Ceticismo

Published on outubro 10th, 2007 | by Kentaro Mori

34

“Operação Prato”: Revelações de Fernando Costa

oprato32qhjk ufologia fortianismo ceticismo
Nos anos de 1977 e 1978, locais do norte do país ficaram aterrorizados pelo que descreveram como bolas luminosas e vampirescas, um fenômeno logo batizado de “chupa-chupa“. O pânico foi tanto que motivou a criação de uma operação militar da Força Aérea Brasileira dedicada a investigar o tema. A chamada “Operação Prato” se tornaria uma das maiores histórias da “ufologia” em nosso país, principalmente depois que em 1997 seu comandante, Uyrangê Hollanda, confirmou publicamente sua participação na operação. Recentemente, o episódio foi revisitado no programa da TV Globo, “Linha Direta“, e chegou mesmo a ser tema da série internacional do History Channel, chamado de “Roswell Brasileiro“.

Mas se sabe pouco de concreto sobre a operação. Ao programa Linha Direta, a FAB declarou que a operação teria sido apenas resultado do interesse pessoal de alguns dos envolvidos, e que dispunha apenas de alguns relatórios de um dos membros da operação. E o autor de praticamente todos relatórios foi o sargento João Flávio de Freitas Costa. Infelizmente, Flávio Costa faleceu em 1993, sem fornecer maiores detalhes de sua participação na Operação, até então ainda oficialmente secreta.

Mesmo a morte de Flávio Costa passou a ser tema de especulações a respeito de “implantes alienígenas”, e foi tentando esclarecer estas alegações que conhecemos Fernando Costa, filho do sargento. Para nossa grata surpresa, Fernando Costa não só estava combatendo tais histórias infundadas sobre a morte nada misteriosa de seu pai, como pronto para revelar informações valiosíssimas sobre aspectos pouco conhecidos da polêmica Operação. A entrevista a seguir foi feita com a colaboração do jornalista Jeferson Martinho, da revista eletrônica Vigília:

CA: Flávio Costa foi o autor de quase todos os relatórios, desenhos e fotografias da “Operação Prato“. Além de estrategista, ainda teria ajudado a convencer o próprio Uyrangê Hollanda, de que lidavam com algo desconhecido de fato. Como encara, hoje, o papel de seu pai naquela polêmica operação?

Fernando: Analisando hoje, eu posso enxergar um homem dividido entre as convicções pessoais — com uma parcela de misticismo, muito entusiasmado com a ufologia — e um militar “caxias”, zeloso pelo cumprimento das suas missões, que precisava se ater a relatórios reais, com bases científicas.

CA: Você nos contou que seu pai era um apaixonado pela ufologia. Ele chegou a contar alguma história sobre o tema?

Fernando: Para os mais íntimos, ele sempre estava contando estórias ou histórias… Ele sempre colocava impressões pessoais de uma forma bastante convicta e detalhista, com muita empolgação e com uma dose de misticismo. Quando se tratava de fatos relacionados com a atividade militar, só comentava até os limites em que o seu senso de dever permitia. Raramente deixava vazar detalhes mais secretos de suas atividades. Depois que ele já estava na reserva, nos almoços de domingo, depois de algumas doses, eu conseguia “arrancar” algumas coisas. Acho que no principio da Operação Prato ele ficava bastante angustiado com a dificuldade de recursos para obtenção de provas. Eu cheguei a ver fotos de três círculos, harmonicamente dispostos em forma triangular, impressos no capim, como se tivessem sido queimados. Ele contou que foi atestada radioatividade nessas marcas. Para ele, isso representava a impressão do pouso de uma nave. Eu não vi, em nenhum dos relatórios a que tive acesso, qualquer referência ou comentário sobre tal foto.

CA: Os relatórios de seu pai são detalhados em suas descrições dos avistamentos, das condições do tempo a inúmeros mapas e diagramas. Ele possuía formação como meteorologista, não?

Fernando: Ele era meteorologista graduado pela Escola de Especialistas da Aeronáutica. Podemos notar, abaixo da assinatura, que além do posto consta a sigla QMT, designando a especialidade. Apesar de não ter concluído a escola de pilotagem no Aeroclube do Pará, também pilotava monomotores.

CA: Ele chegou a comentar como entendia o fenômeno OVNI, e o Chupa-chupa em particular?

Fernando: Tinha algumas teorias: associava a ocorrência de fenômenos ufológicos a falhas geodésicas. Falava de uma falha que vinha desde o planalto central até Colares, no Pará, e que a grande maioria dos fenômenos observados por ele se situava nessa linha. Apesar disso, não descartava a possibilidade de que tais fenômenos fossem experimentos das grandes potências, com vetores ultra-secretos ainda em fase de testes. Não podemos esquecer a semelhança da ilustração de um avistamento na região de Santarém, com os hoje conhecidos caças “Stealth”.

CA: E você, viu algo na época? Lembra-se de como o fenômeno foi divulgado pela mídia e como as pessoas o recebiam então?

Fernando: O fenômeno Chupa-Chupa tomou um grande espaço na mídia local, gerando, inclusive, atrito entre os militares e uma parte da imprensa. Existem relatos em que o então capitão Hollanda invadiu a redação de um jornal e confiscou fotos relacionadas com a Operação. Eu, particularmente, não possuía interesse no assunto, tanto que sempre escapava das vigílias quando era convocado. Estudar era sempre uma boa desculpa. A minha mãe foi em diversas ocasiões e é citada, inclusive, numa das listas de testemunhas dos relatórios.

CA: E como foi participar, de certa forma, pessoalmente da Operação?

Fernando: Hoje, eu vejo até de uma forma interessante. Na época era um horror. Ser filho de militar, principalmente de um “sargentão” não era tarefa das mais fáceis. Como tal, eu tinha que andar sempre “na linha”, não me envolver com política estudantil e ser um aluno exemplar. Eu cursava o segundo grau e estava terminando um estágio no Banco do Brasil no qual passei, em Brasília, numa excelente colocação. O meu pai fazia de tudo para me direcionar para a carreira militar, –concursos das academias militares etc — pois sabia que eu tinha potencial para passar. Eu sempre repudiei tal possibilidade, pois considerava já ter “servido” durante toda a minha vida e feito todos os treinamentos possíveis, com direito a ordem unida, manuseio de armas, sobrevivência na selva, noções de navegação, aviação, aeromodelismo e outras. O meu coração me indicava o caminho das ciências humanas e sociais que, mais tarde, acabei cursando. O conflito entre gerações e ideologias ficou bastante acirrado, porém mantendo um nível respeitoso na medida do possível.

Durante o período da Operação Prato, foi montado, com equipamento do I COMAR, um laboratório de revelação fotográfica no quartinho de empregada da nossa casa, na vila militar. A minha participação na revelação de algumas fotos da operação foi imposta por ele: “Era melhor eu estar aprendendo uma profissão em casa, que estar aprendendo coisa que não presta, na rua”. Hoje eu posso entender, mas para um adolescente aquilo gerou uma imensa revolta. Enquanto eu revelava as fotos no quartinho, ele ficava na sala, redigindo relatórios desenhando muitas das ilustrações da Operação. Nesse período, a raiva acabou vencendo a razão e eu passei a “sacanear”, ampliando qualquer ponto luminoso impresso no filme que ficasse parecido com um “disco voador”. Depois, algumas dessas fotos vazaram, não sei de que forma, e eu ria muito quando tinha notícias de publicações delas em livros de ufologia. Eu dividia o motivo da risada apenas com alguns amigos mais chegados.

opratoimagens21gjk ufologia fortianismo ceticismo
Imagens “vazadas” da Operação

CA: Alguma das imagens que viu ou manipulou lhe marcou? Alguma história ou elemento especialmente memorável que poderia partilhar?

Fernando: Tem uma que todos nós achávamos a melhor, e que andou lá pela casa da minha mãe e que não sei que fim levou. Os objetos nos filmes em que eu manipulava eram quase sempre esféricos ou cilíndricos. Porém, havia uma foto de um objeto que se assemelhava a uma arraia marinha. Essa não foi revelada por mim, mas, de fato, impressionava bastante.

CA: Em um dos relatórios redigidos por seu pai, ele lamenta a falta de recursos e confessa que a evidência acumulada não podia sustentar as conclusões a que haviam chegado a respeito dos fenômenos serem “inteligentemente dirigidos”. Hollanda também comentou como comprou filmes para registros com o próprio dinheiro. Seu pai comentou algo sobre a precariedade de recursos?

Fernando: Ele comentava as dificuldades iniciais com o equipamento para registro fotográfico. Só a partir de uma maior repercussão do tema em questão, é que eles receberam uma melhoria de recursos. Penso que a posição de BSB era bastante cética, embora tenha mandado alguns observadores, o que deixava os membros da Operação Prato um pouco frustrados. Como um observador militar, ele ficava muito impressionado com a capacidade de manobras bruscas dos OVNIs, que, segundo ele, transgrediam as possibilidades de mudança de deslocamento dos vetores conhecidos.

CA: O falecido jornalista americano Bob Pratt também investigou o fenômeno Chupa-chupa, e teria mesmo se tornado amigo do comandante, Uyrangê Hollanda. Hoje sabemos ainda que seu pai recebeu treinamento militar nos EUA. Como vê essas sugestões de um grande envolvimento e interesse americano na Operação Prato?

Fernando: Eu percebia nos comentários do meu pai uma enorme desconfiança em relação ao “gringo” (Pratt). Desde que voltou de um curso no exterior, ele nutria um certo xenofobismo. Estava sempre fotografando e catalogando integrantes de missões religiosas, que ele dizia serem agentes estrangeiros que levavam para fora do país todas as informações possíveis sobre a grande riqueza do mundo, a Amazônia. Assim, mesmo, eu li que ele chegou a viajar com o sr. Bob Pratt. Volta e meia havia a presença de observadores civis, entusiastas de ufologia, ligados a aviação civil. Alguns até colaboradores efetivos da Operação, como o sr. Pinon. Porém, no caso do sr. Pratt, não acredito que um capitão e um sargento tivessem autonomia para introduzir um estrangeiro numa operação considerada tão secreta. Eu sempre tive a impressão de que a imposição do Sr. Pratt veio bem mais de cima. Havia outro estrangeiro também, o Padre Alfredo de La Ó, que, se não me engano, era pároco da região de Colares no Pará, e que mais tarde colaborou bastante com os serviços de informações em outras questões políticas, tão comuns aqui na região. Eu ouvi comentário de meu pai, onde ele suspeitava que o padre fosse agente da CIA.

CA: Depois de quase trinta anos, os fenômenos e a Operação voltaram a chamar a atenção do público com a produção do programa “Linha Direta” da TV Globo sobre o tema. No rastro desse interesse renovado, alguns envolvidos passaram a fazer novas declarações, como Ubiratan Pinon, que fez alegações fantasiosas sobre o falecimento de seu pai, não?

Fernando: As alegações são fantasiosas e muito mentirosas. Este senhor sempre foi chegado às estórias fantásticas. Conheço gente que já ouviu ele contar que presenciou o boto que virou gente, lá na Ilha do Marajó… Enquanto ele ficava só nas lendas e mitos amazônicos, tudo bem. Acontece que ele fez declarações mentirosas a uma publicação especializada em ufologia sobre a morte do meu pai. Publicação que por sua vez não teve empenho suficiente em apurar a versão da família e dos médicos do Hospital da Aeronáutica, que atenderam meu pai.

Será que a equipe médica que atendeu o meu pai era incompetente a ponto de não perceber um “implante colocado pelos alienígenas”? A família que cuidou da higiene pessoal dele após o acidente vascular cerebral não teria percebido? Pinon alegou ter ido à nossa casa após a morte do meu pai, e atribuiu declarações falsas a minha mãe. No início de Janeiro de 1993, o SO R/R Flávio sofreu um AVC. Ficou hospitalizado no Hospital de Aeronáutica de Belém por cerca de um mês. Como resultado do AVC, ficou hemiplégico à direita e também perdeu a fala. A partir da alta médica, a família o levou para casa, contratou uma fisioterapeuta particular e cuidou dele, inclusive dando banho, fazendo toda a higiene pessoal e fazendo curativos, pois a longa permanência no leito do hospital o deixou com algumas escaras. A esposa e os filhos o examinavam detidamente, logo, teriam percebido qualquer “algo” estranho. O atestado de óbito, firmado pelo Dr. José Luiz Carvalho, indica PARADA CÁRDIO RESPIRATÓRIA, INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO E ACIDENTE VASCULAR CELEBRAL como Causa Mortis. O Sr. Ubiratan Pinon deve ter sofrido alguma espécie de mutilação mental que o levou a fazer tais afirmações.

obitoflaviocostaewr54hj ufologia fortianismo ceticismo
Trecho do atestado de óbito de Flávio Costa

CA: Qual sua opinião sobre a forma como os eventos estão sendo abordados hoje? E por fim, o que pensa sobre o chupa-chupa e a Operação Prato?

Fernando: A ocorrência de um fenômeno estranho é inegável. Atingiu uma parcela da população da Amazônia. Mesmo sabendo que os nossos nativos são muito chegados a mitos e lendas, fica difícil negar as ocorrências esquisitas. Porém, algumas afirmações teriam que ser mais responsáveis. Os “teóricos da conspiração” de plantão, adoram descobrir chifres em cabeças de calango. Foi assim, com a morte do meu pai, foi assim com a morte do Hollanda, foi assim com os balões japoneses da Segunda Guerra destinados a causar incêndios nos EUA e outras centenas de “causos”. Às vezes, alguns acreditam tanto nas baboseiras que ajudam a construir, que omitem fatos que podem derrubar os mitos por eles criados.

Mesmo com a morte de alguns membros da Operação Prato, a facilidade de comunicação que hoje temos nos permite uma melhor capacidade de investigação, mais apurada, mais responsável. Quando a nossa família descobriu e se indignou com a matéria publicada com as afirmações absurdas do Sr. Pinon, eu resolvi procurar e conversar com um dos oficiais da Operação. Mesmo num país com centenas de milhares de municípios, eu levei apenas três dias investigando e consegui um contato telefônico. Com a ajuda da internet e de alguns telefonemas, localizei quem eu procurava. Vale ressaltar que em alguns raros momentos atuo de jornalista, em uma revista especializada na minha área. Sou um profissional do Áudio. Escrevo sobre alguns eventos cuja complexidade da sonorização pode parecer interessante aos leitores. Mas jornalismo investigativo nunca foi a minha área.

Com um pouquinho de inteligência, boa vontade e perspicácia, a gente consegue. Há que se ter responsabilidade com os leitores!

Tags: , , , , , , , ,


About the Author

+



34 Responses to “Operação Prato”: Revelações de Fernando Costa

  1. robson says:

    eu acedito que esse fato seja real,e acredito que essas luzes sejam civilizações extraterrestres pesquisando nosso planeta.
    E mesmo assim existe pessoas que não acreditam na existência desses seres.
    Estão debaixo do nosso nariz….

  2. Pingback: Projeto 2012: informar a verdade e despertar a consciência espiritual e cósmica dos seres humanos

  3. jose says:

    A Operação Prato foi a única história de OVNIS que me chamou a atenção até hoje. Ela é incrível

  4. Pingback: A Volta do “Chupa-Chupa”? | CeticismoAberto notícias

  5. Miguel Angelo Gonçalves says:

    Na Biblia; Jesus nosso mestre dos mestres nos diz que na casa do Pai há muitas moradas.
    Será que no Triang.Bermudas há muitos mistérios,há pesquisa no local?
    Um grande abço.

  6. Gersonggn says:

    Ainda nao vi uma foto ou filme realmente extraordinario que mostrasse algum UFO com clareza. mas, minha mae no ano de 1962 viu algo realmente fantastico…fez um desenho e hoje comparando com os avistamentos da operaçao prato, encontrei um identico a o desenho feito por éla…aquele que parece um balde.

  7. Larissa says:

    Isso pode ser verdade pq eu ja vi um parecido a minha avó ja viu minha tia e não vimos juntas!!!

  8. josé araujo says:

    meu tio ja disse ter sido perseguido durante a noite por um ovini.ele conta que estava com um amigo voltando de um bar quando viu uma luz muito forte em cima deles.a luz começou a persegui-los ate sua casa ele diz que aluz so para porque ele entrou em sua casa.esse fato aconteceu em grajaú uma cidade do interior do maranhão.eu queria ver so que nao queria levado por eles!!!!!!!!!

  9. Fotografei um “OVNI” no início do mes de Novembro, sobre a praia de Barra Nova/Jaconé, Saquerema, RJ. Não tenho nenhuma dúvida sobre o que fotografei, pois a imagem é bastante clara.
    Não vou ajudar a tapar o´sol com a peneira. Os “OVNIs” são uma realidade inquestionável !

  10. Andre says:

    Um amigo conversou com o coronel holanda e se espantou com a riqueza de detalhes com era descrita a operação prato . Pelo que conheço a respeito do meu amigo (militar) não tenho dúvidas a respeito da existência de “ets” !!!

  11. JEAN says:

    muito intrigante essas coisas lendo coisas como essas nao da para ficar sem acreditar em vida estra terrestre se ja e fato dito por varias pessoas testemunhas destes fatos e muito boa a entrvista parabens

  12. lucelio says:

    nos q vc6 nos chamam d ets somos seres humanos geneticamente modificados viajamos no tempo de outra dimensao para buscar tecido genetico chegamos ate a ilha do marajo q seria 1 lugar ddificil acesso para q vc6 seres humanos nao interferissem em nossos planos nos nao estavamos evoluindo bem estavavos em extinÇao agora estamos muito evoluidos tanto q muitos d nos voltam ate a era d vc6 nao deixamos rastros contudentes e se houver algum destreiom instruiremos vc6 e as forÇas armadas ha nao deixar sinais nao estao preparados para termos contato mesmo nos sabendo qual o fim d todos vc6 deem valor ao seu planeta conserve-o limpo e protegido

  13. As evidências são tão fortes, quem nem os céticos estão conseguindo negar:

    CA: Alguma das imagens que viu ou manipulou lhe marcou?

    Fernando: (…) havia uma foto de um objeto que se assemelhava a uma arraia marinha. Essa não foi revelada por mim, mas, de fato, impressionava bastante.

    A: (…) o que pensa sobre o chupa-chupa e a Operação Prato?

    Fernando: A ocorrência de um fenômeno estranho é inegável. Atingiu uma parcela da população da Amazônia. Mesmo sabendo que os nossos nativos são muito chegados a mitos e lendas, fica difícil negar as ocorrências esquisitas.

  14. Marcio Szesko says:

    Olha, acompanho o ceticismo aberto e só tenho que dizer que estão de parabéns, todas as matérias são muito bem abordadas!

    Agora que a operação prato é um mistério! ISSO É!

  15. belchior says:

    Onde foram parar os materiais ( filmes, fotos etc.) que fizeram nesta operação ?
    Extraterrestres existem , e acho que eles colonizaram a terra !

  16. Gilmar Grotto says:

    é incrivel a forma que algumas pessoas ridicularizam esse assunto, então eu faço algumas perguntas: Os seres extraterrestres são simplesmente uma criação da imaginação humana? E Deus também é imaginação humana? Alguém já viu Deus ? Os extraterrestres escolhem pessoas e locais para aparecerem ? Deus só aparece para quem ele quer e onde quer ? Quem viu Deus? Quem viu Deus no Céu ou em algum lugar ? Então o que se ridiculariza no assunto Ovni deve se ridicularizar a Deus também, a não ser que a diferença entre Ovni e Deus não exista no significado de aparições, O Jô Soares disse ; Porque eles não aparecem pra mim ? Deus já apareceu para você Jô ? Então, eu não sou católico e não sou crente também, não sou de religião nenhuma e nem Ateu, então por ultimo só mais uma pergunta : O ser humano que se sente sempre no apice da sabedoria, tem condições realmente para esclarecer qual assunto ? a taboada ! a invenção da roda ! mais querer dizer que responde por um universo infinito é piada !!!!!!!

  17. patrik says:

    eu fiko facinado com reportagens sobre ovni, e.t., e coisas do genero….
    ja vi centenas d fotos sobre esse assunto, fotos, reportagens, videos, ja pesquisei mto…ate agora o q mais me facinou foi o q aconteceu em colares….
    eu axo q o exercito, aeronautica e akeles q participaram d alguma forma, deveriam continuar as investigações… assim ir mais além ! continuar com a operação prato !!
    pq naum so como eu, mais outras pessoas tbm acreditam q existem vidas em outros planetas…. com mais informações tbm ajudariam a humanidade a ter conhecimento sobre o assunto…
    e quem sabe algum dia fazer contato com vidas d outros planetas !!!

  18. Drums says:

    Opá que assunto é este?….Nao sei se vi.mas vi algo estranho e na mesma epoca dos acontecidos 77,78. ate hoje isso me intriga nao estava so e nunca falamos sobre isto. tenho certeza que nada e poracaso e o mundo e muito grande e perfeito,entao como complemento de um todo ecom certeza que existem outros planetas. o que vi é simplesmente igual a algumas figuras mostrada aqui na materia. eu corri e entrei pra casa. se fosse num campo e se nao desse tempo eles tinham nos……seila o que eles olharam de la e mostrouse estar armando uma arapuca (como o tal feixe de luz) e foi o tempo corre!!!!!!!! agora ele nao apareceu acesso com luz forte, foi uma coisa escura e a luz era so dentro. temos vizinhos sim.

  19. Lincoln says:

    Eu acho que o meu pai participou dessa operação.
    Em 1977/1978 ele era da aeronáutica e nessa época fez uma viagem a serviço de três meses para o norte do Brasil.
    Lembro que a gente perguntava o que ele iria fazer por lá. Ele dizia que iria ajudar a resgatar um avião que tinha caído por lá, mas nunca vi nenhum indício de tal avião acidentado, nem mesmo fotos. Até hoje,quando pergunto se ele participou da Operação Prato ele muda de assunto e disfarça.

  20. Renegados says:

    Verifiquem os relatos e documentações liberadas pela aeronautica. O ceticismo aberto ao invez de ser imparcial faz jus ao seu nome e é apenas cético.
    A documentação é ricamente detalhada.
    Agora se eram aeronaves / seres de outro mundo fica a dúvida.

  21. ana gabriela says:

    eu amo histórias sobre invasões estra terrestres , são mt fiirme , e as pessaos tem q saber q isso tudo é verdade , pq caso ele venham invadir nosso planeta n ganharemos uma luta contra eles a tecnologia delas e 10x mais avançada que a nossa e as pessoas n querem nem m pensar issso pode acontecer , mais é um fato !!

    • martins says:

      tu acha.
      se realmente eles quisera invadir ja tinham feito
      nos so sabemos de tantantas informação por causa da midia
      mais eles nos conhece, mais do pode imaginar
      vc sabia se eles invadise nao faria nada, sabe porquer
      eles ja invadirão i não foi so uma vez.
      nao se preocupe, com um possivel conflito deles com nois
      e sim nos com eles
      sempre e nos que comessamos , penssando que estamos nos defendendo
      ai sim avera um conflito .
      posso ate ta enganado.
      Na da contra sua idea vc tem razao eles são muito inteligente.
      gostei da sua colocação tambem o adimiro muito.

  22. André says:

    Nesta época eu morava nos arredores de Belém, meu pai era civil da aeronáutica e todos ficamos sabendo de um estranho fenômeno ocorrido no interior do Pará. A imprensa noticiou, houveram várias testemunhas, inclusive as rádios, autoridades de igrejas pediam para a população evistar sair a noite de casa. Quem tem dúvida são aqueles que não viveram isso na época.

  23. Ícaro says:

    Assisti as entrevistas desse coronel hollanda e fiquei impressionado com a parada toda… acredito em tudo que ele falou… mas uma coisa que não me sai da cabeça é… se ele diz que gravou a porra toda, cadê os videos? tudo bem…os videos podem até ser que o governo pegou e escondeu, mas,,,, cade o implante que colocaram no braço dele? que ele inclusive mostrou na entrevista… eles deveriam ter feito uma autópsia para pelo menos ver o que ele tinha no braço…

  24. martins says:

    Eu nao acredito e no capea .
    “todo mundo” ta carreca de saber,
    que não estamos sozinhos.
    por que não tem esplicasão das quantidade
    de vida que surgem no dia dia; baquiterias fongos doenças
    ;muitas coisa aparesem sem esplicações.
    com eles não são diferente ,chegarrão primeiro que nois.

  25. Áureo says:

    Pelo visto ficou difícil para os céticos, provarem ao contrário sobre os fatos ocorridos em 1977. Os depoimentos são de gente séria que certamente não iriam ficar pagando mico para depois vender livros e revistas. A operação aconteceu, houve interferência americana, pois se tratava de um contexto de guerra fria. A revolta do filho do depoente é sobre as teorias da conspiração sobre a morte do pai e não da operação. O grande problema da ufologia é que toda imagem ou vídeo não é nítida e quando parece ser, é falsa. O mistério continua.

  26. miller says:

    operção prato ta ai a prova que os ceticos queriam , essa e a resposta que vocês ceticos procuravam a anos . tirem suas conclusões não estamos sós no universo essas evidências vem aumentando a anos . acredito logo o mundo vai ter esse contato direto com nossos visinhos . ja vi e vivenciei muitas experiências relacionadas a ufos e acontece com muita frequencia nosa interiores em cidades pequenas enfim para quem não acredita tirem suas conclusões nois conhecemos apenas a terra com exatidão existem exoplanetas com terrenos sólidos essa é mais uma prova que não estamos sós no universo. adoro esses debates e sou um amante da ufologia logo a verdade vira a tona … parabens as pesquisas e a todos os ufologos que estudam esses fenômenos que são intensamente serios ….

  27. Adriano carlos de souza says:

    E verdade e fato aconteceu mesmo eu ja fui la e uma cidade linda os mas velhos da cidade tem a marca do tal chupa chupa tem acesso via carro ou barco onibus da empresa estrela do mar

  28. luis leal says:

    Soube que tem um portal na costeira de Jaconé RJ, ponto caverna da sacristia, isto pode ser confirmado?
    Considerando que mortadores estão acostumados a ver bolas enormes de fogo subirem do mar proximo ao local, muitas vezes as ondes são vists como um vermelho brilhante, caso tenha como me confirmar, agradeceria.

  29. thomas perez says:

    Agora eu me pergunto, qual seria a real necessidade de alguem da (fab) em 77/78 fabricar informações relacionadas a ovnis, se as mesmas na época seriam restritas a força aérea.
    Eu concordo que qualquer assunto nessa esfera, sem uma expliação plausível tenha que ser a priore investigado, mas não há motivos para o exército divulgar mais de 30 anos depois documentos com descrições sobre objetos ou manifestações, sem que algo realmente tenha acontecido.
    Nós não podemos garantir que algo extraterrestre estivesse em colares, mas tambem não podemos negar, ou como na noite oficial dos ufos do brasil, em que até coletiva de imprensa ocorreu, as duvidas são muitas, tecnologia terrestre desconhecida, não sei, espero que um dia essas questões sejam elucidadas, porque alguma coisa esquisita aconteceu ha isso aconteceu sim.

  30. luis says:

    a vontade dos ceticistas para provar que os ovnis não existem é tão forte que ela se assemelha á precipitação dos que querem provar a sua existencia sem provas.mas é como foi dito “o fenômeno é real” só não se sabe como provar ou não a sua existencia
    .

  31. luis says:

    o frágil alicerce dos ceticistas é se apegar em detalhes menores do assunto as quais eles defendem que é a descrença, concordo que devemos ter cautela em qualquer assunto que rege a razão, mas nossos sentidos não são sensores com defeito que não possa avaliar um fato á luz do que vemos ou ouvimos, será que não deu pra voçês perceberem que aqueles ribeirinhos relataram proezas aéreas dos ovnis que nem nos sonhos deles eles poderiam imaginar?, ou voçê pensa que em 1977 todo mundo dentro de uma vila na mata onde nem escola exista eles iam conseguir inventar hstórias tão incriveis e isso num raio de varios kilometros de área? e os militares nem se fala, até hoje nem um deles tem uma explicação técnica mesmo em vista do conhecimento que tinham como homens treinados pela força aérea.

  32. Júnior says:

    O Exercito brasileiro não tinha pessoas capazes de revelar um filme e tiveram que recorrer a um civil?
    Partes do documento da operação Prato foi classificado como sigiloso e outro como secreto o Exercito classificaria assim e permitiria o acesso a um civil? Partes do documento da operação Prato foi classificado como sigiloso e outro como secreto o Exercito classificaria assim e permitiria o acesso a um civil? Documentos sigilosos são no mínio 5 anos para o publico civil ter acesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to Top ↑