MENU
2011-04-29-mistaken-identity-1.jpg

Will West, Osama Bin Laden e a Ciência da...

chernobyl_entrada.jpg

Os Três Super-Heróis de Chernobyl

17 de maio de 2011 Comments (406) Views: 27051 Ceticismo, Destaques, Ufologia

Quem Ensinou Deus a Pilotar? As Origens do Mito dos Deuses Astronautas

deuses_astronautas

Artigo de Gareth Medway, publicado em Magonia 57, setembro de 1996
Tradução gentilmente autorizada, colaboração de Lisângelo Berti

O livro God Drives a Flying Saucer [“Deus Pilota Um Disco Voador”] de R. L. Dione (Corgi, 1973; 1a. ed. 1969) zomba da metafísica tradicional:

… nenhum suposto sistema de lógica pode resolver as inconsistências e paradoxos inerentes à crença de que o homem é habitado por algo místico, sobrenatural e imortal chamado de alma”.

Voltando-se para a Bíblia, o que se diz dos milagres ali registrados? Dione não encontra razão para duvidar da correção da Bíblia: “…se não fosse pelas referências a milagres, a Bíblia permaneceria incontestada como uma proeza monumental em relatos históricos”.

Ele julga a possibilidade de poderes sobrenaturais absurda, portanto a única explicação é que tecnologia de discos voadores estava em ação. Admitindo isso, tudo se torna simples: Adão e Eva foram criados por engenheiros genéticos trabalhando sob a direção de Deus, que é o “líder dos mestres tecnólogos”; anjos eram astronautas; a visão de Ezequiel foi de discos voadores; assim como para a Imaculada Conceição, é “lógico supor” que Gabriel era um “especialista em biologia” que artificialmente inseminou Maria com uma agulha hipodérmica; e “o esperma utilizado pode muito bem ter sido de Deus tornando Jesus o Filho de Deus como a Bíblia ensina”.

No fim, o Deus super tecnológico de Dione mal pode ser diferenciado daquele sobrenatural dos católicos. Não temos almas, mas a tecnologia pode tornar imortais nossas mentes, as quais são eletromagnéticas por natureza: “Deus irá escolher qual de nós sobreviverá como anjos nos ceús… pela análise das anotações de nossos anjos da guarda e pelo estudo da fitas de monitoramento que estão agora mesmo registrando nossas vidas”.

Dione foi evidentemente influenciado pela igreja Romana, já que devotou todo um capítulo para Fátima e citou a Bíblia através de uma versão revisada da tradução Douay. David F. McConnell, em seu livro Flying Saucers of the Lord (“Discos Voadores do Senhor” Economy Printing Company, Miami, Horida, 1969) usou a tradução do Rei James (sendo assim presume-se que seja protestante), mas suas interpretações são muito semelhantes às de Dione:

“Exôdo 13:21 E o Senhor ia adiante deles de dia numa coluna de nuvem, para guiá-los pelo caminho, e a noite em um coluna de fogo, para os iluminar, para prosseguirem de dia e a noite. Este era um caso de disco ou discos voadores do Senhor liderando os filhos de Israel pelas vastidões do Mar Vermelho …. Salmo 97:3 Adiante dele vai um fogo que abrasa os seus inimigos em redor.. Os discos voadores do Senhor com os anjos vão a frente do Senhor e queimam seus inimigos”.

Uma Questão de Fé

Até cerca de 1950, a religião parecia estar em declínio por toda a parte, enquanto que a ciência e o materialismo avançavam, aparentemente em direção ao ateísmo universal. Uma das objeções padrão à religião era que a Bíblia é cheia de milagres, algo que o progresso da ciência tinha indicado ser impossível. O Livro de Josué registra que Deus, a pedido de Josué, parou o sol em seu movimento durante todo um dia. Em tempos antigos, isto não parecia estranho; após Newton, era difícil de acreditar.

1950 viu a publicação de Mundos Em Colisão de Immanuel Velikovsky. Apesar de seu autor poder não ter percebido conscientemente, a intenção deste livro parece ter sido a reconciliação da ciência com a religião.

Como era judeu, para Velikovsky a religião significava o Velho Testamento. Ele sugeriu que muitas das maravilhas da Bíblia poderiam ser explicadas em termos totalmente científicos como sendo catástrofes em decorrência dos deslocamentos dos planetas Vênus e Marte. Ele considerava que Vênus teria surgido apenas há alguns milênios, quando foi ejetado de Júpiter. Em cerca de 1.500 AC ele se aproximou da Terra, causando vários efeitos gravitacionais dramáticos como a separação do Mar Vermelho e a interrupção do movimento do Sol mencionada acima. Por fim ele alcançou sua presente órbita que era então ocupada por Marte. Vênus estabeleceu-se na órbita de Marte, e Marte foi afastado do Sol, passando pela Terra em meio ao período relatado no Livro dos Reis bíblico, causando posteriormente vários aparentes milagres.

O dr. Velikovsky era amigo tanto de Sigmund Freud como de Albert Einstein, e evidentemente esperava que seu nome estaria um dia ao lado deles. Ele ficou desapontado: apesar de Mundos em Colisão ter sido publicado pela respeitada editora acadêmica Macmillan de Nova York, não apenas escritores científicos o denunciaram, mas universidades ameaçaram boicotar a lista inteira de livros da Macmillan enquanto o trabalho de Velikovsky nela permanecesse. Eles então transferiram os direitos para a Doubleday, que não trabalha com livros de ensino, e apesar de todas as críticas o livro vendeu bem por décadas. Apesar de haver existido objeções perfeitamente legítimas às teorias de Velikovsky no campo astronômico, esta reação extremada levou à suspeita de que seus oponentes estavam de alguma forma cientes do propósito religioso oculto do livro, e era a isso que objetavam.

De certo modo, Velikovsky estava firmemente inserido na tradição Rabínica, na qual toda e qualquer coisa pode ser encontrada na Torá (Lei de Deus). No século 12, quando a filosofia Aristotélica tornou-se popular entre os judeus, rabinos proclamavam encontrá-la em sua totalidade nas suas escrituras. Aristóteles ensinava existirem três partes da alma: a alma animal, a alma racional, e a alma divina. Pois a palavra Bíblica Hebraica para ‘alma’ é nephesh, mas vez ou outra ruach ou neshamah, ambas significando ‘vento’ ou ‘sopro’ e são utilizadas no sentido de ‘sopro da vida’. (Gênesis 2:7: “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o neshamah da vida; e o homem foi feito nephesh vivente”.) Assim foi explicado que nephesh era a alma animal, ruach a alma racional, e neshamah a alma divina. Tendo desta maneira descoberto todo o sistema de Aristóteles inserido em seus livros sagrados, eles declararam que Aristóteles deveria ter viajado para Jerusalém e aprendido com os judeus.

Já se brincava com a ideia de Antigos Astronautas desde 1919 com Charles Fort em O Livro dos Malditos. Também se tornou uma tema regular na ficção científica. Notavelmente, em novembro de 1947, Fantastic Stories teve um conto ‘Son of the Sun‘ (Filho do Sol), na forma de uma mensagem de um extraterrestre que revela para a raça humana que a nave sendo vista pelos céus (isto foi poucos meses após o início da primeira onda de discos voadores) tem visitado a Terra há tempos: seus ocupantes foram anteriormente confundidos com deuses. Eles deixaram para trás “certos pontos de referência” no Egito e em outros lugares. O autor desta obra, ‘Alexander Blade‘, não era outro senão Brinsley le Poer Trench, em seguida autor de uma série de livros sobre o tema, iniciando com The Sky People (“O Povo Celestial”, Neville Spearman, 160) e por daí em diante.

O primeiro tratamento importante sobre o tema foi o de Desmond Leslie em Flying Saucers Have Landed (“Os Discos Voadores Pousaram”), o qual apareceu três anos após Mundos Em Colisão. Após algumas narrativas de OVNIs modernos, Leslie subitamente voltou milhares de anos atrás para a Atlântida. Naqueles dias as pessoas voavam em máquinas chamadas vimanas, sobre as quais se escreveu: “…sua superfície exterior era aparentemente sem emendas e perfeitamente lisa, e brilhavam no escuro como se cobertas com uma pintura luminosa”. (FSHL, p. 81, citando W. Scott Elliott, The Story of Atlantis “A História de Atlântida”).

Estes não foram os primeiros discos voadores: de fato, a vida humana foi trazida primeiramente para a Terra a partir de Vênus pelos Senhores da Chama, de quem Leslie citou das Stanzas of Dzyan (“Estrofes de Dzyan”):

“Os Senhores da Chama ergueram-se e preparam-se… o Grande Senhor da Quarta Esfera (a Terra) aguardava sua chegada. O inferior (Terra) estava preparado. O superior (Vênus) estava conformado..”. Sua chegada assim foi descrita: “Quando com o poderoso rugido de uma rápida descida de incalculáveis alturas, cercada pelas massas incandescentes de fogo as quais preenchiam o céu disparando línguas chamejantes, a nave dos Senhores da Chama irromperam através dos espaços aéreos. Ela se deteve sobre a Ilha Branca que repousa no Mar de Gobi, verde ela era, e radiante com as primeiras flores, como se a Terra oferecesse seu melhor e mais belo para receber seu Rei”. (FSHL, p. 166, citando Besant e Leadbeater, Man: How, Whence and Whither “Homem: Como, De Onde e Para Onde”)

Leslie comentou: “Neste fragmento temos a primeira narrativa da aterrissagem de uma grande espaçonave ou disco voador… Por mais incrível que pareça, não pode haver outro significado para esta passagem”.

Ele datou esta aterrissagem ao ano 18.617.841 AC…

Em vista destas sensacionais conclusões, alguém poderia perguntar, quão confiáveis são essas fontes? Esta questão parece não ter ocorrido a Leslie. Suas principais fontes citadas são as Estrofes de Dzyan, junto com os escritos de Annie Besant, Charles Leadbeater, W. Scott Elliott e Alice Bailey. As Estrofes de Dzyan foram primeiro publicadas no livro A Doutrina Secreta de Madame Blavatsky, apresentado com a descrição: “Um Manuscrito arcaico – uma coleção em folhas de palma feitas impermeáveis a água, fogo e ao ar, por algum processo específico e desconhecido – que está diante dos olhos de quem escreve”. Infelizmente, este livro parece não ter estado diante dos olhos de mais ninguém, e a própria Madame Blavastsky provavelmente só o viu em clarividência. Portanto é razoável objetar que é uma questão de fé, ao invés de um registro histórico, aceitar sua narrativa dos Senhores da Chama. Além do mais, a informação fornecida por Besant, Leadbeater, Scott Elliot e Bailey foi também obtida por investigação psiquíca, (A data 18.617.841 estava “de acordo com as Tábuas de Brahmin”).

“Assim que abandonamos nossa própria razão e estamos dispostos a confiar na autoridade, não há fim para nossos problemas. Autoridade de quem? Do Velho Testamento? Do Novo Testamento? O Corão? Na prática, as pessoas escolhem o livro considerado sagrado pela comunidade na qual nasceram, e destacam desse livro as partes que gostam, ignorando as outras… Nenhum católico, por exemplo, levará a sério o texto que diz que um bispo deveria ser o marido de uma mulher”. (Bertrand Russel, Unpopular Essays “Ensaios Impopulares”, 1950, p. 108).

Assim, as principais fontes de Leslie foram escritores teosóficos, e mesmo que a Sociedade Teosófica queira negar, a Teosofia é de fato uma religião, com os escritos de Blavatsky, Besant e cia. sendo suas escrituras. Desmond Leslie era evidentemente um teosofista, e ele estava apenas atualizando sua religião vitoriana para incorporar o novo fenômeno dos discos voadores.

Para ser justo, ele também foi capaz de citar alguns livros inquestionavelmente antigos, principalmente o Mahabharata, que menciona naves voadoras e armamentos letais tais como a “Arma de Brahma” descrita em termos comparáveis a uma bomba nuclear. Apesar do próprio Mahabharata ser um livro sagrado para os hindus. Alguns anos atrás encontrei um guru indiano que estava a caminho da Califórnia. Ele disse que seu primeiro lar foi uma caverna no Himalaia, a qual era equipada com seu próprio aparelho de televisão. Ele explicou que teve de conseguir um para ver a dramatização do Mahabharata, já que era um dever religioso assisti-la.

Para muitos ocidentais, é claro, religião significa cristianismo e escritura, a Bíblia. O surgimento em 1956 de UFO and the Bible “OVNIs e a Bíblia” de Morris K. Jessup (Citadel Press, Nova York) já não foi novidade. Ele iniciou dizendo: “Dificilmente uma semana se passa sem que um leitor atento me envie sugestões de que deveria expôr as referências bíblicas aos OVNIs e fenômenos relacionados considerados por assim dizer milagrosos”.

Jessup começou com um posicionamento: “Acredito que é hora da Igreja e da Ciência enterrarem seus respectivos machados de guerra e deixar que o cachimbo da paz intelectual ilumine enquanto ambas as partes amadurecem ao redor da fogueira da tolerância e da pesquisa objetiva”. Como um exemplo da reconciliação destes dois lados, escolhe Reis II 2:11: “E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que uma carruagem de fogo, e cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho”. Jessup citou um “qualificado e profundo estudioso da Bíblia” um Sr. H. Lawrence Crowell, como afirmando que “as palavras em aramaico ruach cearah deveriam ser traduzidas como ‘explosão de energia’ ao invés de ‘redemoinho’”. Ele poderia assim, oferecer uma nova versão:

“Indo eles andando e falando, eis que apareceu um OVNI, emitindo faíscas e explosões, que os separou um do outro; e Elias foi arrebatado ao céu com uma explosão de energia”.

Tendo atingido este princípio de interpretação outros milagres são facilmente explicados. Considerando passagens tais como: “… e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carruagens de fogo, em redor de Eliseu”. (Reis II 6:17); “Cavalgava um querubim e voou; sim, levado velozmente nas asas do vento”. (Salmos 18:10), Jessup comentou: “Não podemos mais nos dar ao luxo de rir destas referências como meramente “pitorescas” e alegóricas, pois elas começam a soar cada vez mais como descrições precisas de OVNIs”.

Além da Crença

Pertinente aqui é o furor, criado por Honest To God “Honesto Para Com Deus” (SCM Press, 1963) escrito pelo bispo de Woolwich, John A. T. Robinson, que propôs uma pequena revolução na teologia. Ele iniciou perguntando se fazia sentido falar de Deus “lá em cima” em um universo copernicano. Ainda que seu argumento não tenha sido demonstrado claramente, ele apresentou uma proposta de substituir a religião “supranaturalista” por uma “naturalística”. Isto significava livrar-se dos milagres e quetais que a era científica tinha tornado um obstáculo para a fé, apesar de ele estar inseguro pelo quê eles deveriam ser trocados.

A edição original de Honesto Para Com Deus foi de 6.000 cópias, mas antes do fim do ano, mais de 350.000 tinham sido vendidas, mostrando que as questões levantadas já haviam incomodado muitas pessoas. Inevitavelmente houve controvérsia e pedidos pela renúncia do bispo, mas o mais significativo é que os críticos não concordavam entre eles. Um homem escreveu para ele “Eu tenho, e milhares têm, uma imagem de Deus no céu. Os pregadores sempre falaram de um Deus lá em cima, mas agora os pregadores estão contradizendo tudo que haviam dito… Estas novas crenças arrasarão os cristãos que acreditam existir um Deus e pode muito bem ser que a Igreja em geral se divida. As palavras de fé nada mais significarão. É como de repente dizer a um jovem que acredita de todo coração no Papai Noel, ‘não existe Papai Noel, é o seu pai’. Seria o fim do mundo para eles”. (Esta citação, e os outros comentários do debate sobre Honesto Para Com Deus, SCM, 1963). C. S. Lewis, ao contrário, ponderou que o bispo estava fazendo muito barulho por nada: “Há muito nós abandonamos a crença em um Deus que está sentado em um trono, em um paraíso que possa ser situado”.

Vozes de louvor eram muito mais comuns: a esposa de um vigário disse que o bispo tinha “feito a Igreja parecer mais viva de novo, quando por anos pareceu tão insuportavelmente morta!”. Cartas expressando concordância vieram de sacerdotes, teólogos, médicos, diretores de escola e empresários. “Um político bem conhecido” escreveu: “Ler o livro, e ouvir o que se fala, tem feito mais para validar a mensagem básica cristã e a tornar relevante para mim do que todos os sermões e serviços de que ouvi falar ou compareci”.

Até a chegada do debate sobre a ordenação de mulheres esta questão foi a maior controvérsia religiosa que a Igreja da Inglaterra tinha visto neste século. O que sugere, falando de modo geral, que o britânico se sentia incapaz de acreditar em um reconfortante Deus Pai ‘lá em cima’, bem como não podia acreditar no Papai Noel. Ainda que não se convertessem simplesmente ao ateísmo (como a maioria dos materialistas esperava que fizessem) eles porém sentiam a necessidade de algum tipo novo de religião ou crença, algo para substituir o velho Deus sobrenatural. O bispo Robinson ressaltou que nunca experimentou ter “renascido” (Honesto Para Com Deus, p. 27). Deste então, o mais notável desenvolvimento dentro da Igreja tinha sido o aumento da cristandade “renascida”. Um antigo “renascido”, me conta que é perfeitamente justo afirmar que cristãos renascidos são ensinados a não pensar. Ao invés disso são instruídos a se guiar pela autoridade da Bíblia e pela inspiração do Espírito Santo. Para esta parcela em crescimento da Igreja, não pode haver conflito entre ciência e religião, já que eles simplesmente não pensam sobre esta questão.

Mas para o resto do ‘Corpo de Cristo’ o problema ainda permanece, e as igrejas convencionais, não renascidas, seguem em declínio. Assim, os Deuses Espaciais têm sido capazes de oferecer sua ajuda para preencher o vácuo deixado pela partida do Deus Pai do seu trono no céu.

Retorno dos Deuses

Poucos anos depois apareceu o mais bem sucedido livro sobre Antigos Astronautas, Eram os Deuses Astronautas? de Erich Von Daniken 1969 (1a. ed. como Erinnerungen an die Zukunst, Econ-Verlog, 1968. O título original significava ‘Memórias do Futuro’). O que parecia gritante a qualquer um familiarizado com a literatura seria a falta de originalidade do livro. A despeito de suas contínuas referências a ‘minhas teorias‘ (etc.), quase tudo em seu livro já tinha sido percebido por Desmond Leslie, Robert Charroux, Pauwels e Bergier, W. Raymond Drake e outros. De fato, as citações de von Daniken do Ramayana e Mahabharata foram simplesmente pinçadas de “Os Discos Voadores Pousaram” (ele traduziu as versões inglesas do século 19 para o alemão, de onde Michael Heron converteu-as de volta ao inglês, assim as versões em Eram Os Deuses Astronautas? foram traduzidas triplamente. Do mesmo modo, quando von Daniken escreveu: “Vista do alto, a clara impressão que a Planície de Nazca com 60 km de extensão provocou em mim foi a de um aeroporto” (Eram Os…, p. 32), ele estava provavelmente mais influenciado nesta impressão pelo “Despertar dos Mágicos” de Louis Pauwels e Jacques Bergier (Mayflower, 1971, p. 117; 1a. ed. Paris, Editions Gallimard, 1960): “Fotografias tiradas da planície de Nazca invariavelmente lembram as luzes de iluminação de um aeroporto”. Seria tedioso analisar todo o livro desta forma, mas quase tudo nele havia sido dito antes.

Então por que este livro vendeu muito mais que seus predecessores? Parte do motivo sem dúvida é que von Daniken escreve em um estilo fluente e acessível (acima da média dos autores ufológicos), ele aparentou (ainda que superficialmente) ser científico, e de fato se dispôs a visitar muitos dos lugares sobre os quais escreveu.

Diferente de Desmond Leslie e muitos outros, seu tratamento foi simples e desprovido de misticismo. Leitores do The Sky People “O Povo Celestial” de Brinsley le Poet Trench, por exemplo, puderam travar conhecimento com o Jardim do Éden (um experimento galáctico de cruzamento de espécies realizado em Marte), Atlântida, Osíris e Ísis, Abraão, folclore dos índios pele-vermelhas, Sodoma (destruída por armas nucleares), tectitas, Jericó, a explosão siberiana em 1908, e a Estrela de Belém, mas talvez tudo tenha ficado muito confuso quando ele adicionou Madame Blavatsky, Kundalini, Gnosticismo, natureza etérea, mediunidade, o significado da cruz, poderes telepáticos e a ‘jornada de volta à Bondade’.

Talvez o motivo principal tenha sido simplesmente o fato de ter sido publicado na hora e lugar certos para influenciar aqueles que, como os descontentes leitores de Honesto Para Com Deus, procuravam um Deus não sobrenatural ‘lá em cima’. Por exemplo, Darwin deixou os cristãos pouco à vontade com o Gênesis, e o bispo Robinson pouco se preocupou em defendê-lo:

“Cem anos atrás a Igreja foi forçada a esclarecer se aceitava a narrativa de Adão como história ou mito. Até então, existiram muitos teólogos (São Paulo provavelmente entre eles) que, se inquiridos a respeito, não teriam imaginado que a veracidade da história dependesse de Adão ser de fato um personagem histórico. Mas a questão é que eles não foram pressionados a tal. Não havia uma necessidade que levasse à distinção entre as categorias de história e mito. Mas com a controvérsia darwiniana sobre a evolução a necessidade tornou-se vital. Era imperativo para a apologética cristã deixar claro que o Gênesis não era uma narrativa rival da antropologia primitiva. Se a distinção não tivesse sido feita, seria virtualmente impossível continuar a pregar a fé bíblica ao homem científico moderno”.

O próprio bispo se contentou com o mito, atribuindo a Adão e Eva o papel de metáforas para Todo Homem e Toda mulher, que sempre estão sujeitos a tentação (a Serpente). “Retroceda o quanto quiser, a natureza humana terá sido sempre assim. Este é o porquê de no mito eles terem sido colocados no início”. (John A. T. Robinson, But that I can’t believe! “Mas nisso não posso acreditar!”, Fontana, 1967).

Como são felizes aqueles que podem aceitar um mito como a verdade absoluta! Os renascidos, como sempre, permanecem com a Bíblia nesta questão. Muitos deles supõem que o mundo foi criado em 4.000 AC, portanto a datação radioativa está toda errada, dinossauros e o homem de Neanderthal nunca existiram e Darwin está condenado ao inferno. Alguns até mesmo sugerem que Deus criou fósseis, do modo como foram encontrados, com a intenção de enganar (“E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira”, Tes II 2:11) com o objetivo de testar a fé dos cristãos nas escrituras.

De Volta às Estrelas ofereceu, de novo, uma reconciliação entre as escrituras e a ciência: ele toma o Jardim do Éden com um registro acurado, não dos feitos de um Senhor Deus sobrenatural, mas da manipulação genética pela qual desconhecidos cosmonautas criaram o homo sapiens a partir do homem-macaco. Mesmo versículos estranhos podem desta forma ser críveis:

“’Então o SENHOR Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar; E da costela que o SENHOR Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão’. Eva deve ter sido produzida em um balão de ensaio. Assim uma quantidade de desenhos em cavernas apresentando objetos similares a balões de ensaio próximos a um homem primitivo foram preservados. Poderiam inteligências alienígenas com ciência e conhecimento altamente desenvolvidos sobre as reações de imunidade biológicas dos ossos terem usado a medula de Adão como cultura celular, e levado o esperma a nela se desenvolver?”.

Assim está escrito na Bíblia

Milagres à parte, a exatidão da Bíblia tem sido assunto de disputa desde o século 18: até então, aparentemente não havia ocorrido a ninguém duvidar dela. Thomas Paine, autor de A Era da Razão, opôs-se à Bíblia pelo fato dela quase sempre retratar Deus com um louco tirano. Ele se baseia em argumentos críticos contra a suposta perfeição textual da Bíblia: o Livro de Reis (“pouco mais que uma história de assassinatos, traição, e guerras”) que na verdade contradiz-se a si mesmo: quando diz que os Reis de Judá e Israel eram ambos chamados Jorão, “um capítulo (Reis II 1:17) diz que Jorão de Judá começou a reinar no segundo ano de Jorão de Israel; e outro capítulo (8:16) diz que Jorão de Israel começou a reinar no quinto de ano do Jorão de Judá”. Tais erros são suficientes para refutar a velha afirmação de que é a palavra de Deus, ditada pelo Espírito Santo a escribas incapazes até mesmo de um simples erro clerical. Os cristãos renascidos respondem que não é possível compreender a Bíblia apropriadamente a menos que você nasça de novo em Jesus; qualquer um que levantar objeções como a citada acima ainda está sob a influência de Satã.

Escritores ufológicos estão divididos nesta questão. Alguns, como Dione, consideram-na precisa em seu todo, meramente necessitando de uma interpretação científica. Ao contrário do Gods and Spacemen in the Ancient East (“Deuses e Astronautas no Oriente Antigo”, Neville Spearman, 1968, Sphere, 1993) de W. Raymond Drake, embora contente com A Doutrina Secreta, Romances Sânscritos, Oahspe (produzido através de escrita automática por um dentista de Nova York), O Livro dos Mortos Egípcio e o Tibetano, as revelações de Aetherius através do Dr. George King, tinha dúvidas em relação ao valor histórico da Bíblia: “Egiptólogos, assiriologistas, arqueologistas de renome, homens da ciência, que devem conhecer os fatos, não encontram qualquer evidência do Êxodo… nenhum texto egípcio refere-se à milagrosa libertação mencionada na Bíblia… o Livro do Êxodo não é um registro verídico, crítico de eventos, história como escrevemos hoje… Com o devido respeito ao erudito Moisés, esta confusa narrativa religiosa em estilo inchado não faz juz a sua grande sabedoria; é duvidoso que por seu mérito literário atraísse alguma editora para publicá-lo hoje em dia”. (Ed. Mayflower, pp. 157-8).

Esta atitude é compreensível: qualquer um tentando uma revolução no pensar tenderia a desafiar os padrões aceitos e quem os estabeleceu. Se isso incluiu ‘A Bíblia está certa’, o livre pensador seria levado a questioná-la. Literatura do Antigo Oriente e obras de moderna inspiração, não tendo sido mencionadas na infância, não deveria haver motivos para duvidar delas.

Seja como for, os textos em que ele se baseou eram na sua maior parte obras religiosas de um tipo ou de outro. O mesmo é verdade para Robert Charroux. A capa para a edição original francesa do seu Le livres des Secrets Trahis (Robert Laffont, 1965) promete ter sido feito “a partir de documentos mais antigos que a Bíblia”. Estes são principalmente o Livro de Enoque e o Popol Vuh. Enoque trata dos “anjos caídos”, os quais desceram a terra, casaram com fêmeas humanas e ensinaram várias artes e ciências: isso indica “uma colonização de nosso mundo por cosmonautas” (p. 127); o conhecimento convencional, porém, posiciona o livro no período intertestamental. O Popol Vuh relata que uma mulher chamada Orejona desceu à Terra de Vênus, e deu à luz a raça humana acasalando com uma anta. Charroux aparentemente aceitou o fato por que este estava em um livro que ele supunha “mais velho que a Bíblia”.

A Verdade do Evangelho

Sobre o assunto da Imaculada Conceição, o bispo Robinson assim resumiu a posição dos céticos modernos: “Você não pode acreditar tanto assim, pode? Estrelas pairando sobre manjedouras, coros angélicos iluminando os céus, Deus vindo à Terra na forma de um homem – como um visitante do espaço exterior? Você não pode mesmo acreditar em tudo isso hoje em dia”. (But that I can’t believe! “Mas nisso não posso acreditar!”, p. 27).

A resposta do bispo foi vaga, sugerindo que a estrela e os anjos e a mãe Virgem eram “poesia”, um modo de dizer “Deus está em todo lugar”. Ele inconscientemente sugeriu a nova solução de ‘um visitante do espaço exterior‘, que seria tão entusiasticamente adotada por alguns. “O único objeto celestial a aparecer subitamente próximo o suficiente a Terra para ser visível dentro de um pequeno ângulo, que se mova orientando seguidores, que permaneça parado, é uma espaçonave controlada por uma inteligência”. (W. Raymond Drake, Gods and Spaceman throughout History “Deuses e Espaçonaves Através da História”, Sphere, 1977, p. 184) “A chegada do Cristo menino à Terra por meio de uma espaçonave é menos fantástica, mais crível, lógica e aceitável, do que o dogma etéreo ensinado pela Igreja Cristã”. (Robin Collyns, Did Spacemen Colonise the Earth? “Homens do Espaço Colonizaram a Terra?”, Mayflower, 1975, p. 163). Em 1976 W. Raymond Drake podia declarar: “Hoje as únicas pessoas preparadas para aceitar estas maravilhas do Novo Testamento como literalmente verdade parecem ser nós que acreditamos nos Discos Voadores,” (Gods and Spacemen in Anciente Israel “Deuses e Homens do Espaço no Antigo Israel”, Sphere, p. 11).

A questão da ressurreição era complicada até mesmo para os ufólogos escritores, mas não intimidou Paul Thomas (Flying Saucers Through the Ages “Discos Voadores Através das Eras”, Neville Spearman, 1965; ed. francesa, 1962, Thomas era na verdade Paul Misraki, um conhecido músico popular francês) que era católico (tal como Dione ele concedeu um capítulo a Fátima), assim como seu tradutor para o inglês Gavin Gibbons. Contudo, sua interpretação para o retorno de Jesus dos mortos não lhe recomendaria junto a Congregação para a Doutrina da Fé. Ele sugeriu que Jesus Cristo era uma ‘mutação biológica‘ produzida por experimentação genética alienígena. Na verdade, o interesse dos Anjos Astronautas pelas Crianças de Israel, desde o tempo de Abraão, era por um grupo genético o qual daria origem ao primeiro espécime da nova fase da evolução: humanos que poderiam morrer e então naturalmente voltar a vida, como foi demonstrado através da crucificação.

Se isso fosse verdade, alguém poderia esperar que Jesus tivesse sido encorajado a ter tantos filhos quanto possível: mas, como Thomas/Misraki admite, ele deixou o mundo sem crianças (o Sangue Sagrado e o Santo Graal o contradizem); então parece que por alguma razão os alienígenas decidiram fazer uma pausa antes de tornar os benefícios da imortalidade disponíveis a todos.

A vida no porvir

O outro conceito chave de uma religião é o ensinamento sobre o futuro, no qual quase sempre, os erros do presente serão corrigidos de alguma forma. Ou existe uma vida após a morte na qual recompensas e punições serão atribuídas, ou vidas futuras serão concedidas com base no comportamento passado, ou senão existirá uma Segunda Vinda, na qual o Reino Divino será trazido a Terra, e (após os perversos serem jogados no poço ardente que queimará para todo o sempre) a paz universal e a felicidade reinarão pela eternidade. Uma das profecias mais conhecidas em relação a esta última afirmação é Marcos 13:26-27: “E então verão vir o Filho do homem nas nuvens, com grande poder e glória. E ele enviará os seus anjos, e ajuntará os seus escolhidos, desde os quatro ventos, da extremidade da terra até a extremidade do céu”.

Morris K. Jessup produziu sua própria versão:

“Podemos parafraseá-la um pouco? (tal como combinar os versículos 26 e 27) A reluzente e poderosa nave mãe aparecerá por entre as nuvens e o Mestre enviará seus assistentes em naves menores, e reunirão de todas as partes da terra aqueles que sobreviveram ao impacto do cataclisma e que alcançaram temporariamente lugares a salvo, e particularmente aqueles que a Raça Pastora considerou mais adequados para a propagação e ressurgimento da humanidade em uma nova geração racial, e estes serão levados a viver por um tempo nas regiões celestiais que são o lar dos OVNIs no espaço.

Não resta muito mais a dizer, resta?”

Algumas pessoas concluiriam a partir disto tudo que não há motivos para acreditar em Deuses ou Astronautas. Na verdade tudo isso prova que as pessoas têm uma forte necessidade de algum tipo de religião, e se uma lhes é tomada eles logo procuram por outra. Mesmo os mais ferrenhos secularistas admitiriam que a crença em Deuses Astronautas é inofensiva enquanto religião: destes crentes não se espera que obedeçam a todo comando de uma classe sacerdotal, ou que queimem heréticos na fogueira. A Ciência poderá um dia ser capaz de fornecer uma explicação concreta para o impulso religioso: até lá, a fronteira entre ciência e religião permanecerá território incerto e litigioso.

– – –

Do Púlpito

Barry H. Downing, um pastor presbiteriano em Endwell, Nova York, foi um clérigo (que provavelmente falava por muitos) que veio a favor de tais interpretações com The Bible and Flying Saucers (“A Bíblia e os Discos Voadores” Sphere, 1973; 1a. ed. EUA, 1968). Downing foi capaz de salvar um Deus mais tradicional do trabalho dos Anjos Espaciais por meio do seguinte argumento: “Suponha que, em quinhentos anos, os humanos na Terra devam ter avançado tecnologicamente para a era espacial, a ponto de sermos capazes de viajar para um outro mundo em uma espaçonave e descobrir seres inteligentes que são cientificamente primitivos. Suponha que missionários cristãos viajem pelo espaço até este planeta para tentar converter este povo primitivo ao Cristianismo. Como estas pessoas falariam sobre nossos missionários? A Bíblia parece sugerir que os anjos são muito similares a missionários de um outro mundo”.

Deuses Estranhos

O ponto inicial do The Sirius Mystery “O Mistério de Sirius” de Robert Temple eram os Dogons, uma tribo sudanesa, de quem antropólogos franceses aprenderam tradições relatando serem visitados por criaturas vindas de Sirius.

Temple reproduziu as opiniões deles, e então tentou provar que a mesma informação era conhecida pelos antigos sacerdotes egípcios como uma tradição secreta, e mais tarde por vários filósofos gregos que teriam sido iniciados nos seus mistérios. Claro que estas tradições nunca foram escritas, e Temple teve que adivinhá-las a partir de pistas escassas. Suas fontes principais eram The Gods of the Egyptians “Os Deuses dos Egípcios” de Wallis Budge, os épicos da mesopotâmia, os Livros Herméticos, The Greek Myths “Os Mitos Gregos”, Plutarch On Isis and Osiris “Plutarco Sobre Isis e Osiris”, e os neo-platonistas. Todos estes são escritos sagrados dos pagãos, ou modernos resumos dos mesmos. Em um palpite, alguém poderia supor que Robert Temple seria ele mesmo um pagão, particularmente pelo fato de ignorar completamente a Bíblia, e sua única referência ao cristianismo seja: “As perversões do cristianismo sempre me pareceram personificar uma perversão da noção do ‘pecado’, pelo modo com que esse tal ‘pecado’ seria explorado como uma chantagem mundana aos outros seres humanos”.

Tags: , , ,

406 Responses to Quem Ensinou Deus a Pilotar? As Origens do Mito dos Deuses Astronautas

  1. Paulo Cesar disse:

    Isso tudo tem um potencial fantástico para ficção! Consigo lembrar de duas coisas que usam isso extensivamente e de maneira fantástica: Stargate e Assassin’s Creed.

  2. LEx disse:

    Excelente artigo.

    Li o livro de Daniken duas vezes, assisti ao documentário e recentemente consegui comprar a primeira edição brasileira do livro, mas Daniken não é louco, ele é fanático, e como tal, exerga aquilo que lhe convem. Mas indico mais dois livros que vêem ligar diretamente com o artigo:
    Vimana: Childress, David Hatcher
    Patriarcas e Profetas – Ellen G. White

    O primeiro livro trata justamente do UFOs Atlântis, apesar de ser tedencioso, é muito interessante ver como o autor liga fatos históricos com as suas viagens psicodélicas.
    O segundo livro, me foi presenteado por uma padre católico, que durante um debate na faculdade, ele me “garantiu” que depois de ler esse livro eu entenderia a “Mente de Deus”, pois bem, o livro tenta explicar em palavras simples a Bíblia, assim como Daniken fez, mas no sentido de que o Deus Bíblico tinha que ser tirano pois o povo da época só entendia essa linguagem, ou seja, tratou violência com violência, meio estranho para um Deus que dizem ser feito de Puro Amor…

    Todos sabem que os maiores ídolos da história são viciados, atormentados ou esquizofrenicos, a exemplo, Jimi Hendrix, Elvis, Michael Jackson, Jin Morrison e porque não Hitler e Gengis Khan dentre outros, assim, imaginem em uma época que a única coisa que o povo tinha em mente era se alimentar, derrepente aparece um “louco” contando histórias maravilhosas e supra-naturais… É lógico que viraria ídolo instantaneamente…

  3. Raul disse:

    Escapando (mesmo que de leve) do mundinho que conhecemos, vemos e apalpamos, o que nos resta senão a simples e mais pura fé?

    Em que ou quem nos apoiar para justificar nosso vazio criado pela dúvida e incerteza que é gerada por nossa limitação racional? Crer naquilo que dizem ser entidades espirituais, vida extra-terrestre, ou apenas no acaso ensinado pela nossa ciência?

    O que é mais lógico? Se abster de morrer por uma incerteza (fé) ou jogar a moeda ao alto e selecionar uma incerteza (fé) que você defenderá com unhas e dentes?

    Não sei…

  4. Magno disse:

    Afinal, qual é a finalidade do texto?

    Se tinha o objetivo de desqualificar tanto as crenças religiosas, quanto a crença ufológica, acredito que teve um efeito contrario no tocante a ufologia.

    Esqueceram de citar Zecharia Sitchin, tido como a maior autoridade em escrita cuneiforme suméria, que segundo ele, todos os seus livros foram baseado nas traduções dessas escritas.

    No caso de Sitchin, temos apenas duas hipóteses, tendo em vista que as escritas suméria é um fato.

    Ou ele era um tremendo charlatão e traduziu de acordo com suas idéias, criando uma estória fantástica, sem nenhuma veracidade, ou os sumérios realmente escreveram de acordo como ele traduziu.

    A primeira hipótese, foi levantada logo após a publicação do seu livro por autoridades americanas, inclusive chamando-o de charlatão, mas na invasão do Iraque pelos americanos, o segundo alvo bombardeado foi justamente o museu de arqueologia iraquiana, onde por coincidência encotráva-se algo em torno de 60.000 tabuletas e cilindros de argila, com escritas sumérias, que por coincidência sumiram e por um acaso do destino, a NASA contrarou Sitchin (tido como charlatão), como consultor e tradutor.

    Se a nossa ciência oficial, tivesse por finalidade comprovar a visita de antigos astronautas, evidências a favor era o que não faltava, mas como existe a tendência de negar essa possibilidade, ela cria teorias mais mirabolantes do que essa hipótese para explicar evidências físicas, como as construções egípcias, mexicanas, peruanas, cambojanas e etc.

    • Mori disse:

      A NASA nunca contratou Sitchin. E para ter uma ideia dos artifícios de que Sitchin se valeu — afinal, nós leigos, incluindo eu mesmo, não conseguimos interpretar cuneiformes — leia-se este caso em que Sitchin distorceu informações muito mais amplamente conhecidas e compreendidas:
      http://www.ceticismoaberto.com/ufologia/2234/os-223-genes-de-sitchin

      Concordo, no entanto, que as ideias da arqueologia e antropologia para explicar e entender civilizações antigas são mais mirabolantes. Praticamente qualquer coisa é mais mirabolante que a fantasia simples de que foi tudo criado magicamente por seres extraterrestres, enquanto os antigos viviam simplesmente em carvernas com tacapes arrastando mulheres pelos cabelos. A realidade costuma ser mais mirabolante que a ficção.

      Ao invés dos antigos egípcios terem sido apenas espectadores de alienígenas fazendo blocos megalíticos flutuarem, ao invés mesmo dos antigos egípcios terem construído as pirâmides com trabalho escravo, a compreensão moderna — já há quase um século — é a de que as pirâmides foram tanto fruto quanto raiz de uma complexa sociedade e cultura, que deixou muitos outros artefatos além das pirâmides.

      Décadas antes de Sitchin, um dos primeiros autores a destacar tabuletas sumérias como possível evidência de contatos na Antiguidade foi ninguém menos que Carl Sagan, em co-autoria com Shklovski. Mas os dois cientistas, sérios, mencionam o elemento como um elemento curioso, acompanhado de ifnormação relevante que Sitchin posteriormente omitiria.

  5. Magno disse:

    Achei legal essa parte:

    “O Popol Vuh relata que uma mulher chamada Orejona desceu à Terra de Vênus, e deu à luz a raça humana acasalando com uma anta.”

    Isso explica porque muitos têm o raciocínio comparado com o de uma anta.

  6. Rodrigo Aguiar disse:

    Pseudo Cético.

    É verdade, em um “site” que se denomina cético, o texto abriga argumentos para defesa de qualquer ponto de vista, seja religioso ou científico, aproximando-se de um filme de ficção científica.

    O fato é que somos diferentes dos outros seres.

    Nossa cognição é infinitamente superior aos dos outros seres vivos.

    O instinto visto nos animais ocorre devido a uma transmissão genética, salvo engano.

    Isto posto, ou o nosso gene é alienígena, ou pulamos algumas fases neste processo evolutivo, uma vez que cada espécie dentro das suas particularidades apresentam comportamentos comuns ou limitados quando comparados à inteligência humana.

    No tocante aos outros temas, ninguém nunca viu Deus, ninguém nunca viu um alien, logo tais assuntos não possuem nenhum valor científico.

  7. Rodrigo Aguiar disse:

    Para não fica em cima do muro.

    Acredito que a ciência tem um fim e a religião tem outro.

    A ciência tem como princípio o estudo das coisas por meios laboriosamente comprovados.

    A religião tem por fim instruir o homem com princípios filosóficos.

    A liberdade livre de máculas e preconceitos, de acordo com os livros de história, pregam que todo ser humano é livre para acreditar no que quiser.

    As únicas ressalvas que faço são pelo fato do texto conter trechos de intolerância religiosa, especialmente contra o cristianismo, conforme transcrições abaixo:

    “As perversões do cristianismo sempre me pareceram personificar uma perversão da noção do ‘pecado’, pelo modo com que esse tal ‘pecado’ seria explorado como uma chantagem mundana aos outros seres humanos”.

    “Tais erros são suficientes para refutar a velha afirmação de que é a palavra de Deus, ditada pelo Espírito Santo a escribas incapazes até mesmo de um simples erro clerical. Os cristãos renascidos respondem que não é possível compreender a Bíblia apropriadamente a menos que você nasça de novo em Jesus; qualquer um que levantar objeções como a citada acima ainda está sob a influência de Satã.”

  8. Antonio Andrada disse:

    Ohhh confusão esse ceticismo tablóide!!!

    Já tinham feito amarrado as mesmas asneiras em “de Cthulhu à Clonagem” mas o artigo era melhorzinho.

    Vou repetir o que disse na época:

    Afinal, atribuir a ideia de “deuses astronautas” , distorcendo a informação sobre os autores celébres, tirando-os do contexto histórico e comparando-os com exemplos escolhidos da literatura contemporãnea de gente fanática não me parece nada honesto por parte do autor. De qualquer maneira, o que fizeram estes autores foram re-interpretar o conhecimento antigo, que está aí para quem quiser ver e ler. Tais textos antigos já exibiam essa noção em seus mitos de origem onde “seres ou homens fundadores da civilização e criadores do homem que vinham claramente de algumas constelações”. Não há invenção moderna nisso!!! Foi no final do sec. XVIII e em todo o sec. XIX que a europa começou a conhecer as traduções dos mitos orientais de criação, Os autores de ficção e os de Realismo fantástico só ligaram os pontos para transferir essa ideia para visão moderna 9portanto uma re-interpretação, não invenção) sobre o conceito de alienígenas (fora da terra) terem criado a humanidade e depois a civilização, assim como fez Lovecraft (ficção); Daniken (Realismo fantástico) e tantos outros. Daniken, por sinal nunca afirmou nada de decisivo em os deuses astronautas, o contexto do livro é todo feito sobre perguntas.

    Assim, é na verdade a ficção que imitou a vida neste caso.

    Também não concordo com a idéia de que as hipóteses dos antigos astronautas sejam uma ressignificação dos “arquétipos religiosos”???!!!

    Lembrem-se que a a hipótese dos antigos astronautas é uma narrativa positivista) O mito do darwinismo, muito mais metafísico, que seja uma religião de facto é bem claro em sua orientação materialista absoluta, assim ele não impôs uma cisão na lógica do pensamento transcendental do sagrado que se manteve essencialista, afirmar que deuses astronautas é uma releitura estrutural do cristianismo só porque um doido escreveu um livro maluco é ridículo! Este é um erro grotesco, quem escreveu confundiu tudo e mais um pouco, e se mostra tão maluco quanto o doido.

    Evolução e Cristianismo, ambos são mitos de criação supervalorizados pelo ocidente e que ainda estão de mãos dadas no limbo da metafisica, a teoria dos deuses astronautas é uma proposição extremamente materialista, mecanicista e positivista que ameaça tanto o darwinismo (pois é uma teoria criacionista científica) como a religião (pois oferece um aporte explicativo suficiente do naturalismo metodológico)

    Assim, este artigo que quer misturar autores se pé nem cabeça com gente séria que diz coisas totalmente diferentes: OLHA UMA TÁTICA DESONESTA APARECENDO AI! perde-se em sentido na sua tendenciosidade e na falta de profundidade.

    • Mori disse:

      Não ficou claro, mas se considera Daniken uma “pessoa séria”? Que nunca teria afirmado nada de decisivo?

      Daniken criou até um parque temático com suas “perguntas”. Assim como é, estilisticamente, pouco recomendado que alguém escreva “em minha opinião” em um ensaio, porque é evidente que qualquer argumentação, salvo alerta *em contrário*, é a opinião do autor; é apenas certo recurso dialético que Daniken formule suas afirmações como supostos questionamentos, hipóteses e teses. Qualquer um que leia seus livros só pode concluir que o autor pretende a todo momento persuadir o leitor de que as teses (que o autor atribui a si mesmo) são as únicas respostas viáveis aos elementos que apresenta.

      O que até seria válido por si mesmo, não fosse o fato de que a argumentação e os “fatos” que apresenta fossem tão comumente falaciosos ou simplesmente falsos. Como o próprio Daniken reconheceria posteriormente — não sem sempre se abrigar na desculpa de “nunca ter afirmado nada”. Isso não é intelectualmente honesto.

      Em contrapartida, as considerações de Colavito e Graeber me parecem muito mais honestas e ponderadas, ainda que não se concorde com todas elas. A ideia de deuses astronautas não surgiu em um vácuo cultural, muito pelo contrário.

  9. LEx disse:

    Paulo Cesar em 17 de maio 2011 às 10h08
    “Consigo lembrar de duas coisas que usam isso extensivamente e de maneira fantástica: Stargate e Assassin’s Creed.”

    Não sou muito fã absoluto de Assassin´s Creed (não terminei o 2 ainda…), mas não vejo como se encaixa no texo. Stargate pode ser…
    ___________________________________

    Magno em 17 de maio 2011 às 12h49
    Afinal, qual é a finalidade do texto?

    Brother, eu também não sei, mas tomando por conta o que tu disse, acho o seguinte: Nós, qualquer um, tem sempre o instinto de subestimar os outros, a exemplo as crianças. Elas são tão inteligentes como os adultos, mas o que lhes falta é a experiência, e isso nos faz achar que elas “vão ficando inteligentes” conforme a idade, o que não é verdade, acho que se encaixa no conceito da Tabula Rasa.

    _____________________
    Rodrigo Aguiar em 17 de maio 2011 às 13h36
    “Acredito que a ciência tem um fim e a religião tem outro.”

    Concordo… Mas para mim a Religião TERIA o objetivo filosófico, mas isso não acontece hoje.

  10. LEx disse:

    Antonio Andrada em 17 de maio 2011 às 17h09,

    0110001101100001011011000110000100101101
    0111010001100101

  11. Rodrigo Aguiar disse:

    Enviado por LEx em 17 de maio 2011 às 17h11

    É verdade, hoje o mundo gira em torno do Capital.

    Pensando bem, talvez podemos aplicar este raciocíonio em (quase) todas as atividades humanas.

    Será que não esta na hora de destruirmos o Capitalismo ??? Quem topa ?

    • Sebastião Alves disse:

      Olá Rodrigo Aguiar.
      Qual regime você propõe? O de Cuba, talvez? O da extinta União Soviética? Mas estamos fugindo do foco. Se há planetas que só hoje detectamos, mas os antigos já sabiam, que outra prova precisamos? Sei: mostrar algo a quem não quer ver, é como morder água.

  12. Rodrigo Aguiar disse:

    Enviado por Antonio Andrada em 17 de maio 2011 às 17h09

    “Evolução e Cristianismo, ambos são mitos de criação supervalorizados pelo ocidente …”

    Para negar a teoria da evolução é necessário apresentar uma outra tese que explique a evolução da vida.

    Cristianismo, judaísmo, budismo, catolicismo, espiritismo, são como times de futebol.

    Os Times são inofensivos, o problema é a torcida, que só briga, faz um barulho danado, e no final não ganha nada com isto.

    Quem vence no final são os patriocinadores, que vendem seu produto, e enchem a “sacolinha” e ainda saem como o rabo cheio de dinheiro.

    E quem tem dinheiro tem poder, e quem tem poder não quer perde-lo, e a guerra é a melhor forma de se manter no poder.

    O contexto não mudou de lá pra cá.

    Por isto, antes de por a culpa na religião, pesquise quem são seus patriocinadores, e lembre-se a religião é uma ramo da filosofica. (ou era, agora é um meio de se ganhar muito dinheiro)

  13. Nihil Lemos disse:

    Mesmo considerando que gente da laia de Däniken e similares charlatões confesso que são sagazes e criativos ou mesmo convincentes dependendo de quem os lê.

    Magno,

    Isso explica porque muitos têm o raciocínio comparado com o de uma anta.

    Lendo os fóruns do Orkut, tags de Twitter, comentários no Youtube, páginas do Facebook, comentários em sites de jornal e blogs de humor… Diria que 99% dos internautas têm raciocínio igual de uma anta. O Mori tem que ser grato por ainda ter comentaristas que usam mais de dois neurônios.

    Bem, já foi provado cintificamente que é lenda o papo que usamos 10% do cérebro. Os cientistas afirmam que usamos 100% de sua capacidade o tempo todo. Mas isso porque eles não consultaram usuários de MSN e freqüentadores de chat da UOL. Porque se os consultarem teriam de rever os estudos.

  14. Joao disse:

    a respeito do Zecharia Sitchin, não existe outro “especialista” nessa área não?
    Qual a interpretação dele sobre as escritas? Acho interessante essa coisa dele ter sido chamado pela NASA como consultor… no livro dele pelo menos consta essa referÊncia… agora se é veridica ou não, num sei!
    alguém tem informações relevantes a respeito?

  15. Joao disse:

    usa 100% e com cogumelos 250% !!!!!!!
    ve tudo tudo tudo tudo! rs

  16. B.S. Possi disse:

    Sobre Sitchin é complicado ão é mesmo, afinal Daniken é apenas um escritor, preocupado em vender livros, Sitchin era um historiador e especialista sério, que se deparou com textos inacreditavelmete especificos, além de relatos fabulosos sobre uma civilização anos-luz a frete de seu tempo.
    Nunca se pode contestar Sitchim pelo simples fato de todos os outros especialistas também lerem a mesma coisa, quando o 12º planeta foi lançado, houve sim contestação, porém foi comprovado que os textos foram traduzidos corretamente, todos os outros especialistas comcordam.
    Quando se fala de Sitchim, não da pra dizer que se trata de mais um lunático, ao contrario, sua capacidade profissional nunca foi contestada, muito menos suas faculdades mentais.
    Além do mais, muita arte suméria pode ser vista, e da pra se notar com muita facilidade que o que Sitchim traduziu esta correto.

    Se o que esta escrito nas tabuas, tem a mesma conotação do antigo testamento e tudo não passa de lendas, ou mitos, esta sim seria uma outra questão, mais que os sumerios acreditavam nisso, quanto a isso não existe duvidas

  17. Prof. Alex disse:

    Vejam toda a “bagagem” de Sitchin aqui:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Zechariah_Sitchin

  18. Nihil Lemos disse:

    Um Däniken com diploma. Como ele conseguiu aí já é outra longa (e obscura) história.

  19. B.S. Possi disse:

    fonte: wikipedia? só pode ser brincadeira…
    mas…

    Os sumerios acreditavam no 12 Planeta?
    SIM.
    Existe constestação sobre este fato?
    NÃO.
    Sitchim INVENTOU o 12 Planeta?
    NÃO, quem inventou foram os sumerios que escreveram isso em tabuas de argila

    Para esclarecer, os sumerios também invetaram a escrita(os primeiros a utilizar as cuneformes), ,tijólos ,escolas, medicina, metalurgia, os primeiros a se utilizarem da astronomia, a primeira civilização constituida e a possuir cidades, sem contar que influenciaram praticamente quase todo o antigo testamento até o evento do exodo, lendas biblicas como a criação, Adão, Caim e Abel, Diluvio e outras são baseadas em contos sumerios, se é verdade, ESTA SIM É OUTRA QUESTÃO, mais que os sumerios que criaram isso, SIM FORAM ELES e não Sitchim.

    Agora é facil vir e falar NÃO, NÃO ESTA ESCRITO ISSO!!!! É MENTIRA!!!

    Bom, ler e traduzir a primeira escrita da história não é facil, qualquer um diz o que achar mais conveniente, mais claro que a biblia impossivel, e mesmo assim a religiões baseadas no antigo e novo testamento tem divisões, o que dizer de textos muito mais antigos?

    Tenho certeza absoluta que daqui pra frente sempre veremos muito mais gente contestando Sitchim, afinal ele morreu, não esta mais aqui para se defender, o estranho é que antes, quando contestado, ele sempre teve respostas, não pela sua crença particular, mais sim pelos proprios relatos sumérios.

    Projeto Genoma da Deusa de UR:
    O ultimo projeto de Sitchim, que ele não teve como terminar, pra quem ainda não leu a respeito, trata de um exame genético em uma mumia muito antiga, se seria irmã de um rei babilônico, que pelos sumerios, seria um dos “decidos do ceu”, ou seja, se for possivel a comprovação pelo exame de DNA é possivel provar que seu DNA é alienigena, o projeto praticamente acabou, alguns pedidos foram negados, vão jogar tudo pra debaixo do tapete, como ele já morreu, vão ridiculariza-lo, e pronto, fim da história.

  20. Nihil Lemos disse:

    se for possivel a comprovação pelo exame de DNA é possivel provar que seu DNA é alienigena,

    Como? Está escrito no genoma um aviso que indique que o DNA é extraterrestre?

  21. Rafael disse:

    Ja fui adepto do livro eram os deuses astronautas e das teorias do Sitchin.
    Hoje nao sou mais. O que mori mostrou e a mais pura verdade.
    Alem das mentiras de Sitchin e eric van bomel, ambos ja foram ate mesmo desafiado em publico nos EUA para trazer provas sobre a veracidade de suas informacoes, mas eles nao responderam ao desafio proposto por arqueologos.

    Posso passar o site depois.

    Fico realmente impressionado como uma grande massa de pessoas sao adeptos dos “eram os deuses astronautas” sem sequer dar o trabalho de fazer uma pesquisa sobre ambos para comprovar a veracidade das informacoes.

    Hoje basta lancar um livro com informacoes legais e interessantes(afinal, que legal pensar que deuses alem de existir eram extraterrestres que vieram do espaco e lutaram na terra antes do homem nascer!), que a grande masssa acredita sem questionar.

    E uma pena!

    Acredito em extraterrestres, bem como na existencia de vida apos a morte, mas definitivamente nao por esses meios(Sitchin e eric) e sim por provas mais contudentes e serias.

    Se qualquer um aqui quer achar provas sobre o “sobrenatural” sugiro procurar informacoes mais solidas, preferencialmente ausente de criticas.
    sugestao: site obras psicografadas joao de deus e benjamin solari.

    • Mori disse:

      Bacana, Rafael. A ideia de deuses astronautas, e de contatos na Antiguidade em geral, é não só atraente como muito plausível.

      Infelizmente não há evidência sólida a respeito. E ao promover falsas evidências, ou omitir informações, o que os principais vendedores destas ideias como Daniken ou Sitchin acabam fazendo é minar a credibilidade de um conceito, uma possibilidade, que repetindo deve sim ser levado muito a sério.

      Não é a ciência a atrapalhar, são mesmo os pseudocientistas.

  22. João Santos disse:

    Os incidentes com OVNIs, nos quais os ocupantes foram vistos, nos dão conta de que são todos humanoides. Nunca foram reportados uma outra anatomia. A partir desse presuposto, poder-se-ia reforçar a ideia de que os processos de formação no universo devem seguir padrões semelhantes aos que ocorreram na Terra.

    E, se esses processos vêm ocorrendo indefinidamente no cosmo, ficaria apenas a pergunta de quando e onde se deu o início do processo que culminou com o primeiro ser inteligente, e por qual motivo a forma humanoide insiste em se consolidar perpetuamente, se não há nenhuma intencionalidade inteligente sobrenatural atuando veladamente.

    Seria essa autoconsciência cósmica “burra”, por sempre “eleger” a forma humanoide para se fazer representar como maior nível de consciência?

    Ou seria esse o sentido bíblico de que somos a imagem e semelhança de Deus, uma vez que somos os produtos finais desse eterno acaso repetitivo ?

  23. Rafael disse:

    Concordo mori.
    Do mesmo jeito que guerras atrasam o avanco da humanidade. Os fraudadores e piadistas de plantao atrasam o desenvolvimento pesquisas com “o sobrenatural”

    Veja so
    Vc ja viu o quanto se gasta com armas e guerras ?

    So pra vc ter uma ideia do que estou falando, o projeto para criar o aviao steah custou 60 bilhoes de dolares.

    A guerra contra o terror dos EUA custou 3 trillhoes de dolares.

    Agora imagine se tudo isso e todos os dolares gastos com todas guerras e armamentos tivessem sido investido em cura para doencas, desenvolvimento de tecnologias para melhorar a vida do homem ?

    Provavelmente nao teriamos pessoas morrendo de fome, tb nao teriamos problemas com o cancer e com a aids. Tb teriamos salarios melhores para todos. Quem sabe poderiamos ter acabo com a pobreza no mundo. E talvez estivessemos expetativa de vida de 130 anos.

    Mas, desculpe-me pela grosseria e desabafo, parece-me que so ha duas coisas infinitas na realidade, o universo e a estupidez humana.

    Entre melhorar a vida das pessoas ou gastar 60 bilhoes contruindo cacas invisiveis, nos escolhemos cacas.

    Bom, o que eu quero dizer e que o mesmo raciocinio aplicado acima vale para as pesquisas do “sobrenatural”.

    Existe em revistas cientificas mundialmente reconhecidas de parapsicologias testes que comprovam a existencia de mediuns, que sao pessoas capazes de se comunicar com os mortos, assim conhecidos popularmente ou ter informacoes de pessoas que ja morreram, assim trabalhos como esse deveria ter mais investimentos e atencao da sociedade.

    Porem fradadores e piadistas de plantao faz assunto importantes como esse nao ser levado tao a serio, da mesma forma que o investimento coom armas e guerras atrapalham o progresso do homem.

    Bom o site com criticas a SITCHIN e eric van… esta aqui

    http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&tl=pt&u=http%3A%2F%2Fwww.sitchiniswrong.com%2F&anno=2

  24. LEx disse:

    Sei não…

    Alguém aqui anda acompanhando a série Fringe?

    O lance “das primeiras pessoas” é um bagulho bem louco…

    Segundo Einstein, a viagem no tempo é possível, porém a raça humana nunca se desenvolverá a esse ponto, pois se isso acontecesse nós estariamos rodeados de turistas do futuro… Pois bem, mas segundo o Walter (Fringe by J.J. Abrams o mesmo de Lost), e se os humanos do futuro alteram alguma coisa no passado que vai impetir esse desenvolvimento?

    Cria-se aí um paradoxo, onde ao alterar o passado os viajantes do tempo do futuro nunca existiram, mas suas marcas estão aqui… Muito improvável? Não sei… Mas explicaria uma porrada de coisa…

    Me desculpem citar uma série de TV para isso, mas é a que achei mais simples…

  25. Rinaldo L. disse:

    Alguém aqui já assistiu o filme THOR? É a mais recente produção hollywoodiana a beber na fonte dos deuses astronautas, a diferença é que lá os “deuses” viajam através de worm holes ou coisa parecida.

  26. Prof. Alex disse:

    “fonte: wikipedia? só pode ser brincadeira…
    mas…”

    Caro Possi, se você se deu ao trabalho de checar o link, verá que a matéria sobre seu adorado Sitchn, possui referências bem claras quanto as suas fontes, assim como links que direcionam para artigos externos. Agora se você prefere crer nos embustes que abundam na internet…

  27. João Santos disse:

    Rafael, há um físico que postulou que a consciência permeia o universo como um todo e que cada átomo teria uma fração, uma subparticula consciente.
    Testes experimentais teriam comprovado que duas consciências podem interagir instantaneamente (independente do tempo e do local), inclusive com blindagem eletromagnética – Gaiola de Faraday.

  28. João Santos disse:

    Duas consciências = duas pessoas confinadas em gaiolas de faraday em lugares distintos e bem distantes uma da outra.

  29. B.S. Possi disse:

    Sim, olhei sim o artigo, o NÃO quanto a “seu ADORADO Sitchn”, eu mesmo contesto porém de outras formas, mais não o acusando de charlatanismo, existe varias formas de contestar esta teoria sem colocar em cheque a credibilidade de quem formulou a teoria, é muito fácil QUALQUER UM vir a publico e dizer que tudo não passa de invenção da cabeça dele, quem pode provar? NINGUÉM, talvez nem ele mesmo caso estivesse vivo e formulasse as perguntas certas, quando aparece alguem que viu algo de forma diferente e chega a contestar teorias consolidadas de grandes nomes científicos sempre é a mesma coisa, vamos rotula-lo de pseudo-cientista, vamos joga-lo no manicomio, se possivel arranquem a lingua dele e os braços, o isolem do mundo, não o deixem abrir a boca… ISSO FAZ PARTE DE TODA A NOSSA HISTORIA

    Agora vamos o LÓGICA, essa não falha:
    É impossível teoria de Sitchim estar incorreta, mesmo que parte dela?
    É impossivel existir vida em outros planetas, não importa se ele é o planeta de Sitchin ou não.
    Se eles existem, é possivel eles possuirem tecnologia para visitarem nosso planeta?
    É possivel que se eles chegaram até aqui, não o tenham feito a muito tempo atraz?
    Se eles possuiam tecnologia para atravesar grandes distancias (coisa que ainda hoje não temos como fazer) em um tempo razoavel, bom, é de se presumir que eles também tinham conhecimentos sorbre genética, então qual o problema de eles terem pego meia duzia de 2 ou 3 e tentarem alguns experimentos, e um deles ter dado certo?

    O grande dilema da ciencia não é a existencia ou não dos seres extraterrestes, a grande e real duvida é ONDE ELES ESTÃO??

    Coloquem mais uns 10.000 de evolução humana, com ela conseguindo não se auto-extinguir(isso sim é muito mais dificil para a ciencia) e qual será nosso nivel tecnológico?

    Teremos tecnologia para terraformar marte? ou não, terraformação também é lenda?

    Voltando a Sitchim, sim, tenho minhas duvidas quanto a sua teoria, por outros motivos, não por acreditar que ele tenha inventado tudo

  30. Joao disse:

    Mori, tem o nome do livro do Sagan sobre o assunto?
    Confesso que nunca consegui ler o Daniken… vi documentário sobre ele e achei incrível a capacidade dele de se auto desqualificar é incrível. O do Sitchin achei interessante pelo prefácio anunciar que já foi consultor da NASA.
    Agora já não acho tão intessante assim pois não tenho certeza da sinceridade e honestidade do mesmo em suas traduções. Algo que não acontece, por enquanto, com John M. Allegro, um dos caras que trabalhou nos pergaminhos do Mar Morto… http://pt.wikipedia.org/wiki/John_Marco_Allegro
    Inclusive poderia virar tema de um comentário a respeito, me faz muito mais sentido o cristianismo ser oriundo de uma série de outras seitas, e por isso ter ocorrido perseguição aos Hereges, aquela mesma estória de manutenção do poder.

  31. Nihil Lemos disse:

    BS Possi,

    Quando um charlatão morre não deixa de ser charlatão. Vide, Edgard Cayce.

  32. João Santos disse:

    Um tal Dr. Pete Peterson, físico e inventor, disse ter visto uma tábua suméria que era um projeto de nave avançada.

  33. Nihil Lemos disse:

    E onde está a tal tábua?

  34. João Santos disse:

    Um boa matéria de Daniken atualizada: Ancient Aliens 2009 – legendado (parte 1/9): http://www.youtube.com/watch?v=l6qQWLlHK9U

  35. João Santos disse:

    Ele não disse o paradeiro da tábua. Pode ter sido confiscada pelos iluminatis!!!

  36. Joao disse:

    me equivoquei no meu comentário anterior…
    acabei de ver uma palestra de um professor de oxford desmistificando essa generalização bizarra q John Marco Allegro fez.

  37. Alvaro Rexs disse:

    Fico me perguntando porque uma pessoa instruída (assim me parece), com espaço, notoriedade, renome e recursos como Mori e outros, dedicam a vida atacar as religiões ao invés de atacar os religiosos pilantras?

    Com todo o grau de alienação possível que venha de carona com a religião, ainda sou muito mais a favor que procuremos melhorá-las e vivamos sob sua moral, do que viver em sua ausência!

    Para mim quem melhor advogou a favor da religião e de Deus foi um cachaceiro, viciado em jogo e um gênio da literatura chamado Dostoievski, que escreveu:

    “Se Deus não existe, então tudo é permitido!”

    Bicho, Mori, ou sei lá como você que ser chamado… Os grandes martires religiosos foram as únicas pessoas que tiveram a coragem de olhar para um “fraco”, um “oprimido”, um “pobre”…

    Os homens de ciências de mais ou menos da época de Jesus achavam que a escravidão era “algo natural”, vide Aristóteles…

    Mori, gaste sua sabedoria execrando igrejas pilantras, pastores pilantras, distorções pilantras da fé e etc!

    Só posso achar que cada vez que você procura saber do “porquê do impulso religioso”, está cada vez mais se distanciando daquilo que você acredita: A imparcialidade!

    Viva meu filho, e deixe viver!!

    Viva bem, e deixe viver bem quem bem quer viver!

    • Mori disse:

      Alvaro, não pretendo atacar religiões, de fato no CA buscamos *não* publicar artigos atacando religiões. O que se questiona são algumas alegações sobrenaturais que comumente estão associadas a religiões.

      Mas discutir o teísmo, ateísmo, a religião em particular foge dos temas que definimos por aqui. Para esses temas, sou membro da Liga Humanista Secular do Brasil (LiHS).

      Os comentários sobre religião neste artigo de Graeber foram feitos porque são relevantes na discussão do conceito de Deuses Astronautas. Pretender discutir o conceito sem mencionar a religião seria definitivamente incompleto.

  38. Prof. Alex disse:

    Não entendi o desabafo do Rex…

    Possi,
    Sitchin é um charlatão pq fraudou as traduções das tabuletas sumérias, cheque o outro link, onde um especialista em várias línguas semitas demonstra a picaretagem de Zechariah Sitchin.

  39. Prof. Alex disse:

    Além disso, a hipótese de seres extraterrestres terem visitado nossos ancestrais é plausível, embora careça de evidências. O problema é que embusteiros como Sitchin e Däniken prestam um desserviço a ciência com suas fraudes.

  40. Rafael Albuquerque Maia disse:

    João vc deve estar equivocado, comprovar isso nao deve existir essa possibilidade. No maximo, o que vc deve ter visto sao indicios.
    Como ja disse num topico passado, atualmente a ciencia humana passa por incriveis dificuldades em comprovar qualquer teoria, pois nos falta tecnologia para fazer esses experimentos. Entao, as coisas ficam dessa forma, o que existe hoje sao meros indicios.

    Bom, mas voltando ao assunto. O que vc fala me parece muito estranho.

    Consciencia universal ?

    Pelo que sei uma consciencia precisa de ceculas. Nao existe consciencia em seres nao vivos, como materia ou energia ou vacuo.
    Nivel subatomico tb é tao dificil quanto esses ultimos.

    Muito estranho.

    Acho estranho tb porque se houvesse indicios da existencia de uma consciencia universal certamente tal fato estaria estampado nas revistas mais respeitadas do mundo.

    Claro, e os primeiros a comemorar seriam os religiosos, que diriam que essa consciencia é deus.

    A gaiola de faraday ja ouvi falar, mas vou dar uma olhada nisso denovo. Por favor poste a fonte dessa noticia para mim dar uma boa olhada nisso

  41. Rafael Albuquerque Maia disse:

    João vc esta falando da historia espirita de que se uma pessoa ruim passa pela agua ela muda e se uma pessoa boa passa ela muda tb ? Ou seja, é uma historia um pouco antiga usada pelos espiritas de que o estado de espirito influencia no estado da agua ?

    Ou se refere numa historia de que varias pessoas nos USA se juntaram e pensaram em mudar a realidade e “dizem” ter conseguido ?

    Se for uma dessas duas historias eu as conheço, e já lhe adianto que ambas sao falsas. Ja fui pesquisar sobre elas a muito tempo atras.

  42. Nihil Lemos disse:

    Álvaro Rexs soltou a franga dessa vez.

    Ainda não entendo o que ele faz aqui. Esse vicio freudiano que ele tem em querer criticar o Mori me parece muito estranho…

    Bem,

    1. O site é do Mori. Ele escreve e posta o que ele quiser. Se amanhã ele postar fotos da Geysi Arruda pelada ele está dentro direito dele. Ninguém pode criticar.
    2. A vida dele e ele faz o que ele quiser.
    3. O nome do site é Ceticismo Aberto. Então o artigo está de acordo com a proposta do site.

    Ou seja, o Álvaro Rexs tem birra com o Mori e não sabe atacar e nem dá para saber a origem dessa birra.

    Se um dia o Mori postar porcarias que eu não goste, simplesmente paro de visitar o site. Para que trollar? Esse cara não toma jeito.

  43. B.S. Possi disse:

    Prof. Alex

    Como surgiria então estas teorias e elas seriam discutidas se não fossem tão difundidas por Sitchim e Daniken? Dan Brown esta longe de ser historiador ou arqueólogo, ele é apenas um escritor interessado em escrever livros e ganhar dinheiro, e mesmo assim fez com que muitos passassem a pesquisar sobre suas teorias fantasiosas, e acabaram descobrindo outras, bem mais reais, e talvéz até mais chocante.

    Dizer que Sitchim é charlatão, é facil, na realidade eu siceramente acredito que o erro de Sitchim foi ele tentar provar algo que não teria como provar mesmo com um relato sumerio explicito, se acharem uma taboa de argila com o tal projeto de nave espacial, vai vir alguem e dizer que era um texto sobreposto a outro que daria esta impressão, TUDO pode ser facilmente questionado, seria muito melhor refutar as teorias apresentando argumentos que a derrubam do que questionar a idoniedade do autor, como eu mesmo já coloquei acima, eu mesmo tenho muito mais que uma duzia de razões para pelo menos duvidar sem sequer questionar se ele traduziu corretamente ou não.

    Vou citar um classico exemplo sobre traduções de textos antigos:
    Jeronimo foi o primeiro tradutor biblico, responsavel pro traduzir a textos biblicos em hebraico e aramaico para o latim, em meio a seu trabalho o proprio Jeronimo disse estar cometento um sacrilégio sem precedentes, era impossivel traduzir com fidelidade absoluta os textos sem ser imparcial, se tratava de hebraico e aramaico para o latim, imaginem de sumerio para ingles…
    Tudo é interpretativo, vi muitos outros especialistas confirmarem grande parte da tradução de Sitchim, e alguns ainda foram bem claros que apenas não concordaram com sua linha de raciocinio.

  44. João Santos disse:

    Pelo menos o Zecharia Sitchin foi original, ousado, não se importando de ir contra o convencional, sabendo que ia enfrentar todo tipo de rótulo da comunidade científica.

    O engenheiro e físico Bob Lazar era chamado de farsante por ter divulgado alguns detalhes de projetos nos quais trabalhou, na base secreta chamada Area 51(EUA). Mas John Lear, um piloto veterano, confirmou o depoimento de Lazar e provou que o mesmo tinha trabalhado com ele naquela ocasião. Posteriormente, ficou também provado que qualquer que trabalhe em projetos secretos recebe um nome e registro fictícios que, após a prestação do serviço, o é apagado.

    Gostei do comentário desse comentário:
    “Zecharia Sitchin é charlatão para a Nasa! Galileu era charlatão para a Igreja Católica! Jesus era charlatão para os Fariseus! Noé era Louco e Charlatão para os Sodomeses e Gomorrenses! os maias eram charlatões e canibais para os espanhóis, Atlântida e Lemúria só existiu para os hippies, engraçado que a civilização atual só sabe de si mesmo a partir de cinco mil e poucos anos atrás, antes disso comiam caças e frutas dentro das cavernas, e conversavam com socos e gritos! imediatamente construíram Pirâmides e indentificaram todas as constelações do nosso ciclo de 26000 anos? Só sei que nada sei, sou a poeirinha da poeira!!! – Kleber José de Oliveira”

  45. João Santos disse:

    Rafael Albuquerque

    Meu conceito particular de “vivo” difere dos biólogos. Para mim o universo é vivo e autoconsciente, pois uma coisa morta, burra e inconsciente não poderia formar sistemas extraordinariamente complexos, vivos e inteligentes, posto que somos da mesma essência.

    Para mim. o próprio átomo é um moto contínuo autoconsciente, pois é organizado por si mesmo e vibra eternamente sem alimentação externa, nem instrução externa e, claro, não foi feito por nós.

    Se você quiser fontes pesquise no CERN, pois os físicos de lá é que estão procurando a “partícula de Deus”

    As experiências que eu citei foram mencionadas pelo professor de física quântica Amit Goswami. Deve estar no seu livro: O UNIVERSO AUTOCONSCIENTE.

    Depois vou detalhar melhor.

  46. alex disse:

    Primeiramente pergunto para todos que créditos sempre tem que ter 100% como verdade absoluta os comentários de Mori e Nihil??
    Pergunto qual créditos esses 2 tem para criticarem Daniken conhecido mundialmente por seus best-seller lançados no mundo á fora com mais de 65 milhôes de cópias vendidas e o seu livro mais conhecido que foi de seguinte nome Eram os deuses astronautas lançado em 1970 e para fazer esse livro o autor viajou mundo a fora em um época que nem mesmo existia internet para colher informações.
    E Sitchin nem se fala pois formado em londres em história e foi no mundo o maior estudioso e especialista da cultura suméria inclusive por ter altos conhecimentos no assunto não foi por acaso que trabalhou para NASA como consultor.
    Eu fico me perguntando que são vocês para criticarem esses 2 grandes nomes mundialmente?? E também gostaria de saber o porque dos comentários do MORI não existe voto popular cade a democracia desse site pois porque para ele não aparece essa opção também pois para a gente quando escreve qualquer comentário aparece sempre votação popular!
    Será que só porque o mesmo é dono do site não aparece a votação popular para se fazer em seus comentários?? Pois para mim fazendo isso o único Charlatão da história é ele mesmo pois se perguntar para pessoas aqui no site vai ver que nem todos concordam sempre com seus comentários então favor colocar a opção de votação popular para você também em suas matérias e comentários não concordam comigo todos pessoal??

    • Mori disse:

      Mas é muita falta de noção mesmo.

    • Leonardo disse:

      Concordo plenamente, não sou estudioso mas já visitei deversos locais como a Ilha de Páscua, Sedona nos EUA, Cairo no Egito, Macchu Picchu e o México e o que vi eu dúvido que não tenha acontecido junto a Extraterrestres, se vcs acreditam ou não, paciência… Pra mim aquilo é matemático se na época a ferramenta não batia com a estrutura algo os ajudou… quem ou o que seria essa ajuda? Pra mim? Extraterrestres.
      Quem é Mori? quem é o outro citado? Aposto que nunca foram a alguns desses locais pra falar verdadeiramente a respeito! Na boa, vão viajar, vcs mudaram o nome desse site!

  47. LEx disse:

    Consciência universal?
    É um lance meio Jedi, né? Tipo… “Que a força esteja com você…”, “A força sabe o que faz…”, “Luke eu sou o seu pai…”

    Daniken é conhecido mundialmente… Osama, Hitler e Bill Gates também são…

    Como é que é? Para ser martir tem que defender os fracos e oprimidos?! Isso só prova a incopetência de um povo.

  48. Rodrigo Aguiar disse:

    Enviado por LEx em 18 de maio 2011 às 13h09.

    LEx, (viajando) pensando no seu comentário, se o homem não teve tempo para “inventar” a máquina do tempo, será pelo fato de uma das duas hipóteses abaixo apresentadas:

    – Ou não é tecnologicamente possível.

    – Ou a humanidade foi extinta da terra antes.

    Putz, se Jesus não me salvar tô f… .

  49. Rodrigo Aguiar disse:

    Enviado por Alvaro Rexs em 18 de maio 2011 às 22h45.

    Alvaro, bom comentário.

    Por isso defendo que a religião é um ramo filosófico, necessário para a construção e desenvolvimento do espírito humano.

    (e eu não sigo nenhuma religião)

    Digo espírito humano, pois espírito para mim, expressa sentimentos exclusivamente humanos, tais como bondade, compaixão, paixão, amor, raiva, inveja, ódio, misericórdia, ganância, etc, etc, etc.

    Por este ponto de vista, acredito que os seres humanos possuem um “espírito” diferente do que ocorre nos animais.

    O espírito para mim, é a reunião dos sentimentos que mencionei acima, e é perceptível apenas (ou mais claramente) nos humanos.

    A religião quando não usada como forma de opressão e manipulação da massa, em razão de interesses de determinadas classes ou indivíduos, não é prejudicial, ouso dizer que a fé, se empregada em coisas positivas é axplicitamente benefíca, uma vez que uma pessoa sem fé, poderá de tornar uma pessoa depressiva por falta de perspectivas.

  50. Rodrigo Aguiar disse:

    Zecharia Sitchin.

    O início de um trabalho científico, quando iniciado do zero, nasce no emaranhado de fios e contradições.

    O quê se tem no início, são indícios de que algo existe, ainda não há certeza.

    O aprofundamento, o estudo, a análise, as provas, são os desbravadores de um caminho longo que precisa ser percorrido.

    Incrível, a tendência humana de polemizar, querer ser maior, ou possuir uma razão em detrimento das demais.

    Logo o assunto deixa de ser científico, e parece que o “focu” muda, a partir de um determinando momento é mais interessante defender uma tese, do que um denominador comum.

    Não sei se foi o capitalismo que gerou essa elevada individualização do espírito humano, talvez seja algo que esteja no âmago da humanidade.

    Quem me dera ser um ET.

  51. Rodrigo Aguiar disse:

    Se alguém obter maiores informações.

    “Planetas sem órbita foram descobertos no centro da Via Láctea. Este novo tipo de planeta vaga livre pelo espaço, sem estar no campo gravitacional de nenhuma estrela ou astro. Os astrônomos acreditam que este tipo de planeta seja mais comum que estrelas na galáxia Fonte: NASA/JPL-Caltech.”

    Parece até com isto né:

    “De acordo com a interpretação que Sitchin faz da cosmologia suméria, haveria um planeta desconhecido de nossa ciência que segue uma órbita elíptica e demorada, passando pelo interior do Sistema Solar a cada 3.600 anos. Este planeta chamaria-se Nibiru (associado ao deus Marduk na cosmologia babilônia).”

  52. LEx disse:

    Rodrigo Aguiar,

    Qual a diferença entre a selva pré-histórica e a “civilização” atual?

    Continuamos andando em bandos, e continuamos a ser individuais, assim como os “homens das cavernas”, andavam em bandos, caçavam em bandos, mas o lider era e é sempre o mais forte. Outra coisa, qual a diferença entre nós e um cão, por exemplo? Sempre tive um cachorro ao meu lado, desde que nasci, e te garanto, a única coisa que falta a eles é a fala, não vejo como o ser humano pode ser diferenciado dos outros animais através de um pseudo-espírito.

  53. LEx disse:

    Rodrigo Aguiar em 19 de maio 2011 às 10h13,

    Leia o resto da notícia….
    Esses planetas são mais comuns do que estrelas…

  54. Nihil Lemos disse:

    Centro da Via-Láctea? Ora, a luz demora milhares de anos para vir de lá e chegar aqui. Quero ver um deles lá do centro da Via-Láctea e chegar aqui no Sistema-Solar até 2012. Só se Nibiru for a Estrela-da-Morte.

  55. Rodrigo Aguiar disse:

    LEx,

    Estamos vivendo dentro da MATRIX.

    Sair da MATRIX é complicado.

    (hehehehe)

  56. Bernardo disse:

    Caramba. Desanimador ler esses comentários.
    Mori, saiba que você tem ótimos leitores, que apreciam sua dedicação, além dos infantes nestes comentários.
    Abraços

  57. Rodrigo Aguiar disse:

    Nihil Lemos,

    Saia da Matrix, afinal foi você que disse:

    – Só se Nibiru for a Estrela-da-Morte.

  58. D. R. disse:

    Já pensei uma vez também no que o Rodrigo falou: que nós não somos visitados por seres do futuro porque a humanidade será extinta num futuro próximo.

    O próprio Stephen Hawking uma vez disse que, provavelmente, não é possível a viagem no tempo porque, caso contrário, já teríamos sido visitados por seres do futuro.

    Quanto ao que o João disse sobre átomos conscientes, acho que entendi. Uma das coisas mais difíceis de se entender é de onde vem os sentimentos: como a dor, o olfato, a visão, a amor, o ódio, etc. Não podem ser apenas informações eletroquímicas que chegam ao cérebro, nós de fato sentimos dor e vemos.

    Particularmente, acredito que tais sentimentos são qualidades da alma e não da matéria; não consigo imaginar que um dia um robô (mesmo com ‘cérebro’ quântico) será capaz de sentir dor de verdade; ele apenas interpretará os sinais elétricos que chegam ao seu ‘cérebro’, mas ele não será vivo de verdade porque não sentirá nada de verdade, só ‘fingirá’ sentir!

    Uma vez li um livro muito interessante do famoso matemático Roger Penrose, chamado “A Nova Mente do Rei”, em que ele especula sobre a orgiem da consciência; se não me engano, ele acredita que a consciência surge das interações quânticas entre as células do cérebro; mas acredito que é porque ele não deve acreditar na existência da alma.

  59. D. R. disse:

    CONTINUAÇÃO:

    Ou seja, o que existe dentro do cérebro animal que nos faz sentir dor de verdade ou ouvir sons ou ver imagens? Ou teria de existir algum elemento químico dentro do cérebro capaz de sentir tais coisas (ou seja, que tenha consciência como o João falou) ou isso deve vir de outra dimensão como, por exemplo (E por quê não?), uma dimensão espiritual!

    Sobre o artigo, o único visitante extraterrestre que já visitou a Terra publicamente foi um homem chamado Jesus há mais de 2.000 anos atrás e que disse ser filho de Deus e ter vindo do Céu! O Céu, no caso, não seria um lugar acima das núvens, mas poderia ser sim outra dimensão! A própria Teoria das Cordas já prevê que existem bem mais do que quatro dimensões no Universo.

    Não acredito que um Deus todo poderoso precisaria de equipamentos e máquinas para viajar para a Terra como se especula por aí.

    O nosso mundo material é totalmene matemático; parece mesmo que vivemos dentro de um computador divino e fazemos parte de um jogo entre o bem e o mal. Nosso mundo físico é lógico e cheio de leis rígidas e imutáveis. Todos concordam que do nada, nada pode surgir! Por isso é difícil pensar na existência eterna de Deus, mas é porque pensamos nele fisicamente como se ele fosse parte do nosso universo físico, matemático e lógico.

    Porém, a bíblia diz que: onde está o amor aí está Deus, porque Deus é amor; e que Deus habita em nós e tudo o que temos de bom vem de Deus. O que dá a entender que uma das substâncias de Deus é o amor e os bons sentimentos.

    Pode parecer loucura (acho que nem a Igreja prega isso); mas e se Deus fosse formado por esses entes que sentimos e que nos criou para habitar em nós? Ou seja, não seríamos nós que criamos os sentimentos, mas essas entidades espirituais é que nos criaram para habitar em nós! Na bíblia diz que somos templos de Deus; às vezes nos compara à cidadelas onde Deus pode habitar; ou, se o rejeitarmos, podemos nos tornar cidades desertas habitadas por demônios (que, no caso, poderiam ser os maus sentimentos).

    Não sei se vocês entendem o que eu quero dizer; mas é como que se, por exemplo, o amor que sentimos é uma entidade real e, provavelmente, eterna que existe antes de nós em uma realidade totalmente fora da nossa realidade física, matemática,lógica e temporal; como se fosse um ser de outra dimensão que criou o nosso mundo para habitar em nós! Por outro lado, os espíritos maus da bíblia seriam esses maus sentimentos de ódio, egoísmo, orgulho, inveja, etc.

    É algo bem estranho pensar isso, talvez até seja uma heresia; mas, muitas vezes, é o que parece insinuar a bíblia!

  60. Antonio Andrada disse:

    Para o Rodrigo, Rodrigo Aguiar em 17 de maio 2011 às 18h09

    Tu entendeste que eu tava fazendo apologia de religião??? Eu estou defendendo a ciência (não esse cientificismo cético), ciência mesmo sabe, saber conhecimento, essas coisas que dão trabalho, às vezes a linguagem é difícil…

    Bom, só afirmei que a lógica da ciência (a racionalista objetiva) é fundada no Materialismo dialético, a Religiosa Cristã (assunto criticado, nem todas), é fundamentada na lógica do Essencialismo, assim, pensar que uma hipótese racional e positivista como as hipóteses paleo-SETI (erroneamente chamada pelos ignorantes em epistemologia de “teoria dos deuses astronautas”), materialista é uma ressignificação religiosa (sincretismo) Cristão… ui…dói só de explicar.

    Obs:Religião é como time de futebol???? Sem comentários… não sei nem por onde começar.

    Seriedade galera, seriedade…

  61. Antonio Andrada disse:

    Para o Mori, em 18 de maio 2011 às 10h26

    Acho que não fui claro pra vc, “mas se considera Daniken uma “pessoa séria”? Que nunca teria afirmado nada de decisive”… Foi só isso que vc entendeu de tudo que eu disse!!!!!

    Então Mori, estamos falando de ciência não de “achismos” e é claro que todo discurso (seja cientifico ou não esta envolto) em um contexto histórico (eu afirmei isso em relação à idéia conceitual dos deuses astronautas ser tão antiga quanto os “mitos” (entenda-se narrativas) mais antigos “seres ou homens fundadores da civilização e criadores do homem que vinham claramente de algumas constelações”. Não há invenção moderna nisso!!!”,

    … Agora SUPOR que o contexto histórico é a mesma coisa que a história das idéias é o erro crasso deste artigo. Minha critica foi no sentido da lógica ser incompatível para o sincretismo proposto no artigo “o historiador das idéias vê a revolução que teve lugar na biologia como um sintoma de uma mudança muito mais profunda nos valores da sociedade ocidental, onde se substituiu a concepção cristã do homem e da natureza por uma concepção materialista de ambos.” (BOWLER, 1988, p. 152) Este fenômeno merece mais atenção, pois exalta uma inversão teórica importante, atesta uma diversidade lógica pouco conhecida e estudada no próprio seio da modernidade científica e nos faz pensar numa critica aos conceitos como o de hegemonia, consenso científico e paradígma, quando falamos de guerra da ciência e religião.

    Recomendo fortemente que leia Foulcalt (2008) “arqueologia do saber” ou através da obra denominada de “Les Mots et les chose”, sobre o triedro dos saberes” 1) Eixo das Matemáticas e Psicomatemáticas – Ciências exatas e protótipos da cientificidade; 2) Eixo das Ciências da Vida, da Produção e da Linguagem – Biologia, economia e ciências da linguagem; 3) Eixo da Reflexão Filosófica – Desenvolvendo-se como pensamento do mesmo, ou como analítica da finitude.

    Segundo Foulcault, tais eixos se inter-relacionam e disso nasce a epistemologia. Assim recomendo-se que estudem as epistemologias da arqueologia (que são várias vertentes por sinal), todas trabalham com interpretação de dados, nunca com a noção de “verdade” e “objetividade”, se alguém gostar desses conceitos, escolheu a ciência errada (arqueologia) para ser positivista “cientificista”.

    Enfim, não concordo com a postura de alguns críticos das idéias Paleo-SETI que afirmam serem elas fruto da imaginação de alguns escritores sensacionalistas “amadores” da primeira metade do sec. XX. Utilizar as generalizações destes autores e a sua falta de preparo para lidar com questões arqueológicas, por si só, não é válido para negar a hipótese. A intenção destes autores não era fazer ciência, era divulgá-la (com suas controvérsias) para um público leigo. O Daniken era um gerente de hotel suíço quando escreveu seu primeiro livro, para o contexto é louvável que tenha deixado a questão em aberto. obs: não entendi a ligação do P. temático, não podemos fazer atrações com perguntas num parque temático?)

    Algumas afirmações Paleo-SETI se mostraram pouco sólidas, outras dependem da interpretação (como tudo em ciência) e outras até hoje são as mais parcimoniosas.

    A 1ª tática mais velha do mundo para desacreditar uma idéia é ligá-la a outra absurda ou a um autor sabidamente falacioso, a 2ª é distorcer o que foi dito esquecendo-se dos contextos, principalmente os que corroboram a idéia que se quer detratar, a 3ª é “pinçar” e recortar apenas pedaços da informação, 4ª é recorrer ao reductio ad absurdum, e principalmente, na 5ª tática que diz que ao invés de atacar o argumento de alguém podemos atacar a imagem pública da pessoa. Este artigo faz todas elas e mais um pouco. Ciência das boas heim???

    Bem, como sua argumentação já parte do princípio que as afirmações do Daniken (ou de outro) são “falsas” ou “falaciosas”, e vc deve conhecer bem o assunto, vamos fazer diferente:

    Proponho o seguinte: Como não é válido atacar as pessoas ao invés dos argumentos delas, vamos discutir evidencias PaleoSETI?

    • Mori disse:

      Discutir evidências PaleoSETi é o que você encontra aqui, Antonio. Basta buscar nos arquivos ou seguir as tags.

      Concordo que há uma diferença entre estabelecer confluências culturais e estabelecer que uma linha de argumentos tenha de fato derivado de outra. Não penso que Graeber tenha feito isso neste texto — Colavito, que também foi traduzido aqui, sim. Mas em ambos os casos os textos foram escolhidos para tradução e publicação para evidenciar não que Daniken fosse um fã de Lovecraft ou que Sitchin tivesse se empolgado como o Realismo Fantástico, mas sim que tais ideias são sim fruto de um contexto cultural.

      Não é surpresa que o conceito só tenha se tornado mais conhecido como tal na década de 1960: antes disso mal se sabia qual era a real escala espaço-temporal do Universo. Não é coincidência que o próprio paradoxo de Fermi tenha sido formulado apenas poucos anos antes. Mesmo na década de 1960 ainda se especulava, muito seriamente, se não haveria vida abundante em outros planetas, incluindo ao menos resquícios de vida inteligente. Foi apenas com a exploração robótica do sistema solar ao longo das décadas seguintes, completando-se por volta do final da década de 1970, que se teve maior segurança do fato de que não há outras civilizações no sistema solar, e que é pouco provável que exista mesmo vida primitiva abundante em outros recônditos de nosso sistema planetário.

      Discutir o contexto sócio-cultural dos deuses astronautas é relevante. Essa discussão, por si só, jamais permitiria aceitar ou refutar a tese em si mesma, e nisto você tem razão. Mas talvez, e repito, devesse buscar e ler os artigos que discutem evidências em si mesmas. São essas análises e discussões, em que cada caso é um caso, que sim avaliam a propriedade de aceitar ou não a tese. Pelo momento, não há evidência a favor da mesma.

      Continuamos na busca.

  62. Antonio Andrada disse:

    Nos meu primeiro post, tentei argumentar que a idéia dos “deuses astronautas” não era uma invenção da ficção do final do séc. XIX início do XX. Como poucos entenderam, vou estender este argumento. Porque ele é importante? Pois muitos “céticos de internet”, monistas cientificistas, “acham e crêem” que atacando os autores populares desse ramo literário é atacar a hipótese em si, mas isto é um grande engano. Os povos da antiguidade e até contemporâneos possuem mitos que justificam a hipótese per si, e as evidencias da arqueologia são afinal (como em qualquer boa ciência histórica) ricas em interpretações, inclusive a Paleo-seti.

    Junto a esta distorção absurda, de colocar a validade da hipótese e testá-la apenas pelo sucesso das “afirmações de um ou outro autor”, outro ataque retórico não-científico favorito, (ou ataque a imagem, esta sim falaciosa) contra os proponentes das teorias Paleo-SETI é que eles estariam “desmerecendo os povos do passado” “primitivos sem capacidade conquistas por si só” e assim, tal idéia é de um bando de seriam racistas e etnocidas que não merecem respaldo…

    Como trabalho com a hipótese Paleo-SETI, vou tentar fazer um resumo explicativo em linguagem popular sobre estas duas questões em específico e citar um exemplo. Vejamos:

    Tradicionalmente, no contexto das pesquisas pós-modernas em ciências, pesquisadores interessados em ciência e cultura têm-se focado nas respostas culturais das comunidades étnicas do instituído “terceiro mundo” sobre ciência e tecnologia para questionar os valores da modernidade científica tradicional. Tais questões estrangulam não só as epistemologias tradicionais e diversificam as visões filosóficas sobre a construção do que chamamos conhecimento, mas em seu cerne, oferecem uma critica ampla aos usos do conhecimento para a construção das cosmologias das sociedades.

    As hipóteses Paleo-SETI têm sofrido acusações de toda sorte, “pseudociência”, “fantasia”, “ficção científica”; numa perspectiva histórica já ouvimos muitas destas criticas antes: Todas as idéias revolucionárias mais preciosas e valorizadas da nossa ciência contemporânea foram um dia acusadas em voz alta e na mesma medida; assim, esperamos ouvir muitas acusações ainda. Por isso ataques pessoais não incidem sobre as idéias.

    Porem, uma destas criticas é mais específica e assim merece ser respondida aqui. Ela versa como afirmei sobre o caráter “etnocêntrico” das declarações Paleo-SETI. Segundo estas, nossas proposições esvaziariam as identidades e capacidades intelectuais e técnicas dos povos da antiguidade, pois tudo o que empreendemos é uma explicação que versa terem sido seus maiores feitos criativos, legados de outros povos, de “extraterrestres”.

    Como Lemos aqui: “As carruagens dos deuses baseia-se na concepção vaidosa de que nenhum povo mais antigo e mais “primitivo” do que nós poderia ter construído os templos Maias, as demarcações dos solos dos Nazcas, as estátuas da ilha da Páscoa e coisas semelhantes. Por conseguinte, deve ter havido visitantes do espaço extraterrestre. Tais histórias, somadas às fantasias sobre o triangulo das bermudas e os OVNIs, têm, evidentemente, um atrativo intrínseco que vai muito além das explicações prosaicas, em geral bastante corriqueiras, preferidas pelas pessoas racionais.” (ELDREDGE & TATTERSALL, 1982, p. 27)

    Bem, existe uma confusão aqui, não estamos tentando de maneira alguma afirmar que o gênio humano em qualquer parte do globo e em qualquer época é incapaz de realizações intelectuais ou técnicas. O que propomos em verdade é bem diferente: Existem perguntas sobre as origens que não foram respondidas pelas correntes de pensamento histórico tradicionais. As pretensas explicações “prosaicas, corriqueiras e racionais” da “ciência tradicional” não respondem aos problemas sem recorrer a “mágica” soma de vários eventos “coincidentes e acidentais”, lhe faltam evidencias e que ao final, não explicam coisa alguma. Que é frente a essa “falta total” de explicações sobre determinados temas que se considera e se propõe uma hipótese científica PaleoSETI, que pode ser considerada como qualquer outra, mas que não esta recebendo a atenção das academias.

    Como primeira defesa, devo, portanto salientar que ainda não foram superados os problemas que alimentam as hipóteses sobre as origens de muitos dos feitos considerado “meramente humanos”. E não podemos condenar uma idéia a priori, simplesmente por suas implicações sociais ou anti-paradigmáticas, ou pela dificuldade em testá-la. Aos que acreditam que esta possui problemas em sua lógica, se não tem corroboração suficiente ou se não responde aos problemas, que enunciem e discutam o conhecimento, esta é a essência do processo epistemológico científico.

    Quanto à acusação de etnocentrismo, essa é uma tática recorrente do discurso que deve ser analisado. Se refletirmos um pouco, perceberemos que foi esse mesmo discurso “científico” social da arqueologia e da antropologia, disciplinas nascidas no séc. XIX, que nos acusa de “etnocentrismo” quem re-significou a narrativa dos povos de cosmologias não européias, sob a bandeira do mecanicismo e do materialismo e do positivismo epistêmico, e assim, transformou a história dos outros homens em “Mitos de Origem”, alegorias sem valor factual.

    Quem é mais etnocentrista, aquele que reinterpreta as “histórias dos diversos povos” com base no conhecimento contemporâneo, ou aquele que afirma que elas são “fantasias supersticiosas”?

    Neste sentido, o que as hipóteses paleo-SETI realmente fazem é resgatar o valor original da narrativa dita “mítica” como discurso histórico factual e inseri-la no contexto científico, numa interpretação que respeita o discurso original. Não somos etnocêntricos e pelo contrário, entendo assim que “os etnocêntricos” são os discursos da modernidade que negam a história dos povos e a tratam segundo seus próprios paradigmas científicos hegemônicos. (racionalismo monista e positivismo barato)

    Mas que dizem as histórias destes povos sobre a origem das coisas? Nestas narrativas “mitológicas” muitas técnicas e tecnologias (tem uma diferença conceitual enorme) não são uma conquista humana como quer o paradigma atual, (este sim etnocêntrico) da arqueologia tradicional, mas um conhecimento que foi difundido do exterior como propomos. Assim, é proclamado que o conhecimento “racional” sobre as hipóteses de “antigos astronautas” nada mais é do que negar uma hipótese pela negação apriorística da evidência factual e da própria história dos povos, apenas para salvaguardar paradigmas convenientes.

    Temos que enfatizar melhor esse contexto, pois é este aspecto cultural importante, dos “Mitos” como corroboração arqueológica que torna a teoria paleo-SETI a explicação de maior relevância para o fenômeno da emergência da civilização, final das “revoluções neolíticas” por exemplo; Os “mitos” de origem do homem e da civilização.

    O que propomos não é novo, muitos já perguntaram e muitos foram silenciados: E se os mitos forem história factual em determinada medida?

    Os mitos são a história dos povos, não só numa compreensão imaterial, como querem alguns, mas possuem dimensões intrigantes como fatos científicos. Como podemos perceber em uma rápida pesquisa, que muitos autores já observaram que os “mitos” dos povos ancestrais, narrativas longínquas e “supostamente” sem contato, apresentam certas similaridades, ou uniformidades com relação a alguns pontos determinantes dos discursos, principalmente quando estes mitos versam sobre as origens dos homens ou sobre as origens do conhecimento. Muitas propostas de leitura tentaram responder a este problema apostando em determinismos universais humanos: psicológicos, culturais, até sociobiológicos; porém quando confrontadas com os detalhes e minúcias destas semelhanças, estas teorias não se sustentam.

    Assim, muitas sociedades têm histórias para explicar o seu surgimento, e muitas são narrativas conceituais paleoSETI.

    Vamos aqui trabalhar com um exemplo para ser mais específico, o surgimento da agricultura: Harlan (1995) é uma fonte que apresenta vários mitos sobre essa origem em várias sociedades. Ele enfatiza a idéia recorrente e mundial de que várias “deidades” foram às responsáveis pela introdução desse novo conhecimento enquanto literalmente doavam as plantas que deveriam ser cultivadas aos homens (Isis no Egito; Demeter na Grécia; as crianças do Sol, o primeiro Inca nos Andes; Oannes na Mesopotâmia).

    Junto à agricultura, estas “entidades”, categorizadas por “deuses civilizadores” também inserem sistemas de leis, práticas religiosas e todas as artes da vida “civilizada”. Harlan realiza um sumário os elementos em comum que estes mitos apresentam sobre esta perspectiva:

    “1. prefarming peoples led a primitive, wild, uncivilized, lawless, graceless, and brutish existence;
    2. they did not farm because of ignorance or lack of intelligence;

    3. divine intervention was required to bring agriculture, as well as the other elements of civilization, to humans; and

    4. the agricultural descendants of these people recognize their general superiority to foragers.” (HARLAN, 1995)

    Como exemplo, de uma dessas narrativas, escolhi apresentar aqui um “mito” de um dos centros de origem da agricultura, o centro Sul Americano, como podemos ler em Comentarios Reales de Garcilaso de La Vega.

    “Sabrás que en los siglos antiguos toda esta región de tierra que ves eran unos grandes montes y breñales, y las gentes en aquellos tiempos vivían como fieras y animales brutos, sin religión, ni policía, sin pueblo ni casa, sin cultivar ni sembrar la tierra, sin vestir ni cubrir sus carnes, porque no sabían labrar algodón ni lana para hacer de vestir. Vivían de dos en dos, y de tres en tres, como acertaban a juntarse en las cuevas y resquicios de peñas y cavernas de la tierra; comían como bestias yerbas del campo y raíces de árboles, y la fruta inculta que ellos daban de suyo, y carne humana. Cubrían sus carnes con hojas y cortezas de árboles, y pieles de animales; otros andaban en cueros. En suma, vivían como venados y salvajinas, y aun en las mujeres se habían como los brutos, porque no supieron tenerlas propias y conocidas.”

    […] “Nuestro Padre el Sol, viendo los hombres tales, como te he dicho, se apiadó, y hubo lástima dellos, y envió del cielo a la tierra un hijo y una hija de los suyos para que los doctrinasen en el conocimiento de Nuestro Padre el Sol, para que lo adorasen y tuviesen por su dios, y para que les diesen preceptos y leyes en que viviesen como hombres en razón y urbanidad; para que habitasen en casas y pueblos poblados, supiesen labrar las tierras, cultivar las plantas y mieses, criar los ganados y gozar dellos y de los frutos de la tierra, como hombres racionales, y no como bestias. Con esta orden y mandato puso Nuestro Padre el Sol estos dos hijos suyos en la laguna Titicaca, que está a ochenta leguas de aquí, y les dijo que fuesen por do quisiesen, doquiera que parasen a comer o a dormir, procurasen hincar en el suelo una barilla de oro, de media vara en largo y dos dedos en grueso, que les dio para señal y muestras que donde aquella barra se les hundiese, con sólo un golpe que con ella diesen en tierra, allí quedaría el Sol Nuestro Padre que parasen y hiciesen su asiento y corte.”

    […] “Cuando hayáis reducido esas gentes a nuestro servicio, los mantendréis en razón y justicia, con piedad, clemencia y mansedumbre, haciendo en todo oficio de padre piadoso para con sus hijos tiernos y amados, a imitación y semejanza mía, que a todo el mundo hago bien, que les doy mi luz y claridad para que vean y hagan sus haciendas, y les caliento cuando han frío, y crío sus pastos y sementeras; hago fructificar sus árboles, y multiplico sus ganados; lluevo y sereno a sus tiempos, y tengo cuidado de dar una vuelta cada día al mundo por ver las necesidades que en la tierra se ofrecen, para las proveer y socorrer, como sustentador y bienechor de las gentes; quiero que vosotros imitéis este ejemplo como hijos míos, enviados a la tierra sólo para la doctrina y beneficio de esos hombres, que viven como bestias. Y desde luego os constituyo y nombro por reyes y señores de todas las gentes que así doctrináredes con vuestras buenas razones, obras y gobierno.” (LA VEGA, 1609)

    Como entendemos, portanto, a narrativa dos próprios povos coincide em valor teórico com a explicação PaleoSETI; é a noção de que a civilização foi legada ao homem por outras “inteligências”. Não possuímos uma “concepção vaidosa” ou propomos qualquer discurso etnocêntrico de mundo além do valor cultural da própria história no contexto em que se apresenta. Só há pouco tempo, meados do sec XX, que a visão da arqueologia acadêmica veio a ser muito diferente dessa noção de que a origem da agricultura fora um evento que não precisava de uma explicação “especial”, para além da conotação de uma “adaptação superior” e drástica que fora a domesticação das plantas e a revolução agrícola.

    Nestes “mitos”, ou como preferimos pensar, nestas histórias dos povos, não há mistérios sobre a origem por exemplo da agricultura, ela é bem clara: Foi trazida pelos “deuses” e ensinada aos homens; as plantas foram dadas por estes seres que são literalmente habitantes de outras esferas, que vem a Terra, muitas vezes, vindos do céu ou das estrelas.

    1- Nascido em 1539, Garcilaso é filho do capitão espanhol dom Sebastião Garcia de La Veja com a princesa Inca Chimu Occlo (Isabel), neta do Inca Tupac Yupanqui e sobrinha de Huayna Capac, um dos últimos soberanos Incas. Devido a sua origem mestiça, mantém contato com a família de sua mãe no Perú, o trecho citado foi contado a ele por um tio inca. Quando da morte de seu pai em 1552, decide partir para a Espanha, feito que só alcança em 1560, ao entrar para as armas. Após 30 anos longe de seu país natal, escreve a história dos Incas, em 1609 Commentarios reales quetratam de La origem de los Incas. Morre em 1616, sete anos mais tarde em Córdoba. Apesar de considerados possuidores de uma visão idílica e cheia de valores morais europeus sobre a história inca, os escritos de Garcilaso são em seu contexto um importante testemunho da coleta das tradições orais durante a conquista espanhola do Peru.

    • Mori disse:

      Perguntaram em outro comentário, e aproveito para responder aqui também: o próprio Carl Sagan, em conjunto com I.S. Shklovski, em 1966, considera o “Paleo-SETI” muito a sério e antedata todos os mais famosos promotores populares — e podemos dizer, charlatanescos — da área. O livro é “Intelligent Life in the Universe”, que discute a tese muito a sério — incluindo, pasmem, a consideração séria de que a lua de Marte, Phobos, poderia ser um satélite artificial.

      Antonio, por isso mesmo, e como já comentei, não se busca minar o conceito de deuses astronautas. Pelo contrário, penso que é uma ideia muito razoável, de fato a priori mais razoável de que sejamos visitados. Afinal, supondo que a chance de que sejamos visitados seja a mesma ao longo de um milhão de anos, é 999.999 vezes mais provável que tenhamos sido visitados nos 999.999 anos que se passaram do que no ano presente.

      As críticas específicas a autores, embora sejam ataques ad hominem, são um atalho para indicar como tais pesquisadores não são fontes confiáveis. Isso não significa que nada do que eles tenham dito ou possam dizer jamais será válido. Por outro lado, quando indicamos que nenhuma das evidências que já apresentaram é conclusiva, e expomos como não poucas destas são pelo contrário, demonstrável como falsas ou mesmo fraudulentas, estamos sim afirmando, com razão, que não é descabido dar pouca atenção e credibilidade a tais autores, a priori.

      O problema fundamental à tese do PaleoSETI é simplesmente a ausência de evidência. Ele é multiplicado pela promoção de evidências fraudulentas, por autores e “pesquisadores” duvidosos, mas em essência o problema é simplesmente a ausência de evidência.

  63. Antonio Andrada disse:

    Para o LEX, em 17 de maio 2011

    Teu teclado ta quebrado…

  64. Rafael disse:

    Rodrigo o que vc falou foram conceitos baseados em fe e nada mais. A mesma fe que a 2000 anos faziam as pessoas pensarem que a malaria era um castigo divino.

    A mesma fe que fazia tribos indigenas pensar que vulcoes em erupcao era a vontade de deus.

    A mesma fe que fazia a pessoas acreditarem que negros nao tinham alma e portanto deveriam ser tratados como objetos, porque a igreja dizia isso.

    A mesma fe que fez as pessoas pensarem que a terra seria o centro do universo.

    Enfim, atomos com cosciencia e vacuo com cosnciencia se trata de fe apenas. O que tem para comprovar isso ? r-nada.

    Admito a vc que nao gosto dessa fe. E uma fe cega, com base em absolutamente nada, nenhuma evidencia. Isso ja aconteceu muito no passado e se mostrou um verdadeiro desastre(vide: inferno purgatorio ceu anjos, diabos), tornando o homem um ser atrasado, que somente conseguiu ser salvo gracas ao renascimento humano, onde, segundo a historia, foi um periodo qque o homem comecou a dar mais valor ao propio homem do que a religiao.
    Gracas a esse periodo, sabemos que vulcoes nao sao coisas de deus, malaria nao e punicao e o avanco tecnologico progrediu para nos dar condicao de vivermos melhor.

    Enfim so uma opiniao.

    Dor angustia raiva sao processos quimicos realizados pelo cerebro, nada mais que isso. Se duvida, pegue um animal e arranque a cabeca dele e vc vera que em poucos segundos ele nao sentira mais dor raiva ou angustia.

    Alias nesse ano tivemos a comprovacao disso, com nascimento da primeira consciencia artificial criado pelo homem. Segundo os cientistas, logo poderemos criar consciencias em maquinas proximo as nossas ou iguais as nossas.

  65. LEx disse:

    Como dizia Edgar Allan Poe, o sono é um pequeno pedaço da morte, imagine então o que o Sonho é? E um pesadelo então? A única coisa pior que um pesadelo é a realidade. Deve ser por isso que muita gente teme afronta-la. É como um corte no pé, está ali, está doendo, está sangrando mas você tem medo de olhar e descobrir que vai ter que ir a um hospital “dar pontos”, mas se você não olhar ele continua ali, sangrando…

    Mestre Mori, você está perdendo território no seu site, ao invés de comentários estão postando artigos inteiros… Vou morrer de tédio assim… Posso escrever em Hexadecimal? Assim meus textos quadruplicam de tamanho para dizer a mesma coisa, ou coisa alguma….

  66. Rafael disse:

    E uma pena estarmos discutindo questoes de fe, enquanto poderiamos discutir questoes mais concretas.

    Acredito em parte do que diz andrada.
    Acredito que uma civilizacao avancada POSSA ter contribuido para o avanco da humanidade, mas nao da forma como os fans de “eram os deuses astronautas propoe”(guerra alien na terra! criacao de um exercito na mineracao!).

    As provas de fraude ou enganos de eric van e stchin sao muitas. Tantas que realmente fica dificil acreditar neles.

  67. alex disse:

    @MORI. Mas é muita falta de noção mesmo.
    Gostaria de saber aonde está nos seus comentários? A opção de voto popular pois isso é direito de todos também votarem se concordam ou não com o que você fala! Fico no aguardo???

  68. LEx disse:

    alex em 19 de maio 2011 às 15h44,

    Xará, não estou defendendo ninguém, não conheço o Nihil e nem o Mori, mas veja bem, eu mesmo tenho duas edições do Livro de Daniken, a 12ª (se não me angano) e a primeira, tenho 2 versões da bíblia (só li a católica), tenho dúzias de livros “fantásticos” e mais ou menos uns 60 livros espirítas da qual já li mais da metade, e nem por isso acredito em alguma coisa que está escrito lá. Para começar eu acho errado esse lance de “rankear” os comentários, cada um tem o seu, isso aqui não é uma competição para ver quem discursa mais bonito. E que o diga, meu teclado está quebrado…

  69. Nihil Lemos disse:

    alex,

    Pergunto qual créditos esses 2 tem para criticarem Daniken conhecido mundialmente por seus best-seller lançados no mundo á fora

    Livros até Bruna Surfistinha escreveu.

    e para fazer esse livro o autor viajou mundo a fora em um época que nem mesmo existia internet para colher informações.

    Grande coisa. “Dando um role” pelo mundo, inventando bobagens e fraudando peças. Um arqueólogo sério passa décadas num lugar só. Däniken em alguns dias fala que tudo foi obra de ET. Oh!

    E Sitchin nem se fala pois formado em londres em história e foi no mundo o maior estudioso e especialista da cultura suméria inclusive por ter altos conhecimentos no assunto não foi por acaso que trabalhou para NASA como consultor.

    Isso é o que ele diz. A NASA parece não se lembrar do “trabalho” dele.

    Agora eu pergunto para vocês qual autoridade e estudo vocês dois tem para criticarem esses dois grandes nomes mundialmente?

    Honestidade?

    E também gostaria de saber o porque ainda dos comentários do MORI não existir voto popular?

    Porque ele é o dono do site. Põe se ele quiser.

    Cade a democracia desse site pois porque para ele não aparece essa opção também?

    Quer democracia? Então vá comentar no Kibeloco.

    pois para a gente quando escreve qualquer comentário aparece sempre votação popular!

    Mimimi…

    Será que só porque o mesmo é dono do site não aparece a votação popular para se fazer em seus comentários?

    Exato.

    Pois para mim sendo assim o único Charlatão da história é ele mesmo pois se perguntar para pessoas aqui no site vai ver que nem todos concordam sempre com seus comentários então favor colocar a opção de votação popular para você também em suas matérias e comentários não concordam comigo todos??

    Não e não. Se estiver insatisfeito é não visitar. O WordPress e o Blogger oferecem serviços para montar blogs de graça. Lá você monta um blog do jeito que você quiser. Pode até colocar anúncios para ganhar um graninha. Monte um e boa sorte. 

    Ainda não entendo esse tipo de comentários de gente insatisfeita.

  70. Rodrigo Aguiar disse:

    Antonio Andrada,

    Desça um degrau para dialogar com os leigos.

    “Bom, só afirmei que a lógica da ciência (a racionalista objetiva) é fundada no Materialismo dialético”

    Ficarei feliz quando nossa ciência dominar todas as disciplinas relacionadas à matéria, enquanto isto não acontece, é melhor continuarmos estudando com base no materialismo dialético.

    Vamos dominar primeiro a matéria, quem sabe depois passamos à fase seguinte do conhecimento.

    Cncordo como o que vc disse, é difícil entender seu pensamento:

    Lógica da ciência …”a Religiosa Cristã (assunto criticado, nem todas), é fundamentada na lógica do Essencialismo, assim, pensar que uma hipótese racional e positivista como as hipóteses paleo-SETI (erroneamente chamada pelos ignorantes em epistemologia de “teoria dos deuses astronautas”), materialista é uma ressignificação religiosa (sincretismo) Cristão”

    Não consigo vislumbrar esse “sincretismo” cristão.

    Salvo, pelo ângulo de que sob uma perspectiva “popular”, da tese paleoSETI, remeta a figura de alguém vindo do céu (deuses astronautas) com poderes supernaturais, remetendo a figura de um salvador, como Jesus Cristo para o cristianismo.

    Se este for seu pensamento, bem, é só um pensamento, um conceito, e pelo que eu vejo quase uma religião para vc.

    Religião são conceitos, o próprio ateísmo é uma religião para determinados ateus, pois é uma crença, uma crença de que não exite um deus ou deuses.

    O ateísmo, como todas as religiões é inofensivo, torna-se perigoso quanto o ateu se julga melhor que os que creem em deus ou deuses.

    Não tenho nada contra o ateu, mas sou contra qualquer pensamento ou conceito ditatorial que imponha uma verdade universal absoluta.

    Religião, quanto manipulada é como um time de futebol. Para que time vc torce?

  71. Rodrigo Aguiar disse:

    Rafael,

    “Rodrigo o que vc falou foram conceitos baseados em fe e nada mais”

    Para crer na Teoria do Big-Bang, é preciso ter fé que isto aconteceu.

    Para vc ver, até os cientistas precisam da fé.

    • Mori disse:

      Não é preciso ter fé para aceitar a gravidade. A Teoria do Big Bang possui diversas evidências quase tão claras quanto o fato de que ao pular de um prédio, você irá cair, como a radiação de fundo.

      É bem verdade, sim, que esta é uma visão simplificada da questão: cientistas sim lidam com crenças, por vezes irracionais, e o processo científico sim possui aspectos sociológicos, culturais, e mesmo psicológicos. Na prática há formas alternativas de interpretar a radiação do fundo, ou mesmo o fato de que você irá cair se pular de um prédio.

      No entanto, a ciência é a única área do conhecimento em que, por definição, busca-se relegar estes aspectos subjetivos a um segundo plano, deixando sempre que a evidência objetiva fale por si mesma.

      Sempre, na medida do possível.

      O relativismo radical só consegue ser mais absurdo que o positivismo ufanista.

      • Rodrigo Aguiar disse:

        Não sou profundo conhecedor deste assunto, porém todos os corpos que sofrem uma acelaração, a partir de um certo momento, tem que dessacelerar, isto não está acontecendo com o universo.

        Isto significa que não somos tão conhecedores das forças que regem o universo, assim o big-bang não é unanimidade.

  72. Rodrigo Aguiar disse:

    Rafael,

    Um dos exemplos que vc citou remete ao que eu falei, sobre a exploração da fé (fé no sentido amplo não no sentido estrito) dos indivíduos, por determinadas classes que estão no poder, vide a igreja ou o estado.

    Um exemplo do uso da fé, pelo estado é a seguinte:

    Proibem a maconha e outras drogas, dizendo que são prejudiciais à saúde.

    E claro que são.

    Porém a “cachaça”, ou a vulgar pinga provoca o acontecimento de diversos tipos de violência, desde a violência doméstica à prática de homicídios.

    Mas sua fé é manipulada para aceitar a droga etílica em detrimento da “cannabis sativa”.

    Infelizmente, isto acontece em todos os campos, se vc não tomar cuidado, sempre terá algo ou alguém querendo manipular a sua fé.

  73. Antonio Andrada disse:

    É isso mesmo Rafael,

    Equilíbrio é sinal de boa ciencia. O conhecimento nunca é 8/80. Tem gente que reclama do tamanho dos posts, querem ciencia ou fofoca? Se fossemos discutir os assuntos aqui no detalhe (pormenor) que estes requerem, seria impossível (faço melhor que posso para informar e discutir ideias).

    Por isso, espero qualidade científica dos artigos aqui postados, e por falar nisso, onde estão as referencias??? Lembremos que muita coisa a gente só lê “por ai” e sai falando, é inevitável, por isso é bom ler conteúdo de qualidade.

    Mas a pesquisa de campo é uma arma poderosa, tem que ler sim, se informar e saber separar o que não tem base nenhuma, investigar na pretica. Também não concordo com muita coisa que falam alguns “pesquisadores” paleo-SETI.

    obs: Se alguem souber me informar agradeço, “dizem” que Von Daniken já “fraudou umas iconografias em vasos de cerâmica” e foi pego e admitiu etc… Já li sobre isso até em revistas. A questão é: A mídia é sempre pronta para inventar histórias, me pergunto se realmente aconteceu e que evidencias concretas temos disso, alguém pode me informar? para que eu possa pesquisar mais a fundo. Algum depoimento dele, com documentação primária minimamente crível?

    • Mori disse:

      Daniken nunca admitiu que fraudou ou inventou algo, claro.

      Mas admitiu que diversas das evidências que apresentou em seus livros eram de fato fraudes. Um exemplo é o prato de Lolladoff, admitido por seu autor, David A Gamon, como uma obra de ficção.

      Outro exemplo mais duvidoso de Daniken é a pintura de Fergana: a versão que circula por aí, até onde pude verificar, é original da versão cinematográfica de “Eram os Deuses Astronautas”. Isto é, o desenho original foi publicado na revista soviética Spoutnik, mas a partir dela foi criada uma falsa versão “rupestre”, e repetindo, tudo indica que esta recriação foi feita para o filme de Daniken.

  74. Antonio Andrada disse:

    Rodrigo,

    Quando eu comentei que era absurdo afirmar que a “teoria dos deuses astronautas” é uma “nova explicação ressignificada do cristianismo(“sincretismo” em resumo é uma fusão de crenças), quis dizer que existe uma contradição lógica, porque:

    1- A Lógica da ciência do período histórico conhecido como modernidade (razão,objetividade, verdade) é fundamentada no materialismo, ou seja, os métodos e as explicações não podem ser feitas à partir de algo além do mundo material (físico-energia,moléculas, átomos) qualquer explicação tem de ser nessa epistemologia “naturalística metodológica”, onde não existe nada fora do mundo material. Dai inventaram a palavra “realidade”.

    2- A lógica da Religião é baseada no chamado pensamento religioso, ou a lógica do sagrado, dependendo da corrente antropológica,
    essa não estabelece o mundo como unicamente material, mas dualístico, é também sobrenatural, e essa é uma lógica Essencialista, toda matéria tem uma essência ou um “espirito” que a anima. Esse espirito não é feito de nenhuma substância ou partícula.
    (não é bem assim, é difícil falar disso sem ser reducionista pois não é algo que encaixa na própria linguagem que utilizamos aqui). O “pensamento religioso” tem que ser vivido, experienciado, não se explica nem se fala disso.

    3- Por isso não pode existir “guerra” de conhecimento entre religião e ciência partir de argumentos lógicos (pode ter entre instituições pelo poder, isso é outra coisa)pois a ciência não aceita o pensamento religioso pois é “não material” “sobrenatural” e a “verdade” da religião “se existir” nunca poderá ser julgada por um método científico pois não é detectável por ele. Por isso se diz que é uma “questão de fé”. Em termos dogmáticos e sociológicos (acreditar na autoridade) a ciência também é uma questão de crer.

    4 – Assim, você está confundindo “pensamento religioso” com a sociologia da religião. Tão pouco as religiões são as instituições religiosas. Não confunda isso!

    Assim, concluindo, voltando para o assunto Paleo-SETI, como a teoria dos antigos astronautas tem uma lógica científica, materialista, ela nunca poderia se fundir com a lógica religiosa, é um conceito diametralmente oposto.

    O problema de toda essa confusão é que as pessoas hoje, se dizem religiosas mas não pensam mais com uma lógica essencialista, não sabem nais o que é isso, dizem uma coisa mas não o são, é uma ilusão. Se socialmente, alguns indivíduos misturam deuses astronautas com conceitos religiosos, é porque estamos vivendo períodos de completa ignorância, uma mistura sem sentido de tudo em profundidade, essas pessoas tem uma visão literal disfarçada do próprio materialismo, e uma ignorância completa do essencialismo, não sabem nem o que é um, nem o que é outro.

    Referencias de autores clássicos na antropologia: Claude lèvi Strauss, Pierre clastres, Malinovsky e principalmente Èmile Durkhein.
    Na sociologia política do nosso tempo: Leiam Herbert Marcuse: “Eros e civilização”.

  75. alex disse:

    Nihil + Mori = São a mesma pessoa deveria ter vergonha de querer manipular os comentários das pessoas aqui no site favorecendo somente você para seu realismo cético total!

    • Mori disse:

      Pois é, manipulo tanto que mesmo os seus comentários atacando a minha pessoa — e a de outros –, ao invés de discutir fatos ou ideias, são aprovados.

      Muita falta de noção atacar uma pessoa em seu próprio espaço. Talvez seja também falta de noção de minha parte permitir isto, mas penso que seus comentários falam mais sobre você do que sobre mim.

      Mas talvez alguém ainda vá achar que você é uma persona fictícia que eu criei para fazer de conta que sou atacado. Pois é.

  76. Nihil Lemos disse:

    Em quais evidências em que você se baseia para tal acusação? Vamos lá.

    Primeiro, eu tenho o meu próprio blog.
    Segundo, comento aqui em outros lugares.
    Terceiro, não defendo o Mori. Apenas acho um saco quem entra num site só para criticar o autor.

    Agora mostre as suas provas que eu sou o Mori. Estou aguardando pois toda acusação deve ser seguida de provas. Isso você não tem.

  77. Nihil Lemos disse:

    Mori se somos a mesma pessoa como tem comentários nossos num espaço de dois minutos?

    Bem, acho que ele deve ir no Procon e reclamar. Assim ele terá direito a uma devolução no valor de R$ 0,00 que pagou para postar essas bobagens.

  78. Otto Pessanha disse:

    Puxa, até o Mori andou comentando aqui, coisa de louco.

    O texto é bom, mas como não quero entrar em discussões que, por mais rebuscados que sejam acabam sempre soando como trollagem, vou acenar com a cabeça, fazer de conta que concordo com todo mundo e continuar na minha.

    Espero o próximo post! :)

    ps: Que venha Niburu!

  79. alex disse:

    1- Falta de noção nenhuma minha opinião meu ponto de vista? Conhece liberdade de expressão??

    2- Permitiu alguns dos meus comentários apenas para poder me dar respostas sobre eles e se passar por bonzinho.

    3- Todos podemos ter opinião, e pontos de vista diferentes do seu Ceticismo Realismo Fantástico, que prega sempre suas teorias como verdade universal.

    4- Reforçando mais uma vez, respeite a liberdade de expressão. E deixe todos comentários que faço aqui no site 100% ativos.

    5- Esse espaço de 2 minutos já prova muito essa verdade pelo fato de você se preocupar a ponto de voltar aqui apenas para comentar isso porque não admite á verdade??

    6- Existem outros meios para isso específicos que posso reclamar ao invés do procon.

  80. Nihil Lemos disse:

    Daqui a pouco dirá que somos membros dos Illuminati e que temos parcela de culpa no terremoto Tohoku.

    Meu filho, para que o Mori se passaria por outra pessoa no seu próprio espaço?

    1. Quer liberdade de expressão? Crie um blog e escreva o que você quiser.
    2. Prove.
    3. Heim?
    4. Ele faz se quiser. O espaço é dele.
    5. Porque não é.
    6. Qual?

    O negócio é que seus comentários são sem noção. Leia lá em cima.

    Lembre-se de que é responsável pela mensagem que enviar. Comentários ofensivos, unicamente publicitários ou fora de tópico serão removidos sem aviso prévio.

    Ou seja, ele pode muito bem remover uns 70% dos comentários. Blog dele, regras dele e logo você está errado. Você está aqui por livre e espontânea vontade. Existem outros sites onde os comentários são livres e pode zonear por lá.

    Boa sorte. Trolls, go away!

  81. Nihil Lemos disse:

    Lembrando que já teve comentários meus removidos, mas não fiquei choramingando. Vê se cresça!

  82. alex disse:

    1- Já pensou em se chamar Nihil Mori?

    2- Argumentum ad hominem

    3- Argumento ad hominem abusivo

    4- Argumento ad hominem circunstancial

  83. Nihil Lemos disse:

    1. Não. Eu sou Nihil, comentarista e autor do blog anexo no meu nick e Mori é o dono do site do qual comento.

    2, 3 e 4. Onde estão os argumentos ad hominen? Bem, para quem não sabe português direito imagine latim. Você não sabe o que é isso. Deixe para quem entende de filosofia.

    Você ainda:

    A) Não provou que eu e Mori somos as mesmas pessoas (US$ 1.000.000,00 para quem provar).
    B) Tampouco provou que estou errado.

    Estou aguardando.

  84. LEx disse:

    Nihil Lemos,

    Se viemos da costela de Adão e fazemos parte da mesma Conciência Universal, então somos todos a mesma pessoa, portanto, você e o Mori são uma só na Glória de Deus….

    CADÊ MEU US$ 1.000.000,00 ?????

    (kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk)

  85. Rodrigo Aguiar disse:

    Mori,

    Entendi e também compreendi que a ciência trabalha apenas com a “evidência objetiva”.

    É que existe tanto trabalho, tanta teoria “subjetiva”, que adotar uma única teoria e dispensar as demais possibilidades é algo que me soa estranho.

    Mas quem sou eu para achar alguma coisa.

  86. Rodrigo Aguiar disse:

    Antonio Andrada.

    Você usou três denominações:

    “pensamento religioso”

    “sociologia da religião”

    “instituições religiosas”

    Certamente uma abordagem bem mais ampla do que aquela exposta no meu comentário anterior acerca de “religião”.

    Agora lhe compreendi. Você entende que o progama Paleo-SETI deve ser abordado de uma forma científica, o que não se coaduna com a abordagem do assunto de sob um aspecto religioso.

    Mas concordo com você, “religião” se insere dentro da disciplina denominada Sociologia, assim constitui “ciências humanas”, enquanto o progama Paleo-SETI, se enquadra em “ciências exatas”, desta forma os instrumentos de estudos não serão harmoniosos entre si, caso seja dado um aspecto Sociológico e não Científico, ao assunto do post.

  87. Rodrigo Aguiar disse:

    Continuação:

    “O “pensamento religioso” tem que ser vivido, experienciado, não se explica nem se fala disso.”

    O que existe atualmente é uma manipulação do acima aduzido, aliás, manipulação do próprio ser humano médio, que não consegue percerber tal manipulação.

    Contudo, por ser afastar demais do post principal, talvez seja melhor dar cabo ao assunto.

  88. Nihil Lemos disse:

    LEx, mandarei o dinheiro por e-mail via telepatia. É em cheque que é invisível e imaterial. Mas o valor é real. Mandei agora mesmo.

    Já sabe o que fará com o dinheiro?

  89. Alvaro Rexs disse:

    No aguardo de respostas Rosa-Shock como:

    Agumentum ad hominem;

    Troll;

    Ou outras típicas respostas lepidopteras!

  90. Rafael disse:

    Rodrigo, nao entendda como uma ofensa. Mas conversando com vc me lembro do caseiro que cuida da fazenda do meu tio.
    Ele e um daqueles agricultores humildes que gosta de vez em quando conversar um prozinha com alguem da cidade.
    Eu gosto de conversar com ele, pois pessoas como ele, muito simples e humilde, me faz sentir que o mundo nao e so o materialismo exarcebado que nos vivemos atualmente.

    Enfim, ele e um sujeito que so acredita vendo as coisas. Ele diz que nao existe aviao e que essa historia de brasil descoberto por portugal e uma mentira, pois os bisavos dos bisavos dele sempre viveram aqui a mais de 800 anos.(estou falando de forma tecnica, mas nao converso assim com ele)

    Bom tenho certeza que essa historia de 800 anos ele mesmo nao sabe quanto vale 800 anos, muito menos tem ideia de como as coisas funcionavam no ano de 1200. Mas ele vive dizendo isso ainda!

    Ele seria o sujeito que vc pode dizer: eu so acredito vendo!

    Entao, ele nao gosta de fe, embora seja devoto de nossa senhora das gracas.

    Mas, um dia ele me perguntou como eu acredito em existencia de eletricidade e na chegada de portugal ao brasil no ano de 1500 se eu nao estava la ou nao toquei nela.( ele ficou curisoso porrque disse que a mesma energia que liga a luz da casa dele e a mesma dessas tempestades que estavam naquele local naquela hora!)

    Entao a resposta que dei, que com essa resposta fez ele repensar sobre muitas coisas erradas, darei a mesma a vc e espero que ajude a melhorar a compreensao das coisas.

    Eu disse para ele, porque vc acredita que nossa senhora das gracas existe? Ele diz que nao sabe, apenas sente isso .(no seu caso, porque vc acredita que consciencia universal existe)

    Eu disse: eletricidade existe porque, ainda que nao tivesse tocado nelas ou visto elas, nos temos fortes indicios de que elas existam.
    Inumeros aparelhos dependem da eletricidades, teorias de criacao ou extincao de correntes eletricas sao usadas o tempo todo e nunca deram errado, alem de podermos prever efeitos das eletricidades em diversas situacoes

    Da mesma forma portugal veio ao brasil em 1500, porque temos fortes indicios que mostra isso.
    Relatorios depoimentos escritos de testemunhas, vestigio de uma viagem em portugal para o brasil e da chegada da coroa no brasil.

    Em ambos os casos, toda a historia e ciencia trabalha com essa hipotese(portugal ao veio ao brasil e existencia da eletricidades

    Muitas outras teorias sao criadas com base nessas outras teorias(eletricidade e viagem ao brasil) e todas tiveram sucessos. A partir da chegada da familia real no brasil, muitos historiadores tomaram esse fato como fonte para a pesquisa de outros fatos que se mostram reais.
    A partir do estudo da eletricidade, torna-se mais facil tb entender a existencia e funcionamento das outras energias e as interacoes entre elas.

    Tais coisas existem por causa desses indicios, que independem totalmente de ver ou tocar.

    Na verdade ver e tocar faz parte de uma epoca atrasada do homem, onde do existia o que se via ou tocava.

    A ciencia de vaguarda hoje trabalho com quase tudo que nao se pode ver ou tocar e inumeras tecnologias, muitas que sao usadas para nossos beneficios, FUNCIONAM com base nessas teses que ninguem pode ver ou tocar.

    A humanidade, gracas a deus, ja evoluiu muito e nao se encontra apegada a teses que dependam de ver ou tocar, gracas a isso temos avioes, televisao celular onibus espaciais e milhares e milhares e milhares de muitas outras coisas fruto de tese que nao se pode ver ou tocar.

    Na verdade, o ver ou tocar ou fe sao apenas 1 dos inumeros indicios que pode existir sobre uma tese ou fato.

    Cientistas usam o tocar ou ver, quando possivel se usar em uma experiencia,(nao da pra tocar em atomos!) junto com outros indicios
    para se comprovar uma tese ou um fato historico.

    Veja so, se ver ou tocar ou fe foram a base do conhecimento de tudo, vc ira descobrir que vc nao existe, afinal quem garante que seu pai e seu pai(vc tem fe nisso, afinal, vc nao estava na hora que nasceu) quem garante que vc tem sangue no cerebro, afinal vc nao viu isso e muito menos tocou.

    obs: nao va questionar ao seu pai se ele e seu pai so porque vc nao viu ou nao tocou em vc na hora que nasceu)

    Vc acredita nisso(se nao acreditar por favor nao corte sua cabeca para saber se ter sangue!) porque ha indicios fortes de que essas coisas existam, sendo a propia visao ou toque apenas um indicios entre varios.

    Vou mais alem do que mori falou, a ciencia trabalha com deducao ou inducao basicamente. Nao existe fe nenhuma. Porque fe precisa de ausencia de indicios, especialmente o toque e a visao. Deus diz para moises, divida o mar em dois para que meu povo possa atravessa, supondo que essa historia seja verdadeira, nao haveria NENHUM indicio que o mar iria se abrir, no entanto, ele teve fe e o mar se abriu.(se uma voz me dissese para saltar de um predio de 20 andares eu nao faria isso pode ter certeza!)

    Se a ciencia fosse falar paara moises a mesma coisa atraves de um celular, ela diria: estamos indos com 30 barcos levar o povo de deus para o outro lado do oceano. E moises ai nao teria fe nenhuma, apenas por fortes indicios saberia que isso aconteceria(levando-se em conta que ele saiba que existia celular barcos e governos com 30 barcos dispostos a ajudar um povo)

    Moral da historia: o que separa a ciencia da fe sao indicios, sendo ver ou tocar apenas um dos indicios.

    Concsciencia universal vc acredita?

    cade o indicio ?

    Big Ban, nossa vc quer indicios disso ? Nao sei nem por onde comecar, depois lhe passo uns 50 livros pra vc ler.

  91. LEx disse:

    Nihil Lemos,

    Comprarei uma bola quadrada da mesopotâmia.

  92. Rafael disse:

    Rodrigo a questao das drogas que vc colocou e muito mais complexa. Passa por muitas discussoes, do que a simples ideia: se a cachaca pode porque a maconha nao pode. Ou se a maconha pode, porque a cachaca nao pode.
    Isso e apenas um dos varios argumentos que se deve levar em questao.

    Alex, nao defendo mori ou nihil tb. Veja que eu acredito em vida pos morte ou extraterrestres.

    Porem, sugiro a vc manerar um pouco, pois vc nao ataca a materia discutida no forum e sim o propio dono do blog ou logistica do site, sendo, qualquer um deles nada tem haver com a discussao.

    Suggiro a vc ler o site que mostrei com inumeras cirticas ao sntchi e eric van.

    Minha opiniao apenas.

    onde se lee:veja so, se ver ou tocar ou fe foram a base do conhecimento de tudo,

    leia-se: veja so, se ver ou tocar ou fe FOSSEM a base do conhecimento de tudo,

  93. LEx disse:

    Rafael,

    Na boa brother… Como é esse lance de “nunca ninguém viu a eletricidade”?

    Em outro post de outro artigo eu perguntei a mesma coisa e ninguém respondeu… Será que só eu vejo ou o que vejo não é a eletricidade?

    Já trabalhou com indutores eletrícos? Ao aproximar o induzido do motor de partida ele começa a “lançar” pequenos “capilares” de luz, o que a meu ver é eletricidade, pois antes do induzido tocar o interruptor o motor já começa a girar. A exemplo também temos a lâmpada de plasma e a própria faísca dos cascos do cavalos das amazonas (RAIO). Me explica aí… Por favor.

  94. Rafael disse:

    Opa se deus existe e pode-se trocar costela por mulher, os vizinhos aqui ja querem pegar a senha para entrar na fila

  95. Rafael disse:

    Sim tranquilo.A luz que vc ve e o efeito da eletricidade e nao a eletricidade em si.
    Veja so

    Eletricidade é a passagem de elétrons em um condutor.
    Um campo elétrico é o campo de força provocado por cargas elétricas, (elétrons, prótons ou íons)
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Eletricidade
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Campo_el%C3%A9trico
    Nao se ve eletrons. Ninguem consegue ver a olho nu eletrons. A luz seria um efeito causado pelos eletrons.

  96. Samurai disse:

    heheheh É engraçado ver Daniken e honestidade na mesma frase… O hoteleiro suiço passoou 4 anos preso por desfalque, golpe esse que ajudou a financiar sua viagem de “pesquisa”.

    Sem contar nas distorções e mentiras que ele publica em seus livros de ficção, que qualquer arqueólogo amador desmascara na hora…

    O problema é que ele tem milhares de fãs, religiosos que não fazem questão de questionar e estudar, mas aceitar as invenções dele pois são muito mais atraentes que a realidade.

  97. Magno disse:

    Lex, eletricidade é a energia da corrente de elétros, o que não é visível, já o que voce vê, são os efeitos dessa corrente, como a luminosidade. Mas não vamos saor tanto do tópico ok?

  98. Alvaro Rexs disse:

    Fiz um comentário tão legal a Nihil…

    Infelizmente foi bloqueado!

    Nihil amigão! Toca aqui!!! o/

  99. LEx disse:

    Rafael em 20 de maio 2011 às 13h21
    Obrigado!

  100. Rodrigo Aguiar disse:

    Rafael,

    Legal sua opinião, todavia, como já disse anteriormente é melhor dar cabo aos assuntos que não estejam relacionado com o “post” principal.

    Só gostaria de fazer uma observação, a humildade é um adjetivo que eu admiro muito, fico feliz por deixar transparecer este sentimento, mesmo que seja vitualmente, obrigado pelo elogio.

  101. LEx disse:

    Não sei porque… Mas essa história toda me lembrou um nome: Urandir Fernandes de Oliveira

  102. B.S. Possi disse:

    rsrsrs eletricidade não pode ser vista…

    tudo bem, coloque seu dedinho em um cabo de auta tensão com 25 mil volts passando por ele, a eletricidade vc num vai ver, mais assim como na lampada vai ser seus efeitos.

    Eletricidade é o deslocamento PROVOCADO de eletrons, ao contrario do que se imagina, o mesmo efeito pode ser obtido de diferentes formas, porém o principio é sempre o mesmo, vc EMPURRA um eletron, ele reage em cadeia, um empurrando o outro e PIMBA, temos a eletricidade, a forma mais comum de se obter a eletricidade é através de imãs, que por possuirem campos magnéticos, conseguem mais facilmente empurrar os eletrons, ou em explosões nucleres, que através de pequenas explosões frequentes empurram os mesmos eletrons.
    Volta lá pro primario, seu professor de ciencias, aquele cara q vc odiava, algum dia te pediu para esfregar um pente em um tecido ou cabelo e em seguida coloca-lo perto de papel picado, NOSSA… em mesmo… vc não consegue VER oque acontece internamente, mais o fenomeno existe, trata-se do alinhamento de elétrons, que ganha a propriedade de atrair outros eletrons, só funcona no papel? não, é que o papel é leve, por isso ele consegue ser atraido, qualquer outro material com a mesma levesa e pouca resistencia elétrica tem o mesmo efeito.
    Agora a eletricidade em sí é na realidade uma das propriedades do efeito do magnetismo, que TAMBÉM não é visivel, graças ao magnetismo descobrimos a eletricidade, e hoje em dia tentamos adiquiri-la de outras formas, que sejam mais eficientes do que ficar passando um imã em um cabo de cobre, porém é sim um efeito causado pelo magnetismo, QUE não foi a ciencia que descobriu, foi por acaso, um carinha q tinha o sobrenome de Magno tropeçou e caiu, ele estava com uma armadura, esta ficou presa em uma pedra e dai se descobriu o magnetismo, foi POR ACASO pou um cara que NUNCA foi “letrado” pra não falar outra coisa, eu não me lembro de toda a história, aprendi e rí muito dela quando tinha 14 anos, estudando para ser eletricista no senai, porém a história é tão marcante que até hj eu lembro, e aprendi muito mais, porém tudo se deve ao tropicão deste cara, que nem o nome todo dele eu lembro rsrsrsrs

    Ainda to tentando enteder essa briga toda pelo Mori não poder ser votado, qual o problema? o site é dele, e também vc pode sim questiona-lo, o espaço pelo que sei esta aberto.
    Não concordo com muita coisa que muitos pensam aki, e nem por isso deixo de visitar o site, afinal é da discordancia que conseguimos adquirir conhecimento, se não houvesse a discordancia, as formas diferentes de pensar, talvés nossas lampadas ainda seriam tochas, o que EU acredito, não é nescessáriamente o qu VOCE acredita, o debate é sempre valido, desde que tenhamos mente aberta para rever nossos próprios conceitos, e aceitar novas possibilidades.

  103. João Santos disse:

    Prefiro me considerar produto de uma “AUTOCONSCIÊNCIA” e não de uma “INCONSCIÊNCIA UNIVERSAL”. Sem que isso signifique que o universo ou o átomo viva a me espreitar. Não é esse o sentido que atribuo a uma autoconsciência.

    Um programa é uma série de instruções correlcionadas que não surgem prontas, necessitam do raciocínio de um programador. Mas o programa também precisa de um agente capaz (aparato funcional- máquina – hardware) – que deve ser construído com capacidade de executar as instruções. Finalmente o conjunto, programa e máquina, requerem um agente autônomo para acionar o comando – EXECUTAR !

    Nos processos autoconscientes a instrução, o hardware e o comando para sua execução, já estaria latente na entidade, quer seja ela animail, vegetal ou mineral.

    Que a força esteja com os aficcionados por Stars Wars !

  104. Otto Pessanha disse:

    Bom, falei que ia ficar quieto, mas deixa pra lá..

    O lance todo, seja na interpretação da religiosidade como divina ou alienígena, ou mesmo uma “autoconsciência” é o fato de querer inverter a relação de causa e efeito das coisas.

    As pessoas costumam pensar em termos mais ou menos assim: Se as coisas funcionam, é porque foram feitas para funcionar deste jeito, ora bolas, elas funcionam tão bem, tem que ter havido um esquema, um plano, uma programação para que elas funcionassem “perfeitamente”.

    Esse tipo de pensamento leva, fatalmente a você pensar em algum tipo de consciência, desde uma força dormente até uma consciência ativa (divina ou alienígena) agindo por trás dos panos, criando as coisas e os seres, programando e planejando seus esquemas primordiais para que eles funcionem.

    A grande questão, como eu disse no início do comentário, é que se confunde a causa e o efeito. As coisas não foram feitas para serem “assim”, elas foram feitas de mil formas diferentes e as que são “assim” sobreviveram, vingaram. E mesmo vingando, ainda estão em constante evolução, mantendo um equilíbrio tênue, que pode ser abalado a qualquer mometno.

    As pessoas falam de humildade para reconhecer certas coisas, mas é necessário uma dose considerável de humildade para perceber que somos mais pequenos e insignificantes do que achamos.

    Mas, queremos ser importantes, como se a inteligência humana fosse uma espécie de dom especial. Quando vemos outros animais por aí começando a usar ferramentas, com o tempo certo, (de centenas de milhares a milões de anos) eles poderiam ser uma segunda raça inteligente no planeta, e, vejam só: Eles começaram a se desenvolver por conta própria, não precisaram de ETs, ou mesmo humanos para ensina-los isso, foi a necessidade e a imaginação que fizeram o trabalho.

    Colocar a responsabilidade pelos nossos avanços em ETs, Deuses não é humildade, é tolice. Você pode muito bem admitir que é bom em alguma coisa sem ser presunçoso. Bom, é tolice enquanto não há evidências contundentes dessa intervenção, se as evidências se sustentarem, aí teremos a prova. Mas até lá, essa interferência não passa de faz-de-conta.

  105. antonio adrada disse:

    Mori, chegamos a um denominador comum: A hipótese é científica, não é uma fanmtasia de ficção, gostei da lembrança do Sagan defendendo o PaleoSETI, ótimo. “uma civilização se espalhará como uma videira pelo universo…” (Cosmos) tem também o F. Crick em “direct panspermia”, lembra…

    Mas, o problema central de todo o seu discurso é o que vem a seguir “não existe evidencia” ora convenhamos! O que vc considera como evidencia? o que vc “quer acreditar” que seja uma? Qual é o seu conceito de evidencia? Pois se é só uma afirmação pessoal “um achismo”, eu posso afirmar da mesma maneira que existem toneladas de evidencias para corroborar a tese de antigos astronautas. Penso que vc quis dizer que na “sua” interpretação estas não são evidencias, ah… isso é outra coisa! Quanto as discussões sobre as evidencias e sua interpretação aqui deste site, não são textos científicos que entendem minimamente a epistemologia da arqueologia.

    Não existe prova, existe corroboração em ciencia, e na arqueologia que tem dezenas de aportes teóricos distintos, a interpretação é fundamental, qual linha teórica vc trabalha em arqueologia nos seus artigos, e por que?

  106. Magno disse:

    Otto Pessanha, não vou discutir a questão de uma consciência universal (apesar de achar mais difícil explicar o universo formando-se por casualidades, do que pelo DI).

    Voce diz:

    “Colocar a responsabilidade pelos nossos avanços em ETs, Deuses não é humildade, é tolice. Você pode muito bem admitir que é bom em alguma coisa sem ser presunçoso. Bom, é tolice enquanto não há evidências contundentes dessa intervenção, se as evidências se sustentarem, aí teremos a prova. Mas até lá, essa interferência não passa de faz-de-conta.”

    Quando voce diz que não há evidências dessa intervenção (ET), acredito que depende da sua maneira de olhar essas “evidências”, porque evidências é o que não faltam. O que não temos são provas cabais.

    Então vamos Levantar três hipóteses. Escolha uma.

    1ª- Os povos da antiguidade tinham uma tecnologia igual ou superior a nossa, incluindo máquinas, ferramentas diamantadas, barcos de grande porte, guindastes, conhecimentos de engenharia avançada e etc.

    2ª- Esse monumentos megalíticos foram construidos em todo o planeta por uma civilização desconhecida com alta tecnologia, que desapareceram, deixando apenas as suas obras em rochas como vestígios, que sobreviveram até hoje.

    3ª- Considerando que não existiu uma civilização com alta tecnologia que doninasse todo o planeta, anterior a 6.000 anos e que a tecnologia da época era exatamente o que diz a nossa arqueologia, a única hipótese plausivel é hipótese AA.

    Veja que já excluo o que diz a nossa arqueologia, mas se voce (ou qualquer um outro), quiser debater sobre a possibilidade dos antigos realizarem tantas proezas de modo arcáico, como diz a nossa arqueologia, estou a disposição.

    Abs.

  107. Magno disse:

    Lex, o Däniken não era um “especialista” em arqueologia, mas utilizando o que tinha de conhecimento arqueológico tradicional e indo conhecer de perto os monumento antigos, usou o pensar com uma boa lógica para chegar a essa hipótese.

    Chamar ele de charlatão sem ter uma explicação lógica para tais monumentos, é no mínimo calúnia e difamação, pra não dizer prepotência.

  108. João Santos disse:

    Continuando…

    O átomo seria um exemplo de entidade elementar autoconsciente, pois também não precisa de qualquer instrução ou comando de um agente externo, visível ou identificável, para executar e manter sua complexa atividade. Tanto as “instruções” quanto os “comandos” já estão precisamente sistematizados, de maneira coordenada e quantizada (em quantidades energéticas precisamente definidas – digitais). Para os ateístas, é um sistema sem pai – órfão; para os agnósticos – há o benefício da dúvida (possibilidade) de um mentor desconhecido; para os deístas há a certeza de um ente intangível e sobrenatural – Deus.

    Esse mesmo processo faz com que uma primitiva tartaruga, num vasto oceano, “saiba” retornar a mesma praia para desovar. Nossas células de defesa “sabem” identificar o invasor – mais impressionante ainda são as que não apenas “identifica”, mas “decodifica” o invasor e “instrui” o organismo de como construir as defesas para inativá-lo”. Parecem dotados de um “chip” natural para executarem tarefas autônomas. Enquanto navegamos na net, bilhões de ações autoconscientes acontecem em nós, sem nosso conhecimento.

  109. Robinson disse:

    Olá pessoal, dei uma lida por cima dos comentarios e gostaria de frizar apenas uma coisa, até hoje não vi nenhum arqueologo que se diz sério investigar a fundo muitos artefatos. O que chamamos de arqueologia perdida, pois todos sabem que existem mas ninguem realmente, fala fica só um disque me disse, outro fator Mori ainda estou aguardando sobre as Esferas de Klerksdorp, e tem também o Disco de Dropa, sabes de alguma informação? Li em um blog sobre o Objeto de Coso que dizem ser um tipo de bateria eletrica.
    Existe muita coisa que os arqueologo que se dizem sérios nem sequer dão se o trabalho de investigar, por terem sua mente bitolada nos paradigmas do passado. Eu não sou ninguem, apenas estudo as coisas conforme minhas possibilidades e acredito que muitos aqui fazem o mesmo. Então gostaria de saber sua posição sobre estes itens que mensionei.
    Um grande abraço.

  110. Nihil Lemos disse:

    Robinson, o trabalho de arqueólogo exige muita dedicação e tempo. Um passeio por sites como Fotopedia, por exemplo, mostra que existem milhares de sítios arqueológicos. É bem provável que não existam arqueologos suficiente para estudar todos eles e cada sítio pode exigir até décadas de estudos. Não que os arqueólogos sejam “bitolados”. Eles analisam com os pés no chão.

    Uma coisa, ninguém acha estranho Däniken chegar a conclusões sozinho sobre vários lugares o que uma equipe levaria anos num lugar só. No mínimo o trabalho de Däniken é BEEEM duvidoso.

  111. João Santos disse:

    Galera, antes de mais nada, parabenizo a todos por fazerem parte de uma minoria. Aqui temos debates interessantes, farpas à parte. Enquanto isso o comentário geral por aí é a nova musa do Ronaldinho Gaúcho e a Ferrari de 1,6 milhão do Boninho (do Big Brother).

    Antônio Andrada, um amigo meu, que estuda culturas orientais, disse que há muitos relatos semelhantes no Livro dos Vedas. Só não sei os detalhes. Mas diz de pessoas que vieram do céu e coisas do gênero.

  112. Magno disse:

    Nihil, nenhum arqueólogo tradicional teria a coragem de divulgar uma hipótese, pelo menos parecida com a do Dänikem (mesmo que chegasse a essa conclusão e ficasse tentado a divulga-la), pelos simples medo de ser ridicularizado pelos colegas.

    Já Däniken não tinha esse problema, pode expôr as suas idéias, já que não fazia parte do “quadro” de arqueólogos.

    Não preciso ir a Puma Punko, pra ver que as explicações oficiais não fazem sentido, basta verificar as fotos e as descrições de peso, medidas, distancias e método de transporte das pedras, como também o tipo de ferramentas e método empregado para a confecções das lages, dadas pela arqueologia tradicional.

    Uma das explicações tradicionais, é que o povo antigo de Tiahuanaco, contruiram com pedras enormes, porque não tinham como cortá-las, mas com uma rápida olhada, percebemos que cortar não era nenhum problema pra eles. Aí fica a pergunta: Por que não cortaram em pedaços menores e mais fácil de transportar?

    A minha opinião, é que, quem construiu, precisava de pedras exatamente daquele tamanho e que o transporte de enormes pedras não era impencilho pra eles, ou seja, tinham facilidade de erguê-las e transportá-las (por isso disse ao Ulisses que eles deviam ser exibicionistas, lembra?).

    As explicações oficiais são muito simplistas, esquecem de avaliar muitos detalhes, para impor a autoria das obras ao povo que ali viviam. Veja alguns exemplos:

    Não dão a menor atenção para o fato, de numa época que eles mesmos dizem, as civilizações do oriente, não tinham contato com as civilizações do ocidente, mas mesmo essim ambas adquiriram o costume e o mesmo método de moverem grandes pedras e que os seus estilos de construções eram muito parecidos (exceto Puma Punko, que com o seu estilo, faz todos os outros megalíticos parecerem brincadeira de criança).

    Já em Nazca, atribuem os desenhos ao povo nazca e ficam num jogo de adivinhação para descobrirem como e porque os fizeram, deixando de lado o topo de uma montanha que, aparentemente, foi aplainada diferenciando de todas as outras ao seu redor.

    Que tal dá uma olhada nesse site? Talvez o site não seja de “credibilidade”, mas vários artefatos arqueológico são reais, pois alguns se encontram em museus. Analíse-os (principamente os crânios que se encontram num museu do Peru) e tire as suas conclusões.

    http://projectavalon.net/lang/pt/klaus_dona_hidden_history_pt.html

    Abs.

  113. Nihil Lemos disse:

    A explicação para esses crânios já vi há anos num livro que li no Brasil (ou numa revista?). Algumas crianças incas usavam artefatos na cabeça que “molda” o crânio duma maneira que ele vai ficando mais alongado e conforme vai esticando vai alargando também. Fontes? Perdão se um dia eu encontrar eu divulgo.

    Sobre a possibilidade de um arqueólogo caçoar o outro… Não acredito muito. Mas eles tendem a estudar o máximo para não tirar conclusões precipitadas. É bom lembrar que até o século 18 acreditava-se que o coração era o órgão responsável pelos sentimentos e que a consciência vem da alma. Hoje sabemos que temos cérebro (órgão que não é citado uma única vez na Bíblia). As pirâmides de Gizé são estudadas desde a antigüidade (gregos, romanos, mesopotânios, babilônios, assírios… Toda essa galera passou por lá) e ainda hoje temos poucas certezas.

    Portanto não se pode confirmar nada. E Däniken, sim, ele foi ou apressadinho ou malandro mesmo. O fato é que ficou mais rico que qualquer que arqueólogo, mas isso não significa credito com a comunidade cientifica.

  114. Magno disse:

    Nihil, tambem conheço essa explicação para os os crânios alongados.

    Alguns povos primitivos enfaixavam a cabeça das crianças para que ficassem parecidas com a dos deuses, mas essa deformação não aumentava o volume craniano, nem modificava a estrutura óssea. Já nesses crânios que indiquei, eles além de terem tamanho desproporcional, tem a estrutura óssea diferente.

    Dänikem foi (e ainda é) ridicularizado pela comunidade científica, assim como qualquer arqueólogo de renome também teria sido se tivesse levantado questões similares.

    No link que indiquei, ele cita (entre outros) o geólogo Angelo Pitoni, que se não já estiver sendo ridicularizado, com certeza irão tentar desacreditá-lo.

  115. LEx disse:

    Magno em 20 de maio 2011 às 18h29,

    Brow… Tenho um tio que é formado em história com especialização em história antiga, conhece o mundo inteiro, mês passado ele chegou da China, e nem por isso ele escreveu um livro e nem sai por aí dizendo que descobriu o segredo da vida.

    Eu nunca disse que Däniken é um charlatão, pelo contrário, eu sou fã do cara… Imagina gastar milhões de doletas e ir a público dizer que em Machu Picchu situa um posto de comando alienigena onde as pedra foram cortadas a laser… rsssss, viagem a parte, eu também já consumi Dietilamida… rssss

    _______________________

    Esse lance dos crânios alongados deu o que falar a alguns anos atrás, saiu uma matéria na SUPERINTERESSANTE de edição inteira sobre o assunto, alguns livros de história também constam os tais crânios, diz a lenda que era para diferenciar a Elite da Vasalagem. Isso não vai longe, alguns indios da Venezuela, sofrem com uma deformação bizarra no crânio, eles teem a parte de trás da cabeça quadrada, isso por dormirem desde criança em um “prancha” de pedra. Tentei achar algum link para mostrar mas não achei…

  116. Robinson disse:

    Bom dia galera, tem um sitio arqueologico aqui no Brasil em fortaleza que possui a Pedra de Inga dei uma lida sobre e é muito fascinante, sem contar a gruta dos pesinhos se não me engano no Mato Grosso, onde tem marcas de pés tamanho pequeno com 4 dedos, 5 dedos e 6 dedos sem contar com a caverna dos Deuses protegida pelos indios Xavantes. Gostaria de saber a opnião dos amigos sobre estes fatos. Taxar escritores de xarlatões só por elevarem suas conclusões então o Paulo Coelho seria o maior e outra assim como Julio Verne com o livro Da Terra a Lua(não tenho certeza se é este o nome) que previu ficsiosamente a forma de como seria a viagem para lua. E por fim foi exatamente como no livro, e ele foi um grande escritor assim como Daniken e os outros, forjar artefatos é pessimo, mas esconder artefatos reais por birra e também por dogmas é bem pior. Nihil e Magno descobriram algo mais sobre a piramide da Bosnia? Tem uma aqui no Brasil mas como sabemos esta vai demorar para alguem tomar alguma iniciativa mais seria. Um grande abraço.

  117. Magno disse:

    Lex, na verdade eu ia citar voce e o Samurai.

    Com relação voce, era por conta desse comentário:

    Enviado por LEx em 17 de maio 2011 às 11h21.

    quanto ao seu tio ter viajado pelo mundo, não significa que obrigatoriamente, ele teria que escrever sobre assuntos que diferenciam da arqueologia tradicional. Pelo contrário, ele teria dois fortes motivos para não fazê-lo, ou ele não se interessou pelo assunto, ou teve receio de ser ridicularizado.

    Quando se faz uma análise superficial ou tendenciosa, alguns pontos são deixados de lado, ou há insistência em desclasificá-lo, como no seu caso. Com certeza voce não analisou o link que postei, ou se analisou foi de maneira parcial e tendenciosa.

    Voce poderá deformar um cranio de várias maneiras, mas jamais conseguirá aumentar o volume, ou modicar a sua estrutura óssea. Isso é científico.

    Os crânios encontrados no Peru e México, tem volume e estrutura ósséa, impossível de ser de qualquer homídio ou animal conhecido na terra, além de existirem marcas cirúrgicas, que levam a crer, terem sidos feitas com intrumentos cirúrgicos de precisão.

    Essa falta de interesse em divulgar a real natureza desses crânios, só faz com que eu perca cada vez mais a credibilidade na nossa ciência oficial.

    Na realidade, existe uma infinidade de anomalias arqueológica e paleontológica, que simplesmente são deixadas de lado, ou dão explicação chulas para elas.

    Não vou alongar mais esse comentário. Já deixei as pistas para pesquisa, cabe a voce pesquisar ou não.

    Abs.

  118. LEx disse:

    Magno,

    Meu tio é viúvo e não tem filhos, ele não escreve porque não é escritor, apenas gosta de viajar (agora tá barato! rsss), só dei o exemplo pelo fato de que não porque Daniken viajou e conheceu os lugares citados nos livros dele quer dizer que ele saiba o que está escrevendo, use sabe, não está sendo imparcial, onde já se viu cortar pedras com laser!!!? E isso a 5k anos atrás Não seria mais fácil construir com materiais mais resistentes e mais leves como é feito nos dias atuais? Vou repetir! Sou fã do Daniken!

    Quanto aos crânios, não estou tendenciando nada, li tudo que tu escreveu, porém, não sou médico, não sei nada de anatomia, sei o que li, esse caso dos crânios é a mesma coisa das chinesas que encolhem o pé… Chega a um ponto que os ossos acabam se transformando em cartilagens, ou daquela tribo (indonésia acho) que as mulheres “esticam” o pescoço (ou abaixo o ombro, como preferir). Apesar que cabeça de mamão tem de monte andando aí pelas ruas…

  119. Rafael disse:

    De fato, os cranios sao interessantes, porem muito gente ainda nao considera uma boa evidencia de participacao de aliens em nossa historia ,pelo fato de haver duvidas quanto a sua origem, ja que tais deformacoes podem ser resultados de deformidades humanas, como ja foi mostrado em casos de tribos indigenas atuais.

    Na minha opiniao, isso e o que faz os cranios perderem importancia.

    O que me deixa menos empolgado em relacao aos cranios e o fato de nao haver nenhum teste de dna feito sobre eles. Se houvesse um teste, rapidamente saberiamos se os cranios sao de origiem Aliens ou humanos deformados.

    Porem, como nao foram feitos esses testes, isso me leva a crer que os cranios nao possuem relevancia cientifica e ,portanto, provavelmente se trata de cranios normais com deformacoes.

    Mas certeza disso eu nao tenho nenhuma e posso dizer que gostaria de ver um exame de dna sobre esses cranios.

  120. Borba disse:

    Por favor, pessoal: PAREM DE ALIMENTAR OS TROLLS!!!

  121. B.S. Possi disse:

    Estes cranios todos me chamaram a atenção não por dizer que sejam frutos de aliens, não por isso, mais sim pelo fato de todas as tribos que a faziam se referiam a mesma origem do mito, sempre esta ligado a deuses vindo do céu
    Nas americas, eles deformavam os cranios para se parecerem com seus deuses, deuses estes que vieram do ceu, criaram o homem e blablabla.
    No egito, uma teoria diz que os faraos tinham um doença genética, outra teoria diz que também faziam isso deforma proposital para mostrarem que eram de fato os herdeiros legais do trono, porém isto também se deve a parecerem com seus deuses, que também vieram do céu.
    Assim como na china, a mitologia diz que o primeiro imperador desceu dos ceus em seu dragão que cospia fogo.
    Recaptulando:
    os maias, incas, astecas, acreditavam que seus deuses vieram do céu
    Os sumerios acreditavam que seres vindo do céu criaram o homem (isso é o que TODOS os historiadores dizem, não só Sitchim)
    Os egipcios que seus faraós vieram do céu, que eram deuses ou descendentes deles.
    Na china, IDEM
    me parece ser uma idiotice, ou como alguns dizem, ficar elimentando trolls, mais será que TODOS estão errados, porque os mitos são sempre iguais, porque sempre se refere aos seres que vieram do ceu?
    Será que se passarmos a levar essa possibilidade mais a sério, a gente talves não possa deixar de ser propotentes e arrogantes e conseguir entender um pouco mais sobre nosso passado?
    Eu li muitas materias do projeto Camelot, tem muita coisa lá pra lá de bizarra, mais não se pode dizer que é pura invenção.

  122. Nihil Lemos disse:

    Robinson,

    Taxar escritores de xarlatões só por elevarem suas conclusões então o Paulo Coelho seria o maior e outra assim como Julio Verne com o livro Da Terra a Lua(não tenho certeza se é este o nome) que previu ficsiosamente a forma de como seria a viagem para lua.

    Bem, então devemos encarar os livros de Däniken como de ficção, de acordo com o seu raciocínio. Pois tenho algumas obras de Julio Verne (e odeio Paulo Coelho) como: Viagem ao Centro da Terra, 20 Mil Léguas Submarinas, Volta ao em 80 Dias e Da Terra à Lua. Em NENHUM deles o Julio Verne mencionou que isso aconteceu de verdade.

  123. Nihil Lemos disse:

    B.S Possi,

    O céu chama muita atenção. Afinal é lá onde está o Sol, a Lua, estrelas, nuvens, de onde cai a chuva e trovões. Já que deseja variar um pouco. Há diversas tribos pelo mundo que acham que os vulcões são deuses.

    Que tal?

  124. Nihil Lemos disse:

    Robinson,

    Nihil e Magno descobriram algo mais sobre a piramide da Bosnia?

    São formações naturais de artigo com esse excelente artigo do Wikipedia:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Bosnian_pyramids

    E para reclamar que é da Wikipedia vão direto às referências (tem muita gente preguiçosa que nunca procura):

    http://en.wikipedia.org/wiki/Bosnian_pyramids#References

    Abraços!

  125. B.S. Possi disse:

    Nihil

    então vc quer dizer que é mais sensato IGNORAR as coincidencias? Não acredito que seja obra do acaso, algo chamou mesmo a atenção pra isso ser tão profundo, mais como não temos como esplicar, ou melhor, esplicamos de forma bem simploria, é só religião, nada mais…

    mais facil não é? outro fato é que não se trata de “tribos” e sim de grandes civilizações que possuiam tecnologia extraordinaria, tão extraordinaria que muita coisa não pode ser explicada, ou isso também eh melhor ignorar?

  126. LEx disse:

    “(…)Paulo Coelho seria o maior e outra assim como Julio Verne ”

    Bem… Pelo menos a musica “Eu nasci há dez mil anos atrás” é um cover do Elvis Presley, que este por sua vez, copiou de uma musica folclorica dos negros americanos…

    Julio Verne RULES!!!!

  127. Magno disse:

    Robinson, ainda continuo na mesma em relação a pirâmide da Bósnia, como também sobre Yonaguni.

    Talvez o nosso amigo Nihil tenha alguma novidade sobre Yonaguni.

    Também já li sobre as possíveis pirâmides da Amazônia.

    Abs.

  128. Magno disse:

    Nihil, lí o texto que voce postou em seu site. dia 18/05/2011. Achei excelente os seus comentários adicionais.

    Valeu!

    Abs.

  129. Nihil Lemos disse:

    O data foi editada antes de postar. Posso adiantar um pouco se quiser.

    Agora eu sei como o John Titor faz as suas “previsões”…

    Sobre o Yonaguni não encontrei material satisfatório nem na web e nem na biblioteca e livraria. Terei de ir na biblioteca de uma cidade maior. Mas está difícil…

  130. Nihil Lemos disse:

    então vc quer dizer que é mais sensato IGNORAR as coincidencias? Não acredito que seja obra do acaso, algo chamou mesmo a atenção pra isso ser tão profundo, mais como não temos como esplicar, ou melhor, esplicamos de forma bem simploria, é só religião, nada mais…

    Não é apenas coincidência que quase todos os povos possuem registros escritos…

    mais facil não é? outro fato é que não se trata de “tribos” e sim de grandes civilizações que possuiam tecnologia extraordinaria, tão extraordinaria que muita coisa não pode ser explicada, ou isso também eh melhor ignorar?

    Há muitos séculos ou mesmo milênios os chineses usavam papel, manuseavam metais, pólvora e há quase um milênio tinham até sismógrafos. Nem por isso ninguém acha que eles são frutos de uma experiência alienígena. Até os chineses sabem a sua história.

  131. Rafael Albuquerque Maia disse:

    A ciencia esta de parabens esse ano pessoal. Grandes avanços aconteceram. Esto empolgado para as proximas pesquisas.

    Mas voltando ao assunto dos cranios.

    Nao sendo alienigena ou produto de uma inteligencia alienigena, qualquer outra hipotese que se levante, na minha opiniao, fica mais dificil pensar que esses cranios tem relação com extraterrestres.

    Possi na historia ou na arqueologia mundial nao há qualquer evidencia de participacao alien junto as civilizações do peru. O maximo que se tem sao algumas poucas duvidas sobre a criação das piramides.

    Bom, de qualquer maneira se vc tem informação que ontraria isso, fico no aguardo de teses de grandes arqueologistas e historiadores que comprovam isso.

    No que pesquisei, nao ha qualquer evidencia

  132. Rafael Albuquerque Maia disse:

    onde se lê: Bom, de qualquer maneira se vc tem informação que ontraria isso

    leia-se:Bom, de qualquer maneira, se vc tem informação que contraria isso,

  133. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Por favor, só pra avisar, nao esto dizendo que extraterrestres nao possa ter influenciado nos povos antigos, apenas estou dizendo que me parece improvavel ou ter poucas pistas de que isso tenha oorrido com os cranios.

  134. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Para mostrar que talvez esses cranios do peru podem nao ter qualquer vinculação com extraterrestres, universidades estudam eles como amostras de doenças que deformam os cranios confira vc mesmo:

    http://www.boneclones.com/bc-200.htm
    Vi num site inlges onde foi postado o argmento de que “em varios paises diferentes se encontra deformações dos cranios”.

    A resposta que deram lá me parece interessante, diz o argumento contrario que: é normal nas cultras antigas deformações corporais para adquirir beleza.

    Veja só:

    People across the world have practiced body deformations throughout all time. The Chinese to make women’s feet small and dainty, the Maori to get those pretty tattooos on their faces, Western women using corsets to get those wasp waists, various tribal peoples scarring their faces and bodies in patterns, etc, etc. And all to fill that culture’s special “beauty” criteria, and that is not even bringing in genetics (like the steatopygian people in Punt when Hatshepsut sent her expedition there).

    tradução:

    Pessoas de todo o mundo têm praticado deformações em todos os tempos. Os chineses para fazer os pés das mulheres pequenas e delicadas, os maoris para obter esses tattooos bonita em seus rostos, as mulheres ocidentais usando espartilhos para obter essas cinturas de vespa, vários povos tribais cicatrizes seus rostos e corpos em padrões, etc, etc E tudo para encher que a cultura é especial “beleza” de critérios, e que nem sequer está trazendo em genética (como o povo steatopygian em Punt quando Hatshepsut mandou expedição de lá).

  135. B.S. Possi disse:

    Com relação aos cranios, é comprovado que eles o faziam para se parecerem com seus deuses, que possuiam esta deformidade, em momento algum eu disse que foi um ET que fez, mais eles faziam isso com este sentido.
    Na China, também o que não falta são mitos sobre seres que voavam, que desceram do ceu, e isso tudo também é documentado, foi até bom vc lembrar disso Nihil, na propria China, tem muita coisa sem explicação, mesmo que possua muita documentação.
    No Peru, na Bolivia, Mexico Guatemala, em todos estes locais, o que se tem é sempre muito semelhante, como por exemplo a introdução da agricultura, eles diziam que os deuses que vieram do ceu os ensinaram.
    Também, vamos lembrar um outro escritor, “classico” como Homero, ele descreveu uma guerra entre cidades, a CIENCIA considerava pura mitologia, até que um cabeça-dura resolveu procura-la, e bom… ele a achou TROIA (se Troia existe, porque então duvidar que Zeus também tenha existido?)
    As vezes oq escrevem É VERDADE. (senão, qual seria a ideia de escrever? qual a preocupaçõ de tentar retratar o fato?)
    Segundo os Hindus, Salomão (é, o mesmo da biblia, estranho, é muito longe) visitou India em uma especie de maquina voadora, eles são MUITO claros com relação a isso, e bom, não da pra acusar nem Sitchim, e nem Daniken disso, nem de que forjaram a tradução.
    Nihil, como vc citou a China, bom, tavéz vc saiba o que são “Vimanas”, isso também não é lenda, nem erro de tradução.

  136. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Tenho a impressao que a intervenção de uma civilização alien se deu de forma sutil. Nao “cara a cara”.
    Penso que as chances de Ets apareerem em naves e pousar em tribos indigenas para passar instruções sao minimas.
    Acho que a inflencia Exraterrestres tenha ocorrido constante, mas de forma sutil.

    Poderia citar como exemplo a construção das piramides, guerras na europa e o famoso salto evolutivo da especie humana entre 1.000.000 a 300.000 anos atras.

  137. B.S. Possi disse:

    Esqueci

    Salomão também visitou os etiopes (a Rainha de Saba) com a mesma maquina, TAMBÉM esta documentado

  138. B.S. Possi disse:

    Rafael, vc citou as piramides, bom elas são fichinha, nelas foram usadas pedras entre 3 e 5 toneladas, alguns templos proximos possuem pedras com mais de 100 toneldas, nos dias atuais, teriamos que ter cerca de 30 guindastes trabalhando em conjunto para levanta-la, por no lugar então, ESQUECE, vai quebrar, num tem como, mais para os egipcios, as 100 toneladas pareceia não ser problema, portanto para eles as piramides, deveria ser algo tecnicamente té que simples.

  139. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Possi onde vc viu que deuses desceram dos ceus e ensinaram a agricultura para os homens ?
    Por favor, gostaria de ver essas suas fontes ?

  140. B.S. Possi disse:

    Li em um livro na universidade sobre religião dos maias, incas e astecas, uma amiga minha também confirmou, ela esteve no Peru visitando algumas ruinas, mais vou ver se pego o nome do livro e passo.

  141. Felipe Segatto disse:

    Srs eu sei que é difícil de acreditarem nos astronautas do passado, pq o ser humano só acredita no que vê, enquanto uma nave de outro planeta naum pousar em brasília ou em outro lugar do mundo ninguém vai acreditar,o problema é que nós acreditamos ser a maior invenção do universo e naum somos…então continuem acreditando no que ensinam na escola, é mto fácil criticar Daniken,td bem que ele ganhou dinheiro com sua fama mas tem mtas , mas mtasss perguntas que nós próprios naum sabemos responder sobre as questões da origem humana, mas um dia quem sabe descobriremos..
    abraços fraterno.

  142. Felipe disse:

    Só pra não perde o costume, fim do mundo /fail

    Eae cade o os conspiracionistas de 2012? vão remover os videos igual os que tão removendo em 2011, fim do mundo não existe.

  143. Nihil Lemos disse:

    B.S. Possi, removeram um iate de 109 toneladas de cima de prédio com dois guindastes de médio porte aqui no Japão.

    http://nihil-lemos.livrespensadores.org/uncategorized/dois-meses-o-efeito-e-balanc-do-grande-terremoto-tohoku/

    Tudo bem que demorou para instalá-los, mas você exagerou nos números. Depois o transportaram de caminhão sei lá para onde.

  144. Nihil Lemos disse:

    na propria China, tem muita coisa sem explicação, mesmo que possua muita documentação.

    Exemplo? Chineses são caprichosos. Ao contrários dos europeus que exterminaram quem fez essas construções magníficas. Bem, pelo menos eles (os chineses não tiveram esse azar).

    Daqui alguns séculos outra espécie dominará a nossa, nos exterminará, verão o monte Rushmore e dirão que aquilo foi feito por ou com ajuda de ETs, alguém mais cético dirá que foi esculpida pela nossa espécie com dinamites mas dirão que isso é impossível e o Monte Rushmore será um mistério…

  145. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Olhai pessoal. Apos 20 anos de teorias e pesquisas finalmente cientistas confirmaram a existenia da materia e energia escura.

    Nao so onfirmaram como sabem que os dois respondem por aproximadamente quase 90 % de tudo que existe no universo.

    A nossa materia e energia que nos conhecemos respondem por meros 10 % aproximadamente de tudo que existe.

    Esse ano ira entrar pra historia, como sendo um ano de grandes avanços, o ano da criação da consciencia artificial, do descobrimento da materia e energia escura e da possibilidade ou talvez ate mesmo o teste que comprove a teoria das cordas.

    Mas a materia e a energia escura nao só traz noticia boa. Com a existencia desses elementos, sabe-se agora com certeza que o destino do universo é a materia normal existir na forma de corpos celestes isolados no frio, pois a energia escura tem o efeito oposto da gravidade, afastando todas a materia.

    bom dia a todos

  146. B.S. Possi disse:

    Sim Nihil, concordo que exagerei um pouco nos guindastes, mais isso não justifica eles preferirem essas pedras, seja com 2 guindastes de proprorções enormes ou 30 normais, tanto faz, pra eles levantarem isso com corda e escravos é no minimo uma idiotice pra uma civilização tão avançada.
    Quanto a China, bom, eles sempre documentaram tudo, qualquer pesquisa que vc fizer na net ou em livros sobre a cultura e a mitologia chinesa, vc vai encontrar as maquinas voadoras, que inclusive foi estudada por um engenheiro de propulsores da NASA, e o mesmo disse que sim, eram naves voadoras, existem até documentos que teriam todo o esquema para se criar uma, segundo eles, ela seria propulsionada por mercurio, alguns cientistas afirmam que eles penas erraram no mercurio, não os chineses, mais quem TRADUZIU, o mercurio torna esse projeto inviavel, mais ele poderia ter fundamento se fosse utilizado algum outro metal liguido.

    No YouTube tem um documentario todo que foi exibido pelo History que mostra o funcionamento destas maquinas, e o depoimentos de engenheiros da NASA que confirmam que seria viavel.
    Nesse documentario, vc vai ver pelo menos o material todo já concentrado, tem algumas lá que eu mesmo discordei, mais por outro lado, mostra muita coisa que realmente faz muito sentido.
    PS. assisti a esse documentario a pelo menos um ano, não lembro completamente dele, apenasde alguns fatos mais marcantes, mais sei que ele ainda ta no YouTube, só vc perder cerca de 80 min pra assistir

  147. B.S. Possi disse:

    Ahhh Nilhil, esquici…

    Também, daqui a alguns séculos, o homem possuirá tecnologia suficiente pra terraformar Marte por exemplo (isso é bem real, e uma teoria mais que comprovadamente possivel), o homem, que vai ter acabado com os recursos terrestres, vai precisar de um novo lar, ai eles usam o planeta vermelho, e o transformam em um planeta azul, igual o nosso, na viajem pra lá, chega apenas 10, 15 cientistas, na terra, vamos supor que um idiota jogue uma bomba atómica na casa branca, o mundo acaba, fica só os 15, depois de 20.000 anos, vão olhar pra aquele planetinha agora vermelho, sem vida, e dizer que seria impossivel ter existido vida lá, ele esta muto perto do sol, não tem como sustentar agua em estado liguido(as explosões nucleares acabaram com a camada de ozonio) os 15 cientistas vão ser considerados deuses de uma mitologia antiga, tudo não vai passar de uma “simples religião”.
    O mesmo efeito aconteceria, se escolhessem um corpo celeste mais distante para a terraformação, ou até mesmo vamos considerar que façam essa esperiencia em 5 ou 6 locais diferentes, e dividam quem sobrou na terra por eles, a historia vai se repitir.

    Tenh certeza absoluta que se a raça humana não se extinguir, em um dia no futuro vamos sim levar a vida a outros locais, e pra onde nós levarmos, vai acontecer o mesmo que acontece aqui.

  148. Magno disse:

    Nihil, a questão não é a obra em si, mas como ela foi realizada.

    Como voce cita: “Removeram um iate de 109 toneladas de cima de prédio com dois guindastes de médio porte aqui no Japão.”

    Agora imagina tirar esse iate, sem ter a ajuda de nenhum deles, apenas com o esforço coletivo (e olha que ele só pesa pra baixo). E se fosse o contrário, tivessem que colocá-lo em cima do prédio, usando apenas a força dos braços?

    Não é uma questão de afirmar a presença de ET na antiguidade (apesar de não descartar essa hipótese), mas não precisa muito esforço mental, pra concluir que a história antiga está mal contada.

    Estão insistindo que as civilizações antigas conhecidas construiram os monumentos com ferramentas arcáicas e ficam procurando provar isso com explicações mais improváveis que a hipótese ET.

    É evidente a facilidade com que moviam essas pedras de até 1.000 toneladas, por distâncias e terrenos dos mais variados (incluindo atravessando rios e lagos), façanhas que se fossem realidas hoje, mesmo empregando as máquinas que temos, demandaria um esforço tremendo e levaria um bom tempo para a conclusão (se é que seria possível).

    Sei que voce não gosta muito do Haramein, mas assista a sequência dos vídeos, começando dessa parte (27) ate a 31 e me ajude a provar que ele está mentindo, porque ainda não consegui sozinho.

    http://www.youtube.com/watch?v=TFDRGz1XI8s

    Acredito que já está na hora da comunidade científica começarem a levantar outros questionamentos, como por exemplo:

    Será que existiu uma civilização global, com tecnologia avançada, ou com estrutura fisica maior que o homo sápien, bem anterior aos homídeos conhecidos?

    Será que os antigos timham equipamentos tecnológicos que não descobrimos ainda?

    Espero a sua colaboração.

    Abs.

  149. alex disse:

    @Magno.
    Excelente Comentário!

  150. B.S. Possi disse:

    Concordo também Magno, no meu ponto de vista, tanto uma civilização global, como uma possibilidade de uma intervenção extra-terrestres, tanto uma como a outra são viaveis, e NENHUMA das duas significa diretamente que nossos antepassados eram incapazes, ao contrario, eram fantasticos, porém não temos como definir muitas questões, que tanto uma teoria como outra explicariam alguns fenomenos com muito mais facilidade.
    Os egipcios, apenas pra tomar como exemplo, faziam coisas mirabolantes no inicio de sua civilizações, ao que parece, e o que a história revela, é que com o passar dos tempos eles foram não evoluindo, mais sim perdendo seus conhecimentos, se sua tecnologia fosse simplesmente evolutiva, duvido que Roma teria tomado o egito como colonia.
    Provavelmente eles possuiriam uma tecnologia infinitamente superior a romana, mais o que vemos não é isso, eles sabiam muito, e o conhecimento não foi transmitido, e se perdeu, como ninguem nasce sabendo, eles provavelmente aprenderam com alguem, e perderam o contato com esse alguem, com isso a tecnologia, quem era esse alguem é que é a grande questão

  151. Magno disse:

    B.S Possi, fiz uma visita rápida em seu blog, achei bastante interessante.

    Vou fazer outras visitas com mais calma.

    Abs.

  152. B.S. Possi disse:

    O blog não é meu, eu apenas envio alguns textos como colaborador, é um grupo, eles filtram os textos e os temas e então publicam, se tiver algum bom texto só enviar, o email tá lá na area de contato

  153. Magno disse:

    Nihil, a matéria da wikipédia sobre a pirâmida da Bósnia não é conclusivo (pelo menos pra mim).

    Não sei porque todo esse estardalhaço.

    “É uma formação artificial!”
    “Não! É uma formação natural!”

    É uma coisa tão simples de constatarem, que eu chego a desconfiar que já sabem a resposta e preferem ficar nessa guerrinha.

  154. LEx disse:

    “Dê-me uma alavanca e um ponto de apoio, e eu moverei o mundo” – Arquimedes (290 a.C. – 2145 a.C.)

    Construir pirâmides em uma época em que a mão de obra era abundante e barata, onde não havia sindicatos e nem CLTs da vida é relativamente fácil.

  155. LEx disse:

    “–”
    “(290 a.C. – 215 a.C.)”

  156. Nihil disse:

    Magno,

    Agora imagina tirar esse iate, sem ter a ajuda de nenhum deles, apenas com o esforço coletivo (e olha que ele só pesa pra baixo). E se fosse o contrário, tivessem que colocá-lo em cima do prédio, usando apenas a força dos braços?

    Apenas quis dizer que os números de Possi estavam exagerados. Já explicado e respondido pelo mesmo.

    Estão insistindo que as civilizações antigas conhecidas construiram os monumentos com ferramentas arcáicas e ficam procurando provar isso com explicações mais improváveis que a hipótese ET.

    Dinamites para esculpir o monte Rushmore não TE parece um método arcaico?

    Sei que voce não gosta muito do Haramein, mas assista a sequência dos vídeos, começando dessa parte (27) ate a 31 e me ajude a provar que ele está mentindo, porque ainda não consegui sozinho.

    Verei assim que me dispor. Aguarde.

  157. B.S. Possi disse:

    Nihil, por um lado eu tenho que concordar com vc, (vou ter q citar o History novamente) mais um documentario feito para a TV mostra o que aconteceria com nosso planeta caso os humanos não existissem mais, bom, pra não prolongar muito, em cerca de 200 anos praticamente tudo seria apenas ruinas, o ferro e aço usado tanto em nossas ferramentas e estruturas, como pontes e predios, nada disso ficaria em pé, em 300 anos, apenas algumas instalações do nosso tempo ficaria em pé, como a represa Hoover, e algumas instalações anti-nuclear, de resto, tudo seria praticamente dizimado pela natureza.
    Vamos supor que o mundo não fique sem absolutamente ninguem, que fique apenas alguns, em um perildo de cerca de 300, 400 anos, eles já não teriam mais nossa tecnologia, bom, nesse caso a teoria da ajuda extra-terrestre cairia, mais a de uma civilização global mais avançada, seria a mais correta.
    E imaginem daqui uns 5.000 os arqueólogos achando uma base anti-nuclear, qual será que seria a explicação?

  158. Borba disse:

    E as viagens continuam…
    Fico sem entender o que tantos crentes em ETs civilizadores e/ou antepassados superiores (a là Charroux) estão fazendo em um site voltado para céticos.
    Eles realmente não pretendem CONVERTER céticos aqui…ou pretendem?
    Além dos trolls de costume, temos também os indivíduos que vêm com “talvez”,”quem sabe”, “acredito que…”, etc, em atitudes extremamente naïf.
    Em resumo: nada de provas ou qualquer possibilidade de embasamento em fatos que possam confirmar de forma aceitável as suas idéias, em grande parte baseadas em tolices perpetradas por charlatães RACISTAS como o supramencionado Charroux e Däniken, que jamais puseram em dúvida a autoria de obras como a fabulosa catedral de Chartres, o magnífico Partenon ou os maravilhosos aquedutos romanos. Para esses patifes, homens de pele escura ou bronzeada, como egípcios, asiáticos ou ameríndios jamais poderiam fazer pirâmides ou outras maravilhas por eles mesmos.
    Cresçam, crianças, e, se por algum “milagre”, conseguirem encontrar alguma coisa que prove (mas PROVE mesmo) suas crenças, postem os devidos comentários e links decentes (de preferência, nada de YOUTUBE), que levem a sites sérios e que confirmem as ditas provas, e todos os céticos que aqui vêm beber desta fonte darão suas caras a tapa.
    (depois de pesquisar bastante atrás de confirmações, é claro)

  159. B.S. Possi disse:

    Borba
    Nossa, não sabia que debater ideias agora é ser racista, youtube num vale, a ta, documentarios feitos em muitos casos por arqueólogos, historiadores e até mesmo fisicos muito sérios não vale, entendi, as opiniões deles também não deve valer de nada…
    Se eu alguma vez denegri ou ofendi a qualquer um aqui por acreditar que talvés seja possivel uma intervenção extra-terrestre, ou que também possa ter existido alguma civilização avançada, se isso é ser racista, se eu disse em algum momento que NÃO FORAM OS EGIPCIOS que fizeram as piramides, ou os chamei de idiotas, bom, só ler direito oq tenho postado.
    agora seu forte não deve ser debater ideias…

    PS. Darwin nunca achou seu elo perdido, e eu nunca disse que ele eh um charlatão.
    Einstein não acreditava nos fundamentos da fisica quantica, e eu também nunca disse que ele é um charlatão.
    Sem contar os inumeros casos que a ciencia considera como FATO, porém é sempre baseada em teorias (nossa, o bigbang é uma delas)

    Não sabia que aqui quem apresentasse novas ideias era simplesmente criticado, e também, não estou aqui tentando converter céticos não, apenas expus ideias e fatos, para o DEBATE, eu ao contrario de vc pelo menos vejo os dois lados.

  160. Magno disse:

    B.S Possi, siga o conselho do próprio Borba:

    NÃO ALIMENTE TROLL!

  161. Nihil disse:

    Se me permite uma correção:

    Darwin nunca achou seu elo perdido, e eu nunca disse que ele eh um charlatão.

    Não existe “elo perdido” na Teoria da Evolução. São fosseis transicionais. Obviamente nunca acharam todos, mas os existem comprovam a teoria.

    Sem contar os inumeros casos que a ciencia considera como FATO, porém é sempre baseada em teorias

    Na linguagem popular teoria eqüivale a “especulação”. Porém as teorias científica são fatos. Elas são conjuntos de estudos sustentados em leis, fatos, conclusões de experiências, etc, que passaram por várias provas, como peer review, duplo cego, etc. A Teoria do Big Bang não surgiu com algum cientista pensando e falando para os seus colegas: “Ah, acho que foi assim.” e pronto, surgiu uma teoria. Foi uma série de estudos que levou décadas para a essa conclusão.

  162. B.S. Possi disse:

    Nem sempre Nilhil, a propria teoria de Darwin tem sido muito contestada no meio cientifico, e a ciencia é evolutiva, novas teorias surgem e em muitos casos substituem as mais antigas, portanto, o melhor seria dizer que as teorias são mesmo TEORIAS, são a melhor esplicação até se encontrar melhor.
    Nilhil, estamos debatendo sobre esse post a pelo menos uns 2 ou 3 dias, se eu fui “racista” em algum momento, gostaria que me falasse, assim como se eu usei qualquer tipo de especulação como verdade absoluta, ou se sempre me dispus a dialogar, e se todos os fatos que eu mencionei, eu por acaso INVENTEI, nada contra vc, ao contrario, tenho sim mudado alguns conceitos meus em função dos seus comentarios, agora não da pra entender a revolta dele, rsrs e não é teoria é fato.

  163. Nihil disse:

    a propria teoria de Darwin tem sido muito contestada no meio cientifico

    Somente gente da laia de Behe, Nahor Neves e Adauto Lourenço. Para 99% dos cientistas não há o que contestar.

    Sobre o resto. Não acusei ninguém de racismo. E não tenho nada contra você e nem disse que inventou nada. Nao me confunda com o Borba.

  164. Magno disse:

    Nihil

    “Dinamites para esculpir o monte Rushmore não TE parece um método arcaico?”

    Não! Pelo contrário, para que pudessem utilizar a dinamite de uma maneira bem calculada, para tirar o excesso de pedra, foi utilizado cabos de aço, andaimes, uma espécie de bonde e principalmente, uma broca a ar comprimido, coisa que supostamente os antigos não tinham. Sem falar que apenas esculpiram, não moveram essas escultura e mesmo com todo esse aparato, levaram mais de 15 anos pra realizarem a obra.

    Agora imagine esta em granito rosa, sendo feita sem nada disso, com apenas ferramentas de cobre e trazida de uma pedreira, a uns duzentos Km, do outro lado do Rio Nilo.

    http://www.minube.pt/sitio-preferido/estatua-de-ramses-ii-a2704

    Fizeram o museu ao seu redor, porque era impossível movê-la sem corta-la em pedaços. Essa “criança” pesa em torno de 1.100 toneladas.

  165. B.S. Possi disse:

    Nihil, num to confundindo não, so queria saberse oq eu tenho apresentado é tão “idiota” assim, já que semrpe quem vem com coerencia responder é vc, apenas por isso.

    Quanto a Darwin, tem sim muita coisa que não encaixa, alguns o acusam de também fraudar provas, eu vi isso em um video de uma conferencia de antropólogos, infelizmente este video é particular, e não acredito que vou ter como por exemplo postar ele no YOUTUBE(que pelo q o borba diz, não vale como fonte) mais posso pesquisar mais a fundo e pedir pra uns amigos também me enviar alguma coisa, mais pelo que vi, a teoria apenas ainda não caiu por não existir nenhuma que possa substitui-la de forma aceitavel.

    Vou só resurmir algumas das acusações que vi nesse video (como já disse, vou tentar levantar mais material)
    Alguns esqueletos tiveram datação por carbono questionadas, outros o acusaram de que os esqueletos foram compostos, eram 2 ou 3 pessoas, em alguns casos, inclusive de sexo diferente.
    A questão do tubarão, jacaré, e dos macacos
    foi levada a um patamar, digamos, comprometedor, porém não chegaram a lugar algum a não ser acusações, porém muitos mudaram de ideia sobre a teoria.
    EU (quero deixar isso MUITO BEM CLARO) não vejo grandes razões pra não crer na evolução das espécies, inclusive esse amigo me mostrou o video por eu sempre mencionar Darwin pra defender alguns pontos de vista (e ainda uso) mais como eu não sou um “bitolado” assisti, e vi que também tem fundamento, e não havia UM nesse comgresso que não fosse “diplomado”

    Vou ver se consigo alguma documentação a respeito, e trago pra vcs

  166. Nihil disse:

    Alguns esqueletos tiveram datação por carbono questionadas, outros o acusaram de que os esqueletos foram compostos, eram 2 ou 3 pessoas, em alguns casos, inclusive de sexo diferente.

    Não se usa carbono-14 para datar fósseis. Como podemos ver AQUI. Se usar é obvio que datará em idades muito menores. Se o objeto de estudo tiver mais de 50 mil anos o carbono-14 já não é mais aconselhável.

  167. B.S. Possi disse:

    Nihil, não sou nenhum perito no assunto, mais foi exatamente uma das questões levantadas, não me lembro (pra falar a verdade, em prestei atenção) quais foram os esqueletos que sofreram acusações, apenas posso te garantir, que foi, e que gerou muita confusão, tanto pró, como contra, e como basta um levantar a voz contra que sempre aparecem os demais, cada um com sua ideia, a principio foram contestações sobre fraude, e em seguida as especulações, principalemte direcionadas a tubarões, crocodilos, e propriamente a macacos, inclusive com varios estudos sendo apresentados que contradizem as teorias de Darwin, eu me desculpo por não dispor destes documentos, por se tratar de uma conferencia, e o video ser de propriedade particular, mais acredito que muita cosia que vi nesse video já deva ser publica, como disse anteriormente, vou me aprofundar e ai sim trago os documentos

  168. B.S. Possi disse:

    Nihil (e para quem estiver disposto a ler)

    Um amigo me enviou o endereço de um arquivo PDF que esta disponibilizado na internet, mostrando com argumentos claros e objetivos as questões que envolvem a teoria de Darwin.

    Texto de um professor da USP
    http://cfcul.fc.ul.pt/textos/Darwin.pdf

    Este texto mostra as falhas reais da teoria, sem as bizarrices ou tentativas esdrúxulas dos criacionistas, vale a pena ler!

  169. Nihil disse:

    Possi, o artigo é mais filosófico do que científico. Não apontou falhas na Teoria da Evolução e sim no Darwinismo. Melhor não confundir os dois, pois hoje a Teoria da Evolução envolvem conceitos de genética e memética, que não existiam na época de Darwin. De qualquer forma agradeço.

  170. B.S. Possi disse:

    Re-li tudo novamente, penas para poder detectar as falhas da teoria de forma mais clara no texto.
    Falhas da teoria (e não ao extremismo, chamado darwianismo)
    A teoria da Evolução de Darwin não pode:
    Precisar a idade da Terra
    Explicar a inlegincia Humana
    Explicar evoluções a curto prazo
    Segundo Darwin, no inicio, seria apenas uma especie, o que também é falho
    Sobrevivencia pela especie mais forte, também é falha, os mamiferos, diferente de outras espécies, não nescessita ser o mais forte, e nem mesmo o mais adaptado, por possuir a capacidade de convivencia e trabalho em conjunto, equanto algumas espécies por exemplo, acasalam e devoram seu parceiro (aqui sim a teoria de Darwin funciona) os mamiferos instintivamente protegem sua prole.

    Eu simplifiquei a fim de que todos entendam o que esta no texto, e tirei os “rodeios” filosóficos para mostrar que o principio possui fundamento, apenas isso, mais é apenas alguns dos pontos encontrados no documento.

    Pra deixar bem claro a fonte:
    Prof. Guido Magalhães
    Professor de História da Ciencia da USP, já que não coloquei os créditos no link que havia postado (antes que me acusem de estar inventando)

    Neste mesmo documento fica bem claro que o debate existe, porém é mantido em sigilo, como no caso do video que assisti de propriedade particular

  171. LEx disse:

    B.S. Possi,

    As espécies são como partidos políticos. No começo não existiam pois a única coisa que interessava era viver, depois surgiram dois, situação x oposição um querendo engolir o outro, mais adiante começaram a fracionar, a ficarem mais complexos, surgiram os países, fronteiras, e nos dias atuais niguém sabe quantos são, o que querem e para que serve. É uma comparação idiota, eu sei… Por isso acho que a TE não está errada, ela não acabou ainda…

  172. B.S. Possi disse:

    LEx:
    até mesmo esse seu conceito esta no texto que mencionei, tá, não tão descaradamente, mais esta.

    mais pelo menos vc citou:
    “Por isso acho que a TE não esta errada, ela não acabou AINDA…”

    Sinceramente, acredito que seja uma questão de tempo, mais…
    Pode acontecer agora, ou daqui a 1 milhão de anos, por Darwin, seria segunda hipotese, pelo que toda a historia mostra, bom, a qualquer momento(agora, ou em 1 milhão de anos).

    Só mais uma coisa, eu mesmo já frisei o fato, mais a ciencia evolui, uma teoria é aceita até se comprovar que se possui uma melhor, os erros de Einstein foram tão importantes quanto seus acertos, em funções dos seus erros, se chegou a teorias mais conclusivas, se Einstein foi questionado, e em cima de suas teorias se evoluiu, porque não evoluir em cima dos erros de Darwin?

  173. LEx disse:

    B.S. Possi,

    Só para complementar. Sabe por que os Beatles, foram (são) tão famosos? Roling Stones, Pink Floyd e até mesmo Jesus, também?

    Porque antes deles não havia nada do gênero, por isso Darwin é massacrado, a TE é absoluta no sentido de “nunca ninguém pensou nisso antes”, não há outra maneira de explicar a evolução sem citar a TE (lógico), pelo menos minha imaginação não vai tão longe. Agora… Se surgir outro Darwin com uma teoria melhor, logo iremos falar “Antigamente eles achavam que era assim…”

  174. Robinson disse:

    Magno otima colocação a sua sobre o que eles omitem também compartilho a sua opnião, pois existe muita coisa mal explicada, assim como omitem muita coisa. Arqueologos conteporaneos tem suas idéias travadas no seu egocentrismo e utilizam a navalha de occam em boa parte de suas conclusões, resumindo não temos explicação e ou não bate com nosso padrão então esta descartado, nem vamos perder tempo tentando procurar outra alternativa. Assim como um certo cidadão disse “não alimente os trolls” e isso é o fim pois ignorantes se limitam ao tendencionismo, mas quem realmente busca explicações coerentes como eu, você e muitos, tem muita coisa a ser levantada. Tem um post antigo aqui falando sobre o mapa de Piri Reis ser uma fraude mas analizando bem e olhando pelo google earth pude ver que existe uma similaridade. Nihil quanto eu falar dos livros de ficção do Juliu Verne, estava citando um exemplo de um grande autor e não rebaixando os questionamentos do daniken que diga-se de passagem também é um otimo escritor, e não o estou taxando de ficcioso mas sim de um bom questionador. Muitos pseudocéticos o taxam de xarlatão e que na minha e de muitos não o é. Ele levantou otimas questões que muitos profissionais da area de arqueologia gostariam de expor, mas por medo e ou mente travada não o fizeram. E sim segundo relatos e também provas fisicas parece ter havido uma civilização global. Mas como muitos darwinianos acham que a 10k anos atras o ser humano vivia a paus e pedras os outros vão na onda. Como em outro post eu já havia comentando pesquisem sobre Mohenjo Daro e me provem que o que ocorreu lá foi natural.
    Um abraço.

  175. B.S. Possi disse:

    Não estou contestando a genealidade de Darwin, só estou colocando os fatos, apenas isso.
    A teoria é falha, mais é justamente nesse ponto que devemos olhar para TODOS os fatos de forma imparcial:
    A teoria é falha, porém com ela avançamos muito cientificamente.
    Eintein falhou, e NUNCA se contetou sua genealidade, muito menos sua capacidade, apenas se contestou suas teorias, graças a isso hoje a ciencia tem a fisica quantica, pois para Einstein, bom…
    “Deus não joga dados” lembra?

    Não vejo problema algum em questionar nem Darwin, nem quem quer que seja, desde que usando argumentos ao menos coerentes, agora, se esses argumentos não são apenas coerentes mais sim conclusivos, bom, ai quer dizer que devemos rever.
    O que não se pode é endeusar (como acontece com Darwin, justificadamente em função do que a sua teoria comprova, ou melhor tenta comprovar, afinal, aceitar Darwin, é não aceitar Deus, porém não é essa a questão que quero levantar, apenas citei para exemplificar).
    Sinceramente, eu gostaria de entender o porque de a ciencia jogar tantas pedras em um, e defender tão ferrenhamente outros, para a ciencia, não existe Einstei, Darwin, Sagan, Newton, exite sim teoria 1, 2, 3, 4 …, para a ciencia, não importa a pessoa, e sim sua tese, questionar a relatividade não é questionar Einstein, e sim questionar a fisica, bem como seus conceitos, no mesmo, questionar Darwin é questionar a antropologia, e perguntar “Como Surgirmos?” a responsa de Darwin HOJE seria extremamente questionavel.
    Outro ponto, Darwin não tinha ao seu lado os grandes avanços que possuimos hoje, portanto, ele não tem culpa de não possuir respostas a todas as questões, mais hoje, nós temos, pelo menos uma parte.
    no mesmo texto, existem novas teorias que foram elaboradas, com …
    Diga-mos assim, como vcs gostam de citar, menos possibilidades de erros, muito mais viáveis que a TE.
    Sinceramente, não consigo entender o porque de tanta resistencia pra aceitar novas possibilidades.

    “Cresci acreditando que Papai Noel existe, isso me revolta, é uma verdadeira conspiração, me esconderam a verdade por 9 anos, foram 9 anos de crença em algo que nunca existiu, ai eu descobri a verdade, EU SOU FANTASTICO, porque então eu não descobri antes? Bom, é claro, faltavam informações, faltava questionamento, e acima de tudo, vontade de deixar de acreditar no Papai Noel”

  176. LEx disse:

    A TE é falha, por isso é uma TEORIA.
    Eu entendi seu ponto de vista, e compartilho de boa parte dele. Mas qual é a outra TEORIA mais viável que a TE?

    Nunca acreditei am Papai Noel, só fui saber o que era isso quando já tinha 6 anos…

  177. Robinson disse:

    Lex e Possi
    Li certa vez não tenho como pesquisar agora por que estou escrevendo via celular, que tanto o homosapiens quanto o neandertal coexistiram e procriaram entre si que eu também me questiono sobre algumas teorias, mas bem teve outro pesquisador que antes de Darwin chegou a mesma conclusão mas um de seus amigos forjou o fossil encontrado o que lhe fez perder a credibilidade. Desculpe não citar o nome mas como estou sem pc fica dificil fazer pesquisas, mas o que eu mensiono tem na wikipedia na historia de Darwin. Einsten tem mais uma teoria comprovada deem uma olhada no site inovação tecnologica, e também tem neste site outro fato que eu já fazia ideia que é planetas sem estrelas, soltos no espaço. Boa leitura para entender que a cada dia novas descobertas fazem velhas teorias e ficções se comprovarem.
    O ser humano esta muito longe ainda de entender como funciona a natureza e se bitola em birras e dogmas, seja eles bem elaborados ou muito fantasiosos, e hoje muito que era taxado de fantasia é realidade. Não se bitolem por que não gostem da ideia, questionem e tentem achar outra melhor, e pra mim hoje eu penso e tenho certeza que muita coisa ainda vai ser revelada e também sim existiu outras civilizações mais avançadas que a nossa. Por todo o nosso planeta tem vestigios disto.
    Um abraço.

  178. LEx disse:

    Robinson,
    De onde tu desenterrou esse lance de Mohenjo Daro, Harapa, Vimanas?
    Tudo é inconclusivo, cada site fala uma coisa e não achei livro algum a respeito, agora, o fato da radioatividade só é citado em sites utópicos.
    Assim como o caso Tunguska, a natureza tem como recriar fenômenos que pareçam ser artificiais… Tu já viu uma “Pedra de Raio”?

  179. B.S. Possi disse:

    kkkkkk LEx, 3 a menos que eu…
    (agora use o mesmo para questionar não só o Papai Noel, mais também Newton, Einstein, Darwin, Sagan, etc…)

    Leia o texto, este te garanto, não tem outra conotação a não ser cientifica.
    Nele é apresentado varias outras teorias, algumas mais atuais que se encaixam e se comprovam com maior “facilidade”.
    O texto é até chato, como disse o Nihil, é filosófico demais, porém mostra os fundamentos, vale a pena perder uns 40 minutos lendo e tenatando entender o que ele quer dizer.

    Robinson:
    Lamarck em 1809 foi o primeiro a criar uma teoria evolutiva, porém antes mesmo dele houveram outros que chegaram a mencionar alguns fundamentos (inclusive o avô de Darwin)

  180. Robinson disse:

    Lex e é neste ponto que quero falar, li também em muitos sites duvidosos e também tendenciosos, mas o que me intriga é que já havia relatos sobre o local e também a datação bateu, e eu vi sobre este local na serie da History Channel sobre AA. Mas existem outros locais cujo os especialistas ainda não chegaram a uma resolução como em uma ilha no Canada que possui um poço que desde que foi descoberto e até hoje não foi possivel chegar ao fundo e não, não foi tirado de sites tendenciosos e mirabolantes. Não sei o nome agora mas assim que eu obtiver mais dados te passo.
    Em boa parte do Brasil existe também achados paleontologicos que não foram decifrados ou estudados totalmente, veja o exemplo da Pedra de Inga, possui uma escrita semelhante a escrita da ilha da pascoa e a datação é tão antiga quanto. Em Santa Catarina também possui sitios arqueologicos onde existe pedras escritas em uma linguagem que não descobriram qual o significado e nem quem as escreveu. Não sei se tu se interessa por estes fatos, mas posso quando tiver um tempo posso postar aqui os links. E eu não descarto nenhuma possibilidade de ter havido outra civilização tão ou mais evoluidas quanto a nossa. Assim como não descarto que alguma influencia externa pode ter ajudado e ou modificado no passado. Um abraço.

  181. Adriano disse:

    Off topic para BSPossi,

    você usa o tempo todo errado o “mais” no lugar de “mas”, e como você escreve muitos comentários, fica ruim de acompanhar.
    Na próxima vez que for escrever pense se pode substituir por “porém”, se for possível, é para usar “mas” sem o “i”.

  182. B.S. Possi disse:

    Adriano, primeiro, obrigado pelo conselho, vou me policiar e tentar evitar as falhas gramaticais. (toda critica construtiva, é muito bem vinda)

    Só não entendo o motivo de desconsiderar tudo o que eu apresentei, em função de um “i”

  183. Nihil disse:

    Possi, já me perdi completamente nesse assunto e nem sei onque responder. Portanto um comentário completamente “off”.

    O texto linkado é “chato” por ser científico e filosófico, agora se for Crepúsculo ou Harry Potter seria “legal”. É assim mesmo. Quem quiser adquirir conhecimento tem de fazer sacrifícios e quem apenas ler textos “legais” viverá nas trevas da ignorância.

    Mais tarde respondo os outros comentários.

    Abraços!

  184. B.S. Possi disse:

    Nihil, usei o termo “chato” e “filosófico” apenas me referindo a linguagem utilizada(muitos vão considerar o texto como tal), e SEI que muitos, ao iniciar a leitura vão desistir (não significa diretamente TODOS) apenas por isso usei este termo.
    Não me lembro de ter postado algum comentário, seja qual deles foi, que não tenha sido pra responder(quando questionado a mim) ou explanar alguma coisa de forma clara e objetiva. Em função disso eu não entendo esse “Off Topic” que o Adriano se refere. Quanto a quantidade dos comentários, bom, se me questionar, acredito que tenho o direito de responder, ou fiz algo diferente disso? (Nihil, acho que esta bem claro que não me refiro a vc)

  185. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Que isso pessoal, vcs tao querendo negar a teoria da evolução ?
    Estao perdendo tempo, a teoria da evolução é um sucesso praticamente absoluto. É como dizer que que cidades nao existem.

    Mas…é só uma opinião

  186. Nihil disse:

    Calma, Possi. Quem lê meus comentários a mais tempo como o Magno, por exemplo, sabe que uso ironias. Aquele comentário foi uma ironia com uma pitada de verdade.

    O que quis dizer é que livros que estimulam conhecimento não dão “IBOPE” por serem “chatos” (repare as aspas). Você vai montar uma livraria quais livros serão prioridades para colocar a venda?

    Numa caixa tem: Bruna Surfistinha, Paulo Coelho, Harry Potter e Crepúsculo.
    Noutra caixa tem: Machado de Assis, Carlos Drumond de Andrade, Eça de Queirós e Fernando Pessoa (todos na gramática e ortografia original).

    Qual dessas caixas você escolheria para colocar a venda?

  187. LEx disse:

    Robinson em 23 de maio 2011,

    Toda história mal contada vira mito…
    Você acredita que Pedro Alvares Cabral “descobriu o Brasil”? E o “barco” viking achado no Norteste? Qual é a verdade (ou mentira) sobre o mapa de Piri Reis? E as cabeças talhadas da Venezuela a qual teem traços de negros africanos e datam de 5.000 anos? Você sabia que os indios americanos são descendentes diretos do povo asiático? Você acredita que eles atravessaram ANDANDO pelo Estreito de Bering? As coisas muitas vezes são mais simples do que parecem…

  188. Nihil disse:

    LEx, dizem que Pedro Álvares Cabral estudou na Escola Náutica de Sagres. Podem se assustar, mas essa escola NUNCA existiu.

    http://escolanaval.marinha.pt/PT/extra/Pages/Infante.aspx

    Brincadeira como aprendemos mal a história do nosso próprio país… Digo, nosso não, de vocês!

  189. Murilo disse:

    B.S. Possi, essa sua idéia de que as próximas civilizações podem pensar do que encontrar daqui a alguns anos é um pouco errada.

    Hoje, nós temos ferramentas e tecnologia pra construir bases no espaço, submarinos, bombas nucleares, televisões de led, microcomputadores pequenos e finos e etc.

    Há 2 mil anos atrás, o que tinhamos? Pedra.

    2 mil anos daqui, se alguém encontrar algo da nossa civilização, no mínimo vai analisar qual era a nossa tecnologia. Não vai associar imediatamente aos alienígenas.

    Hoje nós sabemos que algumas civilizações eram peritas em algumas coisas específicas, sabemos que a arquitetura era mais “forte”. Não duvidamos disso, afinal, esses marcos estão aí.

    O problema aparece na forma com que algumas coisas são dispostas. Eu, particularmente, não acredito que ETs tenham ajudado essas civilizações, o homem se provou muitas vezes mais inteligente do que podemos imaginar. É difícil olhar para uma pirâmide e não ficar pensando: COMO eles fizeram isso? Mas o fato é que, como já foi citado aí, num tempo em que a mão de obra era vasta, barata e fácil, não é de se ficar abismado se em 10, 20 anos, tenham construído, todos sabem que esses marcos arquitetônicos não se criaram em um dia, um mês, um ano.

    É complicado falar do que podem pensar daqui a 2 mil anos. Certamente muito do que temos hoje, das grandes obras arquitetônicas, vão marcar o cenário por muitos anos.

    Imaginar a descoberta da Torre de Paris, Torre de Nova Iorque… só o tempo.

  190. Murilo disse:

    Nihil, acho que você se equivocou sobre esse comentário de Cabral. Em nenhum dos meus livros de história tem essa informação, ou tem a informação, porém, como mito. Há tempos essa escola naval foi desmentida por historiadores que nem Brasileiros eram.

    Não sei em que colégio você estudou que seu professor passou uma informação dessa, mas não é pra generalizar, já que praticamente tudo que eu vi, li sobre cabral não indica essa informação.

    Você por acaso não é Brasileiro?

  191. Magno disse:

    Oi, pessoal.

    Como estive ausente ontem e os comentarios foram os mais diversos, não vou me posicionar sobre todos para não me estender demais.

    Um fato que me chamou a atenção (e que eu não conhecia), foi a citação do Robinson sobre Mohenjo Daro. Pesquisei e encontrei isso:

    “Mohenjo Daro é um sítio arqueológico com mais de 4.000 anos de antiguidade que apresenta uma apaixonante interrogação. Antiga sede de uma civilização da qual se ignoram as causas do repentino desaparecimento, foi o local onde se adotou uma forma de escrita de tipo pictográfico, cujo significado nos é ainda desconhecido, e onde também se usavam roupas de algodão, as mais antigas já descobertas. Mohenjo Daro é um local onde não existem tumbas, mas é chamado de Colina dos Mortos e o lugar onde estão os esqueletos é extremamente radioativo.

    A maioria são esqueletos com traços de carbonização e calcinação de vítimas de morte repentina e violenta. Não são corpos de guerreiros mortos nos campos de batalha, mas sim restos de homens, mulheres e crianças. Não foram encontradas armas e nenhum resto humano trazia feridas produzidas por armas de corte ou de guerra. As posições e os locais onde foram descobertas as ossadas indicam que as mortes foram repentinas, sem que houvesse tempo hábil para que as vítimas dessem conta do que estava ocorrendo. As vidas das pessoas foram ceifadas enquanto realizavam suas atividades diárias. Passaram do sono à morte junto a dezenas de elefantes, bois, cães, cavalos, cabras e cervos.” (fonte Wikipédia)

    Alguns pontos:

    -Morte repentina, com traços de carbonização e calcinação. Sendo de homens, mulheres e crianças (Não eram guerreiros).
    -As vítimas não se deram conta do que estava acontecendo.
    -Local onde se encontram os esqueletos, extremamente radioativo.
    -As vítimas não apresentam marcas ferimentos por armas típicas.
    -Foram mortos enquanto faziam suas atividades diária.
    -Animais das mais variadas espécies foram mortos na mesma circunstância.

    Poderia ser um relato sobre Hiroshima e Nagasaki. Mas os livros dos Vedas, relatam um arma utilizadas pelos deuses, que faria exatamente isso. Será apenas mais uma fantasia dos hindus?

  192. Magno disse:

    Nihil, não é só sobre a Escola Náutica de Sagres que eles mentiram, mas sobre varias outra “verdades” ensinadas até hoje, como por exemplo, a história do nosso velho e querido “Tira Dentes”, inventada logo após a proclamação da república.

  193. Magno disse:

    Adriano, cuidado para não ser taxado de preconceituoso, pois está tramitando no congresso um projeto que visa que, escrever ou falar errado, agora será certo.

  194. Nihil disse:

    Não sei em que colégio você estudou que seu professor passou uma informação dessa, mas não é pra generalizar, já que praticamente tudo que eu vi, li sobre cabral não indica essa informação.

    Bem, tenho quase 30 anos. E já ouvi faz muito tempo. Porém lembro bem da minha mãe e minha avó falando que ensinam isso.

    Você por acaso não é Brasileiro?

    Eu? Sou japonês. Hehehehehe. Brincadeira, mas quase. :P

  195. Nihil disse:

    Nihil, não é só sobre a Escola Náutica de Sagres que eles mentiram, mas sobre varias outra “verdades” ensinadas até hoje, como por exemplo, a história do nosso velho e querido “Tira Dentes”, inventada logo após a proclamação da república.

    Tiradentes existiu mesmo, mas a sua história é tão distorcida que é praticamente impossível saber o que aconteceu de verdade. Pior são descendentes dele ganhando indenizações do governo BRASILEIRO. Uma vez que na época dele o Brasil era colônia portuguesa.

    Depois dizem que os portugueses que são burros…

  196. Magno disse:

    Eu sei que ele existiu (pelo menos é o que ainda dizem).

    Logo após a proclamação da República, procuraram um personagem para ser vir de símbolo e emcontraram um condenado a mais de 100 anos por subversão. Pegaram essa pessoa e o tranformaram em martir da República.

  197. Magno disse:

    Murilo, o ponto principal, é que não concordamos com as explicações dadas pela arqueologia tradicional. Não é possível explicar esse megalitos e outras façanhas, sendo realizadas pelos antigos com a tecnologia que tinham na época.

    A questão ET, é só uma hipótese tão provável como qualquer outra, não significa que levantamos essa bandeira.

  198. LEx disse:

    Nihil em 24 de maio 2011 às 10h42,

    Outras idiotices.

    Pedro II NUNCA PROCLAMOU A REPÚBLICA, muito menos sobre um cavalo. Ele estava sim as margens do Ipiranga, mas estava de Burro (o animal mesmo) e com uma Poota desaranjo intestinal, e a tal PROCLAMAÇÃO foi “um acordo de cavalheiro” longa história e não vem ao caso.

    Tira-Dentes… kkkkk, outra piada, o carinha que morreu inforcado não era o dito cujo, por isso dos cabelos compridos, mero disfarce, não se sabe ao certo o paradeiro do Sr. Joaquim, mas dizem que foi deportado para a França.

    Santa Maria, era na verdade uma mini galeão e se chamava Maria Galante.

    O Hino Nacional brasileiro é folclórico, uma vez que já mudou uma trezentas vezes.

    E a cor da Bandeira nacional? kkkkkkkkkk
    São as cores das Famílias Reais portuguesas, nada a ver com aquela imbecilidade de Azul dos Rios, Amarelo do Ouro e o Verde das Florestas, e as estrelinhas da bandeira? São as “CASAS” Reais. Se fosse para seguir a lógica, a bandeira nacional seria VERMELHA, cor de braza que deriva o nome BRAZIL.

    Nascemos na mentira, crescemos na mentira e não seria justo vivermos na verdade.

    Alguém aí conhece a lenda da Cidade na Montanha? (cultura mason)

  199. LEx disse:

    “__”
    “inforcado” = Semi-analfabetismo.

  200. Magno disse:

    Lex, voce confundiu D. Pedro II com D. Pedro I e não foi a proclamação da República, foi a Indepedência. Mas gostei do seu comentário.

  201. Joao disse:

    e aqueles casos das luzes em Hessdalen-Noruega?
    Alguma explicação plausível ou algum fato novo para corroborar a questão???

  202. LEx disse:

    Magno em 24 de maio 2011 às 13h39
    “Lex, voce confundiu D. Pedro II com D. Pedro I e não foi a proclamação da República, foi a Indepedência. Mas gostei do seu comentário.”

    kkkkkkkkkkkkkkk
    Esse pais tem salvação… Mas acho que não vai depender de mim….

  203. Adriano disse:

    Que luzes João? do foguete?

  204. LEx disse:

    Adriano em 24 de maio,

    Deve ser… Ou ele tá fritando…

  205. B.S. Possi disse:

    Murilo, quanto a minha ideia de civilizações futuras, é comprovado cientificamente, que de todos nossos materiais modernos, apenas o plastico não deteriora como os outros, e mesmo assim, dependendo do tempo, também seria um material dificil de se analisar(sem contar a influencia do ambiente).
    Nossos computadores, em muito menos de 1000 anos não seriam nada, para os “arqueólogos do futuro” não seria evidencia alguma, teriamos algumas contruções, mais NENHUMA que utilize nosso concreto moderno(algumas construções, como a represa Hoover que possui um tipo especifico de concreto sobreviveria, mas não no mesmo nivel por exemplo das pirâmites, ou a muralha da China), que é infinitamente mais fragil do que por exemplo as pedras ou marmore, e se considerar um periodo de 2000 anos, levando-se como referencia 10.000 anos a frente(vamos somar junto mais os 4000 anos das piramides, que ainda estariam aqui) nos 14.000 anos de história, nos nem arranhamos a evolução, nós seriamos sim comparados a romanos, egipcios, maias, sendo considerados quase da mesma época, como nossas grandes cidades, nada seriam além de selvas, bom, imaginem as teorias que apareceriam.

    Sobre Cabral, rsrsr eu tenho que procurar nas caixas velhas, mas a história de Sagres foi me passado NA ESCOLA com um livro aprovado pelo MEC confirmando, nem sabia deste fato.

    Quanto a Tiradentes, eu mesmo FUI em S. João Del Rei, e posso garantir que ele existiu, e que os relatos da Inconfidencia Mineira não sim reais.
    Eu estive entre outros lugares em um sótão que era usado em suas reuniões, estive na casa de Tiradentes que hoje é um museu e mostra varios objetos de uso pessoal, entre outros locais.
    Se ele nunca existiu, então a história é uma invenção até maior que os Illuminatis, pois lá, na cidade, não existe a mínima possibilidade que indique a falsificação, muito menos alguma “desinformação” que levaria a dúvida, agora se o usaram da mesma forma que o “Jesus romano” ai seria outra história.
    Agora Mohenjo Daro, é muito estranho sim, a radiação não é como se afirma em alguns sites de possuirem radiação semelhante a Hiroshima, existe a radiação, não se sabe a origem, porém trata-se de apenas radiação a nivel superior aos padrões existentes, porém a vidrificação de rochas, a posição e as condições dos esqueletos (soma-se a radiação encontrada) ai sim, com certeza algo muito “fora do comum” ocorreu lá.
    Mais uma coisa, pelos Vedas, não seria apenas uma cidade, portanto, acredito que encontrando pelo menos mais uma, ai teria-mos provas muito concretas(e quem sabe uma escrita mais facil de se decodificar)

  206. B.S. Possi disse:

    Magno, agora com mais calma, relendo os novos comentarios (incluindo os da página anterior) faltou eu dizer:
    Ruinas antigas radioativas, mortes sem uma explicação, e sem motivos, abandono também inexplicado (abandonaram a cidade que teria o unico sistema de esgoto do planeta em sua época, imaginem como as outras grandes cidades deveriam… feder.)
    Projetos de objetos voadores detalhados (e confirmados inclusive por engenheiros da NASA)
    Esculturas em ouro representando “peixes voadores” ou insetos, ou a “desculpa” que preferir ser reproduzido e voar.
    Construções fantasticas executadas com ferramentas precárias.
    Religiões sempre baseadas no mesmo principio
    Teorias cientificas que se mostraram falhas.
    Fraudes relacionadas a nossa história (não só brasileira)
    Bom, ou foram ETs, ou Atlantida, ou os dois, ou Deus, lá sei eu o que foi, o fato é que se unirmos tudo, veremos apenas incoerencia, que a ciencia até tenta, mais não consegue explicar, o que na minha visão não é um “defeito”, muito menos uma crítica a ciencia, apenas mostra que deve ser pesquisado e exclarecido.

    Ahhh Nihil (kkkkk só pra variar um pouco, não poderia dexar de postar sem te citar)
    LEI de Newton,é uma LEI cientifica, comprovada, não apenas TEORICA.
    TEORIA DA RELATIVIDADE, uma teoria, pois a comprovação, apesar de factual, não é totalmente comprovada, resumindo, sbemos que existe, mais é teórico.

    Portanto, teoria,é TEORIA, quando comprovada, ou melhor, quando excluido TODAS as possibilidades de erro, a ciencia deixa de tratar como “teoria” e passa a considerar LEI(como as de Newton, Kinshofer, Pitágoras, entre outras LEIS)

    já era pra mim ter comentado isso, eu sempre esquecia(o que é uma vergonha, pois sempre trabalhei com leis, por ser eng. eletricista, e estudar a eletricidade desde os 14 anos).

  207. Nihil disse:

    Portanto, teoria,é TEORIA, quando comprovada, ou melhor, quando excluido TODAS as possibilidades de erro, a ciencia deixa de tratar como “teoria” e passa a considerar LEI(como as de Newton, Kinshofer, Pitágoras, entre outras LEIS)

    Vou explicar mais uma vez porque acho que você segue equivocado.

    Teoria segundo a NAS (Academia Nacional de Ciências dos EUA):

    “Uma explicação bem respaldada de certos aspectos do mundo natural que pode incorporar fatos, LEIS, inferências e hipóteses provadas.

    Leis:

    Uma generalização sobre o comportamento do mundo sob umas condições específicas.

    Ou seja, na ciência as leis são apenas descritivas

    Continuando:

    Na ciência, uma lei descreve e prediz que ocorrerá num determinado entorno sob umas certas premissas.

    Fonte: Escolar.Net (em espanhol porque não encontrei nada decente em português)

  208. Joao disse:

    não sei se national geographic tem credibilidade atualmente mas ela tem transmitido uns programas sobre isso… além de outros fenomenos aparecem esses ovnis em Hessdalen-Noruega

    http://www.youtube.com/watch?v=ZKpECnEgjzA

  209. B.S. Possi disse:

    Nihil, rsrsr antes de tudo, se tiver as fontes em ingles, sem problemas, pode apresentar(ao menos quando for dirigida a mim), melhor que espanhol que pode na realidade gerar muito mais má interpretação (tradução, vc deve concordar comigo que é sempre falha)
    Eu sempre trabalhei com leis e teorias, pelo menos na prática, não existe muita diferença (estou usando APENAS a fisica no meu exemplo), porém, me lembro de quando ainda estava no curso técnico, que uma teoria havia caido (tenho que pesquisar pra ver exatamente qual foi, qual o motivo e os fundamentos q foram provados como falhos), me lembro que tive que refazer um trabalho (sobre calculo de motores), pra quem conhece, sabe o quanto demora, e o tanto de formulas que são empregadas, além de ter de compra um novo livro(hj muita coisa a mulecada ganha, e nem da valor, trabalhava só pra comprar livros, nem um dogão dava pra compra), questionei todos meus professores (principalmente o de eletrotécnica) mais todos foram UNANIMES, não se tem o que fazer, sempre funcionou, mais era falho, em cirscunstancia x e y gente poderia morrer, sem contar uma porrada de argumentos que usaram pra me fazer refazer aquele monte de calculos (na época, pc era só na NASA, FBI, KGB…)
    Bom resumo, teorias caem, leis não, eu VI isso na pratica, não na TEORIA, elas podem cair, e livros serão re-escritos, assim como quando eu estudava, me lembro que se tratava de uma formula bem simples, baseada em um calculo para se chegar a bitola de um fio para se enrolar um rolamento, nada demais, que pra mim, foram uns 2 meses de calculos extras
    Depois disso NUNCA mais acreditei cegamente em teoria alguma, as leis não, estas sim são inquestionaveis.
    Nihil, não vou contestar sua fonte, nem sua definição de forma alguma, porém, não é isso que acontece, e quando uma delas se mostra falivel, acredite, é um desespero (talvés por isso de tanta resistencia para revisa-las)
    Posso até ser chato, incoerente, até mesmo parecer idiota, mais no MEU raciocinio eu sempre usarei as teorias como possibilidades viaveis, mais não como uma verdade universal, seja pra o que for, sei que minha posição com relação a isso é radical, mais se for teoria, sempre terei motivos pra desconfiar, pois SE SOBE, DESCE, ou A CORRENTE QUE CHEGA A UM NÓ É IGUAL A SOMA DAS CORRENTES QUE SAEM DESTE MESMO NÓ, … e mais um monte delas, estas não se tem como contestar.
    Em função disso, as minhas contestações, porém com fundamentos, mesmo que contra algumas teorias

  210. Nihil disse:

    mais no MEU raciocinio eu sempre usarei as teorias como possibilidades viaveis, mais não como uma verdade universal, seja pra o que for, sei que minha posição com relação a isso é radical, mais se for teoria, sempre terei motivos pra desconfiar, pois SE SOBE, DESCE, ou A CORRENTE QUE CHEGA A UM NÓ É IGUAL A SOMA DAS CORRENTES QUE SAEM DESTE MESMO NÓ,

    Lendo isso é visível que não adianta discutir. Sei que é complicar entender que “Teoria= Explicação” e “Lei=Descrição” mas deixe pra lá. Discussão encerrada.

    PS: não se preocupe com a minha tradução do espanhol. Estudei anos o idioma e dificilmente cometo erros. E sugiro que melhore (muito) o seu português.

  211. B.S. Possi disse:

    tudo bem Nihil, entendi, vou reformular minha posição:
    Explicações caem, descrições não, ou vc tem duvidas em relação a isso?

    Não sou “perito” em espanhol, foi apenas isso que eu quis dizer, não questionei sua tradução, sei ingles (em função do meu trabalho) e em função disso eu disse que se possuir as fontes em ingles, PARA MIM não existe problema algum, até porque eu não correria riscos de traduzir erroneamente.
    Quanto a meu portugues, não sou advogado, não sou professor, sou um cara que conhece fisica, uso minha lógica (se quiser discutir fisica comigo, que sempre envolve apenas a lógica, vou ter um grande prazer de demonstrar diferenças aplicaveis entre as mais variadas teorias sobre a mesma questão), acredito que sempre me fiz entender, e seria prepotencia julgar uma ideia por estar escrita de forma incorreta (desde que não comprometa seu fundamento ou seu entendimento).
    São muitos os “equivocos” (se eu DIGITAR “erro” ai vão querer me apedrejar) teóricos, pesquise um pouco que verá por sí mesmo que as teorias caem sim, e a frequencia é muito maior do que vc imagina, portanto, seria uma questão a ser revista, mais não vou mais me prender a isso e sim as questões em que o tópico envolve, melhor do que ficar degladiando em assuntos que não tem vinculo nenhum com o assunto apresentado.

  212. João Santos disse:

    Magno, muito bom!

    Com você, B.S. Possi, Antônio Andrada, Nihil, Rodrigo Aguiar e até o grande Mori “esgrimando” não preciso ficar postando, sou só expectador.

    Gostei do comentário do B.S. Possi, quando sugere que certos povos subitamente “esqueceram” de como seus antepassados construíram monumentos que os estudiosos atuais não conseguem elucidar.

    No Egito, milhares de papiros foram encontrados, mas nenhum continha os projetos das pirâmides. Talvez houvesse uma explicação para engenharia egípcia na biblioteca de Alexandria, destruída completamente pelos árabes.

    Na América, Cortês repetiu o mesmo vandalismo ao genocidar os incas ao invés de conhecer sua cultura. Dessa forma, ficamos sem saber como aquele povo conseguiu lavrar enormes pedras com encaixes justos e precisos, como a pedra de 12 ângulos: http://www.fotolog.com.br/claudiodaylac/36779906 que, mesmo hoje, seria uma arte admirável.
    Na cidade de Baalbek também não são encontradas explicações de como um povo tão antigo conseguiu lavrar precisamente e manipular os maiores monolitos conhecidos.

    O que achei interessante na cidade de Mohenjo Daro é que parece ter havido um holocausto súbito e desconhecido, pois é um vale de ossadas humanas dispersas e, como apresenta alto teor de radiatividade no solo até os dias atuais, mesmo não tenda jazidas de minerais radiativos, não é fácil encontrar uma explicação simples, já que a atividade radiativa das bombas atômicas nos solos de Hiroshima e Nagasaki ficaram bem reduzidas em cerca de 50 anos.

    P.S.: Ainda não consigo deglutir o “Big Bang”, pois não há como condensar o infinito num só ponto. O que poderia ter havido, no máximo, seria uma condensação de uma porção colossal da dimensão atualmente conhecida, mas ainda assim não seria a fronteira final.

    O apóstolo Paulo de Tarso, numa de suas cartas, disse ter sido transportado a uma extraordinária 7ª dimensão, mas não foi autorizado a descrever o que viu. Como a Teoria das Cordas retoma a idéia de 10 outras dimensões, parece que o imaginário físico-matemático está “viajando” mais fundo que a religião.

  213. Antonio Andrada disse:

    E ai Mori, ainda estou esperando uma resposta!

    1- Pelas suas colocações você entende a diferença entre evidencia e “prova” dentro das vertentes epistemologicas da ciência?

    2- Já que você afirmou que não existem evidencias que apoiem a hipótese Paleo-SETI na arqueologia, continuo perguntando:

    Que aporte teórico da arqueologia você usou para chegar nessa interpretação e por quê?

    Não é chatisse não, ja que estamos falando de ciencia estou muito interessado em debater o assunto com categoria, afinal, passei 2 anos de pós com um projeto do CNPq sobre análise de sítios pré-históricos na FUMDHAM e mais 4 anos me graduando, estou me formando em arqueologia e acho que suas idéias de como a arqueologia e a ciencia funcionam estão meio distorcidas.

  214. B.S. Possi disse:

    João cuidado, comentei sobre Darwin e fui bombardeado, taxado, ridicularizado, e MOSTREI que havia fundamentos, agora levantando a possibilidade de falha também na teoria do BigBang, vai arrumar mais encrenca.
    Andrada, como já citei em outro post, rsrs sou seu fã, andei olhando os artigos relacionados ao paleo-SETI e são todos muito convincentes.
    Acho q daqui pra frente, antes de posta alguma coisa, vou enviar ao Andrada ou ao João, assim pelo menos, vou conseguir demonstrar o que penso e não ser criticado por causa do portugues!

  215. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Jõao, a teoia das cordas nunca foi comprovado.

    A cidade com radiação possui grandes indicios de serem falsos.

    Peço que use o conhecimento da fisica para vc entender como houve a condensação da materia no big ban.

    Enquanto vc só aceditar no que vê e tocar e tomar por base o mundo ao seu redor VISIVEL, vc nunca compreendera big ban e outras coisas.

    • João santos disse:

      A teoria do Big Bang também não! Como já disse, é impossível condensar o infinito. No máximo, poderia ter ocorrido o fenômeno numa porção da dimensão atualmente conhecida.
      Com relação ao infinito, só o podemos imaginar matematicamente, mas nunca alcançar fisicamente. Por exemplo, o matemático Cantor alegou que , considerando uma seqüência de números inteiros e fracionários: 1, 2, 3…infinito, e 1/2, 1/10, 1/bilhão…infinito, existiriam mais fracionários que inteiros, portanto “infinitos diferentes”.
      ___________________________________________________________________

      Mori, o “Curtiu” deveria ficar no lado oposto ao “Responder”, pois tenho “curtido acidentalmente” alguns comentários, poi sou míope.

  216. Nihil disse:

    fui bombardeado, taxado, ridicularizado,

    Não exagere…

    vou conseguir demonstrar o que penso e não ser criticado por causa do portugues!

    Foi apenas um conselho. Eu acho importante alguém com bom nível saber escrever o seu próprio idioma.

  217. Nihil disse:

    A cidade com radiação possui grandes indicios de serem falsos.

    Apenas o artigo da Wikipedia em português menciona a tal radiação. Em espanhol e japonês não é mencionada. Fora que não há referências enquanto que no artigo em outras têm e nenhuma direcionada a radiação.

  218. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Interesante Nihil, eu tb achei um texto em ingles desmentindo muitas coisas que é citada sobre essa teoria de “guerra nuclear” antes da civilização moderna.

    Depois coloco o texto, mas, de forma suscinta, ele diz, entre outras coisas, que: a historia foi toda criada por um jornalista que viaja o mundo por conta propia(ou seja nem se tratava de um especialista no assunto, como um historiador ou arqueologo).
    Esse jornalista parece ter dito que são 30 fosseis cristalizados junto com uma cidade inteira que parece ter sofrido com um ataque nuclear. E tem uma cratera perto que diz ser o local da possivel bomba.

    Porem, a informação verdadeira noticiada pelo jornal diz que essa cratera foi estudada por geografos e se trata de um classico exemplo de um fenomeno natural. A cidade nao tem nenhum indicio que foi atacada por uma bomba nuclear, além disso, de nuclear, a unica coisa que tem ali por perto é uma usina nuclear.

    Ou seja, a historia verdadeira parece ter sido que um cara(jornalista) foi lá viu as coisas(nem sabia o que via) e tirou conclusoes propia com nenhuma base cientifica. Publicou a historia e mais uma vez, como varias outras vezes, a historia fantastica se tornou conhecida.(wooo guerra nuclear alien antes do homem nascer!)

    É algo como o professor de portugues que nunca estudou matematica dizer que descobriu a formula magica que resolve todos os problemas da matematica.

    Posto a fonte depois

  219. Antonio Andrada disse:

    B.S. Possi Foi vc que queria ler sobre A origem da agricultura relacionada à hipótese PaleoSETI? Se quiser, made um e-mail:

    [email protected]”, que te envio, escrevi um artigo de só sobre este assunto.

  220. B.S. Possi disse:

    Existe um documentário no YouTube que mostra uma equipe cientifica no local com um contador geiger, e o mesmo mostrado que a radiação existe SIM. esqueletos sem deterioração ossea existe SIM, os “ARQUEÓLOGOS SERIOS” dizem que a cidade foi abandonada, provavelmente em função de perder a rota comercial que NEM FOI COMPROVADA SUA EXISTENCIA.
    mais um detalhe, ahhhh a ciencia não explica? porque? ahhh é um “fenomeno natural” (nossa radiação em alto nivel????) ou acaso, ou “a causa PROVAVEL”
    depois dizem que os outros é quem INVENTA.
    Qual é a definição de “causas naturais”?
    Ou da palavra “acaso”?
    Se tirar essas palavras do dicionario, imaginem o que aconteceria com a “ciencia”

  221. Antonio Andrada disse:

    Rafael Albuquerque Maia,

    Me de o endereço do texto… Assim como tem pessoas que afirmam possuir evidencias uma coisa, tem gente que afirma o contrário.

    Só fico imaginando qual é a lógica critica e o por que de se confiar num artigo de internet e não confiar em outro (quando não for um artigo referenciado é claro),

    Esses disse-me-disse de cético que “a história foi forjada por um cara que queria enganar…” e não mostram nenhuma evidencia disso, é crível pra vc, é diferente de algém que afirma qualquer outra coisa sem mostrar evidencias???

    Temos que pesquisar bem mais a fundo tais questões. O nihil vive citando a wikipedia!!! Eta homi qui sabi coisa séria so!

    Outra coisa, muitas das maiores descobertas científicas revolucionárias foram realizadas por pensadores que vieram de fora do campo de especialidades, “outsiders” autodidatas, que conseguiram ver além dos preconceitos paradigmáticos.

    Einstein era um deles e disse certa vez:

    “O grande objetivo da ciência é encobrir o maior número de fatos empíricos pela dedução lógica tirada de poucas teorias e axiomas.”

  222. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Algumas minas produzem naturalmente energia nuclear funcionam uma especie de reator nuclear, a ultima foi observada em 1972.
    Cisntistas dizem que os processos de fusao e fissao sao comparaveis com as armas nucleares
    O que aconteceu na india pode ser um desses casos

    Fonte:http://atlantisonline.smfforfree2.com/index.php?action=printpage;topic=1760.0

    O primeiro a falar d historia da bomba nuclear foi Taylor Francis.

    Foram atras de saber se esse sujeito existia e adivinha só ?
    o cara nao existe.
    “There is a Francis Taylor, an American museum director, who died in 1957. He was not an archaeologist. There is a “Francisco Taylor”, but he is not the above quoted Francis Taylor.”

    fonte:http://www.bibliotecapleyades.net/ancientatomicwar/esp_ancient_atomic_07.htm

    Claro, a historia da guerra antiga foi citada por um escritor A. Gorbovsky, Riddles of Ancient History, que diz ter econtrado um corpo com alta radioatividade.

    Um sujeito foi investigar isso para ver a tal arma atomica, adivinha só o que ele achou ?

    “Surendra Gadekar also investigated the conditions of villagers at Rawatbhatta in Rajasthan and discovered gross radiation-related deformities.

    We note that Rawatbhatta is in the same region as the discovery of the “ancient warfare” site. But Gadekar did not find evidence of ancient warfare, but evidence of modern negligence: wood that had been used in the power plant, had then “somehow” made his way into society, where it was subsequently used as wood for a fire.”

    Encontrou uma usina nuclear proxima e pessoas usando material radioativo, como madeira e outras coisas(resumo do que foi dito acima).

    Sera que é racional pensar que pessoas usando material radioativo e menos improvavel do que uma guerra nuclear antiga alien(se nao for alien, cade os vestigios dessa antiga civilização avançadissima que precisou de uma bomba atomica para destruir uma tribo de agricultores ?) nao sustentada por livros de historia e arqueologia, salvo um arqueologo que nao existiu.

    Sim, vc deve estar pensando, mas como fica as escrituras sagradas falando da tal “arma atomica” ?

    Cientistas foram atras de saber disso e adivinha só ?

    todos os anos que eles falavam da tal luz que dizimava exercito, coencidia com eclipse na regiao
    “Evidência astronômica: Nas referências ao Mahabharata seqüencial eclipses solar e lunar, como também referências a algumas observações celestes foram feitos. O Dr. RN Iyengar, o grande cientista do Instituto Indiano de Ciência, em Bangalore, examinou referências relevantes e procurou as datas compatíveis, fazendo uso de software planetário (PVIS e EZC). Ele concluiu que a maioria destas referências foram internamente consistentes e que as observações celestes e os eclipses do Mahabharata pertencem ao período de 1493 aC-1443 aC História da Índia (Indian referem Revista de História da Science/38.2/2003/77-115)”

    fonte:http://www.reversespins.com/mahabharata.html

    Falta a historia da cratera(geografos dizem ser produto da natureza) e do reporter ambas estao no meu netbook, entre inumeros sites que preciso procurar.

    Sera que tudo que foi colocado acima já nao prova a falsidade da informação ou ainda tenho que mostrar essas outras fontes …

    Nao sou cetico, acredito em vida extraterrestres e pos morte.(proporção de 70% que isso existe 30% que nao existe) Mas sugiro concentrar os seus esforços, senhores, em algo mais concreto, mais solido.

    Querem uma sugestao: pesquisem sobre o fluxo escuro universal. Fato atestado e comprovado pelos fisicos.

    Ou busquem pela falha na constante alfa.

    Ou deêm uma olhada no site obras psicografadas e vejam as pesquisas sobre parapsicologia, inclusive com materias publicadas em revistas internacionais de parapsicologia.

    Tem outras coisas interessantes, mas sugeriria essas ai para um bom começo

  223. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Colocando uma pá de cal na historia da guerra nuclear harppa, o maior especialista no mundo d sobre a civilização harppa, colocado nesse site, conhecido como um dos mais respeitados sites de arqueologia, desvenda finalmente o mistério do fim da civilização harppa.

    Segundo ele, muitos acrediatavam numa invasão ariana. Porém, havia muitos indicios que nao indicavam que essa invasão existisse. Após muitos anos de pesquisa com a ajuda de satelites e diversos outros arqueologos especialistas nas civilizações antigas da india, finalmente descobriram inumeros indicios de uma enorme seca que varreu a costa da india. Provocando o deslocamento de varias civilizaçoes da india e de toda mesopotania para outro ponto no globo.

    Tb descobriram que havia um enorme rio naquela região, que desapareceu com essa seca(algo parecido com o que ocorre ou ocorria aqui no nordeste onde, devido a seca, inumeros trabalhadores se deslocavam para sul sudeste)

    A descoberta explica diversos outros acontecimentos e escritos da civilização antiga.

    fonte:http://www.archaeologyonline.net/artifacts/aryan-harappan-myth.html

    Sera que os sites ufologos estao certos na guerra nuclear ou o maior especialista da civilização ?

  224. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Dados adicionais: o sujeito estudou 20 anos a civilização harppa. Sua tese foi publicada em revistas cientificas de renome.

    http://www.archaeologyonline.net/artifacts/scientific-verif-vedas.html#vedic-mathematics

    Isso sim sao dados solidos e concretos.

  225. Nihil disse:

    Nunca me surpreendeu encontrar sinais de radiação em solos em terra mesmo essas com pouca ou sem nenhuma interferência antrópica. Afinal, radioatividade não é invenção humana e urânio se encontra em grande quantidade na litosfera, geralmente na forma de plachenda ou uraninita.

    E tenho uma dúvida. Falam em um ataque nuclear e que há sinais de carbonização. Mas vamos lembrar. Em Hiroshima boa parte das vítimas simplesmente “evaporaram” e havia muitos sinais de metais derretidos. Será que lá também tem metais derretidos?

  226. LEx disse:

    Lá era uma bombinha bem fraquinha… Não derreteria nem as obturações dos dentes…

  227. B. S. Possi disse:

    Nihil, metais derretidos não, agora, vidrificação de rochas sim.
    Os 40 corpos encontrados, sem ter uma explicação para elas, se considerar que foi por radioatividade(causada por fenomenos naturais), ela não explicaria a posição, e não tem lógica essa quantidade de esqueletos, se fossem 2, 3 até uns 4, ai daria até pra usar isso como uma causa.
    O mais provavel é de que teria sido algum tipo de ataque (não nescessariamente nuclear) mas também não se encaixa, devido as posições em que foram encontrados.
    Além do que nas guerras sitadas nos Vedas, eles dizem terem visto explosões equivalentes a 10.000 Sois, isso nem de longe lembra um eclipse(a ausência dele), não tem lógica.
    e apenas para constar, e mostrar que isso não vale como prova: Rafael, vc disse o sequinte:

    “(se nao for alien, cade os vestigios dessa antiga civilização avançadissima que precisou de uma bomba atomica para destruir uma tribo de agricultores ?)”

    Os americanos jogaram COVARDEMENTE uma bomba nuclear em HIROSHIMA E NAGASAKI, e AMBAS nem bases militares possuiam, eles simplesmente mataram um bando de “agricultores”.
    Portanto este argumento não deve ser usado.
    Toda a sua pesquisa é muito válida, porém ainda faltam respostas.

  228. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Se alguem ainda tem duvidas da famosa guerra atomica antiga, apreento um verdadeiro dossiê contra a tal teoria.

    Segundo arqueologos, a tradução de “naves metalicas” que deixam cair um “pedra de aço” com força de 1.000 sois é NO MAXIMO uma má interpretação e, na pior das hipoteses, FRAUDE para enganar os leigos.

    Os que dizem ter traduzidos isso venderam inumeros livros sobre misterios das civilizações antigas, tratando-se de imitadores do eric van daniken(salvo me engano o nome do livro é astronautas modernos ou sei lá o que).

    A base da tradução deles foi feita por um alemão em 1800 e la vai cacetada, que ninguem nunca ouviu falar.

    Fizeram a tradução correta da tal “guerra nuclear” e os textos ficaram da seguinte forma:
    Em
    Manhã
    , Duas passagens do
    Mahabharata
    são citados
    como prova de uma guerra atômica antiga. Em obras posteriores, como os de David
    Hatcher Childress, estas duas passagens são interpoladas em um único bloco
    de (fora de contexto, misturados) de texto. Aqui está a passagem, pois é
    freqüentemente dado on-line e nas obras de Childress, um pouco
    diferente do que em
    Manhã
    :
    Gurkha, voando uma rápida e poderosa vimana,
    arremessou um único projétil
    carregada com todo o poder do Universo.
    Uma coluna incandescente de fumaça e chamas,
    tão brilhante como dez mil sóis,
    aumentou em todo o seu esplendor.
    Era uma arma desconhecida,
    e raio de ferro,
    um gigantesco Mensageiro da morte,
    que reduziu a cinzas toda a raça do Vrishnis e
    Andhakas.
    Os cadáveres estavam tão queimados
    , para ser irreconhecível.
    Seus cabelos e unhas caíram.
    A cerâmica se quebravam sem causa aparente,
    e os pássaros ficaram brancos.
    … Depois de algumas horas, todos os alimentos ficaram infectados …
    … Para escapar deste fogo,
    os soldados se jogaram nos rios
    lavar-se e todos os seus equipamentos.
    (Childress
    Lost
    72-73)
    Esta passagem não aparece nos 1,8 milhões de palavras
    Mahabharata
    . Em vez disso, ele parece ser cuidadosa e propositadamente
    Página 15
    BOMBAS ANTIGO ATOM? ● 11
    reescrita de passagens genuínas, combinando textos à vontade para criar um
    n º enganosa que parece indicar o conhecimento anômala
    bombas nucleares. Childress não fizeram a reescrita, parece que Pauwels
    Bergier e foram os primeiros a gravar a versão variante, porém poucos parecem
    buscar a védica original real, contando apenas com Pauwels e
    Bergier e Childress, em vez de fontes primárias. Quando olhamos para o
    textos-fonte, podemos ver como esse material foi alterada drasticamente:
    Agraciada com ele, o santo, em seguida, mostrou que Utanka
    forma Vaishnava eterna que Dhananjaya de grande inteligência
    tinha visto. Utanka contemplou a Vasudeva a alma universal de alto
    forma, dotado de armas poderosas. O esplendor de que forma
    era como a de um fogo ardente ou mil sóis. Ficava
    antes dele encher todo o espaço. Tinha rostos de todos os lados.
    Contemplando a alta e maravilhosa forma Vaishnava de Vishnu,
    na verdade, vendo o Senhor Supremo (em que disfarce), o Brahmana
    Utanka se encheu de admiração.
    Acwamedha Parva, LV Seção (Ganguili Vol. 16.)
    Esta passagem, que menciona a dez mil sóis, refere-se a uma
    aparecimento de Vishnu. Ele é representante de muitos, muitas passagens
    que o padrão da linha poética “dez mil sóis” é usado para descrever um
    divindade. Ele não faz referência específica ao flash de uma explosão nuclear a menos que um
    imagina que os deuses sejam explodindo.

    Segundo os especialistas, a tradução parese ter sido levemente modificada para dar uma idéia de arma nuclear. Ou seja, uma fraude padrão, onde se faz pequenas modificações em dados corretos para dar a aparencia de serem reais.

    Como sempre, historias de filmes de ficção cientifica, por serem legais e divertidas, sao combinadas com dados verdadeiros para gerar uma agradavel tese pseudocinetifica.

    As pessoas nao vao procurar fontes, e acaba dando a impressao de serem verdadeiras.

    A grande massa populacional anseia por herois de verdades e historia de guerras nas estrelas e acabam sendo enganados com historia como essa.

    Poderiamos estar evoluindo muito mais rapido se os esforçoes das pessoas fossem concentrados em teses verdadeiras com bases solidas e concretas.

    fonte: http://www.jasoncolavito.com/uploads/3/7/5/9/3759274/colavito_-_ancient_atom_bombs.pdf

  229. Joao disse:

    REPETINDO,

    não sei se national geographic tem credibilidade atualmente mas ela tem transmitido uns programas sobre isso… além de outros fenomenos aparecem esses ovnis em Hessdalen-Noruega

    http://www.youtube.com/watch?v=ZKpECnEgjzA

    alguém tem mais informações?

  230. Franciscodog disse:

    Possi, permita-me alguns comentarios a respeito de um post seu
    “A teoria da Evolução de Darwin não pode:”
    A proposiçaõ original de Darwin, apesar de aceita nos seus fundamentos de seleção natural e mudanças gradativas por pressão seletiva, já foi há muito refinada. Atualmente se prefere o termo Teoria Sintética da Evolução (TE) como a explicação mais aceita para o fenômeno da evolução/diferenciação das espécies.

    “Precisar a idade da Terra”
    Verdade, pois a TE não almeja isso. Quem tenta precisar a idade da Terra é a disciplina de Cronogeologia.

    “Explicar a inlegincia Humana”
    Darwin que eu me lembre não falou nada a respeito, mas a TE apresenta explicação para o desenvolvimento da inteligência humana e dos aniamis.

    “Explicar evoluções a curto prazo”
    Hum, esse termo curto prazo se refere a quanto?
    Algumas Bactérias gram negativas (ESBL) evoluem rapidamente para resistência antibiótica em menos de uma semana.

    “Segundo Darwin, no inicio, seria apenas uma especie, o que também é falho”
    A hipótese do ancestral comum único ainda é a mais aceita, embora haja postulações de ancestralidade por várias população com transmissão horisontal de material autoreplicante.

    “Sobrevivencia pela especie mais forte, também é falha,”
    Nisso a TE é concorde, não é o mais forte que tem mais chance de transmitir descendência, e sim o mais apto. Mesmo esse conceito é uma simplificação.

    “os mamiferos, diferente de outras espécies, não nescessita ser o mais forte, e nem mesmo o mais adaptado, por possuir a capacidade de convivencia e trabalho em conjunto”
    Nem todos os mamíferos trabaham em conjunto; várias espécies de não mamíferos trabalham em conjunto.

    “equanto algumas espécies por exemplo, acasalam e devoram seu parceiro”
    POucas espécies fazer isso, assim como poucas comem sua propria cria.

    “(aqui sim a teoria de Darwin funciona)”
    Funciona em todos as situações, como explicarei mais adiante

    “os mamiferos instintivamente protegem sua prole.”
    Vários animais protegem suas proles, aves, peixes e insetos.

    Existe uma diferença grande quando estudamos TE de comportamento do indivíduo e comportamento de populações de indivíduos.
    Grupos com características altruístas, em que indivíduso se sacrificam para preservar a comunidade, tem mais chance de propagar seus genes que outos não-altruístas. Certos comportamentos também sofrem ação da seleção natural e são passados por informações genéticas.

    “Neste mesmo documento fica bem claro que o debate existe”
    Exite muite debate sobre a TE, apesar do cerne da teoria ser o mesmo a muito tempo. Cada avanço científico desvenda uma nova área, no tempo do Darwin nem a genética havia sido “descoberta”.

    “porém é mantido em sigilo, como no caso do video que assisti de propriedade particular”
    Sigilo? Hum, só ler revistas científicas de biologia para ver que sempre há novos dados se agregando a TE, o próprio Craig Wener numa netrevista recente defendeu a não existência de um único ancestral comum.

    PS_ e Darwin nunca falou nada sobre o “elo perdido”, aliás nenhum cientísta e nenhum estudioso da TE fala sobre isso. Essa expressão foi cunhada muito tempo depois, e tem muito mais impacto nos meios de comunicação que na comunidade científica. Um pouco como a história da “partícula de Deus”

  231. B.S. Possi disse:

    Franciscodog:
    Antes de tudo…
    Você leu o texto?
    A idade da terra:
    “Por outro lado, houve sérias objeções a que nem Darwin nem seus
    patrocinadores souberam responder na época, tais como a idade da Terra e a diluição
    pouco a pouco das características dos progenitores, e portanto das variações, ao longo
    das gerações (o chamado “paradoxo de Jenkin”).”
    Prof. Gildo Guimarães(USP)

    A inteligência do Homem
    Faz parte da evolução, Darwin deveria ter elucidado, não o fez
    *peço desculpas pelo meu erro de português, por sorte entenderam do que se tratava, infelizmente não tenho como editar o post e corrigir estes erros (estou me policiando)

    Evolução a curto prazo:
    O texto em questão se utilizou do termo, porém acabou indo pra um outro caminho, ou formular uma resposta mais concreta e em breve eu posto.

    A evolução por seleção não permite que surjam novas espécies, apenas garante sua sobrevivência
    *texto resumido, porém sem nenhuma alteração da definição do Prof. Gildo Magalhães, aconselho, ler o texto

    Ainda sobre a evolução nos modelos de Darwin:
    “A seleção de mutações produzidas ao acaso pode trazer uma certa facilidade de
    descrever determinadas evoluções, especialmente uma vez que elas já se considerem
    ocorridas, mas de forma alguma consegue de per si explicar o fenômeno evolucionista.
    A probabilidade de uma única molécula, como por exemplo a do albúmen do ovo, ser
    produzida por acaso e pela ação térmica usual, supondo um meio constituído por
    substâncias convenientes e com 500 trilhões de vibrações por segundo
    (aproximadamente correspondendo à velocidade da luz) é de 2 x 10
    , ou de 10
    anos
    -321
    243
    (Hugunin, 1995) – e se estima que o Universo teria pouco mais de 10
    anos. Resulta
    10
    que seria preciso que o gen já tivesse a idéia do conjunto a fabricar, antes de fabricá-lo.”
    *retirado na integra do mesmo texto

    Sobre o Elo perdido, eu apenas me referi as falhas encontradas na cadeia evolutiva, e acreditei que entenderiam o que eu quis dizer, peço desculpas por utilizar o termo, tentarei ser mais especifico.

    Sobre o sigilo:
    Nem tudo sai nas revistas.

  232. Franciscodog disse:

    Possi

    “Você leu o texto?”
    Sim

    “A idade da terra:
    Por outro lado, houve sérias objeções a que nem Darwin nem seus patrocinadores souberam responder NA ÉPOCA, tais como a idade da Terra”
    Sim pois na época nao se tinham as bases da genética moderna, nem da geocronologia.

    “A inteligência do Homem. Faz parte da evolução, Darwin deveria ter elucidado, não o fez”
    Como falei acima as idéias de Darwin apesar de permanecerem aceitas até hoje sofreram lapidações e colaborações. Ele não elucidou várias outras coisas, sempre vai haver algo a ser elucidado. Mas as bases Darwinistas permanecem.

    “Evolução a curto prazo:
    O texto em questão se utilizou do termo, porém acabou indo pra um outro caminho, ou formular uma resposta mais concreta e em breve eu posto.”
    No Aguardo

    “A evolução por seleção não permite que surjam novas espécies, apenas garante sua sobrevivência”
    Evolução significa mudanças gradativas devido a sucessivas mutações selecionadas por pressão ambiental. Novas especies surgem, isso é comprovado (ver Especiação em Anel), até grande parte dos adeptos da DI e mesmo alguns criacionistas concordam com isso, pouca gente ainda é Fixista hoje e dia.

    Ainda sobre a evolução nos modelos de Darwin:
    “A probabilidade de uma única molécula, como por exemplo a do albúmen do ovo, ser
    produzida por acaso e pela ação térmica usual… que seria preciso que o gen já tivesse a idéia do conjunto a fabricar, antes de fabricá-lo.”
    Perdão, mas uma série de equívocos. 1) os processos são estocásticos, não “ao acaso” 2)A albumina do ovo é uma proteina complexa de uma espécie complexa gerada após milhões de anos de seleção natural. Ela não surgiu do zero, e sim por continuas mutuações beneficas sendo buriladas pela pressão ambiental. 3)o argumento final do “gen já ter a ideia” é a tese da complexidade irredutível, que é um apelo a uma lacuna do conhecimento pessoal do autor.

    “Sobre o Elo perdido, eu apenas me referi as falhas encontradas na cadeia evolutiva,”
    O registro fóssil por definição sempre vai ter “falhas”, pois 1)o processo de fossilização requer condições muito específicas para ocorrer 2)a Evolução se dá por mudanças muito lentas e graduais, logo sempre haverá alguma espécia intermediária. Se eu digo q falta um “elo perdido” entre o fóssil A e C e acho esse fóssil (digamos B), automaticamente vão ficar faltando fósseis entre A e B e entre B e C. 3)O que o registro fóssil nunca demostrou foram saltos evolutivos (peixes que viram aves), o que contraria a TE

    “Nem tudo sai nas revistas.”
    SIm, mas você há de convir que com a quantidade enorme de informação produzida tem de haver algum critério para escolher o que deve ser publicado, não? Ou você acha que um caso muito bem estudado e com achados sugestivos/evidências sólidas ufológicas tem a mesma chance de serem publicadas em revistas sérias do que o “Caso Bilú”?

  233. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Possi vcviu meu ultimo post ? As traduções sao fraudes.Leia as fontes e vc vera
    O suposto faudador tira frases de um paragafo e mistura a outros criando um exto unico que dá impressao de ser armas nuclleares

    Os 1.000 sois tanto mencionado que diz ser uma arma nuclear, conforme vc pode ver no texto que mencionei, se trata de uma dinvindade indu.

    Digo novamente, um classico exemplo de fraude, altera dados verdadeiros paa se adequa a historia por ele inventada

  234. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Veja atradução originl de mil sois, mostrado no documento que mostei

    Quando olhamos para o
    textos-fonte, podemos ver como esse material foi alterada drasticamente:

    Agraciada com ele, o santo, em seguida, mostrou que Utanka
    forma Vaishnava eterna que Dhananjaya de grande inteligência tinha visto. Utanka contemplou a Vasudeva a alma universal de alto forma, dotado de armas poderosas. O esplendor de que forma era como a de um fogo ardente ou mil sóis. Ficava antes dele encher todo o espaço. Tinha rostos de todos os lados.
    Contemplando a alta e maravilhosa forma Vaishnava de Vishnu, na verdade, vendo o Senhor Supremo (em que disfarce), o Brahmana
    Utanka se encheu de admiração. Acwamedha Parva, LV Seção (Ganguili Vol. 16.)

    Os fraudadores diziam que havia esse texto:

    Uma coluna incandescente de fumaça e chamas,
    tão brilhante como dez mil sóis,
    aumentou em todo o seu esplendor.
    Era uma arma desconhecida,
    e raio de ferro, um gigantesco Mensageiro da morte, que reduziu a cinzas toda a raça do Vrishnis e Andhakas.
    Os cadáveres estavam tão queimados
    , para ser irreconhecível.
    Seus cabelos e unhas caíram.
    A cerâmica se quebravam sem causa aparente,
    e os pássaros ficaram brancos.
    … Depois de algumas horas, todos os alimentos ficaram infectados …
    … Para escapar deste fogo,
    os soldados se jogaram nos rios
    lavar-se e todos os seus equipamentos.
    (Childress
    Lost
    72-73)

    No entanto foram verificar se realmente havia essa passagem nos escritos antigos, veja vc mesmo o resultado:

    Esta passagem não aparece nos 1,8 milhões de palavras Mahabharata

  235. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Resultado de tudo que foi dito:
    1- escritos antigos que falam da guerra nucle- mentira
    2- material radioativo no local- mentira
    3- o primeiro a falar da guerranuclear antiga existiu- mentira
    4-caera que pode ser o local da ama nuclear- mentira
    5 arqueologos serios dizem ter havido bomba nuclea como sendo a causa do fim da civilização- mentira(seca foi a causa)

  236. Rafael Albuquerque Maia disse:

    onde se lê: 4-caera que pode ser o local da ama nuclear- mentira

    leia-se: 4-cratera que pode ser o local da ama nuclear- mentira

  237. Rafael Albuquerque Maia disse:

    possi vc disse:Os americanos jogaram COVARDEMENTE uma bomba nuclear em HIROSHIMA E NAGASAKI, e AMBAS nem bases militares possuiam, eles simplesmente mataram um bando de “agricultores”.

    Nao concordo com vc em duas coisas. 1- nao teve nada de covardia, veja o conexto histoico das bombas atomicas e verá que foi a atitude correta na epoca

    2- Nao era somente agricultores, havia fabricas que constuia peças para armas japonesas. Era um alvo estrategico.

  238. B.S. Possi disse:

    Franciscodog:

    Antes de tudo, grato pelos esclarecimentos, eu levei estas questões a alguns amigos, que poderiam se retratar de forma mais concreta do que eu, até porque, meu conhecimento sobre o assunto é muito superficial(talvez por isso o texto tenha me parecido tão conclusivo), vou aguardar as respostas para poder te enviar, sem ficar perdendo seu tempo com bobagens.

    Tenho mais uma série de argumentos com alguma relevância, porém são criacionistas, como eu não acredito, não vou usa-los (não teria fundamento algum criticar a teoria, tendo como base fundamentos que eu mesmo não concordo)

    Mais uma coisa, acredito que tenha lido meus posts mais antigos, deve ter visto, que usei a TE para exemplificar que outras teorias também podem conter falhas(já que a TE, mesmo sendo bem aceita, existe alguns contestamentos), e eu deixei bem claro que eu mesmo uso Darwin para validar alguns de meus pontos de vista(o que comprova que não sou tão descrente assim), e também, acredito que mesmo que esta teoria seja descartada, e substituída por uma outra que contenha um teor mais abrangente e com melhor definição, acredito(mentira, tenho certeza) que a ciência evoluiu muito graças a Darwin, e isso não deve nunca ser desmerecido, apenas tentei expor alguns dos pontos que julguei mais coerentes e com fundamentos, não tenho a mínima intenção e nem a prepotência, ou por mais evidencias que existam nem ESTE SITE(melhor dizendo, estes comentários)de derrubar Darwin, acredito na discussão de idéias, e devo reconhecer que vc elucidou muita coisa(posso até parecer um idiota, mais não sou burro),vejo sim os fatos, e se ver fundamento, claro que aceitarei.

  239. Rafael Albuquerque Maia disse:

    E uma ultima coisa. A comparação foi infeliz, uma civilização de 2.000 anos antes de cristo e outa 1900 anos após cristo. De fato, quase 4.000 anos de diferença separa as duas

  240. B.S. Possi disse:

    Parabéns rafael! vamos matar civis! O simples fato de LANÇAREM é covardia, se queriam mostrar força, existe um milhão de formas para faze-lo(se tiveram inteligência para criar a bomba, deveriam imaginar um meio de mostrar sua força sem necessariamente matar milhares de indefesos, que não tiveram a mínima chance de defesa, ou seja, o que caracteriza a covardia), o ataque a Pearl Harbor, foi covarde? Não, foi em uma base MILITAR, se foram pego de surpresa, azar deles(apesar de existir teorias conspiratórias que dão conta de que eles sabiam, não que seja verdade, mais o boato existe).

    A radiação não é mentira, ela existe(ou vc não acredita em contador geiger?), qual a causa, ai sim vc pode dizer que não se refere a uma explosão nuclear, mais ela existe.
    Escritos antigos relatam explosões, seja o que for, retrataram um evento luminoso, o contrario de um eclipse.
    Me explique o porque dos 40 corpos, e o motivo de eles terem sido encontrados na circunstância que foram.
    De uma lógica para a vidrificação das rochas encontradas no local.
    Não estou me prendendo a quem foi o primeiro a falar, a meu ver, não tem a menor importância, os fatos acima são reais, me explique, que me convencerá(assim como franciscodog me mostrou argumentos convincentes e explicitos a cada questionamento)

  241. LEx disse:

    Alguém pode explicar em no máximo 40 linhas como se faz uma Bomba Nuclear? Não é possível que aqui no meu “quintal” não ache as mesmas ferramentas que o povo de 10k anos atrás dispunha…

  242. Rafael Albuquerque Maia disse:

    Ja dizia o velho ditado: pimenta nos olhos dos outros é refresco!.

    A america ja havia perdido milhoes de vidas na 2 guerra. A guerra estava no fim e o unico pais que ainda nao tinha sinais de redinção era o japão.

    Apos os ataques a Pearl Habor, o japão havia atacado outra base americana na asia.

    O presidente americano tinha duas hipoteses, ou mandava mais ou menos 100.000 soldados para o japão com o grande chance de inumeros morrerem e gastar mais milhoes de dolares em operações de guerra e equipamento ou soltava a bomba para o japão se render.

    Escolheu a segunda como medida mais fácil.
    Sim queria ver se fosse seu vc que tivesse de escoler, gastar milhoes de reais numa guerra e mandar seu pai mae avós e avôs para a guerra ou com uam arma resolver tudo.

    Como diz o ditado: pimenta nos olhos dos outros é refresco!

    Os EUA foram tao corretos que após a primeira bomba, eles aguardaram 3 dias para o japão se render. Mais os japoneses da epoca eram arrogantes e orgulhosos e mesmo apos quase todos os paises como italia e alemanha ja haviam se rendido, eles queriam continuar na guerra. Nao só queriam como estava preparando o contra ataque. Foi entao que o presidente americano autorizou a segunda bomba, e só assim o orgulho japones se rendeu ao poder americano.

    Mas é claro, vc provavelmente teria escolhido mandar seus filhos irmãos e irmãs para a guerra e teria gastado milhoes a mais, dineiro pago com o trabalho dos americanos.

    Mais uma vez: Pimenta nos olhos do outros é refresco!

    vc disse:A radiação não é mentira

    Segundo Surendra Gadekar ela nao é mesmo, porém nao se deve a uma guerra nuclear e sim material radioativo usado em uma usina perto.

    vc disse:Escritos antigos relatam explosões,

    Segundo o texto que eu coloquei relata sim, modificando o texto original, deslocando frases de um paragrafo e encaixando em outros lugares.
    Se vc ler TODO o documento que eu coloquei vc vera inumeros indicios de fraude na tradução.
    Nao fui eu que inventei isso, esta escrito no documento!

    vc disse:
    Me explique o porque dos 40 corpos, e o motivo de eles terem sido encontrados na circunstância que foram.
    De uma lógica para a vidrificação das rochas encontradas no local.

    Ja disse acima, o cara foi lá verificar essas coisas, nao encontrou NADA DISSO.

    Fora isso, o especialista nas civilizações indus jamais cogitou nas suas teorias qualquer hipotese de “guerra nuclear” Leia os sites que eu mostrei. Se vc somente olhar os indicios a favor e se recusar olhar os contra realmente vc nunca se convencerá.

    Além dessas coisas, as civilizações indus mechiam com forja que envolve altas temperaturas o que, caso essas explicações nao fossem suficientes, poderia perfeitamente explicar o material derretido.Imagino que vc nao viu isso tb!

    Bom, pra mim, basta a palavra de especialistas dizer que nao mencionar qualquer guerra nuclear para me convençer de que essa historia nunca existiu.

    Se a arqueologia descubrisse uma civilização antiga que mechia com o processo de fissao e fusao isso seria uma revolução na historia.

    Fora todos esses argumentos, ainda tem os argumentos que decorre do bom senso e da logica.

    Uma civilização altamente avançada usou armas nucleares para acabar com agricultores ?(japoneses nao eram agricultores, e tinha uma marinha respeitavel!)

    Iroshima e nagasaki sao cidades japonesas, os EUA atacaram o japão e escolheram como alvo as cidades de iroshima e nagasaki. Ate porque se a guerra fosse só contra essas duas cidades e nao o japão nem precisava de bombas atomicas!

    Supondo que uma civilização antiga avançada tivesse o conhecimento nuclear e resolvesse usa-la contra agricultores que faziam barros de cera e tinha a alta tecnologia de conhecer a existencia do numero “0”.

    Onde estao os vestigio dessa superior civilização ?

    Um tsunami acabou com eles vc vai dizer ? Eles nao tinha barcos ou avioes.

    Nao dominaram a europa e a asia porque ? Talvez eles quizessem ser pequenos e inferiores.

    Bom… acho improvavel que isso realmente tenha acontecido

  243. B.S. Possi disse:

    Construa uma pirâmide então, deve ser mais facil, lembre-se de usar apenas cunhas de madeiras, fazer um buraco, com um balde de agua, vc molha a cunha, a rocha racha, ai vc molda ela e vai empilhando
    rsrsrsr desculpe Lex, mais não resisti! espero que entenda a brincadeira.
    mas não disse que construiram uma bomba, disse que a radiação esta lá, se foi uma bomba, bom, ou Daniken ou Platão(que relatou Atlandida) esta certo.
    Vou ser o mais sincero que posso, eu NÃO ACREDITO em uma explosão nuclear neste local, porém esta faltando muitas peças, garanto que estou sim pesquisando e tentando encontrar provas concretas sobre o assunto, mas tudo que encontro ou é tendencioso, ou não responde as questões que coloquei.

    Vamos a algumas deduções MINHAS sobre esta questão:
    Se houve uma explosão nuclear, deveria haver também algum tipo de comprovação de que os antigos possuíam energia elétrica, e maquinas avançadas, se não a fizeram, seria por pura estupidez, existem algumas imagens no antigo egito que mostram lampadas ligadas a geradores, porém cada um da a explicação que acha mais conveniente, eu acredito que para provar a teoria da explosão deveria haver:
    Pelo menos as ruinas de mais uma cidade com as mesmas caracteristicas(nos vedas, diziam que seriam varias, encontrar apenas mais uma, não seria um grande problema)
    Encontrar evidencias reais de utilização de energia elétrica na antiguidade.
    Isso bastaria, seria provas suficientes, o fato é que as ruinas tem suas peculiaridades, e causam todo o tipo de especulação, seja tendenciosa ou não.

  244. B.S. Possi disse:

    Rafael, creio que meu ultimo post colocou bem o que penso sobre as ruinas.
    Com relação a guerra, Japão, EUA, sinceramente não vou me estender, até porque não tem absolutamente nada a ver com o assunto do tópico, teria sim um grande prazer de debater este tema, por conhecer profundamente toda a história, inclusive as partes “menos divulgadas”, então não vou argumentar, guardaremos isso para uma outra ocasião, em um tópico que seja mais propicio ao assunto.
    Apenas uma ultima observação: Especialistas também podem:
    1-Errar
    2-Serem tendenciosos,mesmo que involuntariamente
    3-Obter resultados equivocados
    4-Não possuir em mão toda a documentação nescessária(ou evidencias)
    5-Esconder seu real julgamento a fim de não ser ridicularizado

    Não estou dizendo que é o caso, mais outros casos existiram, e repito, é justamente por isso que surgem todo o tipo de especulação

  245. Nihil disse:

    Apenas uma ultima observação: Especialistas também podem:
    1-Errar
    2-Serem tendenciosos,mesmo que involuntariamente
    3-Obter resultados equivocados
    4-Não possuir em mão toda a documentação nescessária(ou evidencias)
    5-Esconder seu real julgamento a fim de não ser ridicularizado

    Verdade. Melhor acreditar num Däniken da vida do que em algum arqueólogo chato e arrogante só porque possui um PhD na área. Assim como é melhor eleger o Tiririca do que algum “diplomado”. Assim tudo fica mais divertido.

  246. B.S. Possi disse:

    Ele me persegue…

    Nihil, não disse isso.
    Quer dizer que ter PhD exclui o mesmo de qualquer possibilidade de erro?
    Quando disse “tendenciosos”, eu citei também o ivonluntariamente, pois por mais imprcial que se tente ser, vc sempre se prende a conceitos individuais, e as vezes eles podem sim comprometer
    Obter resultados equivocados, bom, nem preciso entrar em mais detalhes, varios exames podem indicar mais de um resultado.
    Não possuir todas as evidencias:
    Tente escavar no Afeganistão, sem ser policiado ou que tenha material confiscado
    Esconder o real julgamento:
    Vou ser bem específico:
    Se eu VER um disco voador pousando no meu quintal, e eu tiver uma filmadora pra gravar, eu NÃO GRAVO, e nem vou falar pra ninguem, até minha mãe duvidaria de mim, e diria que o filme foi adulterado.

    Não votei no:
    Tiririca
    Dilma
    Lula
    Maguila
    Mulher Pera
    E mais um monte de …
    bom melhor não comentar

  247. Nihil disse:

    São dificuldades que arqueólogos encontram. Imagine tirar visto para entrar em países como Paquistão, Afeganistão… Se acharem uma pirâmide na Coreia do Norte é bem provável que ela nunca seja estudada. De fato, as autoridades também podem confiscar muitos materiais de estudos também, outra dificuldade. Mas enfim… Talvez por isso a maioria fica na mesmice de explorar os arredores do Mediterrâneo. De preferência o lado europeu.

    Quanto ao último parágrafo… Meus parabéns!

  248. Lucas Gonzaga disse:

    Olá, não sei se já comentaram mas você não fez menção alguma ao “DÉCIMO SEGUNDO PLANETA de Zecharia Sitchin”.

    Um livro que aborda os “deuses astronautas”, a partir de textos e imagens da civilização Suméria, é importante para elucidar o tema.

    Aguardo comentários a respeito e parabéns pelo que foi escrito até agora.

  249. LEx disse:

    B.S. Possi em 26 de maio 2011 às 22h57,

    Eu entendi a brincadeira, só tentei comparar as coisas, já viu “Serra Pelada”? É a maior mina do mundo escavada a mão? Saco por saco… Vai ser meio difícil eu construir uma pirâmide em casa sozinho, mas me dê 200 anos e 12k escravos e tu vai ver se não consigo. Já um reator nuclear….

    Quanto aos mistérios antigos, já ouviu falar da bateria de Khujut Rabu? É uma pilha de 2k anos que gera eletricidade a partir de suco de uva e cobre. Não consegui reproduzir o efeito aqui em casa, mas deve ser verdade. O problema é saber o que os carinhas barbudos queriam com um micro gerador elétrico… Carregar os iPads?

  250. luis disse:

    E sobre as estelas sumerias analisadas e traduzidas por zecharia sitchin?
    Cuidado, as vezes as arvores não deixam ver o bosque. saudações

  251. Joao disse:

    Again.
    REPETINDO,

    não sei se national geographic tem credibilidade atualmente mas ela tem transmitido uns programas sobre isso… além de outros fenomenos aparecem esses ovnis em Hessdalen-Noruega

    http://www.youtube.com/watch?v=ZKpECnEgjzA

    alguém tem mais informações?

  252. Rafael disse:

    Possi, que bom saber que vc tem informações sobre a segunda a guerra. Um dia terei o prazer de ouvi-la.
    Ainda que alguns egitos tenha o conhecimento rudimentar da energia eletrica, nao acho que isso torne eles altamente avançados, em comparação com as civilizações modernas.

    Conhecimento da energia eletrica retrata apenas tecnologia de ponta de uma civilização antiga, assim como nossa civilização atual possui conhecimento rudimentar de teleporte, criação de uma consciência e manipulação espacial.

    Pelo que tenho percebido até o momento nao vejo grandes mistérios nas civilizações antigas, no sentido de mostrar algum vinculo a uma civilização extraterrestre ou mais avançada.

    As unicas possibilidades dos antigos terem tido inflência de uma civilização mais avançada que tenho visto até meu rudimentar conhecimento são as construções das piramides, o que até hoje gera polemica, o surgimento do homo sapiens e algumas guerras na europa.

    Fora esses casos, nao vi ainda algo que tenha me surpreendido.

    João muito bom o documentario, vou dar uma invetigada nisso.

    Dê uma olhada nesses videos abaixo, talvez tenham alguma ligação com as imagens desse ovnis no documentario da national geographic

    http://www.youtube.com/watch?v=CEKU5nVMW50&feature=fvwrel

    http://www.youtube.com/watch?v=nzTqlY71ZQE&feature=related

    Esses dois avistamento são um dos que mais me surpreenderam até hoje. Na comunidade de ceticos, above top secret, nao conseguiram dar uma explicação conviecente para esses dois casos.

    Fora esses dois videos há outros 2 videos do mesmo objeto que aparece em cidades proximas no canada.

    Bom talvez vc goste.

  253. Rafael disse:

    onde se lê:Ainda que alguns egitos tenha o conhecimento

    leia-se:Ainda que algumas pessoas do egito antigo tenha o conhecimento

  254. B.S. Possi disse:

    Lex, eu vi sim, parece se tratar de baterias, e tb, a eletricidade não é totalmente desconhecida do mundo antigo, existem relatos por exemplo de romanos usando enguias para (pasmem) fisioterapia, eles sabiam que os choques estimulavam os musculos, recuperando os movimentos mais rapidamente, porém também se sabe que eles aprenderam isso, de alguma civilização que eles provavelmente dominaram, eu só não posso te dizer agora de quem foi(depois pesquiso e passo todas as informações corretamente)
    Porém, este fato deixa claro que eles pelo menos tinham contato com eletricidade

  255. Antonio Andrada disse:

    Mori,

    Resposta parte 1:

    Desculpe se pareceu que eu estava te apressando, eu também tenho muito trabalho profissional e visito seu site quando tenho tempo sobrando. Apenas não sabia se você tinha lido as perguntas ou se tinha esquecido de me responder, já que tuas outras respostas não demoraram e a conversa estava ficando interessante. De qualquer maneira, foi você quem criou este Site em primeiro lugar (espero que tenha tempo para administrá-lo) e que também resolveu arrumar tempo para iniciar uma discussão comigo sobre este tópico, assim, quando não tiver tempo, avise. Quanto ao e-mail, agradeço, mas no momento me interessa que a discussão seja pública, pois gostaria que os outros leitores deste site “ouvissem” o que tenho a dizer sobre ciência e principalmente arqueologia, já faço os dois há mais de 10 anos. Caso contrário não vejo motivo nenhum em escrever.

    @Mori: OK. Antonio, vou responder a seu comentário intercalando mnhas respostas, acredito que ficará mais claro. Caso não aprecie esta forma, é só dizer.
    Mas não percamos mais tempo, primeiramente, discordo do raciocínio que usou em sua última resposta, você não respondeu às minhas perguntas fazendo outras (pelo menos não as que vc fez), Estávamos discutindo o que é uma evidencia na ciência arqueológica, e sem uma definição desse ponto, não temos como avançar para “julgar” o mérito científico de qualquer hipótese (quanto mais da hipótese paleoSETI, que por sinal, foi vc novamente que postou o assunto inicialmente). Por que fiz tal pergunta?

    Simples: Estou curioso em saber como você pode julgar que não existem evidencias sem saber o que elas representam teoricamente na epistemologia da arqueologia contemporânea.

    Entenda que eu responderei sim às suas perguntas, porém, no tempo certo e quando elas fizerem sentido. Por enquanto é bom que tentemos transparecer para os outros leitores, como funciona realmente a ciência sem recorrermos a estereótipos de televisão. Você fez uma afirmação absoluta de que “não existem evidencias que corroboram as idéias PaleoSEI”, é ótimo que cada uma tenha sua opinião, mas no jogo da ciência, temos que justificá-la, como sou arqueólogo (trabalho a mais de 10 anos e me formo bacharel em arqueologia neste semestre), estranhei sua afirmação e eu te perguntei com qual conceito teórico da arqueologia você estava trabalhando suas interpretações (para chegar a tua opinião de não especialista do que é uma evidencia arqueológica), você não respondeu e me pediu por publicações especializadas que apresentassem algum tipo de “atestado científico circunstanciado” sobre o conhecimento em questão.

    Bem, fico preocupado, pois percebo que você não entendeu minha argumentação até agora. Como vou poder te recomendar qualquer tipo de leitura científica sobre “evidencias” arqueológicas que corroborem a hipótese PaleoSETI, se vc não me responde “o que vc entende por evidencia” ou “como você trabalha essa evidencia na arqueologia”.

    @Mori: Penso que entendi sua argumentação. Você traz à discussão a questão espitemológica do que seria “evidência”, de diferentes escolas não só na arqueologia, como no contexto da própria filosofia da ciência.

    Não acho que é preciso ser titulado para entender sobre determinado assunto, os autodidatas já provaram seu valor para a história das ciências, porém, como sou arqueólogo, preciso prezar por uma coerência mínima, saber o quanto você sabe, pois a primeira vista seu discurso não parece muito afinado com a lógica das interpretações arquelógicas. Você afirmou novamente que possui uma linha e que a esta seguindo:

    Vc escreveu: “respondo sua pergunta com outra questão que deve deixar clara abordagem que favoreço”

    Então pergunto novamente: Qual é essa lógica, de qual fundamento teórico?

    @Mori: O ceticismo promovido em CeticismoAberto é o “ceticismo científico”, que pode traçar suas origens mais recentes na abordagem de “Fads and Fallacies” de Martin Gardner, e mais diretamente no delineado e discutido através do CSI(COP) pelo professor de filosofia Paul Kurtz. Se você ler mais sobre o “movimento cético” contemporâneo penso que ficará claro — se não ficar simplesmente lendo os artigos aqui no CA — que o ceticismo científico favorece a evidência empírica, a falsificabilidade, o princípio da parcimônia, com notória aversão a abordagens relativistas.

    Porque infelizmente é assim que a ciência funciona, os fatos são entendidos dentro de certas linhas teóricas! Vou te dar uma dica, sua interpretação das evidencias é: Histórico culturalista?, Antiquarista?, é Difusionista?, é Funcionalista?, é Behaviorista?, é Arqueologia simbólica?, ou arqueologia darwinista?, é Processualista?, é arqueologia Pós processual?, da Arqueologia marxista?, é Arqueologia cognitiva, ou outra, tem tantas ???? Afinal, se a lógica que vc “favorece” não tem respaldo na ciência arqueológica, de que adianta que eu te indique um artigo acadêmico?

    @Mori: Você acredita que a abordagem behaviorista ou marxista é adequada para avaliar a hipótese PaleoSETI? Confesso que falho em ver como essas abordagens poderiam aportar algo de útil à questão. E se você questiona o meu uso da palavra “prova”, ainda precisa perguntar se minha abordagem é pós-processual? Não sou arqueólogo, minha formação é na área de exatas, especificamente em matemática e computação, mas parece sim que você quer dar uma carteirada desfilando conceitos que parecem mais destinados a confundir do que a esclarecer a questão.

    Este é o mundo REAL da ciência, e é preciso que se aprofundem as discussões aqui neste site, ou ficaremos eternamente divulgando um estereótipo de ciência que só existe no gibi! Já é difícil escrever aqui utilizando linguagem popular, e a evidencia não é um suvenir que aparece numa revista por que “foi descoberta”, é um fato que se interpreta dentro de certa lógica. De qual esta a falar?
    SE a conversa “evoluir”, com certeza te apresentarei quais são as linhas teóricas em que a hipótese paleoSETI pode ser trabalhada na arqueologia, te direi os porquês e citarei as evidencias que a corroboram.

    @Mori: Aguardo, mas mais do que contextos interpretativos da evidência, preferiria que você elencasse primeiros as cinco melhores evidências ao PaleoSETI em sua opinião.

    Mas para isso, antes, gostaria que todos entendessem os fundamentos mínimos de como funcionam as epistemologias das ciências históricas, do contrário como alguém, incluindo você poderá julgar os “artigos publicados em periódicos científicos com fator de impacto relevante afirmando ter encontrado evidências PaleoSETI.”, senão, temo que todos nós aqui estamos perdemos nosso precioso tempo!

    @Mori: Quando há hesitação em discutir evidências e parte-se logo para a discussão epistemológica, penso que isso pode mascarar uma deficiência empírica. Físicos não precisam discutir abordagens pós-modernistas para demonstrar as leis do movimento — pelo menos não até que a precisão seja levada a escalas quânticas. São teólogos que se vêem às voltas em como interpretar… a ausência de evidência.
    Que fique claro que a epistemologia e a filosofia da ciência são áreas mais do que válidas, e de fato fundamentais. Só ressalto como discutir arqueologia marxista para avaliar se há evidência de que fomos visitados por civilizações extraterrestres no passado é um tanto absurdo.

    (o que vc quis dizer com “fator de impacto relevante, é algum asteróide que vai se chocar com a Terra?)

    @Mori: ISI impact factor.

    Agora, se vc quis dizer revistas e jornais “acadêmicos” ou “reconhecidos”, “pela ciência” ou de “grande nome”, que usam “peer revivew”, de “grande circulação” ou de “grande respeitabilidade”, ou que sejam licenciados por instituições “reconhecidas” etc … Bem, teremos uma longa conversa sobre como funcionam as políticas de publicação na ciência. E é no mínimo estranho que no inicio de nossa discussão, você tenha me indicado como “boa” referencia da “não existência” de evidencias PaleoSETI, os próprios artigos de seu próprio site, que acredito eu não seja nenhum jornal “reconhecido” na arqueologia; não tem uma certa contradição nisso? Bem de qualquer jeito, vamos com calma, vamos falar de evidencia quando estivermos falando a mesma língua, ou que pelo menos que eu tenha alguma indicação de que tu fala e compreende a linguagem da ciência sobre este tema.

    @Mori: Você quer dizer que as políticas de publicação seriam a única razão para não haver artigos afirmando a comprovação do PaleoSETI em periódicos de renome? Se este for o caso, pode indicar as 5 melhores evidências, ou artigos, publicados em qualquer fonte, que comprovem o PaleoSETI, passando por cima desta maligna conspiração da comunidade acadêmica?
    Quando indiquei artigos do próprio CA, não foi com a intenção que sejam a fonte primária a estabelecer fatos. Quase nada no CA é pesquisa original. O CA é um veículo de divulgação, onde se busca referenciar e indicar fontes primárias.

    Apesar de sua “não resposta” fiquei aliviado em saber que você concorda que “prova” é uma figura de linguagem vulgar:

    Vc escreve: “O uso do termo “prova” que fazemos aqui é o uso corrente, sei que nenhum artigo publicado irá usar o termo em si mesmo.”…

    … pois como todo cientista deve saber, “prova absoluta não existe” em nenhuma proposição filosófica ou científico-epistemológica da atualidade, seja na área de ciências humanas ou exatas. É claro que ninguém irá publicar que “provou” nada. Quer fazer algum bem para a ciência: Publique um artigo neste seu site (existem milhares) contando esta “novidade científica” de que não existe “prova” na ciência, para teu público porque sei que eles não irão ler os clássicos da epistemologia mesmo.

    Temos ainda que considerar muitas coisas importantes, por enquanto, vou ficando por aqui, deixo as evidencias para o fim, senão ninguém vai aproveitar nada: Eu “argumento” que é uma evidencia, vc responde “dizendo” que não é, eu afirmo ser uma publicação respeitada dentro de tal linha teórica, você “diz” que não a reconhece e todo mundo perde seu tempo numa “farsa cientificista”. Ler tais descritivimos e positivismos, coisas banais, jornalísticas e profundamente distorcidas sobre as evidencias PaleoSETI podemos ler em todo e qualquer site de ceticismo e de ufologia por ai.

    @Mori: Eu não sou positivista, nem busco promover o positivismo, o ufanismo cientificista. Há pouco publiquei o artigo sobre o escorbuto, penso que é um exemplo muito relevante das limitações do processo científico, sem no entanto cair no vício e exagero de abordagens pós-modernas vazias e ultimamente incoerentes.

    Por enquanto, tente pensar sobre minhas perguntas do post anterior, não precisa virar um especialista em arqueologia, quero deixar claro que não é esta minha exigência, mas me diga algo de específico com embasamento. Vou te dar outra dica independente de qualquer linha teórica teoria sobre as evidencias paleoSETI : A Arqueologia trabalha com “interpretações” de “conjuntos de dados”, assim, as evidencias paleoSETI podem estar nos lugares mais óbvios…. e não, elas não podem ser tratadas caso a caso, como nenhuma evidencia na arqueologia.

    @Mori: Pós-modernismo, podemos reconhecer a léguas de distância.

    Antonio, eu também escrevo um blog especificamente de divulgação de ciência:
    http://scienceblogs.com.br/100nexos/
    Há um texto sobre Boaventura Santos e o pós-modernismo que você deve ler.

  256. Nihil disse:

    Video que mais aliena do que liberta.

  257. Nevi Amorim disse:

    Nihil, vou dar uma de socrática, por que aliena mais do liberta?

  258. Nihil disse:

    Inconveniente. Afinal, esse video é destinado exatamente a quem? Norte-coreanos? Quem mora num país como a Noruega ou Holanda não precisa se preocupar com a tal “Liberdade”. Talvez nem nos EUA. Afinal é comum o povo xingar o seu presidente e não sofrer nada. Agora tente fazer isso na Coreia do Norte ou na China. Aqui no Japão (outro país livre) o povo e a imprensa já se acostumou a derrubar primeiros-ministros.

    E outra, para que diabos mencionar esse tal “caminho”? Que porcaria é essa?

    Ninguém precisa de um videozinho vagabundo para saber o que é liberdade. Se querem saber como se conquista a liberdade e, principalmente o que significa basta:

    — parar de assistir TV aberta (principalmente BBB),
    — parar de ficar pendurado na internet visualizando perfis de emos,
    — parar de ler comentários do Youtube,
    — ficar longe do MSN,
    — não criar tags inúteis no Twitter e parar de “xingar muito” no mesmo,
    — não votar em criaturas como Tiririca e ainda dizer que isso é “voto de protesto”,
    — não ler Paulo Coelho, Crepúsculo, Bruna Surfistinha, e similares,

    E por aí vai. Mas 99% dos brasileiros não seguem as dicas. Bem, moro no Japão e não me preocupo muito com isso, mas para quem mora no Brasil, cuidado. O Grande Irmão está de olho.

    • Antonio Andrada disse:

      Entendi que o video falava contra essa cosmologia global do capitalismo, que transforma as pessoas em produtos e maquinas, a sociedade por ser democrática não liberta ninguém, muito pelo contrário. 
      Estar nos Japão e nos EUA e pensar que é livre é exatamente o que o filme denuncia.
      O caminho a que ele se refere, entendi como uma metoními de um estado pscicológico maior ligado os nossos próprios instintos de libertação frente à essa escravidão cosmológica globalizada.
      Se você tiver tempo dê uma olhada na obra de Herbert Marcuse, “Eros e Civilização” que foi um dos grandes inspiradores dos movimentos anticivilizacionais do Maio de 1968 na França, o livro fala exatamente desta condição moderna em que as categorias políticas foram transformadas em categorias psicológicas para o controle mental das massas.
      Esse livro é uma comparação muito melhor do que pretende transmitir o video do que o Big Brother orwelliano do livro 1964 que você usou como analogia.
      Ainda sim, apesar de não ser alienante como você comentou, o video é meio babaca mesmo.

  259. Antonio Andrada disse:

    Mori, Concordo que você responda “parte a parte” meus argumentos (é
    claro, desde que você responda à todas as partes coisa que você não fez.)
    Portanto para que fique mais fácil dos outros leitores acompanharem a
    discussão, e para que você não escolha o que quer ou não contra argumentar
    (claro que tens liberdade de não responder), vou dividir em posts diferentes o
    conteúdo.Pott 1-

    Mori, Você não é positivista???Você afirma: “Eu não sou positivista, nem busco
    promover o positivismo, o ufanismo cientificista.” As correntes positivistas
    não se definem como “ufanisticas cientificistas”

    Você afirma: “Eu não sou positivista, nem busco
    promover o positivismo, o ufanismo cientificista.” As correntes positivistas
    não se definem como “ufanisticas cientificistas”

     ETA confusão!
    O positivismo de Augusto Comte, da primeira metade do sec. XIX
    inspirou os movimentos nacionalistas pelo mundo assim como o desenvolvimento
    gradual do ufanismo (inclusive no Brasil), mas isso em si não é positivismo. Positivismo,
    “trocando em miúdos” é ter uma visão única do conhecimento e da ciência, onde só
    existe UMA lógica (Positivismo
    Lógico (do Círculo de Viena), a lógica cartesiana, valoriza a materialidade e se baseia nos conceitos
    filosóficos de RAZÃO, OBJETIVIDADE e VERDADE, tem na ciência empírica, seu
    único método. Assim, é claro que você é positivista!

    Acontece que essas ingenuidades já caíram há muito
    tempo. Todo mundo que faz uma universidade e presta atenção nas aulas de método
    e teoria sabe disso. O que se aprende nas universidades hoje, autores
    relativistas, dos moderados aos ultra-relativistas:

    Você diz: “que o
    ceticismo científico favorece a evidência empírica, a falsificabilidade, o
    princípio da parcimônia, com notória aversão a abordagens relativistas.”

    Porque o positivismo não é mais aceitos nas
    universidades, porque era um discurso político e foi ultrapassado, que queria
    empurrar apenas as suas “interpretações” sobre a evidencia empírica, negando
    que existem outras (qualquer coincidência com o site na é mera coincidência). A
    falseabilidade, por exemplo, é um conceito utópico, pois se a utilizarmos como
    Popper o descreve, todas as teorias científicas seriam invalidadas.  A parcimônia depende do que você conhece, como
    existe a censura acadêmica e a escolha de temas na divulgação e disseminação
    científicas, é um tanto subjetivo falar em parcimônia. Até porque, uma teoria
    não pode ser comparada com outra apenas por valores objetivos, primeiro porque
    os fatos não possuem em si um status melhor que outros fatos e “julgar valores
    é sempre subjetivo”, todo mundo sabe disso desde que Kant e suas antinomias da
    razão pura.  

    Tu tens “aversão ao relativismo”!!! O relativismo
    denunciou estas “antigas e ingênuas visões” sobre a ciência, prega a
    diversidade, a multiculturalidade, acredita através do estudo da própria história
    da ciência que as revoluções cientificas sempre foram originadas de fora das
    teorias consensuais.  Ao invés de afirmar
    qualquer moralidade como absoluta, a persuasão moral de cada pessoa deve ser
    respeitada, não importa qual seja e a linguagem deve ser revisada de forma a
    apagar todas as perspectivas ofensivas e preconceituosas. O relativismo nasceu como
    movimento intelectual das lutas contra o totalitarismo, o fascismo e a
    exploração dos homens.

    Tu és contra a liberdade intelectual então, tem neste
    site uma agenda política moralista?

    Os relativistas não acreditam em impor UM só
    pensamento, respeitam todos, valorizam a livre informação, é contra a educação
    tradicional bancária, para que qualquer pessoa possa fazer sua escolha bem
    informada e não ser criticada por uma única lógica pré-escolhida.

    Como é que você pode defender um discurso como o
    positivismo moralista de Kurtz, não vê a armadilha??? Teu movimento diz: “Somos
    humanistas dedicados a libertar as pessoas pela verdade científica”, NOSSA, que
    ingenuidade! E quem disse que existe UMA VERDADE CIENTÍFICA, os próprios
    neo-humanistas é claro! Quem disse que existe UM MÉTODO CIENTÍFICO, os próprios
    neo-humanistas é claro! Quem disse que CIENCIA é sinônimo de POSITIVISMO, os próprios
    neo-humanistas é claro!

    Quem esconde que o Neo humanismo não é ensinado na
    universidade? os próprios neo-humanistas é claro! Se formos por esta lógica,
    vocês do auto intitulado “movimento cético” nem poderia falar que representam a
    ciência, pelo menos não a que se aprende nas universidades.

    Você ainda diz fazer divulgação científica!
    Os currículos hoje, pelos que estudam
    e ensinam didática, estão definidos, podendo ser objeto de vários tipos de
    enfoques:

     1) analítico e descritivo: utilizado pelos
    sociólogos e historiadores da educação e outros representantes das ciências
    sociais; 2) normativo e prescritivo (ou essencialmente “crítico”): pelos
    filósofos da educação e todos aqueles que, desde o início das instituições de ensino,
    refletem (em um determinado contexto e em função de um determinado público)
    sobre o que deveria ou poderia ser ensinado; 3) operatório e tecnicista: pelos
    especialistas na elaboração e na implementação dos programas escolares, ou, finalmente,
    4) “eclético”, que combina diversos aspectos (elucidação, prescrição, construção).
    Veja, não existe um enfoque neo-humanista, simplório “A ciência é verdade”,
    isso é ridículo, a educação hoje, científica é toda contextualizada, seus
    métodos largamente aceitos e pautados na pedagogia da libertação de P. Freire, no
    relativismo epistêmico, em que mundo você vive Mori!

     

     Mas o movimento positivista está
    morto historicamente, daí sua confusão, pelo que você escreveu você é
    Neo-positivista!!! Como se não bastasse à ingenuidade de não saber o que é
    ciência ou episteme, você se afunda de vez ao revelar Assim,
    tão claramente que seu site não é na verdade norteado sobre as ciências, mas
    sobre essas idéias moribundas de um dos maiores embustes políticos que tentaram
    ressurgir o positivismo, o Neo -humanismo:

    “Fads and
    Fallacies” de Martin Gardner, e mais diretamente no delineado e discutido
    através do CSI(COP) pelo professor de filosofia Paul Kurtz.”

    Esses neo-positivistas (é como chamam os cientistas
    que aderiram a políticas moralistas nos anos 1980), E quem, conhecendo a
    história da ciência vai descartar os grandes autores relativistas em prol de
    uma secularização humanista como a Eupraxophy de Kurtz!!!! Por
    favor, é uma analise da moralidade disfarçada de naturalismo filosófico, mas que aborda a ciência com um
    cientificismo amador. Como disse, Paul Kurtz ignora (sem responder) os
    problemas levantados pelo relativismo científico baseando sua “crença” na
    objetividade e na verdade atrelada a “ciência da Moralidade”, ou seja é uma pseudo-religião,
    e é designado assim por eles mesmos de  “Religious
    skepticism” (o de Kurtz).

    Porque “pseudo religiosas”???… Bem, pois Paul
    Kurtz não é um filosofo da ciência reconhecido como um inovador ou um grande
    epistemólogo contemporâneo, mas como um aproveitador político que tentou reviver
    conceitos absolutos sobre ciência, trabalhando em bases agnóstico-direitistas,
    principalmente na educação nos estados unidos. Prova disso, não é nem citado
    quando se ensina ciência fora de uma critica histórica de suas intenções
    políticas.  É um movimento político
    contra as políticas neoliberais que apareceram na década de 1970, e usa a ciência
    positivista porque ela é de fácil compreensão.

    Mori, sinceramente, ser neo-positivista e querer falar
    por toda a ciência é um clássico de gibi!

    Assim, por fim, Não existe
    “Ceticismo científico” na ciência, em nenhuma universidade você vai ouvir tal
    banalidade, o que existe é o Neo-humanismo, que é uma das linhas filosóficas
    construídas pra se entender e praticar ciência. O neo-humanismo vem do
    neo-positivismo (de Kurtz) e nem sequer é uma posição forte na ciência. Para
    você ter uma idéia, é tão minoritário na ciência que eu não conheço uma
    universidade aqui no Brasil que ensine Kurtz, ao contrário, ensinam os
    clássicos como Nietzsche, Kant, Hegel, e epistemólogos como Popper, Kuhn, Foucault,
    Bordieu, Lakatos, Feyerabend etc..

     Esta linha que você segue é sim positivista, e
    como é!  É acusada de ingênua e
    mal-informada, seus proponentes não respondem aos problemas formulados pelos
    relativistas e assim, como estão fora do debate acadêmico há décadas, acabaram
    fundando entidades civis que são patrocinadas por uma política moralista (e que
    se apóiam na propaganda e no dogmatismo ao invés da ciência como a CSICOP). Você não
    sabe dessas realidades, ou faz parte delas? Assim, o “ceticismo científico” do
    qual vc fala não passa de entidades reacionárias ao próprio conhecimento
    científico acadêmico contemporâneo (que é baseado em linhas relativistas).

    Se acreditam tão firmemente nela,
    Por que vocês não contam a VERDADE neste site, QUE este site é baseado apenas
    em uma das vertentes científicas do passado, que não é nem ensinada mais hoje,
    pois não sobreviveu às criticas, que não esta nas universidades, que este “ceticismo”
    é apoiado apenas por instituições moralistas e não por cientistas contemporâneos…
     que o que você chama de CETICISMO
    CIENTÍFICO não existe como conceito científico e que o Neo-humanismo não
    sobreviveu AA analises da própria CIENCIA.

  260. Antonio Andrada disse:

    Post 02- Sobre erros conceituais

    Ou começar apenas comentando alguns erros que você cometeu
    que acho gravíssimos (não sou o dono da verdade, mas suas afirmações são
    hilárias de tão erradas, qualquer um pode buscar na literatura primária uma
    confirmação deste meu posicionamento:

    1-      Você
    afirma não ser positivista, mas é como escrevi no post anterior.

     

    2-      “Problemas” na interpretação de texto:
    Eu nunca sugeri que alguma linha behaviorista ou marxista da arqueologia é
    adequada para avaliar a hipótese PaleoSETI, ou que você é pos-processual, eu só
    te dei exemplos de “dicas” de algumas teorias arqueológicas que podem ser
    usadas para a interpretação das evidencias. Não foi isso que te perguntei, sob
    qual teoria você iria querer discutir? Te pergunto isso, pois discutir as
    evidencias paleoSETI não é uma questão de enumerá-las e criticar seu valor
    objetivo. Parece que você não entende a diferença entre a episteme das ciências
    humanas e das ciências exatas.

     

    Obs: Apesar de não servirem como
    aporte teórico, podemos elencar tênues contribuições: A arqueologia marxista
    (principalmente em Gordon Childe) criou toda sorte de classificações
    tipológicas que a base das interpretações difusionistas e estas são utilizadas
    para a definição, por exemplo, de evidencias iconológicas da hipótese
    paleoSETI. Já os behavioristas foram muito úteis na etnografia, também muito
    utilizada na arqueologia PaleoSETI (Culto Cargo como analogia, por exemplo).  

     

    3-      Você claramente confundiu os
    termos, muita gente confunde, pós-modernismo (mais ligado as manifestações
    sociais e artísticas) é uma coisa, pós-modernidade (que engloba conceitos mais
    abrangentes sobre a critica as hegemonias de discurso) é outra bem diferente.

    4-     
    Você faz uma confusão enorme embora muito comum dentre os leigos em
    teoria do conhecimento quando declara:

     “Físicos
    não precisam discutir abordagens pós-modernistas para demonstrar as leis do
    movimento — pelo menos não até que a precisão seja levada a escalas quânticas.
    São teólogos que se vêem às voltas em como interpretar… a ausência de
    evidência.”

    Aqui, você sai dos trilhos completamente, nem Kurtz
    iria tão longe e diria tal absurdo. Nessa questão, considerar o valor empírico per si é uma postura não científica.  (vou
    considerar que vc quis dizer pos-modernas no lugar de pós modernistas) É claro
    que para constatar um fenômeno físico, não precisamos necessariamente de
    abordagens pós-modernas, mas isso não quer dizer que não precisamos de NENHUMA
    ABORDAGEM (uma teoria para interpretar os dados), neste seu caso, da mecânica Newtoniana
    você se utiliza da lógica da MODERNIDADE. Adivinhe só, a lógica moderna requer
    uma epistemologia também, e esta não é necessariamente a única nem a verdadeira
    (isso é discurso político).

  261. Antonio Andrada disse:

    Post  03  –
    “Sobre a questão da evidencia”:

    No início, você acertou em sua
    resposta ao “entender” corretamente que eu quero discutir o valor do conceito
    de “evidencia” na epistemologia da arqueologia. Porem você ainda não m
    respondeu qual seria este????

    Ao invés disso, você afirmou algo
    absurdo e preocupante pra todos os interessados em ciência (que demonstra sua
    falta de conhecimento sobre o que é afinal episteme ou mesmo ciência): “Quando
    há hesitação em discutir evidências e parte-se logo para a discussão
    epistemológica, penso que isso pode mascarar uma deficiência empírica.” Gostaria muito que você me
    explicasse como você faria o “milagre” de fazer uma “discussão” científica de
    “evidencias” sem antes definir seus aportes teóricos e seu conceito específico
    de evidencia dentro destes??? Se você descobrir como discutir dados, fatos e
    fenômenos sem ter uma teoria do conhecimento que defina  a interpretação da evidencia, publique logo,
    pois vai realizar a maior façanha desde que a lógica foi enunciada! (desculpe,
    mas é estranho, todo cientista sabe que esta é a premissa base de todos os
    métodos)

    Assim, Não, eu não estou fugindo
    de uma discussão sobre evidências, acontece que as evidencias paleoSETI são
    extremamente  dependentes de uma
    interpretação baseada em argumentos científicos complexos epistemológicos, como
    tudo em ciência! Sejam eles (antropológicos, arqueológicos, sociológicos,
    filosóficos, lógicos), afinal, e eu só quero saber se não vou perder o meu
    tempo com alguém que não sabe o que é ciência em primeiro lugar.

     Assim, como
    cientista, afirmo que sua aversão a discutir epistemologia científica, as
    (bases de qualquer ciência) mostra sua ausência de conhecimento do que é a
    própria CIENCIA (que as evidencias não são trabalhadas no interior de teorias).

    Assim, NÃO, não estou relutante
    em apresentar evidencias empíricas paleoSETI, estou relutante no fato deque vc
    não me responde afinal de contas, o que consideras “evidencia” (na
    arqueologia), como posso te fornecer algo se vc não especifica o que quer e em
    que ambiente teórico vamos discutir?  

    Muito bem, você já me disse que é
    neo Humanista, pelo menos me diga “O que você considera evidencia na Ciência?”
    dentro desse seu sistema, para que eu possa me situar. Nossa conversa não é
    sobre física, é sobre arqueologia, basta, portanto, que vc me diga o que é
    “evidencia” segundo sua concepção, seja ela qual for, se for radicalmente
    contra tudo o que se acredita em teoria arqueológica contemporânea, serei o
    primeiro a te dizer.

    Não estou te pedindo nada que qualquer
    trabalho científico para ser reconhecido como tal deva conter: teoria e método.
    Eu sou arqueólogo, estamos falando de arqueologia, se me responder essa
    indagação tão simples, poderei saber se poderemos iniciar uma discussão
    científica de alto nível ou se ficaremos presos a estereótipos cientificistas
    que sinceramente não me interessam.

    Sobre as “Publicações PaleoSETI”:

    Eu nunca disse que NÃO existem
    publicações sobre evidencias PaleoSETI, acontece que a arqueologia não é uma
    ciência onde existem uniformidades consensuais estáveis, as publicações são
    divididas entre inúmeras instituições ou “feudos do conhecimento”(como nos
    arqueólogos brincamos), o que isto quer dizer? Que não existem “revistas
    conceituadas onde conhecimento é o verdadeiro” . Existem várias posições
    teóricas e umas não gostam das outras. O arqueólogo Sr. Mortimer Weeler defin
    bem a situação: “Archaeology is not a science, but a vendetta”. É claro que
    sempre existem  as publicações de
    instituições tradicionais, mas estas estão abertas a publicações  que questionem os paradigmas. A hipótese
    PaleoSETI  é uma hipótese
    anti-evolucionista em muitas de suas proposições, “jamais” seria publicada,nem
    sequer aceita para ser revisada em uma destas instituições que se servem do
    evolucionismo. Coitado de Darwin, que era um pesquisador honesto e sincero, mas
    tão mal-utilizado.

    Um
    exemplo histórico foram as denuncias de censura acadêmica contra o biólogo Inglês
    Warwick Collins. Collins escreveu sobre problemas com a seleção sexual em 1976,
    depois de um confronto de idéias com Maynard Smith que usou “his considerable
    influence to block publication of any further papers of mine which questioned
    the fundamental premises of Darwinian theory. Collins foi perseguido e não conseguindo
    publicar até 1994, quando deixou a biologia. Imagine se fosse dizer alguma
    coisa sobre o PaleoSETI.

     

    É bom que esclareçamos para os
    outros leitores qual é o problema com a censura nas grandes publicações para
    que não fiquem achando que eu sou um teórico da conspiração, vou usar citações
    de um cientista (Van Landinghan) que tentou publicar suas datações
    anti-evolucionistas na arqueologia recentemente, depois publicou um artigo numa
    revista menor denunciando a situação (Extraordinary Examples of Deception in Peer Reviewing:
    Concoction of the Dorenberg Skull Hoax and Related Misconduct, International Symposium on Peer Review (ISPR), Orlando,
    Florida, July 10-13 (to be published in July), 2009.).

    As revistas institucionalizadas, utilizam o sistema de censura chamado
    Revisão pelos pares. O Peer Review ou
    “revisão pelos seus pares” é o
    sistema moderno pelo qual passam quase todos os artigos e publicações
    científicas nas chamadas revistas e jornais de grande nome. O autor que
    pretende publicar nestes periódicos deve submeter seu trabalho que será
    avaliado e “aprovado” por uma comissão de pelo menos dois revisores anônimos. O
    anonimato é justificado para que não haja nenhum tipo de envolvimento pessoal
    ou inibição da expressão das ideias do revisor. Parece uma boa ideia em princípio,
    mas não é.

    Os maiores problemas recaem sobre questões como o anonimato dos revisores
    incentivar o julgamento pessoal relacionado às filiações paradigmáticas,
    recorridas queixas quanto a falta de clareza e objetividade nas revisões são
    comuns, as revisões não são “revisadas” e o autor sequer tem direito a uma
    replica às declarações do revisor, assim, na prática, muitos revisores tem se
    utilizado de argumentações “falaciosas, inverossímeis e descabidas”, pois sabem
    que seu anonimato e revisão nunca serão questionados nem conhecidos, mesmo que
    cometam abusos sérios.

    “The protection of anonymity of the reviewer invites
    such opportunities for abuse or lack of objectivity by the reviewer as the side
    tracking of work which may render obsolete the reviewer’s own work.  Today the anonymity of a reviewer can be
    taken as a license to make unfounded accusations that do not even address the
    evidence at hand: often statements with 
    distorted logic or no supporting evidence given by the reviewer can pass
    the editor unchallenged.  In recent
    years, it appears that anonymous peer reviewers can get away with almost any
    outrageous statements: such reviewers are beyond reproach according to many
    scientific publications today.  Editors
    and granting agencies often just go along with any specious speculations,
    wishful thinking, and sometimes pure fabrications of sources and data by the
    reviewers. […]

    An author should be allowed to submit a rebuttal, if
    the reviewer’s comments are obviously incorrect (and can be refuted by means of
    documentation) or contain such misrepresentations […] As with our legal system,
    if provable errors occur in a trial, the aggrieved person is allowed to appeal
    the decision in the face of new evidence: the same should hold true with the
    peer review system (since the editor is a judge), and resubmitting should  be allowed, if conclusive proof is presented
    that blatant misrepresentations were made by reviewers which caused the
    original manuscript rejection. (VANLANDINGHAN, 2009) “

     Bem, orientações éticas para os editores científicos,
    revisores e autores já existem é claro em abundância, mas os comentários do
    revisores em particular, muitas vezes parecem pouco éticos. Muitas denúncias
    tem sido feitas ao longo das últimas décadas sobre a correção através de ações
    éticas claramente são ignoradas com relação ao abuso do sistema de revisão por
    pares.

    “Peer review abuse has become a major problem in
    science!  If  the reader does not believe this, do a Google
    search, enter “peer review misconduct,” and observe the links to
    210,000 [sic] items dealing with this subject. 
    (VANLANDINGHAN, 2009)”

    Nem
    todas as revistas se dispõe a definir claramente o que se espera dos seus
    revisores, em vez disso, supõe-se que tais práticas éticas serão seguidas, o
    que claramente não acontece e tudo está fundamentado em um código não-escrito
    de regras. Segundo McBirney
    (2003) “reviews are not held to the same standards of objectivity
    as the papers they address”  e Hennebert (1993) assegura que a falta de clareza e fiscalização
    do sistema representa “the dream of anybody seeking power, power without
    responsibility”. Mesmo que estabelecidas regras claras que impeçam a
    má-conduta, essas orientações, mesmo se existissem, nem sequer poderiam
    ser absolutas e consideradas universais, o que criariam problemas tão grandes
    como a próprias controversas implícitas nas disciplinas pois teriam que ser
    suficientemente amplas para serem eficazes na revisão de um manuscrito para
    qualquer disciplina científica, em áreas tão diferentes epistemologicamente como
    a física ou a antropologia.

    Sabemos que ao
    longo da história da ciência, a maioria dos cientistas publicaram suas opiniões
    sem revisão formal, assim, as revoluções do pensamento tomaram forma na medida
    que as ideias eram discutidas abertamente em grandes debates. É fundamental
    para a ciência que seus participantes publiquem suas críticas abertamente. Em
    momento algum, iríamos preferir  hoje,
    considerando as grandes batalhas contra o poder por que passaram alguns dos nomes
    mais conhecidos da história das ciências ‘Galileu,
    Copérnico, Newton, o próprio Darwin”dentre tantos outros,  um sistema onde os revisores censuram a
    informação e limitam absolutamente sua circulação,
    considerando  os contextos de hostilidade
    e a resistência dos pares científicos a novas ideias e inovações paradigmáticas
    , um sistema de peer review minimamente deve poder ser claramente
    definido e os revisores identificados.

    “Today most
    judgements of editors for scientific 
    publications are based entirely and finally on the referee’s comments,
    no matter how outrageous, and most editors will not  even entertain the possibility of a
    resubmittal. In a purely  philosophical
    sense, the anonymous review violates one of our 
    most basic democratic principles. A basic rule of our justice system holds
    that one who is being judged has the right to 
    confront the accuser. This right is denied when a verdict is  rendered in secret on the basis  of testimony from unidentified  individuals selected by a process in which
    one cannot  participate. In any court,
    one has the right to know and challenge 
    the qualifications or objectivity of witnesses.  Why shouldn’t it be so in science also? (VANLANDINGHAN, 2009 sobre McBirney 2003)”

    Peer review se tornou uma das ferramentas ideológicas
    de manutenção de paradigmas e um grande problema para a ciência. A revisão por
    pares não impede a fraude e não melhora significativamente a qualidade da
    ciência (ROTHWELL, 1969). Hennebert (1997) concluiu que a avaliação por pares,
    empreendida por mais publicações científicas sufoca a comunicação científica,
    retarda o avanço do conhecimento e estimula um comportamento desonesto entre os
    árbitros revisores. A revisão de assuntos não consensuais na ciência com
    várias acusações de censura deliberada resume muito do que há de errado com o
    atual processo de revisão por pares e demonstra a necessidade urgente de
    reforma.

    Ao autor deve permitido a apresentar uma contraprova,
    se a observações do revisor são obviamente erradas, ou contendo informações
    incorretas. Os editores limitam-se a enviar as revisões aos autores que tem que
    lidar muitas vezes com a constatação de uma falta de conhecimento profundo de
    um revisor com relação ao assunto revisado. A revisão deve poder ser contestada
    por meio de uma documentação suficiente quando necessário.

    “Today the anonymity of a reviewer can be taken as a
    license to make unfounded accusations that do not even address the evidence at
    hand: often statements with  distorted
    logic or no supporting evidence given by the reviewer  can pass the editor unchallenged.  In recent years, it appears that anonymous
    peer reviewers can get away with almost any outrageous statements: such
    reviewers are beyond reproach according to many scientific publications today.  Editors and granting agencies often just go
    along with any specious speculations, wishful thinking, and sometimes pure
    fabrications of sources and data by the reviewers.  Authors must adhere to many requirements when
    submitting a manuscript. (VANLANDINGHAN, 2009 sobre McBirney 2003)”

    Desculpe MORI, tu é um personagem de gibi, se você realmente
    “acredita” que as publicações científicas em qualquer área são isentas de
    política e protecionismo do paradigma, azar o seu, qualquer “cientista” que ler
    sua resposta vai chorar de tanto rir e nunca mais vai ler nada que tu
    escreve.  Tenha paciência e pare de
    tentar ridicularizar uma situação tão óbvia como a política do peer review  (reductio ad absurdum) “maligna
    conspiração da comunidade acadêmica” ao invés de me fazer rir, me faz
    chorar com tua ingenuidade.

    Você pode achar publicações de
    artigos PaleoSETI por exemplo, muitas escritas por arqueólogos formados na
    revista não especializada Legendary Times ou na revista Ancient Skies  depois pode traçar as suas versões acadêmicas
    nas publicações do AAS RA- nos anais da Ancient Astronaut Society World
    Conference  por exemplo. O problema é que
    apenas alguns estão em inglês a maioria está em alemão, que por coincidência,
    não sei se você sabe, mas é a língua ocidental em que mais se publica na
    arqueologia, infelizmente estamos num pais tupiniquim.

  262. Antonio Andrada disse:

    Post 4-

    Você derrapa de vez, quando
    afirma que a Teologia interpreta a ausência de evidencia????

    “São
    teólogos que se vêem às voltas em como interpretar… a ausência de evidência.”

     Não sei se já leu sobre isso, pois você estuda
    exatas, mas todo conhecimento depende de um sistema de crenças, uma lógica
    interna. A partir deles é que se interpretam as evidencias. Você confunde tudo
    ao achar que as evidencias do conhecimento científico podem ser interpretadas
    por outras lógicas e vice versa!!! Na ciência positivista (a tua) que depende
    da lógica materialista, se interpretam as evidencias materiais. Em outras
    lógicas não se dá tanto valor ao material, de qualquer maneira, a Teologia estuda das manifestações sociais de
    grupos em relação às divindades, num aporete teórico que tem bjetos de estudo
    bem definidos, o intuito maior é o entendimento do que se chama lógica do sagrado, isso
    não quer dizer que eles interpretem na falta de evidencias, mas que não
    valoriza só a evidencia material objetiva (aconselho que vejam um dos meus
    primeiros posts neste tópico que falo sobre a diferença entre a lógica
    Materialista e a Essencialista). Vou te dar um exemplo fácil:

    Imagine
    que se você é convidado para “provar” a Inércia (lembre-se que você é sim um
    positivista) e explicá-la pela lógica da física moderna: descreverá as
    “forcas”, e as interações materiais, suas propriedades fundamentais etc… (que
    obedecem às leis naturais previamente formuladas que não possuem explicação
    ontológica sobre como surgiram e porque são como são); mas enfim, para
    “demonstrar” a inércia, fará experimentos lógicos baseados em uma filosofia que
    valoriza a Razão, a Objetividade e a Verdade, filosofias que dizem também que
    tudo que existe é feito de matéria e energia, que nada mais existe além desse
    mundo natural que você delimitou arbitrariamente. Seu experimento será feito em
    uma micro escala, mas vc irá generalizar seus resultados e afirmará que todo o
    universo se comporta assim nestas mesmas condições em qualquer lugar e em
    qualquer tempo. Ou seja, a inércia é definida como uma interação de forças do
    universo material, um fenômeno natural, esta é a Verdade. Este será o seu
    discurso, ele será “classificado “pela ciência” e chamado de moderno,
    filosófico naturalista, positivista, reducionista.

    Ai
    pedimos a um índio da tribo Kaiapó (os nomes e detalhes eu inventei
    só para criar o exemplo) para explicar a inércia sob o
    conhecimento de suas tradições cosmológicas: Ele lhe dirá que existe uma força
    maior, o BEMP que é um ser que controla o universo e que todas as suas vontades
    se refletem em efeitos no mundo. Acontece que o tal BEMP não é um ser material,
    e ainda por cima é “sobrenatural”. Como os caiapós sabem disso: eles falam e
    ouvem esse ser através de rituais e sonhos. Assim, a inércia é a expressão da
    vontade de BEMP para que o universo continue sempre seus ciclos dinâmicos (Os
    Kaiapó não vêem a percepção de tempo histórico, ou na lógica linear).

    O
    que diria a ciência positivista da modernidade sobre a explicação Kaiapó:
    Achariam ingênua, primeiro diria que é uma história sem “fundamentação
    material”, pois não existe evidencia física da existência deste tal BEMP ou de
    suas vontades ou poderes, depois diria que se trata de uma fantasia construída
    para preencher funções sociais, que é um mito, e por ser mito, não é Verdade!
    Conselho da ciência positivista: que o Kaiapó “prove” em laboratório suas
    alegações.

    O
    que diria o Kaiapó sobre a visão científica: Que é ingênua, pois como o próprio
    BEMP ensinou, ele não é material e não vive neste “mundo”, o que os cientistas
    chamam de força é causada pela vontade de BEMP e que obviamente não pode ser
    detectada pelo homem e suas máquinas! Conselho dos Kaiapó aos cientistas
    positivistas, que eles tentem entrar e contato com BEMP num ritual de contato
    com o conhecimento sagrado para que eles possam entender direito o que é a
    inércia além de sua expressão material.

    O conhecimento dos Kaiapo
    (essencialista) possui uma lógica diferente da lógica da ciência positivista
    que é materialista, assim um não pode se julgado em “mérito moral (verdade ou
    não verdade)”, dentro da lógica do outro. É absurdo. Os dois são absolutamente
    verdadeiros dentro de suas premissas. A ciência não prova que BEMP não existe
    pois ela não pode detectar nada alem do material (BEMP não é material), e os
    Kaiapós não precisam “provar” nada para a ciência pois sua lógica não depende
    de instituições e ratificação dogmática, seu conhecimento pode ser
    experimentado, não através da matéria, mas com o contato com o sagrado por
    qualquer um que queira.

    Eu particularmente não tenho inclinações
    para o sobrenatural, nem dependo de tais evidencias em minhas interpretações. Como
    sou um cientista, sei que qualquer evidencia depende de uma interpretação (se
    vc largar um objeto e deixar cair, se disser que é a gravidade a causa, já vai
    estar interpretando). Na arqueologia, se interpretam evidencias materiais,
    porem dentro de um conjunto de saberes definidos pela epistemologia, as
    teorias. Portanto na arqueologia eu posso interpretar evidencias de inúmeras
    maneiras e nenhuma terá o mérito da verdade sobre a outra apenas considerando a
    materialidade da própria evidencia. COMO VOCÊ NÃO SABE DISSO E QUER FALAR DE
    CIENCIA, é a pergunta enigmática!

    6-Você
    afirma: “Não sou arqueólogo, minha formação é na área de exatas,
    especificamente em matemática e computação, mas parece sim que você quer dar
    uma carteirada desfilando conceitos que parecem mais destinados a confundir do
    que a esclarecer a questão.”

    Estou
    tentando esclarecer o melhor que posso, ciência não é algo fácil e rápido, é
    complicado mesmo, quero defender a ciência contra grupos que a usam para fins
    políticos, como o NEO-humanismo do movimento cético que quer empurrar para a
    sociedade uma ciência da televisão, de desenho animado, do doutrinamento moral
    disfarçado de empirismo monista.

     

  263. LEx - O sem sentido. disse:

    Watcha Pootcha!

    Há dois tipos de gênio:
    1- O esforçado. É um piá normal, mas é muito esforçado, estuda bastante, com o tempo tem argumentos e mostra para todo mundo que “sabe das coisas”, com o passar dos anos, ele acaba afrontando Deus.

    2- O Indigo. O cabloco já nasce inteligente, não precisa se esforçar, ele sabe das coisas naturalmente, a própria natureza converge para ele de forma que consiga
    “ler” o que acontece ao seu redor, e melhor ainda, sabe interpretar. Esse não afronta
    nada, pois sabe que tudo que disser fará sentido, e uma hora ou outra vai acabar se tornando o próprio Deus.

    Eu sou vagabundo… Não gosto de estudar, só “leio” o que quero e não estou nem aí para nada. Minha mãe achava que eu era uma “Indigo Children”, mas com o tempo descobri que na verdade sou um misantropo filho da p#ta. Aí… Lendo posts de vários blogs e sites, religiosos e outros nem um pouco… Percebo que não estou sozinho… O uso insano de idéias mais insanas ainda, faz parte da idiota natureza humana. O problema é saber onde me encaixo?

  264. Adriano disse:

    Antonio Andrada,

    tenho acompanhado seus posts, muito interessantes, porém gostaria de dar um pequeno aparte, pois até o Mori ter tempo de responder tanta coisa vai demorar.

    Seguindo a lógica de sua estória dos caiapós, a forma que você entende ciência é muito diferente da do Mori, mas ele pediu algumas evidências Paleo-Seti e você quer que ele defina as premissas.

    Como vocês não avaliam as evidências do mesmo modo, por não terem premissas iguais, provavelmente você vai apontar evidências que ele irá discordar e nenhum vai convencer o outro.

    Porém, eu estou curioso com suas evidências, do modo que você as considere, com as premissas que você achar convenientes. Poderia postá-las?

  265. Antonio Andrada disse:

    Olá Adriano como vai,

    Eu não considero que as evidencias PaleoSETI dependam da lógica Essencialista,
    na verdade elas são quase todas fundamentadas no empirismo. Não acho que eu
    entenda a ciência muito diferente do Mori, porém, a diferença que eu estou colocando
    é em relação ao discurso que se faz da ciência, que a abrangência de uma
    afirmação científica é permeada de teorias, para se discutir um fato qualquer,
    é preciso compreender o “sistema teórico” no qual será trabalhado
    (delimitação do objeto de estudo e do aporte teórico). E isso não é novidade,
    em verdade, nenhum trabalho científico é aceito sem esses quesitos.

    Eu não sou Essencialista, nem ultra-relativista, mas gosto de ciência e
    compreendo que ela esta imersa nos processos sociais, e assim, as afirmações
    consensuais são interpretações históricas dos fatos.

    O exemplo dos índios que comentei, foi porque o Mori fez a alegação de que a
    evidencia empírica (em seu exemplo da física newtoniana) não precisa ser
    interpretada e que a “teologia” é que interpreta a falta de
    evidencia, o que é absurdo. Bom, toda evidencia precisa ser interpretada. (como
    nos Kaiapó, que foi só um exemplo extremo de que não se pode comparar a VERDADE
    entre dois sistemas de conhecimento diferentes, eu não penso como os Kaiapós, inventei
    esse exemplo apenas para conceituar que as afirmações de verdade da ciência não
    podem ser absolutas ou universais se sua lógica é limitada.) 

    Acredito que é um erro achar que a evidencia “fala por si só” e não
    enxergar que existem paradigmas por traz da interpretação dos fatos. Como você
    mesmo disse, as evidencias PaleoSETI que fossem elencadas aqui por mim, seriam
    negadas a priore apenas pelo seu valor anti-paradigmático pelo Mori, por isso
    tentei que ele pelo menos definisse a teoria que trabalharia a negação, pois
    assim eu o faria ler um pouco sobre as teorias em arqueologia (ele iria
    perceber que é uma disciplina que não tem paradigmas na academia) e o faria
    enxergar que existem “várias teorias” onde o paleoSETI pode ser
    trabalhado gerando interpretações científicas (se estas são do gosto da maioria
    dos cientistas, isso não tem relevância para a evidencia). 

    Portanto no conceito científico aceito hoje, as evidencias não são absolutas em
    seu valor intrínseco (como “prova” de algo), elas tem um valor como
    CORROBORAÇÃO para as teorias, teorias que tem mais corroboração tem um status
    de maior confiança. Assim “uma evidencia” pode servir para corroborar
    teorias completamente opostas, depende da interpretação. Um exemplo
    controverso: A base bioquímica genética única entre todos os seres vivos pode
    tanto corroborar (ser evidencia) da evolução a partir de um ancestral comum,
    como pode corroborar que a vida foi planejada por um “designer
    inteligente”. A definição de uma maior confiabilidade entre as duas
    hipóteses dependerá de outras evidencias, “uma única evidencia” não é
    suficiente para julgarmos uma teoria, temos que raciocinar sobre elas em
    conjunto. Você pode pensar em milhares de exemplo assim…

    Não é uma questão se concordamos ou não (eu e o Mori), se o Mori não vê assim o
    conceito de evidencia, ele está fora da ciência contemporânea. É a ciência que
    não concorda com o Mori!

    Bom espero que eu tenha dissipado a confusão e me explicado. VAMOS AS
    EVIDENCIAS. Vou citar quatro grupos básicos de evidencias, pois a arqueologia
    trabalha com conjuntos, nunca com um ou outro dado em separado, mas se você
    quiser pode escolher qualquer uma “evidencia factual” em separado que
    irei discutir aqui:

    1- EVIDENCIAS CULTURAIS: Como citei num dos meus primeiros posts, temos as evidencias
    fornecidas pelo chamados MITOS DE ORIGEM (cosmologias do homem, da civilização,
    do universo). Essa “histórias dos povos” ou narrativas são evidencias
    PaleoSETI. É claro que se você interpretá-las pelas correntes antropológicas e
    psicológicas clássicas, elas são apenas narrativas “fictícias”,
    muitas vezes religiosas feitas por “povos supersticiosos” e
    primitivos (podemos ver isso desde Giambaptista Vicco, a Campbell e Jung).
    Porém, a evidencia EM SI, esta é uma interpretação histórica feita pelos europeus
    principalmente à partir do séc XIX, a narrativa como história oral ou escrita,
    a tradição por si só não nos assegura seu valor fictício, pelo contrario, os
    povos que as escreveram afirmam ser elas baseadas em fatos ocorridos no
    passado.

    E não só nos mitos da antiguidade, toda narrativa da Europa,
    da Idade Média à Idade Moderna, temos documentos que tratam do contato com
    entidades que afirmavam ser de outras orbes. Muitos pré-cientistas durante o
    Renascimento, afirmaram se comunicar com habitantes de “esferas superiores”.

    Seja como for, este assunto é vastíssimo. Por que as considero
    boas evidencias paleoSETI:
     Porque elas apresentam elementos que seriam esperados se tivesse havido
    contato das culturas pretéritas com sociedades extraterrestres  a) Elas
    tem pontos em comum no mundo inteiro, uma universalidade nas narrativas (que entidades
    descem “dos céus” ou de uma “esfera diferente” e ensinam
    saberes aos homens, técnicas, leis, conhecimento, ou criam o homem e a civilização
    etc…), e a universalidade não está só no genérico, os detalhes muitas vezes
    são idênticos em partes do mundo separadas por continentes e épocas diferentes.
    b) Por que essas narrativas possuem uma corroboração iconográfica muitas vezes
    e podemos compará-la aos casos estudados pela Ovniologia moderna. c) Temos o
    exemplo de estudo etnográfico do “Cargo Culto” onde pudemos estudar
    esses fenômenos de criação mitológica à partir de um contato de povos tribais
    com a uma civilização tecnológica, que corrobora nossa interpretação de que
    isso pode ter acontecido no passado. É uma evidencia etnográfica da hipótese
    PaleoSETI. Existem até algumas nações indígenas que admitem
    hoje, que estas entidades com as quais seus ancestrais faziam contato, e que eles
    mantém até nossos dias, são (na definição atual da ciência) seres
    extraterrestres.

     

    Para a
    surpresa de muitos, existem até encontros realizados pelos índios para celebrar
    estas ocorrências. Por exemplo há 15 anos seguidos vem ocorrendo na reserva
    Yankton do índios Sioux um encontro deste tipo, que tem sediado um grande
    encontro entre os líderes de tribos indígenas norte-americanas e de todo o
    mundo, chamado Star Knowledge, onde se discutem os ensinamentos desses chamados
    “povos da estrelas”. (obs: e sempre haverão aqueles que farão ataques ad
    hominen, “que os índios Sioux de hoje enlouqueceram” ou querem “ganhar dinheiro”,
    mas no final, essas manifestações não são científicas e não definem o valor absoluto
    da evidencia.)

    2- EVIDENCIAS TECNOLÓGICAS: Temos em diversos sítios ao redor do mundo, principalmente
    na chamada transição paleolítico-neolítico e no neolítico tardio padrões
    arquitetônicos e de engenharia relacionados a esta visita de seres “de
    outras esferas” em diferentes civilizações (ligados as narrativas
    mitológicas), temos objetos do mesmo modo em toda arquitetura megalítica. Muitos
    objetos técnicos (O.O.C. “objetos fora de contexto”) foram encontrados e
    descritos pela arqueologia nos últimos 200 anos. O interessante destas
    evidencias é que não existe, em primeiro lugar, evidencias, registro de fases
    formativas estruturais (graduais) de onde provinham as técnicas, em segundo
    lugar não existe ainda, tão pouco, uma explicação tradicional conclusiva
    (modelos acurados da arqueologia experimental) que corrobore uma explicação
    mundana e descarte completamente a hipótese PaleoSETI. Podem perfeitamente
    serem interpretadas pela história tradicional, como feitos dos homens somente
    (hipótese que contraria a própria narrativa destes povos), ou levadas em
    consideração como evidencia da hipótese PaleoSETI, de que sempre existiram
    contatos  com seres extraterrestres e os
    homens do passado.

     

    3- EVIDENCIAS PRÉ-HISTÓRICAS: Muitas evidencias sobre a
    origem humana tem sido deixadas de fora do debate e ensino acadêmicos, da
    apreciação do grande público e do reconhecimento dos consensos. O que elas tem
    em comum, são evidencias que corroboram visões diferentes da evolução biológica
    moderna. Assim, qualquer evidencia, bem pesquisada publicada nos últimos 150
    anos da arqueologia que indique uma idade anômala para os fósseis e artefatos
    humanos não possam ser explicadas pelo paradigma evolutivo darwiniano tem
    potencial para corroborar a hipótese PaleoSETI, principalmente no tocante a
    questão do planeta Terra ter sido “Planetaformado” (analogia para Terraform)
    para abrigar a vida e que a própria vida na terra é um produto tecnológico.
    (não vou me ater agora a discutir os detalhes disso, pelo espaço que temos
    aqui). As evidencias deste tipo estão em todos os lugares, em 1993, foi
    publicado o livro “Forbidden Archaeology”, contendo um compendio de evidencias
    deste tipo publicadas por vários autores, recomendo a leitura integral deste e
    de toda a controvérsia gerada. (novamente, cuidado com as acusações ad hominen
    que não tratam da evidencia em si). Tenho também arquivos meus sobre casos da
    arqueologia brasileira não discutidos nesta obra, se alguém se interessar fica a
    dica.

     

    4- EVIDENCIAS OVNIOLÓGICAS: Acho que fala por si só, é
    controverso? Sim, (tem muita fraude, é claro!) mas não podemos julgar tudo
    pelas piores fraudes!  Temos na
    realidade, toda sorte de evidencias de boa qualidade colhidas pela ufologia: Filmes
    e fotos oficiais, analisadas por instituições até governamentais; Testemunhos
    confiáveis (pilotos militares, civis, cientistas, agentes governamentais, das
    forças armadas e até de astronautas); Relatos de abdução e contatos
    investigados por profissionais conceituados de universidades, médicos e
    historiadores; artefatos correlatos com composições diferenciadas; evidencias
    físicas em locais de ocorrência que não podem ser explicadas corriqueiramente e
    é claro, muitos documentos governamentais admitindo a questão inclusive no âmbito
    da pesquisa científica!!! As evidencias ufológicas modernas corroboram as
    evidencias de “antigos astronautas” e vice versa.

     

  266. Antonio Andrada disse:

    Post
    5

    Você tem razão Mori, a
    filosofia da ciência e a epistemologia são fundamentais, já que
    acha isso, tenho algumas considerações importantes:

    Como vejo neste site,
    através de uma análise critica, suas ideias nem sequer são
    CÉTICAS, mas meramente DOGMÁTICAS, por que acho isso?

    Bem,
    A palavra dogma vem do verbo grego dokein, que significa parecer.
    Antigamente a empregavam os gregos para significar qualquer opinião
    aceita, e também como ordem, decreto, Vê alguma semelhança com
    este site que acredita na autoridade ao invés do conhecimento?
    Chamavam de dogmática a toda filosofia que afirmasse certas teses
    como verdadeiras. Finalmente, tomou, sobretudo entre nós, a acepção
    de doutrina fixada, incontestada (do tipo Verdade Científica
    imposta) Por isso é sempre a palavra DOGMATISMO oposta a CEPTICISMO,
    que vem do grego também, skepsis, que significa análise, e do verbo
    skeptomai, examinar atentivamente.

    Por
    isso tudo, o DOGMATISMO virtualiza o sujeito, para atualizar o
    objeto; afirmam que o ser do conhecido não é um ser cognoscível,
    porém tais afirmações são ingênuas, pois, todo conhecimento é
    apenas condicionado pelo sujeito, portanto falível e limitado.

    Tendo em vista essa
    abordagem como a posição gnoseológica (da teoria do conhecimento),
    temos que o dogmatismo opõe-se ao criticismo (pela razão por
    exemplo que vocês tanto cultuam) mais que ao cepticismo. Esta
    oposição entre o dogmatismo e o criticismo foi sublinhada
    especialmente por Kant como disse (vale a pena ler), que, ao
    proclamar o seu despertar do “sono dogmático” por obra da
    crítica de Hume, opõe a crítica da razão pura ao dogmatismo em
    metafísica. “dogmatismo é, pois, o procedimento dogmático da
    razão pura sem uma prévia crítica do seu próprio poder” (KANT
    apud SEVERO, SMITH, 2007) Ou seja, sem uma
    critica do processo social em que se insere (crítica relativista,
    que você abomina!).

    O
    dogmatismo absoluto e o realismo ingênuo contido na filosofia
    Neo-humanista (de Kurtz), não existem propriamente na filosofia
    pura, que começa sempre pela pergunta acerca do ser verdadeiro e,
    portanto, procura este ser mediante um exame crítico da aparência,
    mas aparece na filosofia da ciências que trabalham grandemente com
    lógicas estabelecidas pelo razão materialista e pelo método
    empirista, no dogmatismo racionalista do século XVIII, que desemboca
    numa grande confiança na razão (Verdade e objetividade).

    O
    dogmatismo como posição própria do realismo ingênuo, admite não
    só a possibilidade de conhecer as coisas no seu ser verdadeiro (ou
    em si) mas também a efetividade deste conhecimento no trato diário
    e direto com as coisas (Empirismo per si), como a confiança absoluta
    num determinado órgão de conhecimento (ou suposto conhecimento)
    (instituições científicas “positivistas), principalmente da
    razão, como a completa submissão, sem exame pessoal, a
    determinados princípios ou à autoridade que os impõe ou revela. Em
    geral, é uma atitude adotada no problema da possibilidade do
    conhecimento e, portanto, compreende as duas primeiras acepções.

    Contudo,
    a ausência do exame crítico revela, se também em certas formas
    absolutas e mal desenvolvidas de cepticismo e por isso se digo que os
    “cépticos” aqui, são, a seu modo, na verdade DOGMÁTICOS.

    Portanto,
    segundo a literatura histórica, científica e filosófica aceita
    hoje, este site deveria se chamar DOGMATISMO ABERTO, fica a sugestão.

     

  267. Mack_man__ disse:

    Alguns problemas estao ocorrendo entre vc e o mori andrada, quanto a postulação dos exemplos, porque ambos colocam, na minha opiniao, exemplos de ciencias diferentes, com bases e estruturas diferentes.

    Apesar de qualquer ciencia se valer da interpretação dos indicios(ou fatos) encontrados, as “areas” exatas, ou chamadas ciencias exatas, possuem um campo de interpretação menor. Nas humanas, como se tenta provar fatos e nao leis universais, o campo de interpretação é menor. Na primeira é possivel a repetição, na segunda nao é.

    Nas exatas, nao se estuda fatos, apenas busca-se descobrir as leis que rege o ambiente e tentamos  manipula-las. As verdades relativas(digo relativa porque nao existe verdade absoluta, seja nas exatas, seja nas humanas) nao são criadas ou dependem de dedução humanas, elas decorrem de evidencia empirica

    Nas ciencias humanas, se estuda predominantemente fatos, nao se busca descobrir algo que ja existe. As verdades relativas aqui decorrem do entendimento humano. Nao se busca aqui achar uma lei que seja passivel de experimento, mas sim indicios de um evento que ja tenha ocorido ou, no maximo, ou lei “social”. 

    Uma pequena contribuição.

    • Antonio Andrada disse:

      Concordo plenamente que não podemos
      utilizar a teoria de uma área da ciencia para “julgar o valor” de uma
      evidencia de outra área. Lembre-se que estamos falando da hipótese PaleoSETI,
      e, portanto, de arqueologia, antrotopologia, história, psicologia, sociologia,
      e assim, como eu disse ao Mori, quero discutir as evidencias num embasamento
      teórico científico destas disciplinas, senão não estamos fazendo ciencia, mas
      fabricando conclusões convenientes, se este site tem como intenção divulgar
      ciencia publicando resenhas de não especialistas, deve se ater minimamente às
      epistemologias gerais de cada área.

      Concordo com você que muitas das
      evidencias das ciencias exatas possuem um campo de “interpretação
      menor”, e que a partir delas podemos demonstrar a universalidade de Leis
      naturais (dentro de certos limites e condições pre-estabelecidas), que na
      verdade são os “eixos axiomáticos” dessas disciplinas. Porém, tais
      axiomas podem prever explicações de causa e efeito apenas em sistemas limitados
      e controlados (que podemos observar na produção e uso da tecnologia). Porém o
      sucesso tecnológico não necessariamente está vinculado a um conhecimento dos
      processos envolvidos.

      A critica que gostaria de lembrar aos
      senhores é que não podemos pensar que só porque dominamos uma técnica e uma
      tecnologia, sabemos ou temos conhecimento universal sobre os processos. Por
      exemplo, hoje, sabemos muito sobre citogenética e biologia molecular, imitando
      a natureza, podemos construir hoje, em laboratório uma molécula
      “artificial” de DNA com um equipamento relativamente simples. Alguém
      “deslumbrado com a tecnologia”, “fã das ciencias exatas”
      poderá pensar que “já que manipulamos tão bem as leis da biologia e da quimica
      orgânica”, também temos conhecimento exato sobre uma das perguntas
      fundamentais, a resposta de como se deu a origem da vida! Porém, nada é mais
      falso.

      E por que não podemos explicar com
      tanta precisão tais eventos?

      Pois eles fogem dos ambientes
      controlados, dos pequenos sistemas com os quais estamos acostumados a descrever
      os fenômenos das ciencias exatas. Não podemos confundir o valor intríseco de
      uma evidencia com seu valor para uma hipótese ou para uma teoria. Se fossemos
      exigir da teoria da evolução “provas” absolutas e axiomáticas, sobre
      a origem da vida, teríamos que nos desfazer da teoria toda pois ela seria
      falseada pela incapacidade de gerarmos modelos explicativos demonstraveis para
      a existencia da vida através de procesos “naturais”. Ai, percebemos
      que existem outras teorias competindo, que também são baseadas nos mesmos
      axiomas, mas que dizem coisas completamente opostas, por exemplo as várias teorias
      de origem e desenvolvimento do universo. Poderíamos falsear o Big-Bang por que
      ele não estabelece as condições iniciais apoiadas em evidencias?

      É exatamente por isso que a ciencia é
      relativista hoje, pois os limites entre “evidencia”,
      “teoria” e “discurso científico” estão mais claras e se
      conclui que a ciencia tem limites bem claros, ela é boa para produzir
      tecnologia de manipulação da realidade num nível pequeno e controlado, mas para
      descobrir “verdades absolutas”, se é que elas existem, principalmente
      comunicá-las através da linguagem, ela não é melhor que qualquer outro tipo de
      saber. A ciencia criou MITOS de origem, criou instituições políticas que
      promovem a censura, a distorção e a falácia, criou processos sociais de
      educação que são tão dogmáticos quanto qualquer religião. Porque a ciencia
      virou a religião? Porque não conseguiu responder em bases sólidas
      (evidenciadas) as principais perguntas fundamentais da existencia, e, é claro,
      quer esconder isso a todo custo. Quem está no poder, não quer sair.

      Perder o poder, significa perder as
      cosmologias morais que a ciencia criou para a sociedade. Por isso vemos tantos
      movimentos “Neo-positivistas” surgindo, para tentar manter esse
      discurso de poder da ciencia, de que ela “descobre a verdade” que
      responde sim as questões importantes. Só que para isso, esses movimetos tem que
      cumprir com uma agenda de propaganda e não de verdade: tem que esconder
      evidencias ou negá-las; combater seus proponentes com ataques ad hominem;
      distorcer a epistemologia da ciencia; tratar as evidencias com dois pesos e
      duas medidas; “tratar evidencias sem considerar os aportes teóricos”;
      esconder que as teorias são incomensuráveis e por isso não podem ser
      comparadas; afirmar que apenas as instituições que defendem seus pontos de vista
      tem credibilidade; enfim, fazer lavagem cerebral na população fazendo-a
      acreditar que a ciencia é “UMA” só e que tem “UM” único
      método e “UMA” unica maneira de ver o mundo e de explicá-lo.

      O pior é que dizem esses
      propagandistas que “estão defendendo a ciencia” para o bem das
      pessoas. Na veradade estao querendo impor uma ditadura do pensamento acerca de
      seus valores morais, de “suas” verdades pessoais. Esta visão de mundo
      tem um apelo muito forte com aqueles que estudam ciencias exatas, pois estes
      foram históricamente mais contaminados por esse discurso positivista e sofrem
      mais nessa confiança na tecnologia e confundem isso com conhecimento (como
      expliquei acima). Porem, essa realidade é em sua maioria expressa pelos
      estudantes ou bachareis-técnicos das ciencias exatas, se formos estudar os
      “grandes” físicos e matemáticos, por exemplo, descubriremos pessoas
      muito versadas e conscientes da filosofia e epistemologia, e nenhum deles era
      positivista ou achava que a ciencia “descobria a verdade”, por que será?

      Assim, vejo algo de muito errado com a
      conduta e a imagem que este site promove da ciencia, e como os
      “céticos” argumentam contra as teorias com as quais suas linhas
      moralistas não se “alinham”. Não vejo um discurso cético, vejo dogmatismo
      (veja post anterior). Serão eles manipulados pelas instituições Neo-humanistas,
      ou parte consciente delas?

      Minha crítica foi nessa direção
      também, esses Neo-positivistas do “movimento cético” tem uma agenda
      política por tras de suas falas e idéias, não sou eu quem falo, são eles
      mesmos! Estudem esse movimento e ficará claro. Se vc ler com cuidado meus
      posts, verá que eu, como quase todos os cientístas teóricos da atualidade (pelo
      menos é o que vejo nas universidades) somos relativistas, ninguem ensina
      Neo-humanismo, porque é ingenuidade positivista, qe está ultrapassada. Você
      mesmo Mack_man, me parece ser ralativista moderado como eu.

      Assim, não é uma questão apena de usar
      exemplos incompatíveis de áreas diferentes, é uma questão de defender a ciencia
      e sua diversidade contra um movimento político intitulado “ceticismo
      científico” que parece querer doutrinar as pessoas com dogmatismo cego
      dizendo que é ciencia! O Mori, pelo que ele próprio me informou é parte do que
      se chama de “movimento cetico”.

      Não estou “dando carteirada em
      ninguem”, sou arqueólogo, já publiquei inúmeros trabalhos de pesquisa na
      área, alguns consensuais, até mesmo em exatas (com geoarqueologia e
      estratigrafia), outros de abordagens sociológicas e antropológicas em teorias
      arqueologicas. Gosto do tema PaleoSETI, tenho alguns artigos meus, científicos
      sobre essa questão que publiquei em uma revista que edito (que é para
      estudantes de arqueologia que querem publicar assuntos não consensuais) pois
      acho importante a discussão de idéias na ciencia, sua diversidade, e não gosto
      quando alguém que demonstra não conhecer epistemologia vem criticar de maneira
      dogmática e mal-informada essa hipótese, ainda mais por motivos políticos.

       

       

      Obs:

      Quando eu disse que concordo que as evidencias das ciências exatas
      sofrem “interpretações menores” estou concordando  dentro da lógica que aceito das teorias naturalístico
      metodológicas.  

       Lembremos também, que as ciências exatas trabalham com
      sistemas muito limitados (ao laboratório), tiram conclusões analisando pequenos
      “pedaços” do que chamam de realidade para depois criar modelos maiores
      (reducionismo científico). É nesse processo de generalização que acontece algo
      interessante:  Afinal, não existe na ciência
      uma “INTERPRETAÇÃO” maior do que a suposição do UNIFORMITARISMO das leis
      físicas. Vou explicar: Ninguém garante absolutamente que as leis físicas que eu
      demonstrei no meu laboratório são as mesmas fora dele e em todo o universo e em
      todos os tempos, e mesmo que repliquemos a exaustão uma experiência, isso por
      si só não é evidencia absoluta de que  essas
      leis são universais! Temos nas ciências exatas, que acreditar no UNIFORMITARISMO
      desses axiomas, que como eu disse, é a maior das interpretações que se pode
      fazer no conhecimento. As ciências humanas não “crêem” em sistemas tão
      universais sem evidencia, por essa questão filosófica, de lógica, poderíamos
      afirmar que as evidencias em ciências exatas são as que mais dependem de “interpretações
      maiores”.  

      Obs:

      Quando eu disse que concordo que as evidencias das ciências exatas
      sofrem “interpretações menores” estou concordando  dentro da lógica que aceito das teorias naturalístico
      metodológicas.  

       Lembremos também, que as ciências exatas trabalham com
      sistemas muito limitados (ao laboratório), tiram conclusões analisando pequenos
      “pedaços” do que chamam de realidade para depois criar modelos maiores
      (reducionismo científico). É nesse processo de generalização que acontece algo
      interessante:  Afinal, não existe na ciência
      uma “INTERPRETAÇÃO” maior do que a suposição do UNIFORMITARISMO das leis
      físicas. Vou explicar: Ninguém garante absolutamente que as leis físicas que eu
      demonstrei no meu laboratório são as mesmas fora dele e em todo o universo e em
      todos os tempos, e mesmo que repliquemos a exaustão uma experiência, isso por
      si só não é evidencia absoluta de que  essas
      leis são universais! Temos nas ciências exatas, que acreditar no UNIFORMITARISMO
      desses axiomas, que como eu disse, é a maior das interpretações que se pode
      fazer no conhecimento. As ciências humanas não “crêem” em sistemas tão
      universais sem evidencia, por essa questão filosófica, de lógica, poderíamos
      afirmar que as evidencias em ciências exatas são as que mais dependem de “interpretações
      maiores”.  

      • rafael disse:

        Andrada, pelo que entendi, o que vc muito defende é o fato de que para cada evidência é possivel inumeras interpretações cientificas, e que, resumindo, todas elas devem ser tratadas como de igual valor. Voçe critica o mori por nao dar valor a essas interpretações possiveis e, vale mencionar que são interpretações que podem ser verdadeiras ou podem um dia se mostrarem corretas.

        Mas devo lembrar-lhe que as interpretações nao tem valor igual. E isso existe porque os indicios naturalmente irão favorecer uma ou outra interpretação em detrimento de outras.
        Quando o grau de pesquisa chega a um nivel praticamente desconhecido, entao as interpretaçoes sobre um determinado fato são muitas, porque há poucos indicios que possa favorecer uma ou outra interpretação,  todas aquelas tem uma  valor consideravel. Mas, a medida que os indicios vao aparecendo, um interpretação vai  tomando mais espaço do que as outras.(isso me lembra o chamado fluxo escuro, uam certa teoria da fisica!)

        Mori nao cita interpretações menores porque para os especialitas da area nao tem indicios ou são muito pouco os indicios que as tornem superiores as interpretações mais aceitas.(Claro que nao estou dizendo que mori é infalivel, em algumas de suas materias talvez ele nao tenha mencionado dados que favoreça a uma interpretação diferente daquele que ele postou. Nao sei, nao fui pesquisar sobre tudo que é colocado aqui !)

        Paleo seti tem poucos indicios, talvez por isso mori a tenha negado. Digo melhor, os indicios que surgem nao só deixam de mostrar a existencia da teoria paleo seti, como tendem a negar sua existencia!(Em pleno secudo XXI, temos pessoas dizendo que conversa com Deus, e sabemos que isso nao acontece, bom, pelo menos na mairoia dos casos nao, porque desenhos de pessoas a 3.000 anos atras onde aparece deus descendo do ceus vamos considerar verdadeiros!(indicio contra1) Pior ainda, porque só aconteceu a 3.000 anos e nao acontece hoje(indicio contra 2)Em termos tecnicos(nao concordo com isso, pois acredito que eles existem), temos apenas indicios de OVNIS e nada mais que isso)
         
        Veja um exemplo mais concreto, se pessoas dizem que uma cidade teve um ataque nuclear a 3.000 anos atras e alguem vai lá e ve na regiao do suposto ataque uma usina nuclear despejando material readioativo, porque a interpretação da guerra nuclear tera prevalência sobre a tese da negligencia humana ?(hehehe esse exemplo me lembra um certo caso!)

        Entende o que eu quero dizer ?

        Ninguem nega as outras interpetrações, apenas se trabalha com as interpretação prevalecentes e perto de serem consolidadas. ALiás, qualquer trabalho ou estudo que se tenha como base interpretações nao prevalecentes, em termos de indicios digo isso, ou que prevalece mas com uma margem de vantagem muito pequena em relação as outras tende ao fracasso.

        Fazendo uma analogia: Se vc dizer que o carro gol é o melhor carro popular do brasil com larga vantagem sobre os outros carros, vc corre o risco de errar! Pois, ainda que o gol seja o melhor, é muito improvavel que ele tenha larga vantagem sobre os outros.

        Enfim, mas acho que vale a critica sua construtiva no sentido de o mori sempre olhar com cuidado as possiveis interpretações que nao sejam predominante, MAS TENHAM INDICIOS FORTES que a possam torna-la verdadeiras.

      • Antonio Andrada disse:

        Rafael, bom raiocínio em relação as interpretações,

        Quanto ao “julgamento” da hipótese PlaleoSETI só gostaria de acrescentar que seu principal argumento critico é de que existem interpretações que são de certa forma “melhores” ou “mais aceitas” porque possuem mais evidencias, só que tem alguns problemas nisso:

        1- Julgar quantidade e não qualidade já é uma interpretação (não científica). As teorias tem que satisfazer sua propria lógica interna, tentei dizer isso ao Mori, que não é uma questão de quantidade, mas de analise discursiva.

        2- Não é verdade que tem-se maior quantidade ou qualidade de evidencias “tradicionais” que paleoSETI, essa noção foi criada por quem defende a outras teorias. Como o Mori tenta fazer aqui. Quem não le o “ceticismo aberto” vai achar que não existe evidencia alguma, e essa é a intenção dos que defendem a ciencia  com propositos politicos, esconder ou negar tudo que não lhes convem.
        Veja o que um especialista em arqueologia tem a dizer sobre esta questão:

        “Quando uma nova
        teoria avança, ela necessariamente desafia a teoria predominante. Isso incomoda
        os detentores da teoria predominante e ameaça sua segurança. A reação natural é
        a raiva. A nova idéia é então atacada, e ela então terá que ter níveis de
        certeza mais elevados. Quanto maior for à diferença entre a nova teoria e a
        antiga, maiores deverão ser os níveis de certeza que a nova terá que oferecer.
        Assim é dito. Eu nunca fui capaz de aceitar isso. Assume-se que a teoria antiga
        sempre esta num patamar de certeza mais elevado, quando isto é examinado,
        raramente é verdade.” (CARTER 1980, p.318).

        2- As pesquisas também não tem uma vantagem igualitária entre as teorias, o establisment ira sempre financiar muito mais pesquisas sobre o que lhe interessa piliticamente ser descoberto. PaleoSETI vai contra a evolução, imagine se os estados e os programas da universidades financiam? Assim, não se pode querer comparar por quantidade de pesquisa ou por quantidade de cientístas que aceitam ou não, pois um arqueólogo que aceita a hipótese PaleoSETI e quer tyrabalhar com ela esta automaticamente fora da pesquisa.

        2- Aqui neste site se propaga a frase positivista:”Toda afirmação
        extraordinária tem que ter evidencias extraordinárias”. Pois bem, sabe
        porque não se faz ciencia assim, porque as teorias não são comparadas
        por algum referencial externo absoluto, uma teoria é dita
        “extraordinária” em comparação com outra teoria. Assim, a teoria
        paleoSETI é dita extraordinária se comparada as teorias consensuais, só
        que as teorias “tradicionais” também podem ser ditas extraordinárias se
        comparadas à PaleoSETI… Será que é preciso evidencias extraordinárias? quem julga?
        Se ainda vivessemos num paradígma criacionista, a teoria da evolução seria considerada extraordinária e se pediriam evidencias extraordinárias, imagine o que aconteceria com a pobre e fragil evolução e suas evidencias indiretas e interpretações históricas? No entanto todo mundo da muito valor a evolução hoje não é.

        Voce disse: Em pleno secudo XXI, temos pessoas dizendo que conversa com Deus, e
        sabemos que isso nao acontece, bom, pelo menos na mairoia dos casos nao,
        porque desenhos de pessoas a 3.000 anos atras onde aparece deus
        descendo do ceus vamos considerar verdadeiros!(indicio contra1)…

        Não concordo, primeiro eu não sei se as pessoas estão vendo deus hoje, se ele é “imaterial”, a ciencia não poderia detectar nem julgar…. Mas principalmente  porque não estamos dizendo que era deus há 3000 anos (nem as propias pessoas que escrevem os mitos diziam isso, “nós” e nossa antropologia do sec XIX é que comparamos a religião cristã com o relato destes povos e chamamos os sugeitos de “deuses”, nos “mitos” originais, só há a descrição de seres que vem e fazem coisas, eles tem nomes e são reverenciados. Muito tempo depois formam-se religiões ao redor da memória destes eventos, a cristã é uma, pra vc ver a confusão que vc fez) Nos no paleoSETI, estamos dizendo que os que “desciam do ceu” numa interpretação científica e material, só poderiam ser extraterrestres. Mais do que isso, tem os detalhes das histórias que corroboram essa interpretação, mais ainda, ela explicaria muitos dos mistérios que ainda rondam o passado.

        Você diz: Pior
        ainda, porque só aconteceu a 3.000 anos e nao acontece hoje(indicio
        contra 2)…

        Os mitos contam isso também, vale a pena ler,

        Você diz: Em termos tecnicos(nao concordo com isso, pois acredito que
        eles existem), temos apenas indicios de OVNIS e nada mais que isso)…

        Não concordo, temos evidencias muito fortes de OVNIs, (porque vc usou “indicios” não ficou claro) novamente é uma questão de “dois pesos e duas medidas” a ciencia afirma coisas como verdades de posse de menos evidencias do que os que temos sobre os OVNIS.

        ….pense nisso tudo e vai descobrir que as razões para o aceite de qualquer ideia na ciencia é mais uma questão política, não de evidencias

        … mas é claro que eu, fazendo esse papel ” realmente cético”  vou ser acusado de relativista e conspiracionista, contra a ciencia, aqueles que vão contra os verdadeiros terroristas sempresão acusados de terroristas, não tem truque de propaganda mais velho que este:

        Em sua obra: International
        Terrorism in the Real World, Noam Chomski nos oferece uma história contada por
        St. Agostinho sobre um pirata capturado por Alexandre Magno que indaga:

        Diz Alexandre o Grande:

        Como
        ousas molestar o Mar […] Como ousa molestar o mundo?

        Em
        que o pirata responde:

        Porque
        eu, fazendo-o com um pequeno barco, sou chamado de ladrão; Você, fazendo o
        mesmo com uma grande frota, é chamado imperador. (CHOMSKI, 1986, p. 01)

         

  268. rafael disse:

    onde se lê:Nas humanas, como se tenta provar fatos e nao leis universais, o campo de interpretação é menor.

    leia-se: Nas humanas, como se tenta provar fatos e nao leis universais, o campo de interpretação é sempre maior.

  269. Antonio Andrada disse:

    Se alguem souber o porque meus comentários estão ficando sem formatação (grandes espaços e se alinhamento, post aqui uma solução… (na tela de postagem fica legal, quando envio, bagunça) agradeço.

  270. LEx disse:

    Antonio Andrada,Seus posts estão ficando sem formatação porque são chatos, extensos e idiotas.

    • Antonio Andrada disse:

      Lex,

      Quando eu tinha dois anos e tava aprendendo a ler, achava os livro chatos pra caramba, insisti um pouco e depois acostumei, não vou dizer que todo mundo passa por isso pois não sou positivista.

      Tu ta “evoluindo” nas nossas conversas, já saiu da fase 0101010101010101 Valeu a ajuda…

      • Lexcamel disse:

        Hum…. Sei… Lia com 2 anos é?
        E por que não está no MIT…

        O que é fase 0101010101010101 (ou UU~ como tu escreveu)?

        Ser Supremo, todo mundo sabe que tu é um cara inteligente, o problema é que isso aqui são posts de COMENTÁRIOS (no máximo 40 linhas ou 255 caracteres), e tu está borrando tudo… Tentando fazer a galera engolir o que tu ACHA que é verdade. Agora tu está na cruzada anti-Mori… Para que? Qual o sentido?

        Abra um tópico no fórum que eu prometo que vou ler e discutir contigo mesmo que não entenda nada do que está falando…

        A propósito: Montei meu primeiro motor a combustão (um boxer4) com 9 anos… E nem por isso sou um gênio…

      • Antonio Andrada disse:

        Lex, tô brincando cara,

        Claro que não aprendia ler com 2 anos! Também não desejo ir para o MIT não cara, lugarzinho fora da realidade esse, acha que lá tem “ciencia de verdade” e que o Rambo é o “melhor soldado do mundo”, que nos EUA todo “mundo é livre” Oh Zeus, faça com que parem de ver TV….

        ….”Then conquer we must, when our cause it is
        just. And this be our motto: “In God is our trust”. And the
        star-spangled banner in triumph shall wave O’er the land of the
        free and
        the home of the brave.”

        Não abro tópico em fórum nenhum! Ninguem lê isso, o bom é criticar essa ingenuidade aqui mesmo na raiz desses neo-positivistas, e seus artigos amadores.

        Senão vão continuar enganando todo mundo, falando que “ceticismo” é sinonimo de ciencia, meu, faz mal só de escrever isso. 

        Não foi tu uma vez que me escreveu isso “01010101010101” (a linguagem dos céticos) na discussão sobre homeopatia?

  271. Franciscodog disse:

    O que houve com os comentarios, está tudo zoneado , perdeu a ordem cronológica.
    Fiquei perdido.

  272. Adriano disse:

    Mori, não dá pra conviver com esse novo sistema…você tem que dar o braço a torcer!!! Se eu faço um comentário em resposta a alguém, mesmo que seja agora, tipo fiz um qq ao Antonio Andrada (antes desse aqui), ele fica lá no meio, não fica como sendo “o mais recente”….então as conversas se perdem. tipo ontem tinham 293 comentários hoje 299 e não acho esses 6….não são os 6 mais recentes….bom, talvez esteja dando palpite demais em algo que não possa, mas é minha opinião…

    • B.S. Possi disse:

      Adriano, pelo menos pra mim, agora que esta ordenado de forma correta quando abre, já facilitou, agora quanto a respostas, o melhor é apenas responder sem ligar a qualquer outro assunto, assim direciona sua resposta e os comentarios não ficam sem a cronologia, eu mesmo preferia a forma antiga, mais pelo que entendi, houve a troca para permitir respostas diretas, o que eu acho que deve melhorar nas discuções, como todos estavam acostumados a forma antiga, é claro que a principio muitos vão estranhar, e principalmente(o que tenho notado desde que mudou) deixar de comentar. Depende na realidade do Mori decidir se vale a pena ou não.

    • Anônimo disse:

      Todos palpites são importantes… realmente, o ideal seria que as respostas também fizessem com que toda a discussão fosse listada inicialmente na ordem cronológica. Infelizmente, não há essa opção no sistema.
      Ainda estou avaliando as reações e resultados, opinem sim, por favor. Talvez tente um outro sistema de comentários, talvez volte ao antigo, talvez mantenha este mesmo.
      Obrigado!

      • B.S. Possi disse:

        Bom, vc pediu…
        Acredito que na realidade é falta de costume, também tem que ver a formatação dos textos, e outra coisa, mostrar todo o comentario, eu por exemplo respondi ao Adriano, e minha resposta aparece cortada, com a opção de ler ela na integra, isso sim é um problema, pois quando a resposta for um pouco mais longa, muita gente vai acabar não lendo, sou a favor de buscar sim a melhoria, porém sempre vai haver os “ajustes”

    • João Santos disse:

      Concordo, a configuração atual é ruim porque os comentários ficam fora de sequência, perde-se a noção de continuidade, portanto dificulta compreensão dos mesmos. Mas, ao menos, acabaram as classificações detonativas.

  273. rafael disse:

    Eu prefiro antigo sistema com apenas a possibilidade de curtir ou nao curtir a opiniao

  274. Antonio Andrada disse:

    É triste este site:

    Fui atrás da ficha do
    autor do artigo e olha o que descobri:

    Gareth J. Medway é um
    autor amador, não é um cientista em área nenhuma, muito menos em
    alguma das áreas correlacionadas (para o PaleoSETI) como a
    arqueologia ou a antropologia, etnografia, enfim… já entenderam.
    Não acho que alguém tem de ser especialista para falar de algo, mas
    para ser levado a sério é sempre bom.

    Quem ele é:

    “Gareth J. Medway é um sacerdote da Fraternidade de Ísis, um
    “historiador do oculto” e autor de um livro chamado “Atração
    do Sinistro: A História não oficial do satanismo”

    Fonte original:
    (“Gareth J Medway is a priest of The Fellowship of Isis, a
    historian of the occult and the author of Lure of the Sinister: The
    Unnatural History of Satanism (NYUP, 2001).”
    http://www.forteantimes.com/features/articles/258/satan_in_suburbia.html

    É por isso que ele
    confunde vários conceitos PaleoSETI e é claro, é por isso que o
    texto tem um tom de discussão tão religioso (ou teológico).

    E ele nem sequer é um
    cara que pode ser classificado como “cético de carteirinha”,
    publica até no Fortean Times, vejam como ele fala do movimento
    CSICOP:

    “Para o benefício de quem pode acreditar em
    SRA, devo salientar que eu não sou um desmistificador CSICOP ou
    qualquer coisa do tipo.”

    Fonte original: (“For
    the benefit of anyone who may believe in SRA, I should point out that
    I am not a CSICOP debunker or anything of the kind.”
    http://www.forteantimes.com/features/articles/258/satan_in_suburbia.html

    Tirou o corpo da teta,
    pois todo mundo sabe: Que os “desmistificadores” do Neo-humanismo
    já não convencem mais ninguém, todo mundo já percebeu isso!

    E a revista magonia.
    Sabem o que é:

    “Agora, se aproximando 30 anos de publicação
    ininterrupta, a tradição da MUFOB /Magonia de mente aberta,
    ceticismo sensível e um grande senso de humor, ajuda a manter
    Magonia na vanguarda do jornalismo independente sobre UFO fenômenos
    Forteanos na Grã-Bretanha e no mundo”

    Fonte original: (“Now
    approaching thirty years of continuous publication the MUFOB/Magonia
    tradition of open-mindedness, sensible scepticism and a keen sense of
    humour helps to keep Magonia at the forefront of independent UFO and
    Fortean journalism in Britain and around the world.”)
    http://magonia.haaan.com/about/

     

    • Anônimo disse:

      Sim, se você simplesmente ler os artigos aqui em CeticismoAberto, descobrirá que publicamos muitos artigos de autores Fortianos. Fui o primeiro a traduzir ao português mesmo a crítica de Marcelo Truzzi ao pseudoceticismo. Antes de dedicar tempo a comentar, peço que dedique mais tempo a ler os artigos publicados aqui.
      O boletim Magonia foi um dos que mais influenciou o ceticismo que pratico. Sou também um assinante da Fortean Times.

      • Antonio Andrada disse:

        Mori, é você,

        Bem, me surpreendeu, será que vc pode consertar esses posts sem formatação? Ou indicar um jeito de postar que não aconteça isso. (escrevo no BROffice e depois colo, será isso?) 

      • Anônimo disse:

        Fritas acompanham?

      • Antonio Andrada disse:

        …me surpreendeu na inconsistência ideológica, ainda assim o artigo é ruim que dói e o autor está longe de escrever algo de científico com relação ao PaleoSeti.

        azar do forteantimes e das revistas de ufologia que publicam tais “artigos”.

    • Franciscodog disse:

      “Não acho que alguém tem de ser especialista para falar de algo, mas
      para ser levado a sério é sempre bom.” – Tem certeza desse comentário que você fez?  Você realmente acha isso?

      • Antonio Andrada disse:

        … acho que na hora (na minha cabeça) me referia a uma situação academica onde o título é funmdamental… de qualquer maneira foi infeliz, o que interessa é o conteúdo.

        É raro achar um autodidata que conhece a fundo uma área científica, pois a bibliografia de vanguarda circula internamente durante anos até ser disseminada para fora do círculo profissional, mas conteúdo é sempre essencial.

        Agora, como no caso do artigo, se não tiver conteúdo e nem credencial, uma coisa explica a outra.

      • Franciscodog disse:

        Antonio, você numa discussão anterior corroborava uma opinião do Feyerabend versando sobre a medicina chinesa, de como ela afetou o “paradigma estabelecido da medicina tradicional” e etc.
        Pergunto:  Tanto você quando o Feyerabend não são da área médica, como então pode ser levado a sério suas opiniões a respeito desse tema?
        Você se considera um autoditada nessa área, realmente conhece a fundo o tema ou “só ouviu falar”?

      • Franciscodog disse:

        Antonio, você numa discussão anterior corroborava uma opinião do Feyerabend versando sobre a medicina chinesa, de como ela afetou o “paradigma estabelecido da medicina tradicional” e etc.
        Pergunto:  Tanto você quando o Feyerabend não são da área médica, como então pode ser levado a sério suas opiniões a respeito desse tema?
        Você se considera um autoditada nessa área, realmente conhece a fundo o tema ou “só ouviu falar”?

  275. LEx disse:

    Meu querido amigo Antonio Andrada,

    Me recuso a acreditar que tu realmente não conheça linguagem binária, logo alguém que chama a todos de infantis e inocentes? Desconhece a “lingua universal”? Que na realidade nada mais é do que a evolução do código morse (esse tu conhece?).
    Escrevo assim para que o ADM não rippe meus posts.

    Escrevo em Hexadecimal também…
    %45%75%20%6D%65%20%73%69%20%64%69%76%69%72%74%6F%21%00

    Ah! É! Me esqueci… Tu escreve primeiro no ET-BROffice, né? Assim fica mais fácil não cometer erros de português… né? Não esquente, o que vale é a diversão….

    01101010011011110110100101101110011010000110000100100001

    • Antonio Andrada disse:

      Difícil quem não saiba o que é um código binário depois que o tio Bill gastou bilhões em propaganda por ai, só tava dizendo que tua “fase” de silencia racional “0101010110” já tinha evoluído, mas agora que tu explicou o porque ficou claro.
      De qualquer jeito eu não sou um computador, se tenho algum código em mim é o do DNA, (quaternário de bases nitrogenadas) assim deixo esse código binário pra eles.
      O BrOffice é razoável, uso ele na verdade pois uso na maior parte do tempo na universidade e não sei se tu sabes, mas o governo não compra mais (ainda bem) o WOffice, o que me lembra que tá saindo uma distribuição de Linux só para arqueólogos, pelo menos é free, salvo nele pois como Moro no interior do Piauí, a net aqui é complicada, já perdi vários posts fazendo direto, sem salvar antes, fora as quedas de enegia.  Mas se você procurar bem vai ver que tem vários erros de portugues nos meus posts, não da pra perder tempo com isso, o que vale é o conteúdo.

      • LEx disse:

        Sei como é…
        Queria ver esse Linux só para arqueólogos… Linux por si só é tétrico, imagine então para uso específico, e quem iria investir em um Sistema Operacional para uma atividade específica? Se fosse aplicativos tudo bem, mas onde o sistema operacional entra nessa? Isso não muda.

        Estamos desviando o assunto…

      • Antonio Andrada disse:

        O sistema não muda, só que alguns programas feitos para arqueologia podem ser rodados como freeware.

      • LEx disse:

        Cara!

        Olha só!
        Você respondeu dois posts dentro do aceitável (estou falando da extenção, são curtos), vou ficar seu amigo agora….

      • João Santos disse:

        O Linux é uma proposta de sistema cooperativo, socialista, um esforço de usuários avançados, desenvolvedores analistas e programadores de todo o mundo. Tinha tudo para dar errado, mas tem dado certo e está em franca evolução. Sou um usuário comum, mas sei configurá-lo às minhas necessidades. Já o sistema Unix, apesar de estável e seguro, não decolou por ser pouco amigável. O Solaris é barra pesada, prefiro o FreeBSD. Um professor da USP disse maravilhas dele como servidor – por exemplo o NetBSD. Eu uso o Debian com interface KDE, Fedora e Ubuntu com interface Gnome. Depois que você aprende a configurá-los são maravilhosos. Não preciso do rWindows para nada! Alterno entre os navegadores Opera, Firefox (show!) e o Google Chromium.
        O maiores problemas dos sistemas livres são as sabotagens. Quem vai querer um sistema pago, inseguro e proprietário, se houver um gratuito, seguro, eficiente?

      • João Santos disse:

        Quem usa o Linux o faz por três principais motivos: é livre (não tem dono), é seguro e é estável. Para quem sabe usar é também eficiente. Viva a liberdade, viva o Linux!

      • LEx disse:

        Há dois problemas com o Linux.

        1) Exige conhecimento para usa-lo (conhecimento de verdade).
        2) A gama de aplicativos para ele ainda é muito pequena.

        E uma resalva: Ele é muito “grande”, uma vez que os drives são externos, ao contrário do Windows.

        E como na evolução… Tudo que sai fora do padrão tente a extinção… Ou o Linux “se padroniza” ou o Windows vai continuar sendo a porcaria do buraco negro do futuro (O FireFox já deixou o lixo do IE na poeira).

        Intalei o Solaris (Unix) em uma máquina aqui, mas ainda não tive tempo de testa-lo…

        João! LIBERDADE????
        Você vive no pais mais liberal do Mundo! Além de ter 90% dos PCs com Windows pirata, agora viramos ninho de Assassinos Italianos.

  276. D.R. disse:

    Antonio Andrada,

    No nos seus primeiros comentários cheguei a pensar que você era algum maluco perseguindo o Mori; mas, depois, de lê-los vi que você realmente é uma pessoa muito inteligente, culta, lúcida e sabe do que está falando.

    Sobre a imparcialidade na revisão por pares você, como cientista, deve estar bem mais a par do que acontece nos bastidores da publicações científicas. O Prof. Enézio (do site Pós-Darwinista) também fala muito dessa ‘nomenklatura científica’.

    Quanto ao Mori, acho que ninguém é imparcial, ele defende o ponto de vista dele; embora ela promova o ceticismo, eu o admiro por ele não censurar os comentários (como acontece em outros sites por aí), mesmo quando falam mal do seu site ou dele mesmo.

    Quanto ao artigo, boa idéia a sua de procurar as referências do autor do mesmo; muitas vezes a gente esquece de fazer isso! E é realmente muito entranho um artigo de um satanista ou pesquisador do oculto (pelo que eu entendi) ser publicado num site de ceticismo.

    É bom ter um cientista e arqueólogo de verdade (se for verdade mesmo) comentando aqui. Até gostaria de aproveitar que você estuda arqueologia e parece entender bem do assunto e perguntar se você sabe algo sobre o Dilúvio. Sobre ele há várias evidências históricas e mitológicas (parece que até mesmo de historiadores antigos que relatam ter visto a tal Arca de Noé no Monte Ararat); porém, segundo a ciência oficial, não há evidências arqueológicas de que houve um grande dilúvio na terra. Como na internet se acha de tudo, cada um fala um coisa e fica realmente difícil para nós leigos saber a verdade; seria bom se você, como arqueólogo, pudesse dar algum esclarecimento sobre o assunto do ponto de vista científico!

    Outra coisa, como gosto sempre de procurar ver os ‘dois lados da moeda’, há algum tempo atrás assisti um vídeo na internet sobre estratigrafia onde um pesquisador mostrava que camadas sedimentares e canyons (inclusive o Grand Canyon) podem ser formados rapidamente através de grandes enchentes em vez de serem formados pelo vendo através de milhões de anos como é aceito hoje pela Ciência. Não sei se você já assistiu esse vídeo ou leu sobre isso, mas gostaria se você também pudesse esclarecer sobre isso do ponto de vista científico. 

    Obrigado!

  277. B.S. Possi disse:

     Concordo com o Andrada com sua visão sobre os “autodidatas”, pra mim é muito claro que alguem que não tenha uma formação em determinada area, pode sim pesquisar sobre o assunto, e as vezes pode ver algo que ninguem formado na area viu, como diz o Andrada, o conceito deve sim ser levado em consideração.
     Vamos usar até mesmo o Mori como exemplo, ele não possui nenhuma formação em arqueologia e posta textos sobre o assunto, pelo que ele mesmo já disse sua formação é em exatas, nada a ver com o tema, ou seja, ele também é um autoditada, até porque, se ele fosse se prender a sua formação, não teria muitos temas interessantes a serem abordados(excluindo-se os que também são formados na mesma area).
     Portanto, mesmo um “gerente de hotel” pode sim ver algo que ninguem viu, e tentar mostrar a todos suas ideias, se elas vendem milhares de livros, sorte dele. Mais isso não significa que ele esta certo, mais como diz o Andrada, vamos ao CONCEITO, este sim possui fundamento.
     Andrada, mandei um e-mail pra vc sobre a agricultura paleoETI e vc num respondeu, se for possivel responda.

    • LEx disse:

      Possi,

      Eu tenho um RottWeiler de 62Kg que faz buracos no quintal do tamanho de um Fusca, e nem por isso ele é arqueologo.

      Conhecimento é uma coisa e título é outra, já me formei em 3 faculdades (em áreas distantes dos assuntos aqui), e posso lhe dizer que o fato de ter um diploma na mão, hoje em dia não prova nada, muita gente se formou comigo e mal sabe o que a profissão faz, por outro lado, conheço muitos “autodidatas” que são melhores que alguns professores.

      O que estou querendo dizer é que as brigas aqui são mais pela fé do que pela razão, pois se assim fossem, os crentes concordariam com os céticos…

      • B.S. Possi disse:

        A fé é relativa, se vc tem FÉ na relatividade por exemplo, quer dizer que vc CRE nela, cada um tem a SUA FÉ, seja ela em um Jesus “herculano romano” ou em Sagan, de uma forma ou de outra é fé, ou melhor, a SUA CRENÇA.
         Penso que todas as crenças são validas, pois possibilitam o debate e o dialogo, o grande problema é fechar os olhos para essas outras crenças e simplesmente desacreditar(ou ficar inventando argumentos para isso).
         Eu fui instrutor em uma das maiores universidades de São Paulo, e em função disso posso te assegurar, o diploma não representa nada, vi muito filho de papai comprando diplomas, ou alunos fazendo JORNALISMO sem saber LER, isso é FATO.
         Conhecimento é uma coisa e INTELIGENCIA é outra, o conhecimento ajuda, mas sem inteligencia vc não chega a lugar algum

      • LEx disse:

        É, estamos falando a mesma coisa. Tu percebeu?
        De novo: O problema são os crentes não aceitam sujestões contrárias, hoje eu sou cético não por escolha, mas por função, já passei (como observador) por várias religiões e já assisti a inumeros “rituais”, e não me convenci, mas nunca critiquei quem acredita, porém, o que vem acontecendo ultimamente é que “não sei porque” resolveram satanizar agressivamente nem é LIVRE DE DOGMAS. Juntando isso ao fato de eu ser a favor da Lei de Talião, só que mais evoluida, ou seja, pisou no meu calo eu lhe quebro as pernas… (rssss), acaba sempre em briga. Já… Acreditar em Deuses Cosmonautas é outra história, pois foge da regra da realidade… Você está dentro ou fora da Matrix? Pois da onde estou, parece que vejo a ufolandia dentro de uma bolinha de sabão…

        Só para constar: Não acredito em nada e em ninguém, o que Sagan/Einstein disseram, provávelmente um dia será “desdito” e por aí vai, isso chama-se evolução, já o que Cristo disse “é eterno”, porque será? Leia mais obras do que você é contra do que é a favor, e tire suas conclusões….

  278. B.S. Possi disse:

    Lex(não da mais pra responder lá, afs esses sistema ta um porre, nem o que ele se dispoe a fazer faz direito)
    Concordo com quase 90% do que vc disse, exceto o fato de DUVIDAR dos cosmonautas do passado, não é apenas uma mas sim várias evidencias, se fosse apenas UMA, sim, poderia ser algum tipo de erro de interpretação, mas são varias, em todos os cantos do mundo, seja por questões religiosas, ou até desenhos rupestres, eles estão lá sim, se fosse um “caso isolado” seria totalmente compreensivel, mas pra esplicar todos eles seria algo como uma espécie de lavagem cerebral coletiva, algo comum nas novas religiões de hoje, mais longe de qualquer realidade de uma civilização antiga.
     Alguma coisa aconteceu, isso é certeza, os indicios são varios, seja uma Atlantida, ou “Alfs”, não importa, é claro que alguma coisa ocorreu, são muitos registros de coisas absurdas em praticamente todo o mundo antigo, e de onde sai fumaça tem fogo.
     Não é absurdo acreditar nesta possibilidade, seria absurdo sim crer que ela seria a UNICA possibilidade, ai sim seria ingenuidade, mais não olhar para ela, é simplesmente fechar os olhos pra algo que por incrivel que pareça, se mostra até que de forma bem clara.(muito mais clara que um Deus soprando o nariz de um pote de barro)
     Não me julgo um “cético” mais não por não aceitar provas cientificas, mais sim por acreditar tudo, inclusive a NOSSA PROPRIA realidade pode mudar, as vezes por uma simples conclusão(o mundo afinal é redondo, isso na época, mudou tudo)

    • LEx disse:

      Ok,

      Vamos supor que essa teoria esteja certa, que realmente fomos criados ou visitados por alienigenas.

      1) Se você conversar com uma criança da 4ª serie do Japão, tu vai achar que ela é alienigena, não pelo idioma, mas pela instrução que essa criança tem, com certeza absoluta ela tera um conhecimento superior a pseudos estudantes do 1º colegial aqui. Falo isso por experiência própria. Agora, imagine isso a 15.000 anos, onde um tribo sabia escrever e outra não, qual seria a diferença cultural entre elas? Quem garante que o que vemos hoje não seja resquicios de uma civilização HUMANA super-desenvolvida, e que como tal controlava a natalidade, portanto tinha uma quantidade negativa de pessoas (exercito) em relação a outras tribos barbaras que por conseqüência foi aniquilada. Se a igreja tive conseguido sucesso em suas cruzadas, será que hoje teriamos conhecimento de paises mais desenvolvidos e não católicos?

      2) Qual seria o objetivo dos alienigenas montanto todo esse teatro aqui na terra? OVNIs, OSNIs, PIRAMIDES, PILARES, CRÂNIOS DE CRISTAL, JAC MOTORS….

      3) Se por ventura, essa supra-raça tenha sido extinta, o que será de nós, réles projeto de ciências?

      4) Qual o objetivos dos governos em esconder isso? Somos humanos, e ninguém ainda abriu a boca para falar! Ou nossos governantes são reptilianos?

      • B.S. Possi disse:

        Respondendo a 1
        Se vc conversar com qualquer criança de qualquer PAIS DESCENTE, com EDUCAÇÃO DECENTE, é outro nivel, nosso pais(com “p” minusculo mesmo) não valoriza a educação, o que é uma pena, portanto, se vc eh brasileiro, tem um desafio a mais, ou seja, procurar as informações por vc mesmo.
         
        Respondendo a 2
         Não vejo nenhum teatro não, só vejo possibilidades, e elas são reais, quais as intenções deles, lá sei eu, nasci na Terra(é pelo menos oq eu imagino, meu pai me garantiu q sim)

        Respondendo a 3
         Quem garante que foram extintos? Mesmo levando em conta a possibilidade da Atlantida, nada garante que eles foram extintos(já que nada garante nem mesmo que existiram)

        Repondendo a 4
        TODOS os imaginaveis, nossos MAGNANIMOS governantes escondem tudo, vinculam informações incorretas, fazem uma gigantesca balburdia, acredito em TODOS, em QUALQUER UM, menos em nossos governantes.

      • B.S. Possi disse:

        Lex, esqueci de comentar sobre mais algumas coisas a que vc se referiu, vamos lá:
         Leio muito mais sobre coisas que eu sinceramente desacredito, pois isso mostra que não sou imbecil, ou seja, não posso dizer que não gosto de espinafre se eu não provei(mamae ensinou, vale pra vida toda)
         Para corroborar com sua crença sobre diplomas:
         Diploma se compra(se tiver papai pra isso), conhecimento não, e INTELIGENGIA é o exercicio NÃO do seu conhecimento, mais do seu dicernimento, claro que baseado em conhecimentos adquiridos.
         Eu acredito que temos 2 explicações pelo menos um pouco mais plausiveis para entender o PORQUE de algumas culturas antigas tirarem agua de pedra, uma seria a possibilidade de uma visita extra-terrestre(o que tem lógica, pois NINGUEM pode afirmar que a vida é uma dádiva exclusiva da Terra), a outra seria uma civilização muito avançada que sabe-se lá porque desapareceu, NADA até agora consegue me dar uma explicação no minimo plausivel para construirem uma piramide em menos de 20 anos usando cunhas, agua, e musculos, é CIENTIFICAMENTE(vou deixar isso bem claro, pra não haver dúvida alguma) IMPOSSIVEL, nem mesmo os egiptólogos mais céticos conseguem esplicar.
         Minha mãe me ensinou que 1+1 = 2, mais ela esqueceu de dizer de 1928 – 1926 = 2 TAMBÉM, ou seja, que temos varios caminhos para se chegar ao mesmo resultado, portanto, Eintein, Sagan e outros TAMBEM não mostraram todas as possibilidades, sendo assim, estão sim passiveis de questionamento.
         A ciencia já explicou o dilúvio, as pragas do egito, e até arrumaram uma possibilidade pra um povo ficar vivo por 40 anos no meio do deserto(que eu não acredito, já que NINGUEM fica perdido por 40 anos, é idiotice demais), agora me explique, PRA QUE DIABOS a ciencia se preocupa com isso, se isso pra ciencia não tem importancia alguma? Se não tem fundamento se não possui credibilidade, pra que se apegar?
         Isso mostra que a propria ciencia recorre também a fé para progredir, afinal explicar as pragas do egito é sim uma evolução cientifica, e desmistificação de um mito, ou até a confirmação do mesmo(em alguns casos)
         O que eu sempre tentei passar nas minhas argumentações, e que possibilidades são POSSIVEIS, e não devem ser simplesmente ignoradas ou ridicularizadas, não antes de se ter certeza absoluta(mais isso não justifica a ridicularização)

      • LEx disse:

        Eu não gosto de espinafre, prefiro picanha… rsssss

        Veja só, pelo que sei, a pirâmide de Quéops demorou cerca de 200 anos para ser terminada, tinha cerca de 20k trabalhadores lá, sem domingo, sem sindicato, sem PT e muito menos CLT, trabalhavam por adoração e não por escravidão. Mesmo se fossem 20 anos, é muito tempo para se amontoar um monte de pedras, mesmo essas pesando 2,5t. Brother, tenho um equipamento aqui que se chama Talha, tu já viu? É uma rosca sem fim com dois conjuntos de redução, pesa cerca de 7 quilos, e com ela consigo deslocar 10 toneladas, é… 10 TONELADAS, é uma peça simples que qualquer criança consegue fazer, basta ter conhecimento de torno e um ponto de ancoragem.

        2 + 2 nem sempre é quatro, pois dependendo do que estamos falando o resultado pode variar, a exemplo a quimica, que a soma pode gerar um numero negativo e vice-versa, esse “fenômeno” também aparece em matemática financeira, onde a multiplicação da vertente difere da divisão: Quer um exemplo idiota? Três amigos vão a um bar, gastam juntos 25R$, cada um dá 10R$, o troco é de 5R$ cada um pega um Real, e dão 2R$ de gorjeta para o garçom, até aí tudo bem, mas faça a “prova real”, se cada um pagou 10R$ e teve 1R$ de troco, isso quer dizer que cada um gastou 9R$, se eram em 3, 3×9=27R$, mais 2R$ que ficou com o garçom soma-se 29R$, cade o 1R$? Essa foi minha primeira prova do curso de economia, foi um desastre, tinhamos que responder sem usar “contas”…. Isso é o que chamamos de Numeros Subjetivos, por isso Economia, Administração e Contabilidade têem 85% de carga horária de matérias exatas mas o curso é de humanas… Loco, né? Por isso o resultado matemático pode ser sempre exato, mas falhamos na interpretação do resultado, o que leva a todo o conjunto de esforço a um vácuo desnecessário…

        Os cientistas querem saber o que Moises foi fazer no deserto para assim poder entender o que quem escreveu queria dizer com isso…

        Resumindo toda essa besteirada que escrevi: Nem tudo que vemos é real perante nossa fé.

    • João santos disse:

      Se os processos de formação das estruturas orgânicas e inorgânicas são comuns em todo o cosmos, provavelmente não somos os primeiros nessa vastidão a atingir o maior nível de consciência. Então é possível termos “irmãos” mais antigos (milhões, bilhões ou trilhões de anos a nossa frente ?). Nesse caso, relativamente a nós seriam verdadeiros anjos de luz, como os descritos na Bíblia, embora esta tenha sido escrita em linguagem figurada, levando em conta as épocas dos diversos livros que a compõe. Interessante é que o texto bìblico não diz que Deus “criou diretamente” os seres, mas deu a “ordem verbal” para que a terra os produzisse. Vejamos um deles: “Produza  a terra” relva, ervas que dêem semente, e árvores frutíferas que, segundo as suas espécies, dêem fruto que tenha em si a sua semente, sobre a terra. E assim foi.”  A expressão bíblica: “O homem foi formado do pó da terra” – equivaleria a: “formado dos elementos da terra”. Embora rudimentar, considero uma certa coerência neles.

      • B.S. Possi disse:

        é exatamente o que penso João, não tem lógica alguma eu crer que não possa existir nada além desse planetinha perdido no meio do nada, e concordo plenamente com a possibilidade de os “anjos” e até mesmo os deuses todos serem sim reais, porém, como não tinhamos ideia do que se tratava, criamos estes mitos.
         Algumas passagens biblicas intrigantes:
        Gen. 1:26
         E disse Deus: FAÇAMOS o homem à NOSSA imagem, conforme a NOSSA semelhança 
         
        (?) quem estaria com Deus?

        Gen 2:12E o ouro dessa terra é bom

        (?)fez o homem ai disse, o ouro esta alí????

        A não para por ai, tem mais, depois eu pego um monte de anomalias, que mesmo tentando traduzir de uma forma mais conveniente não conseguiram mudar as palavras que causa o problema.

      • João Santos disse:

        A Bíblia também diz que ninguém jamais viu a Deus, porque é infinito. Nossa mente não foi feita para entender o infinito, mas como sabemos que é algo inalcançável, temos apenas que aceitá-lo – por indução lógica, ou pela fé.
        Só a matemática consegue dar ideia de muitos infinitos, por exemplo: o infinitamente grande e o infinitamente pequeno.
        O tempo também é invenção humana, pois o universo não está preso à temporalidade.
        Uma outra coisa é a questão da consciência. Foi criada ou sempre existiu?
        A matéria cria consciência ou processos autoconscientes formam os elementos e os manipula nas mais impressionantes formas e matizes? E quem criou os processos autoconscientes?
        As flores, lírios e orquídeas são deslumbrantes por acaso ou para impressionar e atrair? Se são casuais, por que teriamos a visão? E por ai vai…

  279. B.S. Possi disse:

    Lex, a piramide de Queops foi sim construida em 20 anos, nem os egiptólogos mais tradicinalistas discutem isso, então um matemático fez as contas e se chegou a conclusão de que pra ser construida nesse tempo, bom, deveria ser acentada uma pedra a cada 1:30min(vale lembrar também o tamanho das pedras), vamos então levar en conta esse batalhão todo de “escravos”(coloquei as apas, pois existe controvérsia com relação a isso também), teriam que se organizar de uma forma tão absolutamente precisa, que seria humanamente impossivel executar esta tarefa com esse nivel de precisão, com maquinas sim, com força humana, ai não(mesmo sem o pt pra atrapalha, num da!).
     Quanto a matematica, bom, novamente falamos a mesma coisa de pontos de vista diferente, mas o mesmo na essencia.
     Quanto a Moisés, cara, a historia é muito confusa, controversa, sem muito fundamento lógico, e os egipcios nunca documentaram nada a respeito, o que deixa a biblia entre a “cruz e a espada”, muitos relatos biblicos, vc tem fontes externas que corroboram com a história, agora quanto ao exodo, não, o unico registro é o que esta na biblia, ninguem mais documentou nada, nem os egipcios, se eles não o fizeram por vergonha, por não querer retratar uma derrota, não se sabe, se eles não documentaram por esta historia possuir certos segredos(alguns argumentam que Moisés seria egipcio, e herdeiro do trono) também não se sabe, os 40 anos perdidos também não tem lógica alguma, eles sairam de São Paulo, foram pro Rio andando, e demoraram 40 anos pra fazer, em um lugar que não tem NADA(como as matas, montanhas, rios que separam rio de sp), ou seja, que a tendencia seria vc apenas andar pra frente, duvido que eles não conseguisem pelo menos se orientar pelo sol, é sem fundamento algum.
     E porque os egipcios abandonaram as contruções de piramides? porque seria caro? ou porque eles perderam a tecnologia? Todos sabem que os egipcios não transmitiam seus conhecimentos, era praticamente passado apenas de pai pra filho, ou no maximo a um aprendiz, e isso fez com que eles perdessem conhecimento gradativamente, ao contrario das outras grandes civilizações que evoluiam, eles decaiam, eles são digamos assim, exatamente o oposto do BigBang, ou seja, eles eram grandes e se tornaram pequenos, incapazes de reproduzir o que eles mesmos faziam.
     Um exemplo de uma grande construção feita da forma como vc defende é a Muralha da China, esta sim, demorou muito, suas pedras são pequenas, e usaram muita gente no trabalho(até hoje vc pode encontrar restos mortais soterrados na muralha, nas piramides não)

    • LEx disse:

      Quanto ao tempo de construção das pirâmides, andei olhando por aqui e acho que tu tem razão, varia entre 20 e 40 anos, o lance dos 200 anos é por questão dos degraus que ela tem, que se não me engano são 211. Mas se tu for ver, Notre Dame e Kuala Lumpur atingem a mesma meta, logicamente guardando as devidas proporções.

      Os egípicios abandonaram as pirâmides pelo mesmo motivo que não existem mais os Ford Landau/Galaxie, são enormes, caros e pouco funcionais. Quanto a questão do conhecimento, isso não vai longe, minha avó nunca comprou remédio, sempre resolvia a saúde com chás e ervas, não existiam super-bactérias, mas hoje fica muito mais fácil ir na farmácia e comprar o que precisa, conhecimento é assim, tu vai perdendo a medida que a tecnologia avança (calculadoras HP que o diga).

      Os egípios sucumbiram talvez pelo mesmo motivo que os Incas, Gregos, Sumérios e Indianos… Não havia modo de desenvolver ciêntistas e militares ao mesmo tempo, ou eram desenvolvidos ou belicosos. Os egípicios preferiram ergues cidades militares e esqueceram da administração (que era horrível) dos recursos, controlavam tudo mas não sabiam usar.

      • B.S. Possi disse:

        Lex, de uma forma ou de outra não explica a construção em sí, e a evidencia da perca de tecnologia é gritante, e também os egipcios não eram lá grandes guerreiros, eles não conseguiam manter o que já sabiam, eles decaiam o tempo todo, todas as grandes realizações egipcias foram sempre no inicio da civilização e não no fim, o contrario das demais, na minha opinião, a unica civilização que poderia responder a algumas perguntas seriam os Incas e Astecas, mais os espanhois MUITO EVOLUIDOS, fizeram o favor de dizimar tudo, não que eles teriam respostas pra tudo, mais ajudaria.

      • LEx disse:

        Vamos por partes então:

        “Lex, de uma forma ou de outra não explica a construção em sí (…)”
        Megalomaniacos não precisam explicar nada… Ele fazem e pronto.
        Ex. Deputado Edmar, e o Castelo de Pesqueira

        “(…) evidencia da perca de tecnologia é gritante (…)”
        Qual evidência? E qual Tecnologia? A tecnologia para contruir pirâmides
        está aí até hoje, assim como a tecnologia que constiu o Titanic. Já leu algo sobre o Espelho de Arquimedes? Ele não era alien….

        “(…) eles decaiam o tempo todo(…)”
        Decaiam de qual patamar?

        “(…) todas as grandes realizações egipcias foram sempre no inicio da civilização e não no fim (…)”
        É por isso que se chama “fim”, no começo é tudo bonito, assim como Roma, Alemanha Nazista e atual os EUA.

        “(…) todas as grandes realizações egipcias foram sempre no inicio da civilização e não no fim (…)”
        Se eles poderiam responder, por que os egípicos que ainda estão lá, não podem?

        “(…) mais os espanhois MUITO EVOLUIDOS, fizeram o favor de dizimar tudo(…)”
        Porque será que fizeram isso? Não servia para nada ou tinham medo?

        Por isso digo, é tudo muito disperso, vago e sem sentido, como acreditar em algo assim? Prefiro acreditar que a história se repete sempre, seja qual for a era e o povo.

        (PS: Tá osso responder aos posts nesse novo formato!!!!)

  280. Antonio Andrada disse:

    BS. Posssi, estava viajando, vou ver seu e-mail.

  281. Antonio Andrada disse:

    BS. Posssi, estava viajando, vou ver seu e-mail.

  282. Antonio Andrada disse:

    BS. Posssi, estava viajando, vou ver seu e-mail.

  283. Anônimo disse:

    Eu fico ofendido quando o “Ceticismo Aberto” é chamado de “Dogmatismo Aberto”, sou acusado de me passar por outra pessoa — “sock puppet”, o que é bem diferente de simplesmente usar um pseudônimo –, ou de divulgar e propagar a ignorância abismal que demonstraria.

    Não estou fugindo, de fato, desde o início pedi que você simplesmente indicasse as melhores evidências, por suposto que segundo seus próprios critérios, a apoiar a conclusão de que já teríamos sido visitados por civilizações extraterrestres.

    Você fugiu da solicitação.

    Pedi que você escrevesse um ensaio resumindo suas principais críticas e argumentos.

    Você ignorou o pedido.

    Pedi que lesse os artigos de CeticismoAberto para descobrir, e se informar, em contato direto com o que de fato fazemos, sobre a abordagem que promovemos. Pedi que lesse o blog de divulgação de ciência em que também escrevo.

    Penso que estou sendo extremamente paciente e continuo mantendo minha fé na liberdade de expressão. O que você chama de “mínimo” contradiz a censura que alega que o establishment científico promoveria a evidências PaleoSETI. De fato, duvido que você possa listar muitos espaços defendendo o PaleoSETI que sejam tão abertos quanto o que procuro manter aqui.

    A revista UFO no Brasil, por exemplo, mantém espaços severamente controlados de manifestação de opinião. Desconheço listas de discussão que tolerem que o próprio espaço seja chamado de “dogmático”, promotor de ignorância e seu proprietário, e pagador de contas, de ignorante que se passa por outras pessoas.

    Muitos não fazem o “mínimo”. E, Antonio, penso que é por abusos cometidos por pessoas como você que este “mínimo” não é mais praticado. Porque, repito, é preciso paciência para tolerar suas ofensas.

    Do ignorante promotor do Dogmatismo Aberto,

    Kentaro/Nihil

  284. Bspossi disse:

     Andrada, se tiver sobre o diluvio, de preferencia fora do cristianismo, me manda também, eu vi alguns documentários de arqueólogos que até já aprenderam a lidar com o caso, principalmente estudando a geologia do ambiente.

  285. Manoel disse:

    É curioso com algumas pessoas parecem acreditar que o conhecimento humano evoluiu de forma linear ao longo do tempo: as sociedades antigas – em todas as expressões do saber – eram mais atrasadas que as mais recentes pelo fato de serem mais velhas…

    Simplesmente não é bem assim. O egípicios (como outras sociedades da antiguidade) detinham um impressionante conhecimento sobre tecnologia baseada no uso e modelagem de pedra. Sua sociedade – feudal – era solidamente organizada para este tipo de trabalho. Foco – qualquer um que já tenha percebido isso não é um gênio, mas um observador do óbvio – é uma forte ferramenta para o incremento do desempenho.

    Agora, os que acham as piramides/mastabas obras de inacreditável e inapelável e exclusivo talento deveriam se perguntar porque os astronautas não ensinaram também os egípcios a desenhar e pintar em perspectiva…

    • Leila souza disse:

      Manoel,

      Se me permite tenho alguns comentários: Realmente o conhecimento não é linear, mas quando você afirma que ele “evolui” dentro de uma sociedade, você entra em contradição com sua critica sobre a visão de que as sociedades do passado eram mais atrazadas em termos de progresso. O conhecimento se desenvolve e a cultura é sempre dinâmica, podendo ir para qualquer direção ou mesmo não se desenvolver. 
      Por muito tempo, principalmente no séc XIX se aceitou que as sociedades humanas “evoluiam” de uma para outra, pois se interpretava erroneamente a teoria de darwin e se achava que com o tempo toda cultura desenvolvia maior progresso. É claro que o referencial para o progresso era a cultura européia da época. Essa corrente de pensamento é o darwinismo social e que hoje é execrado como um dos maiores erros da antropologia (deu início aos processos nacionalistas e racistas no final do periodo colonial e originou as guerras mundiais modernas)
      No darwinismo social, o processo de acumulação de conhecimento era dirigido pelo “difusionismo cultural”. Hoje essas teorias já cairam por terra, você esta certo em sua critica sobre o progresso, mas cuidado com a questão da evolução, cultura não evolui nestes termos. 
      Você em seu post esta certo ao afirmar que realmente as culturas do passado não podem ser consideradas “atrazadas” só porque são mais antigas. Não generalise muito sobre o Egito pois foram 4 mil anos de história. De qualquer maneira, o Egito antigo não era um sitema “feudal”, cuidado comos termos (use neolítico no início ou faraônico etc…). 

      Quanto as pirâmides e templos megalíticos, são obras incomparáveis que até hoje não temos idéia de como se deu o processo e de onde emergiram o conhecimento para tal (existem muitas hipótesis mas na pratica, nada). Prova disso são as proprias discrepancias que você mesmo mencionou sobre a questão engenharia VS Pintura. Como alguém que constroi monumentos naquela escala, orientados tão bem com os marcadores geograficos e celestes, não possui a “técnica de desenhar” uma planta em tres dimensões? Sua constatação de discrepancia é exatamente uma evidencia de um conhecimento de fora da civilização egípicia. E os proponentes da teoria dos extraterrestres não dizem que eles estavam lá orientndo o processo, afirma na verdade que o conhecimento “específico” foi transmitido a poucos sacerdotes, ele não estava difundido pela cultura como um todo. Se é que foram mesmo construídas na época dos faraós não é mesmo? 

      Mas cuidado com os manuais de divulgação científica (revistas populares) você se engana ao afirmar que os egipcios não tinham arte em perspectiva, isso é erro de livros escolares que se focam num “periodismo histórico” já ultrapassado (da época do darwiismo social) da história da arte, se informe melhor para não cair vítima de sua propria critica. Nos ensinam que a pespectiva só apareceu na idade média-renascimento, não é verdade, é coisa de livro didático defasado, temos pinturas em cavernas em perspectiva.  

      Observar é bom, mas temos que focar mais a fundo, não fique só nos documentários do Discovery ou lendo superinteressante não, estude livros academicos pois tuas informações estão um pouco equivocadas.

      • Manoel disse:

        Prezada Leila,
        Não consegui entender o que você escreveu nas primeiras 4 linhas.

        “O conhecimento se desenvolve e a cultura é sempre dinâmica, podendo ir para qualquer direção ou mesmo não se desenvolver”.
        > Conhecimento, em qualquer formato, inclusive em expressões culturais e religiosas, é dinâmico. Mas não entendi o ponto.

        Sobre darwinismo social, concordo.

        A sociedade egípcia era organizada economica e políticamente a partir dos nomos. Os nomos eram bastante parecidos com os feudos da Europa medieval. Portanto a analogia procede. E não só no Antigo Egito. O termo feudal é um pouco mais amplo (quanto ao uso) que você sugere.

        “Quanto as pirâmides e templos megalíticos, são obras incomparáveis que até hoje não temos idéia de como se deu o processo e de onde emergiram o conhecimento para tal (existem muitas hipótesis mas na pratica, nada). Prova disso são as proprias discrepancias que você mesmo mencionou sobre a questão engenharia VS Pintura. Como alguém que constroi monumentos naquela escala, orientados tão bem com os marcadores geograficos e celestes, não possui a “técnica de desenhar” uma planta em tres dimensões? Sua constatação de discrepancia é exatamente uma evidencia de um conhecimento de fora da civilização egípicia.”
        > Então este conhecimento teria sido seletivo? Resolveu ensinar engenharia de construção megalítica em pedra, mas não siderurgia e metalurgia, apenas para nos limitarmos à indústria (a um aspecto dela)?
        > Há vários registros egípcios traduzidos que descrevem aspectos do cotidiano; do dia-a-dia do povo; dos sacerdotes; dos nobres; dos militares; das obras e do período de construção dessas. Da forma como você escreve, parece que estamos falando de uma sociedade completamente desconhecida. Não é o caso.

        “E os proponentes da teoria dos extraterrestres não dizem que eles estavam lá orientndo o processo, afirma na verdade que o conhecimento “específico” foi transmitido a poucos sacerdotes, ele não estava difundido pela cultura como um todo. Se é que foram mesmo construídas na época dos faraós não é mesmo? Mas cuidado com os manuais de divulgação científica (revistas populares) você se engana ao afirmar que os egipcios não tinham arte em perspectiva, isso é erro de livros escolares que se focam num “periodismo histórico” já ultrapassado (da época do darwiismo social) da história da arte, se informe melhor para não cair vítima de sua propria critica. Nos ensinam que a pespectiva só apareceu na idade média-renascimento, não é verdade, é coisa de livro didático defasado, temos pinturas em cavernas em perspectiva.”
        > Novamente, a seletividade. Curioso que os sacerdotes deixaram INÚMEROS relatos escritos. Nada falam sobre seus tutores do espaço sideral…
        > Sobre construção pré-faraônica, sugiro apresentar evidências…
        > Bom, meu conhecimento de egiptologia se baseia em literatura acadêmica específica. Se você me puder citar pintura em perspectiva no Egito (com fontes), agradeço…

        Bom, eu até que leio Super e vejo os canais Discovery. Mas procuro me aprofundar num assunto lendo literatura especializada. Mas se você acha que Van Daniken é mais qualificado (risos), fazer o quê? 

          

    • João santos disse:

      Manoel, possíveis respostas podem ser encontradas na série de filmes Ancient Aliens. São vários episódios discutidos por cientistas e técnicos (engenheiros, arquitetos, escultores, etc.). Eles não conseguem elucidar como uma sociedade que não dispunha de tecnologia, não conhecia máquinas ou metais duríssimos – necessários para o tipo de trabalho – conseguiu medir, cortar, moldar, transportar, esculpir, polir, erguer etc. com uma tal precisão que mesmo nos dias atuais seria de enorme dificuldade. Por exemplo, na grande pirâmide de Queops há uma série de passagens estreitas, câmaras não violadas – porém vazias, precisos e complexos canais, dificílimos de serem feitos, para os quais não encontraram qualquer explicação convencional.

      Também há um maior detalhamento do caso Roswell e da Batalha de Los Angeles.

      E, claro, os supostos colaboradores aliens, poderiam também terem ensinado um alfabeto menos complexo e, quem sabe, usar preservativos de látex no lugar de tripa de carneiro. Entretanto já cortavam o prepúcio do pênis – circuncisão,  só não havia a “dedada” na próstata e outras coisinhas mais.

      • Manoel disse:

        João,
        Uma coisa é não compreender completamente como os egípcios construiram grandes obras com a tecnologia disponível. Outra é afirmar, sem qualquer evidência direta, que essas construções foram feitas com ajuda de aliens. Aliás, porque a fadinha dos dente ao invés destes?

        O fato de haverem magnificas edificações em pedra oculta por completo o primário de outros aspectos da cultura e representação artística, cultural e ciência? Por que?

  286. João Santos disse:

    Manoel, outra coisa impressionante é que todo acervo cultural da humanidade, de notável qualidade – invenção da escrita, código de leis, manufatura têxtil, cerâmicas. arquitetura, engenharia, matemática, astronomia etc., aparecem por volta de 5 mil anos atrás. Quer dizer, antes disso eram bem rudimentares: habitavam cavernas, andavam nus e caçavam com artefatos de pedra. Subitamente, aparecem construindo pirâmides, navios, compondo peças teatrais, fazendo cálculos geométricos, descobrindo leis físicas, investigando os astros, etc. No mínimo curioso, não?

    • Manoel disse:

      João,

      Sugiro estudar um pouco mais sobre a história da formação das primeiras civilizações e a transição entre o período histórico e o pre-histórico. Vai perceber que não há um salto tão radical.

      Aliás, este um ponto comum entre leitores de Daniken, Velikovsky, Hancock e Sitchin: seu conhecimento sobre história, simbolismo e filologia é limitado ao que esses autores escreveram. Algo lamentável, principalmente no caso de Daniken e Hancock, que tem uma base intelectual muito pobre. O ideal seria PRIMEIRO uma leitura dos clássicos (história, arqueologia, filologia e simbolismo) para DEPOIS “abrir a mente” com os listados. Permitira uma maior e melhor seletividade

      • João Santos disse:

        De fato, não há nada notável antes de 6000 a.c., a não ser que tenhas uma fonte que os estudiosos não saibam.

      • Manoel disse:

        João,
        Acredito que você tenha lido rapidamente o que escrevi: “(…) a transição entre o período histórico e o pre-histórico. Vai perceber que não há um salto tão radical…”.
         
        A questão não é haver algo notável antes para que tenha tido continuidade depois. Na verdade, essa é a hipótese Hancock (pelo menos a original. Parece-me que depois ele mudou de idéia e abraçou a crença alien…). Salvo no subcontinente indiano, as evidencias arqueológicas de um processo gradual de desenvolvimento economico (agricultura intensiva; ceramica, trabalho em pedra e metais não ferrosos), antropológico (escrita pictórica e simbólica -claramente evoluida do simbolismo pictórico do neolítico) e cultural (transição do totemismo para o animismo para o politeísmo) são claras e conhecidas (pelo menos para quem acompanha pesquisa).

        No caso egípcio, em particular, os defensores da crença “alien/atlantida” (sic) parecem desconhecer a evolução das construções em mastabas; depois piramides de degraus (mastaba a mastaba) e depois essas preenchidas entre o período pré-dinástico e a 4a dinastia (séculos de história…). Não há algo como: eram brucutus da pedra lascada num ano e no ano seguinte faziam a basílica de São Pedro…

        Novamente, aqui, há a seletividade: impresiona-se com a evolução da engenharia megalítica, mas ignora-se que os Egípcios desconheciam metalurgia sofisticada, para entrar apenas numa seara… Estranhos esses Aliens que ensinam a construir obras gigantes em pedra mas ignoram o ensino de outras ciências…

         
         

  287. João Santos disse:

    Correção: onde se lê 5mil, leia-se 6 mil.
    Uma nota importante é que a cidade mais antiga que se tem notícia é Jericó, descrita na Bíblia, cujas ruínas apontam um grau elevado de civilização. Sua idade é calculada em 10 mil anos. Antes da sua descoberta, os céticos achavam que era uma lenda bíblica. Antes dela, a mais antiga era Ur dos sumérios, no atual Iraque.

    • Manoel disse:

      João,

      Os primeiros levantamentos arqueológicos sobre Jericó datam do século XIX. As pesquisas sobre as quase duas dezenas de assentamentos nos últimos 11 mil anos são bem sofisticadas. Há referencias mesmo das edificações do holoceno (ou epipaleolítico, na terminologia não geológica), anteriores a este período. Então realmente não compreendi quando você fala que “(…) os céticos achavam que era uma lenda bíbica.”
       
      Há cidades no Levante e Anatólia que são também mui antigas. Sua referencia a Ur parece-me deslocada.

  288. Fabio disse:

    Na melhor das hipóteses, o autor de “Eram os deuses astronautas?” não passa de uma ignorante com imaginação fértil.

    • Emilzz disse:

      Gosto quando temos a opinião científica de um especialista… nossa te admiro muito pela complexidade dos seus argumentos, impressionante.

      • Manoel disse:

        Emilzz,

        Mas Daniken tem uma base intelectual notoriamente pobre, como pouco o escasso conhecimento sobre história, arqueologia, filologia, simbolismo. Seus livrados são eivados de errado técnicos. E nem falo da maluquice conceitual em si. Estou me referindo a referencias históricas mal concatenadas, como evidente, num exemplo específico (mas não não isolado) da datação e contextualização da arquitetura gupta.

  289. Edu disse:

    Perdi meu tempo lendo essa postagem.. Argumentos fracos, se quer podem ser chamados argumentos.. Todos as questão já foram mais que respondidas em nível histórico, técnico-científico. Quando você entra em uma área, não deve ter a prepotência de pensar que nenhuma das referências nesse tema não discursou sobre. Isso se aplica tanto à religião (mito-lenda) como ciência(senso comum convencionado). Putz.. O autor deveria ter lido Newton e Einstein, não os comentários sobre estes… Talvez assim ele perceberia a merda (desculpem a palavra) que disse… Mesmo ainda sobre as narrações bíblicas: se tivesse lido os autores certos (alguns desses entre 90 d.C  e 400 d.C), já deixaria de escrever uns 4 parágrafos. Mas opinião é opinião. É UM ponto de vista.    

    • Emilzz disse:

      Não gostei do texto também, mas me dou ao direito e discordo de sua conclusão de que todas as questões já foram respondidas “em nível histórico, técnico-científico”, é muita pretensão, já que você é a favor de ler os “originais” e não os “manuais” deveria saber disso. No final concordo com tua conclusão, é realmente apenas a sua opinião.

      • Manoel disse:

        Emilzz,

        Não é uma questão de resposta definitiva, até porque isso não é exatamente viável em ciência (do ponto de vista da filosofia da ciência), mas da distinção entre o que é história com escopo científico e o que é literatura de banca de revista com propósito de fazer uma grana. Infelizmente, esta é muito popular e acessível.

        O problema então aqui é estofo intelectual e pesquisa. Dá trabalho, algo que Daniken e seus pares parecem pouco dispostos a fazer de verdade.

    • Manoel disse:

      Edu,

      Não entendi quando você escreve “(…) Quando você entra em uma área, não deve ter a prepotência de pensar que nenhuma das referências nesse tema não discursou sobre”.

      Sobre os autores “certos” [narrações bíblicas], estamos falando de Irineu, Clemente, Teófilo, Jeronimo e Agostinho, por exemplo? Mas a exegese bíblica no contexto da doutrina (no intuito de doutrina) é completamente distinta da pesquisa acadêmica moderna sobre o tema. Neste aspecto, a pesquisa dos últimos 150 anos É MUITO SUPERIOR a tudo que se escreveu nos primeiros 4 séculos…

  290. Manoel disse:

    João,

    Você poderia levantar uma hipótese mais radical. Que tal: o exodo é apenas uma fábula mitológica e o evento em si nunca ocorreu…

    • João Santos disse:

      A sua hipótese é comentada no vídeo. Como nem você ou eu estávamos lá, só nos resta o fato de que a nação de Israel está estabelecida e moldada nesse contexto cultural milenar. Não sou autoridade no assunto mas os estudiosos encontram mais provas a favor que o contrário, a não ser que você tenha uma contrapartida incontestável que ninguém saiba. Foi o que eu quis dizer no caso de Jericó, pois a Bíblia já a mencionava, mas não havia qualquer evidência física até que as escavações provaram a “fábula mitológica”.

      P.S.: Algumas postagens estão sendo “censuradas”.

      • Manoel disse:

        João,
        ” a nação de Israel está estabelecida e moldada nesse contexto cultural milenar”.
        Isto por si só já poderia render um debate político. A existencia do Estado de Israel se basear parcialmente em alegativa religiosa (ou seja, não laica, que fundamenta o direito internacional). Se os palestinos de origem mulçumana alegassem o mesmo, como ficaríamos?

        Não vi o documentário. Te garanto que a ampla maioria dos egiptólogos de maior respaldo (estamos falando de 20 ou 30 caras entre os vivos e já falecidos) que conheço e li desacreditam no Exodo como episódio histórico. Pelo menos da forma como a história biblíca é proposta (“escravos semitas” numa sociedade não escravocrata já é um começo ruim para o livro do Exodo…).

        A pesquisa arqueológica séria é um campo recente. Estruturada em procedimentos sólidos e metodologia aceita mundo afora, mal tem 60 anos… De forma amadora mal chega a 150 anos. Então a crítica sobre Jericó e ceticismo perde um pouco o sentido.

        Mitos podem ter fundamento histórico. Há evidencias claras, por exemplo, que cidades ao redor do Mar Morto foram destruidas por um evento catastrófico (possivelmente uma erupção vulcanica) no III milenio AC. Se você conversar com um Rabino intelectualizado e não ortodoxo ele vai lhe explicar que o gênio judeu está cristalizado na arte de transformar uma história real (um desastre calamitoso) numa fábula com contexto moral (deus pune os sodomitas com fogo e enxofre, para uns; ou os que recebem mal os visitantes – pecado gravíssimo em várias sociedades nomades do oriente médio ). Mas como dizem os advogados, POSSIBILIDADE não é FATO ou mesmo PROBABILIDADE. Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa.

  291. João Santos disse:

    Pouco provável a alegação de que a grande devastação das cidades de Sodoma e Gomorra, ocorrida na região do Mar Morto, tenha sido causada por atividade vulcânica, pelo fato de não ser um sítio vulcânico. Mas, seja lá o que queiram alegar, a narrativa bíblica é a única a registrá-la (há também uma citação de Flávio Josefo ), portanto um crédito para o que seria “mais uma fábula”. Muito bom que os ‘doutores a tenha “confirmado”, se bem que, nem precisava – eles também não estavam lá. 

    Quando você diz que a sociedade egípcia não era escravocrata, a qual período você se refere? Já que aquela civilização passou por várias turbulências e reformas num curso de aprox. 3500 anos. Se na nossa “sociedade moderna” a escravidão só terminou (se é que terminou) apenas a uns parcos 123 aninhos! Sem contar que na antiguidade era quase regra a escravização de minorias ou povos conquistados. As coisas mudam radicalmente em pouco tempo, por exemplo, a Alemanha não tinha um histórico de genocidio até o advento de Hitler.

    Os palestinos são remanescentes dos muitos povos que habitavam a região da palestina: amonitas, moabitas, amalequitas, filisteus etc. Entretanto, para o judeu, esses não passam de árabes. Acredito que o motivo de não se consolidarem como nação foi o fato de que não tiveram a coesão, a organização cultural e a forja do povo de Israel, que mesmo dispersos pelo mundo mantiveram as tradições bíblicas. Isso corrobora a força das narrativas históricas e proféticas ali contidas, inclusive, o próprio retorno do povo hebreu previsto naquelas escrituras.

    Portanto, o legado bíblico foi o maior contribuinte do Estado de Israel, inclusive pelo fato de ser uma democracia. Diferente dos demais países no seu entorno, eivado de ditaduras ou pseudo-democracias.

    • Manoel disse:

      João
      Não sou especialista em geologia e vulcanismo principalmente, mas a região do Mediterrâneo Oriental é fartamente conhecida pela atividade sísmica. Na verdade, atividade sísmica e vulcanismo não são incomuns em todo crescente fértil (um dos motivos da “fertilidade” da terra local em outros tempos).
       
      Na verdade, o fato da Bíblia ser uma compilação de mitos folclóricos ancestrais (do Levante e da Mesopotâmia) justifica ela ser uma fonte da história (não literal). O fato de não haverem versões em outros textos da época é reflexo de haverem poucos textos ancestrais sobrevividos ou traduzidos que se refiram ao Levante daquela época (III milênio ac.). Outras sociedades que estiveram no Levante posteriormente não produziram (ou não foi encontrado produção delas) material sobre o assunto (que eu conheça). É relevante que Assírios, Hititas, Egípcios, Persas, Gregos e Romanos terem ignorado o assunto (pelo menos nos registros desses que sobrevireram)? Não. História e documentação histórica, como compreendemos, não existia na Antiguidade. O que gregos e principalmente romanos produziram já não era totalmente compreensível como pesquisa histórica. Que dirá seus antecessores na região…
       
      “(…) Muito bom que os ‘doutores a tenha “confirmado”, se bem que, nem precisava – eles também não estavam lá”.
       
      Pelo que estou entendendo você está desacreditando a pesquisa arqueológica por que os pesquisadores “não estiveram lá” (sic). Bom… é uma linha de argumentação exótica. Boa parte da ciência moderna se baseia em dedução e indução a partir de fatos não vistos ou experimentados pessoalmente. Podemos enterrar então toda produção cientifica dos últimos 200 anos – inclusive a que sustenta estarmos conversando via internet? História, inclusiva a pequena parte dela que os “defensores de aliens” advogam como verdade revelada, poderia ser “deletada” de nossa mente também? Não creio.
       
      Não há evidencias de trabalho escravo no (melhor documentado) novo reinado (época suposta do Êxodo) onde se produziu, por exemplo, a primeira greve de trabalhadores de que se tem conhecimento… No médio e antigo reinado, a evidência atual é que ele não existiu ou pelo menos não de forma contínua. A estrutura social egípcia era feudal.
       
      Entretanto, você está parcialmente correto: não há uma documentação completa sobre todos os anos da sociedade egípcia em todas as suas dinastias (aliás, é risível imaginar que algo assim possa existir em qualquer sociedade; mesmo hoje!). Portanto, é possível ter havido janelas escravocratas. Ausência de evidencia não é evidencia de ausência. Mas a possibilidade não torna uma hipótese verdadeira per si. Precisa haver fatos que corroborem.
       
      As distinções entre judeus palestinos (a maioria da população de Israel é de judeus de origem européia); mulçumanos palestinos e cristãos palestinos são mais religiosas e políticas que étnicas….
       
      Não sei se entendi seu ponto de vista de validação do Estado de Israel pela força de sua tradição cultural e pelo fato de serem democráticos. Isso, por si só, no direito internacional, não justifica a situação atual da palestina. Como a própria ONU entende (embora ignore) desde 1947.
       

  292. Tentem outros argumentos

    Estes daí acho que não vai convencer nem mesmo esses céticos imbecis donos deste site, que tipo de pessoa idiota escreve isso heim?

  293. Serg-rosa disse:

    na minha terra chamam-se cepos,ou burros,nao ceticos.2012 vai t no bico

  294. Fabão disse:

    A ufologia não resistiu à Internet: há uma enormidade de sítios pró-ufo na web inativos e os remanescentes passaram a abordar temas que vão da astronomia à astrologia…

  295. Carlos disse:

    Na verdade pode existir muita história que se perdeu, Marte pode ter abrigado vida um dia. Vênus poderia ter sido habitável e ter se posicionado onde hoje fica a terra. O cinturão de asteróides pode ter sido um planeta que explodiu e mudou tudo no sistema solar.

  296. Mario disse:

    Convenhamos é bem mais fácil explicar a existência dos deuses dessa maneira, que ciêntificamente, têm sua lógia; do que explicar os absurdos contidos na bíblia em que a maioria da humanidade acredita cegamente. É confortável achar que não existam conspirações de fato ou teorias, até o momento em que elas não afetem vocês !!!

  297. Tito de Moura Afonso disse:

    Outro ponto que acho muito interessante,é certos fatos que são contraditórios,por ex: se fala muito da bondade divina,más quem já leu o velho testamento e principalmente o livro de Josué,irá verificar que aquele deus,que para mim,nem que tivesse toda a fé do mundo poderia crer que se tratava de Deus,porque era um deus
    que guiava um povo para a guerra,era impiedoso,mau vingativo,cheio de cobiça. O senhor dos exécitos,mandava Josué matar;mulheres,crianças,velhos e até os animais,exterminaram com muitas nações,e as cidades eram saqueadas.Que deus misericordioso era esse? Isso não é escrever certo por linhas tortas;e sim escrever errado por linhas retas,ou melhor,matar e destruir inocentes,se Ele era extraterrestre,foi pior que o alienígena do filme Alien.

  298. A religião tem significações que vão muito além do conhecimento dos religiosos ou dos céticos de plantão. Quem realmente propoem-se a tentar entender um pouco dos mistérios que cercam nossa existência, sabe que constantemente terá que lidar com representações de… de que?
    Isso é uma pesquisa sem fim e o prêmio é a consciência(livre)?
    Postagem 10

  299. marcello Luiz disse:

    Acredito que a religião, seja ela qual for ainda se encontra muito primitiva quando o tema é cosmogeneses, cosmologia e cosmosofia. Que realmente fomos “semeados” no planeta Terra por seres de oitavas maiores isso já esta claro. Ou será que ainda existe alguém que acredita em histórinhas biblicas do tipo “Adão e Eva” ou “Arca de Noé”?. Os tempos mudaram e a propria raça terrena evoluiu nos seus patamares aderindo sim a um conceito nebecista, onde as antigas crenças e mitos ja não nos satisfazem. Queremos provas e realismo. Na verdade isso é o que importa. Crer em uma energia superior que arquitetou e ainda comanda grande parte do Universo é obvio que cremos, mas se limitar a teorias teologicas sem argumentos só nos jogara em um vale de centenas de indagações. Portanto, devemos viver a vida como nos sentimos melhor. Pecado, castigo e ameaças religiosas, já não pertencem mais a este novo milenio. A realidade esta em nossa frente e novas revelações a ciencia todos os dias nos coloca a par, por exemplo: Hoje criamos bebes como desejamos em uma FIV. Enfim, o planeta precisa crescer, mas junto com ele, nos também precisamos… Talvez o caminho da liberdade embasada no respeito, amor e sabedoria seja bem melhor do que os antigos dogmas religiosos que até hoje, pouco contribuiu no crescimento da humanidade.

  300. hellsing disse:

    a varios milhares de anos quando nossos ancestrais eram primitivos, alguns extra terrestres pousaram em nosso planeta e devido a interpretaçao errada da tecnologia deles nossos antepassados pensaram que esses extra terrestres deveriam ser simplesmente DEUSES….

  301. Misael disse:

    vc poderia fazer uma matéria explicando as teorias de Erich Von Daniken sobre o assunto que é o autor de “Eram os Deuses Astronautas?”. E sobre a teoria do Dr Robert KG Temple, sobre os Dogons que tinham conhecimento de sirius a +/- 5000 anos, e que os astrônomos começaram a descobrir e confirmar as “lendas” delas a partir dos anos de 1970. faz uma matéria sobre esses 2 assuntos que é interessante.

  302. Clever braga disse:

    bom.. vi alguns comentários neste blog e pelo que percebi existem os mais variados tipos de intelectuais desperdiçados do planeta. Fiquei admirado com o número de pessoas que acusam daniken ou sitchin de serem charlatões ou terem inventado histórias para ganhar dinheiro ou coisas do gênero. Gostaria que os arqueólogos, filósofos, físicos e blá blá blá de plantão me explicassem o pq de suas observações negativas a respeito do livro de daniken, pois só assim poderei concordar com vcs! Pq os caras perderiam seu tempo inventando teses tão bem difundidas ou elaboradas, com anos de pesquisas.. estas que não tem apoio algum de governos ou da própria ciência que não apresenta explicações mais plausíveis para o fato que nem tudo pode ter sido criado pelos seres humanos em suas respectivas épocas!? Observem os fatos, tenham um pouco de entusiasmo e mente aberta! Sou católico… acredito na bíblia, mas sei que não somos únicos no mundo e nem sabemos metade do que está por trás de nossa história… não é uma crítica, mas por favor me expliquem os erros nas teorias de daniken e sitchin por favor, só quero entende-las. Agradeço alguém que possa me explicar este livro melhor pois compartilhar conhecimento é a melhor forma de evolução!
    Abraços!

  303. Edson disse:

    Os ceticos so acreditam em algo atraves de evidencias.
    E como ninguem consegue provar ou explicar algo que realmente existe, como as construções megaliticas e etc… , alguns como uma maneira desesperada por resposta, acabam por tornar uma teoria em evidencia.
    Acho que as pessoas não sabem como definir bem o que é uma teoria ou uma evidencia. Isso causa muita confusão, e muitas pessoas acreditam em algo atraves de uma teoria, ou seja, ela é convencida pela teoria.
    Muita discussão poderia ser suprimida se houvesse esse discernimento.
    Muita gente inteligente que comenta aqui, não se mostra tão inteligente assim, pois quer dissecar o assunto como se estivesse numa Universidade.

  304. felipefdl disse:

    Aew galera, gosto do site porém, o livro referido nesse texto o titulo é uma pergunta, ERAM OS DEUSES ASTRONAUTAS?, ele nao se diz dono da verdade ele mostra fatos e faz perguntas, perguntas que crentes da biblia nao fazem certo? E para um cético o livro é interessante sim, existe muitas obras no planeta que requerem explicaçoes, e nao me venha dizer que essas mega construçoes foram feitas pelos povos da epoca por favor.Ser cético nao significa ser burro valeu.

    • Aleksander.L Investigador disse:

      Valeu é verdade , o ceticismo já caiu a muito tempo não existe mais espaços para achismos, a verdade é nua e crua, fomos e estamos sendo visitados por entidades extraterrestres, doa a quem doer, goste ou não goste, pouco importa. O que importa é sair da ignorância alheia e abri os olhos para realidade.
      Realidade essa muitas vezes destorcida pela turma dos céticos, que anda com viseira de jumento, só vê aquilo que tá na frente e não percebe ao redor do seu próprio nariz.

      Lamentável, vocês darem tanto atenção a isso tipo de coisa, vocês tem que ter opinião formada baseada em estudos e investigações, não ir acreditando só porque o site aqui esta falando, o próprio nome diz CETICISMO, então ele vai fazer de tudo para “tentar ” derrubar, por mais falhos que seja os argumentos , a inteção é não deixar transparecer o insólito, pois além de não ser da olssada do mesmo, fere de forma indelével a possibilidade de uma pessoa expandir a mente para as coisas reais.

  305. sallasb disse:

    Apenas uma pergunta! E se for verdade?

  306. Teimoso disse:

    Eu era pré-adolescente quando li Erich Von Daniken pela primeira vez. Admito que até fiquei impressionado, mas já sentia cheiro de alta trambicagem, pois se era tão “óbvio” quanto ele escrevia, porquê ninguém mais chegou na mesma conclusão?

    E outra: A timidez e descrição desses seres extraterrestres era mesmo incrível, não? Impulsionaram uma raça, moldaram civilizações, ergueram pirâmides, abduzem vacas, pessoas, implantam chips e mantém relações com os governantes e… CONTINUA EM SEGREDO ???!!!

    Meu Deus! Se Nixon nem conseguiu abafar o escândalo de Watergate , imaginem se teria condição de manter Roswell em sigilo???!!!

    Francamente: Falta bom senso à humanidade que, às vezes, acaba se superestimando !!!

  307. Teimoso disse:

    ooops…. onde escrevi “descrição”, leiam DISCRIÇÃO…
    TKS

  308. Arilson disse:

    Quanto absurdo, poderia dizer:
    1° Que acredito em vida fora da Terra mas eles nunca estiveram aqui?
    2° O universo não pode ter um criador independente da Bíblia?
    3° Porque Vida depois da morte, alma, certo e errado, milagres tem que se anularem não podem coexistir com vida extraterrestre?
    Estudo esse assunto e já pensei de diversas maneiras, nunca vi falarem tantas coisas vazias e carentes de conhecimento mais parece um inquisição irônica “precisa dizer mais alguma coisa?” Pelo amor de Deus precisa sim!

  309. Juliano disse:

    Existem tantas verdade, assim como tantas mentiras neste mundo … Nâo sabemos nem mesmo se é verdade que Jesus Cristo existiu, ninguém estava lá para saber, muito menos eu !! Mas as pessoas acreditam nele …. Cada um é capaz e tem o direito de acreditar no que quiser, mas penso que ninguém tem o direito de obrigar as pessoas a fazerem o que não querem … Penso que cada um tem as suas verdades e isso ninguém pode negar … Ninguém está certo ou errado nesta vida … Os únicos que podem provar que está certo ou errado é a justiça e Deus … Então fica fácil medir a ignorância de alguns que não aceitam e não respeitam o que algumas pessoas escolhem acreditar em suas vidas !!! Livre arbítrio …

  310. Rubim disse:

    Pessoal, o que são para voçês cientistas sérios?
    Aqueles que trabalham para os governos?
    Aqueles que trabalham para grandes empresas?
    Ou Aqueles que são independentes e que trabalham por curiosidade em saber como o unverso funciona e quem nele participa?

    Na ciencia verdadeira e não manipulada existem :
    -Hipoteses
    -Teorias
    -Leis

    Hipoteses = É algo possivel mas sem qualquer evidencia nem prova cientifica

    Teoria= É algo possivel, com certas evidencias ,mas sem qualquer prova cientifica

    Lei-= É algo concreto, com evidencias e com provas cientificas.
    Uma prova cientifica é algo que pode ser testado por pessoas diferentes, ser repetido, obtendo-se sempre o mesmo resultado sem deixar duvidas.

    Vou deixar alguns exemplos para voçês pesquisarem

    Gravidade= Lei
    Relatividade= Teoria
    Teoria da evolução das especies= Teoria
    Teoria da evolução humana= hipotese
    Aquecimento Global= Hipotese

    Buraco de ozono e efeito de estufa nem sequer hipoteses são.
    É algo afirmado por aqueles cientistas manipuladores ( Lucro) mas sem qualquer evidencia nem prova cientifica.
    È uma Fisica impossivel.

    Tenham cuidado!
    Os Falsos profetas da actualidade são os mesmos do passado.
    Quem está no Poder manipula tudo para continuar a ditar as regras.
    Governos e Religião são os falsos profetas da actualidade.
    Eles sabem a verdade mas não são os unicos.
    Quem também a sabe é ridicularizado e não tem trabalho nestas duas instituições Totalitarias.

    Cumprimentos e aviso de ALERTA

  311. Rubim disse:

    Não devemos deixar de lado a teoria do antigo astonauta porque existem muitas evdencias e muitas testemunhas.
    Por todo o mundo existem pessoas de diferentes classes sociais e profissionais afirmando que já viram ovnis e até discos voadores nos céus de seus paises.
    Será que são todos mentirosos? Acho que não.
    Qual o interesse dessas pessoas em afirmar tal coisa sabendo que vão ser ridicularizadas?
    Quem está no poder diz que essas pessoas só querem fama e tirar proveito da situação mas todos sabemos que isso é mentira pois essas pessoas na verdade ficam com a carreira profissional arruinada e socialmente ridicularizadas.

    Em todos os continentes no planeta existem povos que afirmam que as suas origens são de outro planeta. Repito, EM TODOS OS CONTINENTES DO PLANETA.
    Será que estão todos a mentir? Acho que não

    Com tantas evidencias e testemunhas acho que este assunto deveria ser mais investigado e encarado de outra maneira.

  312. Rubim disse:

    Pessoal. Qual é o vosso problema?

    Qual a vossa necessidade de defenderem a pés juntos que não existe vida inteligente noutros mundos?
    Que falta de humildade!!
    Penso que é arrogancia pensarmos que numa infinidade de tempo e espaço ( Universo) apenas o planeta terra abrigue vida inteligente, quando há uma infinidade de planetas com as mesmas condições atmosfericas .

    Pela logica, até ser provado o contrario, a coisa mais natural é que o universo esteja cheio de diferentes formas de vida.

    Qual o vosso problema em aceitar isso como logico?

  313. João disse:

    Sem dúvida não é a terra o único planeta habitado, a provo é todas as estruturas mundo a fora não explicadas, e, seria muita pretensão acharmos que estamos sozinhos no espaço. mais, ainda é difícil agreditar que na antiguidade qualquer ser que viesse do ceu não seria chamado de D E U S.

  314. Giovana disse:

    É claro que Daniken possui umas das mentes mais incríveis de sua época.
    Primeiramente,respeito as outras opiniões mas,acho que é muito difícil de negar a existência de outros seres no universo.
    O fato de muitas pessoas serem incapazes de acreditar na existência de vida extraterrestre prova a arrogância humana,sem contar a ingenuidade afinal,tenho certeza que nós não conhecemos nem metade do que existe fora e dentro da Terra.
    Será que só nós existimos e somos capazes de ir para a Lua?Porque extraterrestres não poderiam existir?Porque extraterrestre não poderiam ter vindo para a Terra?Porque as antigas civilizações terrestres não poderiam ter tido ajuda de extraterrestres?Porque as histórias das religiões são tão parecidas?Porque construir três imensas pirâmides?Porque desenhar macacos no chão?Como carregar pedras de toneladas sem tecnologia necessária?Como fazer vários rostos esculpidos em pedra muito altos em um lugar sem madeira necessária para andaimes?Como sumir sem deixar vestígios?Porque ninguém pode responder à essas perguntas?
    E realmente, ninguém responde.
    Vamos ser honestos,é muita ignorância achar que as linhas de Nazca foram feitas para irrigação ou cultos religiosos.Aquilo não se faz do dia para noite e porque desenhar aranhas e peixes se é só irrigação ou fazer algo menor para cultos? Acho bem evidente que são sinas que são vistos somente de cima (um fato,quando se vai ver as figuras é com aeronaves.
    Erich von Daniken foi capaz de ver o que foi deixado para ser visto.E,teve coragem de afirmar algo que provavelmente,mais cedo ou mais tarde,vai ser comprovado e vai mudar o mundo

  315. Alguem que sabe disse:

    Cara tipo é ridículo este artigo, mas tá certo o site se chama ceticismo aberto, porque foi as pessoas que acreditavam que o que para os outros era impossível e loucura e que fizeram esse mundo. Então tipo pessoas que tossem o nariz para a interferência extraterrestre no nosso passado, zomba das pessoas que acreditam o fazem por pura ignorância e esses ignorantes nessa hora são todos engenheiros espaciais, químicos, biólogos e físicos
    Então tipo vai discutir com quem entende! De boa!

  316. Alguem que sabe disse:

    Fica assim quem não acredita, ou melhor, porque você tem o direito de acreditar no que quiser e mesmo quem não acredita tem que defender o seu direito de não acreditar, digo aqueles que criticam quem acredita, deem uma olhada nesse documentário, acredito que não serão os mesmos.
    http://www.youtube.com/watch?v=TqMbSmuGpxk

  317. Jesa Nideck disse:

    Lembranças de outras vidas ,Espíritos exilados de planetas mais adiantados do que o nosso.
    ver Adão e Eva que pecaram ( não acompanharam a evolução do seu orbe ) e foram retirados do paraíso para comer aqui o pão que o diabo amassou.
    Trouxeram assim conhecimentos adiantados para aquela época, isso acontece até hoje, veja os nossos gênios. É o julgamento final, só os justos herdarão a terra.

  318. paulo disse:

    Quem tem olhos que veja, quem tem ouvidos que ouça!
    Com tantas evidencias e com o ocidente com mente aberta acho um fenomeno haver pessoas que duvidem . Enfim

  319. paulo disse:

    Bom dia.
    O que aconteceu no mundo para que a civilização egipcia fosse esquecida?
    Reparem que a escrita, a esfinge e quase toda a cultura egipcia de um momento para o outro ficou no esquecimento. Como isso foi possivel? O egipto foi uma das maiores sociedades do planeta. É como se daqui a 1000 anos ninguem saber falar ingles, ninguem se lembrar da estatua da liberdade nem conhecerem a historia dos EUA.

    Algo se passou neste planeta para que acontecimentos estrondosos, culturas milenares e conhecimentos antigos fossem esquecidos.

  320. Guilherme disse:

    Mori, o dia que eu possuir 10% da sua paciência, já posso me considerar um cara calmo.

    Pra falar a verdade, inicialmente eu estava me matando de rir enquanto eu lia comentários. Mais tarde, eu realmente notei que a coisa é séria. Somado à ignorância científica, ficou mais deprimente ainda.

    Realmente, é muita falta de humildade duvidar que uma espécie alienígena veio até a Terra para enfiar um tubo no rabo de alguém ou até mesmo ensinar a plantar banana. Deve ser a CIA tentando esconder a verdade, não é?

    Trágico…

    • paulo disse:

      Guilherme deves ser a pessoa mais entendida do post. Enquanto os outos duvidam , refletem e questionam, tu afirmas. Parabens. Fiquei mais sabio só de ler a tua postagem fantastica.

      Na minha humilde opinião tu nem sequer deves conseguir compreender fisica,quimica ou matemática. Faz um favor a ti mesmo e não opines acerca do que não compreendes, muito menos acerca do que não tens conhecimento.

      Rapaz, a vida é uma regra e não uma exepção.
      Olha á tua volta e tenta descobrir onde não há vida.

      Realmente é tragico não haver espaço na cabeça de alguns para o que realente é interessante e desafiador.

      Para os que se afiram ceticos digo o seguinte:

      Matematicamente (Estatistica) è tão provavel existir vida aqui na terra como noutro planeta qualque á mesma distancia do sol que este está. Existe um infinidade desses exoplanetas. Só na nossa galaxia existem mais de 10000 já conhecidos.

      Pesquisa ( se souseres o que isso é.

  321. Sebastião Alves disse:

    Então, se é tudo mentira, e a bíblia é a verdade incontestável, e quem afirma são as igrejas, posso entender disso que Edi Macedo e o papa são emissários de Deus?

  322. Paulo Cezar disse:

    Fico pasmo como ainda tem gente que acredita que nós terráqueos somos o supra-sumo da Criação. Milhares de galáxias…….um Universo infinito…e tudo só criado para o deleite terrestre…..por um Criador com larga simpatia terrestre….putz….Vai ser uma guerra dos diabos quando cada civilização deste imenso Universo tentar impor seus deuses caseiros….A Força Criadora está muito além da nossa compreensão….como dizia o velho sábio: “quem morrer …verá”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *