MENU

Basava Premanand (1930-2009)

Novembro Extraterrestre em CeticismoAberto!

24 de outubro de 2009 Comments (26) Views: 3463 Destaques, Ufologia

Phobos 2 e a Guerra dos Mundos

phobos_last

25 Março, 1989 – A fotografia infravermelha ‘acima de ultra-secreto’ supostamente tomada pela sonda soviética Phobos II, mostrando um objeto aproximando-se da lua marciana. Estimativas dizem que o OVNI tinha aproximadamente 25 quilômetros de comprimento”. [UFO magazine, vol.7, n.1, 1992]

Muito antes que bombardeássemos a Lua, os soviéticos já teriam equipado uma sonda com um “laser extremamente poderoso” a ser disparado contra Fobos, uma das luas de Marte. “Tudo corria bem”, escreveu Don Ecker, da UFO magazine americana (sem relação com a homônima nacional), até o fatídico 25 de março de 1989. “Alguma coisa” deixou a sonda rodopiando descontroladamente até que perdêssemos contato.

“De acordo com Zechariah Sitchin em seu livro Gênese Revisitado, o boato circulando era de que a espaçonave soviética teria encontrado um ‘OVNI’ gigantesco enquanto estava em órbita marciana. Em seu livro, Sitchin incluiu uma foto que os russos divulgaram, mostrando uma grande sombra oval refletida em Marte. Sitchin diz que as poucas fotos que Phobos enviou antes de desaparecer nunca foram divulgadas pelos russos, e que eles trataram todo o assunto como ‘acima de ultra-secreto’”.

Intrigante, não? Guerra interplanetária com naves alienígenas gigantescas, conspiração e uma fotografia ultra-secreta? A solução na continuação.

O conhecimento vos libertará

Quem imaginaria que vinte anos depois, essas imagens “acima de ultra-secretas” estariam completa e abertamente disponíveis a um clique de distância na Internet? Pois bem, elas estão! Clique na imagem abaixo para o conjunto completo de dados de imagem da Phobos 2 VSK:

phobos2vsk

A imagem à direita parece familiar? É porque é a imagem original com o “OVNI de 25km”. Vejamos ela com mais atenção:

c2550033

Curioso como a nave alienígena de 25 quilômetros agora parece um gráfico digital mal-feito. Isto é, vêem-se claramente seus pixels, seguindo exatamente os pixels verticais da imagem. Não apenas isso, há também uma linha horizontal atravessando a fotografia infravermelha, que interrompe o “OVNI”, que ainda é interrompido na parte inferior da imagem.

Vocês, espertos leitores e leitoras, já devem ter percebido que o “OVNI” nada mais é do que um artefato digital. “Uma vez que a linha percorre as linhas de varredura da telemetria, peritos estão certos de que é algum tipo de falha de transmissão, e não um objeto real no espaço”, escreveu Jim Oberg.

Mas caso haja alguma dúvida de que esta tenha sido uma falha digital e não uma nave alienígena descomunal perfeitamente geométrica e alinhada com os sensores da sonda soviética, basta assistir à animação abaixo, compilada por Internos2k do fórum ATS, fonte de praticamente toda evidência apresentada aqui:

full_infrared__data_set

Note como a falha vertical branca aparece na mesma região em várias imagens, algumas tomadas em 21 de fevereiro, mais de um mês antes da famosa imagem de 25 de março. Ou a nave marciana sempre aparecia exatamente na mesma posição para a câmera, ou realmente havia uma falha eletrônica, que só ocorria no espectro infravermelho – outras imagens em outras faixas de espectro não exibem a falha.

Agora, se ainda houver um mínimo resquício de dúvida – afinal, o conjunto de imagens é apresentado no website da Planetary Society, fundada por ninguém menos que Carl Sagan, deão cético, e como todo bom paranóico diria, “isso aí pode ter sido montado” – basta lembrar que a sonda Phobos 2 perdeu contato com a Terra em 27 de março, dois dias depois da famosa imagem “acima de ultra-secreta”. Muito menos dramático imaginar uma nave gigante que leva dois dias para abater uma pequena sonda.

O “Misterioso OVNI Gigante” é apenas uma falha eletrônica, e a imagem divulgada nos anos 1990 foi deliberadamente recortada para dificultar que isso fosse percebido. Note que a grande falha horizontal percorrendo toda a imagem e interrompendo o “OVNI” vertical não foi publicada pela UFO magazine.

Esclarecido este, ainda restam alguns outros “mistérios”.

Temendo a própria sombra

Sitchin publicou em seu livro o rumor sobre uma grande sombra oval sobre Marte. Mistério? Não.

“A explicação é simples”, escreve Internos: “ele nunca viu mais fotos da sombra da lua Fobos, do contrário teria percebido que não é nada incomum. De fato essa é a aparência normal da sombra da lua marciana, sob certas circunstâncias”.

E é assim que a simples sombra da própria lua Fobos sobre Marte foi vendida como um “mistério”. Abaixo está esta sombra nada misteriosa capturada pela sonda européia Mars Express em 2005 (clique para mais informações no sítio ESA):

PhobosShadow

Este desserviço público de promover uma sombra prosaica como algo inexplicado vem do homem que é supostamente consultor da NASA e exímio entendido em assuntos arqueológicos e espaciais.

Não seria o primeiro, ou melhor, o último incidente onde Sitchin cria mistérios não-existentes a partir da distorção de dados científicos corriqueiros. Em “Os 223 Genes (de Sitchin)” mostramos como este vendedor de histórias distorceu descobertas anunciadas pelo Projeto Genoma para apoiar sua tese de deuses astronautas.

E a propósito de vendedores de histórias mirabolantes, voltamos à fonte da imagem “acima de ultra-secreta” do suposto OVNI de 25 quilômetros que era apenas uma falha eletrônica. De acordo com a UFO magazine:

“A doutora Marina Popovich, ex-piloto de teste soviética que fez várias viagens aos EUA para partilhar suas opiniões sobre a questão OVNI, disse à nossa revista que o incidente foi discutido com o Secretário-Geral Soviético Mikhail Gorbachev e o presidente Bush na Conferência de Malta. A foto foi dada à doutora Popovich, ela diz, pelo cosmonauta soviético Leonov em junho de 1989, e teria sido tomada com câmeras infravermelhas a bordo da malfadada nave soviética. De acordo com os russos, o longo objeto elipsóide visto nos arredores de Fobos tinha 25 quilômetros de comprimento”.

Popovich. Este é um nome do qual não se lê muito hoje em dia em publicações ufológicas, mas que há vinte anos pipocava em histórias das mais selvagens. Isto porque Marina Popovich realmente foi uma notável piloto de testes soviética, o que contudo não significa que o que ela contasse sobre discos voadores fosse verdade, a despeito do que vendedores de histórias lhe dirão.

Nada melhor do que um dos mais notórios casos em que Popovich também foi fonte principal para ilustrar o ponto. É o “Marciano que usava Zíper”, uma imagem muito famosa na década de 1990 em círculos ufológicos, que chegou a ser mesmo capa da revista UFO brasileira:

zippermartian

Descubra toda a história por trás desta infame fotografia no artigo de Luis Ruiz Noguez. Porque, ao final, a exclusiva, inédita, bombástica fotografia do “extraterrestre de Roswell” divulgada por Popovich era apenas um boneco de cera. E não apenas um boneco de cera qualquer: um boneco exibido a milhões de visitantes durante três anos, de 1978 a 1981, em um pavilhão de exposições no Canadá!

O detalhe mais delicioso desta história, envolvendo nomes indo de Popovich a Hynek e Friedman, é que a artista, Linda Corriveau, ao final exibiu a escultura de cera em um expositor de alumínio e Plexiglas originalmente criado para abrigar o Gigante de Cardiff, uma notória fraude do século 19.

lcalien

Algumas coisas mudam rápido. Há vinte anos, imagens xerocadas de origens das mais prosaicas eram partilhadas por vendedores de histórias crédulos – ou mesmo de má-fé – a impressionáveis espectadores em conferências OVNI, gerando rumores sobre rumores, propagados e aumentados em boletins, livros e tornando-se lendas. Um artefato digital de uma sonda espacial a milhões de quilômetros de distância tornava-se uma nave alienígena prestes a atacar, em uma imagem hiper-ultra-secreta alvo de encobrimento e discussões entre líderes mundiais. Um boneco de cera visto por milhões se tornava a primeira imagem conhecida dos extraterrestres de Roswell. Levaria anos até que jornalistas profissionais contatassem peritos espaciais de verdade e esclarecessem naves marcianas ou até que a própria artista responsável pelo boneco de cera encontrasse para sua surpresa seu boneco vendido como um alienígena real.

Em tempos de Internet, fotos da carcaça de uma preguiça podem causar certo alvoroço, mas são esclarecidas em um par de horas e então, o esclarecimento chega a milhões uma semana depois. É mais difícil vender macaquices hoje em dia.

Outras coisas, no entanto, não mudam, para alegria dos vendedores de histórias. Artefatos digitais, como os da Phobos 2 em 1989, ainda são promovidos como OVNIs gigantes no espaço, ainda que a NASA tenha esclarecido os rumores logo em seu nascedouro. A revista UFO brasileira repetidamente vende a lenda do contato da Salyut 6, uma história tão falsa quanto a foto da Phobos 2 e que abordaremos em um próximo artigo.

A credulidade e a vontade de acreditar não mudam. Que o boneco de cera de Popovich fosse exibido no mesmo expositor que o Gigante de Cardiff original de um século antes não é mera coincidência.

ebe007

Bônus

Enquanto temos o conjunto completo de imagens da Phobos 2 através da Planetary Society de Sagan, é interessante notar que o primeiro livro do popular astrônomo foi em co-autoria com o colega soviético Iosif Shklovsky, que em 1959 foi o primeiro a sugerir que anomalias na órbita da lua marciana poderiam ser explicadas caso ela fosse oca, e mais: que poderia ter origem artificial. Isso mesmo, Shklovsky sugeriu que a lua Fobos poderia ser uma nave alienígena lançada há milhões de anos. Ao contrário de outros que viriam anos depois, como Sitchin, Däniken e cia, o astrônomo soviético deixou claro que eram especulações. No livro que escreveu com Sagan, ambos foram também pioneiros a analisar a tese de antigos astronautas, separando a especulação dos fatos.

Estudos posteriores da lua marciana, incluindo pela própria sonda Phobos 2, refutariam a especulação de Shklovsky, mas é possível que o rumor de naves alienígenas gigantes em torno de Marte tenha reverberado mais forte com esse histórico.

[Com agradecimentos a Internos2k pela colaboração!]

Tags: , , , , , , , , , , , ,

26 Responses to Phobos 2 e a Guerra dos Mundos

  1. Bob Coldman disse:

    PELO AMOR!
    Eu PRECISO dizer isso!
    Eu PRECISO ser ouvido!

    Vamos parar de chamar satélites naturais de luas?!?!?!?!?!?!?
    Lua DEVERIA ser um substantivo próprio, pra descrever NOSSO satélite. Senão Senão vamos ter que começar a chamar estrelas de “Sol de Talsistema”. :P

    Ok, protesto feito.
    AHUAHUAH

    • Mori disse:

      Opa, anotado Bob, da próxima vou repetir satélite e me auto-flagelar :-)

    • redF disse:

      É facil achar que tem a razão quando se tem meia informação, sendo assim:

      nosso satélite natural se chama Selene

      portanto não se chama LUA, e o termo lua é usando sim para qualquer satélite natural quando referido de forma popular e generalizada.

      aos comentarios a baixo,e qualquer um que ler este, um conselho se informem antes de aderirem a uma ideia, inclusive a minha, busquem informação por si mesmos antes de concordarem com algo, aceitar a palavra de um sem conhecer todos os aspectos do assunto só fortalece a ignorãncia.

  2. Patola disse:

    Nossa, encontrei alguém mais implicante que eu… Tá bem, vou fazer o maior esforço pra começar a chamar satélites naturais de satélites, não de “luas”. :(

  3. Paulo José disse:

    Parabéns Mori! Texto e investigação excelentes como sempre!

    É de impressionar o canalhismo dessas pessoas em se aproveitar de qualquer coisa para criar histórias por mais mirabolantes e inacreditáveis, apenas com o intuito de espalhar ignorância e buscar fama e dinheiro fácil. Ainda bem que sempre existiram pessoas que, em contraposição, têm prazer em desmascará-los pelo simples ato de promover a verdade.
    A propósito, uma curiosidade: Asimov trata em alguns de seus livros que algumas luas (ou satélites, para os xiitas) no sistema solar teriam órbitas tão excêntricas que provavelmente foram capturadas por seus planetas durante sua existência. Se bem me lembro, Saturno seria um dos melhores caçadores de luas. E parece que de anéis também, pelas últimas notícias, rs.

    Parabéns pela matéria, que me fez lembrar o recente lançamento das sondas da NASA à Lua. Afinal, já saíram imagens?

  4. Mori disse:

    Obrigado, Paulo! Já saíram imagens da LCROSS, confira o primeiro link no texto :)

    Existem mesmo vários satélites capturados por planetas, e embora seja pouco provável que qualquer deles seja artificial, é interessante considerar que pode bem haver um monolito negro gigante sobre algum deles… estamos muito longe de ter explorado a todos com a resolução necessária para descartar essa tantalizante possibilidade!

  5. Paulo José disse:

    Esta é a maior beleza da Ciência. Sempre que perguntas são respondidas, outras surgem e sempre há muito trabalho a ser feito por nós, as máquinas pensantes. :D Seria também maravilhoso poder encontrar um nano monolito negro em algum satélite por aí. Um vestígio qualquer de que outra civilização inteligente tentou perpetuar sua existência no universo, assim como nós fazemos a cada instante!

    PS: não cliquei antes no primeiro link porque pensei que fosse um link interno já conhecido. anyway, obrigado pela dica! :D

  6. Opa… Monólitos negros não temos, estão em falta… Serve um cor de laranja com bolinhas azuis? HEHEHE

  7. Derley Wythor disse:

    Eu não sou ufólogo e nem mesmo acredito em disco voadores;
    mas tenho que protestar: voces sempre tem uma resposta pra tudo ne?
    pra voces todo mundo e pilantra e falçario…
    A mesma regra eu aplico ao ceticismo: So querem chamar a atenção como donos da verdade falçificando historias e criando provas falças para desmentir fatos reais.

  8. zero disse:

    Em relaçãoao comentário de D.W.
    acredito que a grande parte de casos que podem ser comprovados demonstram não passar de falsificações, interpretações enganosas ou testemunhos exagerados, mas da mesma forma como você, creio que o ceticismo da forma como é apresentado hoje não é nem de perto interessante, ele deixa o campo do questionamento de lado para partir pra comprovação.
    Ceticismo quando agnostico é de grande beneficio, mas por exemplo, não poderemos, não por enquanto, provar o que aconteceu em Tunguska, comprovar qe não foi um OVNI não é possível, mesmo sendo uma teoria ridícula.

  9. ChaosWarrior disse:

    Pra mim alguém do controle da missão fez besteira e perdeu contato com a sonda. Depois disso, fez uma composição de imagens do “satelite natural” com algo que possa indicar o choque com o mesmo e deixou na memória das gravações de missão. Alguém foi checar o q havia ocorrido e ao descobrir as imagens, ou por insanidade inventou uma história mirabolante dessas ou os russos resolveram soltar isso ao público querendo dizer q a sonda ñ falou ela foi atacada por um OVNI. Claro, super mais provável! Clássica desinformação para cobrir as cagadas e ñ ficar feínho no meio da Guerra Fria.

  10. Kiabbo disse:

    Admiro muito o conhecimento de voces!!!!!
    No entanto ja existe uma vasta tecnologia terrestre, com o intuito de tornar tudo uma fraude para provocar o descredito das pessoas!!!!
    É muito oportuno que agora tudo se torne defeito de maquinario ou algo assim,
    gosto muito das explicações do ceticismo aberto, mas acho que deve-se considerar estas possibilidades também, manipulação com interesses que nos são desconhecidos!!!!
    um abraço!!

  11. redF disse:

    É facil achar que tem a razão quando se tem meia informação, sendo assim:

    nosso satélite natural se chama Selene

    portanto não se chama LUA, e o termo lua é usando sim para qualquer satélite natural quando referido de forma popular e generalizada.

    aos comentarios a baixo,e qualquer um que ler este, um conselho se informem antes de aderirem uma ideia, inclusive a minha, busquem informação por si mesmos antes de concordarem com algo, aceitar a palavra de um sem conhecer todos os aspectos do assunto só fortalece a ignorãncia.

  12. Elizandro Rarvor disse:

    Lendo o livro do Daniken fica claro que ele não faz afirmação alguma.

    Ele faz perguntas, PERGUNTAS.

    Especula se tal coisa pode ter vindo de alienigenas e na boa, suas perguntas não conseguem ser respondidas nem por arqueólogos sem que se gere outras dezenas de perguntas.

    A melhor é… como civilizações tão distantes no planeta terra poderiam estar construindo as mesmas estruturas??? E pior, como a grande pirâmide do Egito possui o mesmo perímetro da grande pirâmide maia??? do outro lado do planeta???

    O mesmo perímetro ????? Com 5cm de diferença entre elas????

    Então retire o Daniken das críticas, ele faz perguntas coerentes e não afirma nada.

  13. A ignorância fragela o intelecto.Não sou de acreditar muito no que os outros afirmam.Acredito no que vejo.Já vi OVNIS muitas vezes,mas não afirmo que sejam extraterrestres pois desconfio que são intraterrestres.Mas é a minha opinião,não peço ninguém pra acreditar no que digo.Mas que eles existem,EXISTEM!

  14. Malbo disse:

    Eu acho que, assim como esses contadores de estórias podem estarem errados, os que querem refuta-los também podem cometer erros. Acredito que a verdade é relativa

  15. ROBERTO LUIZ MATTAR disse:

    ROBERTO LUIZ MATTAR – BAURU-SP – diz: ACREDITEM, NO DIA 26 DE SETEMBRO,AS 3HS.-DO ANO DE 2009-VI NO CEU DE MINHA CIDADE -BAURU= UM GRANDE CIRCULO NO CEU=DEVERIA CABER UNS 30 AVIÕES DAQUELES QUE PASSAM NO CEU -ELE ESTAVA ESCONDIDO =TUDO AZUL COMO O CEU – E SO APARECIA SUA AUREOLA DOS SEUS LIMETES =REDONDO-,NISSO ELE SE LOCOMOVEU NO CEU EM MEIO SEGUNDO E VI O CHÃO DELE.-APARECIA FEITO TIPO LATAO COM O CHÃO EM BAIXO EM FORMAS DE RETANGULOS ,SEI QUE NÃO ERA LISO.-DEPOIS ELE SE LOCOMOVEU MAIS DUAS VEZES NO CEU EM SENTIDO OESTE.- AI FUI EMBORA.- sou advogado, 64 anos,40anos na profissão e não seria nesta oportunidade que iria inventar uma situação destas. – acreditem.

  16. gustavo felipe piardi disse:

    eu adimiro o conhecimento do pessoal que fizeram os comentários a cima, e fico feliz por existire pessoas que estão preocupadas com os fatos q ocorrem é sinão que nada vai passar despercebidos por nósso olhos, seja eles falsos ou verdadeiros, por outro lado essa alcidade e sensacionalismo que falsários vem criando nos meios de comunicação são os responsáveis pelo atrazo de nossas respostas, poderiamos estar discutindo sobre algo que fosse mais provável a ser real do que histórias que não passam de fraudes, não estou afirmando que essa seja uma fraude, mas não acredito hipótese de que seja uma nave alienigena,eu acredito essas informações são restos de material que foram pro lixo, descartadas, recolhidas por pessoas com o iteresse em ganhar dinheiro com uma história falsa gerando todo esse alvoroço! eu quero tizer que as verdadeiras invormações não chegam até nos de mão bejada, os lideres que conadam operações espaciais sempre vão negar toda e qualquer noticia que possa ser verdadeira. abraço!

  17. julio disse:

    Bobo é quem acredita em tudo. Idiota é quem não acredita em nada.
    Muita coisa vai ser esclarecida nesse século. Talvez nem venhamos a ver, mas com certeza, essa geração vai ver coisas muito estranhas, e os caçadores de mitos terão muito trabalho pra explicar tais fenômenos com simples “teorias” da verdade.

  18. Arilson disse:

    Zechariah Sitchin em seu livro Genesis Revisitado afirma que ‘Na epoca fiquei imaginando por que a especularação oficial omitia uma terceira possibilidade, a mais natural e convicente que a “coisa” observada era mesmo uma sombra, mas a sombra de Fobos, a lua marciana. Esse satelite tem sido mais comumente descrito como tendo “a forma de uma batata” A opinião dele não foi corretamente exposta, não deixe que este Site se torne aquilo que diz combater!

  19. Barracuda disse:

    Enviado por zero em 28 de novembro 2009 às 10h33
    Em relaçãoao comentário de D.W.
    acredito que a grande parte de casos que podem ser comprovados demonstram não passar de falsificações, interpretações enganosas ou testemunhos exagerados, mas da mesma forma como você, creio que o ceticismo da forma como é apresentado hoje não é nem de perto interessante, ele deixa o campo do questionamento de lado para partir pra comprovação.
    Ceticismo quando agnostico é de grande beneficio, mas por exemplo, não poderemos, não por enquanto, provar o que aconteceu em Tunguska, comprovar qe não foi um OVNI não é possível, mesmo sendo uma teoria ridícula.

    Pode ser até o trenó do Papai Noel que explodiu, se for levar para esse lado.

  20. George disse:

    Caramba dizer que a Lua se chama Selene é forçação de barra, Selene é o nome de uma deusa grega…. a Deusa grega da lua e como sabemos que os romanos clonavam os deuses gregos, a deusa romana da Lua se chama “Lua” ou Luna em latim, sei lá, mas com certeza aquele satelite que fica sob nossas cabeças se chama Lua sim senhor.

  21. Michel disse:

    Todo astro que orbita um determinado planeta tem, por definição lógica, Satélite Natural. Satélite Natural pode ser tudo o que orbita estrelas, planetas e até galáxias. O nome do nosso Satélite Natural é Lua desde os tempos remotos, e Selene era a deusa grega que habitava a Lua. Existem estudo lunares associados à esse nome, porém, Chamar nossa Lua de Selene não é costume de quase toda a humanidade. Os outros Satélites Naturais dos corpos celestes foram chamados de luas por causa de sua semelhança com a nossa. Portanto, Selene que se dane!!! Viva a Lua!!!

  22. Edite Damásio da Silva disse:

    Aqui não vai nenhum comentário sobre o assunto em pauta, mas pelo amor de Deus, quando postarem algo, façam uma leitura antes de enviar o comentário, pois chega a doer as vistas os erros de concordância, digitação e até mesmo de raciocínio. Isto é para o Sr. gustavo felipe piardi em 18 de janeiro 2011 às 10h10

  23. Mário W. disse:

    Lua vem de Luna, que é o nome romano para a deusa grega Selene. Mas valhe lembrar que este é o nome em nossa língua (português) que derivou do latim (assim como o italiano dos romanos). Professor Basílio: “a Lua segue o padrão dos principais objetos do sistema solar, que têm nomes de divindades mitológicas greco-romanas. Os demais satélites naturais, que orbitam em torno de outros planetas, têm nomes mitológicos ou tirados da literatura clássica universal”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *