam esta instituição como ré condenada a priori por um pensamento mais livre e altaneiro.

    Abraço

  32. strider says:

    em minha opinião sobre o post,
    discutir um assunto como este é apenas rodeio,
    não se chega a lugar nenhum
    e nem tem muito sentido
    a própria igreja realizou em sua história diversos concílios, determinou diversos dogmas
    reconhecidos como verdadeiros por maioria de votos
    porque se a maioria defende a mesma idéia, então é a voz de deus
    na época em que viveram, líderes espirituais da humanidade não eram compatíveis aos valores de suas sociedades
    assim como ainda seriam, hoje em dia
    se jesus voltasse pra terra da forma que muitos crentes pensam, o que ele acharia de seu legado?

  33. silmara machado zanoni says:

    SE JESUS NÃO EXISTIU,PORQUE CARGAS D’ÁGUA DIVIDIRAM O CALENDÁRIO EM ANTES E DEPOIS DE JESUS CRISTO…E QUEM INVENTOU ESSE NOME?E QUEM FEZ ESSE MARKETING PERPETUAR POR DOIS MIL ANOS?E QUEM ESCOLHEU O LUGAR ONDE ELE TERIA NASCIDO?E A BIBLIA QUEM TERIA A IDÉIA DE CRIÁ-LA?E A HISTÓRIA DO CALVÁRIO,QUEM TERIA ESCRITO UMA PEÇA TÃO LINDA E REAL NAQUELA ÉPOCA?E QUEM VIVEU ANTES DE JESUS,COMO PROVARAM SUA EXISTÊNCIA ATAVÉS DOS TEMPOS…(PLATÃO ,JULIO CEZAR,PITÁGORAS)QUEM PODE PROVAR QUE ERAM OU NÃO FILÓSOFOS?HÁ MAIS MISTÉRIOS ENTRE O CÉU E A TERRA ,DO QUE PODE PROVAR A VÃ FILOSOFIA…PENSEM NISTO E DÊEM CRÉDITOS A JESUS..AFINAL É TÃO DIFICIL ACEITAR O DIVINO ASSIM?OU O FATO DE QUE O HOMEM FOI À LUA?REFLITAM SE VC ACREDITAR EM CRISTO ,O QUE TEM A PERDER?

  34. ROBERTO LUIZ MATTAR says:

    ROBERTO LUIZ MATTAR – bauru-sp – diz: na justiça quando não se tem a prova cabal, julga-se pelas evidencias. – JESUS NUNCA APARECEU NA FORMA COMO RESSUCITOU.- SE APARECEU FOI EM FORMA DE CRIANÇA -STO ANTONIO. STO BENEDITO – STO CRISTO VAN -ETC.- MAS PELAS EVIDENCIAS A FIGURA DELE DEVERÁ SER O POSITIVO DO SANTO SUDARIO.- NENHUM MORTAL PODERIA TER FORJADO ESTA PROVA POLEMICA. – O RESTO É TER FÉ E DEIXAR POR CONTA DE DEUS -SOMOS TODOS CHIPADOS .,EXISTE UM DESTINO PARA CADA UM – VIVEMOS E SENTIMOS SOMENTE O HOJE – O PASSADO FOI E O FUTURO É INCERTO PARA NÓS HUMANOS.- VAMOS VIVER O DIA .- ALELUIA

  35. Gilgamesh says:

    Jesus existiu, caso contrário não teriam existido os primeiros cristãos no seio do Império Romano, e isto é fato histórico. O problema é que o verdadeiro Jesus não tem muito a ver com o Jesus bíblico. A ICAR, aliada ao Império, adaptou Jesus e sua vida às necessidades de Roma, criando um personagem à guisa do deus-solar Mitra, principalmente, e de outros, em sincretismo com o judaísmo e outros cultos pagãos, satisfazendo a todos os romanos e criando, assim, uma religião sólida para todo o Império. O verdadeiro Jesus nunca quis fundar religião alguma. Era um grande filósofo rabino da escola de Hillel, que contestava o judaísmo farisaico de então, que era o judaísmo dominante na Palestina do primeiro século.

  36. Walter Ice says:

    Nao e preciso se preocupar com aparencia de Jesus porque o mesmo nunca existiu. No ano apontado para o nascimento de Jesus se fizerem os calculos certos Poncio Pilatos nao era governador. Existia sim, pouco antes do ano 1 uma certa lenda dos judeus sobre o messias que viria para salvar a patria – e 100 anos depois isso se transformou em 4.000 versoes diferentes da historia de Jesus.
    Os gregos aproveitaram essas lendas para injetar o cristianismo no popo de roma e diminuir o poder de seus governantes loucos. A coisa deu tao certo que no ano 300 o Imperador Constantino fez aquilo que todo mundo sabe: encomendou uma Biblia junto aos doutores e bibliotecarios de Roma, misturou tudo com cerimonias do deus Mitra e lendas do paganismo inventando assim a igreja catolica.Bobo de quem acredita.
    Todos os documentos que supostamente provam a existencia historica de Jesus foram ou criados ou falsificados pela igreja em interesse proprio – e que interesse. Basta pesquisar seriamente para se chegar a certeza plena – JESUS NUNCA EXISTIU. So na imaginacao mesmo.

  37. ROBERTO LUIZ MATTAR says:

    ROBERTO LUIZ MATTAR -(Bauru -sp) diz : INFELISMENTE ALGUNS HUMANOS REJEITAM A HISTORIA DE JESUS .- COM CETISMO EXAGERAM E ACABAM NÃO ACREDITANDO EM NADA. INFELISMENTE AS PESSOAS ACABAM SE TRANSFORMANDO NO RESULTADO DO MATERIALISMO.(SE ALEGRAM E AO MESMO TEMPO SOFREM -VEJAM O MODISMO CEREBRAL DA DEPRESSÃO QUE ASSOLA OS MATERIALISTA.= A FIGURA DE JESUS E SUA PRESENÇA ESPIRITUAL É LATENTE .= PRECISA SE EXERCITAR TODOS OS DIAS ,ASSIM COMO NOS ALIMENTAMOS MATERIALMENTE TODOS OS DIAS;- QUANTO NOSSA HISTORIA TRADICIONAL = HJ JÁ PROVAMOS QUE É VERDADE ,VEJAM AS APARIÇÕES DE MARIA E SUAS REVELAÇÕES.= AOS HUMANOS LOGICAMENTE EXISTE UM DESTINO MATERIAL PARA CADA UM E UM DESTINO ESPIRITUAL DENTRO DE CADA UM (ESTE SIM PODE SER MUDADO COM A ENERGIA ESPIRITUAL DE DEUS =CRISTO JESUS =MARIA =APOSTOLOS =SANTOS E INCLUSIVE BEATOS.= O DESTINOS DO MUNDO E DOS HUMANOS PERTENCE AO LIVRO IMAGINARIO DE DEUS.= FALE COM DEUS (OLHE AOS CEUS E INVOQUE A PRESENÇA DO CRIADOR EM SEU ESPIRITO E VAI VER QUE TUDO PODE SER MUDADO DENTRO DE VOCE. = JESUS EM SUA HISTORIA DISSE : EU VOU MAS VOS DEIXO A PAZ E VOS DOU A MINHA PAZ. ( ALGUEM VIVE BEM SEM PAZ ? – COM DINHEIRO OU SEM DINHEIRO ? = COM AMOR OU SEM AMOR ? ) PAZ É TUDO ….É MELHOR ACREDITAR DO QUE ESPERAR SOMENTE EM NÓS MESMOS.= AI É DIFICIL……….

  38. Fragata says:

    O Próprio jesus falou que mesmo o pessoal que o viu cara-a-cara na época em que andava com eles em corpo físico, agora já não o reconheceriam mais =P

    João, um dos apóstolos, descreveu sua futura aparência um tanto desconexa pra visão humana, seu rosto era iluminado, seus olhos eram como chamas e em suas coxas estava escrito “Rei dos reis e Senhor dos senhores”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to Top ↑