MENU

A Criatura de Metepec: Autor confessa fraude

ca_camisetasdahora.jpg

Siga @ceticismoaberto e concorra a Camisetas da Hora! #atualizado!

19 de março de 2010 Comments (643) Views: 61128 Destaques, Paranormal

Chico Xavier e a fraude de Otília Diogo, a “irmã Josefa”

chico_divaldo_josefa 

Através de Guilherme Santos, o blog Obras Psicografadas passa a reproduzir a série de matérias publicadas na década de 1960 pela revista “O Cruzeiro” sobre a farsa das “materializações” em Uberaba envolvendo a médium Otília Diogo e os mais famosos Chico Xavier e Waldo Vieira.

Na imagem acima podemos ver Vieira e Xavier (esquerda e direita, respectivamente) oferecendo um livro ao que seria a materialização da irmã Josefa, o espírito de uma freira, através de Otília Diogo. Se você achava pessoas cobertas de lençóis brancos como fantasmas algo digno de desenhos animados infantis, um estereótipo cômico, em verdade tal ícone moderno representando fantasmas se baseia em “sessões de materialização” como esta, levadas muito a sério por espiritualistas. Elas eram mais comuns em fins do século 19 na Europa e EUA, mas mesmo nestas partes do mundo, e principalmente no Brasil, se prolongam até hoje.

O espírito branco na foto acima está dentro de uma “jaula”, em uma série de salvaguardas que supostamente evitariam “possíveis fraudes”. Fato é que não evitaram. A equipe de “dezenove médicos pesquisadores”, contando ainda com a participação registrada, que enfatizamos ainda outra vez, de Chico Xavier e Waldo Vieira, ao longo de três meses apenas endossou como autêntica uma fraude que viria a ser exposta mais claramente alguns anos depois, noticiada pelo próprio Cruzeiro e que deve ser também disponibilizada nos próximos dias no mesmo blog.

A todos espíritas e interessados em fenômenos envolvendo supostos espíritos, a mediunidade, ou as próprias figuras de Chico Xavier e Waldo Vieira, este é ainda outro episódio que deve ser melhor conhecido.

chicojoin

Nesta primeira matéria, os “fenômenos de materialização” são divulgados pela revista em um tom crédulo, sem quase nenhum questionamento. Ainda assim, qualquer leitor com senso crítico poderá notar problemas na história. Praticamente toda evidência da realidade de tais fenômenos se fundamenta no testemunho dos envolvidos e de suas medidas de salvaguarda contra fraude. Mesmo estas declarações são reveladoras, por exemplo, quando Vieira nota que:

“[O espírito da freira] é um ser igual a qualquer outro. Nós pegamos no seu braço esquerdo e na sua mão esquerda. A materializada estava envolvida por um véu, uma espécie de filó, mas aprofundamos o dedo até encostar no seu braço e achamos que é um braço igual a qualquer um nosso, apenas com a temperatura um pouco mais baixa. Disso nós não temos dúvida, porque não é a primeira vez que nós comprovamos fenômenos semelhantes”.

Perceba que Waldo Vieira afirma muito claramente que o suposto espírito materializado… estava envolto por um véu! Crentes dirão que o véu seria ele mesmo uma outra materialização, mas seja como for, Vieira também afirma que o espírito era “um ser igual a qualquer outro”. Vivo. Por que então não seria um ser vivo… como a própria médium envolta por véus? Voltaríamos aos depoimentos e salvaguardas contra fraudes, mas como confiar na infalibilidade destes?

As únicas evidências objetivas dos fenômenos extraordinários seriam as fotografias, e estas em verdade trabalham contra a veracidade do caso. Praticamente falam por si mesmas. O médico Elias Barbosa, um dos pesquisadores, mencionando o valor das provas fotográficas, refere-se a como:

“Esta figura parece que nunca poderia ser um médium e nem um assistente, porque essa figura aparecia atravessada pelos varões da jaula”.

E, no entanto, o que as fotografias, pelo menos as publicadas, mostram, é que quando se diz que a figura estava atravessada pelos varões da jaula, ela estava simplesmente jogando seus véus para fora da mesma. Em nenhum momento se vê seu braço ou torso, por exemplo, sendo trespassado pelas grades. São apenas partes dos véus jogados para fora. Se há alguma fotografia disto, ela estranhamento não foi divulgada.

Fica assim indicado o ambiente de sugestionabilidade e credulidade dos pesquisadores, capazes de ver algo extraordinário como atravessar grades no simples fato de véus jogados sobre as barras.

josefafradesviseira

Na imagem acima, além dos véus “trespassados” pelas grades, também se vê muito claramente a viseira que o “espírito” possuía no véu que cobria a cabeça – algo absurdo para um espírito, mas muito necessário a uma pessoa – bem como o fato de que o “espírito”, como notou Vieira, era tanto um ser igual a qualquer outro que podia segurar um livro muito material em suas mãos. Na foto à esquerda ainda se notam as mãos e dedos de carne e osso.

Todas estas dúvidas e questionamentos, todo este ceticismo pode e deve ser levantado por qualquer pessoa, espírita, cristã ou atéia, que avalie a evidência e as alegações em questão. Não se pode negar que é um ceticismo saudável. No mínimo, as supostas evidências dos fenômenos de materialização em questão são mais do que duvidosas e de forma alguma comprovam sua veracidade.

Se não seria assim prudente acreditar nos fenômenos, seria válido acreditar em sua origem fraudulenta? Poderia uma equipe de dezenas de médicos, médiuns e jornalistas ser enganada por truques tão toscos? Qual a alternativa? Haveria um ou mais cúmplices? Quais seriam as evidências concretas de fraude? Quem era Otília Diogo? Pelo menos parte destas questões seriam melhor respondidas anos depois, como repetimos, as próximas matérias da série revelaram e devem ser reproduzidas também em Obras Psicografadas, blog parte do projeto HAAAN editado por Vitor Moura com o objetivo de analisar fenômenos relacionados a supostos médiuns.

Tags: , , , , ,

643 Responses to Chico Xavier e a fraude de Otília Diogo, a “irmã Josefa”

  1. Fernando disse:

    De acordo com a propaganda do filme sobre Chico Xavier, é dado ênfase no julgamento, quando um cidadão do caso diz ser “ateu”. Querem, assim, passar credibilidade ao espiritismo; de forma desonesta,é claro. Porque se uma pessoa passa a acreditar no espiritismo (em espiritos), provavelmente ficará fácil de acreditar em algum Deus (ou unicornios cor-de-ros). Automaticamente ele não é mais um ateu, mesmo dizendo ser! Estou errado? Abraços!

    • Jones disse:

      Caro colega. Pelo que sei, o filme retrata um caso que Chico teve com um ateu. Isso é fato. No filme, o homem que se diz ateu, se convence da veracidade por reconhecer as letras na carta do filho desencarnado. Mas pelo que me lembro, o homem não se diz crédulo ou “convertido” ao Espiritismo. Nem todos que reconhecem um fenômeno físico será um físico, seja pela admiração ou pela verdade por trás do fenômeno.

    • Luigi Almeida disse:

      Ateísmo não significa não crer em espíritos, mas não crer em um ser divino. É perfeitamente possível crer em diversas outras coisas mesmo não crendo num deus.

      • Leandro disse:

        Ateismo é a rejeição ou ausência da crença na existência de divindades e outros seres sobrenaturais. O ateísmo é contrastado com o teísmo. Se a pessoa acreditar que o seu filho MORTO usando uma outra pessoa é acreditar em algo divino, espirito, deus, fantasma e por ai vai. A pessoa não é ateu. Não fale besteira, não é perfeitamente possivel, Ser ateu não é apenas não acreditar em deus, é não acreditar em nada sobrenatural. Preciso conceituar sobrenatural? é o espirito, no caso, o filho morto… Não é natural, e não podemos provar a sua existencia.

      • Giovani disse:

        Faço minhas as tuas palavras…

      • Rafael Pestana disse:

        Ateu = totalmente sem crença.
        Agnóstico = Acredita em algo sem definição.

      • Alvaro Junqueira disse:

        Estão falando besteira aí…

        Claro que a maioria esmagadora das pessoas que crêem em espíritos tb crêem em deus.

        Porém, ateísmo significa não crer em deuses. SÓ ISSO.

        Repito: acho pouco provável que haja um ateu que creia em espíritos. Mas teoricamente é possível.

    • ateu disse:

      Apenas se deuses e fantasmas são tidos como sinônimos, o que não é nada comum. Ateu é não acreditar em deuses, só. Não tem essa de “verdadeiro Ateu com A maiúsculo e paladino da ciência incorruptível por qualquer superstição, crença, esoterismo ou pseudociência existente ou por ser inventada na face da Terra”. O cara pode só não acreditar em deuses e acreditar até em fadas e duendes, continua sendo 100% ateu.

      Mas que os filmes vão puxar sardinha para o lado deles, vão mesmo. Aliás, possivelmente devem ter tentado conduzir ao erro lógico de que, se existissem fantasmas (ou qualquer fenômeno que se INVENTASSE com o mesmo efeito), “logo existe Jeová e Jesus morreu para nos salvar”, o que é outro erro. Apenas por lógica, não se poderia concluir que existe um deus/Jeová, a partir da constatação da existência de fantasmas. Não pode “vir de carona”.

    • Nilson disse:

      Vale lembrar que desmoralização foi total, da Revista “O Cruzeiro”, a qual tentou denegrir a imagem do Espiritismo, depois da emissão dos Laudas da Perícia téctica de São Paulo.
      A Revista ainda contava com um laudo do Instituto de Criminalística do Rio de Janeiro que, a princípio, referendava as acusações levianas dos Repórteres. Mas não contavam com um laudo feito pelo Instituto similar de São Paulo, QUE DESMENTIA CATEGORICAMENTE as afirmações tendenciosas de Carlos Éboli, diretor da Perícia Técnica do Rio.

      O Professor Carlos Petit, do Instituto de Perícia Técnica Paulistana, junto com o Diretor Paulo Vitale e Egas Muniz, DESMASCARARAM A REVISTA O CRUZEIRO E O INSTITUTO DO RIO, afiançando a veracidade das fotos.

      • Chiko disse:

        Instituto de Perícia Técnica Paulistana, junto com o Diretor Paulo Vitale e Egas Muniz, DESMASCARARAM A REVISTA O CRUZEIRO E O INSTITUTO DO RIO, afiançando a veracidade das fotos. —> UM PERITO DA POLICIA ==AFIRMOU=== EM LAUDO QUE AS FOTOS ERAM DE FANTASMAS??? TEM CERTEZA DISSO? KK

      • César Bento disse:

        As fotos eram verdadeiras? Muito bem. A questão não é essa. Se eu colocar um chifre num cavalo´, fotografar e mostrar a foto dizendo que é um unicórnio, a foto será verdadeira, mas o “unicórnio” será falso

  2. marcoc2 disse:

    Espiritismo não é uma religião, é uma doutrina. fikdik

    E você pode ser espírita e acreditar no que acha que é certo.. esqueçam espíritos.. vai muito além disso..

    • Sergio disse:

      Nao vai muito alem nao. Alais, sem comprovação d existencia dos espiritos o espiritismo nao vai a lugar algum.

      • Ciro Bezerra disse:

        Sergio, o Espiritismo não precisa de ir a lugar algum pois quem precisa, de verdade, somos nós… precisamos pegar mais no livro e aprender antes de dizer o que não sabemos. O lado espiritual da doutrina é somente a terça parte da verdadeira realidade, claro que esse lado é de extrema importância.

      • Rafaela disse:

        Não vai a lugar algum? Quem não vai é você, caro amigo, que continua na ignorância.

    • Carlos Alma disse:

      Fui criado em família espirita e sou ateu.

      Posso afirmar com propriedade que você está equivocado.

    • Neo disse:

      O Espiritismo segundo Kardec o “Codificador” é Ciência, Religião e Filosofia. Estude melhor sua “doutrina” se quiser defende-la. Sim vc pode ser espírita ou qualquer outra coisa e acreditar no que quiser… é um país livre. Pode acreditar em Lendas e também achar que as novelas da Globo acontecem na vida real. Boa vida fantástica para você!!!!

    • Roberto disse:

      O espiritismo é uma religião como outra qualquer, cheia de crendices e superstições.

    • Sim, mas como uma doutrina que se fundamenta tanto em “fazer o bem” pode basear-se em fraudes assim? Enganar não é “fazer o mal”???

  3. Adriana disse:

    @marcoc2, e se procurarmos no Wikipedia o termo Doutrina vamos encontrar o quê?

    É… Fantástico isso. É como ter 80 de QI e sair de um show de mágica fascinado pelo ilusionista conseguir fazer aqueles truques, e acreditar que há algo além de fenômenos físicos e óticos ali. Magia em vez de mágica. Mago em vez de mágico.

    Se esses médiuns não explorassem o desespero daqueles que perderam familiares, seríam ótimos ilusionistas.

    • natan disse:

      o que nos falta é a experiencia sensorial intuitiva. é muito fácil sentir a matéria e não sentir nada além dela… se chico xavier fosse alguem quem não diz ser, não teria deixado tal legado, ninguem com suas habilidades teria abidicado de tudo na vida em serviço dos outros como ele… em vez de ficarem poraqui se preocupando com o que os outros estão fazendo, se lembrem de suas próprias ações ou continuem vivendo essa vida mediocre de trabalhar e comprar, onde não há nada maior do que acumular, dinheiro, bens, tecnologia e muitos infortunios.

      • Sergio disse:

        Como alguem ja disse, mais ou menos assim:” è muita ingenuidade em acreditar que nao existe mentira onde nao há lucros financeiros”.

  4. Sonia N. disse:

    Guilherme, o mínimo que se requer numa sessão de materialização é que o espírito se materialize. Isso significa transmitir todas as sensações de um corpo em carne e osso, sim senhor. Ôu você acha que um espírito materializado deveria parecer com uma nuvem de fumaça?
    Isto seria uma aparição e não uma materialização. Vocês precisam primeiro conhecer as condições em que acontecem esses fenômenos e os cuidados necessários em fazê-los, antes de fazerem os seus julgamentos, sem base e sem critério. Chamar pesquisador de crédulo e sugestionável, vamos combinar, é passar dos limites. Vocês estão sendo tão levianos quanto o foram os repórteres de “O Cruzeiro” na época, que foram a Uberaba, não para presenciar os fenômenos, mas sim com a incumbência de desmascarar Chico Xavier, a qualquer preço. Atordoaram-se com o que viram, chocaram-se com a veracidade dos fatos, mas a ordem do dia era desmascarar Chico Xavier e, consequentmente, dar um fim ao Espiritismo crescente no Brasil, que estava abalando o “status quo” vigente.
    E decidiram-se pela mentira, anos mais tarde, confessada por David Nasser. Fotos foram alteradas no Rio de Janeiro e, posteriormente, analisadas pela Policia de São Paulo que deu um parecer totalmente contrário à Polícia do Rio de Janeiro. Difamação e mentira para conter o inevitável. Morrem os idealistas, mas não as idéias, não os ideais. Vocês céticos têm tanto medo do Espiritismo. Por que? A porcentagem de espíritas no mundo é insignificante. Portanto, prá que tanto medo? Os espíritas não têm canais e nem programas de televisão para divulgar suas idéias. Estão sempre quietos nos seus cantos, trabalhando, fazendo bem. Não exigem direito de resposta, quando são atacados (e já foram tantas e tantas vezes!) e nenhum meio de comunicação. E hoje ainda continuam quietos, quando assistem o ataque gratuito e a calúnia do maior expoente do Espiritismo em nossa época, que foi Chico Xavier. Um homem digno, honesto, correto, generoso, simples, que dedicou toda a sua vida ao bem do próximo, sem pedir nada em troca. Por que combater tanto as idéias espíritas? Será que é pela lógica que elas apresentam? Será que é porque entre as classes A e B é que se encontram os espíritas, e que são essas classes que fazem a diferença no mundo, que mudam os costumes, os comportamentos?
    Abraços afetuosos
    Sonia

    • Mori disse:

      Olá Sonia,

      Gostaria de agradecer sinceramente seu comentário, e agradeceria ainda
      mais maiores informações, principalmente sobre as alterações nas fotos
      e a confissão de David Nasser.

      Eu já tinha conhecimento sobre a confissão de David Nasser, mas esta
      não se referiria a outro episódio? Quanto às alterações nas fotos e
      uma análise da polícia da SP, esta eu desconheço completamente, você
      poderia fornecer mais informações?

      Sou eu o autor do texto em questão, e acuso sim os pesquisadores de
      sugestionabilidade e credulidade, porque se alega que as fotos exibem
      o espírito atravessando as grades, quando estas de fato não demonstram
      tal feito de forma alguma. Existiria alguma foto que realmente
      evidencie tal fenômeno? Se as fotos foram adulteradas pelos
      jornalistas, existiriam outras fotos incólumes feitas pelos
      pesquisadores que possam ser vistas?

      Não é minha intenção denunciar Chico Xavier, honestamente. Minha
      intenção, acredite, é avaliar a evidência de que fenômenos
      extraordinários teriam ocorrido. Repito aqui o que escrevi no texto: à
      parte os testemunhos, a única evidência objetiva são as fotos, e estas
      trabaham severamente contra o caso. Lembra muito o caso de Florence
      Cook, em que os testemunhos dos envolvidos são totalmente favoráveis
      ao caso, repletos de floreios… mas as fotografias os contradizem
      frontalmente.

      Também, é preciso convir, não é algo extremamente conveniente que
      mesmo os que defendam o caso admitam que apenas um ano depois dos
      fenômenos, Otília Diogo de fato teria passado a fraudar? Não é *muito*
      conveniente admitir a fraude, mas apenas depois que Chico Xavier e
      Waldo Vieira a tivessem autenticado?

      Vale lembrar que o próprio Waldo Vieira recentemente acusou Chico
      Xavier de fraude, referindo-se a sessões de matterialização de Uberaba
      como “fajutas”. Não sabemos se essa sessões a que ele se refere
      incluem as de Otília Diogo — até porque ele se contradiz, porque
      alega que nadateve a ver com sessões fajutas em Uberaba, enquanto ele
      obviamente participou das de Diogo — mas o fato é que ele acusa
      especificamente Chico de participar de sessões fajutas em Uberaba (bem
      como de receber informações sobre pessoas falecidas e preparar cartas
      falsamente psicografadas baseadas nelas).

      Eu consultei um colega espírita sobre estas alegações de Waldo, e o
      colega afirmou que Waldo sucumbe à vaidade extrema. Eu até concordo
      com esta visão. POr outro lado, não deixa de existir o fato de que
      Waldo ainda assim pode estar dizendo a verdade, e verdade ou não, era
      um dos envolvidos nas sessões, e repetindo, acusa Chico de
      envolvimento na fraude.

      Com todas estas evidências, como não se pode concluir que os fenômenos
      foram fraudulentos? No mínimo, acredito que se deva admitir que é uma
      conclusão plausível, e não uma campanha de difamação. “O Cruzeiro” de
      fato era um veículo tendencioso, e suas reportagens sobre Chico não
      eram justas — a sobre o “cérebro lesado” de Chico é particularmente
      questionável — mas ainda assim, isso não significa que toda evidência
      que apresentou seja forjada. O mesmo se aplica aos fenômenos
      espíritas.

      Mas, da evidência que resta, de fontes tendenciosas — tanto a favor
      como contra o caso — só posso concluir que há evidência esmagadora
      para que se conclua que houve sim fraude.

      Mas agradeceria quaisquer novas ifnormações que desconheça.

      Um cordial abraço,

      Kentaro Mori
      http://www.ceticismoaberto.com/

      • denise disse:

        provavelmente são trevosos, com intuito de atrasar a evolução da humanidade. Sabem que estão longe disso e então ao invés de raciocinar, ficam nesse joguinho. Mas, cedo ou tarde, partirão da terra e aí verão o tempo perdido…Como dizia Kardec – O Espiritismo caminhará com os homens, sem os homens e apesar dos homens.

      • Rodrigo disse:

        Bom, mais do que palavras, creio que assistir o vídeo onde o próprio David Nasser fala a respeito das dedicatórias enviada na capa de um livro que ganhara de presente junto com Jean Manzom, onde seus verdadeiros nomes estavam escritos na dedicatória quando se passavam por jornalistas do exterior.

        Isso resume tudo.

        http://www.youtube.com/watch?v=0r3b2Rvj2HQ

      • Tiago disse:

        O amigo Rodrigo não conhece mesmo esses 2 “David Nasser e Jean Manzom” .É melhor não usar referencia do que usar esses 2.È só pesquisar e ver que os mesmos não tem credibilidade nenhuma.

      • Lucas Santos disse:

        Então você não sabe sobre as confissões de Nasser? Veja: http://youtu.be/Objzl4yU8dU

    • Vitor Moura disse:

      Oi, Sônia

      O Nasser nunca confessou fraude. Ele apenas demonstrou arrependimento por não ter citado o episódio em que Chico revela seu nome e o do amigo Jean Mazon. Porém, ele nunca afirmou ter mentido sobre nada do que disse em relação a Chico Xavier, ao que me conste. De fato, praticamente para tudo o que ele disse obtive em minhas pesquisas confirmação independente.

      Um abraço.

    • Humberto Clímaco Júnior disse:

      Mori,

      Quando Alan Kardec compilou as obras espíritas formou-se três pilares que deveriam ser observados Religião, Ciência, e Filosofia, ele não criou uma religião, mas sim uma metodologia que deveria ser observada, ou seja:
      – qual a verdade perante a religião (da época),
      -qual a verdade perante a ciência, ou seja experimentando, contestando,criticando para se chegar a um resultado para que seja comprovado que não existam fraudes.
      -qual as verdades perante a Filosofia verificando se as mensagens contidas nas tenham um teor de verdade e que não vão contra a moral e aos costumes. Isso é espiritismo RELIGIÃO, CIÊNCIA E FILOSOFIA, qual coisa fora disso não é espiritismo.

    • Rogério disse:

      Olá Sônia, acabei da assistir o flme do Chico Xavier …. entrei na net para saber mais da sua história e fiquei muito curioso, lendo suas palavras vi que vc é muita conhecedora…se possivel queria manter contato e tirar algumas dúvidas…um grande abraço

    • Edir disse:

      Ah, é, Sonia? Tá. Então, me diga: Por que é que os ‘espíritos materializados’ se parecem BASTANTE com pessoas vestindo roupas brancas e véus sobre a cabeça? Porque aquilo das fotos NÃO É, de modo algum, ectoplasma. Como vocês podem ver tais fotos, de pessoas com panos sobre os próprios corpos e saindo da boca, e acreditar que se tratam de ‘espíritos materializados’? Fala sério!

    • Rogério disse:

      Bha! Há materialização todos os dias, é uma coisa comum! Alias, terça mtrializa meu salário na minha conta. Isso eu posso provar!

    • Carlos Melim disse:

      To contigo e não abro! Uhuuuu

    • Rafaela disse:

      Ótima colocação, Sônia! Deixe que digam, que pensem, que falem.

    • Sandro disse:

      Oi Sonia,como vai?Vi o seu comentário igual a de muitos outros aqui,e se vê que vc é uma espírita por convicção(me corrija se estiver enganado)o espiritismo certamente deve fazer parte integrante e constante da sua vida desde quando eu não sei e nem vêm ao caso mas a questão é reagindo ao que vc disse:Eu da minha parte como ateu/agnóstico admiro profundamente Chico Xavier tanto sua vida quanto sua obra disse inclusive em outros comentários que fiz aqui,me comovo com sua disciplina,como diria Emmanuel,sua solidariedade e entrega ao próximo,no entanto apesar do espiritismo ser uma doutrina até mais do que religião ela naturalmente tá exposta a algumas contradições e seu maior expoente no Brasil também,no caso o Chico,onde as evidências de fraude em Uberaba são muito claras e difíceis de deixar passar.Isso que eu vou dizer é da minha parte, por isso mesmo fico exposto ao linchamento público,mas acho que o ceticismo não se compromete a atacar majoritariamente o espiritismo para frear seu crescimento e adesão de adeptos, e sei que vc não colocou sua posição nessas palavras,aqui no Brasil ou em qualquer lugar do mundo,mesmo que os espíritas não tenham programas em TV,grandes templos ou uma farta arrecadação de donativos como vc mesma colocou mas temos que questionar a natureza das superstições,a natureza da divindade e a natureza dos espíritos também,porque não?O ceticismo não é uma cruzada contra o espiritismo mas contra tudo aquilo que não entendemos ou conseguimos explicar perfeitamente,creio eu.Abraços.

  5. Carlos H disse:

    Caro Mori,
    novamente você deixou de responder a pergunta, dessa vez feita pela Sônia, de por que só o espiritismo é alvo de críticas e da análise severa do seu raciocínio científico. Por que não vemos aqui essa mesma paixão direcionada a religiões mais antigas, com mais fiéis, mais recursos financeiros e que fazem aberta e irrascível oposição às contibuições da Ciência? Por acaso não se verifica nelas a ocorrência de fatos considerados sobrenaturais tais como possessões demoníacas, exorcismos, falar em línguas mortas ou desconhecidas, curas espirituais, aparições e milagres?
    Sinceramente não conheço nenhuma doutrina religiosa mais simpática aos avanços científicos que o espiritismo, e olha que sendo historiador (e a História também é uma Ciência) e interessado em tais questões falo com com algum conhecimento de causa.
    Desculpe-me, mas parece que a Sônia tem razão ao inferir que talvez seja medo. Medo, talvez por, em algum grau, julgar que os argumentos espíritas tenham algum valor ou medo de represálias físicas ou judiciais por parte de segmentos religiosos mais exaltados. E como os espíritas não tem por hábito agredir ou perseguir seus detratores, nem de utilizar os recursos que conseguem para tal fim, acabaram por se tornar “saco de pancadas” e bode expiatório. Ou talvez ainda, você tenha algum ressentimento pessoal para com o espiritismo e aproveita esse espaço para dar vazão a esse sentimento. O que sinceramente eu espero que não seja o caso, porque isso iria mesmo contra a imparcialidade científica (ainda que ela seja apenas um mito).
    Forte abraço,
    Carlos H

    • Mori disse:

      Olá Carlos,

      Já havia respondido a esta questão, porque já a fizeram antes, em algum outro post. Primeiro: sim, admito que há uma ênfase atual do CeticismoAberto em analisar criticamente, das alegações relacionadas a religiões, especificamente o espiritismo. No próprio texto que escrevi sobre as novas tags do CA eu também o admiti:
      http://www.ceticismoaberto.com/geral/3352/ceticismoaberto-agora-em-459-tags-e-muito-mais

      Agora, como escrevi lá, esta não é consequência de qualquer política específica do CA contra o espiritismo. Em verdade, e antes de mais nada, o próprio CA não tem entre seus objetivos questionar, criticar ou combater qualquer religião. Embora eu, como responsável pelo CA, seja pessoalmente ateu e como indivíduo apóie e promova sim algumas iniciativas ateístas, o CA em si mesmo não pretende questionar religiões em si mesmas. O que o CA pretende questionar e informar a respeito são alegações sobre o paranormal, sobrenatural e afins. Religiões costumam fazer tais alegações e é neste contexto que o CA apresenta suas críticas.

      Mas, repetindo, neste contexto sim há uma ênfase do CA em questionar alegações paranormais relacionadas ao espiritismo. Isto, repito, não é deliberado, mas não é mero acaso. É, em verdade, reflexo de um simples fato: o blog “Obras Psicografadas”, mantido pelo espírita Vitor Moura, e parte do projeto HAAAN, um dos projetos do CA. Quase todos textos críticos relacionados a alegações do espiritismo que divulgamos aqui são divulgação ou derivados de trabalhos originais de Moura.

      Você pode perguntar então por que o CA não apóia também trabalhos questionando o catolicismo, as neo-pentecostais e outras religiões afins. Eu honestamente gostaria que o CA apoiasse, mas não encontramos projetos assim que queiram ser apoiados pelo CA.

      Finalmente, e como repito, já havia expressado no texto acima, esta ênfase em criticar alegações relacionadas ao espiritismo é sim uma limitação do CA — que deve sim questionar alegações muito mais conhecidas relacionadas a outras religiões. Em verdade, esta sim é uma política a ser concretizada: publicar mais análises críticas de alegações relacionadas à religião, _além do espiritismo_. Mas jamais deixaremos de divulgar informações relevantes, que venham do trabalho de um pesquisador que apoiamos, com análises relevantes, apenas porque já publicamos e divulgamos muitas outras análises relacionadas. Note: a política é publicar mais análises críticas relacionadas a alegações paranormais de outras religiões, não evitar divulgar as relacionadas ao espiritismo.

      Não é “medo”, muito menos ressentimento pessoal.

      Kentaro Mori
      http://www.ceticismoaberto.com/

    • sidney santos disse:

      Sinto-me com certa perplexidade diante da afirmação de que tal doutrina seja simpática aos avanços científicos.
      Penso que o espiritismo (ou outra religião qualquer), já que trata de questões subjacentes ao mundo real, poderia, até mesmo numa das pretensas epístolas do além, divulgar uma novidade científica qualquer: poderia ser sobre um obscuro canto do Cosmos a ser revelado pelo Hublle na próxima semana. Ou quem sabe a solução de enigma secular. Ou algo incontestavelmente novo de outros “paraísos”. Ou um novo argumento filosófico sobre a existência de qualquer coisa… Uhhhh…. Seria então a primeira vez que, de fato, uma doutrina mística seria também científica.

      • Bruno disse:

        Sidney, eu não li todos os livros da doutrina ainda, mas meu pai é físico ele disse que na mesma época que estava estudando relatividade, ele leu A Gênese de Kardec e viu la algo relacionado à relatividade (anos antes de Einstein nascer)…maaaaaaaaas, vou admitir um grande problema (pelo menos é um problema que eu tenho), os livros de Kardec são um saco pra ler de tão difíceis que são de entender por causa da linguagem da época, logo, uma pessoa entender errado o que ta escrito não é difícil de acontecer :P.

  6. Sonia N. disse:

    Olá Mori,

    Referi-me ao Guilherme, pois, é seu nome que encabeça a matéria em questão. Você faz diversos questionamentos e, com a intenção única de esclarecer aspectos obscuros desta matéria, ou seja, as Materializações de Uberaba”, supostamente fraudulentas, vou trazer informações, por partes: Em primeiro lugar, uma breve biografia de David Nasser, para que você, o Vitor e os leitores deste blog, que ainda não haviam nascido àquela época, possam avaliar quem foi David Nasser.

    David Nasser foi o repórter mais famoso de seu tempo, é uma figura lendária na imprensa brasileira. Por três décadas ele foi a principal estrela da revista O Cruzeiro, que chegou a ter tiragem acima de 700.000 exemplares e foi o veículo mais influente do país, entre os anos 40 e 60. Era uma figura de poucos escrúpulos, que dava pouca importância para os fatos e muita importância para o efeito de suas reportagens. Quando achava que a notícia por si só não tinha muita graça, não relutava em dar asas à imaginação. “Se o fato atrapalhasse, ele punha de lado”, resume Jorge Ferreira, um jornalista da época. Escreveu livros de grande repercussão – quase sempre apoiados em suas reportagens – e compôs cerca de 300 músicas, algumas de muito sucesso. Mas, além desse aspecto quase folclórico de sua trajetória, Nasser também teve um lado nefasto. Usou seu talento para angariar vantagens e enriquecer, perseguir desafetos e defender uma monstruosidade como o Esquadrão da Morte. Nasceu em 1 de janeiro de 1917. Teve meningite, que lhe deixou seqüelas. Começou a trabalhar com 14 anos, como contínuo das empresas Diários Associados, de Assis Chateaubriand. O conglomerado jornalístico reunia no mesmo prédio, a redação dos jornais “Diário da Noite”, “O jornal” e a revista “O Cruzeiro”. Foi contratado pelo jornal “O Globo”, dirigido por Roberto Marinho, em 1937. Saiu do jornal O Globo em 1943, insatisfeito por não poder realizar e assinar reportagens importantes. Foi trabalhar na revista O Cruzeiro, que se tornava então, a revista brasileira mais popular dos anos 1940 e 1950. As reportagens que fez em parceria com o fotógrafo Jean Manzon, de 1943 a 1951, foram fundamentais para o sucesso de vendas da revista, cuja tiragem atingiu níveis inesperados para a época. David e Jean Manzon tornaram-se então, a dupla mais famosa de repórter-fotógrafo do Brasil. As versões de David Nasser sobre pequenos e grandes fatos nem sempre refletiam a realidade. Aumentavam e criavam fatos, apenas para aumentar a venda de O Cruzeiro. Uma das reportagens da dupla Nasser-Manzon – “Barreto Pinto sem Máscara”, de 1946, mostra o deputado e amigo do ex-ditador Getúlio Vargas, trajando fraque e cueca samba-canção (o deputado federal Barreto Pinto foi entrevistado e deixou-se fotografar em seu gabinete e numa banheira, vestido de fraque e cartola, mas sem as calças, de cuecas samba-canção). A ousadia escandalizou o país. Barreto Pinto acusou os jornalistas de o terem enganado, dizendo que só publicariam as fotos da cintura para cima – o que não evitou que ele tivesse o mandato cassado. Em 1944 viajou para Pedro Leopoldo, com o intuito de entrevistar Chico Xavier. À época, a família de Humberto de Campos movia uma ação contra Chico Xavier, pelo fato deste publicar obras psicografadas como sendo de autoria do falecido escritor. Como não conseguia ser atendido por Chico Xavier, fingiu ser estrangeiro, o que também serviria para testar se de fato o médium se comunicava com espíritos. Conseguiu fazer uma reportagem não muito simpática, com o extremamente retraído médium Chico Xavier, a qual foi publicada em O Cruzeiro. História de veracidades discutíveis. Em 1945, a dupla David e Manzon publicou em O Cruzeiro, uma matéria ilustrada na qual pretendiam ensinar aos brasileiros a distinguir um japonês de um chinês. David Nasser escreveu, entre outras coisas, que o japonês podia ser distinguido pelo seu “aspecto repulsivo, míope, insignificante”. Outra reportagem nada ortodoxa é o relato “exclusivo” sobre a estadia no Brasil de madame Chiang Kai-shek, mulher do líder anti-comunista da China. A matéria descreve em detalhes um encontro com a personagem, arredia à imprensa, e exibe uma foto dela ao longe. Anos depois, em entrevista a outro jornalista brasileiro, madame desmentiu qualquer contato com Manzon e Nasser. Até mesmo a fotografia foi falsificada, quem aparecia em seu lugar, era o próprio Nasser, de quimono. David Nasser e o fotógrafo Jean Manzon forjaram até uma reportagem sobre a morte do próprio Manzon. A mentira ajudou bastante as vendas de O Cruzeiro. Na reportagem “Nós voltaremos”, narra um mirabolante plano para derrubar o presidente Dutra e restabelecer a ditadura de Vargas. Pasme: o ponto de partida para a matéria era um manuscrito encontrado dentro de uma garrafa na Praia de Copacabana, por um desconhecido. Contrapondo depoimentos e analisando cada detalhe inverossímil, mostra-se como Nasser inventava fontes de informação, descrevia lugares e situações em que nunca estivera, e por aí afora. Nasser foi imbatível nesse tipo de malandragem, mas não era o único. Na imprensa daquela época, o conceito de ética revelava-se bastante elástico. Ofensas pessoais e distorção dos fatos faziam parte do arsenal aceito para uso jornalístico. O próprio Assis Chateaubriand, dono de O Cruzeiro, era um polemista sanguinário. Fez de Nasser o seu preferido, justamente por apreciar seu jeito “amoral”. Com o tempo, porém, o repórter foi alargando ainda mais as fronteiras do que era permitido. Nasser foi relações públicas do empreiteiro André Cateyson, para quem teria intermediado favores junto a Juscelino Kubitschek, então governador de Minas Gerais. Numa época de crise na produção de ferro, conseguiu “diversas vezes”, que JK liberasse minério da estatal Belgo-Mineira, para as obras do empreiteiro. Nos arquivos do jornalista, foram encontrados comprovantes de que o construtor bancou, em agradecimento, uma reforma em um de seus imóveis. Daí prá frente, tomou gosto pela atividade de lobista e pela intriga política, o que lhe permitiu usar seus artigos como moeda de troca em negociatas, graças às quais ganhou até fazendas de presente. Em 1963, David Nasser foi agredido pelo então deputado federal Leonel Brizola, no Aeroporto do Galeão. O que motivou a agressão foi um artigo escrito por Nasser na revista O Cruzeiro, com pesadas ofensas ao ex-governador gaúcho. Suas melhores conexões eram com a direita. Ele foi ativo conspirador do golpe militar de 1964, apoiou a ditadura militar no Brasil (1964-1985) e teve amigos influentes nos seus diversos governos. Deixou a revista O Cruzeiro em 1975, quando esta já estava em decadência. Escreveu uma carta aberta intitulada “Por que deixei o velho barco”, na qual atacava João Calmon, o diretor dos Diários Associados. Em fevereiro de 1976 foi trabalhar na revista Manchete, que tinha o mesmo estilo de O Cruzeiro. Lá continuou a escrever artigos atacando João Calmon, seu antigo chefe. Recorria aos amigos influentes no governo da ditadura militar, pedindo para acelerar os processos judiciários que abriu contra seus antigos empregadores. Muito rico, morreu em 10 de dezembro de 1980, doente de diabetes e de câncer no pâncreas. Mas a menina dos seus olhos, no final da vida, foi mesmo a chamada Scuderie Le Cocq – o Esquadrão da Morte – formado por policiais civis cariocas, que eliminava bandidos nos anos 60 e 70. Mais do que defensor inflamado, trouxe os “jagunços”, como dizia, para dentro de sua casa.
    Gostava de passear de carro com essa corja e apontar criminosos que gostaria de ver “apagados”. Quando Nasser morreu, aos 63 anos, a bandeira do grupo cobriu seu caixão.
    (Texto de Plínio Sgarbi – publicado no Recanto das Letras em 09/09/2009 – código do texto T1800057)

    Meus caros Mori e Vitor, tirem suas conclusões, a respeito de David Nasser. Conclusões de “ouvir dizer”, não tem nada de científico ou de concreto.

    Não introduzi maiores informações, quando o biógrafo fala a respeito da reportagem em Uberaba, para não alterar o conteúdo da mesma, que precisa ser respeitada.
    Mas, trarei todas as informações que me foram solicitadas por vocês.
    Abraços afetuosos.

  7. Costa disse:

    Espiritismo é a religião do futuro. Possui tanta salvaguarda lógica quanto o cristianismo 1200 anos atrás.

    • Rafa disse:

      Pior que cristianismo, espiritismo se esconde embaixo da saia da ciencia , especialmente das areas que sao contra a intuicao como fisica quantica. Vi um video lindo ontem mesmo aonde um espirita clama conhecimento profundo de tal materia em um debate. Na sessao em que o publico dirige perguntas aos debatedores um fisico teoretico , que esta escrevendo um livro com stephen hawking , perguntou para o espirita se ele n gostaria de umas licões em fisica quantica para ele n fazer mais comentarios tao erroneos como fez no debate.

  8. antonio disse:

    E agora Mori?
    É desse tipo de fonte de informação que voce se vale para fazer suas análises. Parece que Sonia é muito mais contundente que voce, e com uma bagagem bem mais efetiva. Não sou espírita e tampouco sou adepto de qualquer crença. Sou como voce, um ateu. A diferença entre nós é que não perco meu tempo combatendo a crença dos outros como se isso fosse missão de vida de quem quer que seja. Se em certas igrejas existem pessoas dispostas a dar o seu ‘suado dinheirinho’ para quem elas acreditam que vá fazer bom uso dele, problema é delas…A ignorância é combatida com educação e apenas educação. Se existem espíritas que acreditam em aparições e outras coisas fantásticas, está no perfil delas serem assim. È preciso respeito pelas diferenças e somente devemos combater alguma coisa quando ela é claramente para o mal, do contrário nem voce nem eu somos donos da verdade, e não podemos afirmar 100% de certeza em absolutamente nada.

    • Mori disse:

      Só tem um detalhe: onde está o nome do David Nasser em quaisquer das reportagens sobre Otília Diogo? E mais: ainda que todas as acusações sejam verdadeiras, no que isso alteraria as evidências claras e independentes de fraude no caso Diogo? Os próprios espíritas, e o próprio Chico, defendem e reconhecem que apenas um ano depois dos eventos, Otília Diogo teria começado a fraudar.

      Conveniente demais, não?

    • marcia regia disse:

      mas será possivel que vc antonio julga que tais coisas não são para o mal. ateu vc? duvido muito, parece mais espirita clamando o metodo cientifico 100%efixcaz paraa legitimar sua mentirA DESLAVADA. putz é cada uma quw agente vê, não é Mori,tem jeito não esse mundo de deus.

      • Luana disse:

        A verdade só é vista pelo olhos de quem pode ver. Tem muita gente precisando evoluir muito espiritualmente por aqui. Mas tudo a seu tempo. Nada que algumas encarnações não resolva. Tenham fé!

  9. Sonia N. disse:

    Mori, o nome de David Nasser está implícito em cada reportagem feita pela revista “O Cruzeiro”, com a finalidade de ridicularizar o Espiritismo e Chico Xavier, seu expoente máximo, na contemporaneidade. Nessa época ele era um dos diretores da revista. E a micro-biografia que expus acima, fala por si só!!!
    A fim de esclarecer melhor aos leitores do blog, principalmente por envolver o nome respeitável de Chico Xavier, transcrevo abaixo alguns trechos do livro de Jorge Rizzini – Materializações em Uberaba”. E aos poucos vamos montar este quebra cabeça, cujas peças, perderam-se nos caminhos.
    #
    “A sessão de Uberaba parecia haver terminado bem; o depoimento vibrante dos repórteres, aliás, deixa evidente que os jornalistas ficaram profundamente emocionados com o que viram e ouviram na famosa experimentação com a médium Otília Diogo. Em verdade, Irmã Josefa deu aos repórteres algumas das mais importantes provas da imortalidade do espírito. No entanto, dias depois, a revista O Cruzeiro divulgou em todo o Brasil uma reportagem (primeira de uma extensa série) assinada por seis dos sete repórteres e intitulada… “A Farsa da Materialização”: uma reportagem enorme, com catorze páginas, arrasando a médium, os médicos e as reportagens subsequentes, os repórteres se tornaram ainda mais agressivos (para efeito de sensacionalismo) e taxaram os médicos de mistificadores, levianos, escroques, petulantes, gangsters (…) etc.Essa formidanda campanha de O Cruzeiro contra o Espiritismo teve a duração de quase três meses consecutivos! Ocupou onze números seguidos da revista! Nos onze números, foram gastas cerca de setenta paginas compactas… Ilustraram a campanha um total de oitenta e sete fotografias!
    Foi, em verdade, o maior golpe sofrido pelo Espiritismo, por enquanto, em toda a América do Sul!
    No grande escândalo, o nome venerável de Francisco Cândido Xavier também foi envolvido.
    Vejamos as principais acusações da revista O Cruzeiro que pretenderam transformar em farsa, as materializações de Uberaba:
    • 1) O espírito masculino de Alberto Veloso se materializa com seios
    2) Em baixo do turbante de Alberto Veloso se esconde uma vasta cabeleira
    3) O ectoplasma que sai da boca, ouvidos e nariz de Otília Diogo é um chumaço de pano branco
    4) A roupa das formas materializadas é uma só
    5) A roupa das formas materializadas apresentam marcas nítidas de confecção mecânica: sinais de dobragem e costuras
    6) O fio da “roupa” de Irmã Josefa, encontrado após a sessão, não era fio ectoplásmico
    7) Apenas a barba diferencia Otília Diogo de Alberto Veloso
    8) Otília Diogo não é filha de Irmã Josefa, e sim de Dna. Maria Luisa Barbosa
    9) Otília Diogo tinha os pés praticamente soltos, após a sessão.
    10) Dr. Waldo Vieira não permitiu aos repórteres o uso de infravermelho
    11) As algemas e cadeados eram de propriedade dos médicos
    12) Os repórteres não examinaram, antes da sessão, o corpo e as vestes da médium Otília Diogo.
    13) Nilo Oliveira não pode, a sua maneira, manietar a médium
    14) Os Drs. Alberto Calvo e Oswaldo de Castro também manietaram Dna. Otília Diogo
    15) Os repórteres não tiveram liberdade para escolher suas cadeiras na sala de experimentação
    16) A vitrola, durante a sessão, não tocou (?)
    17) O espírito de Alberto Veloso não fala
    18) Irmã Josefa disse, em determinado momento, que tinha apenas um dado materializado, mas na verdade tinha ela os cinco
    19) As roupas das materializações apresentam vincos e dobraduras
    20) As materializações, sob a luz, projetam sombras nas paredes
    21) As fotografias das materializações são truques grosseiros
    22) Há coleta de dinheiro nas sessões científicas
    23) Nos pés de Otília Diogo, pós a sessão de Uberaba, existiam resquícios do círculo de giz feito pelos médicos
    24) Não foi permitida a prova do talco
    25) Chico Xavier estava “falsamente inebriado” ao lado da Irmã Josefa, em uma fotografia
    26) Waldo Vieira prometeu aos repórteres inúmeras sessões com a médium Otília Diogo
    27) A virgindade de Irmã Josefa é indiscutível
    28) Otília Diogo abandonou vilmente o marido e filhos
    29) Documentos “oficiais” provam que a materialização de Uberaba é farsa.

    Antes de refutarmos as acusações, digamos que essas reportagens de O Cruzeiro abalaram profundamente os espíritas de todo o país e, por mais estranho que pareça, a convicção de alguns líderes… Não obstante, Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, dois médiuns notáveis e impolutos, colunas mestras da mediunidade no Brasil (instrumentos de Emmanuel e André Luís) estarem presentes à experimentação. Esse fato, por si só, deveria ser, pelo menos para os “líderes”, uma garantia da autenticidade dos fenômenos. E, apesar dos espíritas, em geral, saberem, perfeitamente, que a revista O Cruzeiro sempre foi inimiga declarada e feroz da Doutrina de Allan Kardec. Ou será, santo Deus, que não nos serviu de lição a reportagem que David Nasser (hoje, um dos diretores de O Cruzeiro) fez há vinte anos, ridicularizando Francisco Cândido Xavier e o Espiritismo?!”
    #
    Veja que até então, o Sr. Waldo Vieira era considerado, no meio espírita, de total confiança. E era participante sim, das sessões de materializações. Hoje, com a maior desfaçatez, (des)mente a respeito e ainda caluniando Chico Xavier.
    #Por hoje é só. Estou providenciando os laudos da Polícia Técnica do Rio de Janeiro e da Polícia Técnica de São Paulo, que desmascarou total e amplamente toda a trama de O Cruzeiro e a Polícia Técnica do Rio, mancomunada com a revista.
    Abraços afetuosos.

    • Mori disse:

      Excelente, Sonia! Tenho muito interesse em conhecer tais laudos.

      Se eles de fato evidenciarem manipulação nas fotos publicadas pelo Cruzeiro, aí sim, acredito que as evidências de fraude seriam mais questionáveis. No entanto, ainda assim permaneceria o fato de que Otília foi pega em fraude — e o próprio Chico teria admitido que ela sucumbiu à tentação — apenas um ano após os eventos.

      Também seria necessário conhecer as fotografias “autênticas”, no caso, e por que não teriam sido divulgadas em contraposição às supostamente adulteradas pelo Cruzeiro.

      Isso tudo, frisando, ainda que se constate que o Cruzeiro forjou as fotografias. O que, enfatizo, não foi de forma alguma demonstrado até onde sei. Fico assim no aguardo, e no interesse, de tais laudos!

    • jose disse:

      eita povo burro estamos em 2015 e eles acreditando nessas lorotas de 1977.
      vivemos na era digital se isso fosse verdade já teriamos videos FULL HD NO YOUTUBE e nao fotos montadas borradas e antigas.
      naquela epoca era facil fraudar pois as fotos eram ruins e o equipamento usado nao adequado para fotos no escuro, mas hoje em dia, no seculo xxi seria muito facil filmar e expor as fraudes.
      por isso eles evitam hoje esse assunto pois sabem que seria facilmente exposto.
      pare de falar lorotas dona sonia a senhora é mentirosa.

  10. LEANDRO disse:

    Gostei do artigo, bem claro nas suas colocações, mas errado na maneira de interpretar os fatos. Quem leu livros de autores diferentes que falassem sobre o assunto materialização, entenderia que a mesma se expressa por fluídos doados por um médium, que geralmente se encontra em outro ambiente. Estes fluídos condensados pela força do espírito, adquire consistência idêntica a um corpo ou qualquer material que a entidade comunicante queira materializar.
    Outro ponto a ser levantado aqui, e neste caso agradeço enormemente a equipe do ceticismo aberto que se utilizou de imagens e reportagens do O CRUZEIRO, pois foi este sem dúvida alguma, o periódico que mais vasculhou a vida de Chico e de sua mediunidade, foi um dos adversários mais ferrenhos, sempre buscando desmascarar as façanhas de Chico Xavier, e o mais incrível que possa parecer, não foi um repórter só, foram inúmeros deste periódico, que iam e vinham com frequência ter com Chico e voltavam simplesmente embasbacados e sem explicações nenhuma. Inclusive em um dos episódios da “irmã Josefa” havia reporteres do O CRUZEIRO e de mais alguns periódicos assistindo, sendo que todos sem exceção verificaram as tais grades aqui comentadas e atestaram que não havia como uma pessoa ter entrado sem ser vista ou percebida.Outro fator a ser considerado, era que a materialização ao ser fotografada e utilizando-se de flashes, a aparição dissolvia-se logo após, pois o fluído doado, não pode ter contato com luz intensa.
    Se após algum tempo, a médium ou médiuns sucumbem e “aprontam”, não quer dizer que tudo tenha sido farsa, pois algo de verdadeiro há na história toda.
    O Ceticismo é bom, nos faz pensar com a razão, mas também não podemos ser cegos a tudo, ainda mais, quando não é só uma ou duas pessoas que falam, mas centenas que atestam.

  11. Joaquim disse:

    Apenas lembrando que Davi Nasser e JEan Mazon são tidos como duas figuras dispostas a fazer de tudo para aparecerem como grandes jornalista e fotógrafo.
    Basta procurar pela internet e ver esta registrado em nome dos dois.

  12. João Ferrari disse:

    É disso que gosto e admiro no CA: a liberdade de expressão de ambos os lados. Já tentei postar em alguns ‘sites sérios’ sobre espiritismo e, para surpesa, comentários contras são ‘gentilmente’ recusados.
    Parabéns, CA!

  13. Francisco disse:

    Gente, tou chocado com o embuste tão barato!! Será que vão falar sobre essa reportagem do Cruzeiro no Globo Repórter?
    Que truquezinho barato! Até a transformação da Monga comparado as essas “materializações” ganha de goleada nos efeitos “especiais”.

    http://www.youtube.com/watch?v=jSFU6Zq50eM

  14. Raphael Porto disse:

    Já conhecia o CA há algum tempo, mas foi a primeira vez que realmente parei para ler todos os comentários, uma discussão realmente produtiva.
    Sonia(e todos os outros), muito obrigado pelos esclarecimentos e pela clareza na contestação da forma como as coisas foram interpretadas nesse post.
    Mori, muito interessante a iniciativa do blog mas talvez você possa nos disponibilizar seus questionamentos por meios mais “justos”, ficou bem claro e acredito que você tenha concordado que a fonte dos fatos está mais descreditada do que o próprio fato.
    Fazendo um paralelo, é como se quisessemos fazer um balanço de um governo apoiados só nos argumentos da oposição.
    Mesmo usando de um sensacionalismo típico dos fraudadores e se valendo de fontes suspeitas o blog está realmente de parabéns pela liberdade de expressão e pela postura de seus idealizadores frente aos questionamentos feitos.

    Deixo aqui apenas uma observação

    Quando qualquer um observar alguém se valendo de fenômenos ditos espíritas para se promover podem estar certo de uma coisa, isso não é Espiritismo.

    Abraços

  15. Sonia N. disse:

    Mori,
    aqui vai uma parte do laudo da Polícia Técnica de São Paulo, desmistificando a farsa dos repórteres da revista O Cruzeiro. E é Jorge Rizzini quem continua a contar os acontecimentos:
    – “Nada havia a temer: as fotos eram autênticas, e a verdade estava conosco. Estava tão convicto disso que fui procurar, em companhia do perito criminal Paulo Vitale, o Diretor da Polícia Técnica de São Paulo,
    Dr. Egas Muniz. Apresentei-me e expus o problema, colocando sobre sua mesa inúmeras fotografias dos espíritos materializados em Uberaba:
    – O perito do Rio de Janeiro, Carlos Éboli fez um laudo sobre essas fotos e afirma que são fraudulentas. Este laudo será estampado na revista O Cruzeiro e vai desmoralizar dezenove médicos, que garantem ser o fenômeno real. Eu gostaria que se fizesse um novo exame nas fotos para ver quem tem razão: se os médicos ou os repórteres…
    – À primeira vista, parece não haver truque nas fotos, disse o Dr. Muniz, fitando um dos peritos.
    O prof. Carlos Petit, considerado um dos mais notáveis peritos criminais do Brasil e presente à sala do Diretor, prontificou-se, depois de alguma relutância, a proceder a um exame severo nas fotos. Nesse trabalho pericial, teria como assistentes o perito criminal Paulo Vitale e o perito fotográfico Eduardo Saghi. Dentro de uma semana eu teria o resultado. E assim, pela primeira vez na história do Espiritismo, foi um fenômeno mediúnico, através de fotos, levado a exame na Polícia Técnica. Dias depois, a revista O Cruzeiro, publicou o laudo de Carlos Éboli, do Rio de Janeiro. Foi uma bomba sobre os espíritas do Brasil. Deixou-os atônitos. Mas, graças a Deus, já tínhamos em nossas mãos, o trabalho de Carlos Petit, que negava a pretendida mistificação denunciada pelos repórteres e confirmada por Éboli.

    Nessa mesma noite, fomos com Irineu Alves à casa de Herculano Pires, que se incumbiu da publicação no “Diário da Noite”. E a matéria saiu, em duas edições, de página inteira, com a seguinte manchete:
    Peritos da Polícia Técnica de São Paulo restabelecem a verdade: FARSA DA MATERIALIZAÇÃO É FARSA DE REPÓRTERES.

    É a seguinte a introdução ao laudo:

    “Peritos da Polícia Técnica de São Paulo, examinando as fotografias da sessão de materialização de Uberaba, publicadas pela revista O Cruzeiro, chegaram à “convicção plena de que não apresentam indícios de quaisquer modalidades de truques fotográficos, que permitissem sequer sugerira fraude”. Os exames foram procedidos pelo perito Carlos Petit, do Instituto de Polícia Técnica e Professor da Escola de Policia do Estado de São Paulo, assessorado em seu trabalho pelo fotógrafo Eduardo Saghi e pelo perito criminal Paulo Vitale. Foram dadas a análise, não apenas as fotos divulgadas pela imprensa, mas também, diversos negativos, e mais dez outras fotografias das mesmas experiências. Publicando em todo o Brasil o presente laudo, oferecemos ao povo um elemento decisivo para o esclarecimento das conclusões levantadas em torno das experiências médicas de materialização realizadas em Uberaba. Ao mesmo tempo, deixamos ao público o julgamento do estranho laudo publicado pela revista O Cruzeiro. Oportunamente, faremos também a divulgação das ilustrações fotográficas, altamente expressivas, mas para cuja publicação nos faltam, no momento, os recursos (financeiros) necessários.

    Laudo na íntegra:

    EXAMES EM NEGATIVOS E FOTOGRAFIAS

    Carlos Petit, INFRA-ASSINADO, Perito Criminal do Instituto de Polícia Técnica e Professor da Escola de Polícia de São Paulo, atendendo à consulta que lhe foi formulada pelo jornalista Jorge Rizzini, a respeito de vários negativos e fotografias, dentre estas, várias publicadas na revista O Cruzeiro, nos números editados em l8 de janeiro de 1964; 1 de fevereiro de 1964 e 8 de fevereiro de 1964, após realizar as pesquisas que se fizeram necessárias, apresenta o resultado, através do presente:
    LAUDO
    “O vasto material apresentado para exame, reproduz cenas diversas que serviram para ilustrar as reportagens publicadas sob os títulos “Fenômenos de materialização” e “Falsa materialização de Uberaba”: outros negativos e fotografias, que não figuram naqueles relatos, foram também exibidos ao perito para as devidas análises.
    “Tais fotografias e negativos registram o “fenômeno de materialização das formas de duas entidades que se identificam como sendo Irmã Josefa e Dr. Alberto Veloso”
    “Sobre essa copiosa documentação, o consulente (Jorge Rizzini) formulou uma série de quesitos, os quais vão mais adiante transcritos e respondidos.
    ”No curso de seus trabalhos, sempre que se fez necessário, o perito lançou mão de aparelhagem ótica adequada, com especialidade de lupas manuais (aplanáticas e anastigmáticas) e dos microscópios estereocópicos binoculares de Zeiss e de Spencer, em diversos graus de ampliação.
    QUESITOS:
    1) O tecido das formas feminina e masculina (Josefa e Veloso) apresenta sinais de “vincos e dobraduras”,consequentes de utilização de ferro elétrico ou instrumento similar?
    Resposta: – Os exames minuciosos nos negativos e nas cópias fotográficas que reproduzem as formas feminina e masculina, revelaram ausência completa de vincos, que poderiam ser consequentes de dobragens e redobragens do tecido; não se constatou também amarfanhamento. Na imagem feminina observa-se um tecido com aspecto de um véu que a envolve da cabeça aos pés, de modo contínuo, cuja transparência permite a constatação da existência de uma outra roupagem, também branca. O exame minucioso do aludido véu evidenciou, por outro lado, vestígios de emendas, como acontece nos tecidos confeccionados normalmente.
    “No tocante à figura masculina, de nome Veloso, observa-se uma vestimenta à moda oriental, com tecido semelhante àquele existente na forma feminina. Encobrindo a cabeça, há um turbante transparente, que desce até a cintura, o qual permite que se visualize cerrada barba e parte de seu contorno fisionômico. Se tal quantidade de indumentária (masculina e feminina) tivesse sido introduzida clandestinamente no recinto das experimentações (sem contar os objetos que as fotos registram) forçosamente haveria necessidade de estar acondicionada em pacote com o menor volume possível para que passasse despercebido aos assistentes e observadores. Neste caso, fatalmente, o tecido receberia sinais marcantes de dobragens, os quais somente poderiam desaparecer mediante passagem a ferro quente. Tal assertiva, ficou cabalmente comprovada com as experiências levadas a efeito pelo perito com um manequim, revestido com 10m de filó, um lençol, uma toalha de rosto, um lenço e alguns alfinetes. Primeiramente, foi revestido o corpo da manequim com o lençol, inclusive o rosto; a toalha foi colocada sobre a cabeça, o lenço envolvendo parte da face e, finalmente, recobriu-se com o filó aquelas peças. À guisa de véu, foi colocada parte da peça de filó passada a ferro quente; portanto, sem dobras, sobre a cabeça e tronco do manequim. Verificou-se então, que ela se apresentava caída normalmente, sem nenhum vinco, analogamente àquela que se observa envolvendo a forma feminina examinada. A fim de poder demonstrar o que acima foi afirmado, o perito mandou fotografar o manequim nessas condições, o que pode ser comprovado através da foto anexa de n* 1.
    Posteriormente retirou aquele pedaço de véu e o submeteu a sucessivas dobraduras com passagem de ferro quente, levou-o novamente à cabeça do manequim e o ajeitou como se fora um véu. O resultado está claro e nitidamente expresso na foto n* 2, muito mais eloqüente do que quaisquer palavras. Para que se possa ter uma idéia aproximada do volume de apenas 10 m x 0,60m de filó, dobrado em forma de pacote, foi procedida a fotografia n* 5, integrante deste trabalho.
    2) – Trata-se de tecido de contextura grossa ou fina?
    Resposta: – A contextura real de um tecido é comensurável, portanto, somente dispondo-se da matéria física é que se pode determiná-la com precisão ou então, por meio de percepção tátil. Entretanto, visualmente, através de simples fotos, a variação é muito grande, dependendo do grau de ampliação fotográfica e também da distância em que a foto foi tirada.
    3– Pode-se afirmar que se trata de filó ou apenas tem aparência do mesmo?
    Resposta: – Faltam ao perito elementos para afirmar categoricamente se o tecido que envolve as formas examinadas é ou não filó. Contudo, o exame nas fotos indica que, aparentemente, há grande semelhança com o tecido denominado filó.
    4) – Quantos metros, aproximadamente, são precisos para a confecção do “hábito externo” da forma feminina?
    Resposta: – O infra-assinado não tem conhecimentos a respeito da arte referente a modas e confecções. Entretanto, como acima ficou consignado, utilizou-se uma peça de 10 m de comprimento por 0,60 m de largura para envolver, dos pés à cabeça, o manequim utilizado nos seus experimentos.
    5) – O “hábito externo” está cobrindo outras vestes? Caso positivo, qual a cor destas vestes?
    Resposta: – A transparência do tecido superior, permite observar que, realmente, sob ele, existem outras veste de cor também branca.
    6) – Pode-se afirmar que se vê “sem maiores dificuldades”, que no turbante da forma feminina, ao invés de um aglomerado de contas, existem bordados?
    Resposta – Não se trata de “contas bordadas”, pois a percepção visual fornece a idéia de sensação de relevo, como se um rosário ali tivesse sido colocado.
    7) – A vestimenta de Josefa e Veloso é uma só, conforme foi divulgado?
    Resposta: – Absolutamente. Uma simples inspeção ocular sobre as fotos das imagens masculina e feminina é suficiente para comprovar a diferença dos trajes(vide fotos 3 e 4).
    8) – Existe diferença na roupagem constante nas fotos da forma masculina publicadas na pág. 77 de O Cruzeiro, de 18 de janeiro de 1964 e na pág. 76 de O Cruzeiro de 1 de fevereiro de 1964?
    Resposta: – Na foto publicada no dia 18 de janeiro de 1964, à pág. 77 da revista referida, a aparência da vestimenta dá a idéia de um tecido leve vaporoso que, a foto constante na pág. 76 da mesma revista, datada de 1 de fevereiro de 1964, provoca impressão completamente oposta, isto é, de tecido com aparência grosseira, pesada, compacta, que chega até a velar o rosto, o que não se dá com a primeira fotografia (vide fotos 6 e 7, extraídas das revistas).

    • Sandro disse:

      Oi Sonia,vendo o seu comentário eu acabei concluindo que seria bom eu mesmo fazer um outro aqui já que sua crença na doutrina espírita e nas materializações de Uberaba, tanto quanto a de tantos outros aqui que eu vi pelos comentários,parece ser bem firme.Antes de mais nada eu digo que admiro e respeito muito a figura e o legado de Chico Xavier como eu já postei em um comentário que fiz aqui mas não me custa nada reiterar isso.Realmente apesar de não concordar com o espiritismo ou ser seguidor de qualquer religião e agora vejo que sou ateu-agnóstico eu tenho profunda admiração e carinho por Chico Xavier e toda a sua inquestionável solidariedade e amor ao próximo,apesar de ter pessoas aqui que usam a falácia de que apesar de ser um bom ser humano Chico e o próprio espiritismo seriam uma espécie de ”corruptor” da mente das pessoas igual a qualquer outra religião.Mas enfim,deixo claro minha admiração por Chico,contudo em relação as materializações de Uberaba apesar dos laudos técnicos que vc tem em mãos aqui,temos que levar em consideração que eles não excluem o fato de que Otília Diogo fraudou sessões mediúnicas tempos depois de Uberaba tornando essa sessão em questão muito suspeita juntando ai também as fotos inequívocas de que a Irmã Josefa materializada tinha e tem fartos panos cobertos pelo corpo mostrando ser apenas uma pessoa de carne e osso que podia inclusive ser ”tocada” e sentida por Waldo Vieira que fez um comentário mostrando a impressão que teve ao tocá-la além de uma viseira na fronte algo bem desnecessário para um espírito.Mesmo que David Nasser junto com Jean Manzon da revista O Cruzeiro tivessem viajado para Uberaba para ”desmascarar” Chico publicando fotos adulteradas ou sendo coniventes com elas,isso não excluiria os fortes indícios de golpe nessas sessões,esse é o ponto.E cumpre deixar bem claro e fácil de entender aqui pra todo mundo que eu,no meu caso,que do mesmo modo que questiono o espiritismo,eu questiono os milagres alegados pelos católicos ou as suras islâmicas entre todas as outras religiões e nisso deixo mesmo a minha cara a tapa pra quem apresentar uma prova consistente de que tais fenômenos que estão AFIRMANDO realmente acontecem e porque ,já que são autênticos,não colocá-los sob um ambiente controlado sendo analisado cientificamente?Ok?E foi como Carl Sagan disse,e isso que ele disse também serve para as religiões”a ciência pode até não dar todas as respostas mas é o próximo que temos para se chegar a elas”.Abraços ae.

  16. Sonia N. disse:

    Mori, ai vai uma parte do laudo da Polícia Técnica de São Paulo, que dá um parecer favorável às materializações de Uberaba.
    Jorge Rizzini continua:
    – “Nada havia a temer: as fotos eram autênticas, e a verdade estava conosco .Estava tão convicto disso que fui procurar, em companhia do perito criminal Paulo Vitale, o Diretor da Técnica de São Paulo,
    Dr. Egas Muniz. Apresentei-me e expus o problema, colocando sobre sua mesa inúmeras fotografias dos espíritos materializados em Uberaba:
    – O perito do Rio de Janeiro, Carlos Éboli fez um laudo sobre essas fotos e afirma que são fraudulentas. Este laudo será estampado na revista O Cruzeiro e vai desmoralizar dezenove médicos, que garantem ser o fenômeno real. Eu gostaria que se fizesse um novo exame nas fotos para ver quem tem razão: se os médicos ou os repórteres…
    – À primeira vista, parece não haver truque nas fotos, disse o Dr. Muniz, fitando um dos peritos.
    O prof. Carlos Petit, considerado um dos mais notáveis peritos criminais do Brasil e presente à sala do Diretor, prontificou-se, depois de alguma relutância, a proceder a um exame severo nas fotos. Nesse trabalho pericial, teria como assistentes o perito criminal Paulo Vitale e o perito fotográfico Eduardo Saghi. Dentro de uma semana eu teria o resultado. E assim, pela primeira vez na história do Espiritismo, foi um fenômeno mediúnico, através de fotos, levado a exame na Polícia Técnica. Dias depois, a revista O Cruzeiro, publicou o laudo de Carlos Éboli, do Rio de Janeiro. Foi uma bomba sobre os espíritas do Brasil. Deixou-os atônitos. Mas, graças a Deus, já tínhamos em nossas mãos, o trabalho de Carlos Petit, que negava a pretendida mistificação denunciada pelos repórteres e confirmada por Éboli.

    Nessa mesma noite, fomos com Irineu Alves à casa de Herculano Pires, que se incumbiu da publicação no “Diário da Noite”. E a matéria saiu, em duas edições, de página inteira, com a seguinte manchete:
    Peritos da Polícia Técnica de São Paulo restabelecem a verdade: FARSA DA MATERIALIZAÇÃO É FARSA DE REPÓRTERES.

    É a seguinte a introdução ao laudo:

    “Peritos da Polícia Técnica de São Paulo, examinando as fotografias da sessão de materialização de Uberaba, publicadas pela revista O Cruzeiro, chegaram à “convicção plena de que não apresentam indícios de quaisquer modalidades de truques fotográficos, que permitissem sequer sugerir a fraude”. Os exames foram procedidos pelo perito Carlos Petit, do Instituto de Polícia Técnica e Professor da Escola de Policia do Estado de São Paulo, assessorado em seu trabalho pelo fotógrafo Eduardo Saghi e pelo perito criminal Paulo Vitale. Foram dadas a análise, não apenas as fotos divulgadas pela imprensa, mas também, diversos negativos, e mais dez outras fotografias das mesmas experiências. Publicando em todo o Brasil o presente laudo, oferecemos ao povo um elemento decisivo para o esclarecimento das conclusões levantadas em torno das experiências médicas de materialização realizadas em Uberaba. Ao mesmo tempo, deixamos ao público o julgamento do estranho laudo publicado pela revista O Cruzeiro. Oportunamente, faremos também a divulgação das ilustrações fotográficas, altamente expressivas, mas para cuja publicação nos faltam, no momento, os recursos (financeiros) necessários.

  17. Sonia N. disse:

    Olá Mori,

    Peço a você e aos leitores do blog, desconsiderarem as duas últimas postagens.
    Enganei-me ao postá-las repetidamente, porque demoraram a irem para “o ar”.

    • Mori disse:

      Sem problema, apaguei uma delas, Sonia. Só gostaria de saber aonde você encontrou este laudo? Há mais informações nele? Bem interessante.

      Pretendo escrever um novo texto sobre o tema com essas informações, e novamente, agradeceria todos os detalhes…

      Obrigado pelo que já enviou!

    • Paulo Santos disse:

      Olá Sonia.

      Já que que os espiritas querem tanto provar a materialização, porque não fazem uma seção e convidam Globo, SBT e cia, para que não só fotografem como também façam filmagens dessa tal manifestação. E melhor ainda, passem ao vivo, para que não tenham como alterar depois.
      Quem sabe, após isso possam ganhar mais adeptos. Principalmente até porque a Globo adoro fazer coisas desse tipo.
      Se possível, responda no meu e-mail.

      Abraço.

      • Rafaela disse:

        O Espiritismo não precisa usar a mídia para ter adeptos, e apenas, tão apenas, os que têm mais sentimento conseguem entender essa doutrina tão LIMPA. Um dia vc consegue entender… Um dia…

      • Ernane disse:

        Se o espiritismo estivesse preocupado com adeptos, ele teria comprado uma emissora
        ou um espaço na tv para atrair as massas para os centros. O espiritismo se preocupa com a qualidade e não com a quantidade.

  18. Sonia N. disse:

    Mori, eis a complementação do Laudo da Perícia da Polícia Técnica de São Paulo, sobre as “Materializações de Uberaba”. E alguns comentários meus, ao final.
    (cont.)
    9) – É possível afirmar-se com plena convicção que é um “chumaço de pano branco”, o que se observa nas fotos “H” e “G”, publicadas na revista O Cruzeiro, de 8 de fevereiro de 1964?
    Resposta: – Através da análise das fotos referidas não é possível afirmar-se, com plena convicção, tratar-se de um “chumaço de pano branco”. A foto “H” mostra uma forma branca alongada e as três fotos assinaladas com a letra “G” indicam um estufamento do referido material, o qual toma o contorno do perfil de uma espécie de máscara que tem, aparentemente, a forma de um rosto. Se esta última hipótese se comprovasse, então o “aglomerado de contas à altura da boca da figura (de acordo com a legenda da fotografia de O Cruzeiro) corresponderia às contas do rosário retro mencionadas. Evidentemente, uma pergunta se impõe: que espécie de pano poderia ir se estufando, se transformando, assumindo uma determinada forma, como mostra a seqüência fotográfica?
    10) – Há semelhanças, ainda que leves, entre o rosto das formas masculina e feminina?
    Resposta: – Um simples confronto entre as fotos anexas sob os n*s 3 e 4 que reproduzem, respectivamente, as forma femininas e masculina, mostram de sobejo não existir o mais leve resquício de semelhança fisionômica entre as duas formas cotejadas, o que dispensa maiores fundamentações.
    11) – Pelo exame das fotos conclui-se ser a Sra. Otília Diogo, a forma feminina da freira?
    Resposta: – O turbante e o véu encobrem, respectivamente, a cabeça e o rosto da imagem da freira, não deixam transparecer em toda a sua plenitude os traços morfológicos da face, o que não acontece com os espécimes-padrão fotográficos de dona Otília Diogo (vide fotos 5, 9 e 10). Entretanto, divergências são facilmente constatadas, pois, o rosto da forma da figura feminina apresenta-se mais cheio, narinas bem abertas, tendo sido ainda constatado que a parte superior apresenta-se “arqueada”. A foto n* 10 foi feita com a supressão dos cabelos de dona Otília, com o intuito de melhor confronto entre a parte da face visível.
    12) – Pelo exame das fotos, conclui-se ser a sra. Otília Diogo a forma masculina denominada Alberto Veloso?
    Resposta: – Havendo diferenças entre o rosto da forma da figura feminina e o de dona Otília Diogo, evidentemente, as dessemelhanças são totais entre o rosto da “sensitiva” e o rosto da imagem masculina.
    13) – Debaixo do turbante da forma masculina há uma “vasta cabeleira” conforme foi divulgado?
    Resposta: – O exame detalhado do negativo e da foto não revelou presença de grande quantidade de cabelos, mesmo porque a cabeça da imagem se encontra envolvida em um turbante.
    14) – O crucifixo está preso com alfinete no hábito da freira (como se fora um broche) ou desce pelo pescoço preso a uma corrente?
    Resposta: – O exame pormenorizado de várias fotos que registram a presença da imagem feminina, permite observar, nitidamente, que o crucifixo desce do pescoço, atado à extremidade de contas, análogos aos rosários utilizados pelos religiosos. A foto marcada com a letra “l” publicada na revista O Cruzeiro de 8 de fevereiro de 1964, na pág, 88 não deixa qualquer dúvida a respeito.
    15) – Se se trata de uma corrente, qual o comprimento aproximado?
    Resposta: – As fotos examinadas não foram batidas com fita métrica, portanto, não se pode aquilatar o grau de ampliação que sofreram, o que dificulta a determinação do tamanho do motivo fotografado.
    16) – As fotos apresentadas para o presente exame são bastante nítidas ou não?
    Resposta: – Todas as fotos apresentadas ao perito e que foram cuidadosamente examinadas, apresentam-se bem focalizadas, portanto, nítidas, o mesmo acontecendo com as que se encontram publicadas nas três reportagens da revista O Cruzeiro, tanto assim, que puderam ser estampadas.
    17) – E os negativos?
    Resposta: – A cópia fotográfica é uma consequência do negativo. Este, não sendo nítido, não permitiria boas reproduções. Todos os negativos examinados pelo signatário deste trabalho, encontram-se em perfeitas condições.
    18) – Após o exame frio e minucioso do vasto material apresentado, qual a sua conclusão? Na materialização de Uberaba, houve ou não farsa?
    Resposta: – Os exames procedidos nos negativos e nas respectivas fotos oriundas das experimentações levadas a efeito em Uberaba, pelos dezenove médicos, oferecidas ao perito para os devidos estudos e interpretações, levaram-no à convicção plena de que não apresentam indícios de quaisquer modalidades de “trucs” fotográficos que permitissem, sequer, sugerir a fraude. Quanto aos “fenômenos” registrados pelas objetivas, o infra-assinado quer deixar consignado que escapa, totalmente, à alçada pericial. As observações e conclusões expendidas nesse trabalho são fruto daquilo que pode ser frio e desapaixonadamente analisado, interpretado e comprovado.
    “Vai este laudo datilografado em 9 folhas de papel, as primeiras rubricadas no verso e a última assinada por extenso. Acompanham-no 10 fotografias, todas devidamente legendadas e autenticadas.” São Paulo, 24 de janeiro de 1964. O perito CARLOS PETIT.
    ###
    Luciano dos Anjos e Jorge Rizzini, em programas televisivos, desmascararam a fraude dos repórteres da Revista “O Cruzeiro” e expuseram tudo o que eles fizeram de errado, contra o Espiritismo. Mostrando as fitas magnéticas que continham as declarações dos repórteres de O Cruzeiro (que haviam afirmado a veracidade do fenômeno e, depois, forjaram toda a farsa), fotocópias, filmes, fotografias e, inclusive, a roupa especial (vestido preto), que a médium usava durante a experimentação e, que também foi adulterada.
    (MAIORES DETALHES, NO LIVRO “MATERIALIZAÇÕES EM UBERABA”, DO JORNALISTA JORGE RIZZINI).
    ##
    Por tudo isso que foi exposto, e por muito mais que não foi, porque se tornaria extremamente cansativo para os leitores do blog, que buscam resultados ligeiros, eu pergunto a vocês dois:
    – Mori e Vitor, vocês acham que o David Nasser, quando disse que o “maior remorso da vida dele era o Chico Xavier”, ele se referia apenas ao episódio de 1944, quando fez uma reportagem galhofeira, mas muito menos comprometedora, e omitiu o detalhe da dedicatória no livro? A sua confissão, para os espíritas que acompanharam o caso na época, é o que basta. Os espíritas não são Inquisidores, são cristãos verdadeiros, reconhecendo as falhas humanas. E vejam só que vergonha para o David Nasser, quase no fim da vida, ter que reconhecer o seu erro! Quando foi que ele reconheceu algum erro cometido contra os outros? Para quem nunca teve escrúpulos, quanto aos meios empregados para ser bem sucedido, a sua confissão demonstra claramente, o quanto aqueles acontecimentos devem tê-lo atormentado durante muitos anos. Ele colocou em dúvida toda uma Doutrina. Caluniou pessoas inocentes, dignas, honestas, que poderiam ter movido processos contra ele, mas não foi isso o que aconteceu.
    Na época houve um movimento nacional, exigindo a retratação dos repórteres e dos responsáveis pela revista O Cruzeiro, através de um pedido formal de perdão. Entretanto, CHICO XAVIER, COM A GRANDEZA DE SUA ALMA, NEGOU-SE A FAZER OS RESPONSÁVEIS PELA FARSA, PASSAR POR ESSE VEXAME. Para ele, provar a inocência de todos os envolvidos e a veracidade dos fenômenos, foi o suficiente.
    ###
    Outra coisa, após esses acontecimentos, o Chico Xavier deixou de participar das sessões de materialização com a médium Otília Diogo. Infelizmente, como ele mesmo esclarece, os seres humanos falham e se comprometem com as leis, sejam elas humanas ou divinas. E dona Otília, por alguma razão que desconhecemos, após o afastamento de Chico Xavier, deixou-se levar por pessoas inescrupulosas, possivelmente semelhantes a David Nasser, que queriam “ganhar” alguma coisa com os fenômenos. E quanto à mediunidade, como dizia o Chico Xavier, com muita propriedade: “o telefone só toca de lá prá cá”. Portanto, os fenômenos mediúnicos NUNCA acontecem pela vontade do médium, e sim, pela vontade dos espíritos. E os espíritos encarregados daquela tarefa, junto à médium Otília Diogo, afastaram-se depois que se modificaram os interesses da médium e dos que a acompanhavam de perto.
    É por isso que ela e outros médiuns apelam para as fraudes. Porque os fenômenos não acontecem quando os médiuns querem, e sim quando obedecem a um programa sério por parte dos espíritos, com o OBJETIVO ÚNICO de mostrar que a vida continua. E não para dar espetáculos indébitos. A mediunidade é coisa muito séria. Não é diversão prá curiosos e irresponsáveis. E nem é ganha-pão de ninguém!
    Seis anos depois daqueles acontecimentos, flagraram dona Otília com uma maleta cheia de roupas utilizadas nas suas fraudes. O que aliás, comprova as experimentações genuínas, em vez de invalidá-las, porque era preciso uma “maleta cheia de roupas para fraudar”, fato inexistente e impossível nos experimentos de 1964.
    Quanto a envolver Chico Xavier nas fraudes de dona Otília, é calúnia, difamação. Ele apenas tomou conhecimento do que havia acontecido, como qualquer outra pessoa. E é certamente a essa época que se refere Waldo Vieira no vídeo do outro tópico. Só que de tanto se “projetar”, anda falando prá dentro, comendo palavras e aí fica parecendo que ele se referia à época em que o Chico e ELE participavam das reuniões, cuja participação negou, mentindo descaradamente, porque as fotos não mentem. E tem mais, as reuniões aconteciam no seu consultório.
    #
    Mori, Jorge Rizzini, autor do livro “Materializações em Uberaba”, de onde retirei estas informações, era jornalista, escritor e participou ativamente de todo este processo. Portanto, ele não escreveu o livro, baseado em “me contaram”, “ouvi dizer” ou, pior ainda, no capô do carro funerário do Chico- como tem acontecido com muitos “escritores”, querendo aparecer às custas dele.
    #
    Espero ter contribuído para um melhor entendimento de tudo o que aconteceu, em relação às “Materializações de Uberaba”.
    Abrços afetuosos.

    • Mori disse:

      Obrigado, Sonia! Discordo de suas conclusões, mas as informações são valiosas e são importantes para o texto que irei escrever complementando este. Devo publicá-lo na próxima semana, quando Vitor Moura também deve publicar a última matéria do Cruzeiro sobre o tema.

      Cordial abraço,

      Kentaro

  19. William disse:

    Sonia N.

    Fica atenta, veja o que está escrito logo em cima, de acordo com o “ceticismo saudável”:

    “Se você achava pessoas cobertas de lençóis brancos como fantasmas algo digno de desenhos animados infantis, um estereótipo cômico, em verdade tal ícone moderno representando fantasmas se baseia em “sessões de materialização” como esta, levadas muito a sério por espiritualistas”.

    Precisa falar mais alguma coisa?

    Não há ceticismo aqui.

    Saiba que nunca, jamais você estará estabelecendo aqui uma discussão intelectualmente honesta, dessa forma, quando escrever, o alvo devem ser outras pessoas e não esses “intelectualmente superiores” a maioria dos espíritas.

    Quem é espírita não vai deixar de ser, quem é crente como eles (abraçam apenas o “outro lado da bandeira”), não irão aceitar os fatos. Então, resta apenas combater um pouco, essas omissões de informações, enfim, tornar mais óbvio esse pseudo-ceticismo, esse comportamento fanfarrão que engana pessoas desinformadas (mas que se interessam pelo assunto).

    • Mori disse:

      Eu pelo menos discuto de forma sincera e faço o meu melhor para uma abertura. Presumo, como deve estar evidente, que a Sonia também o faça, e espero não tê-la destratado em nenhum momento.

      Se você, William, presume que aqui não haverá “discussão intelectualmente honesta”, que não “há ceticismo” aqui, só posso lamentar, porque abrir espaço para todas manifestações sérias, e respondê-las com atenção, eu já faço. O que mais poderia fazer?

      Se há “comportamento fanfarrão” aqui, acredito que não seja de minha parte, nem mesmo dos espíritas que buscam oferecer argumentos racionais e respeitosos para discordar das opiniões e contestar as informações que divulgamos.

  20. joão carlos silva disse:

    O Brasil é o país do trambique e da enganação religiosa. Vê se na tv todos os dias os milhares de milagres de pastores evangélicos. Esta é só uma das muitas fraudes que se vê e insistir com uma crença cega na farsa é de uma ignorância tamanha. Não podemos nos orgulhar do passado de trambiques religiosos do país e nem de mentes pouco desprovidas e inocentes que nelas creem

  21. Guilherme de almeida disse:

    Eu creio que o amigo William desconhece o conceito de ceticismo.

  22. Sonia N. disse:

    William:
    #
    Fico feliz com sua intervenção, principalmente, porque você tem postado neste site há muito mais tempo do que eu, que tenho feito alguns poucos comentários há apenas, mais ou menos um mês. Sua experiência (e a do Carlos Magno) têm me ajudado a compreender melhor os objetivos dos espíritas aos postarem aqui os seus comentários.
    #
    Sinto-me “em casa” a cada postagem dos dois. Senti falta, quando se ausentaram, devido às suas atividades.
    Agradeço o retorno, sendo breve ou não.
    #
    Abraços afetuosos…
    Sonia N.

  23. Sonia N. disse:

    Mori:
    #
    Quanto a discordar de minhas conclusões, sinceramente, já esperava por isso.
    Se você estivesse de acordo, os objetivos do site e os seus argumentos para mantê-lo, perderiam totalmente o sentido.
    #
    Quanto aos seus últimos comentários, postados após os do William, devo dizer que, pelo menos até agora, não tenho tido qualquer motivo que justifique qualquer desconforto de minha parte.
    #
    O site é seu e estou aqui por livre e espontânea vontade. Ser da oposição, de vez em quando, estimula os neurônios, principalmente, quando há respeito pelas partes.
    #
    Já comentei com o Vitor em outro tópico, que apesar de ser espírita, não me incomodo com céticos e/ou ateus. Precisamos respeitar as crenças uns dos outros. Cada qual faz as escolhas que melhor lhe convém.
    #
    E temos que reconhecer que, apesar do constante combate às nossas escolhas, todos têm aqui a oportunidade de postar o que pensam e o que sentem. Ao menos nos tópicos dos quais tenho participado, as intervenções têm se mostrado de alta qualidade e respeito. O que resulta positivo para todos.
    #
    Abraços afetuosos…
    Sonia N.

  24. William disse:

    Guilherme de almeida,

    Ensina então…estou esperando.

  25. William disse:

    Mori,

    “Eu pelo menos discuto de forma sincera e faço o meu melhor para uma abertura”.

    O seu melhor é dizer “se você achava pessoas cobertas de lençóis brancos como fantasmas algo digno de desenhos animados infantis, um estereótipo cômico, em verdade tal ícone moderno representando fantasmas se baseia em sessões de materialização como esta, levadas muito a sério por espiritualistas” ?

    Para de mentir, você não quer discutir, mesmo sem ler “Materializações de Uberaba” já “sabe” que foi fraude e quer formar opinião. Apenas isso e ponto.

    Você não está vendo que a cada palavra fica mais óbvio como são as coisas?

    O Vitor ainda é o mestre em polir, aqui nem isso faz.

  26. Sonia N. disse:

    William:
    #
    As acusações constantes contra o Espiritismo, utilizando-se dos fenômenos estudados por ele, com o único objetivo de mostrar que a vida continua, na maioria das vezes, funciona na contra-mão (deles). Vide o Padre Quevedo (um tiro no pé!)que, com o tempo, virou piada, pois, acabou por se transformar no maior divulgador do Espiritismo. Cada vez que ele aparece na televisão para desmoralizar ou desmascarar a doutrina, a vendagem de livros aumenta, assim como, a frequência aos centros espíritas.
    #
    William, um único argumento do Espiritismo, derruba qualquer outro forjado para obscurecê-lo: O ESPIRITISMO NÃO É GANHA-PÃO DE NINGUÉM. TUDO QUE SE FAZ DENTRO DA DOUTRINA É DE GRAÇA. E não adianta vir com argumentos chulos, sobre a venda de livros, livrarias, editoras, como se esse fosse o nosso Império, porque é um absurdo exigir que uma doutrina se mantenha e informe os seus simpatizantes, sem qualquer meio de comunicação. Argumentos sem conteúdo, como tolos são os que assim argumentam.O Brasil é um País Laico, portanto, essa perseguição ao Espiritismo não procede senão do medo de seu crescimento vagaroso e constante, que vai pondo por terra crenças superadas e sem sentido.
    #
    Um ponto super importante, das mudanças de compotamento da sociedade, a partir das idéias espíritas:
    – de acordo com as estatísticas, 60% das pessoas entrevistadas numa pesquisa, acreditam na reencarnação, apesar de professarem outras religiões, cujos dogmas não aceitam esta realidade. O que comprova a questão do condicionamento e do medo gerado pelas igrejas (ditas) cristãs, do castigo de Deus.
    #
    Por isso, William, tenho certeza de que estamos indo muito bem. É o trabalho da “formiguinha”. E jamais esquecerei a frase de Chico Xavier, quando disseram a ele que era difícil ser espírita, ao que ele respondeu:
    – “Difícil é deixar de ser espírita, meu filho…” Para um bom entendedor, poucas palavras bastam…
    #
    Abraços afetuosos, William. E não me deixe só, por largos períodos.

  27. Roberto disse:

    Para Sonia e algum outro adepto da Doutrina Espírita.

    Todos os teus esforços em divulgar o outro lado da história contado pelos detratores do espiritismo, bem como da verdade, em qualquer época, de qualquer forma serão levados em conta mas, será que são úteis?

    Veja o exemplo dos que foram perseguidos por dizerem a verdade, por romper a casca grossa que a ignorância criou ao longo dos milênios. Me parece que Chico Xavier, Divaldo Franco, Karkec, Gandi, Joana D’arc, Vitor Hugo, e tantos outros que procuraram, em meio às suas limitações mas protegidos pela honestidade de propósitos e retidão de caráter, usaram da própria humildade em não quererem que as suas personalidades ganhassem realçe, e sim, que as idéias que defendiam tivessem um representante digno de quêm lhes enviou e em nome de quêm trabalharam.

    Veja todo o teu esforço em remontar dados deste acontecimento sobre as materializações que o autor deste blog se arvorou em anunciar como “fraudes”. Você acha que alguém que se apressou em adotar um julgamento, consultou apenas uma fonte de informação e assinou sua posição publicamente como ele o fêz, você acha sinceramente que ele fará qualquer coisa para corrigir algum erro seu?

    Apontem um único caso deste rapaz, que assina matérias como uma metralhadora ambulante, que busca qualquer assunto que possa gerar polêmica, que possa dar audiência ao seu blog, que possa enaltecer a sua personalidade de cético profissional, que possa garantir convites para participar de programas televisivos, que possa ter voz como teve o tal Quevedo, apontem um caso em que ele SE RETRATOU de ter dado uma versão sem maior aprofundamento, sem maior cientificismo, sem maior critério.

    Analisem suas notícias e compreendam o seu propósito. Não se iludam que defendendo os erros que ele pronuncia aqui, defendendo às honoráveis memórias atingidas por seus ataques, que vocês estarão protegendo a verdade e quiçá, abrindo os olhos da ignorância que fala do que não conhece. Não, isto não ocorrerá e é melhor gastar energia útil em quêm precisa de auxílio.

    Jesus não foi ter com os Doutos de sua época, foi ao encontro dos sofredores e doentes, e não dos que se julgam sãos pois estes, no castelo de seus orgulhos não dariam ouvidos e não enxergariam a luz.

    Tudo o que escreveste será peça de deboche, velado, mas deboche, pois o rapaz profissional do ceticismo vai montar uma peça de ficção e manterá a sua posição de “cético” pois se ele voltasse atrás teria que voltar atrás estrondosamente, teria que mudar de profissão e convenhamos, isto não vai acontecer.

  28. Sonia N. disse:

    William,
    #
    Tenho uma leve “intuição” a respeito do novo texto que o Mori irá postar.
    #
    Aguardo para ver se estou mesmo certa.
    #
    Enquanto isso preparo um novo comentário em outro tópico.
    #
    Tenho certeza de que o Carlos Magno vai “exultar” de alegria.
    #
    Abraços afetuosos…
    Sonia N.

  29. Zaroio disse:

    Leiam na íntegra:
    http://obraspsicografadas.haaan.com/wp-content/uploads/2010/03/clip-image029-thumb.jpg
    Nem eu acredite em tamanha igenuidade.
    Por que será que hoje não acontece esses “fenômenos” diante da mídia televisiva?
    Por tinha que ser num quarto escuro?
    E o pior: dado o valor atribuído às aparições dos espíritos para os que assim acreditam, não deveriam esses espíritos terem um propósito mais nobre.
    O que aconteceu em Uberaba beira a mediocridade.

  30. Sonia N. disse:

    Roberto:

    Agradeço seu comentário e compreendo perfeitamente o que você quer dizer.
    Mas, creia, sinceramente, que não postei absolutamente nada aqui, pensando em confrontar o Mori ou modificar as suas disposições de cético. Eu não conheço o Mori e nem as suas pretensões televisivas.
    O que eu “soube” a respeito dele, nesse pouco mais de um mês, foi através de comentários daqueles que postam aqui.
    #
    O meu objetivo é esclarecer aos que “passam” por aqui e, que permanecem em dúvida quanto aos reais objetivos do Espiritismo, simplesmente, pelo “ouvir dizer”, “me contaram que”, “a Bíblia fala”…
    #
    O Mori e o Vitor são homens de fé! E não é pouca não! Acreditam firmemente nas escolhas que fizeram e permanecem firmes no propósito de expandirem suas idéias, tal qual o fazem a maioria das religiões, ou seja, custe o que custar.
    Para nós, os espíritas, acostumados aos preconceitos, ao escárnio, ao deboche, ao riso de mofa, é preferível o combate de ateus do que daqueles que “deveriam” ser indulgentes, compreensivos, fraternos, como “rezam” as religiões.
    #
    Abraços afetuosos a você, Roberto.

    • Roberto disse:

      Sonia,

      Aí é que está a questão. São eles pessoas de fé mesmo, fé no seu ceticismo?

      Quanto ao Mori eu o analisei durante 3 meses até chegar às minhas conclusões. Primeiramente me parecia alguém que buscava respostas, que se apoiava na ciência, no critério justo para desmascarar os falsários, os charlatães, os enganadores, ou seja, colaborava com a sociedade diminuindo a crendiçe, a fé cega e a ignorância.

      O propósito declarado no “sobre” de seu site/blog apontava este propósito, porém, análise mais acurada mostra que diz uma coisa e faz outra totalmente diversa.

      Mais alguns links em suas matérias e eis que o vejo em programa da Rede TV falando sobre 2012. Mais um pouquinho e o vejo no Fantástico do ano passado falando do “fantasma” do Michel Jackson.

      Combinando a proliferação de matérias tolas, sem bases, sem profundidade, e suas com conclusões apressadas, mais a ânsia midiática, o gosto pela polêmica mesmo que atirando lama sobre a reputação de pessoas honoráveis, bem, não resta muita sinceridade nesta fé no ceticismos e sim conveniência e comodismo.

      Quanto à posição do espírita, na atualidade, principalmente no Brasil, graças ao abnegado trabalho dos predecessores com Chico Xavier, é muito simples. À época das perseguições já vão longe pois a humanidade avançou em ciência, apesar de tropeçar em moralidade, e esta mesma ciência impede que a caça as bruxas permaneça.

      Veja o caso das materializações? Esta experiência Chico Xavier engendrou, junto com o deslubrado, infelizmente, Waldo Vieira (veja como a tarefa da mediunidade com Jesus é para poucos, muito poucos) aconteceu há 40 anos atrás, ou seja, hoje ninguém mais se preocupa em “provar” o que já foi repetidas vezes, incontáveis vezes “provado”. A fase dos fenômenos físicos já passou há muito tempo, estamos na fase da aplicação dos conhecimentos morais à nossa vida cotidiana, à sociedade.

      Por em prática as consequência da constatação de que sim, há espíritos, se comunicam, interferem na vida dos encarnados, somos nós próprios espíritos encarnados enfim, isto é que são elas, este é o desafio.

      Àqueles que, por preguiça, comodismo, desonestidade, interesses malsãos enfim atrasam o seu próprio progresso e o da humanidade e colherão os frutos de suas obras. Os que não crêem por conta da visão dogmática de sua religião, e fizerem o bem, forem sinceros em sua fé, estes poderão estar em paz porque os níveis de entendimento variam e devem ser respeitados, agora, independente da fé que professem, espírita, evangélica, cética,…, e adulterarem a verdade propositalmente, hipócritamente, mentirosamente, bem, para estes, como nos disse Jesus, o pranto e o ranger de dentes serão seus companheiros nas “trevas exteriores” nas quais serão lançados, ou seja, nas vidas primitivas que os aguardarão nos planetas inferiores (Nibiru, atualmente).

      Espero que eu possa ter feito algo que possa ser digno de crédito e assim me matricular na última hora (esta reencarnação definidora) na escola terrena renovada e não ser exilado no Planeta Chupão de que Chico falou.

      Muita paz à todos!

      • Mori disse:

        Tolerância é permitir a publicação de críticas que questionam a própria boa fé e entram no âmbito pessoal… no veículo de que você mesmo é responsável.

        Será que Chico publicaria ofensas desta natureza contra si mesmo em suas obras? Por vezes vezes o silêncio não é a resposta mais nobre.

      • marcia regia disse:

        amigo não sou cética profissional mas tenho interesse genuino na verdade. não desejo notoriedade sou uma mae dona de casa esposa e professora. vivo minha vida comum mas sem ignorar o que de incomum se apresenta. e…quer saber o que conclui? o temor do sofrimento e da morte, a incapacidade de lidar com isso de maneira natural faz com que sejamos joguetes da ilusão sobrenatural. isso sim, é o que se propoe aqui, que sejamos um pouco corajosos e encaremos a verdade não tão atraente e conslodadora. é por isso que tantos enganos e engodos ao longo de nossa malfada historia e trajetoria e permtiimos por covardia que se obscureça a verdade com o intuito de alimentar egos gigantescos e hierarquias complexas. a auto consciencia é uma benção sim e tb uma maldição, enquanto a humnidade caminhar nesse passo não haverá de maneira alguma a VERDADEIRA evolução.

  31. Roberto disse:

    E mais Sonia, não perca a preciosidade da matéria feita pelo editor deste site/blog sobre Chico Xavier “acusando” Divaldo Pereira Franco de “plágio”.

    Está no final desta mesma matéria sobre Chico e as materializações o link para mais uma colaboração do ceticimo do Quevedo Mori Ceticista Aberto.

    O ministério da saúde adverte: aprecie mais este artigo com moderação, muita moderação e, tolerância.

  32. Raphael Porto disse:

    Volto a repetir o que William falou, porque não estou acreditando que Mori não está de acordo de que o texto escrito nesse post é realmente sério. Ao rapaz que sugeriu que não se sabe o conceito do ceticismo ou qualquer outro cético que possa responder, ceticismo é se basear em fontes descreditadas, como O Cruzeiro, ou depoimento no Orkut, disse me disse e Fantástico para tirar conclusões a partir de um evento isolado sobre o todo. O ar de deboche, as piadas, a ridicularização do que o outro acredita são marcas do ceticismo ?
    Os comentários que se seguiram foram muito mais produtivos do que o post porque tirando os escandalosos que ridicularizam e se julgam os “esclarecidos” haja vista quem crê na espiritualidade é ingenuo, houve respeito de ambas as partes com questionamentos coerentes e valiosos.

    • Mori disse:

      Raphael, não sei se está claro, mas todos os textos no CeticismoAberto — exceto aqueles com autores declarados — são de minha própria autoria. O texto do artigo aqui é meu.

      Agora, se eu escrevi o texto que tanto criticam, também sou o responsável por abrir este espaço aberto para manifestação e discussão. Não é grande coisa, mas peço que acreditem, de fato, que presumam pelo menos uma coisa: que ajo de boa fé, buscando honestamente um maior esclarecimento a tais temas. Posso não ser imparcial, mas busco sim a imparcialidade.

      Em um tema como este, é infeliz que as fontes realmente não sejam muito confiáveis — e isso se aplica tanto ao Cruzeiro quanto ao próprio Rizzini. Não estou comparando a confiabilidade das fontes, estou apenas atentando que é evidente a parcialidade que Rizzini também representa e demonstra. Deve estar claro que mesmo eu, mesmo o CeticismoAberto, também possui um viés, como vocês mesmo apontam.

      Apesar de que criticar a tendenciosidade e falta de confiabilidade das fontes seja bem válido, apontar que não são confiáveis não encerra todo o assunto — se assim fosse, bastaria questionar toda fonte espírita como parcial ou tendenciosa. Por exemplo, o laudo que Sonia indicou aponta não haver fraude nas fotografias. E no próprio texto que escrevi, deixo claro que mais do que os depoimentos, são os registros fotográficos que são a evidência objetiva aqui. Se as fotos não são fraudadas, o que registram continua válido apesar de virem do Cruzeiro (poderia restar apenas dúvidas sobre sua interpretação, mas enfim).

      Parece haver certa confusão entre a declaração de que as fotografias não foram trucadas, e a alegação de que as fotografias não registram truques. São questões quase completamente distintas. Mas abordarei isto em mais detalhe em um próximo texto. A “intuição” da Sonia, se indica que não alterei minhas conclusões, é acertada. Continuo pensando haver evidência clara de que as sessões de materialização presenciadas por Chico e Waldo foram fraudulentas.

      Relembrando ainda outra vez, o próprio Chico reconheceria que Otília passaria a fraudar logo depois, o próprio Waldo afirmou que as “sessões de materialização de Uberaba” com Chico seriam fajutas (ainda que reste ambiguidade se se referia às de Otília em específico). É curioso que pareça já haver certo consenso de que Waldo seja uma fonte não-confiável agora que falou dem “fajutas”. No próprio texto original de Rizzini, Waldo é dado como fonte inquestionável, por exemplo.

      Fato: não há fonte inquestionável. Chico Xavier não era infalível. Custa considerar a evidência clara de que ele pode ter sido enganado? Pelo visto, custa. Enganar-se não desmerece todo o trabalho social de Chico. Talvez questione algo de seu valor religioso, e este deve ser o motivo pelo qual existe essa insistência em uma espécie de “infalibilidade mediúnica de Chico”, mas este tipo de religião de absolutos, avessa a questionamentos, é ela sim o caminho para o fanatismo.

      • Raphael Porto disse:

        Mori,
        Primeiro: não citei as fontes suspeiras para defender o espiritismo mas para sugerir que a busca aqui as vezes perde o foco e o que era para ser uma investigação séria do que é verdade passa a ser uma desculpa para deboche.

        Segundo: Novamente parabéns pelo espaço e por aceitar críticas, só acredito que não é necessário expor de forma tão agressiva algo mesmo de posse da verdade, agora imagine se baseando nas fontes aqui citadas?

        Terceiro: estou realmente disposto a considerar uma falha ou que ele tenha se enganado, mas por favor compare a sua forma de falar agora com a do post

        Relembrando, no seu ultimo comentário você sugere “Custa considerar a evidencia clara de que ele pode ter sido enganado” como se alguém tivesse se negando a isso. Mas no texto, o autor, que diga-se de passagem é o mesmo que o cauteloso do comentário acima, escreve
        “Se você achava pessoas cobertas de lençóis brancos como fantasmas algo digno de desenhos animados infantis, um estereótipo cômico, em verdade tal ícone moderno representando fantasmas se baseia em “sessões de materialização” como esta, levadas muito a sério por espiritualistas.”
        Isso não é consideração é deboche, piada.

        Quarto: Se o próprio Chico reconheceu como voce afirma ser o espiritismo uma doutrina de absolutos ? Em momento algum desconsiderei a possibilidade da fraude, agora contestar uma verdade já com o veredito e ridicularizando é que descredibiliza o objetivo do blog.

        Observe minhas colocações, desde do inicio elogiei e apenas observei o apelo ao deboche e ao sensacionalismo.

        Então mais uma vez, considero sim a possibilidade da fraude, só lamento o formato de como você expõe seu raciocínio, ridicularizando antes de qualquer de tudo. Assim tambem que tenho visto algumas pessoas que tem comentado aqui, sempre observando isso que acabei de falar aqui, sensacionalismo, deboche e etc.
        Mas sigo esperançoso de no seu próximo comentario considerar (custa considerar?) que você pode ter usado de deboche para expor os fatos sem contudo estar ainda de posse da verdade, ao invés de sugerir novamente o de sempre, que somos fanáticos, loucos e incapazes de avaliar os fatos que permeiam nossas crenças.

  33. Sonia N. disse:

    Zaroio:
    #
    O seu apelido faz juz às suas palavras.
    #
    – Por que os médicos não fazem cirurgia num banheiro público?
    #
    – Por que não se abrem escolas no fundo do mar?
    #
    – Por que não lavamos as verduras no vaso sanitário?
    #
    Zaroio, se enxerga…e não me leve a mal. Tudo tem um porquê, meu amigo…
    #
    Abraços afetuosos…

  34. Raphael Porto disse:

    Ótimo Mori,

    De forma nenhuma esses deboches desmerecem o resto do texto apenas descredibilizam a seriedade da investigação e o objetivo do blog, mas a sua postura torna as coisas realmente possíveis.
    Considero sempre o que você posta aqui, só acho que deveriamos ter o acordo que se manteve nos comentarios, manter o respeito uns aos outros quanto a divergência no que aceitamos como verdade. Concordo com você inclusive que essa coisa toda de lençol etc soa muitíssimo suspeita, só comecei a considerar a possibilidade de não ser fraude depois da exposição de Sonia sobre o histórico de quem publicou a “descoberta da farsa” e os laudos apresentados (que tambem são passíveis de questionamento). Tenho minhas crenças, mas as coisas que tenho que engolir sem contudo aceitar racionalmente geralmente não são digeridas, exceto aquelas que compreendo que o problema está na minha condição moralmente inferior.

    Grande abraço

    • Mori disse:

      Certo, Raphael, o trecho foi desnecessário e pelo visto desmerece o resto do texto (imagino agora quantos não interromperam a leitura aí). No próximo texto tentarei ser mais objetivo. Agradeço sinceramente a crítica.

      Só peço que considere o comentário, ainda que duro e mesmo um certo deboche, também no que tem de sério: o ícone de fantasmas com lençóis brancos realmente surgiu, até onde sei, a partir do espiritualismo no fim do século 19, em sessões de materialização e fotografias mediúnicas que registram espíritos como pessoas cobertas de “ectoplasma”, que tem toda a aparência e comportamento de lençóis, gaze, esparadrapo, filó.

      No Japão, por exemplo, espíritos, fantasmas, são representados (e vistos, ou ao menos relatados) com uma iconografia diferente, geralmente figuras sem pés desvanescendo, usando trajes brancos por vezes, mas nada como tecidos brancos cobrindo-lhes inclusive a cabeça. Esta é uma iconografia ocidental, e moderna, que repito, até onde sei sim deriva do espiritualismo.

      Foi com isto em mente que fiz o comentário. Claro, também foi com intuito de expor o que para mim é algo ridículo — espíritos com lençóis — mas também há este comentário mais sério.

  35. Roberto disse:

    TU, PORÉM
    “Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina.” – Paulo (Tito, 2:1)

    Desde que não permaneças em temporária inibição do verbo, serás assediado a falar em todas as situações.
    Convocar-te-ão a palavra os que desejam ser bons e os deliberadaemnte maus, os cegos das estradas sombrias e os caminheiros das sendas tortuosas.
    Corações perturbados pretenderão arrancar-te expressões perturbadoras.
    Caluniadores induzir-te-ão a caluniar.
    Mentirosos levar-te-ão a mentir.
    Levianos tentarão conduzir-te à leviandade.
    Ironistas buscarão localizar-te a alma no falso terreno do sarcasmo.
    Compreende-se que procedam assim, porquanto são ignorantes, distraídos da iluminação espiritual. Cegos desditosos sem o saberem, vão de queda em queda, desastre a desastre, criando a desventura de si mesmos.
    Tu, porém, que conheces o que eles desconhecem, que cultivas na mente valores espirituais que ainda não cultivam, toma cuidado em usar o verbo como convém ao Espírito do Cristo que nos rege os destinos. É muito fácil falar aos que nos interpelam, de maneira a satisfazê-los, e não é difícil replicar-lhes como convém aos nossos interesses e conveniências particulares; todavia, dirigirmo-nos aos outros, com a prudência amorosa e com a tolerância educativa, como convém à sã doutrina do Mestre, é tarefa complexa e enobrecedora, que requisita a ciência do bem no coração e o entendimento evangélico nos raciocínios.
    Que os ignorantes e os cegos da alma falem desordenadamente, pois não sabem, não vêem … Tu, porém, acautela-te nas criações verbais, como quem não se esquece das contas naturais a serem acertadas no dia próximo.
    – Francisco Cândido Xavier pelo Espírito Emmanuel –

  36. Roberto disse:

    NÃO ENTENDEM
    “Querendo ser doutores da lei, e não entendendo nem o que dizem nem o que afirmam.” – Paulo. (I Timóteo, 1:7.)
    Em todos os lugares surgem multidões que abusam da palavra.
    Aviam-se discussões destrutivas, na esfera da ciência, da política, da filosofia, da religião. Todavia, não somente nesses setores da atividade intelectual se manifestam semelhantes desequilíbrios.
    A sociedade comum, em quase todo o mundo, é campo de batalha, nesse particular, em vista da condenável influência dos que se impõem por doutores em informações descabidas. Pretensiosas autoridades nos pareceres gratuitos, espalham a perturbação geral, adiam realizações edificantes, destroem grande parte dos germens do bem, envenenam fontes de generosidade e fé e, sobretudo, alterando as correntes do progresso, convertem os santuários domésticos em trincheiras da hostilidade cordial.
    São esses envenenadores inconscientes que difundem a desarmonia, não entendendo o que afirmam.
    Quem diz, porém, alguma coisa está semeando algo no solo da vida, e quem determina isto ou aquilo está consolidando a semeadura.
    Muitos espíritos nobres são cultivadores das árvores da verdade, do bem e da luz; entretanto, em toda parte movimentam-se também os semeadores do escalracho da ignorância, dos cardos da calúnia, dos espinhos da maledicência. Através deles opera-se a perturbação e o estacionamento. Abusam do verbo, mas pagam a leviandade a dobrado preço, porquanto, embora desejem ser doutores da lei e por mais intentem confundir-lhe os parágrafos e ainda que dilatem a própria insensatez por muito tempo, mais se aproximam dos resultados de suas ações, no círculo das quais, essa mesma lei lhes impõe as realidades da vida eterna, através da desilusão, do sofrimento e da morte.

    Vinha de Luz – Francisco Cândido Xavier pelo Espírito Emmanuel –

  37. Roberto disse:

    Ao editor.

    Seguiram 2 comentários da própria pena de Chico Xavier comunicando informações recebidas de Emmanuel.
    Estimo possam ajudar-te a abrir os cerrados olhos, e a mim mesmo quando me sinto instado a me manifestar sobre seus desarrazoados.

  38. Raphael Porto disse:

    Roberto,

    Os textos realmente são excelentes e reconfortantes mas para quem é espírita, acho que deveriam ter sido encaminhados apenas para esses (se fosse possível). Não sei exatamente como interpretaram os que discordam das nossas verdades mas acredito que não irão assimilar de bom gosto e isso não irá me parecer nada estranho, mesmo apreciando verdadeiramente os textos, digo que não achei conveniente nesse momento (desculpe-me) principalmente como você conclui seu raciocínio levando a crê aquilo que é sempre chato, supor que o ponto de vista do outro está equivocado (“Estimo possam ajudar-te a abrir os cerrados olhos”, lembre-se também que nós que parecemos estar com os olhos cerrados).
    Acredito que este blog pode manter uma discussão de agora em diante sadia, esclarecedora e produtiva em relação a esses assuntos se manter a linha dos comentários que seguiram e evitar o deboche, a piada e esses temperos que só inflamam as discussões e nos fazem sair bem longe do objetivo do mesmo.
    Espero mesmo que possam avaliar o texto (postado por Roberto) de forma imparcial e concordar no ponto em que esses “temperos” só fazem mal a boa convivência de todos.

    • Roberto disse:

      Raphael,

      Porque o texto é só para os espíritas?
      A moral cristã deve ser testemunhada em todo o lugar a benefício de todos.

      A candeia deve permanecer em cima do alqueire e não abaixo.

      Leia os objetivos deste blog no “sobre” e veja que o editor do mesmo se arvora a “educador” numa pretensa boa intenção. Publica seus desarrazoados e têm o grande mérito de não sensurar as respostas não favoráveis.

      Veja que o rapaz é jovem ainda e merece o benefício do esclarecimento pois é absolutamente ignorante quanto aos assuntos do espírito. Mesmo que não aceite de pronto deixa a porta aberta para o contraditório ao seu pensamento o que demonstra não ser um caso perdido.

      As duas mensagens são para nós todos sem exceção. O tempo está correndo célere e para todos os que não despertarem do sono profundo em que dormem em breve não terão mais como recuarem, será tarde.

      Não penso como tu de que de agora em diante algo mudará nos rumos do blog pois o autor teria de se retratar de suas leviandades e isto ele não fará pois depende do que diz e faz para viver. A mudança, se houver, ocorrerá no íntimo dele mas lentamente ainda, e só torço que ao ler textos escritos pelo “fraudador” Chico Xavier ele decida-se por pesquisar mais antes de se manifestar evitando a ruína que o aguarda só por ter se enfileirado junto ao atraso e a cegueira.

      • Rafa disse:

        “A moral cristã deve ser testemunhada em todo o lugar a benefício de todos.”

        Qual seria essa ? A de apedrejar homossexuais ? Ou seria a de que se uma mulher for estuprada ela deveria se casar com o estuprador ?

        Se vc esta de se referindo a regra de ouro, entao acho injusto chamar de moral cristan ja que é algo professado por varias fontes antes mesmo do mito de jesus existir.

  39. Brasileiro disse:

    O reporter da Cruzeiro antes de falecer falou que foi pressionado pelos donos da revista cruzeiro para mentir sobre a materialização e não viu nenhuma fraude na materialização, pesquise mais antes de postar inverdades!

  40. RICARDO RJ disse:

    Roberto falou muito bem!QUEVEDO MORI CETICISTA ABERTO,ESSA FOI ÓTIMA!CADA ÉPOCA TEM O QUEVEDO QUE NECESSITA E MERECE!DEIXEM OS CÉTICOS TRABALHAR E FAÇAMOS O NOSSO TRABALHO DE ESPÍRITAS CONSCIENTES,A CARIDADE.

  41. Márcio disse:

    A todos

    Frequento a muito tempo o site. Poucas vezes ví um debate tão proveitoso.

    Sempre vejo a peleja dos chamados “crentes” contra os chamados “céticos”. As vezes me assusta de tal sorte o nível que não me sinto compelido a participar. Não foi o caso desta vez.

    Peço gentilmente as partes que continuem o embate no nível em que está, ou superior.

    Já fui adepto de várias crenças, inclusive daquelas que agora se degladiam neste forum (espiritismo e ceticismo).

    Suas opiniões, quando extremadas, servem apenas para afastar os interessados, como eu, que infelizmetne não tem “dado concreto”, “experiência concreta”, ou as vezes, sequer “know how” que possa testemunhar, mas que, como todos vocês, procura a sua maneira, o que se chama por aí de “verdade”.

    Quem já lê a algum tempo os textos do site, sabe que doses de ironia e humor (não discuto se são de “bom” ou “mau” gosto) aparecem nos artigos.

    Quem lê também a algum tempo, poderá perceber que muitos comentários/debates são na maioria das vezes infundados, apaixonados ou simplesmente carecem de qualquer crédito, seja por sua absoluta falta de fonte fidedigna, seja por absoluto desconhecimento do conceito que se arvoram a discutir.

    Não é o caso agora.

    Acho a postura do ceticismo aberto muito digna, não que seja irrepreensível…veja-se no “sobre” do site:

    “O nome “CeticismoAberto” pretende deixar claro que o ceticismo defende a dúvida inquiridora, não a certeza dogmática, estando aberto a novas idéias e possibilidades, mas exigindo sempre provas rigorosas para a aceitação de qualquer alegação.”

    Por isso pessoal, acho que mais importante que o “certo” ou “errado” é o debate… e deixemos o tempo correr. Afinal, só as pedras não mudam. Eu sou prova disso: mudei, logo, não sou pedra :-) (desculpa aí, seu Descartes)

    Ataques pessoais aos representantes dos dois lados (Xavier e Mori) não desmerecem as doutrinas, que têm expoentes outros.

    Espero que o debate continue.

    Cordiais saudações
    Márcio

  42. Raphael Porto disse:

    Roberto,

    Se você deseja esclarecer alguém não inicie deixando claro o quão ignorante alguém é por não saber determinada coisa, assim o fazem alguns céticos. É exatamente essa a falha que encontro nesse texto do Mori, iniciar com deboche e ridicularizando quem pensa diferente.

    Pediria que você pegasse o trecho do seu texto onde você fala “Veja que o rapaz é jovem ainda e merece o benefício do esclarecimento pois é absolutamente ignorante quanto aos assuntos do espírito.” e discuta com quem você considera moralmente superior, um lider do centro que você frequenta por exemplo e avalie junto com ele se isso é apropriado dizer a alguem que queremos educar e esclarecer, pode ser ?

    E continuo discordando, a mensagem espírita é para quem quer escutá-la e não para todos, nao devemos fazer como todas as outras religiões. A espontaneidade é um das coisas que mais admiro no espiritismo e foi assim que acabei chegando até ele, e não quando alguem me informou o quanto ignorante eu era por estar longe da doutrina.

    Lembrando Ricardo que o trabalho espírita começa com o respeito ao próximo, se chamas o Mori da forma que o fez está fazendo um convite para que a discurssão volte para o buraco sem fim do deboche e da piada.

    Seja espírita, cético ou o que for quando o discurso ruma para o deboche, para mim perde o valor. Alguém pensa assim ?

    Paciência a todos e que possamos manter uma discussão sadia aqui.

    • Roberto disse:

      Raphael,
      Você entende que “ignorante” seja uma ofensa? Ignorante é àquele que ignora, desconheçe, simplesmente isto.
      Eu sou ignorante na enésima potência e não me ofendo que me chamem, me vejam como um ignorante.
      Não estamos falando de um caso de violência física sem motivos, de uma grosseria malcriada, estamos falando de idéias.
      Quanto à querer esclarecer ao editor não é o interesse maior dos meus comentários. Depois de 3 meses estudando o editor é que mudei minha postura e me dirigi à ele mais diretamente pois até então trocava comentários com comentaristas do blog.
      A possível utilidade, se é que existe, de fazer o contraponto às suas opiniões é o combate à falsidade pois talvez algum leitor possa pesar os prós e contras das posturas de uns e de outros e julgar por si mesmos o que é mais proveitosos.

      É claro que um cético fanático aqui entra para confirmar seu ceticismo, um espírita fanático o mesmo. Um cético sincero e um espírita sincero analisarão os contra-argumentos e levarão em conta o que for útil, agora, um desavisado, nem tanto cético, nem tanto espiritualista, entrará neste blog conduzido pelos mecanísmos de buscas da internet e se deparará apenas com a versão inacabada dos fatos e poderá adiar o seu encontro com o entendimento.

      Se eu procurasse, mais ignorante ainda que eu era, informações há uns 15 anos atrás sobre o espiritismo, sobre Chico Xavier, Divaldo Franco, etc… e encontrasse as preciosidades que são ditas por pessoas como o editor deste site, sem uma réplica coerente, talvez eu adiasse o início dos meus estudos sobre algo que seria de fundamental importância para minha vida e para vida dos meus familiares.

      Devo retribuir tudo o que recebo da doutrina espírita em luzes, em certezas, em fé na forma de atos dignificadores, testemunhos incondicionais e esforço por melhorar a mim mesmo corrigindo minhas más inclinações, como asseverou Kardec na definição do “verdadeiro espírita”.

      Deixar sem resposta as absurdidades pronunciadas em nome de uma suposta defesa dos fracos fica no terreno dos iluminados como Chico, Divaldo, etc…, e não de mim, estúpido o suficiente para gastar tempo escrevendo neste blog ao invés de estar fazendo a caridade como o fez com galhardia o médium Fransisco Amor Cândido Xavier.

  43. Raphael Porto disse:

    (Roberto)
    “Que os ignorantes e os cegos da alma falem desordenadamente, pois não sabem, não vêem … Tu, porém, acautela-te nas criações verbais, como quem não se esquece das contas naturais a serem acertadas no dia próximo.”

    Não entendo Roberto o que você ainda não concorda comigo, acredito que ainda não estou sendo claro. Não observa a contradição entre os textos que postou(de Chico) e sua própria conduta ? Como você mesmo citou “em fé na forma de atos dignificadores”, apelidar e apontar a ignorância alheia não são atos dignificadores, pois só inflamam as discussões.
    Compreendo perfeitamente a sua preocupação em não deixar sem respostas, mas acredito que para alguém que acompanha imparcialmente esse blog disposto a se esclarecer vai observar além de um texto um tanto desrespeitoso e despreocupado com a verdade, comentários das pessoas que o combatem com o mesmo teor como citou o Márcio “Suas opiniões, quando extremadas, servem apenas para afastar os interessados, como eu, que infelizmetne não tem dado concreto….”. Sugiro que sigamos o conselho do texto que você mesmo postou e que citei acima. Cautela.
    Retribua as luzes do espiritismo para os que a buscam e sem menosprezar e destacar a inferioridade do ser. Cada um no seu tempo.

    Grande abraço =)

  44. Marcos Arduin disse:

    Ei, Brasileiro, que repórter foi esse? Onde isso foi divulgado?
    Fonte, por favor.

  45. Roberto disse:

    Márcio,

    A postura dita no “sobre” deste site é muito digna nas palavras professadas, mas a postura praticada e diametralmente oposta ao que é expressado ali.

    As palavras são bonitas e aceitam serem manipuladas, já os atos não.

    Quem dera, para o bem de todos, principalmente do autor da matéria, que a dúvida inquiridora norteasse a mente do cético que elaborou este texto, que fosse rigorosíssimo na busca de provas antes de aceitar uma mentira torpe como verdade e balizar seus argumentos e seu raciocínio na direção de ridicularizar e desacreditar personalidades digníssimas como o é Chico Xavier, e além de tudo buscando alcançar o maior número de leitores para suas barbaridades caluniadoras.

    Vocês, que lêem este blog, não percebem que o que vemos aqui é uma calúnia violenta? Não percebem que um dia, quando o sistema judicíario dos homens for aprimorados, pessoas que se manifestam assim, injuriosamente, infamemente, que acusam sem provas haverão de RESPONDER POR SEUS CRIMES?

    Não, não é brincadeira, não é à toa toda a polêmica criada.

    O editor, como já disse alhures, se locupleta com a frequência de seu blog, arrecada proventos monetários e se projeta na sociedade decadente dos tempos atuais, mas não deixará de responder pelos seus crimes logo alí adiante e será responsabilizado por todos àqueles que foram desencaminhados por sua cobiça e inconsequência.

    A sua intenção é inequívoca e lastimável, mas o livre-arbítrio é soberano sempre. Tivera ele acusado apresentando provas e estaria sendo um benfeitor da humanidade, como não o fez se tornou um malfeitor enrustido.

    Como disse o apóstolo dos gentios, Paulo de Tarso: “Tudo lhe é lícito. Nem tudo lhe convém”.

    • Mori disse:

      Uau, sou um “malfeitor criminoso”, com sugestões de que seria ainda estelionatário, já que declaro que CeticismoAberto não possui fins lucrativos mas me “locupleto” com seus “proventos monetários”.

      Realmente, há calúnia violenta por aqui, Roberto.

      Suas mensagens não são nada espiritualizadas, penso que é evidente a qualquer um, espírita ou não. Talvez antes de tentar defender Chico Xavier como se fosse uma figura infalível de acusações que não foram feitas, fosse mais apropriado entender melhor as mensagens de paz e solidariedade que este propagou.

      • Roberto disse:

        Mori,

        Muito inocente tua afirmação de que não fez acusação nenhuma! Você precisa reler suas manifestações pois não estás medindo as tuas próprias palavras.

        Meu caro, você afirma que as materializações coordenadas por Chico Xavier SÃO FRAUDES, SÃO RIDÍCULAS, e por aí vai. Dizer que alguém é fraudador não é uma acusação? Estamos falando línguas diferentes?

        Muito curiosa tua afirmação de que eu sugeri que você fosse estelionatário. Seria leitura de pensamento? Será que te tornastes médium e não sabes?
        Em nenhum lugar afirmei ou sugeri isto. O que você pretende distorcendo as palavras?
        Escreva aí ONDE te chamei de estelionatário, releia as dezenas de mensagens que já enviei para o teu blog e aponte, sem blá-blá-blá, sem achismos, sem “deu a entender”, sem “parecendo que” e justifique o que afirmaste. Vamos ser objetivos, vamos trabalhar em cima de provas, tão consoantes ao pensamento ceticista aberto.

        Eu não sugiro nada, eu afirmo claramente. Jesus orientou que nossas palavras deveria sem “sim, sim ou não não”.

        Então eu reafirmo:
        VOCÊ FEZ ALEGAÇÕES SEM PROVAS, VOCÊ NÃO ESTUDOU SOBRE O ASSUNTO QUE SE POSICIONOU, VOCÊ RIDICULARIZOU O TRABALHO E A PESSOA DE CHICO XAVIER, VOCÊ SE APOIOU EM MENTIRAS, VOCÊ CALUNIOU, VOCÊ SE APRESENTA COMO DEFENSOR DA VERDADE E ESCLARECEDOR DA FÉ CEGA DAS PESSOAS MAS SE UTILIZA DE MENTIRA, DE MÁ FÉ, DE DEBOCHE PARA FAZER VALER TUAS VERSÕES SOBRE OS FATOS, VOCÊ DIZ QUE O CETICISMO QUE PRATICA NÃO NEGA POR NEGAR, MAS QUE PESQUISA POR PROVAS PARA DESMASCARAR OS FRAUDADORES, SÓ QUE NÃO FAZ O QUE DIZES.

        E agora, incompreensívelmente, você clama para que eu seja solidário e pacífico como a mensagem de Chico Xavier propaga depois de ter esculhambado, enxovalhado este mesmo trabalho digníssimo feito por este médium, que se não é respeitado por ti mas o é por milhões de pessoas que já leram seus mais de 407 livros, por milhares que já foram atendidos diretamente por suas assistência social, enfim, que mais a dizer sobre a vida e obra deste luminar que cumpriu com sua missão de amor e caridade e que não precisou retrucar aos invejosos, caluniadores, combatentes da luz à serviço das trevas, mentirosos e pseudo-sábios que não compreendiam a dimensão do trabalho deste enviado celeste por conveniência, preguiça e orgulho.

        Não, não jovem Mori, não espere o mais o silêncio porque já não é mais tempo de silêncio, é tempo de fazer-se a luz da verdade rutilar em meio as trevas, e os clarins já anunciam o momento solene da renovação e do JUÍZO FINAL. Não, não mais porque o esclarecimento se patenteará à todos e a ignorância e o mal não encontrarão mais lugar no planeta Terra, e não sou eu o teu inimigo e sim tu próprio o é.

        Esteja advertido de que é preciso vigiares os teus pensamentos e atos para que não sejas colhido de surpresas alegando não saber, pois a mensagem de Jesus já chega à todos os quadrantes do planetas, por internet, email, televisão, rádio e quêm tiver ouvidos de ouvir, ouça, olhos de ver, veja.

        Todos foram convidados para o festim do Senhor, na última hora, mas àqueles que não estiverem vestido a túnica nupcial serão amarrados e lançados às trevas exteriores onde haverá pranto e ranger de dentes, segundo a parábola de Jesus Cristo.

        Chico Xavier, em verdade, não necessita da minha defesa, em absoluto. A sua vida e obra o defendem por si só.

        Se você, como afirmei, TIVESSE APRESENTADO UMA PROVA DE FRAUDE, SERIA UM BENFEITOR DA HUMANIDADE, COMO NÃO O FEZ E ACUSOU, O QUE ÉS? POR QUÊM SOIS RAPAZ?

        Concluo pedindo que não deixe o teu texto como a última postagem deste debate (como se fosse a última), para teu próprio bem, ainda que não saibas, pois se tu não estás dando importância para o contraditório gerado pela tua notícia desastrada, deixe que outros se beneficiem e julguem por si mesmos e aproveitem-se da doação de tempo que alguns têm dedicado para tentar reverter o estrago que tu estás causando.

        Juízo menino. Não desperdiçe o talento da tua inteligência, saúde e tempo à soldo do engano e da ignorância.

      • Mori disse:

        Roberto,

        Não houve acusação de que Chico fosse fraudador aqui. O que se afirma no caso é que há evidência de que ele foi enganado por uma fraude sofrível.

        Não foi Chico a coordenar as sessões de materialização, até onde sei. Muito menos afirmei que teria sido ele a coordená-las. Não sou eu que preciso ter maior atenção com o que foi expresso.

        Se eu caluniei, isso é crime. Denuncie. Caluniar é imputar crime a alguém que não o cometeu. Não penso em absoluto que tenha incorrido em tal.

        Eu não menti, ou pelo menos, não propago inverdades deliberadamente. Se divulguei ou afirmei uma inverdade, que se desmontre sua inveracidade, e eu de bom grado corrigirei meu eventual lapso. Esta área aberta de comentários serve, entre outros fins, justamente para isso.

        Lamentavelmente, comentários como os seus pouco ou de nada servem para que eu possa reavaliar o que publiquei. Pelo contrário, dificultam o diálogo, como mesmo colegas espíritas já lhe atentaram.

        Concordo com você que Chico Xavier não precisa de sua defesa, Roberto. Você manifesta uma intolerância e uma agressividade extremamente exaltadas. Se você é um senhor muito mais vivido do que eu, deveria ser mais sereno, ou pelo menos é como imagino que pessoas mais experientes tratem questões desta natureza, não apelando para a violência e os adjetivos que de nada servem além de ofender.

        Se acuso os fenômenos de materialização de Otília Diogo de fraudulentos, estou de acordo com o próprio Chico Xavier. Discordamos apenas a partir de quando Otília Diogo começou a fraudá-los.

  46. Sonia N. disse:

    Mori,

    Você sabe que existem vários tipos de mediunidade e que dentro de cada tipo, existem variações.

    Com a mediunidade de efeitos físicos ocorre a mesma coisa. Este fenômenos acontecem de formas bastante diferenciadas.

    No caso de dona Otília Diogo, e outros médiuns, o fenômeno ocorria de forma a envolver o perispírito da médium ou do espírito comunicante, com o ectoplasma, como uma capa. O resultado era esse que se vê nas fotos não fraudadas. Uma impressão de tecido muito leve, como o filó, recobrindo todo o corpo perispiritual do desencarnado.

    Em outros casos, o espírito se mostra exatamente como um encarnado, podendo ser visto e tocado por todos, inclusive na claridade.

    Outros ainda, como no caso do médium Peixotinho, as materializações eram TODAS
    luminosas.

    Alguns, prestam-se apenas a materializar partes do corpo, tais como, mão, pé, ou o enômeno de “voz direta”.

    Abraços afetuosos

    • sergio disse:

      Ou seja, pra facilitar as fraudes, tudo esta previsto.
      tem ate os espiritos que se materializam pode debaixo de lençoes.

    • Graciema Barbosa disse:

      Sônia, tive um perda muiiito grande em minha vida este mês de fevereiro de 2012 dia 17.Minha filha!!!Estou desesperada,sem rumo,muito triste,pois gostaria que Chico Xavier estivesse vivo para que eu poder procura-lo na esperança de um psicografia!!!Ela tinha 15anos,foi na rua bem perto aqui de casa comprar Inhoque e teve um infarto fulminante!!!Estou vivendo porque não tenho coragem de tentar contra minha vida.Moro no Rio de Janeiro,gostaria de saber aonde encontrar um lar espirita confiável para que eu possa frequentar.Tentar diminuir está dor!Um abraço e grata desde já.Graciema Barbosa.

  47. Sonia N. disse:

    Mori:

    Por que a sua postagem do dia 28 de março às 11:00 horas, ficou fixa, como se fosse sempre a última?

    Isso confunde os debatedores.

    Sonia N.

  48. José Carlos Ferreira Fernandes disse:

    ALGUMAS CONSIDERAÇÕES (PROVISÓRIAS) SOBRE O ÔNUS DA PROVA, E COMO PODERIAM SER USADAS, COM PROVEITO, PARA DIRIMIR A QUESTÃO DAS “MATERIALIZAÇÕES DE UBERABA”, BEM COMO OUTROS CASOS DA ESPÉCIE:

    Tomo a liberdade de escrever algo acerca do ônus da prova, e como isso poderia ajudar na questão das “materializações de Uberaba”. Estas considerações estão sendo postadas, simultaneamente, tanto no portal “Obras Psicografadas” quanto no “Ceticismo Aberto”, pois em ambos rola polêmica semelhante, e referente justamente às referidas materializações. Por questões de formatação, os parágrafos encontram-se separados por “—”.

    O ônus da prova (e creio que todos concordamos quanto a isso) pertence a quem afirma algo – é aquele que afirma que tem o dever de demonstrar, e demonstrar convincentemente (i.e., racionalmente, sem sofismas e, espera-se, com um grau mínimo de educação e respeito), o afirmado. Mas esse princípio, por si tão simples e evidente, fica um tanto nublado quando se manifesta uma discordância clara acerca dum determinado fenômeno. Assim, seja um fenômeno qualquer, “F”. Seja ele afirmado por “A”, e negado por “B”. Pode-se dizer que, em princípio, caberia a “A” todo o ônus de determinar a veracidade de “F”. Mas “B”, ao negá-lo, de certa forma afirmou também algo acerca do fenômeno – trata-se, no caso, duma “afirmação negativa”, da afirmação de que “A” é falso. Portanto, há duas “afirmações”: uma a de “A”, que “F” é verdadeiro, e outra a de “B”, que “F” é falso. Nesse caso, pertenceria a cada um (“A” e “B”) os respectivos ônus de prova? E em que grau?

    O que defendo aqui é que sim, ambos têm “obrigações” para com suas “afirmações” (positivas ou negativas) com relação a “F”, mas que tais “obrigações” têm características e pesos distintos. O maior ônus, ou o ônus da prova propriamente dito, pertence (assim creio) àquele que, por primeiro, afirmou alguma coisa acerca de “F” e, ao afirmar tal coisa, incorporou “F”, de alguma forma, positivamente, a seu conjunto de opiniões e crenças, à sua “visão de mundo”. Assim, se “A” afirmar por primeiro a veracidade de “F”, valendo-se para tal das premissas de sua visão de mundo, e utilizando inclusive “F” (de veracidade assim pretensamente demonstrada) para manter e/ou fortalecer tal visão, então cabe a “A”, indubitavelmente, o “ônus maior”, o “ônus da prova” propriamente dito, qual seja, o de demonstrar inequivocamente, de modo racional, sem subterfúgios e sem sofismas, que “A” é, efetivamente, verdadeiro. A “B” (ou a qualquer outro que negue, no todo ou em parte, a veracidade do fenômeno “F”) caberia um como que “ônus menor”, que resumir-se-ia em elencar suas objeções igualmente de modo racional, mas não tendo a responsabilidade de provar INEQUIVOCAMENTE a falsidade de “F”. Assim, nesse exemplo, a “A” caberia a obrigação da prova insofismável; a “B”, o direito à dúvida, desde que razoavelmente fundamentada. Para “A”, a prova da veracidade seria exigida; para “B”, tão-somente a “dúvida razoável”.

    Mais ainda: tanto para “A” quanto para “B”, suas respectivas demonstrações acerca de “F” teriam de se pautar exclusivamente por suas respectivas “visões de mundo”, e deveriam ser coerentes com elas. Ou seja (idealmente ao menos), a partir de suas “visões de mundo”, tanto “A” quanto “B” teriam, implícita ou explicitamente, um “protocolo de testes” para os vários fenômenos que encontrassem no mundo, aplicando-lhes seus respectivos protocolos, quer para os validar (e, nesse caso, incorporando os fenômenos à sua própria visão do mundo, confirmando-a e/ou melhorando-a), quer para duvidar deles (expressando “dúvidas razoáveis”). No primeiro caso, teriam o dever do “ônus da prova”; no segundo, o direito ao “questionamento racional”.

    Isso tudo quanto a princípios gerais. Quero crer que tais princípios, esboçados até aqui, sejam razoáveis; portanto, acredito que possam ser utilizados para o caso das assim denominadas “materializações de Uberaba”.

    Deixo claro, desde agora, que meu conhecimento, por assim dizer, “técnico”, acerca dos vários documentos e laudos em questão no que diz respeito a tais fenômenos é, na melhor das hipóteses, superficial; quanto a isso, se quisesse me pronunciar, somente poderia fazê-lo “em hipótese”, e com a devida prudência. Mas, mesmo nessa situação (que é, ao fim, creio, a situação de quase todos nós, exceto de alguns poucos que têm tido o trabalho, e o mérito, de se debruçarem nos detalhes desses documentos, fotografias, laudos e depoimentos), a aplicação dos princípios de “ônus de prova” poderia tornar a situação um pouco mais clara. Ou, ao menos, serviriam para colocar um pouco de ordem nesse autêntico “mishmash” em que se transformou o debate, onde (a meu ver) as informações (e o seu grau de exatidão e confiabilidade) tanto dum lado (as reportagens d’O Cruzeiro) quanto do outro (a defesa de Rizzini) são tendenciosas, incompletas e absolutamente insuficientes, infelizmente, para se ter uma visão minimamente decente do que, de fato, ocorreu.

    Assim: as materializações deram-se no meio espírita kardecista; foram avalizadas, POR PRIMEIRO, e antes de quaisquer outros, por pessoas importantes ligadas a essa corrente de pensamento (inclusive o próprio Xavier), e, pode-se supor, pelo próprio “establishment” espírita da época (a FEB – se não por ação, ao menos por omissão, já que, tanto quanto seja de meu conhecimento, não houve nenhuma manifestação dessa entidade contra os referidos fenômenos). Assim, as materializações (o fenômeno “F”) foram consideradas válidas, em primeiro lugar, pela corrente espírita kardecista brasileira (“A”), que incorporou-os à sua visão de mundo (a “doutrina kardecista”, consubstanciada, assim acredito, nas obras básicas do codificador Kardec), e as utilizou, inclusive (e as utiliza ainda) como um meio de comprovação dessa mesma doutrina. Portanto, caberia a “A” (aos espíritas kardecistas, ou, ao menos, ao conjunto dos espíritas kardecistas que venham a aceitar “F”, as materializações, como autênticas) o “ônus da prova” – a obrigação de demonstrar inequivocamente, de modo racional e cabal, sem subterfúgios ou sofismas, além de qualquer dúvida, a sua autenticidade. Simples assim.

    Para tal, teriam de utilizar um “protocolo de testes” pré-definido (porque creio que, para que uma manifestação espírita qualquer, seja psicografia, seja materialização, seja o que for, venha a ser considerada autêntica, deve ser necessário algo mais do que a simples palavra dos envolvidos). Sinceramente, não conheço qual seria tal protocolo, mas ele deve existir – ele tem que existir. Quanto a isso, que os espíritas kardecistas que lêem esta mensagem me esclareçam, e aos demais. Devo admitir, quanto a isso, minha ignorância. Que informem qual é tal protocolo, e que produzam a evidência (efetiva, documental) de que ele foi utilizado, no meio espírita, para validar, sob o ponto de vista espírita, o fenômeno das “materializações”.

    Enquanto isso, permito-me, com a licença de todos, um pequeno exercício intelectual – e aqui raciocino meramente “por hipótese”; os espíritas kardecistas corrigir-me-ão onde couber, apresentando, no devido tempo, tenho certeza, seus protocolos (i.e., seus princípios de evidenciação fenomenológica), bem como a prova de que foram aplicados no caso de Uberaba.

    Se não um protocolo detalhado acerca dos princípios de evidenciação, ao menos uma diretiva geral, pode ser, acredito, extraída de alguns trechos das obras do codificador do espiritismo kardecista, o próprio Kardec. Tomo a liberdade de apresentar os trechos que considero mais significativos (novamente, os espíritas kardecistas corrigir-me-ão, onde couber, acrescentando outros); solicito a especial atenção ao terceiro texto, pois o considero o mais importante e fundamental:

    1) “Lançar anátema ao progresso, por atentatório à religião, é lançá-lo à própria obra de Deus. É ao demais, trabalho inútil, porquanto nem todos os anátemas do mundo seriam capazes de obstar a que a Ciência avance e a que a verdade abra caminho. Se a Religião se nega a avançar com a Ciência, esta avançará sozinha.” (“A Gênese”, cap. IV, “Papel da Ciência na Gênese”, seção 9, pág. 116 na última versão disponível para “download” no portal da FEB)

    2) “Somente as religiões estacionárias podem temer as descobertas da Ciência (…) Uma religião que não estivesse, por nenhum ponto, em contradição com as leis da Natureza, nada teria que temer do progresso e seria invulnerável.” (“A Gênese”, cap. IV, “Papel da Ciência na Gênese”, seção 10, págs. 116-117, idem)

    3) “Na dúvida, abstém-te, diz um dos vossos velhos provérbios. Não admitais, portanto, senão o que seja, aos vossos olhos, de manifesta evidência. Desde que uma opinião nova venha a ser expendida, por pouco que vos pareça duvidosa, fazei-a passar pelo crisol da razão e da lógica e rejeitai desassombradamente o que a razão e o bom-senso reprovarem. Melhor é repelir dez verdades do que admitir uma única falsidade, uma só teoria errônea.” (“O Livro dos Médiuns”, cap. XX, “Da Influência Moral do Médium”, item 230, pág. 340, idem)

    Aplicando tais princípios, principalmente o terceiro (raciocino aqui, novamente enfatizo, “por hipótese”), diante do material ora disponível, principalmente as fotografias, e procurando, tanto quanto humanamente possível, abster-me de qualquer pré-julgamento, devo confessar que me é muito difícil (para dizer o mínimo) assumir as referidas “materializações” como indubitavelmente autênticas. Claro, volto a repetir, raciocino “por hipótese”; mas, a meu ver, falta muita coisa, muita coisa mesmo, para que, AINDA QUE SÓ À LUZ DOS PRÓPRIOS PRINCÍPIOS ESPÍRITAS KARDECISTAS, eu pudesse vir a aceitar o fenômeno como verdadeiro.

    Pode-se argumentar, claro, que: a) não estive presente, e nem tudo pôde transparecer nas fotos e nos depoimentos; e b) os controles podem ser considerados suficientemente seguros para afastar a hipótese de fraude.

    Quanto ao item “a”, posso responder que a evidenciação dum fenômeno deve ser robusta o suficiente para convencer (dentro, ao menos, da dúvida razoável) a todos, mesmo aos não presentes. Se se trata de algo repetível, bastaria, ao menos em linhas gerais, a repetição do fenômeno, sob as mesmas condições, para se ter uma boa base de evidenciação; obviamente, não se trata disso aqui, já que o fenômeno da “materialização”, em si, é único, não reprodutível (pode haver outras “materializações”, mas não AQUELAS de Uberaba, que foram únicas; quem as viu, viu; quem não as viu, jamais as verá), e, além de não reprodutível, é incerto (não é seguro que o fenômeno ocorrerá novamente, “em hora e local marcados”…). E os textos e as fotografias, repito, ao menos para a minha primeira leitura ou inspeção visual (falo de todas as fotos e de todos os textos, tanto os d’O Cruzeiro quanto os demais laudos, inclusive o de São Paulo, bem como, no geral, a parte da defesa de Rizzini à qual se pode inclusive ter acesso na Internet), são confusos e contraditórios quando confrontados, sem que nenhum (a meu ver) se imponha. As fotos do “ente” não me parecem (sinceramente) mostrar nada além dum ser humano com gazes ou lençóis. Supondo que se trate duma materialização, deve ter sido necessária uma quantidade razoável de matéria; de onde veio? E a cruz? Parece sólida, de metal ou madeira, mas, de qualquer modo, sólida – tem mais a aparência duma cruz “física” do que duma cruz “ectoplasmática”. De onde veio? Do que é feita? De outro “tipo” de ectoplasma? Os há? Se há possibilidade de haver uma materialização assim tão (aparentemente) sólida, então todo o corpo poderia também sê-lo; ou então não se trata, a cruz p.ex., de parte duma “mise-en-scène” para impressionar uma platéia já psicologicamente receptiva? (creio que tenho o direito de pensar isso, não?…) Essa é, sinceramente, a minha impressão geral, e creio que (se as pessoas puderem se abstrair do fato de que lá estão presentes figuras famosas, como o próprio Xavier), seria também a impressão de qualquer um, se as fotos lhes fossem apresentadas, mas se as identidades das pessoas envolvidas lhes fossem desconhecidas ou indiferentes… Novamente, falo “por hipótese”, mas creio que não se pode negar um mínimo quer de racionalidade, quer de prudência, no que acabei de expressar – e não apenas a minha racionalidade ou prudência, mas também a racionalidade e a prudência do próprio Kardec…

    Mas, principalmente, quanto ao item “b”: não posso (quer dentro de meu grau de exigência e de minha prudência, quer dentro das exigências e da prudência do próprio Kardec) aceitar que, em termos duma materialização, um ambiente possa ser considerado “controlado”, a menos que se esteja em “território neutro”. Ora, as materializações se deram no próprio ambiente dos médiuns, e não em ambiente “neutro”. Isso, para mim ao menos, sempre lançará dúvidas sobre o grau de controle que se poderia ter, mesmo com médiuns amarrados, acorrentados, imobilizados… Afinal, mágicos também não conseguem proezas aparentemente inimagináveis em condições semelhantes? Aliás, toda a “mise-en-scène” não lembra mais o ambiente dos espetáculos de mágica de salão do que algo sumamente sério, como a materialização dum espírito? O que quer que se diga, o “controle” (no sentido de “conhecimento do ambiente”) estava nas mãos dos médiuns, e não dos observadores, pesquisadores, repórteres ou fotógrafos.

    Claro, nenhuma de minhas ponderações anteriores é, por si, conclusiva. Mas, e é isso o que quero deixar claro, elas são plenamente razoáveis, E NÃO PRECISAM SER MAIS DO QUE ISSO. Dentro da tese que ora defendo, não compete a mim (e nem a qualquer outra pessoa, seja ou não espírita kardecista) provar que o fenômeno é falso; compete, isso sim, aos espíritas kardecistas que o aceitam como verdadeiro provar sua efetiva autenticidade… A mim me basta a “dúvida razoável”; e, dentro dessa dúvida razoável (que inclusive expressei em termos bastante práticos, sem qualquer verniz ideológico ou religioso), minha conclusão no sentido de não os aceitar é plenamente sustentável – ao menos diante do material de que se dispõe, até aqui.

    Quero crer que tal “prova cabal” acerca da autenticidade dos fenômenos seja sumamente difícil, se não impossível, de ser produzida; não pelo fato de que (ao menos teoricamente, e “em princípio”) não tenham podido ocorrer os tais fenômenos, mas sim pelo fato de não terem sido decentemente documentados e evidenciados. E isso, note-se bem, ainda que aplicando-se (apenas) os três princípios gerais enunciados por Kardec, e citados mais acima neste texto. A mim me parece que NEM MESMO OS ESPÍRITAS, dentro de sua própria doutrina, têm base racional para os aceitar.

    Obviamente, novos documentos, bem como os devidos protocolos, ou princípios, de evidenciação para fenômenos espíritas (e a documentação de seu efetivo uso por parte dos espíritas kardecistas no processo de autenticação dos referidos fenômenos) podem fazer mudar a situação. Se os espíritas kardecistas puderem demonstrar efetivamente que seguiram seus próprios protocolos e princípios de autenticação, que não aceitaram os fenômenos apenas “por aceitar”, porque era “conveniente”, porque eram “assombrosos”, ou então “porque Xavier os endossou, e Xavier é isento de erro”, então poderão legitimamente dizer: “Dentro de nossa ‘visão de mundo’, os fenômenos foram devidamente evidenciados”. E, a bem da verdade, não precisariam mais se preocupar com a opinião de ninguém mais – isso lhes bastaria, já que seriam coerentes consigo mesmos, o que não é pouca coisa. O que penso é que (como mencionei no parágrafo anterior), mesmo à luz de seus próprios princípios (e tomo aqui as diretivas gerais de Kardec), as “materializações de Uberaba” quedam-se, na melhor das hipóteses, suspeitas. E, diante do risco… melhor rejeitar dez verdades do que aceitar um só erro. Não é assim que se procede no meio espírita kardecista?

    Novamente, friso que raciocino “por hipótese”. Os protocolos, e seu uso, esclarecerão melhor as coisas, ao menos para tornar os fenômenos “internamente verossímeis” (i.e., aceitáveis sob o ponto de vista da própria doutrina espírita, e para os próprios espíritas, dentro dos princípios de Kardec).

    Mas, mesmo que eles venham a se revelar “internamente verossímeis”, acredito que torná-los “externamente verossímeis” (i.e., aceitáveis, ao menos potencialmente, para um público externo) é algo impossível, já que (conforme mencionei), apenas para se começar a discutir a questão, eles não ocorreram em “ambiente controlado”, i.e., “neutro”. E, além de tudo, deve-se admitir que, em termos de “público externo”, repórteres e fotógrafos duma revista de cunho reconhecidamente sensacionalista não eram a melhor escolha. Quem quer que, pelos espíritas kardecistas, conduziu e organizou todo o experimento, foi muito inábil, para se dizer o mínimo. E perdeu-se uma boa oportunidade de estudar esse tipo de fenômeno.

    Essas, pois, são as minhas considerações a respeito. Espero que, nos próximos dias, novos documentos e evidências, a par de considerações mais cuidadosas por parte daqueles que estão muito mais bem informados acerca dos detalhes técnicos do caso, possam contribuir para o esclarecimento deste “affair”. Agradeço a todos os que tiveram a paciência de acompanhar meu argumento até ao fim.

  49. Leonardo Neto disse:

    Uma ótima maneira de confirmar a fraude seria levar uma arma e dar 5 tiros no lençol.

    • Sergio disse:

      Pq ninguem nunca pensou nisso?

    • Vitor Moura disse:

      Já pensaram nisso, mas como o espírito e o médium estariam “ligados”, o que fosse feito a um afetaria o outro. Por isso que dizem para não acender a luz na materialização, pois a luz danificaria o ectoplasma e isso por conseguinte poderia até matar o médium.

      • claudinei disse:

        O vitor se diz espirita,se possivel gostaria de saber o q levou ele a acreditar em espiritos,e se ele realmente acredita nisso porque é tão descrente nas materializações de que participou o Chico Xavier

  50. Vitor disse:

    Claudinei,

    o que me levou a concluir na existência de espíritos foi a existência de médiuns que aceitaram se submeter às mais rigorosas condições de controle de sua época, as principais sendo Leonora Piper e Gladys Osborne Leonard.

    Sou descrente das materializações de Chico porque não houve controle suficiente, no meu entendimento. Além disso, o próprio Waldo acusou o Chico de fraude, Otília foi pega em fraude tempos depois, e o próprio Chico materializou espíritos que NUNCA existiram. Acho que esses motivos são suficientes para que qualquer pessoa racional seja descrente dessas materializações, não acha?

    • Wagner disse:

      Aproveitando o ensejo, gostaria de sugerir a você, Vítor, que aborde em algum futuro artigo o tema das materializações do médium Peixotinho. Tais “materializações”, muitas das quais realizadas na residência de Chico Xavier, em sua presença e com seu testemunho escrito autenticando os fenômenos, penso, são ainda mais problemáticas do que a que está em debate aqui.

      Algumas fotos dessas materializações:

      http://www.guia.heu.nom.br/materializa%C3%A7%C3%A3o1.htm

      Naturalmente, a sugestão também vale para o Kentaro.

      _.

  51. D disse:

    Na primeira foto, à esquerda, há um corte na imágem. Se olharmos principalmente para a caixa, ou o que quer que seja, que está abaixo da máquina de escrever, podemos ver que claramente onde a linha de corte pegou.

    Também temos o fato de que a figura no “véu” branco tem uma mancha escura onde ficaria sua perna direita (do ponto de vista dela), e temos também que a mulher que aparece na foto não toca o chão com os pés.

    Fora isso, uma suposta sombra da suposta entidade é projetada sob os pés da mulher à direita da foto, o que me faz perguntar : Como poderia haver uma sombra alí se a luz está vindo de frente ?

    E, se a luz está vindo de frente, por meio de uma porta (assim nos possibilitando divisar a brusca mudança de luminosidade no chão como natural), onde está a sombra do fotógrafo ? Porque ela não pode ser vista, saindo de seus pés ou no corpo daqueles que estão na foto ?

    O fotógrafo saiu do caminho ? Então porque não há uma sombra de forma aproximada à de uma máquina fotográfica no chão ?

    Como a luminosidade pode ter diminuído tanto no piso à esquerda, e o móvel mais ao fundo ainda apresentar uma brancura e um brilho como se houvesse sido atingido em cheio pelo sol ?

    Onde está a penunbra, na mudança entre os pisos do chão ? O que é aquela linha branca caindo encima do braço da figura à esquerda, e vinda desde o teto ?

    Porquê há um circulo branco no chão ? Porque o braço direito da figura à esquerda está parecendo segurar algo que vai até seu ombro, e porque tudo ao redor do braço está completamente branco ?

    Essa foto está muito estranha.

    • Mori disse:

      Sim, há um corte na imagem. A fotografia foi originalmente publicada no Cruzeiro ocupando duas páginas, e para reproduzir a imagem aqui nós a juntamos digitalmente.

      Sobre a aparente ausência de sombras, note-se que a imagem foi capturada com o flash — as sombras ficam assim pouco visíveis, estando atrás dos objetos. Já o círculo branco no chão pode ser visto em outras fotos da série.

      Deve estar claro que as imagens publicadas no Cruzeiro o foram com qualidade fotográfica. O que reproduzimos aqui tem obviamente qualidade muito menor, sendo cópias de cópias passando por diferentes processos, mas são até onde sabemos algumas das únicas reproduções disponíveis na rede para tais imagens.

      Uma das fotografias das sessões de materialização estão disponíveis em qualidade muito melhor na rede, como por exemplo, a que pode ser vista colorida no SDM:
      http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2006/07/materializacao.html

      Ou esta outra, de Waldo Vieira com “Josefa”:
      http://www.aleph.com.br/useic/figuras/471-foto-esp.jpg

      • Roberto disse:

        Mori,

        É insuficiente ainda.

        Assumiste a tua própria conta e risco o partido dos negadores inconsequêntes.

        Tenha a coragem e a grandeza de assumir que errou e passe a cogitar um novo blog para ti, torcendo que o teu ceticismoaberto seja esquecido o quanto antes.

        Ouso sugerir um nome para o site:
        http://www.ceticistaarrependido.com.br

        Tenho certeza que terás muito sucesso nesta nova e nobre empreitada e terás o apoio dos bons espíritos que até hoje tu negaste existirem.

      • J.R.Pereira disse:

        Um homem precisa seguir suas convicções.
        A minha é o ateísmo.
        Sempre foi, sempre será e morrerei ateu.
        Não há maneira d’eu mudar de opinião nem hoje, nem amanhã, nem nunca.
        Pois não tenho “alma” para ser salva e, se tivesse, certamente ela não estaria ao lado de estelionatários, doentes mentais, loucos varridos e falsos beneméritos.

        O que sei é que temos apenas uma única opção: ou encaramos a Verdade como ela é, ou tentamos modifica-la de acordo com nossos interesses.

        Eu prefiro a primeira opção pois a segunda me coloca ao lado dos cães sarnentos.

        Eu sou um cão sem mestre, sem guias, sem pai, sem nada e, impressionante, feliz por ser assim.

        O resto, que queime na sua falsa indulgência, mas na certeza de que, comigo, fracassou retumbantemente! :-D

    • Jadir disse:

      pra quem leu “Katie King”, onde diversos cientistas de renome da Física, tais como William Crookes, que inventou o tubo de imagens, e descobriu os ‘raios canais’ e assim descobrindo a ‘antimatéria’, ou a ‘espiritualidade’, tentaram, de todos os modos, encontrarem quaisquer vestígios de fraudes, e sem conseguirem, vemos que o fenômeno em pauta é simplório;
      mas, que tal falarmos das rosas, que substituiram os pães velhos, no milagre que consagrou a Santa Isabel, ou, que tal falarmos da impossivel construção da grande pirâmide…
      – no livro ‘caminhos da luz’ há explicações dessas ondas estacionárias pertinentes.

  52. J.R.Pereira disse:

    Todos os espíritas adoram se fazer de vítima.
    É óbvio que Chico Xavier promoveu uma fraude que seria facilmente resolvida se algum dos presentes puxasse a máscara da “entidade”.
    Ou, se fosse séria a situação, que o “fenômeno” fosse repetido em ambiente controlado, científico e neutro.
    Mas diante da impossibilidade clara e cabal da situação, resta o que?
    Sapateio.
    Apupos, berros, “indignações”.
    Comprova-se, sem dúvida, que o falecido Chico era um farsante, que seus seguidores são autênticos estelionatários e que todo o movimento espírita não passa de uma exploração da fé e do desespero alheio.
    Ne precisamos de um Houdini pra jogar na cadeia essa corja pois os fatos são claros: são crimes de estelionato, formação de quadrilha, charlatanismo, etc.
    Supondo que Chico acreditava na farsa, então ele simplesmente era ingênuo ou doido varrido.
    Mas um ingênuo maluco extremamente lucrativo e é aí que mora o “x” da questão.
    Só discordo da postura do nosso colega Mori-sama que não desce do muro, como convém a um bom cético.
    Discordo, mas respeito pois o trabalho de divulgação desse nosso considerado é sensacional.
    Oferece mais luz ao assunto do que toda a bobajada espírita.
    Banzai, Mori-sama!
    Banzai!

    • Miriam disse:

      Querido

      Se vc. acredita nisso, perfeito, vc. acredita e pronto, eu acredito no contrário e pronto, problema meu!
      Pq. todo Ateu chatola tenta convencer quem acredita a não acreditar? Se eu que creio não quero convencer você do contrário, pq. vc. insiste em criticar no que os outros areditam? Haa tá aquela coisa de base cientifica, pois bem, muito do que a ciência hoje comprova, antigamente era tido como besteira, crendices, loucura e e aqueles que acreditavam eram julgados. E hoje para né é super normal. Então amore um dia virá em que falar em espiritualidade será algo super normal, falar com espiritos, um espirito se materializar será algo banal.
      Então deixe que quem acredita, continue acreditando. E vc. fica sendo ateu.

      • Mori disse:

        “Chatola” sou eu por expressar minha avaliação fundamentada em informações pouco acessíveis, agora abertamente à disposição, no website de que eu sou responsável e o qual não obrigo ninguém a visitar ou ler?

        Ou é você ao vir expressar uma crítica pouco produtiva desta natureza no meu website? Quem quer convencer quem? Se discorda, ótimo, mas apresente argumentos. Chamar de “chatola”, dizer que tudo que é tido como besteira e loucura um dia será “super normal”, não adiciona nada.

    • marcia regia disse:

      repare tb no maluco que aqui faz ameaças a Mori, sendo o espiritismo uma extensão do cristianismo nnão poderia ser diferente, um deus vingativo e megalomaniaco de sempre(judaico-cristão)vai atirar os descrentes ao terrivel ranger de dentesapocaliptico, ui ridiculo! tens toda a razão tu(FALANDO COM FALA DE ALMA KKKK), Mori em não dispensar uma iroianizinha que ao contrario do que aqui afirmam detratores espiritias fanaticos ou profissionais não é nada malsã. bjs p ti Mori hero da resistencia cética .

  53. Roberto disse:

    Seu J.R. Pereira,

    Tu és uma figura hein, uma figura.

    Não deixes o desespero tomar conta da tua mente. Ainda é tempo de abrir os olhos. Nem tudo está perdido para àqueles que quizerem.

    Paulo de Tarso nos lembrou que o amor cobre uma multidão de pecados.

    Tirando a conotação pecaminosa, tão dogmática e dominadora que encegueçeu a humanidade por tanto tempo, se teus enganos forem apenas atacar a realidade insofismável de que tu continuarás “vivinho da silva sauro” depois que teu corpo descer ao túmulo, e que terás que te encontrar com as obras da tua vida, então o acerto de contas será brando contigo, mas, caso contrário, caso tu tenhas te comprometido em outros departamentos muito mais sérios do que este patético esbravejar contra o amoroso e tolerante médium Chico Xavier, bem, aí só clamando pela misericórdia de Jesus para que Ele te envie seu missionário Chico Xavier para te recolher das trevas do arrependimento.

    Saiba apenas que não adiantará o arrependimento tardio que não seja sincero, e seria melhor se tu já começasses à estudar com mais respeito e interesse esta grande obra de libertação e consolo da humanidade, o espiritismo, pois caso a tua ação seja rápida ainda poderás receber um acréscimo de misericórdia de Jesus que pedirá por ti junto ao Pai.

    Jesus asseverou que repúblicanos e meretrizes vos precederão no Reino dos Céus, ou seja, estes que estando em erro se arrependerem com verdade e intensidade poderão antecipar pessoas como eu ou como qualquer religioso ou pretenso púdico que for presunçoso e hipócrita.

    Mãos à charrua amigo pois ainda é tempo. Estude, investigue e aja no bem. Jesus te aguarda.

  54. Roberto disse:

    Hum! O que dizer? Hum!

    Não muito não é?

    Você parece ser um rebele (e bota rebelde nisto) sem causa. Sim, é uma situação difícil, reconheço.

    Por enquanto é desperdício de tempo argumentar contigo. O tempo passa. É inexorável.

    Mais adiante na tua vida terá oportunidade e vontade de conhecer algo à mais sobre Jesus. Hoje não estás preparado, ainda.

    Li alguma das tuas idéias no teu blog Zé Roberto. Parabéns pela ventura de teres encontrado tua companheira na prefeitura. Fico feliz pelos filhos que tiveram.

    Muitas felicidades para ti e para tua família. Parabéns, novamente.

    • J.R.Pereira disse:

      E eu JAMAIS encontrei minha companheira na prefeitura, seu pedaço de asno!
      Leia lá a frase:
      “Qualquer semelhança com o autor deste site ou com qualquer pessoa viva ou morta, é mera coincidência”
      É um conto, uma metáfora, uma obra de arte mas não a narrativa da verdade em miha vida.
      De tanto viver na fantasia e na ilusão, você se viciou nelas e nem sabe separar as coisas…
      Mesmo que se diga que ISSO É FALSO!
      Aos loucos, o hospício!

      • Roberto disse:

        Grande Zé Roberto,

        Não me animei a ler com profundidade cada parágrafo do teu blog porque é imenso, escreves freneticamente em páginas e páginas, proferes palavrões afugentadores e idéias controversas.

        Gostei do vídeo da mulher cética logo no início da página, pois sendo cética (tu a chamas de bem humorada) defendeu seu ceticismo com coerência e boa vontade para com o seu semelhante. Pensei, enganosamente novamente que tu à puseste ali por concordar com as idéias dela e fiz outra imagem positiva de tua crença na descrença.

        Li teu histórico, este mais curto, e como ali encontrei a tua trajetória como produtor de revistas pornográficas piratas, contos eróticos e editor daquela revista MAD (me lembro dela nas bancas embora não a comprasse) dentre outras atividades como editor, jornalista, escritor, casado, com três filhos, bem, considerei que nesta leitura “en passant” daquela história num dos muitos links seriam a tua própria trajetória.

        Quanto à pensares que vivo em fantasias e ilusões, o que naturalmente discordo pois são idéias originadas de estudo, reflexão e constatação lógica, agradeço se eu puder continuar assim pois esta visão de mundo me impede de proferir ofensas gratuitas e rasteiras como tu fazes, sem cerimônia.

        Reintero os mesmos votos de felicidade para tua família caso o “sobre nõs” do teu blog seja verdadeiro, e de sucesso na condução da tuas obras de arte.

  55. Diogo José disse:

    Sr J.R.Pereira Muito obrigado por desmascarar esse tipo de farsa

  56. J.R.Pereira disse:

    Os joelhos dos seres humanos não existem para mante-los flexionados perante uma ilusão.
    Religião faz as pessoas ficarem de joelhos e mergulhadas na ilusão.
    A armadilha é essa.
    Todos os que buscam as religiões buscam aprisionar fumaça.
    Nunca conseguem, nunca conseguirão mas acham-se que conseguiram.
    PORQUE QUEREM!
    PORQUE OPTARAM!
    Porque precisam.

    Daí, é fácil aparecer um espertalhão que lhes vende mais mentiras.
    O caso do Chico Xavier é clássico: ele era um doido varrido. Munido da melhor das boas intenções, que salvou mamães do desespero, mimimi, que parou lágrimas e sofrimento, bububu…
    Mas era um doido varrido!
    A loucura dele contagiou muita gente!: esse lance da “materialização” é uma farsa tão doentia e tão descarada que de tão foda…
    Que se impõem pelo descaramento.

    Mas joga o Chico Xavier na mão do James Randi pra você ver o estrago que eles fazem!
    Joga esses médiuns de araque, pais-de-santo ou bruxinhos melindrosos num ambiente científico, controlado, sério e profissional que todos eles MIJAM!
    O Thomas Green Morton foi humilhado e esculhambado mas continua aí, enganando meio mundo!

    Que merda de “entidades” são essas que só trabalham em condições especiais, com pessoas especiais, que depois escrevem livros especiais e dão palestras especiais?

    Ingenuidade é uma coisa, desespero é outra, mas OTÁRIO a gente sabe quando olha de frente!

    • Maurício Flores disse:

      Procure estudar. Assisti à materializações na rua Ricardo Baptista, travessa da Major Diogo, região central de São Paulo. Infelizmente elas não existem mais, senão o senhor poderia ir lá conferir. Mas se procurar com espírito investigativo na certa encontrará algum lugar para apreciá-las. É um espetáculo fascinante e jamais esquecerá. Tive a oportunidade, ou a sorte, de checar dezenas de outras manifestações também verídicas. E olha que eu sou ateu!

    • Carlos Silva disse:

      Concordo contigo, triste dos espertos se não existissem os idiotas!

    • Jader Moreira disse:

      Procure informações sobre William Crookes. http://pt.wikipedia.org/wiki/William_Crookes
      Procure saber se esse tipo de pesquisador serve pra vc.
      O problema dos amigos que não acreditam em nada que vá além dos 5 sentidos, é que adoram chamar de loucos as pessoas que não conhecem e de menosprezar idéias que nunca sequer estudaram. E o que dizer de uma pessoa inteligente que ao defender sua idéia fica arremedando o outro com “bububu” e “mimimi”? No mínimo um pouco infantil. Então está explicado.

  57. Roberto disse:

    Zé Roberto,

    Sabe como é, pascoa, morte e ressurreição de Jesus, etc…? Nestas datas a mídia fala mais sobre isto e tal.

    Estava assistindo à um Conversas Cruzadas num canal local da TV á cabo no RS. Nele convidaram um padre, um jurista católico, um historiador cético e um psicanalista também cético. Cada um expôs seus argumentos e no final, diante de um atrito de idéias que se estabeleceu entre o advogado/juiz católico e o historiador, o juíz, muito religiosos, disse que antes da entrevista fez em sua igreja, na missa que participa, uma oração pelos céticos que debateriam com ele.

    O psicanalista agradeçeu à oração rapidamente pois não era sua a palavra naquele momento, e o juíz disse que na oração pedia por eles e agradecia por poder estar fazendo isto por eles céticos enquanto eles não podiam fazer o mesmo para ele, religioso.

    Se para você ajudar as pessoas, de qualquer forma possível, seja materialmente, seja por consolo moral, por simpatia, por respeito, assim como fez incansavelmente Chico Xavier, se isto é apenas um “mimimi e bububu” de loucos varridos como você fala, se fazer o bem é motivo de ridicularização, de desprezo, de ignorância, então, então pouco poder-se-ía acrescentar à mais num debate consigo e não teria nem cabimento tal proposição, agora, se você tiver questões à fazer pronto para ouvir respostas, e respeitá-las, teria grande satisfação em contrargumentar pontos de vistas.

    • J.R.Pereira disse:

      >>Quando somos forçados a escolher outra boa explicação para um problema, geralmente a encontramos.

      Louvo e enalteço as palavras de meu colega de comentários que tão brilhantemente acrescenta idéias a este breve debate.

      O desespero, soberba e a ignorância do espírita o empurra a acolher a resposta que mais lhe satisfaz, independentemente se a mesma é ou não verdadeira.

      Mas é aquele caso: o que nasce errado persiste no erro e morre ainda mais errado.
      Kardec era racista. Mas, antes dele, havia o mito de Jesus, que também nunca existiu.
      Junte-se uma somatória de mentiras, farsas, delírios, livros forjados, santos inexistentes e imensos interesses comerciais, sem esquecer os interesses dogmáticos, doutrinatórios e de domínio…

      E está feita a tragédia.

      Já o lance de “fazer o bem” se torna uma ferramenta de igual dogmatização e controle pois mesmo que a pessoa seja espírita, mesmo que “baixe” nela um “espírito” do fulano morto que console, digamos, a mamãe que perdeu o filhinho…

      Mesmo que console a dor dessa pessoa, ainda assim estará lhe fazendo um malefício terrível.

      Pois estará mentindo.

      É isso que merece quem sofre? Qualquer coisa, desde que o anestesie?

      Sórdido! Nojento e repugnante é o homem que prefere abraçar a mentira que acalanta do que a Verdade que liberta.

      É isso que se resume o espiritismo? Consolar o alheio com mentiras, com falácias, ilusões e desatinos?
      Para a pior das dores, vale a maior das mentiras?

      Vômito asqueroso…

      Tal atitude, sob qualquer ponto de vista sério e ético, é das mais abjetas e lamentáveis…

      Mas virou o maná diário dos espíritas que, se com uma das mãos oferecem “consolo” à dor, com a outra tomam a Razão, o Bom Senso e a Lógica das pessoas.

      Visando o que? O bem dos outros?

      Nunca.

      Poder.

      Poder para mandar, poder de dizer o que é certo e errado, como se deve seguir, pensar, agir, o que se deve ou não fazer, quem adorar, quem seguir, quem amar…

      E a QUEM COLABORAR!

      Eu até entendo que no atual estágio de miséria em que nosso país se encontra, e diante do fracasso do Estado e sem que tenhamos uma filosofia local ampla que nos dê união (e lamento dizer isso) é preciso que existam essas religiões.

      Sem elas, teríamos um país esfacelado, um lugar pior que a Namíbia.

      Porém, nem por isso se deve dizer amem a TUDO o que as religiões fazem.

      Pela própria necessidade evolutiva da humanidade, a consciência do indivíduo haverá de rebelar-se contra essa impustura e iniciar um processo de pensar por si mesmo.

      Assim, as amarras dessas mentiras religiosas serão consequentemente quebradas pois elas não suportam o menor sopro de Lógica.

      Portanto, é preciso não se deixar levar pelo canto da sereia de se “fazer o bem”. E que o “bem” justifica tudo.

      O resto é mimimi e bububu.

      • Jadir disse:

        ao J.R.Pereira
        “as amarras dessas mentiras religiosas serão consequentemente quebradas pois elas não suportam o menor sopro de Lógica.”

        vejo que você confunde História com Religião, mas quando entender que um psicossoma, ou perispírito, ou alma, é um corpo sem matéria, ou corpo com antimatéria, que vive num mundo antimaterial, pois nossa alma é eterna assim como tudo é perene em “nada se perde tudo se transforma”, então certamente buscará evasivas para essa Lógica, esquecendo-se de “Conhecereis a Verdade…”
        – “Há mais segredos, Heitor…”

    • marcia regia disse:

      e o que ganha com isso o mestre Xavier? não smente poder e influencia em vida mas ainda mais depois da morte não é verdade? é essa a noção de imortalidade dessa gente, a verdadeira noção. e ZR tem toda razão em chama=-lo de doido varrido , o seu passado de maus tratos e repressões (procvavelmente sexuais,e spero não estar ofendendo demasiado a suscetibilidade de alguns como estaria se dissesse que jesus nãi foi um assessuado) está de acordo com umperfil pscotico sim sr.

  58. William X disse:

    LEITORES,

    O cidadão VITOR MOURA apenas quer “converter” o leitor desinformado, afinal, ele não se importa em omitir material, expor de forma intelectualmente desonesta e precipitada, desde que os textos provoquem o efeito desejado. Essa atitude não expressa contribuição alguma para o beneficio da sociedade.

    Se o leitor quer uma opinião formada com muito mais lealdade e exposta de forma mais “dialética”, apresento o espaço chamado CRÍTICA ESPIRITUALISTA que será o complemento de alguns artigos veiculados pelo site “Obras Psicografadas” e “Ceticismo Aberto”.

    SEGUE A CRÍTICA DO CASO “MATERIALIZAÇÕES DE UBERABA”:

    http://www.criticaespiritualista.blogspot.com/

    • Mori disse:

      William, eu autorizo a divulgação e de fato acho positivo que tenha organizado uma resposta detalhada.

      No entanto!

      É péssimo que o blog que criou não permita comentários, nem indique o CeticismoAberto e o Obras Psicografadas como as fontes que pretende criticar! Corrija essas deficiências o quanto antes.

  59. Cristiano disse:

    Proponho um exercício de lógica simples:

    Um cientista consegue ressuscitar um morto que teria enviado cartas psicografadas.

    O ex-morto, consciente da sua ex-vida após a morte, revela que nunca enviou tais mensagens. Ele passou o tempo todo em que esteve morto passeando sozinho, num imenso descampado além-vida.

    Seria obrigatório então o uso de outra boa explicação para as tais cartas.

    Qual seria a melhor “nova boa explicação”?

    Espíritos (outros) mentirosos?

    Mentira do médium?

    “Canalização” dos desejos dos parentes materializados em falsas mensagens, recheadas de sinais verdadeiros do morto (sinais esses passados ao médium pelos próprios parentes do morto)?

    Nota importante: eu não estou defendendo nem negando a existência de espíritos e de poderes mediúnicos.

    Apenas propus esse exercício para que se saiba que, quando somos forçados a escolher outra boa explicação para um problema, geralmente a encontramos.

    Repetindo:

    Quando somos forçados a escolher outra boa explicação para um problema, geralmente a encontramos.

  60. Raphael Porto disse:

    Olá Cristiano,

    Acredito que não existe uma nova boa explicação e acho que não é assim que funciona. Não podemos julgar o todo por uma pequena amostra. Por exemplo, se eu fosse considerar que a postura de um ateu/cético ou de um espírita fosse como alguns comentários que eu vi por aqui estaria realmente tomando errado o conceito de ambos.
    Veja que em muitos comentários cada um acha o outro cego, ignorante e aquilo tudo que se viu aqui.
    Eu particulamente acho o trabalho de negar algo muito mais arduo que simplesmente aceitar. É preciso conhecer muito profundamente para negar.
    Quando conheci o espiritismo não fui convencido por alguém nem tão pouco fui monitorado para permanecer lá. Das vezes que frequentei o centro, nunca fui solicitado a contribuir financeiramente nem de outra forma, geralmente isso acontece de forma espontânea e parte de cada um (depois de conhecer o trabalho que o centro executa na sociedade você pode contribuir ou não da sua forma, seja com copos de plástico ou apenas com uma prece sincera). Nunca fui a uma experiência de materialização nem tão pouco as famosas mesas onde se recebem espiritos, bom o que quero falar com isso é que o espiritismo não se resume a esses fenômenos alvos de tantas discussões nem tem essa postura catequizadora. Aos que tem um posicionamento mais flexível e querem esclarecer algumas dúvidas que surgiram aqui eu aconselharia o estudo mais imparcial e pessoal do espiritismo, seja para aceitar o que o espiritismo tem a oferecer seja para realmente descartá-lo.
    Se basear num post construido com objetivo de negar (quando uma pessoa se baseia numa única fonte e essa é tendenciosa e suspeita fica claro a intenção), em comentários vazios que negam a doutrina sem um embasamento tão cobrado pelos mesmos e em tentativas de catequizar a todos é realmente difícil tomar partido de alguma coisa por aqui.
    Outro ponto que queria compartilhar é que antes mesmo de “Jesus”, Socrates já discursava sobre reencarnação, eu realmente não sei o peso disso apenas compartilho porque ao ler um livro de Platão observei essa interessante discussão e nesse caso pode servir como uma boa fonte, já que está mais “livre” dessa busca louca por poder por parte das religiões como sugerem alguns comentários aqui que inclusive são extremamente pertinentes considerando toda a história das igrejas.
    Bom então é essa minha sugestão, a busca pessoal e imparcial dos temas abordados. Uma coisa é certa, em ambos os caminhos você vai esbarrar numa crença, seja ela na fé das religiões/doutrinas ou nas hipóteses científicas.
    Espero ter contribuído.

  61. William X disse:

    Eu irei abrir espaço para comentários, porém, todos os comentários serão moderados. Ninguém irá falar palavrão à toa, nem acusa sem argumentos. Irei apenas utilizar textos que realmente refutem ou contrariam de forma justa os argumentos contidos em “Crítica Espiritualista”, essa forma de proceder é um direito do blog. Ainda não sei até quantos comentários o blog agüenta em uma matéria ainda.

    Irei citar fontes quando for preciso, gostaria mais de citar a fonte quando eu utilizasse textos com argumentos próprios dos sites, ou algumas fotos retiradas dos sites, porém, eu iria lotar as páginas com “fontes” se a cada trecho (de matéria) que eu utilizar do espaço “Ceticismo Aberto” ou “Obras Psicografadas”.

    Por exemplo, fica complicado, utilizo um trecho de “O Cruzeiro” e coloco: Fonte: “Obras Psicografadas”, revista, “O Cruzeiro”. Depois eu argumento, utilizo textos do livro de Rizzini que eu tenho, cito a fonte, logo em seguida, utilizei novamente o trecho de “O Cruzeiro” e tenho q citar a fonte de novo?! Não é prático, irá apenas encher lingüiça, irei apenas indicar a fonte em alguns casos, é muito dinâmica a forma como exponho, faço um “ping pong” entre as matérias e geralmente está contida minha opinião.

    Pode utilizar trechos, matérias do blog “Crítica Espiritualista”, não tem problema. Não precisa indicar toda hora a fonte, quer dizer, indique de uma forma objetiva uma vez, e pronto.

    Eu indiquei as principais fontes sobre o artigo das “Materializações de Uberaba X O Cruzeiro”, ou seja, o livro de Rizzini e a revista “O Cruzeiro”, irei citar o site do Vitor já que vcs fazem questão. De resto, há algumas mesmas imagens que o Vitor tem, porém, com muito mais qualidade, retiradas de outras fontes, seja de livros (que tenho), etc. Fica complicado encher o texto de fontes.

    O caso da foto de Mirabelli (levitação), quase não utilizei material de vcs, apenas utilizei uma (1) foto! As outras fotos q estão com qualidade superior a esse site, foram capturadas por mim diretamente do programa BBC.

    Vamos encher menos lingüiça, indicar fontes mais importantes (livros históricos, autores importantes na história da fenomenologia mediúnica) e informar o leitor, como deve ser feito. Por isso eu criei o blog.

    • Mori disse:

      William, basta indicar uma vez o CeticismoAberto e o Obras Psicografadas. Eu chamei sua atenção porque, pelo que vi de relance, não são indicados NENHUMA vez.

  62. Sebastião disse:

    Caraca!!! Inacreditável!!! Tem gente que tem coragem para entrar aqui e defender a autenticidade dessa palhaçada!!!

  63. J.R.Pereira disse:

    Eu não entendo qualé a desse site: pesquisar, investigar, levantar informações, mimimi…
    Pra que?
    Pra ficar correndo atrás do próprio rabo?
    Sem concluir nada?
    Não se trata mais de uma questão de “informar o leitor”.
    É questão de concluir.
    Mas aí perde-se o charme da “eterna pesquisa” pois é muito mais legal ficar para sempre em cima do muro do que descer dele.
    Ou seja, é outra forma de mimimi e mumumu.

  64. Jadir disse:

    ao J.R.Pereira

    Públio Lentulus, senador romano, esposo de Lívia, também era arrogante e cético como você, mas, durante o necessário diálogo que teve com Jesus, a fim de que curasse sua filha gravemente enferma, ficou aprisionado ao solo, de joelhos, e perante a Jesus até que se sentisse humilhado o suficiente para que entendesse, valorizasse, e não desdenhasse a fé de sua esposa: ele se tornou o próprio Emmanuel.
    Leia ‘Há Dois Mil Anos’, mas, mesmo se estudar muito, e não for premiado com o discernimento, continue recalcitrante como foi aquele senador, em seu púlpito, se vangloriando de sua ilógica ignorância, porém, prepare seus joelhos.

    • J.R.Pereira disse:

      A Judéia nunca teve governador.
      Portanto, Públio Lentulus, o alegado “governador” da Judéia no tempo de um tal Jesus, nunca existiu.
      Os únicos que cantam louvores sobre sua “existência” são quem?
      Os espíritas!
      Que citam como “prova” o que?
      Obra psicografada.
      Por quem?
      Chico Xavier! O mesmo da fraude da “irmã Josefa”.

      Já os registros históricos sérios, os embasamentos lógicos ou simplesmente a Verdade, que se jogue no lixo.

      É esse pessoal que se diz “esclarecido” e que saipor aí querendo que os outros os levem a sério!

      Sou agressivo, de fato. Mas agrido apenas quem diz besteira, quem tenta impor delírios ou quem defende charlatães.

      Mosse seco e esturricado mas JAMAIS me ajoelharei para estelionatários da fé.

  65. J.R.Pereira disse:

    Nasce um otário a cada minuto.
    No Brasil, eles nascem a cada milésimo de segundo!

  66. antonio disse:

    Será que todos ainda não perceberam que tem pessoas que tem prazer em atacar outras por pura maldade encoberta como se fosse inteligência? É o caso desse tal de ‘jr pereira’ que mal consegue disfarçar sua agressividade. Provavelmente é aquele tipo que nasceu contrariado com a vida e precisa de atenção, por isso faz o que faz.
    Meu caro, já dizia minha avó, em sua sabedoria popular…religião não se discute. Se tem gente que acredita em gaspazinho, coelhinho da páscoa ou papai noel, o problema é deles e se tem gente que deseja segui-los eles são livres para isso. Minha sugestão para sua inconformidade é: funde uma igreja ou seita ou seja lá oque voce achar melhor e pregue a vontade para os que lhe admiram, e cristalize todas as suas convicções, porque como diria Raul Seixas em sua música…fazes oque quizeres pois tudo é da lei…
    No entanto não se pode perder o fio da meada, oque interessa de verdade aqui é a furada do nosso amigo cético MORI em relação ao que escreveu sem estar verdadeiramente preparado para isso. Resultado: tomou um banho da Sonia e está a dever o tal futuro artigo para contrapor-se.

  67. Sergio disse:

    Todas essas manifestações de inteligencia e toda essa agressividade por parte e alguns aqui, todos os contentamentos lógicos, pesquisas etc, nota-se que algumas pessoas de fato tem cultura. Mas pq são tão cegas?
    Pode ate existir o fenômeno de materialização pode ate existir, mas neste caso é uma mulher coberta com um lençol. Custa olhar e ver?

    • Roberto disse:

      E cego Sérgio, és você próprio. Inacreditável não?

      Porque tu não realiza uma ínfima investigação antes de firmar juízo sobre este assunto? Uma mínima, miserável investigação, mas séria né Sergião, séria porque senão você também vais sair por aí falando sobre o que ignoras.

      Tu achas que hoje em dia, depois de tudo o que andou a ciência no mundo moderno, depois de todas as maravilhas que há 30, 20, 10 anos atrás eram inimagináveis e hoje são óbvias, tu acredita mesmo que esta gente toda que escreve livros psicografados, que trabalha em centros espíritas, que profere palestras, tu acha mesmo que todo este povo é um bando de loucos que nem a torcida do coríntians?

      Tu achas que este povo é carola, aceita dogma sem refletir, custiva a fé cega sem raciocinar, que os médiuns são uma raça de alucinados que pensam que falam, ouvem, vêem espíritos inexistentes? Caramba Sergião, temos que mandar internar esta turma toda porque estão todos loucos de burriçe e fascinação.

      Ora, ora. Custa olhar e ver? Faça um examezinho mais demorado e sério e constatarás, também, porque és inteligente bem o sei, que têm algo suspeito nesta história toda.

      Tu já pensou se for verdade mesmo Sergião? Tu já pensou se tu não morrer de verdade? O que vai ser de ti lá do outro lado? Vai ter que constatar por ti mesmo que os abobados dos espíritas estavam certos e vais ter que recomeçar a estudar do zero quando podias ter ganhado um tempão e começado a estudar desde agora.

      Ainda é tempo Sergião. Ainda é tempo. Não faça como o José Roberto Pereira que já entrou em processo de destrambelho das idéias. Te liga vivente.

      • marcia regia disse:

        ai que horror roberto!! se giria de evangelico já é um horror imagina giria espirita! te liga vivente.

  68. Roberto disse:

    Mas José Roberto Pereira, que coisa, que horror?!

    O que é que tu ta fazendo contigo mesmo criatura? Para um pouco com esta tua agitação! Te acalma, respira, respira, respira de novo, relaxa! Tu vais ter um troço homem.

    Tu não está percebendo o papelão que tu estás fazendo. Respeita-te um pouco mais meu amigo.

    É muito normal não entender destes assuntos, achar inadimissível, tender a associar o que nossa mente não consegue assimilar ao terreno da fantasia, da farsa, ou então ficar com medo e começar a chamar de deus.

    Que tu não entende absolutamente nada sobre os mecanismos da mediunidade, como se dá a materialização, como se processa a comunicação do espírito com o encarnado, dentre um universo que ignoras, isto é sabido por todos, concordem ou não com os fenômenos mediúnicos, agora, velhinho, que história é esta de inventar bobajadas?

    Da onde tu tirou meu irmão que Publio Lentulus era governador da Judéia? Quêm te passou esta desinformação?

    Caramba, o livro Há 2000 anos está aí, dá até para fazer download de graça. Te digna a pegar o livro e ler alguns parágrafos para ver se era isto mesmo. Deixa de ser preguiçoso e estabanado, violento e impreciso no que falas.

    Públio era um senador romano que à mando de Tibério foi em missão a Judéia para acompanhar os movimentos de 2 pessoas, primeiro, e esta foi a justificativa oficial do imperador, de Pôncios Pilatos que era suspeito de desvios de dinheiro dos impostos, segundo, e esta era a missão secreta, de averiguar quêm seria este tal nazareno que realizava curas milagrosas. Como o imperador estava doente procurava uma maneira de se curar e não hesitaria em trazer este tal de Jesus Cristo para, escondido de todos, tentar recuperar a saúde.

    Tu precisa urgentemente tomar algum calmante se não puderes te equilibrar, procurar um psiquiatra, um terapeuta. “Tá nervoso? Vá pescar” diz o adágio popular.

    Faz alguma coisa para a tua saúde senão tu vai acabar que nem Tibério, batendo a porta do mendigo curandeiro dos estropiados conforme pensavam os romanos orgulhosos, mas que na hora do aperto tinham que descer dos seus tronos de soberba e ilusão para buscar um pouco de saúde.

    Não perca a tua saúde assim amigo.

  69. Roberto disse:

    Quem diria em editor Mori!

    Tu não imaginavas que ias te meter numa enrascada destas não é?

    Achou que ia dar tudo certo, que ias subir no alto da torre da igreja com um travesseiro de penas na mão em dia de ventania e ias jogar lá de cima toda esta penaiada.

    As penas são as informações falsas, irresponsáveis, influenciadoras da ignorância, os comentários apressados e debochados, a calúnia sem provas, a mentira, a má fé, tudo isto voando pelos ares e se espalhando por todo o lugar.

    O caso que agora tu já vais ter que descer desta torre e juntar uma a uma as penas espalhadas. Vai dar um trabalhão hein! Mas não vai ter remédio meu caro.

    Ou tu junta tudinho logo logo ou as coisas vão ficar muito piores para tua consciência.

    Avia-te a começar o trabalho logo para concertar o estrago.

    • Mori disse:

      Sua retórica chega a ser engraçada, Roberto. Penso ser muito curioso que haja aqueles que aprenderam através da literatura espírita a vilipendiar outrem de forma rebuscada e rocambolesca — ou “literária”, os próprios talvez diriam “poética” — ignorando qualquer mensagem de paz, espiritualidade e tolerância transmitida.
      .
      Injúrias em soneto ainda são injúrias. Enquanto pretendo questionar alegações e fenômenos, acusando aqui de fraude apenas quem já a confessou — a própria Otília Diogo — sou acusado de criminoso e todo tipo de ofensas. Em estilo ridiculamente rebuscado, em um simulacro da literatura espírita, pervertida em algo realmente lamentável.
      .
      Nisso, além da falta de espiritualidade, há que se atentar a falta de racionalidade. Roberto, se realmente pensa que eu “não imaginava que iria meter-me em uma enrascada destas”, talvez esteja também imbuído demais do drama e romance que a literatura espírita também vende. Eu sem dúvida tenho plena consciência de como o tema de discutir a mediunidade de Chico Xavier é tema delicado. E por certo tenho consciência de que posso errar.
      .
      Mas, como já deixei claro à Sonia, continuo sustentando a mesma conclusão inicial, que só é reforçada por novas informações — vindas de espíritas ou não, daqueles pró e contra a realidade das materializações de Uberaba — e publicarei novo artigo em breve. No momento estou ocupado com outra questão muito mais urgente que será divulgada em breve.

      • marcia regia disse:

        repare tb caro Mori, como abruptamente abandonaram o tom solene e e adentraram ao rocamboloesco ameaçador coisa mais…

  70. J.R.Pereira disse:

    Os espíritas nem sabem do que se trata a própria literatura: No livro “Há Dois Mil Anos”, Chico Xavier (aquele que elevou a categoria de “escritor fantasma” ao patamar da supra-realidade), cita que Publius Lentulus era, de fato, governador da Galiléia.
    Está lá, é só ler.
    E eu li.
    Porém, basta pesquisar: a Judéia nunca teve governador.
    Depois, Publius Lentulus NUNCA existiu.

    Daí, podemos concluir que uns e outros estão dando a uma obra de FICÇÃO uma valia HISTÓRICA.

    Acho que é aí que mora a essência da loucura espírita: eles delegam a Verdade a uma ora de ficção, não se diferenciando, portanto, dos católicos, judeus, muçulmanos e qualquer religioso que se sustenta na desinformação, na mentira, no engodo e na FÉ…

    Para justificar a própria soberba.

    É como disse meu considerado Dráusio Varella, que cito a seguir livremente: deve haver algum problema no cérebro dos religiosos.

    Leitura seletiva é uma delas.

    Já no meu caso, morro seco e esturricado mas não reconheço esse lixo todo aí. E está óbvio, com as fotos acima, que Chico Xavier ou era um embusteiro…

    Ou um doido varrido.

    E é esse cara que querem me convencer que fazia o bem!

    Ah, para, ô!

    • Roberto disse:

      José Roberto Pereira,

      Não me constava que você era, além de destemperado nos palavrões, um mentiroso.

      Diga imediatamente a página que tu diz ter lido em que consta, no livro Há Dois Mil Anos, que Públio tenha sido, ou quiçá considerado por qualquer personagem do romance, como GOVERNADOR DA JUDÉIA.

      Públio permaneceu 15 anos na judéia como emissário do imperador com missão administrativa e poderes para fiscalizar os interesses de Roma. Foi e voltou com a mesma função e ponto final.

      Se tivesses lido não terias dito isto, e se não leu, mentiste flagorosamente.

      Procure outra forma de atacar a insofismável realidade da vida após a morte, da reencaranção e da comunicabilidade dos espíritos, ou então, silencie e te acalme, apenas, já que não demonstra interesse em rever tuas convicções sem base, sem pesquisa, sem verdade.

    • marcia regia disse:

      socorro Zé! esse povo não é doido, é mentiroso profissa e essa gente meu caro tu sabes é capaz de cometer qualquer crime, veja quem empenha sua fé profissional em … cuidado muito cuidado, já te condenaram às trevas eternas.

  71. Roberto disse:

    A sua retórica não é engraçada, ao menos poderíamos rir não é?

    A quem pensas estar enganando? A tua afirmação no título desta notícia é clara como um dia ensolarado sem nuvens:

    CHICO XAVIER E A FRAUDE DE OTÍLIA DIOGO, e usas as fotografias das materializações realizadas ANTES, entendeu bem, ANTES de Otília ter sido pega em simulacros de materializações, ou seja, em verdadeiras FRAUDES.

    Seja honesto em suas alegações, não misture alhos com bugalhos. Comente, prove, analise os laudos policiais comprovando a veracidade das fotografias, consulte os dois lados e depois disto escolha o que te mais se adequa ao teu entendimento, agora, não guie muitos no abismo de tuas conclusões sem PROVAS.

    E se atentas para a minha falta de racionalidade precisar olhar no espelho do teu banheiro e te perguntar se estás sendo leal com tua própria trajetória.

    Vais chegar mais adiante e terás que fazer como o editor falcatrua de O Cruzeiro, que morrendo de medo do que tinha presenciado e sem perder os interesses pecuniários de causar escândalo para vender bastante revista, desmentiu tudo o que os repórteres testemunharam em fita cassete após a “assombrosa” materialização de “almas de outro mundo”, brrrr, brrrr, que medo, e chegou em entrevista divulgada no fantástico recentemente (provavelmente de arquivo) a alegar que, pasmem:

    Nasser: “É por isto que eu sempre tive muito medo de mexer com estas coisas de espiritismo!”

    Medo do quê? De alma penada? Ou medo de admitir a sujeirada, a vergonha moral que praticou em nome do dinheiro?

    Veja que Chico Xavier, assim como tu, PUBLICOU, ou seja, TORNOU PÚBLICO suas obras psicografadas e assumiu corajosamente as consequência do seu ato. Tu, a teu turno, também começa a responder pelas tuas obras.

    Repito, houvera sido honesto nas alegações, ou ao menos, criterioso no contraditório, e estaria tudo ok, és livre em tuas opiniões pois a sementeira é livre mas a colheita é obrigatória.

    Eu vou responder pelas palavras não tão melífluas e tolerantes que tu esperas de quem se diz espírita, certamente baseando-te no exemplo deste honorável espírita Chico Xavier, e de outros.

  72. J.R.Pereira disse:

    Os espíritas aqui presentes são iguais aos evangélicos: atem-se a um radicalismo ilógico e irracional…
    E querem porque querem que o absurdo seja fato.

    Mas é como diz o adágio: o que começa errado, prossegue errado e permanece errado.

    1 – Não há, nunca houve e nunca haverá provas cabais, contundentes e incontestes sobre a tal “vida após a morte”.
    2 – Fantasias, delírios e livros “psicografados” não são provas de nada.
    3 – Jesus nunca existiu.
    4 – O tal “senador”, “governador”, o diabo que seja, também nunca existiu.
    5 – Chico Xavier no mínimo tinha sérios problemas mentais, ou era um embusteiro pois as fotos aí do texto falam por si.

    E o errado sou eu????

    Mas é compreensível: a mentira, assim como a loucura, pode ser transmitida e contagia as mentes mais fracas e despreparadas, transformando os já tendenciosos à demência a se tornarem mais loucos.

    Enfim, os espíritas em geral não passam de tietes do Chico Xavier e que há muito perderam a noção das coisas.
    Portanto, não são dignos de crédito.

    Que chorem em seus cantinhos, com medo de espíritos, fantasmas e assombrações. Problema deles.

    Eu só quero ver se, ao pularem de um prédio, Emmanuel, Jesus ou mesmo Deus vai parar-lhe a queda.
    Teste minha teoria, sobreviva à ela que eu me converto…

    Não.

  73. Roberto disse:

    Radicalismo? Será que não és tu o mais radical por aqui? Quem não quer saber de analisar provas, provas, meramente provas, nada mais, não é uma pessoa coerente.

    Vou responder por números:

    1 – Provas existem à perder a conta. Só não vê quêm não quer. Só não vai atrás quem não se interessa pela verdade e prefere comodamente continuar vivendo do mesmo jeito sem a ameaça de ter que acertar as contas no final do estágio, ou seja, na hora H, não hora de deixar o mundinho material que tanto fascinou o despreocupado gozador.
    Se tu não queres, não admite correr o risco de descobrir o quanto estás desinformado, amigo, é contigo, mas não é útil para ti mesmo falar sobre o que tu não conheces.
    O melhor é te afastar destes assuntos porque são perigosos para a vida que tu escolhestes.

    2 – Não são os livros psicografados que provam qualquer coisa, é sim o conteúdo que está escrito neles.
    Mas isto não te interessa, por enquanto.
    O dia que criares um pouco de juízo e deixar de ser gozador da vida, vais procurar a verdade e aí os livros te consolarão.
    Para ti é delírio. Ok, que assim seja para ti.

    3 – É, decerto não existiu mesmo. Só dividiu a história da humanidade em antes e depois dele, só foi anunciado por profetas muito antes de ter chegado, só está sendo desde que chegou estudado, questionado, negado, amado, desde que veio. Só, só estas coisinhas insignificantes né? Combatido pelos acomodados, hipócritas, representantes do materialismo escravizante, foi assassinado para permanecer mais vivo que antes.

    4 – Publio Lêntulus tanto existiu que existe uma carta que ele enviou para o imperador romano descrevendo a figura de Jesus e passando então um relatório para o seu superior, neste caso o próprio Tibério, dando conta do trabalho para o qual foi enviado. Está em um museu histórico em Roma, não sei o nome agora mas posso procurar e passar o nome depois.
    Se alguém souber, passem o nome para o furioso e assustado José Roberto Pereira, por favor.

    5 – Esta afirmação é sofrível. Assista um vídeo apenas, dos muitos que estão disponíveis no youtube do programa Pinga Fogo. Dê uma olhadinha no rosto deste doente mental e veja se ele não está em melhor estado do que tu próprio com esta tua foto de olhos arregalados e rindo de tua própria loucura.
    Além do mais, não é a tua opinião, limitada, agressiva, destemperada, irracional, etc. que vai mudar a trajetória de luz deste benfeitor da humanidade.
    Espírita não é tiete, não santifica, não cria estátuas para materializar uma pessoa. Não comporta ídolos, vestimentas especiais, hierarquias, chapelões, seremeleques, zirigidum e outras práticas. É despojado das gloríolas mundanas, mas procura se esforçar ao máximo para se melhorar, para ser melhor hoje do que foi até ontem.

    Sobre mentira você não têm propriedade para falar pois mentiu que leu o livro Há Dois Mil Anos. Primeiro abandone a mentira para poder começar a entender quem diz a verdade, senão a loucura fixará residência na tua mente perturbada e explosiva.

    Espíritas não têm medo de espíritos. Se tivesse não iam ficar querendo ouví-los, psicografá-los, atendê-los nos centros espíritas, materializá-los.
    Se tivessem medo, assim como tiveram os 7 repórteres que presenciaram as materializações alvo desta matéria, fariam como os 7 fizeram e como tu fazes: NEGAM DESESPERADAMENTE que existam espíritos, e convenhamos, é exatamente o contrário que ocorre com os espíritas.

    Se pularem de um prédio estariam loucos pois a vida foi concedida para nós evoluírmos, estudarmos, superarmos as dificuldades da vida, vencermos nosso orgulho e egoísmo, e QUALQUER ESPÍRITA sabe que o suicídio é o PIOR CRIME que uma pessoa pode cometer, que é o que causa os sofrimentos mais acerbos na espiritualidade. Livros e livros narrando as experiências pós suicídio onde os próprios vêm alertar sobre o erro e sobre o sofrimento que passaram depois deste supremo ato de orgulho e egoísmo.

    José Roberto, por favor, pare de dizer tolices. Vá estudar um pouco ou então silencie pois quanto mais te manifestas mais claro fica que estás atormentado.

    Use esta inteligência brilhante que têns para iluminar a ti mesmo. Seja razoável, perquiridor honesto, analista de fatos, use o bom senso e sairá das trevas da negação em que te encontras.

    Ainda é tempo. Ainda há tempo.

    Felicidades JPL.

    • sergio disse:

      “1 – Provas existem à perder a conta. Só não vê quêm não quer. Só não vai atrás quem não se interessa pela verdade e prefere comodamente continuar vivendo do mesmo jeito sem a ameaça de ter que acertar as contas no final do estágio, ou seja, na hora H, não hora de deixar o mundinho material que tanto fascinou o despreocupado gozador.”

      Roberto,
      Não estou no meio desta discussão, mas se me permite discordar deste ponto, digo:
      A doutrina espírita traz muita paz e não estimula medo algum. E alias, segundo a doutrina nao se tem de acertar as conts com nada, diferentemente do que os evangélicos e outros acreditam. Acho que o medo reside justamente em nao acreditar que a vida sobreviva a morte ou em castigo eterno.

      Gostaria muito de acreditar na reencarnação, gostaria mesmo de presenciar algo indiscutivel, mas ate o momento ainda não vi nada além de muitas pessoas que mentem e outras que apenas acreditam pela fé ignorando o ‘bom senso’.
      Mas eu ainda tenho esperanças e estou de mente aberta.

      • Raphael Porto disse:

        Olá Sergio,

        Bom, eu tenho (pessoal) a reencarnação como a melhor hipótese para esclarecer vários pontos que sem esse conceito perdem o sentido. As pessoas que nos cercam, as afinidades, os problemas que enfrentamos… Uma criança nasce com deficiência ou problemas mentais por sorte do acaso ? Mozart e outros tantos que nascem com “dons”, puro acaso?
        Surpreendi-me quando li Socrates discursando sobre esse assunto antes de Jesus de forma lógica e sugiro uma lida.
        Sobre a comunicação com os desencarnados, Chico psicografou mais de 400 livros, imagine o que seria escrever mais de 400 livros numa vida mantendo todo o trabalho social que ele mantinha.
        Como sugeri para Cristiano, digo o mesmo para você, faça um estudo pessoal e imparcial da doutrina. Como observei que você não está buscando negar e colocar tudo no lixo talvez possa encontrar algo que faça sentido para você. Pelo menos você poderá descartar de vez ou manter a esperança nessa possibilidade.
        Longe dos fanáticos de ambos os lados acredito que seja o melhor lugar para entender e buscar algumas respostas.

        Abraços

      • Roberto disse:

        Segundo a doutrina, e principalmente por causa da doutrina, se sabe que temos SIM que acertar contas de nossos atos.

        Acaso sabermos que os endividados com suas consciência vão estagiar uma temporada, mais ou menos longa, nas regiões de sofrimentos, nos umbrais, junto de criaturas trevosas, vingadoras, justiceiras, verdadeiras organizações voltadas para o mal, por acaso quêm conhece o espiritismo têm o direito de achar que isto não existe?

        Por acaso quêm atende mediúnicamente os espíritos sofredores levados à seu mau grado para os centros espíritas, trazidos das sombrias regiões onde se encontram para terem contato com os fluidos materiais dos médiuns e poderem assim tomarem consciência de seu estado e da necessidade de reparação, o quanto antes, será que estes não sabem que estão lidando com pessoas como nós que agiram no mau e agora colhem o fruto amargo de suas obras?

        Por acaso Jesus não cita em várias passagens da Boa Nova que “haverá pranto e ranger de dentes…”, “…serão lançados às trevas exteriores…”, etc., etc., etc., será que isto não é uma demonstração inequívoca de que existe sim a colheita, que não podemos fugir dela, que temos um encontro marcado com o ACERTO DE CONTAS?

        Não, não Sergião, o caso é bem diferente meu caro. Os evangélicos têm o consolo de que se pedirem perdão, na última hora, se aceitarem Jesus, serão perdoados e ficará tudo certinho, beleza. Os espíritas não têm esta esperança, aliás, ser espírita é uma encrenca danada pois “muito será cobrado de quêm muito recebeu…” e os espíritas foram os mais aquinhoados com a realidade da vida após à vida, não terão desculpas pois leram, às vezes até psicografaram a sua própria sentença de condenação e não deram bola para ela achando que era endereçada para “os outros”.

        Sobre você querer presenciar algo “indiscutível” me parece um pouco de comodismo da tua parte. Tu até poderá a acreditar caso alguém se digne a te procurar, bater na tua porta e dizer, abaixo de todo o esforço: olha aqui o Sergião, viu como é verdade?

        Não te parece muita pretensão amigo? Quem quer conhecer precisa procurar, se esforçar, pois aí será merecedor, caso seja perseverante, de alguma ocasião mais ostensiva de comprovação.

        Veja o caso do Divaldo Franco? Levou 10 anos para poder começar a psicografar, 10 anos de esforço e disciplina.

        Veja o caso do Chico Xavier? Emmanuel lhe recomendou logo no primeiro encontro as três premissas para alcançar algo bom: disciplina, disciplina e disciplina.

        Porque que para ti iria ser assim, no molinho molinho, sem suor? O que tu terias de tão especial assim para teres um tratamento diferenciado da espiritualidade já que não nasceste com a faculdade mediúnica aguçada para constatar por ti mesmo?

        E mais, de que adianta saber que existe, ter provas, se existem muitos médiuns que contataram, que viram, que psicografaram, que fizeram como esta Otília e pasme, forneceu o ectoplasma para a materialização de espíritos e mesmo assim não mudou a sua vida, não se corrigiu, não se moralizou? Quantos espíritas palestrantes, doutrinadores, psicógrafos, “versados em doutrina” e que não deixam de ser venais, orgulhosos, cegos?

        Não, não Sergião! Se tu pensas que é por aí o caminho estás enganado. Vá atrás que encontrarás a verdade, julgue pela tua própria consciência, raciocíne, elimine qualquer opinião mística, mirabolante. Use o teu “bom senso” como citou no último parágrafo, que entenderás.

        E agora um recado para o Raphael Porto: Agora é hora do que Raphael? De fazer de conta que nada vai acontecer? Fazer de conta que não é sabido que o tempo está chegando ao final?
        Por acaso tu não sabes que não há mais tempo para errar ou acertar, deu, foi, já era. Ou a pessoa reverte bruscamente o seus estado vibratório, ou descobre o arrependimento sincero e passa a agir para corrigir seus passos, ou então segue rumo “as trevas exteriores” consoante Jesus Cristo.

        Por acaso tu não lestes livros da época de Chico Xavier onde haviam várias referências à época de transição planetária? Acaso não estás vendo a proeminência da mensagem espírita convocando todos para aceitarem o bem, para se qualificarem para poderem herdar o mundo novo que será a Terra, através de todos os espíritos espíritas, de todos os médiuns obreiros da Luz?

        Que espiritismo você vive? Estás botando a candeia sobre o alqueire?

        Se você acha que eu estou sendo fanático, ok, beleza. Cada um, cada qual não é?
        Se estas pessoas não se comovem, não percebem a verdade gigante que seus olhos poderiam constatar, mesmo que olhando fotos de materializações, depoimentos de trambiqueiros que tentaram desmoralizar o fenômeno e o próprio Chico Xavier com mentiras comprovadas que inventaram, tu acha que elas vão olhar o outro lado só com agrados?

        Eu não acredito nisto e não deixo de convocar as pessoas, onde quer que eu esteja, dando o meu testemunho de que pode não ser bem assim como lhes contaram esta história de morte, de religião, de Jesus Cristo, de Kardec.

        Mas, cada um, cada qual.

    • marcia regia disse:

      então jesus e sua existencia dividiram a historia? tanto pior p só foi para nosso mal. será que não podes encarar o monstro cristão em sua autoralizável profecia? será que estas são rovas irrefutaveis da existencia de cristo mais do que são as que apresentam o mecanismo de manipulção das massas? não acuse o Zé, ele tem toda razão já o sr…duvido muito e tenho esse direito, ou na razão espirita eu não teria?

  74. J.R.Pereira disse:

    As tais “provas” da “vida após a morte” sempre passam pelo crivo religioso.
    E, lamento dizer, religião não é ciência.
    Os espíritas podem sapatear o quanto quiserem, podem mentir, delirar e achar que os porcos voam.
    Porém, não são todos os que caem nessa conversinha mole e com o pé no estelionato.
    Eu sou um deles e, acredito, este site também.
    Aliás, modéstia a parte, eu estudei bastante o espiritismo.
    Por ter estudado tanto é que eu sou ateu.
    Mas sou um cara justo: que apareça aqui, na minha frente, esse tal de “emmanuel” ou qualquer uma dessas multidões de “entidades”.
    Sem intermediários, sem efeitos especiais, levitações, essas tralhas.
    Manda o homem aqui, ó!
    Na minha frente!
    Se ele aparecer, eu lhe escarro na cara dele!
    Vai ver por isso ele não aparece.
    Tudo medroso!

    • Sergio disse:

      “Acaso sabermos que os endividados com suas consciência vão estagiar uma temporada, mais ou menos longa, nas regiões de sofrimentos, nos umbrais, junto de criaturas trevosas, vingadoras, justiceiras, verdadeiras organizações voltadas para o mal, por acaso quêm conhece o espiritismo têm o direito de achar que isto não existe?”

      Robertão, ao meu entender e de acordo com o “Livro dos espíritos”, não existe tais criaturas. Seriam espíritos de classes inferiores. Não se mistura espíritos de classes diferentes pq não existe lógica divina em punir um espírito com certa elevação junto a outros de elevação inferior.A punição, por assim dizer, ocorreria quando encarnados, aí sim, em condições adversas, Logo, se tais espíritos de elevação semelhantes são ‘colocados’ juntos isto não caracteriza um ‘inferno’ para eles. Espiritismo é ‘redenção para todos’, segundo definição de de um outro espírita, que eu concordei, de acordo com o que eu li.

      Quantos as escrituras e as coisas que Jesus disse, é tudo uma questão de fé, pois o que existe, depois que descobriram o ‘Evangelho de Judas’ é tudo um grande disse-não-disse, não que este ultimo tenha disto alguma coisa que tenha a ver com o nosso assunto ou sobre as palavras de Cristo sobre o tal lugar de punição, mas sim que as pessoas acreditam no que estão acostumadas e malhando o Judas.

      • Roberto disse:

        Sergião, não vamos nos confundir com as palavras. Eu sou uma criatura, tu é uma criatura, um espírito é uma criatura sem o corpo de carne.

        As “criaturas” que não existem são os diabos, capetas, coisa ruim, dentro da concepção de antagonista de Deus, mas os espíritos, criaturas como nós todos, menos adiantados moralmente, voltados para o mal (não sei se diria que isto é uma classe diferente, acho que não existe classe nesta perspectiva, apenas espíritos mais ou menos adiantados, sendo que os menos adiantados um dia libertar-se-ão do atraso moral e viverão em paz e progresso).

        E o espiritismo não é a redenção de ninguém pois quem se redime é cada pessoa por si só. Jesus não veio salvar-nos dos nossos pecados, redimir nossos pecados. O seu sangue não salva ninguém, mas o seu exemplo de amor e suas lições imorredouras coroadas de exemplo e não apenas de palavras. Quem observá-la poderá se motivar a buscar sua própria redenção.

        O espiritismo é sim o “Consolador Prometido por Jesus” que vem restabelecer todas as coisas. Conheça a verdade e a verdade vos libertará.

        E este assunto de evangelho de judas não entendi onde queres chegar. Acaso este evangelho é mais valioso do que os 4 evangelistas mais Paulo de Tarso e João juntos?

  75. Marcos disse:

    Alguém aí conhece Kirliangrafias e os estudos do cientista Semyon Davidovich Kirlian?

    • Sergio disse:

      Roberto, quando citei o Evangelho de Judas, quis dizer que se trata de algo tao antigo quantos os outro e tão digno de confiança ou dúvida quanto os demais, contudo todos ainda “Malham o Judas”. Eu me refiro com a dificuldade que as pessoas tem de mudar de idéia, crenças, independente de estarem erradas.
      Quanto a seriedade deste evangelho e se seria mais confiável que o de Paulo de Tarso e João juntos, nao vejo pq nao seria, afinal a quantidade de pessoas que acreditam ou afirmam uma fato não tornam o tal fato verdade.
      Quanto ao tal evangelho, vide Wiki:
      http://pt.wikipedia.org/wiki/Evangelho_de_Judas

  76. Censurado Roberto disse:

    Bem, não vou responder mais pois o editor finalmente decidiu me censurar.

    Por que será?

  77. J.R.Pereira disse:

    A “doutrina” visa apenas dogmatizar.
    São falácias muito bem escritas e que clamam à emoção dos mais fracos.
    Mas que não encontra eco em quem valoriza a Razão.
    O espirita é um evangélico que nada mais faz que repetir e repetir a mesma ladaínha, descartando provas, desconsiderando fatos e ignorando a Verdade.
    Vale apenas o que se acredita.
    Nada mais, nada menos.

  78. E Por Fim, Roberto CENSURADO disse:

    Bem, e chegou a hora do EDITOR ME CENSURAR.
    Por que será hein?

    Ele pode falar o que quisesse, ainda que deturpando informações, falseando a verdade (mentindo para ser mais direto).

    Seus seguidores podem falar palavrões à vontade.

    Eu, CENSURA.

    Penso que ficaria mais bonito para ti Mori, se tivesse pedido para mim não postar mais no teu blog/site. Teu pedido teria sido atendido e seria mais compatível com teu ceticismo aberto (aberto mas não para todos, não é? ceticismo “quase aberto”)

    Mas, que assim seja.

    • Mori disse:

      Não sei do que você está falando, Roberto. Mas depois de me acusar de criminoso e todo tipo de adjetivo, nenhum dos quais eu reconheço como justos ou minimamente justificados, dizer que eu o censuro sem que eu o tenha censurado não me impressiona em nada.

      Como repito mais uma vez: o seu comportamento não é nada similar ao que se esperaria de uma pessoa que tivesse aprendido algo de positivo com a religião e espiritualidade. Ou talvez seja justamente isto que o espiritismo pode acabar ensinando a alguns, porque lendo as respostas de vários espíritas a críticas a Chico Xavier, é comum ver esta mesma veia, daqueles que parecem achar “bonito” ofender em sonetos — mas sonetos, “literatura”, em verdade sofrível, ou daqueles que adoram o tom ameaçador e condescendente — “tu não és evoluído”, “aguardes teu momento” e tanto mais.

      Se você quer me ofender, bastaria me chamar de fdp, Roberto. Seria mais sincero e pouparia o tempo de todos. Se está ansioso por ser censurado para que tenha algum motivo real para me ofender, perceba que você é um dos que eu faço questão de publicar todos os comentários, ainda que me ofenda de tudo quanto deseje, porque penso que suas palavras refutam seus próprios argumentos e demonstram fanatismo e insensatez evidentes.

      • Roberto disse:

        Mori,

        As 2 postagens da madrugada, após um tempo longo, não haviam aparecido e escrevi sobre a censura.

        Obrigado pela não censura, portanto. Desculpe-me a queixa.

        Agora, no que te ofendi?
        Muito útil que tu colocasse exatamente qual foi a ofensa de forma afirmativa, baseada nas minhas palavras.

        Mas acho que já disse mais do que o suficiente para deixar claro a minha posição sobre tuas notícias e sobre o tipo de ceticismo que praticaste neste caso e em outros.

        Agora que me pedes para chamar-te de palavrões penso que chegou ao limite, pois não faria isto nem contigo, nem com o JPL que rasgou o verbo nos palavrões.

        Além do mais, te considero um jovem inteligente que apesar da minha falta de suavidade nas palavras poderá considerar a inconveniência de acusar sem provas e tomar partido apressadamente.

        Só estamos trocando mensagens porque tornaste pública a tua versão dos fatos. É uma versão pois não corresponde ao que aconteceu, pois misturastes a prisão meses depois da ex-médium Otília praticando fraudes com a materialização inequívoca testemunhada por muitas pessoas aboletadas na sala, e que a própria polícia atestou com laudos periciais de que as fotos não eram falsas ou adulteradas, além dos testemunhos de TODOS os envolvidos no fenômeno, inclusive os 7 reporteres que depois, covardemente, lamentávelmente deixaram que a revista adulterasse toda a narração do ocorrido.

        Você sabe que fraude é um crime previsto em lei, e que pode levar a prisão, como ocorreu com Otília. Acusar o Chico Chavier de fraudador não te parece algo extremamente grave, se não for provado?

        Não é isto uma calúnia? Não é isto uma ofensa?

        E a mediunidade psicografica de Chico Xavier não foi usada como prova na justiça para libertar alguns réus acusados de assassinato e absolvidos pelas próprias supostas vítimas falecidas, mortinhas da silva?

        Acaso a justiça dos homens daria valia para uma carta de um homem fraudador como tu acusas.

        Ora, ora Mori. Já te disse antes. Tu precisarias criar um pouco mais de juízo e não te prejudicar desta forma. Têns um futuro promissor pela frente. Não seja imprudente e leviano agora para não te arrepender no futuro.

        Volto a lembrar o comportamento do mentor desta farsa que foi a reportagem da revista O Cruzeiro, Sr. Nasser: “por isto que sempre tive muito medo de mexer com esta coisa de espiritismo…” Ora, ora, que loucura, pois se o espiritismo é uma fraude então para que ter medo dele?

        Porque tu não fazes uma matéria sobre “A Farsa dos Jornalistas do Cruzeiro e do editor da revista?” Talvez te redimisse.

        Mas é isso Mori, vamos em frente. Cada um com o seu “comportamento”. Vou parar de escrever para ti pois já está sem propósito, sem utilidade.

      • Mori disse:

        Realmente, Roberto, sem utilidade alguma. Todos seus comentários não serviram de nada, ao contrário de outros, espíritas ou não, pró ou contra o Chico. Se você me considera um jovem inteligente, a recíproca não é verdadeira: não o considero inteligente, Roberto. Pelo menos não com base nos comentários prolixos, cheios de ofensas, rancor e fanatismo que expressou, e ainda assim, ausentes de qualquer conteúdo relevante.

        Chega a ser outra vez cômica que falr em “acusar sem provas e tomar partido apressadamente” quando:
        1- É o que acabou de fazer ao acusar-me de censura;
        2- É o que faz também novamente ao acusar-me de acusar Chico de fraude no caso de Otília Diogo. Para alguém dado a utilizar, ou pretender utilizar a norma culta ao escrever longos comentários, falta a compreensão básica de texto para descobrir que em nenhum momento acusei a Chico de fraude, e que até faço considerações que presumem que ele não faria parte ativa da fraude.

        Agora, que a fraude ocorreu, e que Chico foi no mínimo enganado, continua sendo minha conclusão, só reforçada por outras informações que complementam as comentadas no texto aqui.

  79. Raphael Porto disse:

    Roberto,

    Eu acredito que as pessoas não precisam desse choque de informação tão recheado de pressa. Cada um no seu tempo. Chico manteve-se tranquilo mesmo sabendo muito mais de tudo isso que você falou. Não seria interessante confundir o entendimento do espiritismo como verdade e a nossa “salvação” (por isso as vezes lembra os evangélicos), nesse planeta irão resistir os de bom coração e não somente os espíritas ou os que conhecem a doutrina(penso eu), estou enganado? Acredito que a caridade dentro ou fora do espiritismo é tão válida quanto. Bom, só é minha opinião.

    Abraços

    • Roberto disse:

      Raphael,

      Você já leu isto em o Evangelho Segundo o Espiritismo: Porque o mal prospera? Pela timidez do bem. Se os que conhecem alguma miséria a mais sobre a verdade possível de compreendermos e de boa fé testemunhassem, assim como fez Chico Xavier e tantos outros, pagando o preço por suas convicções, sendo perseguidos, caluniados, debochados, agredidos, acusados de farsantes, loucos, doentes, enfim, se mais pessoas saíssem do armário do comodismo, do status social, do “medo”, acredito que seríamos menos atrasados em a humanidade.

      Os cristãos primeiros testemunhavam com suas vidas nos circo máximo e depois no coliseu, devorados pelos leões.

      Os missionários cristãos, ou não, que trouxeram a mensagem do bem, foram queimados uns (Joana D’arc, John Huss…), enforcados, encarcerados, alvejados por tiros (Gandi, por ex.) enfim, ergueram a luz sobre o alqueire e pagar pela coragem de não recuarem diante da verdade.

      Agora são arquitetadas calúnias como esta deste site, misturando fraudes comprovadas e punidas da médium Otília, infeliz criatura arrebanhada pelas forças do mal, com o fenômeno autêntico em que Chico Xavier e várias outras pessoas estavam presentes, além dos malandrinhos mentirosos que também foram desmascarados à posteriori, e faz-se uma trocadilho, um jogo de palavras para arrolar Chico nas fraudes como se fosse ele o fraudulento, e quem pode erguer a luz da verdade fica tíbio, temeroso, pusilânime? A quem beneficia esta omissão?

      Eu deixo para os mais caridosos, mais espíritas, mais elevados do que eu a tarefa de nada dizer, pois Chico não respondeu pois estaria se defendendo e quem está com a consciência tranquila não precisa se defender à não ser que tenha sido instado a isto através de algum processo judicial, agora eu não estava lá nem tinha nascido, e constatando a má fé dos mantenedores deste falso ceticismo, posto que um ceticismo verdadeiro iria buscar provas sobre suas alegações e não achismos, teorias sem fundamentação científica, vou ficar sem me manifestar? Porque?

      Não estou querendo converter ninguém, estou apontando os falsos argumentos, a calúnia dos autores, e sem jaça, sem receios.

      Talvez seja algum tipo de caridade não deixar a ignorância correr solta, dedicar algum tempo para escrever o contraditório, quêm sabe?

      Se as pessoas se chocarem com as informações então teria sido melhor que Chico não tivesse “chocado” os outros se deixando fotografar ao lado do espírito materializado, escrevendo livros atribuindo a autoria à “mortos”, aberto as portas para multidões o verem psicografando à olhos vistos, enfim, deveria ficar quietinho em seu cantinho não fazendo nada.

      Não estou me comparando ao Chico Xavier, absolutamente, pois que o mesmo se chamava de Cisco Xavier e eu não tenho qualificação para ser tão importante quanto um cisco, mas sou livre, hoje em dia, graças ao sacrifício de muitos antes de mim, para me manifestar sobre estes assuntos.

      Rizzini, ao sem tempo, escreveu um livro em defesa dos fenômenos e elucidando a farsa dos repórteres. Será que teria que ficar quietinho também?

      Bom, saudações.

      • marcia regia disse:

        quer dizer que o sr se considera um agente do bem? mas é muita pretensão mesmo. digna de um autentico fanatico espirita neo cristão affffffff

  80. J.R.Pereira disse:

    Você coloca na fuça do camarada a mais contundente e verdadeira prova de que Chico Xavier era uma fraude.
    A “materialização” da tal “irmã josefa” já seria o bastante para que qualquer ser humano MINIMAMENTE dotado de AUTO-ESTIMA, imediatamente deixasse de lado essa “doutrina”.
    Pois, está provado, com fotos e documentos, que seu líder é um embusteiro.
    Mas não.
    O cara teima que teima e teima,firma os cascos no chão, zurra, berra, se descabela e nega que nega e nega que nega e nega…
    E ele puxa, obviamente, todo o coroláriode sandices, absurdos, pseudo-filosofias e demais baboseiras que lhe foram auto-impostas no decorrer de anos e anos.
    Pessoal…
    A gente vai dizer O QUE pra essa gente?
    Eles passaram por um processo de LAVAGEM CEREBRAL
    Eles aceitaram a propaganda espírita (leia-se doutrina) como sendo a Verdade Suprema e pronto.
    Não existe no mundo quem os faça mudar de idéia, por mais que lhe aponte, com fatos inquestionáveis e provas sem a menor sobra de dúvida que TUDO o que eles dizem e acreditam é falso.
    Tudo?
    Tudo!
    Porque, primeiro, Kardec era racista. Ele execrava negros e amarelos. Portanto, uma doutrina só para brancos não pode ser considerada igualitária.
    Segundo, por mais que se diga o contrário, Jesus é um mito. Não um fato.
    Terceiro, e definitivo, com as fotos desta matéria exemplar, comprova-se que o líder espírita é um embusteiro.

    Porém, num país do Terceiro Mundo feito o nosso, gente como ele nunca foi pra cadeia, que deveria ser o seu lugar.

    Mas mesmo que fosse, ainda haveriam seguidores que estariam lá para lhe apoiar, vide o caso da “bispa” Sônia e os dólares na bíblia.

    São todos gente louca e desesperada.

  81. J.R.Pereira disse:

    Por outro lado, é inegável que a religião oferece um alívio à dor de muita gente.
    Pois a Vida é uma guerra e numa guerra a gente se fere.
    Certas feridas geram dores tão terríveis que é preciso dar um alívio à pessoa.
    Mas esse alívio deve ser MOMENTÂNEO!
    Deve ser usado NAQUELE MOMENTO EM ESPECÍFICO.
    Uma vez passada a dor, deve-se estar atento à DOENÇA do camarada.
    E é aí que começa o problema porque muitas pessoas SE VICIAM nesse remédio e ficam eternamente coladas nele.
    É que nem o caso da “bispa” Sônia, que foi flagrada num crime, julgada, condenada e presa.
    Ela é bandida!
    No entanto, quanta gente acredita na “pureza” da dita cuja?
    Exatamente porque ocorre essa LAVAGEM CEREBRAL, esse VÍCIO que ENTORPECE o discernimento das pessoas.
    O caso do Chico Xavier é um exemplo para que os espíritas se apercebam do tamanho de seus próprios vícios no assunto: o falecido dava o remédio para quem precisava.
    Muita gente se sentia melhor.

    Porém, esse lance da “irmã Josefa” é a prova claríssima de que NÃO TEM MAIS COMO seguir nessa “doutrina”.

    Porque a dor que o cara sentia, o espiritismo aplacou.

    Mas a DOENÇA que ele tem, essa SEDE DE PODER, de se sentir superior, de se achar melhor do que os outros, de ter medo da MOrte e tudo mais…

    Essa doença ele não curou.
    E por não curar, por não enfrentar com RAZÃO e LÓGICA os males do mundo…
    O espírita SE VICIOU na doutrina que tanto bem lhe fez…

    Mas que, hoje, é a coleira que o aprisiona.

    Felizmente, Chico Xavier trouxe, em si, a semente de sua própria destruição. Claro que ele não fez isso premeditadamente mas a falcatrua da “irmã Josefa” está aí. Os cambalachos com os livros, as mentiras histórias, tudo o que se faz em seu nome pra ganhar dinheiro…

    E PROPAGAR o ÓPIO que aplaca a dor, continua aí.

    Tá na hora de largar esse vício, cara! Você já é adulto pra saber que não tem anjinho, espírito, deus e diabo. NAQUELE MOMENTO do passado você precisava, agora a sua doença precisa de OUTROS remédios.

    Livre-se dessa coisa e viva são e lúcido, ou morra anestesiado e delirando, dando dinheiro pra estelionatários da fé.

    É uma escolha simples.

  82. J.R.Pereira disse:

    Crime…
    Quer crime maior que mentir para uma pessoa que sofre?
    Quer crime maior que usar sua própria loucura para achar que, com ela, fará bem a alguma pessoa?

    Oorque se ela se mata, “os mentores espirituais cuidarão dela, a lei do karma” e bla, bla, bla.

    Os espíritas brincam muito com a sorte porque, conforme eu disse, estão viciados nesse remedinho mágico, nesse cura-tudo que deveria ser apenas usado em extrema emergência.

    Agora, sobre o tal processo em que o juiz acatou uma “mensagem psicografada”, você pode ter certeza que tamanho absurdo só seria aceito num país vagabundo feito o nosso.
    Nenhum juiz dos EUA, Japão, Finlândia, Dinamarca, Alemanha ou mesmo do Paraguay aceitaria a palavra de um morto.

    Mesmo que o perito, suspeitíssimo, alegasse que a escrita era do falecido, os indícios de FRAUDE PROCESSUAL seriam aberrantes porque…

    MORTO NÃO VOLTA!
    MORTO NÃO SE COMUNICA NUNCA COM NINGUÉM!

    Até a bereba do meu pé sabe disso mas, de novo, só mesmo num país ordinário feito o nosso é que a dona Justiça seria embromada com tamanho descaramento.

    Respeito as regras deste site, aplaudo e louvo meu mui considerado Mori, que deu um BANHO de Razão e Bom Senso mas, lamento dizer, na minha boca mando eu!

    Os espíritas podem fazer o mimimi que quiserem mas se eu tiver que manda-los à m(*), assim o farei.

    Pois me é IMPOSSÍVEL dar endosso a todo e qualquer tipo de farsante.

    Seja ele da religião que for, especialmente um TOLO que está diante de PROVAS INCONTESTÁVEIS da FARSA de Chico Xavier…

    E que, por SOBERBA e VÍCIO MENTAL, prefere ficar do lado de bandidos.

    Para mim, fã, amigo ou apreciador de bandido é bandido tanto quanto.

  83. Roberto disse:

    Oh, oh, oh Zé Robertone! Mas que peça que tu és homem? Larga mão de ser tão rabugento, ranzinza e enfezado? Ah, vê se lava a boca com sabão de creolina também, seu mal criado?

    Zé Robertone. Vou te responder na tua lingua: Quer saber? mimimi e mumumu para ti também! Entendeu? MIMIMI e MUMUMU para ti aprender, tu e a bereba do teu pé, juntos, unidos até que o caixão os separe! Ora, ora, que bichinho hein!?

    Se eu morrer antes de ti, seu esquinaço, vou vir puxar a bereba do teu pé, ouviu? Te cuida berebento, e reza para mim viver mais que tu (opa, rezar não dá! sei lá o que tu faz se não acredita em orações, faz uma figa, prageja, sei lá, joga na loto…).

    Te cuida vivente. Te acalma se não tu vais ter um troço, viu!

    No fundão, lá no fundão mesmo tu é um cara muito legal, tirando essa carapaça aí e esta carantona arreganhada.

    Um abraço meu velho! Quando tu te apaziguar pode falar sobre uma coisa por vez que quêm sabe eu tenha algo útil para te dizer sobre ela, mas deixa as pedras na calçada.

    • J.R.Pereira disse:

      Sou um cara legal, sem dúvida.
      Exatamente por ser um cara legal é que, se eu pudesse, espetava numa estaca a cabeça de todo líder religioso.
      Papa, padre, bispo, pastor, obreiro, pai-de-santo, rabino, mulah, qualquer um que se ousa dizer “guia”, “mentor” ou que tem contato com “seres superiores”…
      Eu não teria a menor condescendência e cortava-lhes a cabeça.
      Arrancava-lhes as peles e as abria feito couro de vaca, expondo-os em “x” pela Avenida Paulista, suas carcaças feito flâmulas mórbidas, deixando-as apodrecer até virar farelo.
      E mais: eu pilharia suas vastas posses, executava todos os seus seguidores na degola simples (de jugular a jugular), queimava seus templos, destruía seus ídolos, destroçava seus livros, castrava sua prole e jogava suas carcaças para cobrir o buraco do lixão lá de Niterói (és lixo e ao lixo voltarás).
      Que maravilha seria ve-los clamarem por seus deuses, anjos e espíritos enquanto suas tripas seriam expostas a golpes rápidos!
      “Onde está seu deus agora?” é o que eu perguntaria enquanto lhes abria os crânios a marteladas!
      Depois, eu faria uma festa em volta da pilha de seus crânios descarnados pois, finalmente, um dos piores inimigos da Humanidade receberia a devida paga pelos seus crimes.
      Pois o religioso é pior que traficante de drogas.
      Pois o religioso corrompeu o sistema, não admitindo concorrência.
      Viu só como eu sou um cara legal?
      ;-)

      • Roberto disse:

        Zé Robertaço,

        Nooossa! Noooosa! Digno dos principais filmes de violência já vistos.

        Sinopse de um filme do tipo: “O Apocalipse Now do Zé Roberto”.

        Sabe que tanto ódio dos religiosos assim é caso de análise? Já conversaste com um bom analista Zé? De onde vêm esta gana toda velinho?

        Tô te enxergando espumando de raiva, com os olhos injetados, as veias saltadas e inchadas, as mãos feito garras ergendo uma lâmina afiada e brilhante, na outra mão uma cabeça arrancada à golpes de um carrasco frio e sanguinário, e você urrando de satisfação por ter eliminado mais um abusado que ousou seguir uma religião.

        Enquanto tu caminha por sobre os cadáveres das tuas vítimas, visceras expostas, sangue por todo o lado, eis que do mais alto, invisível aos teus olhos ensandecidos, um ser de iridicente luminosidade observa o quadro, pesaroso e compassivo: É Jesus, teu Mestre, que te ama ainda assim, e te aguarda paciente, antegozando a alegria e o júbilo do momento em que tu despertarás da loucura, defrontarás o amor invencível, e se curvará diante de sua grandeza, humilhado e envergonhado, mas convencido de que deverás trilhar o caminho de retorno ao regaço do Pai que te criou, conduzido pelas mãos misericordiosas do teu Irmão e Mestre Jesus Cristo!

        Sim, sim, Zé Roberto! Não importa quantas barbaridades te animares a perpretar, quantos crimes, quanto imprecares revoltoso, odiento, não importa pois Deus têm paciência e Jesus também, te concederão oportunidades ópimas para destilar o mostro do orgulho que habita em ti, por enquanto, e cultivarão a centelha divina que habita em ti, filho de Deus que és assim como todas as tuas vítimas e como todos os teus amores, até que nasça a fé no teu íntimo, qual árvore vetusta e frondosa.

        Aí meu amigo, usufruirá da paz que hoje não conheces, mas que um dia te pertencerá em definitivo, e então, num rompante emocionado, banhado em lágrimas, implorará à Deus e a Jesus: Enviai-me à reencarnação redentora, entregai-me um corpo de carne, oferecei-me as feridas e moléstias mais acerbas, para que eu possa esquecer o passado de loucuras, e deixai-me morrer vítima de loucos qual eu fui, mas com a honra de morrer em Teu Nome. Concedei-me a misericórdia de ser cristão perseguido e assassinado, para que eu definitivamente enterre meu passado e ascenda para um futuro de esperanças e de paz, de fé e de amor!

        Bom Zé Roberto, espero que seja este o teu futuro, em outras encarnações, com as bençãos de Deus nosso Pai, e de Jesus nosso Mestre.

      • Jader Moreira disse:

        Depois os religiosos é que são radicais.
        O grau de violência que vc transmite em suas palavras é certamente repugnante.
        Vá procurar um psicanalista meu amigo.
        Excesso há em toda a parte: na religião ou fora dela. Veja se não se enquadra.
        Mas não adianta falar com um ser como vc meu amigo. Porque quando não há mais argumentos, parte-se pra violência.
        Achava melhor seu mimimi e mumumu.
        Não esquece o psicoterapeuta…

  84. Olinda de Azevedo Marques disse:

    Como!explicar!a crianças,primarias,e a seres primitivos,que o fogo,não é um (DEUS),como explicar,veridicamente,que o calor do sol existe,para quem ném ao menos,a luz encherga,respeito e humildade,para com os menos evoluidos,criticas é do que mais gostamos,póis uma creença que não é criticada,pouca importancia têm,pois que os últimos serão os primeiros,á fé não se conquista assim como a confiança em DEUS,seria de bom tom,não atirarmos pedras,em algo que não conhescemos ainda,e se conhescemos seria de bom alvitre mantermos-nos em respeito para com o nosso proximo,ou então estariamos sendo,incoerentes,querendo impor as nossas vontades,(livre-se de pré julgamentos)não faça coisas que venham depor contra voces mesmos,com que altoridade falás assim,sou contra esses ataques,vivam e deixem,as pessoas viverem,AMO de coração á FRANCISCO CANDIDO XAVIER,DIVALDO PEREIRA FRANCO,que pelos pobres e crentes,em JESUS,muitissimo têm feito,quanto á voces (que tanto criticam).O QUE VOCES TÊM FEIT DE BOMO?).Meus parabens para voces que tanto criticam,pois devem estarem com muito tempo para fazerem isto,critiquem cada vez,mais adoramos criticas,estamos aqui para isso,sou vidente,vejo,e mantenho contato com os ESPÌRITOS,pelo jeito que os conheço(VOCES,ESTÃO EM PESSIMÁS COMPANHIAS!) MEU MUITO OBRIGADA! à voces,e que DEUS,os PROTEJA,e que um dia do outro lado da vida (eu possa os auxiliar,com a grande fraternidade,do amparo,e misericordia,que JESUS,nos ensinou,paciencia,para com os menos favorecidos,em entemdimentos,UM ABRAÇO FRATERNO À VOCES,E MUITA!MÀS MUITA!LUZ PARA VOCÊS que comungam nesta opinião!

  85. J.R.Pereira disse:

    Eu não me importo com deus, jesus, emmanuel e demais seres imaginários criados para acalentar menininhos medrosos cheios de mimimi mijão, e menininhas semi-alfabetizadas amalucadas.

    Seria o mesmo que me intimidar pelo Coelhinho da Páscoa, Saci ou Papai Noel.
    Pois já passei da idade (e do peso) de acreditar em coisas que não existem.
    Ao mesmo tempo, não há como eu alcançar certo grau de alienação que começa a atribuir existência àquilo que…
    Não existe.

    Mesmo porque eu já sei o caminho que leva essa doença mental: hospício, sarjeta ou igreja!

    Não tenho vocação para escravo, quanto mais para doente mental.

    E, nos dias de hoje, eu só acredito em uma única entidade: Pai Tauros das Sete Balas!

    Lamento decepcionar aos religiosos aqui presentes mas, se houver Inferno, o que não existe, é para lá que eu vou.

  86. Victor Messalla disse:

    Amigos,

    Tudo dentro de seu ocntexto.
    Na época da foto, não existia falar/pensar em espiritismo, sem falar nestas marmotas de materialização, ectoplasma, e aquelas mesas levitando e tremendo. É o mesmo q imaginar uma missa sem a comunhão o o culto se música em que todos cantam.

    Acontece que a ciência avançou a as máquinas ficaram e ficam todo dia mais baratas. Tudo isto, mais o avanço e baratemanto dos exames laboratorias, fizeram estas praticas desaparecer das sessões espíritas, embora ainda tenha muito nego metendo algodao com quimica na boca de pessoas e tirando os mesmos algodões de cor encarnada!

    Então, Chico e comprasas estava tocando e dançando a música de sua praia na época, mas, neste ato, um ato de ludibrio, estavam também praticando a inganacão.

    Como mensurar a vontade de uma mãe falar com um filho morto, ou um filho buscar explicações de um suicídio de um pai? Um bom “médio” lhe mostrará o caminho, e os efeitos que isto lhe causara em seu espírito será mais barato do que o tratamento e medicação de um verdadeiro tratamento pscicologico.

    Daí, todos nós, ao seu nível, precisamos aprender, avançando dia-a-dia, mas, é se deparando com esta matéria/blog, que algumas questões são imediatamente afastadas de nossas mentes! Parabéns! E, a ao Chico o que ele realmente é!

    • J.R.Pereira disse:

      Esse lance da “materialização” existia desde os tempos da invenção da fotografia. Existem incontáveis fotos que mostram fantasmas, mortos e demais “entidades” que são, todas, montagens.
      Só que chega um momento em que o desespero e a loucura arrogante dos espíritas parece que desperta um esquema para se atrair mais “fiéis”…
      Ou convencer os “céticos” de que a é possível existir aquilo que eles apregoam.
      Porém, certas artimanhas não são mais possíveis devido ao nível de informação das pessoas.
      Não se pode enganar todos por muito tempo e constata-se que esse lance da “irmã qualque coisa” foi uma jogada de marketing.
      Eu não me surpreenderia se a revista não tivesse vendido seu espaço, ou apelado para o populismo jornalístico da pior qualidade o que, de novo, era comum na época… E na própria publicação.

      Só que hoje em dia é impossível que uma pessoa sã, informada, equilibrada e dotada de um PINGO de Bom Senso aceite com serenidade um absurdo desses.

      Porque religião é um negócio como outro qualquer e, para atrair mais clientes, não raramente seus líderes apelam para o marketing do mais ordinários.

      A igreja católica tem o Santo Sudário, que já foi comprovado como sendo uma farsa, mas volta e meia o Vaticano desanda a fazer propaganda de “estudos” em cima daquele trapo velho… Ainda mais agora que as denúncias de pedofilia comem firme no lombo do Papa.

      Logo que a “bispa” Sônia saiu de sua merecida e devida cadeia, uma das primeiras coisas que ela e seu marido BANDIDO fizeram foi correr para fazer pose ao lado do nosso querido Lula. Isso porque, antes, durante seu período de cadeia, seus marketeiros desandaram a reprisar “ad nauseum”, os programas e mesmo entrevistas da dita cuja e seu marido meliante. Visando, claro, manter a fé dos otários… Digo, dos fiéis.

      Mas o campeão de marketing é o abominável Edir Macedo e suas correntes, campanhas e demais esquemas de arrecadação que vendem sucessode um lado… Desde que se leve um lenço, vela ou qualquer badulaque que NÃO É COMPRADO mas, sim, doado…
      Sempre esperando uma graninha de volta.

      O espiritismo perdeu muito de seu brilho com o falecimento de Chico Xavier. Na piração do homem, ele desandava a escrever feito um alucinado, enquanto dava “alento” mentiroso aos desesperados que a ele se dirigiam.

      Em sua ingenuidade travestida de loucura egocêntrica, ele topou esse e outros lances de “materialização”.
      Talvez pela “causa” mas, francamente, o malefício que ele fez ao promover essas mentiras em nome da “fé, levou ao atraso mental milhares de pessoas.

      Atraso esse que está aí, incentivado com um filmeco sem-vergonha, que tenta levar um farsante à categoria de santo.

      Negócios, senhores.
      Isso não tem nada a ver com almas, salvação de nada, benefício de quem quer que seja.

      São só negócios e quase sempre dos mais mais baixos e escusos.

      Em tempo: existem dois “terreiros” aqui em São Paulo que são sensacionais.
      Em um deles usa-se uma tal de “magia das capas”, em que um sujeito fica dançando e cantando no meio da platéia, agitando sua enoooorme capa preta!

      Em outro, existem “incorporações” de espíritos de motoboys mortos no trânsito caótico de SP.

      Sem esquecer um famoso “mestre tântrico” que para fazer “ajustes” no “campo astral” de seus “iniciados”, lhes enfia cristais em seus respectivos retos!

      Negócios, senhores!
      São só negócios de espertalhões gerenciando loucos.

      Fuja deles!

  87. Roberto disse:

    JRP,

    O que terreiro têm a ver com espiritismo? Ignoras por demais este assunto. Para que opinar tanto sobre um assunto no qual não te matriculaste nem no jardim de infância?

    E porque ficar acusando, abominando as práticas pecuniárias das religiões?

    Os promotores da deturpação dos ensinamentos espirituais são iguais a ti JRP que tiraste o teu sustento da escravização lastimável à que se entregam todos àqueles que consomem a pornografia tornando-se dependentes do sexo em desalinho.

    Por acaso tu achas que fazes menos mal do que padres pedófilos? Quem sabe quantos padres caíram nas armadilhas do desequilíbrio sexual lendo alguma das tuas revistinhas? Não percebes o quanto podes estar envolvido nisto?

    Alguma vez tiveste notícia de Chico Xavier fazendo obra semelhante à tua, JRP?

    Você, provavelmente, não têm noção do tamanho do mal que cometeste. Assim como os padres, procurou atender aos teus interesses imediatos, deu vazão à tua imaginação adoecida e achou que ia ficar tudo certo. Felizes daqueles que já se encontraram com a consequência dos seus desatinos. Infeliz de ti que está se considerando indene à lei Divina.

    COMO apontar, acusar, jogar pedras sob os erros dos padres, dos bispos, de qualquer mau religioso se somos tão falhos, tão equivocados à nosso turno? Temos que tratar de nos melhorarmos à nós próprios em primeiro lugar para depois apontar o erro do próximo.

    Se um cético não quer acreditar em espíritos, em Deus, em Jesus, mas agir no bem respeitando o seu semelhante ele será muitíssimo mais aquinhoado do que um religioso hipócrita, viciado e manipulador. Tu não percebe que tu não te enquadra no perfil dos bemfeitores da humanidade? Seja cético como a mulher do vídeo do teu blog que serás feliz.

    O trabalho de materializações, assim como as curas efetuadas por Jesus Cristo, não têm utilidade nenhuma se não modificar moralmente quêm presencia tal fenômeno. Por isso que Jesus dizia para o beneficiado: “Vá e não tornes a pecar, para que não te aconteça coisa pior…”.

    Você é uma pessoa muito doente JRP pois está totamente cego, e és um cego que teima em não querer ver.

    Você não respeita nada nem ninguém, só o teu revólver Taurus de 7 balas.

    Pena que você não tenha este PINGO de bom senso para calar, refletir com calma, com racionalidade, pois nestes casos o que poderá ocorrer é um evento muito traumático para te tentar te tirar deste marasmo, desta cegueira, deste materialismo bárbaro.

    Vou orar por ti seu casca grossa, bandoleiro revoltado, tinhoso raivoso, vou orar porque quer tu queira, quer não queira, no momento que começamos a escrever aqui, que trocamos postagens, mesmo as mais desaforadas, criamos um vínculo mais ou menos forte. Tudo o que fazemos têm um reflexo, uma efeito bom ou ruim, e não é por nada que você está despejando texto atrás de texto nos assuntos de espiritualismo, pois isto parece-me um desespero atroz que te consome pois, se esta lenga-lenga de vida depois da morte, de comunicação de espíritos, de Deus, de Jesus, for verdade, tu teme teu destino. Pode falar que tu vai para o inferno, mas veja que você fala e na mesma frase diz que “não existe”, ou seja, tu quer te convencer que não existe, que não temes, mas tá ficando difícil, não é?

    Se tu não procurar te ajudar vais ficar neste vazio que te leva à agressividade, ao ódio. Quanto mais alto no nosso orgulho, subimos, mais estrondoso será o tombo. Não subas tanto sem olhar os avisos que te rodeiam.

    Mas é o seguinte: Não devo mais me manifestar também para ti. Já escrevi um monte de coisas e para não ficar repetitivo e chato vou abandonar também este grupo de postagens.

    Sê feliz meu caro alucinado feroz. Se por acaso te apertar um dia, lembra-te de Jesus meu velho, lembra dele que ele não esquece de ninguém.

  88. J.R.Pereira disse:

    O espírita é uma tragédia mesmo: ele precisa sempre se basear em formações, medalhinhas, flâmulas, “estudo”.
    Só lhe vale quem estudou o que ELE acha que é o correto.
    Ou seja, é um evangélico irracional, só faz pose de moderninho…

    No meu caso, meu pai era espírita. Ele frequentava a Federação Espírita quando era um prédio baixo e simples, no Viaduto Maria Paula. Depois montaram um prédio na rua Santo Amaro, com saída para a Rua Japurá… Onde morei por mais de 30 anos.
    Hoje a Federação tem um prédio novo na rua Maria Paula, cheio de pose e pompa, mas me lembro das sessões de “passes magnéticos” que aconteciam em sua sede.

    Ao mesmo tempo, meu padrinho era do catimbó e minha mãe era umbandista.

    Portanto, eu estava no orificio retal da macumbaria brasileira: meu pai tinha tudo de Kardec e de Chico Xavier, minha mãe tinha tudo de Zélio de Morais e Matta$Silva e meu padrinho tinha…
    Tinha as mirongas, berundangas e sapirangas dele.

    Nos três haviam “incorporações”. Pois a umbanda veio do espiritismo (pois os espíritas renegavam os pretos velhos EXATAMENTE por serem pretos, pois Kardec era racista), e o catimbó já tinha seus “mestres”.

    Mas só quando eu viajei ao Japão a trabalho (dai jobu ka, mori-sama?) é que conheci um monge que me mostrou o que é um homem religioso: ele vivia na mendicância.
    Sempre limpo e asseado, caminhava pelo país pregando o Dharma, dando seus ensinamentos a quem quisesse, aconselhando quem precisasse.

    NUNCA pedia NADA! Dormia ao relento ou na casa de quem o recebesse, comia o que lhe davam, as vezes pernoitava em templos.
    Não pedia nada, não cobrava nada.

    Sem palestras, sem magia, sem livrinhos, sem nada, sem espadas, sem filmes de sucesso.
    Só ele e o Dharma.

    Conversei com ele algumas vezes e fiquei impressionado com seu eruditismo, pois faava inglês fluentemente, mais espanhol e alemão. Já havia andado pelo mundo, completamente desapegado, sem nenhum bem material.
    Fora suas roupas, seu manto, sua esteira e duas conchas: uma para as esmolas, outra para comer.

    NENHUM católico, evangélico ou principalmente espírita largaria TUDO para sair pelo mundo pregando a Palavra daquilo que ele acredita.

    Ele pode estar errado, pode ser louco, não importa. Mas ele não ficava parado feito um imbecil, falando com o ar, brincando de ser “telefone de uma linha só”.

    ESSE foi o ÚNICO religioso que conheci que REALMENTE seguia o que acreditava, com total e absoluta abnegação e dedicação.

    Aqui, os espíritas precisam dessas farsas, dessas velhotas travestidas de Gasparzinhos ou de livrinhos imbecis escritos por racistas para se sentirem o que?

    SU-PE-RI-O-RES!
    EXCLUSIVOS!
    Ou lamentadores da ignorância alheia.

    Todo aquele religioso chacal, covarde, com o rei na barriga, ignorante e entupido de soberba, deveria ser como este monge: largue tudo e siga seu mestre.

    Mas fica em casa, no conforto da caminha, gastando dinheiro em livrinhos ordinários e, pior, JUSTIFICANDO a demência alheia DESDE QUE se faça parte dessa legião de dementes…

    Sinto muito, mas isso não é fé.
    É interesse próprio, puro e deslavado.

    Por isso eu sou ateu.
    Não quero estar junto de bandidos, loucos, dementes e idiotas.

    Mas, se eu não fosse ateu, se tivesse um pingo de fé em meu coração, eu seria qual esse monge: eu e meu Dharma.
    Com mais nada.

    Orar é não fazer nada e achar que faz algo.

    Quer me ajudar?
    Me dê 100 reais.
    Meu email está ali.

  89. Roberto disse:

    JRP,

    O ermitão que conheceste não está ajudando tanto quanto poderia ajuda. Fugir da vida em sociedade, fugir do trabalho honesto e profícuo, depender da caridade alheia, viver como um mendigo não mostra grande virtude como tu enumeras.

    Já que admites o desprendimento dos bens materias e a humildade como apanágios de um homem de bem, deverias considerar Gandi como um exemplo mais corajoso e mais verdadeiro. Gandi vestia-se de um pano enrolado ao corpo mas trabalhava meu caro, trabalhava pois o trabalho é uma obrigação de todos. Ganhar o seu sustento pelo suor do rosto, pelo enfrentamento das refregas do mundo, pelas lutas que promovem o autoburilamento, eis aí a atividade nobilitante.

    Chico Xavier trabalhou até que seu corpo permitiu. Por favor, não venha negar isto pois será desonestidade da tua parte. Trabalhou e muito, multiplicadas vezes mais do que o guru que encontraste no Japão. Trabalhou como funcionário público de dia até se aposentar, e por toda a vida teve a companhia do trabalho dia e noite.

    Madre Teresa de Calcutá trabalhava, trabalhava e trabalhava, como todo o cristão verdadeiro que segue o ensinamento de Jesus quando aponta que “o Pai trabalha sem cessar e assim também o faço”.

    O que acontece com o teu guru Japonês, culto, muito culto decerto, mas também muito preguiçoso, muito orgulhoso do seu saber, é uma fuga das contingências do viver. Não, não. Trabalho sim, ser um parasita social que não aceita as bençãos do trabalho, que prefere o palco fácil dos místicos, dos pseudo religosos com pose de iluminados, fora do contexto do mundo, não, não, não.

    Me apresente um dito religioso que não se devota ao trabalho como qualquer um, que quer viver do culto à sua personalidade, ao seu saber espiritual, que te digo: não é um verdadeiro religioso.

    Você conviveu com teus familiares espiritualistas uns, espiritistas outros, e por um motivo que desconheço te rebelastes contra a trajetória deles. Algo errado há nesta tua história de vida pois percebe-se o quanto desconheces do espiritismo. Misturas alhos com bugalhos. Mentistes que houvera lido Há Dois Mil Anos, te equivocas quanto afirmas que a Umbanda vêm do espiritismo posto que era uma prática religiosa oriunda dos irmãos africanos que trouxeram sua fé consigo embora as agruras e sofrimentos do tráfico de escravos, portanto, muito antes de Kardec ter codificado a Doutrina Espírita há pouco mais de 150 anos.

    Mas se teu pai e tua mãe eram espíritas e não conseguiram sensibilizar-te sobre estas coisas, quem sou eu para tentar fazê-lo? Seria muita pretensão da minha parte mesmo. Sê ateu, como queira, e seja feliz, assim o espero sinceramente.

    • Sergio disse:

      ô JRP,( rsrsrs ), agora o Robertão te pegou!
      Quando vc falou do tal Ermitão eu já previa a resposta do Robertão. Esse negócio de não fazer nada e achar que faz demais esta bem falado no ‘Livro dos Espíritos’. Foi um vacilo grande seu. Vc tava indo bem…

      Lê logo esse ‘Livro dos Espiritos’ e para de frescura! como vai discutir sem ler o tal livro, JRP? rsrsrsrs. O Roberto acaba com vc assim…

    • J.R.Pereira disse:

      Cara!
      De gente louca a gente só se tem loucura.
      Os espíritas são loucos, assim como a maioria dos religiosos.
      São pessoas que no mínimo flertam com a loucura porque só um doente mental, doido varrido mesmo, alienado lascado, pode achar que um ser invisível, um fantasma, “desencarnado”, etc, vai se comunicar com os vivos.
      Isso é de um absurdo tão grande, mas tão medonho, que só pode ser loucura mesmo.

      Porque neguinho teima, bate o pé, diz que tem, mas quando se passa as coisas deles pelo crivo da Ciência séria, objetiva e SÃ…
      Vai tudo pro ralo.

      Eu sei lá que p(*) o Chico Xavier fez da vida dele. Azar dele, problema dele, não tenho vocação de mariquinha fofoqueira ou de fanzoca seguidora de doido.
      Eu só vejo essas fotos aí da matéria e concluo, com precisão, que o sujeito ou era um estelionatário de marca maior…
      Ou um doente mental qualquer.

      Porque achar que essa tramóia aí é real? Que houve mesmo “materialização”???

      Ah, para, ô!

      Se essa treta realmente tivesse acontecido, era questão de levar na ONU! Apresentar o fantasma na cara do Penn&Teller e acabar com eles!
      Era questão de renovar todo o pensamento da humanidade, seria a revolução suprema da história do mundo…

      Só que É FAAARSAAAAAA!
      É LOOOROOOOTAAAAAAAA!

      Mas vai dizer isso pros fanáticos religiosos.
      Fanático é louco e de louco só se tem loucura, mermão.

      E corrija aí, ô ignorante: eu não encontrei um guru.
      Encontrei um monge.
      Um monje zen-budista que viva de e para o Dharma.
      Que vivia na rua, no relento, abdicando de peruquinha, livro, povo ao redor ou fãs que nem fazia o Chico Xavier.

      O monge ficava na dele, sozinho, silencioso, para que AS PESSOAS FOSSEM ATÉ ELE! E não o contrário.

      ISSO sim é o correto, sem propaganda, sem macaquinhos amestrados, sem potencializar os doentes mentais feito vocês.

      A umbanda vem do espiritismo, mané! Vai lá ver o Zélio de Morais!
      Você não é o tal que manda os outros irem estudar?
      ENTÃO VAI ESTUDAR, ignorante!
      A história é essa, se você não sabe, aprenda!
      E nunca existiu aquele romano lá do livro do camarada!
      ESTUDA, FILHO DUM TRONCO!

      Não tem nada de errado na minha “trajetória”: eu saí da mentira religiosa.
      A mesma que te faz acreditar nesses Gasparzinhos mutretados do Chico Xavier e que te faz descartar o racismo do Denizar Rivail.

      Repito: de gente louca só vem loucura.
      E vocês, espíritas, são aspirantes a loucos.

      Internem-se.
      E parem de levar adiante esse câncer mental!

  90. antonio disse:

    Calma Mori, são apenas opiniões de seus proprios leitores. É claro que alguns não iriam se deixar levar pelas ‘acusações’ sim que voce faz nas entrelinhas da sua ‘dita’ pesquisa. O resultado é que depois da manifestação da Sonia voce continua nos devendo a tréplica devida ou as suas desculpas. Vai me perdoar, mas suas explicações de que não tem tempo somente faz reforçar a idéia que tenho que voce foi pego de ‘calça curta’ e despreparado para contra argumentar, haja visto que voce está sempre a emitir opiniões e até tomando partido desse exibicionista (Jr qualquer coisa ruim) durante esse periodo todo.
    Não se contrarie, são coisas da vida esses tropêços, na verdade eles existem apenas para voce tomar mais cuidado da próxima vez. Só para ficar claro, não estou tomando partido de qualquer religião ou seita, pois sou ateu.

  91. Roberto disse:

    JRP,

    Umbanda veio do Espiritismo??!! Que bicho biruta tu és Zé.
    Qualquer merreca de teclada no google, para ser mais prático, te mostra qual a origem da umbanda. Escreve assim ó: “origem da umbanda”, ou “história da umbanda”, pronto, aparece uma porção de informações que tu ignoras, dos próprios umbandistas.

    Como é que tu pode ser tão cara de pau velhinho? Primeiro o caso do Públio Lêntulus ser governador da Judéia, depois mentir dizendo que leu o livro Há Dois Mil Anos, agora dizer que conhece a umbanda, depois que o mendigo vagal lá do Japão é o cara, o religioso modelo que não pede nada para ninguém mas têm uma cumbuca para esmolar…!
    O JLP, tu bebe?
    És um velinho maconheiro viajandão? Queria ter ido para Woodstock junto com o Sirgay e não tinha grana para a viagem? Tu abraça e faz sexo com árvore também?
    Ou tu bateu a cabeça?

    Quem te entende criatura?

    Mas já falei antes: já vou tarde, estou de saída do bate papo. Obrigado pelo tempo dedicado para me esculhambar e principalmente, ao Chico Xavier. Foi muito legal viu. Só não me procura com tua Taurus de 7 Balas porque se tu me matar, me abrir as vísceras na avenida paulista, como tu falaste antes, eu te garanto que venho te assombrar beliscando a bereba do teu pé (muito sábia ela, como afirmastes também). Talvez a bereba do teu pé seja mais tolerante e pacífica do que o dono dela.

    Valeu Senhor José Roberto Pereira, fique com Deus, fique com Jesus pois acho que só eles que te aguentam.

    Eu, te larguei seu perebento (no RS dizemos pereba e não bereba). O pessoal do hospício aqui onde moro está apagando a luz e desligando o wireless pois acabou a festa da locaiada toda.

    Tchau, juízo e te endireita homem!

    • J.R.Pereira disse:

      A única maconha que fumei foi a que vocême vendeu, cara.
      Mas espírita é isso aí, senhores.
      Vejam o exemplo e não se enganem.

    • J.R.Pereira disse:

      Não tem jeito, espírita é o evangélico da burguesia: botou um pretinho no meio e, qual seu “mestre” Kardec, ele trata de colocar pra fora.
      Porque o espirita, além de negar os fatos, além de negar a verdade, além de ser cego, surdo e burro…
      É racista.
      Como é que você vai dialogar com essa gente?
      Um sujeito que acredita em fantasminha, em mulher vestida de pano branco e que vira “espírito de luz”?
      De loucos só vem loucura.

      O pior é que tem muita gente que compra essa lotora.
      Gente sem cultura, sem pensamento independente, desesperada, louca e sem noção…

      Sem esquecer esses sequiosos pelo poder, mas sempre um poder de mentirinha.

      Vá lá pro seu hospício, maluco!
      Volte para as masmorras da ilusão!
      Seu destino é viver na ilusão e morrer burro!

      Que morra, pois!
      Mas ó!
      Não existe pós-vida!
      E quando chegar o momento da sua última expiração, quando você estiver com o tubo enfiado pela garganta (e outros lugares mais incômodos), não vai adiantar chamar por jesus ou o diabo!

      TU VAI MORRER, MANO!
      Mas o pior é ter vivido na ilusão, pagando pau pros Gasparzinhos e dando dinheiro pra estelionatário da fé.

      Isso sim é coisa triste!

  92. J.R.Pereira disse:

    Percebam, senhores, que nenhum espírita aqui presente disse o que achava, de maneira direta e precisa, das tais fotos da matéria.
    Isso eles não comentam.
    Nenhum nega ou confirma a falcatrua.
    Pois contra fatos não há argumentos.
    E pra provar que eles são um bando de ignorantes sobre qualquer coisa além de sua esfera ridícula de delírios, tomo a liberdade de apontar um texto que mostra como a Umbanda se originou no Brasil:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Z%C3%A9lio_Fernandino_de_Morais
    Ou seja, essa gente, além de louca, é desinformada.
    São esses os seguidores de Chico Xavier.
    Exemplo clássico do grande malefício que é o espiritismo e de que maneira ele embota a mente de uns e outros.
    Por isso louvo e enalteço a atitude deste site que, de maneira corajosa e serena, desmonta a farsa que foi Chico Xavier.
    Kanpai, Mori-sama
    Kanpai!

  93. Roberto disse:

    JRP,

    Eu vou sair daqui mas não sem contestar este teu novo erro.

    O assunto nem era umbanda, mas como tu disse que ela vinha do espiritismo, o que não é verdade, vou usar O TEU PRÓPRIO LINK DA WIKIPÉDIA para corrigir este teu novo erro.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Origem_da_Umbanda , ali, na mesma página que tu informaste, é só clicar e ler com atenção.

    Leia ali, por exemplo, que:

    “Formas variadas da Umbanda

    A incorporação de guias também ocorreu em outras religiões como no Candomblé de Caboclos ( desde de 1865 – as primeiras manifestações de Caboclos, Boiadeiros, Marinheiros, Crianças e Pretos-velhos aconteceram dentro do Candomblé de Caboclos ), no Catimbó e em centros Espíritas (onde não eram aceitos e, muitas vezes, expulsos ou pedidos a se retirar, por serem vistos como espíritos não evoluídos, ou mesmo, como obsessores).

    Uma das versões mais aceitas popularmente, mas não cientificamente, pois não existe documentação da época para corroborá-la, é a sobre o médium Zélio Fernandino de Moraes.

    Diz essa versão que Zélio, em 15 de novembro de 1908, acometido de doença misteriosa…”

    Ou seja, a origem da umbanda é a prática dos escravos africanos, muito antes de Zélio ter aparecido na história.

    Antes de escrever sobre a umbanda, te corrigindo JRP, eu procurei no google para ter outra fonte de informação que não fossem as referências que encontrei em alguns livros espíritas. Eu sabia do que eu estava falando, ao contrário de ti que fala do que não sabe, apressado que és, o que te leva a se enrolar nas tuas próprias palavras.

    Como a comunicabilidade dos encarnados com os desencarnados SEMPRE ACONTECEU, em TODA A HISTÓRIA DA HUMANIDADE, as pitonisas do Endor (presentes no próprio antigo testamento), os Hierofantes egípcios, a proibição de Moises de que se consultassem os mortos (não proibiria àquilo que não existe), o próprio Moises psicografando o primeiro livro (o decálogo, os 10 mandamentos, etc, eram médiuns, simples assim, portanto, NÃO FOI O ESPIRITISMO QUE CRIOU A COMUNICAÇÃO COM OS MORTOS, posto que ela sempre foi praticada desde os primórdios.

    E se tu ficaste com alguma dúvida sobre minha opinião quanto às materializações em que Chico Xavier esteve presente, afirmo categoricamente que SÃO ABSOLUTAMENTE VERDADEIRAS, que SIM, IRMÃ JOSEFA MATERIALIZOU-SE UTILIZANDO O ECTOPLASMA DA MÉDIUM OTÍLIA, que isto já ACONTECEU INÚMERAS VEZES desde o início da doutrina Espírita com o intuito de chamar a atenção para a inegável continuidade da vida após a morte.

    Os laudos policiais realizados após estas materializações ATESTAM a veracidade do material comprobatório, ou seja, além dos testemunhos de mais de 25 pessoas presentes no local com seus depoimentos (inclusives dos detratores que depois negaram o que viram, covardemente, argentariamente) existem as fotografia tiradas em abundância que não foram adulteradas e isto o laudo comprova.

    Agora, para encerrar, eu tive contato com o espiritismo na primeira vez quando já tinha 26 anos de idade. Para mim, espiritismo era coisa de macumbeiro, de saravá meu pai, enfim, não sabia bulhufas sobre o assunto, apenas o que me chegava ao ouvido aqui e ali e sempre de forma jocosa. Quando li o primeiro livro começaram as questões que eu buscava respostas e mais respostas em outros livros, aí cheguei ao Livro dos Espíritos, rico em perguntas e respostas.

    Não preciser ter visto nenhuma materialização para ter racionalizado a lógica de tudo o que lia. Finalmente eu podia crer por conta da razão e não por que algum dogma incontestável sob pena de ir para o inferno dissera, não porque é assim e deu, fique quieto. Foi a libertação da ignorância que me avassalava.

    Depois disto tive ocasião de sentir EU PRÓPRIO a presença de espíritos controlando meu braço quando fiz exercícios de psicografia. Neste exercício, repetido algumas poucas vezes, senti meu braço amortecer (como quando dormimos sobre ele) e vi-o sendo AFASTADO do papel depois de ter DERRUBADO a caneta. Repeti o experimento em seguida e o mesmo aconteceu, então, conclui que não deveria prosseguir por alguma razão que desconhecia, talvez porque é preciso estudar bastante e estar melhor preparado para tais tarefas.

    Tive em outras duas oportunidades, de forma inesperada, a manifestação espiritual através de fenômenos físicos presenciados por toda a minha família quando nasceu meu segundo filho e o meu sexto filho.

    Não importa se você ou quem lê aqui vá acreditar ou não. Isto não interessa amigo. Interessa você saber PORQUE que tendo nascido em lar espírita ou espiritualista você não aprendeu estas coisas, e se não aprendeu, PORQUE menoscabar algo que transcende a tua mísera existência, que ocorre desde sempre e que teve a organização filosófica, moral, prática e religiosa exaradas na Doutrina Espírita.

    Quando Tomé não acreditou que fosse Jesus quem lhe aparecia, à sua frente, após a crucificação, e quiz tocar nas feridas de suas mãos, Jesus disse que seriam felizes aqueles que creram e não viram, pois ele precisou tocar para crer.

    Tu poderá ter visto e não acreditado. Tu pode ver estas fotos e tirar conclusões apressadíssimas, baseado apenas naquilo que tu quer acreditar e não naquilo que seja real mesmo.

    Tu mentes em tuas afirmações tentando distorcer a verdade até em pequenas coisas como neste caso da origem da umbanda. Você é um argumentador desonesto JRP, mas principalmente, desonesto contigo mesmo posto que tiveste mais condições de acreditar do que a imensa maioria das pessoas.

    Fique agora falando sozinho. As pessoas com bom senso, com critério, com sincero interesse em elucidar estas questões deverão procurar por si mesmas alguma resposta caso elas tenham alguma pergunta, e as tuas várias manifestações aqui servirão mais para despertar o interesse em descobrir algo do que para desistimular isto. Não basta você repetir a todo o momento que espírita é louco, louco, louco. Parece rezador que senta e levanta nos bancos das igrejas repetindo o que está escrito em folhinhas sem raciocinar, sem absorver o significado do que diz e faz.

    Fique com Deus meu irmão.

    • J.R.Pereira disse:

      Nome do texto: Origem da Umbanda.
      Origem.
      Da Umbanda.
      Pois é.
      Ali le-se:

      “Diz essa versão que Zélio, em 15 de novembro de 1908, acometido de doença misteriosa, teria sido levado a Federação Espírita de Niterói e, em determinado momento dos trabalhos da sessão Espírita manifestaram-se em Zélio espíritos que diziam ser de índio e escravo. O dirigente da Mesa pediu que se retirassem, por acreditar que não passavam de espíritos atrasados (sem doutrina). Mais tarde, naquela noite, os espíritos se nomearam como Caboclo das Sete Encruzilhadas e Pai Antônio.”

      Aqui se percebe que os espíritas RENEGARAM Zelio pois “baixaram” PRETOS! Se fossem BRANCOS europeus, lindos e arianos, tudo bem, chegaram os mestres de luz!
      Mas PRETO e ÍNDIOS? De jeito nenhum, rua com eles!
      Preto fede e índio é lixo. A luz só pode estar com os brancos, conforme disse Kardek.

      Sórdido e nojento, mas verdadeiro.

      Em seguida…

      “Devido a hostilidade e a forma como foram tratados (como espíritos atrasados por se manifestarem como índio e um negro escravo). Essas entidades resolveram iniciar uma nova forma de culto, em que qualquer espírito pudesse trabalhar.

      No dia seguinte, dia 16 de novembro, as entidades começaram a atender na residência de Zélio todos àqueles que necessitavam, e, posteriormente, fundaram a Tenda espírita Nossa Senhora da Piedade.”

      Ou seja, expulso do espiritismo, Zelio formou seu terreiro (ou casa espiritual, como queiram).
      Era uma franquia derivativa do espiritismo, portanto! ;-)

      Agora vem o interessante:

      “Essa nova forma de religião inicialmente foi chamada de Alabanda, mas acabou tomando o nome de UMBANDA. Uma religião sem preconceitos que acolheria a todos que a procurassem: encarnados e desencarnados, em todas bandas.

      Zélio foi o precursor de um “trabalho Umbandista Básico (…)”

      Ora, se o texto afirma que Zelio foi expulso do espiritismo por “incorporar” pretos e índios, raças que Kardek rejeitava por ser RACISTA, em seguida ele montando seu próprio segmento religioso…

      Que se chamou primeiro de Alabanda e depois Umbanda…

      Como negar os fatos?

      Como negar a fraude das fotos da irmã Josefa? Não tem como.

      Mas os espíritas, os evangélicos da burguesia, descartam a verdade e abraçam o desespero.

      É o velho esquema: quando flagrados no erro, desesperam-se e alegam que “sempre existiu isso, que o mundo tinha antes, que bla, bla, bla.”

      Já os fatos, não importam. O que vale é a defesa alucinada de sua própria fé.

      Enfim, senhores, eu sou ateu.
      Sou cético.
      Mas não sou burro e nem cego.
      Sei que existem Mistérios no mundo.
      OVNIs por exemplo.
      Sei que existem fenômenos paranormais. Já vi vários.

      Mas POBRE DAQUELE que OUSAR dar explicação que não seja Científica.
      Se botar a fé no meio, inevitavelmente vai puxar a intolerância, a intransigência, a demência.

      A tal ponto que começará a manifestar delírios psicóticos ou manifestações histéricas como ouvir vozes, ver vultos….
      E psicografia.

      Pobre, pobre do infeliz que precisa de mais loucura para se achar são!

  94. Raphael Porto disse:

    Algum cético concorda que alguns céticos aqui falam muita bobagem?

    • J.R.Pereira disse:

      Pronto!
      Taí a comprovação da farsa.
      Por isso que os estelionatários da fé deixaram de lado esses “fenômenos”.
      Agora eles ficam na parte do lero-lero, o xaveco sobre almas, espíritos e demais delírios.
      E tem maluco que confirma que “meu braço se mexia sozinho”!
      Você veja o tamanho do estrago que o espiritismo fez no Brasil.
      Nem lavando com Cândida e Creolina tem como limpar essa tragédia!

      • Roberto disse:

        JRP,

        Tu não tomas jeito em criatura!

        Acabou de receber um link com isonomia e imparcialidade, expondo como ocorreram os fenômenos, qual a versão que os reporteres contaram na revista e qual foi a opinião deles logo após o acontecimento.

        Provavelmente nem leste o artigo, nem ao menos isto tu fizeste antes de dizer que este artigo é a prova da “farsa”.

        Você está ficando descontrolado, diz coisas sem sentido, tenta num desespero preocupante dar veracidade nos teus desarrazoados, tenta induzir as pessoas que porventura estejam lendo que tu têns a última palavra, que provou, que arrumou provas, que pronto, que viu só, que é tudo maluco, que é louco, que blá-blá-blá e blá-blá-blá.

        Pelo menos LEIA senhor, LEIA o que está escrito antes de te posicionar. Estás tão ansioso que tomaste como apóio ao que acreditas uma postagem do Willian X que mostra exatamente o contrário do que tu afirmas.

        Deve haver alguma outra comprovação da farsa um pouco melhorzinha porque esta aí está pior para ti do que a outra que tu colocou sobre a origem da umbanda. Quanto mais tu tenta, mais tu te encrenca.

        Minha sugestão é ires estudar o Livro dos Espíritos, e depois vêm conversar e externar verditos condenatórios.

        A tua abobrinha de Kardec ser racista é mais uma pérola. Pede para, por exemplo, o médium Raul Teixeira, professor de física de uma universidade do Rio de Janeiro, negro, se ele já viu alguma coisa destas tolices de racismo, vais visitar a assistência social do ilustríssimo médium Divaldo Pereira Franco e contar quantos negros, mestiços ou pardos estão sendo atendidos diariamente (mais de 3000 crianças).
        Vá procurar identificar qual a percentagem de negros, mestiços, pardo que eram atendido pelo médium Chico Xavier durante um único dia de atendimento, de entrega de alimentos, dinheiro, etc…

        A questão é simplificada quando tu analisares o resultado da prática do cristianismo, do espiritismo, ou de qualquer crença que promova a caridade, o amor ao próximo, o perdão das ofensas, etc., em comparação com o resultado de uma vida como a sua, recheado da impropérios, de mentiras, de calúnias, de descontrole emocional que defende a morte dos religiosos todos pelas tuas próprias mãos, de divulgação da pornografia através de revistas periódicas, enfim, olhe o rastro que tu estas deixando por detraz de teus passos e olhe o que ficou na trajetória destes médiuns que tu tanto queres atacar.

        Puxa JRP, te orienta meu velho. Tá ficando complicada a tua situação.

      • Mori disse:

        Não estou lendo todos os comentários, mas se o “isonomia e imparcialidade” se refere ao blog do William, ele até agora não permite comentários nem faz referências às fontes que critica, até onde pude ver. Odeio este argumento, mas sou obrigado a perguntar: tem-se medo de algo?
        Aqui até de criminoso fui classificado, e permito a divulgação do blog que não faz a referência recíproca do William. É um “CeticismoAberto”, ou pelo menos, é a intenção.

      • Roberto disse:

        Oh!

        Isonomia e Imparcialidade significa que o Willian X teve a dignidade de apontar as duas versões sobre o fato das materializações de Irmã Josefa.
        O leitor terá as duas fontes, a opinião da revista O Cruzeiro e a de Jorge Rizzini.

        A tua postura é: “Vejam só, que ridículo, fantasminha, olhem que farsa, olhem o fulano disse isso e mais isso, …”

        E como é importante para ti que digam que a referência é o teu blog. Buscas por acessos custe o que custar.

        Não precisas acreditar em espíritos, materializações, etc…, apenas seja fidedígno aos fatos narrando todo a história, posicionando no tempo quando Otília foi pega em fraude, sem a presença do Chico Xavier, e quando ocorreu a materialização autêntica presenciada por mais de 25 pessoas, registrada em películas (não adulteradas conforme laudo policial), e não induzindo escancaradamente às pessoas a comprarem a tua interpretação de fatos aos quais não estavas presentes, nem tinhas nascido, nunca estudastes francamente, e por tudo isto, não compreendes.

        Tenha um pouco de respeito e contraponha o laudo policial. Os leitores estão esperando. Mas não venha com denúncias vazias como faz o perturbado JRP, venha com provas, com fatos, com lógica.

      • J.R.Pereira disse:

        Quer dizer que as fotos aí da matéria são denúncias vazias?
        Uma estelionatária fazendo pose de fantasma, sendo segura pelas mãos do “mestre” Chico Xavier é uma denúncia vazia?
        E aí?
        Ninguém vai comentar se é ou não estelionato a parada?
        Ou se realmente acredita que ali havia um espírito de luz materializado?
        Tá com medo de passar vergonha, mano?
        Confirma aí o que você acha que rolou e pare de fazer beicinho!

      • J.R.Pereira disse:

        Esperem um pouco.
        Isonomia?
        Imparcialidade?
        QUALÉ????
        Eu não sei quanto a vocês mas eu não sou um cientista.
        Nem político, nem estou aqui como jornalista.
        Portanto, não tenho a menor obrigação de ter isonomia e imparcialidade já que não me coloco na condição de provar COISA NENHUMA!
        Porque o ônus da prova não é meu!
        É dos espíritas, os que seguem e professam essa palhaçada toda!
        Se alguém tivesse aberto um tópico sobre meu livros, meus atos ou minha crença pessoal (sim, eu tenho), aí eu me defenderia bonitinho.
        Mas pô!
        A religião não é minha, a fraude não ocorreu no meu pedaço e nem meu “mestre” foi flagrado na mutreta!
        Então eu me sinto completamente a vontade pra soltar a gravata e CASCALHAR DE RIR com essas exigências de mariquinha!
        Agora vem essa conversinha de que a estelionatária aí foi pega na fraude LONGE do Chico…
        Ah, qualé, mermão???
        O camarada faz pose do lado de uma velhota fantasiada de Gasparzinho, faz pose em foto ao lado de outro estelionatário que solta algodão do nariz e EU é que tenho que ser…
        Cara!
        É muita prepotência!

        Aí vem a demência: eu não acredito em religiões. Sou ateu convicto e de carteirinha. E sei que não existem fantasmas, reencarnação, e que Chico Xavier é uma fraude.
        FRAAAAUDEEEEEEE!
        Olha a foto aí, mermão!
        Vai negar isso?
        Repito: FRAAAAUDEEEE!
        “Ah, mas ele ajudou tanta gente que…”
        FRAAAUDEEEEEE!
        “Ah, mas tem a caridade que…”
        FRAUDE!
        Mas aí o outro lá acredita em fantasmas, acredita em comunicação com os mortos, acredita em materializações, acha que existe vida após a morte…

        E o perturbado SOU EU???
        Tão tá, maluco!

  95. J.R.Pereira disse:

    (Allan Kardec, A Gênese, pg. 187).

    “O progresso não foi, pois, uniforme em toda a espécie humana; as raças mais inteligentes naturalmente progrediram mais que as outras, sem contar que os Espíritos, recentemente nascidos na vida espiritual, vindo a se encarnar sobre a Terra desde que chegaram em primeiro lugar, tornam mais sensíveis a diferença do progresso(sic!). Com efeito, seria impossível atribuir a mesma antiguidade de criação aos selvagens que mal se distinguem dos macacos, que aos chineses, e ainda menos aos europeus civilizados”

    Outra.
    Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Instituto de Difusão Espírita, Araras, São Paulo, sem data, capítulo V, pg. 127:

    “Em relação à sexta questão, dir-se-á, sem dúvida, que o Hotentote é de uma raça inferior; então, perguntaremos se o Hotentote é um homem ou não. Se é um homem, por que Deus o fez, e à sua raça, deserdado dos privilégios concedidos à raça caucásica? Se não é um homem, porque procurar fazê-lo cristão ?”

    Por fim:

    Allan Kardec, O que é o Espiritismo, Edição da Federação Espírita Brasileira, Brasília, 32a edição, sem data, pgs. 206-207:

    “Um chinês, por exemplo, que progredisse suficientemente e não encontrasse na sua raça um meio correspondente ao grau que atingiu, encarnará entre um povo mais adiantado”.

    Aí está a “eugenia espiritual” promovida pelo farsante que usava a alcunha de Allan Kardec e que se refletiu novamente quando Zélio de Morais, alegando estar “incorporado” por um espírito de um negro, foi expulso do espiritismo e, depois, fundou a Umbanda.

    Mas nãããããão! Nada disso aconteceu!

    Mas há uma diferença entre Chico Xavier e os espíritas: o Chico seguia a loucura DELE! Ele destrambelhava com as coisas dele, sendo que os espíritas em geral se apossavam do dito cujo como garoto-propaganda.

    Obviamente o lance da irmã josefa foi uma fraude das mais ordinárias, coisa que nenhuma pessoa séria levaria em consideração.
    A revista eu entendo porque eles queriam faturar com a ignorância alheia.
    Mas o PODEROSO Chico Xavier, que recebia entidades da mais elevada luz, da mais poderosa emanação divina, se deixar embrulhar por uma falcatrua absurda e grosseira desse tipo?

    Ou ele foi engambelado pela patotinha de estelionatários…
    Ou era conivente com a arapuca.

    De qualquer forma, uma pessoa assim, JAMAIS deveria ser guia e mestre da alma de quem quer que seja.
    Pois é INADMISSÍVEL que qualquer um que não seja 100% íntegro venha a bancar o guia espiritual dos outros.

    “Ah, mas ele trouxe paz pra tanta gente, fez tanta coisa boa…”

    Ainda assim era pilantra e que TUDO que é fundamentado no lixo, um dia explode e desaba, como acabamos de ver no Rio de Janeiro.

    Por isso que é impossível negar que o fundamento do espiritismo é o racismo, da mesma forma que a bíblia vê com bons olhos a escravidão de mulheres, cobras e cabras que falam e oferendas de hemorróidas.

    É a velha questão de cada um ver o que interessa e negar o que não interessa, buscando não a Verdade dos fatos…
    Mas só aquilo que lhe convém.

    Podem ajudar um bilhão de pessoas, ainda assim o espiritismo é podre e Chico Xavier é uma farsa.
    Pois um bilhão de coisas boas vão pro esgoto quando apenas uma falcatrua é exposta.

    Ah sim, eu vou pedir pra “médium” criticar o espiritismo!
    É a mesma coisa que pastor da IURD criticar a IURD!
    Pode até rolar uma crítica, mas vai precisar correr um vil metal na parada, certo?

    Aqui procê, ó!

    • Sergio Moreira disse:

      Você, ao meu ver é um desperdício para a literatura. Você devia ser escritor, escrever contos, crônicas ou até peças de teatro e não ficar aqui brigando com o Roberto.

      • J.R.Pereira disse:

        Na verdade eu sou escritor, sim.
        Meu próximo livro chama-se “Mil Nomes” e é baseado, acredite se quiser, no espiritismo, umbanda, induísmo e com boas levadas freudianas.
        Ainda não foi publicado, acho que este mês deve sair pela editora Ícone.
        Se você se interessar, passe no meu site e cadastre-se nos Seeders ou no Google Friend:
        http://www.milnomes.com/
        Mas deixo claro que se trata apenas de um livro de entretenimento e que, de maneira nenhuma, pode ser considerado factual.
        Eu escrevo ficção e fantasia, não quero salvar a alma de ninguém, não.

    • Sergio disse:

      Li sobre seu livrono http://www.milnomes.com/
      Interessante…
      Eu acho que o Roberto iria gostar do livro.

  96. J.R.Pereira disse:

    Religião é um comércio como outro qualquer.
    Vende falsas esperanças, mentiras, ilusões, desinformação.
    Há pessoas que nascem, crescem, vivem e morrem dentro dessas megacorporações religiosas.
    Há pessoas que são cooptadas, ao longo do tempo pois, bem da verdade, as religiões prestam uma espécie de “serviço social”.
    Pois controlam certos tipos de dores e fornecem explicações (absurdas e sem sentido mas ainda assim explicações) para quem delas precisar.
    Religiões são “livros de instruções” para se viver pois muitos seres humanos carecem de ser convencidos.
    PRECISAM ser convencidos de QUALQUER COISA.
    Há quem é feliz na religião?
    Sim.
    Porque a religião resolve problemas mentais com super-seres mentais.
    Sua vida não vai pra frente? Faça um pacto com o CRIADOR DO UNIVERSO que tudo se resolve!
    O mundo é mal, feio e cruel? Seja parte da Família Deus é Amor!
    A Morte lhe assusta? Na Igreja Católica você compra um pedacinho no céu!

    O espiritismo é uma dessas religiões nanicas, nascida do plágio do induismo misturado com catolicismo. Esse foi o grande lance do Denizard Rivail, que assinava com a alcunha de Kardec.
    Ele reinventou o Céu e o Inverno, acrescentando elementos induístas, sem esquecer o bom e velho racismo (somos melhores que a escória do mundo).

    Porém, toda religião tem seus exageros de marketing.
    O catolicismo delira com o Santo Sudário, que de santo não tem nada, que já foi confirmado como sendo fraude mas… Tá lá sendo adorado e reexibido.
    Os evangélicos tem suas super-igrejas, seus pastores populares, que dançam, cantam, só faltam mostrar a bunda.
    Os budistas tem relíquias, estátuas imensas, e a Sei-Cho-No-Ie tem os famosos calendários, etc.

    Outros tem “bispas” que deliram em mansões suntuosas, casacos de pele ou que ganham sempre concursos suspeitíssimos.

    Sem esquecer um certo pai-de-santo que prega a “convergência” dos umbandistas… Desde que suas carteiras sigam em direçãoao bolso dele!

    No caso das fotos aí do Chico Xavier, ele usou uma revista oportunista e de quinta categoria pra tentar arrecadar mais fiéis a sua religião.
    Para isso ele puxou seu trabalho “top de linha”: a materialização.

    Porém, a falcatrua é tão óbvia, tão deslavada, que acaba convencendo! A gente pensa que NINGUÉM seria OTÁRIO a ponto de apresentar uma velhota fantasiada de lençol como sendo um espírito.
    É tão doentiamente absurdo de ridículo que… Só pode ser verdade!

    Colou.
    A mentira colou.

    Só que não se pode enganar as pessoas o tempo todo. Hoje em dia até o espírita mais convicto sabe, lá no fundo, que houve uma tremenda maracutaia aí na parada.

    Só que se o espirita PENSAR a respeito, ele perde sua fé.
    TUDO desaba porque o “mestre” ou foi enganado ou fazia parte do esquema.

    Mas a mente do fiel foi PROGRAMADA, ao longo dos anos, para ser sempre CONDESCENDENTE com o Chico.

    “Foda-se se ele errou.
    Não interessa se ele estava ou não na maracutaia.
    Se estava, foi enganado. Porque o que ele fez de bom em sua vida compensa tudo!”

    É assim que os espíritas pensam.

    Mas não é assim que eu penso.
    Na minha concepção, um “mestre” precisa ser IMPECÁVEL! Se ele se propõem a ser alguém superior, ele precisa andar na linha. Não pode fumar, beber, transar, nem ter posses, nada.
    Ele tem que ser melhor do que eu em TUDO!

    Pois estou delegando minha sagrada existência a ele!
    É minha vida, minha única vida.

    Se o cara escorrega e pisa na bola, eu primeiro lhe dou uma surra.
    Depois, NUNCA MAIS quero saber dele.

    Mas, de novo, a mente dos fieis é PROGRAMADA pra ser condescendente.
    Não há como convence-los do contrário pois pra quebrar essa programação, é preciso que ELE QUEIRA quebrar.
    E os caras não querem.

    O que lhes restará sem fé?
    O que lhes sobra sem jesus, santos, espíritos e demônios?
    Eles mesmos.
    Eles serão responsáveis por suas próprias existências.
    E isso lhes é absurdamente assustador. Isso dá um medo desgraçado de maldito pois quase ninguém quer ter controle sobre si mesmo.
    Mesmo porque, se for ateu, o diabo te pega, as pessoas te renegam, seu chefe não confia em você, seus amigos se afastam…

    Ser ateu é horrível porque a Verdade é feia demais.
    É horrível perceber que nossa existência não tem sentido. Que TUDO que você fez ou faz não tem o menor valor.
    Que existimos por acaso.
    E que, depois da Morte, não tem nada.
    Nada.

    Para muitos, viver no ateísmo é estar num pesadelo contínuo.

    Porém…
    É preferível uma única Verdade, por mais dolorosa e maldita que seja, do que bilhões de mentiras reconfortantes.

    Pois essas mentiras nos aprisionam. Fazem estelionatários mandarem em nossa vida. Nos aprisiona, nos vicia, nos EMBOTA O PENSAMENTO e nos torna ESCRAVOS DAS MENTIRAS!

    Já a Verdade, não nos liberta.
    Mas nos faz acordar para nossa própria pequenez.

    Chico Xavier sabia disso.
    Pois percebeu que nossa existência não é nada.
    Ele enlouqueceu com isso.
    E captou outros loucos, gerando essa legião de doentes fúteis e covardes.

    This is the world we living.

  97. Raphael Porto disse:

    “Se ele se propõem a ser alguém superior, ele precisa andar na linha.” Chico não propôs ser alguém superior, em suas declarações sempre se colocava com muita humildade (“Um grão de areia”).
    Comecei a ler a As Vidas de Chico Xavier e observei que ele era severamente cobrado por seu mentor (ou sua mente louca como queira) na correção de suas faltas.
    A conduta dele realmente me faz ter cautela quanto a afirmar se aquilo foi realmente uma fraude elaborada e planejada por ele, mas ao ler o texto do Mori até considerei a possibilidade da fraude ou o que quer que tenha havido sem medo, mas o problema Pereira, é que a investigação do post foi realmente tendenciosa.
    As vezes o que você fala é interessante, sobre essa coisa de fé cega e acreditar em tanto “fantasminha” mas se apoiar numa investigação tendenciosa e que não é conclusiva e atacar abertamente toda um grupo de pessoas não me parece tão sábio.
    Chico não se colocava como mestre, as pessoas o fizeram, ele era passível a falhas como qualquer ser humano e reconhecia isso.
    No espiritismo você é sim responsável por sua existência e por suas faltas e não existe salvação, a “salvação” depende unica e exclusivamente de você.

    “E captou outros loucos, gerando essa legião de doentes fúteis e covardes.”
    Essa baboseira de Amor ao próximo não cola, ótimo, o legal é isso que você escreveu, essa intolerância e essa falta de respeito com quem pensa diferente, ou até com quem é mais ignorante que você (se você acha que esse é o caso).

    Mori já concordou que as fontes são “suspeitas”, você concorda que você poderia escrever com um pouco mais de respeito com esses “pobres ignorantes”, os espíritas?

    Convardia é aceitar que nossa existência não é nada, e diga-se de passagem é preciso muita fé para crer nisso, e atacar livre e abertamente qualquer tentativa de crença no contrário.

    Adiciona um pouco mais de respeito e tolerância nas tuas colocações que acho que pode ajudar.

    • J.R.Pereira disse:

      Cara!
      Chico Xavier participou dessa farsa aí da foto, mano!
      De que adiantou ele ser cobrado por isso e aquilo se ele pisou na bola feio com essa treta aí?
      O velho se colocava como sendo superior SIM SENHORA! Porque ele, e só ele, tinha esse lance de “incorporar”. Lógico que no marketing do cara, de bancar o humilde, ele não iria abrir a boca e se colocar como melhor doque os outros…
      MAS ELE ERA SIM! Exatamente porque os espíritos só se manifestavam através dele.
      Subentende-se, pois, sua óbvia superioridade.
      Eu nunca disse que sou sábio.
      Eu sou burro pra carvalho! Uma verdadeira besta quadrada e apoplética…
      Mas sou autêntico!
      Entupido de erros, idiota feito eleitor do Lula, mas eu não DISFARÇO!
      Não escondo, não banco o santinho, o puro, o casto.
      Nem sou tolerante mesmo.
      Porque muita gente se CALOU por tempo DEMAIS diante de TANTA PALHAÇADA!
      Acho que os ateus se omitiriam diante do avanço dessa BADERNA religiosa.
      Essa mesma baderna que, além de fomentar a mentira, a farsa e o estelionato, corrompe a Humanidade de tal maneira que nem se pode DUVIDAR das besteiras que esse povo faz.
      Eu não me importo com o Mori. Respeito pra caramba o cara e acho que ele é o único japonês jebudo que já conheci!
      Porque o que esse cara faz aqui é um arraso!
      Tenho muito orgulho dele pela coragem de exibir essa baderna, tô quase virando tiete…
      Mas ele é ele, eu sou eu.
      Eu sou destemperado mesmo, sou destrambelhado mesmo.
      Não gostou? Porta da rua, serventia da casa.
      O que eu não tolero, de verdade, é gente BURRA!
      Pior!
      Gente PROPOSITALMENTE burra!
      Gente que está diante da farsa mas que teima que teima e teima, em nome dessa porcaria de “fé”.
      Fé em bandido, mermão?
      Tu vai delegar o controle de sua vida pra essa escória?
      Olha, eu tenho CERTEZA que nem seu pai e nem sua mãe te colocaram no mundo pra você ter respeito por bandido.
      A não ser que eles tenham sido comprados pelos bandidos ou tinham medo deles.
      Ou seja, tá na hora de você parar de bancar o “tolerante” enquanto essa corja ferra com teu semelhante!

      Fé em estelionatário, pilantra ou doido varrido, marqueteiro religioso????
      Ah, para, ô!
      Não tem que respeitar NADA!
      Eles vem devaragzinho, comendo o país pelas bordas e você ainda quer que eu seja tolerante???
      Essa baderna já foi longe demais, véio.
      Fica marcando na mão deles que os caras vão aí te catar.
      Vai marcando, vai!

  98. antonio disse:

    Roberto, eu não sou espírita, sou ateu, mas confesso para voce que sempre admirei a pessoa de Chico Xavier, por isso quero te dar um ‘conselho’ e de graça, tá. Esquece esse animal que está sempre vociferando porque o intuito dele é apenas te encher o saco. Voce ainda não reparou na cara dele, na foto anexa, parece olhos de um espírito endiabrado. No espiritismo senão me engano, tem esse negócio de ‘espirito zombeteiro’ não é? Pois é, eu acho que o caso dele é de ‘espirito de porco’, por isso recomendo que voce que deve conhecer algum centro que dê passes, procure-o e peça para que o despachem de novo para o quinto dos infernos. Abraços.

  99. J.R.Pereira disse:

    Antonio!
    Que coisa baixa, Antonio!
    Você usa a doença do cara pra deixar ele ainda mais louco!
    Você pode admirar quem quiser, pois até Hitler tem admiradores.
    Mas se você fosse ateu de verdade, não seria condescendente com picaretas…
    E nem incensaria a fé do cara, fortalecendo-lhe a convicção.
    Pois é ELE quem está no inferno.
    No inferno da mentira e da alienação.
    E você empurrando ainda mais o cara pra essa sarjeta!
    Cara!
    Quanta crueldade, cara!
    Não faz isso com o coitado.
    Ateus não agem assim.

  100. Raphael Porto disse:

    “Ou seja, tá na hora de você parar de bancar o “tolerante” enquanto essa corja ferra com teu semelhante!”
    Bom Pereira, não sei se você concorda comigo mas o que realmente provocou um atraso gigantesco na humanidade foi a intolerância e não a religião A ou B, logo, seja um pensamento crítico questionador ou algo cômodo e religioso, posso dizer que chegaremos ao mesmo resultado inútil porque uma coisa é certa, “sempre” haverá diferenças de pensamento.

    • J.R.Pereira disse:

      Intolerância é uma coisa.
      Você pode ser intolerante mas compreender a postura do camarada.
      Até mesmo perdoa-lo.
      Mas o religioso não tem disso!
      Porque o perdão que ele dá é CONDICIONADO a alguma coisa.
      Ele só te perdoa se você concorda com ele, e se você seguir o que ele quer.
      AÍ NÃO!
      Atraso gigantesco na Humanidade?
      Só se for aí na sua casa, porque na Finlândia, Dinamarca, Alemanha, Japão, Coréia do Sul e muitos outros países, a situação está infinitamente melhor do que a do Brasil.
      Você está embananando as coisas, pois eu estou dizendo que tem que parar de ser tolerante com religioso porque eles querem PODER!
      Porque eles fomentam a ignorância, a segregação e colocam nosso semelhante de joelhos.
      Se você acha que chegaremos a um resultado inútil, lhe recomendo a leitura da Bíblia.
      Lá existem várias passagens que justificam a escravização de mulheres, o estupro, a matança de crianças e, claro, a morte de quem pensa diferente deles.
      Por enquanto eles ficam na manha porque estão ganhando o deles.
      Mas quando eles deixarem de brigar com o Papa por causa da “pedofilia”, pode sobrar procê, negão!
      E aí, ó!
      Quero ver você puxar essa retórica boba quando vierem pra te degolar.
      Pelo menos o espiritismo vai acabar devagarinho porque morreu o Chico… E o Gasparetto largou mão dos caras e pegou a grana pra ele mesmo.

      • Espírito de Luz disse:

        É isso ai J.R.Pereira…

        Fala coisas sem nenhum sentido, devia fundar uma seita ou religião já que é tão conhecedor assim. Quem sabe pode fazer algum sucesso e pare de invejar outros que fizeram história e colaboraram com a vida de muita gente.

        Cuidado, o Chico vai puxar seu pé na cama.

  101. Raphael Porto disse:

    Veja bem, o espiritismo é tolerante a todas as religiões e a todas as pessoas. Não existe isso de dá o perdão a alguém, as coisas são mais simples lá, lei de ação e reação. Vejo você sempre fazendo referência a coisas que não existem no espiritismo (citar o antigo testamento foi realmente distante da realidade do espiritismo). Uma frase famosa do espiritismo é “Fora da caridade não há salvação” veja que não se determina se a criatura deve ser ou não cristã, budista, ateu ou qualquer outra crença.
    Não há cobrança, existe o alerta e a conscientização da necessidade de fazer o bem. Como disse em outros comentários Pereira, frequentei um centro por 2 anos e nunca fui indagado sobre contribuições de qualquer ordem.
    Não há justificativa para a intolerância, todos tem o direito de seguir pelo caminho que querem. Se começarmos a julgar que algo simplesmente é digno ou não de nossa tolerância vamos transformar isso aqui numa verdadeira bagunça. Se eu começar por exemplo a xingar o que você fala ou suas idéias não chegaremos a lugar nenhum porque ninguém antes de tudo gosta de que te faltem com respeito.
    Só repetindo,
    1- Espiritismo não dá o perdão a ninguém,
    2- Não há justificativa para intolerância (sou intolerante pq eu acho que aquele grupo merece isso, legal, vamos agora cada um determinar o que cada um merece),
    3- O antigo testamento da bíblia e todas as questões que não correspondem as lições de moral deixadas por Jesus não fazem parte daquilo que o espiritismo se baseia e se esforça por transmitir.
    Deixei só algumas correções de alguns pontos para evitarmos distorções mas a idéia é a mesma, tolerância, para você, para mim e para todos que estão participando da discussão.

    • J.R.Pereira disse:

      >>o espiritismo é tolerante a todas as religiões e a todas as pessoas.

      MENTIRA!
      Mentira porque, primeiro, Kardec era racista.
      Segundo, as “entidades” do espiritismo não são pretas, amarelas ou vermelhas. São “espíritos de luz”, e a luz de que cor é?
      Branca.
      E foi por causa desse racismo dos espíritas que Zélio de Morais saiu de lá e foi montar sua franquia onde baixam, pretos, índios, ciganos, etc.

      Há justificativa para a intolerância SIM! Intolerância para com assasinos, pedófilos, ladrões e ESTELIONATÁRIOS DA FÉ!

      Porém, o que acontece é que o brasileiro é condescendente (leia-se BUNDÃO) com o bom bandido.
      Tipo Maluf: rouba, mas faz.
      O mesmo com Chico Xavier: é louco, mas é do bem.
      É estelionatário mas ajuda as pessoas, faz as mãããaes sofreeerem meeeenos, ajuuuda os poooobres…
      Rouba dos ricos e dá aos pobres…

      Pombas!

      O menor dos males, rapaziada?

      Eu sou um homem simples, cartesiano mesmo: você pode acreditar na besteira que quiser. Jesus, Alah, coelhinho da páscoa, Thiamath, Mickey Mouse, etc.
      Mas a partir do momento em que um de seus líderes pisa na bola e faz caquinha…
      Ou, pior ainda, vem essa propaganda sórdida, eses filminhos, novelinhas encher o saco e noz fazer acreditar que tá tudo certo?

      QUE É ESSA A VERDADE????

      Eu até respeitaria essa postura se a mesma não viesse recheada de LADROAGEM!
      De ROUBALHEIRA!

      “Ah, mas o Chico era honesto! Fez o bem pra muita gente!”
      De novo: você está sendo condescedente com BANDIDO ou quem se LOCUPLETA com bandido.

      Como é que você não tem tolerância com estuprador?
      Ou com corrupto?
      Mas com religioso tudo bem?

      CLARO!
      Porque ALGUMA VANTAGEM você tá levando, certo?

  102. Roberto disse:

    Antônio,

    Me sensibiliza o seu conselho, agradeço mesmo.

    Não fico brabo com ele. Acho que as religiões foram tão deturpadas pelo materialismo dos seus líderes, tão surradas nos conceitos límpidos de sua moral superior, pois todas as religiões têm conexões com a Divindade tal qual chuva de água pura que se derrama dos céus mas que cai sobre todos os terrenos, geralmente lodoso, pútridos, ou áridos, sendo misturada com as impurezas do ambiente mas não deixando de ser àgua.

    O espiritismo, por acaso, surgiu na minha mão em forma de um primeiro livro que no princípio parecia me levar para o terreno da ficção. Logo nos primeiros capítulos algo muito desafiador e intrigante se descortinava naqueles parágrafos. Um mundo que eu não conhecia contado com riqueza de detalhes.

    As perguntas iam surgindo, as dúvidas, as críticas, mas aos poucos fui encontrando as respostas, não sem muito estudo e interesse.

    Um dos pontos que me preocupavam era a questão financeira. Com mais observação sobre o destino dos recursos arrecadados na venda de livros, cds, doações, etc.., os quais não iam para o médium espírita posto que tinham empregos normais, e mesmo porque não eram eles os autores dos livros mas apenas mensageiros das personalidades desencarnadas, compreendi.

    Agora, veja o caso do JRP. Ele diz que lançará um livro, de ficção, baseado no espiritismo, umbanda, hinduísmo. Isto é um grande paradoxo posto que ele detesta as religiões e os religiosos, escarra na face de Deus, Jesus, e seus seguidores, chama os crentes de burros e daí para baixo, mas não se furta em querer explorá-los em suas crenças visto que para ele quem acredita é um trouxa maluco que quer dar dinheiro para os espertalhões aproveitadores que chefiam as agremiações religiosas.

    Não é contraditórios que ele chame Chico Xavier de marqueteiro religioso e queira ele pegar carona na espiritualidade das pessoas para faturar com a “ignorância” do próximo que ele despreza?

    Afinal, qual o cético que irá comprar o livro dele ou querer saber destes assuntos? Se alguém conhecesse o seu pensamento tão visceralmente apresentado aqui neste blog, será que se animaria a comprar?

    Ele diz no site do livro que (veja se pode ser realmente do mesmo homem:

    “Ninguém chega a lugar algum sozinho. Precisamos uns dos outros. E meu pequeno trabalho só tem a se engrandecer com a gentilíssima colaboração desses artistas.”
    “… e veja estas e outras obras de artistas que possuem não apenas minha gratidão mas minha simpatia e respeito.”
    “E, para minha grata surpresa, meu pequeno trabalho agradou a muitos e que, gentilmente, fizeram algunas ilustrações desses meus personagens. Eu as chamo de “fanart” mas para mim são muito mais que isso: são demonstrações de respeito e gentileza para com meu humilde trabalho”.

    Alguém pode identificar o JRP neste textos suaves, humildes, agradecidos? É este o homem que condena a caridade e a humildade de Chico Xavier?

    É este o homem que sabe ser grato aos que o ajudaram mas que considera a gratidão das multidões que foram beneficiadas pelo desprendimento, bondade, solidariedade, trabalho honesto e incansável de Chico Xavier, ou dos que foram beneficiados através do consolo e do esclarecimentos que as obras que psicografou prodigalizaram, ou dos incontáveis admiradores como você, como loucura de um bando de loucos cooptados por Chico, que seria um pilantra, farsante, estelionatário, doido varrido e marqueteiro religioso, que vendia falsas esperanças, mentiras, ilusões e desinformação?
    É este o homem fiscal implacável do comportamento de Chico Xavier, mas que foi editor de revistinhas pornográficas, tão atordoantes para os hormônios da juventude, que vomita impropérios e palavrões sem conta, que não respeita os que pensam diferente dele, que só acreditaria num ser IMPECÁVEL, sem NENHUMA FRAQUEZA, a PERFEIÇÃO ENCARNADA, ou seja, que só acreditaria em JESUS CRISTO pois até onde eu sei Ele foi, é, e será o único ser absolutamente perfeito que pisou sobre a Terra, para servir de modelo e guia da humanidade, mas que recebe do JRP um sonoro palavrão dos mais pejorativos que conhecemos (sabe, esta foi dura, esta ele podia ter se poupado, que lástima ele ter dito e escrito isto. O editor do blog poderia apagar esta parte porque nem o próprio JRP merece que esta descompostura, esta insanidade tenha partido dele mesmo).

    Enfim, não me incomoda tudo o que ele diz e faz pois realmente ele têm a virtude de ser autêntico e isto já é um passo importante que todos devemos dar, claro, sem sair matando todos ao redor.

    • J.R.Pereira disse:

      — Vida de múltiplos parceiros…
      É soda, assoprou a idéia da liberdade sexual e neguinho já pensa que significa pu(*)aria! Que ninguém é de ninguém, suruba, orgia, etc…
      MAS E SE ROLAR?
      Entenda uma coisa, benzinho: conforme você mesma afirmou aí, “sem preconceito algum”.
      Ora, se não rola preconceito, por que ser preconceituoso com quem faz de si o que quiser:

      — Palavrinha mágica da semana: INCOERÊNCIA!

      — Outra: o que dois (ou mais) adultos, maiores de 18 anos, vacinados e senhores de si fazem entre 4 paredes NÃO É DA CONTA DE NINGUÉM! Nem sua, nem daquele boiola da peruca, nem do papa, etc.

      — A minha concepção de Vida não envolve esses conceitos podres e ultrapassados de genro, esposo, casamento. Eu defeco e urino pra isso. Se ao completarem 18 anos minhas filhas quiserem transar com homens, mulheres, cotovias ou libélulas, em grupo ou não, respeitando a Lei e o semelhante, PRO-BLE-MA DE-LAS!
      O que eu fiz foi educar daqui até ali. Dali pra frente não é mais minha responsabilidade.

      — Sex is overrated.

      — Sou adúltero, não sou, o que te importa? Por que se dói por meras palavras ditas num site qualquer? Oooh, sim! É o eterno exercício da tal “compaixão”, esse músculo mental que sempre se estica quando “alguém sofre” ou quando alguém sai do “bom caminho”.
      Para mim, isso tem um nome: flerte com a demência.
      Pois sua mente está viciada em imaginar coisas e achar que elas são verdadeiras.
      Pois não quer mais discernir entre o Real e Imaginário, pois acha que basta TER FÉ que uma se sobrepõem sobre a outra.
      Não.

      — Viver é um ato de perigo. Podemos morrer caindo no banheiro ou o coração para de repente e plop! Fim de tudo.
      Portanto, é natural que tenhamos perigos pela frente…
      Mas nem por isso devemos bancar os covardes e buscar refúgio em santos, deuses ou na moralidade.
      Devemos, sim, buscar nossas próprias respostas, POR NÓS MESMOS, “de per si”, criando assim nosso próprio mosaico da Verdade.

      — Mas já dizia o Bardo: “Cowards die many times before their deaths; The valiant never taste of death but once.”

      — A pior promiscuidade é a da mente. Você, que zela tanto pela carne alheia, deveria zelar mais pelo lixo que contamina sua própria mente. O mesmo lixo que lhe é acolhedor mas que não passa de… Lixo.

      — A única saída é a sepultura. Entre eu e ela descansa o Infinito…
      Que só alcanço com minha Imaginação a serviço de mim mesmo.
      Todo o resto são os gemidos e beicinhos de covardes.

  103. J.R.Pereira disse:

    Já no meu caso, não tem paradoxo nenhum.
    No meu trabalho, as religiões são o que realmente são: obras de ficção.
    Temas pra serem abordados.
    E eu pego carona mesmo! Porque meu trabalho é HONESTO! Não engano ninguém, não iludo ninguém e vendo diversão. Não salvo a alma de quem quer que seja.
    Ao mesmo tempo, eu tenho outros livros que falam de vampiros, mortos-vivos, elfos, torturadores da ditadura…
    Quer dizer que se eu uso esses temas em meus trabalhos, eu concordo com eles?
    Ah, me poupe, minha filha!
    Eu não vendo para céticos.
    Nem para religiosos.
    Meu público é outro mas, cá entre nós, eu ganho tão pouco com meus livros que escrevo pela Arte mesmo.
    Pra deixar um legado aí no mundo e não pra ficar rico.
    Pois, se eu quisesse enriquecer, escreveria um livro sobre religião, espiritismo, umbanda ou qualquer uma dessas picaretagens!
    Olha que não faltou oportunidade…
    E quem sabe eu escreva, já que tá assim de otário louco pra ser enganado!

    Editei pornografia mesmo! E daí? Não cometi crime nenhum! Fiz revistas de adultos para adultos!
    Você me viu ao lado de velhotas vestidas de lançol?
    Me viu num púlpito curando enfermos?
    Nem homossexual eu sou, diferente de Chico Xavier, que o Padre Quevedo confirmou que queimava a rosca!
    Tá lá, na revista Sexto Sentido!
    Aí neguinho vai me condenar por trabalhar honestamente, ser hetero e não viver a custa de esmolas????
    E de novo lhes pergunto: e essas fotos aí?
    Cêis vão negar que foi fraude, é?
    Ou que o falecido foi xavecado?
    E o Quevedo disse que o Chico era “mocinha”!
    É esse o seu mundo, turminha.
    É esse o seu “mestre”.

    • Leonel disse:

      E desde quando o palhaço do Quevedo, mais conhecido como “Qué Dedo”, merece ser levado a sério por qualquer coisa?

      • sergio disse:

        Não diga bobagens.
        O ‘Palhaço’ ao qual vc se refere é professor universitário de parapsicologia e doutor em Teologia. Além de autor de varios livros, sendo um deles muito importante pre vc ler “A Face Oculta da Mente”

        Defende a base , especificamente os fenomenos paranormais e nao acredita em fenomenos do além. Vejo nele uma pessoa bastante razoavel.

        http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%93scar_Gonz%C3%A1lez-Quevedo

  104. Elson Júnior disse:

    Por que será senhores que, num primeiro momento, todos os repórteres da Revista Cruzeiro, que testemunharam as aparições da chamada “Irmã Josefa”, 1964, se maravilharam, falaram que eram autênticas e depois mudaram de opinião em várias reportagens posteriores na revista, conforme se comprova no endereço: http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2006/07/materializacao.html.

    O que vcs me explicam J. R Pereira e vc MORI ? Não sou espírita, não sou evagélico, mas acredito em Deus e Jesus Cristo.

    Vai ou não vai publicar?

    • Mori disse:

      Aguardem. Estou juntando todas as informações essenciais (incluindo ler o livro de Rizzini) para escrever um novo artigo sobre o caso.

      Mas adianto, como já adiantei: todas as informações que desconhecia, e que passei a conhecer, em conjunto só reforçam a conclusão expressa aqui. As materializações presenciadas por Chico já eram uma fraude. E uma fraude ridícula. É impressionante como os espíritas que apóiam o caso são ou ignorantes a respeito de todas as informações, ou exibem uma dissonância cognitiva abismante para que a evidência clara seja interpretada como o oposto do que demonstra.

      • J.R.Pereira disse:

        Tomo a liberdade de comentar o que o Mori-sama disse: se era uma fraude, se foi comprovado que se trata de uma fraude, inclusive com a Otília sendo presa com as roupas da “irmã Josefa”.

        Mas, de novo, o mais importante é constatar que o “mestre” Chico Xavier ou era CONIVENTE com a armação, ou foi absurdamente ingênuo.

        Se foi ingênuo, onde estavam os “mentores espirituais” que não o alertaram?
        O que diabo de “mentor” é esse que deixa seu “filho mais querido” ser arregaçadamente HUMILHADO por uma estelionatária das mais mequetrefes?

        Por fim, se o falecido Francisco Cândido Xavier era conivente com a falcatrua…

        TUDO PELO QUAL OS ESPÍRITAS ACREDITAM É UMA FARSA!
        Pois seu “mestre” era um bandido ou louco varrido.

        Resta a essa gente aplicar o que diz Denizard Rivail, que afirmou:

        “Porque, senhores, o Espiritismo não é uma religião, mas uma ciência”.

        Sejam, pois, Científicos e confrontem os fatos.
        Simples assim.

      • Mori disse:

        Chico não era louco. “Bandido”, no sentido mais comum do termo, também não era. Não roubou nem assaltou ninguém, claro.

        Teria, contudo, ele enganado deliberada e conscientemente muitos? Essa é uma questão complicada. Waldo Vieira diz que sim, que Chico inseria informações tomadas em entrevistas em cartas psicografadas. Vitor Moura, no Obras Psicografadas, mostra várias evidências de que Chico sim cometeu erros crassos ao psicografar línguas que não dominava bem, ou mesmo psicografar cartas de analfabetos.

        Isso prova que Chico enganava? São boas indicações, mas a verdade é que salvo a descoberta de uma confissão, será complicado assegurar esta conclusão. E em certo aspecto é até desnecessário. Religiosamente faz muita diferença se uma pessoa enganava conscientemente ou não, mas “científicamente”, ou ao menos objetivamente, a questão não é se alguém faz algo “por querer” ou não.

        E sim se Chico Xavier deixou qualquer evidência conclusiva de que se comunicava com espíritos. A conclusão, até onde sei, é negativa. E há farta evidência para explicar seus feitos de forma alternativa. Mas… esta é uma questão complexa. Não penso que seja nem apropriada para um artigo, e sim para um livro extenso, fruto de pesquisa profunda. E não me animo nada a tal.

      • J.R.Pereira disse:

        Mori, enganar é apenas enganar.
        Seja por omissão, ingenuidade ou interesse, é enganação pura e simples.
        A igreja católica é a campeã mundial de fraudes. Fraudes essas que se perdem em quantidade de tanto que se fraudou.
        Mas aí é que deveria entrar a CRÍTICA das pessoas.
        Porra, mano!
        É A MINHA ALMA!
        É a minha vida que está em jogo.
        Portanto, eu JAMAIS deveria delega-la às mãos de inescrupulosos, bandidos, salafrários ou no mínimo mentirosos.
        Mas é aí que entra a PROGRAMAÇÃO CEREBRAL desse povo.
        Neguinho afirma que eu menti.
        Puxa, grande porcaria!
        E Kardec? E o Mirabelli? E o próprio Chico? E toda essa doutrina de araque?
        Eu sou só uma sombra na Internet, um “espírito zombeteiro”! Em alguns segundos estarei esquecido.
        Já esse VAGALHÃO de mentiras fica aí, indo e voltando, sendo passado de geração em geração, escravizando mais e mais pessoas.
        Só eu que vou pro inferno, mano?
        Eu já sou categórico: Chico Xavier era bandido SIM!
        Ele enganou SIM!
        Ou enganou por omissão, complacência ou ingenuidade.
        NADA, absolutamente NADA justifica ou perdoa o fato dele ter seido aliado, ou passado no bico, por estelionatários.
        Pra mim não importa se ele deixou ou não evidências de sua participação no esquema.
        Ele pisou na bola, pisou nma bola FEIO e, se fosse comigo, eu ia lá e dava ums SURRA no salafrário.
        Cara!
        O maior dos crimes é você abusar da fé de uma pessoa.
        Isso deveria dar pena de morte seguida de esquartejamento, seria um crime de lesa a ALMA!
        Mas já que estamos do Brasil, terra do oba-oba e do isquindô-isquindô, o sujeito é endeusado, vira santo etaí, gerando um patrimônio de alguns bons milhões de dólares em livros, revistas, licenciamentos, etc.
        Eu só queria saber do padre Quevedo aquele lance que ele disse que o falecido era viado! Eu sempre desconfiei disso! Aquela fala mansa, aquele jeitinho LÂNGUIDO, a boca de chupa ovo… Mas o Quevedão disse que sabia dos lances do cara e que ia passar o serviço.
        Nunca disse nada mas ó! Se o Quevedo disse que tem coelhinho rosa nesse mato, pode ver que tem!
        Mori-sama!
        Tu é macho e me enche de orgulho!
        Queria ter um filho assim!

      • Roberto disse:

        Vamos lá JRP, vamos difundir o contraditório para tua insanidade. Segue novamente o comentário posto no caso Otília Diogo e Chico Xavier (ainda não entrou aqui, não sei porque e fica sempre o teu comentário e do Mori como últimos).

        JRP,

        A tua guerra irracional contra as religiões, custe o que custar, te desmoraliza cada vez mais. Porque será que tens tanta ódio assim?

        Uma pessoa de bem não precisa ser religiosa para agir com justiça, com solidariedade, com honestidade. Veja o exemplo presente no teu próprio blog, onde colocaste um vídeo com a opinião de uma atéia convicta. Já te disse que se seguires a linha do ateísmo dela estarás bem, e também já tinha dito neste site que é preferível um ateu moralizado a um religioso hipócrita.

        Por esta razão JRP tu estás em muitíssimo melhor condição do que o Vitor Moura, que finge ser espírita, mas se não tens a hipocrisia dos religiosos que falam de virtudes para os outros e não para si, vivendo na iniquidade, tens a hipocrisia dos indiferentes, dos zombadores, dos materialistas, dos preconceituosos (como te declaras abertamente), dos mentirosos (como te declara abertamente).

        Quando acusas os religiosos que corrompem políticos, explorem fiéis com dízimos, com promessas de céus contemplativos, com salvações impossíveis, com vitória no mundo (financeiramente) ao invés da vencer o mundo (moralmente), e se apresentam presunçosamente como porta-vozes de Deus que absolvem pecados, que se nomeiam como caminho da salvação (“fora da igreja não há salvação”), que combatem à ciência e a propagam a fé cega baseada em dogmas absolutos, em ameaças de infernos eternos e demônios, excomunhões, etc., quando atacas estas práticas infelizes estás à serviço da verdade e do esclarecimento das mentalidades escravizadas ou estacionadas no comodismo do não pensar, do entregar esta faculdade comodamente nas mãos de outros.

        Agora, quando desprezas todo e qualquer ato beneficente por ter sido praticado por um religioso que busca em sua fé a inspiração para a abnegação e caridade estás sendo muito hipócrita pois te coloca contra os abusos dos religiosos mas não oferece a solução para as mazelas e sofrimentos alheios.

        Tens a coragem de ridicularizar as mães que choram a morte de seus filhos, as necessidades de velhos e de doentes de todo jaez que procuram mitigar suas dores e sua fome junto aos religiosos de todas agremiações que usam de uma solidariedade que tu não tens, zombas da mansuetude dos que dedicam a vida ao próximo sem se importarem com os ataques de pessoas como você, o Mori e o Vitor Moura, bem, é só ler as tuas várias manifestações neste site, no teu blog, para constatar a tua frieza, a tua agressividade, o teu egocentrismo e a tua indiferença.

        Mas o pior não é tu não creres, mas te empenhares para destruir a fé dos que procuram algum alento, algum consolo, pois se não te interessa a fé o que tens a ver com a fé dos outros? Não, não JRP, és um declarado combatente das trevas contra a luz.
        Não vista esta pele de defensor da verdade pois como já disse antes, e tu mesmo disseste, és um mentiroso assumido.
        Não assuma a defesa das supostas vítimas de um racismo inexistente de Kardec quando te declaras abertamente preconceituoso e homofóbico.
        Não critiques o comportamento dos religiosos quando te declaras abertamente adúltero e desonesto.

        Afinal, aonde queres chegar com este tiroteio, ofensas e tudo mais? O que pretendes? O que te move nesta cruzada contra a fé em meio a blasfêmias e violências?

        Creio que muitos que venham a ler as tuas manifestações já tenham alguma idéia, mas seria útil que tu disseste de tua própria boca (ou teclado) qual é a tua praia? Por quem sois José Roberto Pereira? Porque te incomodam tanto a virtude, o desprendimento, o amor, a caridade? Porque tem medo do que há por trás dos discos voadores assim como teme o que há por trás das experiências de materializações realizadas por muitos?

        Li no jornal de sábado que uma croata entrou em coma e quando acordou não lembrava mais da língua dela. Passou a falar em alemão fluente e precisava de tradutor para conversar com os pais. O ocorrido causou espanto e admiração dos especialistas. A moça conhecia apenas rudimentos desta língua alemã antes do coma. Como explicar? O espiritismo têm a explicação posto que vivemos várias vidas. Já falamos todas as línguas da Terra, já envergamos o físico de todas as raças e já habitamos todos os continentes, sem exceção de nenhum de nós, portanto a moça trouxe na bagagem da experiência do coma as recordações de sua consciência quando fora alemã e apagou, por ora, sua lembrança enquanto a croata de hoje.

        Este e muitos outros casos narrados pelo mundo afora por psicanalistas que regrediram a memória de pacientes até vidas anteriores tratando suas fobias e seus complexos no hoje, por pessoas que têm recordações do que eram em outras vidas e que comprovaram isto insofismavelmente, de espíritos que se comunicam contando detalhes ignorados pelo médium que transmite a mensagem como ocorria com Chico Xavier, enfim, provas existem em abundância, mas tantas existem quanto existem detratores e perseguidores destas realidades. Porquê? Por quem sois José Roberto Pereira, Vitor Moura, Mori Quevedo, Quevedo, e tantos outros?

        Fiquem com seus vitupérios e com suas prosápias pois serão em vão e mais os afundarão no abismo da consciência culpada. Vossa guerra é inglória. Vosso destino é o pranto e ranger de dentes consoante Jesus Cristo, sem mi mi mi e bu bu bu como tu tanto falas.

        Mas creio que nem tudo está perdido se criarem juízo e converterem-se em filhos pródigos que aprenderam que depois de se fastiarem nos prazeres embriagadores do mundo, depois de comerem com os porcos após o abandono e o ultraje à que se entregaram de moto próprio, depois de esgotarem as forças nas ilusões e quimeras, poderiam voltar humildes na condição do mais ínfimo servo na casa do Pai de vocês e de todos nós, e que seriam recebidos como filhos diletos do amor deste mesmo Pai rejeitado de outrora.

        Cada um ao seu tempo.

      • J.R.Pereira disse:

        Betinho, você é muito SERVIL!
        Tem essa mania besta de querer seguir esse ou aquele, bem manso, bem bobinho…

        — Só que eu não sou assim, cara. A tiazinha atéia que coloquei no meu site é apenas… Uma tiazinha atéia! Eu não pretendo seguir NADA do que ela diz pois, primeiro, não sigo ninguém. Sigo meu nariz.
        Apenas concordo com ela, nada mais.

        — Eu já expliquei o porquê da minha bronca contra os religiosos. PORQUÊ-ELES-MENTEM!
        Mentem, corrompem, enganam, se locupletam, enfim, considero-os cânceres sociais da mais baixa estirpe.
        Você acha o contrário? Problema seu.

        — Não quero destruir a fé de ninguém. Estou pouco me f(*)endo pra crença dos outros.
        Mas se neguinho se ressente com o que eu digo, que vá-se embora! Não me leia, não me acompanhe, não me dirija a palavra.
        Mas se o cara é religioso acessa um site de CÉTICOS…
        Tá pedindo pra levar na fuça!

        — Eu não tenho medo de p(*)rra nenhuma de nada! Já estive na boca do jacaré e saí de lá MACHO! HERCÚLEO! E com uma manilha reta e pulsante, para a alegria de minha patroa.
        Sei lá que diabo é esse lance dos OVNIS mas ó!
        Eles não lavam minhas cuecas nem pagam minhas contas!
        Se descer uma bagaça dessas aqui no meu quintal, eu penso a respeito. É capaz que eu o expulse a vassarouradas…
        mas se os caras quiserem usar da SONDA ANAL, eu mando eles falarem contigo! :-D

        — E quem disse que minha esposa não sabe de minha vida?
        Quem disse que eu a traí???
        Pronto! Pode destilar seu preconceito, vai!
        Mostre o quão “grandioso” você é!

      • Roberto disse:

        Não JRP,

        sem preconceito algum. Cada um faz o que quer e dá conta da sua vida e atos, contanto que não prejudique outras pessoas não terá com o que se preocupar além da sua própria consciência.

        Imagino que é o que ensinas para tuas filhas também, terem uma vida com múltiplos parceiros, dando para quem quiser os préstimos delas, ou até mesmo que tua própria esposa use a liberdade que ela te dá na direção da vida privada dela, longe de ti.

        São opções, mais ou menos felizes, mas são opções.

        Para te defender de que não és adúltero não basta que a tua mulher consinta precisaríamos saber se as mulheres com quem prevaricastes não eram casadas, comprometidas também, e se tinham relações abertas tal qual a tua.

        Se estão todos de acordo com a bacanal, sem mistério, estão todos no mesmo nível, agora, não venhas acusar os padres pedófilos, por favor, pois tu não têm controle sobre a tua cabeça de baixo e usa e abusa da tua sexualidade. Não venha hipocritamente, novamente, posar de indignado com os ímpios pecadores pois são teus iguais de alguma forma.

        E se uma destas mulheres estiverem entregues (e sempre estão) a loucura, a insanidade, a doença, e por conta das aventuras abandonam filhos, maridos e a moral à deriva, afundando-se na indignidade e na fraqueza? Não,não és responsavel por isto não é? Só o que importar e teu prazer. Azar de quem caiu na tua rede.

        Lembre-se que o usado pode ser alguma filha tua, amanhã, e o libertino pode ser um genro teu. Mas, isto é contigo, deixa estar.

        Quanto às tuas inúmeras acusações sobre a minha masculinidade não me atinge de forma alguma pois sou resolvido nesta questão.

        Se eu fosse homossexual, assumiria. O problema não é a opção sexual, é sim a promiscuidade. Não gostaria que um filho meu enveredasse por estes caminhos pois sei das dificuldades que enfrentaria encontrando preconceituosos e hemofóbicos como tu, mas estaria ao lado deles sem temor pois a dignidade não está nisto, em absoluto.

        A homossexualidade é uma prova, ou uma contingência evolutiva, que geralmente visita garanhões como tu, em outras vidas, para aprenderem a valorizar o sexo oposto. Estás semeando um futuro homossexual na tua trajetória. É a lei de Ação e Reação. Neste caso, não havendo outra saída, desejo sucesso neste futuro redentor meu caro JRP.

      • Mori disse:

        Só para avisar que ficou inviável que eu consiga acompanhar toda a discussão nos comentários.

        Antes de publicar um novo texto sobre o assunto, tentarei ler todos os comentários, mas não sei se haverá tempo.

        O aviso também serve para que, caso encontrem algum abuso — venha de quem vier — por favor, me avisem por email para que tome as providências necessárias.

        Apenas lembrando que os comentaristas que já tiveram um comentário anterior aprovado têm seus novos comentários aprovados automaticamente pelo gerenciador de conteúdo — o que significa que eu não li muito menos os aprovei de antemão.

        Daí porque, repito, não li todos esses comentários recentes, e embora tente ficar a par, não posso garantir nada. Já vou tentar ler os comentários no Obras Psicografadas, ler todos, daqui e lá… será difícil.

        Por favor, não interpretem neste aviso nenhum plano mirabolante. Ao contrário do que alguns parecem pensar eu não sou o Cérebro, muito menos o Pinky.

      • Eduardo disse:

        Roberto,

        Seus debates com o Vitor são bons, pelo menos tem nível e traz algo que vale a pena ler. Tem alguns posts aqui que tomo como comédia.
        Gostei das suas indagações sobre as provas da existência de Jesus. O que vc acha de na narrativa de Há 2000 Anos diversos fatos ocorrerem sem a presença física do Senador Publio Lentulus?
        Quando eu li o livro não o tomei como algo que tenha acontecido exatamente daquele jeito justamente pq no prefácio há referências sobre a preocupação de Emmanuel em “trazer” a história para a realidade contemporânea. Não há preocupação, pelo que interpretei do prefácio, em nos mostra a moral cristã, da mesma forma em que há uma preocupação em adaptar o conteúdo aos nossos dias.
        Se a história foi trazida para a realidade contemporânea, pq o Vitor quer estudar a cultura e contexto da época de Cristo para enquadrar o livro? É obvio que iria encontrar uma série de inconsistências e se aprofundar deverá encontrar mais, principalmente nos que se refere aos nomes e as possibilidades de referencias históricas.
        Com base na preocupação de Emmanuel e nos acontecimentos sem a presença física do senador eu achei que se tratava de um romance, mesmo ouvindo de alguns espíritas que haveria uma suposta carta comprovando a existência do senador, coforme narrado no livro.

        Vitor,

        Vc fez algum estudo sobre os erros de adaptação da obra à realidade contemporânea, conforme aviso de Emmanuel no prefácio do livro? Não seria essa a linha de pesquisa mais adequada para refutar a obra?
        Em tempo seus estudos são bons tb, não é pq eu não concorde que não vou dá valor.

        Sds,

      • Roberto disse:

        Eduardo,

        Eu entendo que este rigorismo que os detratores de Chico Xavier, de Emmanuel e do próprio espiritismo exercem é malsão. Porque?

        Porque distorcem fatos, usam chamadas escandalosas, bombásticas, com o intuito de chamarem atenção para o ataque sub-reptício que vão desferir.

        Um romance é um romance. Um estudo histórico é um estudo histórico. A história é contada geralmente por quem não viveu àqueles fatos que descreve. A história depende da interpretação do historiador.

        Como a história irá contar a transição do governo militar para o democrático, no Brasil? Como avaliará os últimos 2 presidentes? Ora, ora, dependerá da opinião, do juízo que os historiadores farão, da leitura do momento em que viverem baseado em dados fragmentários posto que os documentos nos quais pesquisarão serão por sua vez, opiniões de outras pessoas escritas em obras limitadas. É o que fazem quando pegam este Settipani, por exemplo, como detentor de TODA A VERDADE HISTÓRICA da Roma antiga, como se ele tivesse o registro fiel de cada passo dos milhões de seres que viveram naquele período.

        Então, o que temos? Sempre fragmentos históricos que nos ajudam a entender o passado em termos relativos para que possam ser “contado” por alguém que recebe o nome de historiador.

        Você acha que este Vitor Moura e seu guru, o José Carlos, não sabem disto? Sabem muito bem, são inteligentes o suficiente para compreender isto. Não nos iludamos com a pretensa isonomia científica pois não a tem.

        O que eles fazem, então: escarafuncham em busca de supostos erros desimportantes com o intuito de desacreditar o que mais interessa, que é o conteúdo moral da obra. Tudo o que lança luz sobre as trevas que eles protegem deve ser combatido urgentemente. Dão vulto de grandiosidade, de choque, de escândalo às suas “descobertas”. Veja o Vitor dizendo:
        — “Chico definitivamente fraudou, não há dúvida quanto a isso. Ele materializou Públio Lentulus, que JAMAIS existiu. É hora do povo saber a verdade.”

        Interprete os propósitos dele e do José Carlos: querem ser os “REVELADORES DA VERDADE” APOIADO-SE EM FACTÓIDES E EM MENTIRAS DESLAVADAS CRIADAS POR SUAS MENTES OBSCURECIDAS PELA MÁ-FÉ.

        Usam estratagemas hábeis para ocultarem seus reais interesses. Enchem textos com palavras copiadas de outros livros descontextualizando-os e complementando-os com termos absolutos, com conclusões definitivas como “sólidas evidências”, por exemplo. Qual é a evidência que é sólida? Ora, ora, ou é uma PROVA SÓLIDA ou é uma EVIDÊNCIA MOLENGA, nada de evidência sólida, OU é PROVA ou é EVIDÊNCIA. Com estes trocadilhos procuram convencer e enganar.

        Escondem-se sob os títulos de “pesquisas históricas”, “documentos históricos”, “espírita experimentador”, e outros sofismas.

        Á saber, o que é SOFISMA:
        – “Sofisma (do grego antigo σόϕισμα -ατος, derivado de σοϕίξεσϑαι “fazer raciocínios capciosos”) em filosofia, é um raciocínio aparentemente válido, mas inconclusivo, pois é contrário às próprias leis. Também são considerados sofismas os raciocínios que partem de premissas verdadeiras ou verossímeis, mas que são concluídos de uma forma inadmissível ou absurda. Por definição, o sofisma tem o objetivo de dissimular uma ilusão de verdade, apresentado-a sob esquemas que aparentam seguir as regras da lógica.
        É um conceito que remete à ideia de falácia, sem ser necessariamente um sinônimo.
        Historicamente o termo sofista, no primeiro e mais comum significado, é equivalente ao paralogismo matemático, que é uma demonstração aparentemente rigorosa que, todavia, conduz a um resultado nitidamente absurdo. Atualmente, no uso freqüente e do senso comum, sofisma é qualquer raciocínio caviloso ou falso, mas que se apresenta com coerência e que tem por objetivo induzir outros indivíduos ao erro mediante ações de má-fé ”

        Então Eduardo, é preciso seguir os conselhos de Jesus: “Vigiai e orai”, e veja que o vigiai veio primeiro que o orai. Mas estes tempos de descalabro, de lutas acerbas das trevas contra a luz, do mal contra o bem, da ignorância contra o esclarecimento, da mentira contra a verdade, estão felizmente chegando ao fim.

        O fim deste tempo é chegado. As trombetas ribombam anunciando a nescessária renovação da humanidade, do afastamento daqueles que perseveraram em escurecer os panoramas do mundo com sua soberba filha do orgulho, com sua maldade filha do egoísmo.

        Os terrenos rugem em terremotos tão assombrosos quão frequentes, os vulcões gospem as entranhas da Terra na atmosfera pestilenta que a humanidade criou com seus pensamentos doentios, as Estrelas revelam órbitas desconhecidas pelos homens ameaçando-nos com sua proximidade inesperada, o Sol levanta suas labaredas em tempestades que nos alcançam num momento de fragilidade das forças magnéticas que nos protegem, devido à inversão dos pólos surpreendente, os extra-terrestres escrevem suas mensagens nos campos de plantações, alertando-nos para nossa modificação de conduta antes que os portais se fechem por completo, os profetas de antanho são pesquisados pelos assombrados incrédulos que desdenharam de seus avisos por milênios, enfim Eduardo devemos estar preparados todos para a transição planetária que veio na época predita e se efetua em marcha acelerada rumo à um amanhã radioso pleno de esperança na paz que coabitará com os que merecerem ser Herdeiros do Novo Mundo.

        “Bem aventurados os brandos e os pacíficos pois herdarão à Terra”.

      • J.R.Pereira disse:

        “Bem aventurados os brandos e os pacíficos pois herdarão à Terra”.

        Exato.
        Herdarão sete palmos de terra, pra ser exato.

      • Vitor disse:

        Roberto, você nos acusa de distorcer fatos, embora não diga quais fatos distorcemos em nossa análise, e é pena que essa sua crítica você não dirija também ao Emmanuel com seu livro “Há Dois Mil Anos”. Ali sim você encontra distorções dos fatos. Você diz que a história depende da interpretação do historiador. Em parte sim, em parte não. Qual a subjetividade, por exemplo, da frase: “Caíram duas bombas no Japão”?

        Também não se é preciso ter o “registro fiel de cada passo dos milhões de seres que viveram naquele período” para se negar a existência do Publio Lentulus que teria vivido à época de Cristo e seria bisneto de Publio Lentulus Sura. Simplesmente porque Sura NÃO teve filhos, muito menos bisnetos. Qual a prova disso? O texto abaixo é extraído da pesquisa do Senhor José Carlos:

        “Da vida pessoal de Sura, sabe-se que casou-se com Júlia, a viúva de Marco Antônio Crético (o pai do famoso Marco Antônio, o triúnviro, futuro marido da rainha Cleópatra do Egito).

        Essa Júlia, filha de Lúcio Júlio César (cônsul 90 aC), havia se casado inicialmente com o já citado Marco Antônio Crético, que foi pretor em 74 aC e logo depois foi nomeado propretor com poderes extraordinários para combater os piratas orientais, de Creta e da Cilícia, entre 73 e 71 aC (daí retirou seu cognome “Crético”, ou seja, “Cretense”). Contudo, não foi bem sucedido, e morreu em campanha, deixando Júlia viúva com três filhos: o famoso Marco Antônio (o filho mais velho, nascido em 82 ou 81 aC), Gaio Antônio e Lúcio Antônio. A fim de assegurar tanto a sua sobrevivência quanto o futuro político de seus três filhos, Júlia fez o que qualquer viúva romana em sua situação faria: procurou um novo marido, politicamente conectado, que estivesse disposto a se casar com ela – e encontrou essa pessoa em Públio Cornélio Lêntulo Sura.

        Todas as evidências históricas disponíveis são claras: foi Lêntulo Sura quem criou, com Júlia, os três filhos que ela tivera com Marco Antônio Crético. Isso é confirmado por Cícero, que, vários anos depois, num de seus famosos discursos contra Marco Antônio , explicitamente declara, a fim de ter mais uma arma com que acusar seu inimigo, haver sido ele criado pelo conspirador catilinário. Muito da ira de Marco Antônio contra Cícero veio do fato de este último haver condenado à morte o seu padrasto de modo sumário, sem o benefício dum julgamento. Mas há mais: por ocasião da morte de Sura, foi Marco Antônio quem reclamou o seu corpo e providenciou o seu enterro, como narra Plutarco no início de sua biografia de Antônio. [Ver (Plutarco de Queronéia, “Vidas Paralelas”, “Vida de Antônio”, capítulos I (inteiro) e II (seções 1 a 3)]

        Ora, essa tarefa caberia aos filhos; se o enteado, com cerca de 20 anos na ocasião (Antônio nasceu em 82 ou 81 aC, e a execução de Sura deu-se nos finais de 63 aC), a tomou para si, a conclusão lógica é a de que Sura não tinha filhos vivos que pudessem assumir essa sagrada responsabilidade. Portanto, ou ele não se casou (sendo Júlia sua primeira esposa) , ou, se se casou antes, não teve filhos, ou, se os teve, eles não sobreviveram à idade adulta. Portanto, torna-se bastante difícil sustentar que Públio Lêntulo, o senador romano da época de Cristo (se é que de fato existiu), pudesse vir a ser bisneto de Lêntulo Sura, o conspirador catilinário.”

        Assim, esse simples FATO já bastaria, em mentes racionais, para mostrar que o bisneto é completamente fictício, já que os filhos são fictícios.

        Não só isso, mas praticamente TODOS os nomes das personagens em Há Dois Mil Anos estão ERRADOS.

        Fazendo um resumos das diversas evidências da inexistência do Publio Lentulus, bisneto de Sura, pode-se dizer:

        a) não se conhecem descendentes de Lêntulo Sura, ao contrário, tudo indica que ele não os teve, já que foi seu enteado Marco Antônio que teve de providenciar suas exéquias;

        b) nenhum dos Lêntulos citados na época imperial, de Augusto e dos Júlio-Cláudios (portanto, contemporâneos de Cristo e da geração apostólica), pode ser considerado como descendente de Lêntulo Sura;

        c) nenhum desses Lêntulos históricos é citado na psicografia;

        d) os únicos Lêntulos citados na psicografia (o próprio Públio Lêntulo e um seu “parente”, Sálvio Lêntulo) não são citados nas fontes históricas;

        e) toda a “mise-en-scène” histórica da psicografia é derrubada pelo conhecimento factual de que se dispõe sobre a sociedade romana, e judaica, bem como sobre a estrutura político-administrativa e social do Império Romano na época: p.ex., nenhum senador exerceria funções “em Esmirna”, nem iria numa “missão” numa província procuratoriana como a Judéia; e, enfim, não houve nenhum Lêntulo no “conselho de guerra” de Tito por ocasião da guerra judaica.

        Outra coisa, em Ciência há muito tempo que se recomenda evitar o uso da palavra “prova”. Tudo o que temos são INDÍCIOS ou EVIDÊNCIAS. A palavra “prova” é usada somente em Matemática e Lógica, porque nessas disciplinas científicas conhecemos todas as variáveis envolvidas. No mundo natural já não podemos dizer o mesmo. Leis científicas jamais podem ser comprovadas ou verificadas, no sentido de termos uma certeza absoluta de que elas descrevem com exatidão a são a resposta final para os fenômenos que observamos no Universo. Por isso usar a palavra “prova” é, em si, um erro, erro esse que só cometem aqueles que estão décadas em atraso com a filosofia da ciência.

      • Roberto disse:

        “Todas as evidências históricas disponíveis são claras…”

        E as evidências histórica NÃO DISPONÍVEIS estão sendo consideradas?

        Aguarda-se com expectativa, que vossas senhorias apresentem as evidências históricas da existência de Jesus, por favor, antes de prosseguirmos neste embate, posto que seria uma contribuição inominável para a humanidade que prestásseis este serviço às gerações de cristãos que por Ele morreram, por Ele viveram e que NEle gostariam de crer (como Tomés de ontem, de sempre).

        Para vocês serviram as deduções de suas próprias mentes para confirmarem os famosos “indícios” da existência de Jesus, e baseando-se na própria Bíblia, Atos (pasmem)?

        Meus caros, não há proveito em considerar suas elucubrações como sendo conclusivas em qualquer sentido, tanto de negar quanto de confirmar. Se vocês têm este critério falho para aceitar o caso de Jesus Cristo, qual não será a expectativa quanto ao caso de Publius Lentulus?

        Se os vossos métodos e fontes não confirmam Um (Jesus), muito mais importante, não confirmarão outros.

        A serventia, de minha parte, destes seus textos, foi de consultar na internet, algo que nunca houvera feito antes, sobre as contestações, alegações e “mise-en-scène” de muitos iguais à vocês quanto a veracidade histórica da figura de Publius Lentulus. Foi realmente proveitoso para mim, e assim como vós, que tiraram suas conclusões débeis, eu também tiro as minhas, débeis ou não.

        Vocês basearam-se na ausência de referências históricas, o que não significa que não houveram os acontecimentos, e eu me baseio na mesma ausência para prosseguir com minhas convicções até que surja alguém para provar o contrário.

        Não menoscabe o sentido da palavra PROVA para dar autenticidade às tuas conclusões baseada em “INDÍCIOS” (Um indício é algo que insinua qualquer fato ou evento, sem o desvendar na totalidade) ou em “EVIDÊNCIAS” (Uma evidência é tudo aquilo que pode ser usado para provar que uma determinada afirmação é verdadeira ou falsa). Veja que em ambos os casos têm a palavrinha que renegaram, PROVA, para atrapalhar seus raciocínios, e suas evidências ou indícios não estão provando nada até agora, por mais que usem e abusem dos termos “CLARA, FATO, TODOS, OU ISTO OU AQUILO, FEZ O QUE QUALQUER UMA FARIA,…). Este termos, vagos, de objetivos não têm nada. Continues, fiel escudeiro do Sr. José Carlos, tal qual Sancho Pança, e obliterará tua capacidade de raciocínio.

        Você dão opiniões pessoais, inacreditável, para embasar seus pareceres. Como é possível a frase em que dizem que a Júlia fez o que qualquer uma faria? E a frase que diz que as evidências são claras, se não são claras coisa alguma? E a pérola do achismo quando dizem que ou não casou, ou casou e não teve filhos, ou não sobreviveram? Quantos “ou” mais poderíamos ter? Por exemplo, poderíamos dizer também “ou nós não queremos dar uma opção que confirme que tiveram mais filhos além dos criados por Sura”, “ou não têmos referências consistentes o suficiente para negar que tivessem tido mais filhos”.

        Ora. Que esperança hein?

        Agora vou para o lado moral, o qual não é do vosso interesse pelo que alegais, mas é o que se sobressai inconteste. Mostra-se Emmanuel como a reencarnação do próprio Publio Lentulu Suras na figura de Publio Lentulus. Um era criminoso, ambicioso e inescrupuloso, o outro era sobejamente orgulhoso. Agradeço à humildade de Emmanuel ter oferecido a sua própria história como testemunho do caminho que todos deveremos seguir para ascender, vencendo as imperfeições que nos levam a sermos criminosos e orgulhos, dentre outras misérias morais.

        Olha Vitor, não posso continuar contra-argumentando suas opiniões (e não “provas” de nada). Preciso muito trabalhar e cuidar dos assuntos da vida, e quiçá, gastar mais tempo seguindo o exemplo de dedicação e caridade do tão malfadado e fraudador Chico Xavier, não é?

        Devo me despedir com a pouca contribuição que meus pensamentos ofereceram ao debate. Adeus.

      • Marcio disse:

        Este comentário é dirigido aos interessados, em especial Sr. Roberto, que postou sua opinião em 20/abrl – 7:25 pm.

        Antes de mais nada, parece que sou o único aqui que não tem certeza de coisa alguma!

        1 – Roberto, por favor me explique o que quis dizer com: “E as evidências histórica NÃO DISPONÍVEIS estão sendo consideradas”

        Ora, “considerar evidências não disponíveis” é algo que NÃO entendo. Me parece uma “contradio in terminis” (é assim que se escreve?), como um círculo quadrado.

        Se existe algum dado que aponte, indique, evidencie ou comprove um suposto acontecimento, porém esse dado É DESCONHECIDO DE TODOS OU NÃO ESTÁ DISPONÍVEL (o que para mim, dá no mesmo), QUAL A CONCLUSÃO A QUE DEVE CHEGAR QUEM BUSCA POR RESPOSTA FUNDAMENTADA?

        Que não pode adimitir esse acontecimento pois não ha evidência (ou prova) alguma do mesmo ou que “PODE HAVER ALGO QUE SEJA DESCONHECIDO E QUE COMPROVE O ACONTECIMENTO” ?

        2 – Também uma expressão me chamou a atenção: “Vocês basearam-se na ausência de referências históricas, o que não significa que não houveram os acontecimentos, e eu me baseio na mesma ausência para prosseguir com minhas convicções até que surja alguém para provar o contrário.”

        Bom, talvez pela minha limitação e condicionamento (sou advogado) isso me pareça absurdo. É a chamada PROVA NEGATIVA. Quem afirma que algo ocorreu ou existe tem o ônus da prova! não é assim?

        Se a tal obra afirma tratar fatos (controversos) ocorridos em uma das vidas do escritor(de existência mais controversa ainda) desencarnado, a única “prova” que temos é a própria obra escrita, o que é inconcebível.

        Se todos os demais esforços (as citadas fontes históricas, completas ou não)falharam em demonstrar a qualquer resquício ou indicação da existência dos fatos e do tal senador, qual a conclusão a que posso chegar?

        Para mim é bem simples. Vejamos se consigo me fazer entender. Se eu CREIO no conteúdo do livro pela autoridade de quem escreveu ( o tal argumento da autoridade) ou por que partilho da mesma doutrina ou NÃO CREIO pela ausência de tal autoridade (o tal ad ominem) ou sou partidário de outra doutrina, dá no mesmo: é uma questão de CRENÇA!

        Mas se não posso usar de crença, só me valem evidências outras que não a própria afirmação de quem escreveu a obra , EVIDÊNCIAS ESSAS QUE NÃO EXISTEM OU NÃO FORAM ENCONTRADAS ATÉ O MOMENTO, a qual conclusão devo chegar?

        Resumindo: se “A” escreve fatos que alega verdadeiros, ao menos em parte,esses fatos dever ser comprovados de alguma outra maneira, que não a palavra ou a autoridade de “A”, senão como tê-los como verídicos?

        Atenciosamente
        Márcio

      • sergio disse:

        Se em permite me intrometer:
        “E as evidências histórica NÃO DISPONÍVEIS estão sendo consideradas”

        Segundo o Vitor e seu estudo incrivel sobre os costumes antigos dos romanos, havia uma regra para a criação dos nomes. regras que foram totalmente ignoradas por chico na criação do nome dos personagens do tal livro “A dois mil anos”.

        Sendo um estudo histórico, as informações foram divulgadas como evidências de que Chico criou tais nomes da cabeça dele, seguindo regras contemporâneas. Notou que tal mecanismo foi usado em varias personagens.

        Resumindo. Vitor encontrou evidencias de que a construção dos nomes esta incorreta e que, conseqüentemente, chico mentiu, tornando o livro uma romance e não um livro veridico, como se acreditava.

        Roberto, por sua vez, nao aceita tais evidencias pq acredita que o Vitor, apenas nao ‘descobriu’ as evidencias que provam haver lógica na forma como Chico X construiu os nomes,digo, na forma como o tal espirito ditou Ao Chico X.

        Resumindo: Vitor diz que Chico X mentiu pq nao encontrou as evidencias de que ele dizia a verdade. E Roberto diz que Vitor esta considerando as evidencias que ele não encontrou. Entendeu ? confuso…
        rsrsrsrrsrs

        Ele quis dizer que não foram encontrada as evidencias que justificavam a construção dos nomes no tal livro “A dois mil anos”, segundo o estudo do Vitor foram inventados pelo Chico de forma incorreta. E apenas por motivo destas tais evidencias não terem sido encontradas, Chico X foi ‘considerado’ mentiroso.
        AO meu ver, o Roberto acredita que existem evidencias de que Chico não mentia, porem as evidencias estão ocultas, ainda.

        Ainda baseado no trecho transcrito, me parece que o Roberto não quer evidencias de que Chico X não dizia a verdade, e sim evidencias de que Chico mentia. Como é tudo uma questão de interpretação fica evidente a questão da fé.

      • Vitor Moura disse:

        Oi, Eduardo,

        Quanto à adaptação da obra à linguagem contemporãnea, o que o Emmnuel diz exatamente é:

        “Tenho-me esforçado, quanto possível, para adaptar uma história tão antiga ao sabor das expressões do mundo moderno, mas, em relatando a verdade, somos levados a penetrar, antes de tudo, na essência das coisas, dos fatos e dos ensinamentos.”

        Veja que ele fala em adaptar apenas as expressões, mas que vai relatar a verdade, penetrando, antes de tudo, na essência dos fatos. Assim o próprio Emmanuel coloca em primeiríssimo lugar a veracidade histórica do que está narrando. Não dá para aceitar, portanto, adaptações que comprometam a veracidade histórica. Infelizmente, é isso que acontece.

      • Eduardo disse:

        Vitor,

        Foi sobre essa passagem que escrevi. Mas leia mais e perceba que há um certo desconforto nessa questão por parte de Emmanuel.

        “Não sei se conseguiremos realizar tão bem, quanto desejamos,
        semelhante intento. De ante-mão, todavia, quero assinalar minha confiança
        na Misericórdia do Nosso Pai de Infinita Bondade.”

        Mais um pouco:

        “Iniciamos, com o amparo de Jesus, mais um despretensioso
        trabalho. Permita Deus que possamos levá-lo a bom termo.”

        Agora, buscando o que considero ser a essência:

        “Agora verificareis a extensão de minhas fraquezas no passado,
        sentindo-me, porém, confortado em aparecer com toda a sinceridade do
        meu coração, ante o plenário de vossas consciências. Orai comigo,
        pedindo a Jesus para que eu possa completar esse esforço, de modo que
        o plenário se dilate, além do vosso meio, a fim de que a minha confissão
        seja um roteiro para todos.”

        A citação abaixo tb está de acordo com a essência, que eu considero ser a moral Cristã. Veja:

        “Permita Jesus que eu possa atingir os fins a que me propus,
        apresentando, nesse trabalho, não uma lembrança interessante acerca de
        minha pobre personalidade, mas, tão somente, urna experiência para os
        que hoje trabalham na semeadura e na seara do Nosso Divino Mestre.”

        Falando do plano espiritual:

        “A humildade desse generoso Espírito vem
        demonstrar que no plano invisível há, também, necessidade de esforço
        próprio, de paciência e de fé para as realizações.”

        Talvez a análise seja mais profunda do que uma simples busca de trechos do livro, como fizemos. Podemos ficar muito tempo discutindo sobre Chico Xavier e não vamos chegar a um consenso. Vejo Chico como alguém que nos trouxe algo que muito acima de nossa capacidade de compreensão, quer seja nas ciências, como tb na religião e a filosofia.

        Sds espíritas

      • Vitor disse:

        Roberto,
        eu não finjo ser espírita. Eu SOU espírita. O que as pessoas não sabem, ou confundem, é que Kardec listou vários tipos de espíritas, e dentro dessa lista de espíritas você encontra o espírita experimentador, o qual eu faço parte. Abaixo segue a classificação de Kardec em O Livro dos Médiuns, Capítulo III:

        Espírita Cristão: aquele que não se contenta em admirar a moral espírita, praticando-a e aceitando todas as consequências.
        Espírita exaltado: aquele que tudo aceita sem reflexão ou exame, sendo mais nocivo que útil à Doutrina.
        Espírita experimentador: aquele que se interessa apenas pelas manifestações, pelos fenômenos, desconhecendo o aspecto moral da Doutrina.
        Espírita imperfeito: aquele que, compreendendo a parte filosófica, admiram a moral daí decorrente, mas não a praticam.
        Espírita sem o saber: aquele que, sem nunca ter ouvido falar da Doutrina, possui inato sentimento dos seus princípios, o que refletem em seus escritos e em seus discursos.

        Essa definição de Kardec você encontra no Livro dos Médiuns. Kardec voltou a comentar o assunto da Revista Espírita de 1861, desenvolvendo-o ainda mais. Lá, ele diz:

        “Traçamos, em O Livro dos Médiuns (no 28), o caráter das principais variedades de Espíritas; sendo essa distinção importante para o assunto que nos ocupa, cremos dever lembrá-la.

        Podem-se colocar em primeira linha aqueles que crêem, pura e simplesmente, nas manifestações. O Espiritismo não é para eles senão uma ciência de observação, uma série de fatos mais ou menos curiosos; a filosofia e a moral são acessórios, dos quais pouco se preocupam, ou dos quais não supõem a importância. Nós os chamamos Espíritas experimentadores.”

        Como vê, eu sou espírita, mas importo-me apenas com as manifestações. Não tenho um aspecto religioso, filosófico ou moral. Concluo pela existência de espíritos, da mediunidade, da reencarnação, porque sei de pesquisas científicas que dão evidências muito fortes para tais fenômenos. Mas não vejo Chico figurando entre os médiuns autênticos, nem o Emmanuel figurando entre os Espíritos. Minha conclusão é que ele é apenas uma personalidade secundária de Chico.

    • J.R.Pereira disse:

      Meu caro Elson, você quer saber qual é o maior poder do mundo?
      Não é dinheiro, nem armas, nem sexo ou religião.
      É a mentira.
      A mentira não é mais o oposto da Verdade. Hoje em dia é a SOBREPOSIÇÃO da Verdade.
      Mente-se tanto, mas de maneira tão compulsiva, que muito, mas muito raramente, surge uma vozinha de nada que diz o contrário nesse vozerio alucinado de lorotas.
      E essa onda de mentiras vem láááááá das cavernas, quando um bando de hominídeos comedores de fezes se urinava de pavor dos trovões, da chuva, do fogo e da Morte.
      Mas aí um espertalhão dominou o fogo e, pra não deixar ninguém chegar perto, dizia que era “o brilho dos deuses!”
      A macacada estúpida acreditou e passou a dar oferendas de carne, peles, lanças e mulheres para o cara dono do fogo.
      Pronto!
      Nascia a religião!
      O que acontece é que os caras da revista O Cruzeiro COM CERTEZA agira com a maior das ingenuidades.
      Foram estúpidos mesmo.
      Porque o esquema era tão mirabolante, tão estapafúrdio…
      Cacete, mesmo hoje, se rolasse, aposto meus gurgumilhos que muita gente iria acreditar.
      E a revista na época era sensacionalista pra caramba.
      Obviamente eles cobriram a bagaça, levantaram a bola pra chocar a sociedade da época, faturar uns trocos…
      Mas rapidinho fizeram xixi pra trás porque senão o couro comia no lombo deles.
      Independentemente da postura da revista e dos repórteres, o que é problema deles, o que interessa é a postura DO PRÓPRIO CHICO XAVIER!

      Imagine que o Papa foi fotografado ao lado de anjos.
      Que a revista Newsweek foi lá, a pedido do Vaticano, e tirou fotos com o camarada ao lado de Mikael, Azrael, Pão-de-Mel e Bananel!

      Depois se confirma, pela própria matéria, que o Papa foi enganado ou tentou enganar a Newsweek.

      Isso dava um bode, dava um sururu de caroço, que arrebentaria a Igreja Católica. Não a desmontaria, claro, mas a confiabilidade do Papa ia pra sarjeta! Se marcar, metiam uma bala no maluco e tals.

      EM COMPENSAÇÃO, se isso acontece NO BRASIL, fazem um filme laudatório do cara que tirou fotos ao lado de fantasmas fajutos!
      Ele concorre ao Prêmio Nobel da Paz, é idolatrado, amado, adoraaaado porqueeee salvooou as mãããaes de seeeeu sofrimeeeento…
      P.Q. me P. mano!
      Fosse isso acontecer na Finlândia, Dinamarca, Inglaterra, Suécia ou mesmo nos EUA, dava CADEIA PRA TODO MUNDO!

      Aqui, não pega nada e ainda só faltam canonizar o pilantra!

      A mentira é o maior dos poderes, cara.
      A mesma mentira que te fez acreditar em deus e em jesus.

      Não sei como vocês conseguem viver com TANTA mentira…

      • Mori disse:

        JR, a Igreja Católica tem as suas fraudes, as quais trata com condescendência quando não apoio oficial.

        O milagre do manto de Guadalupe, por exemplo, é uma simples pintura retocada várias vezes. Isso não impede a Basília de Guadalupe de promover o manto como um mistério. O “Santo Sudário” é sem dúvida outra pintura medieval, isso não impede a Igreja de exibi-lo como relíquia. Não afirmam que é autêntico, mas dão todo o espaço para que padres falem extra-oficialmente que o seja.

        Também há os corpos “incorruptos” (em verdade bem “corrompidos” e cobertos por máscaras de cera) e tantos outros “milagres”.

        Nada disso abala a fé dos católicos. Sua comparação é acertada porque a mesma dissonância cognitiva aflige os espíritas, que não raro gostam de se posicionar como mais cultos e sofisticados que os católicos conservadores.

        No novo texto que publicarei sobre a questão não me aventurarei a especular se Chico sabia ou não da fraude. Até onde pude ver, não se pode concluir nada a respeito. Agora, a fraude ocorreu, e Chico foi no mínimo enganado, endossando enntusiasticamente como autêntica uma fraude. Esse é um fato. O endosso de Chico à materialização é o motivo para que espíritas não consigam conceber que fosse uma fraude, aliás.

      • Roberto disse:

        JRP,

        Neste ponto não há como não concordares contigo, a mentira é causadora de muitos males.

        Seria bom que você não só dizesse que a mentira é ruim mas que você mesmo não mentisse assim, tão descaradamente, e depois, hipócritamente, condenasse a mentira.

        Você foi pego na mentira 3 vezes, que eu lembre, nas postagens aí em acima.
        Noutras vezes você cai na fossa da fofoca. Quem pode crer alguém dizer que o Quevedo disse que o Chico Xavier tinha relações sexuais com homens?

        Você não vê a situação degradante em que está se envolvendo? Você não se respeita e não respeita ninguém.

        Quanto mais você se manifesta, mais lastimável, mais triste fica a tua situação.

  105. Vitor Moura disse:

    Chico definitivamente fraudou, não há dúvida quanto a isso. Ele materializou Públio Lentulus, que JAMAIS existiu. É hora do povo saber a verdade.

    • Roberto disse:

      Ah, o Vitor Moura, por aqui!

      Eis que o mentor do editor em assuntos espiritas apareceu para fazer seu comentário!

      Jamais existiu? Quem te disse isto? Foi procurar em algum cartório romano, talvez, para afirmar isto?

      Não estás mais na condição de negar a existência de Emmanuel ou de sua reencarnação como Publio Lentulus. Não percebe que negar por negar qualquer criança faz?

      “- Quem foi que quebrou o vaso Vitor seu levado? Eu não fui não, não, não.”

      A tua frase é irrelevante, por mais que uses o upper-case para o jamais. Quer relevância no que dizes, prove, argumentes as razãos que te levaram a acreditar que ele não existiu.

      E o que é mais vergonhoso é tu te apresentares como “espírita” para chamar atenção, dar credibilidade às tonteiras que sustentas em artigos sofríveis.

      Se você for espírita faça uma prece, aqui, escrita, pedindo a Jesus e ao teu guia espiritual para que te ajudem a não adulterar a verdade, a ser autêntico e honesto sempre, e peça que eles te obstem os passos, te arranquem os membros antes de usá-los para escrever leviandades e acusações mentirosas. Mostre para os leitores as fibras mais sensíveis que foram tocadas no teu íntimo desde que travastes contato com a certeza da continuidade da vida, da comunicabilidade dos espíritos, da reencarnação e do Amor e Justiça de Deus para conosco à ponto de compreender a origem dos males que carregamos nos ombros em existências malogradas pela dor e pelo sofrimento.

      Advogue pela resignação dos aflitos, pela caridade dos cristão junto aos irmãos do infortúnio a nos pedir atenção e solidariedade.

      Qualquer espírita consideraria com enlevo a possibilidade de submeter os seus atos ao zelo e orientação do Mestre Jesus.

      Porque seria preciso um vulcão de orgulho e vaidade para se arvorar à revisor do trabalho das pessoas da envergadura moral de Chico Xavier ou de Emmanuel tendo-os na conta de farsante um e inexistente outro.

      Avaliar o conteúdo da obra é dever de todos, mas como podes ser tão cego criatura? Não percebes o quanto tu estás te comprometendo com estas estultícias lavradas no cartório público da internet?

      Vai saber qual é o móvel que te inspira? Assim como disse para o editor daqui, te pergunto: Vitor, por quem sois?

      Se Chico “definitivamente fraudou”, no teu entendimento, então você por favor se manifeste que “definitivamente não és espírita” pois aí poderás dizer tranquilamente estas barbaridades sem o manto mentiroso de se dizer “espírita”.

      Porque admitir que ele poderia ter sido enganado já seria uma desinteligência completa da espiritualidade de tutelou a reencarnação de Chico Xavier em prol da elevação do entendimento da humanidade nestas horas finais da transição planetária, agora acusá-lo de fraude? Um espírita fazer esta acusação? Ou é um falso espírita, como os há muitos por aí, ou é um completo ignorante.

      Basta de escrever pois o JRP têm o álibi de não ter fé, de ser ateu, mas tu Vitor, tu?

  106. Roberto disse:

    JRP

    Não se contradiga novamente, e sempre, e toda vez, e sem parar…

    Se você afirma categoricamente que:
    “O maior dos crimes é você abusar da fé de uma pessoa.”, então porque abusa da boa fé dos espíritas?

    O que para ti afigura-se um absurdo é a mais cristalina verdade. Se tu não acredita, tudo bem, é um direito teu crer ou não, mas quem te dá o direito de acusar sem provas? Que te dá o direito de agredir àquilo que tu não consegues entender?

    Se você não consegue e não quer auxilio para compreender os mecanismos do processo de materialização, ou antes disto, como você vai aceitar que um espírito se materialize se você não acredita em espírito? É uma violência realmente querer analisar as materializações se petrificou a tua mente na não existência dos mesmos e te revolta com as provas mais objetivas que poderiam te tirar deste estado de negação?

    Tenha um pouco de compostura homem. A realidade da existência dos espíritos não depende da minha opinião, da tua, da de Chico Xavier, ou de quem quer que seja. Os espíritos existem o mais afirmativamente possível, se materializam quando têm alguma utilidade, como no caso motivado por esta matéria e em muitos outros casos já catalogados, pesquisados cientificamente, tanto pelo próprio Chico como por inúmeros outros ao longo da história, principalmente após a divulgação da Doutrina Espírita há pouco mais de 150 anos.

    Se você quer ser uma criança mal educada, desbocada, birrenta, e sair dando pontapé no mundo porque não está ganhando o pirulito desejado, será um problema teu pois certamente não conseguirás, por mais que esperneie, agrida e calunie, não conseguirá diminuir um milímetro a credibilidade desta materialização, do caráter de Chico Xavier, quiçá de sua masculinidade, pois percebe-se que tu tens imensos problemas nesta área, mas não convém para ti advogar hipocritamente em nome de verdade alguma pois te declara abertamente mentiroso.

    Acha que ser macho é ser ignorante, violento, grosseiro? Qual nada! Nada sabes sobre ser homem de verdade. Homem de verdade é morrer pregado numa cruz sem dizer “ai” e bendizendo os agressores pois não sabiam o que faziam, perdoando-os, deixando o exemplo perene para os que seguiriam o seu exemplo corajosos e intimoratos, cristianizados, probos, inspirados, vencendo as lutas contra as suas próprias fraquezas e imperfeições, acendendo a luz e a pondo bem alto, sobre o alqueire, para que todos vejam.

    Tu, JRP, não queres enxergar a luz? Jesus te aguarda num futuro longínquo, mas não te abandonará neste ínterim pois nenhuma ovelha será perdida do seu redil. O Amor vencerá a casca rígida do teu orgulho e tu te rejubilará com a grandeza deste mesmo Amor, o Verbo que se fez carne, Jesus Cristo ladeado por todos àqueles missionários que tu apedrejastes injustamente na tua existência, por todas as tuas vítimas, e se fará festa pelo retorno do Filho Pródigo, o José Roberto Pereira, nosso irmão.

  107. J.R.Pereira disse:

    EEEPAAAAA!
    Peralá, mermão!
    Afasta de mim esse cálice que eu não bebo dessa bagaça nem que me paguem!
    Não me venha culpar por DIZER O QUE EU PENSO! Se lá na sua igrejam, culto, casa ou sei lá o que não rola diálogo, então tu fica lá no seu cantinho e não vem impor sua vontade, não!
    E quando foi que eu lesei a fé de alguém????
    Você viu foto minha ao lado de estelionatária fantasiada de Gasparzinho?
    Não.
    Eu viajei pros EUA com dólares na Bíblia, comprei mansões com o dízimo dos fiéis, corrompi deputados, fizeram filme a meu respeito como sendo um “homem santo”?
    Não, né?
    SÃO ESSES OS BANDIDOS da fé alheia, meu camarada!
    SÃO ESSES os que cometem crime de lesa à fé alheia!
    Eu só tiro um sarro da cara dos religiosos mas nunca ganhei, nem vou ganhar, um tostão com essa tal “caridade”.
    Aqui comigo só rola HO-NES-TI-DA-DE! Diferente desse bando de pilantras que você defende, Betinho Xará!
    Prestatenção, cara: eu não preciso acreditar que o ar existe pra respira-lo. Se eu fico sem respirar, ó! Babau!
    Não preciso acreditar no fogo pra me queimar, não preciso acreditar na minha mulher pra ela me partir a cara se eu não pagar as contas (ainda bem que já paguei!), não preciso acreditar na MORTE para MORRER!
    Então que DIABOS é essa “materialização” duzinfernos que a gente precisa “acreditar?
    Pô, eu devo acreditar no celular pra ele funcionar? Bom, no caso do meu sim, só com muita fé ele funciona…
    Mas o Blackberry da patroa voa baixo, baixa tudo, fotografa até meu nariz e, impresionante…
    ELE FUNCIONA SEM QUE EU PRECISE ACREDITAR NELE!
    Na verdade, O UNIVERSO funciona sem precisar de fé!
    Já pensou que caos seria a Nasa parando toda hora pra rezar pro Hubble funcionar?
    Aliás, pra que Ciência, né?
    É só a gente ter fé que tá tudo certo!
    Infelizmente o câncer, o linfoma, a neurofibromatose, o mongolismo e a BURRICE não se curam com fé, não é mesmo?
    Cara!
    Homem de verdade é aquele que paga as contas no final do mês! Que sustenta mulher, filhos, casa, pais, amante, o Estado e o bicheiro!
    Homem de verdade é o cara que não precisa de deus pra NADA, que não precisa de fantasminha mimimi pra segurar a mão dele na hora da Morte, bububu!
    Homem de verdade não precisa de “mentores espirituais” porque ele SABE sobre sua própria FINITUDE!
    E que é preciso ser bom AGORA, SEMPRE, ou ser o melhor possível, E SE APRIMORANDO CADA VEZ MAIS!
    Você pode ser um homem de bem.
    É só parar e perceber que seu “mestre” era um PILANTRA!
    Que você está no meio de gente LOUCA, e que o remédio que estão te danto NÃO VAI CONSERTAR SUA DOENÇA!
    Vai quebrar um galho mas ó!
    Essa treta VICIA!
    E aí, xará, você caiu no esquema dos caras e gasta fortunas com livrinhos que repisam a mesma ladaínha mas que, na sua cabeça oca, é tudo “novo”!
    Para com isso!
    Se tu chegou aqui no Ceticismo, é sinal que chegou sua hora de EVOLUIR, cara!
    Evoluir e abrir mão desses fantasminhas fajutos, desse deus de araquee encarar que NÃO ELES SÃO INÚTEIS!
    Que você pode ser uma pessoa boa, honesta, íntegra, sem compactuar com mentiras!
    Agora, tem que ver O QUE É QUE TU TÁ GANHANDO aí dos caras pra estar com eles!
    Eu não sou seu irmão, maluco!
    A única semelhança que temos é nossa morfologia e nossa base de carbono.
    Saí daí, eu quero mais é ficar sem jesus, sem anjos, demônios ou a P.Q.P!
    É-UMA-OPÇÃO-MINHA! Mas, antes, eu conheci esse cardápio aí de vocês e ó!
    Fantasia por fantasia, sou mais meus personagens!
    E te garanto uma coisa: numa hora vai cair um tijolo na sua fuça e ó!
    Essa sua “fé” vai se voltar contra você!
    Para com isso, escravo!
    Largamão de se capacho de bandido!
    Teu pai não te criou pra isso!

  108. Roberto disse:

    JRP,

    Digas o que pensas, livremente, e respondas por isto. Você não está falando de ti mesmo, mas da reputação de outras pessoas. Não se queixe, não se faça de vítima. Você não é vítima.

    Você lesa a fé de alguém quando mente procurando distorcer a verdade. Apresente fatos verdadeiros e a fé do outro poderá ser esclarecida. Como disse Kardec, a fé precisa encarar a razão frente à frente em qualquer tempo pois do contrário seria uma fé cega.

    Nesta foto a médium não está fantasiada, está hermeticamente trancafiada, acorrentada pelos pés, mãos, corpo, encadeada pelos próprios repórteres fiscalizadores, com roupa escura, expelindo ectoplasmas que foi utilizado pelo espírito de irmã Josepha para materializar-se. Otília se mostrou fraudulenta seis meses depois destas fotos, pelo menos, quando simulou materializações para propósitos infelizes, longe de Chico Xavier que não teve nenhuma relação com o ocorrido. Misturar os dois eventos é mentira e desonestidade, e isto lesa a fé das pessoas que buscam entender os porquês da vida e da morte pois algumas podem acreditar nas mentiras que pessoas como você dizem.

    O que qualquer outra pessoa tenha feito com dólares, Bíblia, dízimo, deputados não têm nenhuma relação com o objeto da matéria que gerou este debate. Você arrola eventos desconectados para dar guarida às suas argumentações.

    Você tira “sarro” dos religiosos? Qual foi o tostão que Chico ganhou com a caridade, haja visto que os recursos gerados com as obras psicografadas por seu intermédios foram usados para caridade. Viveu de seu salário de funcionário público aposentado, com modéstia e muito, mas muito trabalho em prol dos necessitados.

    Você não é honesto pois se fosse não mentiria, principalmente sobre assuntos tão graves.

    Sim, você não precisa acreditar, você apenas usufrui de todas estas coisas. Você é um materialista convicto. Pouco te importa o que exista além da matéria. É um modo de ver a vida e deve ser respeitado.

    Você não precisa acreditar em materialização, assim como não precisa acreditar no que não vê. Você só acredita no que os teus sentidos físicos percebem. É assim que o materialista vê a vida, pelo lente dos sentidos físicos.

    A fé é que faz cientistas dedicarem suas vidas na busca por descobertas que promovem o progresso da humanidade, seja fé na sua capacidade ou seja fé em alguém que governa todas as coisas. Você diz muitas tolices.

    Sua visão sobre homem de verdade é sua. Para mim, homem deve ter a coragem de não ter amantes pois isto só causa sofrimento, desonra e atraso. Ter amantes aproxima o homem do animal, não ter amante dignifica o caráter do ser que identifica na família a base do equilíbrio social.

    Ser bom agora, sempre, passa pelo terreno de respeitar o semelhante. O egoísmo faz busque-se o melhor, o bom agora, sempre, só para si mesmo.

    Chamá-lo de pilantra, ou qualquer pessoa, sem provas, é ofensivo. Você é leviano.

    O que tu não entendes você chama de loucura e doença, entre outros adjetivos pejorativos. Só é são quem pensa como tu.

    Eu paguei para estudar, desde criança, até a universidade. Eu pago para estudar pois livros custam dinheiro para serem impressos, tanto livros mundanos quanto espiritualistas. Para você é ladainha, para mim é conhecimento, e conhecimento é liberdade. Liberte-se da ignorância estudando e praticando o que aprende.

    Evoluir. É o que qualquer um consegue se esforçando, estudando, trabalhando, estando com a mente aberta para o aprendizado da vida. O ceticismo que tu praticas te limita. Você é quem é o escravo.

    Eu não ganho nada pecuniário expondo minhas idéias e defendendo as idéias espiritualistas (não só espíritas). Vivo do rendimento do meu trabalho, sustento minha família de esposa e cinco filhos, emprego vinte pessoas no pequeno negócio que mantenho e é dele que vêm absolutamente todo o meu sustento.
    Eu não sou teu irmão? Eu te considero meu irmão e isto é comigo, não depende de ti.

    Na hora que cair qualquer coisa na minha cabeça, ou que eu morrer, ou que morrer um parente próximo como morreu um dos meus filhos, aí a minha fé me sustentou e me sustentará pois a morte não existe. Kardec matou a morte em definitivo sob os auspícios do Espírito Verdade que coordenou a terceira revelação aos homens encarnados, o Espiritismo, que veio restabelecer todas as coisas consoante a promessa de Jesus Cristo. Somos seres eternos criados por Deus.

    Meu pai me criou, ou melhor, meu padrasto me criou, pois não conheci meu pai biológico, estimando talvez que eu fosse parecido com ele na sua visão de mundo. Ele era um homem muito parecido consigo Jose Roberto Pereira. Agradeço à Deus não tê-la seguido e ter escolhido meus próprios caminhos.

    Que Deus te abençoe, meu irmão.

  109. J.R.Pereira disse:

    Ah, tá!
    Quer dizer que daqui pra cá tá tudo certo, dali pra lá é fraude?
    Que bonitinho!
    Tão conveniente!
    Tão fácil!
    “Viva jesus!”
    HAHAHA!
    AQUI, Ó!
    Comigo não rola condescendência, não!
    Amigo de bandido é bandido, quem lucra com, bandido é bandido e pronto!
    Se essa maracutaia rolasse até na Argentina, tava todo mundo preso. Mas já que a polícia pisou na bola, como sempre pisa neste país ridículo, olha aí a desgraça: nosso “irmão” justificando um crime e salvando bandido.
    E o errado, claro, é quem acusa!

    — Quem disse que sou vítima? Eu VI e VEJO o que essa corja faz! Eu vi famílias desfeitas, vi gente tentar se matar e vejo aqui, agora, um alucinado JUSTIFICANDO um estelionato! Pelo amor das minhas cuecas, para o mundo que eu quero descer!
    — Eu não leso a fé de ninguém! Eu RIO da fé de TODOS. Se neguinho se joga numa massa amorfa de fiéis, ó! Problema dele. Eu RIO e ESCRACHO de TODO MUNDO que acredita nesses fantasminhas ridículos, nesses estelionatários canalhas e nas palavras de um frances racista.
    Esse é meu direito INALIENÁVEL da mesma forma que você pode ficar de joelho, benzinho, eu fico de pé. E morro LIVRE, sem ilusões, sem medos, sem receios,sem desilusões.
    — Na minha concepção, não há diferença entre dólares na bíblia e fantasminha. É-TUDO-FAAARSAAAAA! É TUDO ESTEEEELIOOONAAATO!
    Mas o religioso é um caso sério, TUDO dos outros é podre, atrasado, “vá estudar”. MAS O DELE é impecável. Sempre condescendente com suas coisas porque, afinal de contas, é o seu PEQUENO IMPÉRIO DA FÉ!
    Não interessa furto, roubo, enganação, estelionato, mentira, racismo, que se dane tudo isso.
    “É MEU! Não admito que mexam no meu Forte Apache divino, não deixo mexerem na minha Ilha Misteriosa espiritual! Senão eu choooro!”
    Porque essa porcaria dá pro cara um POSTO, um CARGO, um diploma, flâmula, uma IDENTIDADE!
    Ele está SALVO! Ele e´parte da “grande família espiritual” chamada Humanidade!
    (mãos postas no peito) Somos todos iguais perante o Grande Pai Celeste, mimimi, o meu irmão ainda estará aqui comigo, bububu…
    Cara!
    Isso é o Walmart da fé! O Carrefour de deus!
    Só que EU-NÃO-QUERO-FAZER-PARTE-DESSA-JOSTA!
    “Não importa! Queira ou não, você é nosso irmão! Sua vontade não é nada!”

    Sabe o que é isso?
    Câncer.
    O câncer avança, contamina, apodrece e não se importa se aceitam ele ou não.
    F(*)-se sua vontade.
    Pro inferno sua autonomia.
    ELES NÃO TE RESPEITAM mas querem ser respeitados.
    E eu devo em calar! Hah! Vai nessa!
    — No segundo filme do Conan, Thulsa Doom manda uma moça se matar. Ela se mata. Ele diz: “poder é isso”.
    Endosso: poder não é dinheiro, bens materiais, sexo ou drogas.
    O poder maior é ter pessoas TE SERVINDO! ACREDITANDO NA SUA MENTIRA!
    Seja a mentira da democracia, a mentira da justiça social, distribuição de renda, jornalismo, política, Estado, Leis, o que o ser humano quer é SER ILUDIDO!
    Pois somos animaizinhos acovardados e arrogantes de nossa própria condição de covardes.
    Bom, eu não sou assim.
    Sou cético porque não me vendo, ateu porque SEI da farsa disso tudo.
    E LIVRE porque não estou de joelhos.
    — Eu não sou honesto mesmo! Nem bonzinho, santo, puro, casto. EU-SOU-EU! Um homem cheio de erros, impuro, contaminado, meio louco mas AUTÊNTICO…
    *POIS-NÃO-TENTO-SER-QUEM-NÃO-SOU!*
    Sou Verdadeiro em minha imperfeição e é ELA quem me faz ser quem sou.
    Orgulho-me de minha finitude.
    — Eu nunca disse que sou materialista, pedaço de néscio! Eu SEI que existem Mistérios no mundo. Eu os vi, EU OS PRODUZI, eu SEI!
    Mas pobre daquele que ousar lhes dar explicações. Quem tentou, se ferrou.
    — Sei lá dos cientistas! Cada um acredita no que quiser. Mas cientista de verdade não tem fé. Se tiver, não é cientista.
    — Ser bom é uma coisa, respeitar gente estúpida é outra! Tá o cara comendo m(*) na rua achando que come caviar, depois quer que EU COMA sua sujeira pois ela vai me salvar??? Eu paro e rio dele! Respeitar maluco arrogante? Eu não!
    — Só é são quem é são. Maluco é quem acredita em anjinhos, fantasminhas. Quem pensa que nem eu é só eu. Atenha-se à diferença!
    — Quem me limita sou eu. Não o que eu acredito. E na minha Arte sou vasto e sem fim.
    — Você ganha uma coisa só, benzinho: joelhos dobrados. Você é ovelha de um pastor que te esfola e estupra. Eu sou o cão sarnento que não tem morada, que é pobre, faminto, solitário… MAS LIVRE! E essa liberdade você nunca conhecerá.
    — Kardec matou a Razão. Fosse você um homem de fato, aceitaria a morte de seu filho como um fato da vida. Mas você VACILOU! TEVE MEDO e INCONFORMISMO! Daí te deram uma droga pra aplacar a dor, e ela te viciou.
    Você não é diferente do viciado em crack da esquina.
    Você desonra a memória de seu filho pois deveria erguer um monumento à Liberdade em si, em honra do falecido! Ao contrário, você PROSTITUIU SUA ALMA! VOCÊ SE VENDEU!
    Você me enoja!
    — O legal do religioso é que ele mesmo fornece as respostas para decodifica-lo.
    Abrace o cadáver de seu filho, Betinho!
    Pois é isso que nós somos: uma pré-carcaça.
    Honre-o sendo corajoso, desonre-o sendo escravo.
    — Não sou seu irmão. Pois você renegou seu filho e se acovardou. Duas coisas que me impedem de te respeitar. ;-)

  110. Vitor disse:

    Roberto,
    se você acompanhasse meu blog saberia há muito tempo as razões de porque Públio Lentulus jamais existiu, assim como diversas personagens em Há Dois Mil Anos. Coloco aqui as palavras do Senhor José Carlos, ligeiramente adaptadas:

    “Está-se referindo a uma família da aristocracia senatorial romana, e uma que esteve, ao longo do período de Augusto e dos Júlio-Cláudios (especialmente sob Augusto, Tibério e Calígula) bem próxima do círculo de poder e do próprio Imperador. Há evidências detalhadas de inúmeros Lêntulos dessa época. E há evidências bastante sólidas no sentido de apontar a inexistência específica dum “Públio Lêntulo”, descendente de Lêntulo Sura, contemporâneo de Cristo, etc. O que dele se diz em “Há Dois Mil Anos” é de tal modo importante que uma pessoa que tivesse tido a carreira que a psicografia lhe atribui teria deixado traços históricos – e simplesmente não há nenhum! Não apenas isso: todo o mundo desenhado por “Emanuel” na psicografia não existe na evidência histórica, e a evidência histórica somente aponta pessoas que não são citadas na psicografia. Especificamente sobre a família, assim, seria bom que os espíritas pudessem contestar o seguinte:

    O único “parente” de Lêntulo na psicografia, “Sálvio Lêntulo” (um nome aliás impossível pela prosopografia da época), não tem nenhum registro histórico;

    Ao contrário, nenhum dos Lêntulos historicamente atestados (principalmente os Getúlicos e os Salvidienos Orfitos) são sequer mencionados na psicografia;

    Nada se fala acerca do “cursus honorum” de “Lêntulo” na psicografia; e sua “missão” na Judéia, no contexto administrativo da época, não faz nenhum sentido.
    —-
    Adicionalmente, não houve um “Lêntulo” no conselho de guerra de Tito. Sabe-se (por Flávio José) a composição precisa desse conselho de guerra, e lá não consta nenhum “Lêntulo”…

    Aliás, muita coisa sobre a aristocracia senatorial romana e as famílias senatoriais da época imperial pode ser analisada na obra de Settipani, “Continuité Gentilice”, e na detalhadíssima bibliografia que o acompanha. É só pesquisar…

    Somando-se a isso, tem-se, adicionalmente: a) a ignorância de Xavier/Emanuel acerca da prosopografia romana da época; b) sua ignorância acerca das estruturas administrativas da época (o “cargo” de Lêntulo em Esmirna, a sua inexistente atuação no “conselho de guerra” de Tito; a presença de tropas legionárias na Judéia antes da revolta de 66-72 dC, etc.); c) a descrição da figura de Jesus constante na “carta de Lêntulo”, que somente se formou a partir dos fins do séc. IV dC, e que somente se consolidou a partir do séc. IX dC; d) a ausência de qualquer referência, em qualquer escritor, cristão ou pagão, de “Lêntulo” e de sua carta, até ao séc. XV dC.

    Diante de tudo isso, então, estariam os espíritas na obrigação moral de (como em vários outros casos) simplesmente seguir as diretrizes do próprio Kardec, e rejeitar, no mínimo por prudência, essa identificação. Insistir nisso somente os leva a situações embaraçosas e cada vez mais afastadas da ciência histórica e da simples razão. Mas, é claro, já deve ter se tornado óbvio que o que menos alguns espíritas “kardecistas” fazem é seguir o próprio Kardec. Não são “kardecistas”; são apenas “kardecólatras” (quando lhes convém) ou “chicólatras”.

    De novo o desafio: se têm tanta certeza assim da efetiva existência de “Lêntulo”, façam então um apanhado, detalhado, de tudo isso, e publiquem (ou procurem publicar…) em revistas históricas conceituadas, no Brasil e no exterior. Deve haver historiadores de profissão entre os espíritas kardecistas. Se acreditam mesmo em “Lêntulo”, que façam isso. Vejamos quem aceita tais publicações, e mais, que tipo de críticas esse material receberia…

    Acrescente-se que, ao fim das contas, o ônus da prova, no que diz respeito a Lêntulo, pertence inteiramente aos “kardecistas” que afirmam categoricamente que ele existiu. Afirmam isso contra toda a evidência histórica; portanto, devem provar, à exaustão, e convincentemente, e com argumentos racionais, que a pessoa em questão efetivamente existiu, que esteve na Judéia, que escreveu ao “Senado” (ou ao Imperador…), etc. E refiro-me a provas concretas, não à própria psicografia, ou de eventuais “revelações”. Produzam evidências palpáveis e documentos históricos fidedignos que mostrem que existiu um Públio Lêntulo, descendente de Lêntulo Sura, que exerceu funções em Esmirna, que esteve no conselho de guerra de Tito, que esteve numa “missão” na Judéia na época de Pilatos, e que escreveu um relatório (ao Senado? Ao Imperador?) sobre um certo Jesus de Nazaré.

    A época de Augusto e dos Júlio-Cláudios (c. 30 aC a 68 dC) é um dos períodos MAIS BEM DOCUMENTADAS da História romana (e judaica), tanto pelos textos históricos em si quanto pelas evidências arqueológicas e epigráficas.

    Para o estudo (detalhado) do enorme corpo de inscrições do período, referentes tanto a aspectos administrativos quanto, principalmente, à genealogia das famílias senatoriais romanas, pode-se consultar tanto Sherk (“Translated Documents of Greece and Rome – The Roman Empire – Augustus to Hadrian”) quanto, principalmente, o já citado Settipani (“Continuité Gentilice et Continuité Familiale dans les familles sénatoriales romaines à l’époque imperial – mythe et realité”), citadas, inclusive, na Bibliografia da pesquisa.

    Sobre as fontes históricas, o período é coberto por várias obras. A seguir, um resumo despretensioso.

    Muitos compendiadores posteriores, consultando obras da época, deixaram resumos ou tabelas cronológicas que abarcaram o período em questão, e que fornecem detalhes preciosos: a “Crônica” de São Jerônimo, a “Epítome dos Césares” de Aurélio Vítor, o “Breviário” de Flávio Eutrópio, etc. Isso, claro, sem contar os cronistas bizantinos posteriores, ou sem considerar o tesouro de informações que se pode obter, esporadicamente, quer a partir da “Suda”, quer a partir da “Biblioteca” do patriarca Fócio. É questão de pesquisar…

    Acrescentem-se as listas consulares, principalmente os Fastos Capitolinos (completos até ao final do reinado de Augusto) e os Fastos Ostienses (relativamente completos para o período Júlio-Cláudio, com algumas falhas).

    A enorme obra “A Partir da Fundação da Cidade” (“Ab Urbe Condita”), de Tito Lívio, em 142 “livros” (i.e., rolos), cobria o período que vai desde a fundação (tradicional) de Roma, em 753 aC, até à época de Augusto (até c. 8 aC). Infelizmente, boa parte não sobreviveu no seu texto completo, mas tem-se um resumo (“Periochae”) de toda a obra, que fornece informações úteis.

    O historiador Tácito (que escreveu na época de Trajano), um dos grandes historiadores romanos, cobriu, em detalhes, com seus “Anais”, o período da morte de Augusto à de Nero (14-68 dC); dessa obra, restam completas as partes referentes aos anos 14 a 29 dC, 31 a 37 dC e 47 a 66 dC. Suas “Histórias” cobriam o período dos Flávios (68-96 dC), restando completos os acontecimentos referentes ao ano 69 dC e à terrível guerra civil da ocasião.

    Veleio Patérculo, que escreveu sob o império de Tibério (reinou 14-37 dC), deixou um “Compêndio de História Romana” em dois “livros” (rolos); o 1o é um resumo, que vai desde as “origens troianas” de Roma até à destruição de Cartago, na Terceira guerra púnica (146 aC); o 2o cobre o período de 146 aC a 29 dC, sendo que o período a partir de Júlio César é tratado com especial detalhe.

    O historiador Gaio Suetônio Tranqüilo, secretário particular do Imperador Adriano (reinou 117-138 dC), deixou, entre outras obras, o “Sobre as Vidas dos Césares”, cobrindo a biografia de Júlio César, o ditador, e dos onze Imperadores seguintes, de Augusto a Domiciano; fora o início da biografia de César, a obra chegou-nos completa, e revela detalhes importantes referentes a todo o período compreendido entre c. 50 aC e 96 dC.

    As “Cartas” de Plínio o Moço, embora um pouco posteriores, lançam luz sobre a alta sociedade romana do final do séc. I dC e inícios do séc. II dC.

    A “História Romana” (“Rhomaika”), do senador Cássio Dião Coceiano, natural da Nicéia bitiniana, que viveu sob os Severos, iniciava-se (como a de Tito Lívio) na fundação mítica de Roma, em 753 dC, indo até à época do autor (1o quartel do séc. III dC). Não nos chegou inteira, mas cobre, completa e detalhadíssima, todo o período de Augusto até ao ano 46 dC, tendo-se, a partir de então, um resumo (epítome) que leva a narrativa até ao ano 229 dC.

    Dois dos historiadores (Tácito e Cássio Dião) eram senadores, tinham acesso aos altos círculos do poder, e um (Suetônio) era secretário particular (“ab epistulis”) do Imperador, tendo acesso a documentos importantes. E, para o período de Augusto e dos Júlio-Cláudios, boa parte dessas obras nos chegou completas…

    Especificamente sobre a história judaica, temos as obras completas do historiador (sacerdote e, segundo ele próprio, fariseu) José, filho de Matias (ou Matatias), Iosef ben-Matathiahu, mais conhecido pelo seu nome romano de Flávio José (Flavius Iosephus). “As Antiguidades Judaicas”, em 20 “livros” (rolos) cobrem o período desde a Criação até imediatamente antes da eclosão da revolta contra Roma, em 66 dC; “A Guerra Judaica”, em 7 “livros”, cobre o período de 175 aC até ao final da revolta, com a rendição de Masada (c. 72 dC).

    Tudo isso, é claro, sem se esquecer todas as evidências históricas que a Numismática pode fornecer.

    As fontes históricas romanas começam a escassear (inicialmente de modo lento) depois do império de Adriano (117-138 dC); as lacunas tornam-se grandes na época dos Severos (193-235 dC), e, nos 50 anos seguintes, mostram-se bastante graves (o período da “anarquia militar”, 253-284 dC). A partir de Diocleciano, a situação começa a melhorar. Para Constantino e seus sucessores, até ao início do séc. V dC (grosso modo, da “Paz da Igreja” em 313 dC, até 410 dC, ano do saque de Roma pelos visigodos de Alarico), a situação melhora sensivelmente, para voltar a apresentar problemas a partir daí. Esse, resumidamente, é o estado das fontes históricas romanas para o período imperial. O período de Augusto (30 aC – 14 dC) e dos Júlio-Cláudios (14 – 68 dC) é um dos mais bem documentados, se não o mais bem documentado, de toda a História romana (exceção talvez para o período republicano final, especialmente a época de Cícero).

    Felizmente para nós, infelizmente para “Emanuel”…

    Por tudo isso, o “affair” “Públio Lêntulo” está virtualmente concluído – a não ser na cabeça de alguns “chicólatras”. Para esses, claro, nada do que se disser, ou do que se mostrar, será, algum dia, ou alguma vez, suficiente. Enfim, que julguem os leitores.”

    • Roberto disse:

      Vitor,

      Vejo que buscastes várias citações, vários autores.

      Poderias ter aproveitado esta grande pesquisa para procurar, antes de Emmanuel, registro histórico da presença de Jesus Cristo neste tempo.

      Qual destes muitos títulos que repassastes acima, em alongada narrativa, aponta o registro da passagens de Jesus Cristo na história da civilização?

      Faça este apontamento, inequivocamente, já que te dizes espírita, e sendo assim, deverás ser obrigatoriamente Cristão, e caberá assim tanto a ti o ônus desta prova da existência de Jesus quanto cabe a mim ou aos espíritas o ônus da prova histórica da existência de Publio.

      Se Jesus, que na sua grandiosidade não coube na história, mas a dividiu-a, não estiver presente em todos estes alfarrábios apresentados, porque deveria estar infalívelmente Públio ali?

      E por acaso, an passant, te pergunto se nesta literatura toda constam os nomes de todos os senadores, de todas as decisões administrativas do império romano, todos os decretos, todos os atos, de forma irrefutável e inequívoca? Você fala inclusive da genealogia dos senadores, muito bem, mas me esclareça se estão TODOS ali, me diga qual é o livro de registro que foi usado para coleta destes dados, ou o livro do historiador pois ali deverão constar as fontes de consulta bibliográficas, mas o farei apenas após a tua referência quanto à Jesus.

      Que eu saiba, apenas um historiador Judeu, talvez de nome Josefo, não lembro, citou a passagem de um profeta, chamado Jesus Cristo, em uma curta linha sem maiores detalhes.

      Diga qual dos teus historiadores dão conta sobre Jesus.

      Se não tiveres, e não terás, é bom renegares a tua suposta fé espírita pois não haverão registros históricos da passagem dele sobre a Terra, e o espiritismo está calcado, como o ilustre JRP vocifera entre dentes rilhados, numa uma mentira, e será uma mentira toda a obra de Karde, todos os livros complementares da doutrina, todo novo testamento da Bíblia.

      Eu, esteja certo, não preciso deste registro, mas tu, infelizmente, precisas, porque assim como o JRP, é materialista, mas tu és muito mais comprometido do que ele, como disse, posto que tu te fazes passar por espiritualista, ou espírita, e faz parte do rol dos que procuram sofregamente desconstituir a realidade.

      Conhece-se à arvore pelos frutos.

  111. J.R.Pereira disse:

    Cara…!
    Eu não sigo o MEU blog, vou seguir o seu?
    Você nem precisarua ter-se esforçado tanto.
    Porque eu sou um homem simples: jesus nunca existiu.
    Portanto, tudo que é baseado nele, é fajutagem ou delírio.
    Portanto, o espiritismo, baseado num racista assumido e que acreditava em jesus (portanto, falsário ou louco), é igualmente fajutagem.
    Esse tal de Pêlus Públicus é mais uma entre tantas e tantas fajutagens vindas de um bando de estelionatários dos mais ordinários e xavequeiros.
    A cara-de-pau desses caras é tão absurda que qualquer pesquisa simples indica que dito cujo nunca existiu.
    Nunca.
    Mas se nem jesus existiu, vai existir o cara que se ajoelhou pra ele? Homessa!
    Seguindo o adágio popular, “o que começa errado, termina errado”.
    Agora é questão de pensar: é pra esses bandidos que eu vou delegar o cuidado da minha Alma?
    Eu vou lá comprar o “bálsamo” deles?
    É a mesma coisa que querer comprar crack do traficante da esquina e achar que se será livre e feliz!
    Piraste, irmão?

  112. J.R.Pereira disse:

    Ô minha santa caçuleta!
    Eu não sou materialista, rapaziada!
    Pois bem sei da perenidade e da futilidade que está na tal “matéria”.
    — Gosto de um bom prato, curto uma boa roupa, um bom teto, gosto do “vil metal”, se consigo um bom carro farei bom uso dele e, naturalmente, gosto das coisas da carne.
    Sexo, por exemplo.
    Com minha patroa… Ou com qualquer outra louca…
    Digo, qualquer outra mulher que OUSE desejar meus préstimos.
    — PORÉM, eu não sou burro. Sei que essas coisas são divertidas, bacanas, etc…
    Mas não são verdadeiras.
    Verdadeira é nossa busca, nossos anseios, nossa perplexidade perante essa imensidão do Universo… E que, lamento dizer, nunca entenderemos.
    — E Verdadeira, sim, é minha Arte. Se é para depositar minha fé em alguma coisa, é na minha Arte que acredito.
    E é em mim.
    — Ao mesmo tempo, reitero, existem Mistérios por aí. Meu falecido irmão presenciou um disco voador pousar a poucos metros dele. Não foi lorota, foi fato.
    Eu vi um objeto se mover sem que ninguém o tocasse, contrariando as Leis da Física.
    E, que ninguém nos ouça, eu antecipei a morte de minha avó, a morte de de meu pai e a morte do pai do meu cunhado. Acho que sou bom nisso, eu percebo quando a Morte se aproxima…
    — Porém, LONGE DE MIM ousar dar uma explicação a esses fenômenos. Porque é um troço tão sensível que se você respirar, acabou com ele.
    Mas sei que a parada não tem NADA a ver com deus, diabo, anjos ou demônios, lagartos, CIA, Abanheenga. É outra coisa.
    — Mas se a gente projeta uma explicação em cima, estraga. Se a gente joga nossa fé em cima, o bagulho não funciona, trava tudo e puxa as maiores MERDAS que temos em nossa mente. Especialmente a soberba, daí é um passo pra loucura.
    — Porque esse pensamento aí é “impuro”. Podre mesmo, porque está calcado na mentira. E tem que manter a mente completamente limpa, vazia mesmo, verdadeira, que aí a parada acontece… Mas acontece do jeito DELA, como ELA quer e não como a gente determina.
    — Imagina um violino. Imagina que você tem que tocar ele sem colocar as mãos. Tem que fazer ele tocar do jeito dele, quando ele quer… Só que ele não é um violino! É uma outra coisa.
    Uma coisa MUITO MAIOR, absurdamente gigantesca e que, portanto, POBRE DO MALUCO que ousar tentar colocar um rótulo na bagaça.
    A bagaça não vai funcionar e tudo de arreganhado de ruim que ele tiver vai subir.
    — Então não entra numas de me rotular de materialista, que eu não sou.
    Pois um materialista não seria escritor de super-herói metafísico derivado de anime. Ainda mais no Brasil!
    Pô!
    Se liga!

  113. Vitor disse:

    Roberto,

    mais uma vez, se você acompanhasse o meu blog, já saberia a resposta aos seus argumentos, respostas essas fruto do inestimável trabalho do senhor José Carlos.

    Sobre as referências históricas: Jesus x Públio Lêntulo.

    Não há como comparar o tipo de evidência histórica que se pode obter (ou que se esperaria obter) num caso e noutro (Jesus e “Lêntulo”). Jesus (e seu movimento) eram, inicialmente, algo marginal mesmo no Judaísmo, quanto mais para a sociedade romana como um todo – virtuais desconhecidos, muito longe do interesse da “corrente principal” de historiadores ou mesmo etnógrafos. Jesus não era um nobre, sequer era um sacerdote, num mundo (num lugar, e numa época) em que os sacerdotes dominavam não apenas a cena religiosa, mas também a política e, mesmo, a cultural. Assim, a existência de registros contemporâneos específicos com relação à pessoa de Jesus fica, inevitavelmente, prejudicada (daí, inclusive, a ausência de tradições sobre o seu aspecto físico…). No entanto, desde bastante cedo há evidências claras acerca do movimento cristão em si, e, nelas, acerca de seu fundador (referências suficientemente comprometedoras para afastar a hipótese duma “fantasia”); nenhum pesquisador sério contesta, p.ex., a historicidade das cartas de São Paulo Apóstolo, que fazem remontar as notícias sobre o movimento cristão, e sobre o próprio Jesus, seu ensinamento e sua morte, à década de 50 dC, estando viva ainda a geração que conviveu com Jesus (e podendo facilmente desmentir Paulo, se o que ele contasse acerca do pregador galileu não passasse de fábulas). Havia opositores ao movimento, mas não havia pessoas que negassem a existência de Jesus; o que estava em jogo era o que Jesus ensinava, e mais, o que Ele significava, não o fato de Ele ter ou não existido. E, mesmo que se considere que os Evangelhos canônicos (e os Atos dos Apóstolos) tenham sido escritos após a guerra judaica de 66-72 dC (uma teoria no mínimo questionável, mas, vá lá…), isso os poria no quarto final do séc. I dC, ainda suficientemente próximos aos eventos narrados e às testemunhas da primeira geração. Adicionalmente,
    há também referência clara aos cristãos em Suetônio (os “chrestiani” expulsos de Roma sob Cláudio, c. 49 dC, cf. Atos dos Apóstolos, cap. 18, vers. 2o, sobre Áquila e Priscila), bem como em Tácito (perseguição sob Nero, logo após o incêndio de Roma, em julho de 64 dC – cf. “Anais”, livro XV, cap. 44). E, por último, no começo do séc. II dC, sob o império de Trajano (98-117 dC), a carta de Plínio, o Moço, governador da Bitínia, acerca de como lidou com os cristãos na região (“Cartas”, livro X, carta 96, relatório de Plínio, e 97, reposta de Trajano). Mesmo as alusões histórico-geográficas constantes nos Atos dos Apóstolos (p.ex., os Sérgios Paulos de Chipre, os magistrados da Tessalônica corretamente denominados “politarcas”, etc.) são precisas – algo bem diferente do “mishmash” de “Lêntulo” em “Há Dois Mil Anos”.

    Quanto aos Lêntulos, ao contrário, lida-se não com elementos “marginais”, mas com o próprio “centro” do poder. Está-se referindo a uma família da aristocracia senatorial romana, e uma que esteve, ao longo do período de Augusto e dos Júlio-Cláudios (especialmente sob Augusto, Tibério e Calígula) bem próxima do círculo de poder e do próprio Imperador. O tipo de evidência histórica que se esperaria obter seria de outro tipo – e o é de fato; como já foi EXAUSTIVAMENTE mostrado, há evidências detalhadas de inúmeros Lêntulos dessa época. E, como também já foi exaustivamente demonstrado, há evidências bastante sólidas no sentido de apontar a inexistência específica dum “Públio Lêntulo”, descendente de Lêntulo Sura, contemporâneo de Cristo, etc. O que dele se diz em “Há Dois Mil Anos” é de tal modo importante que uma pessoa que tivesse tido a carreira que a psicografia lhe atribui teria deixado traços históricos – e simplesmente não há nenhum! Não apenas isso: todo o mundo desenhado por “Emanuel” na psicografia não existe na evidência histórica, e a evidência histórica somente aponta pessoas que não são citadas na psicografia. Especificamente sobre a família, assim, seria bom que os espíritas pudessem contestar o seguinte:

    O único “parente” de Lêntulo na psicografia, “Sálvio Lêntulo” (um nome aliás impossível pela prosopografia da época), não tem nenhum registro histórico;

    Ao contrário, nenhum dos Lêntulos historicamente atestados (principalmente os Getúlicos e os Salvidienos Orfitos) são sequer mencionados na psicografia;

    Nada se fala acerca do “cursus honorum” de “Lêntulo” na psicografia; e sua “missão” na Judéia, no contexto administrativo da época, não faz nenhum sentido.
    —-
    Adicionalmente, não houve um “Lêntulo” no conselho de guerra de Tito. Sabe-se (por Flávio José) a composição precisa desse conselho de guerra, e lá não consta nenhum “Lêntulo”…

    Não é necessário, assim, conhecer todos os 600 senadores romanos (desculpa esfarrapada, que brota de mentes fanáticas, as quais querem, por todos os meios, provar o que não pode ser provado) para se analisar “Lêntulo” e concluir que, na melhor das hipóteses, há seriíssimas dúvidas acerca de sua existência histórica.

    Aliás, muita coisa sobre a aristocracia senatorial romana e as famílias senatoriais da época imperial pode ser analisada na obra de Settipani, “Continuité Gentilice”, e na detalhadíssima bibliografia que o acompanha. É só pesquisar…

    • Roberto disse:

      Vitor,

      Mais uma vez, também o digo, se você tivesse respondido a minha pergunta objetivamente, e não com este apanhado esparso e inconclusivo, não precisaríamos estar voltando ao ponto de início.

      Sobre provas da existência de Jesus, em registros históricos, você diz, candidamente, que “desde bastante cedo há evidências claras acerta do movimento cristão em si, e nelas, acerca de seu fundador”.

      EVIDÊNCIAS claras, para um bom entendedor do português, não significa PROVA nem tampouco um REGISTRO HISTÓRICO. O único apoio para esta tua pseudo evidência é a própria Bíblia, nos atos dos apóstolos. Inacreditável. Convenhamos, você está zombando da inteligência dos interessados fazendo trocadilhos de palavras expostas em abundantes frases vazias.

      Qual é a evidência histórica da existência do próprio Paulo de Tarso, além da Bíblia, para te basear nele para evidenciar a existência de Jesus?

      Afora isto, pífio e desabonador, tu prossegues usando “Atos dos Apóstolos” com prova, citando Seutônio e incríveis alusões-geográficas, e referindo-te à Tácito quando cita a perseguição aos cristão e não ao próprio Jesus posto que Ele já havia morrido 31 anos antes. Esta estratagema torna mais miseravelmente desonesta a tua prova, tua e a deste José Carlos.

      Prosseguindo, quanto a Públio, você diz que “não é necessário conhecer todos os 600 senadores romanos”, eu te digo que sim, é necessário que hajam referências à todos os 600, caso sejam 600 ao todo.

      Devo te dizer que MUITA COISA, meu caro investigador histórico, não é TUDO. Muita coisa significa muita coisa, bastante coisa, sem nem sequer atribuir uma proporção à quanto é bastante e quanto é pouca coisa, ou seja, muita coisa pode ser 0,1% da população terrena, e pouca coisa pode ser o planeta terra na nossa galáxia.

      Tudo, pelo contrário, é simplesmente tudo.

      Então, o “muita coisa” desta “pouca coisa” que é a obra deste Settipani não oferece prova alguma de qualquer coisa à respeito do Públio Lentulus, por mais “detalhadíssima” que você diga que ela seja.

      Agora, a prosápia que usastes para argumentar sobre ser Jesus pouco importante aos possíveis historiadores daqueles tempos, e de que um senador romano seria alvo deste interesse, pelo círculo de ação política, então, novamente, apresente o registro histórico que comprove a existência dos outros 599 senadores. Busque na genealogia deles, na obra deste Settipani ou de outro qualquer, uma prova conclusiva de que eram 600 com seus nomes e sobrenomes, com seus cargos políticos e sua proximidade com o imperador da época. Faça isto para que eu não tenha que ficar EXAUSTIVAMENTE lendo teus registros ocos e frágeis.

      Afinal, tu queres ENGANAR À QUEM?

      Os cristãos que se viam diante das feras famintas, nos circos romanos do primitivismo e da barbárie, não foram buscar um “registro histórico” para se entregarem pacificamente, em meio à hosanas à Jesus. Confiantes na imorredoura mensagem transmitida de boca em boca, de pergaminho em pergaminho, sem a assinatura Dele, sem uma letra sequer talhada por Ele, mas movidos pela fé inabalável e arrebatadora que marcou em definitivo a história da humanidade, deixando seu sangue na arena como testamento de amor ao Mestre, que inspiraria os que os sucederiam nesta ciclópica jornada de libertação da humanidade através do amor e não da espada, da humildade e não do cetro dos poderosos, do perdão e não da vingança e perseguição.

      Jesus e os profetas anteviram a decadência insuportável dos valores morais, a indiferença e o egoísmo campeando os quadrantes planetários em forma de guerras, doenças, pobreza, fome, luxúria, materialismo, exploração dos fortes sobre os fracos, e por consequência, os eventos dramáticos que o suceder de erros, cegueira e irrisão provocariam na humanidade. Meus caros, os tempos são chegados. Estejamos preparados para o encontro marcado com a colheita de nossas obras, boas ou más, e tu Vitor, avia-te a ser cobrado com maior severidade posto que dizes que sabias destas coisas, e eis aí a tua condenação posto que muito será cobrado de quem muito recebeu. Se não soubesses não terias pecado.

      • Vitor disse:

        Oi, Roberto
        hoje à noite ou amanhã pela manhã deverei colocar uma resposta detalhada escrita pelo senhor José Carlos a esses seus comentários.

  114. Barreto BH disse:

    O JR tá se afundando cada vez mais, coitado…
    Quando ele resolver subir, se utilizar a mesma originalidade e boa vontade que ta usando na sua queda, prestará grandes serviços à Deus e à Espiritualidade.

    O Vítor Moura, que conheço tem vários anos, tá muito mais complicado, porque se diz espírita e se presta a um papelão destes.

    Desmascarei-o numa comunidade do orkut, e na época usava um avatar com a imagem do Mickey Mouse com a suástica nazista(!?!).

    Roberto:

    “A Bondade é filha de Deus; mas olhe que a Justiça também tem o mesmo Pai; e se você, ou alguém, nem sempre cortejar a primeira para servir a segunda, o Divino Pai de ambas não se agastará por isso”.

    Silva Pinto (Do País da Luz, vol.4)

    Acorda Vítor!!!

    • Roberto disse:

      Muito obrigado Barreto!

      Que a paz de Jesus seja feita sem demora em a humanidade.

      Roberto.

    • J.R.Pereira disse:

      Jamais me curvarei a jesus ou a qualquer um que dessa fantasia doentia e que tanto escraviza a humanidade…
      E transforma os homens em mariquinhas feito vocês!
      Vai lá desmascarar a si mesmo que eu quero ver se tu é bom, rapá!

    • Vitor disse:

      Barreto,
      que história é essa de dizer que me “desmascarou”? Será que você pode ser homem o suficiente e dar as referências para tal história fantástica? E o que você tem contra o Mickey Nazista?

  115. ronaldo disse:

    concordo com o j.r. pereira,os religiosos são na sua grande maioria preconceituosos e hipócritas.Enquanto o ser humano não deixar de lado as crendices e as alienações (por que religião não passa de alienação e falta de inteligência) , vamos continuar nos corrompendo e sendo predadores de nós mesmos.

    • J.R.Pereira disse:

      Eu me assumo como sendo preconceituoso.
      Detesto qualquer tipo de religioso!
      O cara pode ser do bem, bonzinho, caminhas sobre as águas e realizar milagres…
      Mas quando você vai ler o que ele professa, encontra um CAMINHÃO de absurdos.
      Fora a hipocrisia, a petulância, a corrupção, a compra de fiéis, negociatas, mentiras e, não podemos nos esquecer, das BESTEIRAS!
      O que mais me horrorisa é que tá lá no livro deles racismo, perseguições, escravidão e tem livro aí que até faz apologia à matança de crianças…
      E tá tudo certo?
      Temos que ser “tolerantes”?
      Temos que “respeitar”?
      Caçarola, como é que eu vou respeitar quem segue um deus que quer ser louvado com HEMORRÓIDAS?
      Ou que esmaga cabeça de crianças?
      Ou como se pode dar valor a ua doutrina cujo fundador era um porco racista?
      Sem esquecer as religiões que tem lá a oferenda do “boi calçado”, com 7 bodes pra cada pé, mais 7 galinhas pra cada pé de bode…
      Por outro lado tem o pessoal

    • J.R.Pereira disse:

      Eu me assumo como sendo preconceituoso.
      Detesto qualquer tipo de religioso!
      O cara pode ser do bem, bonzinho, caminhas sobre as águas e realizar milagres…
      Mas quando você vai ler o que ele professa, encontra um CAMINHÃO de absurdos.
      Fora a hipocrisia, a petulância, a corrupção, a compra de fiéis, negociatas, mentiras e, não podemos nos esquecer, das BESTEIRAS!
      O que mais me horrorisa é que tá lá no livro deles racismo, perseguições, escravidão e tem livro aí que até faz apologia à matança de crianças…
      E tá tudo certo?
      Temos que ser “tolerantes”?
      Temos que “respeitar”?
      Caçarola, como é que eu vou respeitar quem segue um deus que quer ser louvado com HEMORRÓIDAS?
      Ou que esmaga cabeça de crianças?
      Ou como se pode dar valor a ua doutrina cujo fundador era um porco racista?
      Sem esquecer as religiões que tem lá a oferenda do “boi calçado”, com 7 bodes pra cada pé, mais 7 galinhas pra cada pé de bode…
      Por outro lado tem o pessoal que faz “caridade”. Que ajuda o próximo, que dá comida pra mendigo, que cuida de velhinhos, etc.
      Bonito!
      MAS O PREÇO QUE A SOCIEDADE PAGA é deputado corrupto, gente ajoelhada, mentiras, estelionato…

      Eu não sou burro.
      Sei que se amanhã o catolicismo, ou a Universal desaparecessem, isso aqui viraria a Ciméria do Conan!
      Ia ser o diabo solto no mundo e ia faltar bala!
      Sei, portanto, da serventia da religião como FREIO pra loucura humana.
      Só que muitos países TIRARAM a religião de seu centro de poder.
      Tem! Mas é BEM MENOS insidiosa que as religiões brasileiras, cujos estelionatários se encontram com o Lula e oram em grupo!
      Somos um país triste, sujo, podre e miserável que só vai COMEÇAR a muda quando deixarem de ver a condição de religioso como sendo a ÚNICA passível da pessoa ser considerada “boazinha”.
      Ateu pode ser do bem.
      Não precisamos de deus, santos ou demônios pra fazermos coisas boas.
      Mas hoje em dia, na cabeça de muitagente, o ateu está quase que emparelhado com o pedófilo e abaixo do traficante de drogas…
      O Brasil é isso.

  116. Roberto disse:

    Srs,

    Apresento-lhes à seguir a opinião do próprio acusado Emmanuel/Públio Lentulus através da psicografia de Chico Xavier em “Vinha de Luz” de 1952, muito antes destas experiências de materialização autênticas, sobre este este libelo difamatório engendrado pelas mentes doentes dos irmãos JRP, Vitor Moura (espírita impostor), José Carlos (mentor da pretensa pesquisa dita histórica) e Mori (editor do site cético):

    ” PERANTE A MULTIDÃO

    “E outros, zombando, diziam: Estão cheios de mosto” – (Atos, 2:13)

    A lição colhida pelos discípulos de Jesus, no Pentecostes, ainda é um símbolo vivo para todos os aprendizes do Evangelho, diante da multidão.

    A revelação da vida eterna continua em todas as direções.

    Aquele “som como de um vento veemente e impetuoso” e aquelas “línguas de fogo” a que se refere a descrição apostólica, descem até hoje sobre os continuadores do Cristo, entre os filhos de todas as nações.

    As expressões do Pentecostes dilatam-se, em todos os países, embora as vibrações antagônicas das trevas.

    Todavia, para milhares de ouvintes e observadores apenas funcionam alguns raros apóstolos, encarregados de preservarem a divina luz.

    Realmente, são inumeráveis aqueles que, consciente ou inconscientemente, recebem os benefícios da celeste revelação; entretanto, não são poucos os zombadores de todos os tempos, dispostos à irreverência e à ironia, diante da verdade.

    Para esses, os leais seguidores do Mestre estão embriagados e loucos. Não compreendem a humildade que se consagra ao bem, a fraternidade que dá sem exigências descabidas e a fé que confia sempre, não obstante as tempestades.

    É indispensável não estranhar o assédio desses pobres inconscientes, se te dispões, efetivamente, a servir ao Senhor da Vida. Cercar-te-ão o trabalho, acusando-te de bêbado; criticar-te-ão as atitudes, chamando-te covarde; escutar-te-ão as atitudes, chamando-te covarde; escutar-te-ão as palavras de amor, conservando a ironia na boca. Para eles, a tua abnegação será envilecimento, a tua renúncia significará incapacidade, a tua fé será interpretada à conta de loucura.

    Não hesites, porém, no espírito de serviço. Permaneces, como os primeiros apóstolos, nas grandes praças, onde se acotovelam homens e mulheres, ignorantes e sábios, velhos e crianças …

    Aperfeiçoa tuas qualidades de recepção, onde estiveres, porque o Senhor te chamou para intérprete de Sua Voz, ainda que os maus zombem de ti.”

    Francisco Cândido Xavier, Pelo Espírito Emmanuel “

    • J.R.Pereira disse:

      Você veja que desgraça acontece com a cabeça do camarada: ele é incapaz de pensar por si mesmo.
      Fica parecendo um papagaio que só sabe repetir as frases feitas de seus livrinhos.
      Esse é um dos exemplos clássicos de lavagem cerebral que as religiões promovem: o cara tem lá uma “dor” qualquer, uma carência, uma aflição, necessidade, o que for.
      Vem um espertinho e dá pra ele a resposta: siga Kardec.
      Siga jesus.
      Siga quem quer que seja e deixe de pensar.
      Qual a diferença do espirita pro evangélico, muçulmano, etc?
      Nenhuma.
      O que interessa é fazer o cara deixar de pensar por si mesmo e ficar repetindo o jargão.
      Todo mundo é errado.
      Todo mundo é maldito.
      Só ele é o “salvo”, o “justo” e o “abençoado humilde”.
      Problema dele, azar o dele.
      O perigo é que o cara sem pensamento próprio vira o que?
      ZUMBI!
      Tá de olho aberto mas tá dormindo.
      Daí, mano, vem o “mestre” dele e manda ele não encarar a coisas como realmente são.
      Pronto!
      Ele aceita mutreta, roubo, trambique, sacanagem e, não raramente, se mata ou mata os outros.
      Religião é câncer.
      É o traficante de drogas que fica esperando na boca do cemitério prá te oferecer conforto…
      Te viciando na droga que ele vende.
      E o errado, claro, é sempre quem discorda dele.
      O inferno, se existisse, seria na cabeça desses caras.

  117. J.R.Pereira disse:

    “You cannot teach a man anything; you can only help him to find it within himself.”
    Galileo

  118. Roberto disse:

    JRP,

    A tua guerra irracional contra as religiões, custe o que custar, te desmoraliza cada vez mais. Porque será que tens tanta ódio assim?

    Uma pessoa de bem não precisa ser religiosa para agir com justiça, com solidariedade, com honestidade. Veja o exemplo presente no teu próprio blog, onde colocaste um vídeo com a opinião de uma atéia convicta. Já te disse que se seguires a linha do ateísmo dela estarás bem, e também já tinha dito neste site que é preferível um ateu moralizado a um religioso hipócrita.

    Por esta razão JRP tu estás em muitíssimo melhor condição do que o Vitor Moura, que finge ser espírita, mas se não tens a hipocrisia dos religiosos que falam de virtudes para os outros e não para si, vivendo na iniquidade, tens a hipocrisia dos indiferentes, dos zombadores, dos materialistas, dos preconceituosos (como te declaras abertamente), dos mentirosos (como te declara abertamente).

    Quando acusas os religiosos que corrompem políticos, explorem fiéis com dízimos, com promessas de céus contemplativos, com salvações impossíveis, com vitória no mundo (financeiramente) ao invés da vencer o mundo (moralmente), e se apresentam presunçosamente como porta-vozes de Deus que absolvem pecados, que se nomeiam como caminho da salvação (“fora da igreja não há salvação”), que combatem à ciência e a propagam a fé cega baseada em dogmas absolutos, em ameaças de infernos eternos e demônios, excomunhões, etc., quando atacas estas práticas infelizes estás à serviço da verdade e do esclarecimento das mentalidades escravizadas ou estacionadas no comodismo do não pensar, do entregar esta faculdade comodamente nas mãos de outros.

    Agora, quando desprezas todo e qualquer ato beneficente por ter sido praticado por um religioso que busca em sua fé a inspiração para a abnegação e caridade estás sendo muito hipócrita pois te coloca contra os abusos dos religiosos mas não oferece a solução para as mazelas e sofrimentos alheios.

    Tens a coragem de ridicularizar as mães que choram a morte de seus filhos, as necessidades de velhos e de doentes de todo jaez que procuram mitigar suas dores e sua fome junto aos religiosos de todas agremiações que usam de uma solidariedade que tu não tens, zombas da mansuetude dos que dedicam a vida ao próximo sem se importarem com os ataques de pessoas como você, o Mori e o Vitor Moura, bem, é só ler as tuas várias manifestações neste site, no teu blog, para constatar a tua frieza, a tua agressividade, o teu egocentrismo e a tua indiferença.

    Mas o pior não é tu não creres, mas te empenhares para destruir a fé dos que procuram algum alento, algum consolo, pois se não te interessa a fé o que tens a ver com a fé dos outros? Não, não JRP, és um declarado combatente das trevas contra a luz.
    Não vista esta pele de defensor da verdade pois como já disse antes, e tu mesmo disseste, és um mentiroso assumido.
    Não assuma a defesa das supostas vítimas de um racismo inexistente de Kardec quando te declaras abertamente preconceituoso e homofóbico.
    Não critiques o comportamento dos religiosos quando te declaras abertamente adúltero e desonesto.

    Afinal, aonde queres chegar com este tiroteio, ofensas e tudo mais? O que pretendes? O que te move nesta cruzada contra a fé em meio a blasfêmias e violências?

    Creio que muitos que venham a ler as tuas manifestações já tenham alguma idéia, mas seria útil que tu disseste de tua própria boca (ou teclado) qual é a tua praia? Por quem sois José Roberto Pereira? Porque te incomodam tanto a virtude, o desprendimento, o amor, a caridade? Porque tem medo do que há por trás dos discos voadores assim como teme o que há por trás das experiências de materializações realizadas por muitos?

    Li no jornal de sábado que uma croata entrou em coma e quando acordou não lembrava mais da língua dela. Passou a falar em alemão fluente e precisava de tradutor para conversar com os pais. O ocorrido causou espanto e admiração dos especialistas. A moça conhecia apenas rudimentos desta língua alemã antes do coma. Como explicar? O espiritismo têm a explicação posto que vivemos várias vidas. Já falamos todas as línguas da Terra, já envergamos o físico de todas as raças e já habitamos todos os continentes, sem exceção de nenhum de nós, portanto a moça trouxe na bagagem da experiência do coma as recordações de sua consciência quando fora alemã e apagou, por ora, sua lembrança enquanto a croata de hoje.

    Este e muitos outros casos narrados pelo mundo afora por psicanalistas que regrediram a memória de pacientes até vidas anteriores tratando suas fobias e seus complexos no hoje, por pessoas que têm recordações do que eram em outras vidas e que comprovaram isto insofismavelmente, de espíritos que se comunicam contando detalhes ignorados pelo médium que transmite a mensagem como ocorria com Chico Xavier, enfim, provas existem em abundância, mas tantas existem quanto existem detratores e perseguidores destas realidades. Porquê? Por quem sois José Roberto Pereira, Vitor Moura, Mori Quevedo, Quevedo, e tantos outros?

    Fiquem com seus vitupérios e com suas prosápias pois serão em vão e mais os afundarão no abismo da consciência culpada. Vossa guerra é inglória. Vosso destino é o pranto e ranger de dentes consoante Jesus Cristo, sem mi mi mi e bu bu bu como tu tanto falas.

    Mas creio que nem tudo está perdido se criarem juízo e converterem-se em filhos pródigos que aprenderam que depois de se fastiarem nos prazeres embriagadores do mundo, depois de comerem com os porcos após o abandono e o ultraje à que se entregaram de moto próprio, depois de esgotarem as forças nas ilusões e quimeras, poderiam voltar humildes na condição do mais ínfimo servo na casa do Pai de vocês e de todos nós, e que seriam recebidos como filhos diletos do amor deste mesmo Pai rejeitado de outrora.

    Cada um ao seu tempo.

    • J.R.Pereira disse:

      Betinho, betinho, xarazinho!
      Eu não estou em guerra contra ninguém, betinho chiru-rilu-lah!
      Só sou contra.
      Siga seu deus, seu diabo, acredite na P.Q.P. que tá tudo certo. E seu direito e respeito isso.

      — Mas me reservo ao direito de rir da sua cara por acreditar nesses besteiras!
      E me reservo ao direito de te achar um tremendo dum otário.
      Da mesma forma que você me acha isso e aquilo.

      — Cara! Você é tão pirado que quer libertar a Humanidade lhe dando mais grilhões! Porque religião faz isso, aprisiona.

      — Você se engana, xarazinho, ao achar que o virtuoso precisa estar atrelado a alguma religião. Você pode ser uma boa pessoa, justa e amiga sem colocar espírito ou deuses na jogada.
      Opções éticas não são atributos das religiões. São opções comportamentais humanas.
      Até isso as religiões roubaram???

      — Sim, eu ridicularizo o choro das mães, os doentes, os sofredores, etc. Acho-os idiotas. Porque NÃO PENSAM! Lamento por eles mas não posso resolver-lhes as dores, quando ELES MESMOS é que deveriam fazer isso.
      Mas muito me ENOJA o CHACAL que, diante do sofrimento alheio, vai lá e MENTE! Porque por mais que a pessoa sofra, e eu sei que sofre, ela só deve ter a VERDADE.
      Mentir para quem sofre é indigno, sujo, torpe e maldito…
      Mas é interessante como todo mundo, você incluso, prefere mil mentiras que uma única verdade.

      — Tanto que você leu uma mentira sobre a maluca da Croácia… E acreditou!
      Isso tem um nome: ingenuidade misturada com interesse!

      — Siga seu Chiquinho querido, siga seus fantasminhas, anjos, o que quer que seja. PRO-BLE-MA SEU!
      Mas não faça beicinho quando os céticos, ateus ou qualquer outro apontar o dedo na sua fuça e RIR da sua cara.
      Quem fala o que quer, ouve o que não quer.

      — E me poupe de sua falsa indulgência. Pois do seu veneno não quero saber nem do cheiro!

  119. fabio disse:

    Por que tu não mostra a sequencia de fotos inteiras? Por que tu não coloca as fotos da materialização inteira? Onde essa “pessoa” ou fraude como vc intitula se forma no ar? Voce nem viu todas as fotos e posta como fraude.Olha, nem vou lhe atacar, ja sinto um sentimento mesquinho sadista de vingança ao saber que voce quando deita a cabecinha no travesseiro, sente um vazio, porque nega tua natureza. Seu instinto de creer em algo maior que voce. Pense bastante na morte, na putrefação de sua carne. Na escuridão e esquecimento que te aguarda do outro lado.

  120. fabio disse:

    Por que voce não mostra sequencia de fotos inteiras? a parte da materialização? Por que aponta como fraude se não mostra a sequência inteira?
    Onde essa figura se forma do nada? Nem vou discutir e ficar com raiva de voce. Porque tenho um sentimento sadico de vingança ao saber que quando encosta a cabeçinha no travesseiro, um sentimento aguniante de vazio lhe toma. Porque tu vais contra sua natureza, seu instinto de creer em algo maior que ti. Pense muito em sua morte, na sua putrefação. Na escuridão e esquecimento eterno que lhe aguarda nos próximos poucos anos de sua existência.

    • sergio disse:

      Acho que o que pega mesmo é o medo de não existir mais.

      Acho que duvidar da reencarnação deve realmente tirar a paz para algumas pessoas.

      O que elas não sabem é que todas as pessoas já não existiram antes. O que eu quero dizer é que, antes de nascer, ninguem existia.

      Para vc que esta lendo eu pergunto: Qual era a sensação antes de vc nascer?
      Dor, fome, sono, raiva, ansiedade ?

      Certamente, nada. Não existir é uma condição curiosa.

      Algumas pessoas vão me dizer que antes de nascerem elas existiam, reencarnadas em outras pessoas ou aguardando. De qualquer forma o que vc se lembra desta suposta reencarnação? Nada, eu suponho.

      A existência individual é definida pelo conjunto de memórias que uma pessoa acumula. Sem a memória, mesmo que o corpo respire não existe existência como SER .

      Uma pessoa que não existe, pq morreu, não lamenta não existir, lamentar é coisa de gente viva.

      Se pensarmos filosoficamente sobre a existência vamos perceber que tanto faz se existe vida após a morte ou não já que pela ipotese de uma delas, não importará a outra.(releia este trecho)

      O meu desejo, memso assim, é que exista uma vida em outro plano. Juro que desejo isso. Talvez a minha vida não seja exatamente como eu quero agora, por isso este desejo, mas não importa. A questão é que eu busco sinais, leio, e não me faço convencer sobre coisas que me parecem absurdas. EU , realmente , não acredito neste fenomeno de materialização e aliás não acredito na possibilidade de qualquer materialização. Mas adoraria ser convencido de maneira indiscutivelmente cientifica.

      Quanto ao Chico, sempre tive pra mim tratar-se de uma boa pessoa, mas passei a acreditar de um tempo pra cá que ele carecia de atenção, gostava de se sentir importante acima do normal, já que este é o desejo de todos. Para isso algumas pessoas mentem. Acredito que seja mais uma doença que um crime.

  121. J.R.Pereira disse:

    — Medo de não existir mais?
    MAS É O QUE EU MAIS QUERO!!!
    Eu quero mais é morrer e sumir! Sem reencarnações, sem deuses, sem demônios, sem nada! Só a doce e querida obliteração!
    Já pensou? Ter que voltar de novo e de novo e de novo neste mundo maldito????
    Cheio de gente burra, louca e fedorenta?
    Opa! Morrer e sumir é o que há!

    — Por isso que eu vivo bem AGORA! Faço minhas coisinhas, escrevo meus livrinhos, amo minhas mulheres, cuido de minhas filhas, curto vídeogame (tô jogando STALKER, sensacional), viajo, bebo bons vinhos, como um belo rango…
    Vivo, enfim, cada dia como se fosse o último!

    — Não sou o cara mais feliz do mundo. Porque estou cercado de doentes mentais que saem gritando em nome de deuses fajutos.
    Em compensação tenho grandes alegrias pois vejo o mundo como ele é.
    Não como eu gostaria que fosse.

    — Aí vocês ficam se masturbando nessas bobagens de vida antes da vida, vida após a morte…
    Eu nem sei se tem vida DURANTE a vida, vou saber se tinha algo antes ou depois???

    — Mas te garanto uma coisa: a MINHA vida quem guia sou EU! Não tem padre, pastor, santo ou o diabo que seja me guiando.
    É-A-MINHA-VIDA!
    Se você vendeu ou doou a sua, pobrêma seu!

    — Mas ó! Cê vai deixar um estelionatário, uma legião de pedófilos, um grupo de estelionatários ou mesmo uma linda bichinha de peruca guiar sua vida?
    Aquela mãe desesperada e meio louca eu entendo, o doente terminal alucinado eu entendo…
    Só que tu já é bem grandinho pra selecionar melhor suas amizades, certo?

    • Sergio disse:

      Ainda que pareça absurdo, eu não me fexo a quem desejar provar o oposto.
      Assim como vc gosta de Video Game, eu gosto da ciência.

      “— Medo de não existir mais?
      MAS É O QUE EU MAIS QUERO!!!”

      Vc fala isso da boca pra fora pra parecer machão. Se desejase isso realmente, com a certeza que vc tem de não existir nada alem da vida física, vc já teria se matado, concorda?

      Mas vc gosta de Video game, de mulher, de comer bem e na pior das ipoteses, se masturbar durante o banho. São coisas boas da vida tanto é que desejamos continuar usufluindo delas.isso chama-se ‘viver’ e desejar viver e desejar não existir é um paradoxo.

    • Sergio disse:

      Vc diz muitas coisas que eu considero corretas, porem tb diz muitas bobagens.

      Acho que vc deveria meditar mais. E se deseja interagir com as pessoas ( já que passa o dia todo aqui conversando), poderia trabalhar o seu lado ‘social’. Agora se não deseja isso, teremos mais um paradoxo.

      E deixa a sua mulher ler este site e saber que vc anda traindo ela.

      A nao ser que vcs sejam uma familia de gente atéia e liberal. Se for, ae começa a ficar interessante.

  122. Roberto disse:

    JRP,

    Bom, assim é muito melhor. Faça o que lhe apraz. É um direito teu condedido por Deus – o livre arbítrio sobre tua vida.

    Fica mais evidente que tu não está nem aí com o teu semelhante, que se danem. O que importa é tu e teus prazeres, tuas amantes, teus divertimentos, tuas filhas, tuas convicões. Tu te basta, tu sabes o suficiente para teu interesse e nada mais interessa. Ok, agora está muito claro.

    Não te cabe este papel de defensor de qualquer crime, qualquer mentira. Sai tu do muro e te assuma sem estratagemas pseudo moralistas.

    Como tu estás te lixando para o que vai acontecer com os outros e contigo próprio, depois da morte, tu não têm limites em acusar sem provas. E daí, dirias, não tenho que pagar por isto mesmo? Se eu tivesse que acertar contas depois da vida (ou durante em alguns casos) eu ia refletir melhor antes de acusar sem provas, antes de caluniar, antes de pregar o nada, o vazio existencial, mas como não preciso viver depois grande coisa.

    É assim que pensa um assassino, um político corrupto, um pedófilo, um ladrão, um traficante, etc., pensam exatamente isto, pensam que não vão ter que acertar contas das oportunidades que receberam na existência para fazerem o bem, para progredirem intelectualmente e moralmente, e se entregam ao “salve-se quem puder” e vamos massacrar os mais fracos enquanto temos forças para isto.

    A tua filosofia é a lei do mais forte. Ok. Tudo claríssimo. Resta alguma dúvida? Acho que não.

    Tenho comisseração da tua desilusão quando despertares do outro lado da vida tal qual um mendigo de entendimento, mas a escolha é tua. Um dia vais modificar por vontade própria esta sina do niilismo, do egoísmo e do orgulho, e saiba que entendo muito bem o pavor que te assombra no caso de o não existir não se confirme. É realmente difícil esta situação. Realmente atemoriza mas não precisa ser assim, é escolha de cada um.

    Agora, de minha parte, dispenso prosseguir comentando contigo pois já colocamos os pingos nos is, não é.

    Talvez eu refute alguma falcatrua histórica do espírita impostor chamado Vitor Moura, caso ele se arrisque a prosseguir no debate.

    O Mori, teu orgulho e filho que tu querias ter, e também discipulo do Vitor Moura, que por sua vez é discípulo de um tal de José Carlos, já não requer mais contraditório de minha parte posto que já sabe a encrenca em que se menteu, infantilmente, dando guarida a esta falcatrua dos repórteres e atacando sem prova alguma a índole de um luminar qual Chico Xavier, qual Divaldo Pereira Franco, qual Emmanuel. Não estava caluniando mágicos enganadores, fraudadores argentários, místicos teóricos e enroladores, atacou personagens que deixaram um rastro de luz por onde andaram, quais enviados que eram das forças do bem, exemplificando o que diziam por meio de atos de caridade, de fraternidade, de doação, de abnegação, de fidelidade aos seus princípios e à sua fé, de desprendimento dos bens terrenos, de luta contra suas imperfeições posto que ninguém em a face da Terra é perfeito.

    Despeço-me de ti JRP. Saudações.

  123. J.R.Pereira disse:

    — Lamento lhe decepcionar, Sergio Medroso, mas eu não tenho o menor medo da Morte. Lamento que você tenha. Mas de repente se você fizer um tratamento psicológico… Dá uma Googleada aí.

    — Me matar? Posso sim. Mas como tudo na vida há condições, tem condição na parada: vou salvar alguém? Minha morte servirá de inspiração para que outros possam fazer do mundo um lugar melhor? Alguém será beneficiado? Me matar por matar não rola, sacou, lindinho?
    Mas, sinceramente, eu já estou morrendo. Então, posso dedicar minha Vida a fazer alguma coisa boa pros outros. Por exemplo, criar minhas filhas, escrever meus livros, dar cursos, palestras e tirar um sarro da cara dos religiosos!

    — O segredo não está em COMO se morre mas PORQUÊ se morre!
    Eu sou capaz de morrer por algo, ou alguém, que acredito.
    E matar também, como não?

    — Ih, benzinho, eu nunca me masturbei durante o banho! Tá doida? Existe mulher pra fazer isso. E te garanto que é BEM MELHOR que fazer sozinho. Um dia você descobrirá. Ou não!

    — Aliás, como é que você toca umazinha sabendo que tem um “desencarnado infeliz” te olhando? Te dá barato?

    — Penso, logo, desisto!

  124. J.R.Pereira disse:

    — Direito concedido por deus UMA PINÓIA! Eu sou o que sou porquê ***EU*** quero! Não tem nenhum velho barbudo no céu me dizendo o que devou não fazer. Bom, no máximo meu editor, mas nenhum “livre arbítrio”.

    — Por(*)a, se é “livre arbítrio” mas depende da CONCESSÃO de deus, então não é livreo PITOMBA NENHUMA! Pois ele sabe o que eu faço ou deixo de fazer, então não sou livre!
    Eu seria livre se o danado não soubesse o que eu faço. Se ele sabe, então não há liberdade, caçarola!

    — A única coisa que podemos fazer é encarar as coisas de maneira positiva ou negativa. Emotiva ou racional, séria ou infantil, racional ou irracional.
    Eu encaro a Morte com naturalidade e racionalidade.
    Quando morreu meu pai, minha mãe e minha irmã se mijavam de desespero. Largaram o cadáver do velho no hospital, ocupadíssimas que estavam alucinadas.
    Fui lá, resolvi a papelada, ajudei a vestir o cadáver, ajudei a colocar flores, fechamos o defunto, colocamos na perua e levamos pro cemitério.
    Claro que fiquei triste, claro que lamentei, claro que sofri a perda de meu pai pois não sou um Vulcano.
    Mas sem essa de descabelamento, alucinação, berreiro.
    Porque eu sei que a nossa existência é efêmera. E sei que haveremos de estar TODOS na sepultura um dia.

    — Por isso eu trato de viver bem AGORA! Exatamente pra não morrer em vão.

    — Eu nunca disse que sei o suficiente. Quero sempre aprender mais. PORÉM, não é QUALQUER COISA que me interessa.
    Mesmo porque eu já li sobre religiões, pesquisei o assunto e o descartei. Não tenho vocação pra fantasias bestas e sem graças.
    Prefiro meus livros!

    — Também nunca disse que não me preocupo com os outros. Dou cursos em comunidades carentes, ajudo escritores e desenhistas amadores, tem “discípulo” meu publicando nos EUA!

    — “Vazio existencial” é coisa de mariquinha! Vende seu carro, vende sua casa, pega o 13o. e vai mochilar pelo mundo! Vai passear de trem pelos EUA, pega o Expresso Siberiano, vai correr pelos Albergues da Juventude do mundo! Conheça pessoas diferentes, lugares diferentes, comida, bebida e idéias diferentes!
    Leve um laptop pra alimentar seu blog, câmera pra fotografar as coisas legais, fale com estrangeiros, viaje para ilhas, vá de navios, VIVA!!!!!

    — Mas se você fica aí parado, punhetando sobre deus, morrendo de medo de tudo, só vai te restar uma “recompensa” no pós-vida.

    — E se não tiver pós-vida? Sua fé e seu delírio não vai NUNCA responder essa dúvida. Pra que passar a Vida com medo? Eu não!

    — Carinha, tira da sua cabeça essas bobagens! Gente “do mal” ou “do bem” é relativo. Xico Chavier mentiu pras mães desesperadas, deu-lhes alento mas as escravizou. Plantou o medo da punição na sua cabeça… E te transformou numa pessoa que você não é!
    Que benefício é esse?
    Ah, para, ô!

    — Não, amoreco! Eu nunca disse que minha filosofia é a “lei do mais forte”. Tenho filhas, por(*)a! Quero o melhor para elas, mas não as quero fracas, acovardadas, “humildes”.
    Quero-as CORAJOSAS, FORTES, CONSCIENTES e sem medinhos ou servindo a chacais religioso.
    Quero-as ÉTICAS!
    E, pra isso, não é preciso religião e nem fantasminhas.

    Entenda isso.

  125. Roberto disse:

    Ser espírita experimentador que despreza a parte moral da doutrina é muito diferente de ser transgressor da verdade.

    Você faz afirmações claudicantes tentando provar que Chico não era médium autêntico, que Emmanuel seria seu alterego, que Chico era plagiador e plagiado por Divaldo franco, que fraudava na escrita psicográfica, que mentia, que fraudava, que plagiava, só calúnias, só ofensas sem provas.

    Qual é o teu artigo teu que reconhece o bem gerado por este vulto da história da humanidade? Qual a explicação que tu arrumaste para os mais de 417 livros que ele escreveu sobre assuntos os mais variados possível, com elevada moral, com luminosos ensinamento? Qual a citação sobre os incontáveis necessitados que ele atendeu incansavelmente em sua vida. Você faria melhor que ele?

    Prove que Jesus Cristo existiu com fatos históricos, usando o mesmo critério e detalhismo que exiges em relação a prova da existência de Publio/Emmanuel. Não venha com o arremedo de argumentação volumosas como as que apresentastes nas postagens acima. Seja objetivo, direto e verdadeiro.

    Tire as tuas conclusões e guarde-as para ti próprio caso queiras externá-las publicamente sem dados comprobatórios que sustentem teu parecer. Você não está falando de uma teoria, de um assunto impessoal, está falando da vida e obra de uma pessoa afirmando de forma conclusiva o que é ou não é verdade. Acaso macular a memória de alguém não é crime?

    Faça suas investigações mas aja com honestidade pois como vi em teu blog você abusa da inteligência dos leitores com argumentações ocas, incríveis, até infantis, mesmo de alguém que se diz experimentador (agora o sei).

    Tens gosto pela polêmica. Receba a crítica dos que procuraram sair do campo da experiências inúteis e partiram para a prática da moral espírita Cristã, que é a razão da codificação, a razão de todas as manifestações sérias realizadas por espíritos de hoje e de ontem, e que os franceses não souberam infelizmente adotar se acomodando às experiências sem fim e sem utilidade, o que fez perdessem oportunidade de trazer as transformações mais rapidamente para a humanidade sofredora.

    O que desejas? Publicidade através da polêmica? Dar entrevistas tolas para Superinteressante falando de assuntos que tu não entendes? Trabalhar pela escuridão dos panoramas do mundo?

    Faça uma pesquisa séria e será benfeitor da humanidade. Faça estas acusações tolas e estarás à serviço da ignorância e do mal.

    Porque te esconde atrás deste Sr. José Carlos. Quem é que fala aqui, você ou ele? Vejo que o ludibriado aqui parece ser mais tu nas mãos do José Carlos, e não os milhões de beneficiados da vida e obra de Chico Xavier.

  126. J.R.Pereira disse:

    — Mano… Achar que sou insano enquanto se acredita que os mortos estão em outra dimensão? Ou que tem lá um velhote de peruca e meio gayzola em que os mortos falam através (ui!) dele?

    — Pelo menos quando eu falo com meus personagens, eles não respondem! :-D
    Se responderem, me interno!

    — Aliás, não vejo nada demais em usar em meus textos a temática espírita, umbandista, etc.
    São temas como qualquer outros, são bases para minhas criações, da mesma forma que escrevo sobre vampiros, mortos-vivos, aliens e naves espaciais.

    — Eu odeio a fome, a miséria, a ignorância, corrupção, etc. Quer dizer que devo me abster de exercer meu direito à Liberdade de Expressão porque simplesmente odeio tais coisas?

    Escrever sobre algo não significa endosso automático sobre o mesmo.
    Há diferenças significativas entre o que o autor acredita e a obra que ele escreve.

    Aprenda de uma vez que nem todo mundo que escreve uma novela, texto ou livro concorda com o que está ali…
    Ou mesmo professa aquilo.

    — Daniel Filho é um ateu convicto mas dirigiu o filme do Xico Chavier. Ele virou espírita?

    Quanta bobagem…

  127. J.R.Pereira disse:

    >>Cada um faz o que quer e dá conta da sua vida e atos,
    >>A homossexualidade é uma prova

    Então precisa decidir se cada um faz o que quer ou se a parada é uma prova.

    Porque se for uma prova, então não há como se fazer o que se quer sem contrariar, ou satisfazer… Quem quer que seja.

    Se não for uma prova, se for, por exemplo, uma simples orientação sexual, uma opção mesmo, então não há porque existir uma prova qualquer.

    A não ser, claro, que algum seeeer máááágico e misteeeriooooso venha lá da Terra do Nunca e dizer que ser homossexual é errado…
    Ou, indiretamente, uma “prova” pois, na próxima vida, você toma vergonha na cara e para de judiar das mulheres, ou vem de novo a esta vida como viado (ou lésbica).

    Mas aí precisaríamos avalia a sanidade do camarada que diz que acredita em seres mágicos e superiores, acima do Bem e do Mal, que purgaram a malignidade em suas almas e que, graças aos auspiciosos poderes mentais de alguns RAROS dotados de “anteninhas” em suas almas, capta suas mensagens (ou “eflúveos”) desses seres magníficos…

    APESAR desses seres, ou almas, sei lá, precisarem ter usado uma estelionatária nas fotos que ilustram a matéria aí de cima, enquanto que seu líder, o mesmo que “ajudou as mãezinhas no sofrimento”, se prestava a colaborar com a pilantra…

    Ao mesmo tempo em que esse líder era homossexual!

    INCRÍVEL!

    Faz muito sentido! *LOL*

    Cacete, se esses caras parassem pra pensar no amontoado de tolices que dizem, saiam gritando pela rua!

    Me fez lembrar uns xaropes seguidores de aliens que apareceram com fotos tortas e fora de foco das lindas “alienígenas” do planeta qualquercoisa…
    E essas fotos eram as vocalistas do álbum do ABBA!

    TUDO-GENTE-DOIDA!

    • Roberto disse:

      JRP,

      Têm vezes que você têm alguma coerência no que diz, dentro do que acredita, mas têm outras em que não fala coisa com coisa.

      Que tu ta falando vivente???

      Primeiramente, quem detona os homossexuais aqui, até agora, é só tu. Quem é hemofóbico é só tu.
      Quem, para tentar ofender, chama os outros de homossexual ou faz alusões à prática sexual destes, é só tu!

      Bota as tuas palavras na boca dos demais e começa a atacar àquilo que tu mesmo disseste como se fosse a outra pessoa quem o disse. Parece conversa de louco falando sozinho consigo mesmo.

      Agora, é o seguinte JRP, acho que eu já dei muito pitaco aqui no teu blog/site. Está na hora de eu deixá-los mais à vontade pois está escasseando os assuntos mais sérios e válidos.

      Até!

      • Sergio Moreira disse:

        JRP, vou ter de concordar com o Roberto.
        VC esta fazendo uso muito precário das palavras. Já chega. Vai dormir.

      • J.R.Pereira disse:

        Eu preonceituoso?
        Sim, eu sou.
        Assumo meus preconceitos.
        Tenho asco de religiões.
        Desprezo religiosos.
        E desprezo políticos, banqueiros, bandidos, exploradores da fé alheia, etc.
        Mas nunca, jamais e em momento algum, fui contra os homossexuais.
        Acho até legal o cara que se assume e busca ser feliz do jeito dele.

        Mas preconceito? EU???
        Nem vem, benzinho!
        O tempo que vocês me condenam, abre o olho lá pro teu “paínho”!

        O lider de vocês é que era mocinha que incorporava um “senador romano”!
        Não era um gladiador suado, nem um peixeiro fedido, era SEEENAAAADOOOOR! PODEROOOOSO! COm aquele manto lindo, todo branco e dourado combinado, uuuuuuhuuuuuuu!

        Aí vocês me chamam de “libertino”, de que eu traio minha mulher e me olham com cara de nojo, quando o seu “mestre” lá jogava fora água da bacia, é?

        AAAAahhhh, já entendi!
        ANALFABETISMO SELETIVO, né, filhotas?
        Lê o que quer, acha o que não quer, né?

        Que mimo!

        Enfim, pimpolhudas, cêis são tudo um bando de doido varrido, isso sim!
        Mas um doido varrido especial que defende seu “mestre” porque ele é do “reduto”!

        Hmmmm!
        Coleguismo é fogo, heim?

      • Roberto disse:

        JRP,

        Para teu conhecimento, em “Há Dois Mil Anos” Emmanuel era o orgulhoso membro do patriciado romano, que tinha escravos, recebia títulos por préstimos ao Imperador, e rejeitava os cristãos mesmo depois de ter tido o encontro com Jesus em busca da cura de sua filha.

        Já em “50 Anos Depois”, eis o ex-senador romano na pele do escravo negro Nestório, agora convertido ao cristianismo mudando o rumo de sua existência.

        Não existe previlégios em a evolução. Como disse antes, envergamos a vestimenta corporal de todas as raças, já habitamos todos os continentes, falamos todas as línguas, fomos escravos, senhores, ricos, pobres, sadios, doentes, em jornada ininterrupta rumo à perfeição relativa à qual estamos destinados.

        É certo que tu não podes admitir Jesus JRP, posto que não compreendes que os que estão mais adiantados olham pelos que estão na retaguarda, numa cadeia de solidariedade e ininterrupta. O que avançou mais estende à mão ao retardatário. Como tu és egoísta, não te interessa pela sorte dos que sofrem mais que tu. Como és orgulho, não admite que alguém esteja à tua dianteira, te ajudando, te guiando buscando te iluminar a mente para que avançes também.

        Falas com basófia de TUA visão, TUA opinião, TU quem te comanda, TU é quem faz e acontece, assim como o senador romano Públio (bom, ele não estava tão atrasado quanto tu, pelo que se percebe, haja visto que não se entregava a libertinagem, valorizava à família, era fiel à César e aos poderes estabelecidos), não admites Deus ou qualquer ser superior à TI, no entanto, não és dono de nada, nem do teu corpo já caminhando para o ocaso, não mandas nem nos teus órgãos que funcionam muitos por automatismo, não manda nem numa formiga e quando não têm tua vontade que se faz surda ao teu roder, engendra assassinatos mirabolantes, espetáculos de ódio, de vingança, por não aceitar não ser o PODEROSO que almejavas ser, sofregamente.

        Isto sim JRP é a verdadeira escravidão. Tua mente está no calabouço do egoísmo e do orgulho e te achas livre, te consideras absoluto porque não se vende, quando em realidade vende a tua dignidade a cada blasfêmia que proferes, a cada amante com quem deita, a cada ofensa contra os que conseguiram sair do acrisolamento do egoísmo, como Chico Xavier, quando ri de uns, escarra em outros, defeca em tantos.

        A tua liberdade foi concedida pelo Criador, por Deus, quer tu admita ou não, até chegar o momento em que tu vai compreender timidamente a grandiosidade do amor DEle, vai entender o porque dos acontecimentos e eventos do viver, o porque das dores, das alegrias, dos amores, das traições, das ofensas, da abnegação, do perdão, da solidariedade, da caridade, e da gratidão como no caso de Chico Xavier que atendia milhares de pessoas por dia e ao morrer deixou comovidos milhões de pessoas que reconheceram seu périplo do berço ao túmulo exemplificando o bem e servindo sempre.

        Não, isto é inadimissível para ti, bem o sei. Chegas à lastimável ponto quando não tendo como destituir a história, a integridade deste HOMEM, lançar vitupérios gratuitos contra sua memória, como as acusasões de fraudador, de louco, de homossexual (não que isto seja uma ofensa, mas não era o caso do Chico), enfim, muitas asneiras que muito te envergonharão num futuro certo.

        Repita milhões de vezes estas acusasões, xingue, berre, agrida, blasfeme à vontade. Você só se faz digno da piedade do próximo por agir com tanta ignorância.

  128. Roberto disse:

    Por favor, excluam o mesmo comentário mais acima pois está no lugar de resposta errado.

    VITOR,

    Ser espírita experimentador que despreza a parte moral da doutrina é muito diferente de ser transgressor da verdade.

    Você faz afirmações claudicantes tentando provar que Chico não era médium autêntico, que Emmanuel seria seu alterego, que Chico era plagiador e plagiado por Divaldo franco, que fraudava na escrita psicográfica, que mentia, que fraudava, que plagiava, só calúnias, só ofensas sem provas.

    Qual é o teu artigo teu que reconhece o bem gerado por este vulto da história da humanidade? Qual a explicação que tu arrumaste para os mais de 417 livros que ele escreveu sobre assuntos os mais variados possível, com elevada moral, com luminosos ensinamento? Qual a citação sobre os incontáveis necessitados que ele atendeu incansavelmente em sua vida. Você faria melhor que ele?

    Prove que Jesus Cristo existiu com fatos históricos, usando o mesmo critério e detalhismo que exiges em relação a prova da existência de Publio/Emmanuel. Não venha com o arremedo de argumentação volumosas como as que apresentastes nas postagens acima. Seja objetivo, direto e verdadeiro.

    Tire as tuas conclusões e guarde-as para ti próprio caso queiras externá-las publicamente sem dados comprobatórios que sustentem teu parecer. Você não está falando de uma teoria, de um assunto impessoal, está falando da vida e obra de uma pessoa afirmando de forma conclusiva o que é ou não é verdade. Acaso macular a memória de alguém não é crime?

    Faça suas investigações mas aja com honestidade pois como vi em teu blog você abusa da inteligência dos leitores com argumentações ocas, incríveis, até infantis, mesmo de alguém que se diz experimentador (agora o sei).

    Tens gosto pela polêmica. Receba a crítica dos que procuraram sair do campo da experiências inúteis e partiram para a prática da moral espírita Cristã, que é a razão da codificação, a razão de todas as manifestações sérias realizadas por espíritos de hoje e de ontem, e que os franceses não souberam infelizmente adotar se acomodando às experiências sem fim e sem utilidade, o que fez perdessem oportunidade de trazer as transformações mais rapidamente para a humanidade sofredora.

    O que desejas? Publicidade através da polêmica? Dar entrevistas tolas para Superinteressante falando de assuntos que tu não entendes? Trabalhar pela escuridão dos panoramas do mundo?

    Faça uma pesquisa séria e será benfeitor da humanidade. Faça estas acusações tolas e estarás à serviço da ignorância e do mal.

    Porque te esconde atrás deste Sr. José Carlos. Quem é que fala aqui, você ou ele? Vejo que o ludibriado aqui parece ser mais tu nas mãos do José Carlos, e não os milhões de beneficiados da vida e obra de Chico Xavier.

    • J.R.Pereira disse:

      — Betinho, meu bom menino!
      Eu sou escritor.
      Ganho a vida alegrando jovens e mulheres com minhas histórias e revistas.
      É um trabalho simples mas honesto. Não engano ninguém, não minto pra ninguém e não planto ilusões na mente alheia.
      Nunca existiu senador algum, nunca existiu escravo algum. São obras de fantasia, pura aficção, da mesma maneira que meus livros.

      — A diferença é que meus livros são entretenimento e não carregam semente de cooptação, nem fazem parte de um pequeno império de arrecadação monetária.
      Por isso, sinto-me livre para não apenas rechaçar mas DESPREZAR semelhante afronta à razão e ao bom senso.

      — Fosse você um homem dotado de auto-respeito e auto-estima, não deixaria sua mente ser o antro de malucos e espertalhões.
      Fosse você uma pessoa que se valoriza, iria lá e ver DE PERTO se o que lhe foi dito é verdadeiro.

      — Mas você tem medo da verdade.
      Tem medo de saber que não existe nada e coisa alguma na outra vida” e que tudo o que você acredita é uma ***FARSA***!

      — Já diferente de você, eu não tenho medo. Pois há muitos anos eu abracei o medo e o venci.
      Vi cadáveres calcinados, vi a pequenez do ser humano, sua mesquinharia, sua demência e sua grandeza. Vi coisas horríveis, coisas belas, vi soldados vaporizados pela explosão atômica e vi nações se unindo por um bem comum.

      — Em Hiroshima e vi crianças calcinadas, aqui em SP vi clínica de abortos, no Rio eu vi antros decadentes, em Paris vi prédios grandiosos, em Tokyo conheci a beleza do caos urbano.

      — ISSO É A VERDADE! A verdade que se aprende VIVENCIANDO, dando a cara pra bater e sempre testando os limites da própria fé.

      — Não lhes nego que eu já fui um homem religioso. Já. Já fui inclusive Espírita. Porém, as religiões tornaram-se pequenas demais para minha Razão.
      As religiões eram como um enforcador em meu pescoço, me tolhendo, me limitando, me impedindo de ir adiante com minhas conclusões.
      Pois, caso não saibam, a função da religião é essa mesmo: te manter ali, no seu canto, acuado, inferiorizado, com o sentido de pertencer a algo que não existe.

      — Quando o que existe é você e o mundo, Betinho.
      E o mundo é sujo, feio, malvado e maldito, mas tem coisas INFINITAMENTE BELAS. Coisas que empalidecem as cidades dos espiritos.
      E há pessoas infinitamente mais dignas, honradas, verdadeiras e boníssimas que TUDO que seu querido Francisco Cândido Xavier fez.

      — Eu abandonei as religiões porque conheci pessoas, lugares e idéias que me renovaram.
      Eu rompi com a coleira pois sou um cão sarnento livre.
      Vocês, espíritas, são ovelhas mansas e submissas que esperam pela hora da tosquia ou do abate. Pois acham que o pastor é bonzinho e os levará a um lugar melhor.
      Foda-se, seu direito.

      — Eu já fui cão pastor. á servi aos caras. Mas minha natureza é indômida! Não tenho vocação pra escravo.
      Usei de minha Razão e vi a Verdade.
      Me libertei da coleira (a mesma que meus pais, avós e bisavós herdaram de geração para geração), mordi-lhe, ataquei-lhe e o escorracei.
      Hoje, corro solto pelo mundo, sem dono, sem destino, consciente de mim mesmo e de minha finitude.
      Montei minha alcatéia, tenho meus filhotes e minha loba.
      E conto minhas histórias de alegria, diversão e liberdade para quem quiser ler, enquanto revisito e repenso sobre o que passei.

      — Tenho uma deficiência cardíaca bioelétrica. Já estive na boca da Morte algumas vezes. Não sei quando morrerei, mas sei que vou.
      E em todas as vezes em que La Magra me visitou, eu estava pronto pra morrer.
      Sem medo.

      Pois minha mente está em paz.
      Aceito meu destino com tranquilidade porque, primeiro, não tenho medo.
      Segundo, cresci e não preciso de amiguinhos imaginários para me proteger.

      — E o mais importante, eu sou Senhor de Mim Mesmo.
      Conheço-me e, portanto, basto-me.

      — Por fim, fosse você um homem honesto consigo mesmo, e não um mentiroso compulsivo e decerto acovardado, colocaria sua fé a prova.
      Pesquisaria com neutralidade e hombridade, se o tal “senador” existiu de fato.
      Mas você não faz isso porque tem MEDO!
      Medo de perder essa sua fé ridícula e de “ficar sem o chão”, como aconteceu com um amigo meu ao descobrir a farsa da religião.

      — Seu medo é seu único companheiro. Sua mola mestra, sua base de sustentação e isso te faz ser menos do que um homem.

      — Existe apenas para mim mesmo. Não que isso me impeça de ser bom ou justo. JAMAIS! Amo quem faz por merecer meu amor, acredito naquilo que me convém, ajudo quem precisar.

      — Desprezo a corrente que te aprisiona porque nós, humanos, não existimos para a servidão. Nossa natureza é nômade, gregária, libertária. Mas o mundo mudou e nos escravizamos.
      Não pelo ódio, mas pelo MEDO!

      — Chico Xavier era um mentiroso. E de um mentiroso só vem mentiras. Mentiras que se transformam em vício e que escravizam quem delas precisa.
      Já eu quero a Verdade.
      Existo para ela.
      A Verdade de minha finitude e de que devo ser eu mesmo, não aquilo que querem que eu seja.
      Sem “filtros de importação”.
      Sem livrinhos, sem fantasminhas, sem deuses.

      — Sou iconoclasta. Desprezo ídolos de toda espécie pois eles servem para que nos dispersemos de nossa única existência.
      Seu líder era um parasita. Ele te sugava a existência e em troca você lhe dava seus joelhos.
      Hoje, sua mente embotada e aprisionada não percebe que não há mais NADA a lhe impedir de ser realmente livre.
      Mas está aí, cultuando o que não existe, amando o enforcador que se foi.

      — Ah, criatura patética!
      Ah, ser abjeto e escravizado!
      O tamanho de meu asco por você, por todos os religiosos, só não é maior que minha certeza.
      A certeza de que vocês vivem numa miséria mental absurda e que se acostumaram a beijar os pés da escória do mundo.

      — Viva, pois, dependente de seu deus de mentirinha e de seus “mestres ascensos”.
      Mas de minha Existência, quem guia, sou eu.

      Sou lobo e não cordeiro.
      Cordeiro matam.

      • Roberto disse:

        Tá JRP,

        Você poético fica mais mimoso. Um rebelde sem causa.

        Não é útil mais respostas para ti. Só farão perder o meu tempo de trabalho.

        O solo do teu ser é inóspito, árido. São sementes jogadas fora.

        Espero que tenham tido um mínimo de utilidade para outros que porventura leram neste site cético os comentários pró e contra, para que meu tempo não seja totalmente desperdiçado.

        Eu, a meu turno, não tenho asco de ti. Porque eu teria? O que tu me fez? Nada. Gosto do teu senso de humor (espero que seja, e não pura raiva) pois como disse tu és uma figura.
        Àquela do Pêlus Publicus me fez rir à gosto.

        Sucesso meu irmão lobo. Um dia nos encontraremos no redil das ovelhinhas.
        Que a paz de Jesus esteja contigo, embora o deteste e o renegue, porque paz nunca é demais não acha? E Ele não deixará de te amar por ser como és.

        Adeus!

  129. Raphael Porto disse:

    Eu achava que as pesquisas do Victor estejam servindo para por a prova a existência desse Públio Lentulus, mas não, ele afirma

    “Chico definitivamente fraudou, não há dúvida quanto a isso. Ele materializou Públio Lentulus, que JAMAIS existiu.”

    Eu realmente não compreendo como essas mentes experimentadoras podem chegar a conclusões tão certas.

    Qual a diferença em afirmar que o tal Públio Lentulus existiu porque Emanuel disse ou que ele não existiu porque tal historiador não o citou?

    É nesse ponto que acho tendencioso o julgamento das análises anti-Emanuel/Chico.

    Para aceitar os fenômenos espíritas é necessário todo um aparato científico com tudo nas CNTP, agora para negar basta não estar no que sobrou do que foi escrito por alguns historiadores. Realmente vocês são imparcias…

    • Eduardo disse:

      Raphael,

      Exato. Ampliando seu post, ninguém pode afirmar algo que pesquisou por livros.
      A ciencia todos os dias se renova, pois é um conhecimento falível. Conhecimentos superam conhecimentos e suplantam o que estava em vigor, desde que hajam evidencias e comprovação de hipóteses ou presupostos teóricos.
      Dizer que não existiu um Senador com o nome de Públliu Lentulus, neto de Públiu Lentulus Cornélius Sura, não convence aqueles que tem o mínimo de idéia de como é a construção de um argumento cientifico.
      Quando o Vitor diz que não existiu ele está passando a idéia que esgotou o tema… não dá para levar algo assim a sério.
      O argumento dele é incosistente mesmo, como disse o Roberto e como está sendo atestado por vc.

      • J.R.Pereira disse:

        Eu fico pasmo com a insistência dos senhores.
        É uma teimosia mesmo, algo tão absurdo que já beira a burrice.
        Chico Xavier usou de falcatrua nas imagens desta matéria.
        Isso, por si só, deveria lhes bastar para atribuir-lhe descrédito.
        Mas não.
        Os senhores ficam nessa masturbação mental ridícula, querendo porque querendo que o maluco religioso abra mão de sua fé em nome da “ciência”…
        Desista.
        O cara não vai mudar.
        Qualquer tentativa de levar-lhe a Razão será um atentado contra a fé do cara.
        E ele foi treinado pra não ter Razão.

        E no espiritismo é algo mais insidioso porque o Chico Xavier tinha aquela imagem de “benevolente” e “amigão da humanidade”…
        O que é passível de perdoar-lhe qualquer crime, na visão desse pessoal.

        No caso do “senador”, é ÓBVIO que ele nunca existiu.
        Foi mais um lance de marketing religioso, mais uma falcatrua de, decerto, algum escritor fantasma que fez uma pesquisa porcaria e soltou um livro sem o menor rigor Histórico.
        É mais uma entre muitas outras mentiras, sendo a maior delas exibida nesta matéria.

        Mas senhores…

        Esse pessoal PRECISA dessas mentiras.
        Eles QUEREM SER OTÁRIOS!
        Claro que tem uma turma que passou por lavagem cerebral, que a família ou amigos martelaram um monte em suas cabeças, que num momento qualquer vacilaram e o traficante religioso doi lá e CRAU…

        Então, de que vai adiantar você falar de “científico” pra quem, primeiro, não quer te ouvir e, segundo, aboliu qualquer Bom Senso de sua vida?

        Eu te digo como funciona o espírita: ele se faz de erudito.
        Ele afirma que leu centenas de livros, que é um “estudioso”, que o espiritismo é uma “ciência” (até parece), que seus ídolos são o máximo, que o falecido Xavier era o último dos santos…

        Ou seja, o espírita é um roqueiro!
        É que nem um fã dos Rolling Stones!
        Ele fica ENEBRIADO com as músicas porque, na cabeça dele, elas são parte de sua personalidade e criação.

        Se você chegar pra um fã dos Stones e dizer que o Mick Jagger curtia zoofilia, ele dirá: BLASFÊMIA!
        Você pode até mostrar as fotos do jumento fazendo coisinhas “calientes” com o Mick Jagger que o cara não-vai-acreditar!

        Da mesma forma que sua tia católica acredita que o santo sudário é a xerox de jesus, da mesma forma que o lojista muçulmano aredita na existência de Maomé, etc.

        Enfim, sempre que você tentar ser Racional com Irracionais, serão dois.

  130. Vitor disse:

    Roberto,

    eu tinha previsto que o Senhor José Carlos iria me entregar o texto no máximo hoje pela manhã no tocante à questão Jesus X Publio Lentulus X Paulo de Tarso , mas, pelo visto, errei na minha previsão. Espero que até amanhã no máximo ele entregue, já que, por ser feriado, acredito que ele terá mais tempo para elaborar o texto.

  131. Walter Ice disse:

    Apenas pelo fato de o Espiritismo e seus livros (li atentamente quase todos)estarem fundamentados em idéias pré-concebidas iguais a existência inquestionável de Deus e Jesus, isso já é evidência de que tudo nessa doutrina não passa de malabarismo da lógica, especulação sem prova. Sabe-se que a idéia de “Deus” é invenção dos antigos babilônios, pois deus era o rei deles, ou no máximo Baal – uma idéia adotada na época pelos espertos judeus que aproveitaram esse esquema no controle psicológico das populações e porque religião e templos eram um bom negócio, davam lucro. E Jesus é uma posterior invenção dos gregos antigos eruditos,baseados em contos populares da época e eventos mitológicos do paganismo, hinduísmo e antigo Egito. Partindo assim, de nenhuma consistência e ser algo apenas inventado para preencher uma lacuna no entendimento humano: que é não saber basicamente de onde veio nem para onde vai. Talvez alguma coisa exista, alguma energia relacionada à luz e ao DNA ou a hipercomunicação cósmica entre as partículas (Einstein disse que a religião tomaria no “futuro” uma ótica cósmica). Mas com certeza a verdade não é como o Espiritismo a explica (ou tenta impingir). Para ter uma idéia de como o Espiritismo é falso, vejamos: o pretenso cognominado espírito de Ramatis “escreveu” um livro sobre a vida em Marte, com população, cidades, uma sociedade futurista organizada, etc…
    Quando as missões norte-americanas chegaram a Marte, só encontraram pedras. Cadê as cidades de Ramatis em Marte? Com certeza só existiam na cabeça do médium que psicografou o livro, que com certeza era um sujeito bem maluco…

  132. J.R.Pereira disse:

    Cêis são tudo um bando de gente louca!
    Eu racho o bico com esses papos de malucos aí!
    Rolou o mó xaveco do falecido aí e tem doido que teima e que teima teima que a parada rolou, que o babado forte aconteceu, que deus existe e tals…
    Aí corre pra citar o “Manual do Tio Patinhas”, cita a passagem do “Manual do Escoteiro Mirim”…

    Estelionatária presa, livro mentiroso, Kardec
    Esse lance do Lêntulo foi RÁPIDULO pra gente sacar que é xaveco…

    Mas os caras não largam o osso, mano!

    São todos viciados nessa droga, nesse ópio de velho classe-média, essa cocaína de velho chamado “espiritismo”.

  133. Vitor disse:

    Roberto,

    já publiquei a resposta do Sr. josé Carlos. Está no post “os Nomes das personagens no livro há Dois Mil Anos de Chico Xavier”, em

    http://obraspsicografadas.haaan.com/2010/os-nomes-das-personagens-no-livro-h-dois-mil-anos-de-chico-xavier/

  134. J.R.Pereira disse:

    O interesse não é chegar a um consenso: a fé do cara é o que lhe interessa.
    Fo(*)-se a verdade, que se danem as evidências.
    Ele vai dar um jeito de sair pela tangente, que nem quiabo.
    Certo é ele, certo é o que ele acredita, o que ele PRECISA ACREDITAR.
    Todo o resto ele vai fazer de tudo pra descartar.
    Mesmo que seja a mais absoluta e perfeita Verdade, conforme as fotos aí comprovam.

    Totalmente burro ele não é, porque ele lê pra caramba.
    Mas ele seleciona o que vai acreditar.
    É uma espécie de “copydesk” da fé: isso está certo, concordo, está certo, concordo, opa! isso está fora do contexto, então eu complemento com a fé, isso está certo…”

    Cara!
    Você quer explicar a Verdade das coisas pra um burro empacado e viciado nessa droga de religião, um burro véio cansado que abriu mão da Razão faz tempo?

    Essa gente flerta com a loucura e, se o lider deles de plantão puxar a corda, eles se enforcam, pela honra e glória do senhor jesus.

    Mas enquanto o “arrebatamento” não vem, eles dão é grana pros caras mesmo que tá tudo certo!

  135. Vitor disse:

    Roberto,

    o Senhor José Carlos já respondeu a suas indagações, inclusive sobre Jesus, Paulo de Tarso, e os Atos dos Apóstolos. Fiz um tópico específico:

    http://obraspsicografadas.haaan.com/2010/resposta-aos-argumentos-mais-comuns-dos-espritas-sobre-o-livro-h-dois-mil-anos-de-chico-xavier/

    Eduardo, também te recomendo a leitura, suas questões também são abordadas.

    • Roberto disse:

      Vitor Moura e José Carlos,

      Te parabenizo pela epopéia de buscar provas para a inexistência de Emmanuel assim, tão denodadamente..

      Certamente tivestes que ler o romance Há 2000 Anos “Ad nauseum” pois parece-me que não entendeste o que continha nele.

      Alias, o testemunho de vida de Chico Xavier mostrou para ti que ele era um homem fraudador, mentiroso, louco varrido que falava consigo mesmo e inventava amigos imaginários qual criança solitária. Chico Xavier era esta negação que tu te arrojou a buscar provas de ser ou a construir com esforço hercúleo de arauto da verdade, de defensor da fé cega, de mantenedor do ideal kardecista, de caçador de bruxas ilusionistas.

      Li todo o teu texto. Fui reler para ver o caminho da resposta mas, como ficou exaustivamente grande.

      Para acertar melhor o teu alvo, recomendo, se quiseres, tirar a mira da citação sobre a tal carta que surgiu por encanto no sec. XV pois não foi psicografada por Emmanuel através de Chico ou de qualquer médium. Não te desgaste tanto batendo nesta mesma tecla pois o teu textão ficou na maior parte do tempo focado nisto de forma repetitiva. Deixe as pesquisas para o início dos tempos de Cristo.

      Mas é assim ó, estes moínhos parecidos com dragões que tentas espetar, hum, sei lá sabe, mas o dragão tá parecendo muito grandioso que temo que a tua lança afiada não vai fazer estrago considerável neste gigante da humildade, da caridade, do desprendimento, da cristandade, da tolerância e da honestidade.

      Se tu queres, vai firme José Carlos, leve teu fiel escudeiro Vitor Moura que por certo chegarás à verdade. Conheças a verdade e ela te libertará, não é assim. Tu vais para lá e a chicolatraiada ou chicoraiada vai para o outro lado, oposto ao teu, tentando se esforçar ao máximo para fazer de suas vidas uma ínfima parcela do que Chico Xavier fez da sua.

      Alegues, ou acuse-nos, os admiradores de Chico Xavier, os consolados, encorajados, assistidos, esperançados que foram vítimas deste embusteiro mentiroso e farsante, de que somos anti-kardec, de que temos a fé cega como orientadora, e coisa e tal, e tal e coisa, mas isto não te trará o sucesso que almejas pois a força do bem é soberana aos ataques das trevas.

      Ah, mas aí tu farás um diálogo imaginário dizendo que os chicólatras te atacaram com ameaças de trevas, e aí vai choramingar, escrever livros de contra-provas imaginárias, mas fazer o quê não é? Tu sabes que eu acho que sou tão soberbo quanto tu porque não aprendi o suficiente com o exemplo do Chico Xavier para ser tolerante e amoroso o quanto eu precisaria.

      Vai saber né José e Vitor? Vai saber se não vamos nos encontrar lá nas trevas exteriores para purgar nossa estultícia transbordante de orgulho e gastar milênios de recuperação até retomarmos o ponto de partida do hoje, quando poderíamos ter aproveitado melhor nossos talentos?

      Bom, concluo que saio do teu blog tranquilizado porque se tu me revelasses novidades sérias eu certamente teria que revisar meus conceitos e restabelecer novos rumos quanto à vida e obra de Chico Xavier e de Emmanuel, e abandonaria o erro para seguir a premissa principal do espiritismo que é: FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO, ou seja, prosseguiria buscando agir como Chico agia posto que na vida dele agia como a caridade em pessoa.

      Pobre de mim, tão atrasado.

      Obrigado pelo belo trabalho inconclusivo mas dedicado, e pela consideração das respostas.

    • Eduardo disse:

      Vitor,

      Eu li o escrito pelo José Carlos. Bem feito, mas cheio de “ordens” para os espíritas. Tb imbuído da história oficial, que não sei se é a real. Nunca saberemos a história real, por mais que aos poucos vamos avançando no conhecimento. As conclusões que vcs chegaram não me interessaram, pois acho que cabem considerações finais e não conclusões. Somente o resultado das pesquisas que eu observei com respeito, observando tb as fontes.
      Não há como debater com ele. Primeiro pq não tenho interesse, sengudo pq sou de outra área e não historiador e, por fim, pq na Doutrina Espírita seguimos o ensinamento de que “para saber se um espírito é de Deus, observe o que ele fala e o que faz”. Sob este aspecto Chico Xavier nem precisa de comentários, ou acha que estou errado?
      Dessa forma, algumas evidencias que para os espíritas não precisam dos protocolos sugeridos (meio que mandando…estranho) pelo José Carlos, não teriam nenhum valor em quaisquer conversas com uma pessoa que é Católica, pois não temos as “evidências”.
      Vc, apesar de ser espírita, não sentiu ainda o que é esta Doutrina. Daí, não há como debater contigo tb. Mas estou lendo seus posts, pq é bom aprender um pouco sobre a história oficial.

      Sds espíritas,

      Ps.: Continue a postar o que vc acredita. Eu não me considero o dono da verdade e, mesmo sabendo que Chico era um espírito de Deus, sempre vejo coisas que não estão de acordo com o meu pensamento, pois a instrução é um dos objetivos da Doutrina.

      • J.R.Pereira disse:

        >>”para saber se um espírito é de Deus, observe o que ele fala e o que faz”. Sob este aspecto Chico Xavier nem precisa de comentários, ou acha que estou errado?

        Está absurdamente errado.
        Pois você não pensa exatamente no seu “axioma”.
        Olha a foto do homem ao lado de uma estelionatária.
        Olha ele fazendo pose ao lado de uma pilantra.

        Ou o cara é ingênuo ou é ladrão.

        Aplique o que você acredita e pronto, a Verdade brilhará na sua cara.

        Nega-la é assumir-se cego.
        E ligeiramente burro.

  136. J.R.Pereira disse:

    Deixa eu ver se entendi: aquele livro lá do Raul Seixas…
    Digo, do Xico Chavier, “Há 2000 Anos Atrás”, não era, digamos, uma transcrição “ipsis leteris” da…
    Anh…
    Vida, ou uma das vidas, do Emmanuel.
    Era um romance.
    Digamos, uma “obra de fantasia”, daí os erros sobre o real nome do senador Pelos Humidus, ou algo assim, não era real de fato pois se tratava de um romance.
    Que devmos crer que uma entidade de luz, um ser astralizado e dotado da mais completa e total humildade, averso às badalações e consciente de que não se devecultuar o Ego, encostou (acho que por trás) no seu fiel “cavalo” e o fez escrever uma vasta passagem de sua existência anterior…
    Só para se mostrar como sendo humilde e submisso a jesus.
    Tá.
    Daí, deve-se levar em conta que, por ser um romance, há que se abrir uma série de concessões se Emmanuel usou o nome do senador Lentulus Devagarquaseparandus que nunca existiu, só porque era um romance, e que a vida de Chico Xavier era magnífica e nenhum de nós chegará perto de fazer o que ele fez?

    Puxa…

    Vem cá, quem é que guia a cabeça dos espíritas?

    O Pica-Pau?

  137. Raphael Porto disse:

    “No caso do ‘senador’, é ÓBVIO que ele nunca existiu.”

    Esqueçam os espíritos, estamos diante da verdade que Pereira nos mostra nessa sua frase. Observem a riqueza inesgotável de racionalidade quando ele afirma. Realmente incontestável.
    Espíritos que nada, Pereira é que está com a verdade. Quanta tolice achar o contrário…

    O bom daqui é isso, quando não há o que dizer joga tudo no ventilador e está resolvido, pelo menos é divertido.

  138. J.R.Pereira disse:

    Eu te dou um jeito de se usar a tal “mediunidade” pra fazer o bem pros outros: que os “espíritos superiores” dissessem pra gete quais seriam os números da Loto, Sena e demais jogatinas.
    Com dinheiro no bolso, a felicidade se faz aqui e agora.

    Outra: um camarada que se deixa fotografar ao lado de uma estelionatária vestida de fantasminha, deveria ser julgado e condenado, puxando uma cana lascada.

    Mas no Brasil, bandido vira santo e escreve livro fajuto que vira referencial de vida, ou se transforma em enviado divino canonizado em filme.

    Manda logo esse país pra África que é o lugar dele!

    AS MÃÃÃÃES QUE SOOOOOFREEEEEMMMM…

  139. Rogério disse:

    Fraude por fraude, o padre Quevedo está aí ganhando o dinheiro dele com suas acusações não provadas, as igrejas evangélicas estão aí faturando bilhões enrolando os trouxas, e o pior: ninguém paga imposto.

    Mas enganam-se aqueles que dizem que “no estrangeiro seria diferente”. Essas igrejas evangélicas que aí estão no Brasil, nada mais são do que filiais ou cópias de igrejas semelhantes que existem há muitas décadas nos EUA.

    Os fanáticos religiosos do Brasil não são tão diferentes dos do resto do continente americano ou da Europa.

    Mania desse povo achar que no Brasil “tudo é pior”.

  140. Roberto disse:

    Sergio,

    Não dizer a verdade é o mesmo que mentir, no meu entendimento. Se você vai “dizer” alguma coisa, ou é a verdade ou é mentira, não têm meio termo. Se você vai “ocultar” alguma coisa você “não fala sobre ela”, desconversa, sai pela tangente.

    O que eu gostaria de ver na forma de prova, não de evidência, de indício, mas de fato consumado pela história, sem precisar deduzir ou presumir num achismo preguiçoso, é por exemplo:

    A história provando a existência de Jesus Cristo.

    Os historiadores não conseguiram até hoje provar que Jesus existiu. Se isto acontecesse, nem que fosse por obra do Vitor e seu mestre, o clérigo da igreja católica José Carlos, aí teríamos um evento fabuloso que relegaria imensa maré de incrédulos à uma postura diversa, que renderia Prêmio Nobel, garantiria presença em todos os noticiários, internet, imprensa de todos os tipo, etc.

    Mas não há esta prova. Isto mostra que não é tão simples provar a existência ou não de alguém com os critérios científicos. Bom, este fato, mudando de personagem, traz imensa carga de responsabilidade para quem se arvorasse a provar que um senador romano de nome Publius Lentulus, neto de Sura, não existiu.

    Não será um blog de pessoa partidária, acientífica, guiada por um católico que combate o espiritismo, que distorce a interpretação de textos criando pontos de honra em miudezas para desacreditar a opinião contrária, que usa de sofismas e verborragia e adultera à benefício de seu ponto de vista, que será uma fonte confiável.

    Por um lado precisa-se de fé para crer que não existiu tanto quanto para crer que existiu.

    O arsenal de títulos de livros que, ao serem analisados um por vez, não estão provando nada. Chego à um ponto em que pergunto? Para que toda esta perda de tempo? Para que esta vã agitação em torno de nada? Para satisfazer o ego dos pugilistas armados de palavras, pingos em is, interpretações falsas, etc.?

    Estou fora deste entrevero inútil.

    O dia que o padre (ou bispo, ou cardeal, ou capelão) José Carlos conseguir uma trabalho que possa ser chamado de “sério” estimo que o apresente à uma banca de especialistas ou órgão oficial que sustente a tese e torne este estudo um documento aceito pela comunidade científica mundial.

    Enquanto nem Jesus Cristo ele consegue a façanha de provar que existiu, pois neste caso seria uma sumidade internacional sem tempo para manter este blog dele, não vou ficar lendo e refletindo sobre “achismos” de que tal e qual pessoa ou coisa tenha existido neste planeta ou em qualquer outro.

    • Sergio disse:

      Analisando desta forma, Roberto, creio que só nos resta acreditar nas coisas que já acreditamos. Um teste de DNA tem 99,999% de probabilidade de acerto. Oras! 99,999% não é 100%. Ninguém pode negar. Um sujeito não seria condenado caso seu sémem fosse encontrado na cena do crime. Nem na matemática existe exatidão. Não é bobagem nao…Teoricamente o 1 nunca deveria chegar ao 2, considerando a infinidade de frações que existem entre eles.

      Tudo é questão de bom senso. Mesmo que ‘ter evidencias’ não signifique ter provas irrefutaveis, isso conta muito.

      Eu não fui comprovar o que o Vitor leu, ate mesmo pq se fosse ler os costumes romanos eu teria tb de me certificar que os outros autores tb não estavam inventando. Percebe que eu entraria numa paranóia? A evidencia da evidencia da evidencia…

      Em resumo, eu acredito no que ele escreveu e na existência de tais regras. De forma que, nestas circunstâncias fica mais difícil acreditar que Chico X realmente incorporou alguém que escreveu tal livro.

      Somente a fé é capaz de brigar com as evidencias e vencer.

      Se Chico inventava , é é o que quase tudo indica, eu lamento, juro, e espero que existam pessoas realmente sérias e com alguma mediunidade.

      Não sou religioso. Não tenho fé nem que o meu salário vá cair no dia cinco, mesmo trabalhando o mês todo, então eu considero bastante as evidencias, mesmo que elas destruam algumas crenças.

  141. Boni disse:

    Roberto, não há como provar negativas.

    Exemplo, reduzindo ao absurdo o que você disse: Você já considerou as evidências histórias NÃO DISPONÍVEIS sobre sua mãe ter sido vítima de estupro e você ter sido gerado por um estuprador?

    Você já considerou as evidências não disponíveis sobre o elefante que ficou sentado atrás do seu computador a noite inteira?

    Você já considerou as evidências não disponíveis sobre o interruptor do seu banheiro com explosivos que foi preparado durante a madrugada?

    Você já provou que não estuprou uma criança no ano passado?

    Ausência de evidência não é prova de existência. É por isso que ninguém vai te prender como estuprador de crianças se não existirem provas de que você é inocente, mas somente se existirem provas de que você cometeu de fato o crime. Agora, prove que você não estuprou uma criança no ano passado? Não vai conseguir. Isso é básico, você precisa comprar um livro de lógica.

    • J.R.Pereira disse:

      “Prove que não existiu”.
      Já foi provado.

      Mas na cabeça do cara, as provas nada valem porque ele não as aceita. Nem é questão das provas estarem corroboradas, é o cara que não aceita.

      Daí, entra a fé no lugar da Verdade.

      Entrou a fé, passa boi, passa boiada, vale tudo, inclusive e especialmente a mentira. Que é bem mais acalantadora do que qualquer Verdade.

      O pior louco é aquele que acredita na própria loucura.

  142. Anonimo disse:

    Simplesmente um duelo de egos.

    Parabéns aos amigos!

  143. J.R.Pereira disse:

    É interessante como o tópico descambou pro discurso auto-laudatório, quando o foco da questão é se o Chico-X foi ou não engambelado na treta.
    Se era conivente ou se foi levado no bico.

    A Lógica reina suprema: se ele foi conivente, era bandido.
    Se foi levado no bico, o cara era maluco e, portanto, não existem espíritos.

    De qualquer forma, uma pessoa dotada de inteligência e bom senso, percebe que, com essas fotos, caem por terra toda a doutrina espírita e seu principal baluarte.

    MAAAAS AS MÃÃÃÃES QUE CHOOOORAM A PEEEEERDA DE SEEEEEUS FIIIIILHOS…
    OS MAAAIS DE QUAAATROCEEEEENTOS LIIIIVROS…

    Palhaçada.

  144. Raphael Porto disse:

    Pereira,

    Espero que nenhum de seus amigos caia no erro de algum crime, seja um assalto ou algo mais grave, nesse caso te basta uma foto ao lado dele para que tu tb seja considerado de mesma índole…

    • J.R.Pereira disse:

      Sem chance, benzinho!
      Amigo meu é gente do bem.
      Esperta, inteligente, que não nasceu ontem e que não se dá à ilegalidade ou mistificação.

      Mesmo porquê, quem anda com bandido é bandio, quem anda com louco é louco e, até o momento, não sou nem um, nem outro. Você é?

      Mas sou magnânimo: nas voltas que o mundo dá, se eu ou meus amigos incorrermos em algum erro ou desatino…

      Haveremos de nos explicar, haveremos de prestar conta, como cabe a um adulto.

      O falecido aí da foto se explicou?
      Não.
      Deu alguma satisfação séria, direta e conclusiva que afastasse as dúvidas e a incredulidade de si?
      Não.
      Veio à público PELO MENOS PEDIR DESCULPAS e exercitar sua tão famosa “humidade”?
      Não.

      Pior ainda: calou-se, deu de ombros e voltou a “fazer o bem” que a seus seguidores convém.

      Preciso dizer amais O QUE, benzinho?

      Uma vez que o dito cujo pisou na bola de maneira inegável e inconteste, mas não se explicou e, PIOR AINDA, faturou em cima com o lance se fazendo de vítima, sinto-me livre pra considera-lo um bandido ou vítima de bandidos.

      E macaco velho que eu sou, sou categórico: se neguinho dá a mão pra “fantasminha” e ENDOSSA a materialização…

      Comete um atentado contra si e contra todos os otários… Digo, os espíritas que porventura ousam lhe dar crédito.

      Se os manés vão seguir o cara mesmo assim, se vão comprar “seus” livros, se vão continuar caindo na arapuca…

      Vale o ditado de P.T. Barnaum: “nasce um otário a cada minuto”.
      Mas no Brasil, o cara quer ser otário de carteirinha!

      Tomou, papudo?

  145. Vitor disse:

    Roberto,

    o próprio Chico admitia implicitamente que fraudava. Ele dizia:

    “A verdade que fere é pior do que a mentira que consola…Entenda quem puder.”

    Fonte:

    http://www.correiofraterno.com.br/index.php?Itemid=43&id=104&option=com_content&task=view

    O Evangelho de Chico Xavier. Carlos A. Bacelli. Didier, 2000.

    Veja, Chico fraudava para “encorajar” as pessoas. Ele via os familiares tristes pela perda de entes queridos, e não via mal algum em fabricar cartas para alegrá-los com a esperança de que o morto continuava vivo do “outro lado”. Essa era, para ele, a mentira que consola. E ele, claro, se sentia bem fazendo as pessoas felizes, recebia muito amor em troca, algo que dinheiro algum conseguiria, e por isso nunca parou. Esse era o motivo de tantas fraudes, e porque ele nunca pediu dinheiro por seu trabalho.

  146. J.R.Pereira disse:

    Meu caro Ricardinho…
    NÃO!
    Não somos obras do acaso.
    Quero crer que você, salvo ressalvas, foi gerado pelo ventre de uma doce e gentil mulher que deixou-se amar (ou não) por um varonil homem.
    E que todos esses vem seguindo esse ritual magnífico desde tempos imemoriais.

    Portanto, não existe acaso nenhum. Talvez, no máximo, uma camisinha furada, um passo mal dado ou uma bebedeira qualquer mas seguimos, sim, uma Ordem estabelecida pela Natureza.

    NADA, portanto, que arremeta a uma “entidade superiora” que controla e gerencia tudo.

    Mas de uma certa forma, sim, somos insignificantes. Talvez até menores que a espinha na bunda da mosca do cavalo do bandido.

    PORÉM, somos dotados de ferramentas que, muitas vezes, não são colocadas em uso, como se vê em sua pessoa e neste tópico: Razão, Lógica, Bom Senso, Coerência, Sagacidade e uma bem legal chamada CIÊNCIA!

    Que não é lá essas coisas mas, francamente, é melhor confiar no Real do que construí-lo partir do Emocional. Esse mesmo que domina sua pobre e acuada mente.

    Ser ateu ou cético não significa que deixamos de nos importar com os outros. Pelo contrário, é por EXATAMENTE sabermos da efemeridade do Ser Humano é que nos preocupamos com ele.

    O que um cético e/ou ateu jamais fazem é tornar-se CONDESCENDENTE com a escravidão de seu semelhante.
    E, lamento dizer, você é um pobre e vil escravo de seus medos.

    O Universo é poeira, de fato.
    Tudo passa, tudo passará…

    MAS NEM POR ISSO devemos mentir pra nós mesmos e abraçarmos nosso pânico, criando deuses e espíritos que nos ajudem a enfrentar a barra da Existência.

    Temos, sim, que vivermos O MELHOR POSSÍVEL mas sem deixar que terceiros guiem nossas vidas. Pois bem sabemos o que eles nos levam a crer: mentiras, farsas, ilusões, fomento das guerras e matanças.

    A sua “verdade” nos leva a um lugar abjeto: ficar de joelhos a um cão sarnento, um louco igual a maioria do que os segue e que enriquece as custas de sua covardia.

    Bem sei que a Vida sem deus é triste.
    A Vida sem Jesus é terrível e saber que a sepultura e a obliteração nos aguarda é um pesadelo inenarrável…

    Mas é preferível viver na Verdade do que chafurdar na lama do seu desespero e de sua ilusão.

    É uma questão de escolha, você prefere drogar-se para achar que vive bem e que terá uma boa morte.

    O cético ou ateu são sóbrios (dentro do possível) e vivem bem AQUI e AGORA. Não depois.

    E nem sustentamos parasitas.

  147. Flor de Liz disse:

    Li boa parte do debate aqui estabelecido,achei muito interessante e proveitoso.Devido a experiências pessoais adoto o caminho do meio,ou seja,meio cética,meio espírita.Apenas aceito aquilo que posso experimentar ,de preferencia que me sirva como ferramenta para meu crescimento como ser humano,pois busco ser uma pessoa melhor,busco serenidade e harmonia em meu coração e em minha vida.
    Acredito que o mundo atual não cabe mais a fé cega,porém não podemos super valorizar o materialismo pq isso cria um vazio na vida do ser humano,acredito que desnecessário,uma vez que somos seres dotados de talentos e com um universo imenso dentro de nós mesmos esperando que voltemos nossos olhos para nosso interior e o descubra.Há muito mais na vida humana do que nascer,crescer,trabalhar,copular,envelhecer e morrer,disso tenho plena certeza,porém não tenho como fornecer provas palpáveis,a menos que me conheçam pessoalmente e acompanhe minha vida diária ou simplesmente que vejam o brilho da vida nos meus olhos.Somos ilustres desconhecidos de nós mesmos.Deixo minha humilde e singela opinião: Aos céticos que continuem a serem céticos,mas com o pensamento de que nem tudo o que não vemos ou tocamos e não possamos por meio da Ciência da Terra provar,não significa que não exista.Não feche suas mentes para coisas que ainda não podem compreender ou dar por encerrado assunto que pensam compreender,pois há muito mais coisas além da matéria.E aos espíritas que continuem espíritas,mas não esquecendo o que Kardec alertava quanto a fé cega,mantenham sempre a boa fé e o raciocinio sempre !
    Não importa qual a crença,podemos ficar horas,dias,meses e anos uns tentando convencer ao outro sobre suas experiencias que são pessoais.Acho uma violencia tentar enfiar goela abaixo coisas que ainda não fazem parte do nosso Universo interior.Pra mim não passa de guerra de super egos.
    E ele se manifesta das mais variadas formas,uma delas é tentando denigrir a imagem de quem quer que seja.Não entendo porque perdem tanta energia preciosa com coisas inúteis,só para alimentar o ego e mais nada…Não vejo equilibrio,não vejo harmonia e coerencia nisso ainda mais vindo de pessoas que se dizem racionais.
    Pessoas que se dizem céticas,acreditando em tablóides e fofocas tem coerencia nisso?
    Estudo de fenomenos foram feitos e muitos deles explicados e testemunhado inclusive por cientistas.Houve sim fraude por parte uma medium no passado,que foi desmascarada,mas porque as pessoas se apegam tanto a uma fato solucionado e nem se quer toca nos outros tantos pontos que beneficiaram tantas e tantas pessoas?O ser humano passa por várias experiencias no decorrer de sua vida,mas porque a tendencia dela é ficar agarrada as negativas?Esquecem por completo de momentos felizes e lembram só as negativas que trouxeram dor?Porque os jornais onde o sangue escorre vendem mais?Porque dão tanta força ao negativo?
    Fácil,semelhante atrai semelhante…
    Vc só sintoniza com aquilo que tem afinidade.
    Alguém já se perguntou o que anima este corpo físico?
    Alguns chamam de alma,outros de espírito e tantos outros nomes…Então porque é tão dificil acreditar ou ao menos consideram que existam espíritos.A prova disso está aqui mesmo…vejo muitos espíritos se manifestando…o meu,o seu e de tantos outros que aqui passaram de deixaram os seus comentários.Essa energia que anima essa vestimenta de carne,após um novo ciclo de vida,não deixa de existir.Ela continua seu caminho evolutivo,ainda aprendendo,ainda errando,ainda acertando.Ela conserva sua individualidade assim como tb seus defeitos e virtudes.Isso ninguém me disse,eu vivenciei isso e não tenho que provar pra ninguém pq a minha certeza eu tenho,a prova eu tive disso e ainda mais.Quem quiser provas,vá vivenciar a sua experiencia,ora essa…
    Não seria mais harmonioso as pessoas poderem contar suas experiencias e as que não acreditassem ao menos se dessem o trabalho de estudar pra comprovar por ela mesma se funciona ou não…
    Seria mais inteligente,mais rico e mais harmonioso,muitos ganhariam com isso de maneira positiva.
    Somos todos um só,que possamos nos abraçar e caminhar lado a lado uns auxiliando os outros e com os olhos voltados a coisas edificantes.
    Um abraço a todos,muita paz ,luz e harmonia!

    • J.R.Pereira disse:

      Uma das piores besteiras, como se houvesse uma pior nesse monte de bobagem, é a pessoa indefinida.
      A que prefere ficar em cima do muro, cheio de medinhos, receosa de optar por algo que contrarie alguém.

      Eu poderia massacrar esse comentário tão de menininha besta que faria a dona dele sair chorando…

      Mas me atenho a uma coisa só: a pior opção é não ter opção.
      Você tem uma mania infeliz de querer juntar o melhor dos dois mundos, a “trasncendência” espírita e o “desenvolvimento” do racionalismo humano.

      Só que Racionalidade é INCOMPATÍVEL com religião, moça.
      Porque a essência da religião é a crença em algo que não existe.
      Que são, no caso, deus, espíritos, essas tolices.

      Se você for 1% Racional, descarta TUDO o que comentou acima.

      Mas se for 0,025% religiosa, a quantidade de bobagem que você dirá será infinitamente maior.

      Ou seja, você vai precisar deixar de ser MEDROSA e descer desse mundo.

      Pois uma hora um religioso te jogará uma pedra, ou o muro será corroído pela Verdade dos fatos.

      Decida logo e pare de repetir essa propaganda de revistinha feminina!

  148. Soninha disse:

    J.R.Pereira disse:
    “Mentira porque, primeiro, Kardec era racista.
    Segundo, as “entidades” do espiritismo não são pretas, amarelas ou vermelhas. São “espíritos de luz”, e a luz de que cor é?
    Branca.”

    Os espiritos são chamados de luz porque são assim que se apresentam para aqueles que tem a clarividencia desenvolvida e conseguem percebe-los.Quanto mais puro o espirito da pessoa desencarnada,mais iluminado ele se apresenta…
    Gostaria de saber de onde o Sr. tirou essa conclusão tão infantil de racismo espiritual? rss

    • J.R.Pereira disse:

      Soninha, responder um questionamento racional com a papagaiada religiosa que te enfiaram na cabeça…
      Lamento, mas isso não é resposta.

      Seria o mesmo que dizer que jesus era um mito, mas um evangélico responder que não era, porque a bíblia diz o contrário.

      Ou seja, eu fiz um comentário FORA do contexto espírita e você é INCAPAZ de levar seu raciocínio para FORA da propaganda espírita.

      Posso concluir que sua mente está embotada e você ficou viciada nesse troço todo.

      Kardec era racista e você não está lendo o que deveria ler:

      “O progresso não foi, pois, uniforme em toda a espécie humana; as raças mais inteligentes naturalmente progrediram mais que as outras, sem contar que os Espíritos, recentemente nascidos na vida espiritual, vindo a se encarnar sobre a Terra desde que chegaram em primeiro lugar, tornam mais sensíveis a diferença do progresso(sic!). Com efeito, seria impossível atribuir a mesma antiguidade de criação aos selvagens que mal se distinguem dos macacos, que aos chineses, e ainda menos aos europeus civilizados”
      (Allan Kardec, A Gênese, ed. cit. p. 187, o sublinhado e o negrito são meus).

      Tem muito mais coisas, mas ficarei só nosso.

      Concluindo, é esse o lixo que você segue: uma religião racista, sórdida e segregacionista.

      É como dizem os espíritas: VÁ ESTUDAR!

      • Soninha disse:

        Lamentável,vc leu e não entendeu a essencia do meu pensamento talvez porque sua arrogancia te cega.Não vale nem a pena debater,com pessoa que confunde equilibrio com medo,afff!!

  149. J.R.Pereira disse:

    Pobre do infeliz que precisa de terceiros para lhe guiar o pensamento.
    Pobre, pobre dele que precisa da fé.
    A tosquia é sua sina, a ignorância seu maná e a exploração é o que lhe restará.

    Pra que isso?

    Sois homens ou ratos?

    • Soninha disse:

      Vc e seu EGO são só mais um em meio a tantos e tantos que não sabem nem do que está falando.Não domina o assunto e fica semeando discórdia por ai sem nem respeitar o semelhante.Demonstra uma falta de amor e arrogância.Ao contrário de vc,sou uma pessoa que procura auxiliar os semelhantes independente de doutrina,religião.Faço por amor que sinto pelas criaturas e essa sim é minha maior religião.Se vc não concorda com algum comentario,porque se empenha tanto em responder impondo-se?Vc é incoerente pois prega que as pessoas não devem seguir pelas cabeças alheias,mas quer que todo mundo pense como vc?
      Já vi tipinhos como vc,pessoa amarga,cética,seca por dentro e por fora.Não consegue parar nos relacionamentos e trata a patadas quem pensa diferente de vc.Entre vc e uma pessoa que detem uma fé sadia e trabalha pelo bem comum,certamente essa pessoa é muito mais feliz que vc e isso te incomoda profundamente,pois fé é um estado de consciencia,paz interior e equilibrio que vc certamente não tem,pois se tivesse,seria mais humilde e tolerante.É muito bom poder sorrir pelo simples fato de estar vivo,poder olhar um por do sol e admirá-lo agradecendo a Deus ou seja lá o que for quem criou tudo isso,por tudo o que sou e por tudo o que tenho.Isso meu caro,religião nenhuma oferece porque é algo muito pessoal,é uma conquista.
      Ironize o quanto quiser,ridicularize ,humilhe,faça o que quiser,porque só vai passar recibo da sua infelicidade interior,suas palavras já denotam isso.Porque vc não procura ser uma pessoa mais humilde e tente ser uma pessoa melhor,mais humana? Vai te fazer bem acredite e a partir dai quando vc atingir um estado de consciencia plena,vc vai ver o quanto foi um babaca a vida toda tentando provar pras pessoas que vc sim é o bom e ninguém te passa pra trás.Os caras mais sábios do planeta eram pessoas humildes,alegres…isso independe de religião,doutrina,seita,…depende só da nossa boa vontade.

      “Pobre do infeliz que precisa de terceiros para lhe guiar o pensamento”

      Pobre e infeliz é quem adota esse tipo de pensamento…
      Sugiro meu caro mude-se pra uma montanha distante da civilização,pois desde a roupa que tu vestes e a comida que vc come, nasceram do pensamento e ação de terceiros.O que tu aprendeu na escola tais como a matemática e vc certamente utiliza vc está utilizando o pensamento de pitagóras,tales de mileto entre outros na antiga Grécia,então meu filho,ao invés de ficar no blá,blá,blá desperdiçando energia preciosa denigrindo as pessoas,ou tentando se auto promover,utilize em coisas positivas
      vá descobrir uma cura pra AIDS,ou pro cancer e se não sentires capaz,simplesmente sorria pra vida e relaxa cara,vc é muito estressado com coisas que não levam a nada.Vc pode falar a vontade,mas mudar no grito o que tá ai fora,sobretudo querer mudar o que vai no coração e nas mentes das pessoas vc só conquista dando exemplo e tem que ser bons exemplos de preferencia.Respeite mais as pessoas compreendendo que elas tem seu nível evolutivo e que a natureza não dá saltos.Trate as pessoas com mais consideração,pq querendo ou não dependemos uns dos outros.Quando doi algo em vc,vc precisa do médico,quando vc precisa até de uma escova de dentes,vc precisou do carinha mais humilde que trabalhou na fábrica confeccionando-a então seja humilde e agradeça por vc poder contar com as pessoas,elas estão no seu dia-a-dia,isso é ter fé,é ter gratidão por todos e por tudo.E não o que vc generaliza confundindo com fanatismo.Até os fanaticos merecem respeito,pois a pessoa está vivendo naquele momento da vida dela o que ela conhece.Um dia ela acorda e muda,por si só…faz parte da nossa natureza a mudança.Quantas cagadas vc já não fez na vida e quis ser perdoado?Aprenda a fazer com as pessoas o que vc gostaria que fizessem por vc e não faça as pessoas coisas que vc certamente não gostaria que fizessem a vc!
      Esse é o caminho do meio.O equilibrio…a serenidade,no ser,no pensar e principalmente no agir.
      Se mesmo assim seu Ego se sentir insultado eu lamento muito.Não tenho que provar nada a ninguém,muito menos a vc e assim como eu,quem quiser saber se na prática a paz de espírito funciona,então pratique ao invés de ficar na zona de conforto só criticando.Tira a bunda da cadeira e ai sim depois de muita prática aceitarei todo e qualquer comentário.Até lá…boa sorte!
      Paz e Luz!

  150. sergio disse:

    Se o Quevedo falou, deve-se considerar.

    Parece que o mesmo tb nunca viu nenhum caso de materialização genuíno.

    http://www.clap.org.br/artigos/assombracao/a_materializacao.asp

    site oficial do Quevedo com muitas estorias.

  151. Soninha disse:

    Vc e seu EGO são só mais um em meio a tantos e tantos que não sabem nem do que está falando.Não domina o assunto e fica semeando discórdia por ai sem nem respeitar o semelhante.Demonstra uma falta de amor e arrogância.Ao contrário de vc,sou uma pessoa que procura auxiliar os semelhantes independente de doutrina,religião.Faço por amor que sinto pelas criaturas e essa sim é minha maior religião.Se vc não concorda com algum comentario,porque se empenha tanto em responder impondo-se?Vc é incoerente pois prega que as pessoas não devem seguir pelas cabeças alheias,mas quer que todo mundo pense como vc?
    Já vi tipinhos como vc,pessoa amarga,cética,seca por dentro e por fora.Não consegue parar nos relacionamentos e trata a patadas quem pensa diferente de vc.Entre vc e uma pessoa que detem uma fé sadia e trabalha pelo bem comum,certamente essa pessoa é muito mais feliz que vc e isso te incomoda profundamente,pois fé é um estado de consciencia,paz interior e equilibrio que vc certamente não tem,pois se tivesse,seria mais humilde e tolerante.É muito bom poder sorrir pelo simples fato de estar vivo,poder olhar um por do sol e admirá-lo agradecendo a Deus ou seja lá o que for quem criou tudo isso,por tudo o que sou e por tudo o que tenho.Isso meu caro,religião nenhuma oferece porque é algo muito pessoal,é uma conquista.
    Ironize o quanto quiser,ridicularize ,humilhe,faça o que quiser,porque só vai passar recibo da sua infelicidade interior,suas palavras já denotam isso.Porque vc não procura ser uma pessoa mais humilde e tente ser uma pessoa melhor,mais humana? Vai te fazer bem acredite e a partir dai quando vc atingir um estado de consciencia plena,vc vai ver o quanto foi um babaca a vida toda tentando provar pras pessoas que vc sim é o bom e ninguém te passa pra trás.Os caras mais sábios do planeta eram pessoas humildes,alegres…isso independe de religião,doutrina,seita,…depende só da nossa boa vontade.

    “Pobre do infeliz que precisa de terceiros para lhe guiar o pensamento”

    Pobre e infeliz é quem adota esse tipo de pensamento…
    Sugiro meu caro mude-se pra uma montanha distante da civilização,pois desde a roupa que tu vestes e a comida que vc come, nasceram do pensamento e ação de terceiros.O que tu aprendeu na escola tais como a matemática e vc certamente utiliza vc está utilizando o pensamento de pitagóras,tales de mileto entre outros na antiga Grécia,então meu filho,ao invés de ficar no blá,blá,blá desperdiçando energia preciosa denigrindo as pessoas,ou tentando se auto promover,utilize em coisas positivas
    vá descobrir uma cura pra AIDS,ou pro cancer e se não sentires capaz,simplesmente sorria pra vida e relaxa cara,vc é muito estressado com coisas que não levam a nada.Vc pode falar a vontade,mas mudar no grito o que tá ai fora,sobretudo querer mudar o que vai no coração e nas mentes das pessoas vc só conquista dando exemplo e tem que ser bons exemplos de preferencia.Respeite mais as pessoas compreendendo que elas tem seu nível evolutivo e que a natureza não dá saltos.Trate as pessoas com mais consideração,pq querendo ou não dependemos uns dos outros.Quando doi algo em vc,vc precisa do médico,quando vc precisa até de uma escova de dentes,vc precisou do carinha mais humilde que trabalhou na fábrica confeccionando-a então seja humilde e agradeça por vc poder contar com as pessoas,elas estão no seu dia-a-dia,isso é ter fé,é ter gratidão por todos e por tudo.E não o que vc generaliza confundindo com fanatismo.Até os fanaticos merecem respeito,pois a pessoa está vivendo naquele momento da vida dela o que ela conhece.Um dia ela acorda e muda,por si só…faz parte da nossa natureza a mudança.Quantas cagadas vc já não fez na vida e quis ser perdoado?Aprenda a fazer com as pessoas o que vc gostaria que fizessem por vc e não faça as pessoas coisas que vc certamente não gostaria que fizessem a vc!
    Esse é o caminho do meio.O equilibrio…a serenidade,no ser,no pensar e principalmente no agir.
    Se mesmo assim seu Ego se sentir insultado eu lamento muito.Não tenho que provar nada a ninguém,muito menos a vc e assim como eu,quem quiser saber se na prática a paz de espírito funciona,então pratique ao invés de ficar na zona de conforto só criticando.Tira a bunda da cadeira e ai sim depois de muita prática aceitarei todo e qualquer comentário.Até lá…boa sorte!
    Paz e Luz!

    • J.R.Pereira disse:

      Soninha, a propaganda que lhe plantaram na cabeça lhe tomou o bom senso.

      — Não preciso “dominar um assunto” para ter uma opinião a respeito. Eu sei como funciona uma faca, não preciso saber quais as ligas metálicas que dela são compostas.
      O que sei é que se a faca não for manuseada com cuidado, ela pode ferir alguém… Mas pode cortar pão.
      O que me interessa é a PRATICIDADE das coisas, não necessariamente seu “domínio”.

      — Não quero me impor em nada.
      Eu quero, sim, manifestar minha opinião. Se a mesma lhe incomoda, não me leia.

      — Você se engana a meu respeito: sou cético e ateu mas nem por isso desprovido de consideração às pessoas. Faço cursos gratuítos para jovens carentes, ajudo profissionais de desenho a publicarem suas obras, tenho 3 filhos, esposa e amigos. Faço revistas para crianças e escrevo livros para

      Eu desconsidero, sim, as religiões como meios de se orientar na Vida. Não precisamos delas e a presença delas nos prejudica mais do que nos ajuda.

      — Não sou humilde e nem tolerante. Pois assumo minhas imperfeições como parte de minha personalidade. Eu estaria mentindo pra mim mesmo se escondesse meus defeitos e, lamento, não tenho vocação para a mentira.

      — Infelicidade interior?
      Menina, quanto engano!
      Não existe ninguém que seja 100% feliz! TODOS NÓS SOMOS INFELIZES!
      Porque morremos.
      Porque vamos morrer.
      Porque temos MEDO DA MORTE! E esse é um medo que NENHUMA religião pode suplantar. No máximo elas nos fazem olhar pro outro lado mas a Obliteração chegará para tudo e para todos.

      — Então, não tenho porquê temer deuses, anjos, fantasmas. Pois não há NADA além.
      Dessa forma, trato de fazer de minha Vida algo bom AGORA!
      Pois se só tenho uma chance, quero mais é aproveita-la sendo e fazendo o melhor possível.

      — Sabedoria não vem com humildade.
      Seria interessante você aplicar esse “conhecimento” escrevendo corretamente.
      Pois quem se dá ao luxo de ser “humilde”, deveria aprender a escrever para, assim, valorizar a própria humildade.

      Vai dormir, menina!

  152. Soninha disse:

    perdoe-me essa é uma resposta ao Sr. J.R.Pereira

  153. Mr. Abaddon disse:

    Sou espírita e não acredito nesses “fenômenos” de materialização. São brincadeiras toscas que só podem ser levadas a sério por pessoas desprovidas de senso crítico.

    Allan Kardec foi feliz em efirmar que é melhor rejeitar dez verdades do que aceitar uma mentira.

    E Chico Xavier? Sem comentários! Mais uma vez prestando um mau-serviço à Doutrina Espírita.

    • fernando disse:

      Chico Xavier prestando mau serviço à Doutrina Espirita?????
      Parabens, acha que é você que presta bom serviço ao espiritismo? Com que objetivo Chico Xavier dedicaria toda a sua vida sem ganhar (financeiramente) nada. vivendo como viveu. Você e o J.R seriam capazes de fazer o que ele fez por pelo menos 05 anos???
      Pense nisso meus amigos. Chico errou?todo mundo erra, mas e os acertos porque não se fala, só se procura condenar.
      Concordo com Raphael, Soninha.

  154. Raphael Porto disse:

    “Eu sei como funciona uma faca, não preciso saber quais as ligas metálicas que dela são compostas.” Justamente, o problema é que quando você fala do espiritismo está falando das ligas metálicas. O fato de saber como a faca funciona não te habilita a falar com tanta propriedade da estrutura dela, existem vários tipos de facas cada uma com sua particularidade.
    Essa praticidade de ‘Religião = Mentira’ que você tem acaba te fazendo julgar estruturalmente qualquer manifestação que trate desse assunto.
    De qualquer forma o melhor do seu último comentário foi que você não agrediu ninguém, deu seu exemplo e aposto que deve ter tido um efeito muito mais positivo no sentido de defender suas idéias e provocar um questionamento.

    • J.R.Pereira disse:

      Epa!
      Olha a loucura aí!

      Liga metálica é algo comprovado pela Ciência e pela Razão.
      O espiritismo não se comprova em NADA, no máximo ele existe pela fé.

      Eu não louco de dizer que uma faca é mantida coesa pela força de um deus ou que as ligas metálicas foram montadas por espíritos! Seria o mesmo que dizer que Thiamath, Belphegor, Thoran ou Azrael foi quem cunhou as ligas!

      FANTASIAS NÃO SÃO PROVAS!
      CRER NÃO É TER RAZÂO!
      Achar que existe não é fato, supor não é saber, etc.

      Me agride, sim, essa ignorância galopante, essa tentativa estúpida de ver o que não existe e, PIOR AINDA, querer que o mundo se convença só porque uma legião de néscios acreditam que existe!

      Não é assim que adultos agem.
      Não é assim que pessoas EQUILIBRADAS pensam!

  155. Lazaro disse:

    Eu sou espiritualista. Realmente, essas materializações do espiritismo são de uma infantilidade imensa. Quando eu tinha 18 anos, por influência do meu circulo familiar e da falta de informação, de racionalidade e de ciência, eu acreditava muito em diversos fenômenos propostos pelos circulos espiritas. Hoje tenho convicção suficiente para dizer que o que acontece nesses circulos espíritas não tem nada a ver com espiritualidade, mas com EGO. Com loucura, pois essas materializações não passam de charlatonismo e problemas de desordem de personalidade. Chico Xavier, o que dizer? Eu também depositava uma aura de respeitabilidade irracional nele. Hoje vejo que ele não passava de um homem confuso que um dia, TALVEZ, teve algum tipo de contato com fenômenos psíquicos verdadeiros. Sua inocência, seus problemas mentais, o levaram a desenvolver um mundo-próprio baseado nos relances espirituais que ele um dia teve, pois, sinceramente, HOJE vejo que suas obras supostamente inspiradas e mediunicas não passaram de montagem

    • J.R.Pereira disse:

      ALELUIA!
      Uma alma saiu do purgatório!

      PELO MENOS UM acordou pra farsa!

      Parabéns pela sagacidade, Lázaro!
      Você levantou-se dos mortos.

      Agora, só te falta deixar de lado essa esperança infantil de ser “espiritualista” e encarar a verdade dos fatos.

  156. Lazaro disse:

    Não considero tal esperança infantil Pereira, pois creio na sobrevivência da consciencia. Mas considero infantil, irracional e ignorante a crença em Chico Xavier e boa parte de suas obras. As evidências são muito fortes, basta aceitar que a mediunidade e a paranormalidade não são capacidades sempre presentes e que somos todos humanos de luz, com capacidades cerebrais e espirituais que se alternam. No caso do Chico Xavier, ele vivenciou a sua paranormalidade em algum ponto de vida sim. Infelizmente, a maior parte de suas obras eram recheadas de MUITA ficção cerebral e não espiritual.

  157. Lazaro disse:

    Roberto, quando digo evidências verificadas por mim, afirmo que leio constantemente os textos apresentados em propostas céticas. E ao ler tais textos, textos como o do Vitor, vejo que é preciso cautela, mesmo acreditando na existência do espírito/consciência.

    Segundo, eu disse três vezes em meus textos que Chico e Otília eram boas pessoas. Você não leu? Ignorou? Você me chama de insano… Tenha cautela.

    Eles eram boas pessoas, com disposições medíunicas/cerebrais diferentes. Vivenciaram a paranormalidade. Mas como sempre se verificou em estudos certos, tal capacidade NÃO É SEMPRE PRESENTE. É por isso que boa parte da obra de Chico Xavier é ficção. Ele, como um ser humano com disposições cerebrais/mentais diferentes, como qualquer outro verificado ao longo da história, vivência tal capacidade, mas se for ingênuo, não consegue diferenciar o que é ficção do que é verdadeiro.

    Se você tiver evidências que refutem o argumento de que a maior parte das obras do Chico Xavier é fruto de ficção cerebral e não de fatos espirituais/paranormais, então apresente. Você só está aqui berrando e chamando todos de loucos, imorais, nazistas, fascistas.

  158. Raphael Porto disse:

    Acho que quem berra aqui e chama todo mundo de louco não é o Roberto, apesar de também não concordar em parte com algumas colocações dele.
    Li poucas obras de Chico mas os números realmente são interessantes e não sei se tem algum valor para atestar alguma coisa mas vejam, Chico morreu aos 92 anos e psicografou 451 livros (não estou 100% certo desses números, qualquer coisa corrijam).
    Fazendo uma conta rápida chegamos a uma média de quase 5 livros a cada ano de vida. Considerando a vida que ele teve e o trabalho social que desenvolveu, que não é passível de controvérsias, podemos entender que ele deveria ter bastante criatividade se as obras fossem realmente de sua autoria.
    Como não li nem 1/10 das obras não posso incluir o valor e o peso do conteúdo nessa análise, mas não acham que seria inviável a publicação de uma quantidade dessas de obras numa só vida, mesmo que se dedicasse toda a vida para tal atividade (que não foi o caso de Chico)?

    • Vitor Moura disse:

      Raphael,

      pesquise sobre Isaac Asimov. Ele escreveu MAIS livros do que Chico Xavier e em MENOS tempo. E há pessoas que escreveram mais livros que Asimov.

  159. J.R.Pereira disse:

    É impressionante a teimosia de vocês.

    Querem provas e mais provas e mais provas…

    E as fotos aí, nesta matéria, nas suas fuças.

    “Ah, mas os livros… Ah, mas antes deveria haver mediunidade, depois não teve mas de repente…”

    A verdade é que vocês já sabem que Chico Xavier é uma farsa. A começar pelas fotos aqui do Ceticismo Aberto.

    Mas lhes falta CORAGEM para assumir que foi farsa, que tudo o que veio antes e depois foi farsa, que é humanamente impossível escrever 4 livros por ano, etc.

    Eu assumo e considero vocês não loucos…
    Mas covardes que flertam com a loucura.

  160. Raphael Porto disse:

    Sempre assim…
    Pereira não entendo como você cita essas fotos ainda, não li todos os comentários mas essa conversa não parou em laudos policias que provavam o contrário do que foi exposto no post e o Mori assumiu o compromisso de postar uma resposta para tais laudos ? Então meu caro, porque ainda insiste em citar tais fotos como prova de alguma coisa?
    Loucura ou burrice seria agora, baseado nessas fotos e na Revista o Cruzeiro, ah sim, pra não esquecer dos historiadores citados por Victor, que a vítima das acusações é realmente “culpada”. Loucura seria aceitar essas “verdades” de quem as berra e as escarra na cara e quer a todo custo enfiá-las garganta abaixo.
    Teimosia é atacar com palavras o que foi feito através do exemplo.
    Enfim, você é muito melhor defendendo suas idéias do que falando do que não conhece.

    • Sergio disse:

      Que laudos são esses? Não achei o post que fala sobre eles. A polícia envolveu-se? e a polícia atestou tratar-se de um caso genuíno de reencarnação? Ela entende dessas coisas? Ou os laudos apenas atestaram que as fotos não são algum tipo de montagem?

      Se for o ultimo caso, eu também não acredito haver montagens. Creio ate que não seja este o caso pois me parece muito uma pessoa coberta com um pano. Não ha nada de excepcional na foto que possa ter causado suspeita de montagem ou sei lá o que.

    • J.R.Pereira disse:

      É que nem dizia minha avó: “burro empacado só desempaca quando ele quer”.

      Esse pensamento, bastante sábio, demonstra o quanto vocês são dolorosamente estúpidos.

      Porque…
      [contendo o riso]

      Porque estamos diante de um absurdo tão grande, de uma maracutaia tão absurda que nem mesmo minha filha de 5 anos aqui do meu lado acredita ser real…

      Mas olha aí vocês!
      Olhaí um bando de marmanjo que SE DIZ inteligente, que SE DIZ culto, que SE DIZ independente, querendo mais comprovações, provas, argumentos!

      ARGUMENTOS PRA QUE, MEU SANTO???
      Os caras tiraram fotos de um FANTASMA!
      Pior!
      Um FANTASMA MATERIALIZADO!

      Se fosse qualquer outra coisa, sei lá, a foto do Coelhinho da Páscoa fazendo um delivery, ou o Papai Noel numa noite de festa, ninguém levaria a sério.

      Mas uma “celebridade” numa revista ordinária e vagabunda do tempo em que a ética jornalistíca eralixo…

      AH, PARA, Ô!

      Eu suspeito que vocês querem porque querem e querem provar que SIM! HOUVE ALGUMA COISA MISTERIOSA ACONTECENDO E QUE JAMAIS SABEEEEEEREEEEEMOS A VEERDAAADE!

      Mas não, senhores.
      Vocês se agarram a essa falsa esperança, enquanto NEGAM A VERDADE DOS FATOS porque, no fundo, são arrogantes demais, presunçosos demais, BURROS demais…

      E covardes demais.

      Covardes demais para admitirem que SE POR UM MOMENTO isso tudo, deus, diabo, anjos, demônios, fantasmas e o caramba, se apoiando em “historiadores”, “pesquisadores”, juizes e tribunais…

      Só para não assumirem perante a si mesmos que tudo isso não passa de uma TREMENDA DUMA FARSA…

      Vocês encaram a dura realidade de serem meros e falhos humanos.

      Mas eu não preciso dessa bobajada toda.
      Nem eu, nem minha filha de 5 anos.
      Pois pensamos por nós mesmos e não temos medo de errarmos.

      Covardes.

  161. Raphael Porto disse:

    Victor,

    Os números de Chico eram pra mim realmente interessantes. Apesar de ter um peso significativo seria um pouco custoso avaliar as obras de cada um, de qualquer forma obrigado pela informação, não conhecia Asimov.

  162. Carlos M disse:

    Puxa Victor, você comparando o Chico Xavier com o Asimov!!! É o primeiro elogio que vejo você fazer ao Chico. Ambos eram gênios. Parabéns!!!
    Agora, sempre imaginei que se nós fossemos bons, dedicando a vida a ajudar os outros, não ofendendo, agredindo ou explorando ninguém, buscando levar conforto, paz e amor ao próximo, respeitando as leis, a fé e as opiniões alheias, seríamos considerados boas pessoas, bons cdadãos e bons seres humanos.
    Bom, Chico Xavier foi assim. Mas para alguns dos “céticos” (as aspas se explicam porque acreditar cegamente no ceticismo já é deixar de ser cético) isso não é suficiente, não é um valor. Como o cara não enriqueceu, não cobrou recompensas materiais pelo seu trabalho, não ofendeu ninguém, nem aqueles que tinham idéias diferentes das suas, tampouco aqueles que o atacavam e agrediam, alguns desses iluminados “céticos” vem aqui dizer que ele estava era atrás de amor, que ele queria é ser amado e por isso “enganava” as pessoas. Pô, é brincadeira, né?
    Dessa forma conseguiram ao mesmo tempo invalidar boas ações e correção de caráter, chutando para escanteio valores morais, e ao mesmo tempo transformar o amor em algo ruim. Seguindo esses argumentos e essa linha de pensamento será muito difícil achar alguém na história da humanidade digno de elogios, pois tudo o que foi feito deve ter sido com segundas intenções e intenções egoístas!!!
    E qual é o problema em querer ser amado?Não é o que todos queremos? Não é esse o motivo dae muitas atrocidades cometidas hoje e ontem? Até o J. R. Pereira quando perde dias inteiros escrevendo nesse site, divulgando suas idéias e opiniões, no final também só quer ser amado e respeitado pelas suas “luzes”.
    Qual foi,porém, a atrocidade cometida por Chico Xavier? Se ele conseguiu ser amado sem fazer mal a ninguém, isso deveria ser algo bom, não?
    Chico tinha seus defeitos, todos temos, mas temos que admitir que, comparando-o com outros religiosos que arrastaram multidões, ele foi um dos mais honrados, pois não teve de utilizar o medo e o ódio ao outrem para conseguir ser respeitado.
    Chico não é o inimigo a ser combatido aqui. O que devemos combater é a nós mesmos, nosso ego, e a sociedade que construímos, que parece sempre intencionada a perverter boas idéias, valores e atitudes, transformando-os em algo ruim. Daí se explica o estado lamentável da nossa política, educação, etc, assim como as demais mazelas da nossa sociedade!
    Onde foi que, enquanto sociedade, nós erramos? Essa é a questão.
    Caro Mori, você como criador desse espaço deve tomar cuidado para que os debates aqui propostos não acabem se tornando uma troca de ofensas ou canal de divulgação para a intolerância, ódio e preconceitos, de quem quer que seja, que não contribuem em nada com o objetivo proposto. Eu sei que é uma tarefa pra lá de dura, mas você aceitou o desafio quando se propôs a criar o Ceticismo aberto.
    Um abraço a todos.

    • J.R.Pereira disse:

      Epa!
      Combater meu Ego?
      Pô, eu não sou estelionatário, mermão!
      Eu não tirei foto ao lado de bandido!

      E QUEM DISSE QUE EU QUERO SER AMADO, MANO???? Eu já sou casado, tenho esposa, filhas… Pra QUE eu vou querer o “amor” de um bando de gente estranha e maluca????

      O que eu faço é CRI-TI-CAR! Eu não quero amor, carinho, afeto, salvação de minha alma, compreensão, paraíso, nada disso!

      Eu posso ter meus desatinos mas, francamente, neguinho aqui já até disseram que ateu estupra bicho, pelo amor de Baal!

      E JUSTAMENTE ESPÍRITA, o mesmo que prega a paz, o amor, a harmonia, a compreensão mas que, rapidinho, já destila um preconceito.

      Chico Xavier fez, e faz, o mal porque ele é MEEEENTIIIIROOOSOOOOOO!
      E vocês idolatram um MEEENTIIIIROOOOSOOOOOO!

      Você sabe se o cara enriqueceu?
      Não.
      Não sabe de NADA mas taí, balançando a cabeça feito vaquinha de presépio, siiiim, concordando com tudo, siiiiim, aceitando a propaganda, siiiiim…

      Certo está o Dráuzio Varela que diz que no religioso deve haver “alguma coisa no cérebro”, porque só sendo muito doido pra aceitar tanta mentira e lorota como sendo verdade!

      HIIIIIIHOOOOOOOOH!

    • sergio disse:

      A necessidade primeira de todo ser humano é ser importante, de fato. Não ha nada de errado nisso. O que cada pessoa esta disposta a fazer para ser importante ou ‘amado’ é o que a caracteriza como normal ou nao-normal.

      Existem muitos casos curiosos sobre isso que se pode ter acesso ao estudar psicologia.Você talvez não acreditasse se eu escrevesse.

      AS vezes , atenção, ser importante é so o que uma pessoa precisa. Não é nenhum caso a se admirar que Chico X. não era milionáio que nem os pastores da universa.

      Quanto ao egoismo, sim, todos somos egoistas. So fazemos o que nos faz sentir bem e não compreendo o merito nisso. Te memso Jesus (se ele existiu, nãio estou certo) fazia o que fazia pois isso certamente lhe fazia sentir bem.

    • Vitor Moura disse:

      Carlos M,
      o problema está em ser amado por meio da fraude. Ou em fazer as pessoas felizes enganando-as. Por exemplo, suponhmos que uma pessoa perdeu seu cachorrinho de estimação na rua. Ela lhe pede ajuda para encontrá-lo. Você procura, mas não acha, então lhe ocorre a ideia de comprar um cachorrinho igualzinho ao antigo numa loja e dizer que era o mesmo. E é o que você faz. A pessoa não percebe que o cachorrinho não é o mesmo e fica feliz. Foi enganada, mas está feliz, vivendo uma ilusão. E você ganha respeito e admiração por ter “encontrado” o cachorrinho. Isso gera algum mal? Aparentemente não, mas gera sim. Essa pessoa pára as buscas pelo cachorrinho, pois acredita piamente que está com o original. Consequentemente, o cachorrinho original, que poderia ainda ser encontrado, não o será mais. E a verdade foi colocada para escanteio em troca de uma mentira piedosa.

  163. J.R.Pereira disse:

    A diferença é que o Asimov não mentia.
    Porque se forjasse qualquer número de sua produção, iria preso.
    Ou simplesmente deixariam de publica-lo exatamente porque o FBI dos EUA cai de pau em cima dos bandidos.

    E Asimov escrevia Fantasia.

    Já o falecido Chico, que nesta matéria posa ao lado de uma “materialização” devidamente comprovada como sendo uma farsa, também foi acusado de fazer plágio.
    Dessa forma, nenhuma pessoa SÉRIA acreditaria que ele realmente escreveu os livros que alega ter escrito.

    Pois do mentiroso só se tem mentiras.

    Pobre daquele que acredita em mentirosos: tornar-se-á escravo das mesmas e aí, ó!
    Baubau, é burro empacado!

  164. Raphael Porto disse:

    Fico imaginando Chico Xavier, quando em tempo livre, alterando aqui e ali obras de vários autores e o mais interessante, não sei se era o caso do outro escritor de fantasias citados, mas sem receber nada por toda essa trabalheira.
    Ah se todos os loucos e mentirosos do mundo fossem tão nocivos quanto Chico Xavier…

    • J.R.Pereira disse:

      Conivente com bandido é tão bandido quanto.

      Sabe que o cara é pilantra, sabe que ele é mentiro, sabe que ele é uma enganação…

      Mas nega tudo em pró de… Sei lá o que, uma postura de estar do lado do “pessoal do bem”.

      O que pega é ser do bem mas fazer o “bem” mentindo, enganando, iludindo.

      Ou seja, otário merece ser enganado porque QUER ser enganado.

  165. Thiago Primon disse:

    Céticos, espiritas e “religiosos”, nem lá nem cá.

    Perceberam que ambos sao fanaticos?
    um pela suposta “fé” e o outro pelos supostos “fatos”? estaria quem certo nessa história? tenho 17 anos de idade e
    não vi equilibrio emocional em ambos os lados.

    A “minha verdade” é outra, temos nossos cérebros para raciocinar, criar e “julgar”, mas esquecemos da personalidade e do tipo de vida e cultura que cada pessoa leva.

    Já que temos a joia mais rara e a ferramenta mais importante do mundo o nosso cérebro, porque nao fazemos da nossa propria “verdade” a nossa “fé”?

    Tanto como Julgar a “Fé” e negar os “fatos”, é burrice.

    Essa é a minha visão, desculpem meu portugues simples, nao estou no nivel de estudos de vocês, tenho 17 anos. Mas acho que conseguiram entender o que eu quis expressar. podem rir de mim, procuro ser cético para buscar a verdade e crio a minha propria religião em base dos fatos.

    “A verdade está além dos ólhos e a verdadeira fé distante dos homens”.

    • sergio disse:

      Não existe fanatismo por fatos. O que existe são pessoas que, apoiadas em fatos e indícios tornan-se intolerantes.

      É compreensivel pois é muito dificil Deixar a questão de lado quando se é apoiado por fatos.

      Principalmente uma pessoa orgulhosa que nem o JRP. o Vitor e ate mesmo o Nori.

      Pessoas que buscam fatos, consequentemente não estão acostumadas a errar e consequentemente aceitar opiniões contrárias, principalmente opiniões as baseadas ná fé.

      Por ex.

      Vocês conhecem o ilusionista Davide Copperfield, né?
      O cara faz aparecer um elefante na sua frente. Outro dia estava vendo no Youtube o cara voando no palco. É tudo muito bem feito mas ele nunca negou ser um ilusionista.

      Agora imaginem o Chico X. no palco, levitando ou fazendo aparecer um elefante? Ninguém acreditaria ser um truque. Todos acharia , baseados na fé, que é realmente obra de outro mundo.

      Essas são coisas difíceis de ver e aceitar.

  166. Francisco Boni Neto disse:

    Claro, esses ateus imorais que gostam de estuprar animaiszinhos, esses materialsitas que querem fazer sexo com todo mundo, por isso tem uma conduta menos adequada. Não querem rédeas para suas condutas. Por definição ateus estao dormindo e espíritas estão acordadíssimos.

    Quanto egoismo. VocÊ confunde não aceitar com questionar. Questionamento se faz com refutações, argumentos. Não aceitar significa ter preconceito, achar que os outros sao imorais. A maioria aqui não duvidou da bondade das pessoas envolvidas, apenas são feitas perguntas. Que sindrome de perseguição paranoica e apelo À moral

  167. J.R.Pereira disse:

    Por isso que eu prefiro o Gasparetto!
    Pelo menos ele é macho pra assumir que é homossexual, assume tudo o que diz e, mais legal ainda, ele não fica com esse nhe-nhe-nhem de “entidades que se comunicam apenas com pessoas especiais”.
    E nem tem essa de “eles falam apenas de lá pra cá”.
    O Gasparetto chutou tudo, deu sapatada tem toda tralha espírita e afirma, com categoria, que as entidades estão SEMPRE em contato conosco.
    Que é só consulta-las que elas vem.

    Vai ver por isso expulsaram ele do espiritismo: o rapazola estava fazendo sucesso demais e as colegas OOOOODEEEEEIAM concorrência.

  168. J.R.Pereira disse:

    Eu vou lhes contar um caso de uma amiga minha: ela era uma mulher comum, trabalhadora, dona de uma pequena empresa de roupas.
    Separada do marido, o único “amor” da vida dela era o filho adolescente. Um menino mimado pra caramba, não faltava nada pra ele.
    Tinha as melhores roupas, as melhores escolas, um belo carro, duas motos, enfim, ela se desdobrava pra lhe dar tudo.

    Mas a Vida tem uns lances interessantes: depois de sair de uma balada, de madrugada. ele montou em sua possante Yamaha, curtindo sua máquina, todo feliz e alegre…

    Quando, bêbado, captou com a moto e foi parar debaixo de um caminhão.
    Foi esmagado que nem barata, bem ali, ao lado do CEASA, aqui em SP.

    Vou lhes poupar dos detalhes; mas lhes digo que a mãe do cara ficou um trapo.
    Trapo, estopa suja, um horror.
    Ela, que era uma mulher bonita, toda MILF, secou que nem vareta no sol.

    A vida dela acabou. Largou empresa, largou negócios, negligenciou a casa, enfim, devagar ela foi indo ladeira abaixo.

    Um dia, uma amiga falou pra ela: “vai no Chico Xavuer pegar uma mensagem do seu filho.”

    Ela vendeu o resto de coisas que tinha e foi lá pra Minas, fazer plantão pra ser atendida.

    Acho que demorou umas duas semanas pra chegar a vez dela.
    Até que, finalmente, veio a vez dela…

    E o Chico, ou alguém, lhe passou uma mensagem. Aqui a história fica confusa.

    Eu conheci o filho dela. Éramos colegas de faculdade, isso foi há uns 20 anos.
    Cheguei a ler a mensagem.

    A verdade é que a mensagem era uma mentira.
    Meu amigo jamais escreveria daquele jeito.
    Jamais teria aquela caligrafia, jamais usaria aqueles termos rebuscados, garranchados, estranhos. Ele se expressava corretamente, estávamos para nos formar em Jornalismo e ele era muito bom em caligrafia.

    O que sei é que a mensagem era mentirosa.
    Nunca, mas em hipótese alguma, se houvesse vida após a morte, ele poderia escrever aquilo.

    A mensagem serviu para criar um APEGO AINDA MAIOR na cabeça da mãe de meu amigo.
    Ela passou não a se conformar com a morte dele mas dedicou-se a ESPERAR MORRER para estar junto dele.

    Ela empobreceu, vivia as custas de seus amigos e parentes, enfim, ela morreu ano passado, vítima de um câncer cerebral tenebroso.

    Apego.
    A palavra é apego.
    Não creio que nós podemos ser felizes dependendo de alguém, ou de alguma coisa. Sei do amor que uma mãe tem pelo filho, pois sou pai de 3 crianças.

    Porém, eu sei de nossa condição efêmera. Devemos nos amar, lógico, mas quando esse amor cria laços que NOS APRISIONAM uns aos outros…

    Não é mais amor, é prisão.

    Chico Xavier mentiu para minha amiga. Ele lhe deu uma mensagem absolutamente falsa que a empurrou a uma condição mental de ainda mais aprisionamento.
    Deu à ela falsa esperança, quando ela precisava apenas da Verdade: que o menino se foi e que ela corria o risco de ir com ele se não despertasse.

    Acuso Chico Xavier de ter levado ao abismo essa minha amiga.
    Me é INCONCEBÍVEL que apenas UMA ÚNICA ALMA seja desgraçada pelas palavras de um mentiroso, por mais que vocês encontrem nele qualquer tipo de SUPOSITÓRIO para suas cabeças ocas.

    Pois eu penso nas muitas e muitas infelizes que mantirevam a chama da mentira acesa em seus peitos, apenas porque um salafrário não lhes disse a Verdade que as libertaria e, pior ainda, lhes deixou enforcadas numa fé absurda e irracional.

    Eu tenho imenso nojo de todos vocês, espíritas, e suas “ciências”, suas “pesquisas” e demais delírios egocêntricos pois se UMA ÚNICA MÃE, se uma ÚNICA pessoa foi ENGANADA por seu “mestre”…

    Ele deveria ser rejeitado, escorraçado e jogado na cadeia.

    Porque NÃO FOI NO TEU LOMBO que a mentira comeu.
    Não foi com sua mãe que esse “remédio” foi aplicado e que a fez ficar PIOR do que já estava.

    Se apenas UMA ÚNICA PESSOA não foi salva, então TODO o sistema é falho, senhores. Por mais que você se locuplete com ele, no fundo você é CONIVENTE com TODOS os crimes que são praticados em nome do espiritismo.

    O mais triste é que você está levando uma carcada de um ATEU!

    Loucos, todos vocês!

  169. Raphael Porto disse:

    Mas Victor, isso não foi discutido? O máximo que tu tens são hipóteses, como tu vai afirmar alguma coisa baseando-se nessas “evidências”? Se tu acusas então não transfere a responsabilidade de provar o contrário para outrem.

    Se ao invés de Chico, tu afirmasse que Roberto fosse um fraudador, em juízo era tu quem teria que provar por A mais B que isso era verdade, caso contrário o réu mudaria de nome.

    Esse estudo que tu fizestes é muito interessante, mas o dever de chegar a uma conclusão incontestável é só tua. Tens o suficiente para ter uma hipótese. No estudo da história da humanidade já se contradisseram muito, cuidado.

    Não sou da área jurídica mas num julgamento acredito que a moralidade de uma pessoa seria colocado em questão (me corrijam). A favor de Chico existe uma legião de pessoas beneficiadas e favorecidas, contra ele bom, contra ele isso que você expôs.

    Chico era passível de falhas, mas cabe a quem as buscas provar alguma coisa e não quem reconhece sua imensa superioridade.

    • Vitor disse:

      Caro Raphael Porto,

      eu não entendo o que você quer dizer com “O máximo que tu tens são hipóteses”. Se você for seguir isso à risca, até a existência do Sol é “meramente” uma hipótese. Os criacionistas não dizem que “A Teoria da Evolução é só uma teoria”? Também não entendi por que você colocou “evidências” entre aspas. Toda a base documental está citada e ela contesta veementemente a existência de Publio Lentulus e diversas informações do livro Há Dois Mil Anos, incluindo o nome das personagens.

      Em Ciência, NENHUMA conclusão é incontestável. No entanto, deve-se apresentar evidências muito fortes em contrário em se tratando de conhecimento científico firmemente estabelecido para a contestação ser considerada válida e causar uma revolução.

      Assim, a materialização de Publio Lentulus revela uma fraude perpetrada por Chico Xavier.

  170. Francisco Boni Neto disse:

    O ônus da prova CAÍ sobre quem afirma alguma coisa Raphael. Quem afirma que Chico Xavier tinha contato VIP absoluto com o outro mundo é que precisa provar. Vitor Moura afirma que não é bem assim. Quando ele afirmou, ele mostrou várias evidências.

    Se você falar que tem a cura da AIDS ou um dragão na sua garagem. Eu vou na sua casa e saio de lá com NENHUMA EVIDÊNCIA do dragão, como se ele não deixasse ASSINATURA FÍSICA NENHUMA. Você me diz que o dragão é imaterial e não pode ser medido, só pode ser medido pela sua cabeça (imaginação). É possível? Claro que é, na imaginação TUDO, QUALQUER COISA é possível. A realidade, natureza, é bem diferente. É por isso que se você imaginar e sustentar a hipotese de levantar da cadeira e tentar atravessar a parede, vai ter traumatismo craniano. A masturbação intelectual, a hipotese fraca, de nada serve ao teste da PAREDE DA REALIDADE.

  171. Raphael Porto disse:

    Olá Francisco,

    Assisti hoje a uma entrevista de Nelson Xavier,ateu e ator que interpretou Chico Xavier no recente filme, ele conclui a entrevista emocionado não só falando de Chico mas das pessoas que o cercavam e que permanecem com seu trabalho. Não estamos falando de nenhum menino, com seus quase 70 anos parecia ser convicto dos seus valores, mas lhe bastou uma experiência real explorando a vida desse tal de Chico para repensar alguns deles, sugiro uma olhada nessa entrevista.

    Ao afirmar que existem espíritos e que há comunicação com eles o espiritismo não agride ninguém, logo qual seria o sentido de provar algo? Agora ao afirmar que Chico era um fraudador, ai sim, temos uma acusação, uma agressão a moral, e nesse caso cabe ao acusador provar a veracidade do que afirma.

    O Victor deixou claro com o que ele está preocupado e que tipo de espírita ele é(experimentador), então é óbvio que cairemos sempre em assuntos polêmicos desse tipo, me lembro que um dia Cabral descobriu o Brasil.

    Não se baseia em algo tão incerto quanto a história dos homens para tirar valor de um dos grandes exemplos que a humanidade teve. Descobre por você mesmo quem era Chico Xavier e tire suas conclusões, porque aqui você só vai ter isso que se apresenta…

    • Francisco Boni Neto disse:

      Raphael, não me interessa o depoimento emocionado do ator que interpretou Chico, Jesus ou qualquer figura história que aliviu o sofrimento da humanidade OU NÃO. Isso é TOTALMENTE irrelevante.

      Afirmar que existem espíritos e não provar AGRIDE SIM. Faz as pessoas acreditar em coisas sem provas objetivas, sem verificações empíricas. O que acontece quando as pessoas ficam viciadas em acreditar em coisas sem evidências:

      1) Criam-se autoridades invisíveis, criam-se motivações narcissistas e objetivos irracionais que permearam o fascismo, comunismo stalinista.

      2) Criam-se padres pedófilos sendo protegidos para abusarem de crianças.

      3) Criam-se rótulos de santidade e moralidade divina invisível e amorfa que causam comoção espiritual profunda, mas ignorante e desorientada.

      4) Criam-se pessoas sendo operadas espiritualmente, que deixam de confiar no médico. Exemplo de semana passada, garota de 14 anos morre após exorcismo: http://www.stabroeknews.com/2010/sto…nothing-wrong/ . O engraçado é que todos Padres ou médiuns reforçam que o paciente não deixe deixar de continuar o tratamento médico convencional. E inventam teorias sobre como o tratamento espiritual vai ajudar o paciente. Sendo que não existe nenhuma evidência científica a respeito de algum tratamento espiritual.

      5) Cria-se a indústria new age, espiritualista que GANHA MUITO DINHEIRO em cima da loucura de Chico Xavier, muitas vezes dinheiro com aplicações duvidosas. Nenhum ser que procura honestidade intelectual gostaria de ver livros sendo usados para objetivos que fogem o seu domínio moral, mesmo que tenha, primordialmente, boas intenções baseadas em premissas de insanidade (de ver luzes e sentir presenças). Não cabe aqui questionar o aspecto consciente ou inconsciente da loucura de Chico Xavier, o fato é que ele foi desonesto, estando consciente disso ou não por algum momento (como nos momentos que eu descrevi em que ele quis enganar as pessoas nas suas psicografias).

      Sim eu descobri POR MIM mesmo que PROVAVELMENTE Chico Xavier é uma farsa. Mas não o perdoo por fazer as pessoas acreditarem em coisas sem evidências empíricas porque isso é, por definição, algo doentio, como expliquei acima nos diversos exemplos.

    • Mori disse:

      Há uma série de evidências sustentando a tese de que Chico Xavier não possuía nenhum dom paranormal. E há indícios bem sugestivos de que forjava fenômenos deliberadamente.

      O Vitor continua atualizando o Obras Psicografadas com novos elementos. Aqui no CeticismoAberto ainda irei publicar novo artigo compilando elementos já apresentados (pelo Vitor) e apresentando alguns outros novos sustentando as afirmações acima, como prometido. E, como repito, toda a pesquisa adicional realizada só confirma com maior segurança a conclusão inicial mencionada, de que Otília fraudou os fenômenos testemunhados por Chico e Waldo, e que Chico foi no mínimo enganado.

      Há outras conclusões mais perturbadoras, como a de que Chico pode ter endossado o caso ainda que ciente de sua dubiedade, bem como a lamentável atuação de figuras espíritas, incluindo Rizzini, na tentativa de defender o indefensável. Com isso, só se tornaram vulneráveis ao julgamento dos fatos e da história. Que Waldo hoje admita que os fenômenos de Otília eram desde o início duvidosos, e que Chico sim recorria a algumas fraudes (embora afirma que tanto Otília quanto Chico também possuíssem dons autênticos) é apenas um dos elementos a escancarar o absurdo que foi a atuação de Rizzini, e ainda é, a de alguns espíritas tentando defender o que, repito, é indefensável.

      As materializações de Otília eram e são ridículas. Uma criança pode ver que são fraudes. E a impressão terá sido acertada. Apenas dissonância cognitiva, a vontade de acreditar e a propensão ao auto-engano, derivados talvez de uma nada saudável devoção à figura de Chico Xavier como figura infalível e “santa” podem explicar como pessoas inteligentes, adultas e cultas defendam essa fraude.

  172. J.R.Pereira disse:

    Rafael…
    Um ator é PAGO para mentir.
    Ele mente ao interpretar um personagem e mente para dizer o que for necessário para que assistam sua obra.
    É marketing. Conhece essa palavrinha?
    Enfim, na minha opinião, o cara mentiu, o diretor, que se dizia ateu, também mentiu ao alegar que se “converteu”, todos estão mentindo com um único interesse: faturar com o filme.

    E você, bobinho de tudo, acreditou!

    Me escreve que eu quero te vender um terreninho no Rio de Janeiro. Tem um belo Cristo Redentor em cima, e a vista é sensacional.

    Te faço um preço baratinho.

  173. Raphael Porto disse:

    Tudo é marketing, tudo é interesse. O próprio bem é do interesse de quem o faz, egoísta e mesquinho. Que realidade admirável.
    Criei esse mundinho bobinho de crer nessas fantasias. Conformado que sou me satisfiz com isso e o pior Pereira, delirante eu ainda acredito nas pessoas e sigo enxergando fatos irreais que dão base a isso.
    Certa vez li que você realiza um belo trabalho em favor do próximo, longe de religião. Alguém poderia pensar que era marketing, que você queria se promover, vender livros quem sabe, mas eu bobo que sou acreditei que não era só aquilo.

    Aproveitando, parabéns. Por falar em trabalhos, o Mil nomes já está a venda? Estou curioso para acompanhar as aventuras de Hector. Parece ser um trabalho primoroso.

  174. Raphael Porto disse:

    Esse legado religioso realmente prejudica….
    O espiritismo não se coloca como salvador da humanidade nem exerce esse papel apenas reaviva as leis de Jesus e deixa claro que não existe Céu ou Inferno a temer e que cabe a cada ser, dentro de suas possibilidades, buscar seu melhoramento.
    As autoridades que existem tratam da moralidade do ser e assim como nossos pais quando crianças, nos fornecem apoio (para os que querem).
    Acabou o tempo de que se não for de tal ou tal religião vai pro inferno. O espiritismo deu fim a essa relação de dependência. Existe um forte respeito a todos os credos, a todas as pessoas. Uma coisa que sempre escutei foi sobre a espontaneidade e por isso não concordei com algumas colocações do Roberto, parte de você o desejo de conhecer, não há recrutamento de pessoas nem campanhas com promessas mirabolantes.
    Sobre o tratamento espiritual, bom, tomando como exemplo a depressão, um psiquiatra pode administrar remédios para conter os efeitos de uma depressão, mas o problema é o que a provoca, de pouca adianta ficar enxugando a água que brota de um vazamento. Muitos psiquiatras sugerem o acompanhamento de um psicólogo para “consertar” justamente esse vazamento. Os tratamentos espirituais tratam justamente dessas causas “invisíveis” que a medicina não possui comprimido.
    O espiritismo está nesse cenário sem prometer o paraíso, sem ofertar milagres e abrindo nossos olhos para nossas responsabilidades para com nossos semelhantes e para com nós mesmos.

    Analise sobre o que essas entidades invisíveis tratam e veja se é tão irracional assim. Conheça pessoas que passaram por tratamentos espirituais sérios. Aproveite que você só acha que PROVAVELMENTE Chico é uma farsa e conheça as suas obras, talvez elas te convençam a permanecer no PROVAVELMENTE.

    Busca uma análise por outro ângulo se não nada vai te satisfazer nem você próprio.
    Há espiritas, céticos, católicos, evangélicos cometendo atrocidades, mas não vamos nos basear nesses maus exemplos para ditar a regra das coisas.

    Se eu quisesse caracterizar você como uma pessoa com qualidades negaticas encontraria nos teus atos provas para tanto? O que diram os que tem inveja de ti ou aqueles que simplesmente querem teu fracasso? De que vale o que dizem ou que tu fez em teus tropeços do passado se tu sempre busca me auxiliar agora?

    Citar padres pedófilos e exorcismo só prova que você está buscando todas as desculpas para invalidar o espiritismo. Conhece melhor a proposta do espiritismo sem se apegar a tudo de ruim que se vê por ai e veja se faz tanto mal assim.

  175. Raphael Porto disse:

    Victor,

    Cabral descobriu o Brasil até que se encontrem provas que outros já estiveram nessa terra antes. Se algum viajante chegou primeiro e passou desapercebido, seja por interesse ou por descaso, não importa, Cabral foi quem descobriu.
    Temos agora uma teoria de que tal senador não existiu, se amanhã “acharem” obras de outros historiadores da época tratando do tal senador a teoria terá que ser revista e reformulada.
    Então ok, até que se apresentem papéis favoráveis a Chico sua teoria faz sentido, correto?
    Por mim tudo bem, você ganhou. Fique a vontade para apoiar-se em algo tão firme quanto a certeza do homem sobre si mesmo para julgar a moral de Chico.

    • Vitor Moura disse:

      Oi, Raphael

      não sou especialista em História como o senhor José Carlos, mas, que seja de meu conhecimento, há muito tempo sabe-se que antes de Cabral, o navegador Duarte Pacheco Pereira já havia descoberto nossa terra. Tenho essa informação desde 1998.

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Duarte_Pacheco_Pereira

      E o problema não é só a existência do senador, mas todo o cenário retratado da época simplesmente não bate. Os nomes de diversas personagens, questões políticas e administrativas, nada confere. Ainda que se descobrisse a existência de tal senador, há uma miríade de problemas que permaneceriam sem solução.

  176. J.R.Pereira disse:

    Reiterando: as provas da fajutagem de Chico Xavier está aí, nas fotos.
    O tal senador Pelus Púbicus nunca existiu e já provaram isso.
    Agora, espíritas maluquetes, desapeguem-se da imagem falsa de seu “líder” morto e encarem a verdade dos fatos: vocês seguiram um velho doido e desmiolado.
    Que se baseava numa “doutrina” furada e fajuta, devidamente descartada inclusive na França, onde se originou.

    Portanto, cresçam e parem de agir feito criancinhas.

    Na falta do Chico Xavier, tentem o Gasparetto: pelo menos ele está mais perto do falecido, pelo menos no que tange à opção sexual.

  177. Raphael Porto disse:

    Pereira já se diverte nesses comentários.
    Lembro-me bem da prova, o senador não existiu porque ele deveria estar nos livros dos historiadores da época e não estava, mesmo sendo alguém de nome.
    Tomando como exemplo essa prova, negaram a existência de Jesus alegando a mesma falta de evidência, mas o Victor ponderou afirmando que Jesus não despertava interesse dos historiadores, algo assim não foi?
    Cara, fica mais fácil afirmar que o senador não existe porque eu não quero que ele exista e que Jesus existiu porque eu quero que ele exista. Que implicância com Chico.

  178. J.R.Pereira disse:

    Rafinha!
    Menininho tolo que se esconde atrás do nome de Rafinha!

    Não há registros do tal senador Pelus Púbicus.
    Mas a maior prova é que o camarada que o cita já foi flagrado em estelionato, plagio, mentiras, etc.

    Beleza.

    Não há igualmente registros de Jesus Cristo.
    Em compensação, muita gente morreu, morre e se escraviza por ele, gerando elevadíssimos lucros.

    Ajoelhe-se e humilhe-se, se isso te faz feliz.

    Mas, ainda assim, você será um otário.

  179. Raphael Porto disse:

    Que retórica.

  180. Raphael Porto disse:

    Victor,

    O que quis dizer foi justamente isso, a história “muda”. Um dia já estudei que foi Cabral, mas sabe-se que não.
    Essas teorias históricas serão sempre polêmicas e dignas de contestação, para vários assuntos existem várias teorias então como tirar conclusões a partir dessa área do conhecimento que é tão mutável?
    O Evangelho Segundo o Espiritismo é claro, o foco da obra é aquilo que é imutável e que não é digno de contestação que são os ensinamentos morais deixados por Jesus.
    O valor histórico de sua pesquisa pode ser interessante, mas assim como tu podes usar dessas informações, que assim como tantos outros assuntos históricos polêmicos possuem controvérsias, para concluir algo sobre a moralidade de Chico, porque não usar aquilo que não é digno de pesquisa para afirmar o contrário sobre sua moralidade, seu exemplo.
    Veja só, contra ele temos teorias históricas resistentes como uma bolha de sabão(observar quantas teorias já foram suplantadas por outras graças a um pergaminho perdido ou um fóssil no meio do deserto), a favor temos a sua própria existência.
    Não entendo porque a trajetória dele não pode ser usada em seu favor se o assunto trata justamente da sua moralidade. Se os únicos “papéis” escritos e tão bem pesquisados comprovam na sua limitação erros na obra de Chico e sua existência de nada vale para se contrapor as conclusões o que nos resta se não silenciar?
    Como disse Victor, pra mim você venceu seus próprios anseios, chegou aonde queria.

    • Vitor Moura disse:

      Raphael, quanto à moralidade do Chico, acabei de publicar no Obras um vídeo do Waldo em que ele confirma que Chico fraudava sessões de materialização. Coisa que eu há tempos já dizia, baseado na inexistência de Públio Lentulus.

      http://obraspsicografadas.haaan.com/2010/waldo-vieira-responde-a-dvidas-sobre-fraudes-de-chico-xavier-e-otlia-diogo/

      Além de fraudar sessões de materialização – o que é confirmado por múltiplas fontes – Chico plagiava livros. Entrevistava pessoas para compor suas psicografias. Ele podia ter boas intenções, mas você ainda acha uma pessoa desses tendo alguma moral? Eu, pessoalmente, não.

      E, mais uma vez, ninguém duvida da existência de Duarte Pacheco Pereira. Por outro lado, há documentos que colocam em séria dúvida a existência de descendentes de Sura. Temos documentos provando a inexistência. A situação é justamente oposta.

  181. J.R.Pereira disse:

    Roberto, o asco que eu tenho ao lhe responder só não é maior que o asco que eu sinto por toda farsa, por toda sujeira que você defende.

    Entenda uma coisa, meu caro cego dos 3 olhos: eu li a “mensagem”.
    E ela era falsa.
    Porque este meu amigo JAMAIS usaria aquelas “palavras”. A começar pela caligrafia, rebuscada e torta. Ele escrevia com perfeição pois era um homem bem educado e orgulhoso da própria letra.

    Segundo, pelo conhecimento que tenho de sua pessoa, ele JAMAIS usaria qualquer tipo de intermediário para se comunicar com sua adorada mãe. Nunca. Era da personalidade dele tratara própria mãe como amiga, como irmã e diria diretamente à ela qualquer falta. Mas, por não ter, ele era extremamente bem tratado.

    Terceiro, e pior, você acha que eu macularia a lembrança deste meu amigo para convencer VOCÊ, ou qualquer outro?
    Por quem você me toma?
    Um “Datena” que vive de e para a demagogia? Não, meu pobre infeliz, eu não sou disso.

    Mesmo porque, mesmo que eu escaneasse a mensagem e a colocasse aqui, com TODA CERTEZA a sua fé cega, estúpida e descabida descartaria a mensagem, fotos ou qualquer prova.

    Exatamente porque você e sua patuléia não querem provas que vão CONTRA àquilo que você acredita é é AQUI QUE MORA o cerne da questão: você é INCAPAZ de pensar em qualquer coisa que macule o seu “mestre”.

    Na sua concepção doentia, tudo que veio dele é puro, casto, perfeito pois VOCÊ PRECISA DISSO! PRECISA da droga que ele vende, a heroína chamada espiritismo e mesmo que sua crença seja banhada em lágrim