MENU
virgem_sol.jpg

A Virgem do Sol

guyhottel_azteccrash.jpg

FBI confirma o caso Roswell? O memorando Guy Hottel

10 de abril de 2011 Comments (85) Views: 17765 Destaques, Ufologia

A Incrível História do Contato da Salyut-6 com Extraterrestres

salyut6_contato01

“No dia 18 de junho de 1981, o Gosplan convocou uma reunião extraordinária, com a presença de especialistas em UFOs, cosmonautas e autoridades soviéticas, inclusive militares. Seu moderador foi o próprio chefe do programa espacial soviético, General Georgi Timofeevict Beregovoy. Ao seu lado estava Vladimir Kovalyonok [transliterado também como Kovalenok], o cosmonauta que, em companhia de Viktor Savinikh [Savinykh], permanecera 77 dias no espaço, a bordo da estação Salyut-6. … A revelação que fizeram foi de aturdir o mundo. Trata-se simplesmente da história de um contato de 2º grau – que só não foi de 3º porque o comando da missão terra, instruiu: NYET. A Salyut-6 fez contato com uma nave extraterrestre durante 4 dias (com interrupções) e orbitaram juntas, a uma distância de 400 km de nosso planeta. O evento envolveu cinco astronautas : Kovalyonok, Savinikh e três ETs a bordo do veículo desconhecido que tinha a forma de uma esfera”. [Revista Manchete de 24 de setembro de 1984]

É uma história de contato sensacional. Ela se estende na forma como os cosmonautas soviéticos estabeleceram contato com as inteligências extraterrestres, tentando inicialmente flashes de sua lanterna em código Morse, mas só conseguindo sucesso com uma suposta mensagem matemática. Há ainda os detalhes da descrição física dos ETs – essencialmente seres humanos, ou “parecidos com seres humanos”:

”usavam capacetes leves, tipo capuzes apertados. … Eles tinham sobrancelhas compridas e grossas e narizes retos, dignos de estátuas gregas. O que mais impressionou os cosmonautas foram os olhos – enormes, azuis, duas vezes maiores que os nossos- fixos neles, sem mostrar o menos sinal de emoção. Os traços eram bonitos, muito morenos. Eles lembravam homens hindus solenes. Mas nenhum músculo se mexia nos seus rostos. Tinham um ar de robôs”.

Conseguir enxergar o tamanho e a cor dos olhos de extraterrestres durante um contato em órbita da Terra é algo fantástico. O detalhe de que tudo ainda teria sido fartamente fotografado e mesmo filmado pelos cosmonautas, e que os registros teriam sido exibidos às mais de 200 pessoas presentes na reunião no ministério soviético, estando guardados hoje em algum arquivo ultra-secreto, sem dúvida ajuda a alimentar o interesse pela história.

salyut6_contato03

A má notícia é que é um conto tão sensacional simplesmente porque foi inventado por um tablóide sensacionalista.

O que dizem os pesquisadores OVNI russos, e o que dizem os próprios envolvidos, Beregovoy, Kovalyonok e Savinikh a respeito de tudo isso?

Negativas

Encontrei o principal esclarecimento à história do contato da Salyut-6 na pesquisa de Boris Shurinov, que critica as fantasias divulgadas no ocidente sobre casos em seu país. Quando o caso foi notícia, um periódico de Moscou questionou Georgi Beregovoi sobre todo o assunto. Sua resposta:

“Certa vez tentei investigar o tema por mim mesmo. Li em um pequeno jornal ucraniano onde diziam sobre meus contatos com representantes de civilizações extraterrestres. e um filme que eu teria mostrado a membros do Politburo. Queria saber de onde tudo aquilo tinha vindo, e descobri que era uma reprodução de um artigo publicado em um jornal da Ásia Central que por sua vez havia usado um artigo do estrangeiro. Este é o grau de autenticidade dessa informação”.

Também consultei o pesquisador russo Mikhail Gershtein, que comentou:

“No documentário ‘V Poiskah Prisheltzev’ (‘Em Busca de Extraterrestres’, 1988, em russo), o produtor mostrou um recorte de jornal do ‘National Enquirer’ [com a história] ao cosmonauta Viktor Savinikh e traduziu algumas partes dela. Savinikh declarou que era mentira pura: ‘Eles [os criadores dessa história] nos fazem de bobos, os leitores, a seu bel-prazer…”.

Mentira pura. E quanto à testemunha que resta, de fato a mais citada, Kovalionok?

Confirmação?

Curiosamente há um núcleo de verdade na lenda do contato da Salyut-6. “Eu vi um objeto”, contou Kovalionok em uma entrevista a Giorgio Bongiovanni, presenciada por Shurinov.

“De fato era diferente daqueles que vi pelo cosmos: espaçonaves, estações orbitais. Era um corpo de forma ovóide. Em sua frente estava algo que lembrava um sólido de revolução, um cone”.

Kovalionok confirmaria seu avistamento em outras ocasiões, como em 2002 e 2004, chegando a traçar mesmo um esboço do objeto que teria visto:

KovalyonokSketch

“O caso de que você me pergunta aconteceu em 5 de maio de 1981, por volta das 6 horas da tarde, durante a missão Salyut. … Eu havia acabado de fazer exercícios de ginástica, quanto vi em minha frente, pela portinhola, um objeto que não podia explicar. O objeto tinha o tamanho de um dedo. Fiquei surpreso em ver que era um objeto em órbita. É impossível determinar o tamanho e distância de um objeto no espaço, por isso não posso dizer que tamanho de fato tinha. Savinikh se preparou para capturar uma foto dele, mas o OVNI subitamente explodiu. Apenas nuvens de fumaça sobraram. O objeto se dividiu em duas peças interligadas, lembrando um peso de ginástica”.

Algo muito diferente da lenda de contato por quatro dias com extraterrestres de narizes retos. Em outras declarações Kovalionok deixa mais claro que o evento durou alguns minutos, o que explica por que nenhum registro pôde ser feito do que teriam visto. O tão desejado filme não existe.

“A imprensa soviética noticiou o evento amplamente. Jornais e revistas soviéticos publicaram muitos artigos e mensagens sobre ele”, contou ainda Kovalenok, “mas eram principalmente artigos críticos”.

Como o avistamento por alguns minutos de algo que os cosmonautas mal puderam descrever se transformou em um extenso relato a respeito de uma esfera com metade do tamanho da estação espacial e o contato com extraterrestres de capacete, código Morse e tanto mais?

National Enquirer e Henry Gris

nationalenquirer_today

Lembre-se de que Beregovoi comentou que ao ler sobre a fantástica lenda em um jornal ucraniano, descobriu que a fonte era um jornal estrangeiro. Lembre-se de que foi mostrado a Savinikh um recorte do National Enquirer com a história. Resulta que a única e primeira fonte a respeito da suposta conferência no Gosplan, com todos os detalhes sobre o contato, é mesmo o National Enquirer, um tablóide americano hoje mais dado a fofocas de celebridades, mas que à época apostava suas fichas na ufologia e histórias fantasiosas sobre extraterrestres.

Contos de alienígenas “por trás da cortina de ferro” enviadas por seus correspondentes especiais, entre eles Henry Gris, sempre cobertas pelo suposto sigilo soviético eram um grande filão.

Foi em um artigo de Gris, que comentava ser “o primeiro jornalista a trazer esta notícia ao ocidente” que o singelo e rápido avistamento de Kovalenok e Savinikh se transformaria na lenda que rodou o mundo, e ironicamente, retornou mesmo a Rússia. Tudo que você leu, pela rede, seja na revista Manchete, em publicações sobre discos voadores no Brasil ou em outras línguas é apenas uma versão da nota original de Gris para o  tablóide americano.

E qual seria a fonte de Gris para tão bombástica história?

“Tenho que me referir apenas ao que me disse, por sua parte, a fonte a qual não posso revelar o nome nem apelido, mas que certamente é muito confiável. Posso dizer que, na conferência em Moscou, ela foi convidada”.

Gris diz confiar em sua testemunha sem nome, mas devemos confiar em Gris? O próprio boletim MUFON de março de 1983, reproduzindo com permissão um artigo do pesquisador sueco Anders Liljegren sobre as bombásticas histórias de OVNIs na URSS publicadas pelo Enquirer recomendava que “pesquisadores OVNI devem jogar suas edições do National Enquirer nas profundidade de suas lixeiras”. Liljegren havia notado como a história publicada pelo Enquirer, “Navios Soviéticos Atacados por OVNIs do Fundo do Mar” não possuía qualquer dado verificável, com exceção do nome do navio que, quando checado, seria em verdade um cargueiro com capacidade diferente da informada e construído na Alemanha Ocidental. Já “Alienígenas Espaciais Atiram em Patrulheiros de Floresta com Raio Bizarro”, segundo Liljegren, descrevia um suposto caso com a mesma data e detalhes quase idênticos ao de um outro caso divulgado anos antes na Finlândia. “Temos toda razão para acreditar que este é um relato forjado”, indicou Liljegren.

Se isso não foi suficiente, que tal a história do bebê alienígena mantido vivo por cientistas russos? Publicada no mesmo ano de 1983 pelo mesmo National Enquirer, e assinada pelo mesmo Henry Gris, ela descreve como:

“Por mais de dois meses uma fantástica criança de outro planeta viveu, respirou, comeu e dormiu sob os olhos atentos de doutores soviéticos, dizem cientistas russos. O pequeno garoto de olhos roxos, com dedos palmeados – o único sobrevivente de um feroz acidente OVNI – finalmente morreu em 3 de outubro de infecção generalizada”.

mufon_ru0714_83
[National Enquirer, 22 de novembro de 1983, via
NICAP]

Como no caso da Salyut-6, os intrépidos jornalistas americanos na União Soviética dizem que conseguiram todos os detalhes da história exclusiva através de suas fontes anônimas, “temerosas de retaliação governamental, só concordaram em falar com a condição de que seus nomes não fossem revelados”.

Mesmo esta inacreditável e inverificável história do bebê espacial de olhos roxos mantido vivo por soviéticos foi levada a sério por alguns, e é citada em um livro sobre o tema no Brasil. Deve estar contudo claro que uma profusão de histórias com detalhes inacreditáveis supostamente vindas do outro lado da cortina de ferro, tendo como fonte única o tablóide National Enquirer através de fontes anônimas, obedecem a um padrão.

E o padrão possui muito pouca credibilidade. Os detalhes extraordinários do suposto contato da Salyut-6 pertencem a este padrão.

Peças restantes

Houve de fato um avistamento em maio de 1981 testemunhado pelos cosmonautas Kovalionok e Savinikh a bordo da estação espacial soviética Salyut-6. O evento durou alguns minutos, e não foi registrado em fotografias ou filmes. A história transpiraria na imprensa soviética, e a partir dela, correspondentes americanos de um tablóide que à época lucrava com as mais fantásticas histórias de discos voadores e extraterrestres, fossem elas verdadeiras ou não, adicionariam os detalhes próprios de um tablóide, inventando uma conferência e um filme que jamais existiram. Do tablóide a história circularia o mundo, chegando à Europa, Brasil, e fazendo o caminho de volta para a mesma União Soviética, onde foi prontamente negada pelos envolvidos.

Mesmo sem a negativa dos envolvidos, já havia muitos motivos para duvidar da história. Como notado, Beregovoi nunca foi chefe do programa espacial soviético. Chegou a ser diretor do Centro de Treinamento de Cosmonautas, um posto muito diferente e que dificilmente o deixaria em comando de uma hipotética conferência com a maior revelação da história da humanidade a 200 ouvintes, nenhum dos quais veio à tona desde então, além da fonte anônima de Henry Gris. Mesmo os detalhes do contato e comunicação com os extraterrestres não fazem sentido: diz-se que só se obteve uma resposta como um “logaritmo de seu número”, que seria originalmente a sequência 101101 – na base decimal equivalente a 45. Por si só nada disso faz sentido, mas em uma história de ficção, mencionar a matemática como linguagem e misturar termos como logaritmos e sequências binárias soa atraente.

salyut6_contato02

Nesta breve revisão do caso, não pude obter o testemunho direto de Beregovoi – falecido em 1995 – tampouco de Savinikh, tendo que confiar no trabalho dos pesquisadores russos Shurinov e Gershtein. E a peça intrigante ao caso que resta, certamente, é o que os cosmonautas teriam visto de fato, ainda que não fossem alienígenas de grandes olhos azuis e narizes retos.

Este é todavia um mistério muito menor do que a lenda que o obliterou. Anos antes, a bordo da mesma Salyut-6, cosmonautas também haviam visto OVNIs próximos de sua estação espacial, que, segundo o especialista espacial James Oberg, foram identificados como sacos de dejetos lançados da própria estação. Kovalenok comentou como seu OVNI acompanhava sua órbita, e como não podia estimar seu tamanho e distância. É possível que tivesse se enganado por algo similar, ou mesmo idêntico.

Fosse o que fosse, infelizmente não possuía olhos azuis nem respondeu a seu sinal de “positivo”.

– – –

[Com agradecimentos a Mikhail Gershtein, e com informações de Boris Shurinov]

Tags: , , ,

85 Responses to A Incrível História do Contato da Salyut-6 com Extraterrestres

  1. Marcelo disse:

    “Em outras declarações Kovalionok deixa mais claro que o evento durou alguns minutos, o que explica por que nenhum registro pôde ser feito do que teriam visto.”

    Ele precisaria de quantos dias para tirar uma foto ou filmar?

    Não acredito em vida extraterrestre, sei que tudo isso não passa de conspiração maçon-illuminati para manter o imaginário subconsciente do público constantemente bombardeado por tal engodo e porque há décadas eles se dedicam a alimentar os media com tais histórias?

    É simples:é da formação do imaginário através das gerações que ações um dia poderão ser tomadas no plano da realidade.

    Bombardeando durante décadas – desde o fim do século XIX – o público com tais histórias poderão facilmente ludibriar os tolos com robôs,animais geneticamente modificados e naves-fake todos devidamente avalizados como reais por especialistas a seu soldo.

    Os tolos da cienciolatria nunca irão duvidar de uma junta de cientistas “independentes” e especializados, nunca.

    ri ri ri

    • ti_manca disse:

      “Não acredito em vida extraterrestre, sei que tudo isso não passa de conspiração maçon-illuminati …”

      eu não acredito que alguém que se considera instruído, ou até mesmo racional…poste comentários conspiratórios como fossem verídicos para rebater suposições ufológicas… tudo bem acreditar que “fatos ufos” são mentiras, mas daí afirmar que “sociedades secretas, ou algo do tipo” manipulam nossas mentes a seu bel prazer com o objetivo de sei-lá-o-quê… afinal, pelo que sei, o que importa para os maçon-illuminati é poder politico e financeiro, e não ficar inventando historinhas de ets….

  2. Marcelo disse:

    Esse artigo supostamente cético do site na verdade só existe como mais uma peça para manter a grande engrenagem da MENTIRA OVNI em evidência. Os mestres maçons do Mori sabem que o que vai tocar e ficar no inconsciente do público é essa parte do artigo:

    “Curiosamente há um núcleo de verdade na lenda do contato da Salyut-6. “Eu vi um objeto”, contou Kovalionok em uma entrevista a Giorgio Bongiovanni, presenciada por Shurinov.

    “De fato era diferente daqueles que vi pelo cosmos: espaçonaves, estações orbitais. Era um corpo de forma ovóide. Em sua frente estava algo que lembrava um sólido de revolução, um cone”.

    Kovalionok confirmaria seu avistamento em outras ocasiões, como em 2002 e 2004, chegando a traçar mesmo um esboço do objeto que teria visto:”

    Curiosamente o senhor não me engana Morimoto.

  3. […] A Incrível História do Contato da Salyut-6 com Extraterrestres. […]

  4. LEx disse:

    ah ah ah….

    A maior estória de UFO da história não passa de um saco de lixo…

    Também, vindo de espaçonautas RUSSOS! Só poderia ser produto de muita vodka.

    E ainda dizem que os loucos “somos nozes”.

    • Daniel disse:

      O senhor está adotando uma posição pré-conceituosa criada por ideologia norte americana para difamar a potência russa, que eram seus maiores oponentes. E o pior… Vc nem é americano! Então, eles conseguiram te convencer, mesmo assim?

  5. Nihil disse:

    Mais uma matéria sensacionalista da imprensa. Só a revista Manchete para publicar uma matéria dessas. A Manchete fazia a Veja parecer uma Nature.

  6. Prof. Alex disse:

    Deixa de preconceito, Lex, os russos tiveram importante contribuição para a exploração espacial.

  7. Nihil disse:

    Mais até do que americanos, apesar da exploração espacial russa ter mais fim militar do que científico. De qualquer maneira o que seria da nossa tecnologia sem a iniciativa russa de explorar o espaço?

  8. jcelidonio disse:

    pq enquadrar ela como incrivel história de contato se ela não existe e foi inventada???
    fala de coisa real pombas!

  9. Felipe disse:

    Sempre os tem os defensores disso, se teve contato onde estão os ets? o mundo enfrentando uma crise nuclear, onde estão os ets quando a gente mais precisa deles?

    =D

  10. Felipe disse:

    Tecnologia espacial antigamente era precaria, recem estamos engatinhando nesse ramo, humanos são passíveis de erros quem não acha isso não é humilde.

  11. Fabio disse:

    Belo enredo, não? E as ilustrações são sensacionais.

  12. Nihil disse:

    Rende um bom filme B.

  13. LEx disse:

    Enviado por Prof. Alex em 10 de abril 2011 às 21h23 ,

    Brother, foi um comentário jocoso.
    Eu até acho que a tecnologia Russa é superior a americana. O que o mundo acha dos EUA é o que é vendido no cinema. Na Russia não tem industria cinematográfica.

  14. Nihil disse:

    LEx, a tecnologia russa foi sempre pioneira, mas isso não significa que ela seja superior. Os primeiros astronautas sequer usavam uniformes especiais e os vôos experimentais já resultaram em catástrofes muito piores do que os que envolveram os ônibus espaciais. A tecnologia russa sempre foi tosca comparada a do EUA. Eles se preocupavam em ser pioneiros e pouco se importavam com as condições. O investimento americano na qualidade ajudou eles a mandarem o primeiro a Lua e os russos NUNCA negaram o feito (chupa, conspiracionistas!).

  15. LEx disse:

    Nihil,

    Então eu estava certo… Os brothers lá têem que parar com esse lance de Vodka….

    Sem bricadeira agora…
    Pelo menos militarmente equipamentos russos parecem ser melhor que os americanos, diga-se: MIG, AK47, AKULA, SOVREMENNY, Mi35, T72, Grad, fora outras armas de menor uso…
    Mas o engraçado é que não conheço nenhuma nave espiã nata russa…

    • Bruno L. Rocha disse:

      MiG: Deve estar falando dos caças MiG, que sempre fora uma porcaria.
      Nem sem compara a jatos como A/F-18 Super Hornet, F-35 (VTOL), F-22 Stealth, F-16.
      Ak-47: Confesso, ótimo rifle, mas somente usado pela sua simplicidade e “funcionabilidade”, mesmo que em condições precária, por isso era favorita entre terroristas e outros pobres afins. Mas já é fóssil se compara as armas americanas, fabricadas em materiais compostos, leves e resistentes, com capacidade para adaptação de instrumentos.
      AKULA: Como todo trambolho russo, grande e imprestável, hoje, lixo. Enquanto os americanos só reciclam e adaptam os bons, os ruins, viram museu, mas nem na Rússia há um museu que preste.
      SOVREMENNY: Grande coisa.
      Mi-35, em muito superado pelos Apaches, mesmo sendo de categoria diferente, o Mi-35 não tem mais utilidade, exceto por países pobres que acham que tem algum exército decente.
      T72: HAHAHA

      Bom mesmo só a tração helicoidal de um veículo que inventaram na Guerra Fria e os Ekranoplanos, que também não serve para nada.

  16. Nihil disse:

    Aí dou meu braço a torcer. Esqueceu da bomba Tsar que faz a Little Boy parecer uma espoleta.

    http://www.youtube.com/watch?=1&v=FfoQsZa8F1c

    Essa bomba meteu medo no mundo inteiro…

  17. Nihil disse:

    Belo brinquedinho esse, né? O_O

  18. Marcelo disse:

    Tem bobos que acreditam que algum humano tocou o solo lunar.Francamente pessoas realmente não podem ver um videozinho oficial que caem de 4 e começam a salivar como cães.

    O homem nunca, nunca tocou os pés na Lua e as malditas imagens de vídeo provam, isso sem contar os áudios das “missões” além de outras provas tais as mortes muito suspeitas de muitos astronautas que não quiseram participar da Mentira criada pela Nasa.

  19. Nihil disse:

    Marcelo,

    Meu caro primata simiiforme. Quem e como instalou esses refletores que podem ser vistos de qualquer observatório do mundo? Vá para qualquer um que verá. Estou aguardando a sua resposta.

  20. Marcelo disse:

    Essa sim é uma verdadeira bomba na mentira da chegada do homem à Lua.

    São filmes, não são fotos.São provas incontestes e não aquela balela dos defensores dessa conspiração maçon-illuminati.

    http://www.youtube.com/watch?v=qoocW2G8Q8I

    O ceticismo da maioria dos céticos está amplamente atrelado as declarações “oficiais” e atrelado também ao “status” que os “céticos” imaginam que a ciência possui.

    No fundo os “céticos” não passam de claque da ciência oficial e se comportam como tietes de algo que eles imaginam um ser sobrenatural de nome ciência.

    No fundo são imbecilizados pela cienciolatria.

  21. Nihil disse:

    Ah, sim. Depois responda-me porque com tanta grana investida em tecnologia militar e espionagem a antiga URSS nunca negou a viagem do homem a Lua feita pelos americanos no auge da Guerra Fria. Aguardo ansiosamente a resposta.

  22. Nihil disse:

    Lá vem o homem dos vídeos do Youtube. Ele não tem outra fonte. Qual o próximo link? Show da Lua ou a Fraude do Século? Depois sou eu que tenho que crescer…

  23. Marcelo disse:

    Sua avó é quem instalou esses refletores que você nunca viu, mas como alguma publicação disse que instalaram você acredita chimpanzé.

  24. Nihil disse:

    “No fundo são imbecilizados pela cienciolatria.”

    Cuidado com o que fala. Se fosse você pararia de usar a Internet e o computador já que são invenções que, segundo a sua linha de raciocínio são de origem Iluminati. Sabia que graças a Guerra Fria temos Internet e GPS? Não, né? Sem contar os telefones celulares. Tudo isso a viagem a Lua possibilitou. Se queres viver como um imbecil e analfabeto científico esteja a vontade.

  25. Marcelo disse:

    Eu não sou russo, pergunte a eles.

    Aposto que eles estão ansiosos para responder.

    KKKKKKKKKKKKK

  26. Nihil disse:

    Sabe onde eu moro? No Japão! E já vi esses refletores meu filho. Já visitou um observatório? Eu já. Buhhhh!!!!

    Agora me explique como eles pararam lá.

  27. Nihil disse:

    E os russos reconhecem a façanha dos EUA e até hoje eles lamentam nunca terem conseguido.

    Toma mais outra.

  28. Marcelo disse:

    Nossa que maravilha celular,GPS,Internet.

    Sem isso eu não respiraria, não faria sexo, não comeria.

    Sem isso todos os seres humanos anteriores a nós, sortudos, viveram vidas malditas e estéreis.

    Que infantil.

  29. Marcelo disse:

    Como eles pararam lá? Colocaram lá numa missão não tripulada e se brincar foram os russos, simples.

    Agora dizer que aqueles panacas estiveram na Lua é a maior mentira de todos os tempos.

    Quanto aos russos lamentarem, isso fica por sua conta. Russos e americanos sempre foram aliados tanto que em 1924 os EUA praticamente patrocinaram a URSS e sua revolução comunista porque isso era importante para os EUA e para a Nova Ordem Mundial.

  30. Marcelo disse:

    http://www.youtube.com/watch?v=qoocW2G8Q8I

    Fica o vídeo e as provas da mentira.

    O fingimento de que estavam distante da Terra.

    Os astronautas mortos por não terem participado da Mentira.

    A pisada de bola ao filmarem o solo Lunar.

    A morte misteriosa de 15 % dos astronautas americanos entre 1964 e 1967, entre outras fatos estranhos.

  31. Nihil disse:

    Você é muito burro!

    Depois da Segunda Guerra os EUA e a URSS passaram a se estranhar. Tanto que nos 50 o mundo quase viu uma guerra nuclear estourar. E outra, robô espacial para instalar refletores nos anos 60? Se liga! Esses refletores correriam altos riscos com missões não tripuladas. É necessário mão humana para instalá-los com tanta precisão.

    Veja em qualquer imagem que se vê lasers refletidos por esses refletores. E outra: robôs indo para uma missão lunar é mais improvável do que um ser humano indo para lá.

    Boa sorte na próxima!

  32. Nihil disse:

    Antes que me chamem de mentiroso:

    Os refletores em si não visíveis. O que é visível é o feixe de laser emitido pelo observatório usado para medir a distância entre a Terra e a Lua. Entre outras funções. E claro, nem sempre um observatório é aberto a visitas.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Lunar_Laser_Ranging_experiment

    PS: Nem sei porque posto links sabendo que ele não vai abrir mesmo…

  33. Nihil disse:

    “Nossa que maravilha celular,GPS,Internet.

    Sem isso eu não respiraria, não faria sexo, não comeria.

    Sem isso todos os seres humanos anteriores a nós, sortudos, viveram vidas malditas e estéreis.

    Que infantil.”

    Que legal esse argumento. Largue a Internet e pare de trollar então. Típico argumento quando se esgotam todas as desculpas.

    Ah, sim. Se tivessem sido os russos que tivessem colocados eles reclamariam a autoria da proeza. Proeza que dinheiro nenhum paga.

    Bem, pararei a discussão aqui.

    Sobre o que falávamos mesmo?

  34. LEx disse:

    Sinceramente ainda não consegui entender como funciona a cabeça desse Marcelo…

    Nos xinga por acreditar, ou melhor, saber que o homem foi à Lua, mas acredita em vídeos do YT.
    Depois nos chama de Macacos mas diz fazer sexo e não precisar de GPS, Internet e computador.

    Para mim esse cara tá com algum problema de hiperatividade do ego.

  35. Prof. Alex disse:

    Não alimentem o troll!

  36. Felipe disse:

    Só rindo dos comentários toscos,até um tempo eu também não acreditava que o homem pousou na lua também mas depois fui vendo que os argumentos que as pessoas se baseiam são sempre antitecnológicos…

    Mesma coisa sobre o LHC criar buraco negro, sempre são de gente que não gosta de ciência ou tem medo dela…

  37. Nihil disse:

    Esqueceu de citar que a HAARP pode provocar terremoto. Conspiracionistas são sempre uma piada. Adoro discutir com eles. Gosto muito de mostrar imagens como essa:

    http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/89/D70050914_15_ApolloLLR.jpg

    E perguntar o que reflete esse laser. Missão não-tripulada… Essa é boa. Isso é já é admitir uma proeza mais improvável que a visita do próprio homem a Lua. Que tipo de robô nos anos 60 tiraria um refletor (provavelmente frágil) de uma cápsula de segurança e colocaria bonitinho no chão apontado para Terra? Esse povo precisa estudar.

  38. Claudio Beltrame disse:

    Reduzir uma caso tão fantástico a apenas um saco de lixo? Reduziram demais! rsrsr Mas quando se trata de suprimir o máximo de hipótese extraterrestre de toda a literatura ufológica existem esforços colossais… rsrs

  39. LEx disse:

    Enviado por Claudio Beltrame,

    O primo… Leia o artigo inteiro!

    “…segundo o especialista espacial James Oberg, foram identificados como sacos de dejetos lançados da própria estação.”

    Confundir um saco de “fezes” com uma civilização ultra-super-giga desenvolvida é no mínimo paradoxal…

  40. Rodrigo Aguiar disse:

    Qualquer estudo científico deve ser dotado de imparcialidade.
    É necessário que tenhamos consciência do que somos no cosmos.
    Atualmente a maior estrela conhecida é “R136a1”, mas existem outras, tais como a Betelgeuse, que comparadas com o tamanho do nosso “Sol”, sendo genoroso, transformam-lhe em uma bola de gude, ou segundo alguns estudos, em uma cabeça de alfinete. Imaginem então o tamanho da Terra. Logo somos tão pequenos tanto em tamanho, quanto em tecnologia e ciência, que não podemos afirmar nada com certeza, o que temos são apenas teorias. Somos como formigas, tentando descobrir o que há dentro do imenso oceano, e por enquanto, estamos apenas chegando perto da areia da praia.

  41. Nihil disse:

    “Depois nos chama de Macacos mas diz fazer sexo e não precisar de GPS, Internet e computador.”

    Aqui no Japão delirares tem alertas contra terremotos, tsunamis e tufões. Possuem GPS que têm auxiliado nas buscas por desaparecidos. Nem toco no assunto computador…

    Será que tudo isso não é importante? Pequenas coisas que evitaram um desastre muito maior do que visto naquele 11 de março.

    Resumindo: Marcelo precisa estudar muito. Desde o ensino-fundamental.

  42. Nihil disse:

    “Depois nos chama de Macacos mas diz fazer sexo e não precisar de GPS, Internet e computador.”

    Aqui no Japão celulares tem alertas contra terremotos, tsunamis e tufões. Possuem GPS que têm auxiliado nas buscas por desaparecidos. Nem toco no assunto computador…

    Será que tudo isso não é importante? Pequenas coisas que evitaram um desastre muito maior do que visto naquele 11 de março.

    Resumindo: Marcelo precisa estudar muito. Desde o ensino-fundamental.

  43. C. disse:

    Essa discussão, principalmente o ilustríssimo “Marcelo”, me fazem lembrar desse artigo: http://www.escribacafe.com/se-os-conspiradores-estiverem-corretos/

    P.S.: Nesse mesmo site, o podcast mais recente tem participação do Kentaro Mori falando sobre o assunto desse post.

  44. Adriano disse:

    Marcelo,

    os espelhos na lua que você não acredita, porque não vai a um observatório? depois outro, e outro…você acha que todos são controlados pelos iluminatti e estao te enganando?

  45. LEx disse:

    Marcelo,

    “..quanto mais tecnológico o país mais neurótico e pervertido é o povo dessa nação…”

    Carinha, eu moro no Brasil, paisinho de quarto mundista, e não conheço ninguém mais pervertido do que eu, talves o Carlos Irwin Estevez seja pior… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Tu é virgem?

  46. Nihil disse:

    Acho que o Marcelo nunca foi a um observatório e é virgem também. Mas deixa pra lá. O que ele fala nao muda a realidade. Agora perguntem para ele porque ele usa a Internet se seguindo o raciocínio dele a própria internet seria controlada pelos Iluminatis.

    Incoerência pouca é bobagem.

  47. LEx disse:

    Ou sofre de dupla personalidade…

  48. Fábio Gomes disse:

    Interessante…

    Entretanto, tenho uma dúvida metodológica: se os céticos não aceitam relatos de testemunhas de avistamentos de OVNIs como verídicos, por que aceitariam relatos de “não avistamentos” como tal?

    Como vamos saber quem está falando a verdade? E se houve relatos mentirosos no caso deste post, motivados por “n” razões, que nem suspeitamos? Como vamos saber se a pessoa está falando a verdade ou não, seja avistando ou não avistando OVNIs, aqui ou no Espaço?

    Como vocês garantem que estão falando a verdade, uma vez que refutam sistematicamente os relatos de quem cofirma os OVNIs? Não seria o caso de refutar sistematicamente esse tipo de depoimento também?

    Acho isso muito estranho…

    Por favor, alguém do site poderia responder a esta indagação?

    Obrigado desde já!

  49. Adriano disse:

    Fábio Gomes,

    “eu vi um OVNI”
    “eu não vi nada”

    “eu vi um duende”
    “eu não vi nada”

    “eu vi um saci”
    “eu não vi nada”

    são pares de afirmações, a priori devemos dar a mesma atenção às duas afirmações, porém a quem cada o ônus da prova? Como provar que algo não existe? A metodologia é a seguinte: se você afirma algo, prove.

  50. Fábio Gomes disse:

    Adriano,

    E se eu não vi algo, eu posso provar que não vi? A mente humana não nos pode pregar peças também nesses casos?

    Teoricamente, fica muito mais fácil mentir em uma situação dessas, não fica?

    Ou…

    E se eu vi um objeto que ficou presente poucos segundos e depois desapareceu, e não tinha uma máquina fotográfica ou filmadora, então estou mentindo (não importa o que seja o objeto em questão)?

    Querer “provar” algo que vê não é teórico demais? Querer que a realidade dos fatos se ajuste à teoria não é um pouco presunçoso?

  51. Adriano disse:

    Se você viu algo durante poucos segundos, fica para você…não fotografou, não filmou e não temos evidências que foi real, não tem como saber se foi.
    Imagine o mesmo caso, a pessoa diz que viu um duende na janela, você vira e não vê. A pessoa te jura que viu, é sua mãe que tá falando. você acredita nela? deve acreditar né.
    mas tem como provar? não…infelizmente a ciência funciona assim, ou sacis, duendes, ets, gnomos, mulas-sem-cabeça,chupa-cabras, etc seriam todas verdades incontestes pois muita gente diz que já viu.
    Se todas as pessoas dizendo que viram te convence, tudo bem. É direito seu acreditar. Apenas que para o método científico relatos apenas não são provas, apesar de servirem para maiores estudos em busca de provas.
    Pessoalmente se minha mãe falar que viu um duende vou achar que ela tá ficando louca, mas não ficaria triste nem indignado se minha irmã acreditasse em minha mãe. :-)

  52. Fábio Gomes disse:

    Olá Adriano,

    Estamos falando de duas coisas distintas.

    Uma é a pessoa dizer que viu algo. Esse algo pode ser exatamente o que a pessoa descreveu, pode ser algo que a mente dela viu mas descreveu de forma diferente ou simplesmente ser uma invenção da cabeça dela.

    Se é duende, mula-sem-cabeça, disco voador, avião, meteorito, etc., cabe ao investigador procurar. Ele deve ter as ferramentas necessárias para saber do que se trata, e a questão é que a ciência ainda (infelizmente) não tem todos os instrumentos necessários para se provar certos fenômenos inexplicados. Mas do jeito que ela avança, um dia terá essas condições.

    Se pensarmos que há pouco mais de 100 anos a ciência não podia provar que algo mais pesado que o ar voaria, estamos caminhando bem, não acha? Tudo é uma questão de processo histórico. Um dia teremos explicações razoáveis para o inexplicado e que irão além do copy/paste barato, com lógica de quinta que não considera a realidade dos fatos.

    Outra é a questão de crença. Não deve-se “acreditar”, mas sim saber juntar as peças. Por isso que penso que o método mais apropriado para investigar casos hoje inexplicados é o que chamo de “policial”. Não é necessário achar um corpo para provar a culpa do assassino. Tendo álibi e evidências lógicas consegue-se ter uma investigação muito eficiente. Os sistemas Judiciários do mundo todo aplicam isso, e de forma muito eficiente. Costuma-se acertar muito mais do que errar.

    O que tenho receio é de que certas pessoas, se virem um E.T (seja lá de qual forma for) na frente, vai dizer que não é. Negar tudo não vai mudar a realidade dos fatos. Ceticismo aberto é estar aberto a novos fatos sempre duvidando, e não negar sistematicamente as evidências, só porque a ciência ainda não conseguiu explicá-las.

    E, a não ser que pouse um disco voador em um local público com alto fluxo de pessoas, o fenômeno UFO ainda não consegue ser alcançado pelo nosso estágio atual de conhecimento científico. Essa forma de conhecimento é a principal, mas não é a única que pode ser utilizada. Se não temos uma prova científica do fenômeno (fato), o que não faltam são evidências do ponto de vista do outro método que citei aqui (o qual chamei de “policial” mas também pode ser chamado de “investigativo” ou qualquer outro nome que possa descrevê-lo).

    Assusta-me um pouco o fato de algumas pessoas terem tanto medo de utilizar esse método…

  53. Adriano disse:

    Concordo com muito do que disse. Onde e em que caso/artigo aqui no CA você acha que existe a negação apenas por negação?

  54. Adriano disse:

    O caso dos círculos ingleses, vc diria que é um bom caso de investigação policial que conclui que foram ETs que fizeram os desenhos?

  55. Fábio Gomes disse:

    Olá Adriano,

    Também concordo com muito o que disse. Realmente a Ciência é o esteio do pensamento intelectual, mas ela precisa de uma “ajudinha” de algumas outras formas de conhecimento para poder avançar.

    Eu cito o Caso Baraúna como uma forma de negação pela negação. E pior: tentaram derrubar o caso com um relato, o que vai naquilo que escrevi lá atrás. Acho que é a Marinha, caso libere os documentos oficiais sobre o caso, quem vai dar a palavra final sobre o assunto.

    O problema, neste caso, é que, mesmo que o Baraúna tenha inventado tudo, o método aplicado aqui é que não me satisfez. Validaram a negação pelo mesmo critério que invalidam a investigação ufológica. É uma pena…

    No caso dos círculos ingleses, penso ser um problema bem complexo. Com absoluta certeza 95% é cascata feita por humanos, mas os outros 5% (principalmente na Inglaterra) é que tem que ser investigados beeeem a fundo.

    Nada como uma boa campana (método “policial”) para “pegar” os caras que fazem isso. O que eu não entendo é como eles conseguem fazer obras tão complexas, com centenas de metros de extensão, em apenas algumas horas, e sem serem percebidos… merecem um prêmio, sem dúvida. E deveriam utilizar essa habilidade em coisas mais úteis.

    Mas, ao frigir dos ovos, não tenho opinião formada sobre esse assunto, referente a esses 5% de círculos que os ufólogos (aqueles que verdadeiramente investigam o assunto) não sabem explicar.

    Aproveito aqui para sugerir que os céticos saiam a campo. Certamente irão aprender muitas coisas.

  56. Adriano disse:

    oi Fábio,
    existem diversos céticos em campo, tanto céticos ufólogos como céticos que estudam o paranormal. Ser cético não implica automaticamente não acreditar que seja possível existirem coisas ainda não provadas, mas implica em procurar as provas substanciais para as mesmas, em não aceitar as alegações sem estudar bastante, sem ter consistência, “não acreditar por acreditar”.

    Sobre o caso Baraúna, veja esse artigo:
    http://www.vigilia.com.br/sessao.php?categ=0&id=1119
    me pareceu uma avliação interessante do caso.

    Sobre os círculos ingleses procure aqui mesmo no CA, algumas equipes fizeram o teste.
    Ufólogos já ficarma de “campana” por uma semana, você pode procurar, foi patrocinado por uma equipe de TV, ache e avalie os resultados.
    Também vi um cara de um grupo de ufólogos que mandou casos falsos de círculos para outro grupo, que avaliou como genuínos os círculos e depois o 1o grupo contou e mostrou como era fácil enganar o segundo grupo, esse conhecido como o grupo mais “expert” de todos em círculos ingleses.

    Seria espetacular provas incontestes de naves espaciais e ET’s, acho que todos gostaríamos que fosse verdade, principalmente se aparecessem para ajudar a situação negra que a Terra está entrando em relação a cataclismas naturais e falta de água.

    Infelizmente para mim, até agora, todos os casos que estudo e leio a respeito ficam sempre com grandes evidências de fraude ou engano. Alguns poucos ficam no “aguardo” de maiores análises.

  57. Fábio Gomes disse:

    Olá Adriano,

    Sei não… céticos que fazem campo, costumam ser os de fora do Brasil. Quando digo campo não é somente a pesquisa pela internet (também válida), mas ir aos “matos adentros” da vida entrevistar as pessoas que observaram fenômenos até agora inexplicados pela Ciência.

    Quer um exemplo? Os agroglifos de Ipuaçu / SC. Para alguns céticos, já era mentira sem sequer ter sido visitado. Somente 3 pessoas estudiosas do assunto, e todas da Equipe UFO (Gevaerd, Carlos Machado e Ivo Dohl) foram lá ver. Como é que se fala que uma coisa é “mentira” se não se vai investigar? Isso não é contraproducente com o método científico (empiria)?

    Os agroglifos de lá podem até ser invenção, mas que se investigue do modo correto…

    Sua definição de cético é perfeita. Mas, acredite, nem todos pensam assim…

    Ah, eu li esse artigo sobre o Baraúna. Mas, novamente, baseia-se (em parte) em relatos… portanto não passa pelo crivo cético, correto?

    Adriano, mas é isso mesmo. Só uma pequena parte dos fenômenos estranhos passam pela peneira dos ufólogos. O Fenômeno UFO é raro, mas não é inexistente. Mesmo com um alto volume de material que pode ser fraude ou engano, nem tudo vai prá lixeira.

    Cabe aos estudiosos do assunto ter a mente aberta para saber o que realmente acontece.

  58. LEx disse:

    Fábio Gomes em 24 de abril 2011 às 23h47,

    Agroglifos, é?

    Sabe porque no Brasil não aparecem tantos agroglifos?

    Porque o povo de modo geral é burro. Isso mesmo, BURRO! Não sabem geometria, não conseguem diferenciar um retângulo de um losango, somos o país dos analfabetos funcionais. E quem sabe, não vai perder tempo rabiscando plantações.

    Só um detalhe, porque será que os poderosos OVNIs não desenham em plantações de CANA?

  59. Magno disse:

    Lex, não tenho muita certeza, mas acredito que já li sobre agroglifos em plantações de cana de açucar.

    Mas que tal esses geoglifos feitos a milhares de anos na Amazônia e que só foi descoberto com o desmatamento?

  60. LEx disse:

    Magno, se puder me indicar onde leu isso eu agradeceria, realmente nunca vi nada assim, o lance da pressão negativa não vale…

    Não confunda Geoglifos com Agroglifos, os Geoglifos da Amazonia é quase certo que se tratava de construções militares (trincheiras), só não se sabe quem as construiu.

    http://www.geoglifos.com.br/index.html

  61. Magno disse:

    Lex, como disse antes, não tenho certeza de ter lido sobre agroglifos em canaviais, tenho apenas uma vaga lembrança, mas se encontrar lhe passarei.

    Sei muito bem a diferença entre agroglifos e geoglifos. Estava apenas me referindo a desenhos geométricos de execução desconhecida.

    Quanto aos geoglifos da Amazônia serem trincheiras militares, acho que estão forçando a barra. Fica a perguntar: Qual “força Militar” tão antiga, teria construido essas “trincheiras”, visto que foram encontradas debaixo de uma árvores seculares?

  62. Magno disse:

    Correção: Debaixo de árvores seculares.

  63. LEx disse:

    Magno,

    Buracos no chão ou muros altos servem para impedir algo de entrar ou sair, só por isso disseram ser algo “militar”, se não for isso é religioso, sabe como é, o povo daquela época ou se matava ou rezava (kKkK). Assisti a um documentário da TV-Escola (Paraná) onde alguns professores de Ponta Grossa estavam discutindo sobre o assunto, mas nada sério, tudo especulação mesmo. O mais interessante é que não conseguiram chegar a um acordo quando a idade das construções.

  64. Magno disse:

    Lex, o problema não as escavações em si, é exatamente a idade e quem poderia ter escavado.

    Lembre-se que estamos falando de escavações com formatos de círculos e quadrados quase que perfeitos (algumas pessoas dizem perfeitos), com profundidade de até três metros e diâmetros entre 200 e 300 metros.

    Esses desenhos foram deixados por civilizações que desapareceram muito antes da colonização, que teoricamente, seriam mais atrasados do que os selvagens encontrados pelos portugueses. Mas os selvagens da época do descobrimento, não replicavam esses desenhos, evidenciando que eles não conheciam essa técnica de defesa.

    Pode-se criar uma história fantástica ou simplista derivando de um fato, depende da intenção do narrador.

    No caso da Amazônia, se voce analisar separadamente de outros geoglifos, fica fácil dizer que foi uma civilização indígena com a finalidade de defesa, mas quando voce os compara com Nazca e outros geoglifos descobertos pelo gloogle earth pelo mundo, não dá mais pra ser tão simplista assim.

  65. Adriano disse:

    Em http://www.geoglifos.com.br/index.html

    “Os pesquisadores encontraram muita cerâmica indígena, o que indicava locais de antigas aldeias. ((Dias Júnior, O.F. & Carvalho, E.T. 1988 e Neves, M.V. 2002).”

    Não deixa de ser bem interessante.

  66. LEx disse:

    Sim, é muito interessante mesmo, para não falar “BEM LOUCO”… Pena que existe pouco material.

  67. Fábio Gomes disse:

    Lex,

    Lembrando que não tenho opinião formada sobre os agroglifos.

    Comentando sua afirmação:
    Porque o povo de modo geral é burro. Isso mesmo, BURRO! Não sabem geometria, não conseguem diferenciar um retângulo de um losango, somos o país dos analfabetos funcionais. E quem sabe, não vai perder tempo rabiscando plantações.

    Ah, que bom, então nem precisamos pesquisar para saber o que é, não é mesmo?

    Abraços.

  68. Fábio Gomes disse:

    Sem mais perguntas, meritíssimo.

  69. pedro disse:

    Muito boa  a materia do Kentaro;
    Alguns dizem que viagens interestelares seriam impossiveis devido ao fato de que nada viajaria a velocidades superiores à da luz e q as distancias interestelares são absurdas;
    Porém Naves alenigenas nao precisam viajar à vel da luz para chegar aqui.Por exemplo uma nave alienigena viajando a 10% da vel da luz (cerca de 30 mil km /seg) levaria 40 anos para vir da estrela mais proxima do Sol  e chegar à Terra; se a nave viajasse `a metade da vel da luz levaria só 8 anos para eles virem da estrela mais proxima do sol e chegar até nós;  Estes calculos já foram feitos há muito tempo por astronomos como J.Allen Hynek  e Bruce Macabee

    • Bruno L. Rocha disse:

      Você não levou em consideração uma coisa, a tecnologia das supostas espaçonaves alienígenas. No nosso caso, viagens a 5% da velocidade da luz são impraticáveis por diversos motivos, um deles, o fatos combustível, sabe, ainda queimamos combustível e usado misturas químicas, e olha pelo fato de lançarmos os foguetes da Terra, já gastaríamos muito.
      No caso de teoricamente naves extraterrestres virem aqui para a terra, tende em vista a teoria do senso comum e também científico, que os ETs teria uma tecnologia antigravitacional, pensar que eles iriam a metade velocidade da luz é muita humildade, pois para que conta com motores antigravitacionais, ir a 95% não deve ser um problema.

  70. Tom C disse:

    Assuntos de ovnis são tratados por dois tipos distintos de pessoas mas que se complementam perfeitamente. O primeiro tipo é composto de todo tipo de gente esperta, visando obter vantagens financeiras e projeção social. O segundo tipo são os idiotas crédulos, não crédulos por serem idiotas nem idiotas por serem crédulos; são pessoas que querem e procuram serem enganadas e aceitam qualquer “prova” a comprovar sua alucinação.

  71. Claudio disse:

    O assunto UFOLOGIA é de uma seriedade sem precedentes e merece todo o respeito possível. Mas ultimamente tem ocorrido fenômenos tão incríveis dentro da investigação ufológica que o caso mais impressionante se torna uma simples amenidade… Em 1996 o ufólogo Ubirajara Rodrigues se tornou o maior pesquisador envolvido no Caso Varginha e garantiu plenamente a veracidade da história defendo a hipótese extraterrestre para o caso, inclusive. A história se tornou um dos fatos mais conhecidos da UFOLOGIA brasileira no mundo todo. No entanto, ano passado, o mesmo Ubirajara resolveu mudar seu posicionamento sobre a hipótese extraterrestre e busca explicar todos os casos, inclusive os por ele pesquisados, sob uma ótica que ele mesmo abominaria a alguns anos atrás. Em recente depoimento publicado em jornal de grande circulação ele disse que a experiência de abdução vivenciada em 1962 pelo comerciante mineiro Geraldo Bichara poderia ter sido uma alucinação… Muitos se sentiriam preocupados com uma mudança tão radical… Se um caso tão bem pesquisado como o da abdução de Bichara pode resultar apenas de uma alucinação como insinuou Ubirajara recentemente, a sensação de se estar caminhando sobre ovos se torna nítida e desagradável no contexto da seriedade de uma pesquisa de nível na UFOLOGIA. É claro que essa situação é rara dentro da UFOLOGIA. A maioria das pesquisadores mantém suas convicções. A UFOLOGIA não se assusta com posicionamentos tão inesperados haja visto que J. Allen Hynek era cético e acabou se tornando bastante favorável a hipótese extraterrestre em alguns casos bem pesquisados. Apesar desse comentário nada ter a ver com o assunto aqui em pauta é importante para entendermos que nem sempre o ceticismo é benéfico para a imagem da UFOLOGIA.

    • Bruno L. Rocha disse:

      UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA UFOLOGIA

      Cara, já deu pra entender a tua posição, mas se não tem capacidade de escrever um texto sem repetir a cada linha “UFOLOGIA”, vou ter a impressão de que você não é esperto o bastante para distinguir um avião de um disco voador.

  72. Claudio disse:

    Apenas para complementar a comentário acima: é claro que o ufólogo Ubirajara não mudou sua forma de pensar de um momento para o outro… Isso deve ter demandado muita reflexão e revisão de suas pesquisas pessoais…. Mas, com todo respeito, foi uma mudança bem difícil de engolir. Como um pesquisador de casos tão conceituados pode simplesmente se tornar tão repelente à hipótese extraterrestre? A publicação do seu livro, que eu estou lendo e considero muito bom, mostra uma forma de interpretar a UFOLOGIA benéfica no sentido de querer depurar a casuística de certas afirmações mal embasadas e altamente a
    errôneas. Mas não precisaria ignorar tantos fatos importantes que nos direcionam para a possibilidade de estarmos sendo visitados por outras civilizações. O radicalismo não! Nesse ponto é que repousa a falha da obra.

  73. Fabi disse:

    Infelizmente a ida a lua e os seres oriundos de outros mundos, sao farsas que ficam no nosso subconciente como verdades. Eu tenho visto as imagens dos astronautas na lua, e sao bizarras…as sombras com angulos diferentes( indicando q nao é a luz solar q ilumina), a bandeira americada balançando…e as declarações dos astronautas logo após as missão, dizendo nao ter visto as estrelas, pq nao levaram um telescópio especial kkk…e anos depois um dos astronautas lançou um livro, citando a beleza das estrelas, vistas da lua.
    Sobre ovnis tive um choque maior, pq temia a presença de seres extraterrestres na terra, até q vi um dos vídeos “prepare-se” onde as famosas naves extraterrestres sao estocadas em territórios americano. Mentiras q fazem parte do controle maçon-iluminati.

  74. Fabio disse:

    Tremenda bobagem, mas a ilustração é sensacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *