Destaques fedcomiteanamorphosis.png.jpg

Published on janeiro 30th, 2012 | by Kentaro Mori

195

Anamorfose, Constelações e Extraterrestres

fedcomiteanamorphosis.png ufologia destaques

Trabalho sensacional de fdecomite: a partir de uma série de linhas redondas, cria-se um reflexo composto de linhas na esfera metálica, em um exemplo de anamorfose. Apenas através do reflexo na esfera pode-se ver a imagem deliberadamente construída e de certa forma oculta nas linhas originais.

Um dos primeiros exemplos de arte anamórfica foi criado por ninguém menos que Leonardo Da Vinci:

Mas de certa forma o efeito de perspectiva por trás da anamorfose está em algumas das figuras mais antigas conhecidas pela humanidade, as próprias constelações.

Starlightd1 ufologia destaques

As figuras que traçamos entre as estrelas distantes só são constelações vistas a partir da Terra – e em períodos temporais específicos, dependendo da velocidade com que as estrelas se movimentam. A figura de uma constelação pode ser composta por pontos de luz distantes tridimensionalmente muitos anos-luz, e o divertido jogo acima demonstra o efeito Aprendendo com a Constelação de Homer Simpson.

Mas onde entram os extraterrestres? Talvez você não saiba, mas aqueles extraterrestres cabeçudos, de pele cinza e grandes olhos negros, são originários de Zeta Reticuli, um sistema estelar binário a apenas 39 anos-luz da Terra.

Como sabemos disto? Em um dos mais conhecidos casos de suposto sequestro por alienígenas, em 1961 Betty Hill diz ter visto um mapa estelar exibido pelos alienígenas em um telão holográfico, indicando as principais estrelas e as rotas de viagem usadas pelos cabeçudos. Sob hipnose, Hill reproduziu os pontos e linhas.

Anos depois, uma professora chamada Marjorie Fish leu o relato de Hill em um livro popular e ficou fascinada com o mapa estelar. Apesar de não ser uma astrônoma, a professora mergulhou na literatura e na informação astronômica disponível à época, e montou um modelo das estrelas próximas capazes de abrigar vida, usando linhas e pequenas bolas. A partir dele, e ao longo de anos, Fish tentou descobrir quais seriam as estrelas que Betty Hill teria visto em seu mapa estelar.

BettyHill StarMap ufologia destaques

E foi Fish que identificou que a “combinação exata” que apontava as estrelas principais no mapa alienígena como o sistema de Zeta Reticuli. As estrelas entrariam então para a cultura popular – até Fox Mulder mencionou o fato estabelecido sobre a origem dos aliens cabeçudos.

É uma história fascinante: alienígenas exibem um mapa estelar, e a partir dele uma professora consegue, após muito esforço, identificar a origem de nossos visitantes no Universo. Ufólogos como Stanton Friedman utilizam este elemento como uma peça central a validar o caso de abdução dos Hill. Infelizmente, alguns erros foram cometidos.

Ainda que suponhamos que Betty Hill realmente foi sequestrada por alienígenas e realmente viu um mapa estelar tridimensional, podemos confiar que o esboço que ela rabiscou posteriormente realmente reproduzia de forma acurada o que (talvez) tivesse visto?

hill5 ufologia destaques

A resposta é que nunca nenhum pesquisador OVNI realizou este teste com Betty Hill, que já faleceu. Qualquer um pode apreciar intuitivamente que seria difícil a qualquer pessoa, sob hipnose ou não, reproduzir com exatidão um padrão com mais de uma dezena de pontos e linhas de variados tamanhos.

Mas ainda que suponhamos que Betty Hill realmente foi sequestrada por alienígenas, realmente viu um mapa estelar tridimensional e realmente conseguiu reproduzi-lo com precisão em seu esboço, podemos confiar que o trabalho de Marjorie Fish identifica sem ambiguidade o sistema de Zeta Reticuli como o único sistema estelar que se ajusta ao mapa?

A resposta é negativa. Já à época em que foi divulgado, Carl Sagan e Steven Soter – que colaborariam mais tarde na série Cosmos, onde também comentaram o caso – mostraram que o padrão de pontos no mapa de Hill, com a margem de erro que Fish se permitiu, poderia se ajustar a outros sistemas estelares e que a semelhança visual se devia primariamente às linhas desenhadas ente as estrelas. E as linhas eram em grande parte arbitrárias, como a anamorfose das constelações demonstra.

Desde então, falhas ainda mais fundamentais foram encontradas com a ideia de Zeta Reticuli: o próprio catálogo de Gliese de estrelas próximas utilizado como base por Fish tornou-se ultrapassado. Utilizando simplesmente os dados muito mais precisos e completos gerados pelo satélite Hipparcos no início da década de 1990, o astrônomo Brett Holman demonstrou que, aplicando os critérios de Fish, excluindo sistemas estelares incapazes de suportar vida, seis das quinze estrelas que ela escolheu devem ser removidas, destruindo a “combinação exata” encontrada. Mais de um terço dos pontos não encontra combinação, e a crítica original de Sagan e Soter sobre a arbitrariedade de traçar linhas entre pontos aleatórios contra um vasto catálogo estelar se torna ainda mais forte. O artigo de Holman tem o título de “Adeus, Zeta Reticuli”.

Como comenta Robert Schaeffer, ufólogos como Friedman pouco se abalam com essas informações. Apesar de conceder que o catálogo estelar Hipparcos é com certeza mais acurado que o utilizado por Fish, Friedman não aceita a conclusão inevitável que deriva daí que a identificação de Fish deve estar incorreta. Para Friedman, Zeta Reticuli permanece sendo a “base” ainda que essa base só tenha sido apontada através de dados que ele reconhece não serem corretos.

Talvez o casal Hill tenha sido sequestrado por alienígenas, embora haja uma série de evidências de que seu relato – que é tudo que existe para apoiar essa alegação – contêm elementos de fantasia. Talvez sejamos visitados por alienígenas. Mas é muito pouco provável que, como dizia Mulder, eles sejam de Zeta Reticuli e apreciem comer nossos fígados com cebolas.

Incontáveis abduzidos, canalizadores e ufólogos com supostas fontes secretas ou extraterrestrenas passaram a mencionar Zeta Reticuli após o trabalho de Marjorie Fish, sem saber que ao fazê-lo apenas demonstravam como suas fontes são em verdade os erros e enganos muito terrestres e humanos.

[Confira também: El mapa estelar de Marjorie Fish]

Tags: , ,


About the Author

+



195 Responses to Anamorfose, Constelações e Extraterrestres

  1. Devanil says:

    Quando comecei a ler sabia que me lembrava de algum local essa história. Dai depois veio a referência de Cosmos.

    Parece que os extraterrestres estavam no mesmo patamar de conhecimento que o nosso na época.

    • Mila says:

      OK, depois de Fish virou moda falar em Zeta Reticulli.

      Mas e o alinhamento das pirâmides egípcias com Órion heim? Foi Fish tb que induziu?

      Concordo com a anamorfose mas daí concluir que definitivamente não poderia ser Zeta Reticulli é forçar a barra demais.

  2. KIRA says:

    Muito interessante a matéria
    só faltou citar um pouco sobre Ras Alhague [sempre algum fanático pra dizer que existe vida na constelação de Ophiuchus]

  3. Macc says:

    Pessoal do ceticismo aberto (ou outro) tenho algumas dúvidas, veja se vocês podem ajudar:
    Quando fui ler mais sobre a notícia na net, fui ver se haviam respostas publicadas pelo Stanton Friedman, mas não achei menção alguma nos círculos ufológicos sobre esse caso (dessa controvérsia) os novos dados astronômicos.
    Só achei referencia sobre tal em poucos sites de ceticismo (uma noticia copiada da outra), como por exemplo, o “badufo.blogspot”.
    Depois, estranhamente, não consegui achar um link sequer para baixar o artigo original de “Brett Holman”. O link do “airminded.org” que foi oferecido pelo artigo aqui como referencia à “Brett Holman” é apenas também uma notícia de um blog sem links da fonte.
    Porém neste ele afirma que o artigo foi publicado na Fortean Times de Novembro de 2008, o que seria a nº242, que eu inclusive tenho em mãos. O estranho é que não existe nada neste número com relação ao assunto.
    Os artigos da Fortean de Novembro de 2008 são: The Two-Headed Boy- The Incredible Story of the Tocci Twins – How the Army planned to use Lightning as a Secret Weapon – The Russian Devil Worshippers Turned Cannibals – Do Giants Spiders Lurk Beneath the Streets of Paris? Easter Island. Dead Dad Returns. Humming Towns – Millionaire’s Haunted House.
    Assim, não foi publicado nenhum artigo “Goodbye Zeta Reticuli” (Adeus, Zeta Reticuli) de “Brett Holman”????, pelo menos não na referencia citada???
    Também quando pesquisei Brett Holman, ele aparece às vezes citado como “investigador astronômico”, às vezes como “astrônomo” australiano??? Numa pesquisa mais aprofundada, só consegui referencias científicas de um “Brett Holman” como sendo um “historiador independente”, como ele mesmo se descreve, segue o link: http://au.linkedin.com/pub/brett-holman/8/382/4aa.
    Não é de admirar que os ufólogos não responderam, parece que não existe nada de sólido por trás da notícia.
    Assim, se alguém tiver mais sorte do que eu numa pesquisa poderiam me responder:
    - Onde foi publicado o artigo original? Cadê?
    - Quem é Brett Holman?
    - Essa notícia é verdadeira ou uma invenção de blog?

    • Joel K. says:

      Olha, parabéns! É disso que precisamos, alguem que conteste o que aparece escrito. Não adianta só colocar uma informação, tem que citar a FONTE. Eu penso dessa forma!

    • Mori says:

      Macc, você tem realmente em mãos a edição 242 da FT? O artigo de Brett Holman, “Goodbye, Zeta Reticuli”, é o terceiro listado em grande destaque no índice, e ocupa as pp 50-52. Os artigos que você listou são apenas aqueles listados na capa da revista, disponível online. Você chegou a abrir a revista?

      No link do artigo de Luis Alfonso Gámez que recomendei ao final, onde ele comenta o artigo, também há uma figura extraída do texto publicado de Holman.

      Questionei Holman sobre o assunto — nós já havíamos tido contato anterior com relação ao caso da Batalha de LA — ele leu seu comentário aqui, e o achou muito estranho. Holman também respondeu gentilmente sobre sua formação: ele recebeu seu mestrado em astrofísica em 1997, e depois um PhD em história em 2009. Como ele nota, Brett Holman, o pesquisador astronômico, e Brett Holman, historiador independente, são a mesma pessoa.

      Mais do que isso, se você leu a nota de Robert Schaeffer em “Bad UFOs”, também deve ter notado que segundo Schaeffer, Friedman reconheceu que os dados de Fish estavam ultrapassados e o catálogo Hipparcos é mais acurado. E ainda assim forneceu uma resposta, alegando que isso não alteraria a “base” identificando Zeta Reticuli. O que, como notei no texto, e como ressaltado pelo próprio Schaeffer, não faz sentido. “Você pode assegurar Macc por que Stanton Friedman não irá confrontar as implicações de que [os dados] Hipparcos ainda precisam ser explicados!”, escreveu-me Holman.

      Em resumo, o artigo original foi publicado na referência indicada, Brett Holman é a figura apontada no texto, a notícia é verdadeira e Stanton Friedman reconheceu a obsolescência dos dados Gliese, embora se recuse a confrontar as implicações disso para o mapa estelar de Hill e a interpretação de Fish.

      Agradeço a Brett Holman a gentileza de responder prontamente às questões levantadas.

      • Macc says:

        Mori, valeu pelas informações e esclarecimentos.
        Logo de cara quero declarar que não escrevi na intenção de contestar as informações, mas tive reais dúvidas que queria esclarecer.
        Sim, tenho em mãos uma “versão digital” da revista “baixada em torrent”, não consta o artigo de Brett Holman, “Goodbye, Zeta Reticuli”??? É possível que esta esteja incompleta. Foi por isso que estranhei, e não achei-o disponível para consulta no site da FT.
        Assim, pela importância deste caso, eu agradeceria se você postasse um link para esse artigo, pois gostaria muito de ler, já que tem contato com o autor, ele deve ter algum endereço onde podemos ler o artigo.
        Quanto a formação dele, agradeço os esclarecimentos, e novamente, digo que apenas fiquei confuso quanto a questão, pois na página em que ele fala de sua formação, não está citado nada em astronomia como vcs puderam conferir.
        Concordo plenamente que os novos dados precisariam ser explicados, e como disse não encontrei nenhuma explicação “vinda diretamente” de Friedman, só comentários em blogs “badufo” afirmando como tal.

        De qualquer maneira, para entender a análise de Holman, seus argumentos e metodologia, assim como para desenvolver uma explicação (ou não) eu pediria novamente e encarecidamente que me enviasse um link para o artigo original.

        Valeu.

  4. Fabio says:

    Assistimos à desmitificação sistemática de um punhado de casos ufológicos desde 1947. Não sobrou pedra sobre pedra – ou mentira sobre mentira – como previu Jesus Cristo, milênios atrás. É o fim da picaretagem ufológica.

    • Yuri says:

      Extranho você falar em “fim de picaretágem ufológica e Jesus Cristo”, meio contraditório.

      • Ismael says:

        Também achei contraditório falar em picaretagem ufológica e depois falar em previsões de Jesus Cristo. Ai meu São Jisuis Crispim!

    • Magno says:

      Não coloque tudo sobre OVNIs num mesmo saco.

      1º – Foi desmistificado alguns caso que se comprovou fraude ou engano.

      2º – Em outros casos foram dadas possíveis explicações, não comprovações.

      3º – Muitos casos não têm sequer possíveis explicações. Pesquise sobre A Noite Oficial dos OVNIs e Operação Prato (citando apenas casos nacionais que foram relatados por Autoridades da FAB).

      Quanto a Jesus, bom… Esse possívelmente é um mito (ou uma mentira, como preferir)..

      Abs.

    • Fabiano says:

      Mais estranho é ver alguém falar em “Jesus Cristo” e achar que isso é natural (acreditar em algo que só existe única e exclusivamente devido à existência da Fé, pois sem a Fé ele não existe, pelo menos não como um ser divino) e duvidar da possibilidade de existência de vida fora da Terra (que é algo que esta alem da exigência da Fé, pois os meios para a existência de vida estão por todas as partes sejam eles aqui na Terra ou fora dela), o que de certa forma se torna muita presunção de nos, seres humanos, pensar que só aqui nesse grãozinho de terra no universo é que tem…
      Agora se eles vem aqui ou seqüestram nossos habitantes, isso já é uma outra historia, mas que eles existem isso sim é um fato inegável, somente pessoas de mente pouco expandida conseguem negar tal fato… Não estamos sós nesta imensidão de universo que nos cerca!

  5. B. S. Possi says:

    Bom, a meu ver, o mapa ser ou não preciso, não valida ou invalida nada.
    Se alguem que vem de um lugar muito distante, que nós sequer temos ideia de onde seja apresenta um mapa, é óbvio que este mapa esta baseado no que quem o elaborou conhece, ou seja, é muito mais completo que o que conhecemos, quando se apontar e disser “viemos daqui”, é muito claro que é do ponto de vista DELES, é no minimo ingenuo demais olhar para o céu e tentar achar o mesmo conjunto de estrelas, qualquer um vai notar que o PONTO DE VISTA é diferente, portanto, a representação também é.
    Pra se ter uma noção precisa de onde foi indicado, seria necessário possuir o MESMO MAPA, e acredito que não temos.
    Pra mim, não invalida nada, sequer quer dizer que a testemunha mesmo em hipnose estaria mentido.

    Magno, além do caso da “noite oficial dos OVNIS” tem outro que até foi postado aqui no CA sobre “as luzes de Phoenix”, que foi apresentado como provas as luzes que se referiam a sinalizadores militares, o CA afirmou que as aparições anteriores não foram comprovadas e não teria muitas informações a respeito, porém o próprio governador do estado do Arizona veio a publico e confirmou que de fato um objeto SÓLIDO sobrevoou a cidade, que ele mesmo viu, e que por medo de ser ridicularizado ele negou.

  6. Animal says:

    Acho que uma boa definição prá ovni seria de “azarado”
    Digo isso pois ollha que tremenda falta de sorte, estamos num mundo que tem milhões de câmeras de alta definição, sem falar em telescópios com as tais câmeras acopladas, mas por incrível que pareça todas as possíveis evidências dos mesmos são colhidos com “Xeretas” ou seja maquininhas de 2.1 megapixels e as mãos de quem fotografa ou filma tem uma tremedeira … ah sim isso é outro “azar” ninguém que viu e fotografou um ovni tem tripés. Ah os pilotos de aviões que avistam tal objetos também só são de países que proibem quaisquer comentários sobre OVNIS, não é um azar? Pilotos da Jurubelândia nunca viram tais objetos. É espantoso. Coincidências não? Ah e sempre os fatos aconteceram no passado e só agora vem à tona. Fatos recentes…nunca, mas se forem recentes os equipamentos que gerarem tais provas são do passado. Então OVNIS deveriam se chamar BENIS – Borrõeszinhos do Espaço não identificados. Alguém tem alguma foto, filme, vídeo que prove ao contrário, so se manifestem os que tiverem ou saberem de quem tem e apresente-as, vai ser um furo e tanto!

    • Fabio says:

      É! Parece que os “grandes” casos ufológicos são coisa do passado. Na realidade, a popularização de tecnologias recentes como filmadoras, máquinas fotográficas digitais e celulares que tiram fotos está ajudando a detonar o mito de que os UFOs são naves espaciais, pois não há um único documento fotográfico convincente que nos leve a conclusões neste sentido . Nunca o Homem esteve em melhor condição de detectar e registrar a presença de naves espaciais e seus tripulantes.

      • Macc says:

        Grandes afirmações e pouca realidade amigo.

        A ufologia está mais em voga do que nunca em relação ao numero de casos, evidências, testemunhas renomadas, reconhecimento governamental, histórico, divulgação nas grandes mídias, popularidade etc…

        Só não vê quem não quer
        ou é cego
        ou “pseudo”cético

      • APODman says:

        É interessante ainda notar que os grandes OVNIS dos casos clássicos entre as décadas de 50 a 80 desapareceram, belas naves discóides, charutos voadores, esferas metálicas bem definidas entre outras formas diversas hoje se restringem a pequenos pontos de luz a distância (e normalmente tremidos) .

        Mais interessante ainda é observar que este processo minimalização dos OVNIS progrediu conforme avançou a tecnologia digital e a internet que passou a permitir uma melhor análise das imagens ( fotografias ou vídeos) bem como a rápida comunicação em busca de informações que possam averiguar as alegações dos avistamentos, levantar fontes, testar álibis, contatar testemunhas e outros habitantes das localidades dos avistamentos, buscar documentação histórica, etc.

        Tudo isto criou um contexto tal que permitiu que muitas das pessoas saissem de seu estado de excitação ingênua e deslumbrada sobre o “fenômeno OVNI” tornando-se mais cautelosas, questionadoras, realizando um escrutínio crítico sobre os supostos fatos, agindo de forma mais CÉTICA antes de concluir por algo, querendo SABER e não apenas CRER.

        Esta mudança de atitude é cada vez mais perceptível ao rodarmos pelo mundo da Ufologia exceto, é claro, entre aqueles que abraçaram a Ufolatria, mais por uma necessidade pessoal de preencher vazios existênciais do que pelo desejo de tentar discernir a verdade, e preferem viver nas “mentiras que consolam” que se nutrem do pântano da ignorância voluntária e apoiam-se com fortes raízes no medo e fragilidades humanas.

        E neste processo os OVNIs diminuem cada vez mais seu explendor nos céus e como fantasmas lentamente se esvanecem das sombras conforme a luz do Sol vence a escuridão noturna.

        Mas enquanto o Sol não vence as trevas, o CA permanece firme como uma vela fazendo sua parte na luta contra a escuridão.

        [ ]´s

      • Macc says:

        Bla Bla Bla…”casos de OVNIS diminuiram com a internet”…Bla Bla Bla… “os grandes casos sumiram”….”miniaturizaram os OVNIS” Bla Bla Bla…

        Falar é fácil, de onde vc tirou essas pérolas da enrolação sem nenhuma realidade.

      • Ages says:

        É porque é tudo uma questão de erros de fotografia, quando é de fraude, mas mesmos as fraudes necessitam de limitações no equipamento para funcionar(câmeras antigas não captam fios finos ou detalhes mal-iluminados, câmeras atuais não tem foco ou “noção de distancia”).

        Antigamente era mais fácil de ocorrer grandes manchas e borrões, “queimar o filme” literalmente e outros erros na relevação ou mesmo no negativo. E devido a limitação das partículas de prata, não conseguia captar insetos ou coisas pequenas no horizonte.

        Atualmente devido as câmeras de “20mil megapixels” e seus CCDs microscópicos de 10 centavos é mais comum existir pontos, pixels queimados ou brancos, capturar reflexo de insetos, pequenas linhas verticais ou horizontais escuras ou brancas. As vezes a compressão aumenta o tamanho do defeito do CCD, dando forma a navezinhas minusculas e retangulares no que seria apenas um passaro.

        Enfim, o ET muda de acordo com o equipamento que o capta.

        Além do que, ET é o que o povo pensa que é ET, só será fotografado ou divulgado o que os humanos da época pensam que é “nave ET” ou abdução ET.
        Se até o saci pereré de índio vermelho virou negro com o tempo, e suas “aparições” confirmaram sua metamorfose para a negrice, porque os ETs e o tamanho/forma da suas naves não podem mudar também com o passar do tempo?

        E ao ufólatra fanático, desde sempre coisa mais fácil é editar imagens, mesmo na época dos negativos, vide Trotski.

      • Sergio Moreira says:

        Não se esqueça que qualquer criança hoje em dia é capaz de criar uma animação gráfica digna de grandes produções, de forma que não se pode confiar nas imagens ruim e muito menos nas boas imagens.

    • rodrigo says:

      Concordo plenamente. Quanto mais se avança a tecnologia, mais a ufologia diminui.

      Macc, pode por favor contestar o fato com argumentos ao invés de se comportar como um fanático cego e sem razão?!

      • Macc says:

        É só o que eu faço amigo, leia meus posts iniciais, mas ai a galera começa a falar coisa sem corroboração e argumentação tipo: “Quanto mais a tecnologia aumenta, mais a ufologia diminui”… grande frase, pouca realidade..Prove!!!

        Para esse tipo de comentário sem evidencia, faço o mesmo, repondo de maneira “cega e sem razão”. Acha que merece mais, comece a argumentar.

  7. Pingback: O Corvo » Niilinks

  8. Christian says:

    Me prova Macc, mas não vale montagens em computação gráfica não valeu!!!

    • Macc says:

      Tem as fotos do casal Trent (que já estiveram no Blue Book): disco voador clássico à luz do dia e bem de perto. E não é digital não, é película, na época nem tinha computador!

      Nem sei porque perco meu tempo, é um caso tão conhecido, todo mundo sabe” , e como este tem dezenas (antes do computador) …vai estudar!

      • João Ferrari says:

        Realmente, as fotos do casal trent são de babar!
        Só nao entendo como alguem consegue ver os objetos ‘girando assimetricamente’ naquelas imagens borradas… procurei e não achei uma sequer com qualidade, só as borradas…. e teve um site que até mostrou as ‘janelas da nave’, é mole? E teve sites que falaram de ‘outras imagens do mesmo objeto vistas em outras localidades’ mas tais imagens não aparecem!
        Me recomenda UM site com fotos notidas desse caso?
        Quero acreditar, mas preciso de provas mais plausiveis…

  9. Animal says:

    Isso mesmo, só não vê quem não quer, quem quer acaba vendo, mesmo que não exista…. ah vá… só uma zinha, uma fotozinha, tem milhões de câmeras Hi-definition, então chega de lero-lero … quem conta mentira é mentiroso dizia meu velho avô.

    • Macc says:

      Que Hi-definition o que meu amigo, tem dezenas de fotos em película mesmo, muito antes do aparecimento do digital, vá pesquisar…

      O pior é que eu não vejo uma argumentação tua citando casos ou desmascarando qualquer fenomeno, só comentario “lero lero” (me impressionou, vc e teu avô).

  10. JPA says:

    O mais incrível seria notar que os alienígenas utilizam o ponto de vista do nosso planeta Terra para mapear as constelações em suas naves… Ai ai.

    • Macc says:

      Se eles visitam a Terra, tem que voltar não é mesmo?
      De que ponto de vista vc queria?

      Quanta inteligencia!

      • JPA says:

        Ah, claro, porque com certeza os alienígenas voltam para sua casa a partir de representações visuais de estrelas, mais ou menos como fazíamos há séculos atrás com as caravelas movidas a vento.

      • Macc says:

        É mesmo né, nós tb que já estamos na era da navegação via satélite, pra que mapas???? Avise a Nasa…

        Sem comentários

      • JPA says:

        Macc, percebeu que tá defendendo uma idéia ingênua e infantil e tentou dar uma mudadinha de assunto, né? Acha que é todo mundo bobinho?

        Mapas são necessários. Aliás, eu faço mapas. É parte de minha profissão. Eu sei, muito provavelmente mais do que você, a importância dos mapas.

        Mas é de uma estupidez desumana acreditar que alienígenas precisarão de representações 2D das constelações como vistas aqui da Terra para voltar da Terra. Até meu priminho de 8 anos já lida com mapas mais complexos quando joga os videogames tridimensionais de hoje em dia.

        Eu deixei claro isso, e você me vem com uma resposta de quem não tem resposta: “avisa pra Nasa que mapas não servem pra nada”…

        Esse tipo de argumentação é quase tão infantil quanto à idéia de que aliens utilizam mapinhas estelares das constelações do zodíaco para voltar para a casa.

        Abraços

      • Macc says:

        Pelo menos vc entendeu meu argumento, o que é bom… Foi vc quem insinuou que com a alta tecnologia “alien” não era mais preciso mapas para localização… E assim, ponto meu.

        Eu não desviei do assunto, só comentei que seu post inicial era exagerado “reductio ad absurdum” e argumentei… defendendo – é mais absurdo ainda vindo de alguém que trabalha com mapas.

        Obs: Estude um pouco mais o caso está bem, “o mapa” de Betty Hill, é na verdade um desenho que foi feito de memória (inconsciente) de um suposto “holograma que ela afirma ter visto abordo da “nave alienígena”, e assim, passível de todas as suas incompletudes. Um ufólogo sério sabe bem destas limitações. Em minha opinião é até uma evidencia boa demais para um contexto destes e poderia ser mais pesquisado. É por isso que a critica cética é pertinente claro, mas muito exagerada e tendenciosa quando quer (como vc) tratar o desenho como um “mapa estrelar” e exigir dele que seja acurado como o produto de um artefato de localização alien… fala sério.

        E de qualquer forma: Cadê o artigo citado como referencia alguém viu???

      • JPA says:

        Bom, Macc, agora que você tá mais calmo, deixa eu explicar direito: em nenhum momento eu afirmei que mapas eram desnecessários por causa da alta tecnologia dos aliens. Você inventou isso.

        O que afirmei é que aliens não usariam o ponto de vista da terra para criar mapas.

        Mas como você disse que era um holograma, então esquece. Eu tava pensando em uma imagem 2D de constelações, nas paredes da nave.

        Até

      • JPA says:

        Além disso, afirmei que alienígenas não usariam representações visuais das estrelas pra voltar pra casa. Isso não quer dizer que eles não precisem ou não utilizem mapas. Só quer dizer que a representação visual e constelações é algo impreciso e pouco prático para guiar pessoas por viagens intergalácticas.

        Se essas pessoas Têm capacidade de viajar livremente por enormes espaços pelo universo, precisam de mapas tão fantásticos quanto à viagem que fazem. Nas caravelas usávamos representações visuais das estrelas. Mas isso não funciona se você se move o suficiente para mudar a perspectiva que tem dessas mesmas estrelas.

        Eles podem ter mapas baseados em coisas que nem imaginamos. Vamos supôr que a energia escura realmente exista. Eles podem ter mapeado a concentração desse negócio e utilizar algo que nem conseguimos detectar para se localizar no universo infinito.

        É só utilizar a imaginação… Agora constelações? Se eles usam isso, então tá explicado o acidente em Varginha.

      • Macc says:

        Bom JPA, agora que eu me acalmei e vc raciocinou melhor, concordo com vc em muitas coisas que afirmou e vejo que vc já evoluiu do seu argumento inicial de reductio ad absurdum. É bom ver que uma boa discordância leva a uma reflexão e a uma relativização de certezas. Bom, eu não tenho a menor idéia (ou certeza como vc) da necessidade alienígena de ter “representações visuais” numa perspectiva da terra como referencial (2D ou 3D ouço importa), mas estamos melhorando, pois afinal de contas, negar “todo” o caso pela acuidade astronômica “do mapa” exclui muitas hipóteses que podem ser levantadas, afinal (se hipoteticamente for o caso verdadeiro segundo a perspectiva das testemunhas), quem disse que é um mapa o que Bete Hill viu? Ou que serve para navegação da nave alien? Essas são premissas que podem ser testadas é claro, mas não poderia, por exemplo, ser uma representação holográfica feita pelos aliens para os abduzidos entenderem de onde eles vinham, usando exatamente as conhecimentos que alguém da terra e nesta época entenderia? Como faríamos num pedaço de papel de improviso para mostrar a uma criança onde é “Nova Guiné”, por exemplo. Como eu afirmei o caso precisa ser melhor estudado e não negado a priori por argumentos reducionistas que partem de uma premissa incerta de que é um mapa acurado de uma civilização alien e que usavam este para navegação… e se ele não corresponde a estas expectativas que “nós mesmos inventamos” então pronto: Desvendado o mistério! As testemunhas inventaram tudo! OVNIS não existem! Não te falei no Ceticismo Aberto! Ah, vamos tirar sarro, “aliens fazendo mapas da perspectiva terrestre, ai ai…”! Viram como os cético são inteligentes!
        Por favor…

  11. D. R. says:

    Penso que se os casos mais famosos da ufologia sempre se mostraram ser fraudes ou enganos, imagina então os menos famosos?

    É por essas e outras que, até prova em contrário, fico com a posição oficial da Ciência:

    http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=cientistas-falam-sobre-fazer-quando-ets-chegarem&id=010130120117

    O resto é especulação, fanatismo ou charlatanismo!

    • Macc says:

      Não é verdade que os casos famosos da ufologia se mostraram fraudes, mas continuem repetindo sem demonstrar que u dia essa MENTIRA vira verdade…
      até lá vão engolindo a ufologia científica que não para de crescer e ser reconhecida pelos governos que financiam agendas oficiais sobre OVNIS.

    • Teimoso says:

      Sim.

      Sem esquecer que há também casos em que os tais OVNIS eram projetos ultrassecretos dos governos ( terráqueos…rs)
      Amplexos.

  12. Macc says:

    Ainda estou tentando “ler” o artigo “Goodbye Zeta Reticuli” que dizem que saiu na FT, mas não acho nem citação, sem ele não da para avaliar nada, por enquanto é um limbo de fofocas de blog.

    Alquém tem ele por ai, indique um link…. por favor…

  13. Teimoso says:

    Cada um enxerga aquilo que deseja ver…

    Como no caso da famigerada face humana em Marte.

    Como no caso da face de Jesus numa vidraça embaçada.

    Como no caso de um homem sério na face de um deputado federal…

    E por ai vai…

    Lógico: Há exceções! ( Em Marte, pelo menos! rs)

  14. Fabio Ricardo says:

    Admiro os que estudam o fenômeno UFO. Os ovnis são reais, sem dúvida: luzinhas no céu, faróis de pouso de aeronaves, balões de todo tipo, aeromodelos, fogos de artifício, fraudes deliberadas, raios-bola, fogo-fátuo, fenômenos atmosféricos desconhecidos, erros de interpretação, pássaros e insetos captados por câmeras fotográficas. É um fenômeno inofensivo, inócuo, do tipo “nem fede nem cheira”. Não se pode atribuir uma única baixa humana ao aparecimento de uma espaçonave alienígena tripulada. E quem estuda os ufos de forma séria e equilibrado jamais perde tempo e acaba por descobrir algo sobre os “causos”: Varginha – o último ufocaso “promissor” – mistificação das mais grossas! Caso Ilha da Trindade? Fraude ridícula. UFO da Tijuca? Armação de jornalistas. Caso Tiazinha? Zepelim. Famoso Caso Trent/EUA? Estudos mostraram que as fotos foram batidas com grande diferença de horário entre uma e outra. Sonda do Capão Redondo? Moradores informaram que se tratava de uma pipa iluminada. Roswell? Balão. Caso Hill? Tá aí em cima… E a coisa segue nesse mesmo passo. Assim, o ufólogo sério é sempre um desmistificador!

  15. B. S. Possi says:

    Macc
    Bom, eu ia responder mas vc já o fez.
    Mas vou voltar a citar um caso que considero muito importante pois demonstra até onde chega a manipulação
    O caso das luzes de Phoenix, foi explicado aqui no CA, a explicação foi a de ser apenas sinalizadores que foram lançados de um base militar proxima, o que de fato aconteceu.
    O CA chegou até a citar os avistamentos anteriores, mas disseram que não houve interesse nem mesmo por ufólogos.
    Bom, facil de entender, se eu sou ufólogo, daqueles dos mais bitolados, que uma nuvem de forma estranha vira óvni, e VEJO as luzes dos sinalizadores, é óbvio que oque disserem vai ser considerado reflexo do que aconteceu, até mesmo por influencia psicológica, bom as luzes estavam lá, eram de sinalizadores, as testemunhas confundiram, caso encerrado.
    Realmente estava, até aparecer o governador do estado e afirmar que foi real e que ele mesmo viu, além de telefonemas de policiais ou bombeiros (que não se influenciariam com facilidade)
    Algo de fato passou por lá, não sei se os militares fizeram para encobrir, não se tem provas, mas que é muita coincidência, isso não se tem como negar.
    E também dizer que um GOVERNADOR esta falando besteiras, também é um pouco improvável.
    Hoje, se um disco pousar no quintal da sua casa, vc pegar uma câmera “hi-definition” (como citaram aqui) e tirar uma foto, vão dizer que vc montou, computadores estão ai pra isso, não pra provar que a foto é real, mas que o reflexo do gato que estava no muro da vizinha refletido no farol desligado do quinto carro da esquerda não bate, vale lembrar que existe um mecanismo nas câmeras modernas que COMPENSA luminosidade, NENHUMA FOTO hoje é 100% real, em todas existe a distorção de pixels, ou por tratamento, ou por compensação do próprio equipamento, o jeito é esperar um cair em cima da cabeça, vai saber, e mesmo se cair EU NEGO, não vou me expor ao ridículo (acredito em universos paralelos, em viagens no tempo, em imortalidade, em bib-bang, em darwin, mas em ET não)

    • rodrigo says:

      Desculpe B.S.Possi, mas você está distorcendo um pouco as coisas. Até hoje NUNCA (nunca 2x) mostraram uma foto com qualidade. Se isso acontecese e fosse montagem um especialista em manipulação digital poderia comprovar que a foto saiu realmente de uma máquina e não foi manipulada. Aí ja seria um bom começo para uma investigação (talvez tivessem montado em um estudio de holywood e tirado a foto, mas enfim… ). Dizer que qualquer foto seria alvo de investigação isso é óbvio, porém compensação de exposure, dead pixel ou interferências externas na foto concerteza não anularia a legitimidade dela. O fato é que até hoje, como ja comentaram aos montes no post, só apresentaram fotos borradas, com pontinhos luminosos, manchinhas pretas, riscos etc etc…daí fica difícil acreditar. E é óbvio que a investigação nunca será pra provar que a foto é real, mas sim buscar provas de que ela não é falsa. E pode ter certeza que isso é possível se tirarem uma foto real…

      • B. S. Possi says:

        Discordo
        Argumentos não faltam
        Provas…
        95% de TODOS os avistamentos registrados ou são fraudes ou mau interpretados, MAS…
        sobram 5%
        O caso de Phoenix houve de tudo, até filmagem de sinalizadores, até que um governador vem a publico dizer que ele mesmo viu, duvida da palavra de um GOVERNADOR?
        Fotos são contestadas em tribunais, TESTEMUNHAS não, é assim, vale em todo lugar, menos nos que não interessa.
        Seu ta-ta-ta-ta-taravô dizia que “carruagens aladas” desciam dos ceus, mas vc prefere crer que ele era “chapado”
        Porque não levar o assunto a sério? incomoda? ou é pura prepotencia?

    • soraya says:

      Então você acha que o Universo inteiro foi criado e existe para que só na Terra houvesse vida inteligente..? Acho muito mais complicado acreditar nisso do que acreditar em ets…Eles existem sim..aos milhares da raças! Pela lógica! Pela estatística! Basta saber se nos visitam! Isso é outra conversa e falta ser provado! Mas uma coisa não exclui a outra!

  16. Rodrigo Aguiar says:

    É engraçado observar como algumas pessoas possuem plena certeza de que suas convicções são verdades absolutas, e que suas mentes são irrepreensíveis.

    Até parecem que são conhecedoras de todo os detalhes do universo, mesmo sem conhecer seu próprio sistema solar.

    Esta comunidade deveria se denominar como seguidores do bing-bang, ou radicalistas anti-ovni e outros objetos voadores desconhecidos, acho que vou confeccionar uma camiseta com os dizeres: “só a seleção natural salva”, pois tenho certeza que muitos aqui gostariam de compra-las.

  17. APODman says:

    Macc:
    “Tem as fotos do casal Trent (que já estiveram no Blue Book): disco voador clássico à luz do dia e bem de perto. E não é digital não, é película, na época nem tinha computador!”

    Ah ! Para variar os belos OVNIs antigos. Como eram glamurosos estes tempos !

    De toda forma parece que o caso é sólido apenas quando se resolve ignorar as evidências que apontam o contrário:

    - http://debunker.com/trent.html

    [ ]´s

    • B. S. Possi says:

      Discordo, qualquer caso, seja QUAL FOR é FICTICIO até que se prove o contrario.
      O cara viu um óvni
      Fotografou?
      SIM
      é editada

      Mas ele FALOU com o ET!
      Tem a conversa gravada? em que idioma? foi “telepatia”, porque se foi, nem vou considerar.

      Bom implantaram um “treco” nele
      Vai saber se ele mesmo não a colocou?

      Mas não tem marcas
      Operação plastica

      Mas policiais, bombeiros e mais de 400 testeminhas afirmam terem viso a mesma coisa
      Alucinação coletiva

      mas tem radiação no lugar
      Sim, um meteoro caiu lá a 135 mil e 420 anos, a radiação é maior porém normal, encontrada em outros locais do planeta (locais isolados, ou seja, uma situação bem rara)

      Ou seja, não importam as evidencias, sempre será considerado ficção, até se provar (não sei como) o contrário

      • JPA says:

        Lógico que importam as evidências.

        E as evidências a favor são na maioria das vezes bem mixurucas, vide o exemplo deste artigo, onde uma mulher diz ter visto um mapa estelar que concluem ser de uma constelação que só faz sentido quando vista da Terra pela proximidade ilusória entre as estrelas que o ponto de vista causa.

      • B. S. Possi says:

        evidencias não importam
        seja qual for o caso, sempre será “fake”, “hoax”

        Já disse, se descer um disco voador no quintal de casa, EU NEGO, não irei me expor.
        “Uma foto que seja…”
        Para com isso, ta ficando insustentável
        400 testemunhas (ou mais) em Phoenix dizem a mesma coisa e é considerado “influencia psicológica” ou “alucinação coletiva” (em outros casos)
        Hoje se produz fraudes para descaracterizar o que é real, uma agencia em um documentário solta balões para um fotografo fotografar já sabendo que é balão, apenas para ridicularizar (aconteceu no México)
        “Vamos fraudar, assim o que é real perde crédito e tudo continua na mesma”
        Belo lema! Porque não tratar o assunto de forma coerente? Ah não! prefiro Darwin

    • Macc says:

      Sim APODman, abri o link esperando realmente ver uma análise bem embasada e …boatos em cima de boatos….
      Resumido, segundo os “céticos” a foto é falsa pois (e notem a qualidade dos argumentos):

      1- O tempo não deveria estar nublado pois o boletim metereológico de 1950 afirmou que não estava nublado naquele dia, naquela região, como afirmaram as testemunhas e mostram as fotos – por favor, por causa da previsão do tempo em 1950!! piada né. (se é que é verdade essa informação fornecida por este outro site de céticos)

      2- O ufólogo Bruce Maccabee, um dos milhares de pesquisadores do mundo todo (incluindo os governamentais) que analisaram as fotos já foi pego afirmando que uma fraude era uma foto autentica. Assim sendo a conclusão é ÓBVIA – as fotos dos Trent também são falsas. É matemática elementar como 2+2 =5!

      3- Um tal de Joel Carpenter (quem?esse sim é bom) afirmou que o OVNI foi o reflexo de um “caminhão antigo”…sem comentários.

      4- Não tem mais, é só isso mesmo.

      É APODman se este foi o melhor contra essas foto fico feliz, pelo menos agora vc entende porque o pessoal do BlueBook preferiu não comentar.

  18. Animal says:

    Como os crentes invertem a lógica, para eles nós é que somos anti-ets coisas assim. Somos mesmo, somos contra tudo que tenta se explicar por ficção mágica, somos contra os que querem fazer-nos acreditar em mitos. Repito, por favor uma, uma só imagem em Alta definição seja analógica ou digital, com dispositivos telefotos. Ah não existem fotos assim? Mesmo assim é possível hoje fazer imagens que quiserem, vide os últimos filmes de ficção, parecem verdadeiros… Qualquer dia desse o MACC vai no cinema e vai sair falando que esteve cara com ETS e suas maravilhosas naves.
    Lero-Lero não é prova prá nós.

    • Macc says:

      Oh “Animal”. Eu tento argumentar em cima de evidencias aceitas por um ou mais pesquisadores, já coloquei as fotos dos Trent na discussão, bem diferente de vc que como eu já disse só fica de “lero lero” afirmando coisas e embasando em NADA…

      PS: Não responda com mais ladainha e trolóló não tá, vamos discutir o caso, que é para isso que postaram o artigo…

  19. Dark says:

    As vezes alguns ateus ~sao tão chatos quando o maior dos crestes queima arroz… (logo vão bater na minhão casa na Hora do Almoço e dizer “O snehor já deixou a seleção natural entrar em sua vida?!.
    Piadas a parte, alguns céticos criam teorias (as vezes sem sentido) sobre um fato, e defendem essa teoria como crença…
    Como quando 400 pessoam vem a mesma coisa e dizemque é Alucinação coletiva, ou quando descobriram aquele fenômeno luminoso do Sol nas Nuvens, e o CA tentou provar que foi isso que as pessoas na idade médiam viram (embora o relato deles sejba bem diferente).
    .
    mas em fim… ah e eu acredito na seleção natural!

  20. Dark says:

    Tem as fotos de MIame, que são reais, provavelmente não são fraude e a explicação cética é que é uma experiência militar… talvez seja… mas as fotos até que não eram tão ruins…
    Por algum motivo não achei as fotos desse evento na NET… mas sei lá.
    alguém lembra?

  21. Adriano says:

    Macc, poderia postar o link do torrent da revista. Obrigado.

    • Macc says:

      Vou procurar o torrent no comp de casa, te retorno, veja se alguem tem um link para esse artigo “Goodbye Zeta Reticuli” pois até agora é um artigo fantasma para minhas pesquisas????

      O mori po enquanto não forneceu apesar de afirmar ter contato com o autor. Poderia (como sugestão fazer uma área de compartilhamento desses trabalhos no site…

      • Mori says:

        Macc, basta comprar a revista. Ou solicitar uma cópia ao autor, algo que seria mais prudente antes de acusá-lo de não ser quem dizia ser, ou mesmo de não ter publicado o artigo indicado (sem nem mesmo ter a revista em mãos, apenas uma cópia incompleta). Eu solicitei ao autor, que gentilmente enviou-me uma cópia do artigo. Ele não pode ser reproduzido publicamente sem autorização da publicação.

      • Macc says:

        Então por favos, contacte o autor e peça autorização para Postar o e-mail dele aqui. Afinal sem nem sequer ver o Tal artigo fica difícil não concorda???

        E eu estou exigindo o mínimo que qualquer um exigiria para ser um bom cético, não entendo o seu tom de espanto.

        Ter o artigo em mãos é a primeira etapa, depois ainda temos que saber se e um bom artigo feito em cima de uma boa pesquisa, de pronto, pelo que já discutimos, podemos deizer que não foi publicado em uma revista especializada e que o autor tb não e especialista. Sem o artigo em mãos, fica difícil, não concorda???

      • Mori says:

        Macc, a resposta que eu era obrigado a dar após as graves acusações que você fez — que se mostraram infundadas — já foi oferecida.

        Você pode contatar o autor diretamente, de fato não sei por que não o fez antes de acusá-lo. Em nenhum livro ou veículo de divulgação, mesmo em nenhum periódico indexado revisado por pares você encontrará todas as fontes e referências publicadas acompanhando um paper. É para isso que servem as fontes e referências, para que se possa consultá-las. Isso foi oferecido aqui desde o início.

        Dado o tom e a precipitação com que você julgou o autor bem como a outros pesquisadores céticos, não me sinto motivado a fazer algo além de minha obrigação, apesar de seu pedido, Macc.

      • Macc says:

        Ora, com toda a educação que sempre compartilhei aqui: Vamos parar de disrtorcer as coisas, NÃO acusei ninguem, NÂO disse que ele não escreveu e NÂO afirmei que ele não era quem afirmou, PERGUNTEI se era ele no meu post POIS não consegui achar o artigo original, nem na FT, aliás até hoje não achei. Qualquer u que leia o post entenderá isso.

        Me admira que um editor, que postou a informação aqui, esteja tão desesperado em me acusar disso e daquilo e tão pouco receptivo a ajudar os leitores do site a conseguir acessar as referencias que citou, já que esta de posse delas e que tem contato com o autor.

        Ademais, Cadê (???) o Adeus Zeta Reticuli, ninguém viu… até agora…

  22. Adriano says:

    Macc,
    você poderia postar links para os 3 casos mais recentes com melhor qualidade nas fotos de UFO’s dos últimos 5-6 anos, e que sejam aceitos como verdadeiros pelos ufólogos?
    obrigado.

    • Macc says:

      Adriano, ufologia científica não é coisa de internet, te indicar link não é uma solução séria… então aconselho vc a procurar uma organização civil brasileira como o INFA e falar com o Claudeir Covo que estuda fotos e filmes nacionais e estrangeiros há nais de 20 anos. Lá vc encontrará material de estudo bibliográfico, laboratorial e até alguns originais. Se vc não esta familiarizado com a ufologia, vai se surpreender com a quantidade de material estudado na ultima década, como disse, principalmente liberado por agencias governamentais.

      Quando citei o caso Trent (que vcs preferiram não mais comentar) foi só para demonstrar que existem casos tão sólidos que sobrevivem há mais de 50 anos! Existem muitos outros. Vamos acabar com essas generalizações propositadas de difamar a pesquisa ufológica séria, a única coisa que mudou com a digitalização das gravações foi a “facilidade” de se “explicar tudo” num blog cético afirmando ser tudo montagem digital (sem sair do sofá é claro).

      • Mori says:

        Afirmar que um artigo não foi publicado afirmando “ter” uma revista sem esclarecer que o que se tinha era uma versão pirateada e incompleta está longe de ser exemplo de pesquisa séria, Macc. Que ainda se critique este “blog” e não “sair do sofá” é um tanto hipócrita, para dizer o mínimo.

        O que expomos aqui em Ceticismo Aberto não é difamação alguma. Sua forma de atacar Holman e agora Carpenter é que soa como difamação, mas ao final de toda forma apenas expõe certa superficialidade — você deveria se informar melhor, Carpenter defende outros casos OVNI, e é um pesquisador OVNI respeitado por céticos e crentes. Apenas porque alguém questiona (ou defende) um ou outro caso de estimação, não significa que seja um mentiroso.

      • Macc says:

        É, lá vem os Céticos acusando as pessoas que perguntam demais no seu site de “difamadores”. Por enquanto, suatento que vc postou uma referencia que não se encontra para ler!!!! Cadê, para mim é lenda… Veja bem, se sem sair do sofá é tão fácil falar contra um caso ufológico classico, é mais fácil ainda denunciar um artigo aqui sem fundamentação.

      • Mori says:

        A referência está disponível amplamente. Apenas não está disponível na rede, nem na cópia eletrônica pirateada que você usou, Macc. Dizer que o artigo “é lenda” sem nem ter um exemplar de verdade da revista em mãos para fundamentar tal alegação é ridículo, Macc, espero que algum dia perceba isso.

  23. Mothaflocka says:

    Bom,á exemplo de outro post que eu vi em algum lugar,as pessoas estão querendo as respostas certas fazendo as perguntas erradas.
    Eu acredito em vida inteligente fora da Terra,é quase um fato,o único problema é o tamanho colossal do Universo que nos impede de encontrar de imediato algo que comprove isso.Mas em seres extraterrestres visitando a Terra?
    A verdadeira questão,a se perguntar antes mesmo de nos perguntarmos se eles apareceram ou não por aqui,é: Por que eles viriam pra cá,em primeiro lugar?
    Estamos,literalmente, nos confis do Universo. Existe um mar quase infinito de estrelas á nossa “frente”,em direção ao “centro” do universo (aonde supostamente ocorreu o big bang),então pra quê eles viriam pra cá? Por que visitar uma civilização atrasada como a nossa? Pra quê gastar energia (BASTANTE,pelos cálculos físicos) para viajar até aqui,”sugar” um bando de hillbillys e ir embora? Por que não aparecer pra todo mundo de uma vez e dizer/fazer o que vieram fazer?

  24. Paulo Roberto/Rj says:

    Sei o quanto é díficil produzir uma matéria.
    Porém, hoje é 12 de fevereiro e só tivemos uma única matéria em todo ano.
    Enquanto isso os ufólogos estão produzindo dezenas de matérias, semanalmente , que não estamos conseguindo contestar.
    Daqui a pouco vão dizer que os ceticistas foram extintos, ou que entregaram os pontos.

  25. Rodrigo Aguiar says:

    Senhores céticos, me permitam “trolar” um pouco, mas vejam se minha visão não é interessante:

    - Algumas religiões professavam que Deus “criou” a Terra, mas isto é mentira, olhem só o que está escrito em genisis:

    “E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. Gênesis 1:2″

    A Terra já existia “antes de Deus” chegar na terra, e além do mais, a bíblia até combina com isto:

    “O consenso científico atual é que a abiogénese ocorreu aproximadamente entre 4,4 bilhões de anos, quando vapor de água condensou-se pela primeira vez na Terra,[1] e 2,7 bilhões de anos atrás”

    Ou seja, a vida só apareceu quando o vapor se condensou, ou seja, se transformou em água.

    Mas sei lá né, talvez seja mera coincidência.

  26. MARCELO says:

    As pessoas podem ver o desenho que quiser nas estrelas simplesmente porque há bilhões delas, ou seja, há bilhões de pontinhos para serem ligados da forma mais livre possível. É por isso que não acredito naquelas balelas das aberturas de umas das grandes pirâmides de Gizé está ligada a Orion, Sirius e tampouco nessa bobagem de Betty Hill e sua seguidora.

    Aliens, vou usar o nome que todos usam, se existirem são seres intraterrenos e vivem nas profundidades dos Oceanos e faz parte de uma civilização mais antiga que a nossa, com tecnologia mais refinada.

    Ou quem sabe toda essa onda OVNI seja apenas fruto de uma mudança psicológica de uma sociedade que deixa de aceitar a religião tradicional para começar uma adoração disfarçada de deuses tecnológicos, se é este o caso eu se fosse o governo usaria essa credulidade em ALIENS para escravizar a população e impor as mais diversas políticas. Claro, faria isso por etapas, primeiro fingindo ter conhecimento sobre o assunto e fingindo dificultar o acesso a esse “conhecimento”, quando na verdade criaria comissões, arquivos “secretos” sobre tal assunto para num futuro próximo “revelar” a verdade. Depois de 100 anos de “história” sobre avistamentos, literatura, mídia popular, etc, o público estaria pronto para o primeiro “contato” oficialmente reconhecido e embasado por “especialistas” ( cientistas ), depois de mais uns anos de expectativa mais um contato e assim depois de 1 década um contato maior. Seria muito divertido fazer isso.

  27. MARCELO says:

    Rodrigo Aguiar,

    Leia direito a Bíblia diz que Deus fez tudo – faça-se a luz ( BIG BANG ), ora a Terra era sem forma mesmo, ou seja os continentes não eram o que são hoje, nem eram o “pangeia” é só isso que a Bíblia diz. Não venha com as tolices de deuses astronautas que segundo os seus teóricos criaram o homem, a coca-cola, toda religião, escrita, engenharia, e até a coca-cola.

  28. Rodrigo Aguiar says:

    Marcelo,

    Como o tema central são extraterrestres, e a bíblia data de 1500 A.C., tal livro pode ser usado como referência histórica. Mas talvez você pense como os colonizadores europeus que dizimaram as civilizações antigas como os maia e os astecas, julgando-se superior, queimando seus livros e o conhecimento adquirido por tais civilizações através dos séculos.

    Mas não te culpo, o ser humano médio é como você, olha para os outros sempre com certo desdem e se julga superior aos demais, tais pessoas são apenas o resultado desta sociedade inculta e que não conhece a própria história.

    • D. R. says:

      Rodrigo,

      Se você ainda não leu, aconselho a ler os livros: “Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil” e “Guia Politicamente Incorreto da América Latina” (que também fala sobre tais civilizações).

      Você irá ficar de ‘queixo caído’ de ver quanta mentira nos ensinaram na escola!

      Só um resumo dessa parte (fonte: Blog de Jamildo – Boa Leitura):

      “… O contato entre índios e europeus continua sendo um dos principais assuntos da série. Os dois autores mostram que boa parte dos povos indígenas, tanto nos Andes quanto no México, comemorou a chegada dos conquistadores espanhóis e a vitória deles sobre os imperadores nativos.

      Nos Andes, os incas impunham um império que levava povos andinos a fazer migrações forçadas e a aceitar símbolos religiosos estrangeiros.

      No México, os astecas criaram um estado de horror ao atacar povos vizinhos para conseguir vítimas de seus rituais de sacrifício. “É difícil encontrar, entre todos os continentes, entre todas as épocas, uma civilização mais obcecada por cerimônias de morte que os astecas”, afirmam Leandro Narloch e Duda Teixeira. … ”

      Sobre a escravidão, o “engraçado” é que na África havia escravidão também, inclusive de escravos brancos.

      Sobre Che Guevara então…

      Aconselho a todos lerem esses livros para “saírem um pouco do Matrix”!

  29. Não é porque se trata de um objeto não identificado, que seja caso de extraterrestres. Pode ser qualquer coisa. Acho interessante! Em meu blog (http://www.fotografoaos26.com.br/blog) tiro fotos da natureza, mas nunca parei para pensar em OVNIs… quem sabe um dia.

    Abs!!

  30. Marcelo says:

    Rodrigo Aguiar,

    Pare de chorar os europeus fizeram exatamente aquilo que os índios fariam com aqueles europeus se dispusessem de meios para tal coisa. Além de tudo a maioria morreu mesmo de doenças para as quais não tinham defesas.

    E como eu disse você é mais um CRENTE de “deuses astronautas”. Deuses que segundo os seguidores da sua seita construiram tudo que existe no mundo Antigo, Baalbeck, as Grandes Pirâmides, as Igrejas esculpidas nas rochas na Etiópia, todas as pirâmides das américas, tudo para os crentes nessas tolices é obra de aliens, restando aos seres humanos colocar uma pedrinha aqui e outra ali, claro com supervisão de aliens. Como eu disse para os da sua seita até a coca-cola foi criada por aliens.

    • Magno says:

      Marcelo,

      Primeiro procure conhecer a hipótese AA para depois fazer suas colocações.

      Não se trata de afirmar que foram ETs que construiram ou ajudaram os terrestres a construir os megalíticos. A questão é que não se consegue explicar de maneira plausível a construção dessas obras com o conhecimento que (segundo a nossa arqueologia tradicional) os antigos tinham.

      Há outras linhas de raciocínio paralelas a essa. Mas a questão é que a mais plausível (a que melhor explica) é a hipótesse AA.

      Ao invés de voce criticar essa hipótese, apenas por criticar, sugiro que levante uma hipótese que explique a construção dessas obras de maneira mais plausível que a hipótese AA. Aí entaõ descartaremos ela e seguiremos a sua.

      Abs.

      • Antonio Andrada says:

        Testando…. Testando… ainda tô de castigo Mori?

        Falou em PaleoSETI…..ótima resposta Magno…

      • B. S. Possi says:

        “Pare de chorar os europeus fizeram exatamente aquilo que os índios fariam com aqueles europeus se dispusessem de meios para tal coisa. Além de tudo a maioria morreu mesmo de doenças para as quais não tinham defesas.”

        Isso, vamos matar antes que nos matem, mesmo que não queiram
        E também, não foi “a maioria” se sim “grande parte”
        é diferente, doenças dos brancos só enfiaram mais nativos no buraco.
        Falam de holocausto de judeus, mas porque não falam de holocausto dos incas e astecas?
        é correto então sequestrar e matar o líder local em troca unicamente de ouro?
        Nossa, agora entendi a “ciência”

        Se eu matar dois e morrer, pra ciência estou no lucro, matei dois, perdi um, pura matemática, posso até morrer, mas se eu matar mais, ai esta tudo bem

  31. Rodrigo Aguiar says:

    Marcelo,

    Pirâmides na Europa, na África, no Oriente Médio, na América, acho que os antigos possuiam algum tipo de consciência ou inconciência coletiva, vão gostar de pirâmides assim lá na Terra, mas tudo isso é mera coincidência, são tolices.

    Eu acredito em extraterrestres, pois as coisas são muitos simples para mim. Nasceu na terra é terrestre, nasceu fora é extrarrestre.

    Agora se você tem plena certeza mesmo diante da vastidão do universo, que apenas na terra exista nascimento de seres vivos, parabéns …

    Eu prefiro ser cético quanto esta questão !

  32. Bob Coldman says:

    Rapaz… Jura mesmo que o MACC tá debatendo sobre o Casal Trent?
    E quer PROVAS de que os “grandes casos sumiram”?

    Em primeiro lugar, as fotos do casal Trent são HORRÍVEIS. Borrões. Nada mais.
    Agora “PROVAS” de que os grandes casos sumiram parece piada né?
    A prova é que… eles sumiram! Vc quer um link de casos que… não existem?!

    Agora, como nosso amigo aí em cima falou, é BEM PROVÁVEL que, sim, extra-terrestres existam. Não na Terra. Em algum lugar no espaço. Em algum lugar onde as leis mais sólidas da física não permite a eles nos visitar.

    Isso sem falar de outras contra argumentações mais básicas com relação a alienígenas nos visitando: porque se parece com “humanos”? Que tipo de gravidade, atmosfera, ambiente, alimentação, etc etc etc, existe no planeta deles que fez com que evoluissem exatamente igual a nós, só que mais cabeçudos? Pq alienígenas que querem se manter incógnitos ainda deixam “luzes” serem emitidas por suas naves?

    Eu li em algum artigo (nem sei se foi aqui no CA), que o nosso grande erro (de todos nós, incluindo os céticos), é imaginar aliens com 200 ou 300 anos a mais de tecnologia do que nós. O que é ABSURDAMENTE impossível: se eles existissem, e de fato, estiverem aqui, eles são ERAS mais evoluídos. Então vc tem que aceitar que naves com luzes, comportamento de ‘sequestro’ de humanos e, pq não, a própria IMAGEM deles, é impossível. Eles não teriam naves tão “evidentes” (nós já temos aviões invisiveis à noite. Tenha dó.), não precisariam sequestrar tantos humanos (nos cultivariam da noite pro dia) e JAMAIS se pareceriam com alienigenas. Eles podem ser eu. Vc. Qualquer um. Ou vc acha que eles não conseguiriam se disfarçar de humanos?

    • Rodrigo Aguiar says:

      Bob,

      E quanto a “Pirâmide de Yonaguni”, será que esta informação é verídica:

      “Depois foi a vez de Teruaki Ishii, professor de geologia da Universidade de Tóquio. Ele disse que as estruturas datam no mínimo de 8000 AC quando a terra onde a construção foi realizada teria submergido ao término da última idade de gelo” (fonte: http://abknet.de/yonaguni.htm),

      Ouvi dizer que nestá época (8000AC) os humanos (segundo a arqueologia), ainda eram meios que “homens da caverna”, e não teriam condições de dominar tal tecnoligia de construções “megalíticas”.

      Alguém sabe dizer se isto é verídico?

      • Bob Coldman says:

        Fala Rodrigo!

        Sim, é uma formação MUITO peculiar e única. Tipo, embora essas coisas PODEM ter sido formadas naturalmente (existem muitas formações bizarras com características de artificiais mas que são naturais), muita gente acredita que foi feita pelo homem.

        NINGUÉM arrisca dizer nada com firmeza, mas a informação que vc disse é parcialmente real: as pedras estão ali há 20 milhões de anos, mas, se forem feitas pelo homem, NECESSARIAMENTE, tiveram que ser trabalhadas antes de 8000 AC, devido ao mar, que começou a cobrir aquela área nessa época.

        E sim, nós éramos homens das cavernas, primitivos e dificilmente construiríamos tais coisas. Mas isso é muito relativo, por exemplo: as pirâmides são construções magníficas, feitas há muito tempo atrás, por homens relativamente primitivos. Foram feitas pelo homem não porque tinham muita tecnologia, nem máquinas potentes, mas porque
        a) tinham MUITO tempo de sobra
        b) tinham MUITOS escravos pra fazer o trabalho.

        Levando em conta esses fatores, pode-se concluir que até formigas adestradas poderiam construir pirâmides, se dispusessem de tempo proporcional para tal.

      • B. S. Possi says:

        Bob Coldman

        Sinto, mas as piramides não foram construídas por “escravos” e sim por trabalhadores remunerados (segundo os egiptólogos)
        Outro detalhe, as piramides foram construídas em um período MAXIMO de 40 anos(poe máximo nisso, se atribui normalmente 20 anos na construção), seria necessário mais de 20.000 trabalhadores assentando pedras de mais de 20 ton. a cada 3:40 min (se for em 20 anos mesmo, metade deste tempo).
        Como explicar isto?
        Foi ET? Foi Horus? Foi o “diabo”? Foi Deus?
        Gerenciar mais de 20.000 trabalhadores para colocarem pedras de mais de 20 ton. a cada 3:40 min durante 40 anos seguidos (24h por dia), bom, parece um pouco incomum, ou não?

    • Macc says:

      Bom “Bob”, quando vc fala em fotos dos trent como “borrões” e afirma que os grandes casos caíram… bem 1- vc não viu as fotos, viu? 2- ainda estou esperando que vc apresente alguma prova do que afirma, como eu já disse aqui umas vinte vezes nas “minhas defesas inacreditáveis” falar é fácil… Cadê a corroboração?

      Quanto aos seus pressupostos sobre como “civilizações alienígenas” se parecem, como é sua tecnologia, como fazem as coisas e porque, todas as respostas (teóricas) sobre tais questões são debatidas na ufologia desde os anos de 1950, são tantas as respostas que a controvérsia pouco se resolveu neste período, aconselho assim que vc estude ufologia e não fique só lendo os sites de ceticismo (pois a maioria deles apresenta uma redução do conteúdo ufológico, para parecer piada mesmo). Bem, eu poderia te dar minhas respostas prediletas (pois acho que as mesmas são as mais parcimoniosas com a ciência de vanguarda hoje):

      1- As naves com luzes pressupõe que eles não querem se esconder de ninguém (muito menos de nós) embora não tenham interesse em um contato generalizado. Produzimos naves “de guerra” que “são” indetectáveis, (não de pesquisa ou exploração etc…) se vc acha que estamos em guerra com alienígenas me avise por favor, se der tempo. Obs: Como as naves utilizam seu próprio campo gravitacional, as luzes seriam feixes utilizados para navegação física (teoria bem corroborada), leia “A física dos ufos” do prof. Fran De Aquino, tem na net ao contrário do artigo “Adeus Zeta Reticuli”. Tenha dó vc.
      2- Cultivar humanos não seria tão interessante quanto estudá-los em loco se o foco da pesquisa somos nós, habitantes deste planeta Terra. Mas que bom que vc sabe que a pesquisa alien aqui é só sobre fisiologia, anatomia, genética etc… Até nossas pesquisas com insetos só fazem sentido mais amplo na biologia pela luz da etologia, imagine nós humanos que temos “cultura avançada”. Os motivos para nos estudar in loco são milhões…. Pensamento curto… curto…curto o seu, sem comentários.
      3- Se eles têm uma aparência igual a nossa, ou é porque tem uma ancestralidade comum (nos criaram ou somos descendentes) ou porque a própria biologia é uma tecnologia (o que acaba com a questão da evolução): Veja as obras de Rupert Sheldrake ou Shapiro sobre outras possibilidades… ou é porque eles se “disfarçam” (seja de maneira biológica ou implantando memórias falsas), seja como for é fato na ufologia mundial essa semelhança… Muito instigante isso, não devemos negar só porque temos que questionar nossas mais profundas crenças.

  33. Magno says:

    B.S. Possi,

    Já desisti de debater sobre esses monumentos. Veja só os tipos de argumentos deixados aqui.

    “As pirâmides são construções magníficas, feitas há muito tempo atrás, por homens relativamente primitivos. Foram feitas pelo homem não porque tinham muita tecnologia, nem máquinas potentes, mas porque
    a) tinham MUITO tempo de sobra
    b) tinham MUITOS escravos pra fazer o trabalho.”

    O que acho legal, é a simplicidade nas explicações. Homens relativamente primitivos e sem muita tecnologia, construindo obras megalíticas que não conseguimos reproduzir hoje, mesmo com toda a nossa tecnologia. Nesse ponto começou o meu complexo de inferioridade.

    E pra fechar com chave de ouro, leio isso:

    “Levando em conta esses fatores, pode-se concluir que até formigas adestradas poderiam construir pirâmides, se dispusessem de tempo proporcional para tal.”

    CARAMBA! O meu complexo de inferioridade agora chegou no limite máximo.

    Abs.

    • Bob Coldman says:

      Possi, os últimos estudos concluiram que a maior, a de Queops, foi construida provavelmente durante um período de 20 anos. Cada bloco teria sido colocado, aproximadamente, a cada 5 minutos. (12 blocos por hora). Sim, um número absurdamente impressionante.

      E Magno, os argumentos são simples porque, pra mim, explica;óes simples tem mais lógica do que acreditar que aliens construiram/projetaram/precisavam daquilo/foram reverenciados por tais monumentos.

      • B. S. Possi says:

        é simples então se utilizar de 20.000 “TRABALHADORES” (imagina os gastos do estado nesta situação), empilhando pedras em um tempo absurdo, sendo que teriam que construir plataformas para executar (ou seja, além do tempo para se transportar e assentar as rochas, devemos considerar o tempo para se montar as estruturas necessárias), isso é SIMPLES?
        e ainda mais, pelo que se acredita, seria apenas para “acariciar o ego” de um monarca.
        Faça-me o favor, ninguém constrói nada tão monumental para satisfazer desejos incomuns.
        Pra que serviam as piramides?
        De tumulo?
        Não, nunca encontraram múmia alguma lá dentro.
        E também, temos o vale dos reis, que mostram onde REALMENTE os faraós eram sepultados, em TÚMULOS, e não em PIRAMIDES.
        Sequer a FUNCIONALIDADE atribuída a estes monumentos são verídicas, imagine então o processo de construção.

      • Magno says:

        Bob Coldman.

        Depende do que voce chama de simples.

        Quer dizer que cortar, polir, embarcar e transportar via fluvial, a uma distância de 790 Km aproximadamente, pedras de 80 toneladas, sem ter guindastres e nem embarcações apropriadas para isso, é o que voce chama de simples?

        Na minha cidade, existe cercas quilométricas feitas de pedras à uns 150 anos. Nunca duvidei que tenha sido feitas por mãos humanas, pelo simples motivo das mais pesadas terem em torno de apenas 40 quilos, ou seja, elas (as cercas) poderiam terem levado o tempo que fosse para serem concluidas, mas era humanamente possível, mesmo sem tecnologia, apenas usando o esforço coletivo. Sem falar que as pedras não eram cortadas para encaixarem com precisão (eram apenas quebradas e amontoadas de maneira que apenas não escorregassem) e estavam praticamente ao alcance das mãos.

        Já no caso das Pirâmides (nem vou citar Puma Punku), elas foram construidas na areia do deserto, com blocos de pedras, onde os mais leves pesam em torno de 2,5 toneladas (só na grande pirâmide, foram utilizados em torno de 2.300.000 blocos), cortadas em ângulos precisos para um perfeito encaixe, tiveram que transportar tanto pelo rio, como pela areia, levantá-los (alguns) a até 146 metros de altura.

        Elas não são apenas um amontoados de pedras, mas uma engenharia magnífica, onde foram criados câmaras e corredores, com enormes pedras e com um acabamento impressionante. Engenharia essa, que é impossível ser reproduzida nos dias de hoje. Aí eu pergunto: Isso é simples?

        Abs.

      • B. S. Possi says:

        Magno
        EU NEGO
        isto é simples
        não importa as evidencias, EU NEGO
        fácil né?

      • Magno says:

        Bob, esqueci um pequeno detalhe.

        Voce achou que colocar 12 blocos por hora, era um número absurdamente impressionante.

        Mais absurdo ainda é ver que “empilhando” 12 blocos por hora, eles empilhariam um total de 2.102.400 blocos em 20 anos, SE trabalhassem 24 horas por dia e 365 por ano. Segundo alguns cálculos, a grande pirâmide tem em torno de 2.300.000 blocos.

        Abs

    • B. S. Possi says:

      Magno
      o eu mata é a prepotência do “eu sei tudo”
      se explica tudo, de uma forma que não engana nem aluno de quarta série, um famoso egiptólogo “conceituado” que foi BANIDO do Egito e DESPEDIDO pelo Discovery disse que foram escravos (por encontrar túmulos de trabalhadores próximo as piramides), mostra uma figura de vários trabalhadores puxando uma estatua imensa como prova definitiva de que forma as piramides foram construídas.
      Bom, NUNCA encontraram NADA que mostrasse como fizeram aquilo, apenas se especula, o que se tem são gravuras que mostram deslocamento de grandes estatuas, que obviamente não são piramides.
      Veja um dialogo entre este egiptólogo (amado por céticos) e um de sues assistentes:
      -Esta é uma grande descoberta, mostra que os trabalhadores empenharam grande tempo fazendo estas gravuras
      -Sr. mas não poderia isto tudo ser obra de “outros”, poderia não ser um egipcio a criar estas imagens?
      -Você é um IDIOTA, não entende NADA de Egito, não entende nada do que EU te ensinei!
      Ou seja, apoia-se a ideia sobre seus próprios conceitos, a prepotência é ridícula “o que EU te ensinei”
      Pronto, esta ai a prova definitiva de que o que este cidadão tendencioso diz é no minimo incoerente.
      Um dos motivos de seu afastamento foi o fato de ele não “estudar” e sim “definir”, ele não estava nem ai para as provas apresentadas, ele fala “é isso” e pronto, a palavra dele é maior que qualquer lei física, que qualquer lógica.
      Fico feliz pelo Andrada voltar a discutir e trazer seu ponto de vista aqui, ele ao contrario dos demais mostra provas, e também mostra que a ciência moderna não esta mais tão presa a dogmas tradicionalistas, quem sabe entendam, nem que seja na “base da porrada”

    • mirao says:

      magno, na verdade a comparaçao seria mais parecida com cupins do que com formigas. e vamos combinar que costruir uma usina hidrelétrica è bem mais complicado que uma pirâmide, que custaria 100 bilhoes de dolares. mais na verdade, nos ja fizemos 2 atualmente, uma esta em las vegas e a outra em paris. dizer que nos humanos modernos ou antigos, nâo podemos fazer coisas incriveis, è no minimo uma a ofensa a toda historia humana.

  34. Magno says:

    B.S. Possi.

    Em um debate, via email, com o Nihil, citando os colossais monólitos, os Triliton, em Baalbek, que pesam aproximadamente 1100 toneladas cada, levantamos a hipótese dos blocos terem sidos transportados em trenós de madeiras. Vou lhe mostrar o que eu disse:

    “Alguns estudiosos afirmam que as pedras foram puxadas por longas rampas em trenós, de acordo com uma pintura familiar da tumba de Djehutihotepe onde 204 trabalhadores movem sua estátua de 60 toneladas em um trenó. Mas isto só prova que esta estátua foi movida em um trenó. Não diz de que material era esse trenó, como também não há vestígio dele. Eu não tenho notícias de uma única imagem ou inscrição que descrevam os métodos de construção das grandes pirâmides.
    Utilizando o seu próprio raciocínio: Evidência…zero!

    Veja o nossa dificuldade atual:

    Hoje, com um aço resistente, podemos mover pesados objetos, por exemplo, uma autoclave de 200 toneladas foi movida por 1200 km pelas estradas ocidentais do EUA em uma carreta de 112 rodas e tracionada por dois grandes tratores a diesel. Porém algumas coisas são muito grandes para ser movidas por rodas, e ao invés disso rolos de aço são usados. O farol de 60 m de altura do Cabo Hatteras foi movido por 800 m em 1999. Ele pesa pouco mais de 1000 toneladas. Para mover o farol uma estrada de pedregulho compactado foi construída na qual foram colocados grandes placas de aço. Grades de aço eram então fixadas nas placas da estrada na direção do movimento. Para executar o movimento rolos de aço foram colocado nas grades e eram dirigidos por poderosos bate-estacas hidráulicos. Um total de 400 toneladas de aço foram diretamente usadas sob o farol para apoio. O farol era movido alguns metros e então eram desatarraxadas as placas e grades atrás dele para serem movidas à frente.”

    Aí nós vemos o quão dificil (se não impossível) era a realização dessas obras explicadas pela arqueologia tradicional.

    Abs.

    • Fabio says:

      B S Possi tem a posse da verdade… Só não entendo o propósito de uma civilização avançada vir à Terra para empilhar ou ensinar a empilhar pedrinhas…

      • B. S. Possi says:

        Fabio
        O que nos leva a procurar vida fora da Terra?
        Porque buscamos tanto, e gastamos tanto com pesquisas do tipo?
        Pra que terraformar um planeta?
        Porque buscar isso?
        Quando dominar-mos viagens interplanetárias, e se encontrar-mos homens em cavernas? O que faremos? O que ensinaremos?
        Seremos vistos como “deuses”?
        Se ensinar-mos alguma tecnologia, será que vão aplicar para o fim proposto? Ou será que utilizariam estas tecnologias para os mais variados fins?
        Não se sabe o porque e nem como construíram, só sabemos que elas estão lá, não AFIRMO que foram ETs, apenas levanto a possibilidade, que é tão viável quanto qualquer outra teoria proposta (na realidade, mais bem fundamentada que qualquer outra), o que combato é ridicularizar uma teoria apenas por SEU PRÓPRIOS FUNDAMENTOS não a aceitarem.
        Que foi uma “tecnologia perdida”, disto não resta dúvida, o porque e como, ai não temos AINDA como responder.
        Como também não tem lógica alguma PAGAR a milhares de trabalhadores para construir um monumento que não possui funcionalidade alguma.
        Algumas seitas antigas mencionam as piramides como “templos de iniciação”, quem pode saber?
        penso que pra se chegar a uma conclusão, devemos crer em TODAS as possibilidades, e não desconsiderar por puro preconceito, ou até mesmo, não aceita-la apenas porque foi um “gerente de hotel” que a levantou.

      • Magno says:

        Fábio, em primeiro lugar, leia os nossos comentários antes de expor os seus argumentos, para não termos de ficar repetindo.

        Mas vamos lá:

        E se não fosse esse o propósito? Talvês “ensinar a empilhar pedrinhas” tenha sido conseqüencia e não a meta principal.

        Como disse antes: Acho legal essas explicações simplistas. Pedras de 1.100 toneladas, voce chama de “pedrinhas”.

        Só pra voce se familiarizar com a idéia de peso; um caminhão truck (caminhão com dois eixos trazeiros) carrega um peso máximo de 14 toneladas. Essa turma carregou (segundo as explicações da arqueologia tradicional) um pesso equivalente a oitenta vezes o que um truck suportaria, sem o auxílio de guindastre ou qualquer geringoça que suportasse tal peso. Lembrando que, mesmo hoje, não temos nenhum tipo de máquina que levante ou transporte (via terrestre) tal peso.

        Abs.

  35. João Ferrari says:

    Ainda debatem sobre as piramides?
    Deem uma olhada em
    http://www.theforgottentechnology.com/
    Com madeira e boa vontade, o cara move pesadissimos blocos de pedra. E sobre os blocos que pesam ’1.100 toneladas’ só vejo essa informação em sites que falam de ‘tecnologia perdida’ de ‘ajuda de ets’, mas em sites de estudos sérios, com os cálculos a mão de quem tem olhos para ver e inteligencia para ler, a média de peso é de 2,5 toneladas. Alguns blocos pesando em torno de 4 toneladas. Pequena diferença, não?
    E as pedreiras de onde foram retirados, o mais longe que achei em sites de ‘não crentes em et’ foi de 30 km… perto dos ‘milhares de kms’ também tem uma ‘pequena diferença’.

    Enfim,
    Sempre vai ter quem acredite – e faça beicinho e bata o pé – em tudo…

    • Magno says:

      João ferrari.

      Aconselho a pesquisar mais um pouco.

      Em relação aos blocos de aproximadamente 1.100 toneladas, me referia aos Triliton, em Baalbek. Mas na própria pirâmide, tem blocos de granitos, pesando entre 80 a 100 toneladas, formando os corredores e as câmaras, tirados da pedreira de Aswan, que fica a aproximadamente 790 Km (não chegou aos milhares) na margem oposta do Rio Nilo. Essa informação é dos próprios arqueólogos tradicionais.

      Abs.

  36. João Ferrari says:

    Magno,
    Me parece estranho esse argumento… estão falando das PIRAMIDES, e citando dimensões erradas… agora vc diz que se referia a OUTRA obra? E sobre a ‘impossibilidade’ de mover tais blocos, ao menos visitou o site informado? Viste que não há mistério algum em UM único homem, munido de madeira, mover um bloco de 10 toneladas??
    Sobre pesquisar mais sobre o tal Triliton, server esse estudo:
    http://www.ceticismoaberto.com/fortianismo/2197/o-mistrio-de-baalbek

    Tem fontes verificáveis, não o ‘procure mais’ ou ‘leia mais’.
    E, mais uma vez, as medidas se contradizem…

  37. João Ferrari says:

    Bom,
    Faltou um complemento importante: a distancia da pedreira: vc cita 790 Km, no artigo são 600 m….METROS!??!?
    Estranho… alguém ou está mal informado ou deformando as informações…

  38. APODman says:

    “Em um debate, via email, com o Nihil, citando os colossais monólitos, os Triliton, em Baalbek, que pesam aproximadamente 1100 toneladas cada, levantamos a hipótese dos blocos terem sidos transportados em trenós de madeiras. Vou lhe mostrar o que eu disse:”

    O único detalhe é que este blocos nunca forma transportados, permanecem na pedreira onde os romanos extraíram as rochas que foram usadas em Baalbek. Muito provavelmente desistiram de termina-las ao perceberem que não seria possível seu transporte.

    Em Baalbek blocos de tais dimensões nunca foram utilizados.

    [ ]´s

  39. APODman says:

    “vc cita 790 Km, no artigo são 600 m….METROS!??!?
    Estranho… alguém ou está mal informado ou deformando as informações…”

    De fato tal distância de vários km trata-se uma lenda urbana ( a distância não chega a 1 km) , algo criado para aumentar o mistério da construção favorecendo autores AA.

    [ ]´s

  40. Magno says:

    João Ferrari.

    Nossa! Voce faz uma mistureba danada.

    Estávamos falando de Paleo Contato, as pirâmides eram só mais um exemplo e quanto a distância de 790 Km, veja que me refiro a pedras de 80 toneladas, essas sim são da pirâmide Gize, trazidos de Aswan. Se voce não entendeu os nossos comentários, por favor leia-os novamente, desde esse: “Marcelo
    16 de fevereiro de 2012 às 2:15, aí talvês voce consiga acompanhar o nosso raciocínio.

    Já conhecia o vídeo e a matéria do C.A que voce colocou aqui, mas se voce quer debater sobre eles, vamos lá. Desde já aviso: O comentário vai ficar longo.

    1º – A única coisa que o vídeo demonstra, é que ele foi capaz de colocar uma pedra retangular, que deve ter em torno de apenas 6 toneladas, na posição vertical (isso é estimativa minha)..

    2º – Não sei se voce notou, mas, toda a sua parafernália está montada em uma base sólida (piso de concreto), assim também , como todo o movimento da pedra, foram feitos em cima da mesma base. Coisa que os antigos supostamente não tinham.

    3º- Já parou pra pensar na quantidade de madeira necessária para mover tantas pedras? Não sei se voce também notou, mas eles realizavam esses trabalhos no deserto. Assim também, como o povo de Puma Punku.

    4º- Se esse vídeo fosse colocado aqui para confirmar o paleoSeti, voce não o aceitaria como evidência. Usaria os mesmo argumentos que usei e ainda com o agravante de ser do youtube (ou seja: dois pesos e duas medidas). E eu nem estou levatando a hipótese dos blocos serem falsos.

    Quanto a matéria do C.A, acha mesmo que eu não conhecia?

    É uma boa matéria, apesar de ser tendenciosa. Mesmo que esses blocos possam ter em torno 780 à 980 toneladas (já que as próprias medidas são controvessas), Isso não tira a dificuldade (ou impossibilidade) dos antigos terem movido-os.

    Olhe esse argumento sobre o porque de terem abandonado esse bloco:

    “E quanto à pedra mais pesada, a chamada “Pedra do Sul” (outras fontes lhe dão o nome de “Pedra da Mulher Grávida”), esta sim pesa mais de 1000 toneladas. Mede nada menos que 21,31 metros de comprimento, por 4,08 por 4,72, para um volume de pouco mais de 410 m3. Diversas estimativas lhe atribuem um peso entre 1050 e 1200 toneladas (meu cá
    lculo caseiro dá aproximadamente 1127 toneladas). Embora estejamos ainda estejamos muito longe das “2000 toneladas”, de todas formas resulta impressionante. Salvo por um detalhe, que sempre se menciona de passagem e sem lhe dar maior importância: esta fenomenal pedra não chegou a sair da pedreira, e portanto de nenhum modo se pode fazer um mistério de seu transporte, já que simplesmente não foi transportada a nenhum lugar. Por que os engenheiros romanos deixaram este monstro na pedreira? A este respeito, e à falta de documentos, só se pode especular: quem sabe cometerem um erro de cálculo e se encontraram com a situação de haver talhado um bloco demasiado grande e que logo lhes foi impossível de mover, ou talvez modificaram o projeto da obra, ou… Em todo caso, a mesma pergunta teria que ser feita aos que atribuem o bloco à tecnologia alienígena.”

    É… Talvês os romanos, que já faziam a proeza de ergurem e transpotarem pedras de 780 toneladas, com guindastres de madeiras, cometaram um erro infantil de “pegar na rudia sem poder com o pote”.

    O problema é que voces querem explicar cada ato de uma peça separadamente, enquanto que o pessoal do PaleoSeti, tenta explicar a peça como um todo.

    Para explicar o porque dos Romanos abandonarem esse bloco, essa explicação teria que ser compatível com o abandono de pedras inacabada em todos os locais onde elas se encontram (Ilha de pascoa, Aswan e etc.).

    Já a hipótese AA explica que, por algum motivo os ETs tiveram que abandonar a terra as pressas. (Talvês isso não seja a realidade, mas é uma explicação que abrangeria todas elas).

    Outra coisa é sobre as colunas, elas pesam entre 60 a 100 toneladas (essa informação falta na matéria do C.A) e mesmo já sendo impressionante, o peso delas é bem diferente de de 780 tonadas.

    Só um lembrete: O guindastre mais potente da atualidade, é um utilizado pela NASA para carregar os foguetes para a base de lançamento, que mesmo sendo feito de aço, tem a capacidade máxima de levantar 400 toneladas. Já o maior caminhão de carga é um modelo utilizado nas pedreiras, que apesar de ter 600 toneladas de peso, transporta apenas 360 toneladas.

    Continuaremos…

    Abs.

  41. Magno says:

    APODman.

    O meu ultimo comentário, direcionado ao joã Ferrari, já responde os seus dois ultimos.

    Abs.

  42. APODman says:

    “É… Talvês os romanos, que já faziam a proeza de ergurem e transpotarem pedras de 780 toneladas, com guindastres de madeiras, cometaram um erro infantil de “pegar na rudia sem poder com o pote”.”

    Não blocos de 780 toneladas na construção de Baalbek.

    [ ]´s

  43. João Ferrari says:

    Magno,
    Tem alguma informação sua que seja VERDADEIRA?? Tudo que vc fala, encontro o CONTRARIO!
    Olha isso:

    “Só um lembrete: O guindastre mais potente da atualidade, é um utilizado pela NASA para carregar os foguetes para a base de lançamento, que mesmo sendo feito de aço, tem a capacidade máxima de levantar 400 toneladas. Já o maior caminhão de carga é um modelo utilizado nas pedreiras, que apesar de ter 600 toneladas de peso, transporta apenas 360 toneladas.”

    Avisem a NASA! Nossos precários serviços portuários são mais capacitados que eles!!

    Fonte: http://www.portalnaval.com.br/estaleiros-no-rio-de-janeiro
    Um cais pequeno, como o MAUÁ, NITERÓIO/RJ suporta levantar +2000 toneladas!!! E agora?

  44. João Ferrari says:

    Ah,
    Magno, mais informações pra vc…
    Aqui em Porto Alegre tem uma empresa chamada Darcy Pacheco Soluções em Guicho… Eles teem um CAMINHÃO, que não é de aço nem pessa 600 toneladas, mas levanta até 500 toneladas! Chama-se LTM 1500.
    Fonte: http://www.grupodarcypacheco.com.br

    De onde vc tira essas suas informações tão fora da realidade?

  45. Magno says:

    João Ferrari.

    Obrigado por me atualizar em relação aos guindastes. A minha ultima informação era de 2001. E quanto ao do porto, esqueci esse detalhe, só dei atenção aos guindastre com rodas pneumáticas, não os que andavam em trilhos ou esteiras como esse modelo SCC86000TM sobre esteiras, com capacidade de 3.600 toneladas.considerado maior do mundo. Bom, esse não é o assunto principal do nosso debate, citeios apenas como base.

    Mas vamos voltar aos megalíticos que é o meu interesse principal.

    Entes quero salientar que não estou querendo travar batalhas. Quero apenas discutir possibilidades plausíveis, para poder enterder (ou tentar entender), como foi possível os antigos realizarem tamanha proeza sem o auxílio de tecnologias. Mas para isso temos que engoblar todas as situações.

    Não defendo o PaleoSeti, mas em contra-partida, acho as explicações, dadas pela arqueologia tradicional, muito simplista, criando mais impossibilidades do que esclarecendo.

    Fico no aguardo.

    Abs.

  46. Magno says:

    João Ferrari.

    Pesquisando sobre guindastes, encontrei esse vídeo e como achei ele bem legal, resolvi colocar aqui, caso voces não conheça.

    http://blogdoguindaste.com.br/

    Na sua estimativa, quantas toneladas voce acha que pesa esse viaduto?

    Abs.

  47. Fabio says:

    Atualizando a informação do amigo: um caminhão trucado ( três eixos ) pode apresentar um peso bruto total de 28 toneladas.

    • Magno says:

      Por que voces fogem tanto do assunto?

      Eu cito a capacidade de carga de um truck para se ter uma idéia de peso e voce me mostra o peso bruto do caminhão.
      Será que eu estou tão errado assim? Não seria melhor refutar os meus argumentos em relação ao PaleoSeti? Assim, quem sabe, possamos progredir em nossos conhecimentos.

      Já o João Ferrari diz:

      “Magno, Tem alguma informação sua que seja VERDADEIRA?? Tudo que vc fala, encontro o CONTRARIO!”

      A única coisa que ele realmente mostrou que eu estava errado, foi em relação a capacidade máxima dos guindastes atuais e fala como se tivesse refutado tudo que eu disse . Porque nem mesmo em relação ao que eu falei sobre a capacidade de carga do caminhão mais potente ele acertou, pois mostrou um caminhão com guindaste. como se ele (o caminhao) transportasse 500 toneladas. Sendo na verdade que o caminhão só transporta o guindaste, ele não suporta o peso de 500 toneladas. Quem suporta esse peso é o guindaste com as suas bases apoiadas no chão. E ainda por cima diz que o caminhão não e´de aço (deve ser de plástico).

  48. Bob Coldman says:

    Claro! ALIENS precisaram sair as pressas e largaram pedras gigantes abandonadas. SIM!! Essa explicação é a melhor de todas. Abrange tudo!

    Que espécie de PRESSA poderiam ter aliens?

    Realmente, tem mais lógica do que engenheiros terem feito um simples erro de cálculo.
    Realmente, erros de cálculo são tão raros na arquitetura, principalmente, antigamente…

    Vide torre de Piza…

    • Magno says:

      É… Parece que Interpretação de texto não é um dom de todos.

      Bob Coldman.

      Vejamos se consigo fazer você entender:

      Segundo o Aurélio EXPLICAR significa:
      1- Tornar inteligível ou claro.
      2- INTERPRETAR.

      Portanto, para melhorar a sua compreensão, onde eu digo “explica”, troque por “interpreta.

      P.S Procure ler o comentário por inteiro, fica mais fácil de entender.

      Abs.

  49. Marcelo says:

    Que bando de dertupadores os ufolatras são. Para começar não existem aliens, logo algo que não existe não pode entrar em contato com seres humanos, construir pirâmides, alterar DNA, COMER ALFACE COM ESPERMA e assim receber “primogenitura”, LUTAR PELADO EM MARTE E GANHAR A LUTA MORDENDO O SACO ESCROTAL DO ADVERSÁRIO ( isso citado em caixa alta vc encontra nos livros de Zecharia Sitchin ).

    Portanto parem de falar tolices e provem que existem aliens primeiro, depois provem que aliens ficam por aí construindo pirâmides e mineirando ouro…depois conversamos.

    kkkkkkkkkk

    • Magno says:

      Marcelo.

      Quando li essa sua citação, “COMER ALFACE COM ESPERMA e assim receber “primogenitura”, LUTAR PELADO EM MARTE E GANHAR A LUTA MORDENDO O SACO ESCROTAL DO ADVERSÁRIO ( isso citado em caixa alta vc encontra nos livros de Zecharia Sitchin ),” fiquei imaginando um bando de E.T lutando pelo pelado e mordendo o saco do adversário, logo comparei-os com os selvagens só que da cor verde e com anteninhas.

      Me veio a ideia de um bom filme de comédia. Como eu sei que você é cético e certamente leu isso diretamente do livro de Sitchin, gostaria que me ajudasse a encontrar essa parte nos livros dele, citando o título e o capítulo, pois infelizmente ainda não li todos os seus livros. Isso facilitaria e muito nas minha buscas.

      Abs.

    • B. S. Possi says:

      é marcelo
      Aliens não existem!
      Viva, mande seu comentário para a NASA assim eles param de procurar o que não “existe” !
      Não se trata de “existir” e sim de “onde estão”
      Não se questiona a possibilidade de existir vida fora da terra, nem o vaticano questiona, ela só não foi encontrada, e a própria ciência reconhece que ainda não encontrou por pura falta de tecnologia.

      O desinformado
      PaleoSETI hoje é discutido em nível acadêmico, existem vários encontros, congressos e fóruns que debate a ideia, sempre se utilizando de argumentação cientifica, e não de “achismo”

      VOCÊ acha que aliens não existem, não use o termo como algo que foi comprovado cientificamente, pois NÃO FOI

      Antes de tentar ridicularizar a possibilidade PaleoSETI, ESTUDE (eu sei, é chato, mais fácil vir aqui contestar), vai entender que ela só trabalha com argumentação baseada em fatos reais, não existe “achismo” nenhum.

      Quando se trata de qualquer fato que não possui uma explicação lógica, não é pecado algum elaborar teorias para fundamenta-lo, sinto te informar, mas é desta forma que a ciência avança, ou seja, ela depende de que teorias sejam elaboradas e discutidas, se forem falhas, sem problema, se elabora outra e prove sua veracidade.

      Aqui esta se debatendo apenas as piramides, mas elas são na realidade uma pontinha bem pequena do iceberg, quando mais se avança em pesquisas sobre o inicio da civilização, mais se encontra evidencias de intervenção externa.

      Ahhh marcelo, já que vc é um “sabe-tudo” (já que afirma com a mais absoluta certeza que a vida não pode existir fora da Terra)
      Explique:
      Explosão cretácea
      Origem da agricultura
      pinturas rupestres retratando seres e objetos inexplicáveis
      Construções magaliticas
      Mapa Piri-Reis
      fusão a frio (nem estudos podiam ser patenteados, hoje a NASA entrou com pedido de patente)
      A ciência não consegue explicar, então vamos rejeitar e não estudar, LINDA esta sua filosofia!

      • Magno says:

        Não assuste o Marcelo. Estou esperando que ele me passe o título e o capítulo do livro de Sitchin onde se encontra essa citação.

  50. Rodrigo Aguiar says:

    É difícil imaginar que o ser humano conseguiu construir os monumentos megalíticos em um época que éramos totalmente desprovidos de conhecimentos científicos.

    É importante ver que mesmo nos diais atuais a maior parte dos seres humanos são desprovidos de conhecimentos básicos.

    Não é harmônica a afirmação que coloca “homem primitivo” ou as “civilizações antigas” como experientes construtores, detentores de tecnologias ou conhecimentos superiores aos conhecimentos atuais.

    Ainda que se usasse madeiras, é inegável que este conhecimento é superior ao conhecimento atual, pois hoje necessitamos de aço para construir grandes monumentos, e os antigos usavam apenas madeiras !

    A ciência atual é como a religião antiga. Não aceita argumentos ou teses que escapam ao seu conceito de “verdade absoluta”.

    As construções megalíticas é um exemplo do acima aduzido.

    Outro exemplo é o fato da existência de uma espécie de primatas que evoluiram de forma totalmente diferente aos pertencentes de sua classe, e não encontram similaridade com qualquer outra espécie viva existente na terra.

    • B.S. Possi says:

      Rodrigo
      Brilhante em termos
      atualmente se discute sim outras teorias que vão contra teorias consolidadas.
      PaleoSETI é apenas uma das que vão contra várias delas, mas possui mais coerência que as teorias tradicionalistas.

      Posso citar também a origem da agricultura, em um artigo cientifico que foi apresentado em um encontro arqueológico, o Andrada mostra muito bem que o surgimento da agricultura só seria possível com uma intervenção externa
      http://arquitetosdaverdade.blogspot.com/2011/10/paleoseti-origem-da-agricultura.html

      Ahh, é o Andrada, não vale né?
      Bom, se o artigo foi apresentado e discutido em um encontro acadêmico, acredito que algum valor deva ter (pelo menos quebra esta argumentação estupida que diz que o assunto não é tratado a nível acadêmico)

      E além do mais, quanto mais se avança em pesquisas, mais se encontram argumentações que corroboram com esta possibilidade

      • Magno says:

        É melhor colocar esse:

        http://www.slideshare.net/arquitetosdaverdade/jardins-alienigenas-antonioandradanet

        Asim vão direto na fonte. (Ou não).

        Abs.

      • B. S. Possi says:

        Também, o Andrada disponibilizou o arquivo PDF, assim qualquer um pode ler, estudar, entender do que se trata, agora quero ver é apontar onde esta o “achismo”

      • Rodrigo Aguiar says:

        B.S. Possi,

        Pelo que percebo, o que a ciência não explica é creditado ao “acaso”, é este “acaso” que eu não consigo engolir.

        Não existe “acaso”, o surgimento da vida ocorreu em razão de uma série de condições pré-existentes no planeta, não ocorreu por uma simples coincidência.

        Também não é por um “acaso” que não existe vida nos planetas conhecidos pelo o homem, a vida (como conhecida na terra) depende de uma série condições pré-existentes.

        Partindo do argumento acima, a própria Seleção natural que explica a adaptação e especialização dos seres vivos conforme evidenciado pelo seu registro fóssil, demonstra que a evolução dos seres depende de uma condição externa, não é inerente do próprio “ser”, ou seja, a evolução é uma adaptação do “ser” ao meio ambiente em que este esteja inserido, não é fruto do “acaso”.

        A ciência existe como um ramo que visa estudar os acontecimentos de forma objetiva e não subjetiva, a partir do momento em que a “ciência” afirmar que “um acontecimento” ocorreu de forma espontânea ou inexplicável, será necessária a criação de um novo ramo de estudo, pois neste dia a ciência não servirá para cumprir a finalidade ao qual se destina.

      • Magno says:

        Rodrigo Aguiar.

        Concordo plenamente.

  51. Magno says:

    Rodrigo Aguiar.

    Partes da esfingem e seus arredores, apresentam erosão, o que é um fato, já que não se contesta isso. O problema é o que à causou e quando isso aconteceu.

    Três Geólogos Robert M. Schoch, Davd coxill e Colin Reader, apoiam que essa erosão foi criada por aguas pluviais, o que só seria possível em uma data, anterior a 7.000 anos antes do que aceito pelo arqueólogos sobre a construção da mesma, quando a incidência de chuvas na região era muito mais frequënte. (13.000 anos, aproximadamente)

    Estas opiniões, contudo, tem sido quase unanimemente constestadas pelos egiptólogos acadêmicos, os quais junto com alguns geólogos, sustentam a datação convencional do monumento. Sua análise atribui o desgaste “aparentemente acelerado” da Esfinge desde à moderna poluição industrial, diferenças qualitativas entre as camadas de pedra calcárea no próprio monumento, com o auxílio de areia carregada pelo vento, e/ou mudanças de temperatura causando a rachadura na pedra.

    Sabemos que muitos fatores podem causar erosões na rocha, mas ao meu ver, não deveriam contestar a idade e sim, se essa erosão teria sido mesmo causada por aguas pluviais, para depois analisarem que fator à teria causado e quanto tempo seria necessário para isso.

    Talves eu esteja errado, mas dá a entender que, os egiptólogos e alguns geólogos, estão forçando um pouco a barra.

    Abs.

    • Rodrigo Aguiar says:

      Na verdade, quando analiso um fato, procuro me libertar de minhas convicções pessoais (por mais dificil que isto seja), percebo que muitas pessoas expressão opniões carregadas de convicções pessoais de cunho intelectual ou religioso, isto é uma pena.

  52. marcelo says:

    Magno,

    Você quer a citação, não posso citar página nem edição porque não sou imbecil de comprar lixos, peguei o livro online desse velho canalha, maluco e mentiroso na net, vou citar o nome do livreco e copiar e colar as imbecilidades.

    Não chore…de rir com a “cultura” gay Annunaki…

    “Ao anoitecer, a cama foi arrumada para eles, e os dois se deitaram. No meio da noite, Set fez seu membro endurecer e penetrar entre as nádegas de Hórus. Quando os deuses voltaram a se reunir em conselho, Set exigiu que o cargo de governante continuasse com ele, alegando que Hórus estava desqualificado. Quer fosse filho de Osíris, quer não, agora tinha sua semente dentro dele, o que podia lhe dar o direito de sucedê-lo, mas jamais de precedê-lo!Chegou a vez de Hórus surpreender os deuses. Explicou que, quando Set derramara seu sêmen, ele o pegara nas mãos. De manhã, fora procurar a mãe e lhe mostrara o que trazia, contando-lhe o que havia acontecido.Ísis o mandara endurecer o membro e derramar o próprio sêmen numavasilha; em seguida, indo para a horta de Set, depositara-o numa alfaceque mais tarde havia servido de alimento para Set. “Portanto”, anunciouHórus, “a semente de Set não está dentro de mim, mas a minha estádentro dele”. “Logo, o desqualificado é Set”!Atônitos, os deuses pediram a Thot para resolver a questão. Ele verificouo sêmen que Hórus levara a Ísis e que ela guardara num pote,constatando que era mesmo de Set. Em seguida examinou o corpo de Sete confirmou que ele continha o sêmen de Hórus.Furioso, Set não esperou o fim das deliberações. Saiu gritando que só uma luta até o amargo fim poderia decidir aquela questão. ”

    Do livro GUERRA DE DEUSES E HOMENS de Zecharia Sitchin Achei essa droga online.
    É só baixar essa droga em PDF e pesquisar a palavra “alface”

    Esse é o nível de conhecimento de Zecharia Sitchin. Ele pega lendas antigas e diz que todos os que aparecem em posição de destaque nessas lendas de ALIENS. KKKKKKKK

    O que achei foi isso que está aí. Isso aí é claro não passa de uma lenda egípcia que mostra um pouco da cultura deles, viadice na elite, casamentos cosanguíneos, até aí tudo bem, problema deles se gostavam dessas coisas ou se as mulheres egipcias gostavam de de ficar fazendo “procisões” com enormes pênis de madeiras em honra a sei lá qual deus.

    O problema é a interpretação do tal “estudioso” Zecharia Sitchin. E qual é a interpretação dele? Simples, não existem “deuses” egípcios, mitologia é apenas enfeite para eventos TOTALMENTE REAIS e que os envolvidos na história citada acima SÃO ALIENS “ANNUNAKIS”.

    Agora eu pergunto? Quem acredita num cara que interpreta assim lendas? Vamos mais longe, vamos dizer que de fato os fatos citados – dois homens numa cama, alface com esperma, e toda aquela celeuma sobre quem teria o poder – foram históricos o que leva um ser humano normal a dizer que isso ENVOLVEU ALIENS? NADA.

    Mas é claro para Zecharia Sitchin isso é prova de aliens de 3,5 metros que vieram criar escravos para mineração de ouro e ficar brigando por aqui.

  53. marcelo says:

    Esqueci isso faz parte do capítulo 2
    A CONTENDA ENTRE HÓRUS E SET

    • Magno says:

      Valeu, Marcelo.

      Suas indicações aumentara e muito o conteúdo das minhas pesquisas.

      Concordo que são citações muito estranhas para atitudes de deuses, mas pela sua indgnação, acredito que voce não leu ele por completo.

      O ponto em questão é:

      Zecharia Sitchin (segundo dizem) era um linguista filologista conceituado. Sendo linguista filologista, a suas função principal era traduzir textos antigos.

      Todos os seus livros (os que já li) tem como finalidade a tradução desses textos, embora indiretamente eles apontem para uma intervenção alien (coisa que ele faz discretamente), mas para chamá-lo de charlatão, teríamos que comprovar que as traduções dele não condiz com o que está escrito nos antigos texto.

      Referente a parte que voce cita, ele diz o seguinte: “Como descreve o texto conhecido como Papiro Chester Beatty no. 1…” Ou seja , isso que voce mostra, é o que ele teria traduzido desse papiro.

      Nesse caso o correto era verificar se o que esse papiro diz, confere exatamente ou parecido com o que ele traduziu. Se for um relato totalmente diferente, aí podemos chamá-lo charlatão.

      A tradução de texto antigos é controverso, depende da interpretação decada um, mas ele cita historiadores antigos e contemporâneos, o que é fácil para historiadores e linguistas atuais, verificarem a sua veracidade.

      Claro que não me dei ao trabalho de analisar todas as suas fonte, mas procurei saber sobre Manetho e descobri que, segundo Flávio Josefo, ele foi um egípcio historiador e padre de Sebennytos ( Egito antigo : Tjebnutjer), que viveu aproximadamente durante o século 3 aC. Manetho escreveu o aegyptiaca (História do Egito). e sua obra é de grande interesse para os egiptólogos, que apesar de nunca ter cido encontra é freqüentemente usado como evidência para a cronologia dos reinados dos faraós.

      Segundo Sitchin, Manetho foi o primeiro historiador a dividir os governantes egípcios em dinastias e teria citado que as dinastias dos faraós foram precedidas por outras quatro: duas de deuses, uma de semi-deuses e uma outra de transição. Primeiro, sete grandes deuses reinaram sobre o Egito, perfazendo um total de 12 300 anos.

      Ainda não vi essas essas informações serem refutadas (não estou dizendo que não existe). Coisa muito fácil para os historiadores desmentirem.

      Tudo que eu vejo são acusações sem embasamento, como essa da wikipédia:

      “Quando Sitchin escreveu seus livros, apenas os especialistas podiam ler a linguagem suméria, mas agora qualquer um pode conferir suas traduções através de um livro de 2006, o Sumerian Lexicon. As traduções de Sitchin de palavras isoladas e de partes maiores de textos antigos tem sido consideradas equivocadas. [carece de fontes]”

      A Wikipédia teve o cuidado de coloca que precisa de fonte, ou seja, é uma acusação se embasamento.

      Concluindo:

      Se eu estivesse na condição que muitos descrevem em relação a Sitchin e quisesse escrever um livro direcionado a provar a existência de aliens no passado, inventando traduções a minha maneira, eu não seria louco de colocar esse trecho.

      Vendo por esse lado, acho que a sua intenção principal, era a tradução dos antigos escritos. Mas é so a minha opinião.

      Bom, aí está o livro pra quem quser tirar suas próprias conclusões

      http://www.cubbrasil.net/ebooks/as_guerras_de_deuses_e_homens.pdf

      Abs.

      • B. S. Possi says:

        É magno, o erro do Sitchim é ele traduzir o que leu.
        Vou sitar um exemplo clássico sobre traduções:
        “Estou cometendo o maior pecados de todos”
        Quem disse foi S. Jeronimo ao traduzir os textos antigos para o Latim, os textos originários seriam em hebraico, aramaico e grego, só pra citar um exemplo, a palavra fé em latim (por consequência o português que se deriva da mesma) não é verbo, e em greco é, resumindo, NEM MESMO A FÉ PODE SER TRADUZIDO FIELMENTE, depende exclusivamente do tradutor.
        Isso porque era hebraico, greco e aramaico para LATIM, imagine de sumério para inglês.
        Mas ele traduziu, talvez não devesse, melhor não traduzir e deixar sua argumentação pela metade, já que não faria lá grandes diferenças (já que mesmo traduzindo de forma correta sofre por ser acusado de ser tendencioso)
        Agora me admira muito alguém querer debater sobre o assunto e sequer aceitar que parte do texto é apenas TRADUÇÃO e não INTERPRETAÇÃO, se o cara não sabe distinguir uma coisa da outra, melhor nem comentar.

        Ahhhhh
        Sobre paleoseti (de verdade, sem achismos como sempre contestam)
        Depois da agricultura, a pintura rupestre
        Vale lembrar que é ACADÊMICO(quem não souber o que é isso, nem leia), pra variar, foi levado a um CONGRESSO SOBRE ARQUEOLOGIA para debates.
        http://arquitetosdaverdade.blogspot.com/2012/02/paleoseti-registros-rupestres.html
        pra quem quiser tem o artigo todo original em PDF pra quem quiser baixar

  54. Antonio Andrada says:

    O trecho sobre o acontecido entre Set e Horus é um clássico da mitologia Egípcia e esta descrito no papiro de Chester Beatt I, época do reinado de Ramessés V (é tão conhecido que chega a doer a tamanha ignorância dita aqui….
    Não há nenhum erro na tradução de Sitchin ele apenas interpreta na medida em que a passagem mostra as disputas de poder entre o que ele chama em várias obras de “realeza dos anunaki” onde o sangue determinava a sucessão e o sêmen era tido como um recipiente onde se encontrava a herança ou “arké” (essência) de tal poder, pois eles achavam que a mulher não contribuía com a concepção sendo apenas um veículo que carregava a cria. Quando Hórus entra em Set através do esperma ele garante sua superioridade e legitimidade de poder pois o outro carrega sua arké e assim é submisso a ele. Um truque sujo e nojento para nós, mas de significado profundo no mundo antigo (homossexualidade, tenha dó! Vá estudar). Não sei o que Sitchin fala neste livro, mas eu acho o trecho interessante para o Paleo-SETI somente na passagem em que Toth examina o sêmen para saber se é de Hórus… DNA?
    Vejam um trecho de uma publicação acadêmica brasileira (História da Sexualidade no Antigo Egito de Josiane Gomes da Silva do departamento de história da UFRN – endereço para baixar http://diadorin.cchla.ufrn.br/humanidades/ARTIGOS/GT11/artigo_monografiarw%5B1%5D.pdf
    A citação abaixo é da obra acima:
    ***
    Após varias disputas pelo trono sagrado do Egito. Seth convida Horus a ir a sua casa para fazerem as pazes:
    “Set a Hórus ­ Vem, passemos um dia feliz em minha casa.
    Hórus a Set – Eu irei, eu irei.. “
    “Ao anoitecer prepara­se uma cama para eles e deitam­se juntos. De noite Seth fica com o pênis ereto e penetra­o nas coxas de Hórus. Então Hórus põe suas mãos entre as coxas e colhe o esperma de Seth. Em seguida Hórus vai contar ( o sucedido) à sua mãe Ísis.” (papiro Chester )
    Neste trecho do papiro de Chester Beatt, nos esclarece como tal situação era percebida na sociedade egípcia da Antiguidade. Isso não quer afirmar que o homoerotismo, era encarado como algo comum, mas também não se pode interpretar como um ato totalmente repugnante, dependendo apenas do contexto do qual o ato sexual ocorrera. Os valores que existiam no Egito Antigo eram de uma enorme complexidade, para melhor captar estes valores e preciso lançar mãos dos hábitos de nossa historicidade e tentar compreender a historicidade do período que aqui e o Egito Antigo.
    Continuando este mito,o próximo trecho vai nos fazer entender melhor como era encarada essa situação do homoerotismo:
    “Hórus a Ísis Vem, minha mãe Ísis, vem e vê o que Set me fez! Ele abre a mão e mostra­lhe o esperma de Set. ela dá um grito, apanha sua faca, corta a mão (de Hórus) e lança­a na água. Então faz nova mão para ele. E ele pega uma porção de ungüento perfumado e passa­o no pênis de Horus. Ela faz (assim) com que (o pênis) fique ereto, coloca­o sobre um pote e ( ao ejacular) deixa seu esperma escorrer ali. Pela manhã Ísis vai com o esperma de Hórus à horta de Set . .”( papiro Chester)
    Agora nessa fase da mitologia “Das contendas de Horus e Set”, a mãe de Hórus sabendo do significado daquele ato, num eventual julgamento em um tribunal, tratou logo de fazer algo que invertesse aquela situação. Ísis foi logo ao servo de Set e perguntou­lhe qual era o legume que Set se alimentava, o hortelão disse que era a alface:
    “Então Ísis esparge o esperma de Hórus nele. (depois) Set chega, conforme sua rotina diária, e de habito como alface. Por isso ele fica grávido com o esperma de Hórus. Então Set procura Hórus.” .”( papiro Chester)
    Continuando o relato do papiro, que podemos compreender como era percebido o tratamento para com as ações de homoerotismo entre os deuses do Egito Antigo:
    ( Set a “Hórus) – “vamos, apressemos­nos para que eu possa discutir contigo no tribunal!”, Hórus a Set – “Eu irei, eu irei.” .”( papiro Chester)
    Chegando ao tribunal, o mito contido no papiro de Chester Beatt, transmite a importância de no momento de um ato sexual entre dos seres de mesmo sexo, aquele que fez o papel do macho não seria tratado com repugnância. Mas para aquele que fez o papel de fêmea no coito homoerótico, no caso Egito Antigo era o que recebia o falo e o sêmen. Ficando assim grávido como uma fêmea.
    E justamente sabendo disto que Set o utiliza contra Hórus. Porém como Ísis havia retirado o sêmen de Set em Hórus e feito com que Set engolisse os fluidos eróticos de Hórus. Set alegaria em vão que havia agido como macho para com Hórus. Hórus e Set chagam ao tribunal apresentando­se perante da “grande Enéada”:
    “Enéada – falem”…!
    Set – “que a função de soberano, me seja dada, pois quanto a Hórus, que aqui está, agi como um homem com ele!” .”( papiro Chester)
    Então a Enéada se alvoroça e (todos os deuses) cospem no rosto de Hórus. Mas Hórus ri­se deles e faz um juramento pelo deus.
    Hórus – “O que Set diz e mentira. Que o esperma de Set seja chamado e veremos de onde responde. E depois que o meu (também) seja chamado e veremos de ponde responde…” .”( papiro Chester)
    Na continuação desta narrativa, o deus Tot e chamado para verificar de onde respondem os semens de Hórus e de Set. O deste último responde das águas e enquanto do primeiro fala de dentro da barriga de Set. Este pelo fato de ter agido tal como uma fêmea perderia a oportunidade de comandar o Egito. Isso não quer dizer que o homoerotismo no Egito Antigo era percebido como algo pecaminoso, pois nada ocorrera com as duas divindades mencionadas acima. Apenas aquele que tinha tomado atitude de fêmea não poderia reinar no Egito. E sabido que no Egito da época dos Faraós, o individuo para governa o “Kemi”, deveria ser um macho ou pelo menos se comportar com tal para ter acesso ao trono real do Egito Antigo, alem de pertencer e ser primogênito da realeza dominante. Foi isso que aconteceu com a rainha Hatshepsut, da qual teve duas justificativas para com os sacerdotes, para poder governar o Egito durante o Novo Império.
    ***
    Bem, como vocês podem ver Z. Sitchin não inventou nada ou traduziu nada de maneira inexata, oh ignorância desse povo que quer falar de arqueologia e não sabe nada e nem tem vontade de estudar!
    Se quiserem uma referencia bem respeitada na ortodoxia, aqui esta: The Mother’s Brother in Ancient Egypt – Edmund Leach. RAIN No. 15 (Aug., 1976), pp. 19-21 publicado pela: Royal Anthropological Institute of Great Britain and Ireland – endereço: http://www.jstor.org/stable/3032614
    “…However, with the aid of Isis, Seth is tricked into eating Horus’s semen, placed on a lettuce which Seth eats regularly …” e etc… tradução é bem conhecida.

    • Magno says:

      Antonio Andrada.

      UFRN? Pô! Na minha cidade e eu não não consegui encontrar.

      Não sou arqueólogo (percebe-se), mas a arqueologia é uma das minhas grandes paixões e da mesma maneira que voce, também não concordo com as explicações tradicionais.

      O engraçado é que foi exatamente, um “gerentizinho” de hotel, que fez com que o meu desconfiômetro disparasse.

      Li a sua obra, JARDINS ALIENÍGENAS, achei excelente, muito bem embasada, parabéns! Também estou lendo a outra sobre os registro rupestre.

      Parece que voce não conhece o livro AS GUERRAS DE DEUSES E HOMENS, de Sitchin, é um bom livro, tem muito embasamento com fonte verificáveis, acredito que voce possa tirar muito proveito dele, pois ele já “mastigou” bastante.

      Ele também mostra, só que através dos texto antigos, que a agricultura e a pecuária foram introduzidas por Enlil (um Anunnaki), de uma maneira bem detalhada, após a grande inudação (dilúvio).

      Valeu pelo o seu comentário. E obrigado pelo esclarecimento.

      Abs.

    • Magno says:

      Ahh! Só mais uma coisinha:

      O que voce sabe sobre as traduções das escritas suméria, de acordo com Sitchin? Elas corespondem com o que ele traduziu?

      Fico no aguardo e desde já agradeço.

      • Antonio Andrada says:

        Bem Magno, agradeço
        Gostaria de esclarecer a todos, que estes artigos que escrevi são provocações gerais para instigar a reflexão sob o ponto de vista paleo-SETI que sofre de grandes preconceitos na academia. São ensaios teóricos na verdade contendo indagações sobre “o ouro lado da história” “outras formas de interpretar e entender os dados tradicionais”. Quem sabe estas idéias podem um dia se transformar em pesquisa indutiva. Espero que sim. Não pretendo “provar” nada (essa noção de prova definitiva não existe na arqueologia como já havia debatido com o Mori certa vez), apenas demonstrar que é possível considerar as hipóteses paleoSETI seriamente numa leitura histórica do passado. Realmente agradeço a atenção e peço para que se alguém tiver sugestões, dúvidas e principalmente críticas que me envie ou poste aqui para mantermos o debate vivo já que a questão é no meu entender de fundamental importância cosmológica.

        Quanto ao Zacharia Sitchin, pena ter falecido, eu o conheci no ano 2002 na Alemanha durante um simpósio. Na época havia lido apenas o 12 planeta, este livro citado acima eu tenho, ainda não li, só passei o olho.
        Bem quanto às traduções é um assunto complexo (veja bem, vou fazer um “RESUMO” bem livre sobre a questão: O sumério é uma língua que trabalha com “logogramas” individuais que acabam compondo “palavras compostas” (cada logograma seria uma palavra). acontece que tais logogramas “evoluíram” a partir de uma escrita pictográfica (com símbolos representando idéias). Os logogramas foram “decifrados” pelos lingüistas e arqueólogos não de uma forma simples e direta, mas muitos deles a partir da interpretação de contextos históricos e etnográficos de línguas aparentadas e ainda vivas. Imagine vc tentar decifrar a língua de um povo para descobrir como ele vivia se vc tem que saber como ele vivia para entender o significado dos logogramas (paradoxal não?). Pois é, é por isso que a interpretação histórica do contexto, feita por cada autor acaba influenciando na tradução.
        Mesmo assim não é um “vale tudo” e existem consensos sobre certa estrutura central da língua, mas existem palavras compostas e logogramas que podem significar várias “coisas” ao mesmo tempo (muitas línguas vivas que surgem de simbologia ideográfica ainda são assim, uma palavra tem vários significados ao mesmo tempo dependendo de sua posição gramatical e estrutura contextual onde é usada, às vezes servindo como metonímia para uma idéia mais complexa que muitas vezes não tem expressão gramatical (principalmente quando tratamos de mitos e cosmologias). Na questão do léxico sumério ainda existe um agravo que complica mais ainda as coisas, a linguagem muitas vezes se associa a “imagens” impressas nas famosas tabuas de argila, e ai entra mais uma ciência humana, a iconologia.
        Segundo a mitologia tradicional, a visão da Mesopotâmia no “sobrenatural” é uma mistura inextricável de origem suméria e acadiana, influenciado por uma população desconhecida. Literatura mais suméria foi escrita a partir da tradição oral Acadiana quando o sumério era uma língua extinta. As idéias religiosas evoluíram no tempo e uma vez que a maioria dos textos são datados no milênio 2 e 1, nem sempre é claro, assim, os pontos de vista do 2 º milénio representam as certezas do 3 º milênio.
        Vou utilizar alguns exemplos: O Sumério “AN”, (lembren-se que vem do Acádio amû e ninguém sabe se está correto) significa “ar” ou “céu” ou ainda “atmosfera” “de cima” e qualquer coisa com esta conotação. Ou “Ki” que significaria “Terra” “origem” “casa primordial” “barro” “sangue”… Ai lemos de maneira simplificada na literatura acadêmica que “havia dois deuses primordiais”, um deus do Céu, “AN” e uma deusa da Terra “KI”…
        E um dos seus filhos é EN.LIL “deus do trovão” “dos céus” e num sentido transcendental, já explico: A palavra suméria para ‘deus’ é DINGIR, do acadiano “ilu”. O sinal para representar isso, é o mesmo que vimos para um “céu” (que pode ser outra coisa”, e também usado como um determinante (classificador) associado ao nome da divindade para indicar o seu / sua natureza divina. Na transcrição, o sinal é representado com anúncio de DINGIR em sobrescrito, como (d)Enlil. Só que “EN” pode significar também muitas coisas, entre elas “pescador” “o que tem muitos peixes” etc… Como tal é entendido como metonímia para “Grande caçador” e assim associado a “grande líder” e interpretado como “poderoso” e finalmente por se tratar de sua semelhança a “AN”, o “EN” com o “(d) de DINGIR) somado ao fato de que Lil também significaria “ar”, é o “DEUS DO AR”…. Entendem como isto é EXATO… quem é que neste campo pode se vangloriar de ter razão sobre algo e chamar alguém de “pseudicientista”, pois é.
        E porque fizeram estas interpretações e não as de Sitchin, pois não teorizavam sobre deuses astronautas, mas sobre outras perspectivas. Apostaram na dualidade entre o “feminino e o masculino”, idéia essa derivada das teorias simbólicas de Freud e Joseph Campbell que influenciaram os mitólogos e antropólogos acadêmicos no inicio do sec. XX, utilizando psicologia analítica.
        Lembremos que até mesmo a palavra “mito” com o significado que utilizamos hoje foi construída pela visão de mundo européia que queria negar a história dos povos que não compartilhavam sua visão da história. Para estes acadêmicos do sec. XIX havia acontecido uma “evolução lenta” da pré-história até a civilização européia (a mais avançada é claro, segundo eles próprios), portanto, os sumérios e muitos outros povos foram interpretados como sendo pessoas supersticiosas e que criavam histórias fantasiosas sobre “seres sobrenaturais”, já que eram “ainda ignorantes”, que mantinham ainda as ligações com as religiões animistas, explicadas pela psicologia como uma necessidade de produzir cultura simbólica “mágica”, que explicasse suas urgências metafísicas ligadas a arquétipos da fecundidade, dos ciclos da natureza. Ou seja, foi neste contexto teórico que surgiram as interpretações e traduções dos textos sumérios…
        Portanto é preciso ter cuidado quando algum “cientista” munido de títulos afirma que Zacharia Sitchin faz interpretações fantasiosas do sumério e que a visão dele está errada e a “ortodoxa” (um grupinho de mitólogos culturalistas que tem poder na academia) está certíssima.
        O que significa tudo isso (?), Em primeiro lugar, significa que existe espaço para muitas visões sobre a história contada nos mitos sumérios. Aqueles cientistas que acusam Sitchin de “distorcer tudo” e de interpretar ERRADO (veja que absurdo) estão sendo desonestos e escondendo os problemas a que me referi acima, pois estão defendendo seu “ponto de vista” e seus “consensos” sobre a questão. Sitchin aborda a questão de uma maneira que ninguém havia feito antes, ele está errado, Não! … Está certo, também Não! Ele está interpretando a evidencia para corroborar suas hipóteses, se utilizando exatamente de tais incertezas e múltiplos significados sob o ponto de vista paleo-SETI e teve certo sucesso nisso, salvo alguns exageros que todos concordam em palavras bem forçadas, mas são minoria e foram assim pensadas por ele devido ao suporte que o resto da evidencia oferecia. No Enuma-Elish, por exemplo, é um caso diferente, onde ele atribui na cosmologia à identidade dos deuses como se fossem planetas do sistema solar em sua fase formativa. É uma interpretação, claro que sim, é falácia, nem um pouco, é possível que os sumérios estivessem descrevendo de forma simbólica a formação do sistema solar a partir do conhecimento extraterrestre transmitido, sim, já que na antiguidade a personificação antropomórfica de planetas é um fato sabido e bem estudado (fora isso ele oferece outras evidencias astronômicas bem interessantes).
        Eu particularmente gosto das liberdades de Sitchin, acho ele criativo e um ótimo pesquisador e escritor, corajoso. Porém, não gosto da mensagem triste que ele passa sobre nossa origem, (podem me chamar de romântico), mas é uma visão muito materialista do ser humano (e não estou falando de religião não), “feito para ser um escravo para trabalhar para os Anunaki”, somos muito mais complexos do que isto e se os Anunaki nos criaram, seus propósitos também não foram ou são mais complexos, sabemos que nossos corpos e mentes são capazes de muito mais do que isto.
        Enfim, temos que entender que ciência “não é a verdade”, no caso do léxico sumério, reservada certas proporções, a realidade é aquilo que nós queremos que ela seja, o que não deixa a hipótese paleoSETI mais fraca, pelo contrário, a criatividade cientifica e a capacidade do pesquisador de corroborá-la aumenta muito, coisa que Zacharia Sitchin fez belamente.

  55. Macc says:

    Quando um profissional da arqueologia posta, a coisa é muito diferente…

    Muito informativo Andrada, valeu.

    • Macc says:

      E valeu Possi tb pelo Arquitetos da verdade, não concordo com tudo, mas é bem interessante.

    • B. S. Possi says:

      Macc
      Não tem que concordar, a ideia é justamente esta, o importante é apresentar as ideias e teorias, mesmo que uma contradiga a outra, ninguém é dono da verdade, o que se pode fazer é tentar demonstrar o maior numero possível de pontos de vista diferente.
      As vezes nós pré-julgamos apenas por convicções próprias e nos fechamos para novas possibilidades, que podem sim ser mais conclusivas do que as habitualmente aceitas.

  56. B. S. Possi says:

    Bom, o Andrada me pediu pra postar, já que ele mesmo não conseguiu:

    trecho sobre o acontecido entre Set e Horus é um clássico da mitologia Egípcia e esta descrito no papiro de Chester Beatt I, época do reinado de Ramessés V (é tão conhecido que chega a doer a tamanha ignorância dita aqui….
    Não há nenhum erro na tradução de Sitchin ele apenas interpreta na medida em que a passagem mostra as disputas de poder entre o que ele chama em várias obras de “realeza dos anunaki” onde o sangue determinava a sucessão e o sêmen era tido como um recipiente onde se encontrava a herança ou “arké” (essência) de tal poder, pois eles achavam que a mulher não contribuía com a concepção sendo apenas um veículo que carregava a cria. Quando Hórus entra em Set através do esperma ele garante sua superioridade e legitimidade de poder pois o outro carrega sua arké e assim é submisso a ele. Um truque sujo e nojento para nós, mas de significado profundo no mundo antigo (homossexualidade, tenha dó! Vá estudar). Não sei o que Sitchin fala neste livro, mas eu acho o trecho interessante para o Paleo-SETI somente na passagem em que Toth examina o sêmen para saber se é de Hórus… DNA?
    Vejam um trecho de uma publicação acadêmica brasileira (História da Sexualidade no Antigo Egito de Josiane Gomes da Silva do departamento de história da UFRN – endereço para baixar http://diadorin.cchla.ufrn.br/humanidades/ARTIGOS/GT11/artigo_monografiarw%5B1%5D.pdf
    A citação abaixo é da obra acima:
    ***
    Após varias disputas pelo trono sagrado do Egito. Seth convida Horus a ir a sua casa para fazerem as pazes:
    “Set a Hórus ­ Vem, passemos um dia feliz em minha casa.
    Hórus a Set – Eu irei, eu irei.. “
    “Ao anoitecer prepara­se uma cama para eles e deitam­se juntos. De noite Seth fica com o pênis ereto e penetra­o nas coxas de Hórus. Então Hórus põe suas mãos entre as coxas e colhe o esperma de Seth. Em seguida Hórus vai contar ( o sucedido) à sua mãe Ísis.” (papiro Chester )
    Neste trecho do papiro de Chester Beatt, nos esclarece como tal situação era percebida na sociedade egípcia da Antiguidade. Isso não quer afirmar que o homoerotismo, era encarado como algo comum, mas também não se pode interpretar como um ato totalmente repugnante, dependendo apenas do contexto do qual o ato sexual ocorrera. Os valores que existiam no Egito Antigo eram de uma enorme complexidade, para melhor captar estes valores e preciso lançar mãos dos hábitos de nossa historicidade e tentar compreender a historicidade do período que aqui e o Egito Antigo.
    Continuando este mito,o próximo trecho vai nos fazer entender melhor como era encarada essa situação do homoerotismo:
    “Hórus a Ísis Vem, minha mãe Ísis, vem e vê o que Set me fez! Ele abre a mão e mostra­lhe o esperma de Set. ela dá um grito, apanha sua faca, corta a mão (de Hórus) e lança­a na água. Então faz nova mão para ele. E ele pega uma porção de ungüento perfumado e passa­o no pênis de Horus. Ela faz (assim) com que (o pênis) fique ereto, coloca­o sobre um pote e ( ao ejacular) deixa seu esperma escorrer ali. Pela manhã Ísis vai com o esperma de Hórus à horta de Set . .”( papiro Chester)
    Agora nessa fase da mitologia “Das contendas de Horus e Set”, a mãe de Hórus sabendo do significado daquele ato, num eventual julgamento em um tribunal, tratou logo de fazer algo que invertesse aquela situação. Ísis foi logo ao servo de Set e perguntou­lhe qual era o legume que Set se alimentava, o hortelão disse que era a alface:
    “Então Ísis esparge o esperma de Hórus nele. (depois) Set chega, conforme sua rotina diária, e de habito como alface. Por isso ele fica grávido com o esperma de Hórus. Então Set procura Hórus.” .”( papiro Chester)
    Continuando o relato do papiro, que podemos compreender como era percebido o tratamento para com as ações de homoerotismo entre os deuses do Egito Antigo:
    ( Set a “Hórus) – “vamos, apressemos­nos para que eu possa discutir contigo no tribunal!”, Hórus a Set – “Eu irei, eu irei.” .”( papiro Chester)
    Chegando ao tribunal, o mito contido no papiro de Chester Beatt, transmite a importância de no momento de um ato sexual entre dos seres de mesmo sexo, aquele que fez o papel do macho não seria tratado com repugnância. Mas para aquele que fez o papel de fêmea no coito homoerótico, no caso Egito Antigo era o que recebia o falo e o sêmen. Ficando assim grávido como uma fêmea.
    E justamente sabendo disto que Set o utiliza contra Hórus. Porém como Ísis havia retirado o sêmen de Set em Hórus e feito com que Set engolisse os fluidos eróticos de Hórus. Set alegaria em vão que havia agido como macho para com Hórus. Hórus e Set chagam ao tribunal apresentando­se perante da “grande Enéada”:
    “Enéada – falem”…!
    Set – “que a função de soberano, me seja dada, pois quanto a Hórus, que aqui está, agi como um homem com ele!” .”( papiro Chester)
    Então a Enéada se alvoroça e (todos os deuses) cospem no rosto de Hórus. Mas Hórus ri­se deles e faz um juramento pelo deus.
    Hórus – “O que Set diz e mentira. Que o esperma de Set seja chamado e veremos de onde responde. E depois que o meu (também) seja chamado e veremos de ponde responde…” .”( papiro Chester)
    Na continuação desta narrativa, o deus Tot e chamado para verificar de onde respondem os semens de Hórus e de Set. O deste último responde das águas e enquanto do primeiro fala de dentro da barriga de Set. Este pelo fato de ter agido tal como uma fêmea perderia a oportunidade de comandar o Egito. Isso não quer dizer que o homoerotismo no Egito Antigo era percebido como algo pecaminoso, pois nada ocorrera com as duas divindades mencionadas acima. Apenas aquele que tinha tomado atitude de fêmea não poderia reinar no Egito. E sabido que no Egito da época dos Faraós, o individuo para governa o “Kemi”, deveria ser um macho ou pelo menos se comportar com tal para ter acesso ao trono real do Egito Antigo, alem de pertencer e ser primogênito da realeza dominante. Foi isso que aconteceu com a rainha Hatshepsut, da qual teve duas justificativas para com os sacerdotes, para poder governar o Egito durante o Novo Império.
    ***
    Bem, como vocês podem ver Z. Sitchin não inventou nada ou traduziu nada de maneira inexata, oh ignorância desse povo que quer falar de arqueologia e não sabe nada e nem tem vontade de estudar!
    Se quiserem uma referencia bem respeitada na ortodoxia, aqui esta: The Mother’s Brother in Ancient Egypt – Edmund Leach. RAIN No. 15 (Aug., 1976), pp. 19-21 publicado pela: Royal Anthropological Institute of Great Britain and Ireland – endereço: http://www.jstor.org/stable/3032614
    “…However, with the aid of Isis, Seth is tricked into eating Horus’s semen, placed on a lettuce which Seth eats regularly …” e etc… tradução é bem conhecida.

  57. Rodrigo Aguiar says:

    Havia, Seth, Horus, Osiris, Isis, etc, etc, etc, mas então veio o Deus de Moiseis e acabou com a festa.

  58. Macc says:

    Sou contra essa discussão baseada em “declarações de autoridade”…
    Acredito que uma pessoa inteligente, de mente clara e honesta não precisa de um PHD para provar a sua pesquisa, o que ela precisa é de financiamento e apoio, revisão por pares e uma oportunidade para fundamentar as suas alegações, indfelizmente, o que é reservado somente a aqueles que fazem parte do establishment. Até mesmo a “ciência Fringe” é muitas vezes ridicularizada e ignorada, porque ele ameaça reescrever a norma social. O fato da questão é que nenhum de nós tem uma resposta definitiva para o que aconteceu na antiguidade, em seguida, temos apenas pequenos fragmentos que sobreviveram ao tempo e a compreensão limitada baseada em alguma pesquisa científica “oficial” e o restante foi filtrado para fora com base na inadequação socioeconômica (mais como sociopata) do que de vieses culturais por quem financia a ciencia, esta é a realidade. Enquanto os cientistas forem limitados pelo financiamento e os pareceres do establishment, apenas metade da história vai ser contada. É bem verdade o que o Andrada disse sobre a validade das interpretações baseadas nas mesmas evidencias. Querem afirmar que a teoria dos antigos astronautas é religião, que não tem mais valor do que o Novo Testamento, o Talmud, o Alcorão ou o livro Egípcio dos Mortos, mas certamente não tem nada menos do que as outras teorias sobre o passado.
    O que exatamente é a esperança de realizar um julgamento científico, justificando uma posição específica em algo baseado apenas na credulidade? E pior, o que significa que a credulidade é baseada na forma de um “diploma” de uma autoridade. Eu poderia ir buscar um doutorado em Biologia Evolutiva e depois ir contar ao mundo sobre as minhas teorias sobre criacionismo. Eu também poderia ser alguém como Nikola Tesla, Jacque Fresco, Willhelm Reich, Erik Von Daniken ou milhares de outros pesquisadores (com e sem títulos) que foram capazes uma ou outra vez de mostrar muita validade para o suas afirmações, mas que então foram evitados, ignorados, jogados no labirinto de burocracias científicas, ou ridicularizados e deixados sem recursos, ou mesmo suas novas tecnologias e pesquisas roubadas ou “confiscadas” porque algum tolo de mente pequena pensava que o dinheiro e o poder eram mais importantes do que a descoberta e a compreensão.
    O fato é que a “ciencia oficial” não é confiável, principalmente quando estão envolvidas grandes questões. Vejam o caso do Sitchin, os pesquisadores das universidades caem de pau nele por suas interpretações, mas não menos do que qualquer outro pesquisador, o lingüista e o arqueólogo também interpretam e não são tão melhores embasados para isso . Eu verifiquei um site outro dia chamado “sitichin está errado”, feito por um PhD em linguistica, foi interessante, mas suas idéias eram simplesmente isso, apenas idéias, outras interpretações possiveis para a lingua sumeria, assim como Sitchin ou qualquer outro pesquisador. Ele negava Sitchin partindo da premissa da não existencia de extraterrestres na sumeria enquanto ao mesmo tempo acusava Sitchin de interpretar partindo da premissa da existencia dos anunaki. E o pior, usa para “provar” seus ataques das traduções de dicionários sumérios “tradicionais”, mas esquece como o Andrada disse que estas traduções da academia não são exatas, mas foram feitas em cima de uma teoria sobre o passado, outras interpretações. O que prova isso, que um Phd não sabe raciocinar históricamente (?), é claro que não, prova que apenas que a cioencia oficial usa de má fé para enganar quem não sabe de onde veio o conhecimento aceito, esconde suas fraquezas.
    Novamente, isso não tem nada a ver com a capacidade inerente da ciencia para auto correção, (como um cientista, se você não pode provar conclusivamente algo com testes repetidos, você ainda tem muito mais enigmas para resolver, mas estamos falando de ciencias históricas, não dá para por num laboratório e rafazer a história) “Os crentes antigo astronauta” e os chamados “cientistas” estão no mesmo barco, cada um defendendo sua cosmologia, e não estamos todos à procura de respostas? O “cientista tambem afirma que Sitchin não consegue demosntrar que os sumérios falavam “exatamente” de um “12º planeta”, ou de “nefilims” como “seres extraterrestres”, ora, você teria que ser um idiota para não a perceber que alguns dos antigos poderiam ter falado apenas numa linguagem que posssuiam, sobre interpretações culturais e mitológicas celestes, eventos biológicos e geológicos de maneira que eles podiam descrever. Não é essa uma das premissas das hipóteses AA, de que os astronautas foram tidos e chamados por “deuses”.
    A maioria das pessoas que seguem Sitchin ou gostam das pesquisas OVNI, como a hipótese dos antigos astronautas,de interpretações diferentes da História Antiga e da Simbologia do passado, não são um bando de irracionais, preguiçosos ou estúpidos, somos pessoas que percebem que a natureza da ciência está sempre mudando e que a comunidade científica tem provado ser pouco confiável no momento histórico em que vivemos. Os físicos não podem nem mesmo “fornecer” uma teoria unificada para a relatividade e a mecânica quântica (?) e querem degar uma esfera de fenômenos sobrenaturais! Todo mundo sabe que o Dr. Zahi Hawass censurou as pesquisas que iam contra suas teses durante décadas, e querem negar que as piramides podem não ter sido tumulos dos faraós! E, infelizmente, tem gente tentando usar interpretações clássicas da história com o se fossem “verdades” para refutar uma hipótese AA que tem validade científica, mas que precisa de mais pesquisa, mas só terá mais pesquisa se for reconhecida, como é que fica então?

    • B. S. Possi says:

      Macc
      Nem PHD salva!
      Martin Fleischmann e Stanley Pons por exemplo foram ridicularizados em 1969 quando disseram que seria possivel se obter uma fusão nuclear a frio, Fleischmann por exemplo tinha PHD e ganhou vários premios cientificos durante sua carreira, e mesmo assim, foi ridicularizado.
      Pra se ter ideia, os EUA não aceitavam patentes quando se tratava de fusão a frio, com isso, se alguem financiasse a pesquisa, corria o risco de não ganhar nada com isso.
      A fusão a frio então virou meio que lenda, ninguem nunca acreditou nela de verdade, foi então que Andrea Rossi e Sergio Focardi reviveram a teoria e COMPROVARAM que a fusão a frio é possivel, sabe o que aconteceu?
      A NASA entra com pedido de patente de pesquisas que se utilizam de fusão a frio.
      Mas não era IMPOSSIVEL? Bom, ERA…
      Tenho mais um monte de exemplos de gente com PHD que vê uma teoria alternativa a uma já consolidada e mesmo com PHD, grandes financiadores, acabam caindo em descrédito.
      PREPOTENCIA e MEQUINHARIA é que são o cancêr da ciencia, e não os “pseudos-cientistas”

  59. Rodrigo Aguiar says:

    Meu pensamento é um pouco simplista, mas, se existisse vida na lua (terráquia) ou em marte, nós seríamos os alienigenas, logo, não dá para negar, “aliens” existem, e nós somos provas vivas que podem existir outras civilizações que “navegam” pelo espaço, afinal nós somos os “aliens” que visitamos a lua, e no futuro seremos “aliens” em marte.

    Qual será o próximo planeta que os “aliens” vão visitar ?

  60. Paulo Cesar Sampaio says:

    Macc

    Já ficou claro aqui no C.A que você é um homem sério, estudioso e nada preguiçoso. O que motiva o escárnio por parte da comunidade cética para com os ufólogos é que vocês (os estudiosos) estão cercados de idiotas que servem de porta voz do seu time. Quando a Tiazinha ou a Leila Lopes (que descanse em paz, ou não) falam que viram naves espaciais, fica impossível não rir.
    Eu acredito que seja isso: a ufologia se vende muito mal. Talvez daí decorra tamanha animosidade entre céticos e ufólogos. Pessoalmente, acho que um bom ufólogo deve ser, acima de tudo, cético.

    Um abraço.

    • Macc says:

      Concordo em Gênero Número e Grau com vc…
      Também rimos muito dessas mistificações e combatemos muito estas “aberrações” dentro da ufologia (se realmente não houver substancia, não sejamos pré-conceituosos com a afirmação de que a tiazinha NÃO poder ser uma testemunha de respeito como qualquer outra pessoa, enfim).
      Acredito que o trabalho de muitos ufólogos é sério, científico, apaixonado e feito pelas razões mais nobres compartilhadas pelos humanistas seculares “céticos modernos”, infelizmente o que vejo é que o “movimento cético” precisa combater suas próprias deficiências e exageros com mais profissionalismo, tendo uma base filosófico-teórica mais adequada e mais debatida internamente quanto ao que é ciência e como ela funciona (demarcações da ciência). As demarcações trabalhadas pelos céticos hoje (neopositivismo, neohumanismo et…) são muito ultrapassadas comparado com o que se discute hoje nas universidades, e mais do que isso, são lógicas inadequadas para tratar da maioria dos temas que os céticos pretendem desconstruir (utilizam o método errado para tratar temas como a ufologia, que neste estágio, ÓBVIAMENTE, não pode apresentar “provas” definitivas e reprodutíveis, por exemplo, como num experimento de física aplicada).
      A ufologia séria como disse aqui, está crescendo, se disseminando e se institucionalizando e eu temo que a postura cética em não revê-la e aceitar parte de seus resultados de maneira mais “aberta”, e realmente científica, ao invés de ficar negando TUDO como uma criança birrenta e sem razão, irá um dia se voltar ( já esta se voltando) contra toda a credibilidade do movimento. Se um dia houver uma abertura político-governamental sobre a questão extraterrestre e tais ufólogos conseguirem ou puderem demonstrar e forem aceitos pelos consensos científicos que eles tinham razão em suas hipóteses básicas, o que será desse movimento cético? Desmoralização total! Por isso, é preciso combater as falácias sim, mais agir com moderação e não ficar inventando hipóteses ad hoc ridículas e infundadas só para combater TUDO o que a ufologia séria apresenta.
      Outra coisa que os “movimentos céticos” fazem e que acho muito suspeito e que vai ajudar muito a corroer a credibilidade desse como sério, é a insistência dos céticos em ser crente com as afirmações de autoridades ou dos governos, ser complacente com o status quo de quem está no poder. Existem tantos assuntos que poderiam ser alvo de um ceticismo e que estão no âmago dos paradigmas científicos, mas os céticos não questionam a ciência “oficial”, ela é intocável! Ora, como afirmar isso e afirmar ao mesmo tempo que o movimento cético se baseia na ciência se qualquer cientista culto sabe que quanto mais ciência, mais controverso é um assunto, não há certezas na ciência., há certezas no uso político da ciência… enfim isso não deveria ser novidade para ter que ser discutido aqui…

  61. Magno says:

    Macc.

    Concordo com tudo que voce disse, tanto em relação a ufologia séria, como também na maneira errada de agir do movimento cético, em relação ao que se diz científico.

    Veja por exemplo na questão Nibiru (não estou dizendo que ele existe), em que a maior base para a não existência dele, segundo os céticos, era a impossibilidade da gravitação do mesmo. Não observavam que o próprio Sédna tem uma órbita anômala

    Aí vem os pesquisadores do Instituto Kavli para Cosmologia e Astrofísica de Partículas (Kavli Institute for Particle Astrophysics and Cosmology – KIPAC) e sugerem em um novo estudo, que nossa galáxia pode estar infestada com “planetas nômades”, (possivelmente em um número maior que estrelas), vagando através do espaço, ao invés de orbitar ao redor de estrelas.

    Eles dizem que deve haver 100.000 vezes mais desses planetas na Via Láctea do que estrelas. E se esta estimativa for confirmada, poderia afetar as atuais teorias da formação de planetas, e mudar nossa compreensão da origem e abundância da vida.

    Se temos planetas errante na nossa Galáxia, a idéia de um desses planetas entrar no nosso sistema solar, não seria uma coisa absurda. E o pior e ver que essa idéia não é nova, ela já vem sendo dita, das mais variadas formas, desde a antiguidade.

    Quanto a questão OVNI, segundo Gevaerd, da revista UFO, eles têm os documentos sobre a Operação Prato, que foram liberados pela FAB, em que constam os desenhos dos OVNIs, feitos pelo capitão Uyrangê Hollanda Lima (pelo menos foi o que entendi, não fui confirmar, mas segundo ele, eles estão a disposição do público, inclusive no site da UFO).

    Se esse documentos realmente existem, eles mostram que não podemos dar total credibilidade as informações oficiais, pois até pouco tempo, o que a FAB dizia de maneira “oficial”, era que eles não existiam e que os membros da operação prato, era não tinham visto nada que desse razão para a permanência deles na Ilha de Colares.

    Eu não elejo uma única fonte sequer, como dona definitiva da verdade, todas elas têm suas verdades e suas mentiras. Por isso procuro “garimpar” as coincidências entre elas analisá-las conforme o meu entendimento.

    Abs.

  62. Macc says:

    Fizemos uma discussão interessante sobre porque temos que ser céticos com a SENHORA ciencia, para não sermos crentes em “LIVROS SAGRADOS” neste post aqui do site:

    http://www.ceticismoaberto.com/ceticismo/7633/ganhe-o-livro-por-que-as-pessoas-acreditam-em-coisas-estranhas-de-michael-shermer

  63. Paulo Roberto/Rj says:

    Vou repetir meu post de 12 fevereiro, ainda atual:

    Sei o quanto é díficil produzir uma matéria.
    Porém, hoje é 12 de fevereiro (agora 3 de março) e só tivemos uma única matéria em todo ano.
    Enquanto isso os ufólogos estão produzindo dezenas de matérias, semanalmente , que não estamos conseguindo contestar.
    Daqui a pouco vão dizer que os ceticistas foram extintos, ou que entregaram os pontos.

    • Macc says:

      POis é, vc vê como a ciencia é uma atividade parcial e que não expressa a realidade humana, para se produzir um artigo leva muito tempo, têm-se que obedecer várias regras e censuras normativas… fazer pesquisas detalhadas sobre o que consideram “certo” e “verdade”, estar de acordo com as autoridades, eliminar a fantasia , a criatividade….temos que tomar cuidado com a política educacional… eta escravidão mental!

      É por isso que não podemos nos basear na ciencia para nortear nossas sociedades e muito menos nossas vidas. Deixem as pessoas viverem a vida delas como elas bem quiserem…

      Abaixo as formas de pensar que não sejam livres e democráticas, tres vivas aos ufólogos, os astrólogos, a macumba, as religiões… Morte ao pseudo-ceticismo dogmático e pretencioso!

  64. Adriano says:

    Macc,

    Tudo depende do “sistema de crenças” que cada pessoa escolhe para si. Não tem como você definir “certo” e “errado”. Você fica o tempo todo defendendo suas idéias, também baseado no que você acredita. Isso vale para todos, não tem como fugir disso. Alegar que os outros são pseudo-céticos e não se definir assim a si próprio também é falta de “honestidade intelectual” (algo que também deve ser discutido se existe propriamente). A “comunidade cética” e a “comunidade científica” tem também suas bases, acreditamos que as leis da física e quimíca mais usadas e aplicadas no nosso dia a dia são verdades…mas comprovar novamente uma por uma é muito difícil. Os livros nas estantes devem conter muito mais verdades que mentiras, mas se você começar a questionar tudo que estuda desde o princípio sozinho, vai morrer tentando descobrir como se mede o tempo. Por esse motivo existem pessoas estudando sempre e novamente todos os detalhes, e vivem aparecendo novidades, que quando verdade, acabam mudando partes de algums livros velhos das estantes. Não tente empurrar sua forma de ver o mundo. Encontre seu rumo, deixe que os outros encontrem os deles. Dentro do ceticismo, da ufologia, de qq ramo, temos picaretas e honestos, inteligentes e burros….pentelhos, cricris, chatos, sempre. Quando você vem sistematicamente ao ceticismo aberto criticar todo e qualquer artigo, de todas as formas possíveis, o que você quer? Você tem um objetivo em mente? Quer “abrir” a cabeça dos “pseudo-céticos”? Quer ensinar como se deve ser cético? Duvidando de qualquer maneira dos artigos todos? Porque não abre um site com seu sistema de crenças e mostra como é melhor pensar do seu jeito? Afinal, o que você quer exatamente?
    Lendo seus comentários só consigo pensar em você como uma pessoa inteligente e chata…é isso que quer passar?

    • Macc says:

      Desculpe Adriano, em primeiro lugar, não sou cético (como definido aqui).

      Segundo, você só pode estar muito confuso para postar tamanho engano sobre “minhas intenções”:

      1 -Quem é autoritário é o sistema “cético de pensar” afirmando que só existe UMA VERDADE, UMA LÓGICA e UMA MANEIRA de se entender o mundo, “através da ciência”. É isso que combato aqui com meus comentários neste site.
      2- É óbvio que minhas opiniões são apenas isso, pontos de vista, Tendo basea-las em evidencias para que vcs aceitem que a ciência tem grandes contradições e que não constrói UMA VERDADE. Isso não quer dizer que eu defendo meu ponto de vista ou outro qualquer como ABSOLUTO (como fazem os céticos).
      3- Se em sua opinião, vcs “acreditam” que as leis da física e química explicam tudo, bem infelizmente devo lhe informar que os físicos e os químicos NÃO acham isso, e é isso que eu tento colocar aqui em perspectiva nos méis comentários. E se vc acha que os fenômenos tratados aqui neste site são explicados somente pelas ciência exatas, sua noção “do que é” ciência está meio desatualizada. Mas isso é isso é fenômeno bem conhecido (e aqui digo que vou generalizar, existem exceções), os universitários das áreas de exatas e de biológicas estudam pouquíssima epistemologia e história da ciência na universidade (filosofia então nem se fala), quando muito conhecem alguns manuais citando nomes de autores e mesmo assim, tudo sobre uma visão normativa de regras e esquemas, isso quando os professores de metodologia não “substituem” as discussões epistemes pelo ensino da ABNT. Assim, não se aprofundam nas controvérsias e saem da universidade ter noção do que é ciência e como ela funciona. Agora pergunte qual é a formação da maioria dos céticos.
      4- Como disse anteriormente, faz tempo que a CIENCIA não é nada do que os “movimento cético” quer que ela pareça (apenas positivista). SE meus argumentos não fossem tão óbvios, eu não incomodaria ninguém e não estaríamos tendo esta conversa. (incomodar é bom, faz pensar).
      5- Desculpe se critico todos os artigos e vcs “acham que não conseguem responder”, se for verdade, melhorem os artigos ou as respostas. Eu pessoalmente tenho muitas dúvidas sobre o que falo aqui.
      6- Como eu posso estar empurrando “minha forma de ver o mundo” eu estou apenas argumentando em favor da pluralidade de visões, não uso de dogmatismo como o movimento cético que nega tudo que a “ciência segundo ele” não “admite”. Quem não compreende a diferença entre impor e argumentar não deveria estar falando de ciência em primeiro lugar, pois não entende o que é ciência.
      7- Acho que vc sai da realidade quando me pede para fazer um site meu e “parar de atormentar o pacífico mundinho cético”, os céticos devem se sentir ofendidos por isto, acho que eles podem se defender de minhas colocações, se eu não achasse isso não perderia meu tempo aqui dialogando comigo mesmo. Se posto minhas “opiniões aqui” é exatamente porque não concordo, de que serve um site de comentários se não para discutir opiniões contrarias? Agradeço ao Mori e caho que ele deve orgulhar-se de mater um fórum aberto à discussão. Imagine se pessoas “não céticas” não visitassem o ceticismo aberto, de que valeria o site?
      8- Se vc não acha que devemos ser céticos com a informação científica publicada (livros e artigos) e com as informações de internet, ou argumente em sua defesa (com bons argumentos), funde uma religião, a do “ceticismo mais ou menos aberto”.
      9- concordo plenamente com você, não há “certo” ou “errado”, só esse entendimento básico já faz de nos dois ótimos “relativistas” em potencial, prontos para criticar um movimento político cético do Brasil que “acredita” em um CERTO e um ERRADO, e que quer impor sua verdade através da fantasia que produzem sobre a ciência, pura propaganda para mater o status quo da moral humanista secular, mas isto é outra questão.
      10- Por fim, parece que já tivemos esta conversa antes, já percebeu que quando o movimento cético e seus simpatizantes ficam sem argumento começam a postar caricatos “discursos políticos” como este seu ultimo post, invertendo o mérito da questão.
      Obs: Como fiz com alguns personagens aqui, é a ultima vez que respondo um post seu que não contenha uma argumentação específica sobre o assunto, ficar me xingando de “chato” e me censurando baseado no que vc acha que eu penso e tenho como intenção é uma perda de tempo. Se postar bobagem novamente, vou responder com bobagem…
      …. que tal argumentar sobre o (porque?) em sua opinião devemos ser crentes com o que esta escrito nos livros e artigos da ciência (?), porque acreditar nestes livros sagrados e não em outros? Nos sacerdotes científicos e não em outros?? E não vale dizer que os próprios cientistas afirmam serem honestos e que segundo eles a ciência é uma atividade que se auto corrige em busca da verdade…

  65. Se says:

    você não entedeu nada…quero dizer que você tem o direito de pensar do seu jeito, mas não deveria insistir em achar que o seu jeito é o correto…só isso…e ser chato não é xingamento, quero dizer que você é maçante, repete muito as mesmas argumentações, se não sabe a definição de chato e pensa que é xingamento não posso fazer nada.
    Fiz perguntas sobre quais são suas intenções portanto dizer que postei enganos sobre você é uma bobagem imensa de sua parte.
    1 – Gostaria que me informasse aonde está esta convenção dos céticos que dize que existe apenas uma maneira de ver o mundo. Gostaria que você entendesse que esta é uma opção. Que você respeite isso.
    2 – ok, ainda bem
    3 – aonde você leu que as leis da física e química explicam tudo? quem escreveu isso? você muda as frases para poder escrever sobre o assunto? acorde. Vou explicar melhor, estava te dando um exemplo. Meu computador funciona, os chips, as trocas de informação, todas estudadas e baseadas em teorias, funcionam…na prática….é um bom método de acreditar em algo…não concorda?
    4 – Mas se o ceticismo for bem positivista, qual o problema? você não deixa os outros acreditarem nos seus livros religiosos? não acha que cada um está na sua?
    5 – ah que bom que você tem dúvidas sobre o que você fala, não parece mas é bom que tenha escrito isso, fica menos “sabichão”.
    6 – Se você defendesse o plurarismo com menos picuinha poderia se sair melhor…mas pelo menos agora você começa a dizer suas intenções.
    7 – Qual a dificuldade de criar um site? Seria bom, você não precisaria ficar repetindo infinitamente as mesmas coisas em todos os comentários de todos os artigos….isso que queria que você entendesse como sugestão.
    8 – Eu não acho, você ou entendeu mal alguma frase ou se confundiu e inventou isso. Acho que devemos ser céticos sim, com TUDO, inclusive com nosso modo de pensar.
    9 – ok
    10 – já falei sobre isso tudo.
    Por fim deixo uma pergunta apenas:

    Como você, pessoalmente, define se algo pode ser considerado verdade? (tipo, ligo a tv na tomada, ela funciona, dizem que é a energia, eu acredito).

    • Macc says:

      Adriano vou fazer uma última tentativa de esclarecer meu ponto de vista e argumentação:

      1- Existem várias convenções do “movimento cético” ou dos “céticos modernos”, todos ligados ao “neohumanismo” conservador e sua cria política, o CSICOP, Committee for the Scientific Investigation of Claims of the Paranormal (Comitê para a Investigação Científica de Alegações do Paranormal). Estes não tem qualquer ligação institucional com a ciência, seus objetivos práticos e sua posição filosófica de “ceticismo científico” são uma piada em termos epistemes e só são validados por associações como “Sociedade dos Céticos”, pela “Fundação Educacional James Randi”, assim, basta que vc leia o propósito “deste movimento político” declarado neste mesmo site aqui ou leia as declarações de intenção da LiHS do brasil. Está tudo bem claro e declarado “querem impor à sociedade” a ciência como ÚNICO conhecimento válido (pelo menos, o que eles acham que é ciência).

      2- Já que vc concorda comigo nessa questão sobre a “imposição” do movimento cético, é capaz de entender minha preocupação com relação a tal ideologia e minha postura combativa ao dogmatismo (mesmo que os céticos não percebam o quanto são dogmáticos).

      3- Respeito não é o mesmo que consentimento. Eu posso “ser a favor” da liberdade de expressão e não concordar com o ponto de vista de um nazista. Como eu havia dito, um fórum de discussão não é para as pessoas ficarem se lambendo, é para que elas discutam idéias, de preferência contrárias. Eu respeito à posição de qualquer outra ideologia, mas não concordo com o movimento cético, pois “acho uma piada epistemológica” já que é desatualizado sobre as demarcações sobre o que é ciência dada pelos neohumanistas. Tento corroborar o que afirmo em meus posts citando referencias sempre que possível (embora qualquer um numa rápida pesquisa sobre filosofia da ciência numa universidade descubra isso), se isso é ser chato eu não sei, deve ser para quem é “cético” ou não entendo do que eu estou falando.

      4- O ceticismo é BEM positivista, claro que é, e se vc sabe o que é o positivismo deveria estar preocupado com em defender a liberdade que vc diz cultivar. O neopositivismo do movimento cético não admite “opiniões” que não sejam aceitas pelas “regras” da ciência que eles mesmos inventaram. Eu ao contrário sempre posto aqui que não existem VERDADES que devam servir como uma moldura para o conhecimento, o comportamento, as leis ou a vida dos outros (os humanistas seculares acham não só que elas existem, como que deveriam ser impostas pelo estado, a força! Já fazem isso através da educação). No meu caso, o que eu acredito ou deixo de acreditar pessoalmente ou academicamente não deveria ser imposto a ninguém, como já te expliquei na questão sobre o respeito.

      5- Eu não quero que me achem “sabichão”, isso só gera distancia, assim, valeu pela dica, como todos os “bem intencionados” aqui neste fórum, eu só gostaria de passar um ponto de vista diferente e gostaria principalmente que aqueles que lerem meus posts se questionem e depois investiguem meu ponto de vista, é a única maneira aqui de deixar uma contribuição compartilhando minhas experiências e conhecimento.
      6- Não vejo “picuinha” no que faço, desculpe, mas se vc não citar exemplos é somente sua opinião.

      7- Entendi agora a sua sugestão, mas eu acredito que se eu criasse um site (como te disse) nenhum cético ia visitar. Aqui neste fórum, posso conversar com quem tem pontos de vista diferentes do meu, ademais este site é uma referencia já bem divulgada ao tema ceticismo moderno. Agradeço ao Mori por essa oportunidade (não é ironia não, agradeço mesmo, os outros sites de ceticismo censuram tudo que é contra o que eles falam).

      8- Pois é, só que o “movimento cético” não pratica ou não compartilha esse nosso “fetiche” cético de criticar a ciência. Fora a questão da ciência ser uma religião (ponto de vista que defendi com argumentos em outras postagens), onde vc já viu um artigo exercitando o “ceticismo” com alguma publicação do Richard Dawkins, por exemplo? Na academia existem centenas de críticos do Dawkins, em diversas áreas, inclusive na biologia, há…mas o Dawkins é um dos papas do movimento humanista secular. O problema é o seguinte, no dia em que o “movimento cético” admitir publicamente que a ciência é cheia de controvérsias, de que não existem grandes verdades, de que o positivismo só está na educação tradicional por causa de interesses governamentais, mas que até este está em declínio, o “poder” do discurso cético termina. Assim, o cético nunca será cético com a ciência, e assim, nunca o ceticismo será baseado em ciência, apenas em propaganda de alguns setores políticos, já que a pluralidade paradigmática, a incomensurabilidade, a mudança e a incerteza é uma das características fundamentais do que se considera hoje, CIENCIA.

      9/10 Ok.

      Quanto a sua pergunta (entendi que seria uma contr-apergunta a minha que vc não respondeu)… Bem, posso responder da seguinte forma: Eu sou brasileiro, ocidental e nascido no sec. XX, tendo em vista isso, concordo com vc que o conhecimento “para nós” dentro da nossa lógica materialista e indutivista, só é apreendido através de nossas percepções e explicado através de leis físicas que pressupõe cauda e efeito. Isso é a VERDADE para nós (ocidentais, materialistas etc…), existem inúmeras formas de explicar o mundo que não esta, este é o primeiro ponto que eu gostaria de deixar claro, que a maneira de explicar o mundo como vc mesmo concorda ao usar a palavra “acredito” é uma contingencia histórica. A segunda consideração faz-se a partir da primeira, ou seja, se é histórico temos que entender o contexto. Explico… nós temos que perceber que o “movimento cético” não está preocupado com pessoas que não acreditam no funcionamento da televisão, se preocupam com questões “maiores” que envolvem o que eles chamam de “alegações paranormais”, isto é tudo o que foge ao código da norma ou moral cética do que é “normal” ou “natural” no mundo. Daí temos duas questões a resolver: 1- questão filosófica (metafísica e ideológica) 2- questão científica (até onde chega o indutivismo). Vou responder com o seu exemplo da televisão, nele vc afirma que a explicação para o funcionamento da tv é a “eletricidade”, ótima resposta, mas o que é a eletricidade? “Uma corrente de eletrons”…. O que são elétrons? Partículas subatômicas … E o que os físicos sabem sobre tais partículas? Bem, desde a “revolução” da física quântica (neste caso o relevante seria o princípio da incerteza) que os físicos de vanguarda sugerem (pois a ciência não trabalha com certezas) e corroboram (experimentalmente) que pelas características destas partículas precisam ser explicadas ainda por uma lei que acabe com o postulado de Causa e Efeito, ou seja, que nada do que achávamos ser a realidade perceptiva indutiva é da maneira que a física clássica um dia imaginou (claro que tudo isso é bem mais complexo e não há espaço aqui).
      Mas fica a questão, o que quero dizer é bem simples, os céticos querem afirmar que não existem fenômenos paranormais (espíritos, poderes extra-sensoriais, deuses, etc… argumentam como vc que eles não existem, pois não existe explicação científica, e por isto não existe parcimônia com o conhecimento científico. Como vc já deve estar percebendo, o problema é que o que eles utilizam como “conhecimento científico” se restringe não a ciência, mas a propaganda da ciência, não a pesquisa de vanguarda, mas ao estereótipo da ciência que defende os interesses dos grupos humanistas seculares.
      No que eu acredito? Acredito que estudando o que é ciência “de verdade”, não é possível a ninguém hoje, afirmar certezas monolíticas justificando que a “ciência descobre a verdade através de um único método infalível”. Ou que o que estamos vendo seja novidade na história: grupos querendo dominar e obter poder através do discurso da “verdade”. Acredito que o ceticismo deveria combater o dogmatismo onde ele estiver e não ficar escravo de projetos políticos.

      • Macc says:

        Desculpe, correção, não é “cauda e efeito”, é CAUSA e EFEITO…
        (vai saber, aguém pode não entender)

  66. Adriano says:

    ultimo comentário foi meu…apareceu “Se” por erro…

  67. Antonio Andrada says:

    Olá senhores, veja se alguem pode me ajudar:

    Entrei em um outro site de “ceticismo” chamado “Bule voador” e postei um comentário sobre uma matéria, acontece que o comentário nunca apareceu ( e eu não postei nada ofensivo, so conteudo academico), vcs sabem se este “bule voador” é daqueles sites que censuram o conteudo do que é comentado? Se alguem souber me avise que não perco mais meu tempo, bom, fica aqui o protesto…

    Agadeço a atenção de todos.

  68. Adriano says:

    Macc, tinha te respondido ponto por ponto…mas parece que comentário não foi aceito….(comentário normal sem nenhuma ofensa,etc).
    deixa pra lá.

  69. Lourenso says:

    Prezados,
    adorei o site, e as discussões, muito bom Macc e demais Posts-landos.
    Sabe eu adoro a ciência é a única que se contradiz com provas, onde todos os dias vemos teses sendo derrubadas e outras tantas aparecendo.
    Uma das contradições que veio a mente é sobre a Abelha Rainha , na teoria ela não poderia voar…
    Sabe prezados, para ser um bom cientista ou investigador, além de conhecimento é necessário ser cético, pois se fomos pesquisar, qualquer coisa que seja, já crentes que acharemos ou veremos, com certeza isso ocorrerá ou poderemos ser influenciados para vermos elefantes cor de rosas voando
    Agora, o importante é não misturar Religião com ciência, apesar de ambas dependerem da fé.

  70. Nuvvem Branka do laddo says:

    Caros participantes… alguns pontos(…),
    .
    A movimentação, deslocamento alienígena, em velocidades hiperluz, pelo espaço interestelar e intergaláctico se faz com uso de simples sintonizadores de radiação, em todas as frequências. Já que cada região e corpo espacial possui radiação própria, seja visível ou não. Contudo, é correto o mapa estelar em estilo terrestre visualizado por Betty Hill. Pois para uma perspectiva de 360º ao redor do Sol, tendo por mirante a superfície da Terra, seria simples uma identificação da morada dos visitantes. Trabalho esse executado pela profª Marjorie Fish.
    ..
    Apesar das antigas pirâmides serem fascinantes e misteriosas, ainda para a atual humanidade, seus projetos e construções foram frutos de raciocínios simples dos estudiosos de suas épocas, e nada de mirabolantes intervanções Aliens. Para começar – suas elaborações eram precedidas de pequenos modelos ( pequenas maquetes) com todo o conjunto necessário de pedras fixas e algumas móveis (portas seladoras) que depois (de aprovadas) seriam reproduzidas no tamanho da escala várias vezes maior. Para terminar – muitas das ferramentas que foram então usadas são conhecidas hoje, porém haviam outras que foram específicamente usadas para grandes pedras (como martelos e cinzeis enormes, cordames, conjuntos de alavancas, fogueiras, água etc) que os arqueólogos e engenheiros nem fazem idéia ( e é também estranho que fiquem fazendo elucubrações bizarras sobre a construção de trabalhos megalíticos). Passem, não um ano, mas séculos trabalhando no dia a dia com pedras e acabarão descobrindo quais suas reais possibilidades e propriedades. Só que esse é um conhecimento desnecessário hoje, e há muito tempo que já virou pó da história e pré-história. Tenha em mente apenas uma coisa – simplicidade e uso de ferramentas específicas (insisto: diferente de hoje que um trator ou guindaste se adaptam a fazer inúmeras coisas, naquele tempo a maioria dos instrumentos eram para uma só finalidade, sendo totalmente descartados e até destruidos depois que seu uso cessava. Daí exemplares não terem chegado a atualidade). Onde estão os milhões de máquinas de escrever de apenas alguns anos atrás? E as milhões de tvs P&B?

    Num meio aquoso supersaturado de NaCl, e quente, os cristais do sal ficam dissolvidos, porém ao se esfriar a temperatura da solução seus cristais voltam a surgir. O granito e as demais rochas são insolúveis, mas caso fosse possível dissolvê-las e recristalizá-las quantas coisas seriam facilitadas.
    Por fim algumas perguntas: Assim como o cimento líquido e o vidro mole podem ser moldados, um determinado tipo de lava poderia ser também? Uma massa fria e mole de um pouco de mica, feldspato e quartzo reunidos é possível? Haverá um ingrediente que interfira, sem altas temperaturas, na solidez de uma rocha? Ou tudo se resume a sempre fraturar a pedra? A atual e perseguida fusão a frio é apenas uma loucura de cientistas doidões? Liberar as enormes energias intraatômicas sem altas temperaturas e pressões será possível? E quebrar, ou interromper, as ligações intramoleculares das rochas, de forma prosaica, já foi conseguido, algum dia já se soube como fazer?

    • Antonio Andrada says:

      Concordo plenamente com a questão do suposto “Mapa não precisar se encaixar em nossas expectativas técnicas”, mas temos que pensar que pode não ter sido sequer um mapa o que Bete Hill viu, pode ter sido uma representação que os “extraterrestres” mostraram à ela para simples ilustração de onde vieram (por isso usaram pontos de referencia terrestre de maneira que ela pudesse compreender).
      Outra colocação é a de que não importa a questão da “Anamorfose” da maneira como a argumentação do texto pretende, (ela não pode ser usada para negar simplesmente), pois a premissa dela é que temos bilhões de estrelas, portanto, podemos encaixar o mapa em diversas constelações. Concordo em termos (outros detalhes devem ser levados em conta “questão dos sistemas permitirem a vida” etc.. embora nada disso seja exato.), a critica é que tal premissa da Anamorfose sozinha não leva a uma conclusão definitiva sobre a “validade” da hipótese que se pretende negar. Assim, os céticos concluem que a configuração do “mapa” não é verdadeira como evidencia exata, e que assim o caso não é verdadeiro etc… concordo que podemos encaixar o “mapa” em muitos lugares, mas ao mesmo tempo, e usando a mesma premissa, não necessariamente ele é falso como evidencia, pelo contrário, podemos testá-lo em diversos contextos astronômicos . Ainda que “encaixe ou não” em uma configuração de uma constelação, cabe interpretar a evidencia em conjunto com outras oferecidas pelo caso. Os casos ufológicos devem ser investigados em sua totalidade, separar as evidencias para nega-las de maneira absoluta e dai negar todo o caso é uma falta metodológica, na ciencia temos sempre que interpretar o contexto “contextualismo” dos fenômenos, senão caímos no velho erro do reducionismo.
      ***
      Sobre as pirâmides, e fico mais confortável neste assunto, porém não vou ficar vomitando referencias (depois reclamam de meus comentários gigantescos), devo dizer aqui brevemente que não adianta (cientificamente) ficarmos “imaginando como as coisas devem ter sido simples”, só para nos contentarmos em não pensar em mistérios, a ciência só avança, pois são feitas perguntas e identificados problemas a serem resolvidos. Assim, se é tão simples a construção de uma pirâmide como a de Gizé, seria também simples a produção de modelos “funcionais” explicativos pela arqueologia experimental, e isso não ocorre. São bolados inúmeras teses que quando são testadas, fracassam miseravelmente ou então são testadas em “menor escala” e ai não vale, é 171 epistemológico. Só dizer que “deve” ter sido “fácil”, mas que não “sabemos como fizeram” porque “subestimamos os egípcios antigos” não explica nada na ciência, mais parece mais “pensamento positivo” de nova era.
      Penso que os céticos deveriam fazer um esforço teórico para olharem com “ceticismo” o próprio conhecimento cientifico sobre tais construções, pois, ainda existem enormes lacunas e inconsistências nas explicações “tradicionais”, lacunas permitem sim que se pergunte: 1- Como (?) poderiam ter sido construídas sem tecnologia avançada; 2- Onde está tal contexto arqueológico, e quem tinha tal contexto naquela época (?); Porque não se acha nada ligando as teorias dos egiptólogos a estes “monumentos”; por que os próprios egípcios antigos atribuíam tal conhecimento e técnicas “mágicas” aos “deuses”, quando não a sua própria construção, será que tudo pode ser explicado pela devoção simbólica?; 3- Existem outros exemplos mundiais de outras civilizações onde ocorreram os mesmos contextos e fenômenos; …. e por ai vai… todo mundo está cansado de saber.
      Coisas que estão incorretas segundo o que conheço: Ferramentas simples fazem coisas simples e limitadas, não o contrário. Não se encontram ferramentas “em contexto arqueológico” para a construção da grande pirâmide. Na antiguidade, o descarte e o uso de ferramentas eram menores do que hoje, não maiores. A maioria das ferramentas utilizadas para se esculpir pedra são feitas de pedra, assim, não podem ter desaparecido simplesmente pelo intemperismo. O problema aqui, não é somente a “técnica construtiva”, mas como ela teria se desenvolvido, não há registro deste desenvolvimento (nenhum período arcaico), assim não há registro do desenvolvimento de tecnologias para isso. Não dá para comparar e utilizar exemplos tão distantes como “as máquinas de escrever e televisões antigas”, que se não estão na coleção de alguém ou sendo usadas, foram recicladas ou estão nos aterros sanitários das grandes cidades se decompondo rápido. É interessante a questão de “amolecer rochas” como o granito, há inclusive tal técnica descrita em textos antigos, inclusive egípcios (que são classificados como alquímicos), mas na questão da grande pirâmide lembre-se que são na maior parte rochas sedimentares (calcário) e que tal processo seria visível hoje pela perda da continuidade laminar da estrutura da rocha.
      Por fim, gostaria de lembrar que o mais interessante sobre a hipótese de que extraterrestres tenham de alguma forma intervindo na construção desses monumentos, é a questão mitológica que raramente é abordada nestas discussões. Nós, que defendemos a hipótese PaleoSETI não tiramos tais afirmações “da cartola”, ela nasceu primeiramente dos próprios textos escritos por estes povos do passado, que afirmam que “seres mais poderosos” (pode-se interpretar tecnologicamente) vieram das estrelas e interagiram com os homens, uma dessas interações dói exatamente à construção de “templos”. No caso do Egito temos os textos inscritos nas paredes do templo de Horus em Edfu, onde contam basicamente como os “deuses” chegaram à terra do Egito, fugidos de um “cataclisma” e construíram as cidades para imitar sua terra natal destruída, além de sua ligação com as estrelas, outras moradas celestes, etc… Será que as pirâmides foram construídas neste “Zep Tei” ou“primeiro tempo” e depois reutilizadas pelos faraós? A história se repete em vários lugares no mundo.
      A hipótese paleoSETI quando vista de sua perspectiva correta, me parece a mais parcimoniosa com o conhecimento científico e para-cientfico que temos hoje sobre o passado e o universo conhecido e por sua importância, merece ser investigada.
      Assim, no geral, concordo com vc, e é exatamente com o que os arqueólogos e engenheiros não fazem idéia que se preocupa a hipótese paleoSETI.

  71. Nuvvem Branka do laddo says:

    Seria impossível para um homem antigo, de apenas três séculos atrás, tentar descobrir de que é feita e como foi feita uma garrafa pet. Assim, como também é impossível hoje em dia sabermos exatamente como certas coisas do passado surgiram. De certeza apenas o fato de que elas existem. Porém, às vezes, o mistério é mais simples do que se imagina.

    • Antonio Andrada says:

      Ótima colocação.
      E é exatamente por essa característica da arqueologia “de ser uma ciência histórica (ainda mais difícil por trabalhar com pouquíssimos fragmentos do passado)” que não podemos FECHAR a liberdade de propor hipóteses, sejam elas quais forem ou de ACHAR que uma explicação é mais SIMPLES e por isso VERDADEIRA.
      E o mais importante de tudo, por essas características da arqueologia, o conhecimento que ela produz é sempre fruto de uma ideologia histórica do tempo em que as hipóteses foram escritas, ou seja, se hoje não se considera hipóteses paleoSETI na academia em larga escala, não é por falta de evidencia, mas pela ideologia do sec. XVIII, XIX e começo XX, que interpretou a evidencia de forma a explicar a história dentro de certas premissas, a saber o “Antropocentrismo Iluminista” “O Sócio-evolucionismo linear”, “A Mitologia Culturalista”, o “Histórico Culturalismo Arqueológico”, “A imposição da “Histórica do Colonialismo Ocidental”, o “O determinismo biológico”, a “A psicologia analítica”, o “Funcionalismo Antropológico” o “Estruturalismo Cognitivo” etc… estas são algumas das linhas ou correntes de pensamento que moldaram o conhecimento histórico das origens e do passado humano nestes últimos séculos. São modelos de interpretações, não verdades como querem muitos céticos.

  72. Nuvvem Branka do laddo says:

    Prezados Srs,
    -
    Mais uma colherzinha no angu E.T.
    -
    Sobre considerações científicas – acadêmicas e mesmo amadoras sobre a possibilidade de influência alienígena no nosso passado civilizatório…
    -
    A Terra, dentro da sua área de influência biológica cósmica (intragaláctica), é um acontecimento estável de milhões e milhões de anos de existência, com interferências apenas de ruídos climáticos e geológicos (os períodos glaciais são, dentro de milhões de anos, apenas ruídos).
    -
    Apesar de catástrofes naturais (dois exemplos: erupções gigantescas e grandes asteróides) a vida nunca chegou a ser extinta, ou não estariamos aqui, (dizem que a barata resiste até a hecatombe nuclear, porém o animal terrestre mais difícil de ser extinto é o próprio homem – que vive no planeta inteiro, e quando indigente ou viciado em todo tipo de tóxico resisti bravamente a condições agressivas e deploráveis de subsistência).
    -
    Ou seja, é provável que o homem exista desde milhões de anos (ainda que a ciência oficial dê créditos apenas a nossa origem evolucionista procedente exclusivamente dos primatas), daí que:
    -
    Dentro das possibilidades (hipóteses) de intervenção Álien em nossas antigas civilizações, precisamos incluir a possibilidade de sobreviventes de antigas e desconhecidas raças humanas, da própria casa Terra, agindo entre nossos ancestrais conhecidos.
    -
    Há todo um leque de possibilidades… Uma arma biológica, genética etc, pode ter eliminado quase todos os humanos na Terra (um milhão de anos atrás), escapando apenas alguns raros sobreviventes, que estavam em algum laboratório ou base no espaço ou, quem sabe, no fundo do mar, entre outros ermos lugares. Passados então anos e anos só vivem na Terra alguns miseráveis e esses raros cientistas, então os sobreviventes “elitizados” se isolam durante séculos ou milênios do resto da humanidade arrasada. Porém, um dia quando resolvem que já é tempo de se misturarem com esses miseráveis eles acabam sendo confundidos com Deuses. Pois, não só sua tecnologia é fantástica e mágica, mas pelo seu isolamento e melhores condições de vida até suas aparências físicas são muito melhores e diferenciadas.
    -
    Com essa intervenção apenas quero agregar algumas possíveis janelas alternativas explicativas ou elucidativas ao nosso misterioso passado. E não… jogar os Álies para longe de nosso quadrado.

  73. Macc says:

    Agora, Nuvvem Branka do laddo, consideremos HIPOTETICAMENTE que esta sua história aconteceu de fato, que é a verdade.
    Como será possível “cientificamente” através da indução, obter evidencias disso? Resposta: não é possível.
    É por isso que a ciência não deve ser usada para contar a história do passado, pois sobraram pouquíssimas pistas sobre o que aconteceu ou não. é como na questão dos antigos astronautas, imagine por um momento que seja tudo verdade a la Von Daniken, o que os cientistas esperariam encontrar: um disco voador enterrado num sitio arqueológico!!! Claro que isso seria ridículo e impossível, e mesmo que acontecesse o governo iria acobertar de qualquer jeito e não ficaríamos sabendo (e não adianta os céticos dizerem que o governo é honesto, até dói na alma). A historia não é só feita por homens, mas principalmente escrita por eles… haja manipulação.
    Na questão dos antigos astronautas ou das suas “sociedades secretas de supra-humanos” (que é ainda pior, pois eles controlariam a história), considerando estes cenários, o que diabos a arqueologia esperaria encontrar? Se usarmos a ciência para examinar os “poucos fragmentos comuns” do cotidiano que resistiram milagrosamente ao tempo, cairíamos em histórias fantasiosas sobre a evolução natural dos seres vivos e depois sobre a evolução da sociedade, que somos uma espécie avançada, diríamos que não existem ETs ou conspirações e que tudo esta explicado por estas pouquíssimas evidencias que temos escavado!
    É exatamente o racionalismo que nos leva a concluir que ciência é insuficiente como método para contar a história de seja lá o que for, quanto mais à humana que é tão complexa.
    Em minha humilde opinião, se usarmos a lógica, portanto, o passado não deveria ser escrito sobre “evidencias materiais analisáveis”, mas sim sobre as universalidades dos “mitos e lendas” mundiais, sobre a história oral e sobre o que os governos e a própria ciência (inclusive os puxa-sacos céticos) tentam esconder desesperadamente dos olhos do publico.
    E o que eles tentam esconder? O que todo mundo já sabe há milênios: que o mundo é um lugar cheio de mistérios e maravilhas indecifráveis (incluindo ETs, milagres, paranormalidades, divindades, monstros, magia, vida após a morte, oculto, outras dimensões, seres que vivem nelas… uma realidade bem fortiana compartilhada por todas as sociedades que já pisaram neste planeta, de Norte a Sul…
    Ha… mas hoje não, hoje somos mais inteligentes, somos céticos e usamos a inexpugnável, ultraverdadeira, superforte, vitaminada e radiante, rufem os tambores …trtrtrrtrtrtrtr… Ciência…

  74. Nuvvem Branka do laddo says:

    Pois é caro Macc,
    Isaac Newton, apesar de exímio em ciência pura, concluiu que só com matemática e lógica não haveria cheito de revelar todos os mistérios de nossa realidade, e passou a ser um cientista “crente”. rsrsrsrs!!!!
    Ora, todo cientista, por mais materialista que seja, precisa crer nas possibilidades de sucesso de suas hipóteses de pesquisa. E isso nada mais é do que fé no imponderável. No final das contas o que move nosso mundo humano é sempre a fé. Sem ela nem sairíamos da cama… Todos somos crentes – até o pretencioso e iludido cético ortodoxo que se diz mover apenas por evidências irrefutáveis.
    -
    Falando em Sir Isaac Newton – O Crente, rsrsrs!!
    -
    O mundo para ele, em seus cálculos de bruxo, não acabará antes de 2060.
    -
    Ufa… 2012 não vai atrapalhar com meus projetos de fazer um pé de meia em São Paulo e depois me mandar para Nibirú.
    -
    rsrsrsrs!!!!

  75. Nuvvem Branka do laddo says:

    jeito – rsrsrs!!!

  76. Marcelo says:

    Eu entro pouco nesse site, deixo minhas respostas e quando volto nunca as vejo publicadas. Que merda de censura.

    COMO EU DISSE NÃO ADIANTA VOCÊS CHORAREM, zecharia Stichin ERA APENAS UM VELHO LOUCO QUE TRANSFORMAVA QUALQUER LENDA DE POVOS ANTIGOS EM ” FATOS QUE FORAM INTERPRETADOS DE MANEIRA ERRÔNEA POR POVOS ANTIGOS QUE OS TINHA COMO DEUSES”.
    TANTO É VERDADE QUE ATÉ HISTÓRIAS ABSURDAS DOS EGÍPCIOS ELE TOMA COMO REAIS E TOSCAMENTE AS TRANSFORMA EM ALIENS.

    HÁ OS BURROS QUE ACREDITAM.

    • Magno says:

      Marcelo.

      Há um ditado que diz:

      “Aqueles que dançam, são considerados loucos por aqueles que não conseguem ouvir a música.”

      Entenda como quiser.

    • Macc says:

      Marcelo, tenha dó de si mesmo! Este site é dedicado a discutir ciencia, se te censuram é porque vc só sabe OFENDER sem nenhuma argumentação.

      Se vc fosse estudar, poderia contribuir aqui de maneira mais academica, ao invés de passar vergonha mostrando que não entende nada de arqueologia ou sequer de história, vc nem sabe se referir corretamente aos termos e conceitos: “lenda dos povos antigos” “histórias absurdas dos egípcios”…
      triste mesmo.
      Leia o post do Antonio Andrada (que nos fez um favor de explicar como se cocebem as interpretações desses textos), ele é um ARQUEÓLOGO formado e suas opiniões nem sequer estão polarizadas ou fechadas à discussão, como se esperaria de um bom profissional da ciencia.

      Pare de passar vergonha, e se pergunte quem será o burro aqui?

    • Macc says:

      Aliás Marcelo, o moderador DEVERIA ter apagado este seu comentário que ofendeu explicitamente metade das pessoas que postaram comentarios neste artigo.
      desrespeitou um escritor: “velho louco”, desrespeitou quem gosta das ideias deles: “Burros”, desrespeitou a cultura egípcia: “histórias absurdas dos egípcios”, etc…)

      Acho que quando se ofende em nome do ceticismo vale, não é mesmo! Se não apagou é porque esta falando mau do Sitchin, eta ceticismo bom este!

  77. Magno says:

    Mac.

    Obrigado por me informar sobre o post do Andrada.

    Abs.

  78. Magno says:

    Antonio Andrada.

    Obrigado pela resposta à minha pergunta sobre as traduções de Sitchin e desculpe por só ter observado agora.

    Abs.

  79. ary says:

    o que aconteceu com o mori ? por que ele nao posta mais?????

  80. Erich von Daniken says:

    Ainda discutindo as teorias dos aliens talhadores de pedras! LOL.
    E à próposito, Zecharia Stichin interpretava as inscriçôes sumérias do jeito que ele queria, porque outros especialistas não concordavam com ele nem concorda até hoje, interpretam de outra forma.
    Zecharia Stichin era mais um desses que veem seres mágicos em tudo que é lugar.

  81. Macc says:

    Urubudaniken… Trolóló XÉTICO não cola mais,
    Leia o post do Andrada e argumente alguma coisa… 24 de fevereiro de 2012 às 10:02

  82. Alguem que sabe says:

    Não, não podem vim dirá pq lá e onde existe o Planeta LV-426, o planeta que caiu a espaçonave com os “ALIENS” dos filmes, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  83. eu vi says:

    Acreditar ou não no que lemos é questão de escolha. Na escola, aprendemos que Tiradentes era o mártir da independência, até chegar o professor do cursinho e desmistificar todo o que acreditamos até então quanto à sua aparência e conduta tão “Jesus Cristo”. Assim como quando se quer acreditar na existência de um “Deus” apegamo-nos às literaturas (Bíblia) escritas por “alguéns” que nem sabemos quem são, sob quais circunstâncias escreveram tais parábolas. O quanto estas palavras foram manuseadas e modificadas pelas pessoas até alcançarem seu próprio objetivo: controlar as pessoas.

    Bem, assim devo dizer que, também não sei quem escreve as matérias desse Blog e que não sei quais são suas verdadeiras intenções.

    Desmistificar é muito fácil.
    Pessoas boas na construção de palavras e fatos , podem em um segundo, usando palavras e argumentos certos fazer você acreditar que Você não é você. Que Deus não existe. Que Deus existe. Que Alienígenas existem ou não existem. Que o “fulano” é o melhor presidente o o Brasil já teve.
    Se você acredita da “não crença” , parabéns.

  84. Diogo says:

    As constelações que nós conhecemos, existem, porque são vistas do ponto de vista da Terra… em outro sistema estrelar, simplesmente o mapa astral seria totalmente diferente, e com certeza essas constelações não existiriam!

    E não faz sentido os aliens usarem o desenho das constelações pra navegarem, isso é muito útil quando você tá no mar e só tem estrelas no céu pra orientação, mas a gente sabe, que o que vimos são luzes emitidas por elas, ou quer dizer, onde você ve a estrela, ela não está la, em alguns casos, a estrela nem existe mais! (já que algumas, a luz demra milhares de anos pra chegar aqui).

    • Macc says:

      Diogo, olha só o que o Mori afirma:

      “Betty Hill diz ter visto um mapa estelar exibido pelos alienígenas em um telão holográfico, indicando as principais estrelas e as rotas de viagem usadas pelos cabeçudos.”

      Ou seja, os aliens teriam “mostrado intesionalmente” o mapa para a abduzida, ou seja, “para que ela entende-se” é obvio.
      Ai te pergunto, quando vc mostra um mapa para alguem, vc nao referencia o mesmo na posiçao em que a pessoa se encontra? Claro que sim, senao ela nao vai entender nada!
      Ou seja, Nada tem a ver com um mapa de navegaçao dos aliens,
      Acho impressionante a falta de logica usada pelo movimento cetico…

  85. JudahHaLevi says:

    as evidencias de erro são fortes, mas os desfençores alega é que só alguns anos depois foi de fato localizada o sistema estelar binário Zeta Reticuli, mas a verdade é que todos os pontos feitos por ela, não batem exatamente com o sistema estelar binário Zeta Reticuli… e a pergunta continua: Será se foi verdade mesmo? :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to Top ↑