“Materialização da noiva por José Medrado. Trecho retirado do programa Visão Social,transmitido através da Band-Bahia, sábados, às 09h (durante o horário de verão)”

É fácil para nós rir das superstições de pênis sumindo, mas para muitos brasileiros a idéia de que o “médium” baiano José Medrado materializava uma “noiva” capaz de mexer em um dimmer de luz é algo muito sério. A muitos brasileiros a idéia de que as mazelas do país se devem a um problema numerológico com o nome “Brasil” também é algo muito sério.

Não somos menos supersticiosos, temos apenas superstições diferentes, tão ou mais absurdas. E enquanto as ferramentas básicas do pensamento crítico não forem aplicadas por todos, continuaremos rindo de “tribos primitivas” — que, com toda propriedade, poderiam rir da nossa.

Comments

  1. Eu gostaria de saber duas coisas a respeito do trabalho na materializacao da noiva:
    1-O cacto que apareceu por meio de transporte aconteceu apos a materializacao da noiva ou depois?
    2-Em que ano se realizou esta trablho mediunico?

  2. Boa tarde.
    Assunto: Materialização da noiva.
    Gostaria de saber sobre uma coisa apenas:
    Na materialização da noiva, caso de José Medrado, o que acontecia com o dimmer?
    Não conheço a estória, mas a noiva (espírito) poderia manipular o dimmer, ou ela poderia influenciá-lo espiritualmente, alternando a intensidade da luminosidade ambiente?
    Obrigado!
    É muito importante para minha pesquisa com casos parecidos.
    Fiorini

  3. Tem que ser muito idiota para acreditar numa monatagem tosca destas. Por que será que todo médium tem fala mansa e é meio afeminado?

  4. Deveria ter mais cuidado com afirmações deste tipo, independentemente do médium. O médium, em seu papel nestas sessões, consubstancia-se em um intermediário. O problema é que, para quem jamais leu nada sobre o assunto, ou desconhece a pesquisa em tela, e, pior, nada sabe sobre o pesquisador (que não era o médium, já citado) Carlos Bernardo Loureiro, que fez pesquisas sérias por mais de 40 anos, no Brasil e no exterior, era Delegado da CEPA, foi um dos pouquíssimos latino-americanos a ter seu ingresso na SPR de Londres permitido, e querer imiscui-lo nas eventuais impressões que se tenha do médium é no mínimo uma irresponsabilidade.
    Estas pesquisas foram entre 1988 e 1989, e o transporte do cactus se deu ao final de uma das sessões. O dimmer reduzia a luminosidade na sala, posto que era necessário em alguns momentos para a ocorrência do fenômeno.O Espirito materializado poderia, ao seu dispor, alterar a luminosidade da sala, mas antes era regulada pelo pesquisador.
    Transporte como estes são relatados por Ernesto Bozzano (Fenomenos de Transporte) e Johann Karl Friedrich Zöllner (Trancendental Physics) e existem milhares de casos, enquanto materializações, também aos milhares, como estas, são tratadas por Gustave Geley, Albert von Shrenck-Notzing, Charles R. Richet, Alexandre Aksakoff, Ernesto Bozzano, Ercole Chiaia, Enrico Morselli, Marie Curie, Julliette Alexandre Bisson, etc. É só estudar antes de opinar que a falar se torna menos imbecil. Aliás, boa parte desta bibliografia não existe em portugues, e por isso os analfabetos daqui não conhecem.
    Ressalto novamente que não interessa a defesa do médium, notadamente quanto ao que ele faz hoje, mais de vinte anos daquela data, mas não se pode imiscuir o nome de um pesquisador absolutamente idôneo, estudioso de um nível que não é alcançado medíocre população de experts em coisa nenhuma, que nunca leram nada e se entendem autoridades.
    Estudem, depois questionem! E muito respeito ao trabalho de Carlos Bernardo Loureiro.
    Ah! Tem que ser mais idiota ainda em falar do que não sabe!!
    Sds

  5. Faço minhas as palavras de Alberto de Carvalho, e gostaria de saber se os acéfalos que opinaram aí já se dignaram a estudar os relatos do próprio pesquisador acerca do fenômeno?

    E se vierem dizer que “não vamos gastar tempo lendo essas coisas”, então direi que deveriam fazer como qualquer pessoa séria faria: não opinar sobre aquilo que não conhecem.

    Mas é o trise vício do brasileiro: querer opinar sobre tudo, a fim de parecer inteligente, culto, bem-versado, ou coisa que o valha – enquanto as suas vidas continuam miseráveis, e não conseguem resolver sequer as suas mais prosaicas frustrações.

  6. O Sr. Alberto de Carvalho falou bonito, mostrou que “domina bem” o portugues, mas tenho de adverti-lo do seguinte; acusar o cético de ser ignorante não é a “fórmula magica” que nos fará acreditar “nessas coisas”.

    Sobre ler ou não o trabalho deste ou daquele pesquisador não me tornará conhecedor do tema, uma vez que a doutrina espirita é unica, e também não fará eu acreditar nela, pois nossa ciencia esta muito além dessas teorias medievais, e ela sim fornece respostas concretas aos meus questionamentos.

    Tá na cara que tem uma pessoa VIVA debaixo do vestido se passando por noiva “materializada”.

    Quando a comunidade espirita nos mostrará um video real desses de “materialização”?

    Porque vc´s não apresentam um video em boa definição de imagem, com áudio, e de preferencia sem qualquer tipo de manipulação para que possamos tentar acreditar em vossas teorias?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *