MENU

A Epidemia de Manchas no Pára-brisa de Seattle: Uma...

Os Gnomos das Cuecas

10 de agosto de 2009 Comments (3) Views: 1470 Ceticismo, Fortianismo

LSD e a CIA: O governo americano operou bordéis com lsd? Acredite!

original em History House

Ácido lisérgico de dietilamida, ou LSD, foi um sacramento de artistas, pretendentes a profetas e outros grupos sociais desde os anos sessenta. Inventado em 1938 pelo químico Dr. Albert Hofmann enquanto ele procurava por um analéptico (estimulante circulatório), ele descobriu que não tinha nenhum efeito em animais de laboratório e esqueceu tudo sobre o assunto. Anos depois, no fatídico dia de 16 de abril de 1953, ele absorveu acidentalmente um pouco de LSD pelas pontas dos dedos e embarcou na primeira viagem de ácido. Por essa época a CIA já tinha um programa em andamento há dez anos, procurando por drogas de interrogatório e soros da verdade. Eles tinham lidado com cafeína, barbitúricos, peyote e maconha. Eles também tentaram conseguir que sujeitos matassem enquanto estivessem sob hipnose, levando a uma operação que parece saída dos enredos de comédias. Martin A. Lee e Bruce Shlain relatam em seu livro Acid Dreams: The CIA, LSD, and the Sixties Rebellion, que antes de 1953 a CIA havia autorizado o projeto MK-ULTRA, com o objetivo de aperfeiçoar drogas de controle da mente durante a Guerra Fria.

Concebido por Richard Helms do Departamento de Serviços Clandestinos (sim, a CIA realmente dá para seus departamentos nomes bobos assim), ele foi além da construção de meros soros da verdade e se aventurou em desinformação, indução de loucura temporária e outros estados quimicamente-induzidos. O diretor do MK-ULTRA, Dr. Sidney Gottlieb, concluiu que o potencial do LSD como agente interrogatório mal se comparava com a sua capacidade para humilhar publicamente. Lee e Shlain notam que a CIA imaginou que fazer uma figura pública embarcar em uma viagem poderia ser divertido, produzindo um memorando dizendo que dar ácido "a altos funcionários seria algo relativamente simples e poderia ter um efeito significante em reuniões fundamentais, discursos, etc." Mas Gottlieb sabia que dar LSD a pessoas no laboratório era muito diferente de apenas passá-lo para fora, e sentiu que o departamento não tinha uma noção adequada de seus efeitos. Assim a operação inteira passou a ser aprender como tudo era, e, de acordo com Lee e Shlain,

concordaram entre eles inserir LSD nas bebidas uns dos outros. O alvo nunca sabia quando seria sua vez, mas assim que a droga fosse ingerida um…  colega lhe falaria para que ele pudesse tomar as preparações necessárias (que normalmente significavam tirar o resto do dia de folga). Inicialmente os líderes do MK-ULTRA restringiram os teste surpresa de ácido a [seus próprios] membros, mas quando esta fase tinha completado seu curso eles começaram dosando outro pessoal da Agência que nunca tinha viajado antes. Quase todo o mundo estava a risco, e viagens de ácido surpresa tornaram-se algo como um risco ocupacional entre os funcionários da CIA….  O Escritório de Segurança sentiu que [o MK-ULTRA] deveria ter exercitado um julgamento melhor ao lidar com tal substância química poderosa e perigosa. A gota d’água veio quando um informante de Segurança descobriu um plano de alguns brincalhões [do MK-ULTRA} para colocar LSD no ponche servido na festa anual de Natal do escritório da CIA… um escritor de memorando de Segurança…concluiu indignada e inequivocamente que ele ‘não recomenda testar nas poncheiras de Natal presentes nas festas de Natal do escritório.’

Com o fim da fase de teste em casa, o MK-ULTRA decidiu usar a droga sorrateiramente na rua para medir seus efeitos. Eles contrataram George Hunter White, oficial da narcóticos, para montar a Operação Clímax da Meia-noite (Midnight Climax), de acordo com Lee e Shlain, "na qual foram contratadas prostitutas viciadas em droga para apanhar homens nos bares locais e levá-los a um bordel financiado pela CIA. Os clientes desavisados eram levados a bebidas com LSD enquanto White sentava em um banheiro portátil atrás de espelhos de duas-faces, tomando martínis e assistindo toda ação dopada e pervertida". Lee e Shlain continuam e comentam, "quando [White] não estava operando um bordel de segurança nacional", ele deu festas animais para seus "amigos da narc[óticos]" com a provisão pronta dele de prostitutas e drogas. Ele enviou vales para "despesas não ortodoxas" para Gottlieb, e depois disse, "eu era um missionário muito secundário, de fato um herege, mas eu labutei de coração nos vinhedos porque era divertido, divertido, divertido. Onde mais poderia um garoto americano mentir, matar, trapacear, roubar, estuprar e pilhar com a sanção e benção do Todo Poderoso?"  No caso de precisarmos lembrar, estas alegações são apoiadas através de informação recentemente liberada pelo governo. Sim, Virgínia, a verdade é mais estranha que ficção.

Enquanto isso, de volta a casa, o general maior William Creasy, oficial líder do Corpo Químico do Exército na época, achava que substâncias químicas psicoativas como o LSD seriam as armas do futuro. Ele sentia que, digamos, contaminar a provisão de água de uma cidade com ácido e assumir o controle seriam muito mais humanitários que bombardeá-la. "Eu não nego", ele contou à revista This Week em maio de 1959, "que levar as pessoas à loucura até mesmo durante algumas horas não seja um prospecto agradável. Mas guerra nunca é agradável… você preferiria ser lesado temporariamente… por um agente químico ou queimado vivo…? " Isto soa humanitário: por que matar se isso for desnecessário, não? Infelizmente, Creasy não era só rosas. Lee e Shlain revelam que

O general maior Creasy lamentou o fato que testes em larga escala de armas psicoquímicas foram proibidos nos Estados Unidos. "Eu estava tentando levar a cabo, com uma boa história de cobertura", ele murmurou, "testar para ver o que aconteceria em metrôs, por exemplo, quando uma nuvem era lançada em uma cidade. Foi negado por razões que sempre pareciam um pouco absurdas para mim.”

General maior? E eles dizem que o Exército é uma verdadeira meritocracia…. De qualquer maneira, para não ser vencido pela CIA, o Corpo Químico do Exército posteriormente chegou ao benzilato de quinuclidinil, ou BZ, chamado de um super-alucinógeno. Afetava os indivíduos durante três dias, "embora sintomas – dores de cabeça, vertigem, desorientação, alucinações audíveis e visuais e comportamento maníaco – sejam de conhecimento para persistir tanto quanto seis semanas."  Caramba!

Dr. Van Sim, chefe da Divisão de Pesquisa Clínica, tentou todas as substâncias químicas novas nele antes de sujeitá-las a seus  voluntários. "Será que ele gostava de ficar alto, ou as viagens ácidas dele eram simplesmente um dever patriótico? " perguntam Lee e Shlain.  Sim, que tinha experimentado ácido em "várias" ocasiões informou, "não é uma questão de compulsão ou querer ser o primeiro a experimentar um material." Ele descreveu a primeira experiência dele depois com BZ: "Ele me atingiu durante três dias. Eu continuei caindo e as pessoas no laboratório nomearam alguém para me seguir com um colchão." Ele posteriormente recebeu a Condecoração por Serviço Civil Excepcional, citado por "se expor a ‘drogas perigosas’ ao risco de dano pessoal sério". Falando em dormir no trabalho….

Em torno de 2800 soldados foram expostos subseqüentemente a BZ, a maioria deles conscientemente. O soldado da Força aérea Robert Bowen notou que um pára-quedista perdeu temporariamente todo o controle muscular e depois pareceu
louco: "A última vez que o vi ele estava tomando uma ducha usando seu uniforme e fumando um charuto." Nós achamos que uma alternativa aceitável para um arsenal nuclear possa estar por aqui, mas sentimos que poderia convir ao Governo deixar de abusar de seu próprio exército e dirigir seus esforços exclusivamente a aqueles, digamos, em posições de administração medianas.

Leitura adicional recomendada:

Aqueles querendo saber mais sobre o uso de drogas ao longo de história fariam bem em investigar algum de nosso outro material aqui na History House no assunto que varia de drogas casuais como cafeína e ópio, a óxido nitroso e o advento da anestesia e uma boa dose de risada (partes um e dois). Se você se interessar por conspirações governamentais, você não pode deixar de conferi os altamente divertidos (e improváveis) planos para matar Fidel Castro.

Bibliografia

Martin Lee and Bruce Shlain. Acid Dreams: The CIA, LSD, and the Sixties Rebellion. Grove Press, 1986.Grove Press, 1986.

>>>

Mais alguns links:

Acid Dreams: the Website – Oficial do livro citado no artigo.
Resources on Drug Experimentation and Related Mind Control Experiments by the U.S. Government

Tags: , , ,

3 Responses to LSD e a CIA: O governo americano operou bordéis com lsd? Acredite!

  1. […] sobre o mundo das teorias de conspiração, de um ponto de vista mais cético, incluindo saber que a CIA realmente operou prostíbulos com LSD ou averiguar se Bin Laden foi inspirado por Isaac Asimov? É apenas parte das quase 2.000 páginas […]

  2. RICARDO VERAS disse:

    Bizarro e delirante!

  3. paulo constantinoi disse:

    É vergonhoso saber que autoridades que deveriam dar a população segurança, ética e repeito tenham feito como os monstros da CIA QUE DEVERIAM PAGAR POR ESSA INICIATIVA DO USO DO LSD
    QUE DEUS TENHA MISERICORDIA DE VOCES…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *