MENU

Misticismo Quântico

Conspiração Hoje

9 de agosto de 2009 Comments (9) Views: 6330 Ceticismo, Destaques, Fortianismo

O Mundo das Teorias de Conspiração

por Roger Sandell, publicado em Magonia n.5 em 1980

Como a ufologia, a idéia de que o mundo contemporâneo é controlado por organizações conspiratórias vastas e secretas, é uma que é primariamente difundida por grupos e indivíduos obscuros através de jornais caseiros duplicados ou impressos de forma barata. A um outsider as idéias avançadas como conspiração parecem realmente estranhas. Para considerar alguns exemplos:

  • Gary Allen, o comentarista chefe da sociedade John Birch, acredita que a URSS é secretamente controlada pela família Rockefeller [1];

  • Carl Oglesby, ex-presidente do novo grupo de esquerda americano Estudantes para uma Sociedade Democrática, afirma que os assassinatos políticos dos anos sessenta e a crise de Watergate fizeram parte de uma luta gigantesca pelo controle do E.U.A. entre os banqueiros de Nova Iorque e os petroleiros do Texas [2];

  • Nesta H. Webster, a escritora dos anos 20 que originou muito das teorias de conspiração modernas, alegou que movimentos revolucionários modernos são manipulados por uma conspiração oculta de séculos de idade que se origina com os medievais Cavaleiros Templários e a Ordem dos Assassinos [3];

  • Walter Bowart, um jornalista americano, acredita que a CIA controla os E.U.A. por meio de um exército secreto de agentes zumbi que foram submetidos operações de controle da mente [4];

  • O autor anônimo de The Gemstone File, uma alegada história secreta da América moderna distribuída por livrarias underground aqui e nos E.U.A., alega que a guerra de Vietnã foi lutada para preservar o monopólio do mercado mundial de heroína por Aristóteles Onassis [5].

Claramente, as idéias dos teoristas de conspiração mantêm pouca relação com as idéias geralmente aceitas de eventos mundiais. Algumas delas parecem tão absurdas a ponto de lançar dúvida sobre a sanidade de seus defensores. Porém, a tradição conspiracionista não é simplesmente o produto de paranóides isolados, mas tem uma longa história política.

A história das teorias de conspiração começa na década de 1790. A Revolução francesa, por causa de sua natureza totalmente sem precedente, teve um impacto difícil de conceber hoje. De repente, por toda parte na Europa toda estrutura da sociedade parecia ameaçada e idéias existentes pareciam inadequadas para explicar o que tinha acontecido. Na Inglaterra os resultados incluíram repressão oficial e um crescimento súbito de cultos baseados nas passagens apocalípticas da Bíblia. [6]

Outro resultado foi o aparecimento em 1797 de livros intitulados Memoires pour Servir a l’Histoire du Jacobinisme por Augustin du Barruel, um padre francês, e Provas de uma Conspiração Contra todas as Religiões e Governos, por John Robison, matemático escocês. Os dois livros ofereceram uma explicação simples para a Revolução Francesa: a monarquia francesa caiu como resultado de uma conspiração nutrida pelos Maçons e sociedades secretas semelhantes. Tanto Barruel quanto Robinson se focaram em um nome particular – Illuminati. [7]

Este grupo era uma sociedade secreta fundada na Baviera em 1776 por Adam Weishaupt (à esquerda), professor universitário. Seu objetivo era disseminar as doutrinas do Iluminismo do século XVIII de igualdade humana e racionalidade, e atraiu um grupo de seguidores considerável, até que foi suprimido pelas autoridades Bávaras em 1785. Porém, de acordo com Barruel e Robison os illuminati não tinham deixado de existir em 1785 mas tinham ido simplesmente para a clandestinidade. Os líderes da Revolução francesa eram Maçons e Illuminati, ou os agentes deles e seguidores, levando a cabo um plano secreto para subverter as monarquias de Europa e a religião Cristã.

Qual era a verdade por trás destas idéias? A maçonaria moderna tinha se originado na Inglaterra em princípios do século 18, e de lá tinha se espalhado para a Europa. Na Inglaterra e França seu juramento e regulamentos ordenavam lealdade para a igreja e estado, e sua sociedade incluiu os membros das Famílias Reais tanto da Inglaterra quanto da França, como também clero protestante e católico. É possível encontrar evidência de atividade política dos Lodges do século 18, mas isto é localizado e certamente não é evidência de uma conspiração radical. (Na realidade a Maçonaria inicial inglesa e francesa parecem ter sido influenciadas pelos Jacobitas, partidários do católico exilado Stuart pretendente ao trono britânico.)

Os primeiros estágios da Revolução francesa foram acompanhados por esperanças de um espírito novo de cooperação entre as classes sociais, e alguns maçons saudaram este espírito como uma vindicação dos ideais maçônicos de fraternidade humana. Porém, à medida que a Revolução progrediu suas vítimas incluíram Maçons proeminentes, e a destruição da aristocracia francesa levou a atividade maçônica na França a uma virtual parada.

Apesar destes fatos as idéias de Robison e Barruel ganharam uma boa quantidade de seguidores. Alguns escritores as distorceram em versões até mais estranhas. Um folheto da década de 1790 alegou que os Maçons eram os descendentes dos medievais Cavaleiros Templários, e que a Revolução francesa era uma vingança dos Templários pela perseguição da monarquia francesa, quatrocentos anos antes.

A Revolução foi seguida pelas Guerras Napoleônicas, e a queda de Napoleão foi seguida pela restauração de regimes reacionários pela Europa. Neste clima de repressão, os radicais em vários países escolheram se organizar em grupos com senhas, rituais de iniciação e reuniões secretas. Na Itália da década de 1820 o ideal de unidade italiana foi nutrido pelos Carbonari ou Queimadores de Carvão, uma sociedade secreta que como a Maçonaria fez alegações grandiosas de grande antiguidade. Na Rússia e Irlanda do século XIX sociedades secretas se tornaram focos para atividades antigovernamentais. Até mesmo na Inglaterra os primeiros sindicatos praticaram juramentos e iniciações parecidos com os Maçônicos.

Como resultado o espectro de conspiração internacional continuou assombrando os defensores da ordem estabelecida. Em 1820 Count Metternich, o estadista austríaco, pediu por uma conferência internacional para discutir meios de combater as sociedades secretas. Em 1852 Disraeli, o futuro Primeiro-ministro, podia escrever da antiguidade e malevolência das sociedades nestas palavras:

"A origem das sociedades secretas que prevalecem na Europa é muito remota. É provável que elas sejam originalmente confederações de raças conquistadas organizadas em grande medida pelas hierarquias abrogadas… as duas características destas confederações que agora cobrem a Europa como uma rede, são guerra contra a propriedade e um ódio da revelação Semítica [i.e. Cristianismo]. Estes são os legados dos fundadores delas; uma propriedade perdida e os criados de altares que foram subvertidos."

Taxil  descreveu o aparecimento de Satanás em rituais maçônicos – aparentemente ele tomou a forma de um crocodilo e tocou piano – e os laboratórios secretos sob Gibraltar onde demônios fabricavam germes de pestilência para devastar a Europa católica

Na segunda metade do século XIX um novo elemento sinistro estava entrando no mundo dos teoristas de conspiração. Um romance alemão de 1868, Biarritz por Herman Goedesche, descreve como os heróis se escondem no cemitério judeu em Praga, e testemunham uma reunião secreta entre o diabo e os Anciões das doze tribos Judias. Na reunião aqueles presentes descrevem como os judeus devem usar seu di
nheiro e influência para se tornar governantes do mundo. (Como nós veremos, este não é de forma alguma o último exemplo de um escritor de thriller se servindo de teorias de conspiração para seus enredos.) [8]

Na metade do século XIX os judeus – não-Cristãos, urbanos e recém-liberados de limitações cívicas – estavam em vários países começando a ser vistos como o inimigo principal pelas forças de reação e clericalismo baseadas no campo. Como Biarritz mostra, este anti-semitismo combinou as idéias medievais do judeu como aliado de Satanás com a idéia da malvada sociedade secreta que manipula eventos políticos. Porém, tais idéias não eram exclusivas de péssimos novelistas. Já em 1893 era possível para o Arcebispo católico romano de Maurício terminar uma denúncia da Maçonaria afirmando que os Maçons eram simplesmente ferramentas dos judeus, e em suas palavras finais ele horrivelmente se antecipa a Hitler: "Não esperem, ó judeus, poder escapar da calamidade que os ameaça… nós não desejamos ser os escravos dos judeus… nós esqueceremos de nossas diferenças políticas para permanecermos firmes contra os inimigos de Deus. A Vitória é certa."

Ao mesmo tempo na França as fraudes grotescas de Leo Taxil acharam uma audiência pronta entre o clero. Taxil, que alegou ser um desertor maçônico descreveu o aparecimento pessoal de Satanás em rituais maçônicos – aparentemente ele tomou a forma de um crocodilo e tocou piano – e os laboratórios secretos sob Gibraltar onde demônios fabricavam germes de pestilência para devastar a Europa católica. Taxil mostrou ser um anticlericista que inventou suas estórias para expor a credulidade de seus oponentes.

Foi na Rússia Czarista que o anti-semitismo moderno alcançou sua forma definitiva. O fracasso da revolta de 1905 foi seguido por pogrons oficialmente encorajados e propaganda anti-semítica, notavelmente um documento intitulado Os Protocolos dos Anciões de Sião. De acordo com seu editor Sergei Nilus, um proprietário de terras que se tornou um maníaco religioso depois de perder sua fortuna, este livro consistia nas minutas secretas de uma reunião de líderes judeus para planejar a dominação mundial. O plano envolvia o encorajamento do vício e ateísmo para despolarizar a Europa e o uso de movimentos revolucionários e manipulação financeira para provocar o colapso final de governos nacionais e a substituição deles por um império mundial judeu. Este trabalho, em realidade uma falsificação elaborada pela polícia secreta russa, foi tomado seriamente pelo próprio Czar e logo se tornou um texto preferido da extrema-direita russa. Como veremos, posteriormente exerceria uma influência malévola muito além da Rússia.

Embora a Rússia fosse singular na Europa pré-1914 ao ponto do anti-semitismo e crença em conspirações receberem sanção oficial, as mesmas idéias eram prevalecentes em muitos outros lugares. Enquanto o caso Dreyfus abalou a virada do século na França, os direitistas proclamaram que a crise era o trabalho do ‘Sindicato’, uma força sinistra vista como uma aliança de judeus, Maçons, radicais e agentes alemães. [7]

Na Inglaterra o começo do século XX foi um período de crise social. Tensão internacional em escalada e a revolta dos trabalhadores, mulheres e a Irlanda desafiaram a estrutura da sociedade. Um resultado disto (esboçado em outros artigos em MUFOB e Magonia) foi a eclosão de pânicos centrados em espiões, invasões estrangeiras e aeróstatos misteriosos. Outro foi a popularidade aumentada de idéias anti-semíticas e conspiratórias. Um thriller extremamente popular deste período, When it was Dark por Guy Thorne, descreve o plano de um milionário judeu para destruir o Cristianismo fabricando dados arqueológicos fraudulentos sobre a vida de Jesus. [10] O romance histórico de Rudyard Kipling para crianças, Puck of Pook’s Hill inclui uma cena na qual os credores judeus da Europa medieval se encontram para planejar o destino do continente. Até mesmo propaganda radical contra a Guerra Bôer desenvolveu tons anti-semitas em alguns casos descrevendo a guerra como o trabalho de financistas judeus.

Os anos de 1914 a 1920 viram guerra mundial seguida por revolução e inquietação pela Europa. À medida que a velha ordem se esfacelava seus defensores, como as vítimas da Revolução francesa, procuraram nas teorias de conspiração por uma explicação do que estava acontecendo. Foram distribuídas cópias dos Protocolos dos Anciões de Sião a soldados do exército Czarista na Guerra Civil russa. O Marechal-de-campo Ludendorf, o senhor de guerra do Kaiser, culpou o colapso da Alemanha como uma conspiração de judeus, Maçons e Jesuítas.

A Inglaterra não estava de forma alguma imune a estas atitudes; jornais freqüentemente expressaram suspeitas relativas à ‘Mão Oculta’ que supostamente estava sabotando o esforço de guerra. Quando a Revolução russa chegou, um relatório de Escritório Estrangeiro oficial incluiu observações de que os bolcheviques eram ‘Judeus Internacionais’. Até que ponto estas convicções foram aceitas pode ser visto no primeiro capítulo do thriller famoso de John Buchan The Thirty-Nine Steps. Coronel Scudder, agente secreto, explica que por trás de toda companhia principal na Europa há um "judeu em uma cadeira de rodas com uma face parecida com o de uma cascavel", e que a causa da Primeira Guerra Mundial é que "o judeu tem a faca dele no Império russo".

Um dos principais disseminadores de teorias de conspiração por esta época, e uma grande influência em teorias posteriores foi Nesta H. Webster (à direita), autora de World Revolution; the Plot Against Civilisation e Secret Societies and Subversive Movements, publicados nos anos vinte. Nestes livros são reunidos os temas de teorias de conspiração prévias em uma síntese extraordinária. A última origem dos movimentos revolucionários do século vinte é declarada como uma seita medieval de muçulmanos fanáticos conhecida como a Ordem de Assassinos. Os Assassinos tiveram sucesso em subverter os Cavaleiros cruzados Templários que levaram suas idéias para a Europa onde eles formaram a base da Maçonaria. Os Maçons e os Illuminati de Weishaupt tinham conduzido as revoluções francesa e bolchevique. Os socialistas, o IRA e outros movimentos radicais eram controlados pelos mesmos conspiradores Satânicos, junto com os mais recentes aliados deles os Sionistas e o Grupo de Generais alemão.

É uma indicação adicional do clima mental do período que a senhora Webster foi convidada a palestrar para grupos de oficiais do exército em mais de uma ocasião, e que em 1920 um MP principal que escrevia sobre o Bolchevismo podia alegar que: "Esta conspiração contra a civilização [data] dos dias de Weishaupt… como a historiadora moderna a senhora Webster tem mostrado tão habilmente, ela desempenhou um papel reconhecível na Revolução francesa." [11] O autor dessas palavras foi Winston Churchill.

Como o Exército Vermelho emergiu vitorioso da Guerra civil russa, os emigrados Czaristas se espalharam a muitos países. Alguns deles formaram focos para a distribuição de propaganda anti-semítica. Os esforços deles caíram em terreno receptivo. Nos EUA, Henry Ford ficou impressionado o suficiente para contratar um time de detetives para tentar localizar os Anciões de Sião. Na Inglaterra os Protocolos foram tomados seriamente pela maioria das seções respeitadas da imprensa. Em 1920 The Times editorialisou: "Será que nós, esforçando cada fibra de nosso corpo nacional, escapamos de uma Pax Germanicus apenas para entrar em uma Pax Judaica? Os Anciões de Sião, como representados nos seus Protocolos, não são de forma alguma mestres mais amáveis que
William II e seus capangas". (É justo atentar que nos anos seguintes o Times publicou uma série de artigos expondo a natureza fraudulenta dos Protocolos.)

Na Alemanha a publicação deles deu um impulso considerável ao embrionário partido Nazista. Os resultados do anti-semitismo na Alemanha significaram que o tipo de idéias tratadas neste artigo acabaram se tornando reservados em grande parte a grupos abertamente nazistas, como a Frente Nacional na Inglaterra [12]. Porém os últimos anos parecem ter visto um revival de teorias de conspiração. Uma fonte disto parece ter sido o conflito entre os tradicionalistas e liberais na igreja católica romana. Os oponentes da reforma na igreja têm em alguns países como a França disseminado propaganda anti-maçônica e anti-semítica do tipo do século XIX, e alegam que os Maçons dominaram a Igreja.

Porém a fonte principal de teorias de conspiração modernas é os EUA. Isto é dificilmente surpreendente. Os assassinatos políticos dos anos 60 deixaram muitas perguntas sem resposta; o escândalo de Watergate revelou uma rede de conspiração criminal que se estende até a Casa Branca, e foi seguido por revelações sobre a CIA relativas ao uso de drogas ilegais, planos de assassinato e negócios com gângsteres que pareciam tão fantásticas quanto as idéias mais estranhas das teorias de conspiração. Jimmy Carter, cuja eleição tinha parecido prometer uma quebra deste mundo dos criminosos políticos, mostrou ser um membro da Comissão Trilateral, um clube semi-secreto de políticos e homens ricos, patrocinado pelos Rockefellers. [13]

Muitos grupos diferentes responderam a estes eventos com interpretações conspiratórias. A Sociedade John Birch, que já foi uma organização puramente de extremo anticomunismo, descobriu os trabalhos de Nesta Webster e os teoristas de conspiração anteriores como Barruel e Robison. A Sociedade proclama agora que o Comunismo é uma criação de banqueiros internacionais, e a Comissão Trilateral seria a mais recente face dos Illuminati. Na Esquerda alguns escritores abandonaram idéias socialistas tradicionais de como a sociedade funciona em favor de uma análise da sociedade americana que a vê controlada por agências de inteligência e super-capitalistas. [14] Illuminatus de Robert Alton Wilson, um estranho romance de ficção científica que incorpora histórias de conspiração de esquerda e direita se tornou um best-seller.

Tal é o mundo das teorias de conspiração; um mundo que como nós veremos na segunda parte deste estudo, tem várias ligações surpreendentes com a ufologia.

***

Referências

1. Gary Allen, None Dare Call it Treason, 76 Press, California, 1971. The Rockefeller File ibid., 1976
2. Carl Oglesby, The Yankee-Cowboy War, Sheed Andrews, Kansas City, 1976.
3. Nesta H. Webster. Secret Societies and Subversive Movements. Constable, London. 1924.
4. Walter Bowart, Operation Mind Control, Fontana, London. 1976.
5. Anon. The Gemstone File. Privately printed, London, 1976.
6. J Harrison. The Second Coming, Routlege and Kegan Paul, London, 1978.
7. The data on eighteenth and nineteenth century secret societies in this article is taken largely from: J. M. Roberts, The Mythology of the Secret Societies, Paladin, 1974.
8. Most of this article’s material on antisemitism comes from: Norman Cohn, Warrant for Genocide, Eyre and Spottiswood, London, 1971.
9. Barbara Tuchman, The Proud Tower.
10.
Claude Cockburn, Best Sellers.
11. Sunday Herald, 8 February 1920.
12. The role of conspiracy theories in national front ideology is described in: Michael Billig, Fascists, Harcourt Brace, London, 1978.
13.
Howard Zinn, A People’s History of the United States, chapter 20. Longmans, 1980
14. For left-wing conspiratorial interpretations of American political assassinations, see: Yazijian and Blumenthal, Government by Gunplay, Signet, NY, 1976. Similar interpretations of Watergate and some criticisms from a traditional left viewpoint can be found in: Steve Weissman: Big Brother and the Holding Company, Ramparts Press, California, 1974

Tags: , ,

9 Responses to O Mundo das Teorias de Conspiração

  1. omundo não e mais o mesmo as religiões não sabem se pregão deus ou o diabo lobos camuflados estão la em todo lugar nimguem se importa o futuro de palavras sinais gestos codigos e segredos tudo se tornou perigoso nimguem pode falar quem vai acredita em vocês o mundo moderno sega as iluzoes são convincentes até demais e dificil mais olhando as folhas ao vento e bem no fundo da nossa pobre alma sabemos que demonios existem e estão la em algum lugar a espera da nova ordem para se libertar e derepente se apresenta no fundo das insertezas das pobres almas humanas dos pastores cansados de mentirem em alguns momentos esses outro sere s sairão para fora e sua terrivel face a lua ou o sol se tornara mais que visivel , tudo isso logo chegara e a dor não mais estara pois logo a nossa face todo o mundo vira um grande novo caminho e a novas coisas do passado serão mais que verdadeiras e tudo que foi dito logo nós sonhos dos homens será a pura verdade . [email protected] a illuminação somos nós para esse mundo

    • Josué de Castro disse:

      Alguns reparos à tradução.
      “É possível encontrar evidência de atividade política dos Lodges do século 18, mas isto é localizado e certamente não é evidência de uma conspiração radical.”

      Penso que lodges aí se refere às lojas maçónicas, simplesmente.

      “Em 1820 Count Metternich, o estadista austríaco, pediu por uma conferência internacional para discutir meios de combater as sociedades secretas. ”

      Count aí é simplesmente o título de conde.

      “Quando a Revolução russa chegou, um relatório de Escritório Estrangeiro oficial incluiu observações de que os bolcheviques eram ‘Judeus Internacionais’.”

      Escritório Estrangeiro, Foreign Office é simplesmente o ministério dos negócios estrangeiros.

      E MP é membro do parlamento.

      • Marquês de Alorna disse:

        Tenho a impressão que esse Josué de Castro sou eu. É incrível como não alteraram a tradução, como se isso fosse um pormenor sem importância.

    • Abibo Ajansse disse:

      si eu chegar vou trabalhar como de ser

  2. Fabio Netto disse:

    O SEGREDO DA MAÇONARIA / ILLUMINATI

    Eu me interesso por esse assunto, e faço pesquisas detalhadas sobre sociedades secretas há muito tempo, de maneira coerente e coesa, uma delas é a Maçonaria. O que eu pude constatar, é que há uma campanha de desinformação à respeito da mesma, nada das informações publicadas em livros , sites, blogs, vídeos são coerentes e uniformes, ou seja, há vários “fatos” sobre essa fraternidade que não batem. Por exemplo ; tem referencias específicas sobre rituais praticados em todos os veículos de mídia acima citados, em um livro diz-se uma coisa, em outro livro sobre o mesmo assunto(ritual) diz outra completamente diferente…e assim vai em sites, blogs, vídeos. Eu acho o seguinte… esses caras estão aí nos bastidores da história há séculos, são um grupo muito bem fundamentado e doutrinado, vocês acham que assim…do nada… os seus maiores segredos vão sendo revelados fácil…tolo de quem acredita. Acho, e constatei , que Eles estão em uma franca campanha de desinformação, se você pensar bem…é muito esperta essa estratégia, devido ao grande interesse das pessoas à respeito…nada mais eficaz do que uma enxurrada de informações falsas, e pode ter certeza que são, para saciar a curiosidade alheia. Houve uma interceptação(gravação) de uma longa e reveladora conversa entre dois maçons eminentes Graus 33, se é que realmente esta graduação exista ou seja verdadeira,eles dizem nesse diálogo , que todos os maçons quando vêem ; os livros , vídeos, blogs e sites colocando imagens daquelas posições, símbolos e sinais “bizarros”, termo utilizado por um deles com veemência, dão risadas, pois tudo é tão ridículo e fantasioso, que é difícil acreditar que as pessoas aceitem tudo como verdade…mas ao mesmo tempo é ótimo para a fraternidade, por isso não se vê nenhum maçom, do mais baixo ao alto grau, se pronunciar à respeito dessa tolices, palavras dele. Por isso , não acreditem em nada, desconfiem de tudo ! Todo esse material que circula pela internet é falso, tudo arquitetado para enganar e desviar a atenção do verdadeiro foco ! Não se deixem lograr … pois é isso que eles querem…e conseguiram.
    Caros, nenhum maçom…deixa de ser maçom, e por exemplo viram evangélicos ou perfilam-se na anti-maçonaria…esses que o dizem… são agentes infiltrados justamente para difundir a desinformação…por isso cuidado com esses “Ex-maçons”, pois são arautos da desinformação !…após sair de um culto Evangélico…vão direto para um templo maçônico prestar contas.

  3. Leonel Donoth disse:

    Na realidade, tudo que é contra o Evangelho de CRISTO, contra as Escrituras judaicas-cristãs é influência maligna.Religião condiciona, espiritualidade liberta.A verdadeira espiritualidade é ter JESUS CRISTO como Senhor e salvador.

  4. bonfim0alex disse:

    Estudando todo esse material sobre essas teorias com um mínimo de imparciabilidade, fica evidente que com a Internet, uma vasta rede de neurose aprofunda-se sobre a humanidade: busca-se resposta externas a isso aquilo e mais uma vez culpados, sejam extraterrestres ou seres malignos ou certas etnias levam a culpa. Concordo com o argumento de Fabio Netto acima e questiono :e você que vibra com tudo isso; qual seu papel nisso tudo, o que faz para a Terra ser um planeta melhor, porque compactua com tanto negativismo? Cristo, os mestres não precisam de defensores, mas sim de gente que se renova no… Bem.

  5. […] and Bones Realidade Oculta Ceticismo Aberto Super […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *